de Saneamento Básico do Município de

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "de Saneamento Básico do Município de"

Transcrição

1 Plano de Desenvolvimento para o Sistema de Saneamento Básico do Município de Mossoró

2 DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL A apresentação se dará em duas etapas: 1ª etapa - Resultado da Análise Técnico- operacional 2ª etapa Resultado da Análise Econômico-financeira 2

3 ANÁLISE TÉCNICO-OPERACIONAL Visitasit Técnicas Sistema de Abastecimento de Água Estação de Tratamento de Água do Açu. Poços de Abastecimento de Água de Mossoró. Sistema de Esgotamento Sanitário ETE Cajazeiras (lagoa ) 3

4 INFORMAÇÕES POPULACIONAIS Referência SNIS, Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: ANO População Total (hab) Taxa de Crescimento Populacional (%) População Urbana (hab) Taxa de Crescimento Populacional (%) Percentual de População Urbana (%) (%) (%) , , ,20 93, , ,17 93, , ,74 93, , ,01 93, , ,09 93, , ,07 93, , ,15 91,40 A taxa média de crescimento populacional observada no período de 2000 a 2007 foi de 1,46% no Município de Mossoró e de 1,20%, respectivamente, considerando-sese somente a população urbana. 4

5 INDICADORES SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Taxa de População Percentual da População Crescimento Urbana População ANO Urbana Populacional Atendida Água Atendida Água (hab) (%) (hab) (%) , , , , , , , , , , , , , , ,82 Fonte: SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento 5

6 INDICADORES SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Ligações de Água ANO Índice Ativas Totais Ativas hidrometração Micromedidas (%) , , , , , , , ,30 ANO Totais Ativas Economias de Água Ativas Micromedidas Residencial cadastrada Residencial ativa Residencial ativa micromedida Fonte: SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento 6

7 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Abastecimento realizado através da exploração de poços tubulares e também do rio Açu, pertencente à bacia hidrográfica do rio Piranhas-Assú, recebendo água da Adutora Jerônimo Rosado, com as seguintes características: diâmetro de 600 mm, em ferro fundido, com mais de 70 km de extensão; Capacidade de 400 l/s, porém, de acordo com informações repassadas pela CAERN, estima-se que somente 220 l/s chegam para Mossoró, o que corresponde a um nível de perdas na adução próximo a 40%; O sistema de adução, considerando água tratada e água bruta, totaliza aproximadamente 125 km de extensão. A barragem está localizada no rio Piranhas (também chamado rio Açu), 6 km a montante da cidade de Açu, no Rio Grande do Norte. 7

8 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Esquema do trajeto da Adutora Jerônimo Rosado desde a captação no rio Açu. Figura 1 8

9 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Exploração do aqüífero Açu: realizada através de poços com profundidades de metros em média; atualmente t é responsável por aproximadamente 60% do abastecimento t de água para consumo humano no Município de Mossoró; também é utilizado em irrigações. Atualmente o Sistema de Abastecimento de Água de Mossoró conta com quatorze poços que estão em funcionamento, além de um que está em recuperação (P17) e outro que está em fase de testes para início de sua operação (P27), totalizando dezesseis poços (75% da capacidade com mananciais subterrâneos). Ainda compõem o sistema, estações elevatórias de água tratadat eatualmente t estão em funcionamento 10 reservatórios. 9

10 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Poços existentes Denominação Operação Capacidade m³/h l/s P1 em funcionamento P2 em funcionamento P3 desativado P4 desativado P5 desativado P6 em funcionamento P7 desativado P8 em funcionamento P9 desativado P10 desativado P11 em funcionamento P12 desativado P13 desativado P14 desativado P15 em funcionamento P16 desativado P17 em recuperação P18 em funcionamento P19 em funcionamento P20 em funcionamento 30 8 P21 em funcionamento P22 em funcionamento P23 em funcionamento P24 em funcionamento P25 desativado P26 em funcionamento P27 em teste Total em funcionamento Total considerando: P17 (em recuperação) e P27 (teste)

11 PONTOS FRACOS SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA O aqüífero Açu: responsável por 60% do abastecimento com água potável; está em regime de exaustão (estudos SEMARH); caso o a exploração do aqüífero continue nos níveis atuais, este, provavelmente, alcançará o final da suavida útil em A localização do aqüífero Açu encontra-se na terceira formação, o que justifica a necessidade de perfuração de poços profundos (média de 1000 m). alto nível de perdas no sistema de adução através da adutora Jerônimo Rosado correspondendo a aproximadamente 40%. 11

12 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SANTA CRUZ DO APODI (Adutora de Santa Cruz) Obra prevista pela CAERN, que irá levar água da barragem do Apodi para Mossoró. Benefício para os municípios de Apodi, Felipe Guerra, Governador Dix-Sept Rosado e diversas comunidades rurais. Estima-se que a população atendida até o final do projeto será de 320 mil habitantes. Principal obra prevista para ser executada em curto prazo, relacionada à ampliação do Sistema de Abastecimento de Água existente, programada pela CAERN. A adutora terá 92 quilômetros de extensão e 600 milímetros de diâmetro; Implantação a partir da barragem de Santa Cruz; A obra pode possibilitar a elevação em 60% da atual oferta de água; Pode ser usada de maneira a substituir os poços profundos do aqüífero Açu que está em regime de exaustão (SEMARH). 12

13 BARRAGEM DE SANTA CRUZ DO APODI Concluída em 2002; O sítio barrável está localizado sobre o rio Apodi, na bacia do Apodi-Mossoró, no boqueirão denominado Santa Cruz, no município de Apodi; Distante 18 km a montante da sede do Município; Garantia de Abastecimento de água a habitantes; Beneficia um total de 27 cidades do alto oeste potiguar. 13

14 ALTERNATIVAS DE ENCAMINHAMENTO DAS ÁGUAS DA BARRAGEM DE SANTA CRUZ À MOSSORÓ Solução adotada transporte de água tratada ao longo da rodovia BR 405, que tem o objetivo principal ofertar água para a cidade de Mossoró, e secundariamente, atender as áreas urbanas de Apodi, Felipe Guerra, Dix-Sept Rosado e algumas comunidades rurais localizadas ao longo do percurso. Figura 3 14

15 ALTERNATIVAS DE ENCAMINHAMENTO DAS ÁGUAS DA BARRAGEM DE SANTA CRUZ À MOSSORÓ A CAERN considera que ao longo da adutora será necessária a implantação de quatro estações elevatórias que comporão o trecho por recalque do sistema adutor, finalizando uma longa extensão de tubulação por gravidade. Figura 4 Estações elevatórias 15

16 ALTERNATIVAS DE ENCAMINHAMENTO DAS ÁGUAS DA BARRAGEM DE SANTA CRUZ À MOSSORÓ A água captada da barragem será encaminhada à estação de tratamento de água, seguindo posteriormente, através de adutoras de água tratada para os reservatórios que garantirão a disponibilidade de água para todas as localidades. Ao chegar a Mossoró a água será armazenada em reservatórios de grandes capacidades que irão fornecer através de redes existentes e projetadas água para os reservatórios de menor capacidade localizados em pontos estratégicos. Figura 5 Redes existentes it t Redes projetadas Reservatórios Existentes Reservatórios Projetados Adutora Santa Cruz Adutora Jerônimo Rosado 16

17 INTERVENÇÕES COMPLEMENTARES À ADUTORA SANTA CRUZ As redes de distribuição existentes, afetadas por acúmulo de aragonita e outros elementos calcários, serão substituídas garantindo a vazão hídrica projetada e a qualidade da água fornecida, conforme padrões legais estabelecidos. Está prevista a substituição da estação de tratamento existente, que recebe a água da barragem do Açu através da adutora Jerônimo Rosado, por uma estação de tratamento convencional. Figura 6 Modelo Proposto da Estação de Tratamento de Água Convencional 17

18 INTERVENÇÕES COMPLEMENTARES À ADUTORA SANTA CRUZ O abastecimento t de água em Mossoró será divididoidid em dois grandes sistemas de distribuição, considerando a cidade dividida pelo rio Apodi- Mossoró. A margem esquerda será abastecida com a água proveniente do sistema adutor da barragem de Santa Cruz. Amargem direita será atendida pela captação na barragem do Açu e sistema adutor através da adutora Jerônimo Rosado. Com estas intervenções, Mossoró terá seu abastecimento com água potável garantido até o ano de 2028 (CAERN). Previsão de investimento de R$ 170 milhões R$ 105 milhões serão destinados para a implantação do sistema adutor da barragem de Santa Cruz; R$ 65 milhões serão aplicados em melhorias e ampliação do sistema de distribuição existente. 18

19 INDICADORES SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO ANO População Percentual da Taxa de População Urbana População Crescimento Urbana Atendida Atendida Populacional (hab) Esgoto Esgoto (%) (hab) (%) , , , , , , , , , , , , , , ,26 ANO Ligações Totais de Esgoto Ligações Ativas de Esgoto Economias de Esgoto Ativas Volumes de Esgoto Coletado Ativas Coletado Tratado Faturado Residenciais m³/ano m³/ano m³/ano Fonte: SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento 19

20 SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO O Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento indica um índice de atendimento à população do Município com sistema de esgotamento sanitário próximo a 32%. As áreas urbanas com este padrão de esgotamento experimentam problemas crescentes de saúde pública na mesma medida em que aumenta a extensão e a densidade da área urbanizada. Atualmente, há cinco unidades de tratamento no município: a ETE das Cajazeiras, a ETE Vingt-Rosado, a ETE Lagoa das Malvinas, a ETE Marechal Dutra e a ETE Rincão. Ainda compõem o Sistema de Esgotamento Sanitário seis estações elevatórias para atendimento de toda a área da cidade atualmente beneficiada. 20

21 SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO 21

22 PONTOS FRACOS SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO O principal i problema do Sistema de Esgotamento t Sanitário i nomunicípio i de Mossoró é o baixo nível de atendimento à população. Esta condição demonstra que são necessárias várias intervenções e investimentos relacionados ao Sistema de Esgotamento Sanitário do Município, de modo a buscar a universalização deste serviço, como preconiza a Lei Federal nº /07, que é o marco regulatório do setor de saneamento básico. Destaca-se, ainda, que devem ser realizadas melhorias e ampliações nas unidades existentes, visando garantir uma prestação adequada do serviço, como estabelecido na Lei acima referida. 22

23 OBRAS EM ANDAMENTO E PROGRAMADAS PARA O SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Segundo informações obtidas no site da Concessionária i CAERN em 24/03/2010, a Concessionária prossegue com a execução das obras de ampliação e melhorias do saneamento de Mossoró. Os trabalhos são intensificados no Sistema de Tratamento de Esgotos nas localidades de Pedrinhas, próximo ao aterro sanitário, e Cajazeiras, em Barrocas. Também está sendo implantado um emissário para o transporte dos dejetos e troca do coletor-tronco. tronco Outras melhorias no saneamento de Mossoró estão sendo implantadas ou estão programadas para serem realizadas em curto prazo pelo Governo do Estado, em convênio com a Caixa Econômica Federal, beneficiando 136 mil pessoas em diversas localidades da cidade. 23

24 OBRAS EM ANDAMENTO E PROGRAMADAS PARA O SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Em Barrocas, a Estação Elevatória I, localizada na Avenida Marechal Deodoro, será ampliada e terá aestrutura t física modernizada. d Será construído também um emissário para o transporte dos esgotos até as lagoas de tratamento e novos equipamentos instalados no local. Para levar os esgotos do centro de Mossoró até a Estação Elevatória, a CAERN pretende construir um novo coletor tronco com maior capacidade, medindo mais de dois mil metros de extensão, para atender a demanda. Ainda segundo osite da CAERN, aete das Cajazeiras está sendo ampliada e modernizada. As obras correspondem à implantação de três novas lagoas, sendo uma facultativa e duas de maturação, com investimento total de R$ 19 milhões. Após a conclusão do emissário com metros de extensão, a CAERN vai instalar novas bombas na Estação Elevatória de Barrocas, para atender as seguintes localidades: lid d Loteamento t Termas, Loteamento t Tê Três Vinténs, Bairro Santa Delmira, Bairro Santo Antônio, Gurilândia, Abolição I, Abolição II, Bairro Barrocas, bairro Bom Jardim, Paredões, Centro da cidade, Nova Betânia, Doze Anos, Boa Vista, Alto da Conceição, Belo Horizonte e adjacências. 24

25 UNIVERSALIZAÇÃO DO SISTEMA DE ESGOTOS A CAERN informou que com a conclusão das obras em andamento será possível o atendimento a aproximadamente 75% da população urbana do Município de Mossoró com Sistema de Esgotamento Sanitário. A FGV destaca que o alcance deste índice de atendimento é importante e melhora significativamente a situação do Município quanto ao atendimento à população com Sistema de Esgotamento Sanitário, colocando o Município de Mossoró entre os melhores do Estado do Rio Grande do Norte neste quesito. A FGV sugere a busca do índice de 90% de atendimento, de maneira a proporcionar a quase universalização adequada prestação deste serviço. 25

26 ANÁLISE PROSPECTIVA ESTUDO DE DEMANDA DE ÁGUA Produção Atual de Água ANO Produzido m³/ano Tratado em ETAs m³/ano Volumes de água Consumido m³/ano Faturado m³/ano Macromedido m³/ano Micromedido m³/ano No quadro a seguir, são apresentadas as informações repassadas pela CAERN, para o período 2004 a 2008: ANO Volume Produzido m³/ano Volume Faturado m³/ano Informações da CAERN Volume Micromedido m³/ano Hidrômetros Instalados Ligações Ativas Índice de Micromedição (%) , , , , ,65 26

27 PARÂMETROS PARA PROJEÇÃO DAS DEMANDAS Consumo per capita: Para a determinação do consumo per capita, a FGV considerou a média observada no período de 2000 a 2007, obtida através dos valores referentes aos volumes consumidos e a população atendida. (Fonte: SNIS) Volumes Consumidos e População Atendida Ano Volume População Consumo per Consumido atendida capita (l/dia) (habitantes) t (l/hab.dia) Média

28 EVOLUÇÃO DAS DEMANDAS PARA O MUNICÍPIO Projeções de Demandas de Água para um período de 30 anos, apresentadas na tabela a seguir, fundamentadas no crescimento populacional esperado e, principalmente, por ações que visam à redução das perdas, sendo esta indispensável para a prestação dos serviços em regime de eficiência. ANO População Total (habitantes) População Urbana (habitantes) Nível de Atendimento (%) População Urbana Atendida (habitantes) PER CAPITA (l/hab.dia) PER CAPITA INCLUINDO PERDAS (l/hab.dia) PERDAS k1 k2 Vazão média diária (m³/dia) Vazão máxima diária (l/s) Vazão máxima horária (l/s) , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % 1,20 1, , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % , ,30 28

29 ESTUDO DAS CONTRIBUIÇÕES DE ESGOTO Foram elaboradas Projeções de Contribuições de Esgoto para um período de 30 anos, apresentadas na tabela a seguir, fundamentadas no crescimento populacional esperado. ANO População Urbana [habitantes] Nível de Atendimento (%) População Urbana Atendida [habitantes] PER CAPITA PER CAPITA de ESGOTO [l/hab.dia] DE ESGOTO INCLUINDO Infiltração (%) k1 k2 Infiltração [l/hab.dia] Coeficiente de Retorno Vaz ão média Vazão média SANITÁRIA + SANITÁRIA + INFILTRAÇÃO INFILTRAÇÃO [m³/dia] [L/s] ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0, ,2 1,5 0,

30 PRINCIPAIS INTERVENÇÕES RECENTES Segundo informações obtidas junto aofemurn - Federação dos Municípios i do Rio Grande do Norte e ao TRE/RN - Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte em 12/03/2010, são as seguintes intervenções realizadas recentemente nos Sistemas de Água e Esgoto do Município: Ampliação de estação elevatória de esgoto: Investimento R$ 690 mil. Implantação do sistema de abastecimento de água do Distrito Industrial de Mossoró: Investimento de R$ 205 mil. Construção de adutora interligando o poço 26 ao conjunto habitacional Ving Rosado: Investimento de R$ 368 mil. 30

31 PRINCIPAIS INTERVENÇÕES RECENTES Instalação de dessalinizador na comunidade Barreira Vermelha e perfuração de poço no assentamento Santa Rita de Cássia, Paulo Freire, Posto Foscal e assentamento Fartura: Investimento de R$ 114,7 mil. Execução da rede de distribuição de água (1ª etapa), adutora, reservatório elevado de 100 m³ e recuperação da estação elevatória do P25, com aquisição de materiais para o Distrito Industrial: Investimento de R$ 694 mil. Ampliação da rede coletora de esgotos nos bairros de Alto de São Manoel, Planalto 13 de maio e parte de Sumaré, beneficiando 12 mil habitantes (1ª etapa): Investimento de R$ 4,9 milhões. 31

32 PRINCIPAIS INTERVENÇÕES RECENTES Ampliação da rede coletora de esgotos nos bairros de Alto de São Manoel, Planalto 13 de maio e parte de Sumaré, beneficiando 13 mil habitantes (2ª etapa): Investimento de R$ 17,1 milhões. (60% em andamento). Melhoria e ampliação do sistema de esgotamento sanitário da cidade (obra do PAC): Investimento de R$ 19,7 milhões. (22,9% executada, paralisada, em readequação na Caixa Econômica Federal). 32

33 RECOMENDAÇÕES DA FGV Aumento da Produção do Sistema de Abastecimento de Água A CAERN propõe, a implantação da adutora de Santa Cruz. a FGV sugere, ao invés da implantação imediata desta adutora, que sejam tomadas medidas de melhorias e ampliações nas unidades d existentes, t postergando grandes obras e, conseqüentemente, grandes investimentos. A universalização da prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de Mossoró está condicionada a realização de três séries de ações distintas: Fase I - conclusão das obras em andamento e de curto prazo; Fase II - implantação de um efetivo programa de redução de perdas e de melhorias e adequações ao sistema existente de abastecimento de água; Fase III - implantação do sistema de esgotamento sanitário da área urbana. 33

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator 3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator primordial para o desenvolvimento do turismo sustentável.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DO CONSUMIDOR E USUÁRIOS DE SERVIÇOS PÚBLICOS NOVO GAMA 1-ABASTECIMENTO DE ÁGUA

MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DO CONSUMIDOR E USUÁRIOS DE SERVIÇOS PÚBLICOS NOVO GAMA 1-ABASTECIMENTO DE ÁGUA NOVO GAMA 1-ABASTECIMENTO DE ÁGUA Responsável Técnico - SANEAGO Mário João de Souza (62) 3243-3126 Concessionária: Saneago População: 88.835 População atendida: 85,20% Índice da região Centro-Oeste 89.50%

Leia mais

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA)

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) SUMÁRIO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES... 4 1. SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA...

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O Realização: P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V III R E L A T Ó R I O S O B R E O S I N D I C A D O R E S D E D E S E M P E N H O D O P L A N O M U N I C I P A

Leia mais

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade )

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade ) 3.2 UBÁ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul O sistema de abastecimento de água de Ubá é operado e mantido pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA,

Leia mais

R E L A T Ó R I O R E S U M I D O D E G E S T Ã O C O N T R O L E D E M E T A S

R E L A T Ó R I O R E S U M I D O D E G E S T Ã O C O N T R O L E D E M E T A S R E L A T Ó R I O R E S U M I D O D E G E S T Ã O C O N T R O L E D E M E T A S Ao Sr. Gilmar Santa Catharina Chefe da Controladoria Geral do Município Prefeitura Municipal de Caxias do Sul No contexto

Leia mais

Saneamento Básico Municipal

Saneamento Básico Municipal Saneamento Básico Municipal Apresentação COMISSÃO INTERNA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Componentes da Comissão Instituídos pela Portaria N 019/2015 e 031/2015. Carina Aparecida

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1918 (Primeiras unidades implantadas por Saturnino de Brito).

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1918 (Primeiras unidades implantadas por Saturnino de Brito). SISTEMA GURJAÚ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1918 (Primeiras unidades implantadas por Saturnino de Brito). UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 9% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

2º Balanço. Julho - Setembro 2011

2º Balanço. Julho - Setembro 2011 2º Balanço Julho - Setembro 2011 Amapá Apresentação O programa que mudou o Brasil agora está de cara nova. Mais recursos para continuar construindo a infraestrutura logística e energética e sustentar o

Leia mais

3.2. DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA)

3.2. DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) 3.2. DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) As unidades básicas que compõem o sistema de abastecimento de água são mananciais superficiais e subterrâneos e captação de água bruta, as estações

Leia mais

SISTEMA ALTO DO CÉU. INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1958 (Primeira etapa de obras).

SISTEMA ALTO DO CÉU. INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1958 (Primeira etapa de obras). SISTEMA ALTO DO CÉU INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1958 (Primeira etapa de obras). UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 10% do volume distribuído na Região Metropolitana do Recife, abrangendo

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil cristian sippel Diogo Angelo Stradioto Rio Grande Energia SA APS Engenharia de Energia

Leia mais

Análise da economicidade do Emprego de Tanques Sépticos como solução para a gestão dos esgotos sanitários de comunidades

Análise da economicidade do Emprego de Tanques Sépticos como solução para a gestão dos esgotos sanitários de comunidades Análise da economicidade do Emprego de Tanques Sépticos como solução para a gestão dos esgotos sanitários de comunidades 1. Contexto e Antecedentes: PROSAB 5 (2007/09): Tema 6 - Lodo de Fossa Séptica;

Leia mais

OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO

OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO SEMINÁRIO INTERNACIONAL PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO - PPPs e CONCESSÕES OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO Rio de Janeiro, 16 de Abril de 2012 Johnny Ferreira dos Santos Diretor de Água

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

Informativo Caema. Informativo Semanal da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão ANO I - N 19 - São Luís, 08 de outubro de 2015

Informativo Caema. Informativo Semanal da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão ANO I - N 19 - São Luís, 08 de outubro de 2015 Informativo Caema Informativo Semanal da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão ANO I - N 19 - São Luís, 08 de outubro de 2015 Caema monta maquete de estação de tratamento de água e apresenta ações

Leia mais

1 CONSUMO DE ÁGUA COMERCIAL PÚBLICO

1 CONSUMO DE ÁGUA COMERCIAL PÚBLICO 1 1 CONSUMO DE ÁGUA 1.1 USOS DA ÁGUA DOMÉSTICO (Residencial) COMERCIAL CLASSES DE CONSUMO INDUSTRIAL PÚBLICO PERDAS E FUGAS DOMÉSTICO (litros / habitante / dia) BEBIDAS E COZINHA 10 20 LAVAGEM DE ROUPA

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

RESOLUÇÃO TARIFÁRIA n.º 01/05

RESOLUÇÃO TARIFÁRIA n.º 01/05 RESOLUÇÃO TARIFÁRIA n.º 01/05 LUIZ AUGUSTO CASTRILLON DE AQUINO, PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO S/A SANASA - CAMPINAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

SÃO FRANCISCO 2010 R$ 3.800.000,00. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010

SÃO FRANCISCO 2010 R$ 3.800.000,00. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 SÃO FRANCISCO OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 2010 R$ 3.800.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 86.830 litros de leite, no período de Jan/2007 a Jul/2009 Custo: R$ 108 mil, beneficiando

Leia mais

9 PROGRAMAS, AÇÕES E PROJETOS PARA ATENDIMENTO DAS METAS

9 PROGRAMAS, AÇÕES E PROJETOS PARA ATENDIMENTO DAS METAS 161 9 PROGRAMAS, AÇÕES E PROJETOS PARA ATENDIMENTO DAS METAS 162 A partir das projeções apresentadas no capítulo anterior e para se considerar os elementos indicados no diagnóstico, foram estabelecidos

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE ITAPOÁ NAS ÁREAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE ITAPOÁ NAS ÁREAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE ITAPOÁ NAS ÁREAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E O QUE É? POR QUE ELABORAR O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO? É o principal instrumento para o planejamento

Leia mais

Plano de Desenvolvimento para o Sistema de Saneamento Básico do Município de Mossoró

Plano de Desenvolvimento para o Sistema de Saneamento Básico do Município de Mossoró Plano de Desenvolvimento para o Sistema de Saneamento Básico do Município de Mossoró Prefeitura Municipal de Mossoró Secretaria do Desenvolvimento Territorial e Ambiental Produto II Relatório Técnico I

Leia mais

ANEXO XIII - Termo de referência para contratação do projeto de redes de água. Avenida Professor Oscar Pereira

ANEXO XIII - Termo de referência para contratação do projeto de redes de água. Avenida Professor Oscar Pereira ANEXO XIII - Termo de referência para contratação do projeto de redes de água 1-Objetivo Avenida Professor Oscar Pereira Elaboração de projeto executivo para substituição/ampliação das redes de abastecimento

Leia mais

Conceitos básicos de um sistema de esgotamento sanitário. Kiosthenes Moreira Pinheiro Renato de Oliveira Fernandes

Conceitos básicos de um sistema de esgotamento sanitário. Kiosthenes Moreira Pinheiro Renato de Oliveira Fernandes Conceitos básicos de um sistema de esgotamento sanitário Kiosthenes Moreira Pinheiro Renato de Oliveira Fernandes 2/38 Esgotamento Sanitário no País PNSB 2008 Apenas quatro em cada dez domicílios brasileiros

Leia mais

ANEXO II ADMINISTRAÇÃO INDIRETA SERVIÇO AUTÔNOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO SAMAE CNPJ.02.460.512/0001-66

ANEXO II ADMINISTRAÇÃO INDIRETA SERVIÇO AUTÔNOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO SAMAE CNPJ.02.460.512/0001-66 ANEXO II ADMINISTRAÇÃO INDIRETA SERVIÇO AUTÔNOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO SAMAE CNPJ.02.460.512/0001-66 PRIORIDADES E METAS FISCAIS PARA OS EXERCÍCIOS DE 2010 A 2013 FONTE DA RECEITA: 76 RECEITAS ORGÃO:

Leia mais

CONSIDERANDO a necessidade do estabelecimento de procedimentos e critérios específicos para o licenciamento das obras de saneamento básico;

CONSIDERANDO a necessidade do estabelecimento de procedimentos e critérios específicos para o licenciamento das obras de saneamento básico; INSTRUÇÃO NORMATIVA 0001/2013-GAB Dispõe sobre o licenciamento dos sistemas públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, delineados para municípios com até 50.000 habitantes. O Secretário

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PANORAMA DO SANEAMENTO BÁSICO NO PAÍS

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PANORAMA DO SANEAMENTO BÁSICO NO PAÍS MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO 2007-2010 INFRA-ESTRUTURA SOCIAL E URBANA SANEAMENTO PANORAMA DO SANEAMENTO

Leia mais

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA Caxias do Sul Rio Grande do Sul 96 km POA região nordeste, altitude média 760 m População: 404.187 hab.ibge 2010 território: 165.731,00 ha; urbano: 13.344,00

Leia mais

Projeção de Demanda Sistema Cantareira. Diretoria Metropolitana - M Rua Nicolau Gagliardi, 313 Pinheiros São Paulo / SP

Projeção de Demanda Sistema Cantareira. Diretoria Metropolitana - M Rua Nicolau Gagliardi, 313 Pinheiros São Paulo / SP Projeção de Demanda Sistema Cantareira Diretoria Metropolitana - M Objetivo Este Relatório apresenta a proposta de vazões de transferência através do Túnel 5 do Sistema Cantareira - ponto de controle entre

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

MODELAGEM HIDRÁULICA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE SÃO GABRIEL DO OESTE / MS BRASIL

MODELAGEM HIDRÁULICA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE SÃO GABRIEL DO OESTE / MS BRASIL MODELAGEM HIDRÁULICA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE SÃO GABRIEL DO OESTE / MS BRASIL Ricardo Verde Selva Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Especialista em Administração.

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário 171 9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Com a finalidade de alcançar os objetivos e metas estabelecidas no PMSB de Rio Pardo sugerem-se algumas ações,

Leia mais

MIRANDÓPOLIS OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 30.362.000,00

MIRANDÓPOLIS OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 30.362.000,00 MIRANDÓPOLIS OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 30.362.000,00 ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA: Obras concluídas: reforma, adequação e ampliação na Penitenciária II de Mirandópolis, situado na Av. Dr. Oswaldo

Leia mais

Governador. Vice Governador. Secretário de Estado de Obras. Presidente da Companhia Estadual de Águas e Esgotos

Governador. Vice Governador. Secretário de Estado de Obras. Presidente da Companhia Estadual de Águas e Esgotos Governador Sergio Cabral Vice Governador Luiz Fernando de Souza Pezão Secretário de Estado de Obras Hudson Braga Presidente da Companhia Estadual de Águas e Esgotos Wagner Granja Victer ABRIL / 2013 PROGRAMAS

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS (POTIGÁS) RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO 2011

COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS (POTIGÁS) RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO 2011 COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS (POTIGÁS) RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO 2011 Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos para apreciação o Relatório da Administração

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente.

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente. Pelo presente instrumento particular, a COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE (CAERN), inscrita no CNPJ n.º 08.334.385/0001-35, com sede na Avenida Sen. Salgado Filho, n 1555, bairro Tirol,

Leia mais

Figura 50 - Decantadores de Etapa N 1 (esq.) e Etapa N 2 (dir.)

Figura 50 - Decantadores de Etapa N 1 (esq.) e Etapa N 2 (dir.) As unidades de decantação estão compostas por 2 decantadores em cada etapa, equipados com módulos tubulares para o aumento da taxa de decantação. Para homogeneizar a distribuição do fluxo de água, há um

Leia mais

Fundação Nacional de Saúde. Competências

Fundação Nacional de Saúde. Competências Competências A FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE (FUNASA), ÓRGÃO EXECUTIVO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, É UMA DAS INSTITUIÇÕES DO GOVERNO FEDERAL RESPONSÁVEL EM PROMOVER A INCLUSÃO SOCIAL POR MEIO DE AÇÕES DE SANEAMENTO

Leia mais

TÍTULO: Projeto de Automação e Controle de Recursos Hídricos

TÍTULO: Projeto de Automação e Controle de Recursos Hídricos TÍTULO: Projeto de Automação e Controle de Recursos Hídricos Nome dos Autores: Ricardo Luiz Rosa Cargo atual: Coordenador de Suporte Técnico Atua há 30 anos na área de informática Formação: Técnico especialista

Leia mais

COPA E SANEAMENTO MANAUS 2014 ENTENDENDO E SE FORTALECENDO

COPA E SANEAMENTO MANAUS 2014 ENTENDENDO E SE FORTALECENDO COPA E SANEAMENTO MANAUS 2014 ENTENDENDO E SE FORTALECENDO Arlindo Sales Pinto Diretor Técnico e Institucional PRINCIPAIS NÚMEROS BASE DEZ 2010 415 mil clientes água (96% de cobertura) 47 mil clientes

Leia mais

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Estação tratamento Efluentes Industriais Estação tratamento de água Estação tratamento Efluentes Doméstico Campanha interna Sistema de gestão de águas Fotos:

Leia mais

RELATÓRIO 2.1 ESTUDO DE DEMANDAS POR ROTA COMERCIAL

RELATÓRIO 2.1 ESTUDO DE DEMANDAS POR ROTA COMERCIAL 1 RELATÓRIO 2.1 ESTUDO DE DEMANDAS POR ROTA COMERCIAL 2 SUMÁRIO 2.1.1 OBJETIVOS DO RELATÓRIO 5 2.1.2 DISTRIBUIÇÃO DAS DEMANDAS ATUAIS 6 2.1.3 PREVISÃO DAS DEMANDAS FUTURAS POR ROTA / SEDE 15 2.1.4 PREVISÃO

Leia mais

ANEXO 2 TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO 2 TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 2 TERMO DE REFERÊNCIA INTRODUÇÃO Apresenta-se nesse Termo de Referência os objetivos, metas e prazos que a LICITANTE deve considerar em seus estudos para determinar o valor de sua oferta pela outorga

Leia mais

Integração do Rio São Francisco com as Bacias dos Rios Paraíba, Moxotó e Ipojuca (Eixo Leste)

Integração do Rio São Francisco com as Bacias dos Rios Paraíba, Moxotó e Ipojuca (Eixo Leste) Programa 1036 Integração de Bacias Hidrográficas Objetivo Integrar os recursos hídricos nas bacias com baixa disponibilidade de água, aumentando a oferta de água nessas bacias Justificativa Público Alvo

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 08 de Novembro de 2012 O que é o Brasil Rural? O Brasil Rural Diversidade: raças, origens étnicas, povos, religiões, culturas Conflitos: concentração de terra, trabalho

Leia mais

balanço 1Oº março >> junho 2014 A gente FAZ um brasil de oportunidades

balanço 1Oº março >> junho 2014 A gente FAZ um brasil de oportunidades balanço 1Oº março >> junho 2014 A gente FAZ um brasil de oportunidades Metrô de Salvador Linha 1 Trecho Lapa - Acesso Norte Salvador BA apresentação O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) completa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Delimitação dos núcleos urbanos

TERMO DE REFERÊNCIA. Delimitação dos núcleos urbanos TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO Este anexo especifica as normas técnicas e parâmetros de qualidade aplicáveis a prestação dos SERVIÇOS PÚBLICOS CONCEDIDOS, bem como as relações entre a CONCESSIONÁRIA

Leia mais

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS Porto Alegre-RS Brasil Conteúdo Desenvolvimento urbano e a fonte de impacto na gestão das águas As fases

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

I-162 - SISTEMA DE BONIFICAÇÃO PELO USO DA ÁGUA NO BAIRRO JESUS DE NAZARETH - UMA PROPOSTA PILOTO PARA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA.

I-162 - SISTEMA DE BONIFICAÇÃO PELO USO DA ÁGUA NO BAIRRO JESUS DE NAZARETH - UMA PROPOSTA PILOTO PARA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA. I-162 - SISTEMA DE BONIFICAÇÃO PELO USO DA ÁGUA NO BAIRRO JESUS DE NAZARETH - UMA PROPOSTA PILOTO PARA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA. Eliane Amite Alabrin (1) Janaina Anita Marques Gonçalves Graduanda

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO NA ZONA RURAL: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIOS DA REGIÃO AMAZÔNICA

DIAGNÓSTICO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO NA ZONA RURAL: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIOS DA REGIÃO AMAZÔNICA DIAGNÓSTICO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO NA ZONA RURAL: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIOS DA REGIÃO AMAZÔNICA Ricardo Silveira Bernardes (1) Engenheiro Civil. Mestre em Hidráulica e Saneamento. PhD pela Wageningen

Leia mais

MUNICÍPIO DE JARDINÓPOLIS SP

MUNICÍPIO DE JARDINÓPOLIS SP MUNICÍPIO DE JARDINÓPOLIS SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO RELATORIO DE ATIVIDADES BLOCO II MEDIÇÕES DE VAZÕES NOVEMBRO/2012 1 ÍNDICE 1. Apresentação... 03 2. Atividades Realizadas... 06 2.1. Medições

Leia mais

Vice-Presidência do Interior Depto. de Desenvolvimento e Controle Operacional do Interior

Vice-Presidência do Interior Depto. de Desenvolvimento e Controle Operacional do Interior 1. OBJETIVO O modelo de diagnóstico tem por objetivo o levantamento de dados que permitam retratar com máxima precisão a atual situação dos sistemas componentes das Unidades de Negócio e identificar seus

Leia mais

1 - Obras programadas

1 - Obras programadas 1 - Obras programadas 1.1 - Região Metropolitana Local: São Gonçalo Recuperação e melhoria na ETE São Gonçalo II com intervenções que visam: otimizar o processo de tratamento, bem como revisão dos equipamentos

Leia mais

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia SMAMA DDRGA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de

Leia mais

NOVO HORIZONTE. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 R$ 9.868.900,00

NOVO HORIZONTE. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 R$ 9.868.900,00 NOVO HORIZONTE OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 R$ 9.868.900,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 332.288 litros de leite, no período de Jan/2007 a Dez/2008 Custo: R$ 408 mil, beneficiando

Leia mais

RS 2030 - Texto de Referência 7 Balanço do Saneamento Básico no RS 1

RS 2030 - Texto de Referência 7 Balanço do Saneamento Básico no RS 1 RS 2030 - Texto de Referência 7 Balanço do Saneamento Básico no RS 1 O Saneamento Básico compreende o desenvolvimento dos serviços de abastecimento de água, coleta de esgoto sanitário e tratamento de efluentes,

Leia mais

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado:

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado: ANEXO VIII AO EDITAL DE LEILÃO Nº. 03/2010-ANEEL ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE FERREIRA GOMES A exploração da UHE Ferreira Gomes, pela Concessionária,

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

ATENÇÃO. Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental

ATENÇÃO. Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

ESPÍRITO SANTO DO TURVO OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2011-2014

ESPÍRITO SANTO DO TURVO OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2011-2014 DESENVOLVIMENTO SOCIAL: ESPÍRITO SANTO DO TURVO OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2011-2014 celebrado 1 convênio com a Prefeitura para atendimento a 50 idosos e 50 famílias R$ 14 mil. Programa Renda Cidadã estão sendo

Leia mais

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP.

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. Silvano Silvério da Costa * Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos SAAE Engenheiro

Leia mais

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia 26 de novembro de 2015 10h às 17h30 Sistema FIRJAN Rio de Janeiro Outorga e Cobrança de Recursos Hídricos Cátia Siqueira - INEA Encontro Gestão Eficiente de

Leia mais

Avança o processo de licenciamento do Sistema São Lourenço

Avança o processo de licenciamento do Sistema São Lourenço Avança o processo de licenciamento do Sistema São Lourenço O projeto Sistema Produtor São Lourenço (SPSL) está sendo licenciado por trechos, conforme o grau de complexidade, e o processo de licenciamento

Leia mais

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA:

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: 05/10/2015 1. Objetivo A expansão do sistema de abastecimento de

Leia mais

PROSAMIM NO CENTRO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA UM PROGRAMA DE MELHORIA AMBIENTAL E INCLUSÃO SOCIAL

PROSAMIM NO CENTRO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA UM PROGRAMA DE MELHORIA AMBIENTAL E INCLUSÃO SOCIAL UM PROGRAMA DE MELHORIA AMBIENTAL E INCLUSÃO SOCIAL Nome: Frank Abrahim Lima Formação: Economista Instituição: GOVERNO DO AMAZONAS Unidade de Gerenciamento do Programa Social e Ambiental dos Igarapés de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 2

MEMORIAL DESCRITIVO 2 R:\Senador Canedo\Produtos 2007\Projeto SAA\PROJETO BÁSICO ÁGUA\HIDRÁULICO\RELATÓRIO\0.doc MEMORIAL DESCRITIVO 2 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 18 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação

Leia mais

A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre. 2014 saneamento na rede Rio de Janeiro, 19 de maio 2010

A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre. 2014 saneamento na rede Rio de Janeiro, 19 de maio 2010 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 2014 saneamento na rede Rio de Janeiro, 19 de maio 2010 Foto João Fiorin Lago Guaíba - Porto Alegre - RS PERFIL DA INSTITUIÇÃO: atende 100%

Leia mais

Sciesp. Clipping 19.07. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1

Sciesp. Clipping 19.07. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 Sciesp Clipping 19.07 A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 DESTAK Desapropriações vão atingir 12 mil imóveis 19/07/2011 Até

Leia mais

2ª etapa. Discussão aprofundada de cada uma das propostas aprovadas para o Plano no 7º Fórum de Saneamento. Grupos de Trabalho

2ª etapa. Discussão aprofundada de cada uma das propostas aprovadas para o Plano no 7º Fórum de Saneamento. Grupos de Trabalho 7º Fórum de Saneamento e Meio Ambiente Grupos de Trabalho As propostas aprovadas são entendidas como desejos dos usuários que devem ser transformadas em diretrizes de gestão. Grupos de Trabalho 2ª etapa

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009 PSBJ- Programa de Saneamento da Barra da Tijuca, Jacarepaguá e Recreio dos Bandeirantes RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009 As obras (tanto as concluídas quanto as em andamento)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Consumo de Água DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Sistema de Abastecimento de Água

Leia mais

ÍNDICE 32. PROGRAMA DE APOIO AO SANEAMENTO BÁSICO... 2. 32.1. Introdução... 2. 32.2. Justificativa... 11. 32.3. Objetivos do Programa...

ÍNDICE 32. PROGRAMA DE APOIO AO SANEAMENTO BÁSICO... 2. 32.1. Introdução... 2. 32.2. Justificativa... 11. 32.3. Objetivos do Programa... ÍNDICE 32.... 2 32.1. Introdução... 2 32.2. Justificativa... 11 32.3. Objetivos do Programa... 11 32.3.1 Objetivo geral... 11 32.3.2 Objetivos Específicos... 11 32.4. Metas... 12 32.5. Indicadores Ambientais...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

SEÇÃO 5 PROGRAMA DE MONITORAMENTO CLIMATOLÓGICO

SEÇÃO 5 PROGRAMA DE MONITORAMENTO CLIMATOLÓGICO SEÇÃO 5 PROGRAMA DE MONITORAMENTO CLIMATOLÓGICO Sumário 5. PROGRAMA DE MONITORAMENTO CLIMATOLÓGICO... 1 5.1. Apresentação Geral/Objetivos... 1 5.2. Fase de Execução... 1 5.3. Histórico... 1 5.4. Atividades

Leia mais

GS Inima Brasil Água, o Princípio de todas as coisas

GS Inima Brasil Água, o Princípio de todas as coisas GS Inima Brasil Água, o Princípio de todas as coisas GS Inima Brasil Água, o Princípio de todas as coisas A Empresa Holding GS Inima Brasil está localizada na cidade São Paulo possuindo cinco empresas

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

Moradia e Meio Ambiente: a construção do diálogo na urbanização do assentamento Pilarzinho ILHA

Moradia e Meio Ambiente: a construção do diálogo na urbanização do assentamento Pilarzinho ILHA Moradia e Meio Ambiente: a construção do diálogo na urbanização do assentamento Pilarzinho ILHA O que é? É um projeto de extensão universitária do curso de Arquitetura e Urbanismo, da Universidade Tecnológica

Leia mais

Título do Trabalho: Plano Diretor de Esgotamento Sanitário de Caxias do Sul Autores: Édio Elói Frizzo e-mail: Maria do Carmo Suita Ekman e-mail

Título do Trabalho: Plano Diretor de Esgotamento Sanitário de Caxias do Sul Autores: Édio Elói Frizzo e-mail: Maria do Carmo Suita Ekman e-mail Título do Trabalho: Plano Diretor de Esgotamento Sanitário de Caxias do Sul Autores: Édio Elói Frizzo - Atual Diretor Geral do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto SAMAE - de Caxias do Sul; - Secretário

Leia mais

OBRAS EM EXECUÇÃO REFERENTES A MAIO/2014

OBRAS EM EXECUÇÃO REFERENTES A MAIO/2014 NÚMERO DO PROCESSO OBJETO OBRAS EM EXECUÇÃO REFERENTES A MAIO/2014 VALOR (R$) RECURSO TOTAL (R$) CONVÊNIO PRÓPRIO FISICO % SITUAÇÃO VALOR REALIZADO (R$) OBSERVAÇÕES OBRAS DE RESTAURAÇÃO E DUPLICAÇÃO DA

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL JULHO/2013

RELATÓRIO MENSAL JULHO/2013 RELATÓRIO MENSAL JULHO/2013 TERMO DE CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA CONTRATANTE: SAEG Companhia de Serviços de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá OBJETO: Prestação de Serviços público para

Leia mais

SANEAMENTO EM SANTA CATARINA

SANEAMENTO EM SANTA CATARINA SANEAMENTO EM SANTA CATARINA X INVESTIMENTO PAC Florianópolis, maio de 2008 EQUIPE TÉCNICA ABES-SC Eng Pablo Rodrigues Cunha Eng Paulo José Aragão Eng Rafael Meira Salvador Endereço e Contato: ABES-SC

Leia mais

3. PLANO DE EMPREENDIMENTO SELECIONADO E SITUAÇÃO DE APOIO FINANCEIRO. 3.1. Projeto Ação Metrópole - Obras integradas de transporte

3. PLANO DE EMPREENDIMENTO SELECIONADO E SITUAÇÃO DE APOIO FINANCEIRO. 3.1. Projeto Ação Metrópole - Obras integradas de transporte 3. PLANO DE EMPREENDIMENTO SELECIONADO E SITUAÇÃO DE APOIO FINANCEIRO 3.1. Projeto Ação Metrópole - Obras integradas de transporte 3.1.1. SÍNTESE DO PROJETO AÇÃO METRÓPOLE Como o 1.º projeto do sistema

Leia mais

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVOS... 1 2. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 1 3. EMPREENDIMENTOS DE INTERESSE... 2 4.

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

ABSTRACT 2. METODOLOGIA

ABSTRACT 2. METODOLOGIA AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NA BAIXA DO CAMARAJIPE E SEU IMPACTO NA SAÚDE DA POPULAÇÃO MORAES, Luiz Roberto Santos (1); BORJA, Patrícia Campos (2); TOSTA, Cristiane Sandes (3); SANTOS,

Leia mais

A fórmula para a identificação dos indicadores será apresentada segundo as convenções existentes no SNIS, conforme apresentado no Quadro 5.1.

A fórmula para a identificação dos indicadores será apresentada segundo as convenções existentes no SNIS, conforme apresentado no Quadro 5.1. 5. SANEAMENTO AMBIENTAL Os dados referentes a este tema tratam exclusivamente da porção urbana dos municípios, isto é, todos os índices apresentados foram calculados com base na população urbana dos municípios,

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA SIMISA Sistema Municipal de Informações em Saneamento Básico Serviços Públicos de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário INDICADORES Obs.: R = ano de referência; A = ano anterior ao ano de referência

Leia mais

GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA

GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA Estado de São Paulo Estado de São Paulo 248.196.960 km 2 População total: 41.262.199 População urbana: 39.585.251 645 municípios Fonte: IBGE, Censo

Leia mais

Nascente do Rio Tietê Município de Salesópolis

Nascente do Rio Tietê Município de Salesópolis udiência de Sustentabilidade 07 de Novembro de 2007 iretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T uperintendência de Gestão de Projetos Especiais - TG Projeto Tietê Nascente do Rio Tietê

Leia mais

PLANO DE ATAQUE DE OBRAS

PLANO DE ATAQUE DE OBRAS PLANO DE ATAQUE DE OBRAS PROJETO CAPIBARIBE MELHOR RECIFE - PERNAMBUCO Nº.: PL- 01.01 Rev. 00 DATA: 25/05/09 FOLHA: 01 09 ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. MÉTODOS CONSTRUTIVOS 3. ESTRATÉGIA DE EXECUÇÃO 3.1 AÇÕES

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG

IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/9 IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro Civil, Engenheiro Segurança do Trabalho, Mestre em

Leia mais