A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre saneamento na rede Rio de Janeiro, 19 de maio 2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre. 2014 saneamento na rede Rio de Janeiro, 19 de maio 2010"

Transcrição

1 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 2014 saneamento na rede Rio de Janeiro, 19 de maio 2010

2 Foto João Fiorin Lago Guaíba - Porto Alegre - RS

3 PERFIL DA INSTITUIÇÃO: atende 100% da população com abastecimento de água; coleta 85% dos esgotos e tem capacidade de tratar 27%; 7 EBABs; 7 ETAs; 9 ETEs; 99 reservatórios; e 89 EBATs; 3,8 mil km de redes de água e 1,5 mil km de redes de esgoto. 3 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

4 ESTRUTURA: volume de água tratada: 474 mil m³/dia; força de trabalho: servidores; fornecedores: 718 empresas (337 materiais de consumo; 334 serviços; e 47 obras); ligações na categoria residencial; comercial; 7 ligações industriais e órgãos públicos;total arrecadação: R$ 395,6 milhões. 4 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

5 PROGRAMA INTEGRADO SOCIOAMBIENTAL - PISA: Vai ampliar a capacidade de tratamento de esgotos em Porto Alegre de 27% para 77%. Investimento de R$ 586,7 milhões (CEF; BID e PMPA) Situação: - Redes coletoras dos Bairros Restinga e Ponta Grossa: 99% concluídas; - Redes coletoras do Arroio Cavalhada: 76% concluídas; - EBE Ponta da Cadeia e Chaminé de Equilíbrio: Em fase de finalização da obra. - Emissário Terrestre: obra com duas frentes de trabalho em andamento - Emissário Subaquático: em fase de fabricação dos tubos e das poitas. - Interceptor Restinga: assentados 2,1 km. - EBE Cristal e Chaminé de Equilíbrio: em fase de revisão de projeto no quesito fundação. - ETE Serraria: em fase de construção do canteiro de obra. - Emissário Restinga: em fase de construção do canteiro de obra. 5 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

6 6 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

7 DESAFIO 1 SUSTENTABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE LONGO PRAZO Volume faturado de água A estrutura tarifária Perfis de consumo Controle de inadimplência As ocupações irregulares 7 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

8 VOLUME FATURADO DE ÁGUA: ,0 103, ,3 98,2 99,5 98, ,4 Mínimo 90 90,4 88,3 87,2 87,9 87,8 88,7 89,5 89, Volume faturado no período de (Em relativos de base fixa) 8 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

9 PERFIS DE CONSUMO E FATURAMENTO: 100% 80% 60% 0,61% das economias = 24,51% do faturamento 0,03% das economias = 10,95% do faturamento 40% 20% 0% 0 a 20 m³ 21 a 30 m³ 31 a 50 m³ 51 a 100 m³ 101 a 200 m³ 201 a 500 m³ 501 a 1000 m³ > de 1000 m³ Faturamento 50,46% 11,66% 7,82% 5,56% 4,67% 4,80% 4,09% 10,95% Economias 86,53% 8,21% 3,46% 1,20% 0,40% 0,14% 0,04% 0,03% Faturamento e número de economias por faixa de consumo de água Fonte: dados coletados no Cubo SCA - informações Gerências, período de janeiro a dezembro A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

10 EVOLUÇÃO RELATIVA DO CONSUMO DE ÁGUA POR FAIXAS: 10 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

11 EVOLUÇÃO DA INADIMPLÊNCIA: % ,32 9,36 9, A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

12 OCUPAÇÕES IRREGULARES: Porto Alegre possui domicílios em núcleos irregulares, ou seja, 17% dos domicílios urbanos, segundo Mapa da Irregularidade Fundiária. 12 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

13 DESAFIO 2 OS ALTOS NÍVEIS DE INVESTIMENTO: ampliação da rede de coleta e estações de tratamento de esgoto; recuperar grande parte das instalações físicas dos sistemas mais antigos. 13 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

14 INVESTIMENTOS TOTAIS E COM RECURSOS PRÓPRIOS 2000/2009: ANO INVESTIMENTOS TOTAIS OPERAÇÕES CRÉDITO Fonte: SDO - Sistema da Despesa Orçamentária Em R$ 1.000,00 pelo IGP-M para Dezembro INVESTIMENTOS C/REC. PRÓPRIOS INVESTIMENTOS C/RECEITA PRÓPRIA/ RECEITA CORRENTE 12,1% 9,9% 11,3% 11,9% 9,6% 7,9% 13,2% 16,5% 10,2% 11,3% 14 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

15 INVESTIMENTOS NOS PRÓXIMOS 20 ANOS: Despesas de Capital Investimento Próprios Contrapartida - CEF - Rest./Caval., Ponta Cadeia e Complementação do Ponta da Cadeia (PISA) Contrapartida - Sarandi Investimento Terceiros - Caixa/RS 16 m Investimentos Terceiros - CEF - Rest./Caval., Ponta Cadeia e Complementação do Ponta da Cadeia (PISA) Investimento Terceiros - CEF - Sarandi Total investimentos Total amortização da dívida Total geral A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

16 DESAFIO 3 AS MUDANÇAS NO PERFIL DOS USUÁRIOS: maior exigência na qualidade dos serviços; grandes consumidores: busca de outras alternativas; preocupação ambiental; combate ao desperdício; redução de consumo; transparência na prestação de serviços. 16 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

17 INICIATIVAS DE REDUÇÃO DE CONSUMO: medição individualizada; Lei /2008: Programa de reaproveitamento da água; 17 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

18 DESAFIO 4 - O FIM DO AMBIENTE AUTO-REGULADO: O novo marco regulador em perspectiva Lei do Saneamento Auto-regulador Contrato de concessão Financiamento oficial Foco em obras Monopólio natural Água como bem abundante Companhias estaduais Agência reguladora Contrato de programa Todas as formas de financiamento Foco no cliente Ambiente competitivo Escassez de recursos hídricos Prestação regionalizada 18 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

19 DESAFIO 5 A GESTÃO: a gestão da qualidade - ISO 9001; a gestão ambiental série ISO ; a certificação do setor de saneamento ISO A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

20 DESAFIO 6 A AGENDA MUNDIAL: as metas do milênio/onu; as mudanças climáticas. 20 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

21 DESAFIO 7 A DEGRADAÇÃO DOS MANANCIAIS: Lago Guaíba; Barragem da Lomba do Sabão. 21 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 19/5/2010

22 Obrigado! Superintendente Comercial Engº Vladimir Ortiz Avenida 24 de Outubro, 200 Porto Alegre RS - Brasil Fone: (51)

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE Julho/2015 Antônio Elisandro de Oliveira Diretor-Geral do Dmae PORTO ALEGRE -RS População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

Programa Consumo Responsável. Julho 2015

Programa Consumo Responsável. Julho 2015 Programa Consumo Responsável Julho 2015 PORTO ALEGRE - BRASIL População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per capita: R$ 22,6 mil PIB Rio Grande do Sul

Leia mais

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos SECRETARIA DE SANEAMENTO E ENERGIA XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos Mesa redonda: Marco Regulatório do Setor Saneamento Desafios do Saneamento e Regulação dos Serviços no Estado de São Paulo

Leia mais

Contratualização do Serviço de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RMSP. Paulo Massato Yoshimoto - Diretor Metropolitano Sabesp

Contratualização do Serviço de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RMSP. Paulo Massato Yoshimoto - Diretor Metropolitano Sabesp Contratualização do Serviço de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RMSP Paulo Massato Yoshimoto - Diretor Metropolitano Sabesp Região Metropolitana de São Paulo São Paulo 39 municípios - 20,1

Leia mais

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 NOVO MODELO DE GESTÃO 1 ANO DE GOVERNO SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 DIAGNÓSTICO POSIÇÃO EM 31/12/2004 Dívidas de curto prazo 175,8 MILHÕES Disponibilidades

Leia mais

CORSAN GESTÃO DE CUSTOS

CORSAN GESTÃO DE CUSTOS CORSAN GESTÃO DE CUSTOS 3 Seminário de Boas Práticas de Gestão PGQP Porto Alegre, novembro 2015 A CORSAN EM GRANDES NÚMEROS 7 Milhões de Gaúchos 316 Municípios Atendidos Faturamento 2014 R$ 1,9 Bilhão

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

DAAE - Depto. Aut. de Água e Esgoto de Araraquara Contab - Sistema de Contabilidade Pública

DAAE - Depto. Aut. de Água e Esgoto de Araraquara Contab - Sistema de Contabilidade Pública UNIDADE ORÇAMENTÁRIA: 030101 - Superintendência 030101.17 Saneamento 1.245.000,00 1.245.000,00 030101.17122 Administração Geral 1.245.000,00 1.245.000,00 030101.171220107 Desenvolvimento Organizacional

Leia mais

Ano 1997 Prêmio Aberje pela revista ECOS, Ambiente-se. 1998 Prêmio Mercocidade de Ciência e Tecnologia. 2002 Prêmio Aberje pela revista ECOS, Ambiente-se e Relatório Dmae 40 anos. 2002 Prêmio Mercocidade

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013 Audiência Pública Piedade 20 de Junho de 2013 Objetivo do Encontro Audiência Pública sobre o Convênio com o Governo do Estado, Contrato de Programa com a Sabesp e Plano Municipal de Saneamento do município

Leia mais

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae)

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) Novos Modelos Organizacionais dos Municípios Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) 2 Características do modelo Autarquia em regime especial; Autonomia e independência decisória e decisão

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra desafios e oportunidades

Leia mais

Investimentos O desafio da Universalização. 11 de dezembro de 2013

Investimentos O desafio da Universalização. 11 de dezembro de 2013 Investimentos O desafio da Universalização 11 de dezembro de 2013 Estado de São Paulo 248.196.960 km 2 População total: 41.262.199 População urbana: 39.585.251 645 municípios Fonte: IBGE, Censo Demográfico

Leia mais

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Companhia Pernambucana de Saneamento Compesa Economia Mista de Direito Privado 42 anos de existência

Leia mais

Orçamento Plurianual de Investimentos para o Quadriênio de 2014 a 2017

Orçamento Plurianual de Investimentos para o Quadriênio de 2014 a 2017 Orçamento Plurianual de Investimentos para o Quadriênio de a Projeto/Atividade: 2165 - MANUTENÇÃO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS Função Programática: 17.122.0052 MANUTENÇÃO DOS PROCESSOS CONTÍNUOS DE MELHORIA

Leia mais

Comitê Gestor do PAC

Comitê Gestor do PAC RORAIMA Apresentação Esta publicação apresenta informações regionalizadas do 4º balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), referente a abril de 2008. Traz, também, dados sobre outros importantes

Leia mais

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol Vice Presidente de Gestão e Assuntos Institucionais Resumo Planejamento das atividades de Infraestrutura de Saneamento

Leia mais

TRILHA DO CONHECIMENTO SANEAMENTO. ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Fernando André Neuwald

TRILHA DO CONHECIMENTO SANEAMENTO. ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Fernando André Neuwald TRILHA DO CONHECIMENTO SANEAMENTO ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Fernando André Neuwald ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Esta apresentação é um breve resumo das ações comerciais executadas no DMAE,

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

GRUPO 3 MUNICÍPIOS ABAIXO DE 50 MIL

GRUPO 3 MUNICÍPIOS ABAIXO DE 50 MIL NOVA SELEÇÃO PAC 2 SANEAMENTO GRUPO 3 MUNICÍPIOS ABAIXO DE 50 MIL HAB Reunião com Representantes dos Governos Estaduais e CESBs Brasília, 15 de junho de 2011 IMPORTÂNCIA DO PAC Planejamento dos investimentos

Leia mais

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável A Politica Nacional de Habitação e as iniciativas para uma construção Sustentável Universalizar o acesso à moradia digna Política Nacional de Habitação: objetivos Promover a urbanização, regularização

Leia mais

Os investimentos necessários para seguirmos crescendo : Setor Imobiliário Seminário FEBRABAN / BNDES de Economia 2010

Os investimentos necessários para seguirmos crescendo : Setor Imobiliário Seminário FEBRABAN / BNDES de Economia 2010 Os investimentos necessários para seguirmos crescendo : Setor Imobiliário Seminário FEBRABAN / BNDES de Economia 2010 Setor Imobiliário Brasileiro Questão atual e projeções para o futuro: Défict Habitacional

Leia mais

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL A PROPOSTA COMERCIAL será composta de duas partes, a saber: a. Carta de apresentação

Leia mais

3º Encontro Internacional de Saneamento Básico FIESP Saneamento Básico: Recuperar o tempo Perdido

3º Encontro Internacional de Saneamento Básico FIESP Saneamento Básico: Recuperar o tempo Perdido 3º Encontro Internacional de Saneamento Básico FIESP Saneamento Básico: Recuperar o tempo Perdido Saneamento Básico e Qualidade de Vida Engº Gustavo Zarif Frayha Especialista em Infraestrutura Sênior Chefe

Leia mais

2ª Conferência Internacional do Projeto DESAFIO. Valeria Melo

2ª Conferência Internacional do Projeto DESAFIO. Valeria Melo 2ª Conferência Internacional do Projeto DESAFIO Valeria Melo Rio de Janeiro(RJ), 28 de Julho de 2015 Fatores e processos facilitadores e obstáculos que contribuem para explicar os sucessos, fracassos e

Leia mais

Categoria de uso Classe de consumo Tarifas codigo Faixa Agua esgoto (m3/mês.econ) (R$ m3) (R$ m3) Residencial R1 00 a 15 0,40 x TRA 0,40 x TRE R2 16 a 30 1,00 x TRA 1,00 x TRE R3 31 a 60 1,50 x TRA 1,50

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO ANO 2005

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO ANO 2005 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO ANO 2005 A administração da Companhia de Saneamento do Estado de Goiás SANEAGO submete à apreciação dos acionistas suas demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2005.

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO ANO 2006

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO ANO 2006 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO ANO 2006 1. Introdução A Saneamento de Goiás S/A SANEAGO, é uma concessionária de serviços públicos de saneamento básico, responsável pelo abastecimento de água tratada e coleta

Leia mais

PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 27/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 47/2015

PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 27/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 47/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 47/2015 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 27/2015 ASSUNTO: INTERESSADO: REAJUSTE EXTRAORDINÁRIO DAS TARIFAS DE ÁGUA E DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ DAE S/A ÁGUA E I. DO OBJETIVO

Leia mais

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos SEMINÁRIO REGIONAL DE SANEAMENTO RURAL Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos Campinas(SP), 23 de Junho 2015 Mobilização

Leia mais

Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social

Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social CASA LEGAL Programa Estadual de Regularização Fundiária Programa Casa Legal Devido a Lei Estadual nº 16.269, de 29 de maio de 2008, dispor em seu

Leia mais

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Foco na Gestão Comercial e Operacional Estamos vivenciando atualmente, uma profunda transformação no Setor de Saneamento. As Companhias

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

Seminário Articulação dos Planos Plurianuais e Agendas de Desenvolvimento Territorial Oficina: Cidades (Saneamento)

Seminário Articulação dos Planos Plurianuais e Agendas de Desenvolvimento Territorial Oficina: Cidades (Saneamento) MP - Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos MCidades - Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Seminário Articulação dos Planos Plurianuais e Agendas de Desenvolvimento Territorial

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. ADAIL CARNEIRO) Dispõe sobre a individualização de instalação de hidrômetro nas edificações verticais residenciais e nas de uso misto e nos condomínios

Leia mais

Saneamento Básico e Infraestrutura

Saneamento Básico e Infraestrutura Saneamento Básico e Infraestrutura Augusto Neves Dal Pozzo Copyright by Augusto Dal Pozzo DADOS HISTÓRICOS Até a década de 70 soluções locais e esparsas para os serviços de saneamento; Década de 70 criação

Leia mais

Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética ÍNDICE Visão Geral das Perdas na SABESP Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética Benefícios do Programa Visão Geral das

Leia mais

GUANABARA LIMPA PSAM. rograma de Saneamento Ambiental dos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara

GUANABARA LIMPA PSAM. rograma de Saneamento Ambiental dos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara GUANABARA LIMPA PSAM rograma de Saneamento Ambiental dos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara PACTO PELO SANEAMENTO: RIO+LIMPO Meta do ERJ : 80% de Coleta e Tratamento de Esgotos até 2018 BAÍA DE

Leia mais

Necessidades de Ajustes das Políticas de Saneamento para Pequenos Sistemas

Necessidades de Ajustes das Políticas de Saneamento para Pequenos Sistemas Necessidades de Ajustes das Políticas de Saneamento para Pequenos Sistemas Seminário Soluções Inovadoras de Tratamento e Reuso de Esgotos em Comunidades Isoladas 21/06/2013 Diretoria de Sistemas Regionais

Leia mais

Estratégia de Financiamento

Estratégia de Financiamento Sustentabilidade Conforme o art. 29 da Lei nº 11.445/07, os serviços públicos de saneamento básico terão a sustentabilidade econômico-financeira assegurada, sempre que possível, mediante remuneração pela

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PANORAMA DO SANEAMENTO BÁSICO NO PAÍS

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PANORAMA DO SANEAMENTO BÁSICO NO PAÍS MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO 2007-2010 INFRA-ESTRUTURA SOCIAL E URBANA SANEAMENTO PANORAMA DO SANEAMENTO

Leia mais

MARCHA DOS PREFEITOS 2011

MARCHA DOS PREFEITOS 2011 MARCHA DOS PREFEITOS 2011 Miriam Belchior Ministra, Orçamento e Gestão Brasília, 12 de maiode 2011 IMPORTÂNCIA DO PAC Planejamento dos investimentos necessários ao crescimento econômico permanente do país

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

Breve Histórico do Saneamento Básico no Brasil

Breve Histórico do Saneamento Básico no Brasil Breve Histórico do Saneamento Básico no Brasil Historicamente o abastecimento de água e o tratamento de esgotos eram atribuições municipais; Na década de 60 foram criadas as cias estaduais, dentre elas

Leia mais

Programa de Redução de Perdas na Baixada Santista Eng. Joaquim Hornink Filho

Programa de Redução de Perdas na Baixada Santista Eng. Joaquim Hornink Filho Programa de Redução de Perdas na Baixada Santista Eng. Joaquim Hornink Filho Unidade de Negócio Baixada Santista População Fixa 1800.000 habitantes População Alta Temporada 4.000.000 habitantes Domicílios

Leia mais

Infraestrutura de Saneamento na Região Metropolitana de São Paulo

Infraestrutura de Saneamento na Região Metropolitana de São Paulo IV Congresso Brasileiro de MND II No-Dig Edição Latino Americana Infraestrutura de Saneamento na Região Metropolitana de São Paulo Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Números da Diretoria

Leia mais

81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção. PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização

81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção. PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização 81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infra-estrutura Rio de Janeiro,

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Da gestão da qualidade à excelência em gestão Gestão Operação Ao longo dos anos 90, as experiências

Leia mais

Visita da delegação do Prémio Nacional de Qualidade em Saneamento/2013 (PNQS) INSPEÇÕES CONHECIMENTO REAL PARA A GESTÃO DE ATIVOS

Visita da delegação do Prémio Nacional de Qualidade em Saneamento/2013 (PNQS) INSPEÇÕES CONHECIMENTO REAL PARA A GESTÃO DE ATIVOS Visita da delegação do Prémio Nacional de Qualidade em Saneamento/2013 (PNQS) INSPEÇÕES CONHECIMENTO REAL PARA A GESTÃO DE ATIVOS AGENDA 1. A EPAL 2. Situação da EPAL e Estratégia Adotada 3. Sistema de

Leia mais

ANEXO VI DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA

ANEXO VI DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA ANEXO VI DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA As LICITANTES deverão elaborar, observados os termos dos itens 64 e 65 do EDITAL, a PROPOSTA TÉCNICA conforme cada um dos tópicos descritos a seguir.

Leia mais

Conhecendo a Compesa

Conhecendo a Compesa Conhecendo a Compesa Conhecendo a Compesa Informações Gerais Companhia Pernambucana de Saneamento Compesa Economia Mista de Direito Privado 43 anos de existência Faturamento: R$ 1,22 bi (2014) Número de

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA

GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA Estado de São Paulo Estado de São Paulo 248.196.960 km 2 População total: 41.262.199 População urbana: 39.585.251 645 municípios Fonte: IBGE, Censo

Leia mais

Implantação da plataforma ESRI na Sabesp Desafios/Soluções/Oportunidades

Implantação da plataforma ESRI na Sabesp Desafios/Soluções/Oportunidades Implantação da plataforma ESRI na Sabesp Desafios/Soluções/Oportunidades A Sabesp STATUS: PATRIMÔNIO LÍQUIDO: R$ 10,5 bilhões* EMPREGADOS: 14.896 Fundada em 1973 como sociedade de participação acionária

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

META DE CURTO PRAZO: chegar em abril de 2015 em situação segura para enfrentar mais um período de estiagem.

META DE CURTO PRAZO: chegar em abril de 2015 em situação segura para enfrentar mais um período de estiagem. Aliança pela Água de São Paulo São Paulo vive a maior crise hídrica da sua história. Mais de 60 municípios enfrentam a falta de água e o racionamento já atinge milhões de pessoas. Reservatórios e rios

Leia mais

de Saneamento Básico do Município de

de Saneamento Básico do Município de Plano de Desenvolvimento para o Sistema de Saneamento Básico do Município de Mossoró DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL A apresentação se dará em duas etapas: 1ª etapa - Resultado da Análise Técnico- operacional

Leia mais

Prêmio Abradee de Responsabilidade Social

Prêmio Abradee de Responsabilidade Social Prêmio Abradee de Responsabilidade Social Pedro Eugênio Pereira ABRADEE 11 de junho de 2007 ABRADEE: 99% do Mercado e 49 Associadas Reunião CIER-Eletropaulo 11.06.2007 2 Reunião CIER-Eletropaulo 11.06.2007

Leia mais

Investimentos 2013-2016 O Desafio da Universalização

Investimentos 2013-2016 O Desafio da Universalização Investimentos 2013-2016 O Desafio da Universalização 30 de novembro de 2013 O desafio da universalização Planejamento CV Planejamento em trajetória:! Planejamento Estratégico 1995! BSC Gestão Estratégica

Leia mais

uma nova realidade para o saneamento em Porto Alegre

uma nova realidade para o saneamento em Porto Alegre # 34 ANO 20 MARÇO 2014 EDIÇÃO ESPECIAL Socioambiental: uma nova realidade para o saneamento em Porto Alegre #34 4 MAIS QUALIDADE DE VIDA AOS PORTO-ALEGRENSES O Projeto Integrado Socioambiental (PISA)

Leia mais

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa II Conferência RELOP Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa AES SUL - Concessionária de Distribuição de Energia Elétrica da Região Sul do Brasil Estratégias Empresariais:

Leia mais

Seminário Ambientronic

Seminário Ambientronic Seminário Ambientronic 27/04/2011 11.06.2010 Perfil da Empresa PERFIL Empresa de Tecnologia 100% nacional, controlada pelo Grupo Itaúsa Mais de 30 anos de presença no mercado brasileiro Possui 5.891 funcionários

Leia mais

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão 4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão Painel 2 - Gestão, operação e capacitação para enfrentar os desafios do saneamento e enfrentar a crise hídrica 01 de Outubro de 2015 Agenda Desafios no Setor de

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

A Política Pública da Medição Individualizada de Água em Condomínios

A Política Pública da Medição Individualizada de Água em Condomínios A Política Pública da Medição Individualizada de Água em Condomínios Eduardo Felipe Cavalcanti Especialista em Recursos Hídricos Agência Nacional de Águas Brasília/DF - Brasil Por que é uma boa política

Leia mais

Medição Individualizada Qualidade e Custos compatíveis - Direito do Cliente -

Medição Individualizada Qualidade e Custos compatíveis - Direito do Cliente - Medição Individualizada Qualidade e Custos compatíveis - Direito do Cliente - Regina Ap. A. Siqueira Superintendente de Planejamento e Desenvolvimento da Metropolitana Sabesp São Paulo - Brasil A Sabesp

Leia mais

LEI Nº. 8.943, DE 15 DE JANEIRO DE 2007.

LEI Nº. 8.943, DE 15 DE JANEIRO DE 2007. Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais LEI Nº. 8.943, DE 15 DE JANEIRO DE 2007. Estima a receita e fixa a despesa do Estado do Rio Grande

Leia mais

PODER EXECUTIVO MUNICIPIO DE ROLIM DE MOURA SECRETARIA MUNICIPAL DE COMPRAS E LICITAÇÃO

PODER EXECUTIVO MUNICIPIO DE ROLIM DE MOURA SECRETARIA MUNICIPAL DE COMPRAS E LICITAÇÃO ANEXO VIII INFORMAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA PROPOSTA TÉCNICA AS LICITANTES deverão elaborar a PROPOSTA TÉCNICA observando o disposto no presente documento, descrito em duas partes a saber: - PARTE A- DIRETRIZES

Leia mais

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA Caxias do Sul Rio Grande do Sul 96 km POA região nordeste, altitude média 760 m População: 404.187 hab.ibge 2010 território: 165.731,00 ha; urbano: 13.344,00

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos Organização da Secretaria de Saneamento e Recursos Hidricos Gabinete do Secretario Saneamento

Leia mais

Plásticos: soluções modernas para o saneamento. Rogerio Kohntopp Tecnologia, Qualidade, Sustentabilidade e Inovação

Plásticos: soluções modernas para o saneamento. Rogerio Kohntopp Tecnologia, Qualidade, Sustentabilidade e Inovação Plásticos: soluções modernas para o saneamento Rogerio Kohntopp Tecnologia, Qualidade, Sustentabilidade e Inovação Visão, Missão e Valores Visão Missão Valores Temos certeza que o lugar onde as pessoas

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148 PROGRAMA Nº- 148 GESTÃO E CONTROLE DE PERDAS FUNÇÃO: 17 SANEAMENTO SUB-FUNÇÃO: 512 SANEAMENTO BÁSICO URBANO - Reduzir perdas de água reais e aparentes; reduzir os custos de exploração, produção e distribuição

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) Institui o Programa Nacional de Conservação, Uso Racional e Reaproveitamento das Águas. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A presente lei tem por

Leia mais

Informações sobre desenvolvimento de projetos

Informações sobre desenvolvimento de projetos pág.: 1/7 1 Objetivo Regulamentar os procedimentos relativos à produção, distribuição e utilização das informações gerenciais necessárias ao acompanhamento das atividades relacionadas com os em desenvolvimento

Leia mais

A Privatização do Saneamento Básico

A Privatização do Saneamento Básico A Privatização do Saneamento Básico por Victor Carvalho Pinto 1 Considerações Gerais O setor de saneamento 1 encontra-se na interface entre diversas políticas públicas de grande repercussão social, como

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL RESOLUÇÃO Nº 002/2011, de 25 de maio de 2011. Dispõe sobre determinações a serem cumpridas pela CAERN, no âmbito do Município do

Leia mais

Taller sobre EL FUTURO DEL FINANCIAMIENTO URBANO + Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba

Taller sobre EL FUTURO DEL FINANCIAMIENTO URBANO + Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba Taller sobre EL FUTURO DEL FINANCIAMIENTO URBANO EN AMÉRICA LATINA LATINA PORTO ALEGRE Curitiba População: SÃO PAULO 1 751 907 hab 1.751.907 hab. Taxa de crescimento pop. 2000-2009: 1,71% 2008-2009: 1,26%

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO

EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO HEBER PIMENTEL GOMES EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO Análise Econômica de Projetos 2ª Edição Revisada e Ampliada Editora Universitária - UFPB João Pessoa 2009 2ª Edição: 2009 Editora Universitária

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL DE SANTA MARIA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL DE SANTA MARIA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL DE SANTA MARIA Volume V Avaliação de Sustentabilidade, Plano de Emergência e Contingência, Modelos de Regulação, Instrumentação Legal e Mecanismos de Avaliação Sociedad

Leia mais

SISAR - Sistema Integrado de Saneamento Rural GESTÃO NOS ESTADOS DO: CEARÁ, BAHIA E PICOS.

SISAR - Sistema Integrado de Saneamento Rural GESTÃO NOS ESTADOS DO: CEARÁ, BAHIA E PICOS. SISAR - Sistema Integrado de Saneamento Rural GESTÃO NOS ESTADOS DO: CEARÁ, BAHIA E PICOS. Campinas(SP), 23 de junho 2015 APRESENTANDO CENTRAL SEABRA: Central de Associações Comunitárias para Manutenção

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

para apoio ao gerenciamento do Programa Onda Limpa

para apoio ao gerenciamento do Programa Onda Limpa SISTEMA /2008 INFORMATIZADO para apoio ao gerenciamento do Programa Onda Limpa O presente artigo tem por objetivo apresentar em linhas gerais o sistema informatizado desenvolvido e implementado pelo Consórcio

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

ANEXO III INFORMAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA PROPOSTA TÉCNICA

ANEXO III INFORMAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA PROPOSTA TÉCNICA ANEXO III INFORMAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA PROPOSTA TÉCNICA ENVELOPE 1 PROPOSTA TÉCNICA 1 ) Descrição Sintética da Documentação Exigida Envelope II Proposta Técnica: I -CONHECIMENTOS GERAIS DO SISTEMA

Leia mais

Índice de atendimento por Sistemas de Abastecimento de Água

Índice de atendimento por Sistemas de Abastecimento de Água 81 Índice de atendimento por Sistemas de Abastecimento de Água 26,42% 73,58% CORSAN Outros Sistemas Gráfico 1: Percentual da população atendida pelo SAA - CORSAN. Assim, observa-se que 73,58% da população

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais