Informações básicas sobre o L-Bank, o Estado de Baden-Württemberg e sobre a Alemanha. Bloomberg: LBANK <GOVT><GO> Tel.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Informações básicas sobre o L-Bank, o Estado de Baden-Württemberg e sobre a Alemanha. Bloomberg: LBANK <GOVT><GO> Tel."

Transcrição

1 Informações básicas sobre o L-Bank, o Estado de Baden-Württemberg e sobre a Alemanha 1

2 Avaliação da Alemanha pelas principais agências de rating Standard & Poor s (AAA, perspectiva estável)*: "A confirmação reflete a economia moderna, altamente diversificada e competitiva da Alemanha, bem como o seu histórico de implementação de políticas orçamentais prudentes e de sua disciplina nas despesas. Além disso, acreditamos que a economia alemã tem demonstrado sua capacidade para absorver grandes choques econômicos e financeiros." Moody s (Aaa, perspectiva estável)**: "Os pontos fortes que sustentam o rating Aaa da Alemanha incluem a economia avançada, diversificada e altamente competitiva do país, bem como o seu histórico de políticas macroeconômicas orientadas para a estabilidade. O crescimento contínuo baseado na alta produtividade, a moderação salarial e a forte demanda mundial de produtos alemães permitiram ao país manter uma ampla base econômica caracterizada por uma grande flexibilidade." Fonte: *Relatório de Ratings de 10 de julho de 2015; **Relatório de Ratings de 22 de outubro de Alemanha

3 Ambiente econômico estável PIB trimestral alemão em bilhões de PIB anual alemão em bilhões de Fonte: Departamento Federal de Estatística; Alemanha

4 Perspectiva econômica confiável Ifo (indicador do sentimento econômico na Alemanha) Fonte: Agência Federal do Trabalho (desempregados), Deutsche Bundesbank (ifo), fevereiro de 2016 Desempregados em milhões (escala da direita) * desde 2005 nova metodologia para os números do desemprego 4 Alemanha

5 Produção industrial e pedidos de fabricação Produção industrial Pedidos de fabricação Fonte: Deutsche Bundesbank; Mudança da produção em relação ao ano anterior 5 Alemanha

6 Taxa alemã estável de consumo e de poupança Vendas no varejo (escala da esquerda) Taxa de poupança (escala da direita) Fonte: Deutsche Bundesbank * Vendas no varejo a preços constantes de 2003, mudança em relação ao ano anterior 6 Alemanha

7 Mercado bancário alemão diversificado Parcelas do total de ativos e número de bancos na Alemanha Agências de desenvolvimento estaduais Caixas de poupança e bancos federais Bancos cooperativos Bancos comerciais Fonte: Parcelas do total de ativos em dezembro de Fonte: Deutsche Bundesbank e cálculos próprios 7 Alemanha

8 Ratings máximos para Baden-Württemberg Standard & Poor s (AAA, perspectiva estável)*: "Os ratings para Baden-Württemberg refletem nossa visão do quadro institucional extremamente previsível e favorável dentro do qual o Estado opera e para o qual ele contribui como um dos principais doadores para o sistema alemão de equalização de taxas. Os ratings também refletem nossa visão do desempenho orçamental forte do Estado e sua forte gestão financeira. [ ]. As perspectivas de estabilidade refletem nossa expectativa em como Baden-Württemberg irá exceder o seu atual planejamento financeiro e alcançar um aumento após contas de capital a partir de 2016, no mais tardar." Rating da Moody s (Aaa, perspectiva estável)**: "Os ratings Aaa de dívida e emissor do Estado de Baden-Württemberg refletem a sua prestação financeira sólida, a economia regional forte e diversificada e o seu quadro institucional forte. Os ratings também refletem o endividamento de Baden-Württemberg, que continua relativamente elevado segundo as normas internacionais, mas que esperamos reduzir a médio prazo." Fonte: *Relatório de Ratings de 21 de agosto de 2015; **Relatório de Ratings de 15 de dezembro de Baden-Württemberg

9 Foco de exportação em Baden-Württemberg Exportações PIB da Alemanha PIB de Baden-Württemberg Fonte: Departamento Estadual de Estatística. Evolução das exportações em relação ao ano anterior, usando dados de preços corrigidos. *4.º trimestre de Baden-Württemberg

10 EUA França China Suíça Holanda Reino Unido Áustria Itália Espanha Bélgica 10 principais destinos de exportação do Estado de Baden-Württemberg Bilhões de Fonte: Departamento Federal de Estatística de Baden-Württemberg (2015); exportações totais nos trimestres 1 a 4: 194,81 bilhões de 10 Baden-Württemberg

11 Crescimento do PIB e clima econômico 3.º trimestre de 2015 Clima econômico; dados dessazonalizados PIB real; variação trimestral vs. ano anterior, em % Fonte: Departamento Federal de Estatística de Baden-Württemberg, sondagem conjuntural do Ifo (Baden-Württemberg) 11 Baden-Württemberg

12 Previsão de desenvolvimento econômico a 6 meses Relógio do ciclo econômico do Ifo* para Baden-Württemberg Correlação entre o desenvolvimento econômico atual e as perspectivas econômicas Retoma Jan Jan Boom Dez Jan Jan Jan Recessão Abrandamento Avaliação da atividade econômica atual Fonte: sondagem conjuntural do Ifo (Baden-Württemberg). *Indústria manufatureira, incluindo alimentos e tabaco. Balanços ajustados sazonalmente. 12 Baden-Württemberg

13 Altas taxas de poupança das famílias Taxas de poupança das famílias em % da renda disponível de um agregado familiar Fonte: OCDE e Departamento Estadual de Estatística (2013) 13 Baden-Württemberg

14 Indústria manufatureira ainda tem importância extrema Baden-Württemberg Alemanha UE-28 Holanda Áustria Taxa de emprego Fonte: Departamento Estadual de Estatística Prestação de serviços Indústria manufatureira Agricultura/ Silvicultura/Pesca 14 Baden-Württemberg

15 Orçamento do Estado: receitas e despesas em 2015 Receitas Despesas Pagamentos da Federação e das comunidades, outras receitas; ,70 Dívida nova; 768,00 Impostos estaduais; 2.490,00 Gestão financeira; ,90 Serviços gerais; 6.108,60 Pesquisa, educação, cultura; ,80 Impostos compartilhados; ,00 Outros ministérios; 5.219,00 Fonte: Ministério das Finanças do Estado Federal de Baden-Württemberg, orçamento de Baden-Württemberg

16 Orçamento do Estado: receitas e despesas em 2016 Pagamentos da Federação e das comunidades, outras receitas; ,60 Receitas Despesas Dívida nova; 0,00 Impostos estaduais; 2.510,00 Serviços gerais; 6.226,10 Gestão financeira; ,90 Pesquisa, educação, cultura; ,50 Impostos compartilhados; ,60 Outros ministérios; 5.252,70 Fonte: Ministério das Finanças do Estado Federal de Baden-Württemberg, orçamento de Baden-Württemberg

17 Despesas Setor Público 2014 Baden-Württemberg Estados Federais* Federação Pesquisa, educação, cultura Transporte e comunicações Gerenciamento financeiro Despesas residuais Segurança social Segurança pública e proteção legal Propriedade imóvel, capital e ativos separados *média 17 Baden-Württemberg

18 Ampla presença do L-Bank em índices Nome EUR USD Citigroup EuroBIG Govt/Govt Sponsored USBIG Govt/Govt Sponsored Barclays Euro-Aggregate (Local Authority) USD Aggregate (Local Authority) iboxx iboxx EUR Sub-Sovereign Index iboxx USD Sub-Sovereign Index MorganStanley Euro Credit Index Investment Grade Credit Index L-Bank nos mercados de capitais 18

19 Grandes emissões fixas do L-Bank em EUR EUR em milhões Eurobonds I Eurobonds II Eurobonds III Eurobonds IV Eurobonds V Eurobonds VI 3,500% venc. 04/07/2016 0,750% venc. 12/12/2017 1,000% venc. 19/11/2018 0,250% venc. 25/11/2019 0,125% venc. 05/11/2020 0,050% venc. 09/11/2021 I II III IV V VI Fonte: Bloomberg L-Bank nos mercados de capitais 19

20 Alocação de investidores por regiões (EUR) EUR Benchmark III EUR Benchmark IV EUR Benchmark V 1,00% vencimento ,25% vencimento ,125% vencimento 2020 Alemanha Resto da Europa Ásia Reino Unido Américas Oriente Médio L-Bank nos mercados de capitais 20

21 Pontos básicos Desempenho do EUR Benchmark (vencimento: 2018) EIB 1,0% julho de 2018 KfW 1,125% outubro de 2018 Rentenbank 3,125% março de 2018 Cades 1,0% maio de 2018 L-Bank 1,0% novembro de 2018 Fonte: Margem ("spread") de swaps de ativos da Bloomberg 07/12/12 a 16/03/16 L-Bank nos mercados de capitais 21

22 Pontos básicos Desempenho do EUR Benchmark (vencimento: 2019) EIB 1,375% novembro de 2019 KfW 1,125% janeiro de 2020 Rentenbank 1,625% outubro de 2019 Cades 1,125% maio de 2019 L-Bank 0,25% novembro de 2019 Fonte: Margem ("spread") de swaps de ativos da Bloomberg 07/12/12 a 16/03/16 L-Bank nos mercados de capitais 22

23 Pontos básicos Desempenho do EUR Benchmark (vencimento: 2020) EIB 0,25% outubro de 2020 KfW 0,125% junho de 2020 Rentenbank 1,375% novembro de 2020 BNG 0,125% novembro de 2020 L-Bank 0,125% novembro de 2020 Fonte: Margem ("spread") de swaps de ativos da Bloomberg 28/08/15 a 16/03/16 23 L-Bank nos mercados de capitais

24 Grandes emissões fixas do L-Bank em USD USD em milhões VI USD Bonds I USD Bonds II USD Bonds III USD Bonds IV USD Bonds V USD Bonds VI 2,250% venc. 15/07/2016 0,500% venc. 01/06/2016 1,625% venc. 25/04/2017 0,875% venc. 20/03/2017 0,625% venc. 26/01/2017 0,875% venc. 10/04/2017 V II IV I III Fonte: Bloomberg L-Bank nos mercados de capitais 24

25 Alocação de investidores por regiões (USD) USD Eurobond Benchmark III 1,625% venc Ásia Resto da Europa EEMA Américas L-Bank nos mercados de capitais 25

26 Pontos básicos Desempenho do USD Benchmark (vencimento: 2017) EIB 1,625% junho de 2017 KfW 1,25% fevereiro de 2017 Rentenbank 2,325% setembro de 2017 BNG 5,25% janeiro de 2017 L-Bank 1,625% abril de 2017 Fonte: Margem ("spread") de swaps de ativos da Bloomberg 01/01/11 a 16/03/16 L-Bank nos mercados de capitais 26

27 Divisão diversificada dos financiamentos a longo prazo 2014 Porcentagem por moeda Número de negociações por moeda USD EUR GBP JPY CNY AUD NZD Volume de financiamentos a longo prazo 2014: 9,6 bilhões de L-Bank nos mercados de capitais 27

28 Divisão diversificada dos financiamentos a curto prazo 2014 Porcentagem por moeda Número de negociações por moeda AUD CHF CAD GBP EUR USD Volume de financiamentos a curto prazo 2014: 43,82 bilhões de L-Bank nos mercados de capitais 28

29 Divisão diversificada dos financiamentos a longo prazo 2015 Porcentagem por moeda Número de negociações por moeda USD EUR AUD GBP NZD Volume de financiamentos a longo prazo 2015: 5,4 bilhões de L-Bank nos mercados de capitais 29

30 Divisão diversificada dos financiamentos a curto prazo 2015 Porcentagem por moeda Número de negociações por moeda USD AUD GBP NZD CAD EUR CHF Volume de financiamentos a curto prazo 2015: 44,81 bilhões de L-Bank nos mercados de capitais 30

31 Estruturas de emissão (seleção) Produtos Moeda Calls Ligado a swap de maturidade constante Collar Digital Equity-Linked (sem opção de knock-out) Flip-Flop Ligado à inflação (EUROCPI) Multitranche Plain Vanilla (Taxa fixa / Taxa Flutuante) PRDC (Power Reverse Dual Currency) Range Accrual Reverse Floater Snowball/ Snowblade Cupom step up/step down TARN (Targeted Redemption Note) Zero AUD BRL CAD CHF CNH CZK DKK EUR GBP HKD IDR JPY MXN MYR NOK NZD PLN RUB SEK TRY USD ZAR Bullet (máx. 30 anos) Single Call Multi Call Callable (máx. 40 anos) 31 L-Bank nos mercados de capitais

32 Folha de balanço do L-Bank Valores do L-Bank (preliminar não auditado) Total de ativos (em bilhões de ) Obrigações titularizadas (em bilhões de ) Relação despesasreceitas (em %) 32

33 Folha de balanço do L-Bank Empréstimos às PME: apoio ao banco da empresa Apoio às PME usando o "princípio do banco da empresa" com recurso duplo para o L-Bank Banco da empresa: fornecedor de produtos e serviços bancários tradicional ou mais próximo "Banco da empresa" L-Bank Pedido direto PME 33

34 Empréstimo à habitação: apoiando as famílias Habitação com exposição direta ao L-Bank L-Bank Empréstimos subsidiados garantidos por hipotecas Famílias com rendimentos mais baixos Prefeitura 34 Folha de balanço do L-Bank

35 Folha de balanço do L-Bank Carteira de empréstimos por tipo de cliente (preliminar não auditado) a 31 de dezembro de 2015 Empréstimos a instituições de crédito e PME Empréstimos municipais Garantidos por hipoteca 35

36 Folha de balanço do L-Bank Carteira de empréstimos por classificação (preliminar não auditado) Volume de negócios 2005 (51,9 bilhões de ) Volume de negócios 2006 (56,0 bilhões de ) Volume de negócios 2007 (75,7 bilhões de ) Volume de negócios 2008 (68,1 bilhões de ) Volume de negócios 2009 (67,1 bilhões de ) Volume de negócios 2010 (76,7 bilhões de ) Volume de negócios 2011 (78,2 bilhões de ) Volume de negócios 2012 (81,3 bilhões de ) Volume de negócios 2013 (79,4 bilhões de ) Volume de negócios 2014 (78,0 bilhões de ) Volume de negócios 2015 (81,0 bilhões de ) AAA a AA- A+ a A A- a BBB+ BBB a BBB- > BB+ n.c. 36

37 Folha de balanço do L-Bank Rácio de incumprimento por tipo de cliente (preliminar não auditado) Rácio de incumprimento da habitação social Rácio de incumprimento das PME Rácio de incumprimento global do L-Bank 37

38 Folha de balanço do L-Bank Rácios de capital (preliminar não auditado) 31/12/ /12/ /12/ /12/ /06/ /12/ /06/ /12/ /06/ /12/2010 Capital de nível I 1,758 bilhões de 1,756 bilhões de 1,800 bilhões de 1,835 bilhões de 1,836 bilhões de 1,835 bilhões de 1,952 bilhões de 1,955 bilhões de 2,008 bilhões de 2,012 bilhões de Capital de nível II 1,443 bilhões de 1,442 bilhões de 1,464 bilhões de 1,458 bilhões de 1,458 bilhões de 1,429 bilhões de 1,952 bilhões de 1,308 bilhões de 1,310 bilhões de 1,286 bilhões de Dedução do capital -0,130 bilhões de -0,209 bilhões de -0,296 bilhões de -0,501 bilhões de -0,270 bilhões de -0,263 bilhões de -0,243 bilhões de -0,129 bilhões de -0,132 bilhões de -0,147 bilhões de Capital próprio 3,071 bilhões de 2,989 bilhões de 2,968 bilhões de 2,792 bilhões de 3,024 bilhões de 3,001 bilhões de 3,015 bilhões de 3,134 bilhões de 3,186 bilhões de 3,151 bilhões de Ativos ponderados pelo risco 20,830 bilhões de 23,093 bilhões de 23,639 bilhões de 28,024 bilhões de 24,063 bilhões de 23,188 bilhões de 23,320 bilhões de 23,264 bilhões de 23,684 bilhões de 22,498 bilhões de Rácio de capital próprio 14,74% 12,95% 12,56% 9,96% 12,56% 12,94% 12,93% 13,47% 13,45% 14,01% Rácio de nível I 8,13% 7,15% 6,99% 5,66% 7,07% 7,35% 7,84% 7,84% 8,20% 8,59% 30/06/ /12/ /05/ /12/ /06/ /12/2013 (BIS II) 30/06/2014 (BIS III) 31/12/2014 (BIS III) 30/06/2015 (BIS III) 31/12/2015 (BIS III) Capital de nível I 2,021 bilhões de 2,018 bilhões de 2,661 bilhões de 2,662 bilhões de 2,857 bilhões de 2,855 bilhões de 3,064 bilhões de 3,064 bilhões de 3,244 bilhões de 3,244 bilhões de Capital de nível II 1,319 bilhões de 1,293 bilhões de 1,121 bilhões de 0,966 bilhões de 0,813 bilhões de 0,874 bilhões de 0,676 bilhões de 0,613 bilhões de 0,515 bilhões de 0,515 bilhões de Dedução do capital -0,141 bilhões de -0,156 bilhões de -0,105 bilhões de -0,124 bilhões de -0,095 bilhões de -0,101 bilhões de -0,128 bilhões de -0,122 bilhões de -0,039 bilhões de -0,012 bilhões de Capital próprio 3,199 bilhões de 3,155 bilhões de 3,677 bilhões de 3,504 bilhões de 3,575 bilhões de 3,628 bilhões de 3,613 bilhões de 3,555 bilhões de 3,720 bilhões de 3,747 bilhões de Ativos ponderados pelo risco 22,050 bilhões de 19,975 bilhões de 19,211 bilhões de 18,377 bilhões de 18,160 bilhões de 17,893 bilhões de 21,328 bilhões de 21,073 bilhões de 21,761 bilhões de 19,726 bilhões de Rácio de capital próprio 14,51% 15,79% 19,14% 19,07% 19,68% 20,28% 16,94% 16,87% 17,09% 19,00% Rácio de nível I 8,85% 9,71% 13,58% 14,15% 15,47% 15,68% 13,99% 14,17% 14,77% 16,38% 38

39 Folha de balanço do L-Bank Comparação dos mecanismos de apoio BEI Banco Alemão de Reconstrução (KfW) L-Bank Rentenbank BNG Rating AAA/Aaa AAA/Aaa AAA/Aaa AAA/Aaa AAA/Aaa Propriedade 100% pelos Estados-Membros da União Europeia 80% pela República Federal da Alemanha 20% Estados Federais 100% Estado Federal de Baden- Württemberg Ministério da Agricultura da República Federal da Alemanha 50% Reino dos Países Baixos 50% autoridades municipais e regionais Estrutura de garantia Nenhuma garantia Garantia explícita da República Federal da Alemanha Garantia explícita do Estado Federal de Baden-Württemberg Garantia explícita da República Federal da Alemanha Nenhuma garantia Ponderação de risco no âmbito de Basileia II + III Volume de financiamento p. a. A ser confirmado individualmente pelo investidor 60 bilhões de bilhões de 5-8 bilhões de 12 bilhões de 17 bilhões de Volume de emissão USD Volume de emissão EUR Mín. 3 bilhões de dólares Mín. 3 bilhões de Mín. 2 bilhões de dólares Mín. 3 bilhões de 1 bilhão de dólares 1 bilhão de 1 bilhão de dólares 1 bilhão de 1 bilhão de dólares 1 bilhão de 39

40 Folha de balanço do L-Bank Equipe de financiamento do L-Bank Sven Lautenschläger, Diretor de financiamento internacional Tel: Peter Kießling, Responsável pelo financiamento Tel: Bloomberg: LBANK<GO Reuters: LBANK01 40

Agência de Desenvolvimento do Estado de Baden-Württemberg

Agência de Desenvolvimento do Estado de Baden-Württemberg L-Bank: com garantia explícita, incondicional e irrevogável Agência de Desenvolvimento do Estado de Baden-Württemberg desde 1 de dezembro de 1998 1 Baden-Württemberg: o Estado 10% do território da Alemanha

Leia mais

CFDs Acções. País Divisa Posições longas Posições curtas Tarifário Pontos básicos Pontos básicos

CFDs Acções. País Divisa Posições longas Posições curtas Tarifário Pontos básicos Pontos básicos AUD 550 550 Standard Posições longas (investidor paga juros): Libor da Moeda AUD +550 pontos básicos; Posições curtas: Libid da moeda AUD - Canadá CAD 550 550 Standard Posições longas (investidor paga

Leia mais

Banco do Brasil: Destaques

Banco do Brasil: Destaques 4º Trimestre 2014 1 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados e estratégias futuras

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Teleconferência de Resultados. Primeiro Trimestre de maio de 2016

Teleconferência de Resultados. Primeiro Trimestre de maio de 2016 Teleconferência de Resultados Primeiro Trimestre 2016 6 de maio de 2016 Destaques O Lucro Líquido recorrente foi de 95,5 milhões no primeiro trimestre de 2016, apresentando redução de 9,4% em relação ao

Leia mais

Comentário da administração sobre a evolução financeira

Comentário da administração sobre a evolução financeira CAF INFORME ANUAL 2012 175 Comentário da administração sobre a evolução financeira Resumo dos estados financeiros 178 Carteira de empréstimos 178 Ativos líquidos 179 Financiamento 179 Capital 181 Administração

Leia mais

Orientações finais. Orientações revistas sobre a especificação adicional dos indicadores de importância sistémica global e sua divulgação

Orientações finais. Orientações revistas sobre a especificação adicional dos indicadores de importância sistémica global e sua divulgação EBA/GL/2016/01 13 de janeiro de 2016 Orientações finais Orientações revistas sobre a especificação adicional dos indicadores de importância sistémica global e sua divulgação Natureza das presentes Orientações

Leia mais

Tipo de custo Situação Condições Unidade Notas

Tipo de custo Situação Condições Unidade Notas Comissão de custódia Gratuito A tramitação de eventos corporativos, quer sejam voluntários ou obrigatórios Gratuito Conversão cambial 2,5% % de mark-up sobre o par cambial utilizado na conversão dos ganhos

Leia mais

Tipo de custo Situação Condições Unidade Notas

Tipo de custo Situação Condições Unidade Notas Despesas de manutenção da conta A tramitação de eventos corporativos, quer sejam voluntários ou obrigatórios Conta sem actividade durante 6 meses 100 USD Aplicar-se-á uma comissão de inactividade de 100

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

Conteúdo. Participante 2

Conteúdo. Participante 2 Versão: 22/08/2011 Conteúdo 1 - Opções Flexíveis sobre Taxa de Câmbio... 3 1.1 - DPOSICAO Estratégia de Renda Fixa e Opções Flexíveis... 3 1.2 - Recibo de Registro de Contrato de Opção Flexível... 10 2

Leia mais

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 Prestação de Contas - LRF

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto percapita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 80 % da média da União Europeia em 2010.

Em Portugal o Produto Interno Bruto percapita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 80 % da média da União Europeia em 2010. Paridades de Poder de Compra 2010 13 de dezembro de 2011 Em Portugal o Produto Interno Bruto percapita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 80 % da média da União Europeia em 2010. O INE

Leia mais

Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007.

Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007. 1111 DDEE DDEEZZEEMMBBRROO DDEE 22000088 Paridades de Poder de Compra 2007 Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007. Com base em

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais

Henrique de Campos Meirelles Outubro de 2008

Henrique de Campos Meirelles Outubro de 2008 Brasil: Resistência Frente à Crise Financeira Global Henrique de Campos Meirelles Outubro de 2008 1 Antecedentes A atual crise financeira tem origem no longo período de taxas de juros baixas nos EUA. O

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 18/4/217 Próxima Atualização 15/5/217 1. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 216 População, Produto

Leia mais

Custos de Financiamento

Custos de Financiamento Custos de Financiamento CFDs sobre Acções e Índices No final de cada dia de negociação (17h00 de Nova Iorque), as posições abertas podem estar sujeitas a custos de financiamento, uma vez que a negociação

Leia mais

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 17.1. Depósitos à ordem Contas de Depósitos à Ordem Conta Clássica Superior a 0 euros 0,000% Conta Excellence De 5.000,00 até 24.999,99 0,150% De 25.000,00 até 49.999,99 0,250% Superior a 50.000,00 0,500%

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra manteve-se em 76% da média da União Europeia em 2008.

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra manteve-se em 76% da média da União Europeia em 2008. Paridades de Poder de Compra 2008 15 de Dezembro de 2009 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra manteve-se em 76% da média da União Europeia em 2008. Com

Leia mais

Macroeconomia Fernando Honorato Barbosa. Economista-Chefe Diretor DEPEC

Macroeconomia Fernando Honorato Barbosa. Economista-Chefe Diretor DEPEC 11 Informação Esta apresentação pode conter informações sobre eventos futuros. Tais informações não seriam apenas fatos históricos, mas refletiriam os desejos e as expectativas da direção da companhia.

Leia mais

NIM, líquida de provisões

NIM, líquida de provisões Brasil 26 Var. M 15 / M 14 +6% / 4T'14 Volumes 1 +2% / 4T'14 Atividade Margem Líquida de Juros NIM 6,5% 6,3% 5,9% 5,7% 5,8% Milhões de EUR L&P 1T15 %4T14 %1T14 * NII + receita de tarifas 2.997 2,2 5,2

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 77,4 % da média da União Europeia em 2011

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 77,4 % da média da União Europeia em 2011 13 de dezembro de 2012 Paridades de Poder de Compra 2011 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 77,4 % da média da União Europeia em 2011 Em

Leia mais

E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira. Caixa Geral de Depósitos

E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira. Caixa Geral de Depósitos E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira Caixa Geral de Depósitos Centro de Congressos de Lisboa, 4 de Julho 2011 A comportamento do mercado em relação ao risco da dívida soberana

Leia mais

O contexto macroeconómico e a economia do mar

O contexto macroeconómico e a economia do mar O contexto macroeconómico e a economia do mar João Cadete de Matos Diretor Departamento de Estatística 3 abril 2014 MAREECOFIN PwC Economia e Finanças do Mar Reunião de Primavera Iniciativas de difusão

Leia mais

TABELA DE TAXAS e COMISSÕES de 12 de Fevereiro de 2017

TABELA DE TAXAS e COMISSÕES de 12 de Fevereiro de 2017 TABELA DE TAXAS e COMISSÕES de 12 de Fevereiro de 2017 1. a) Tabela de Taxas e Comissões para CFDs Título Tipo de Conta BÁSICO, STANDARD, PROFiSSIONAL BÁSICO, STANDARD, PROFISSIONAL TAXA FIXA PROFISSIONAL

Leia mais

A Origem da Crise Imobiliária dos EUA e seus Efeitos

A Origem da Crise Imobiliária dos EUA e seus Efeitos A Origem da Crise Imobiliária dos EUA e seus Efeitos Desdobramentos na Conjuntura de 2008 e no Brasil Paulo Rabello de Castro Dezembro 2007 1 Parte 1 Aspectos da Crise Subprime Parte 2 Origens do Problema

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra Paridades de Poder de Compra 2009 15 de Dezembro de 2010 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se se em 4/5 da média da União Europeia em 2009 Com

Leia mais

CONTEÚDO. Desafios de Destaques desde o último Encontro. Endividamento da CEMIG. Plano de Captação e Mercados de Dívida

CONTEÚDO. Desafios de Destaques desde o último Encontro. Endividamento da CEMIG. Plano de Captação e Mercados de Dívida GESTÃO FINANCEIRA Cristiano Correa de Barros Superintendência de Gestão de Finanças Corporativas Apresentador: Paulo Eduardo Pereira Guimarães Gerente de Operações de Financiamento Belo Horizonte, maio/06

Leia mais

Evolução Recente da Economia Brasileira

Evolução Recente da Economia Brasileira Evolução Recente da Economia Brasileira Henrique de Campos Meirelles Novembro de 2008 1 Panorama Internacional 2 US$ bilhões EUA: Emissão de Commercial Papers (CP) por Empresas Não-Financeiras 2.400 subprime

Leia mais

Campo Formato Posição Conteúdo Descrição Data X(10) 1-10 Data da operação. Formato: AAAA-MM-DD.

Campo Formato Posição Conteúdo Descrição Data X(10) 1-10 Data da operação. Formato: AAAA-MM-DD. Termo de Moedas Nome do Arquivo Registro de Contrato do Participante Header Campo Formato Posição Conteúdo Descrição Data X(10) 1-10 Data da operação. Formato: AAAA-MM-DD. Registro Campo Formato Posição

Leia mais

BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. 17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) Entrada em vigor: 06-dez

BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. 17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) Entrada em vigor: 06-dez 17.1. Depósitos à ordem Conta Cliente de Solicitador: O titular é o Solicitador; montante mínimo de abertura: N.A. Conta Cliente de Solicitador < 30.000 0,000% 30.000 a 50.000 0,0625% Períodicidade mensal.

Leia mais

Objetivos e política de investimento

Objetivos e política de investimento Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Não é material promocional. As informações que contém

Leia mais

58. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 8 de setembro de 2015

58. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 8 de setembro de 2015 Jornal Oficial C 295 da União Europeia 58. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 8 de setembro de 2015 Índice II Comunicações COMUNICAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA

Leia mais

19. CONTAS DE DEPÓSITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE)

19. CONTAS DE DEPÓSITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE) 19.1. Depósitos à ordem Contas de Depósitos à Ordem Conta Clássica Até 14.960,00 0,000% Superior a 14.960,00 0,000% Conta Gestão Tesouraria Banif Rendimento >= 2.500 Conta Condomínio 0,500% Superior a

Leia mais

60. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 21 de setembro de 2017

60. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 21 de setembro de 2017 Jornal Oficial C 313 da União Europeia 60. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 21 de setembro de 2017 Índice IV Informações INFORMAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA

Leia mais

58. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 21 de agosto de 2015

58. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 21 de agosto de 2015 Jornal Oficial C 276 da União Europeia 58. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 21 de agosto de 2015 Índice II Comunicações COMUNICAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

OVERVIEW DE MERCADOS 2017

OVERVIEW DE MERCADOS 2017 OVERVIEW DE MERCADOS 2017 Dezembro 2016 DISCLAIMER As opiniões expressas são da inteira responsabilidade dos seus autores, refletindo apenas os seus pontos de vista e podendo não coincidir com a posição

Leia mais

TABELA DE TAXAS e COMISSÕES de 17 de Agosto de 2017

TABELA DE TAXAS e COMISSÕES de 17 de Agosto de 2017 TABELA DE TAXAS e COMISSÕES de 17 de Agosto de 217 1. a) Tabela de Taxas e Comissões para CFDs Título Tipo de Conta BÁSICO, STANDARD, PROFiSSIONAL BÁSICO, STANDARD, PROFISSIONAL TAXA FIXA PROFISSIONAL

Leia mais

58. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 9 de setembro de 2015

58. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 9 de setembro de 2015 Jornal Oficial C 297 da União Europeia 58. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 9 de setembro de 2015 Índice II Comunicações COMUNICAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA

Leia mais

INFORMAÇÃO N.º 2/2008 Dívida Pública

INFORMAÇÃO N.º 2/2008 Dívida Pública Ref.ª 8/UTAO/2008 Data: 18.03.2008 INFORMAÇÃO N.º 2/2008 Dívida Pública 1 Com propósito de apoiar a audição do Sr. Presidente do IGCP na próxima quarta-feira, a UTAO coligiu um conjunto de informação parcelar

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Relações com Investidores São Paulo, 27 de abril de 2016 Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados do 1º trimestre de 2016 (BR GAAP) 0 INFORMAÇÃO Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas

Leia mais

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Outubro/2011 Cenário para as Micro e Pequenas Empresas Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Números das Micro e Pequenas Empresas no Brasil 2 Micro e pequenas empresas (até 99 funcionários)

Leia mais

Workshop IBBA : Classe C

Workshop IBBA : Classe C (*) Veja última página para informações de investidor e completa listagem da equipe. Workshop IBBA : Classe C Ilan Goldfajn Economista-chefe Itaú Unibanco Roteiro Cenário internacional de ajuste de transações

Leia mais

Paridades de Poder de Compra 2015 14 de dezembro de 2016 O Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 76.8% da média da União Europeia em 2015, valor idêntico

Leia mais

O Financiamento das PME s em tempos de crise

O Financiamento das PME s em tempos de crise O Financiamento das PME s em tempos de crise CENFIM - Arcos de Valdevez 29 de Novembro 2010 Prólogo O Impensável Pouco provável Quase impossível Acontecem The Economist 20 Novembro 2010 2 CENFIM Arcos

Leia mais

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 2.º trimestre de 2016

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 2.º trimestre de 2016 Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes.º trimestre de 1 Redigido com informação disponível até 3 de setembro de 1 Índice Sistema bancário português Avaliação global Indicadores macroeconómicos

Leia mais

Henrique de Campos Meirelles Novembro de 2009

Henrique de Campos Meirelles Novembro de 2009 Perspectivas para a Economia Brasileira e o Setor da Construção Civil Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Como o Brasil Enfrentou a Crise 2 Diagnóstico Correto da Crise colapso do sistema internacional

Leia mais

Quadro aplicável às taxas de câmbio de referência do euro

Quadro aplicável às taxas de câmbio de referência do euro Quadro aplicável às taxas de câmbio de referência do euro As taxas de câmbio de referência do euro publicadas pelo Banco Central Europeu (BCE) (também designadas taxas de referência do BCE ), o BCE, na

Leia mais

Paridades de Poder de Compra 2014 11 de dezembro de 2015 O Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 78,1% da média da União Europeia em 2014 O Produto Interno

Leia mais

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE Samuel Fernandes de Almeida 1 ÍNDICE Dados macroeconómicos / Caracterização das receitas fiscais Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 11/03/2016 Próxima Atualização 11/04/2016 I. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2016 População,

Leia mais

Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas

Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas Sessão de Homenagem ao Dr. Silva Lopes Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas VÍTOR CONSTÂNCIO Maio de 2003 ÍNDICE I. Recessões e crises passadas de Balança de Pagamentos II. Problemas

Leia mais

Como gerar um cartão virtual no modo críptico. Moedas. Opções adicionais ao gerar um cartão virtual em modo críptico >VCN/NEW/EUR123.

Como gerar um cartão virtual no modo críptico. Moedas. Opções adicionais ao gerar um cartão virtual em modo críptico >VCN/NEW/EUR123. Como gerar um cartão virtual no modo críptico Moedas B2B Wallet Prepaid permite trabalhar com as seguintes moedas na Amadeus: EARN /Ganhe com MasterCard: USD, GBP, EUR, NOK, SEK, DKK, CAD, CHF, PLN, HUF,

Leia mais

O m ercado de crédito e o papel do B N D ES

O m ercado de crédito e o papel do B N D ES O m ercado de crédito e o papel do B N D ES Demian Fiocca Presidente do BNDES FELABAN 13 DE NOVEMBRO DE 2006 www.bndes.gov.br 1 O CRÉDITO NA AMÉRICA LATINA A relação Crédito/PIB na América Latina é expressivamente

Leia mais

icloud - Apple oferece 2TB por 19,99 /mês

icloud - Apple oferece 2TB por 19,99 /mês icloud - Apple oferece 2TB por 19,99 /mês Date : 31 de Agosto de 2016 Como é normal na empresa de Cupertino, com o lançamento do seu principal produto, o iphone, há sempre actualização das características

Leia mais

Apresentação Renda Fixa 1T17

Apresentação Renda Fixa 1T17 Apresentação Renda Fixa 1T17 1 Agenda 1. Visão Geral 2. Investimentos 3. Destaques Financeiros e Operacionais 2 Sessão 1 Visão Geral 3 Visão Geral Visão Geral Vantagens Competitivas Suzano Papel e Celulose

Leia mais

Resultados dos exercícios de stress test ao Banco Espírito Santo e à Santander Totta, SGPS. 6 de Agosto de 2010

Resultados dos exercícios de stress test ao Banco Espírito Santo e à Santander Totta, SGPS. 6 de Agosto de 2010 Resultados dos exercícios de stress test ao Banco Espírito Santo e à Santander Totta, SGPS 6 de Agosto de 2010 O Banco Espírito Santo e a Santander Totta, SGPS solicitaram ao Banco de Portugal a realização

Leia mais

O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa

O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa ISEG - LISBON SCHOOL OF ECONOMICS & MANAGEMENT 16 maio 2017 1 Enquadramento metodológico 2 Indicadores de vulnerabilidades

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Fevereiro/2013 Faturamento Bruto mensal R$ milhões constantes (defl. Col. 32/FGV) Média Jan-Fev 2008 6.188 2009 4.446 2010 5.178

Leia mais

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006 O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado São Paulo, 06 de julho de 2006 Relação Moedas x Ouro - 01/1999=100 Cotação Ouro (onça-troy) - 100=12/2000 270

Leia mais

O Santander obteve um lucro atribuído de milhões no primeiro trimestre de 2017, um aumento de 14%

O Santander obteve um lucro atribuído de milhões no primeiro trimestre de 2017, um aumento de 14% O Santander obteve um lucro atribuído de 1.867 milhões no primeiro trimestre de 2017, um aumento de 14% O lucro antes de impostos foi de 3.311 milhões de euros, um aumento de 17%, excluindo o efeito de

Leia mais

Comissões Euros (Mín/Máx) Valor Anual

Comissões Euros (Mín/Máx) Valor Anual 9.1. Depósitos à ordem Conta Associações Sem Fins Lucrativos: Destina-se a Entidades que comprovem através dos estatutos ou pacto social que não têm fins lucrativos; montante mínimo de abertura: N.A Conta

Leia mais

Como é Negociado o Risco Brasil no Mercado Internacional?

Como é Negociado o Risco Brasil no Mercado Internacional? Como é Negociado o Risco Brasil no Mercado Internacional? Co-integração e Price Discovery do Risco Soberano Brasileiro Palestrante: Denísio Liberato São Paulo - SP, 07 de Julho/2009. Agenda 1) Introdução/Motivação

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Junho de 2013 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação VI. Boxes 2 I. Introdução

Leia mais

O sistema Financeiro Europeu e Português novos ou velhos riscos? João Costa Pinto Maio 2016

O sistema Financeiro Europeu e Português novos ou velhos riscos? João Costa Pinto Maio 2016 O sistema Financeiro Europeu e Português novos ou velhos riscos? João Costa Pinto Maio 2016 1 I. OS MERCADOS FINANCEIROS DA ZONA EURO Estrutura dos mercados Impacto da crise financeira sub-prime Lançamento

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 19/05/2016 Próxima Atualização 15/06/2016 Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe Preparado pelo PE Probe para

Leia mais

G4-PR5 105 llllllllll L. G4-PR6 llllllllll Não aplicável. L G4-PR7 llllllllll Não material L Customer Privacy

G4-PR5 105 llllllllll L. G4-PR6 llllllllll Não aplicável. L G4-PR7 llllllllll Não material L Customer Privacy EDP - Energias de, S.A. G4-PR5 105 35. Dívida Financeira Marketing Communications Esta rubrica é analisada como segue: G4-PR6 Não aplicável. G4-PR7 Não material Customer Privacy Grupo Individual Milhares

Leia mais

Taxa Anual Nominal Bruta (TANB)

Taxa Anual Nominal Bruta (TANB) 19.1. Depósitos à ordem Tipo de Conta Conta Cliente de Solicitador: O titular é o Solicitador; montante mínimo de abertura: n.a. Conta Cliente de Solicitador < 30.000 0,000% 30.000 a 50.000 0,0625% > 50.000

Leia mais

Prof. Dr. Cláudio D. Shikida. Luiz André B. Miranda Marcelo Dolabella Mariana Ferreira Renato Byrro Rômulo Muzzi

Prof. Dr. Cláudio D. Shikida. Luiz André B. Miranda Marcelo Dolabella Mariana Ferreira Renato Byrro Rômulo Muzzi Análise de Conjuntura Abril/2010 NEPOM Núcleo de Estudos de Política Monetária do IBMEC/MG Belo Horizonte, 26 de Abril de 2010 Coordenação: Prof. Dr. Cláudio D. Shikida Alunos Integrantes: Leonardo Oliveira

Leia mais

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 17.1. Depósitos à ordem Contas de Depósitos à Ordem Produtos em comercialização - Conta Standard - Maxi-Conta Superior a 0 euros Até 2.500,00 Euros De 2.500,00 Euros a 5.000,00 Euros De 5.000,00 Euros

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO ENCONTRO BRADESCO-APIMEC CENÁRIO MACROECONÔMICO 26 DE NOVEMBRO DE 2015 FABIANA D ATRI Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 1 Ambiente Internacional AMBIENTE INTERNACIONAL Fimdolongociclodecommodities.

Leia mais

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES)

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) 17.1. Depósitos à ordem Contas à ordem Os juros obtidos estão sujeitos a retenção na fonte de imposto sobre o rendimento, à taxa que estiver em vigor na data de pagamento de juros. (2) Aplicável a todas

Leia mais

Brasil: Perspectivas Econômicas

Brasil: Perspectivas Econômicas Brasil: Perspectivas Econômicas 06 de Julho 2012 Resumo Mundo consolidando um cenário de baixo crescimento com riscos de crise (Europa). Atividade começou fraca em 2012 e a recuperação é mais lenta que

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

O Indicador de Clima Econômico (ICE) da América Latina recua em julho

O Indicador de Clima Econômico (ICE) da América Latina recua em julho jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 jul/12 jan/13 jul/13 jan/14 jul/14 jan/15 jul/15 jan/16 jul/16 jan/17 jul/17 Agosto de 2017 O Indicador

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Abril, 2016 Roteiro Internacional Ambiente favorável para mercados emergentes O crescimento nas economias avançadas está se estabilizando,

Leia mais

Preçário BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 01-out-2016

Preçário BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 01-out-2016 Preçário BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 01-out-2016 Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banco

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

Poupança e financiamento da economia portuguesa

Poupança e financiamento da economia portuguesa Poupança e financiamento da economia portuguesa Fernando Alexandre (U Minho), Luís Aguiar-Conraria (U Minho), Miguel Portela (U Minho) e Pedro Bação (U Coimbra) Associação Portuguesa de Seguradores 21

Leia mais

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 3.º trimestre de 2016

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 3.º trimestre de 2016 Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 3.º trimestre de 16 Redigido com informação disponível até 3 de dezembro de 16 Índice Sistema bancário português Avaliação global Indicadores macroeconómicos

Leia mais

Audiência Pública. Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal. Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil.

Audiência Pública. Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal. Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil. Audiência Pública Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil Abril de 2013 Sumário executivo A perspectiva para o cenário externo continua

Leia mais

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi 2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa Marcello Siniscalchi Ampla liquidez internacional provocada por taxas de juros reais negativas e curvas de juros pouco inclinadas. Taxas de juros Reais G3 Inclinação

Leia mais

SEMINÁRIO DE INVESTIMENTO DA CAPEF 22ª Edição

SEMINÁRIO DE INVESTIMENTO DA CAPEF 22ª Edição SEMINÁRIO DE INVESTIMENTO DA CAPEF 22ª Edição Cenário para Mercado de Renda Fixa e Renda Variável em 206 Alexandre Damasceno e Fernando Lovisotto Importante: Este documento não constitui uma opinião ou

Leia mais

PROJECÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA

PROJECÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA PROJECÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA Com base na informação disponível até 20 de Maio de 2005, os especialistas do Eurosistema prepararam projecções

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2010 Coordenação de Contas Nacionais 03 de março de 2010 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015 Relatório Semanal 08/06/2015 A semana em revista No cenário doméstico, os principais destaques da semana foram os dados da Pesquisa Industrial Mensal e o resultado da reunião do COPOM. A produção industrial

Leia mais

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Centro das Indústrias do Estado de São Paulo - CIESP Campinas (SP) 29 de julho de 2009 1 CIESP Campinas - 29/07/09 Crise de 2008 breve histórico Início:

Leia mais

60. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 26 de julho de 2017

60. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 26 de julho de 2017 Jornal Oficial C 241 da União Europeia 60. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 26 de julho de 2017 Índice IV Informações INFORMAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA UNIÃO

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Relações com Investidores São Paulo, 27 de julho de 2016 Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados do 2º trimestre de 2016 (BR GAAP) 0 INFORMAÇÃO Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas

Leia mais

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública Vítor Gaspar Lisboa, 24 de outubro 2012 Figura 1. Progressos significativos nos mercados de financiamento Taxas de juro das Obrigações do Tesouro

Leia mais

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES)

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) 17.1. Depósitos à ordem Contas à ordem 0,000% 28,00% no Os juros obtidos estão sujeitos a retenção na fonte de imposto sobre o rendimento, à taxa que estiver em vigor na data de pagamento de juros. e (2)

Leia mais

CONJUNTURA. Maio FONTE: CREDIT SUISSE, CNI, IBGE e BC

CONJUNTURA. Maio FONTE: CREDIT SUISSE, CNI, IBGE e BC CONJUNTURA Maio-2017 FONTE: CREDIT SUISSE, CNI, IBGE e BC INFLAÇÃO FICARÁ ABAIXO DA META EM MEADOS DE 2017 IPCA ACUMULADO EM 12 MESES (%) Fonte: IBGE; Elaboração: CNI DCEE Departamento de Competitividade,

Leia mais

A CRISE COM FOCO NA EUROPA

A CRISE COM FOCO NA EUROPA Ana Costa Daniela Poiano Jaqueline Granelli Renan Oliveira Karen Appetito Katia Benjamin Economia Aplicada Roberto Vertamatti MARÇO/2014 Histórico, Causas e Consequências da Crise; A moeda única como problema;

Leia mais

Indicadores Económicos & Financeiros

Indicadores Económicos & Financeiros Indicadores Económicos & Financeiros Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Indicadores Económicos & Financeiros Maio 2001 INDICADORES ECONÓMICOS E FINANCEIROS ÍNDICE Indicadores Internacionais Área do

Leia mais

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão;

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão; 17.12.2016 L 344/117 ORIENTAÇÃO (UE) 2016/2299 DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 2 de novembro de 2016 que altera a Orientação (UE) 2016/65 relativa às margens de avaliação a aplicar na implementação da política

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO Entrada em vigor: 01-DEZ-2014 FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17. CONTAS DE DEPÓSITO 19. CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos

Leia mais