15/08/ Eng. Gerson R. Luqueta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "15/08/2010. www.baumer.com.br. Eng. Gerson R. Luqueta"

Transcrição

1 Autoclaves para laboratório de microbiologia de alimentos: critérios técnicos para aquisição, utilização e manutenção para a garantia da qualidade laboratorial Proibida a reprodução total ou parcial sem A expressa autorização do autor Baumer Mogi Mirim,SP - Brasil 1

2 Certificações 2

3 Divisão Industrial Autoclaves Laboratoriais Autoclaves para Produção Termodesinfectoras Câmaras de passagem Incubadoras para produção Geradores de vapor puro Estufas de eliminação de pirogênio Secadores de granulado Parte 1 A cinética de morte microbiana 3

4 Evolução do processo 1 DIGESTOR DE DENYS PAPIN AUTOCLAVE CHARLES CHAMBERLAND AUTOCLAVE BAUMER 2009 O que é esterilização? Conceito Mecanístico Sterile Assurance Level Processo pelo qual os microorganismos são inviabilizados a tal ponto que não seja mais possível detectá-los no meio de cultura padrão no qual previamente haviam proliferado. Convencionalmente considera-se um artigo estéril quando a probabilidade de sobrevivência dos microorganismos é menor do que 1: (10-6) (SAL - Bruch & Bruch). 4

5 Esterilização mal sucedida? Variáveis para escolha do processo Material a ser esterilizado Agente esterilizante compatível Microorganismo alvo 5

6 Teorias dos mecanismos de ação Mecanística Destruição dos centros de controle - Matemática Estequiométrica Alterações quantitativas nas substâncias essenciais Vitalística Intervenção localizada do processo metabólico Métodos de Esterilização por calor Esterilização por Sobre-morte (Overkill) Probabilidade de Sobrevivência 6

7 Sobre-morte (Overkill) Materiais não degradáveis ao agente esterilizante Super exposição do material Método seguro primeira escolha Não requer Bioburden Letalidade alta e excedente Probabilidade de Sobrevivência Materiais facilmente degradáveis ao agente esterilizante Limiares de sub e sobre-processamento Conserva o produto menor energia Letalidade controlada 7

8 Estudo de Letalidade de Processo Estudo da resistência do bioindicador Determinação da temperatura de Esterilização Determinação do tempo de Esterilização Fatores de resistência do MO Biomassa do contaminante (log N/g) Espessura da parede da célula Material da parede da célula Atividade metabólica Fatores de proteção internos Fatores de proteção externos 8

9 Depende do agente esterilizante Da concentração do MO Morte Microbiana Do substrato Da temperatura de exposição Do tempo de exposição, etc... Desenvolvimento do modelo matemático Valores D T do Microorganismo Curva Fantasma valor Z Letalidade de processo F0 e F Z Tempo equivalente Te 9

10 Valor D Definição: Tempo, em minutos, para reduzir a população de MO em 10 vezes a uma determinada temperatura. Valor Z Temperatura, em graus Celcius, para reduzir a população de MO em 10 vezes. 10

11 Letalidade de Processo Valor F Tempo mínimo de processo F = D (logn 0 log N) Valor Fz F z t = t 0 10 ( T Tref Z ) dt Parte 2 Critérios da qualidade em esterilização microbiológica Letalidade Repetibilidade Segurança de operação Preservação do produto / material 11

12 Aquisição, utilização, validação e manutenção Finalidades (o requerimento do usuário) Validação Utilização Critérios de manutenção Requerimento do usuário (URS) Documento formal Base da licitação ou compra Deve ser o mais completo possível Deve contemplar as normas a serem atendidas Deve apresentar respostas às necessidades Baseado em metodologia ou lista de verificação 12

13 Requerimento mal desenvolvido? Requerimento do usuário (URS) O quê, quando, onde, porquê, quem, quanto e como Equipamento alvo o que deve cumprir Necessidades imediatas e futuras plano e cenários Prazos Instalação, testes, liberação, etc. Custos de aquisição, operação e MANUTENÇÃO 13

14 Instalação da autoclave Deve ser dimensionada para demanda adequada Prever Alvenaria / Barreira Instalação hidráulica Instalação pneumática Instalação elétrica / Aterramento Tratamento de água / vapor Autoclaves em laboratórios NB-2 Equipamento para processo Equipamento para descarte Processo letalidade controlada Descarte - sobremorte 14

15 Autoclaves em laboratórios NB-3 Equipamento para processo Equipamento para descarte em barreira Processo letalidade controlada - 1 porta Descarte sobremorte dupla porta Contaminantes da água NBR 11816/

16 Ciclo de esterilização Condicionamento (remoção de ar / umidificação) Obtenção da temperatura e pressão Tempo de Exposição Exaustão / Secagem Aeração Ciclo de esterilização 16

17 Ciclo de esterilização Ciclo de esterilização 17

18 Ciclo de esterilização Validação de processo - Esterilização PORQUE VALIDAR? Conhecer o perfil e qualidade do processo Proporcionar segurança aos responsáveis Atender as normas vigentes REDUZIR CUSTOS!!! 18

19 Metodologia GMP REU PQ Especif. Funcional OQ Especif. Detalhada IQ Construção do Sistema Passos principais da validação - Esterilização Qualificação do projeto - DQ Aceitação em fábrica - FAT Aceitação no local de uso - SAT Qualificação das instalações - IQ Qualificação de operação - OQ Qualificação de desempenho - PQ Controle de procedimento de manutenção 19

20 Conceito de Manutenção São todas as ações necessárias para manter um equipamento ou sistema em operação ou para restituí-lo ao funcionamento. Manutenção inclui conservação, reparo, modificação, modernização, revisão, inspeção e determinação de eficiência de trabalho Manutenção prevista em norma Programa fornecido pelo Fabricante Com registros formais dos procedimentos Executado com profissionais qualificados 20

21 Manutenção mal sucedida? Procedimentos de Manutenção Manutenção Corretiva Não Planejada Manutenção Preventiva Manutenção Predetiva 21

22 Conclusões O desafio da esterilização em laboratórios de microbiologia é crescente, à medida que os MOs evoluem, demandando novas tecnologias A qualidade deve estar focada na letalidade adequada com a correta preservação dos materiais e/ou produtos a serem processados A correta aquisição, validação, operação e manutenção são fatores primordiais para um processo de esterilização de qualidade Referências NBR-ISO 17665/2010 NBR-ISO /2003 ISO/ANSI ST8/1994 PFLUG, I.J., Microbiology and Engeneering of Sterilization Processes, 1999, 10th Edition... PDA, Validation od steam sterilization cycles, Technical monograf number 1 22

23 Eng. Gerson Roberto Luqueta Downloads: (link saúde) s: (Baumer) (acadêmico) The End Obrigado! Proibida a reprodução total ou parcial sem A expressa autorização do autor 23

Engenheiro Eletricista - USF MBA FGV - 2002. Projetos, pós-venda e área comercial Baumer desde 97. Professor mecatrônica Centro Paula Souza

Engenheiro Eletricista - USF MBA FGV - 2002. Projetos, pós-venda e área comercial Baumer desde 97. Professor mecatrônica Centro Paula Souza Conceitos de esterilização por calor. Apresentação palestrante Engenheiro Eletricista - USF Termobacteriologia Unicamp - 2004 MBA FGV - 2002 Projetos, pós-venda e área comercial Baumer desde 97 Professor

Leia mais

Aspectos relacionados a aplicação do calor à esterilização, a despirogenização e a Biossegurança

Aspectos relacionados a aplicação do calor à esterilização, a despirogenização e a Biossegurança Aspectos relacionados a aplicação do calor à esterilização, a despirogenização e a Biossegurança Eng Gerson Roberto Tópicos a serem apresentados Cinética de morte microbiana Esterilização por vapor saturado

Leia mais

21/12/2010 RDC 17 E OS IMPACTOS DA ESTERILIZAÇÃO POR CALOR. Eng Gerson Roberto Luqueta 1 AUTOCLAVE - 1880 CHARLES CHAMBERLAND

21/12/2010 RDC 17 E OS IMPACTOS DA ESTERILIZAÇÃO POR CALOR. Eng Gerson Roberto Luqueta 1 AUTOCLAVE - 1880 CHARLES CHAMBERLAND RDC 17 E OS IMPACTOS DA ESTERILIZAÇÃO POR CALOR Eng Gerson Roberto Luqueta Tópicos a serem apresentados Cinética de morte microbiana Esterilização por vapor saturado Esterilização por calor seco Validação

Leia mais

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta VALIDAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONFORME NORMATIZAÇÃO (ênfase em processos de esterilização) VALIDAÇÃO DO PROCESSO DEFINIÇÃO Procedimento documentado para obtenção, registro e interpretação de resultados desejados

Leia mais

Esterilização por calor Definições da RDC210 e os passos básicos de validação dos equipamentos.

Esterilização por calor Definições da RDC210 e os passos básicos de validação dos equipamentos. Esterilização por calor Definições da RDC210 e os passos básicos de validação dos equipamentos. Eng. Gerson R. Luqueta Introdução O principal objetivo do artigo é proporcionar aos profissionais da indústria

Leia mais

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção 45 45 1 A legislação Brasileira (mais recentes) RDC 156 de 2006 RE-2605 de 2006 RE-2606 de 2006

Leia mais

Procedimentos e técnicas de esterilização de instrumentos cirúrgicos Por Gerson Roberto Luqueta

Procedimentos e técnicas de esterilização de instrumentos cirúrgicos Por Gerson Roberto Luqueta Procedimentos e técnicas de esterilização de instrumentos cirúrgicos Por Gerson Roberto Luqueta Introdução Nos últimos tempos a esterilização de instrumentos cirúrgicos tem sido alvo de discussão em vários

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO POR CALOR E A CI ÉTICA DE MORTE MICROBIA A por Gerson Roberto Luqueta

ESTERILIZAÇÃO POR CALOR E A CI ÉTICA DE MORTE MICROBIA A por Gerson Roberto Luqueta ESTERILIZAÇÃO POR CALOR E A CI ÉTICA DE MORTE MICROBIA A por Gerson Roberto Luqueta Introdução: Embora a esterilização por calor não seja nenhuma novidade aos profissionais mais experientes, tenho observado

Leia mais

Pr i n c í pi o da e s t e r i l i z aç ão po r c a lo r ú m i d o -

Pr i n c í pi o da e s t e r i l i z aç ão po r c a lo r ú m i d o - Pr i n c í pi o da e s t e r i l i z aç ão po r c a lo r ú m i d o - Como funciona uma autoclave Gerson R. Luqueta In t r o d u ç ão Nos últimos tempos, a polêmica em torno da esterilidade dos artigos

Leia mais

Esterilizador a vapor com vácuo - aspectos mecânicos e de instrumentação necessários para obtenção de um artigo estéril.

Esterilizador a vapor com vácuo - aspectos mecânicos e de instrumentação necessários para obtenção de um artigo estéril. Esterilizador a vapor com vácuo - aspectos mecânicos e de instrumentação necessários para obtenção de um artigo estéril. Por Gerson R. Luqueta Objetivo: O presente artigo tem como objetivo apresentar aos

Leia mais

CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO

CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO Instituto de Qualidade e Metrologia Ltda Rio de Janeiro - RJ QUALIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS AUTOCLAVES E ESTUFAS CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO Instituto

Leia mais

ESTUDO PARA FIXAR VALOR DE D EM ESTERILIZAÇÃO POR AUTOCLAVE

ESTUDO PARA FIXAR VALOR DE D EM ESTERILIZAÇÃO POR AUTOCLAVE ESTUDO PARA FIXAR VALOR DE D EM ESTERILIZAÇÃO POR AUTOCLAVE SALMAZO NETTO, Fernando Lima, SOUZA, Andréa Cristiane de fersalmazo@gmail.com Centro de Pós-Graduação Oswaldo Cruz Resumo: A esterilização por

Leia mais

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico.

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. 2º WORKSHOP DE PROCESSAMENTO DE ARTIGOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE CONTAGEM-MG Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. TERESINHA NEIDE DE OLIVEIRA A Verdadeira obra

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS BIOMÉDICOS. Mecânica da Autoclave

CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS BIOMÉDICOS. Mecânica da Autoclave CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS BIOMÉDICOS Mecânica da Autoclave INTRODUÇÃO Grande demanda de pacientes Avanço da medicina, equipamentos sofisticados e complexos Necessidade da manutenção Capacitação

Leia mais

1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE

1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE 1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE OBJETO: Aquisição de Equipamentos, Mobiliários, Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos, para atender as Necessidades

Leia mais

A Monitorização do Processo

A Monitorização do Processo A Monitorização do Processo Ana Rita Martins DIL/UI 22 anos de serviço público com valores e ética Reprocessamento Novo processamento de algo que já foi processado anteriormente ou Processar mais uma vez

Leia mais

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica Descrição Geral: Equipamento esterilizador horizontal automático para esterilização por vapor saturado de alta temperatura com duas

Leia mais

Relatório de Qualificação Térmica

Relatório de Qualificação Térmica Página 1 Relatório de Qualificação Térmica Cliente: Hospital e Maternidade Nossa Senhora das Graças Equipamento: Autoclave a Vapor Identificação/TAG: 13.00165 Local de Instalação: C.M.E. Faixa de Trabalho:

Leia mais

Análise do desempenho

Análise do desempenho Validação de Equipamentos em CME Análise do desempenho Conforme a RDC 15 Validação de Equipamentos em CME APRESENTAÇÃO Luciano Manoel - Especialista em processos de Qualificação de Equipamentos, com experiência

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL CÓDIGO: PO-LQT-001

PROCEDIMENTO OPERACIONAL CÓDIGO: PO-LQT-001 Folha: 1/21 1. OBJETIVO Descrever a sistemática dos processos de execução de Qualificação Térmica. 2 REFERÊNCIA ABNT NBR ISO 17665-1 Esterilização de produtos para à saúde Requerimento para validação e

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização

Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização A qualidade do ar em um sistema de ar comprimido tem variações e todas elas estão contempladas no leque de opções de produtos que a hb ar comprimido oferece.

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

Processamento de Materiais Cirúrgicos Complexos. Águida Cassola Dezembro 2009

Processamento de Materiais Cirúrgicos Complexos. Águida Cassola Dezembro 2009 Processamento de Materiais Cirúrgicos Complexos Águida Cassola Dezembro 2009 Qual o tempo de validade das embalagens? Posso usar a mesma embalagem em diferentes processos de esterilização? Embalagens

Leia mais

Métodos de esterilização de artigos médico-hospitalares

Métodos de esterilização de artigos médico-hospitalares Métodos de esterilização de artigos médico-hospitalares 1 Esterilização de artigos médico-hospitalares: qual a melhor solução? 3 1 A esterilização é um processo multiparamétrico Depende dos fatores físicos

Leia mais

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO.

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. Márcia Cristina O Pereira Enfermeira encarregada da central de material esterilizado HMSL. Especialista em CC, CME, RA USP Mestrado em saúde do adulto - USP FINALIDADE DA

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO POR VAPOR

ESTERILIZAÇÃO POR VAPOR RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br POR VAPOR FERNANDO BUSTAMANTE 2010 HISTÓRIA DA DENYS PAPIN - 1680 (MARMITA DE

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

Curso Intensivo. Qualificação e Validação na Indústria Farmacêutica

Curso Intensivo. Qualificação e Validação na Indústria Farmacêutica Curso Intensivo Qualificação e Validação na Indústria Farmacêutica O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual de aprendizagem que visa a capacitação

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br 11º Congresso Mundial de Esterilização e 7 Edição do Simpósio Internacional

Leia mais

Responsabilidades/Autoridades. Supervisionar e garantir o cumprimento das atividades Bioquímicos

Responsabilidades/Autoridades. Supervisionar e garantir o cumprimento das atividades Bioquímicos 1/7 1. OBJETIVO Padronizar o procedimento de operação da autoclave. O laboratório disponibiliza de duas autoclaves, sendo uma de uso exclusivo para esterilização e outra exclusiva para descontaminação.

Leia mais

AUTOCLAVE: ASPECTOS DE ESTRUTURA, FUNCIONAMENTO E VALIDAÇÃO RESUMO. 2 qualificação de instalação da autoclave. Palavras-chave:

AUTOCLAVE: ASPECTOS DE ESTRUTURA, FUNCIONAMENTO E VALIDAÇÃO RESUMO. 2 qualificação de instalação da autoclave. Palavras-chave: breve comunicação ISSN 22381589 AUTOCLAVE: ASPECTOS DE ESTRUTURA, FUNCIONAMENTO E VALIDAÇÃO Carlos Righetti; Paulo Cesar Gomes Vieira Seção de Meios de Cultura do Instituto Butantan Autor para correspondência:

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

Determinação da Eficácia de Sistemas de Barreira Estéril contra desafios microbianos durante transporte e armazenamento

Determinação da Eficácia de Sistemas de Barreira Estéril contra desafios microbianos durante transporte e armazenamento Determinação da Eficácia de Sistemas de Barreira Estéril contra desafios microbianos durante transporte e armazenamento Hartmut Dunkelberg, MD; Ulrich Schmelz, MD Tradução livre:rosana Sampaio Objetivo.

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP: L 20 Página 1 de 7 1. Identificação do Equipamento: Autoclave 1.1 Setor Alocado: Setor de Microbiologia. 1.2 Assistência Técnica: Gerência de Engenharia e Patrimônio. Ramal: 2017, 2008 e 2142. 1.3.1

Leia mais

O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde.

O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde. O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde. A CME é uma unidade nobre do hospital responsável

Leia mais

QUALIFICAÇÃO INSTALLATION QUALIFICATION (QUALIFICAÇÃO DE INSTALAÇÃO)

QUALIFICAÇÃO INSTALLATION QUALIFICATION (QUALIFICAÇÃO DE INSTALAÇÃO) QUALIFICAÇÃO DEFINIÇÃO: PROVA DOCUMENTADA QUE UM EQUIPAMENTO, MATERIAL OU SERVIÇO FUNCIONA DE MANEIRA REPRODUTÍVEL E ATENDE ÀS ESPECIFICAÇÕES PRÉ- ESTABELECIDAS. PODE SER SUBDIVIDIDA EM: DQ: IQ: OQ: PQ:

Leia mais

Curso Intensivo. Qualificação e Validação na Indústria Farmacêutica

Curso Intensivo. Qualificação e Validação na Indústria Farmacêutica Curso Intensivo Qualificação e Validação na Indústria Farmacêutica O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual de aprendizagem que visa a capacitação

Leia mais

Integrado em Automação Industrial

Integrado em Automação Industrial Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2014 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...

Leia mais

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 Evolu ão modema dajécnica.de.. tratamento 'Aplicação das técnicas de tratamento, 1 Noções fundamentais sobre movimentos de fluidos, 4 Cisalhamento e gradientes de velocidade no

Leia mais

Samy Menasce. Associação Brasileira de Esterilização - ABE. Esterilização de material cirúrgico pelo Gás Ozônio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTERILIZAÇÃO

Samy Menasce. Associação Brasileira de Esterilização - ABE. Esterilização de material cirúrgico pelo Gás Ozônio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTERILIZAÇÃO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br Associação Brasileira de Esterilização - ABE Esterilização de material cirúrgico

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Os métodos químicos líquidos utilizam glutaraldeído, peróxido de hidrogênio, formaldeído ou acido peracético.

Os métodos químicos líquidos utilizam glutaraldeído, peróxido de hidrogênio, formaldeído ou acido peracético. 21 2 Esterilização A esterilização é um processo utilizado para eliminar microorganismos viáveis de um produto. O nível de garantia de esterilidade deve ser estabelecido por meio de estudos de validação

Leia mais

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II Autoclave Vapor saturado sob pressão Denise Demarzo Curitiba, 17 de novembro de 2010-2010 CME Uso Esterilização,

Leia mais

Uso de redes de sensores sem fio no apoio ao controle do reprocessamento de artigos médico-hospitalares.

Uso de redes de sensores sem fio no apoio ao controle do reprocessamento de artigos médico-hospitalares. Uso de redes de sensores sem fio no apoio ao controle do reprocessamento de artigos médico-hospitalares. GERSON ROBERTO LUQUETA Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, Faculdade de Tecnologia

Leia mais

PROCESSOS DE SECAGEM APLICADOS NA ENGENHARIA DE ALIMENTOS PROJETO ALIMENTANDO TALENTOS

PROCESSOS DE SECAGEM APLICADOS NA ENGENHARIA DE ALIMENTOS PROJETO ALIMENTANDO TALENTOS 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( x ) TECNOLOGIA PROCESSOS DE SECAGEM APLICADOS NA ENGENHARIA DE ALIMENTOS

Leia mais

VALIDAÇÃO DE PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO DE DISPOSITIVOS MÉDICOS. A. FARIA GOMES, Eng.

VALIDAÇÃO DE PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO DE DISPOSITIVOS MÉDICOS. A. FARIA GOMES, Eng. VALIDAÇÃO DE PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO DE DISPOSITIVOS MÉDICOS - abordagem normativa A. FARIA GOMES, Eng. a.faria.gomes@lemes.org ORGANISMOS DE NORMALIZAÇÃO ISO - INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

A Unidade HOSPITAL UNIMED-RIO

A Unidade HOSPITAL UNIMED-RIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS A Unidade HOSPITAL UNIMED-RIO Projeto Hospital UNIMED - RIO Construído em uma área de 30 mil m² o Hospital UNIMED RIO foi inaugurado em Dez / 2012 O Hospital tem como seus principais

Leia mais

VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO

VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO A VAPOR ÚMIDO Profª. Drª.Thereza Christina Vessoni Penna Professora Titular do Departamento de Tecnologia Bioquímico Farmacêutica Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

Barreras y Oportunidades para la puesta en marcha de laboratorios de ensayo de eficiencia energética, desde el punto de vista gerencial y técnico

Barreras y Oportunidades para la puesta en marcha de laboratorios de ensayo de eficiencia energética, desde el punto de vista gerencial y técnico Barreras y Oportunidades para la puesta en marcha de laboratorios de ensayo de eficiencia energética, desde el punto de vista gerencial y técnico Alvaro Theisen Diretor Geral UL América Latina Colombia

Leia mais

Desenvolvimento de um modelo de POP (Procedimento Operacional Padrão) com ênfase em esterilização

Desenvolvimento de um modelo de POP (Procedimento Operacional Padrão) com ênfase em esterilização Desenvolvimento de um modelo de POP (Procedimento Operacional Padrão) com ênfase em esterilização O que é um POP? Procedimento Operacional Padrão (POP): procedimento escrito e autorizado que fornece instruções

Leia mais

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX 1 Sumário Treinamento específico e essencial.... 3 Manutenção, serviço e armazenamento.... 3 Inspeção... 3 Uso... 4 Tempo de vida do Produto.... 4 Garantia... 4

Leia mais

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE D I R E T O R I A D E S A Ú D E 05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE Em 05 de Junho, é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente e nesse ano o foco está voltado para as Mudanças Climáticas com o tema

Leia mais

Qualificação de equipamentos térmicos utilizados em ensaios

Qualificação de equipamentos térmicos utilizados em ensaios Qualificação de equipamentos térmicos utilizados em ensaios Marise Tenório Wanderley Hübner INCQS / FIOCRUZ QUALIFICAÇÃO Conjunto de operações que estabelece, sob condições especificadas, que os resultados

Leia mais

Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO

Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO ANEXO DO CONTRATO Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO Outubro - 2012 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTO PARA GESTÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO... 3 3. ORIENTAÇÕES

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Rosa M. P. Fonseca Supervisora do CC / CME do Hospital Paulistano Diretora do conselho Fiscal da SOBECC gestão 2013-2015 200

Leia mais

AUTOCLAVES SS. Autoclave VITALE. 12 Litros R$: 3.260,00 à vista. ou 10 x R$: 326,00 sem juros. 21 Litros R$: 4.330,00 à vista

AUTOCLAVES SS. Autoclave VITALE. 12 Litros R$: 3.260,00 à vista. ou 10 x R$: 326,00 sem juros. 21 Litros R$: 4.330,00 à vista SHOPPING DA BELEZA AUTOCLAVES SS TELE-VENDAS 3542-1030 / 3542-1803 DISTRIBUIDOR AUTORIZADO Autoclave AMORA 4 Litros R$: 1.999,00 à vista ou 10 x R$: 215,00 Autoclave Amora - Cristófoli 4 Litros Autoclave

Leia mais

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas MATERIAL DE REFERÊNCIA: PROFESSOR SERGIO PASTL A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas A proteção passiva contra fogo em estruturas metálicas é relativamente recente

Leia mais

Caldeiras Manoel O. A. Méndez

Caldeiras Manoel O. A. Méndez Caldeiras Manoel O. A. Méndez FEAU - Faculdade de Engenharia Arquitetura e Urbanismo 12 de agosto de 2015 Manoel Méndez Caldeiras 1/24 Sumário Introdução 1 Introdução 2 Descoberta do vapor Uso do vapor

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 A segurança sempre está em pauta em nossas vidas e com a eletricidade não deve ser diferente. Durante a utilização normal das instalações elétricas

Leia mais

Diário Oficial da União DOU 10 de abril de 2001

Diário Oficial da União DOU 10 de abril de 2001 Diário Oficial da União DOU 10 de abril de 2001 RESOLUÇÃO - RDC Nº 56, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Estabelece os requisitos essenciais de segurança e eficácia aplicáveis aos produtos para saúde, referidos no

Leia mais

Sistemas térmicos aplicados

Sistemas térmicos aplicados Sistemas térmicos aplicados LNEG 8 Julho 2015 BUILD UP Skills FORESEE IEE/13/BWI 702/SI2.680177 BUILD UP Skills FORESEE September 2014 to February 2017 Temas gerais 1 hora - Teórica Legislação sobre Segurança

Leia mais

29/8/2011. Eduardo Amaral de Toledo. Mauá da Serra PR. Supervisor da Qualidade. II Workshop de Microbiologia Deteriorantes e Indicadores na

29/8/2011. Eduardo Amaral de Toledo. Mauá da Serra PR. Supervisor da Qualidade. II Workshop de Microbiologia Deteriorantes e Indicadores na II Workshop de Microbiologia Deteriorantes e indicadores de higiene Deteriorantes e Indicadores na Indústria de Cereais Eduardo Amaral de Toledo Supervisor da Qualidade SL Alimentos e Cereais Ltda Mauá

Leia mais

Dutos Química Ltda Informativo eletrônico *.pdf

Dutos Química Ltda Informativo eletrônico *.pdf Dutos Química Ltda Informativo eletrônico *.pdf Este informativo consiste em uma junção de dados obtidos em artigos científicos e livros especializados em tratamento químico. As informações nele contidas

Leia mais

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Quando o assunto é área de risco o uso de produtos apropriados e a manutenção adequada são exigências obrigatórias para atender normas

Leia mais

REGULAMENTO TÈCNICO REQUISITOS ESSENCIAIS DE SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS PRODUTOS MÉDICOS

REGULAMENTO TÈCNICO REQUISITOS ESSENCIAIS DE SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS PRODUTOS MÉDICOS MERCOSUL/GMC/RES.Nº 72/98 REGULAMENTO TÈCNICO REQUISITOS ESSENCIAIS DE SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS PRODUTOS MÉDICOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 91/93,

Leia mais

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 3ª Aula - complemento - Como especificar um compressor corretamente Ao se estabelecer o tamanho e nº de compressores, deve se

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

Introdução... 2. Identificação do aparelho...3. Fixação do aparelho no box...3. Instalação elétrica...4. Acionamento do aparelho...

Introdução... 2. Identificação do aparelho...3. Fixação do aparelho no box...3. Instalação elétrica...4. Acionamento do aparelho... Introdução... 2 Identificação do aparelho...3 Fixação do aparelho no box...3 Instalação elétrica...4 Acionamento do aparelho...4 Dados técnicos...5 Certificado de garantia...6 ÍNDICE INTRODUÇÃO O gerador

Leia mais

Esterilização a Vapor - O papel do Técnico 2. Unidade Local de Saúde da Guarda, EPE. Esterilização a Vapor - O papel do Técnico 2

Esterilização a Vapor - O papel do Técnico 2. Unidade Local de Saúde da Guarda, EPE. Esterilização a Vapor - O papel do Técnico 2 Guarda, 8 e 9 de Fevereiro de 2013. Unidade Local de Saúde da Guarda, EPE 1 Manutenção Definição de manutenção: Manutenção é toda acção de controle e monitorização do equipamento. Manutenção não aumenta

Leia mais

MANUTENCAO DA AUTOCLAVE

MANUTENCAO DA AUTOCLAVE Ufcd 4564 Gestão da manutencão introducão Nota: 17 Formador: MANUTENCAO DA AUTOCLAVE AUTOCLAVE Ɵ 1000 x 3000 3.400 mm 2.000 kg Introdução Nesta ufcd foi-nos proposto pelo formador construir um manual de

Leia mais

Laboratórios de Pesquisa da Biologia

Laboratórios de Pesquisa da Biologia Laboratórios de Pesquisa da Biologia 1 - Laboratório de Biologia e Ecologia Animal (B 1.01) Conta com um espaço físico de 12m x 12m (144m²) phmetro ou medidor de ph: é um aparelho usado para medição de

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho;

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho; Curso: Técnico de Segurança do Trabalho Curso Reconhecido pelo MEC: PORTARIA N 959/2007 Apresentação: O curso de Técnico de Segurança do Trabalho da Conhecer Escola Técnica é reconhecido pela excelência

Leia mais

Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água

Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água Antes de falarmos sobre Osmose Reversa, precisamos entender o que é Osmose. Osmose é o nome dado ao movimento da água entre meios com concentrações

Leia mais

a) 290mm; 250mm; 200mm b) 400mm; 475mm; 350mm c) 250mm; 200mm; 330mm d) 250mm; 350mm; 200mm

a) 290mm; 250mm; 200mm b) 400mm; 475mm; 350mm c) 250mm; 200mm; 330mm d) 250mm; 350mm; 200mm Engenheiro Civil 11) O quadroabaixo mostra o volume de precipitação de água da chuva no município, nos últimos sete meses. Com base nos valores apresentados, marque a opção que corresponde aos valores

Leia mais

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Outubro/2014 BLOCO I Fundação Cristiano Varella Hospital do

Leia mais

Gaxetas e Anéis Raspadores de Molythane. Catálogo PPD 3800 BR Outubro 2001

Gaxetas e Anéis Raspadores de Molythane. Catálogo PPD 3800 BR Outubro 2001 Gaxetas e Anéis Raspadores de Molythane Catálogo PPD 3800 BR Outubro 2001 Pense em Qualidade, Pense Parker Para nós da Parker, a qualidade é alcançada quando suas expectativas são atendidas, tanto em relação

Leia mais

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral André Cabral Divisão de Prevenção de Infecção 3M do Brasil Prezados Colegas, O processamento de produtos para saúde é uma atividade que requer conhecimento e embasamento científico necessitando atualização

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

INSPEÇÃO PREDIAL Eng Flávia Zoéga Andreatta Pujadas out/2008

INSPEÇÃO PREDIAL Eng Flávia Zoéga Andreatta Pujadas out/2008 INSPEÇÃO PREDIAL Eng Flávia Zoéga Andreatta Pujadas out/2008 INSPEÇÃ ÇÃO O PREDIAL Norma de Inspeção Predial 2007 IBAPE/SP É a avaliação isolada ou combinada das condições técnicas técnicas, de uso e de

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil.

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. Eng ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Nos dias atuais, onde o meio ambiente,

Leia mais

SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais de equipamentos sob pressão. TEXTO INTEGRAL

SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais de equipamentos sob pressão. TEXTO INTEGRAL DATA: 12 de Junho de 2007 NÚMERO: 112 SÉRIE II EMISSOR: Ministério da Economia e Inovação DIPLOMA / ACTO: Despacho nº 11 551/2007 SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais

Leia mais

Embalagens para esterilização. O que você precisa saber sobre: Normas técnicas

Embalagens para esterilização. O que você precisa saber sobre: Normas técnicas O que você precisa saber sobre: Normas técnicas Leis e Normas Constituição Federal Leis Infra - constitucinais Ex: Código Penal 1940 Código Civil (1916) 2002 Leis Complementares (Decreto Lei) MP NORMAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO CALOR EM AMBIENTE DE TRABALHO

AVALIAÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO CALOR EM AMBIENTE DE TRABALHO LAUDO TÉCNICO AVALIAÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO CALOR EM AMBIENTE DE TRABALHO 1 - OBJETIVO Tem por objetivo o presente laudo técnico, avaliar a exposição ocupacional ao calor conforme NR 15 anexo n o 3 da Portortaria

Leia mais

Como funciona uma autoclave. Introdução. Materiais Necessários. A autoclave

Como funciona uma autoclave. Introdução. Materiais Necessários. A autoclave Intro 01 Introdução A autoclave A autoclave é um aparelho muito utilizado em laboratórios de pesquisas e hospitais para a esterilização de materiais. O processo de autoclavagem consiste em manter o material

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

FIRE PROTECTION Escritório Central São Paulo, SP:

FIRE PROTECTION Escritório Central São Paulo, SP: FIRE PROTECTION Escritório Central São Paulo, SP: Rua das Rosas, 300 Mirandópolis São Paulo, SP CEP:04048-000 Tel: +55 11 5584-6380 Site: www.ckc.com.br ckc@ckc.com.br A CKC no Brasil Somos há 15 anos,

Leia mais