Adolescência. Matéria: D.B.D.H. II Profa.: Janine Lopes 2º e 3º Períodos de Ed. Física

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adolescência. Matéria: D.B.D.H. II Profa.: Janine Lopes 2º e 3º Períodos de Ed. Física"

Transcrição

1 Adolescência Matéria: D.B.D.H. II Profa.: Janine Lopes 2º e 3º Períodos de Ed. Física

2 Adolescência, do latim adolescere (crescer).

3 É uma fase da vida que pode ser definida em sua dimensão histórica, política, econômica, social e cultural.

4 Segundo a OMS, essa fase tem como característica as mudanças físicas aceleradas e o aparecimento das características da puberdade.

5 Essas alterações surgem influenciadas por: fatores hereditários, ambientais, nutricionais e psicológicos, já que o desenvolvimento físico, cognitivo e psicossocial do adolescente ocorre de forma entrelaçada, em que cada um afeta os outros.

6 Desenvolvimento físico Este é um novo período de rápidas mudanças físicas, sexuais, sociais e intelectuais.

7 Entrada na puberdade (desenvolvimento das características sexuais secundárias): menarca, desenvolvimento dos seios, pelos axilares e púbicos, expansão do tórax, mudança de voz, desenvolvimento muscular. Geralmente mais cedo (em geral 2 anos) nas meninas.

8 Tem-se um crescimento acelerado da estatura que atinge o máximo do tamanho adulto ao final deste período.

9 A masturbação é quase uma prática universal, mas não se restringe a apenas esse período como já vimos anteriormente, entre os meninos e menos comum entre as meninas.

10 Ocorrem apegos intensos a pessoas do mesmo sexo (homossexualismo transitório tanto em meninos quanto meninas) e evolução para interesses e atividades heterossexuais nos dois sexos.

11 É o auge do desenvolvimento atlético e acadêmico.

12 Entretanto, têm-se sérios problemas de saúde na adolescência como:

13 Obesidade ou anorexia, tabagismo, drogas, alcoolismo, gravidez indesejável, acidentes de carro são os principais problemas deste período.

14 Desenvolvimento cognitivo Ocorre a aquisição de construções gramaticais complexas. E, especialmente, observa-se o uso de gírias próprias do grupo de amigos.

15 O adolescente tem grande prazer com livros, revistas, jornais, escrita e diários.

16 Atualmente, via internet, msn, blogs, twitter etc.

17 O adolescente é capaz de julgar muitas variáveis ao mesmo tempo e "pensar sobre o pensar".

18 A preocupação com os próprios pensamentos nesta fase leva o adolescente a assumir que qualquer um vê as coisas da mesma maneira (egocentrismo adolescente).

19 Raciocínio do tipo hipotéticodedutivo: "o que poderia ser".

20 Desenvolvimento afetivo e social O papel das amizades é fundamental sendo fonte de segurança e de status social. São mais íntimas e deixam de ser os amigos escolhidos pelos pais para serem pessoas desconhecidas do ambiente familiar (muitas vezes gerando preocupações à família).

21 A conformidade (agir de acordo) com o grupo torna-se muito importante e é fundamental ser aceito dentro dele.

22 Passa por três fases de luto: 1. Luto pela infância que vai embora; 2. Luto pelos pais que já não proporcionam mais segurança e o aconchego de antes; 3. Luto pelo corpo, que modificando-se no dia a dia, deixa para trás formas que jamais serão recuperadas

23 Ocorre a consolidação da autoimagem e o estabelecimento de uma identidade pessoal: noção de quem é, para onde está indo e quais são as possibilidades de chegar lá.

24 Também é o momento da reavaliação das normas sociais e valores, período de intenso idealismo e descoberta de valores abstratos como liberdade, beleza, privacidade, democracia, etc.

25 Não podemos nos esquecer da ambivalência do adolescente: deseja a liberdade, mas não gosta de assumir a responsabilidade a ela inerente. Este período é de contestação.

26 O adolescente formula conceitos de amor e procura por intimidade.tem suas primeiras experiências sexuais e ocorre o estabelecimento da orientação sexual.

27 Frequentemente os afetos por pessoas da mesma idade são intensos mais passageiros. O amor adolescente é uma tentativa para se chegar a uma identidade própria, mediante a projeção de sua imagem numa outra pessoa.

28 Boa parte do amor adolescente se restringe em conversação. Algumas vezes o amor recai sobre pessoas mais velhas.

29 Crises religiosas que podem ir do ateísmo mais intransigente até o misticismo mais fervoroso;

30 Contradições sucessivas em todas as manifestações da conduta, denominada pela ação, que constitui a forma de expressão conceitual mais típica desse período da vida;

31 Constantes flutuações de humor e do estado de ânimo.

32 Risco ao suicídio A adolescência constitui-se em uma etapa de risco em relação ao suicídio. Trata-se de uma época de conflitos e contradições para a maioria das pessoas e, se o jovem estiver inserido em um grupo familiar que também está em crise por separação dos pais, violência doméstica, alcoolismo, doença física ou morte, este risco tornase maior.

33 Referência FARAH, Olga Guilhermina Dias. Psicologia aplicada à enfermagem. Barueri, Manole, BELLODI, Patrícia Lacerda. Doutora em Psicologia Clínica pela USP.

ADOLESCÊNCIA Dos 11 aos 20 anos

ADOLESCÊNCIA Dos 11 aos 20 anos ADOLESCÊNCIA Dos 11 aos 20 anos Adolescência Fase de grande transição nos aspectos do desenvolvimento humano. Fim da infância epreparaçãopara a idadeadulta Divisão de alguns autores: PRÉ-ADOLESCÊNCIA:

Leia mais

Sexualidade na infância. Suas etapas e definições

Sexualidade na infância. Suas etapas e definições Sexualidade na infância Suas etapas e definições Os estudos na área da sexualidade humana desenvolvidos por Sigmund Freud, evidenciam a necessidade de compreensão das diversas fases da construção da sexualidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ CURSO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ CURSO DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ CURSO DE ENFERMAGEM 1 - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Unidade: Campus Jataí - UFG Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem Hebiátrica Código: Semestre: º Ano: 01 Núcleo:

Leia mais

O estirão Nos meninos, ocorre entre 14 e 16 anos. Nas meninas entre 11 e 12 anos. É a fase que mais se cresce.

O estirão Nos meninos, ocorre entre 14 e 16 anos. Nas meninas entre 11 e 12 anos. É a fase que mais se cresce. A sexualidade no ser humano atravessa um longo desenvolvimento e tem início na adolescência. Cada pessoa tem seu desenvolvimento. No menino a puberdade se inicia com a primeira ejaculação ou polução e

Leia mais

ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO ADOLESCENTE 2009

ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO ADOLESCENTE 2009 ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO ADOLESCENTE 2009 Adolescência é reconhecida como Área de Atuação da Pediatria e cada vez mais a atenção à saúde do adolescente faz parte do atendimento pediátrico especializado

Leia mais

Sumário. Parte I VISÃO GERAL. Parte II COMUNICAÇÃO E RELAÇÃO. Introdução A medicina da pessoa...31

Sumário. Parte I VISÃO GERAL. Parte II COMUNICAÇÃO E RELAÇÃO. Introdução A medicina da pessoa...31 Sumário Introdução...25 Parte I VISÃO GERAL 1. A medicina da pessoa...31 Um pouco de história saúde-doença: evolução do conceito...31 Período pré-histórico...31 Período histórico primórdios...33 O antigo

Leia mais

EU SOU! PP. MÁRCIA GIANNE DE C. F. ALVES

EU SOU! PP. MÁRCIA GIANNE DE C. F. ALVES Organização EU SOU! PP. MÁRCIA GIANNE DE C. F. ALVES Sou Cearense/ moro em Irecê-Ba /Diretora de Mobilização Sindical. Formada em Pedagogia Pela Universidades Estadual Vale do Acaraú Ce. Especialista em

Leia mais

Tema 2 Considerações sobre a puberdade e o crescimento do adolescente 27

Tema 2 Considerações sobre a puberdade e o crescimento do adolescente 27 Tema 2 Considerações sobre a puberdade e o crescimento do adolescente Objetivo geral do tema Apresentar as alterações físicas e fisiológicas que ocorrem na adolescência. Objetivos específicos voltados

Leia mais

Assistência ao Adolescente com Ênfase em Saúde Sexual e Reprodutiva

Assistência ao Adolescente com Ênfase em Saúde Sexual e Reprodutiva Assistência ao Adolescente com Ênfase em Saúde Sexual e Reprodutiva Profº. Marcelo Alessandro Rigotti Especialista CCIH Mestrando pela USP Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - SP Adolescência Conceito:

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA JUNTO AOS ADOLESCENTES - RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA JUNTO AOS ADOLESCENTES - RELATO DE EXPERIÊNCIA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA JUNTO AOS ADOLESCENTES - RELATO DE EXPERIÊNCIA Aline Cardoso Machado Ana Paula Ferreira Gomes 1 Ilana Slud Raquel Valença Flavia Emilia Leite Lima INTRODUÇÃO: Segundo

Leia mais

TECENDO GÊNERO E DIVERSIDADE SEXUAL NOS CURRÍCULOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL SEXUALIDADES NAS INFÂNCIAS

TECENDO GÊNERO E DIVERSIDADE SEXUAL NOS CURRÍCULOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL SEXUALIDADES NAS INFÂNCIAS TECENDO GÊNERO E DIVERSIDADE SEXUAL NOS CURRÍCULOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL SEXUALIDADES NAS INFÂNCIAS SEXUALIDADE HUMANA OMS A sexualidade humana forma parte integral da personalidade de cada um é uma necessidade

Leia mais

Fonte: http://office.microsoft.com/pt-br/clipart

Fonte: http://office.microsoft.com/pt-br/clipart 11. Estágio personalismo (3 a 6 anos) A predominância funcional é AFETIVA (relações afetivas) e o conflito é de natureza endógena (centrípeta). Período de formação da personalidade, marcado por conflitos

Leia mais

QUEM SOU EU? A BUSCA PELA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NA ADOLESCÊNCIA

QUEM SOU EU? A BUSCA PELA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NA ADOLESCÊNCIA QUEM SOU EU? A BUSCA PELA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NA ADOLESCÊNCIA RESUMO Camila Ribeiro Menotti Colégio Gaspar Silveira Martins Rosana Hansel dos Santos Colégio Gaspar Silveira Martins A adolescência

Leia mais

Componente Curricular: PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO II Professor(a): FRANCIANE FONSECA TEIXEIRA SILVA Período: 2 - Ano: 2015.

Componente Curricular: PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO II Professor(a): FRANCIANE FONSECA TEIXEIRA SILVA Período: 2 - Ano: 2015. Componente Curricular: PSICOLOGIA DO II Professor(a): FRANCIANE FONSECA TEIXEIRA SILVA Período: 2 - Ano: 2015.2 CRÉDITOS TOTAL DE CARGA HORÁRIA CARGA HORÁRIA AULAS(h/a) ESPAÇOS DIVERSIFICADOS TOTAL (h)

Leia mais

O Desenvolvimento da criança. Psicologia Aplicada a Educação Prof. Marcos Romão

O Desenvolvimento da criança. Psicologia Aplicada a Educação Prof. Marcos Romão O Desenvolvimento da criança Psicologia Aplicada a Educação Prof. Marcos Romão O desenvolvimento O Desenvolvimento Humano, é mais uma área de estudos da Psicologia desde o nascimento até a vida adulta,

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE MEDICINA USP DEPARTAMENTO DE NEUROCIÊNCIAS E CIÊNCIAS DO COMPORTAMENTO 2017 PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Profa Dra Maria Beatriz Martins Linhares Professora Associada Faculdade de Medicina

Leia mais

Reflexões... A família e a adolescência no contexto da contemporaneidade

Reflexões... A família e a adolescência no contexto da contemporaneidade Reflexões... A família e a adolescência no contexto da contemporaneidade 1. Como podemos definir família no mundo pós-moderno? 2. Como a família deve interagir com as instâncias sociais, entre elas a escola?

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E ADOLESCÊNCIA OMS: 10 a 19 anos Estatuto da criança e do adolescente:

Leia mais

Desnutrição na Adolescência

Desnutrição na Adolescência Desnutrição na Adolescência Adolescência CRIANÇA Desnutrição Anorexia/Bulimia Obesidade / Diabetes ADULTO Dietas não convencionais e restritivas Deficiência de ferro Cálcio, vitamina A, zinco, Vitamina

Leia mais

MENTAL PARA PROFISSIONAIS DE

MENTAL PARA PROFISSIONAIS DE SAúDE MENTAL PARA PROFISSIONAIS DE SAúDE (JUN 2015) PORTO Está preparado para lidar com indivíduos com perturbações mentais? A resposta da maioria dos profissionais de saúde em Portugal será certamente

Leia mais

Como Prevenir o Suicídio?

Como Prevenir o Suicídio? Como Prevenir o Suicídio? Profa. Ana Carolina Schmidt de Oliveira Psicóloga CRP 06/99198 Especialista em Dependência Química (UNIFESP) Doutoranda (UNIFESP) anacarolina@vidamental.com.br vidamental.com.br

Leia mais

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Introdução Os sentimentos de tristeza, desapontamento, desvalorização e culpa, surgem pontualmente

Leia mais

Adolescência (11-20 anos)

Adolescência (11-20 anos) A adolescência é uma transição no desenvolvimento entre a infância e a idade adulta que envolve grandes mudanças físicas, cognitivas e psicossociais interrelacionadas. Em geral: - A aparência dos jovens

Leia mais

NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO ADOLESCENTE NASAD

NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO ADOLESCENTE NASAD O Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei n.º 8.069/90 (BRASIL, 1990), circunscreve a adolescência como o período de vida que vai dos 12 aos 18 anos de idade e a Organização Mundial da Saúde (OMS) delimita

Leia mais

A nossa sexualidade é uma construção que se inicia na vida intra-uterina e nos acompanha por toda nossa existência.

A nossa sexualidade é uma construção que se inicia na vida intra-uterina e nos acompanha por toda nossa existência. A nossa sexualidade é uma construção que se inicia na vida intra-uterina e nos acompanha por toda nossa existência. Viver na idade adulta uma sexualidade satisfatória depende do desenvolvimento psicossexual

Leia mais

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano Ciências Naturais 9ºano Transmissão da Vida 1.1. Bases morfológicas e 1.2. Noções básicas de hereditariedade A transmissão da Vida assegura a continuidade e a variabilidade da espécie humana. É assegurada

Leia mais

A prevenção de comportamentos suicidas na juventude

A prevenção de comportamentos suicidas na juventude A prevenção de comportamentos suicidas na juventude José Manoel Bertolote Departamento de Neurologia, Psicologia e Psiquiatria Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP Australian Institute for Suicide Research

Leia mais

TÍTULO: CONCEPÇÃO DE PRÉ-ADOLESCÊNCIA EM HENRI WALLON CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA

TÍTULO: CONCEPÇÃO DE PRÉ-ADOLESCÊNCIA EM HENRI WALLON CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CONCEPÇÃO DE PRÉ-ADOLESCÊNCIA EM HENRI WALLON CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica 1 FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO Programa de Orientação Psicopedagógica 2 Regulamento do Programa de Orientação Psicopedagógica da Faculdade Sudoeste Paulistano INTRODUÇÃO A necessidade de atenção às dificuldades

Leia mais

Aspectos psicossociais relacionados ao uso de drogas na adolescência

Aspectos psicossociais relacionados ao uso de drogas na adolescência Aspectos psicossociais relacionados ao uso de drogas na adolescência Juliana Joni Parada Psiquiatra clínica e forense pela ABP Especialista em Dependência Química pela UNIFESP Coordenadora do Ambulatório

Leia mais

ADOLESCENTE INFRATOR-UM OLHAR PARA COMPORTAMENTOS NA INFÂNCIA

ADOLESCENTE INFRATOR-UM OLHAR PARA COMPORTAMENTOS NA INFÂNCIA ADOLESCENTE INFRATOR-UM OLHAR PARA COMPORTAMENTOS NA INFÂNCIA Eliana Arara da Costa 1 Neila Rodrigues Oliveira 2 Elisângela Maura Catarino 3 Resumo Este trabalho apresenta a problemática de menores infratores

Leia mais

ABORDAGEM AO ADOLESCENTE

ABORDAGEM AO ADOLESCENTE ABORDAGEM AO ADOLESCENTE Profa. Adjunta Tamara Beres Lederer Goldberg Departamento de Pediatria Disciplina de Medicina do Adolescente Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP Objetivos -A Consulta do Adolescente

Leia mais

A (DES)CONSTRUÇÃO DOS PROCESSOS IDENTIFICATÓRIOS: ADOLESCENTE EM SITUAÇÃO DE RUA

A (DES)CONSTRUÇÃO DOS PROCESSOS IDENTIFICATÓRIOS: ADOLESCENTE EM SITUAÇÃO DE RUA A (DES)CONSTRUÇÃO DOS PROCESSOS IDENTIFICATÓRIOS: ADOLESCENTE EM SITUAÇÃO DE RUA Renata Kloster Dezonet ¹ Adriane Wollmann ² A adolescência é considerada uma fase difícil pelas inúmeras mudanças no estágio

Leia mais

A primeira visita ao ginecologista

A primeira visita ao ginecologista A primeira visita ao ginecologista acne colicas sexualidade NAO FIQUE COM DUVIDAS Indice: Visitar o ginecologista logo que surgem os primeiros sinais da puberdade e muito importante para que a menina entenda

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: RECONHECIMENTO DO PROBLEMA PARA ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA SUA PREVENÇÃO1

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: RECONHECIMENTO DO PROBLEMA PARA ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA SUA PREVENÇÃO1 222 Thayane Moreira Almeida e Leonardo Santana Rocha GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: RECONHECIMENTO DO PROBLEMA PARA ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA SUA PREVENÇÃO 1 Thayane Moreira Almeida ², Leonardo Santana Rocha

Leia mais

Psicologia social. Interacções sociais

Psicologia social. Interacções sociais Psicologia social Interacções sociais Modelo de atracção e de amizade em função do tempo (Rusbult, 1983) Prazer Gratificações e custos Nível de comparação Investimento na relação Níveis de comparação alternativos

Leia mais

Teoria Realista das Relações Internacionais (I)

Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Janina Onuki janonuki@usp.br BRI 009 Teorias Clássicas das Relações Internacionais 25 de agosto de 2016 Realismo nas RI Pressuposto central visão pessimista

Leia mais

Desenvolvimento psicossocial do adolescente e do adulto jovem - Apoio ao estudante Disciplina Tópicos em Educação nas Profissões da Saúde II

Desenvolvimento psicossocial do adolescente e do adulto jovem - Apoio ao estudante Disciplina Tópicos em Educação nas Profissões da Saúde II Desenvolvimento psicossocial do adolescente e do adulto jovem - Apoio ao estudante Disciplina Tópicos em Educação nas Profissões da Saúde II Objetivos Apresentar conceitos relacionados ao aprendizado em

Leia mais

Sumário. UNIDADE UM Fundamentos 26. Capítulo 1 Conceitos Básicos e Métodos 29. Capítulo 2 Teorias do Desenvolvimento 51. Destaques 20 Prefácio 21

Sumário. UNIDADE UM Fundamentos 26. Capítulo 1 Conceitos Básicos e Métodos 29. Capítulo 2 Teorias do Desenvolvimento 51. Destaques 20 Prefácio 21 Sumário Destaques 20 Prefácio 21 UNIDADE UM Fundamentos 26 Capítulo 1 Conceitos Básicos e Métodos 29 Uma introdução ao desenvolvimento humano 30 Origens filosóficas e científicas 30 Domínios e períodos

Leia mais

Chestnut Global Partners do Brasil

Chestnut Global Partners do Brasil O CONTE COMIGO! é um programa fornecido pela empresa que oferece assistência profissional e confidencial quando problemas pessoais comprometem a vida pessoal de seus colaboradores e o seu desempenho no

Leia mais

DIREITO AO TRABALHO ASSOCIADO

DIREITO AO TRABALHO ASSOCIADO Leonardo Pinho leo_pinho79@yahoo.com.br DIREITO AO TRABALHO ASSOCIADO E AUTOGERIDO GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA COMO DISPOSITIVO DA SAÚDE INTRODUÇÃO: O Direito ao Trabalho e Renda é parte dos chamados direitos

Leia mais

O Impacto Psicossocial do Cancro na Família

O Impacto Psicossocial do Cancro na Família O Impacto Psicossocial do Cancro na Família Maria de Jesus Moura Psicóloga Clínica Unidade de Psicologia IPO Lisboa ATÉ MEADOS DO SEC.XIX Cancro=Morte PROGRESSOS DA MEDICINA CURA ALTERAÇÃO DO DIAGNÓSTICO

Leia mais

Programa de Educação para a Saúde Sexual

Programa de Educação para a Saúde Sexual Escola Profissional Fialho de Almeida Vidigueira Programa de Educação para a Saúde Sexual Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família (GAAF) 17 de janeiro de 2013 O que é a sexualidade? De acordo com a Organização

Leia mais

3. Roteiro de perguntas para serem aplicadas na tomada de declarações ou oitivas dasvítimas indiretas e testemunhas

3. Roteiro de perguntas para serem aplicadas na tomada de declarações ou oitivas dasvítimas indiretas e testemunhas 3. Roteiro de perguntas para serem aplicadas na tomada de declarações ou oitivas dasvítimas indiretas e testemunhas As questões abaixo contribuem para ilustrar comportamentos prévios de violência contra

Leia mais

Grupos na Adolescência. Família e Grupo de Amigos

Grupos na Adolescência. Família e Grupo de Amigos Grupos na Adolescência Família e Grupo de Amigos Introdução O grupo de colegas, juntamente com a família e a escola, são os principais contextos que contribuem para o desenvolvimento das características

Leia mais

i dos pais O jovem adulto

i dos pais O jovem adulto i dos pais O jovem adulto O desenvolvimento humano é um processo de mudanças emocionais, comportamentais, cognitivas, físicas e psíquicas. Através do processo, cada ser humano desenvolve atitudes e comportamentos

Leia mais

Depressão. Em nossa sociedade, ser feliz tornou-se uma obrigação. Quem não consegue é visto como um fracassado.

Depressão. Em nossa sociedade, ser feliz tornou-se uma obrigação. Quem não consegue é visto como um fracassado. O QUE É SAÚDE? É o nosso estado natural. Segundo a O.M.S. saúde é mais do que a ausência de doença ou enfermidade: É o estado de perfeito bem-estar físico, mental e social. Depressão Em nossa sociedade,

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara Faculdades Integradas de Taquara DEPRESSÃO Disciplina: Fisiologia Humana Semestre: 1/2016 Docente: Debora Morsch Acadêmicas: Haiesha Wolff Katieli Córdova Vanessa A. Brocker Vanessa S. Ferreira Priscila

Leia mais

Problemáticas Sociais

Problemáticas Sociais Alcoolismo e Outras Dependências N.º de Utentes em Tratamento no Centro de Respostas Integradas (CRI) Porto Central (problemas ligados ao álcool e outras substâncias psicoativas) no ano de 2012 N.º de

Leia mais

SUICÍDIO COMO IDENTIFICAR?

SUICÍDIO COMO IDENTIFICAR? COMO IDENTIFICAR? Ludmila Palhano 1 O detalhamento do conhecimento dos fatores de risco auxilia na delimitação da populações nas quais os eventos poderão ocorrer com maior frequência. ABP, 2014 Dois principais

Leia mais

A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO NO SÉCULO XXI

A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO NO SÉCULO XXI A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO NO SÉCULO XXI Radamés Rogério Mestre em sociologia/universidade Federal do Ceará Docente da Universidade Estadual do Piauí PODER VERDADE CONHECIMENTO AUTORIDADE CIENTÍFICO Base

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADES

PROGRAMA DE ATIVIDADES PROGRAMA DE ATIVIDADES com amor e sexualidade. Ano letivo 2013-2014 Alunos ANO TEMA PÚBLICO- ALVO COMPETÊNCIAS DATAS DURAÇÃO 1 º ano gostar de ti I Alunos do 1º ano Estabelece a ligação entre pensar e

Leia mais

ADOLESCENTES PORTUGUESES: ALIMENTAÇÃO E ESTILOS DE VIDA SAUDAVEIS

ADOLESCENTES PORTUGUESES: ALIMENTAÇÃO E ESTILOS DE VIDA SAUDAVEIS ADOLESCENTES PORTUGUESES: ALIMENTAÇÃO E ESTILOS DE VIDA SAUDAVEIS Margarida Gaspar de Matos* Marlene Silva e Equipa Aventura Social & Saúde *Psicologa, Prof Ass F M H / UTL Coordenadora Nacional do HBSC/OMS

Leia mais

do canguru, mamífero que nasce e permanece na bolsa materna até atingir uma condição física e psíquica que permita que ande e se alimente por conta

do canguru, mamífero que nasce e permanece na bolsa materna até atingir uma condição física e psíquica que permita que ande e se alimente por conta Apresentação No livro anterior, Filhos sadios, pais felizes, descrevemos os fatos característicos da evolução psicossocial da grande maioria das crianças desde o nascimento até os dez anos de idade e sua

Leia mais

Projeto Aprender a Nadar

Projeto Aprender a Nadar DIVISÃO DE DESPORTO E JUVENTUDE PÕE-TE A MEXER Projeto Aprender a Nadar - Fomentar o gosto pela prática desportiva e de atividade física, aquisição de hábitos e comportamentos de estilos de vida saudáveis

Leia mais

Nutrição na Adolescência. Profa. Msc. Milena Maia

Nutrição na Adolescência. Profa. Msc. Milena Maia Nutrição na Adolescência Profa. Msc. Milena Maia ADOLESCÊNCIA Segundo a OMS é o período da vida que se inicia aos 10 anos de idade e prolonga-se até os 19 anos, caracterizado por intensas modificações

Leia mais

Expressão da Sexualidade na Adolescência AS. Sexualidade. é...

Expressão da Sexualidade na Adolescência AS. Sexualidade. é... Expressão da Sexualidade na Adolescência AS Sexualidade é... A necessidade de buscar sensações bemestar, prazer, afeto, contato, carinho, que todo ser humano tem. A SEXUALIDADE É NATURAL! S 1 2 1 S A Sexualidade

Leia mais

GABINETE de ATendimento Para a Saúde -Sexualidade

GABINETE de ATendimento Para a Saúde -Sexualidade GABINETE de ATendimento Para a Saúde -Sexualidade SOLIDARIEDADE SAÚDE PESS AMBIENTE SEXUALIDADE Com este programa pretendemos que a nossa escola continue a ser UMA ESCOLA PROMOTORA DE SAÚDE O que é UMA

Leia mais

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Valor da Sexualidade na Adolescência

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Valor da Sexualidade na Adolescência UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO Valor da Sexualidade na Adolescência energia que nos motiva a procurar amor, contacto, ternura e intimidade; que se integra no modo como nos sentimos,

Leia mais

Profa. Dra. Heloisa Garcia. Unidade III PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO: CC CICLO VITAL

Profa. Dra. Heloisa Garcia. Unidade III PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO: CC CICLO VITAL Profa. Dra. Heloisa Garcia Unidade III PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO: CC CICLO VITAL Conteúdo Unidade 1: aula anterior Concepção, gestação, nascimento e a criança de 0 a 2 anos. Unidade 2: aula anterior

Leia mais

A Criança e o Entendimento da Morte: estágios da compreensão e do desenvolvimento. Amanda Dupin Terapeuta Ocupacional Novembro de 2016

A Criança e o Entendimento da Morte: estágios da compreensão e do desenvolvimento. Amanda Dupin Terapeuta Ocupacional Novembro de 2016 A Criança e o Entendimento da Morte: estágios da compreensão e do desenvolvimento Amanda Dupin Terapeuta Ocupacional Novembro de 2016 [Morte] "É quando não aguentamos." (Daniel Castro, 7 anos - pág. 79)

Leia mais

Sumário detalhado CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 35 CAPÍTULO 2 PUBERDADE, SAÚDE E FUNDAMENTOS BIOLÓGICOS 77

Sumário detalhado CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 35 CAPÍTULO 2 PUBERDADE, SAÚDE E FUNDAMENTOS BIOLÓGICOS 77 Sumário detalhado CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 35 Perspectiva histórica 36 História inicial 36 Os séculos XX e XXI 37 Estereotipação dos adolescentes 40 Uma visão positiva da adolescência 41 CONEXÃO COM OS ADOLESCENTES

Leia mais

PROCESSO SELETIVO À EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TECNOLÓGICA DE GRADUAÇÃO 2008

PROCESSO SELETIVO À EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TECNOLÓGICA DE GRADUAÇÃO 2008 REDAÇÃO Os textos utilizados nesta coletânea originam-se de inúmeras fontes e mostram fatos dados, opiniões, argumentos relacionados com o tema. Eles não simbolizam o posicionamento da banca examinadora.

Leia mais

Dra Hedi Martha Soeder Muraro

Dra Hedi Martha Soeder Muraro Dra Hedi Martha Soeder Muraro hemuraro@sms.curitiba.pr.gov.br Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando-se pela gestão e regulação dos serviços

Leia mais

A COMPREENSÃO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO

A COMPREENSÃO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO A COMPREENSÃO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO ANDRADE, Josemberg Moura de, Universidade Federal da Paraíba, Professor orientador, josemberg.andrade@gmail.com;

Leia mais

PSICOLOGIA MATUTINO / NOTURNO

PSICOLOGIA MATUTINO / NOTURNO PSICOLOGIA MATUTINO / NOTURNO 1º Ano / 1º Semestre / 1º Período Epistemologia e História da Psicologia I Estatística Instrumentos e Projetos de Pesquisa em Psicologia I Metodologia de Pesquisa @ Neurofisiologia

Leia mais

CURSO SAÚDE VOCAL. Material de Apoio. Roteiro- aula 2. Desenvolvimento da voz. Teoria. Prática

CURSO SAÚDE VOCAL. Material de Apoio. Roteiro- aula 2. Desenvolvimento da voz. Teoria. Prática Programa de Educação Corporativa CURSO SAÚDE VOCAL Material de Apoio Roteiro- aula 2 Teoria 1. Desenvolvimento da voz: evolução da voz do neonato ao senescente 2. Psicodinâmica vocal: impacto psicológico

Leia mais

Desenvolvimento Físico e Cognitivo na Adolescência

Desenvolvimento Físico e Cognitivo na Adolescência Desenvolvimento Físico e Cognitivo na Adolescência Capítulo 11 Indicadores de Estudo O que é adolescência, quando ela começa e termina, e quais são as oportunidades e os riscos acarretados por ela? Quais

Leia mais

Tal como aprendemos um jogo, jogando o, também aprendemos a viver, vivendo. Peter Worsley ( ) Sociólogo

Tal como aprendemos um jogo, jogando o, também aprendemos a viver, vivendo. Peter Worsley ( ) Sociólogo Socialização Tal como aprendemos um jogo, jogando o, também aprendemos a viver, vivendo. Peter Worsley (1924 2013) Sociólogo As pessoas não são mais do que indivíduos socializados Todos os homens nascem

Leia mais

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Jaqueline Lima Santos Doutoranda em Antropologia Social UNICAMP Instituto

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO: CICLO VITAL (PDCV) 11/05/2017

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO: CICLO VITAL (PDCV) 11/05/2017 (PDCV) 11/05/2017 Não há um consenso bem estabelecido quanto às faixas Não há um consenso bem estabelecido quanto às faixas etárias que estabelecem as diferentes fases da vida adulta etárias que estabelecem

Leia mais

PSICANÁLISE Dissolução do complexo de Édipo

PSICANÁLISE Dissolução do complexo de Édipo PSICANÁLISE Dissolução do complexo de Édipo COMPLEXO DE ÉDIPO O fundador da psicanálise, Sigmund Freud, instituiu o Complexo de Édipo como uma fase universal na infância do sujeito em que há uma triangulação

Leia mais

CONVERSANDO SOBRE SEXO - EDUCAÇÃO SEXUAL PARA ADOLESCENTES DE ENSINO FUNDAMENTAL

CONVERSANDO SOBRE SEXO - EDUCAÇÃO SEXUAL PARA ADOLESCENTES DE ENSINO FUNDAMENTAL CONVERSANDO SOBRE SEXO - EDUCAÇÃO SEXUAL PARA ADOLESCENTES DE ENSINO FUNDAMENTAL Andrea da Silva Santos (1) ; Flaviany Aparecida Piccoli Fontoura (2) ; Discente do Curso de Enfermagem da UEMS, Unidade

Leia mais

Curso de Ética 2014 Lurdes Gonçalves

Curso de Ética 2014 Lurdes Gonçalves Curso de Ética 2014 Lurdes A Adolescência é uma etapa da vida marcada por profundas alterações quer fisiológicas e psicológicas quer intelectuais e sociais. Tarefas: - Aquisição de AUTONOMIA - Construção

Leia mais

Promoção da Saúde em meio Escolar: das aprendizagens à ação

Promoção da Saúde em meio Escolar: das aprendizagens à ação Promoção da Saúde em meio Escolar: das aprendizagens à ação Graça Simões de Carvalho CIEC Centro de Investigação em Estudos da Criança Instituto de Educação Universidade do Minho Promoção da Saúde em meio

Leia mais

UNIDADE I A Construção do Conhecimento Psicológico: 1.1 Conceituações

UNIDADE I A Construção do Conhecimento Psicológico: 1.1 Conceituações PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Psicologia da Educação II Código da Disciplina: EDU312 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 3º Faculdade responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir

Leia mais

Supremo Conselho da Ordem DeMolay para a República Federativa do Brasil Gabinete Nacional da Ordem DeMolay

Supremo Conselho da Ordem DeMolay para a República Federativa do Brasil Gabinete Nacional da Ordem DeMolay Supremo Conselho da Ordem DeMolay para a República Federativa do Brasil Gabinete Nacional da Ordem DeMolay Ano DeMolay 2016/2017 Depressão não é frescura O QUE É DEPRESSÃO? De acordo com o doutor em psicobiologia

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE Grave violação dos direitos fundamentais de toda criança e adolescente, no entanto muito comum. Cerca de 10% das crianças e adolescentes que chegam

Leia mais

3.15 As psicoses na criança e no adolescente

3.15 As psicoses na criança e no adolescente Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.15 As psicoses na criança e no adolescente Introdução As psicoses são doenças mentais raras que, geralmente, se iniciam no fim da adolescência

Leia mais

ASPECTOS CLÍNICOS E PSÍQUICOS DO ATENDIMENTO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA

ASPECTOS CLÍNICOS E PSÍQUICOS DO ATENDIMENTO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA ASPECTOS CLÍNICOS E PSÍQUICOS DO ATENDIMENTO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA FUNDAMENTOS ÉTICOS E LEGAIS DO ATENDIMENTO A VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA BRASÍLIA 2017 URGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS NA INFÂNCIA

Leia mais

Resumos para apresentação em pôster

Resumos para apresentação em pôster Lista dos trabalhos s do Eixo III - Ciências Humanas e Sociais Todos os trabalhos aprovados somente será apresentado no evento se todos os autores do trabalho estiverem com suas inscrições pagas até dia

Leia mais

PSE. Programa de Saúde nas Escolas. 68 Relatório de Gestão 2009, 2010, 2011 e 2012 (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS)

PSE. Programa de Saúde nas Escolas. 68 Relatório de Gestão 2009, 2010, 2011 e 2012 (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS) PSE 68 Relatório de Gestão 200, 2010, 2011 e 2012 (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS) b lanço soci l (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS) Relatório

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM PSIQUIATRIA DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA 2017

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM PSIQUIATRIA DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA 2017 Informações Informações Gerais: O curso consiste em 12 módulos que podem ser cursados de maneira independente, porém a capacitação em Psiquiatria da Infância e da Adolescência é concedida somente àqueles

Leia mais

Adolescentes e jovens aptos/as a tomarem suas próprias decisões reprodutivas. Apresentado por Sobodu Temitope Oluwaseun (Nigéria)

Adolescentes e jovens aptos/as a tomarem suas próprias decisões reprodutivas. Apresentado por Sobodu Temitope Oluwaseun (Nigéria) Adolescentes e jovens aptos/as a tomarem suas próprias decisões reprodutivas Apresentado por Sobodu Temitope Oluwaseun (Nigéria) Eu com adolescentes que estão fora da escola. Quem são os/as adolescentes?

Leia mais

DEPENDÊNCIA DO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS E TRANSTORNOS ALIMENTARES

DEPENDÊNCIA DO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS E TRANSTORNOS ALIMENTARES DIRETRIZES SOBRE CO-MORBIDADES PSIQUIÁTRICAS EM DEPENDÊNCIA DO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS (ABEAD 2002) DEPENDÊNCIA DO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS E TRANSTORNOS ALIMENTARES Introdução Quadros sugestivos de transtornos

Leia mais

Conhecendo o Processo de Adoecimento e Hospitalização da Criança. Profª Graça Pimenta UCSal

Conhecendo o Processo de Adoecimento e Hospitalização da Criança. Profª Graça Pimenta UCSal Conhecendo o Processo de Adoecimento e Hospitalização da Criança Profª Graça Pimenta UCSal CRIANÇA SADIA Conceito Ser em constante evolução biopsicosocial, tem características próprias, e reage de modo

Leia mais

ISO 2 Fev / 11 CLAUDIA PEDRAL PAPEL DA FAMILIA NO COTIDIANO ESCOLAR

ISO 2 Fev / 11 CLAUDIA PEDRAL PAPEL DA FAMILIA NO COTIDIANO ESCOLAR ISO 2 Fev / 11 CLAUDIA PEDRAL PAPEL DA FAMILIA NO COTIDIANO O QUE É PAPEL? Dentro da Ciência, muitas teorias vieram para definir papéis e os espaços do sujeito na sociedade. DEFINI-SE COMO SENDO: A forma

Leia mais

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADOLESCENTES

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADOLESCENTES CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADOLESCENTES AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADOLESCENTES A avaliação nutricional dos adolescentes deve considerar a idade cronológica (peso, estatura e idade) e a idade biológica

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO. Ano letivo Turma: Docente Responsável pelo projeto:

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO. Ano letivo Turma: Docente Responsável pelo projeto: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO Escola Ano letivo 2013-2014 Turma: Docente Responsável pelo projeto: SEXUALIDADE (...) É um aspeto central do ser humano, que acompanha toda a vida e que envolve o sexo,

Leia mais

PIAGET, VYGOTSKY E WALLON

PIAGET, VYGOTSKY E WALLON PIAGET, VYGOTSKY E WALLON Q U A D R O C O M P A R A T I V O D A S C O N C E P Ç Õ E S D E A P R E N D I Z A G E M Teóricos Piaget Vygotsky Wallom Dados pessoais Jean Piaget (1896 1980), pesquisador e filósofo

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NOVOS DESAFIOS E MUDANÇAS

ADOLESCÊNCIA NOVOS DESAFIOS E MUDANÇAS ADOLESCÊNCIA NOVOS DESAFIOS E MUDANÇAS QUEM É ESTE ESTRANHO NA MINHA CASA? PRÉ ADOLESCÊNCIA (9 a 11 anos) Início de uma fase de muitos questionamentos e algumas mudanças físicas. QUEM É ESTE ESTRANHO

Leia mais

Coimbra Dr. José Peixoto Dra.Alzira Ferrão Silveira

Coimbra Dr. José Peixoto Dra.Alzira Ferrão Silveira Coimbra 2012 Dr. José Peixoto Dra.Alzira Ferrão Silveira Sumário: 1- Objectivos 2- Abordagem 3-Suporte Familiar Constituição TRIPÉ(Médico, Família, Jovem) Informação /Mudanças Vigilância longitudinal Resiliência

Leia mais

Definição de Inteligência, de Jean Piaget

Definição de Inteligência, de Jean Piaget Definição de Inteligência, de Jean Piaget Discussão 1: Definição de Inteligência* * Manuscrito da gravação de Jean Piaget à Rádio Suíça Romande em 06 de março de 1951 O texo foi traduzido do Francês por

Leia mais

Brincar é importante para as crianças? Por que? Brincadeira/ satisfação/ prazer : são termos de uma mesma equação? Sempre que a criança brinca, ela

Brincar é importante para as crianças? Por que? Brincadeira/ satisfação/ prazer : são termos de uma mesma equação? Sempre que a criança brinca, ela BRINCADEIRA Brincar é importante para as crianças? Por que? Brincadeira/ satisfação/ prazer : são termos de uma mesma equação? Sempre que a criança brinca, ela está satisfeita e feliz? Brincadeira como

Leia mais

Auto-Estima. Elaboração:

Auto-Estima. Elaboração: Auto-Estima Elaboração: www.searadomestre.com.br Estima 1. Apreciação favorável de uma pessoa ou coisa; amizade, apreço, afeição. 2. Consideração. 3. Estimativa, avaliação. O que é Qualidade de Vida? Requisitos

Leia mais

CONSUMO CONSUMIDOR &

CONSUMO CONSUMIDOR & CONSUMIDOR &CONSUMO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR CONDICIONANTES EXTERNOS EXPLICATIVOS DO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Atitudes/Necessidades Perce pção Aprendizagem (memória) Atividades de marketing Cultura

Leia mais

7 GERAL DA RELAÇÃO Duas cartas que representam a essência da relação, a energia envolvida no relacionamento de ambas as partes.

7 GERAL DA RELAÇÃO Duas cartas que representam a essência da relação, a energia envolvida no relacionamento de ambas as partes. ANTÔNIO LEITURA PARA RELACIONAMENTO MÉTODO TEMPLO DE AFRODITE CASAS 1 E 2 MENTAL ELA E ELE Estas casas se referem a tudo que é pensamento racional, o que cada um pensa do outro e da relação, seus medos,

Leia mais