Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística"

Transcrição

1 Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Este inquérito está inserido no trabalho de investigação Statistical interpretation of studies among doctors and medical students. Tem como objetivo recolher informação sobre o conhecimento de médicos e estudantes de medicina na interpretação bioestatística de estudos. A informação recolhida é anónima. Agradecemos, desde já, a sua disponibilidade para o preenchimento deste inquérito. C

2 Por favor responda às seguintes questões sobre estatística: 1. Se tivesse oportunidade, gostava de aprender mais sobre bioestatística. Por favor classifique a sua no seu nível atual de capacidade na realização das seguintes tarefas: 1. Interpretar resultados de um método estatístico usado no estudo. 2. Consigo compreender quase todos os termos estatísticos que se encontram em artigos científicos. 3. Por ser fácil de mentir com a estatística, eu não confio nela de maneira nenhuma. 4. Normalmente uso informação estatística para formar opiniões ou a tomar decisões clínicas. 2. Avaliar se para responder à questão de investigação foi aplicado o procedimento estatístico correto. 3. Interpretar o valor P para um dado resultado. 1/4

3 Por favor escolha a melhor resposta para cada uma das seguintes questões: 1. Um estudo deseja avaliar características presentes ao nascimento numa população. Qual das seguintes variáveis descreve a correcta escala ou tipo de medida? (Preencha cada espaço branco com a sua resposta. Use cada letra tantas vezes quanto as apropriadas.) A. Discreta B. Continua C. Ordinal D. Nominal E. Dicotómica 4. Qualquer erro sistemático no desenho, conduta ou análise de um estudo que resulte numa estimativa errada do efeito de uma exposição no risco de doença é chamado de: a. b. c. d. 5.Investigadores mediram os níveis de colesterol numa amostra de pacientes na Nova Zelândia e na Ásia, tendo sido encontrados os seguintes resultados: REGIÃO a. Peso ao nascimento em gramas b. Peso ao nascimento classificado como baixo, médio e alto c. Tipo de parto classificado como cesariana, natural ou induzido. 2. Para determinar se o jejum está associado à febre de dengue, dados de 40 pacientes com febre de dengue foram recolhidos. Esses pacientes foram comparados em termos de idade, sexo e raça com 40 pacientes sem febre de dengue. Os gráficos desses pacientes foram depois revistos com o objectivo de determinar quais estavam em fase de jejum, antes de desenvolverem a doença. Este tipo de estudo é conhecido como: a. Estudo transversal b. Estudos de coorte concorrentes c. Estudo de casos e controlos d. Estudo de coorte retrospetivo e. Ensaio clínico randomizado 3. O objetivo de um estudo de duplo ocultamento (ensaio duplamente cego) é: American Medical Association. All rights reserved.tratados e a. Conseguir grupos de indivíduos Confundimento Viés Interação Estratificação TAMANHO DA AMOSTRA MÉDIA NÍVEIS COLESTEROL DESVIO- PADRÃO NOVA ZELÂNDIA ÁSIA Calcularam a média com um intervalo de (IC) de 95% para a verdadeira diferença na média dos níveis de colesterol entre as duas populações e obtiveram: Diferença da Média: 0,5 mmol/l e IC 95% (0,18-0,32). O intervalo de de 95% para verdadeira diferença na média dos níveis de colesterol entre as duas populações sugere que: a. Não há diferença estatisticamente significativa na média dos níveis de colesterol entre as 2 populações. b. Existe uma média dos níveis de colesterol população da Ásia em comparação com a população da Nova Zelândia. c. Existe uma média dos níveis de colesterol amostra da Nova Zelândia em comparação com a amostra da Ásia. d. Existe uma média dos níveis de colesterol população da Nova Zelândia em comparação com a população da Ásia. (Reprinted) JAMA, September 5, 2007 Vol 298, No não tratados comparáveis. b. Reduzir os efeitos da variação da amostragem. 6. Num programa de deteção de Diabetes, o cut-off c. Evitar viéses por parte do observador e (valor a partir do qual o teste é considerado do sujeito avaliado. positivo)de concentração de açúcar no sangue para d. Evitar viéses por parte do observador e Downloaded from jama.ama-assn.org by October 24, 2011para 130 mg/100 ml, oguest Testeon A está estabelecido variação da amostragem. e no Teste B para 160 mg/100 ml. 2/4

4 Isto significa que: a. A sensibilidade do Teste B é maior do que a do Teste A. b. A especificidade do Teste B é maior do que a do Teste A. c. A sensibilidade e a especificidade são iguais para ambos os testes. d. O número de falsos positivos é maior com Teste B do que com o Teste A. 7. Num trabalho de investigação, a idade dos participantes era de 26 anos ± 5 anos (média ± desvio-padrão). Qual das seguintes afirmações é a mais correta? a. Há 95% de certeza que a verdadeira média esteja o intervalo de anos. b. A maior parte dos pacientes tinha 26 anos; os restantes tinham entre 21 e 31 anos. c. Aproximadamente 95% dos pacientes tinham idades entre os 16 anos e 36 anos. d. Nenhum paciente tinha idade inferior a 6 anos ou superior a 36 anos. 8.Um ensaio clínico aleatorizado foi realizado para determinar se a combinação de dinitrato de isossorbida e hidralazina em afro-americanos com insuficiência cardíaca era superior ao placebo no que diz respeito à taxa de sobrevivência total (N Engl J Med. 2004; 351 (20): ). Foi feita uma análise Kaplan-Meier como o gráfico ilustra. Com base nessa informação, é possível concluir que: a. O risco de morte, em geral, é menor de de tratamento versus placebo comparando todos os pontos de tempo entre os dias 0 e 600. b. O risco de morte, em geral, é menor de de tratamento em relação ao grupo placebo no dia 600. c. O risco de morte, em geral, é maior de de tratamento em relação ao grupo placebo no dia 600. d. O risco de morte é aproximadamente o mesmo em ambos os grupos. 9. Num ensaio, controlado com placebo, onde se pretendia estudar o efeito preventivo da aspirina e de dipiradimol na prevenção de restenose arterial após angioplastia coronária, 38% dos pacientes que receberam tratamento e 39% dos pacientes que receberam placebo tiveram restenose. Ao documentar esta descoberta, os autores afirmaram que P<.05. Isto significa que: a. A probabilidade de a diferneça ser novamente encontrada se o ensaio fosse repetido é maior do que 1 em 20. b. A probabilidade de esta diferença significativa ter ocorrido por mero acaso é menor que 1 em 20. c. A probabilidade de esta diferença significativa ter ocorrido por mero acaso é maior que 1 em 20. d. A probabilidade do estudo estar correcto é de 95%. Isossorbida dinitrato + hidralazina Sobrevivência (%) Nr. em risco Placebo Isossorbida dinitrato +hidralazina Dias desde a avaliação inicial Fig.1 Estimativa Kaplan Meier de a taxa de sobrevivência global. 3/4

5 Por favor responda às seguintes questões: Grau académico: Estudante (Mestrado Integrado em Medicina) Licenciatura em Ciências Básicas de Saúde (Mestrado Integrado em Medicina) Licenciatura Mestrado Doutoramento Número de anos após licenciatura: < É especialista? Alguma vez teve formação na área de bioestatística? Alguma vez teve formação na área da medicina baseada na evidência? Lê regularmente literatura científica? Já teve a oportunidade de desenvolver trabalhos de investigação científica? 4/4

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ESTUDOS DE COORTE 1) Com o objetivo de investigar

Leia mais

Fazer um diagnóstico. Necessidade dos testes. Foco principal. Variabilidade do teste. Diminuição das incertezas definição de normal

Fazer um diagnóstico. Necessidade dos testes. Foco principal. Variabilidade do teste. Diminuição das incertezas definição de normal Fazer um diagnóstico Avaliação Crítica tentativa de tomar uma decisão adequada usando informações inadequadas resultado de testes diminuir a incerteza do diagnóstico Ideal saber viver com a incerteza saber

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Terapêutica e prevenção secundária no tumor do pulmão

ESTUDO DE CASO. Terapêutica e prevenção secundária no tumor do pulmão ESTUDO DE CASO Terapêutica e prevenção secundária no tumor do pulmão É bem conhecida a relação tabaco / tumor do pulmão, embora existam casos de neoplasia do pulmão sem antecedentes de tabagismo. Mesmo

Leia mais

Principais Conceitos em Estatística

Principais Conceitos em Estatística 1 Principais Conceitos em Estatística Ernesto F. L. Amaral 08 de outubro de 2009 www.ernestoamaral.com/met20092.html Fonte: Triola, Mario F. Introdução à estatística. 10 ª ed., Rio de Janeiro: LTC, 2008.

Leia mais

Comparando riscos e chances. Risco relativo e Razão de Chances

Comparando riscos e chances. Risco relativo e Razão de Chances Comparando riscos e chances Risco relativo e Razão de Chances Exemplo Inicial Estudo para verificar se a ingestão de extrato de guaraná tem efeito sobre a fadiga em pacientes tratados com quimioterapia

Leia mais

Tópicos em Gestão da Informação II

Tópicos em Gestão da Informação II Tópicos em Gestão da Informação II Aula 05 Variabilidade estatística Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação Universidade Federal de Goiás Exercício

Leia mais

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Roteiro da Apresentação 1. Estrutura da Pesquisa Científica 2. Classificação dos estudos epidemiológicos 3.

Leia mais

Estrutura, Vantagens e Limitações dos. Principais Métodos

Estrutura, Vantagens e Limitações dos. Principais Métodos Estrutura, Vantagens e Limitações dos Principais Métodos 1) Ensaio clínico Randomizado 2) Estudo de coorte 3) Estudo de caso controle 4) Estudo transversal 5) Estudo ecológico 1) Ensaio clínico Randomizado

Leia mais

Avaliação. Diagnóstico. Gerente Apuração de dados. Sistema integrado. Tudo que você precisa está a sua disposição no ambiente virtual.

Avaliação. Diagnóstico. Gerente Apuração de dados. Sistema integrado. Tudo que você precisa está a sua disposição no ambiente virtual. NÍVEL DE ENSINO: Graduação Tecnológica CARGA HORÁRIA: 40h PROFESSOR-AUTOR: Ricardo Saraiva Diniz DE DADOS ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO APRESENTAÇÃO Desempenho Olá! Seja muito bem-vindo à disciplina Análise

Leia mais

Introdução à Bioestatística. Profº Lucas Neiva-Silva Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre 2008

Introdução à Bioestatística. Profº Lucas Neiva-Silva Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre 2008 Introdução à Bioestatística Profº Lucas Neiva-Silva lucasneiva@yahoo.com.br Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre 2008 Estatística Do grego statistós, de statízo, que significa estabelecer,

Leia mais

População e Amostra. População: O conjunto de todas as coisas que se pretende estudar. Representada por tudo o que está no interior do desenho.

População e Amostra. População: O conjunto de todas as coisas que se pretende estudar. Representada por tudo o que está no interior do desenho. População e Amostra De importância fundamental para toda a análise estatística é a relação entre amostra e população. Praticamente todas as técnicas a serem discutidas neste curso consistem de métodos

Leia mais

Estatística Descritiva (I)

Estatística Descritiva (I) Estatística Descritiva (I) 1 O que é Estatística Origem relacionada com a coleta e construção de tabelas de dados para o governo. A situação evoluiu: a coleta de dados representa somente um dos aspectos

Leia mais

Curso de Metodologia Científica para Residentes. Luiz Watanabe e Ana Márcia Gaudard

Curso de Metodologia Científica para Residentes. Luiz Watanabe e Ana Márcia Gaudard Curso de Metodologia Científica para Residentes e Preceptores da SES/DF - 2008 Luiz Watanabe e Ana Márcia Gaudard PRÁTICA CLÍNICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS COMO DESENVOLVER UMA ESTRATÉGIA DE BUSCA? EXPLOSÃO

Leia mais

Principais Delineamentos de Pesquisa. Lisia von Diemen

Principais Delineamentos de Pesquisa. Lisia von Diemen Principais Delineamentos de Pesquisa Lisia von Diemen Tipos de Estudos Observacionais Descritivos Analíticos Instante Período de Tempo Experimentais Randomizado Não-Randomizado Observacionais Descritivos

Leia mais

Amostragem Objetivos - Identificar as situações em que se deve optar pela amostragem e pelo censo. - Compreender e relacionar AMOSTRA e POPULAÇÃO.

Amostragem Objetivos - Identificar as situações em que se deve optar pela amostragem e pelo censo. - Compreender e relacionar AMOSTRA e POPULAÇÃO. Amostragem Objetivos - Identificar as situações em que se deve optar pela amostragem e pelo censo. - Compreender e relacionar AMOSTRA e POPULAÇÃO. - Que é Amostragem Aleatória Simples. - Métodos para a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I Departamento de Estatística Tarciana Liberal CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas

Leia mais

Os dilemas do peer review

Os dilemas do peer review Os dilemas do peer review Prof. Doutor António Vaz Carneiro, MD, PhD, FACP Centro de Estudos de Medicina Baseada na Evidência Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Centro Colaborador Português

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ANEXO PROGRAMAS DOS CURSOS CURTA DURAÇÃO EM ANÁLISE DE DADOS COM SPSS

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ANEXO PROGRAMAS DOS CURSOS CURTA DURAÇÃO EM ANÁLISE DE DADOS COM SPSS ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ANEXO PROGRAMAS DOS CURSOS CURTA DURAÇÃO EM ANÁLISE DE DADOS COM SPSS ANÁLISE DE DADOS COM SPSS NÍVEL I - INTRODUTÓRIO OBJETIVOS Dotar os formandos de competências que permitam

Leia mais

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde Epidemiologia Tipos de Estudos Epidemiológicos Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde TIPOS DE ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Observacionais Experimental x Observacional Relatos de Casos Série de casos Transversal

Leia mais

Aula 1 -Fundamentos e conceitos básicos (Notas de aula) Prof. Idemauro Antonio Rodrigues de Lara

Aula 1 -Fundamentos e conceitos básicos (Notas de aula) Prof. Idemauro Antonio Rodrigues de Lara Aula 1 -Fundamentos e conceitos básicos (Notas de aula) Prof. Idemauro Antonio Rodrigues de Lara Adquirir conhecimento dos fundamentos da Estatística, em seus campos Descritivo e Inferencial, como base

Leia mais

OBJETIVO METODOLOGIA AMOSTRAGEM

OBJETIVO METODOLOGIA AMOSTRAGEM Agosto/2011 OBJETIVO Recolher informação sobre crenças, atitudes e comportamentos relacionados com os genéricos, tanto por parte da população adulta brasileira, quanto por parte da comunidade médica.

Leia mais

Inferência Estatística

Inferência Estatística Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de Relatório FASHT Inferência Estatística Profa. Cesaltina Pires cpires@uevora.pt Plano da Apresentação Duas distribuições importantes Normal T- Student Estimação

Leia mais

Análise de sobrevivência aplicada a pacientes HIV positivos

Análise de sobrevivência aplicada a pacientes HIV positivos Análise de sobrevivência aplicada a pacientes HIV positivos Orientadora: Professora PhD Silva Shimakura Universidade Federal do Paraná Novembro de 2014 Sumário Resultados Conclusão Sumário Dados: Amostra

Leia mais

Estatística - aulasestdistrnormal.doc 13/10/05

Estatística - aulasestdistrnormal.doc 13/10/05 Distribuição Normal Introdução O pesquisador estuda variáveis. O estatístico diz que essas variáveis são aleatórias porque elas têm um componente que varia ao acaso. Por exemplo, a variabilidade dos pesos

Leia mais

METODOLOGIA EPIDEMIOLOGICA

METODOLOGIA EPIDEMIOLOGICA METODOLOGIA EPIDEMIOLOGICA CLASSIFICAÇÃO DOS ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS: ESTUDOS DESCRITIVOS Os estudos descritivos objetivam informar sobre a distribuição de um evento, na população, em termos quantitativos.

Leia mais

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Camila Belonci Internato em Cirurgia Cardíaca Prof. Mário Augusto Cray da Costa Medicina UEPG Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Leia mais

METODOLOGIA DA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA

METODOLOGIA DA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA METODOLOGIA DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA Profª. Dra. Paula Silva de Carvalho Chagas Faculdade de Fisioterapia UFJF Doutora em Ciências da Reabilitação

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica. MOQ-13 Probabilidade e Estatística

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica. MOQ-13 Probabilidade e Estatística Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica MOQ-13 Probabilidade e Estatística Profa. Denise Beatriz Ferrari www.mec.ita.br/ denise denise@ita.br 16/11/2011 Testes de

Leia mais

MB-210 Probabilidade e Estatística

MB-210 Probabilidade e Estatística Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica MB-210 Probabilidade e Estatística Profa. Denise Beatriz Ferrari www.mec.ita.br/ denise denise@ita.br 2o. semestre/2013 Testes

Leia mais

Introdução à pesquisa clínica. FACIMED Investigação científica II 5º período Professora Gracian Li Pereira

Introdução à pesquisa clínica. FACIMED Investigação científica II 5º período Professora Gracian Li Pereira Introdução à pesquisa clínica FACIMED 2012.1 Investigação científica II 5º período Professora Gracian Li Pereira Questão de pesquisa x relevância Questão PICO FINER Literatura existente Como fazer? Delineamento

Leia mais

aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle

aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle ACH-1043 Epidemiologia e Microbiologia aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle Helene Mariko Ueno papoula@usp.br Estudo epidemiológico observacional experimental dados agregados dados individuais

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO FETAL

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO FETAL QUESTIONÁRIO AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO FETAL Obrigado pela sua preciosa colaboração neste estudo. Este questionário pretende recolher dados sobre as atitudes dos clínicos gerais, internos e especialistas

Leia mais

ESTATÍSTICA. Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

ESTATÍSTICA. Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 1 ESTATÍSTICA Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Estatística descritiva : o objectivo é sintetizar e representar de uma forma

Leia mais

Lista de Exercício 1ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016)

Lista de Exercício 1ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016) Lista de Exercício 1ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016) Skoog Capítulo 5: Erros em análises químicas 5-1. Explique a diferença entre: a) erro constante e erro proporcional b) Erro aleatório

Leia mais

Solicitações de exames cardiológicos não invasivos: necessidades de saúde ou medicina defensiva?

Solicitações de exames cardiológicos não invasivos: necessidades de saúde ou medicina defensiva? 12º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém PA Solicitações de exames cardiológicos não invasivos: necessidades de saúde ou medicina defensiva? Dr. Roberto Morán Médico de Família

Leia mais

Estatística Descritiva (I)

Estatística Descritiva (I) Estatística Descritiva (I) O que é Estatística Para muitos, a Estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os estatísticos são as pessoas que coletam esses dados. A Estatística originou-se

Leia mais

TIPOS DE ESTUDOS PARTE 2 PROFA. DRA. MARIA MEIMEI BREVIDELLI

TIPOS DE ESTUDOS PARTE 2 PROFA. DRA. MARIA MEIMEI BREVIDELLI TIPOS DE ESTUDOS PARTE 2 PROFA. DRA. MARIA MEIMEI BREVIDELLI CLASSIFICAÇÃO DOS ESTUDOS (LOBIONDO- WOOD, HABER, 2001) Experimentais Experimento clássico Experimento apenas depois Quase- Experimentais Grupo

Leia mais

Patrício Costa. Escola de Ciências da Saúde Universidade do Minho

Patrício Costa. Escola de Ciências da Saúde Universidade do Minho Patrício Costa Escola de Ciências da Saúde Universidade do Minho Teoria Hipóteses Operacionalização de conceitos Selecção de inquiridos ou sujeitos Plano de investigação: observacional / Inquérito Condução

Leia mais

c) Encontre um intervalo de confiança 95% para a razão das variâncias variâncias das duas amostras podem ser iguais com este grau de confiança?

c) Encontre um intervalo de confiança 95% para a razão das variâncias variâncias das duas amostras podem ser iguais com este grau de confiança? MQI 003 Estatística para Metrologia semestre 008.0 Lista 4 Profa. Mônica Barros PROBLEMA Toma-se duas amostras de engenheiros formados há 5 anos por duas Universidades e faz-se uma pesquisa salarial, cujos

Leia mais

Medidas de Dispersão 1

Medidas de Dispersão 1 Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Medidas de Dispersão 1 Introdução Uma breve reflexão sobre as medidas de tendência central permite-nos concluir que elas não

Leia mais

Estatística Básica. Introdução à Análise Exploratória de Dados. Renato Dourado Maia. Instituto de Ciências Agrárias

Estatística Básica. Introdução à Análise Exploratória de Dados. Renato Dourado Maia. Instituto de Ciências Agrárias Estatística Básica Introdução à Análise Exploratória de Dados Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Pergunta Inicial O que é Estatística? 2/26 Contexto

Leia mais

Incertezas nas medidas

Incertezas nas medidas Incertezas nas medidas O objectivo de qualquer medição é avaliar um produto ou o resultado, aceitando ou rejeitando esse produto ou esse teste (e. calibração, inspecção, investigação científica, comércio,

Leia mais

Projecto Ciência Viva. 25/7 a 29/7 de 2011 Estágio realizado na FCM-UNL por: Ana Mafalda Duarte Fábio Simões

Projecto Ciência Viva. 25/7 a 29/7 de 2011 Estágio realizado na FCM-UNL por: Ana Mafalda Duarte Fábio Simões Projecto Ciência Viva 25/7 a 29/7 de 2011 Estágio realizado na FCM-UNL por: Ana Mafalda Duarte Fábio Simões Introdução O Diabetes mellitus é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do

Leia mais

AULA 1 - CONCEITOS BÁSICOS E APRESENTAÇÃO DE DADOS PARTE 1

AULA 1 - CONCEITOS BÁSICOS E APRESENTAÇÃO DE DADOS PARTE 1 AULA 1 - CONCEITOS BÁSICOS E APRESENTAÇÃO DE DADOS PARTE 1 INFORMAÇÕES Professor: Roberto C. Leoni BLOG: http://aedbest.wordpress.com Apostilas com exercícios e gabaritos Software R http://cran.r-project.org/

Leia mais

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em 2007-2010 Guimarães A. Unidade de Saúde Familiar Physis, Vizela, Portugal Resumo Este estudo teve como

Leia mais

CENTRO PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE PROJETO DE PESQUISA: ESTATÍSTICA NA PRÁTICA

CENTRO PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE PROJETO DE PESQUISA: ESTATÍSTICA NA PRÁTICA CENTRO PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE PROJETO DE PESQUISA: ESTATÍSTICA NA PRÁTICA Orientadora: Profª. Drª. Rosângela M. C. Bonici Disciplina: Estatística Aplicada SÃO PAULO PROJETO DE

Leia mais

Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Federal de Goiás. Bioestatística. Prof. Thiago Rangel - Dep. Ecologia ICB

Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Federal de Goiás. Bioestatística. Prof. Thiago Rangel - Dep. Ecologia ICB Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Federal de Goiás Bioestatística Prof. Thiago Rangel - Dep. Ecologia ICB rangel.ufg@gmail.com Página do curso: http://www.ecologia.ufrgs.br/~adrimelo/bioestat

Leia mais

A análise da evidência para esta diretriz se baseia em dois processos. detalhados de revisão anteriores. O primeiro foi a conferência de consenso dos

A análise da evidência para esta diretriz se baseia em dois processos. detalhados de revisão anteriores. O primeiro foi a conferência de consenso dos Material Suplementar On-line MÉTODOS E PROCESSO A análise da evidência para esta diretriz se baseia em dois processos detalhados de revisão anteriores. O primeiro foi a conferência de consenso dos National

Leia mais

Estatística Indutiva

Estatística Indutiva Estatística Indutiva MÓDULO 7: INTERVALOS DE CONFIANÇA 7.1 Conceitos básicos 7.1.1 Parâmetro e estatística Parâmetro é a descrição numérica de uma característica da população. Estatística é a descrição

Leia mais

Plano de ensino. 2) Objetivos Promover a leitura e interpretação de artigos científicos com rigor acadêmico.

Plano de ensino. 2) Objetivos Promover a leitura e interpretação de artigos científicos com rigor acadêmico. Plano de ensino 1) Identificação Curso Nutrição Disciplina Leitura e Interpretação de Artigos Científicos na Área da Saúde Carga horária 34h Semestre letivo 01/2012 Professor Franceliane Jobim Benedetti

Leia mais

Conceitos básicos, probabilidade, distribuição normal e uso de tabelas padronizadas

Conceitos básicos, probabilidade, distribuição normal e uso de tabelas padronizadas Conceitos básicos, probabilidade, distribuição normal e uso de tabelas padronizadas Prof. Marcos Vinicius Pó Métodos Quantitativos para Ciências Sociais Alguns conceitos População: é o conjunto de todos

Leia mais

Comprovação Estatística de Medidas Elétricas

Comprovação Estatística de Medidas Elétricas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Métodos e Técnicas de Laboratório em Eletrônica Comprovação Estatística de Medidas Elétricas Florianópolis,

Leia mais

Princípios de Bioestatística

Princípios de Bioestatística Princípios de Bioestatística Cálculo do Tamanho de Amostra Enrico A. Colosimo/UFMG http://www.est.ufmg.br/ enricoc/ Depto. Estatística - ICEx - UFMG 1 / 32 2 / 32 Cálculo do Tamanho de Amostra Parte fundamental

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem) Amostragem: Em pesquisas científicas, quando se deseja conhecer características de uma população, é comum se observar apenas uma amostra de seus elementos e, a partir dos resultados dessa amostra, obter

Leia mais

NOÇÕES RÁPIDAS DE ESTATÍSTICA E TRATAMENTO DE DADOS

NOÇÕES RÁPIDAS DE ESTATÍSTICA E TRATAMENTO DE DADOS NOÇÕES RÁPIDAS DE ESTATÍSTICA E TRATAMENTO DE DADOS Prof. Érica Polycarpo Bibliografia: Data reduction and error analysis for the physica sciences (Philip R. Bevington and D. Keith Robinson) A practical

Leia mais

P R O G R A M A TERCEIRA FASE. DISCIPLINA: Estatística Aplicada à Pesquisa Educacional Código: 3EAPE Carga Horária: 54h/a (crédito 03)

P R O G R A M A TERCEIRA FASE. DISCIPLINA: Estatística Aplicada à Pesquisa Educacional Código: 3EAPE Carga Horária: 54h/a (crédito 03) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE - CEFID DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - DEF CURSO: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA CURRÍCULO: 2008/2 P R O G

Leia mais

Avaliação de Sistemas de Medição

Avaliação de Sistemas de Medição Monitoramento de um processo: medição de uma característica da qualidade X por meio de um sistema de medição. Sistema de medição ideal: produz somente resultados corretos, ou seja, que coincidem com o

Leia mais

Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte II

Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte II Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte II 2012/02 1 Diagrama de Ramo e Folhas 2 3 4 5 Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Construir e interpretar disposições gráficas dos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Psicologia Clínica 3. Ciclo

Leia mais

A Influência da Amostragem na Representatividade dos Dados

A Influência da Amostragem na Representatividade dos Dados A Influência da Amostragem na Representatividade dos Dados por Manuel Rui F. Azevedo Alves ESTG- Instituto Politécnico de Viana do Castelo REQUIMTE Rede de Química e Tecnologia Sumário Tópico 1: Definições

Leia mais

Módulo 3: Estatística Básica Usando o SPSS

Módulo 3: Estatística Básica Usando o SPSS Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Projetos Especiais Módulo 3: Estatística Básica Usando o SPSS Professora: Mônica R. Campos (DCS/ENSP - FIOCRUZ)

Leia mais

Teste de hipóteses. Estatística Aplicada Larson Farber

Teste de hipóteses. Estatística Aplicada Larson Farber 7 Teste de hipóteses Estatística Aplicada Larson Farber Seção 7.1 Introdução ao teste de hipóteses Uma hipótese estatística é uma alegação sobre uma população. A hipótese nula H 0 contém uma alternativa

Leia mais

7. Testes de Hipóteses

7. Testes de Hipóteses 7. Testes de Hipóteses Suponha que você é o encarregado de regular o engarrafamento automatizado de leite numa determinada agroindústria. Sabe-se que as máquinas foram reguladas para engarrafar em média,

Leia mais

CÁLCULO DA INCERTEZA

CÁLCULO DA INCERTEZA CÁLCULO DA INCERTEZA O resultado de uma medição é somente um valor aproximado ou uma estimativa do Mensurando. ele é completo somente quando acompanhado do valor declarado de sua incerteza. A incerteza

Leia mais

Metodologia científica e Medicina Baseada em Evidências Prof. Fernando Monteiro Aarestrup, MD,PhD

Metodologia científica e Medicina Baseada em Evidências Prof. Fernando Monteiro Aarestrup, MD,PhD Metodologia científica e Medicina Baseada em Evidências Prof. Fernando Monteiro Aarestrup, MD,PhD Método científico Se podes medir algo é um fato, se não, é uma opinião Benjamim Cardoso USA Supreme Justice

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

Agrupamento pode ser aplicado para recipientes com diferentes tamanhos ou mesmo recipiente, mas com enchimento diferente.

Agrupamento pode ser aplicado para recipientes com diferentes tamanhos ou mesmo recipiente, mas com enchimento diferente. ANEXO I PLANO DE ESTUDO DE ESTABILIDADE REDUZIDO DE MEDICAMENTOS 1. INTRODUÇÃO Agrupamento e Matrização são modelos reduzidos de plano de estudo de estabilidade baseados em princípios diferentes. Entretanto,

Leia mais

Análise: Uma análise é um processo que fornece informações químicas ou físicas sobre os constituintes de uma amostra ou sobre a própria amostra.

Análise: Uma análise é um processo que fornece informações químicas ou físicas sobre os constituintes de uma amostra ou sobre a própria amostra. II.2 INTRODUÇÃO À QUÍMICA ANALÍTICA II.2.1 Análise, determinação e medida Análise: Uma análise é um processo que fornece informações químicas ou físicas sobre os constituintes de uma amostra ou sobre a

Leia mais

6 Conclusões e Sugestões

6 Conclusões e Sugestões 6 Conclusões e Sugestões 6.1. Conclusões Este trabalho permitiu a modelagem e a avaliação do processo de corte em rocha bidimensional, através de um modelo numérico baseado no método dos elementos discretos.

Leia mais

Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística PPGEMQ / PPGEP - UFSM

Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística PPGEMQ / PPGEP - UFSM Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística PPGEMQ / PPGEP - UFSM 1 Na prática da pesquisa em geral, o tamanho da amostra parece sintetizar todas as questões relacionadas ao processo

Leia mais

PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4-

PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4- PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4- Prof. Alexandre Paiva da Silva Pombal PB SUMÁRIO Pesquisa Conceitos Características Objetivos Finalidades Requisitos Qualidades do pesquisador Tipos de pesquisa científica

Leia mais

Exemplo Regressão Binomial Dados Emparelhados

Exemplo Regressão Binomial Dados Emparelhados Exemplo Regressão Binomial Dados Emparelhados Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2013 G. A. Paula (IME-USP) Desenvolvimento de Diabetes 2 o Semestre

Leia mais

Noções de Amostragem

Noções de Amostragem Noções de Amostragem AMOSTRAGEM Amostragem: é a área da estatística que estuda técnicas e procedimentos para retirar e analisar uma amostra com o objetivo de fazer inferência a respeito da população de

Leia mais

Anexo 1. Determinação do Índice de Massa Corporal* Estatuto de peso corporal <18.5 Falta de peso Normal

Anexo 1. Determinação do Índice de Massa Corporal* Estatuto de peso corporal <18.5 Falta de peso Normal Anexo 1 Determinação do Índice de Massa Corporal* O índice de massa corporal (BMI) é um instrumento utilizado para determinar o estatuto de peso corporal nos seres humanos. Os seus valores variam em função

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA, ESCRITA E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INVESTIGAÇÃO 4 e 11 Junho - 9h às 16h

ANÁLISE CRÍTICA, ESCRITA E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INVESTIGAÇÃO 4 e 11 Junho - 9h às 16h CONSTRUÇÃO ONLINE DE QUESTIONÁRIOS 21 e 28 Maio - 9h às 16h ANÁLISE CRÍTICA, ESCRITA E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INVESTIGAÇÃO 4 e 11 Junho - 9h às 16h A ESCRITA DA ESCRITA CIENTÍFICA 18 e 25 Junho -

Leia mais

QUESTIONÁRIO: ADAPTAÇÃO, CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO 9 Julho - 9h às 13h e 14h às 18h

QUESTIONÁRIO: ADAPTAÇÃO, CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO 9 Julho - 9h às 13h e 14h às 18h INICIAÇÃO AO SPSS 9, 16 e 23 Abril - 9h às 12h e 13h às 16h INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS QUALITATIVOS 30 Abril - 9h às 13h e 14h às 18h ANÁLISE DE DADOS MULTIVARIADA 7 e 14 Maio - 9h às 13h e 14h às 18h CONSTRUÇÃO

Leia mais

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b à hipertensão arterial Construindo Estratégias e Avaliando a Implementação de Diretrizes Clínicas no SUS Edital 37/2004 CNPq ENSP/FIOCRUZ

Leia mais

www.bvs.br www.bireme.br Como e onde buscar informação e evidências para tomada de decisões em saúde Biblioteca Virtual em Saúde - BVS

www.bvs.br www.bireme.br Como e onde buscar informação e evidências para tomada de decisões em saúde Biblioteca Virtual em Saúde - BVS www.bvs.br www.bireme.br Como e onde buscar informação e evidências para tomada de decisões em saúde Biblioteca Virtual em Saúde - BVS Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS Maio 2009 Contexto Evidências Experiência

Leia mais

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Relembrando!!! Não é uma CIÊNCIA EXATA!!! É UMA CIÊNCIA PROBABILÍSTICA!!!!!!! Serve

Leia mais

Porto Alegre/RS

Porto Alegre/RS UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Carlos Isaia Filho LTDA. A Pesquisa Clinica e suas Fases Carlos Isaia Filho Unidade de Pesquisa Clínica CMR Da Molécula ao Mercado. Aproximadamente

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES Dra Fabrícia de Oliveira Assis Cantadori Cardiologista do HUJM Cuiabá, maio de 2015 UFMT PREVENÇÃO É procurar e utilizar métodos para prevenir doenças e/ou suas complicações,

Leia mais

www.isaia.com.br Porto Alegre/RS

www.isaia.com.br Porto Alegre/RS I Curso de Introdução em Pesquisa Clínica Delineamento de Estudos Clínicos e Randomização Biom. Carlo Isaia Neto carlo@isaia.com.br O delineamento de um ensaio clínico apoia-se em cinco colunas mestras:

Leia mais

Inteligência de negócios do laboratório DESCUBRA INFORMAÇÕES ÚTEIS DE DADOS OPERACIONAIS DO LABORATÓRIO

Inteligência de negócios do laboratório DESCUBRA INFORMAÇÕES ÚTEIS DE DADOS OPERACIONAIS DO LABORATÓRIO Inteligência de negócios do laboratório DESCUBRA INFORMAÇÕES ÚTEIS DE DADOS OPERACIONAIS DO LABORATÓRIO INTELIGÊNCIA DE NEGÓCIOS DO LABORATÓRIO AS DECISÕES SOBRE O LABORATÓRIO COMEÇAM COM A INTELIGÊNCIA

Leia mais

Para ajudar a interpretar os resultados, o Cartão de Relatórios do Assistente do teste de % de defeituosos para 1 amostra exibe os seguintes

Para ajudar a interpretar os resultados, o Cartão de Relatórios do Assistente do teste de % de defeituosos para 1 amostra exibe os seguintes Este documento é de uma série de papéis que explicam a pesquisa conduzida por estatísticos da Minitab para desenvolver os métodos e as verificações de dados usadas no assistente no software estatístico

Leia mais

AMOSTRAGEM 1. O QUE É AMOSTRAGEM?

AMOSTRAGEM 1. O QUE É AMOSTRAGEM? 1. O QUE É AMOSTRAGEM? AMOSTRAGEM CAROLINA PROCÓPIO PIO DE MOURA GUSTAVO ADOLFO MAIA P. L. LIMA JOSEVALDO DO AMARAL DE SOUSA Prof. Rodrigo Leone É uma técnica t e/ou conjunto de procedimentos necessários

Leia mais

Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia

Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia O Uso da Lógica Fuzzy na Avaliação dos Impactos de Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia Autores: Vilma Guimarães Antonio Morim - Fabio Krykhtine Guilherme Weber Eduardo Sá Fortes A FERRAMENTA

Leia mais

João Ferreira, Carla Lança, Manuel Oliveira e Wilson Quintino. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

João Ferreira, Carla Lança, Manuel Oliveira e Wilson Quintino. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa João Ferreira, Carla Lança, Manuel Oliveira e Wilson Quintino Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa http://www.redorbit.com/news/health/1987876/recommendations_changed_for_vision_screening_of_children/

Leia mais

Variáveis Aleatórias. Prof. Tarciana Liberal Departamento de Estatística - UFPB

Variáveis Aleatórias. Prof. Tarciana Liberal Departamento de Estatística - UFPB Variáveis Aleatórias Prof. Tarciana Liberal Departamento de Estatística - UFPB Introdução Ao descrever o espaço amostral de um experimento aleatório, não especificamos que um resultado individual seja

Leia mais

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE l

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE l AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE l! Os parâmetros para decisão do auditor.! Tipos de planos de amostragem estatística em auditoria. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 12 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 12-31/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software (Caps. 2, 3 e 4 do Pressman) Estratégias e técnicas de teste

Leia mais

Cap. 5. Definindo a pergunta e desenvolvendo critérios para a inclusão de estudos. Fiorella Rehbein Santos

Cap. 5. Definindo a pergunta e desenvolvendo critérios para a inclusão de estudos. Fiorella Rehbein Santos Cap. 5 Definindo a pergunta e desenvolvendo critérios para a inclusão de estudos Fiorella Rehbein Santos Pontos-chave o Uma revisão clara e bem definida começa com uma pergunta bem formulada Nas revisões

Leia mais

CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA

CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS GCN 7901 ANÁLISE ESTATÍSTICA EM GEOCIÊNCIAS PROFESSOR: Dr. ALBERTO FRANKE CONTATO: alberto.franke@ufsc.br F: 3721 8595 CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA As pesquisas de opinião

Leia mais

Incerteza em Medições. Introdução. ECV-5240 Instrumentação de Ensaios

Incerteza em Medições. Introdução. ECV-5240 Instrumentação de Ensaios Incerteza em Medições Fonte: BIPM International Bureau of Weights and Measures OIML International Organization of Legal Metrology ISO International Organization for Standardization IEC International Electrotechnical

Leia mais

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARAN PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Estatística II Aula 8 Profa. Renata G. Aguiar Considerações Coleta de dados no dia 18.05.2010. Aula extra

Leia mais

Como elaborar um relatório

Como elaborar um relatório Francisco Carrapiço, 2001 Biologia Celular Como elaborar um relatório 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência

Leia mais

Estatística e Probabilidade

Estatística e Probabilidade Teste de hipóteses Objetivo: Testar uma alegação sobre um parâmetro: Média, proporção, variação e desvio padrão Exemplos: - Um hospital alega que o tempo de resposta de sua ambulância é inferior a dez

Leia mais

A PESQUISA. Prof. M.Sc Janine Gomes da Silva, Arq.

A PESQUISA. Prof. M.Sc Janine Gomes da Silva, Arq. A PESQUISA Prof. M.Sc Janine Gomes da Silva, Arq. A pesquisa Etapas da pesquisa científica Tipos de trabalhos científicos O projeto de pesquisa A PESQUISA Conceitos e definições Prof. M.Sc Janine Gomes

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO

ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO Luiz Fernando Stringhini 1 Na tentativa de mostrar as possibilidades de uso das ferramentas da estatística dentro da contabilidade,

Leia mais

FICHA DE TRABALHO N. O 9

FICHA DE TRABALHO N. O 9 FICHA DE TRABALHO N. O 9 ASSUNTO: Modelos de probabilidade: probabilidade condicional 1. Sejam A e B dois acontecimentos tais que: P (A) = 0,3 e P (B ) = 0,7 Determine P (A B ), sabendo que: 1.1 Os acontecimentos

Leia mais