Visita da delegação do Prémio Nacional de Qualidade em Saneamento/2013 (PNQS) INSPEÇÕES CONHECIMENTO REAL PARA A GESTÃO DE ATIVOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visita da delegação do Prémio Nacional de Qualidade em Saneamento/2013 (PNQS) INSPEÇÕES CONHECIMENTO REAL PARA A GESTÃO DE ATIVOS"

Transcrição

1 Visita da delegação do Prémio Nacional de Qualidade em Saneamento/2013 (PNQS) INSPEÇÕES CONHECIMENTO REAL PARA A GESTÃO DE ATIVOS

2 AGENDA 1. A EPAL 2. Situação da EPAL e Estratégia Adotada 3. Sistema de Inspeções 4. Considerações Finais EPAL S.A. Todos os direitos reservados.

3 A EPAL INFORMAÇÃO GERAL De 1868 até 1974: Concessão do abastecimento de água a Lisboa pela CAL Companhia das Águas de Lisboa Desde 1993: A EPAL foi integrada no Grupo AdP, a holding do Estado para o setor da água e saneamento Fornecimento de água a mais de 2.5 milhões de pessoas, em 34 municípios da grande Lisboa Abastecimento direto para clientes domésticos e comerciais na cidade de Lisboa EPAL Mais de 140 anos de história e experiência Com 736 funcionários, a EPAL apresentou, em 2012, resultados líquidos de + 44 M, com proveitos totais de exploração de 151 M. Capacidade de produção superior a m 3 /dia EPAL S.A. Todos os direitos reservados.

4 A EPAL SISTEMA CASTELO DO BODE Sistema de Produção e Transporte com ativos superiores a 700M ETA DA ASSEICEIRA 2 Estações de Tratamento de Água 710 km de Condutas Adutoras 25 Postos de Cloragem 41 Estações Elevatórias 42 Reservatórios ALENQUER OTA ETA DE VALE DA PEDRA VALADA TEJO LEZÍRIAS EPAL S.A. Todos os direitos reservados.

5 A EPAL REDE DE DISTRIBUIÇÃO Sistema de Distribuição na Cidade de Lisboa Clientes Consumidores m 3 de Consumo Diários 5 Patamares de Pressão km de Condutas de Distribuição EPAL S.A. Todos os direitos reservados.

6 AGENDA 1. A EPAL 2. Situação da EPAL e Estratégia Adotada 3. Sistema de Inspeções 4. Considerações Finais EPAL S.A. Todos os direitos reservados.

7 SITUAÇÃO DA EPAL E ESTRATÉGIA ADOTADA A GESTÃO DE ATIVOS EPAL após 2008 EPAL até 2008 Gestão de Ativos Plano de investimentos (abordagem topdown) Identificação isolada das necessidades Informação não sistematizada e por vezes inconsistente Plano de investimentos (abordagem bottomup)

8 SITUAÇÃO DA EPAL E ESTRATÉGIA ADOTADA OBJETIVOS E FERRAMENTAS SERVIÇO AO CLIENTE RENTABILIDADE CUSTO SUSTENTABILIDADE MONITORIZAÇÃO INSPEÇÕES ANÁLISE DE RISCO

9 AGENDA 1. EPAL 2. Situação da EPAL e Estratégia Adotada 3. Gestão de Ativos e Sistema de Inspeções 4. Considerações Finais EPAL S.A. Todos os direitos reservados.

10 GESTÃO DE ATIVOS E SISTEMA DE INSPEÇÕES INVENTÁRIO DE ATIVOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Ø 812 ativos de C. Civil Ø km de rede 267 km de rede visitável 99 ESTRUT. DE CAPTAÇÃO - Edifícios e Furos 216 OBRAS ESPECIAIS 19 POSTOS DE CLORAGEM 24 PT S e SUBESTAÇÕES 40 ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS 40 GALERIAS e TÚNEIS 185 ESTRUT. DE ETA s 79 RECINTOS OPERACIONAIS 94 ESTRUT. DE RESERVATÓRIO - Células e C. Manobra 13 RUD s e CHAMINES DE EQ.

11 GESTÃO DE ATIVOS E SISTEMA DE INSPEÇÕES OBJETIVOS GLOBAIS OBJETIVOS GERAIS DO SISTEMA DE GESTÃO ASSEGURAR A FIABILIDADE E SEGURANÇA NA EXPLORAÇÃO DOS ATIVOS GARANTIR NÍVEIS DE SERVIÇO ADEQUADOS AOS CLIENTES MAXIMIZAR O CICLO DE VIDA DOS ATIVOS MINIMIZAR O CUSTO DE MANUTENÇÃO/INVESTIMENTO AO LONGO DO CICLO DE VIDA DOS ATIVOS OBJETIVOS ESPECIFICOS DO SISTEMA DE GESTÃO OBTER INFORMAÇÃO SOBRE A CONDIÇÃO E DISPONIBILIDADE DO ATIVO PARA A SUA FUNÇÃO ELABORAR O RISK RANKING DAS INFRAESTRUTURAS; SELECIONAR, PRIORITIZAR E CALENDARIZAR OS INVESTIMENTOS DE FORMA CRITERIOSA, APOIANDO E FUNDAMENTANDO A TOMADA DE DECISÃO; REALIZAR UMA GESTÃO TRANSVERSAL E INTEGRADA DAS INFRAESTRUTURAS; SUPORTAR E DESENVOLVER UMA NOVA ABORDAGEM ESTRATÉGICA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA; ESTUDAR E DESENVOLVER MODELOS DE DEGRADAÇÃO DE MATERIAIS E DE INFRAESTRUTURAS.

12 GESTÃO DE ATIVOS E SISTEMA DE INSPEÇÕES DEFINIÇÃO E ENQUADRAMENTO DA ATIVIDADE DEFINIÇÃO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROCEDIMENTO FORMAL - CONTROLO DE CONFORMIDADE REALIZADO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES, OBSERVAÇÕES, TESTES OU CALIBRAÇÕES DAS CARACTERÍSTICAS SIGNIFICATIVAS DE UM BEM -, EM REGRA ESCRITO, CUJOS RESULTADOS FICAM REGISTADOS DE FORMA A PERMITIR À ENTIDADE GESTORA AVALIAR A OPERACIONALIDADE DAS INFRAESTRUTURAS E TOMAR MEDIDAS APROPRIADAS. O QUE SÃO AS INSPEÇÕES?

13 GESTÃO DE ATIVOS E SISTEMA DE INSPEÇÕES FLUXOGRAMA DE PROCESSO INVENTÁRIO DE ATIVOS Existências Dados administrativos Dados técnicos Caracterização Técnica INSPEÇÕES Corrente Principal Detalhada Avaliação da Condição (Notas 1 a 5) Lista de Trabalhos (Tipificação) Estimativa de custos Próxima Inspeção (2 a 5 anos) TOMADA DE DECISÃO Análise de Risco MONITORIZAÇÃO Observação e Medição MANUTENÇÃO Contratação de Serviços Lista P. unitários INVESTIMENTO Investimentos de Reabilitação Demolição Novos investimentos

14 SISTEMA DE INSPEÇÕES INVENTÁRIO DE ESTRUTURAS ORGANIZAÇÃO COERENTE E SISTEMÁTICA DO INVENTÁRIO DAS ESTRUTURAS DE C. CIVIL DA EMPRESA VANTAGENS DA APLICAÇÃO APLICAÇÃO USER-FRIENDLY, INDO DE E N C O N T RO À S N E C E S S I DA D E S D O GESTOR/UTILIZADOR; INFORMAÇÃO CENTRALIZADA E HOLÍSTICA SOBRE OS ATIVOS, A SUA CONSTITUIÇÃO, CONDIÇÃO, ; DESENVOLVIMENTO EXPEDITO DE NOVAS FUNCIONALIDADES, SEM RECURSO A CONSULTORES CONTRATADOS; APLICAÇÃO TRANSPORTÁVEL E TRANSACIONÁVEL PARA OUTRAS EMPRESAS/REALIDADES; DESENVOLVIDA EM MS OFFICE, NÃO NECESSITA, POR ISSO, DE CUSTOS DE LICENCIAMENTO ADICIONAIS.

15 SISTEMA DE INSPEÇÕES MANUAIS DA ATIVIDADE INSPEÇÕES PARA SERVIR COMO FERRAMENTA DE SUPORTE E REFERÊNCIA ÀS ACTIVIDADES DE INSPEÇÃO, TÊM VINDO A SER DESENVOLVIDOS MANUAIS,VISANDO A SISTEMATIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DE PROCEDIMENTOS.

16 SISTEMA DE INSPEÇÕES MANUAL DE GESTÃO DE INFRAESTRUTURAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA O QUE É? DOCUMENTO BASE QUE DEFINE E SUPORTA O SISTEMA DE INSPEÇÕES IMPLEMENTADO NA EPAL, ONDE SE ENCONTRA REFLETIDO TODO O PROCESSO QUE SISTEMATIZA A REALIZAÇÃO DE INSPEÇÕES ATÉ À OBTENÇÃO DE INFORMAÇÃO PARA APOIO À TOMADA DE DECISÃO. A DEFINIÇÃO DO SISTEMA DE INSPEÇÕES ASSENTOU EM: PERIODICIDADE MÁXIMA DE INSPEÇÃO (5 ANOS) 2 TIPOS DE ORIGEM DE INSPEÇÃO SISTEMÁTICA CONDICIONADA 3 NÍVEIS DE INSPEÇÃO CORRENTE PRINCIPAL DETALHADA 5 NOTAS DE INSPEÇÃO.

17 SISTEMA DE INSPEÇÕES MANUAL DE GESTÃO DE INFRAESTRUTURAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NOTAS DE INSPEÇÃO (CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO) NOTA 1 (MUITO BOM) NOTA 2 (BOM) NOTA 3 (RAZOÁVEL) NOTA 4 (MAU) NOTA 5 (MUITO MAU)

18 SISTEMA DE INSPEÇÕES INFORMAÇÃO PRODUZIDA NA ATIVIDADE INSPEÇÕES DOCUMENTAÇÃO ASSOCIADA NO ÂMBITO DA ATIVIDADE INSPEÇÕES É ELABORADA E DESENVOLVIDA DOCUMENTAÇÃO DIVERSA, TENDO EM VISTA A OBTENÇÃO DE INFORMAÇÃO PARA SUPORTE À MANUTENÇÃO PREVENTIVA. RELATÓRIO

19 SISTEMA DE INSPEÇÕES INFORMAÇÃO ASSOCIADA À ATIVIDADE INSPEÇÕES INFORMAÇÃO SOBRE A CONDIÇÃO DOS ATIVOS COM BASE NA CLASSIFICAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA DAS INFRAESTRUTURAS (NOTAS DE INSPEÇÃO), SUPORTADA EM RELATÓRIOS, É OBTIDA INFORMAÇÃO PARA APOIO À TOMADA DE DECISÃO.

20 SISTEMA DE INSPEÇÕES PONTO DE SITUAÇÃO INFORMAÇÃO DE GESTÃO A ATIVIDADE REALIZADA PERMITE A OBTENÇÃO DE INFORMAÇÃO CRÍTICA PARA O CONTROLO DE GESTÃO E INDICADORES PARA A GESTÃO DA PRÓPRIA ATIVIDADE. NÍVEL DE INSPEÇÃO 481; 96% 21; 4% Detalhada Principal ORIGEM DAS INSPEÇÕES 75; 15% 427; 85% Condicionada

21 SISTEMA DE INSPEÇÕES INSPEÇÃO VS. MANUTENÇÃO NUMA LÓGICA OTIMIZADA DE GESTÃO DE ATIVOS, O SISTEMA DEVE CONSIDERAR A INTEGRAÇÃO DAS INSPEÇÕES COM O PROCESSO DE DECISÃO E COM A FASE DE MANUTENÇÃO/REABILITAÇÃO DOS ATIVOS. EVOLUÇÃO DA CONDIÇÃO DO ACTIVO vs CUSTOS DE REPARAÇÃO/ MANUTENÇÃO OCORRÊNCIA DE COLAPSOS ESTRUTURAIS CUSTOS DE REPARAÇÃO ESTRUTURA INOPERACIONAL INÍCIO DE FALHAS GRAVES GRANDE REPARAÇÃO INÍCIO DE FALHAS LIGEIRAS UTILIZAÇÃO CORRENTE MÉDIA REPARAÇÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA VIDA ÚTIL LEGENDA CUSTOS TOTAIS DE GRANDE REPARAÇÃO (C) CUSTOS TOTAIS DE MÉDIA REPARAÇÃO (B) CUSTOS TOTAIS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA (A)

22 ATIVIDADE DE INSPEÇÕES MANUTENÇÃO - EXEMPLOS DE INTERVENÇÕES DESDE JUNHO DE 2011, ÁREA RESPONSÁVEL PELA GESTÃO DAS INTERVENÇÕES DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CURATIVA DAS EDIFICAÇÕES OPERACIONAIS, DE FORMA A GARANTIR NÍVEIS DE DESEMPENHO COMPATÍVEIS COM AS EXIGÊNCIAS FUNCIONAIS E ESTÉTICAS DESSAS ESTRUTURAS. ANTES DEPOIS

23 ATIVIDADE DE INSPEÇÕES MANUTENÇÃO FECHO DO CICLO O FECHO DO CICLO INSPEÇÃO/MANUTENÇÃO PERMITE TIPIFICAR AS NATUREZAS DE TRABALHO A REALIZAR, BEM COMO CRIAR UMA BASE DE DADOS DE PREÇOS UNITÁRIOS, TORNANDO MAIS ROBUSTA A INFORMAÇÃO DE SUPORTE PARA ESTIMAR, AINDA NA FASE DE INSPEÇÃO, O CUSTO DAS INTERVENÇÕES.

24 AGENDA 1. A EPAL 2. Situação da EPAL e Estratégia Adotada 3. Sistema de Inspeções 4. Considerações Finais EPAL S.A. Todos os direitos reservados.

25 CONSIDERAÇÕES FINAIS PONTOS FORTES/VANTAGENS DO SISTEMA DE INSPEÇÕES O SISTEMA DE INSPEÇÕES, DESENVOLVIDO NA EPAL, ENCONTRA-SE IMPLEMENTADO E A PRODUZIR INFORMAÇÃO CRÍTICA PARA APOIO À TOMADA DE DECISÃO; A CONCLUSÃO DO 1.º CICLO DE INSPEÇÕES PERMITIU CONHECER E GERIR OS RISCOS ASSOCIADOS ÀS INFRAESTRUTURAS DA EPAL DE UMA FORMA UNIFORMIZADA; GRANDE VOLUME DE INFORMAÇÃO SISTEMATIZADA QUE PERMITE A TIPIFICAÇÃO DE ANOMALIAS E ATIVIDADES, POSSIBILITANDO A EVOLUÇÃO PARA UM SISTEMA MAIS INTEGRADO (INSPEÇÃO/MANUTENÇÃO). COM BASE NA INFORMAÇÃO OBTIDA, PASSOU A SER POSSÍVEL O DESENVOLVIMENTO DE PLANOS DE MANUTENÇÃO CRITERIOSOS, TENDO EM VISTA A MAXIMIZAÇÃO DA VIDA ÚTIL DOS ATIVOS E A OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS ASSOCIADOS; O FACTO DESTA ATIVIDADE SER REALIZADA COM RECURSO A MEIOS INTERNOS DA EPAL, PERMITE UMA MAIOR COERÊNCIA E NORMALIZAÇÃO NA AVALIAÇÃO DOS RISCOS. ATIVIDADE DO SISTEMA DE INSPEÇÕES ESTÁ CERTIFICADA SEGUNDO A ISO9001:2008, SITUAÇÃO REVELADORA DE UNIFORMIDADE E COERÊNCIA DE PROCESSOS; ATIVIDADE REPLICÁVEL NUM CONTEXTO EXTERNO. 25

26 CONSIDERAÇÕES FINAIS MAIS VALIAS DA ESTRATÉGIA A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INSPEÇÕES APORTA MAIS VALIAS AO NÍVEL DA EFICÁCIA E EFICIÊNCIA DA EPAL, COM IMPACTO POSITIVO PARA TODOS OS STAKEHOLDERS ENVOLVIDOS: GESTORES, ACIONISTAS, REGULADOR E CLIENTES/SOCIEDADE, A VÁRIOS NÍVEIS: A NÍVEL TÉCNICO Robustez e coerência de informação, permitindo uma gestão adequada do risco, através de tomadas de decisão devidamente fundamentadas A NÍVEL ECONÓMICO-FINANCEIRO Racionalização e otimização de investimentos (selectivos/cirurgicos) A NÍVEL AMBIENTAL Sustentabilidade a maximização da vida útil dos ativos potencia a racionalização de recursos consumidos A NÍVEL SOCIAL Aumento da eficiência da Empresa, com ganhos líquidos e valor acrescentado para o consumidor/cliente, através da moderação tarifária A NÍVEL LEGAL Enquadra-se nos requisitos legais estabelecidos no Decreto-Lei n.º 195/2009, de 20 de agosto no que respeita à elaboração do relatório técnico exigido 26

27

Projecto WONE - Ferramenta para a Gestão de Perdas

Projecto WONE - Ferramenta para a Gestão de Perdas Seminário A Gestão da Água no Sector Público e Residencial Projecto WONE - Ferramenta para a Gestão de Perdas Coruche, 21 março 2014 AGENDA 1. CONTEXTO DO PAÍS 2. SITUAÇÃO DA EPAL E ESTRATÉGIA ADOTADA

Leia mais

WONE Water Optimization for Network Efficiency Otimizar a Gestão de Redes e o Controlo de Perdas de Água

WONE Water Optimization for Network Efficiency Otimizar a Gestão de Redes e o Controlo de Perdas de Água WONE Water Optimization for Network Efficiency Otimizar a Gestão de Redes e o Controlo de Perdas de Água CONTEXTO DO PAÍS As fugas de água nos sistemas de abastecimento são um problema, mas têm de deixar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA A GESTÃO E REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA EPAL

DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA A GESTÃO E REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA EPAL DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA A GESTÃO E REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA EPAL AGENDA 1. Quem somos 2. Situação da EPAL e Estratégia Adotada 3. Solução Desenvolvida

Leia mais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Enquadramento A base do conhecimento de qualquer sistema de abastecimento de água e

Leia mais

ADOPÇÃO DA FACTURA ELECTRÓNICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Forum Picoas 6 de Novembro de 2006

ADOPÇÃO DA FACTURA ELECTRÓNICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Forum Picoas 6 de Novembro de 2006 SEMINÁRIO A experiência, seus resultados e desafios para a EPAL Forum Picoas 6 de Novembro de 2006 Paulo Rodrigues EPAL Empresa Portuguesa das Águas Livres, SA S.A. 1 A EPAL: Quem Somos A EPAL- Empresa

Leia mais

O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ÁGUAS DO VOUGA

O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ÁGUAS DO VOUGA O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ÁGUAS DO VOUGA Ana CAMACHO 1, Fausto OLIVEIRA 2 RESUMO O Sistema de Gestão da Qualidade da empresa Águas do Vouga foi implementado com o objectivo de melhoria da eficácia

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

31ª Reunião Comissão de Acompanhamento

31ª Reunião Comissão de Acompanhamento 31ª Reunião Comissão de Acompanhamento Apresentação do projecto 2001/PT/16/C/PE/007 Sistema Multimunicipal de abastecimento de água e de saneamento de Raia, Zêzere e Nabão Índice 1. Apresentação da Águas

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

Prognos SMART OPTIMIZATION

Prognos SMART OPTIMIZATION Prognos SMART OPTIMIZATION A resposta aos seus desafios Menos estimativas e mais controlo na distribuição A ISA desenvolveu um novo software que permite o acesso a dados remotos. Através de informação

Leia mais

O PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA EMPRESA ÁGUAS DO VOUGA

O PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA EMPRESA ÁGUAS DO VOUGA O PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA EMPRESA ÁGUAS DO VOUGA Ana CAMACHO 1, Fausto OLIVEIRA 2 RESUMO A aplicação de princípios de avaliação e de gestão de riscos, complementa o controlo realizado através da monitorização

Leia mais

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal A Evolução dos Serviços de Água em Portugal AcquaLifeExpo Lisboa, 22-25 de Março de 2012 Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º 1600-209 LISBOA - PORTUGAL www.ersar.pt Tel.:

Leia mais

FERRAMENTAS E SOLUÇÕES DE APOIO À GESTÃO E MANUTENÇÃO DE ATIVOS

FERRAMENTAS E SOLUÇÕES DE APOIO À GESTÃO E MANUTENÇÃO DE ATIVOS FERRAMENTAS E SOLUÇÕES DE APOIO À GESTÃO E MANUTENÇÃO DE ATIVOS Ivo BRAGA 1 RESUMO Os Serviços de manutenção exigem cada vez mais um elevado nível de complexidade. Mesmo a nível local onde o grau de especialização

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Palavras-chave: Prioritização de Investimentos; Gestão de Activos; Matriz Multicritério; Rede de Distribuição; Sistema de Informação Geográfica.

Palavras-chave: Prioritização de Investimentos; Gestão de Activos; Matriz Multicritério; Rede de Distribuição; Sistema de Informação Geográfica. GESTÃO DE ACTIVOS Palavras-chave: Prioritização de Investimentos; Gestão de Activos; Matriz Multicritério; Rede de Distribuição; Sistema de Informação Geográfica. A EPAL caracteriza-se por ser uma empresa

Leia mais

A Gestão Patrimonial de Infraestruturas de água e saneamento em Portugal e a sua importância

A Gestão Patrimonial de Infraestruturas de água e saneamento em Portugal e a sua importância A Gestão Patrimonial de Infraestruturas de água e saneamento em Portugal e a sua importância João Paulo Leitão Investigador pós-doutoramento Cantanhede, 29 julho 2013 LNEC 1 Estrutura da apresentação O

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

GESTÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS

GESTÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS GESTÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS GESTÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS O SETOR Antes de 1993, a situação global dos serviços de abastecimento público de água e saneamento de águas residuais

Leia mais

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Agenda Enquadramento dos consumos Energéticos nos Edifícios e no ramo Hoteleiro Enerbiz Conceito Geral e explicação funcional Conclusões e Aspetos Gerais Índice Enquadramento

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA Tiago PARENTE 1 Fausto OLIVEIRA 2, RESUMO A promoção pela eficiência energética tem sido uma das medidas impostas pelas actuais políticas europeias com o objectivo

Leia mais

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas Aula 03 : Norma NBR ISO 9001 Ghislaine Miranda Bonduelle NORMALIZAÇÃO DA QUALIDADE ISO IEC Internacional Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT Regional Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE Nacional

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS ACOMPANHAMENTO AMBIENTAL DE OBRA Luísa Pinto Maio. 2008, Tektónica Lisboa O que é? Definição, aplicação ou fiscalização da aplicação de medidas de gestão ambiental, incluindo

Leia mais

A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre. 2014 saneamento na rede Rio de Janeiro, 19 de maio 2010

A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre. 2014 saneamento na rede Rio de Janeiro, 19 de maio 2010 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 2014 saneamento na rede Rio de Janeiro, 19 de maio 2010 Foto João Fiorin Lago Guaíba - Porto Alegre - RS PERFIL DA INSTITUIÇÃO: atende 100%

Leia mais

Plano Geral de Emergência da EPAL, S.A. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 02 / 2014-09-29

Plano Geral de Emergência da EPAL, S.A. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 02 / 2014-09-29 Plano Geral de Emergência da EPAL, S.A. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 02 / 2014-09-29 índice 1. DISPOSIÇÕES ADMINISTRATIVAS DO PLANO GERAL DE EMERGÊNCIA...4 1.1 INTRODUÇÃO...4

Leia mais

Benefícios da Certificação para a Administração Pública

Benefícios da Certificação para a Administração Pública Benefícios da Certificação para a Administração Pública Hélder Estradas, 7 de Maio de 2008 Agenda 1 - Resumo Histórico da Certificação em Portugal; 2 - Vantagens da Certificação; 3 - Processo de Certificação.

Leia mais

Relatório da Missão do PNQS 2013 a Portugal

Relatório da Missão do PNQS 2013 a Portugal Relatório da Missão do PNQS 2013 a Portugal Abastecimento de Água de Lisboa EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres S/A ETA ASSEICEIRA Fotos opcionais Lisboa Quinta feira, 12 Dez 2013 Grupo 4 Nome Empresa

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Gestão de Perdas. Glauco Montagna

Gestão de Perdas. Glauco Montagna Gestão de Perdas Glauco Montagna Agenda 1. A perda de água 2. Gestão de perda de água 3. Redes de água inteligentes 4. Caso de Sucesso Componentes (1) Componentes (2) A perda de água é a somatória de:

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

A Normalização e a Gestão do Risco

A Normalização e a Gestão do Risco A Normalização e a Gestão do Risco ISO 26000 e a Gestão do Risco 22 de Maio 2014 João Simião Algumas reflexões para partilhar 2 Curiosidades sobre riscos Sabia que o termo risco (risk) é referido em 141

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações METODOLOGIA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES ORIGEM Departamento de

Leia mais

Alimentamos Resultados

Alimentamos Resultados Alimentamos Resultados www..pt Somos uma equipa que defende que cada empresa é única, tem as suas características e necessidades e por isso cada projeto é elaborado especificamente para cada cliente. Feed

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Água e Resíduos. Que Futuro? No Mundo e em Portugal. António Jorge Monteiro a.j.monteiro@engidro.pt

Água e Resíduos. Que Futuro? No Mundo e em Portugal. António Jorge Monteiro a.j.monteiro@engidro.pt Água e Resíduos. Que Futuro? No Mundo e em Portugal António Jorge Monteiro a.j.monteiro@engidro.pt Evolução Recente do Setor em Portugal Evolução do setor da água em Portugal desde 1993 População com acesso

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

Certificação das Entidades de Acção Social. Soluções e Desafios. rita.porto@apcer.pt Lisboa, 11 de Dezembro. Orador: www.apcer.pt.

Certificação das Entidades de Acção Social. Soluções e Desafios. rita.porto@apcer.pt Lisboa, 11 de Dezembro. Orador: www.apcer.pt. Certificação das Entidades de Acção Social Soluções e Desafios rita.porto@apcer.pt Lisboa, 11 de Dezembro www.apcer.pt AGENDA 0. Apresentação da actividade da APCER 1. Actuais exigências e necessidades

Leia mais

CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS

CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS JOÃO COELHO RITA ALMEIDA ALICE GANHÃO ANA SANTOS JOÃO FELICIANO Conferência Nacional de Geodecisão Escola

Leia mais

ThyssenKrupp Elevadores

ThyssenKrupp Elevadores ThyssenKrupp Elevadores ,, Temos à sua disposição uma rede de delegações que nos permite estar próximos dos nossos clientes. Todos os nossos colaboradores são formados e estão empenhados em fornecer um

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação

Leia mais

Grandes Opções do Plano 2013-2016

Grandes Opções do Plano 2013-2016 Grandes Opções do Plano 2013-2016 Plano Plurianual de Investimentos 2013-2016 O Grupo Águas de Portugal apresentou aos Municípios do Oeste, no segundo semestre de 2009, as possibilidades de constituição

Leia mais

Consultoria Presencial

Consultoria Presencial Consultoria Presencial A Qi Consultoria Tem profissionais responsáveis por mais de 80 implementações e certificações de sucesso em todo tipo de seguimento, isso quer dizer que; A QI Consultoria possui

Leia mais

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho Patrícia Serra 1 Objetivos das Auditorias ao SGSST Verificar se o SG cumpre eficazmente a política, os objetivos e metas definidos pela organização

Leia mais

A Importância e o Papel Central do SIG- Empresarial da EP na Gestão de Infraestruturas Rodoviárias

A Importância e o Papel Central do SIG- Empresarial da EP na Gestão de Infraestruturas Rodoviárias A Importância e o Papel Central do SIG- Empresarial da EP na Gestão de Infraestruturas Rodoviárias Rui Ribeiro e Luís Correia EP Gabinete de Sistemas de Informação Agenda Os Sistemas de Informação na EP

Leia mais

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal Eficiência dos sistemas de abastecimento de água para consumo humano WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal IPQ, 9 de abril de 2014 Os serviços

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

A INFORMAÇÃO AO SERVIÇO DA ENTIDADE GESTORA E DO UTILIZADOR

A INFORMAÇÃO AO SERVIÇO DA ENTIDADE GESTORA E DO UTILIZADOR A INFORMAÇÃO AO SERVIÇO DA ENTIDADE GESTORA E DO UTILIZADOR José AGOSTINHO 1 ; Paulo OLIVEIRA 2 ; RESUMO Na era das Tecnologias da Informação, qualquer Entidade Gestora só consegue efetivamente gerir uma

Leia mais

Protecção e Revestimentos de Betão, Lda.

Protecção e Revestimentos de Betão, Lda. Protecção e Revestimentos de Betão, Lda. A NOSSA HISTÓRIA A aplitinta surge no mercado em Março de 1990 com a actividade principal de Pinturas de Construção Civil, apoiada na consolidação profissional

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas)

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas) CURSO DE GESTÃO DE VENDAS Inedem- Apotec Outono 2007 25 e 26 de Setembro 9h00 às 18h30 Dirigido a gestores da área financeira com necessidade de ferramentas informáticas de elevada eficácia na avaliação

Leia mais

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Sustentabilidade (visões): -Económica -Ambiental -Social Reabilitação Urbana (Dec.-Lei nº307/2009): Intervenção integrada sobre o tecido urbano existente,

Leia mais

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code Dream Energis Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia Dream Code Como podemos ajudá-lo a poupar energia? Estimativa de18% de poupança de energia todos os

Leia mais

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água no Mundo Como pode a PPA contribuir para uma melhor consolidação.

Leia mais

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis 10ª Semana da Responsabilidade Social Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis Enquadramento geral No mundo de hoje todas as sociedades têm ambições

Leia mais

Estrutura da ERI. Administração. Direção Geral. Qualidade, Ambiente e Segurança. Comercial & Marketing. Departamento de Compras

Estrutura da ERI. Administração. Direção Geral. Qualidade, Ambiente e Segurança. Comercial & Marketing. Departamento de Compras At tud p rm t! ERI Engenharia SA A ERI Engenharia S.A. é uma empresa que está no mercado desde 1995. A nossa estratégia de actuação pauta-se pela flexibilidade e ajustamento face às necessidades e exigências

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL (ARTIGO 13(6) DO REGULAMENTO 347/2013 1 ) Setembro 2015 1 Regulamento (UE) N.º 347/2013

Leia mais

Varela & Cª, Lda. Sistemas de Gestão Ambiental. Ambientes Insulares. Sector Ambiente. Ferramentas de Gestão Ambiental para PME s Ponta Delgada - 2012

Varela & Cª, Lda. Sistemas de Gestão Ambiental. Ambientes Insulares. Sector Ambiente. Ferramentas de Gestão Ambiental para PME s Ponta Delgada - 2012 Sistemas de Gestão Ambiental Ambientes Insulares Marco Lopes Varela & Cª, Lda Sector Ambiente 2 1 Varela & Cª, Lda Iniciou a sua actividade como Operador de Gestão de Resíduos em 2004; Certificação de

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto 1 A evolução do pensamento ambiental Crescimento é o que importa (que venha a poluição...) Conscientização (década

Leia mais

GRAIS GRUPO DE REFLEXÃO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO SOCIAL. 27 de janeiro 2015

GRAIS GRUPO DE REFLEXÃO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO SOCIAL. 27 de janeiro 2015 GRAIS GRUPO DE REFLEXÃO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO SOCIAL 27 de janeiro 2015 EVERIS A NOSSA FORMA DE ESTAR Utilizamos o nosso conhecimento adquirido enquanto empresa de consultoria em prol da sociedade

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

Auditoria Interna e Governança Corporativa

Auditoria Interna e Governança Corporativa Auditoria Interna e Governança Corporativa Clarissa Schüler Pereira da Silva Gerente de Auditoria Interna TUPY S.A. Programa Governança Corporativa Auditoria Interna Desafios para os profissionais de auditoria

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

O case study da aplicação da plataforma NAVIA no processo de fusão da Águas do Noroeste

O case study da aplicação da plataforma NAVIA no processo de fusão da Águas do Noroeste A IMPORTÂNCIA DE UMA PLATAFORMA AGREGADORA DE PROCESSOS NA GESTÃO OPERACIONAL DE UM SISTEMA MULTIMUNICIPAL O case study da aplicação da plataforma NAVIA no processo de fusão da Águas do Noroeste Liliana

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011

Leia mais

Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética ÍNDICE Visão Geral das Perdas na SABESP Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética Benefícios do Programa Visão Geral das

Leia mais

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Pág. 1 5 Designação legal da Organização: Municipio do Sátão. Instalações auditadas: Paços do Concelho, na Praça Paulo VI, Oficina e Armazém na Zona Industrial e Obra (Bem ou serviço nº 525) "valetas em

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS www.tterra.pt tp@tterra.pt «Os sistemas de gestão baseiam-se em senso comum (...) os que funcionam melhor são os mais simples.» S.L.Jackson Gestão Ambiental

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

A Acreditação como Requisito num Laboratório de Referência

A Acreditação como Requisito num Laboratório de Referência A Acreditação como Requisito num Laboratório de Referência Departamento Saúde Ambiental Natália Faria; Teresa Anacleto Dia do INSA 29-09-2009 ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS (NP EN ISO/IEC 17025:2005) Requisitos

Leia mais

REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA

REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA 20120717 REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA 1. Refer: Gestor da Infraestrutura Ferroviária 2. Caracterização da Actividade de Manutenção

Leia mais

Capítulo I Introdução à gestão da manutenção Capítulo II Terminologia, definições e conceitos

Capítulo I Introdução à gestão da manutenção Capítulo II Terminologia, definições e conceitos Prefácio XIII Nota do Autor XV Capítulo I Introdução à gestão da manutenção 1 1.1. A manutenção 2 1.2. A gestão 4 1.3. Gestão da manutenção 5 1.4. Custos de manutenção 7 1.5. Software de gestão da manutenção

Leia mais

REENGENHARIA PARTE I

REENGENHARIA PARTE I REENGENHARIA PARTE I Introdução O que é a REENGHENHARIA? De acordo com a definição original de Hammer e Champy, a reengenharia é a Implementação de mudanças radicais que, ao redesenhar os processos de

Leia mais

Qpoint Rumo à excelência empresarial

Qpoint Rumo à excelência empresarial Qpoint Rumo à excelência empresarial primavera bss A competitividade é cada vez mais decisiva para o sucesso empresarial. A aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance dos processos organizacionais

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Agenda Introdução aos Sistemas de Gestão de Energia Princípios da ISO 50001 Relação entre a ISO 50001 e outras normas como a ISO 14001 ou a ISO 9001 2 O problema económico

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

Aplicação do Regime de. Armazenagem, Distribuição e Comercialização de Produtos Petrolíferos. Marisa Silva

Aplicação do Regime de. Armazenagem, Distribuição e Comercialização de Produtos Petrolíferos. Marisa Silva Aplicação do Regime de Responsabilidade Ambiental Armazenagem, Distribuição e Comercialização de Produtos Petrolíferos Marisa Silva Lisboa, 11 de Outubro de 2011 Aplicação do Regime de Responsabilidade

Leia mais

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa : Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa José Manuel Viegas CESUR- Instituto Superior Técnico; e TIS.pt, consultores em Transportes Inovação e Sistemas, s.a. Workshop APDR Impacto dos Aeroportos

Leia mais

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção Índice 1. Introdução. 3 2. PROM&E GROUP.... 4 3. Building Management Organograma. 6 3.1 Project Management 7 3.2 Gestão Manutenção.. 16 3.3 Otimização

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SUAS INTERFACES COM O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DA BAHIA

A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SUAS INTERFACES COM O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DA BAHIA A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SUAS INTERFACES COM O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DA BAHIA Hosana Gaspar dos Santos II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 55: Gestão do meio ambiente A CERTIFICAÇÃO

Leia mais

CONSULTORIA AMBIENTAL E CONSTRUÇÃO CIVIL

CONSULTORIA AMBIENTAL E CONSTRUÇÃO CIVIL CONSULTORIA AMBIENTAL E CONSTRUÇÃO CIVIL A EMPRESA A PROXXAMBIENTAL atua no ramo de meio ambiente oferecendo soluções para os problemas ambientais de sua empresa, buscando o desenvolvimento sustentável.

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Qualidade no Terceiro Sector A Importância da Certificação. 06 de Março de 2010 Hotel Fátima. Orador: Local e Data:

Qualidade no Terceiro Sector A Importância da Certificação. 06 de Março de 2010 Hotel Fátima. Orador: Local e Data: Qualidade no Terceiro Sector A Importância da Certificação 06 de Março de 2010 Hotel Fátima AGENDA I. Enquadramento da actividade da APCER II. III. Modelos de Avaliação da Qualidade das Respostas Sociais

Leia mais

CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI)

CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) «Para um serviço de excelência» 2015 1. OBJETIVO Pelo Despacho n.º 9/2014, de 21 de novembro, do Diretor-Geral da Administração da Justiça

Leia mais

República de Moçambique Ministério das Obras Públicas e Habitação. ABASTECIMENTO DE ÁGUA NAS PRINCIPAIS CIDADES Projectos e Cooperação

República de Moçambique Ministério das Obras Públicas e Habitação. ABASTECIMENTO DE ÁGUA NAS PRINCIPAIS CIDADES Projectos e Cooperação República de Moçambique Ministério das Obras Públicas e Habitação ABASTECIMENTO DE ÁGUA NAS PRINCIPAIS CIDADES Projectos e Cooperação Pedro Paulino Maio 2013 CONTEÚDO 1. CONTEXTO INSTITUCIONAL: Quadro

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Gestão de Imóveis Property & Asset Management. Acrescentamos valor aos imóveis que gerimos

Gestão de Imóveis Property & Asset Management. Acrescentamos valor aos imóveis que gerimos Gestão de Imóveis Property & Asset Management Acrescentamos valor aos imóveis que gerimos A excelência e o fator diferenciador estão patentes na abordagem proativa da JLL Onde atuamos Premium Assets Escritórios

Leia mais