LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP"

Transcrição

1 LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP CARTILHA DE CONSTRUÇÃO Seguem especificações para as construções nos lotes do Loteamento Villaggio Di Firenze: A) Conforme Contrato de Compra e Venda Após o recebimento da unidade, o COMPRADOR poderá executar no mesmo as reformas e construções que entender, respeitadas a legislação em vigor, as cláusulas contratuais e as restrições impostas ao Loteamento, assim especificadas:- 1)- As unidades autônomas destinam-se única e exclusivamente ao uso residencial, e sendo vedado seu uso para qualquer outra finalidade. 2)- Os acessos às residências poderão ter calçamento quando direcionados à garagem, entrada social e de serviço, sendo que o restante deverá ter tratamento paisagístico. 3)- Deverão se obedecidos os seguintes recuos mínimos para edificações: 3.1) Recuo frontal mínimo de 4,00 (quatro metros). No recuo de frente não poderá ser usado nenhum tipo de fechamento, como muro de divisas laterais, (muros, cercas vivas, perolas, lajes em balanço, etc.) salvo beiral de 0,80 (oitenta centímetro), devendo ser dado ao mesmo somente tratamento paisagístico e calçamento. A calçada será obrigatoriamente em pedra portuguesa (petit-pavé) nas cores branca, gelo ou amarela (palha). 3.2) Recuo lateral mínimo de 1,50 m (um metro e cinqüenta centímetros) de ambos os lados. As laterais dos lotes que fazem divisa com as áreas verdes deverão obedecer ao recuo mínimo de 2,00 m (dois metros), não podendo encostar as edificações nessas divisas.

2 No caso de abrigo de veículos, será permitido encostar a construção em uma das divisas lateral, mas somente na extensão máxima de 12,00 m (doze metros), não podendo a sua altura ultrapassar de 4,00 m (quatro metros). A edificação poderá encostar uma lateral, sendo que a outra lateral terá recuo de 1,50 m (um metro e cinqüenta centímetros), não podendo a sua altura ultrapassar de 4,00 m (quatro metros). Quando a edificação for assobradada, devera respeitar o recuo mínimo de 1,50 m (um metro e cinqüenta centímetros) na parte assobradada, podendo encostar na divisa a parte não assobradada, não podendo a sua altura ultrapassar de 4,00 m (quatro metros). As partes da edificação que encoste nas divisas, não podem ser usadas como sacadas ou terraços. Nos lotes de esquina, será considerado frente principal aquela cuja dimensão for menor, e nesta frente será respeitado o recuo mínimo de 4,00 m (quatro metros). Os recuos nas laterais que confrontam com as vias de circulação serão de 1,50 m (um metro e cinqüenta centímetros) com muro de altura de 2,20 m (dois metros e vinte centímetros) não podendo em hipótese alguma encostar a edificação no muro de divisa. Nesses lotes, na hipótese de construção de abrigo para veículos será permitido encostar a sua construção na divisa dos fundos, em toda sua extensão, respeitando o recuo lateral, não podendo a sua altura ultrapassar 4,00 m (quatro metros) de altura. 3.3) Recuo de fundo mínimo de 2,00 m (dois metros). A edícula ou outras edificações separadas do corpo principal da casa, só poderão ser térreas, podendo elas encostar na divisa dos fundos, respeitando os recuos laterais de divisas de 1,50 m (um metro e cinqüenta centímetros) em ambos os lados e recuada no mínimo 2,00 m (dois metros) do corpo principal e neste caso, sua altura não poderá ultrapassar de 4,00 m (quatro metros) medida do piso até a cumeeira do telhado. Nos lotes que fazem divisa de fundo com as áreas verdes e vias de circulação deverão obedecer ao recuo mínimo de 2,00 m (dois metros), não podendo encostar as edificações nessas divisas. As partes das edificações assobradadas como sacadas e terraços deveram respeitar os recuos laterais, frontal e fundo. As frentes dos lotes das Quadras 02 e 07 serão para a Rua 02. 4)- Altura e ocupação máxima da área: 4.1) A altura máxima das edificações (pé direito) não poderá ultrapassar a 7,00m (sete metros) acima do nível médio do passeio até o teto mais elevado da unidade. O nível médio do passeio é a média aritmética entre o ponto mais alto e o mais baixo do passeio ao longo de toda a fachada principal de cada área residencial. A altura não leva em consideração a altura do telhado. 4.2)- A altura dos muros de divisas laterais das áreas residenciais será de 2,20 m (dois metros e vinte centímetros), medida esta a partir do piso da área residencial de cota maior.

3 O fechamento frontal do lote por muro, respeitado o recuo de 4,0 metros, será facultativo. Optando-se pelo fechamento por muro, a altura total será de 2.20 metros. (dispositivo acrescido em Assembléia Ordinária realizada em 26/04/2011) 4.3)- A ocupação máxima da edificação no terreno será de 70% (setenta por cento) em cada área residencial e devera ter no mínimo de 20% (vinte por cento de área permeável). O coeficiente de aproveitamento máximo será de 1,0 (um). 4.4)- Os muros de arrimo terão altura máxima permitida de 1,40 m (um metro e quarenta centímetros) a contar da cota natural do terreno. 5)- Com relação à dimensão dos compartimentos, insolação, ventilação e iluminação da residência, deverá ser obedecido o código de obras municipal ou outra legislação que venha a substituir, prevalecendo o zoneamento do Loteamento Fechado, quando este for mais exigente. 6)- Os lotes a jusante se obrigam a dar a servidão de passagem de redes de águas pluviais e esgoto aos lotes a montante. 7)- Dos usos: 7.1)- Em cada área residencial não poderá ser construída mais de uma residência unifamiliar, inclusive edícula, sendo portanto proibida a adaptação ou destinação para quaisquer outros usos que não sejam o residencial. 7.2)- As áreas residenciais são indivisíveis e a cada uma corresponderá apenas uma residência, anda que haja aglutinação de áreas residenciais em partes ou inteiras com os lindeiros. 8)- Qualquer projeto arquitetônico e de instalações para construções, reformas ou ampliações nas unidades residenciais autônomas, deverá ser apresentado à Comissão de Obras, em quatro vias, para análise e aprovação prévia. Após, retida uma via pela Comissão de Obras, o projeto será protocolado pelo proprietário junto à Prefeitura Municipal e concessionárias, para aprovação. Parágrafo primeiro - Aprovado o projeto junto ao órgão competente da Prefeitura Municipal, deverá o mesmo ser novamente apresentado à Comissão de Obras, para parecer final e autorização para início da obra. Parágrafo segundo - A Comissão de Obras terá o prazo de 15 (quinze) dias para aprovação inicial, prazo igual para o parecer final e autorização para o início das obras. Parágrafo terceiro - Não serão aprovadas as plantas de casas cuja construção seja préfabricada, quaisquer que sejam os materiais empregados.

4 Parágrafo quarto - É expressamente proibido o início de qualquer tipo de obra sem autorização expressa e escrita da Comissão de Obras. 9)- Fica expressamente proibido construção de residência plurifamiliar em substituição de cada unidade autônoma e bem assim de prédios de apartamentos para habitação coletiva. 10)- Durante a fase de execução de obras, de eventuais reformas ou futuras obras de ampliação, a unidade residencial deverá ser cercada com tapumes de maderit ou similar, pintados na cor verde, no alinhamento da calçada, com altura de 2,10 metros, sendo que a entrada para a obra deverá ser executada exatamente onde for a futura entrada de veículos, com as placas da obra colocadas no tapume. 11)- As obras serão permitidas de segunda a sexta feira, em dias úteis, das 7:00 as 16:45 e aos sábados das 7:00 as 12:00. Quando houver morador no loteamento a comissão de obras restabelecera novo horário. B) Tapume Padrão O tapume a ser executado durante a construção dos imóveis deve seguir o seguinte: I - II - III - IV - Placas de maderit ou similares pintadas na cor verde; As tábuas serão fixadas em pontaletes ou vigotas ou perfis metálicos ou mourões de concreto e na posição horizontal; Os elementos de fixação devem estar voltados para a parte interna do terreno; O fechamento (tapume) tem que contemplar um portão para pedestres e outro para veículos; C) Escavações Gerais As Escavações localizadas a uma distância de até 4,0 m da guia, deverão ser executadas após prévia consulta do memorial descritivo e/ou do croqui de localização dos lotes. Além disso deve-se saber que: As Tubulações e ou Redes de Energia Elétrica, Telefonia e de Água Potável do Loteamento se encontram na faixa que dista até 3,0m da guia

5 Escavações localizadas a uma distância de até 5,0m do fundo de cada lote deverão ser executadas após ter sido tomado conhecimento da existência ou não de rede de servidões no fundo do lote. D) Medição CPFL e SABESP Anexo Croqui Modelo padrão de Instalação CPFL e SABESP.

6

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES.

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES. 1 CONVÊNIO Nº 002/87 TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM DE UM LADO A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BARUERI E, DE OUTRO, A SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL MORADA DOS PÁSSAROS, PARA A APLICAÇÃO DE

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Subseção II Dos Estacionamentos e Guarda de Veículos Art. 41 - Os locais para estacionamento ou guarda de veículos podem ser cobertos ou descobertos, podendo se destinar em ambos os casos à utilização

Leia mais

CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO

CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO São os seguintes os Critérios de Edificação para o Condomínio Quintas do Sol, aprovados na Assembléia Geral Extraordinária realizada em 08.12.2002 e complementados na AGE de 17.10.2004.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CELSO BASSANI BARBOSA, Prefeito Municipal de Xangri-Lá, FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo normatizar o direito de utilização e aproveitamento dos lotes, sendo que tais limitações são supletivas

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar:

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar: Institui Projeto Simplificado e dispõe sobre a forma de apresentação de projetos de construção de edificações residenciais unifamiliares, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL

C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL ANÁLISE DE PROJETOS APROVAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE OBRAS SETEMBRO DE 2011 ÍNDICE 1 OBJETIVO 3 2 - INFORMAÇÕES GERAIS 3 3 - SOBRE AS RESPONSABILIDADES E ISENÇÕES DE RESPONSABILIDADES

Leia mais

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES 1. Considerações Gerais 1.1. O presente Regulamento estabelece regras gerais para as construções e alterações que

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA 1 TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Termo de compromisso para aprovação de projeto e execução de obra que entre si celebram, de um lado a SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS Lei Complementar 06/2013

ORIENTAÇÕES BÁSICAS Lei Complementar 06/2013 ORIENTAÇÕES BÁSICAS Lei Complementar 06/2013 Secretaria Municipal do Planejamento, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia A Prefeitura de Araguaína desenvolveu esta Cartilha para orientar a população sobre

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a:

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a: Atualizada até LC 610/2007. LEI COMPLEMENTAR N.º 528 DE 18 DE ABRIL DE 2005 ESTABELECE A OBRIGATORIEDADE DE VAGAS PARA ESTACIONAMENTO PARA EDIFICAÇÕES EM GERAL E A ADOÇÃO DE MEDIDAS MITIGADORAS ÀS ATIVIDADES

Leia mais

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 3.318, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a implantação do Programa "Minha Casa, Minha Vida" - para famílias com renda entre 3 (três)e 6 (seis) salários

Leia mais

DrsPÕE sobre NoRMAS ffirnts para

DrsPÕE sobre NoRMAS ffirnts para l,.município,e DE TENENTE PORTELA PROJETO DE LEt No 24, DE 23 DE MARçO DE Sala dhe Sogsôes 2? to, Êarí Câmara Municipat de Vereadores de Tenente Portela PROTOCOLO RECEBIDO EM Aslçi.j DrsPÕE sobre NoRMAS

Leia mais

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS Que entre si celebram, de um lado, a SOCIEDADE ALPHAVILLE RESIDENCIAL 5, inscrita no C.G.C./MF, sob o n.º 51.244.861/0001-56, isenta

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade Item Diretriz Tipologia 1. Reformas e Ampliações 1.1. Cosntruções Originais 1.1.1. Não será permitida a demolição da edificação original para construção de uma nova edificação ou para qualquer outro fim.

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

UBATUBA COUNTRY CLUBE

UBATUBA COUNTRY CLUBE CÓDIGO DE OBRAS INTRODUÇÃO Esta codificação pretende estabelecer regras de convivência para os proprietários e freqüentadores do Ubatuba Country Clube (UCC), bem como harmonizar com a paisagem os elementos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401 DECRETO Nº 1401 Dispõe sobre o uso temporário do recuo frontal obrigatório no Município de Curitiba. O PREFEITO MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições legais que lhe

Leia mais

Prefeitura Municipal de Campinas. Lei de Uso e Ocupação do Solo

Prefeitura Municipal de Campinas. Lei de Uso e Ocupação do Solo Prefeitura Municipal de Campinas Lei de Uso e Ocupação do Solo 1988 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS Lei de Uso e Ocupação do Solo compilação 4º. edição de atualização 2011 concluída em Março/2011 sob

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS DO ASSOCIAÇÃOVILLE DES LACS ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições

Leia mais

Capítulo 6 - COMPARTIMENTOS DAS EDIFICAÇÕES

Capítulo 6 - COMPARTIMENTOS DAS EDIFICAÇÕES Capítulo 6 - COMPARTIMENTOS DAS EDIFICAÇÕES 6.1 Disposições gerais Art. 154 - Os compartimentos e ambientes deverão ser posicionados na edificação de forma a garantir conforto ambiental e a salubridade,

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul LEI Nº 4.944 DE 27 DE OUTUBRO DE 2010 DISPÕE SOBRE O ZONEAMENTO ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL. JOSÉ AURICCHIO JÚNIOR, Prefeito Municipal de São Caetano do Sul, no uso das atribuições que

Leia mais

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulamenta dispositivos da Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014,

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre a regularização de parcelamentos do solo e de edificações no Município de Belo Horizonte e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008.

DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008. DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Altera a redação do Decreto nº 2.378, de 16 de agosto de 2006, que regulamenta a Lei Complementar nº 112, de 25 de julho de 2006, e dispõe sobre a Autorização

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ Anexo B REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ ÍNDICE I. DEFINIÇÕES...4 II. DISPOSIÇÕES GERAIS...7 III. III.1. III.2. III.2.1 PROJETOS...8 APROVAÇÃO DE PROJETOS E FISCALIZAÇÃO...8 PROJETO DE REMEMBRAMENTO

Leia mais

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre condomínios por unidades autônomas e dá outras providências... TEODORA BERTA SOUILLJEE LÜTKEMEYER, PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NÃO-ME-TOQUE/RS. FAÇO SABER

Leia mais

PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Aprovado em Assembleia Extraordinária de / / Í N D I C E ASSUNTO ITENS PÁGINA I. Princípios Gerais... 01 a 05... 02 II. Restrições da Construção

Leia mais

Água: responsabilidade de todos. Proteja seu hidrômetro

Água: responsabilidade de todos. Proteja seu hidrômetro Água: responsabilidade de todos Proteja seu hidrômetro 2005 Saiba por que é preciso proteger seu hidrômetro Sr.(a) Usuário(a), leia com atenção as instruções abaixo: -A ligação e a religação de água serão

Leia mais

NORMA TÉCNICA n.º 02, DE 07 DE MAIO DE 2012. Processo n.º 660/2008 Padrão Processo nº 385/1998 - Normas

NORMA TÉCNICA n.º 02, DE 07 DE MAIO DE 2012. Processo n.º 660/2008 Padrão Processo nº 385/1998 - Normas NORMA TÉCNICA n.º 02, DE 07 DE MAIO DE 2012. DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E OPERACIONAIS RELATIVOS A INSTALAÇÃO OBRIGATÓRIA DE CAIXA DE PROTEÇÃO DE HIDROMETRO, CONFORME DISPÕE O DECRETO 7.218 DE

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO I...4 DAS DISPOSOÇÕES GERAIS...4 CAPÍTULO II...4 DO PROJETO...4

ÍNDICE CAPÍTULO I...4 DAS DISPOSOÇÕES GERAIS...4 CAPÍTULO II...4 DO PROJETO...4 ÍNDICE CAPÍTULO I...4 DAS DISPOSOÇÕES GERAIS...4 CAPÍTULO II...4 DO PROJETO...4 CAPÍTULO III...6 DA APROVAÇÃO DO PROJETO E DO ALVARÁ DA CONSTRUÇÃO...6 CAPÍTULO IV...6 DA EXECUÇÃO DA OBRA...6 CAPÍTULO V...7

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE NITERÓI DECRETA E EU SANCIONO E PROMULGO A SEGUINTE LEI: TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

A CÂMARA MUNICIPAL DE NITERÓI DECRETA E EU SANCIONO E PROMULGO A SEGUINTE LEI: TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Lei nº 1.470/95 Publicada no D.O. de 12/12/1995 COM AS ALTERAÇÕES FEITAS PELAS LEIS 1563/96 E 1594/97 Dispõe sobre as condições para uso e ocupação do solo e conceitua parâmetros cujo detalhamento se dá

Leia mais

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federais, estaduais e municipais,

Leia mais

Art. 6º - As edificações residenciais, segundo o tipo de utilização de suas unidades, poderão ser privativas ou coletivas.

Art. 6º - As edificações residenciais, segundo o tipo de utilização de suas unidades, poderão ser privativas ou coletivas. Código de Obras - REGULAMENTO DE CONSTRUÇÕES E EDIFICAÇÕES CAPÍTULO I CONCEITOS GERAIS Art. 1º - Para efeito de aplicação das normas deste Regulamento, uma edificação é caracterizada pela existência do

Leia mais

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão.

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão. Lei 4.052, de 13 de março de 2002 Define condições para a instalação de pólos geradores de tráfego, estabelecendo-lhes exigências; critérios para quantidade de vagas de carga e descarga, embarque e desembarque,

Leia mais

LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007

LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007 LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007 DISPÕE SOBRE O PLANO VIÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIOERÊ EM CONFORMIDADE COM A LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 001/2007 LEI DO PLANO DIRETOR, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E POSTURAS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA LEI N.º 5.530 DE 17 DE DEZEMBRO 1981

CÓDIGO DE OBRAS E POSTURAS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA LEI N.º 5.530 DE 17 DE DEZEMBRO 1981 CÓDIGO DE OBRAS E POSTURAS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA LEI N.º 5.530 DE 17 DE DEZEMBRO 1981 DISPÕE SOBRE O CÓDIGO DE OBRAS E POSTURAS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

LEI DE Nº 2.078, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1992 REVOGADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 131/2006.

LEI DE Nº 2.078, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1992 REVOGADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 131/2006. LEI DE LOTEAMENTO LEI DE Nº 2.078, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1992 REVOGADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 131/2006. Autoriza o Poder Executivo a proceder o parcelamento do solo urbano e dá outras providências. A

Leia mais

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVOS... 1 2. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 1 3. EMPREENDIMENTOS DE INTERESSE... 2 4.

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul LEI Nº 4.833 DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 DISPÕE SOBRE O IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO E SOBRE A TAXA DE COLETA, REMOÇÃO E DESTINAÇÃO DO LIXO PARA O EXERCÍCIO DE 2010, CONCEDE ISENÇÕES E DÁ OUTRAS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santo Antônio de Pádua Gabinete do Prefeito

Prefeitura Municipal de Santo Antônio de Pádua Gabinete do Prefeito 1 LEI Nº 1.415, DE 30 DE SETEMBRO DE 1981. CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA Dispõe sobre as construções no município de santo Antônio de Pádua, Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES INSTITUI O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE POÇOS DE CALDAS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou, e eu, Paulo César Silva, Prefeito Municipal, sanciono e promulgo

Leia mais

LEI nº 569/06, de 04 de dezembro de 2006. EMENTA: Dispõe sobre o Código de Obras do Município de Piripiri.

LEI nº 569/06, de 04 de dezembro de 2006. EMENTA: Dispõe sobre o Código de Obras do Município de Piripiri. LEI nº 569/06, de 04 de dezembro de 2006. EMENTA: Dispõe sobre o Código de Obras do Município de Piripiri. O PREFEITO MUNICIPAL DE PIRIPIRI, Estado do Piauí, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº. 1.254 DE 25 DE JULHO DE 2014.

LEI COMPLEMENTAR Nº. 1.254 DE 25 DE JULHO DE 2014. LEI COMPLEMENTAR Nº. 1.254 DE 25 DE JULHO DE 2014. ALTERA DISPOSITIVOS DA LEI 1028/2008 QUE DISPÕE SOBRE O PARCELAMENTO DO SOLO URBANO DO MUNICÍPIO DE SERRA AZUL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. MARIA SALETE

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE. Assunto Itens Página

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE. Assunto Itens Página TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE Assunto Itens Página I Principios Gerais 01 a 05 02 II Restrições da Construção e do Uso do Lote 06 a 24 03 III Inicio das Edificações,

Leia mais

CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES DO MUNICIPIO DE APARECIDA DE GOIÂNIA.

CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES DO MUNICIPIO DE APARECIDA DE GOIÂNIA. CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES DO MUNICIPIO DE APARECIDA DE GOIÂNIA. Contém as alterações introduzidas pelas Leis Municipais nºs: a).95 de 6.08.999 b).33 de 8..00 LEI MUNICIPAL Nº..787, DE 0 DE JULHO DE 998. Institui

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015 I. OBRAS I.1. I.1.1 1.1. ORIENTAÇÃO PARA INÍCIO DAS OBRAS Documentos necessários Para o início da obra será necessária a apresentação ao, dos seguintes documentos que devem permanecer na obra durante sua

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

LEI Nº. 1.940,DE 21 DE JUNHO DE 2011.

LEI Nº. 1.940,DE 21 DE JUNHO DE 2011. LEI Nº. 1.940,DE 21 DE JUNHO DE 2011. Disciplina o uso de caçambas estacionárias containers de entulhos nas vias públicas do Município de Porto Velho e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Diário Oficial Eletrônico

Diário Oficial Eletrônico LEI N 1314/2014 Estabelece normas para edificação em parcelamento do solo para fins urbanos no Município de Capim Branco, dispõe sobre a regularização e autorização de construção em condomínio fechado

Leia mais

Prefeitura Municipal de Campo Limpo Paulista

Prefeitura Municipal de Campo Limpo Paulista LEI COMPLEMENTAR Nº 412, de 10 de dezembro de 2010. Dispõe sobre período e diretrizes para regularização de construções, reformas e ampliações no que tange a índices urbanísticos e parcelamentos de solo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estabelece normas e procedimentos para recuperação, manutenção e valorização de edifícios, obras e monumentos tombados, sujeitos ao tombamento vizinho ou identificados

Leia mais

Novo Decreto de HIS. Apresentação ao Conselho Municipal de Habitação São Paulo - 27/08/2015. Secretaria Municipal de Licenciamento

Novo Decreto de HIS. Apresentação ao Conselho Municipal de Habitação São Paulo - 27/08/2015. Secretaria Municipal de Licenciamento Novo Decreto de HIS Apresentação ao Conselho Municipal de Habitação São Paulo - 27/08/2015 Novo Decreto de HIS EHIS, EHMP, EZEIS, HIS e HMP Adequação à Lei nº 16.050/14 Sistematiza, Consolida e Revoga

Leia mais

TÍTULO I Parte Geral CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I Parte Geral CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 2.121 DE 14 DE MARÇO DE 1994 TÍTULO I Parte Geral CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - Fica instituído o Código de Edificações do Município de Rondonópolis que disciplina toda elaboração

Leia mais

Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos.

Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos. Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos. A Lei Descobrindo Rio Claro surgiu para melhor organizar os

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Publicado no DODF Nº 20, terça-feira, 29 de janeiro de 2008, pág. 2 a 4. LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Define critérios para ocupação de área

Leia mais

ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO

ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO CONDOMÍÍNIIO RESERVA PAIIQUERÊ NORMAS DE EDIIFIICAÇÕES E USO DO SOLO ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO 1. OBJETIVOS: As normas de edificação e uso do solo utilizadas para a concepção e elaboração do projeto

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 26, de 12 de dezembro de 2011.

LEI COMPLEMENTAR Nº 26, de 12 de dezembro de 2011. LEI COMPLEMENTAR Nº 26, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre o Código de Obras do Município de Piraí. A CÂMARA MUNICIPAL DE PIRAÍ, aprova e eu sanciono a seguinte Lei. CAPÍTULO I Art. 1º - Para os efeitos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1236, DE 30 DE SETEMBRO DE 2011. Dispõe sobre as normas que regulam a elaboração e aprovação de projetos, o licenciamento, a execução, manutenção e conservação de obras no Município de Pinhais e

Leia mais

LEI Nº 690/95. Capítulo I Das Disposições Preliminares

LEI Nº 690/95. Capítulo I Das Disposições Preliminares LEI Nº 690/95 Súmula: Dispõe sobre o Código de Obras do Município de Dois Vizinhos e dá outras providências. A Câmara Municipal de Dois Vizinhos, Estado do Paraná, aprovou e eu Olivindo Antonio Cassol,

Leia mais

MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 44.667, DE 26 DE ABRIL DE 2004 Regulamenta as disposições da Lei nº 13.430, de 13 de setembro de 2002, que institui o Plano Diretor Estratégico, relativas às Zonas Especiais de Interesse Social

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA Estado de São Paulo CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA Lei Complementar nº 42, de 28 de setembro de 1992 (Atualizada até a Lei Complementar nº 506, de

Leia mais

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL I - DO OBJETO REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Artigo 1º - O presente regulamento disciplina

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE IGARAPÉ ESTADO DE MINAS GERAIS CNPJ: 18.715.474/0001 85 LEI COMPLEMENTAR Nº 24 DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

PREFEITURA MUNICIPAL DE IGARAPÉ ESTADO DE MINAS GERAIS CNPJ: 18.715.474/0001 85 LEI COMPLEMENTAR Nº 24 DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 24 DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. INSTITUI O CÓDIGO DE OBRAS DO MUNICÍPIO DE IGARAPÉ/MG E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O povo do Município de Igarapé, por seus representantes aprovou e eu,

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

LEI Nº 3.182, DE 27 DE JULHO DE 2012.

LEI Nº 3.182, DE 27 DE JULHO DE 2012. LEI Nº 3.182, DE 27 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE O USO DAS CALÇADAS, GARANTINDO SUA DESTINAÇÃO PRIORITÁRIA PARA A CIRCULAÇÃO DE PESSOAS E A CONVIVÊNCIA SOCIAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DE

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Esta Lei dispõe sobre o Código de Obras e Edificações do Município

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Esta Lei dispõe sobre o Código de Obras e Edificações do Município PROJETO DE LEI Dispõe sobre o Código de Obras e Edificações do Município de Toledo. O POVO DO MUNICÍPIO DE TOLEDO, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e o Prefeito Municipal, em seu nome,

Leia mais

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5628/99 Altera disposições da Lei nº 3.377, de 23 de julho de 1984, referentes à implantação de postos de revenda de Gás Liquefeito de Petróleo GLP e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

CÓDIGO EDIFICAÇÕES LEI COMPLEMENTAR Nº 03/1998 LEI COMPLEMENTAR Nº 18/2006 ALTERAÇÃO:

CÓDIGO EDIFICAÇÕES LEI COMPLEMENTAR Nº 03/1998 LEI COMPLEMENTAR Nº 18/2006 ALTERAÇÃO: CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES LEI COMPLEMENTAR Nº 03/1998 ALTERAÇÃO: LEI COMPLEMENTAR Nº 18/2006 JANEIRO/2006 LEI COMPLEMENTAR Nº 03/98 1998 De 22 de outubro de INSTITUI O CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO E

Leia mais

Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção

Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito e aplicação Para efeitos de uso do solo e de licenciamento de quaisquer obras de

Leia mais

PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas

PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas Tão bom quanto um Damha. só outro Damha. Bem-vindo ao Residencial Damha II O Residencial Damha II Brasília seguirá o mesmo padrão e a mesma infraestrutura de sucesso

Leia mais

PARCELAMENTO E USO DO SOLO URBANO

PARCELAMENTO E USO DO SOLO URBANO Parc. Solo. 1 PARCELAMENTO E USO DO SOLO URBANO ÍNDICE CAPÍTULO I DOS CONCEITOS 02 CAPÍTULO II DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 04 CAPÍTULO III DOS REQUISITOS URBANÍSTICOS 05 SEÇÃO I DOS QUARTEIRÕES 05 SEÇÃO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N. Art. 13 - (...)

LEI COMPLEMENTAR N. Art. 13 - (...) LEI COMPLEMENTAR N. Altera e acrescenta dispositivos na Lei Complementar nº 18, de 31 de agosto de 2000, que Dispõe sobre o parcelamento do solo urbano do Município de Poços de Caldas e dá outras providências.

Leia mais

Código de Obras Do Município De Maricá. Lei Municipal N.º. 77 de 14 de dezembro de 1978

Código de Obras Do Município De Maricá. Lei Municipal N.º. 77 de 14 de dezembro de 1978 Código de Obras Do Município De Maricá Lei Municipal N.º. 77 de 14 de dezembro de 1978 Código de Obras Do Município de Maricá Índice Pág. Capítulo I Licenciamento ( Art. 1º a 50) 1 Seção I Condições Gerais

Leia mais

LEI Nº 5.012, DE 10 DE JUNHO DE 2010.

LEI Nº 5.012, DE 10 DE JUNHO DE 2010. LEI Nº 5.012, DE 10 DE JUNHO DE 2010. Autor do Projeto de Lei C. M. nº 212/2009 Poder Executivo Diego De Nadai. Dispõe sobre o Uso do Solo no Município de Americana e dá outras providências. Diego De Nadai,

Leia mais

LEI N 4.615, DE 13 DE JANEIRO DE 1955

LEI N 4.615, DE 13 DE JANEIRO DE 1955 LEI N 4.615, DE 13 DE JANEIRO DE 1955 Regula as condições gerais das edificações. José Porphyrio da Paz, Vice-Prefeito do Município de São Paulo, usando das atribuições que lhe são conferidas por lei faço

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 MIGUEL HADDAD, Prefeito do Município de Jundiaí, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e, em especial, ao que consta do art. 10 da Lei Municipal

Leia mais

ANEXO 5 - TABELA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS TABELA DE CONTROLE URBANÍSTICO

ANEXO 5 - TABELA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS TABELA DE CONTROLE URBANÍSTICO ANEXO 5.1 - ZONA COMERCIAL 1 ZC1 mínimo básico máximo (1) ocupação permeabilidade frente fundo Residencial Unifamiliar qualquer via, as atividades classificadas em G2 nas vias coletoras e superiores e

Leia mais

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA 0 Helcio Kronberg Avaliador e Leiloeiro Público Oficial R. Emiliano Perneta, 736 Centro - Curitiba/PR Fone/Fax 41 3233-1077 LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA Processo 0033193-67.2011.8.16.0179-1ª

Leia mais

DATA: 22 DE NOVEMBRO DE 1983 MUNICÍPIO DE SINOP-MT. GERALDINO DAL MASO, PREFEITO MUNICIPAL DE SINOP TÍTULO I DEFINIÇÕES CAPÍTULO I.

DATA: 22 DE NOVEMBRO DE 1983 MUNICÍPIO DE SINOP-MT. GERALDINO DAL MASO, PREFEITO MUNICIPAL DE SINOP TÍTULO I DEFINIÇÕES CAPÍTULO I. LEI Nº 22/83 DATA: 22 DE NOVEMBRO DE 1983 SÚMULA: DISPÕE SOBRE O CÓDIGO DE OBRAS DO MUNICÍPIO DE SINOP-MT. GERALDINO DAL MASO, PREFEITO MUNICIPAL DE SINOP FAZ FAZER, que a Câmara Municipal aprovou e ele

Leia mais

Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991

Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991 Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991 Regulamenta o Art. 16 da Lei Orgânica, que diz respeito à garantia de acesso adequado aos portadores de deficiência física ou mental aos bens e serviços coletivos,

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS LEI COMPLEMENTAR Nº 59, DE 27 DE OUTUBRO DE 1997. ALTERA E CONSOLIDA A LEI Nº 485, DE 17 DE OUTUBRO DE 1984. GILBERTO MACEDO GIL ARANTES, Prefeito do Município de Barueri, usando das atribuições legais,

Leia mais

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito?

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito? O que é o FGTS? O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - é um fundo composto por depósitos bancários em dinheiro, compulsório, vinculado, realizado pelo empregador em favor do trabalhador, visando

Leia mais

Institui o Código de Edificações no Município de Araxá, e dá outras providências

Institui o Código de Edificações no Município de Araxá, e dá outras providências Lei nº 3.137 Institui o Código de Edificações no Município de Araxá, e dá outras providências A Câmara Municipal de Araxá, com a graça de Deus decreta e eu, Prefeito, sanciono e promulgo a seguinte Lei:

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES Secretaria do Planejamento Municipal

GUIA DE ATIVIDADES Secretaria do Planejamento Municipal 1. DECLARAÇÃO MUNICIPAL DAS CONDIÇÕES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO URBANO (DM) É a primeira etapa a ser cumprida para o requerimento de aprovação e licenciamento, junto à Prefeitura de Porto Alegre, de projetos

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ILHÉUS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 3.745, DE 09 DE OUTUBRO DE 2015.

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ILHÉUS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 3.745, DE 09 DE OUTUBRO DE 2015. LEI Nº 3.745, DE 09 DE OUTUBRO DE 2015. Dispõe sobre loteamento urbano fechado, condomínio horizontal fechado, responsabilidade do incorporador e loteador, concessão de uso e dá outras providências. O

Leia mais

NPT 007 SEPARAÇÃO ENTRE EDIFICAÇÕES (ISOLAMENTO DE RISCOS)

NPT 007 SEPARAÇÃO ENTRE EDIFICAÇÕES (ISOLAMENTO DE RISCOS) Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 007 Separação entre edificações (Isolamento de riscos) CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:02 Norma de Procedimento Técnico 15 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

La Bella Città MEMORIAL DESCRITIVO. Informações Gerais: INCORPORAÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA CONSTRUÇÃO

La Bella Città MEMORIAL DESCRITIVO. Informações Gerais: INCORPORAÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA CONSTRUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO La Bella Città Informações Gerais: INCORPORAÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA CONSTRUÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA PROJETO ARQUITETÔNICO ARQUITETA CARMEN LUCIA PEZZETTE

Leia mais