O CICLO VITAL. Para Papalia e colaboradores (2006), o ciclo vital apresenta quatro princípios fundamentais:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CICLO VITAL. Para Papalia e colaboradores (2006), o ciclo vital apresenta quatro princípios fundamentais:"

Transcrição

1 O CICLO VITAL Celso Zonta Marisa Meira Atualmente, teóricos de todas as correntes concordam com o fato de que os indivíduos se desenvolvem durante toda a vida. Esse conceito de desenvolvimento é conhecido como ciclo vital, e teve em Erik Erikson 1 um de seus principais precursores. Os estudos científicos sobre o ciclo vital se intensificaram a partir da década de 1960 nos EUA, com a utilização de estudos longitudinais, através dos quais são coletados dados sobre a trajetória de vida dos indivíduos em seu contexto social e histórico durante um longo período de tempo como, por exemplo, da infância até a adolescência ou da adolescência até a idade adulta. Para Papalia e colaboradores (2006), o ciclo vital apresenta quatro princípios fundamentais: É vitalício, sendo que cada período de vida é influenciado pelos acontecimentos anteriores e, ao mesmo tempo, produz influências sobre períodos futuros; É histórico, já que cada pessoa desenvolve-se em um contexto histórico e social do qual recebe influências e no qual também interfere; É multidimensional, pois envolve um equilíbrio entre crescimento e declínio. Com a idade, algumas capacidades aumentam enquanto outras diminuem; É plástico, uma vez que sempre existe a possibilidade dos indivíduos transformarem e ampliarem suas capacidades. Períodos do ciclo vital 1 A teoria de Erikson será apresentada na Unidade 5

2 Quando as pessoas se modificam de maneira significativa? Quando deixamos de ser crianças e nos tornamos adolescentes? Em qual momento deixamos de ser jovens? As respostas para essas perguntas podem ser bem diferentes, em função do contexto social no qual estamos inseridos. Em décadas passadas, quando a expectativa de vida era menor e as pessoas viviam bem menos do que atualmente, a meia idade não era vista como uma fase destacada da vida, assim como ocorria com a adolescência até o início do século passado. Esses exemplos evidenciam que o conceito de ciclo vital é construído socialmente e representa um ideal aceito pelos integrantes de uma determinada sociedade em uma dada época, com base em percepção ou suposições subjetivas compartilhadas. Entretanto, ainda que reconhecendo a existência de variações no desenvolvimento de indivíduos de culturas diferentes, e mesmo entre indivíduos da mesma cultura, a maioria dos estudiosos da área acredita ser possível pensar em termos de períodos típicos 2 do ciclo vital. Para os cientistas, essa seria uma forma de evidenciar que o ser humano apresenta certas necessidades básicas diferenciadas que necessitam ser satisfeitas ao longo de suas vidas para que o desenvolvimento ocorra de forma satisfatória. Com base em extensa pesquisa bibliográfica, Papalia e colaboradores (2006) destacam oito períodos típicos de desenvolvimento, geralmente aceitos em sociedades ocidentais, urbanas e industriais. 3 A análise mais particularizada daquilo que ocorre no processo evolutivo pode assumir múltiplos sentidos em função da perspectiva teórica de desenvolvimento utilizada. Por esse motivo, apresentamos apenas as características mais marcantes de cada um desses períodos. 2 Esse termo período típico tem sido utilizado para destacar que não se trata de fases universais que transcorrem de modo semelhante em todas as sociedades e culturas. 3 As idades utilizadas para destacar o início e o término de cada período devem ser compreendidas apenas como um indicativo, já que, dependendo dos contextos, podem ocorrer variações significativas.

3 No período pré-natal (da concepção ao nascimento), formamse os órgãos corporais, e o feto já é capaz de responder a estímulos sensoriais. Na primeira infância (do nascimento aos 3 anos), ocorre um crescimento físico acentuado. O desenvolvimento das habilidades motoras e das capacidades cognitivas se acelera, especialmente com o início da utilização da linguagem que ocorre, em geral, após os dois anos. Neste período, o centro da vida afetiva da criança é a família ou os adultos que cuidam dela. Na segunda infância (dos 3 aos 6 anos), o crescimento físico mantém-se constante. As habilidades motoras aumentam e, com o aperfeiçoamento da memória e da linguagem, as capacidades cognitivas apresentam um notável desenvolvimento. O relacionamento com a família ainda é o foco da vida social, mas a criança começa a ampliar relações, demonstrando interesse crescente em buscar a companhia de outras crianças. Na terceira infância (dos 6 aos 11 anos), o crescimento físico diminui de intensidade, mas a força corporal e as habilidades motoras aumentam significativamente. O desenvolvimento cognitivo e afetivo adquire maior complexidade, já que a criança se expõe, cada vez mais, a novas oportunidades de aprendizagem nas relações sociais que se dão na família, na escola e nas redes de amigos. No período da adolescência (dos 12 aos 20 anos), ocorrem mudanças intensas nos aspectos físicos, cognitivos e psicológicos. Este período tem sido apontado como o momento de transição entre a infância e a idade adulta. Na idade adulta, ocorrem alterações importantes em todas as esferas da vida humana. Esta fase tem sido subdividida em três períodos: jovem adulto (dos 20 aos 40 anos), meia idade (dos 40 aos 65 anos) e terceira idade (dos 65 anos em diante). Após atingir o ápice entre os 20 e 40 anos, as condições físicas começam a declinar, notadamente a partir da terceira idade. Entretanto, pesquisas atuais demonstram a possibilidade de manutenção e até ampliação das capacidades cognitivas e afetivas, desde que os indivíduos mantenham-se ativos, adotem hábitos de vida saudáveis e

4 busquem continuamente administrar as perdas e maximizar os ganhos conquistados. O estudo desses períodos indica que os seres humanos, ao longo de sua vida, empreendem uma trajetória fascinante que envolve uma caminhada: de um aparato biológico que permite ações motoras restritas em direção ao máximo desenvolvimento possível das capacidades de reflexão crítica sobre si mesmos e o mundo; de estruturas intelectuais simples para desenvolvimentos cognitivos complexos; da dependência total para a possibilidade de conquista da autonomia; de relacionamentos sociais restritos para redes de relações complexas. Embora possível, o acesso a essa caminhada não é alcançável para todos. A humanidade, ao longo do processo histórico, conquistou possibilidades importantes para a formação e desenvolvimento das capacidades humanas, mas os indivíduos não conseguem concretizálas do mesmo modo, em função de limites impostos por sua condição social, econômica e cultural. Adolescência A adolescência é marcada por grandes mudanças físicas, cognitivas e psicossociais. Entretanto, as explicações sobre o momento no qual essas mudanças ocorrem, bem como sobre suas possíveis origens, são bastante diversas. Em que período da vida ocorre a adolescência? Para a Organização Mundial de Saúde, a adolescência ocorre dos 10 aos 19 anos. Para O Estatuto da Criança e do Adolescente, o período se estenderia dos 12 aos 18 anos. Existem ainda questões legais envolvidas nessa discussão, uma vez que não há concordância em torno da questão da idade a partir da qual crianças e adolescentes podem ser tratados como adultos em termos de direitos e deveres. No Brasil, só maiores de 18 anos podem ser condenados e presos,

5 enquanto nos EUA se pode imputar penas de reclusão até mesmo para crianças. Embora seja difícil demarcar claramente o ínício e o fim da adolescência, há um consenso no sentido de que ela dura aproximadamente dez anos. Alguns autores sugerem que ela seja dividida em subperíodos. 4 Nesta Unidade, adotamos como referência a faixa etária de 12 a 20 anos, utilizada por muitos cientistas do desenvolvimento. Por que ocorrem mudanças na adolescência? Do ponto de vista do desenvolvimento físico, na adolescência ocorrem alterações hormonais que produzem mudanças físicas bastante evidentes: grande crescimento corporal e modificações nos caracteres sexuais primários 5 e secundários 6 que culminam na maturidade sexual, ou seja, na capacidade de reprodução, cujas principais expressões são a produção de esperma nos homens e a menstruação nas mulheres. Se é possível apresentar, de modo objetivo, as marcas físicas aparentes do adolescente, o mesmo não ocorre com as características psicossociais. Os primeiros estudos sobre a adolescência foram desenvolvidos na década de 1920, nos EUA, por Granvillle Stanley Hall, que definiu esse período como sendo de tempestades e stress. Desde então, tem prevalecido, entre teóricos 7 e pessoas comuns, uma concepção de que o adolesecente apresenta, naturalmente, desequilíbrios emocionais, conflitos com familiares e adultos de modo geral, comportamentos impulsivos e intolerantes, inconstância, imaturidade, alto grau de irritabilidade e agressividade e atitudes de rejeição aos valores sociais. 4 Esse é o caso de Hellen Bee (2003), que defende que a adolescência seja dividida em dois subperíodos. O primeiro (dos 11/12 até os 16/17 anos), denominado adolescência inicial, seria caracterizado por mudanças significativas nos aspectos físicos e emocionais, e o segundo (dos 16/17 até os 20 anos), denominado adolescência final, seria o momento de consolidação das mudanças e da nova identidade do jovem. 5 Os caracteres sexuais primários são os órgãos necessários à reprodução. Nas mulheres há ovários, trompas, útero e vagina, e nos homens, testículos, pênis, vesículas seminais, próstata e escroto. 6 Por exemplo, o desenvolvimento dos seios nas meninas e ombros largos e voz mais grave nos meninos. 7 Podemos citar, como exemplo, Erikson(1987), Aberastury (1980), Aberastury e Knobel (1981).

6 Entretanto, existem outros modos de se compreender a adolescência, que defendem que os conflitos, nesse período, não são nem universais nem inevitáveis. Nas décadas de 1920 e 1930, Margaret Mead estudou a vida de adolescentes em outras culturas, como, por exemplo, nas ilhas do Pacífico Sul, e concluiu que, quando a sociedade oferece condições para uma transição gradual e serena da infância para a idade adulta, os comportamentos indicativos de stress não ocorrem. Com seus estudos, a antropóloga norte-americana introduziu uma questão teórica da maior relevância: não é possível falar da adolescência sem compreender a cultura na qual os jovens estão inseridos. Santos (1996) alerta para o fato de que boa parte dos estudos na área são fundamentados em um único tipo de jovem: branco, ocidental, da classe média urbana. Como destacam Papalia e colaboradores (2006), em muitas culturas há uma grande variedade de cerimônias e rituais 8 que celebram a entrada na adolescência ou a passagem da adolescência ao mundo adulto. Por detrás de cada um desses rituais, encontram-se concepções de quem é o adolescente e de como ele deve ser cuidado e tratado. Para Ozella (1997) e Bock, e Gonçalves e Furtado (2001), a adolescência não é uma fase natural do desenvolvimento humano, é um momento significativo, interpretado e construído historicamente pelos homens. Os autores entendem que seria mais correto utilizar o termo adolescências no plural, já que, apesar das semelhanças no que se refere ao desenvolvimento físico de jovens de diferentes culturas, os aspectos psicológicos e sociais são construídos em função do contexto histórico, da classe social, do gênero, da religião, da etnia e da família, bem como das características de cada indivíduo. Questão para reflexão: 8 Por exemplo, na tradição judaica, por volta dos 12 ou 13 anos, existem as cerimônias de transição chamadas Bat Mitzvah para as garotas e Bar Mitzvah para os rapazes. Os jovens católicos de ambos os sexos recebem o sacramento da Crisma por volta da mesma idade. No Japão, a passagem para a idade adulta é celebrada com Seijin Shiki (ou cerimônia adulta em tradução literal). Na África, muitos grupos étnicos indígenas praticam ritos de iniciação, por vezes associados à circuncisão masculina ou feminina.

7 Imagine adolescentes nos seguintes contextos: em uma comunidade judia em alguma pequena cidade da Europa Ocidental; em uma comunidade hindu no norte da India; na periferia de Nova York; em uma favela do Rio de Janeiro ou São Paulo; em uma comunidade rural pobre do interior do Nordeste; em um condomínio de alto luxo em uma cidade de porte médio da região sul ou sudeste do Brasil; em uma comunidade índigena na Amazônia; em um bairro luxuoso de Londres; em uma comunidade muçulmana no Paquistão; e em um campo de refugiados na África. O que você acha que esses jovens poderiam ter em comum? Que tipos de diferenças seriam esperados? A adolescência na sociedade atual Na sociedade atual, a adolescência envolve grandes oportunidades de crescimento e autonomia intelectual e psicossocial, mas também muitos riscos, como, por exemplo, o abuso (que pode levar a dependência) de álcool e drogas, gravidez, doenças sexualmente transmissíveis, envolvimento em situações de violência e acidentes de trânsito, entre outros. Esta pode ser uma época difícil, em função da maneira como a sociedade, em geral, e a família, em particular, lidam com a questão da construção da identidade dos jovens. Os adolescentes precisam responder às perguntas Quem sou eu? e O que quero para a minha vida? Mas só podem respondê-las devidamente se tiverem oportunidades adequadas para refletirem criticamente sobre si mesmos e sobre o mundo que os rodeia. Climaco (1991) analisou a gênese histórica da adolescência e concluiu que, com o aumento da industrialização na sociedade moderna, o período de transição entre a infância e a idade adulta foi aumentado em função de necessidades do processo de produção. A sofisticação tecnológica, que passou a exigir maior tempo de formação, aliada ao aumento do desemprego, retardou o ingresso de jovens no mercado de trabalho, criando uma situação de latência social na qual os jovens são mantidos em situação de dependência dos adultos.

8 Ao mesmo tempo em que aumentam as exigências sobre os jovens e espera-se que façam suas escolhas de modo responsável, as condições para tanto, na maior parte das vezes, não são asseguradas. Para Bock, Gonçalves e Furtado (2001), é dessa contradição entre ter capacidade para desenvolver autonomia e viver em situação de dependência dos adultos que emergem as características consideradas típicas do adolescente: a rebeldia, a instabilidade, os conflitos etc. Elas de fato surgem em nossa sociedade, mas são históricas e poderão ser transformadas ou intensificadas, dependendo de como a sociedade vai lidar com seus jovens. Referências: ABERASTURY, A. Adolescência. Porto Alegre: Artes Médicas, ABERASTURY, A & KNOBEL, M. Adolescência normal. Porto Alegre: Artes Médicas, BOCK, A. M. B.; GONÇALVES, M. G. M.; FURTADO, O. (Orgs). Psicologia Sócio-Histórica uma perspectiva crítica em psicologia. São Paulo: Cortez Editora, BEE, H. A criança em desenvolvimento. 9ª edição. Porto Alegre: Artmed, CLIMACO, A. A. S. Repensando as concepções de adolescência. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Educação. São Paulo: PUC, ERIKSON, E. Identidade, juventude e crise. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, OZELLA, S. Adolescências construídas. São Paulo: Cortez Editora, 1997 PAPALIA, D. E. ; OLDS, S. W.; FELDMAN, R. D. Desenvolvimento Humano. 8ª edição. Porto Alegre: Artmed, SANTOS, B. R. dos. A emergência da concepção moderna de infância e adolescência. Mapeamento, documentação e reflexão sobre as

9 principais teorias. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós- Graduação em Ciências Sociais. São Paulo: PUC, 1996.

Tema 2 Considerações sobre a puberdade e o crescimento do adolescente 27

Tema 2 Considerações sobre a puberdade e o crescimento do adolescente 27 Tema 2 Considerações sobre a puberdade e o crescimento do adolescente Objetivo geral do tema Apresentar as alterações físicas e fisiológicas que ocorrem na adolescência. Objetivos específicos voltados

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE MEDICINA USP DEPARTAMENTO DE NEUROCIÊNCIAS E CIÊNCIAS DO COMPORTAMENTO 2017 PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Profa Dra Maria Beatriz Martins Linhares Professora Associada Faculdade de Medicina

Leia mais

Adolescência. Matéria: D.B.D.H. II Profa.: Janine Lopes 2º e 3º Períodos de Ed. Física

Adolescência. Matéria: D.B.D.H. II Profa.: Janine Lopes 2º e 3º Períodos de Ed. Física Adolescência Matéria: D.B.D.H. II Profa.: Janine Lopes 2º e 3º Períodos de Ed. Física Adolescência, do latim adolescere (crescer). É uma fase da vida que pode ser definida em sua dimensão histórica, política,

Leia mais

O Desenvolvimento da criança. Psicologia Aplicada a Educação Prof. Marcos Romão

O Desenvolvimento da criança. Psicologia Aplicada a Educação Prof. Marcos Romão O Desenvolvimento da criança Psicologia Aplicada a Educação Prof. Marcos Romão O desenvolvimento O Desenvolvimento Humano, é mais uma área de estudos da Psicologia desde o nascimento até a vida adulta,

Leia mais

Ano Lectivo 2009/2010

Ano Lectivo 2009/2010 Ano Lectivo 2009/2010 Feito por: Carlos Grilo Caracteres sexuais primários e secundários.3 Sistema reprodutor masculino.4 Sistema reprodutor feminino.5 Ciclo ovário.5 Ciclo uterino.7 Fecundação 9 Caracteres

Leia mais

O estirão Nos meninos, ocorre entre 14 e 16 anos. Nas meninas entre 11 e 12 anos. É a fase que mais se cresce.

O estirão Nos meninos, ocorre entre 14 e 16 anos. Nas meninas entre 11 e 12 anos. É a fase que mais se cresce. A sexualidade no ser humano atravessa um longo desenvolvimento e tem início na adolescência. Cada pessoa tem seu desenvolvimento. No menino a puberdade se inicia com a primeira ejaculação ou polução e

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS P1-4º BIMESTRE 8º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Identificar as principais mudanças pelas quais o indivíduo passa

Leia mais

ADOLESCÊNCIA Dos 11 aos 20 anos

ADOLESCÊNCIA Dos 11 aos 20 anos ADOLESCÊNCIA Dos 11 aos 20 anos Adolescência Fase de grande transição nos aspectos do desenvolvimento humano. Fim da infância epreparaçãopara a idadeadulta Divisão de alguns autores: PRÉ-ADOLESCÊNCIA:

Leia mais

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano Ciências Naturais 9ºano Transmissão da Vida 1.1. Bases morfológicas e 1.2. Noções básicas de hereditariedade A transmissão da Vida assegura a continuidade e a variabilidade da espécie humana. É assegurada

Leia mais

CONHECENDO AS ADOLESCENTES DO PSF SÃO SEBASTIÃO 1

CONHECENDO AS ADOLESCENTES DO PSF SÃO SEBASTIÃO 1 319 CONHECENDO AS ADOLESCENTES DO PSF SÃO SEBASTIÃO 1 Ângela Cecília Faria de Jesus¹; Fabiana Cristina Teixeira²; Angélica Paiva Silva Ferreira 3 ; Rita de Cássia Lopes Maria 4 Resumo: O presente trabalho

Leia mais

CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO SEGUNDO CICLO BENTO CAVADAS NUNO RIBEIRO

CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO SEGUNDO CICLO BENTO CAVADAS NUNO RIBEIRO CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO SEGUNDO CICLO BENTO CAVADAS NUNO RIBEIRO DOMÍNIO 1 PROCESSOS VITAIS COMUNS AOS SERES VIVOS ÍNDICE 1 TROCAS NUTRICIONAIS ENTRE O ORGANISMO E O MEIO: NOS ANIMAIS 6 Resumo teórico

Leia mais

Diapositivo 1. RL1 Raquel Lopes;

Diapositivo 1. RL1 Raquel Lopes; Biologia Humana 11º ano Escola Secundária Júlio Dinis Ovar BIOLOGIA HUMANA 11º ano TD Reprodução Humana??? raquelopes 09 raquelopes15@gmail.com RL1 Diapositivo 1 RL1 Raquel Lopes; 05-01-2009 Biologia Humana

Leia mais

TÍTULO: CONCEPÇÃO DE PRÉ-ADOLESCÊNCIA EM HENRI WALLON CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA

TÍTULO: CONCEPÇÃO DE PRÉ-ADOLESCÊNCIA EM HENRI WALLON CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CONCEPÇÃO DE PRÉ-ADOLESCÊNCIA EM HENRI WALLON CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

ABORDAGEM AO ADOLESCENTE

ABORDAGEM AO ADOLESCENTE ABORDAGEM AO ADOLESCENTE Profa. Adjunta Tamara Beres Lederer Goldberg Departamento de Pediatria Disciplina de Medicina do Adolescente Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP Objetivos -A Consulta do Adolescente

Leia mais

Teste de avaliação Reprodução Humana

Teste de avaliação Reprodução Humana Teste de avaliação Reprodução Humana Antes de começares a responder, lê todas as questões com muita atenção! 1. Para que surja um novo ser, no caso da reprodução sexuada, são necessárias duas células reprodutoras:

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO: CICLO VITAL (PDCV) 11/05/2017

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO: CICLO VITAL (PDCV) 11/05/2017 (PDCV) 11/05/2017 Não há um consenso bem estabelecido quanto às faixas Não há um consenso bem estabelecido quanto às faixas etárias que estabelecem as diferentes fases da vida adulta etárias que estabelecem

Leia mais

O Impacto Psicossocial do Cancro na Família

O Impacto Psicossocial do Cancro na Família O Impacto Psicossocial do Cancro na Família Maria de Jesus Moura Psicóloga Clínica Unidade de Psicologia IPO Lisboa ATÉ MEADOS DO SEC.XIX Cancro=Morte PROGRESSOS DA MEDICINA CURA ALTERAÇÃO DO DIAGNÓSTICO

Leia mais

A nossa sexualidade é uma construção que se inicia na vida intra-uterina e nos acompanha por toda nossa existência.

A nossa sexualidade é uma construção que se inicia na vida intra-uterina e nos acompanha por toda nossa existência. A nossa sexualidade é uma construção que se inicia na vida intra-uterina e nos acompanha por toda nossa existência. Viver na idade adulta uma sexualidade satisfatória depende do desenvolvimento psicossexual

Leia mais

DESENVOLVIMENTO HUMANO

DESENVOLVIMENTO HUMANO DESENVOLVIMENTO HUMANO Sumário 1.1. O que é Desenvolvimento Humano... 3 1.2. Fatores que influenciam o desenvolvimento humano... 3 1.3. Princípios gerais do desenvolvimento humano... 5 1.4. Aspectos do

Leia mais

Fonte: http://office.microsoft.com/pt-br/clipart

Fonte: http://office.microsoft.com/pt-br/clipart 11. Estágio personalismo (3 a 6 anos) A predominância funcional é AFETIVA (relações afetivas) e o conflito é de natureza endógena (centrípeta). Período de formação da personalidade, marcado por conflitos

Leia mais

Expressão da Sexualidade na Adolescência AS. Sexualidade. é...

Expressão da Sexualidade na Adolescência AS. Sexualidade. é... Expressão da Sexualidade na Adolescência AS Sexualidade é... A necessidade de buscar sensações bemestar, prazer, afeto, contato, carinho, que todo ser humano tem. A SEXUALIDADE É NATURAL! S 1 2 1 S A Sexualidade

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Graduação em Pedagogia - Licenciatura Disciplina: Psicologia do Desenvolvimento Carga Horária: 75h Teórica: 75 Prática: Semestre: 2013.2 Professor: Rosilande

Leia mais

UNIDADE I A Construção do Conhecimento Psicológico: 1.1 Conceituações

UNIDADE I A Construção do Conhecimento Psicológico: 1.1 Conceituações PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Psicologia da Educação II Código da Disciplina: EDU312 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 3º Faculdade responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir

Leia mais

Para que serve a disciplina Crescimento e Desenvolvimento Humano?

Para que serve a disciplina Crescimento e Desenvolvimento Humano? Para que serve a disciplina Crescimento e Desenvolvimento Humano? Os organismos são formados por dois processos: Filogênese: evolução coletiva, evolução da espécie Ontogênese: evolução individual Existem

Leia mais

Idade vsriscos Psicossociais. Como actuar?

Idade vsriscos Psicossociais. Como actuar? Idade vsriscos Psicossociais. Como actuar? VI JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA AEVA Idade vs Riscos Psicossociais. Como actuar? Competitividade -Produtividade Competitividade Produtividade

Leia mais

QUEM SOU EU? A BUSCA PELA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NA ADOLESCÊNCIA

QUEM SOU EU? A BUSCA PELA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NA ADOLESCÊNCIA QUEM SOU EU? A BUSCA PELA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NA ADOLESCÊNCIA RESUMO Camila Ribeiro Menotti Colégio Gaspar Silveira Martins Rosana Hansel dos Santos Colégio Gaspar Silveira Martins A adolescência

Leia mais

a) Fecundação é a união do óvulo com o espermatozóide e ocorre no útero. d)...

a) Fecundação é a união do óvulo com o espermatozóide e ocorre no útero. d)... EXERCICIO DE REVISÃO (8º ano ) Data: 17-10-17 1)Reescreva as frases com afirmações falsas, corrigindo-as. a) Fecundação é a união do óvulo com o espermatozóide e ocorre no útero. b) O útero se liga aos

Leia mais

Atividade Física na Terceira Idade. Prof. Dra. Bruna Oneda 2017

Atividade Física na Terceira Idade. Prof. Dra. Bruna Oneda 2017 Atividade Física na Terceira Idade Prof. Dra. Bruna Oneda 2017 Expectativa de vida no Brasil Em 2015, as mulheres ganharam uma esperança de vida de 3 meses e 4 dias, passando de 78,8 anos, em 2014, para

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: crescimento e desenvolvimento. pré-escolar. enfermagem.

PALAVRAS-CHAVE: crescimento e desenvolvimento. pré-escolar. enfermagem. DESENVOLVIMENTO INFANTIL: AVALIAÇÃO DE PRÉ-ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE REDENÇÃO-CE Maria do Socorro Távora de Aquino¹, Evair Barreto da Silva 2 Flávia Paula Magalhães Monteiro 3 Pedro Raul Saraiva Rabelo

Leia mais

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano Ciências Naturais 9ºano Transmissão da Vida 1.1. Bases morfológicas e 1.2. Noções básicas de hereditariedade A partir da puberdade, as gónadas atingem a maturidade e começam a produzir gâmetas. Ovários

Leia mais

Profª Maúcha Sifuentes dos Santos

Profª Maúcha Sifuentes dos Santos Desenvolvimento cognitivo Profª Maúcha Sifuentes dos Santos Desenvolvimento cognitivo: o que é? Desenvolvimento cognitivo: mudanças na capacidade mental (aprendizagem, memória, raciocínio, pensamento e

Leia mais

1 Corte em seres humanos 2 Diferenças entre os sexos 2.1 Sistema reprodutor masculino 2.2 Sistema reprodutor feminino 3 Fecundação 3.

1 Corte em seres humanos 2 Diferenças entre os sexos 2.1 Sistema reprodutor masculino 2.2 Sistema reprodutor feminino 3 Fecundação 3. 1 Corte em seres humanos 2 Diferenças entre os sexos 2.2 Sistema reprodutor feminino 3 Fecundação 3.1 Gêmeos 4 Gestação e nascimento 5 Gravidez na adolescência e sexo responsável 5.1 Métodos contraceptivos

Leia mais

IGUALDADE NÃO É (SÓ) QUESTÃO DE MULHERES

IGUALDADE NÃO É (SÓ) QUESTÃO DE MULHERES IGUALDADE NÃO É (SÓ) QUESTÃO DE MULHERES TERESA MANECA LIMA SÍLVIA ROQUE DIFERENÇAS ENTRE HOMENS E MULHERES APENAS UMA QUESTÃO DE SEXO? SEXO GÉNERO SEXO: conjunto de características biológicas e reprodutivas

Leia mais

A COMPREENSÃO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO

A COMPREENSÃO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO A COMPREENSÃO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO ANDRADE, Josemberg Moura de, Universidade Federal da Paraíba, Professor orientador, josemberg.andrade@gmail.com;

Leia mais

OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE

OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE É sabido que através da prática esportiva, o indivíduo pode ser norteado a caminhos contrários a violência,

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Profª Talita Silva Pereira

SISTEMA REPRODUTOR. Profª Talita Silva Pereira SISTEMA REPRODUTOR Profª Talita Silva Pereira O sistema reprodutor masculino é formado: Testículos Vias espermáticas: epidídimo, canal deferente, uretra. Pênis e Escroto Glândulas anexas: próstata, vesículas

Leia mais

CURSO SAÚDE VOCAL. Material de Apoio. Roteiro- aula 2. Desenvolvimento da voz. Teoria. Prática

CURSO SAÚDE VOCAL. Material de Apoio. Roteiro- aula 2. Desenvolvimento da voz. Teoria. Prática Programa de Educação Corporativa CURSO SAÚDE VOCAL Material de Apoio Roteiro- aula 2 Teoria 1. Desenvolvimento da voz: evolução da voz do neonato ao senescente 2. Psicodinâmica vocal: impacto psicológico

Leia mais

Assistência ao Adolescente com Ênfase em Saúde Sexual e Reprodutiva

Assistência ao Adolescente com Ênfase em Saúde Sexual e Reprodutiva Assistência ao Adolescente com Ênfase em Saúde Sexual e Reprodutiva Profº. Marcelo Alessandro Rigotti Especialista CCIH Mestrando pela USP Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - SP Adolescência Conceito:

Leia mais

Tal como aprendemos um jogo, jogando o, também aprendemos a viver, vivendo. Peter Worsley ( ) Sociólogo

Tal como aprendemos um jogo, jogando o, também aprendemos a viver, vivendo. Peter Worsley ( ) Sociólogo Socialização Tal como aprendemos um jogo, jogando o, também aprendemos a viver, vivendo. Peter Worsley (1924 2013) Sociólogo As pessoas não são mais do que indivíduos socializados Todos os homens nascem

Leia mais

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES Bianca Oliveira Garcia da Silva (Estudante de Psicologia) email: bia_podih@hotmail.com, Bruna Alves (Estudante de Psicologia) email: bruna-psi@hotmail.com, Ana

Leia mais

Introdução à obra de Wallon

Introdução à obra de Wallon Henri Wallon Introdução à obra de Wallon A atividade da criança: conjunto de gestos com significados filogenéticos de sobrevivência. Entre o indivíduo e o meio há uma unidade indivisível. A sociedade é

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: CONSEQUÊNCIAS DA GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS AUTOR(ES):

Leia mais

1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO 1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Um relato supõe uma seleção de fatos a partir da sua relevância, por critérios estabelecidos por alguém. Como ele o estuda? Porque? Quais os pressupostos teóricos

Leia mais

Problema para a saúde do homem O Livro dos Acidentes de Cone Jr destinado principalmente às crianças.

Problema para a saúde do homem O Livro dos Acidentes de Cone Jr destinado principalmente às crianças. 1830 - Problema para a saúde do homem O Livro dos Acidentes de Cone Jr destinado principalmente às crianças. CAUSAS EXTERNAS (violência e acidentes) : Importante causa de morbimortalidade infantil, incapacidade

Leia mais

FORMAÇÃO DO TRABALHADOR E O DESENVOLVIMENTO DO SEU CONHECIMENTO. Resumo

FORMAÇÃO DO TRABALHADOR E O DESENVOLVIMENTO DO SEU CONHECIMENTO. Resumo FORMAÇÃO DO TRABALHADOR E O DESENVOLVIMENTO DO SEU CONHECIMENTO Carolina Vivian da Cunha-UNISC GE: Memórias, Trajetórias e Experiência na Educação. Resumo A formação dos trabalhadores é um assunto a ser

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Mário Neto. DISCIPLINA: Ciências da Natureza SÉRIE: 8º

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Mário Neto. DISCIPLINA: Ciências da Natureza SÉRIE: 8º GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Mário Neto DISCIPLINA: Ciências da Natureza SÉRIE: 8º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

Leia mais

Clima organizacional dos colaboradores da indústria de Panificação do Grupo Cíntia

Clima organizacional dos colaboradores da indústria de Panificação do Grupo Cíntia Clima organizacional dos colaboradores da indústria de Panificação do Grupo Cíntia Michele Firmino Guimarães Vanessa Q. Rocha Centro Universitário do Norte (Uninorte) RESUMO Este trabalho vem mostrar o

Leia mais

SEXO E TEMPERAMENTO MARGARET MEAD

SEXO E TEMPERAMENTO MARGARET MEAD SEXO E TEMPERAMENTO MARGARET MEAD Sexo e temperamento, de uma das mais conhecidas antropólogas de todos os tempos, a americana Margaret Mead (1901-1978), sem dúvida é um dos mais bem documentados, dos

Leia mais

HABILIDADES PSICOLÓGICAS E SOCIAIS DO DEPENDENTE QUÍMICO ALANA SIEVES

HABILIDADES PSICOLÓGICAS E SOCIAIS DO DEPENDENTE QUÍMICO ALANA SIEVES HABILIDADES PSICOLÓGICAS E SOCIAIS DO DEPENDENTE QUÍMICO ALANA SIEVES DESENVOLVIMENTO HUMANO O desenvolvimento humano no ciclo vital vai seguir alguns princípios fundamentais como: O desenvolvimento é

Leia mais

O que é uma criança? : Análise das conceções dominantes de infância no século XX, em Portugal

O que é uma criança? : Análise das conceções dominantes de infância no século XX, em Portugal 1 O que é uma criança? : Análise das conceções dominantes de infância no século XX, em Portugal Carla Vilhena, FCHS, UALg A Educação no Passado e no Presente em Portugal e no Brasil Faculdade de Psicologia

Leia mais

Desenvolvimento Físico e Cognitivo na Adolescência

Desenvolvimento Físico e Cognitivo na Adolescência Desenvolvimento Físico e Cognitivo na Adolescência Capítulo 11 Indicadores de Estudo O que é adolescência, quando ela começa e termina, e quais são as oportunidades e os riscos acarretados por ela? Quais

Leia mais

A primeira visita ao ginecologista

A primeira visita ao ginecologista A primeira visita ao ginecologista acne colicas sexualidade NAO FIQUE COM DUVIDAS Indice: Visitar o ginecologista logo que surgem os primeiros sinais da puberdade e muito importante para que a menina entenda

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves Descrição: Direitos e deveres adquiridos em cada fase da vida - criança, adulto e na velhice Objectivo: Cidadão/ Estado Critérios de Evidência; Reconhecer as responsabilidades inerentes à liberdade pessoal

Leia mais

Sumário. Destaques 17 Aos Estudantes 19 Aos Profissionais 21. Capítulo 1 Questões Básicas no Estudo do Desenvolvimento 25

Sumário. Destaques 17 Aos Estudantes 19 Aos Profissionais 21. Capítulo 1 Questões Básicas no Estudo do Desenvolvimento 25 Sumário Destaques 17 Aos Estudantes 19 Aos Profissionais 21 Parte I Introdução Capítulo 1 Questões Básicas no Estudo do Desenvolvimento 25 Questões no estudo do desenvolvimento 26 Duas questões fundamentais

Leia mais

FREUD E ERIK ERIKSON. Psicologia do Desenvolvimento

FREUD E ERIK ERIKSON. Psicologia do Desenvolvimento FREUD E ERIK ERIKSON Psicologia do Desenvolvimento Sigmund Freud (1856 1939), médico austríaco Fundador da psicanálise. O aparelho psíquico ID o mais antigo, contém tudo que é herdado (sobretudo os instintos);

Leia mais

i dos pais O jovem adulto

i dos pais O jovem adulto i dos pais O jovem adulto O desenvolvimento humano é um processo de mudanças emocionais, comportamentais, cognitivas, físicas e psíquicas. Através do processo, cada ser humano desenvolve atitudes e comportamentos

Leia mais

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Jaqueline Lima Santos Doutoranda em Antropologia Social UNICAMP Instituto

Leia mais

Adolescência (11-20 anos)

Adolescência (11-20 anos) A adolescência é uma transição no desenvolvimento entre a infância e a idade adulta que envolve grandes mudanças físicas, cognitivas e psicossociais interrelacionadas. Em geral: - A aparência dos jovens

Leia mais

Modelo de referência para a elaboração do plano anual de curso do professor

Modelo de referência para a elaboração do plano anual de curso do professor Modelo de referência para a elaboração do plano anual de curso do professor UNIDADE ESCOLAR: Escola Dinorah Lemos da Silva ÁREA DO CONHECIMENTO: Estudo da Sociedade e da Natureza DOCENTE: Elisabete Silveira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ CURSO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ CURSO DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ CURSO DE ENFERMAGEM 1 - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Unidade: Campus Jataí - UFG Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem Hebiátrica Código: Semestre: º Ano: 01 Núcleo:

Leia mais

TÍTULO: 100% PERIFERIA - O SUJEITO PERIFÉRICO: UM OBJETO DE ESTUDO DA PSICOLOGIA SOCIAL?

TÍTULO: 100% PERIFERIA - O SUJEITO PERIFÉRICO: UM OBJETO DE ESTUDO DA PSICOLOGIA SOCIAL? TÍTULO: 100% PERIFERIA - O SUJEITO PERIFÉRICO: UM OBJETO DE ESTUDO DA PSICOLOGIA SOCIAL? CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso: Psicologia Núcleo Temático: Fundamentos Teóricos da Psicologia Disciplina: Psicologia do do Adolescente Professor(es): Berenice

Leia mais

No entanto, não podemos esquecer que estes são espaços pedagógicos, onde o processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido de uma forma mais lúdica,

No entanto, não podemos esquecer que estes são espaços pedagógicos, onde o processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido de uma forma mais lúdica, PROJETO TECENDO CIDADANIA: PROJETO DE APOIO AO ESTUDO DOS TEMAS TRANSVERSAIS Autores: Leonardo Cristovam de JESUS, aluno do IFC Campus Avançado Sombrio e bolsista do projeto. Ana Maria de MORAES, Pedagoga

Leia mais

CONVERSANDO SOBRE SEXO - EDUCAÇÃO SEXUAL PARA ADOLESCENTES DE ENSINO FUNDAMENTAL

CONVERSANDO SOBRE SEXO - EDUCAÇÃO SEXUAL PARA ADOLESCENTES DE ENSINO FUNDAMENTAL CONVERSANDO SOBRE SEXO - EDUCAÇÃO SEXUAL PARA ADOLESCENTES DE ENSINO FUNDAMENTAL Andrea da Silva Santos (1) ; Flaviany Aparecida Piccoli Fontoura (2) ; Discente do Curso de Enfermagem da UEMS, Unidade

Leia mais

Concepções do Desenvolvimento INATISTA AMBIENTALISTA INTERACIONISTA

Concepções do Desenvolvimento INATISTA AMBIENTALISTA INTERACIONISTA Concepções do Desenvolvimento INATISTA AMBIENTALISTA INTERACIONISTA Concepção Inatista Eventos que ocorrem após o nascimento não são essenciais para o desenvolvimento. As capacidades, a personalidade,

Leia mais

Crescimento Populacional da Terceira Idade. Juliana Aquino

Crescimento Populacional da Terceira Idade. Juliana Aquino Crescimento Populacional da Terceira Idade Juliana Aquino País Jovem de Cabelos Brancos Somos um país jovem, temos grande população de jovens e crianças, mas estamos envelhecendo rapidamente.os países

Leia mais

Observatório do crack. Sistema de informação sobre crack e outras drogas nos Municípios Brasileiros

Observatório do crack. Sistema de informação sobre crack e outras drogas nos Municípios Brasileiros Observatório do crack Sistema de informação sobre crack e outras drogas nos Municípios Brasileiros Observatório do crack É um sistema de informação que possibilita ao gestor e a sociedade civil organizada

Leia mais

APRENDIZAGEM POR MODELAÇÃO. Albert Bandura

APRENDIZAGEM POR MODELAÇÃO. Albert Bandura APRENDIZAGEM POR MODELAÇÃO Albert Bandura Aprendizagem por observação ou imitação Ocorre quando as respostas de um ser vivo são influenciadas pela observação de outros, que são chamados modelos. Comportamentos

Leia mais

Problemáticas Sociais

Problemáticas Sociais Alcoolismo e Outras Dependências N.º de Utentes em Tratamento no Centro de Respostas Integradas (CRI) Porto Central (problemas ligados ao álcool e outras substâncias psicoativas) no ano de 2012 N.º de

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA JUNTO AOS ADOLESCENTES - RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA JUNTO AOS ADOLESCENTES - RELATO DE EXPERIÊNCIA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA JUNTO AOS ADOLESCENTES - RELATO DE EXPERIÊNCIA Aline Cardoso Machado Ana Paula Ferreira Gomes 1 Ilana Slud Raquel Valença Flavia Emilia Leite Lima INTRODUÇÃO: Segundo

Leia mais

A satisfação com a imagem corporal e expressão de auto estima em jovens adolescentes dos 14 aos 17 anos

A satisfação com a imagem corporal e expressão de auto estima em jovens adolescentes dos 14 aos 17 anos A satisfação com a imagem corporal e expressão de auto estima em jovens adolescentes dos 14 aos 17 anos Claudia Carvalho e Délio Carquejo Vivemos numa sociedade, em que diariamente somos bombardeados por

Leia mais

Resiliência: Superando sua dificuldades. Kaique Mathias Da Silva Wendel Juan Oliveira Reolon

Resiliência: Superando sua dificuldades. Kaique Mathias Da Silva Wendel Juan Oliveira Reolon Resiliência: Superando sua dificuldades Kaique Mathias Da Silva Wendel Juan Oliveira Reolon Dedicamos este livro ao Professor Marcelino Felix, por nos incentivar a faze-lo. ÍNDICE 1 O que é Resiliência

Leia mais

POPULAÇÃO BRASILEIRA

POPULAÇÃO BRASILEIRA POPULAÇÃO BRASILEIRA População Brasileira 2014: atingiu o número de 204 milhões de habitantes. Formada a partir de três grandes grupos étnicos: índios, brancos e negros. A maioria da população é branca

Leia mais

Curso de Ética 2014 Lurdes Gonçalves

Curso de Ética 2014 Lurdes Gonçalves Curso de Ética 2014 Lurdes A Adolescência é uma etapa da vida marcada por profundas alterações quer fisiológicas e psicológicas quer intelectuais e sociais. Tarefas: - Aquisição de AUTONOMIA - Construção

Leia mais

Aspectos Socio-Econômicos do Câncer no Brasil

Aspectos Socio-Econômicos do Câncer no Brasil segunda-feira, outubro 03, 2016 Aspectos Socio-Econômicos do Câncer no Brasil André Medici Kaizô Beltrão Introdução Este artigo é a revisão de parte de um documento mais amplo escrito no ano de 2013 (Aspectos

Leia mais

EU SOU! PP. MÁRCIA GIANNE DE C. F. ALVES

EU SOU! PP. MÁRCIA GIANNE DE C. F. ALVES Organização EU SOU! PP. MÁRCIA GIANNE DE C. F. ALVES Sou Cearense/ moro em Irecê-Ba /Diretora de Mobilização Sindical. Formada em Pedagogia Pela Universidades Estadual Vale do Acaraú Ce. Especialista em

Leia mais

O construtivismo e o construcionismo fundamentando a ação docente em ambiente informatizado. Anair Altoé Marisa Morales Penati

O construtivismo e o construcionismo fundamentando a ação docente em ambiente informatizado. Anair Altoé Marisa Morales Penati O construtivismo e o construcionismo fundamentando a ação docente em ambiente informatizado. Anair Altoé Marisa Morales Penati Construtivismo Teoria que explica como a inteligência humana se desenvolve,

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER E AUTISMO

SÍNDROME DE ASPERGER E AUTISMO SÍNDROME DE ASPERGER E AUTISMO CASTRO.M.B. 1 ; MARRONI.N.M.O. 2 ; FARIA.M.C.C. 3 ; RESUMO A Síndrome de Asperger é uma desordem pouco comum, ou seja, um grupo de problemas que algumas crianças tem quando

Leia mais

ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTE

ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTE 1 ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTE Daniela Pavan Terada 1 Priscila Fugiwara 2 CRAMI ABCD-Centro Regional de Atenção aos maus tratos na infância do ABCD. RESUMO:Este trabalho

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Introdução Os sentimentos de tristeza, desapontamento, desvalorização e culpa, surgem pontualmente

Leia mais

Provão. Ciências 5 o ano

Provão. Ciências 5 o ano Provão Ciências 5 o ano 41 A maioria das plantas apresenta a mesma formação, porém há plantas que possuem flores e frutos. Podemos então afirmar que as partes comuns entre todas as plantas são: a) frutos,

Leia mais

EQUIDADE DE GÊNERO A NEW SPACE APÓIA ESTA IDÉIA UMA CARTILHA PARA VOCÊ

EQUIDADE DE GÊNERO A NEW SPACE APÓIA ESTA IDÉIA UMA CARTILHA PARA VOCÊ EQUIDADE DE GÊNERO EQUIDADE DE GÊNERO A NEW SPACE APÓIA ESTA IDÉIA Uma cartilha para você Esclarecendo Equidade e Igualdade Diferenças biológicas e emocionais entre homens e mulheres 03 04 05 UMA CARTILHA

Leia mais

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH VYGOTSKY Teoria sócio-cultural Manuel Muñoz IMIH BIOGRAFIA Nome completo: Lev Semynovich Vygotsky Origem judaica, nasceu em 5.11.1896 em Orsha (Bielo- Rússia). Faleceu em 11.6.1934, aos 37 anos, devido

Leia mais

Agenda Juventude Brasil Secretaria Nacional da Juventude Secretaria-Geral da Presidência da República

Agenda Juventude Brasil Secretaria Nacional da Juventude Secretaria-Geral da Presidência da República Agenda Juventude Brasil 2013 Secretaria Nacional da Juventude Secretaria-Geral da Presidência da República Período: Abril/Maio de 2013 Nota metodológica Universo: População de 15 a 29 anos, residente no

Leia mais

Relacionamento Interpessoal na Auditoria: Você está preparado? Elisabeth Sversut

Relacionamento Interpessoal na Auditoria: Você está preparado? Elisabeth Sversut Relacionamento Interpessoal na Auditoria: Você está preparado? Elisabeth Sversut Você está preparado? Pense bem... Curso superior, pós-graduação, dois idiomas... Um Auditor Como qualquer outro profissional,

Leia mais

Direitos Humanos na Constituição Brasileira: Avanços e Desafios

Direitos Humanos na Constituição Brasileira: Avanços e Desafios Direitos Humanos na Constituição Brasileira: Avanços e Desafios Cátedra UNESCO de Educação para a Paz, Direitos Humanos, Democracia e Tolerância Faculdade de Saúde Pública (USP), Auditório Paula Souza.

Leia mais

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Valor da Sexualidade na Adolescência

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Valor da Sexualidade na Adolescência UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO Valor da Sexualidade na Adolescência energia que nos motiva a procurar amor, contacto, ternura e intimidade; que se integra no modo como nos sentimos,

Leia mais

Métodos anticoncepcionais

Métodos anticoncepcionais Métodos anticoncepcionais Métodos anticoncepcionais A partir da puberdade, o organismo dos rapazes e das garotas se torna capaz de gerar filhos. Mas ter filhos é uma decisão muito séria. Cuidar de uma

Leia mais

Licenciatura em Serviço Social. Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice. Ano letivo 2014/2015

Licenciatura em Serviço Social. Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice. Ano letivo 2014/2015 Licenciatura em Serviço Social Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice Ano letivo 2014/2015 Risco e crise familiar como base de intervenção social DA ESTABILIDADE TRADICIONAL À INSTABILIDADE

Leia mais

Obrigado por aceitar ser entrevistado neste estudo coordenado por.

Obrigado por aceitar ser entrevistado neste estudo coordenado por. ESCALA DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DA EQUIPE TÉCNICA COM OS SERVIÇOS DE SAÚDE MENTAL (SATIS-BR) Bandeira, M., Pitta, AMF e Mercier,C (000). Escalas Brasileiras de Avaliação da Satisfação (SATIS-BR) e da

Leia mais

14/09/2017. Desafio (3 amigos), a postar sua foto de refeição em família. #campanhacruzazul #refeicaoemfamilia

14/09/2017. Desafio (3 amigos), a postar sua foto de refeição em família. #campanhacruzazul #refeicaoemfamilia DESAFIO: Fui desafiado pela Cruz Azul no Brasil a postar uma foto de refeição em família, que é um fator de proteção e prevenção ao uso de drogas. Desafio (3 amigos), a postar sua foto de refeição em família.

Leia mais

Lazer, cultura e saúde

Lazer, cultura e saúde Mestrado Profissional em Saúde Mental e Atenção Psicossocial Lazer, cultura e saúde prof. Ricardo Ricci Uvinha Universidade de São Paulo USP Barreiras de acesso ao Lazer CARACTERIZAÇÃO: Ciclo vital Gênero

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E ADOLESCÊNCIA OMS: 10 a 19 anos Estatuto da criança e do adolescente:

Leia mais

DTeorias e fases do. esenvolvimento. profissional docente

DTeorias e fases do. esenvolvimento. profissional docente MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-Graduação em Educação- Mestrado Av. Frei Paulino, 30 Abadia - 38025 - (34) 3318-5803

Leia mais

Como promover e proteger os direitos de adolescentes e jovens em contextos de vulnerabilidade social agravada?

Como promover e proteger os direitos de adolescentes e jovens em contextos de vulnerabilidade social agravada? Como promover e proteger os direitos de adolescentes e jovens em contextos de vulnerabilidade social agravada? Política pública? Participação social? Conhecimento? Autonomia? Ana Laura Lobato Pesquisadora

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL NA VELHICE

REPRESENTAÇÃO SOCIAL NA VELHICE REPRESENTAÇÃO SOCIAL NA VELHICE 2014 Taiane Abreu Graduanda em Psicologia (Brasil) E-mail de contato: taiane-abreu@hotmail.com RESUMO A velhice é uma construção social, assim como a infância. A representação

Leia mais

Gestão de mudanças: o papel do novo líder em uma gestão de mudanças

Gestão de mudanças: o papel do novo líder em uma gestão de mudanças Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão em Tecnologia da Informação - Turma 25 09 de Abril de 2015 Gestão de mudanças: o papel do novo líder em uma gestão de mudanças Flávio Luiz Barbosa

Leia mais