IGUALDADE NÃO É (SÓ) QUESTÃO DE MULHERES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IGUALDADE NÃO É (SÓ) QUESTÃO DE MULHERES"

Transcrição

1 IGUALDADE NÃO É (SÓ) QUESTÃO DE MULHERES TERESA MANECA LIMA SÍLVIA ROQUE

2

3 DIFERENÇAS ENTRE HOMENS E MULHERES APENAS UMA QUESTÃO DE SEXO? SEXO GÉNERO SEXO: conjunto de características biológicas e reprodutivas que distinguem os homens e as mulheres GÉNERO: representações sociais (conjunto de crenças e ideias feitas) associadas às caraterísticas biológicas dos indivíduos O GÉNERO É UM CONCEITO SOCIAL que descreve o conjunto de qualidades e de comportamentos que as sociedades esperam dos homens e das mulheres, formando a sua entidade social, a qual difere de cultura para cultura

4 PAPÉIS SOCIAIS DE GÉNERO SOCIALIZAÇÃO: processo pelo qual os indivíduos são apresentados à sociedade e vice-versa, para adaptar-se às regras, valores e comportamentos impostos pelo meio social no qual estão inseridos. Aprende-se a ser homem ou mulher. Implica reprodução mas não só ESTEREÓTIPOS: impressões, ideias deturpadas, préconcebidas, de grupos sociais que levam à generalização de determinadas características individuais, muitas vezes baseada em preconceitos. Não correspondem necessariamente às práticas

5 FILME: MINHA VIDA DE JOÃO

6 IGUALDADE ENTRE HOMENS E MULHERES

7 PRINCÍPIO DE IGUALDADE CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA PARTE I - DIREITOS E DEVERES FUNDAMENTAIS TÍTULO I - PRINCÍPIOS GERAIS ARTIGO 13.º - (PRINCÍPIO DA IGUALDADE) 1. Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei. 2. Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica ou condição social.

8 DESIGUALDADE DE GÉNERO Corresponde à hierarquização dos direitos, estatuto e dignidade entre mulheres e homens, quer a nível da lei quer a nível dos factos Assimetrias dos indicadores sociais entre a situação das mulheres e dos homens tanto na esfera pública como na esfera privada A valorização diferente de ser homem e mulher, e das suas atividades, reflete-se na condição socioeconómica (níveis de saúde, rendimento, educação, etc.) como na posição, ou grau de autonomia das pessoas DISCRIMINAÇÃO

9 COMO A DESIGUALDADE AFETA AS MULHERES? Nenhum país no mundo pode dizer que garante plena igualdade Diferenças nos estatutos das mulheres de acordo com sociedade em que vivem Nem todas as mulheres são afetadas da mesma forma: muitas mulheres não sentem discriminação, desvalorização, etc. Mas isso não significa que não existam As mulheres também reproduzem estereótipos e desigualdades, o que revela o poder da ordem de género dominante e como esta parece normal

10 DESIGUALDADE SALARIAL E EMPREGO Na UE, em média, as mulheres ganham, por hora, cerca de 16 % menos do que os homens As mulheres ganham menos ao longo da vida, pelo que são mais baixas as suas reformas e maior o risco de pobreza na terceira idade. Em 2012, 21,7 % das mulheres com idade igual ou superior a 65 anos corriam risco de pobreza, contra 16,3 % dos homens. (Comissão Europeia, 2014). Enquanto que para as mulheres europeias os fatores mais importantes para a entidade empregadora no momento de escolher um funcionário são a existência de filhos (49%), a flexibilidade de horário (35%) e o aspeto físico (33%), para os homens os critérios mais importantes são a experiência profissional (40%), o nível de qualificações (38%) e a disponibilidade para viajar (31%). (Eurobarometro, 2012).

11 DESIGUALDADE NO USO DO TEMPO: TRABALHO DOMÉSTICO E CUIDADO Mundialmente, o tempo médio gasto em trabalho não pago e de cuidado pelas mulheres é entre 2 e 10 vezes superioes ao dos homens (Budlender, 2008). Portugal é o quinto país, num conjunto de 29, a registar maior diferença entre o tempo que homens e mulheres passam em casa a desempenhar tarefas não remuneradas Estudo OCDE. Mulheres passam 328 minutos (quase cinco horas e meia) por dia em tarefas domésticas, enquanto os homens despendem apenas 96 minutos.

12 DESIGUALDADE NA VITIMIZAÇÃO POR VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, FAMILIAR, POR PARCEIRO ÍNTIMO VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - A maior parte das vítimas são mulheres. - Em todo o mundo as mulheres têm maior probabilidade de serem violentadas por parceiros íntimo. VIOLÊNCIA NAMORO - Em Portugal, uma grande parte dos jovens acha normal atitudes violentas e de controlo (Estudo UMAR).

13

14 COMO A DESIGUALDADE AFETA OS HOMENS? Os homens e as MASCULINIDADES não são todos iguais ATRIBUTOS, PAPEIS, CARACTERÍSTICAS ATRIBUÍDAS AO QUE SIGNIFICA SER HOMEM Desigualdade entre homens tem várias dimensões (classe, raça, etc.) incluindo género. Uns são considerados mais homens do que outros Quem não cumpre as expectativas e o os papéis mais valorizados é discriminado, afastado, sofre, tenta compensar.

15 CARACTERÍSTICAS E PAPÉIS ASSOCIADOS AOS HOMENS CARACTERÍSTICAS PAPÉIS Força, coragem, agressividade, impulsividade Racionalidade Liderança Protetor, tarefas físicas, herói, guerreiro, disponibilidade sexual Tarefas intelectuais e ciências exatas Provedor, chefe, decisões políticas

16 ESTEREÓTIPOS

17 A INVISIBILIDADE DO SOFRIMENTO - Stress económico peso do desemprego - Problemas de saúde mental, alcoolismo, abuso de drogas - Homens mais afetados pelo suicídio - Rapazes e homens vítimas de vários tipos de violência 20% a 85% dos homens relataram ter experienciado violência psicológica quando eram crianças; 26% a 67% dos homens relataram ter experienciado violência física nos seus lares quando eram crianças 16% a 44% dos homens relataram ter visto a sua mãe ser agredida pelo seu pai ou outro parceiro masculino 1% a 21% dos homens relataram ter experienciado violência sexual quando eram crianças 34% a 79% relatam ter sido intimidados nos seus bairros ou fisicamente punidos pelos seus professores ESTUDO IMAGES

18 VÍDEO: A HISTÓRIA DE MÁRCIO A REPRODUÇÃO DA VIOLÊNCIA Rapazes e homens reproduzem, muitas vezes, violência de que são vítimas - Interpessoal - Domínios: privado e público

19 DIMENSÕES EM MUDANÇA ESCOLARIDADE Portugal: Em 2010, o abandono escolar precoce dos rapazes situava-se em 32,7% e o das raparigas em 24,6%. DESEMPREGO E PRECARIEDADE feminização do trabalho aumento das taxas de atividade femininas PATERNIDADE são ainda poucos os homens que auferem deste direito, em grande parte devido ao modo como são estigmatizados no seu local de trabalho

20 EVOLUÇÃO LICENÇAS PATERNIDADE PORTUGAL FONTE: INE/CITE

21 PODEM, DEVEM OS HOMENS LUTAR PELA IGUALDADE? Não se trata de ser contra os homens ou as mulheres Em causa estão os princípios: justiça, igualdade, solidariedade, democracia OS HOMENS TAMBÉM TÊM A GANHAR COM A IGUALDADE Novos papéis Mais possibilidades Melhores relações Melhor sociedade

22 O QUE A SOCIEDADE PODE GANHAR? Violência gera violência e a forma mais traumática consiste em testemunhar violência contra as mães Cuidado gera cuidado: homens que viram seus pais em relações de cuidado têm duas vezes mais probabilidades de fazerem o mesmo Geração mais jovem e homens com formação secundária aceitam a igualdade de género mais rapidamente Homens que acreditam e praticam igualdade de género são mais felizes e saudáveis e as suas companheiras também.

23 Muito Obrigada! Teresa Maneca Lima

O Direito de Adoptar?

O Direito de Adoptar? Direito da Igualdade Social 2010 2011 O Direito de Adoptar? A adopção por casais homossexuais Andreia Engenheiro Nº 2068 1. Família Tem influência de factores: - Religiosos; - Económicos; - Socio-culturais.

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2015

PLANO DE ATIVIDADES 2015 PLANO DE ATIVIDADES 2015 ÍNDICE ENQUADRAMENTO QUEM SOMOS MISSÃO, VISÃO E VALORES SERVIÇOS À COMUNIDADE MISSÃO PRINCIPAL DA COOPERATIVA RESPOSTAS SOCIAIS ESTRATÉGIAS CHAVE QUAIS SÃO AS ESTRATÉGIAS CHAVE

Leia mais

Igualdade de Género, e Não-discriminação.

Igualdade de Género, e Não-discriminação. 2016 Igualdade de Género, e Não-discriminação. INSTITUTO PORTUGUÊS DO SANGUE E DA TRANSPLANTAÇÃO, I.P. Igualdade de Género, e Não-discriminação. O IPST, I.P., está sujeito às normas legais previstas no

Leia mais

CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES

CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES Um desafio para a igualdade numa perspectiva de gênero Ituporanga 30/04/04 Conferência Espaço de participação popular para: Conferir o que tem sido feito

Leia mais

Estrutura FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL Sandra Almeida Área de Integração

Estrutura FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL Sandra Almeida Área de Integração Estrutura FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL Sandra Almeida 21115 Área de Integração 1 CONCEITO DE FAMÍLIA 2 3 RELAÇÕES DE PARENTESCO ESTRUTURAS FAMILIARES/MODELOS DE FAMÍLIA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA 4 5 FUNÇÕES

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO DE ATIVIDADES 2016 PLANO DE ATIVIDADES 2016 ÍNDICE ENQUADRAMENTO QUEM SOMOS MISSÃO, VISÃO E VALORES SERVIÇOS À COMUNIDADE MISSÃO PRINCIPAL DA COOPERATIVA RESPOSTAS SOCIAIS ESTRATÉGIAS CHAVE QUAIS SÃO AS ESTRATÉGIAS CHAVE

Leia mais

IMSI16. Contributo para a Democracia. Adriano Neves José Fernandes Luis Silva Paulo Gama

IMSI16. Contributo para a Democracia. Adriano Neves José Fernandes Luis Silva Paulo Gama IMSI16 Contributo para a Democracia Adriano Neves José Fernandes Luis Silva Paulo Gama Instituição Particular de Solidariedade Social Organização de voluntariado que apoia de forma individualizada vítimas

Leia mais

Convenção de Istambul

Convenção de Istambul CONVENÇÃO DO CONSELHO DA EUROPA PARA A PREVENÇÃO E O COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES E A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Convenção de Istambul LIVRE DO MEDO LIVRE DA VIOLÊNCIA QUAL É O OBJETIVO DA CONVENÇÃO?

Leia mais

Programa de Educação para a Saúde Sexual

Programa de Educação para a Saúde Sexual Escola Profissional Fialho de Almeida Vidigueira Programa de Educação para a Saúde Sexual Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família (GAAF) 17 de janeiro de 2013 O que é a sexualidade? De acordo com a Organização

Leia mais

AntoonVan Dyck, Sansão e Dalila (1630)

AntoonVan Dyck, Sansão e Dalila (1630) AntoonVan Dyck, Sansão e Dalila (1630) Constitui uma violação dos direitos fundamentais à vida, à liberdade, à segurança, à dignidade, à igualdade entre mulheres e homens, à não-discriminação e à integridade

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 378/IX ALTERAÇÃO DA IMAGEM FEMININA NOS MANUAIS ESCOLARES

PROJECTO DE LEI N.º 378/IX ALTERAÇÃO DA IMAGEM FEMININA NOS MANUAIS ESCOLARES PROJECTO DE LEI N.º 378/IX ALTERAÇÃO DA IMAGEM FEMININA NOS MANUAIS ESCOLARES A igualdade entre mulheres e homens é um princípio fundamental da democracia, um direito constitucionalmente consagrado, cuja

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 11

Transcrição de Entrevista nº 11 Transcrição de Entrevista nº 11 E Entrevistador E11 Entrevistado 11 Sexo Masculino Idade 25anos Área de Formação Engenharia Informática E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o

Leia mais

8 de março de 2013: Dia Internacional da Mulher. Mulheres e desigualdades de género no contexto da crise

8 de março de 2013: Dia Internacional da Mulher. Mulheres e desigualdades de género no contexto da crise Direção-Geral da Comunicação UNIDADE DO ACOMPANHAMENTO DA OPINIÃO PÚBLICA Bruxelas, 26 de fevereiro de 2013 8 de março de 2013: Dia Internacional da Mulher Mulheres e desigualdades de género no contexto

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

A importância dos afectos. Igualdade de género e políticas de emprego. Vida familiar na Europa. Emprego e flexibilidades. Qualidade de vida na Europa

A importância dos afectos. Igualdade de género e políticas de emprego. Vida familiar na Europa. Emprego e flexibilidades. Qualidade de vida na Europa 1. A importância dos afectos Vida familiar na Europa 2. 5. 6. Igualdade de género e políticas de emprego Qualidade de vida na Europa Emprego e flexibilidades 3. Políticas de cuidados com as crianças e

Leia mais

A nossa tripla cidadania: os valores cívicos

A nossa tripla cidadania: os valores cívicos Dos Açores para a Europa e para o Mundo A nossa tripla cidadania: os valores cívicos M. Patrão Neves Dos Açores para a Europa e para o Mundo Três realidades físicas: como seres naturais ocupamos e habitamos

Leia mais

ÍNDICE DE FELICIDADE NA 3ª IDADE

ÍNDICE DE FELICIDADE NA 3ª IDADE ÍNDICE DE FELICIDADE NA 3ª IDADE Novembro 2014 INTRODUÇÃO CONSUMIDORES DA TERCEIRA IDADE NO BRASIL AFIRMAM SER SAUDÁVEIS E FELIZES O perfil dos consumidores da terceira idade residentes nas capitais brasileiras

Leia mais

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Legislação O que é um homem e o que é uma mulher? Homem, s.m. (do lat.

Leia mais

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Introdução Os sentimentos de tristeza, desapontamento, desvalorização e culpa, surgem pontualmente

Leia mais

Se o trabalho não avança, autonomia feminina não se dá plenamente"

Se o trabalho não avança, autonomia feminina não se dá plenamente Sociedade T E R Ç A - F E I R A, 1 1 D E J U L H O D E 2 0 1 7 Entrevista - Lucia Garcia Se o trabalho não avança, autonomia feminina não se dá plenamente" por Dimalice Nunes publicado 26/06/2017 00h17,

Leia mais

Política Fiscal: a urgência de uma análise de género

Política Fiscal: a urgência de uma análise de género Conferência do II Aniversário CIEG «Celebrar a Investigação em Estudos de Género» Política Fiscal: a urgência de uma análise de género Edna Falorca da Costa Lisboa, 21 de Maio 2014 Enquadramento inicial

Leia mais

ENQUADRAMENTO CLIENTES

ENQUADRAMENTO CLIENTES ENQUADRAMENTO A promoção da integração na sociedade do cidadão com deficiência mental assim como a defesa dos seus direitos, são valores considerados como fundamentais pela APPACDM, no respeito pelos princípios

Leia mais

Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz

Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz PLANO ANUAL DE TRABALHO 20/205 9ºAno Código 070 Educação para a Cidadania 9º Ano Ano Letivo: 20/ 205 Plano Anual Competências a desenvolver Conteúdos Temas/Domínios Objetivos Atividades / Materiais 3 Períodos

Leia mais

A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio

A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio ANITA PIRES EMAIL: anitap@matrix.com.br FONE/FAX: (48) 223 5152 Características Históricas Ontem: Relações autoritárias; Trabalho escravo; Patrimônio: tangível

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO. Ano letivo Turma: Docente Responsável pelo projeto:

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO. Ano letivo Turma: Docente Responsável pelo projeto: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO Escola Ano letivo 2013-2014 Turma: Docente Responsável pelo projeto: SEXUALIDADE (...) É um aspeto central do ser humano, que acompanha toda a vida e que envolve o sexo,

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves Descrição: Direitos e deveres adquiridos em cada fase da vida - criança, adulto e na velhice Objectivo: Cidadão/ Estado Critérios de Evidência; Reconhecer as responsabilidades inerentes à liberdade pessoal

Leia mais

GABINETE de ATendimento Para a Saúde -Sexualidade

GABINETE de ATendimento Para a Saúde -Sexualidade GABINETE de ATendimento Para a Saúde -Sexualidade SOLIDARIEDADE SAÚDE PESS AMBIENTE SEXUALIDADE Com este programa pretendemos que a nossa escola continue a ser UMA ESCOLA PROMOTORA DE SAÚDE O que é UMA

Leia mais

VIOLÊNCIA ENTRE NAMORADOS NA ADOLESCÊNCIA (VNA) S. Taquette, C.Moraes, L. Souza, J. Garcia, L.Meira, T. Freitas, M. Carneiro

VIOLÊNCIA ENTRE NAMORADOS NA ADOLESCÊNCIA (VNA) S. Taquette, C.Moraes, L. Souza, J. Garcia, L.Meira, T. Freitas, M. Carneiro VIOLÊNCIA ENTRE NAMORADOS NA ADOLESCÊNCIA (VNA) S. Taquette, C.Moraes, L. Souza, J. Garcia, L.Meira, T. Freitas, M. Carneiro Introdução VNA é aquela que ocorre entre parceiros envolvidos em relacionamento

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 176/XIII/1.ª ALARGA A LICENÇA PARENTAL INICIAL E O PERÍODO DE DISPENSA PARA ALEITAÇÃO

PROJETO DE LEI N.º 176/XIII/1.ª ALARGA A LICENÇA PARENTAL INICIAL E O PERÍODO DE DISPENSA PARA ALEITAÇÃO Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 176/XIII/1.ª ALARGA A LICENÇA PARENTAL INICIAL E O PERÍODO DE DISPENSA PARA ALEITAÇÃO Exposição de motivos A Organização Mundial de Saúde, em associação com a UNICEF,

Leia mais

Psicologia social. Interacções sociais

Psicologia social. Interacções sociais Psicologia social Interacções sociais Modelo de atracção e de amizade em função do tempo (Rusbult, 1983) Prazer Gratificações e custos Nível de comparação Investimento na relação Níveis de comparação alternativos

Leia mais

CONTEÚDOS CURRICULARES MÍNIMOS DE EDUCAÇÂO SEXUAL. Carga horária mínima por ano de escolaridade:

CONTEÚDOS CURRICULARES MÍNIMOS DE EDUCAÇÂO SEXUAL. Carga horária mínima por ano de escolaridade: CONTEÚDOS CURRICULARES MÍNIMOS DE EDUCAÇÂO SEXUAL Com base na Portaria nº 196-A/2010 Carga horária mínima por ano de escolaridade: Ciclo Lei nº60/2009, de 6 de agosto Carga Horária (mínima) Nº de horas

Leia mais

A Intervenção com as Comunidades Ciganas: em prol da igualdade de género e de oportunidades

A Intervenção com as Comunidades Ciganas: em prol da igualdade de género e de oportunidades A Intervenção com as Comunidades Ciganas: em prol da igualdade de género e de oportunidades A luta das mulheres para conseguir espaços de igualdade é difícil, mas temos de ter a capacidade de tomar decisões

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º./XII/2.ª REFORÇA OS APOIOS EM SITUAÇÃO DE DESEMPREGO

PROJETO DE LEI N.º./XII/2.ª REFORÇA OS APOIOS EM SITUAÇÃO DE DESEMPREGO Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º./XII/2.ª REFORÇA OS APOIOS EM SITUAÇÃO DE DESEMPREGO Exposição de motivos O desemprego é o maior flagelo social do país. As políticas de austeridade levaram a um aumento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GRAU DE CONHECIMENTO

AVALIAÇÃO DO GRAU DE CONHECIMENTO AVALIAÇÃO DO GRAU DE CONHECIMENTO Comunidade 2014 DOC. 412.1 1. PROCEDIMENTO O instrumento de avaliação do grau de conhecimento da comunidade foi aplicado em suporte papel. Foram avaliados itens relacionados

Leia mais

SMAB Nº (Nº CNJ: ) 2017/CRIME

SMAB Nº (Nº CNJ: ) 2017/CRIME CONFLITO DE COMPETÊNCIA. VIOLÊNCIA DOMÉSTICA. AGRESSÕES PERPETRADAS POR GENRO CONTRA SOGRA. INCIDÊNCIA DA LEI N.º 11.340/06. 1. A incidência da Lei n.º 11.340/06 depende de que a violência seja baseada

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADES

PROGRAMA DE ATIVIDADES PROGRAMA DE ATIVIDADES com amor e sexualidade. Ano letivo 2013-2014 Alunos ANO TEMA PÚBLICO- ALVO COMPETÊNCIAS DATAS DURAÇÃO 1 º ano gostar de ti I Alunos do 1º ano Estabelece a ligação entre pensar e

Leia mais

A reforma da previdência e a vida das mulheres

A reforma da previdência e a vida das mulheres A reforma da previdência e a vida das mulheres O governo Temer e seus ministros têm anunciado em alto e bom som que irão mudar as regras da seguridade social, o que pode acabar com a possibilidade de muitos

Leia mais

Subsidiar a implementação de um conjunto de ações orientadas para a prevenção e erradicação do trabalho de crianças e adolescentes no estado da

Subsidiar a implementação de um conjunto de ações orientadas para a prevenção e erradicação do trabalho de crianças e adolescentes no estado da O TRABALHO INFANTO- JUVENIL NO ESTADO DA BAHIA Destaques do relatório preparado por Inaiá Maria Moreira de Carvalho e Cláudia Monteiro Fernandes para a OIT Brasil Março de 2010 1 Objetivo Geral Subsidiar

Leia mais

8 dados que mostram o abismo social entre negros e brancos

8 dados que mostram o abismo social entre negros e brancos 8 dados que mostram o abismo social entre negros e brancos Fonte: Exame.com São Paulo - A população negra brasileira ainda enfrenta um abismo de desigualdade. São os negros as maiores vítimas da violência

Leia mais

Natália de Oliveira Fontoura. Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília, março de 2014

Natália de Oliveira Fontoura. Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília, março de 2014 Natália de Oliveira Fontoura Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Brasília, março de 2014 Apesar das conquistas das mulheres, são ainda observadas muitas desigualdades

Leia mais

60 mins Missão: Igualdade de Géneros. Assunto. Resultado de aprendizagem. Preparação

60 mins Missão: Igualdade de Géneros. Assunto. Resultado de aprendizagem. Preparação P1 Freida Pinto Atriz Missão: Igualdade de Géneros Assunto Geografia, Ciência, compreensão da linguagem Resultado de aprendizagem Conhecer a definição de igualdade de gênero Explorar algumas das causas

Leia mais

Violência de Género. Violência Doméstica. Filipa Fernandes Sara Alferes. Trabalho para a Unidade Curricular: Pensamento Crítico e Trabalho Académico

Violência de Género. Violência Doméstica. Filipa Fernandes Sara Alferes. Trabalho para a Unidade Curricular: Pensamento Crítico e Trabalho Académico Filipa Fernandes Sara Alferes Violência de Género Violência Doméstica Trabalho para a Unidade Curricular: Pensamento Crítico e Trabalho Académico Curso: Animação e Intervenção Sociocultural 1º Ano/ 1º

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DE GÊNERO NO MERCADO DE TRABALHO. Bernadete Kurtz

DISCRIMINAÇÃO DE GÊNERO NO MERCADO DE TRABALHO. Bernadete Kurtz DISCRIMINAÇÃO DE GÊNERO NO MERCADO DE TRABALHO Bernadete Kurtz FERRAMENTAS CONTRA A DISCRIMINAÇÃO DA MULHER NAS RELAÇÕES DE TRABALHO Documentos Internacionais Legislação Brasileira Uso dos princípios Constitucionais

Leia mais

18% DOS RESIDENTES EM RISCO DE POBREZA.

18% DOS RESIDENTES EM RISCO DE POBREZA. Rendimento e Condições de Vida 2006 15 de Janeiro de 2008 18% DOS RESIDENTES EM RISCO DE POBREZA. O Instituto Nacional de Estatística apresenta os principais indicadores sobre o risco de pobreza e a desigualdade

Leia mais

1. Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias. Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões

1. Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias. Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões 1. Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias Normas nacionais sobre a não discriminação: a Constituição

Leia mais

Cuarta Conferencia Regional Intergubernamental sobre Envejecimiento y Derechos de las Personas Mayores en América Latina y el Caribe Asunción, junio

Cuarta Conferencia Regional Intergubernamental sobre Envejecimiento y Derechos de las Personas Mayores en América Latina y el Caribe Asunción, junio Cuarta Conferencia Regional Intergubernamental sobre Envejecimiento y Derechos de las Personas Mayores en América Latina y el Caribe Asunción, junio de 2017 Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa

Leia mais

Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais

Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais 1 Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais Quais as mudanças e as continuidades ocorridas nestas famílias entre 1991-2011? Qual o impacto das mudanças na conjugalidade e na parentalidade,

Leia mais

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira.

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira Os primeiros habitantes

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

Assunto: Dispensa para amamentação /Pedido de informação Processo: 860 DV/2015

Assunto: Dispensa para amamentação /Pedido de informação Processo: 860 DV/2015 PARECER N.º 285/CITE/2015 Assunto: Dispensa para amamentação /Pedido de informação Processo: 860 DV/2015 I OBJETO 1.1. Em 28.4.2015, CITE recebeu da trabalhadora, enfermeira, um pedido de informação relativamente

Leia mais

Acelerar a resposta para pôr um fim à SIDA Estratégia ONUSIDA

Acelerar a resposta para pôr um fim à SIDA Estratégia ONUSIDA Acelerar a resposta para pôr um fim à SIDA Estratégia ONUSIDA 2016 2021 Apresentado por: Dr.ª Hellen Magutu Amakobe, Ponto Focal para o VIH e SIDA, OIT Quénia Síntese 1 2 3 4 Processo de elaboração da

Leia mais

MANIFESTO PORTUGAL MAIS LIBERAL

MANIFESTO PORTUGAL MAIS LIBERAL MANIFESTO PORTUGAL MAIS LIBERAL Este é o tempo de Portugal aprender com o passado, entender os desafios do presente e, sobretudo, assegurar a evolução que fortaleça a esperança no nosso futuro coletivo

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa, senhoras e senhores deputados, senhora e senhores membros do Governo.

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa, senhoras e senhores deputados, senhora e senhores membros do Governo. Deputada Regional do Partido Socialista Piedade Lalanda Intervenção subordinada ao Tema A liberdade no feminino ou o impacto do 25 de Abril de 1974 na realidade das mulheres portuguesas. Data Plenário

Leia mais

e a p r e s e n t a m

e a p r e s e n t a m e a p r e s e n t a m 2 2 São 105 milhões de mulheres no Brasil 12º País em população = 2 X 3 3 Meu nome é Renato Meirelles, sou homem, branco, paulistano com curso superior e tenho 39 anos de idade. E

Leia mais

Envelhecimento: um desafio ao futuro.

Envelhecimento: um desafio ao futuro. Envelhecimento: um desafio ao futuro Sílvia Portugal Sílvia Portugal sp@fe.uc.pt 1. De que falamos quando falamos de envelhecimento? 2. Os problemas 3. As respostas 4. Os desafios 1. De que falamos quando

Leia mais

Violência no trabalho. Mara Feltes, secretária de mulheres da Contracs

Violência no trabalho. Mara Feltes, secretária de mulheres da Contracs Violência no trabalho Mara Feltes, secretária de mulheres da Contracs Divisão sexual do trabalho Entre as principais causas das desigualdades de gênero está centrada na divisão sexual do trabalho. Por

Leia mais

Promoção e proteção dos direitos das crianças. A utilidade de critérios, ou pilares concetuais, é

Promoção e proteção dos direitos das crianças. A utilidade de critérios, ou pilares concetuais, é A utilidade de critérios, ou pilares concetuais, é inquestionável para enquadrar as ações de proteção e cuidados à infância. Os profissionais devem partilhar conceitos básicos, que os ajudem a identificar

Leia mais

I MAIO NOTAS PARA A INTERVENÇÃO

I MAIO NOTAS PARA A INTERVENÇÃO I MAIO 2011 - NOTAS PARA A INTERVENÇÃO Caras e caros Companheiros e Amigos Aqui, somos muitos, muitos mil para dizer ao País que os trabalhadores estão mobilizados na defesa de um PAÍS PROGRESSO ECONÓMICO

Leia mais

2ª Edição do CURSO DE FORMAÇÃO DE VOLUNTARIADO Corações Capazes de Construir Iniciativa e responsabilidade da Associação Corações com Coroa (CCC)

2ª Edição do CURSO DE FORMAÇÃO DE VOLUNTARIADO Corações Capazes de Construir Iniciativa e responsabilidade da Associação Corações com Coroa (CCC) 2ª Edição do CURSO DE FORMAÇÃO DE VOLUNTARIADO Iniciativa e responsabilidade da Associação Corações com Coroa (CCC) OBJECTIVOS: Formar equipas de voluntariado da CCC. Promover o conhecimento em torno das

Leia mais

COMISSÃO PARA A IGUALDADE NO TRABALHO E NO EMPREGO

COMISSÃO PARA A IGUALDADE NO TRABALHO E NO EMPREGO COMISSÃO PARA A IGUALDADE NO TRABALHO E NO EMPREGO Entidade criada em 1979 Mecanismo nacional para a igualdade entre homens e mulheres no trabalho e no emprego Estrutura tutelada pelo Ministério da Solidariedade,

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

TIC KIDS ONLINE BRASIL 2015

TIC KIDS ONLINE BRASIL 2015 TIC KIDS ONLINE BRASIL 2015 Apresentação dos principais resultados TIC Kids Online Brasil 2015 São Paulo 10 de outubro de 2016 Atualizado em: 28/10/2016. Para mais detalhes, consulte a nota de correção.

Leia mais

IMPACTOS DA EDUCAÇÃO NA POBREZA E NA PRIVAÇÃO MATERIAL DAS FAMÍLIAS EM PORTUGAL, 2010

IMPACTOS DA EDUCAÇÃO NA POBREZA E NA PRIVAÇÃO MATERIAL DAS FAMÍLIAS EM PORTUGAL, 2010 DISSERTAÇÃO MESTRADO EM ECONOMIA E POLÍTICAS PÚBLICAS IMPACTOS DA EDUCAÇÃO NA POBREZA E NA PRIVAÇÃO MATERIAL DAS FAMÍLIAS EM PORTUGAL, 2010 Por: SUSANA PAULA P. F. NEVES INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA

Leia mais

FORMAÇÃO DE FORMADORES Igualdade de Oportunidades - Educação para a Cidadania

FORMAÇÃO DE FORMADORES Igualdade de Oportunidades - Educação para a Cidadania FORMAÇÃO DE FORMADORES Igualdade de Oportunidades - Educação para a Cidadania 1. Objecto de Estudo a. Cidadania e Igualdade de Oportunidades; b. Legislação Comunitária e Nacional em matéria de Igualdade

Leia mais

Você já ouviu falar sobre a IGUALDADE DE GÊNERO? Saiba do que se trata e entenda o problema para as crianças, jovens e adultos se essa igualdade não

Você já ouviu falar sobre a IGUALDADE DE GÊNERO? Saiba do que se trata e entenda o problema para as crianças, jovens e adultos se essa igualdade não Você já ouviu falar sobre a IGUALDADE DE GÊNERO? Saiba do que se trata e entenda o problema para as crianças, jovens e adultos se essa igualdade não for ensinada na escola! O QUE É A IGUALDADE DE GÊNERO?

Leia mais

Datas Especiais. MARÇO 08 - Dia Internacional da Mulher 11 - Dia Internacional das Vítimas do Terrorismo 14 - Dia dos Animais Dia Nacional da Poesia

Datas Especiais. MARÇO 08 - Dia Internacional da Mulher 11 - Dia Internacional das Vítimas do Terrorismo 14 - Dia dos Animais Dia Nacional da Poesia Datas Especiais JANEIRO 01 - Dia da Confraternização Universal Dia Mundial da Paz 04 - Dia Mundial do Braille 06 - Dia de Reis Dia da Gratidão 07 - Dia da Liberdade de Cultos 08 - Dia do Fotógrafo Dia

Leia mais

2ª Edição do CURSO DE FORMAÇÃO DE VOLUNTARIADO Corações Capazes de Construir Iniciativa e responsabilidade da Associação Corações com Coroa (CCC)

2ª Edição do CURSO DE FORMAÇÃO DE VOLUNTARIADO Corações Capazes de Construir Iniciativa e responsabilidade da Associação Corações com Coroa (CCC) 2ª Edição do CURSO DE FORMAÇÃO DE VOLUNTARIADO Corações Capazes de Construir Iniciativa e responsabilidade da Associação Corações com Coroa (CCC) OBJECTIVOS: Formar equipas de voluntariado da CCC Promover

Leia mais

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES Documento de trabalho para Discussão entre os trabalhadores, Conselho Técnico e Direcção 1 OBJECTIVO DO CÓDICO Organizar um quadro de referência

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BARREIRO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BARREIRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BARREIRO ( ) Cidadania não é apenas o conjunto de direitos e deveres que os cidadãos devem exercer e cumprir. O exercício da Cidadania é sobretudo um comportamento, uma atitude

Leia mais

ADOLESCENTES PORTUGUESES: ALIMENTAÇÃO E ESTILOS DE VIDA SAUDAVEIS

ADOLESCENTES PORTUGUESES: ALIMENTAÇÃO E ESTILOS DE VIDA SAUDAVEIS ADOLESCENTES PORTUGUESES: ALIMENTAÇÃO E ESTILOS DE VIDA SAUDAVEIS Margarida Gaspar de Matos* Marlene Silva e Equipa Aventura Social & Saúde *Psicologa, Prof Ass F M H / UTL Coordenadora Nacional do HBSC/OMS

Leia mais

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR SEXISMO EM MEIO ESCOLAR Seminário Évora Sexismo Avaliação negativa e atos discriminatórios baseados no sexo, no género ou na orientação sexual Historicamente marcado por relações de poder dos homens sobre

Leia mais

Participação da mulher no mercado de trabalho

Participação da mulher no mercado de trabalho e desigualdade da renda domiciliar per capita no Brasil: 1981-2002 PET-Economia UnB 29 de abril de 2015 Rodolfo Hoffmann Sobre os autores Sobre o Graduação em Agronomia (1965) Mestrado em Ciências Sociais

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO EM 2011

O MERCADO DE TRABALHO EM 2011 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2012 O MERCADO DE TRABALHO EM 2011 Em comemoração ao Dia Nacional da Consciência Negra Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego podem

Leia mais

Aumento da Licença Paternidade: estratégia para o desenvolvimento integral na Primeira Infância

Aumento da Licença Paternidade: estratégia para o desenvolvimento integral na Primeira Infância Aumento da Licença Paternidade: estratégia para o desenvolvimento integral na Primeira Infância Milena do Carmo m.santos@promundo.org.br Promundo-Brasil Brasília, 06 de julho de 2016. Instituto Promundo

Leia mais

Deputada Maria Fernanda Lay

Deputada Maria Fernanda Lay Deputada Maria Fernanda Lay Timor Leste PERCENTAGEM DAS VÍTIMAS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NO MUNDO OMS 33% das mulheres no mundo têm sido fisica i ou sexualmente agredidas por um parceiro antigo ou atual.

Leia mais

PROJOVEM URBANO: PERFIL, PERSPECTIVAS E PERCEPÇÕES DE DIREITOS DE JOVENS DO NÚCLEO CHICO MENDES NA CIDADE DE FEIRA DE SANTANA- BAHIA

PROJOVEM URBANO: PERFIL, PERSPECTIVAS E PERCEPÇÕES DE DIREITOS DE JOVENS DO NÚCLEO CHICO MENDES NA CIDADE DE FEIRA DE SANTANA- BAHIA PROJOVEM URBANO: PERFIL, PERSPECTIVAS E PERCEPÇÕES DE DIREITOS DE JOVENS DO NÚCLEO CHICO MENDES NA CIDADE DE FEIRA DE SANTANA- BAHIA Vanessa Batista Mascarenhas UEFS Resumo O Projovem Urbano é um programa

Leia mais

Eixo Temático: Temas Transversais

Eixo Temático: Temas Transversais ISSN 2359-1277 A COMPREENSÃO DA DIVISÃO SEXUAL NO TRABALHO: UMA POSIÇÃO DESIGUAL Geovana Boni de Novaes, giiboninovaes@hotmail.com; Keila Pinna Valensuela (Orientadora), keilapinna@hotmail.com; Universidade

Leia mais

Programa: Enquadramento; Dinâmicas e processos associados à violência conjugal; A lei e o combate à violência doméstica questões legais.

Programa: Enquadramento; Dinâmicas e processos associados à violência conjugal; A lei e o combate à violência doméstica questões legais. Programa: Enquadramento; Dinâmicas e processos associados à violência conjugal; A lei e o combate à violência doméstica questões legais. Vídeo: Os tabus sociais na perceção de géneros e papéis sexuais

Leia mais

Senhora Embaixadora de Boa Vontade do UNFPA, Catarina Furtado

Senhora Embaixadora de Boa Vontade do UNFPA, Catarina Furtado Senhora Deputada Mónica Ferro, Coordenadora do GPPsPD 1 Senhores e Senhoras Deputadas Senhor Secretário de Estado da Juventude e Desporto, Emídio Guerreiro Senhora Presidente do Camões-Instituto da Cooperação

Leia mais

Como promover e proteger os direitos de adolescentes e jovens em contextos de vulnerabilidade social agravada?

Como promover e proteger os direitos de adolescentes e jovens em contextos de vulnerabilidade social agravada? Como promover e proteger os direitos de adolescentes e jovens em contextos de vulnerabilidade social agravada? Política pública? Participação social? Conhecimento? Autonomia? Ana Laura Lobato Pesquisadora

Leia mais

Planificação Anual Área de Integração 12º Ano de Escolaridade Turma C Curso Profissional de Técnico de Secretariado. Ano Letivo 2016/2017

Planificação Anual Área de Integração 12º Ano de Escolaridade Turma C Curso Profissional de Técnico de Secretariado. Ano Letivo 2016/2017 Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas Planificação Anual Área de Integração 12º Ano de Escolaridade Turma C Curso Profissional de Técnico de Secretariado Ano Letivo 2016/2017 Professor

Leia mais

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A Ministério da Educação e Ciência Agrupamento de Escolas de Anadia Ano letivo de 2015-2016 I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A CICLO CÓDIGO - DISCIPLINA ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 Soeli do Rocio Nunes Lechinhoski Pedagoga do Departamento de Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação (2013-2016) Secretaria

Leia mais

A ascensão da mulher no mercado de trabalho

A ascensão da mulher no mercado de trabalho A ascensão da mulher no mercado de trabalho Proposta de redação: Há uma considerável inserção de senhoras e senhoritas no mercado de trabalho, fruto da falência dos modelos tradicionais civilizatórios.

Leia mais

ESTATÍSTICAS APAV CRIMES DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA [ ]

ESTATÍSTICAS APAV CRIMES DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA [ ] ESTATÍSTICAS APAV CRIMES DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA [2000-2012] WWW.APAV.PT/ESTATISTICAS Na análise abaixo apresentada, é possível observar que, de 2000 para 2012, o número de vítimas dos Crime de Violência

Leia mais

O acesso a educação e autonomia económica. Quando o acesso a educação não se transforma em oportunidades económicas.

O acesso a educação e autonomia económica. Quando o acesso a educação não se transforma em oportunidades económicas. O acesso a educação e autonomia económica Quando o acesso a educação não se transforma em oportunidades económicas. Nota Introdutória O Objetivo de Desenvolvimento do Milénio (ODM) 3 Promover a Igualdade

Leia mais

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS 1.1. A população: evolução e diferenças regionais 1.1.1. A evolução da população na 2ª metade do século XX Preparação para exame nacional Geografia A 1/8 Síntese: Evolução demográfica da população portuguesa

Leia mais

VI REUNIÃO DA CONFERÊNCIA DE MINISTROS RESPONSÁVEIS PELA JUVENTUDE E PELO DESPORTO DA CPLP Salvador, Brasil, 1 a 3 de Dezembro de 2013

VI REUNIÃO DA CONFERÊNCIA DE MINISTROS RESPONSÁVEIS PELA JUVENTUDE E PELO DESPORTO DA CPLP Salvador, Brasil, 1 a 3 de Dezembro de 2013 CARTA DA JUVENTUDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) Os Ministros da Juventude e Desportos da CPLP, reunidos em Salvador, na VI Reunião Ordinária, no dia 3 de Dezembro de 2013; Considerando

Leia mais

Custos do trabalho de homens e mulheres: mitos e realidade. Laís Abramo, OIT Novembro 2014

Custos do trabalho de homens e mulheres: mitos e realidade. Laís Abramo, OIT Novembro 2014 Custos do trabalho de homens e mulheres: mitos e realidade Laís Abramo, OIT Novembro 2014 Quanto custam as mulheres? É muito frequente a noção de que os custos da mão de obra feminina são superiores aos

Leia mais

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Lais Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, julho de 2012 Esquema da Apresentação 1. Trabalho decente e estratégia de desenvolvimento

Leia mais

Família e Políticas Públicas: Limites e Possibilidades de Atuação do Assistente Social

Família e Políticas Públicas: Limites e Possibilidades de Atuação do Assistente Social Família e Políticas Públicas: Limites e Possibilidades de Atuação do Assistente Social Ms. Camila Felice Jorge Assistente Social da PMSP, professora do Centro Brasileiro Ítalo Brasileiro, com grande vivência

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Painel de Indicadores Sociais. que acompanha o documento

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Painel de Indicadores Sociais. que acompanha o documento COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.4.2017 SWD(2017) 200 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO Painel de Indicadores Sociais que acompanha o documento COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU,

Leia mais

Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil. Centro Sergio Vieira de Mello

Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil. Centro Sergio Vieira de Mello Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil Centro Sergio Vieira de Mello Unidade 4 Parte 3 Respeito pela Diversidade Valores Organizacionais Essenciais da ONU Integridade Profissionalismo Respeito pela

Leia mais

O que é? Ideia central de um parágrafo. Como desenvolvê-lo?

O que é? Ideia central de um parágrafo. Como desenvolvê-lo? Tópico frasal O que é? Ideia central de um parágrafo Como desenvolvê-lo? Exemplificação Consiste em esclarecer o que foi afirmado no tópico frasal por meio de exemplos: A imaginação utópica e inerente

Leia mais

Empoderamento das Mulheres nos Sindicatos da CPLP

Empoderamento das Mulheres nos Sindicatos da CPLP Empoderamento das Mulheres nos Sindicatos da CPLP Lina Lopes Presidente da Comissão de Mulheres da UGT lina.lopes@ugt.pt/comissao.mulheres@ugt.pt Telephone +351 213 931 200/+351 912292471 Cabo Verde, 16

Leia mais

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Jaqueline Lima Santos Doutoranda em Antropologia Social UNICAMP Instituto

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. 1. Centro de Referência Especializado de Assistência Social CREAS

PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. 1. Centro de Referência Especializado de Assistência Social CREAS PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL 1. Centro de Referência Especializado de Assistência Social CREAS Coordenadora: Vera Lúcia Rodrigues Renó Endereço: Rua José Hamilcar congro Bastos 235 Santo André-Três Lagoas/MS

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 9

Transcrição de Entrevista nº 9 Transcrição de Entrevista nº 9 E Entrevistador E9 Entrevistado 9 Sexo Masculino Idade 27 anos Área de Formação Engenharia Informática E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o facto

Leia mais

E.M.E.F. ANTONIO DUARTE DE ALMEIDA MULHERES CHEFES DE FAMÍLIA: PRINCIPAIS CONQUISTAS

E.M.E.F. ANTONIO DUARTE DE ALMEIDA MULHERES CHEFES DE FAMÍLIA: PRINCIPAIS CONQUISTAS E.M.E.F. ANTONIO DUARTE DE ALMEIDA MULHERES CHEFES DE FAMÍLIA: PRINCIPAIS CONQUISTAS Trabalho apresentado para a conclusão do ciclo autoral. Cinthia Ferreira N 09 Kauane Monteiro N 21 Thaina Nogueira N

Leia mais