REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015"

Transcrição

1 REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015 ITENS REVISADOS: ARTIGO 14, alínea c c) Todos os recuos mencionados na alínea b deverão ser totalmente livres, sendo que a projeção de beirais com largura de até 80 cm (oitenta centímetros), jardineiras descobertas e pérgulas vazadas no mínimo 50% (cinqüenta por cento) da sua área, poderão avançar sobre qualquer recuo frontal, lateral ou de fundos, até o limite máximo permitido pelo Código de Obras Municipal. c) Todos os recuos mencionados na alínea b deverão ser totalmente livres, sendo que a projeção de beirais, marquises e pérgulas vazadas no mínimo 50% (cinquenta por cento) da sua área, com largura de até 80 cm (oitenta centímetros), poderão avançar sobre qualquer recuo frontal, lateral ou de fundos, sendo vedada a presença de outros elementos arquitetônicos tais como piscinas, spas ou similares, decks suspensos, quadras, viveiros, pórticos, casas de gás, canis, caixas d água que não subterrâneas, etc. ARTIGO 14, alínea n n) Na faixa de recuo frontal, respeitados os afastamentos laterais obrigatórios, somente poderão ser implantados a caixa subterrânea de telefone, filtro de água, fossas do sistema séptico (conforme anexo I), reservatório subterrâneo de detenção de águas pluviais (ANEXO II), caixa de proteção de poço artesiano, lixeira (conforme padrão estabelecido pela Associação), caixa de correio e os acessos, conforme normas deste Regulamento, sendo permitida, ainda, a instalação de guarda corpo desde que o mesmo não seja de alvenaria e respeite a transparência mínima de 50 %, nas rampas e passarelas aéreas ou escadas construídas dentro do afastamento frontal, para acesso à edificação. Caso o reservatório de detenção de águas pluviais seja subterrâneo, poderá ser realizado nas faixas dos afastamentos laterais obrigatórios, desde que seja respeitada a distância mínima das divisas de um metro (1,00m), equivalente à faixa de servidão lateral para passagem das redes de água pluvial e/ou esgoto do(s) lote(s) vizinho(s). n) Na faixa de recuo frontal, respeitados os afastamentos laterais obrigatórios, somente poderão ser implantados a caixa subterrânea de telefone, filtro de água, fossas do sistema séptico (conforme anexo I), reservatório subterrâneo de detenção de águas pluviais (ANEXO II), caixa de proteção de poço artesiano, lixeira (conforme padrão estabelecido pela Associação), caixa de correio e os acessos, conforme normas deste Regulamento, sendo permitida, ainda, a instalação de guarda corpo desde que o mesmo não seja de alvenaria e respeite a transparência mínima de 50 %, nas rampas e passarelas aéreas ou escadas construídas dentro do afastamento frontal, para acesso à edificação. Caso o reservatório de detenção de águas pluviais seja subterrâneo, poderá ser realizado nas faixas dos afastamentos laterais obrigatórios, desde que seja respeitada a distância mínima das divisas de 1,50 m (um metro e meio). ARTIGO 14, alínea o o) O padrão de energia elétrica e o cavalete de ligação de água deverão ser instalados na lateral do lote ou o mais próximo desta na faixa correspondente ao afastamento frontal, nas dimensões máximas de 50 cm (cinqüenta centímetros) de largura, 160 cm (cento e sessenta 1

2 centímetros) de comprimento e 180 cm (cento e oitenta centímetros) de altura, respeitando-se as normas das respectivas concessionárias. o) O padrão de energia elétrica e o cavalete de ligação de água deverão ser instalados ao longo de uma das divisas laterais do lote, na faixa correspondente ao afastamento frontal. O padrão de energia elétrica poderá ter dimensões máximas de 50 cm (cinquenta centímetros) de largura, 160 cm (cento e sessenta centímetros) de comprimento e 180 cm (cento e oitenta centímetros) de altura e ter o cavalete de ligação de água acoplado em sua unidade, respeitando-se as normas das respectivas concessionárias. Quando independente, o padrão do cavalete de ligação de água poderá ter dimensões máximas de 30 cm (trinta centímetros) de largura, 90 cm (noventa centímetros) de comprimento e 70 cm (setenta centímetros) de altura. ARTIGO 14, alínea q q) A faixa de passeio público deverá apresentar acabamento e permeabilidade definidos pelo modelo padrão do loteamento, a ser fornecido pela Associação, permanecer totalmente desobstruída livre de paisagismo e sistema de drenagem e manter o perfil natural, exceto no trecho da entrada da garagem, que deverá fazer concordância da rampa de acesso de veículos prevista no projeto aprovado, com o nível da rua e do passeio, observada a Lei de Acessibilidade para Portadores de Necessidades Especiais PNE e os dispositivos da Norma NBR 9050, que trata da Adequação das Edificações e do Mobiliário Urbano às Pessoas com Necessidades Especiais PNE s (não ter degraus, dentre outros requisitos). q) A faixa de passeio público deverá apresentar acabamento e permeabilidade definidos pelo modelo padrão do loteamento, a ser fornecido pela Associação, permanecer totalmente desobstruída, livre de paisagismo e manter, inclusive durante o período de obras, o perfil natural, exceto no trecho da entrada da garagem, que deverá fazer concordância da rampa de acesso de veículos prevista no projeto aprovado com o nível da rua, sem interferir na continuidade do passeio público, observada a Lei de Acessibilidade para Portadores de Necessidades Especiais PNE e os dispositivos da Norma NBR 9050, que trata da Adequação das Edificações e do Mobiliário Urbano às Pessoas com Necessidades Especiais PNE s (não ter degraus, dentre outros requisitos). ARTIGO 14, alínea r r) O rebaixo do meio fio para acesso a veículos deverá ter comprimento máximo de 4,80m (quatro metros e oitenta centímetros) e largura máxima de 50 cm (cinqüenta centímetros), ficando o Associado responsável pela aprovação do mesmo perante o município. r) O rebaixo do meio fio para acesso a veículos deverá ter comprimento máximo de 4,80m (quatro metros e oitenta centímetros) e largura máxima de 80 cm (oitenta centímetros), correspondente à faixa gramada do passeio, ficando o Associado responsável pela aprovação do mesmo perante o município. Caso haja necessidade de outro acesso de veículos, cada acesso deverá ter largura máxima de 3,00m (três metros). ARTIGO 14, alínea s s) Nas rampas de veículos para acesso à garagem, dentro da faixa correspondente ao recuo frontal, será permitida a construção de guia de proteção ( bate-rodas ) podendo atingir a altura máxima de até 40 cm (quarenta centímetros). 2

3 s) Nos acessos de veículos e pedestres, dentro da faixa correspondente ao recuo frontal, será permitida a construção de guia de proteção ( bate-rodas ), devendo este iniciar com altura 0,00 (zero), podendo atingir a altura máxima de até 40 cm (quarenta centímetros). ARTIGO 14, alínea v v) As estruturas a edificação entre o piso do pavimento em nível inferior e o terreno natural deverão ser fechadas com alvenaria, arrimos e ou taludes de modo que a estrutura de sustentação da edificação não fique aparente (de forma a evitar palafitas ou paliteiros ). v) As estruturas da edificação entre o piso do pavimento em nível inferior e o terreno natural, incluindo as estruturas de acessos e piscinas, quando caracterizadas como palafitas (ou paliteiros ), deverão ser fechadas com alvenaria, arrimos e ou taludes de modo que a estrutura de sustentação da edificação não fique aparente. ARTIGO 14 Acréscimo da alínea x x) Os sistemas elétricos (fios e eletrodutos) e tubulações hidráulicas deverão receber devido acabamento de forma que não fiquem aparentes nas divisas do lote e nas faixas de recuo obrigatório. ARTIGO 14 Acréscimo da alínea z z) O ASSOCIADO deverá instalar caixa de correio individual na faixa do recuo frontal à distância máxima de 1,50m (hum metro e cinquenta centímetros) do alinhamento do lote, nas dimensões máximas de 40cm (quarenta centímetros) de largura, 40cm (quarenta centímetros) de comprimento e 1,10m (hum metro e dez centímetros) de altura. ARTIGO 15, alínea a a) Nas divisas do LOTE, excetuando-se a divisa lateral na faixa correspondente ao afastamento frontal, os muros de arrimo só poderão ser erguidos (aterro ou escavação) até a altura máxima de 2 m (dois metros) contados da cota natural do terreno no trecho onde o mesmo será edificado e deverão ser pintados na cor verde escuro (assim considerada a tonalidade de Código R060 da Suvinil, ou a tonalidade equivalente de qualquer outra marca de tinta) e plantada vegetação em sua base quando a face aparente do muro estiver voltada para qualquer área verde ou conforme projeto arquitetônico nos demais casos. a) Nas divisas do LOTE, excetuando-se a divisa lateral na faixa correspondente ao afastamento frontal, os muros de arrimo deverão obedecer altura máxima de 2,00m (dois metros), contados da cota onde o mesmo será edificado e, quando estes estiverem voltados para qualquer área verde, deverão ser pintados na cor verde escuro e plantada vegetação para recobrir a face aparente do muro. Será dispensada a pintura caso o muro de arrimo esteja recoberto com vegetação tipo hera na data do pedido de vistoria para liberação do termo de habite-se interno. ARTIGO 15, alínea b b) Os arrimos localizados nas divisas laterais, nas faixas correspondentes ao afastamento frontal, deverão iniciar com altura 0,00 (zero) no ponto de intercessão do alinhamento do lote 3

4 com o passeio público podendo atingir a altura máxima de até 2,00m (dois metros) exclusivamente no ponto correspondente ao final do recuo frontal de 5,00m (cinco metros), de forma contínua e sem escalonamento. b) Os arrimos localizados nas divisas laterais, nas faixas correspondentes ao afastamento frontal, deverão iniciar com altura 0,00 (zero), podendo atingir a altura máxima de até 2,00m (dois metros) exclusivamente no ponto correspondente ao final do recuo frontal de 5,00m (cinco metros), de forma contínua e sem escalonamento e, quando estes estiverem voltados para qualquer área verde, deverão ser pintados na cor verde escuro e plantada vegetação para recobrir a face aparente do muro. Será dispensada a pintura caso o muro de arrimo esteja recoberto com vegetação tipo hera na data do pedido de vistoria para liberação do termo de habite-se interno. ARTIGO 15, alínea c c) Nos alinhamentos frontais do(s) lote(s) não será permitida a execução de arrimos ou qualquer outro tipo de construção. c) Salvo as situações previstas neste Regulamento, nos alinhamentos frontais do(s) lote(s) não será permitida a execução de arrimos ou qualquer outro tipo de construção. ARTIGO 15, alínea d d) Havendo necessidade da execução de arrimos dentro das faixas correspondentes ao afastamento de fundos ou afastamentos laterais, respeitada a faixa do recuo frontal, estes deverão obedecer a altura máxima de 2,00m (dois metros) em relação ao perfil natural do terreno no trecho onde o mesmo será edificado. d) Havendo necessidade da execução de muros de arrimo dentro das faixas correspondentes ao afastamento de fundos ou afastamentos laterais, respeitada a faixa do recuo frontal, estes deverão obedecer a altura máxima de 2,00m (dois metros) contados da cota onde o mesmo será edificado. ARTIGO 15, alínea e e) Havendo necessidade de arrimos dentro do recuo frontal, estes deverão ser destinados exclusivamente para contenção de acessos de veículos e pedestres e deverão, obrigatoriamente, nas faixas que ficarem aparentes, partir do nível 0,00 (zero) na intercessão do alinhamento do(s) lote(s) com o passeio público podendo atingir a altura máxima de 100 cm no limite final do afastamento frontal, de forma contínua e sem escalonamento. e) Havendo necessidade de arrimos dentro do recuo frontal, estes deverão ser destinados exclusivamente para contenção de acessos de veículos e pedestres e deverão, obrigatoriamente, nas faixas que ficarem aparentes, partir do nível 0,00 (zero), podendo atingir a altura máxima de 1,00m (um metro) até o limite final do afastamento frontal, incluindo a altura da mureta bate-rodas, de forma contínua e sem escalonamento. ARTIGO 15, alínea f f) De acordo com o disposto no item anterior na faixa aparente permitida de 100 cm (cem centímetros) está incluída a altura da mureta bate-rodas. O caso do arrimo ser construído na divisa com lote não edificado, o ASSOCIADO ficará responsável pela sua demolição total ou 4

5 parcial caso o vizinho venha a executar projeto aprovado, de forma a que muro de arrimo fique dentro de seu objetivo de contenção de terreno e não passe a ser um muro físico aparente de divisão. f) O ASSOCIADO ficará responsável pela demolição total ou parcial do muro de arrimo na divisa já executado pelo vizinho, caso venha a executar projeto aprovado, de forma que o muro de arrimo existente perca o objetivo de contenção de terreno e passe a ser um muro físico aparente de divisão. ARTIGO 15, alínea g g) Os ASSOCIADOS proprietários de obras já concluídas ou em andamento que tenham muros de arrimo com face aparente voltada para as áreas públicas em tonalidade diferente da verde escuro (verde musgo) e sem o plantio de vegetação na sua base serão notificados para que o façam em até 12 (doze) meses após a aprovação deste regulamento. g) Os ASSOCIADOS proprietários de obras já concluídas ou em andamento que tenham muros de arrimo com face aparente voltada para as áreas verdes deverão se ater ao artigo 15 alínea a deste Regulamento, e serão notificados para que o façam em até 90 (noventa) dias. A drenagem dos muros de arrimo executados não poderá ser voltada para os lotes vizinhos e áreas verdes. ARTIGO 16, alínea a a) O fechamento das divisas laterais e de fundos somente poderão ser executados com cercaviva, associada ou não com tela na cor verde escuro, com altura de 1,80m (um metro e oitenta) e observados eventuais padrões complementares que sejam definidos pela Associação. No cálculo da altura da tela deverá ser considerada a base eventualmente construída, como permitido neste Regulamento. a) Os fechamentos das divisas laterais e de fundos deverão ser executados com cerca-viva associada à tela com altura de 1,80m (um metro e oitenta centímetros) na cor verde escuro, e observados eventuais padrões complementares que sejam definidos pela Associação. No cálculo da altura da tela deverá ser considerada a base eventualmente construída, como permitido neste Regulamento. A cerca-viva deverá atingir altura mínima de 1,80m (um metro e oitenta centímetros) e máxima de 4,00m (quatro metros) e deverá ser podada quando ultrapassar tal limite. ARTIGO 16, alínea b b) Será permitida a construção de uma mureta para base do fechamento de tela, com altura máxima de até 0,40 cm (quarenta centímetros), excetuando-se a faixa lateral correspondente ao afastamento frontal, respeitando a altura total de 1,80 m (um metro e oitenta centímetros). Dessa forma o fechamento ficará com até 0,40 m (quarenta centímetros) de mureta, aos quais deverá ser acrescida a tela com até 1,40 m (um metro e quarenta centímetros) de altura, ambos na cor verde musgo, totalizando a altura de 1,80 m (um metro e oitenta centímetros), sendo esta a altura do fechamento em relação ao perfil modificado do terreno, associados com a cerca viva. b) Será permitida a construção de uma mureta para base do fechamento de tela, com altura máxima de até 0,40 cm (quarenta centímetros), excetuando-se a faixa lateral correspondente ao afastamento frontal, respeitando a altura total de 1,80 m (um metro e oitenta centímetros). 5

6 Dessa forma, o fechamento ficará com até 0,40 m (quarenta centímetros) de mureta, aos quais deverá ser acrescida a tela com até 1,40 m (um metro e quarenta centímetros) de altura, ambos na cor verde escuro, totalizando a altura de 1,80 m (um metro e oitenta centímetros) em relação ao perfil modificado do terreno, associados com a cerca viva. ARTIGO 16, alínea d d) No caso de fechamento frontal do LOTE, tal fechamento poderá ser por cerca viva associada ou não com tela e respectiva estrutura na cor verde escuro, vidro ou gradil, neste caso respeitando-se o percentual de transparência mínima de 50% (cinqüenta por cento), altura máxima de 1,80 m (um metro e oitenta centímetros) nas faixas correspondentes aos afastamentos laterais obrigatórios e obedecendo ao recuo frontal mínimo de 5,00 m (cinco metros). d) No caso de fechamento frontal do LOTE, este deverá obedecer ao recuo mínimo obrigatório de 5,00m (cinco metros) e poderá ser com vidro ou gradil, respeitando-se o percentual de transparência mínima de 50% (cinquenta por cento) e altura máxima de 1,80 m (um metro e oitenta centímetros) nas faixas correspondentes aos afastamentos laterais obrigatórios. ARTIGO 16, alínea e e) Caso o fechamento de divisa em cerca viva seja executado acima do muro de arrimo nas divisas do LOTE conforme permitido neste Regulamento, a somatória da altura do muro de arrimo e do fechamento deverá atingir uma altura máxima de 3,80 m (três metros e oitenta centímetros) em relação ao perfil natural do terreno, sendo a altura máxima de 2,00m (dois metros) referente ao arrimo e altura de 1,80 (um metro e oitenta centímetros) referente ao fechamento da divisa. e) Caso o fechamento de divisa em cerca viva seja executado acima do muro de arrimo nas divisas do LOTE conforme permitido neste Regulamento, a somatória da altura do muro de arrimo e do fechamento deverá atingir uma altura máxima de 4,00 m (quatro metros) em relação ao perfil natural do terreno, sendo a altura máxima de 2,00m (dois metros) referente ao arrimo e altura de 2,00 (dois metros) referente ao fechamento da divisa. Quando o muro de arrimo for executado na faixa dos afastamentos laterais ou de fundos, de forma a criar níveis acima do perfil natural do terreno vizinho, o plantio de cerca viva será obrigatório. ARTIGO 16, alínea f f) No caso de vizinhos, estes deverão ajustar entre si sobre os custos de construção das divisas laterais, não sendo competência ou objetivo da ASSOCIAÇÃO esta intermediação. Nos LOTES que possuem APP, o fechamento das divisas laterais dentro desta área correrá por conta do interessado e deverá seguir o padrão do fechamento executado originalmente no NASCENTES, sempre atendendo a legislação pertinente. f) No caso de vizinhos, estes deverão ajustar entre si sobre os custos de construção das divisas laterais e de fundos, não sendo competência ou objetivo da ASSOCIAÇÃO esta intermediação. Nos LOTES que possuem APP, o fechamento das divisas laterais dentro desta área correrá por conta do interessado e deverá seguir o padrão do fechamento executado originalmente no NASCENTES, sempre atendendo a legislação pertinente. 6

7 ARTIGO 16, alínea g g) Nos casos em que os lotes apresentem desnível em declive superior a 1,00 (um metro) em relação ao nível do passeio ou que ponha em risco os transeuntes do passeio público, poderá ser instalada pelo proprietário proteção no alinhamento do passeio, com altura máxima de 1,10m (um metro e dez centímetros) em cerca-viva ou alternativa que guarde sintonia com o projeto arquitetônico respeitando-se a visibilidade mínima de 50%, limitada à extensão que apresente riscos de segurança. Em hipótese alguma será permitido o fechamento contínuo total da parte frontal ou a instalação de portões contínuos a tais fechamentos. g) Nos casos em que os lotes apresentem desnível em declive superior a 1,00 (um metro) em relação ao nível do passeio ou que ponha em risco os transeuntes do passeio público, deverá ser instalada pelo proprietário proteção no alinhamento do passeio em cerca-viva com altura máxima de 0,90m (noventa centímetros), limitada à extensão que apresente riscos de segurança. Em hipótese alguma será permitido o fechamento contínuo total da parte frontal ou a instalação de portões contínuos a tais fechamentos. ARTIGO 22, alínea a a) Na forma da lei, todo e qualquer adquirente de LOTE é obrigado a dar servidão gratuita para passagem de águas pluviais e esgotos, nas faixas de recuo, desde que devidamente canalizados. A faixa de servidão lateral deverá ter largura de um metro (1,0m) e redes locadas no eixo desta faixa, devidamente envelopadas. Correrá por conta do usuário da servidão toda e qualquer despesa inerente a este serviço, bem como a sua manutenção, ao qual o adquirente franqueará o acesso sem nenhum ônus. a) Na forma da lei, todo e qualquer adquirente de LOTE é obrigado a dar servidão gratuita para passagem de águas pluviais e esgotos, nas faixas de recuo, desde que devidamente canalizados. A faixa de servidão deverá ter largura de um metro (1,0m) e redes locadas no eixo desta faixa, devidamente envelopadas. Correrá por conta do usuário da servidão toda e qualquer despesa inerente a este serviço, bem como a sua manutenção, ao qual o adquirente franqueará o acesso sem nenhum ônus. ARTIGO 22, alínea c c) As águas pluviais serão captadas em redes independentes do esgoto e deverão ser lançadas nos reservatórios de detenção de águas pluviais a serem construídos pelos adquirentes dos LOTES. O reservatório de detenção deverá ser locado fora da faixa do afastamento de fundos e, desde que seja subterrâneo, poderá ser locado na faixa do afastamento frontal ou nas faixas dos afastamentos laterais, respeitando a faixa de servidão lateral com largura de 1,0m (um metro), para a passagem das redes de esgoto e de água pluvial do(s) lote(s) vizinho(s). A água pluvial que verter da caixa de retenção, quando descarregada em área de preservação ou área verde, deverá prever dispositivos para evitar o surgimento de erosões. c) As águas pluviais serão captadas em redes independentes do esgoto e deverão ser lançadas nos reservatórios de detenção de águas pluviais a serem construídos pelos adquirentes dos LOTES. O reservatório de detenção deverá ser locado fora da faixa do afastamento de fundos e, desde que seja subterrâneo, poderá ser locado na faixa do afastamento frontal ou nas faixas dos afastamentos laterais, respeitando a distância mínima de 1,50m (um metro e cinquenta centímetros) das divisas ou alinhamento do lote. A água pluvial que verter da caixa de retenção, quando descarregada em área de preservação ou área verde, deverá prever dispositivos para evitar o surgimento de erosões. 7

8 ARTIGO Quando da apresentação do Projeto para análise pela Comissão, deverá ser quitada a Taxa de Análise de Projeto, como previsto no Estatuto Social (Art. 40, letras a e d ), cujo valor é fixado na data da aprovação deste Regulamento em R$ 400,00 (quatrocentos reais), podendo ser reajustado pela Diretoria da Associação a qualquer época. 29. Na apresentação do Projeto para análise pela Comissão, deverá ser paga Taxa de Análise de Projeto, como previsto no Estatuto Social (Art. 40, letras a e d ). O valor da taxa estabelecida pela Diretoria será calculado considerando a metragem quadrada do projeto, ficando estabelecido uma taxa mínima correspondente a uma área construída de 500m² (quinhentos metros quadrados). Os serviços poderão ser terceirizados pela Associação. ARTIGO Caso o ASSOCIADO tenha interesse, poderá por si ou por profissional contratado, solicitar reunião prévia de esclarecimentos e informações sobre as normas da Associação junto à Comissão de Aprovação de Projetos e Fiscalização, através do profissional responsável técnico pelo(s) projeto(s). Neste caso será devida a antecipação do pagamento da Taxa de Aprovação de Projetos, que ficará quitada para os fins do item anterior. 30. Caso o ASSOCIADO tenha interesse, poderá por si ou por profissional contratado, solicitar reunião prévia de esclarecimentos e informações sobre as normas da Associação junto à Comissão de Aprovação de Projetos e Fiscalização, através do profissional responsável técnico pelo(s) projeto(s). ARTIGO No caso de alteração, por modificação ou reforma de projetos já anteriormente aprovados, será cobrada nova Taxa de Análise de Projeto. 31. No caso de modificações ou reforma de projetos já analisados e/ou aprovados pelo departamento técnico da Associação, será cobrada nova Taxa de Análise de Projeto. ARTIGO Como forma de assegurar o cumprimento dos limites construtivos determinados pelo Estatuto e por este Regulamento, os projetos de Terraplanagem deverão ser apresentados em conjunto com o Projeto Arquitetônico e a aprovação dos mesmos vinculada. Caso o Projeto de Terraplanagem seja entregue separadamente do Projeto Arquitetônico, os dois deverão ser conciliados entre si, de tal forma que a aprovação deles seja vinculada e serão devidas duas Taxas de Análise de Projeto. 32. Como forma de assegurar o cumprimento dos limites construtivos determinados pelo Estatuto e por este Regulamento, os projetos de Terraplanagem deverão ser apresentados em conjunto com o Projeto Arquitetônico. ARTIGO Deverão ser tomadas as medidas necessárias para o não carreamento de sólidos (terra, entulho, etc.) para as VIAS, ÁREAS VERDES, REDES PLUVIAIS ou além de quaisquer limites do(s) lote(s). Caso ocorra esse carreamento e o ASSOCIADO seja notificado para regularizar a situação e este não o faça no prazo estipulado, a Associação poderá: 8

9 a) tomar as medidas necessárias para a limpeza e cobrar do ASSOCIADO o ressarcimento, acrescidos de 10% (dez por cento) a título de taxa administrativa, juros de 1% ao mês e honorários, no caso de cobrança por escritório de advocacia (extrajudicial ou judicial); b) fazer representação junto aos órgãos competentes para evitar que lhe seja imputada alguma responsabilidade solidária por danos e crimes ambientais. 49. Deverão ser tomadas as medidas necessárias para o não carreamento de sólidos (terra, entulho, etc.) para as VIAS, ÁREAS VERDES, REDES PLUVIAIS ou além de quaisquer limites do(s) lote(s). Caso ocorra esse carreamento, a Associação poderá: a) tomar as medidas necessárias para a limpeza e cobrar do ASSOCIADO o ressarcimento, acrescidos de 10% (dez por cento) a título de taxa administrativa, juros de 1% ao mês e honorários, no caso de cobrança por escritório de advocacia (extrajudicial ou judicial); b) fazer representação junto aos órgãos competentes para evitar que lhe seja imputada alguma responsabilidade solidária por danos e crimes ambientais. ARTIGO 50, alínea a a) Ser construído de material rígido (compensado de madeira ou equivalente) em toda a testada do lote e nas laterais correspondentes ao trecho do afastamento frontal de 5,00 m (cinco metros); - Sugestão: a) Ser construído de material rígido (compensado de madeira ou telha metálica) em toda a testada do lote e nas laterais correspondentes ao trecho do afastamento frontal de 5,00 m (cinco metros); ARTIGO 50, alínea c c) Os tapumes e os barracões de obra deverão ser pintados na cor padrão (verde escuro) e deverão ser mantidos em bom estado de conservação durante todo o período de obras. Não será permitida a personalização de tapumes através de pintura como forma de propaganda. - Sugestão: c) Os tapumes e os barracões de obra deverão ser pintados na cor padrão (verde escuro) e deverão ser mantidos em bom estado de conservação durante todo o período de obras e enquanto a obra estiver parada. Não será permitida a personalização de tapumes através de pintura como forma de propaganda. ARTIGO 50, alínea d d) No caso do lote vizinho já estar habitado, ou a partir do momento em que o mesmo for ocupado, o tapume deverá ser executado em todo o trecho que faz divisa com o mesmo, inclusive no caso em que a referida divisa seja com o lote de apoio. - Sugestão: d) No caso do lote vizinho já estar habitado, ou a partir do momento em que o mesmo for ocupado, o tapume deverá ser executado em todo o trecho que faz divisa com o mesmo, inclusive no caso em que a referida divisa seja com o lote de apoio. Quando autorizado pelo vizinho morador, o tapume lateral poderá ser substituído por lona na cor verde escuro, exceto na faixa correspondente ao afastamento frontal. ARTIGO 58, alínea e e) A entrada de trabalhadores para as obras somente será permitida depois das 06:30 horas, de forma a permitir que se desloquem até as obras e se preparem para o início dos serviços. 9

10 e) A entrada de trabalhadores para as obras somente será permitida depois das 06:30 horas, de forma a permitir que se desloquem até as obras e se preparem para o início dos serviços. Após as 18:00 horas não será permitido a permanências de trabalhadores nas obras. ARTIGO 58, alínea j j) O Associado deverá por si ou por profissional contratado, solicitar por escrito, ao setor técnico da Associação, a realização da ligação da rede de esgoto da obra à rede coletora do loteamento, conforme padrão de ligação estabelecido pela Associação. Para a execução desta ligação será cobrada a taxa de R$ 100,00 (cem reais), cujo valor é fixado na data da aprovação deste Regulamento e poderá ser reajustado pela Diretoria. j) O Associado deverá por si ou por profissional contratado, solicitar por escrito, ao setor técnico da Associação, a realização da ligação da rede de esgoto da obra à rede coletora do loteamento, conforme padrão de ligação estabelecido pela Associação. Para a execução desta ligação será cobrada uma taxa, cujo valor é fixado pela Diretoria. Também é de responsabilidade do associado deixar a tubulação da rede de esgoto a uma distância de 20 cm (vinte centímetros) do ponto de ligação e a extremidade desta, deverá estar tamponada com bucha de papel, para que a Associação efetive a ligação. ARTIGO As caçambas para retirada de entulhos, quando localizadas em via pública, deverão ficar posicionadas junto ao meio-fio (máximo de 10 cm de distância) e instaladas sobre proteção de madeira (caibros, madeirite biapoiado em pontaletes, ou similares), de forma a que o pavimento não seja danificado. No caso de danos ao piso os mesmos deverão ser corrigidos pelo ASSOCIADO, dentro do prazo que lhe for determinado pela ASSOCIAÇÃO, ou ressarcidos os Serviços realizados ou contratados pela ASSOCIAÇÂO. 59. As caçambas para retirada de entulhos, quando localizadas em via pública, deverão ficar posicionadas junto ao meio-fio (máximo de 10 cm de distância) e instaladas sobre proteção de madeira (caibros, madeirite biapoiado em pontaletes, ou similares), de forma a que o pavimento não seja danificado. No caso de danos ao piso os mesmos deverão ser corrigidos pelo ASSOCIADO, dentro do prazo que lhe for determinado pela ASSOCIAÇÃO, ou ressarcidos os Serviços realizados ou contratados pela ASSOCIAÇÂO. Fica proibido o posicionamento das caçambas em frente aos acessos de veículos das residências e obras, em ambos os lados da via. ARTIGO No caso de paralisação da obra por período superior a 30 (trinta) dias, o ASSOCIADO deverá tomar as providencias cabíveis visando dotar medidas de estabilização de taludes nas áreas afetadas pelas obras inconclusas e fazer a limpeza do terreno de forma a evitar a proliferação de animais, insetos ou pragas, e manter a higiene e a saúde pública. Caso o ASSOCIADO não tome tais providências, a ASSOCIAÇÃO fica autorizada a entrar no LOTE, mediante Termo de Vistoria assinado pelo ASSOCIADO devidamente convocado para o ato, ou na sua ausência ou recusa, por duas testemunhas, e executar o que for necessário, bem como a cobrar o ressarcimento das despesas incorridas, acrescidas de 10% (dez por cento) a título de taxa administrativa. 10

11 61. Durante a obra e em caso de paralisação, o ASSOCIADO deverá tomar as providencias cabíveis visando dotar medidas de estabilização de taludes nas áreas afetadas pelas obras inconclusas e fazer a limpeza do terreno de forma a evitar a proliferação de animais, insetos ou pragas, e manter a higiene e a saúde pública. Caso o ASSOCIADO não tome tais providências, a ASSOCIAÇÃO fica autorizada a entrar no LOTE, mediante Termo de Vistoria assinado pelo ASSOCIADO devidamente convocado para o ato, ou na sua ausência ou recusa, por duas testemunhas, e executar o que for necessário, bem como a cobrar o ressarcimento das despesas incorridas, acrescidas de 10% (dez por cento) a título de taxa administrativa. ARTIGO Somente será permitida a entrada de caminhões nas obras de segunda a sexta-feira com os seguintes limites e condições: a) apresentar condições aparentes de segurança; b) transportar no máximo 5 (cinco) toneladas por eixo; c) transportar no máximo 5,00m3 (cinco metros cúbicos) de material, inclusive os caminhões betoneira; d) estar com a carga devidamente coberta por lona; e) não serão admitidas carretas de comprimento acima do normal ( tipo veículo longo ) ou carretas tipo duas carrocerias ( bi trem ). 70. Somente será permitida a entrada de caminhões nas obras de segunda a sexta-feira com os seguintes limites e condições: a) apresentar condições aparentes de segurança; b) transportar no máximo 5 (cinco) toneladas de material por eixo traseiro; c) transportar no máximo 5,00m3 (cinco metros cúbicos) de material, no caso dos caminhões betoneira; d) estar com a carga devidamente coberta por lona; e) não serão admitidas carretas de qualquer natureza. ARTIGO A Associação, por seus Diretores, empregados ou prepostos, ou qualquer Associado, poderá apontar eventuais irregularidades nas obras, por denúncia ou constatação in loco, devendo o fato ser relatado, por escrito, em livro específico de Relatório de Irregularidades de Obras. 77. A Associação, por seus Diretores, empregados ou prepostos, ou qualquer Associado, poderá apontar eventuais irregularidades nas obras, por denúncia ou constatação in loco, devendo o fato ser relatado, por escrito, em livro específico de Relatório de Irregularidades de Obras. Eventuais pendências entre Associados, que não sejam relativas à execução de obras, deverão ser dirimidas entres as partes. ARTIGO A defesa e a preservação do meio ambiente se estendem à área do entorno do NASCENTES. 96. A associação deverá comunicar a Prefeitura de Nova Lima qualquer invasão ou uso inadequado de áreas de preservação permanente ou áreas verdes. A defesa e a preservação do meio ambiente se estendem à área do entorno do NASCENTES. 11

12 ARTIGO Somente poderá ser solicitado o corte ou poda de árvores em lote mediante requerimento à Administração da Associação e conforme convênio mantido com a Prefeitura Municipal de Nova Lima, salvo poda de manutenção ou poda estética Para o corte ou poda de árvores em lotes e vias públicas internas, deverá ser solicitada autorização a Prefeitura Municipal de Nova Lima conforme Lei Municipal n 1727, sendo previamente comunicado à Associação. ARTIGO O estacionamento somente será permitido nos locais identificados conforme sinalização interna das VIAS, sendo proibido o estacionamento de ônibus ou caminhões, salvo para o período necessário ao descarregamento de materiais, incluindo concreto usinado, e mudanças em geral O estacionamento somente será permitido nos locais identificados conforme sinalização interna das VIAS, sendo proibido o estacionamento de ônibus ou caminhões, salvo para o período necessário ao descarregamento de materiais, incluindo concreto usinado, e mudanças em geral. Fica proibido o estacionamento em paralelo às caçambas ou veículos já estacionados do lado oposto da via. O ASSOCIADO deverá orientar seus convidados a sempre estacionar do mesmo lado da via pública. ARTIGO Quando em trânsito pelas áreas comuns do NASCENTES, as caçambas, carrocerias ou basculantes dos caminhões ou qualquer outro veículo transportando areia, brita ou qualquer material de construção deverão necessariamente estar cobertos com lona protetora Quando em trânsito pelas áreas comuns do NASCENTES, as caçambas, carrocerias ou basculantes dos caminhões ou qualquer outro veículo transportando areia, brita ou qualquer material de construção deverão necessariamente estar cobertos com lona protetora. A presença de caçambas nas vias deverá receber sinalização com placas indicativas e cones colocados a 10 (dez) metros de distância nos dois sentidos da via. O ASSOCIADO será responsável por providenciar tal sinalização. ARTIGO Não será permitido, em nenhuma hipótese, menor conduzir veiculo automotor de qualquer potência ou cilindrada pelas áreas comuns do NASCENTES. As ocorrências, além da aplicação de penalidade de multa por descumprimento de norma Regulamentar (Tipo A) sem prejuízo de denúncia às autoridades policiais competentes Não será permitido, em nenhuma hipótese, menor conduzir veiculo automotor de qualquer potência ou cilindrada pelas áreas comuns do NASCENTES. As ocorrências, além da aplicação de penalidade de multa por descumprimento de norma Regulamentar (Tipo A), serão encaminhadas às autoridades policiais competentes pela ASSOCIAÇÃO. 12

13 ARTIGO Motocicletas e bicicletas não poderão transitar pelo interior das praças, das áreas verdes ou sobre os gramados e lotes vagos Motocicletas e bicicletas não poderão transitar pelo interior das praças, das áreas verdes, trilhas ou sobre os gramados e lotes vagos. ARTIGO Os animais que representarem ameaça aos moradores e transeuntes deverão ser mantidos em canil seguro, com paredes ou telas de no mínimo 2,0m de altura, construído fora dos limites de recuo de cada lote, cabendo ainda ao cumprimento, pelo proprietário, da legislação vigente quanto a estes casos. O Criador, o Proprietário ou Responsável pela guarda do animal responde civilmente, em caráter objetivo, e ainda penalmente, pelos danos físicos e materiais decorrentes de agressão do animal a qualquer pessoa, seres vivos ou bens de terceiros Os animais que representarem ameaça aos moradores e transeuntes deverão ser mantidos em canil seguro, com paredes ou telas de no mínimo 2,0m de altura, construído fora dos limites de recuo de cada lote, cabendo ainda ao cumprimento, pelo proprietário, da legislação vigente quanto a estes casos. O Criador, o Proprietário ou Responsável pela guarda do animal responde civilmente, em caráter objetivo, e ainda penalmente, pelos danos físicos e materiais decorrentes de agressão do animal a qualquer pessoa, seres vivos ou bens de terceiros. Os Associados que tiverem seus animais encontrados soltos em áreas comuns serão advertidos e na reincidência receberão a penalidade de multa por descumprimento de norma regulamentar (Tipo A). 13

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES 1. Considerações Gerais 1.1. O presente Regulamento estabelece regras gerais para as construções e alterações que

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS COIMBRA. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP CARTILHA DE CONSTRUÇÃO Seguem especificações para as construções nos lotes do Loteamento Villaggio Di Firenze: A) Conforme

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ÍNDICE ORIENTAÇÕES PRELIMINARES IMPORTANTES pág. 02 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA pág. 03 NORMAS PARA EXECUÇÃO DE OBRAS pág. 08

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo normatizar o direito de utilização e aproveitamento dos lotes, sendo que tais limitações são supletivas

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA Associação Alphaville Salvador Residencial 1 PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DE OBRA 1. Entregar uma cópia do jogo de Plantas Aprovadas pela Prefeitura Municipal de Salvador e

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015 I. OBRAS I.1. I.1.1 1.1. ORIENTAÇÃO PARA INÍCIO DAS OBRAS Documentos necessários Para o início da obra será necessária a apresentação ao, dos seguintes documentos que devem permanecer na obra durante sua

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401 DECRETO Nº 1401 Dispõe sobre o uso temporário do recuo frontal obrigatório no Município de Curitiba. O PREFEITO MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições legais que lhe

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA 1 TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Termo de compromisso para aprovação de projeto e execução de obra que entre si celebram, de um lado a SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL

Leia mais

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições limitativas do uso e ocupação

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CELSO BASSANI BARBOSA, Prefeito Municipal de Xangri-Lá, FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURINHOS Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURINHOS Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração LEI Nº. 5.126 De 04 de janeiro de 2007. Dispõe sobre a colocação e a permanência de caçambas para a coleta de resíduos inorgânicos nas vias e logradouros públicos do município de Ourinhos. A Câmara Municipal

Leia mais

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES.

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES. 1 CONVÊNIO Nº 002/87 TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM DE UM LADO A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BARUERI E, DE OUTRO, A SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL MORADA DOS PÁSSAROS, PARA A APLICAÇÃO DE

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA LOTEAMENTO PRAIA DE JURERÊ VI ETAPA- A JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS/SC O presente programa contempla o conjunto de normas, diretrizes e condicionantes

Leia mais

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL I - DO OBJETO REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Artigo 1º - O presente regulamento disciplina

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS. 2.1 São consideradas obras provisórias as seguintes intervenções:

CÓDIGO DE OBRAS. 2.1 São consideradas obras provisórias as seguintes intervenções: * Código citado no Artigo 10º, item I do Estatuto Social. 1 - APROVAÇÃO DE PROJETOS 1.1 Para primeira análise: 01(uma) via do projeto arquitetônico completo (inclusive projeto contendo memorial de áreas);

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos.

Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos. Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos. A Lei Descobrindo Rio Claro surgiu para melhor organizar os

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federais, estaduais e municipais,

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a:

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a: Atualizada até LC 610/2007. LEI COMPLEMENTAR N.º 528 DE 18 DE ABRIL DE 2005 ESTABELECE A OBRIGATORIEDADE DE VAGAS PARA ESTACIONAMENTO PARA EDIFICAÇÕES EM GERAL E A ADOÇÃO DE MEDIDAS MITIGADORAS ÀS ATIVIDADES

Leia mais

LEI Nº 5.477 TÍTULO I DA DEFINIÇÃO DE CALÇADA

LEI Nº 5.477 TÍTULO I DA DEFINIÇÃO DE CALÇADA LEI Nº 5.477 Regulamenta a Lei nº 1.674/77 e a Lei nº 5.406/13, nos aspectos que definem a reforma e a construção dos passeios dos logradouros públicos municipais, através do projeto denominado Calçada

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL

REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL FINALIDADE 1. Este regulamento tem por finalidade definir direitos e deveres e orientar a conduta de todas as pessoas que se encontrarem, a

Leia mais

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS 1 OBJETIVO Este Manual Técnico de Projetos e Obras tem por objetivo orientar e informar aos proprietários dos lotes, bem como

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO

SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO Lei nº 6468/09 Disciplina a veiculação de anúncios no Município de Piracicaba Decreto nº 13.512/10 Licenciamento de anúncios Decreto nº 13.513/10 Engenhos Publicitários

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES MEMORIAL DESCRITIVO DE IMPLANTAÇÃO Unidade de Educação Infantil Próinfância Tipo C 1. OBJETIVO: A presente especificação tem por objetivo estabelecer os critérios para a implantação da Unidade de Educação

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm Page 1 of 5 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS Que entre si celebram, de um lado, a SOCIEDADE ALPHAVILLE RESIDENCIAL 5, inscrita no C.G.C./MF, sob o n.º 51.244.861/0001-56, isenta

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS DO ASSOCIAÇÃOVILLE DES LACS ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições

Leia mais

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta)

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta) 1/7 COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO DEPARTAMENTO DE LICENCIAMENTO DIVISÃO DE LICENCIAMENTO MULTIRESIDENCIAL NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR OBRA...CONTRATAÇÃO DE EMPRESA HABILITADA PARA EXECUTAR OS SERVIÇOS PERTINENTES A ESTRUTURAS TEMPORÁRIAS CONFORME CROQUIS ESQUEMÁTICOS

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Secretaria Municipal de Serviços Urbanos Secretaria Municipal Adjunta de Regulação Urbana CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Secretaria Municipal de Serviços Urbanos Secretaria Municipal Adjunta de Regulação Urbana CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Secretaria Municipal de Serviços Urbanos Secretaria Municipal Adjunta de Regulação Urbana CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE PASSEIOS PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Secretaria Municipal

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Publicado no DODF Nº 20, terça-feira, 29 de janeiro de 2008, pág. 2 a 4. LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Define critérios para ocupação de área

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Dispõe sobre a regulamentação de posicionamento de caçambas usadas na remoção de entulhos,

Leia mais

LEI Nº. 1.940,DE 21 DE JUNHO DE 2011.

LEI Nº. 1.940,DE 21 DE JUNHO DE 2011. LEI Nº. 1.940,DE 21 DE JUNHO DE 2011. Disciplina o uso de caçambas estacionárias containers de entulhos nas vias públicas do Município de Porto Velho e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº. 24, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta o artigo 18 da Lei nº 2.863/2008 Código de Obras e dá providências para avaliação e aprovação de Projetos de Edificações. O Secretário Municipal

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO Art. 52 - É condição essencial e imperativa a observância dos termos deste Estatuto Social, Regimento Interno e das Normas para Construção

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5628/99 Altera disposições da Lei nº 3.377, de 23 de julho de 1984, referentes à implantação de postos de revenda de Gás Liquefeito de Petróleo GLP e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Parágrafo único. A instalação dos equipamentos e mobiliários referidos no art. 2º desta Lei deverá respeitar o direito à paisagem.

Parágrafo único. A instalação dos equipamentos e mobiliários referidos no art. 2º desta Lei deverá respeitar o direito à paisagem. LEI Nº 13.516, de 04 de outubro de 2005 Dispõe sobre a exploração da utilização e da comercialização, a título oneroso, das faixas de domínio e das áreas adjacentes às rodovias estaduais e federais delegadas

Leia mais

PLANO DIRETOR DA FAHOR FACULDADE HORIZONTINA

PLANO DIRETOR DA FAHOR FACULDADE HORIZONTINA PLANO DIRETOR DA FAHOR FACULDADE HORIZONTINA O CONSELHO DE EDUCAÇÃO da FAHOR Faculdade Horizontina, no uso de suas atribuições aprovou o seguinte Plano Diretor para o Campus Arnoldo Schneider: DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS DO CONDOMÍNIO FLORAIS CUIABÁ

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS DO CONDOMÍNIO FLORAIS CUIABÁ Srs. Condôminos, Arquitetos e Engenheiros. Assunto: Alterações no Regulamento de Normas Construtivas. Prezados senhores! Desde a entrada em vigor do REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS em

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA PROVISÓRIA Esta Autorização provisória permitirá a execução dos seguintes itens: - Limpeza do lote e nivelamento; - Implantação da mureta de medidores; - Fechamento

Leia mais

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS VILLA JARDIM É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA LOTEAMENTO PRAIA DE JURERÊ VI ETAPA - B (AMORAEVILLE FASE 2) JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS/SC O presente programa contempla o conjunto de normas,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Sociedade Residencial REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Aqui a vida se renova. 1) APRESENTAÇÃO: 1.1 A filosofia deste Regulamento é apresentar limitações supletivas, ou seja, prevalecem

Leia mais

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ Anexo B REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ ÍNDICE I. DEFINIÇÕES...4 II. DISPOSIÇÕES GERAIS...7 III. III.1. III.2. III.2.1 PROJETOS...8 APROVAÇÃO DE PROJETOS E FISCALIZAÇÃO...8 PROJETO DE REMEMBRAMENTO

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE. Assunto Itens Página

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE. Assunto Itens Página TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE Assunto Itens Página I Principios Gerais 01 a 05 02 II Restrições da Construção e do Uso do Lote 06 a 24 03 III Inicio das Edificações,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO 1. VIA DE ACESSO 1.1 - GENERALIDADES Será utilizada como acesso às obras, durante a fase de construção, as vias já existentes

Leia mais

CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO

CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO São os seguintes os Critérios de Edificação para o Condomínio Quintas do Sol, aprovados na Assembléia Geral Extraordinária realizada em 08.12.2002 e complementados na AGE de 17.10.2004.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO LOTEAMENTO NOVA PALHOÇA

REGIMENTO INTERNO LOTEAMENTO NOVA PALHOÇA REGIMENTO INTERNO LOTEAMENTO NOVA PALHOÇA Art. 1. O presente Regimento Interno é instituído com o objetivo de estabelecer normas, diretrizes e condicionantes atinentes à conservação e ordem interna do

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

LEI Nº 3.182, DE 27 DE JULHO DE 2012.

LEI Nº 3.182, DE 27 DE JULHO DE 2012. LEI Nº 3.182, DE 27 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE O USO DAS CALÇADAS, GARANTINDO SUA DESTINAÇÃO PRIORITÁRIA PARA A CIRCULAÇÃO DE PESSOAS E A CONVIVÊNCIA SOCIAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DE

Leia mais

MONT BLANC RÉSIDENCE

MONT BLANC RÉSIDENCE LOTEAMENTO MONT BLANC RÉSIDENCE REGULAMENTO DE RESTRIÇÕES URBANÍSTICAS E DE CONSTRUÇÃO, 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 As restrições e limitações constantes deste Regulamento constituem normas convencionais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE Estrada do Coco, Km 31 Barra do Jacuípe CEP 42.833-000 Camaçari/Bahia CNPJ 03.380.253/0001-26 Telefones : (071) 3678-1690 e 3678-2356 E-mail : vjacuipe@oi.com.br

Leia mais

End.: Avenida Florais, Bairro Ribeirão do Lipa, Cuiabá MT.

End.: Avenida Florais, Bairro Ribeirão do Lipa, Cuiabá MT. REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS e URBANÍSTICAS FLORAIS DOS LAGOS É condição essencial desta Escritura Pública de Compra e Venda a observância das disposições abaixo mencionadas, a que estão obrigados

Leia mais

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO Programa Calçada Segura Manual de Execução GUIA PRÁTICO Editorial Manual de Execução de Calçadas O Programa Calçada Segura interessa diretamente a todos. A Assessoria de Políticas para as Pessoas com

Leia mais

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade Item Diretriz Tipologia 1. Reformas e Ampliações 1.1. Cosntruções Originais 1.1.1. Não será permitida a demolição da edificação original para construção de uma nova edificação ou para qualquer outro fim.

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

Sociedade loteamento MONT BLANC PROCEDIMENTO PARA INÍCIO DE OBRA

Sociedade loteamento MONT BLANC PROCEDIMENTO PARA INÍCIO DE OBRA PROCEDIMENTO PARA INÍCIO DE OBRA 1. Apresentar cópia de Planta Aprovada pela Prefeitura Municipal de Campinas, cópia do Alvará de Execução para liberação de obra e cópia da ART recolhida do responsável

Leia mais

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico Manual da Construção Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico APRESENTAÇÃO A presente cartilha é uma contribuição da Prefeitura Municipal de Viana, através da Secretaria de Planejamento

Leia mais

C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL

C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL ANÁLISE DE PROJETOS APROVAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE OBRAS SETEMBRO DE 2011 ÍNDICE 1 OBJETIVO 3 2 - INFORMAÇÕES GERAIS 3 3 - SOBRE AS RESPONSABILIDADES E ISENÇÕES DE RESPONSABILIDADES

Leia mais

LIGAÇÃO COMERCIAL OU INDUSTRIAL DE ESGOTO

LIGAÇÃO COMERCIAL OU INDUSTRIAL DE ESGOTO LIGAÇÃO COMERCIAL OU INDUSTRIAL DE ESGOTO Padronização da caixa de amostragem industrial e/ou comercial de efluentes. 1. Localização e infra estrutura da caixa de amostragem de efluentes: 1.1 Esta caixa

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA 1 PROJETO Nº 013/2014 Solicitação: MEMORIAL DESCRITIVO Tipo da Obra: PINTURA MURETA, POSTES, BRINQUEDOS DO PARQUE INFANTIL E TROCA PISO SALAS DE AULA Reforma: local indicado em planta Local: EMEI CRIANÇA

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO OBJETO: Fechamento de quadra esportiva da Escola Municipal de Ensino Fundamental

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

UBATUBA COUNTRY CLUBE

UBATUBA COUNTRY CLUBE CÓDIGO DE OBRAS INTRODUÇÃO Esta codificação pretende estabelecer regras de convivência para os proprietários e freqüentadores do Ubatuba Country Clube (UCC), bem como harmonizar com a paisagem os elementos

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 Acrescenta dispositivos à Lei nº 1041, 11 de julho de 1979, que regula o loteamento de terrenos urbanos no Município de Dourados, e dá outras providências

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. INFORMAÇÕES GERAIS Obra: Intervenção nos Canteiros Centrais da Avenida Santa Luzia Segunda Etapa. Endereço: Avenida Santa Luzia Área de Intervenção: 4758,52 m² 2. SERVIÇOS PRELIMINARES

Leia mais

RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES)

RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES) RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES) 1. Objetivo e Definições 1.1. O presente Regulamento objetiva

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ÁGUAS CLARAS SÃO JORGE D OESTE - PR

ANEXO I REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ÁGUAS CLARAS SÃO JORGE D OESTE - PR ANEXO I REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ÁGUAS CLARAS SÃO JORGE D OESTE - PR Página 1 de 20 ÍNDICE I DEFINIÇÕES... 3 II DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 III USOS... 6 IV APROVAÇÃO DE PROJETOS E FISCALIZAÇÃO... 7 V UNIFICAÇÃO

Leia mais

ARQUIVO MODELO PADRÃO de APRESENTAÇÃO DE PROJETOS (PDF)

ARQUIVO MODELO PADRÃO de APRESENTAÇÃO DE PROJETOS (PDF) 1. OBJETIVO... 2 2. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO DE LOTES... 2 2.1. Documentações necessárias... 2 2.2. Modelo Prancha Única Remembramento (fig. 01)... 2 2.3. Restrições para Áreas...

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS Lei Complementar 06/2013

ORIENTAÇÕES BÁSICAS Lei Complementar 06/2013 ORIENTAÇÕES BÁSICAS Lei Complementar 06/2013 Secretaria Municipal do Planejamento, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia A Prefeitura de Araguaína desenvolveu esta Cartilha para orientar a população sobre

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III. SERVIÇOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO EM PLACAR Em / / PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS LEI COMPLEMENTAR Nº 173, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008. Faço saber que: Dispõe sobre permissão de uso, de espaço público, aéreo e subsolo, para instalação

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais