Estatística Vital Aula 1-07/03/2012. Hemílio Fernandes Campos Coêlho Departamento de Estatística UFPB

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estatística Vital Aula 1-07/03/2012. Hemílio Fernandes Campos Coêlho Departamento de Estatística UFPB"

Transcrição

1 Estatística Vital Aula 1-07/03/2012 Hemílio Fernandes Campos Coêlho Departamento de Estatística UFPB

2 Programa proposto Noções de estatística descritiva Noções de probabilidade Noções de Intervalo de confiança e testes de hipóteses. Assuntos para discutir o interesse: Amostragem Planejamento de experimento Tipos de estudos clínicos

3 Estatística: o que é? Estatística pode ser pensada como a ciência de aprendizagem a partir de dados. No nosso cotidiano, precisamos tomar decisões, muitas vezes decisões rápidas. Em linhas gerais, a Estatística fornece métodos que auxiliam o processo de tomada de decisão a partir de dados.

4 Que dados são esses?

5 Esses DADOS são informações de qualquer natureza, podendo ser uma medida (renda) ou uma observação qualitativa (sexo).

6 O porque da probabilidade e da estatística? Variabilidade que gera incertezas, por ex. um mesmo remédio pode ter resposta diferente mesmo ministrado sob as mesmas condições.

7 O significado dos dados

8 Tema de uma Pesquisa Objetivos Que Observar Perguntas Como Quando Onde Registrar- dados Medir

9 DADOS e VARIÁVEIS As variáveis são características que podem ser medidas ou observadas em cada unidade estatística de estudo: sexo, idade, estado civil,de uma pessoa. custo de um dia de internação num hospital,... população de uma cidade,... Ocorrência de uma doença num paciente, Quantidade de pessoas infectadas pelo HIV,...

10 Cada valor medido ou observado da variável é um dado. Se perguntarmos a idade: Maria tem 18 anos João tem 12 anos

11 Variável: IDADE Dados: 18 e 12. Podemos registrar a idade num intervalo, por exemplo entre 10 e 20 anos Se perguntarmos o lugar de nascimento: Maria responde São Paulo João responde Porto Alegre Variável: lugar de nascimento Dados: São Paulo, Porto Alegre

12 Classificação das Variáveis Quantitativas Qualitativas

13 Variáveis Quantitativas São aquelas cujos valores podem ser em números resultantes de medições, enumerações ou contagens. Exemplos : Renda familiar Peso, altura, idade Número de pacientes internados num hospital Tempo de vida útil de um carro Distância entre duas cidades

14 Podemos somar, ordenar ou contar, esses valores, definindo assim novas variáveis. Exemplos : renda familiar, é a soma das rendas individuais de cada membro da família; número de habitantes do estado de Pernambuco, é a soma dos habitantes de cada município do estado.

15 Variáveis Quantitativas Contínuas Discretas

16 Variáveis Quantitativas Contínuas São aquelas que podem assumir qualquer valor num certo intervalo de medida, associado aos números reais. Exemplos : Tempo, temperatura, comprimento, peso, espessura, área, volume, velocidade.

17 Variáveis Quantitativas Discretas Seus valores são números inteiros resultantes do processo de contagem. Exemplos : Número de alunos Número de filhos de uma família Quantidade de vezes que foi internado devido AVC

18 Variáveis Qualitativas Existem características que não podem ser medidas ou contadas, como por exemplo, sexo, raça de uma pessoa, gosto musical, cidade de procedência, cor, etc. Assim os indivíduos podem ser qualificados em categorias, por exemplo, uma pessoa é classificada como do sexo feminino ou do sexo masculino. Um hospital pode ser classificado como público ou privado

19 Variáveis Qualitativas Nominais Ordinais

20 Variáveis Qualitativas Nominais As categorias não tem uma ordem de magnitude. Aqui se incluem por exemplo, sexo, área de estudo, cor, raça, nacionalidade e religião.

21 Variáveis Qualitativas Ordinais As categorias dependem de alguma ordem de classificação. Exemplos saúde (ruim, regular, boa, muito boa, excelente) Ex. variável discreta(anos de escolaridade) que foi categorizada: grau de escolaridade (ensino fundamental, ensino médio, ensino superior) Ex. variável contínua que foi categorizada: renda (baixa, média, alta)

22 Classificação das Variáveis Quantitativas Contínua Discreta Qualitativas Nominal Ordinal

23 ATENÇÃO!!! As técnicas estatísticas a serem usadas para analisar um conjunto de dados dependem do tipo de variável que se quer estudar.

24 TIPOS DE ESTUDO (uma primeira classificação) EXPERIMENTAIS OBSERVACIONAIS

25 Observacionais Registros de rotinas (ex.: dados hospitalares, dados de firmas, pesquisa de campo); Fontes externas literatura e/ou instituições. (IPEA, DATAPREV, DATASUS, IBGE,etc.) Pesquisa domiciliar.

26 Experimentais Baseados em Experimentos (ex.: ação de novos fármacos em animais, teste de controle de qualidade, ação de novo medicamento no tratamento de uma doença) Deve ocorrer uma AÇÃO do pesquisador.

27 TIPOS DE ESTUDO (uma segunda classificação) Descritivos Descrição de fato médico (um ou vários casos) Comparativos Coorte- Baseado no critério de exposição Caso-controle- pode ser pareado ou não pareado Ensaio Clínico -Dois ou mais grupos (sendo um controle)

28 Estudos Caso-Controle Fator de Risco Presente PASSADO Fator de Risco Ausente PRESENTE DOENÇA Amostra de casos Fator de Risco Presente Fator de Risco Ausente SEM DOENÇA Amostra de controles

29 ESTUDO DE COORTE PROSPECTIVO PRESENTE FUTURO Fator de risco presente Doença Presente Doença Ausente Amostra Fator de risco ausente Doença Presente Doença Ausente

30 ESTUDO DE COORTE RETROSPECTIVO PASSADO PRESENTE Fator de risco presente Doença Presente Doença Ausente Amostra Fator de risco ausente Doença Presente Doença Ausente

31 Ensaios Clínicos Aleatorizados PRESENTE FUTURO AMOSTRA Randomizar Novo Tratamento Melhora sem melhora POPULAÇÃO Velho Tratamento Melhora sem melhora

32 VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS DESENHOS DE ESTUDO Desenho do estudo Vantagens Desvantagens Relato de Caso Relato de Séries de casos Transversal Ecológico Estudo de casocontrole Baixo custo e facilidade para gerar hipóteses Oferece dados descritivos sobre as características da doença Pode avaliar prevalência; fácil; pode gerar hipóteses Respostas rápidas. Pode gerar hipóteses Pode estudar exposições múltiplas e doenças incomuns; requer casuística pequena; logística é fácil; menos caro. Não pode ser usado para testar hipóteses Sem grupo controle. Não pode ser usado para testar hipóteses. Não pode avaliar o tempo de exposição. Difícil controlar variáveis de confusão. Seleção de controle é difícil; possibilidade de viés de exposição; incidência não pode ser mensurada

33 VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS DESENHOS DE ESTUDO Desenho do estudo Coorte Ensaios clínicos aleatorizados Vantagens Pode estudar resultados múltiplos e exposições incomuns; seleção com possibilidade de viés; dados de exposição com menor possibilidade de vício; incidência pode ser avaliada Desenhos muito convincentes; controles para variáveis de confusão conhecidas e não conhecidas Desvantagens Resultado com possibilidade de viés; longa duração; caro; não pode ser realizado para doenças raras; pode estudar poucas exposições; perda de pacientes pode comprometer resultados Cara; dificuldades logísticas e éticas.

Prof. Anderson Rodrigo da Silva.

Prof. Anderson Rodrigo da Silva. Prof. Anderson Rodrigo da Silva anderson.silva@ifgoiano.edu.br Sobre Estatística Conjunto de conceitos e métodos. Ciência que recolhe fatos e fenômenos, analisa-os e interpreta-os quanto ao número de frequência,

Leia mais

Principais Conceitos em Estatística

Principais Conceitos em Estatística 1 Principais Conceitos em Estatística Ernesto F. L. Amaral 08 de outubro de 2009 www.ernestoamaral.com/met20092.html Fonte: Triola, Mario F. Introdução à estatística. 10 ª ed., Rio de Janeiro: LTC, 2008.

Leia mais

Introdução à Bioestatística. Profº Lucas Neiva-Silva Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre 2008

Introdução à Bioestatística. Profº Lucas Neiva-Silva Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre 2008 Introdução à Bioestatística Profº Lucas Neiva-Silva lucasneiva@yahoo.com.br Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre 2008 Estatística Do grego statistós, de statízo, que significa estabelecer,

Leia mais

Desenhos de estudos científicos. Heitor Carvalho Gomes

Desenhos de estudos científicos. Heitor Carvalho Gomes Desenhos de estudos científicos Heitor Carvalho Gomes 2016 01 01 01 Desenhos de estudos científicos Introdução Epidemiologia clínica (Epidemiologia + Medicina Clínica)- trata da metodologia das

Leia mais

INE 6006 MÉTODOS ESTATÍSTICOS

INE 6006 MÉTODOS ESTATÍSTICOS INE 6006 MÉTODOS ESTATÍSTICOS Professor Marcelo Menezes Reis http://www.inf.ufsc.br/~marcelo/ Disciplinas em 2016.1 (Métodos Estatísticos) marcelo.menezes.reis@ufsc.br menreis1968@gmail.com Sala INE 510-37217556

Leia mais

Departamento de Estatística

Departamento de Estatística Laboratório de Ciências - Aula 3 Departamento de Estatística 7 de Janeiro de 2014 Introdução Suponha que dispomos de um conjunto de dados, por exemplo, número de gols (ou número de impedimentos, chutes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I Departamento de Estatística Tarciana Liberal CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas

Leia mais

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ESTUDOS DE COORTE 1) Com o objetivo de investigar

Leia mais

Estatística Descritiva (I)

Estatística Descritiva (I) Estatística Descritiva (I) 1 O que é Estatística Origem relacionada com a coleta e construção de tabelas de dados para o governo. A situação evoluiu: a coleta de dados representa somente um dos aspectos

Leia mais

aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle

aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle ACH-1043 Epidemiologia e Microbiologia aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle Helene Mariko Ueno papoula@usp.br Estudo epidemiológico observacional experimental dados agregados dados individuais

Leia mais

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Roteiro da Apresentação 1. Estrutura da Pesquisa Científica 2. Classificação dos estudos epidemiológicos 3.

Leia mais

Estatística Descritiva (I)

Estatística Descritiva (I) Estatística Descritiva (I) O que é Estatística Para muitos, a Estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os estatísticos são as pessoas que coletam esses dados. A Estatística originou-se

Leia mais

Principais Delineamentos de Pesquisa. Lisia von Diemen

Principais Delineamentos de Pesquisa. Lisia von Diemen Principais Delineamentos de Pesquisa Lisia von Diemen Tipos de Estudos Observacionais Descritivos Analíticos Instante Período de Tempo Experimentais Randomizado Não-Randomizado Observacionais Descritivos

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA EM HIDROLOGIA

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA EM HIDROLOGIA Introdução 1 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA EM HIDROLOGIA Fenômeno - MODELO MATEMÁTICO Q = L.H 3/2 F= γ.h.a Ênfase: forma da expressão relação entre : L e H Q γ, h e A F Aula 1 Introdução 2 HIDROLOGIA " É

Leia mais

Variáveis Aleatórias. Prof. Tarciana Liberal Departamento de Estatística - UFPB

Variáveis Aleatórias. Prof. Tarciana Liberal Departamento de Estatística - UFPB Variáveis Aleatórias Prof. Tarciana Liberal Departamento de Estatística - UFPB Introdução Ao descrever o espaço amostral de um experimento aleatório, não especificamos que um resultado individual seja

Leia mais

Medidas e Escalas: Fundamentos e Escalas Comparativas Prentice Hall

Medidas e Escalas: Fundamentos e Escalas Comparativas Prentice Hall Medidas e Escalas: Fundamentos e Escalas Comparativas 1-1 Sumário 1) Visão Geral; 2) Medidas e Escalas; 3) Principais ; i. Escala Nominal ii. Escala Ordinal iii. Escala Intervalar iv. Escala de Razão 1-2

Leia mais

CE Estatística I

CE Estatística I CE 002 - Estatística I Agronomia - Turma B Professor Walmes Marques Zeviani Laboratório de Estatística e Geoinformação Departamento de Estatística Universidade Federal do Paraná 1º semestre de 2012 Zeviani,

Leia mais

Aula 1 -Fundamentos e conceitos básicos (Notas de aula) Prof. Idemauro Antonio Rodrigues de Lara

Aula 1 -Fundamentos e conceitos básicos (Notas de aula) Prof. Idemauro Antonio Rodrigues de Lara Aula 1 -Fundamentos e conceitos básicos (Notas de aula) Prof. Idemauro Antonio Rodrigues de Lara Adquirir conhecimento dos fundamentos da Estatística, em seus campos Descritivo e Inferencial, como base

Leia mais

Aula 02. Variáveis. Organização e Apresentação dos Dados

Aula 02. Variáveis. Organização e Apresentação dos Dados Aula 02 Variáveis Organização e Apresentação dos Dados Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1 Variáveis e escalas de medição 1. Variável - É qualquer quantidade ou característica que pode possuir diferentes

Leia mais

CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA

CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS GCN 7901 ANÁLISE ESTATÍSTICA EM GEOCIÊNCIAS PROFESSOR: Dr. ALBERTO FRANKE CONTATO: alberto.franke@ufsc.br F: 3721 8595 CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA As pesquisas de opinião

Leia mais

Estrutura, Vantagens e Limitações dos. Principais Métodos

Estrutura, Vantagens e Limitações dos. Principais Métodos Estrutura, Vantagens e Limitações dos Principais Métodos 1) Ensaio clínico Randomizado 2) Estudo de coorte 3) Estudo de caso controle 4) Estudo transversal 5) Estudo ecológico 1) Ensaio clínico Randomizado

Leia mais

A Estatística é aplicada como auxílio nas tomadas de decisão diante de incertezas para justificar cientificamente as decisões

A Estatística é aplicada como auxílio nas tomadas de decisão diante de incertezas para justificar cientificamente as decisões A IMPORTÂNCIA DA ESTATÍSTICA A Estatística é aplicada como auxílio nas tomadas de decisão diante de incertezas para justificar cientificamente as decisões Governo Indústria Ciências Econômicas, sociais,

Leia mais

AULA 1 - CONCEITOS BÁSICOS E APRESENTAÇÃO DE DADOS PARTE 1

AULA 1 - CONCEITOS BÁSICOS E APRESENTAÇÃO DE DADOS PARTE 1 AULA 1 - CONCEITOS BÁSICOS E APRESENTAÇÃO DE DADOS PARTE 1 INFORMAÇÕES Professor: Roberto C. Leoni BLOG: http://aedbest.wordpress.com Apostilas com exercícios e gabaritos Software R http://cran.r-project.org/

Leia mais

Análise descritiva de Dados. A todo instante do nosso dia-a-dia nos deparamos com dados.

Análise descritiva de Dados. A todo instante do nosso dia-a-dia nos deparamos com dados. Análise descritiva de Dados A todo instante do nosso dia-a-dia nos deparamos com dados. Por exemplo, para decidir pela compra de um eletrodoméstico, um aparelho eletrônico ou até mesmo na compra de uma

Leia mais

Estatística AMOSTRAGEM

Estatística AMOSTRAGEM Estatística AMOSTRAGEM Estatística: É a ciência que se preocupa com a coleta, a organização, descrição (apresentação), análise e interpretação de dados experimentais e tem como objetivo fundamental o estudo

Leia mais

METODOLOGIA DA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA

METODOLOGIA DA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA METODOLOGIA DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA Profª. Dra. Paula Silva de Carvalho Chagas Faculdade de Fisioterapia UFJF Doutora em Ciências da Reabilitação

Leia mais

DISCIPLINA: EPIDEMIOLOGIA E BIOESTATÍSTICA LICENCIATURA: ENFERMAGEM; FISIOTERAPIA

DISCIPLINA: EPIDEMIOLOGIA E BIOESTATÍSTICA LICENCIATURA: ENFERMAGEM; FISIOTERAPIA Aula nº 1 Data: 3 de Outubro de 2002 1. INTRODUÇÃO: POPULAÇÕES, AMOSTRAS, VARIÁVEIS E OBSERVAÇÕES Conceito de Bioestatística e importância da disciplina no âmbito da investigação biológica. Limitações

Leia mais

METODOLOGIA EPIDEMIOLOGICA

METODOLOGIA EPIDEMIOLOGICA METODOLOGIA EPIDEMIOLOGICA CLASSIFICAÇÃO DOS ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS: ESTUDOS DESCRITIVOS Os estudos descritivos objetivam informar sobre a distribuição de um evento, na população, em termos quantitativos.

Leia mais

Tratamento estatístico de observações

Tratamento estatístico de observações Tratamento estatístico de observações Prof. Dr. Carlos Aurélio Nadal OBSERVAÇÃO: é o valor obtido durante um processo de medição. DADO: é o resultado do tratamento de uma observação (por aplicação de uma

Leia mais

QUANTOS ADOECEM E MORREM?

QUANTOS ADOECEM E MORREM? QUANTOS ADOECEM E MORREM? Medidas de frequência de doenças Razão, proporções, índice. Indicadores epidemiológicos de morbidade: Conceitos e exemplos de incidência e prevalência. O Enfoque epidemiológico

Leia mais

Análise da Informação Económica e Empresarial

Análise da Informação Económica e Empresarial Análise da Informação Económica e Empresarial Aula 5: Tratamento de informação quantitativa Noções básicas: Unidade estatística, População, Variável; distribuição. Redução de dados: Tabela de frequências.

Leia mais

CUSTOS INDIRETOS NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM HOSPITAIS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO MARANHÃO

CUSTOS INDIRETOS NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM HOSPITAIS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO MARANHÃO CUSTOS INDIRETOS NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM HOSPITAIS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO MARANHÃO Patrícia Lima Queiroz, Florene Vale dos Anjos, Queldilene Pereira Protázio, Caroline Ferreira Farias,

Leia mais

Princípios de Bioestatística Desenho de Estudos Clínicos

Princípios de Bioestatística Desenho de Estudos Clínicos 1/47 Princípios de Bioestatística Desenho de Estudos Clínicos Enrico A. Colosimo/UFMG Depto. Estatística - ICEx - UFMG 2/47 Pesquisa Clínica Pergunta Tipo de Desenho Desenho Estudo Efeitos (coorte, idade,

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva C E N T R O D E M A T E M Á T I C A, C O M P U T A Ç Ã O E C O G N I Ç Ã O UFABC Estatística Descritiva Centro de Matemática, Computação e Cognição March 17, 2013 Slide 1/52 1 Definições Básicas Estatística

Leia mais

TIPOS DE ESTUDOS PARTE 2 PROFA. DRA. MARIA MEIMEI BREVIDELLI

TIPOS DE ESTUDOS PARTE 2 PROFA. DRA. MARIA MEIMEI BREVIDELLI TIPOS DE ESTUDOS PARTE 2 PROFA. DRA. MARIA MEIMEI BREVIDELLI CLASSIFICAÇÃO DOS ESTUDOS (LOBIONDO- WOOD, HABER, 2001) Experimentais Experimento clássico Experimento apenas depois Quase- Experimentais Grupo

Leia mais

Variáveis Aleatórias. Prof. Luiz Medeiros Departamento de Estatística - UFPB

Variáveis Aleatórias. Prof. Luiz Medeiros Departamento de Estatística - UFPB Variáveis Aleatórias Prof. Luiz Medeiros Departamento de Estatística - UFPB Introdução Ao descrever o espaço amostral de um experimento aleatório, não especificamos que um resultado individual seja um

Leia mais

Introdução à pesquisa clínica. FACIMED Investigação científica II 5º período Professora Gracian Li Pereira

Introdução à pesquisa clínica. FACIMED Investigação científica II 5º período Professora Gracian Li Pereira Introdução à pesquisa clínica FACIMED 2012.1 Investigação científica II 5º período Professora Gracian Li Pereira Questão de pesquisa x relevância Questão PICO FINER Literatura existente Como fazer? Delineamento

Leia mais

Estatística descritiva básica: Medidas de tendência central

Estatística descritiva básica: Medidas de tendência central Estatística descritiva básica: Medidas de tendência central ACH2021 Tratamento e Análise de Dados e Informações Marcelo de Souza Lauretto marcelolauretto@usp.br www.each.usp.br/lauretto *Parte do conteúdo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MEAU- MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MEAU- MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA DOCENTE: CIRA SOUZA PITOMBO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MEAU- MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA ENG J21 Ajustamentos de observações geodésicas A AULA 9 TESTES ESTATÍSTICOS DE

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DE VARIÁVEIS QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS DISCRETAS (TABELAS E GRÁFICOS)

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DE VARIÁVEIS QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS DISCRETAS (TABELAS E GRÁFICOS) DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DE VARIÁVEIS QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS DISCRETAS (TABELAS E GRÁFICOS) O QUE É ESTATÍSTICA Estatística é a ciência de obter conclusões a partir de dados. Envolve métodos para

Leia mais

Patrício Costa. Escola de Ciências da Saúde Universidade do Minho

Patrício Costa. Escola de Ciências da Saúde Universidade do Minho Patrício Costa Escola de Ciências da Saúde Universidade do Minho Teoria Hipóteses Operacionalização de conceitos Selecção de inquiridos ou sujeitos Plano de investigação: observacional / Inquérito Condução

Leia mais

PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL

PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Faculdade de Medicina Veterinária PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Prof.Adjunto Paulo César Ciarlini 1800: Sir William Herschel Ciarlini@fmva.unesp.br Bons jovens têm sonhos ou disciplina. Jovens brilhantes têm

Leia mais

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito.

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. A maior parte da informação que obtemos sobre os óbitos vem dos certificados de óbito (ver anexo da aula prática). Por acordo internacional, os óbitos são

Leia mais

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde Epidemiologia Tipos de Estudos Epidemiológicos Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde TIPOS DE ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Observacionais Experimental x Observacional Relatos de Casos Série de casos Transversal

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS E DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES 1 1. VARIÁVEIS ALEATÓRIAS Muitas situações cotidianas podem ser usadas como experimento que dão resultados correspondentes a algum valor, e tais situações

Leia mais

Principais desenhos de pesquisa em Epidemiologia

Principais desenhos de pesquisa em Epidemiologia Principais desenhos de pesquisa em Epidemiologia Os desenhos de pesquisa representam conjuntos formados por indivíduos, particularizados um a um (individuados) ou agregados por algum critério. Para a melhor

Leia mais

Estatística para Cursos de Engenharia e Informática. Cap. 2 O planejamento de uma pesquisa

Estatística para Cursos de Engenharia e Informática. Cap. 2 O planejamento de uma pesquisa Estatística para Cursos de Engenharia e Informática Pedro Alberto Barbetta / Marcelo Menezes Reis / Antonio Cezar Bornia São Paulo: Atlas, 2004 Cap. 2 O planejamento de uma pesquisa APOIO: Fundação de

Leia mais

Estatística

Estatística Estatística 1 2016.2 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos... 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO... 3 MEDIDAS DE DISPERSÃO... 5 EXERCÍCIOS CAPÍTULO 1... 8 Capítulo 2 Outliers e Padronização... 12 VALOR PADRONIZADO (Z)...

Leia mais

I Introdução. 2. Colecção de dados. Amostras 3. Variáveis estatísticas. Tratamento de Dados 2º Semestre

I Introdução. 2. Colecção de dados. Amostras 3. Variáveis estatísticas. Tratamento de Dados 2º Semestre I Introdução 2. Colecção de dados. Amostras 3. Variáveis estatísticas Objectivo Transformar Dados em Informação Definições Universo ou população Conjunto de elementos com uma característica comum susceptível

Leia mais

Cap. 11 Testes de comparação entre duas amostras

Cap. 11 Testes de comparação entre duas amostras Estatística Aplicada às Ciências Sociais Sexta Edição Pedro Alberto Barbetta Florianópolis: Editora da UFSC, 006 Cap. 11 Testes de comparação entre duas amostras Planejamento da pesquisa e análise estatística

Leia mais

Conceitos Básicos Teste t Teste F. Teste de Hipóteses. Joel M. Corrêa da Rosa

Conceitos Básicos Teste t Teste F. Teste de Hipóteses. Joel M. Corrêa da Rosa 2011 O 1. Formular duas hipóteses sobre um valor que é desconhecido na população. 2. Fixar um nível de significância 3. Escolher a Estatística do Teste 4. Calcular o p-valor 5. Tomar a decisão mediante

Leia mais

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Relembrando!!! Não é uma CIÊNCIA EXATA!!! É UMA CIÊNCIA PROBABILÍSTICA!!!!!!! Serve

Leia mais

Aula 2. ESTATÍSTICA E TEORIA DAS PROBABILIDADES Conceitos Básicos

Aula 2. ESTATÍSTICA E TEORIA DAS PROBABILIDADES Conceitos Básicos Aula 2 ESTATÍSTICA E TEORIA DAS PROBABILIDADES Conceitos Básicos 1. DEFINIÇÕES FENÔMENO Toda modificação que se processa nos corpos pela ação de agentes físicos ou químicos. 2. Tudo o que pode ser percebido

Leia mais

Grupo A - I semestre de 2014 Lista de exercícios 1 - Introdução à Estatística Descritiva C A S A (gabarito)

Grupo A - I semestre de 2014 Lista de exercícios 1 - Introdução à Estatística Descritiva C A S A (gabarito) Grupo A - I semestre de 014 Exercício 1. (0,9 pontos). Classifique cada uma das variáveis nas situações abaixo: (a) (0, pontos). Uma empresa de cartões rastreou todas as compras efetuadas com crédito ou

Leia mais

Pesquisa em. propaganda. Faccat Profª Me. Taís Vieira

Pesquisa em. propaganda. Faccat Profª Me. Taís Vieira Pesquisa em propaganda Faccat Profª Me. Taís Vieira Tipos de pesquisa - Na escolha da melhor metodologia para uma investigação, tudo depende do que se deseja conhecer: o que e quanto ou como e por quê?

Leia mais

Desenhos de Estudo do Método Epidemiológico de Pesquisa MEP

Desenhos de Estudo do Método Epidemiológico de Pesquisa MEP Desenhos de Estudo do Método Epidemiológico de Pesquisa MEP Descritivos MEP (não testam hipóteses) Experimentais Analíticos (testam hipóteses) Observacionais Transversais (seccionais) Coorte (exposição

Leia mais

06 de fevereiro de Estudos e SUS são os dois temas mais cobrados de preventiva. Estudos Servem para dar respostas aos questionamentos.

06 de fevereiro de Estudos e SUS são os dois temas mais cobrados de preventiva. Estudos Servem para dar respostas aos questionamentos. 06 de fevereiro de 2009. Estudos e SUS são os dois temas mais cobrados de preventiva. Estudos Servem para dar respostas aos questionamentos. A. Classificação B. Análise Classificação A maneira mais simples

Leia mais

Lista 5 de exercícios

Lista 5 de exercícios Lista 5 de exercícios 1. (ANDRADE; OGLIARI, 2010) Em um experimento, 320 em 400 sementes germinaram. Determine o intervalo de confiança de 99% para a verdadeira proporção de sementes que germinaram. Para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO 3 ENGENHARIA AMBIENTAL LISTA DE EXERCÍCIOS 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO 3 ENGENHARIA AMBIENTAL LISTA DE EXERCÍCIOS 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO 3 ENGENHARIA AMBIENTAL LISTA DE EXERCÍCIOS 4 Disciplina: Estatística I 1. Dado que z é uma variável aleatória normal padrão, calcule as

Leia mais

Estatística. Professora: Eliana Carvalho Estatística e Probabilidade 1

Estatística. Professora: Eliana Carvalho Estatística e Probabilidade 1 Estatística Fonte bibliográfica: FARIAS, Alberto Alves Introdução a Estatística MEYER, Paul L. Probabilidade: Aplicações à Estatística MONTGOMERY, Douglas C; Estatística aplicada e probabilidade para engenheiros.

Leia mais

Nov/2016. José Roberto Motta Garcia

Nov/2016. José Roberto Motta Garcia José Roberto Motta Garcia garcia.cptec@gmail.com Fases da análise de dados Tratamento de dados Resumo estatístico dos dados - comandos Resumo estatístico dos dados - resultados Agrupamento pela soma (via

Leia mais

Aula 1 Estatística descritiva 5

Aula 1 Estatística descritiva 5 Aula 1 Estatística descritiva Meta da aula Apresentar os conceitos básicos de Estatística e algumas medidas descritivas que podem ser utilizadas na análise de dados na área da saúde. Objetivos da aula

Leia mais

Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequência e gráficos. Pode ser de interesse apresentar esses dados através d

Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequência e gráficos. Pode ser de interesse apresentar esses dados através d UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO Departamento de Estatística Luiz Medeiros Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequência e gráficos.

Leia mais

Métodos Quantitativos em Medicina

Métodos Quantitativos em Medicina Métodos Quantitativos em Medicina Comparação de Duas Médias Terceira Aula 009 Teste de Hipóteses - Estatística do teste A estatística do teste de hipótese depende da distribuição da variável na população

Leia mais

O PAPEL DA ESTATÍSTICA NA PESQUISA CIENTÍFICA Irene Mauricio Cazorla

O PAPEL DA ESTATÍSTICA NA PESQUISA CIENTÍFICA Irene Mauricio Cazorla O PAPEL DA ESTATÍSTICA NA PESQUISA CIENTÍFICA Irene Mauricio Cazorla 1 O PAPEL DA ESTATÍSTICA NA PESQUISA CIENTÍFICA Irene Mauricio Cazorla 1.1 Relação entre o projeto de pesquisa e o papel da estatística

Leia mais

Daniel Queiroz VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS

Daniel Queiroz VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS Daniel Queiroz VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS INTRODUÇÃO O que é uma variável aleatória? Um tipo de variável que depende do resultado aleatório de um experimento aleatório. Diz-se que um experimento é

Leia mais

ESTATÍSTICA. Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

ESTATÍSTICA. Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 1 ESTATÍSTICA Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Estatística descritiva : o objectivo é sintetizar e representar de uma forma

Leia mais

Desenho de Estudos - II

Desenho de Estudos - II Desenho de Estudos - II Olga L. Henao, PhD, MPH GSS Nivel I Rio de Janeiro, Brasil 2005 Objetivos de Aprendizagem Temas Tipos de estudos observacionais Medidas de associação Seleção de controles Exercício

Leia mais

MEDIDAS E INCERTEZAS

MEDIDAS E INCERTEZAS MEDIDAS E INCERTEZAS O Que é Medição? É um processo empírico que objetiva a designação de números a propriedades de objetos ou a eventos do mundo real de forma a descrevêlos quantitativamente. Outra forma

Leia mais

1 Desenho da investigação. 1.1 Definição e objectivos 1.2 Elementos do desenho

1 Desenho da investigação. 1.1 Definição e objectivos 1.2 Elementos do desenho 1 Desenho da investigação 1.1 Definição e objectivos 1.2 Elementos do desenho Definição: Plano e estrutura do trabalho de investigação; Conjunto de directivas associadas ao tipo de estudo escolhido Objectivos:

Leia mais

Inferência Estatística. Estimação

Inferência Estatística. Estimação Inferência Estatística Estimação Inferência Estatística fazer inferências tirar conclusões fazer inferência estatística tirar conclusões sobre uma população com base em somente uma parte dela, a amostra,

Leia mais

Medidas Resumo. Medidas de Posição/ Medidas de Dispersão. A intenção desse trabalho é introduzir os conceitos de Medidas de posição e de dispersão.

Medidas Resumo. Medidas de Posição/ Medidas de Dispersão. A intenção desse trabalho é introduzir os conceitos de Medidas de posição e de dispersão. Medidas Resumo Medidas de Posição/ Medidas de Dispersão A intenção desse trabalho é introduzir os conceitos de Medidas de posição e de dispersão. Prof. MSc. Herivelto Marcondes Março/2009 1 Medidas Resumo

Leia mais

Métodos Quantitativos Aplicados

Métodos Quantitativos Aplicados Métodos Quantitativos Aplicados Aula 6 http://www.iseg.utl.pt/~vescaria/mqa/ Tópicos apresentação Análise de dados bivariada: os casos dos testes de proporções para duas amostras independentes e emparelhadas

Leia mais

Princípios de Bioestatística

Princípios de Bioestatística Princípios de Bioestatística Cálculo do Tamanho de Amostra Enrico A. Colosimo/UFMG http://www.est.ufmg.br/ enricoc/ Depto. Estatística - ICEx - UFMG 1 / 32 2 / 32 Cálculo do Tamanho de Amostra Parte fundamental

Leia mais

Tipos de Estudos Científicos e Níveis de Evidência

Tipos de Estudos Científicos e Níveis de Evidência Tipos de Estudos Científicos e Níveis de Evidência Francisco Batel Marques, PhD Professor, School of Pharmacy, University of Coimbra Director, CHAD Centro de Avaliação de Tecnologias em Saúde e Investigação

Leia mais

Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística PPGEMQ / PPGEP - UFSM

Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística PPGEMQ / PPGEP - UFSM Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística PPGEMQ / PPGEP - UFSM 1 Na prática da pesquisa em geral, o tamanho da amostra parece sintetizar todas as questões relacionadas ao processo

Leia mais

Prof. Dr. Engenharia Ambiental, UNESP

Prof. Dr. Engenharia Ambiental, UNESP INTRODUÇÃO A ESTATÍSTICA ESPACIAL Análise Exploratória dos Dados Estatística Descritiva Univariada Roberto Wagner Lourenço Roberto Wagner Lourenço Prof. Dr. Engenharia Ambiental, UNESP Estrutura da Apresentação

Leia mais

Conceitos básicos, probabilidade, distribuição normal e uso de tabelas padronizadas

Conceitos básicos, probabilidade, distribuição normal e uso de tabelas padronizadas Conceitos básicos, probabilidade, distribuição normal e uso de tabelas padronizadas Prof. Marcos Vinicius Pó Métodos Quantitativos para Ciências Sociais Alguns conceitos População: é o conjunto de todos

Leia mais

Comparando riscos e chances. Risco relativo e Razão de Chances

Comparando riscos e chances. Risco relativo e Razão de Chances Comparando riscos e chances Risco relativo e Razão de Chances Exemplo Inicial Estudo para verificar se a ingestão de extrato de guaraná tem efeito sobre a fadiga em pacientes tratados com quimioterapia

Leia mais

Medidas de Impacto. Risco atribuível aos expostos

Medidas de Impacto. Risco atribuível aos expostos Medidas de Impacto. São diferenças de medidas de frequência; alguns autores dizem que são também medidas de associação. Enquanto que o Risco Relativo (), uma medida de associação, nos indica quanto mais

Leia mais

Uma estatística é uma característica da amostra. Ou seja, se

Uma estatística é uma característica da amostra. Ou seja, se Estatística Uma estatística é uma característica da amostra. Ou seja, se X 1,..., X n é uma amostra, T = função(x 1,..., X n é uma estatística. Exemplos X n = 1 n n i=1 X i = X 1+...+X n : a média amostral

Leia mais

ESTATÍSTICA E. Prof Paulo Renato A. Firmino. Aulas

ESTATÍSTICA E. Prof Paulo Renato A. Firmino. Aulas ESTATÍSTICA E Prof Paulo Renato A. Firmino praf62@gmail.com Aulas 05-06 Descritiva Medidas de Posição Mediana: É o valor que se localiza no centro de uma amostra ordenada Se o número de observações (n)

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 7 11/2014 Variáveis Aleatórias Variáveis Aleatórias Probabilidade e Estatística 3/41 Variáveis Aleatórias Colete

Leia mais

Plano de Seminários TC I Prof. Marcos Procópio

Plano de Seminários TC I Prof. Marcos Procópio Plano de Seminários TC I 2015.2 Prof. Marcos Procópio Os 4 tipos de conhecimento. 1. Quais são? 2. Quais são seus respectivos papeis? 3. Dê exemplos. O que é e o que faz a ciência. 1. O que é ciência?

Leia mais

Amostragem Objetivos - Identificar as situações em que se deve optar pela amostragem e pelo censo. - Compreender e relacionar AMOSTRA e POPULAÇÃO.

Amostragem Objetivos - Identificar as situações em que se deve optar pela amostragem e pelo censo. - Compreender e relacionar AMOSTRA e POPULAÇÃO. Amostragem Objetivos - Identificar as situações em que se deve optar pela amostragem e pelo censo. - Compreender e relacionar AMOSTRA e POPULAÇÃO. - Que é Amostragem Aleatória Simples. - Métodos para a

Leia mais

Planejamento e Pesquisa 1. Dois Grupos

Planejamento e Pesquisa 1. Dois Grupos Planejamento e Pesquisa 1 Dois Grupos Conceitos básicos Comparando dois grupos Testes t para duas amostras independentes Testes t para amostras pareadas Suposições e Diagnóstico Comparação de mais que

Leia mais

Medidas de freqüência

Medidas de freqüência Medidas de freqüência IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Professores: Pauline Lorena Kale e Antonio José Leal Costa 2009 Ocorrência de doença Medidas

Leia mais

Definição de Probabilidade

Definição de Probabilidade INTRODUÇÃO A TEORIA DAS PROBABILIDADES A teoria das probabilidade nada mais é do que o bom senso transformado em cálculo A probabilidade é uma medida da incerteza dos fenômenos. Traduz-se por um número

Leia mais

Unidade III ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III ESTATÍSTICA Prof. Fernando Rodrigues Medidas de dispersão Estudamos na unidade anterior as medidas de tendência central, que fornecem importantes informações sobre uma sequência numérica. Entretanto,

Leia mais

08/05/2014. Importância da Estatística e o Desafio do Ensino nas Ciências Sociais. Porque é importante estudar Estatística?

08/05/2014. Importância da Estatística e o Desafio do Ensino nas Ciências Sociais. Porque é importante estudar Estatística? Unidade 1 : Introdução à Estatística Estatística: Importância da Estatística e o Desafio do Ensino nas Ciências Sociais João Garibaldi Almeida Viana Ciência (ou método) cujo objetivo principal é auxiliar

Leia mais

Análise de sobrevivência aplicada a pacientes HIV positivos

Análise de sobrevivência aplicada a pacientes HIV positivos Análise de sobrevivência aplicada a pacientes HIV positivos Orientadora: Professora PhD Silva Shimakura Universidade Federal do Paraná Novembro de 2014 Sumário Resultados Conclusão Sumário Dados: Amostra

Leia mais

Métodos Quantitativos Aplicados

Métodos Quantitativos Aplicados Métodos Quantitativos Aplicados Mestrados Economia e Gestão de Ciência, Tecnologia e Inovação, Economia e Políticas Públicas, Economia Internacional e Estudos Europeus Aula 1 Docente: Vítor Escária vescaria@iseg.ulisboa.pt

Leia mais

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 Brum. C. N. ; Zuge. S. S. ; Ribeiro, A. C. ; Tronco, C. S. ; Tolentino, L. C. ; Santos, É. É. P. ;Padoin, S. M. M.

Leia mais

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos Agora,

Leia mais

c) Encontre um intervalo de confiança 95% para a razão das variâncias variâncias das duas amostras podem ser iguais com este grau de confiança?

c) Encontre um intervalo de confiança 95% para a razão das variâncias variâncias das duas amostras podem ser iguais com este grau de confiança? MQI 003 Estatística para Metrologia semestre 008.0 Lista 4 Profa. Mônica Barros PROBLEMA Toma-se duas amostras de engenheiros formados há 5 anos por duas Universidades e faz-se uma pesquisa salarial, cujos

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 1. O que é Estatística? ENCE: O que modernamente se conhece como Ciências Estatísticas, ou simplesmente Estatística, é um conjunto de técnicas e métodos de pesquisa

Leia mais

Cálculo de Taxas e Ajuste por Idade

Cálculo de Taxas e Ajuste por Idade Cálculo de Taxas e Ajuste por Idade Introdução Este exercício enfoca o uso de taxas no estudo de características da doença em populações. Na primeira seção, as taxas de mortalidade ajustadas por idade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Estatística Tarciana Liberal Quando se estuda uma massa de dados é de freqüente interesse resumir as informações de variáveis. Costuma-se, freqüentemente,

Leia mais

PERFIL DOS AUTORES... XVII PREFÁCIO... XIX INTRODUÇÃO... XXI

PERFIL DOS AUTORES... XVII PREFÁCIO... XIX INTRODUÇÃO... XXI Sumário PERFIL DOS AUTORES... XVII PREFÁCIO... XIX INTRODUÇÃO... XXI CAPÍTULO 1 O processo de pesquisa e os enfoques quantitativo e qualitativo rumo a um modelo integral... 2 Que enfoques foram apresentados

Leia mais