CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES"

Transcrição

1 CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES Um desafio para a igualdade numa perspectiva de gênero Ituporanga 30/04/04

2 Conferência Espaço de participação popular para: Conferir o que tem sido feito Avaliar as ações Propor alternativas de enfrentamento

3 QUAL É O PAPEL QUE AS MULHERES OCUPAM NA SOCIEDADE? GÊNERO: Sexo social situa o indivíduo no mundo e determina lugares, oportunidades, escolhas, trajetórias, vivências, interesses...

4 Movimentos feministas Domínio sobre a vida das mulheres se traduziu em controle sobre suas uniões conjugais, fertilidade, maternidade, trabalho, habilidades, horas livres, vestimentas, sexualidade, locomoção Movimentos feministas instigaram as mulheres a assumirem a direção de suas vidas

5 Diferença sim, desigualdade não Mudança de valores e mentalidades Transformação da sociedade e das relações sociais Luta pela igualdade: quando a diferença marginaliza e discrimina Luta pela diferença: quando a igualdade descaracteriza e desconsidera

6 Igualdade de direitos e direito à diferença Evitar que diferenças: sejam transformadas em desigualdades (homens e mulheres, etárias, étnicas, culturais...) sejam impeditivas para igualdade de direitos e oportunidades

7 Constituição Federal 1988 Marco legislativo novo pacto no que tange às relações de gênero Assegurou a igualdade de direitos e obrigações para homens e mulheres Democracia participativa

8 1985 Conselho Nacional dos Direitos da Mulher Reconhecimento do Estado da especificidade da condição feminina e necessidade de políticas públicas para garantir a cidadania das mulheres e para a igualdade de gênero Conquista de direitos não é definitiva

9 Código Civil 2003 Mulheres cidadãs Igualdade entre os cônjuges Fim da comprovação da virgindade Não é preciso comprovar honestidade para ter direito à herança paterna União estável Poder familiar: pai e mãe no mesmo nível de responsabilidade Guarda para aquele que tiver melhores condições: paternidade responsável Idades foram igualadas

10 Por quê políticas públicas? Por quê o Estado? Formulação de políticas públicas é via privilegiada para a mudança social Ações afirmativas: garantir a igualdade e a eqüidade contribuindo para o enfrentamento das distorções e das desigualdades sociais

11 1º eixo: Análise da realidade Trabalho Profissionalização Educação Saúde Segurança Pública Discriminação

12 2º eixo: Avaliação das ações e políticas públicas Municipal Estadual Nacional Acordos e tratados assumidos

13 3º eixo: Proposição de diretrizes para a política nacional Que políticas públicas queremos construir para alcançarmos eqüidade de gênero? Como viabilizá-las? Quais os agentes e parceiros centrais?

14 Enfrentamento à pobreza, geração renda, trabalho, acesso ao crédito e à terra ONU: mulheres são as mais pobres entre os mais pobres PNAD/01: mulheres recebem cerca de 60% do salário dos homens e estão concentradas nas faixas mais baixas de rendimento PNAD/01: Agricultoras 3ª maior categoria ocupacional dificuldade de crédito e acesso à terra

15 Enfrentamento à pobreza, geração renda, trabalho, acesso ao crédito e à terra Estímulo à geração de renda Políticas formais de emprego Formas de estímulo à autonomia das mulheres através do acesso ao crédito e posse da terra Ações relacionadas ao combate à discriminação de sexo e raça -salarial

16 Violência/políticas de segurança 43% das mulheres pesquisadas (Fundação Perseu Abramo) revelaram já ter sido vítimas de violência A cada 15 segundos um ato de violência contra a mulher é praticado Atendimento especializado às vítimas: delegacias, Casas abrigo e serviços de saúde Enfrentamento à exploração sexual e ao tráfico de mulheres e meninas

17 Questão racial e étnica Desigualdade não é só de gênero, mas também étnica Mulheres negras sofrem mais discriminação: ganham em média 50% das mulheres brancas e estão mais ausentes das esferas de decisão política Reconhecimento das diversidades e diferenças: conferir maior visibilidade à essa realidade Formulação de ações afirmativas

18 Saúde, direitos sexuais e reprodutivos 20% do total de partos são de meninas de 10 a 19 anos Direito ao livre exercício da sexualidade Acesso à informação e serviços de planejamento familiar Maternidade segura Paternidade responsável: filho não é só da mulher

19 Educação e cultura Mecanismo para reverter as desigualdades e promover o empoderamento das mulheres Educação de gênero igualitária: valores democráticos e desenvolvimento humano integral Igualdade de acesso à educação e erradicação do analfabetismo Considerar as especificidades dos aspectos culturais locais

20 Juventude Discriminação contra os mais jovens, desvalorizando suas vivências e percepções Acesso à informação Tarefas domésticas/ preparação casamento/gravidez precoce Oferecer formação acadêmica, planejamento para carreira profissional acesso ao emprego

21 Poder, democracia e participação Práticas democráticas com a CF/1988 Acesso ao poder político e à representação Participação majoritária nos níveis comunitários (conselhos locais)- nos níveis mais altos a relação é invertida Garantir a representação real das mulheres nos espaços de poder

22 Ações imprescindíveis Acesso à informação Empoderamento das mulheres Ocupar efetivamente os espaços de representação política Fortalecimento de organizações de mulheres

23 Meta Garantia da incorporação das necessidades de diferentes setores excluídos em um projeto global de cidadania em direção à igualdade. Aprofundamento da democracia Combate aos preconceitos e ao racismo Enfrentar a discriminação e promover a inclusão

24 Desejamos viver numa sociedade onde as pessoas sintam-e acolhidas, respeitadas e estimuladas a desenvolverem suas habilidades e potencialidades. Onde não haja espaço para a opressão, exploração, discriminação e marginalização. Esta sociedade só poderá ser construída com a participação e a responsabilidade de mulheres e homens.

A importância do quesito cor na qualificação dos dados epidemiológicos e como instrumento de tomada de decisão em Políticas Públicas de Saúde

A importância do quesito cor na qualificação dos dados epidemiológicos e como instrumento de tomada de decisão em Políticas Públicas de Saúde A importância do quesito cor na qualificação dos dados epidemiológicos e como instrumento de tomada de decisão em Políticas Públicas de Saúde Fernanda Lopes Rio de Janeiro, maio de 2011 O mandato do UNFPA

Leia mais

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Lais Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, julho de 2012 Esquema da Apresentação 1. Trabalho decente e estratégia de desenvolvimento

Leia mais

CARTA DO I SEMINÁRIO NACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS E MULHERES COM DEFICIÊNCIA

CARTA DO I SEMINÁRIO NACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS E MULHERES COM DEFICIÊNCIA CARTA DO I SEMINÁRIO NACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS E MULHERES COM DEFICIÊNCIA No dia nove de novembro de dois mil e treze, na cidade de Brasília Distrito Federal, durante o I Seminário Nacional de Políticas

Leia mais

DÉCADA INTERNACIONAL DE. AFRODESCENDENTES 1º de janeiro de 2015 a 31 de dezembro de 2024 RECONHECIMENTO, JUSTIÇA E DESENVOLVIMENTO

DÉCADA INTERNACIONAL DE. AFRODESCENDENTES 1º de janeiro de 2015 a 31 de dezembro de 2024 RECONHECIMENTO, JUSTIÇA E DESENVOLVIMENTO DÉCADA INTERNACIONAL DE AFRODESCENDENTES 1º de janeiro de 2015 a 31 de dezembro de 2024 RECONHECIMENTO, JUSTIÇA E DESENVOLVIMENTO DÉCADA INTERNACIONAL DOS AFRODESCENDENTES 1º DE JANEIRO DE 2015 A 31 DE

Leia mais

Você já ouviu falar sobre a IGUALDADE DE GÊNERO? Saiba do que se trata e entenda o problema para as crianças, jovens e adultos se essa igualdade não

Você já ouviu falar sobre a IGUALDADE DE GÊNERO? Saiba do que se trata e entenda o problema para as crianças, jovens e adultos se essa igualdade não Você já ouviu falar sobre a IGUALDADE DE GÊNERO? Saiba do que se trata e entenda o problema para as crianças, jovens e adultos se essa igualdade não for ensinada na escola! O QUE É A IGUALDADE DE GÊNERO?

Leia mais

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Jaqueline Lima Santos Doutoranda em Antropologia Social UNICAMP Instituto

Leia mais

E AUTONOMIA DAS MULHERES

E AUTONOMIA DAS MULHERES E AUTONOMIA DAS Faz-se necessário identificar as organizações de mulheres artesãs e possibilitar a articulação das cadeias produtivas de artesanatos geridas por mulheres. o que orienta o Programa O desafio

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS - LGBT

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS - LGBT PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS - LGBT Departamento de Apoio à Gestão Participativa /DAGEP Secretaria de Gestão Estratégica

Leia mais

IGUALDADE NÃO É (SÓ) QUESTÃO DE MULHERES

IGUALDADE NÃO É (SÓ) QUESTÃO DE MULHERES IGUALDADE NÃO É (SÓ) QUESTÃO DE MULHERES TERESA MANECA LIMA SÍLVIA ROQUE DIFERENÇAS ENTRE HOMENS E MULHERES APENAS UMA QUESTÃO DE SEXO? SEXO GÉNERO SEXO: conjunto de características biológicas e reprodutivas

Leia mais

Programa Social. Eixo Cidadania e Direitos Humanos. Criança e Adolescente. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres

Programa Social. Eixo Cidadania e Direitos Humanos. Criança e Adolescente. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Programa Social Eixo Cidadania e Direitos Humanos Criança e Adolescente Secretaria Especial dos Direitos Humanos Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério da Educação Ministério

Leia mais

O conceito de Trabalho Decente

O conceito de Trabalho Decente O Trabalho Decente O conceito de Trabalho Decente Atualmente a metade dos trabalhadores de todo o mundo (1,4 bilhão de pessoas) vive com menos de 2 dólares ao dia e portanto, é pobre quase 20% é extremamente

Leia mais

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR S DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR ANÁLISE DA SITUAÇÃO NACIONAL 1. Identificar causas/ fatores de vulnerabilidade e modalidades de violência sexual contra

Leia mais

1ª Conferência nacional de Vigilância em Saúde. Etapa Nacional - de 21 a 24 de novembro de 2017

1ª Conferência nacional de Vigilância em Saúde. Etapa Nacional - de 21 a 24 de novembro de 2017 1ª Conferência nacional de Vigilância em Saúde Etapa Nacional - de 21 a 24 de novembro de 2017 Motivação Debater na sociedade brasileira: Direito à Promoção e Proteção da Saúde - compreendendo a Vigilância

Leia mais

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania.

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DEMOCRACIA REGIME PAUTADO NA SOBERANIA POPULAR E NO RESPEITO

Leia mais

Violência no trabalho. Mara Feltes, secretária de mulheres da Contracs

Violência no trabalho. Mara Feltes, secretária de mulheres da Contracs Violência no trabalho Mara Feltes, secretária de mulheres da Contracs Divisão sexual do trabalho Entre as principais causas das desigualdades de gênero está centrada na divisão sexual do trabalho. Por

Leia mais

Versão 21 de dezembro de 2016

Versão 21 de dezembro de 2016 Versão 21 de dezembro de 2016 A CESE é uma entidade ecumênica criada por vontade das igrejas que a conformam, comprometida com a unidade das igrejas e a unidade do povo cristão, com Justiça, Paz e a Integridade

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

II PLANO NACIONAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES. Princípios da Política Nacional para as Mulheres

II PLANO NACIONAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES. Princípios da Política Nacional para as Mulheres II PLANO NACIONAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES Princípios da Política Nacional para as Mulheres Igualdade Respeito à diversidade Eqüidade Autonomia das mulheres Estado laico Universalidade das políticas

Leia mais

Eixo Temático: Temas Transversais

Eixo Temático: Temas Transversais ISSN 2359-1277 A COMPREENSÃO DA DIVISÃO SEXUAL NO TRABALHO: UMA POSIÇÃO DESIGUAL Geovana Boni de Novaes, giiboninovaes@hotmail.com; Keila Pinna Valensuela (Orientadora), keilapinna@hotmail.com; Universidade

Leia mais

Natália de Oliveira Fontoura. Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília, março de 2014

Natália de Oliveira Fontoura. Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília, março de 2014 Natália de Oliveira Fontoura Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Brasília, março de 2014 Apesar das conquistas das mulheres, são ainda observadas muitas desigualdades

Leia mais

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Proteção Social para todos/as os/as brasileiros/as II Plano Decenal - 2016/2026 CARACTERÍSTICAS DOS PLANOS São técnicos e políticos;

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo II Políticas Públicas e Direitos Humanos Aula 7 Políticas públicas e

Leia mais

(Projeto de Lei nº 415/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo

(Projeto de Lei nº 415/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo LEI Nº 16.271, DE 17 DE SETEMBRO DE 2015 (Projeto de Lei nº 415/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo META 1. Ampliar o investimento

Leia mais

CRIAÇÃO DO CODIM RIO- 14 DE JULHO DE Saudar a Vereadora Tânia Bastos, Presidenta da Comissão de Mulheres da Câmara de Vereadores

CRIAÇÃO DO CODIM RIO- 14 DE JULHO DE Saudar a Vereadora Tânia Bastos, Presidenta da Comissão de Mulheres da Câmara de Vereadores GRANDE VITÓRIA DAS CARIOCAS CRIAÇÃO DO CODIM RIO- 14 DE JULHO DE 2015 Saudar o Sr. Prefeito Eduardo Paes Saudar o Secretário Pedro Paulo Saudar a Vereadora Tânia Bastos, Presidenta da Comissão de Mulheres

Leia mais

RAÇA BRASIL COLUNAS: TEMAS & CÓDIGOS & SUBCÓDIGOS

RAÇA BRASIL COLUNAS: TEMAS & CÓDIGOS & SUBCÓDIGOS Negritude Discriminação Racial 40 Negritude Entidades, instituições em favor do negro 35 Negritude Discriminação Racial Denúncias 9 Negritude Discriminação Racial Denúncias condenações realizadas 7 Cultura

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Salvador, 22 de setembro de 2011 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O Conceito de Trabalho Decente 2. O compromisso

Leia mais

Secretaria Nacional p/assuntos da Diversidade Humana Emprego e Trabalho Decente

Secretaria Nacional p/assuntos da Diversidade Humana Emprego e Trabalho Decente Secretaria Nacional p/assuntos da Diversidade Humana Emprego e Trabalho Decente A UGT está comprometida com o emprego e trabalho decente para o enfrentamento ao racismo e promoção da igualdade racial Por

Leia mais

Como promover e proteger os direitos de adolescentes e jovens em contextos de vulnerabilidade social agravada?

Como promover e proteger os direitos de adolescentes e jovens em contextos de vulnerabilidade social agravada? Como promover e proteger os direitos de adolescentes e jovens em contextos de vulnerabilidade social agravada? Política pública? Participação social? Conhecimento? Autonomia? Ana Laura Lobato Pesquisadora

Leia mais

comunitária, além de colocá-los a salvo de todas as formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.

comunitária, além de colocá-los a salvo de todas as formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. SISTEMA DE GARANTIA DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Art. 227 - É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida,

Leia mais

IGUALDADE DE GÊNERO E RAÇA NA AGENDA DO TRABALHO DECENTE. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Outubro 2011

IGUALDADE DE GÊNERO E RAÇA NA AGENDA DO TRABALHO DECENTE. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Outubro 2011 IGUALDADE DE GÊNERO E RAÇA NA AGENDA DO TRABALHO DECENTE Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Outubro 2011 O conceito de TRABALHO DECENTE Formalizado pela OIT em 1999 Sintetiza sua missão

Leia mais

Disciplina: Ética e Serviço Social. Professora Ms. Márcia Rejane Oliveira de Mesquita Silva

Disciplina: Ética e Serviço Social. Professora Ms. Márcia Rejane Oliveira de Mesquita Silva Disciplina: Ética e Serviço Social Professora Ms. Márcia Rejane Oliveira de Mesquita Silva Conhecendo o Código de Ética de 1993 Duas dimensões 1) Conteúdo dos princípios: conjunto de Valores fundamentais

Leia mais

O que são os Núcleos Temáticos?

O que são os Núcleos Temáticos? O que são os Núcleos Temáticos? Dispositivos acadêmicos grupais de natureza multidisciplinar e transdisciplinar voltados para a ampliação e aprofundamento de temas de relevância social, cultural e científica

Leia mais

MINUTA EM CONSTRUÇÃO

MINUTA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO MINUTA EM CONSTRUÇÃO RESOLUÇÃO POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS E PROMOÇÃO DA IGUALDADE ÉTNICO-RACIAL Institui a Política de Ações Afirmativas

Leia mais

Ressignificação da juventude

Ressignificação da juventude Ressignificação da juventude Seminário de Integração Favela-Cidade Regina Novaes. maio de 2012 MESA 5: Ressignificação da juventude A proliferação de atividades ilegais e o constante isolamento das favelas

Leia mais

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira.

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira Os primeiros habitantes

Leia mais

Órgão Ministério do Turismo (MTur) Representação Efetiva Câmara Temática de Turismo Sustentável e Infância do CNT Representante Ana Paula de Siqueira

Órgão Ministério do Turismo (MTur) Representação Efetiva Câmara Temática de Turismo Sustentável e Infância do CNT Representante Ana Paula de Siqueira T U R I S M O Órgão Ministério do Turismo (MTur) Representação Efetiva Câmara Temática de Turismo Sustentável e Infância do CNT Representante Ana Paula de Siqueira Assessora Secretaria Geral da CNC Ações

Leia mais

O QUE ORIENTA O PROGRAMA

O QUE ORIENTA O PROGRAMA O QUE ORIENTA O PROGRAMA A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres estabeleceu um diálogo permanente com as mulheres brasileiras por meio de conferências nacionais que constituíram um marco na

Leia mais

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 Soeli do Rocio Nunes Lechinhoski Pedagoga do Departamento de Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação (2013-2016) Secretaria

Leia mais

II PLANO NACIONAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES

II PLANO NACIONAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES II PLANO NACIONAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES VERSÃO COMPACTA REIMPRESSÃO O II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, aprovado na 2ª Conferência em 2007, é subsídio importante para as discussões

Leia mais

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2014 Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene Martin Tendolo Diretora de Departamento: Silmaire

Leia mais

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS 1 ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS Cristina Ionácy Rodrigues e Souza 1 INTRODUÇÃO Ao fomentar que a assistência social é uma política que junto com as políticas setoriais,

Leia mais

SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS. Presidência da República

SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS. Presidência da República SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS Presidência da República PAINEL ECOLOGIA HUMANA E FORMAÇÃO NA DIVERSIDADE RELAÇÃO ENTRE O PROGRAMA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS- PNDH-3 E O ESTATUTO DO IDOSO UNIVERSALIZAR

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS Sergipe/Região Nordeste Izabel Cristina Santos da Silva izabelcris2212@gmail.com (79) 8801-2090 9977-0650

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES TERMO DE REFERÊNCIA. Cidadania e Efetivação de Direitos das Mulheres

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES TERMO DE REFERÊNCIA. Cidadania e Efetivação de Direitos das Mulheres PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES TERMO DE REFERÊNCIA Cidadania e Efetivação de Direitos das Mulheres A SPM ampliou seu escopo de atuação no ano de 2008, com a

Leia mais

Press Kit. 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres. Release Eixos Dados Linha do tempo Guia de fontes Contatos

Press Kit. 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres. Release Eixos Dados Linha do tempo Guia de fontes Contatos Press Kit 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres 02 03 04 05 06 06 Release Eixos Dados Linha do tempo Guia de fontes Contatos Release 02 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DIVERSIDADE DE SUJEITOS E IGUALDADE DE DIREITOS NO SUS

SEMINÁRIO NACIONAL DIVERSIDADE DE SUJEITOS E IGUALDADE DE DIREITOS NO SUS CARTA DE BRASÍLIA CARTA DE BRASÍLIA Durante a realização do SEMINÁRIO NACIONAL DIVERSIDADE DE SUJEITOS E IGUALDADE DE DIREITOS NO SUS, promovido pelo Ministério da Saúde em parceria com os Movimentos Sociais,

Leia mais

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.311, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Altera a Portaria nº 2.866/GM/MS, de 2 de

Leia mais

entrelace com a luta de classes o que nos distingue das demais concepções feministas que se apresentam para a juventude, é a radicalidade o fio condut

entrelace com a luta de classes o que nos distingue das demais concepções feministas que se apresentam para a juventude, é a radicalidade o fio condut CANTO A ESPERANÇA DE UM MUNDO FEMINISTA Somos jovens feministas, socialistas, estudantes universitárias, secundaristas, pósgraduandas, trabalhadoras, negras, brancas, indígenas, lésbicas, bissexuais, travestis

Leia mais

SEMANA 5 DISCRIMINAÇAO DE GÊNERO NO CONTEXTO DA DESIGUALDADE SOCIAL ÉTNICO-RACIAL

SEMANA 5 DISCRIMINAÇAO DE GÊNERO NO CONTEXTO DA DESIGUALDADE SOCIAL ÉTNICO-RACIAL SEMANA 5 DISCRIMINAÇAO DE GÊNERO NO CONTEXTO DA DESIGUALDADE SOCIAL ÉTNICO-RACIAL Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda

Leia mais

Afro-descendentes no Brasil: combate à pobreza e políticas de ação afirmativa como estratégias de superação das desigualdades de gênero e

Afro-descendentes no Brasil: combate à pobreza e políticas de ação afirmativa como estratégias de superação das desigualdades de gênero e Afro-descendentes no Brasil: combate à pobreza e políticas de ação afirmativa como estratégias de superação das desigualdades de gênero e étnico/raciais Debate nacional sobre a implantação das políticas

Leia mais

A Intervenção com as Comunidades Ciganas: em prol da igualdade de género e de oportunidades

A Intervenção com as Comunidades Ciganas: em prol da igualdade de género e de oportunidades A Intervenção com as Comunidades Ciganas: em prol da igualdade de género e de oportunidades A luta das mulheres para conseguir espaços de igualdade é difícil, mas temos de ter a capacidade de tomar decisões

Leia mais

cada órgão de segurança, através de publicação, de forma acessível.

cada órgão de segurança, através de publicação, de forma acessível. EIXO I - Gestão Democrática: Controle Social e Externo, Integração e Federalismo 1. Divulgação das atribuições específicas de cada órgão de segurança, através de publicação, de forma acessível. 1 EIXO

Leia mais

TÍTULO: O ALCANCE DAS POLÍTICAS DE COTAS RACIAIS NO MERCADO DE TRABALHO. FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES. UM ESTUDO DE CASOS.

TÍTULO: O ALCANCE DAS POLÍTICAS DE COTAS RACIAIS NO MERCADO DE TRABALHO. FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES. UM ESTUDO DE CASOS. TÍTULO: O ALCANCE DAS POLÍTICAS DE COTAS RACIAIS NO MERCADO DE TRABALHO. FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES. UM ESTUDO DE CASOS. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL 01. Considere as seguintes normas constitucionais: I. A República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando

Leia mais

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos [...] devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. (art.

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos [...] devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. (art. Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos [...] devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. (art. I, da DUDH) 1- Introdução: Por que a educação em matéria

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72 Política de Responsabilidade Social Dezembro de 2011 1 PREÂMBULO O IPSPMP-PIRAPREV, sendo uma

Leia mais

Convenção de Istambul

Convenção de Istambul CONVENÇÃO DO CONSELHO DA EUROPA PARA A PREVENÇÃO E O COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES E A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Convenção de Istambul LIVRE DO MEDO LIVRE DA VIOLÊNCIA QUAL É O OBJETIVO DA CONVENÇÃO?

Leia mais

Aumento da Licença Paternidade: estratégia para o desenvolvimento integral na Primeira Infância

Aumento da Licença Paternidade: estratégia para o desenvolvimento integral na Primeira Infância Aumento da Licença Paternidade: estratégia para o desenvolvimento integral na Primeira Infância Milena do Carmo m.santos@promundo.org.br Promundo-Brasil Brasília, 06 de julho de 2016. Instituto Promundo

Leia mais

A AUTONOMIA DA MULHER BENEFICIÁRIA DO PROGRAMA BOLSA FAMILIA. Eixo Temático - Política Social e Trabalho

A AUTONOMIA DA MULHER BENEFICIÁRIA DO PROGRAMA BOLSA FAMILIA. Eixo Temático - Política Social e Trabalho ISSN 2359-1277 A AUTONOMIA DA MULHER BENEFICIÁRIA DO PROGRAMA BOLSA FAMILIA Anna Flávia Gouvêa Falavinha, anaflaviagf@hotmail.com; Fernanda Balestri Neves, nanda_balestri@hotmail.com; Keila Pinna Valensuela

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas Plano deve ser visto como uma marca que explicita o compromisso com a intrínseca

Leia mais

Modificações no Estatuto das Famílias

Modificações no Estatuto das Famílias Modificações no Estatuto das Famílias Projeto de Lei 2.285/2007, apensado ao PL 675/2007 PROJETO ORIGINAL deputado Sérgio Barradas (PT-BA) Art. 91 Constituindo os pais nova entidade familiar os direitos

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNFPA FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNFPA FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNFPA FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS COPATROCINADORES UNAIDS 2015 UNFPA O QUE É O UNFPA? O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) se esforça para oferecer um mundo

Leia mais

EMENTA PROPOSIÇÃO. PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO. PROGRAMA DE PRORROGAÇÃO DA LICENÇA- PATERNIDADE. APROVAÇÃO NA ÍNTEGRA.

EMENTA PROPOSIÇÃO. PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO. PROGRAMA DE PRORROGAÇÃO DA LICENÇA- PATERNIDADE. APROVAÇÃO NA ÍNTEGRA. Processo: Proponente: 1.00411/2016-15 (PROP) Orlando Rochadel Moreira EMENTA PROPOSIÇÃO. PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO. PROGRAMA DE PRORROGAÇÃO DA LICENÇA- PATERNIDADE. APROVAÇÃO NA ÍNTEGRA. 1. Recomenda-se

Leia mais

RESENHAS Cadernos de Pesquisa v.44 n.151 p jan./mar

RESENHAS Cadernos de Pesquisa v.44 n.151 p jan./mar ENTRE PÚBLICO, PRIVADO E POLÍTICO: AVANÇOS DAS MULHERES E MACHISMO VELADO NO BRASIL http://dx.doi.org/10.1590/198053142850 VENTURI, Gustavo; GODINHO, Tatau (Org.). Mulheres brasileiras e gênero nos espaços

Leia mais

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD Conferência Estadual de Emprego e Trabalho Decente do Estado do Rio de Janeiro Rio de Janeiro, 14 de dezembro de 2011 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. O conceito

Leia mais

OFICINA DE FORMAÇÃO DE GESTORES DO PROGRAMA NACIONAL MULHERES MIL. Gênero e Direitos da Mulher

OFICINA DE FORMAÇÃO DE GESTORES DO PROGRAMA NACIONAL MULHERES MIL. Gênero e Direitos da Mulher OFICINA DE FORMAÇÃO DE GESTORES DO PROGRAMA NACIONAL MULHERES MIL Gênero e Direitos da Mulher RELAÇÕES DE GÊNERO O que são? São construções sociais a partir das diferenças sexuais entre homens e mulheres.

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

de Enfrentamento à Violência contra a Mulher i o t o a l

de Enfrentamento à Violência contra a Mulher i o t o a l P ac t o N ac i o de Enfrentamento à Violência contra a Mulher n a l LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA PRESIDENTE DA REPÚBLICA NILCÉA FREIRE MINISTRA DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES TEXTO

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 PNUD PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 PNUD PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO COPATROCINADOR UNAIDS 2015 PNUD PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO COPATROCINADORES UNAIDS 2015 PNUD O QUE É O PNUD? Justiça, direitos humanos e igualdade de gênero são marcos da resposta

Leia mais

Secretaria de Políticas para as Mulheres. Coordenação de Educação e Cultura

Secretaria de Políticas para as Mulheres. Coordenação de Educação e Cultura Secretaria de Políticas para as Mulheres Coordenação de Educação e Cultura Equipe Hildete Pereira de Melo Ana Carolina Coutinho Villanova Naiara Betânia de Paiva Correa Políticas Públicas: Educação e Gênero

Leia mais

Proibição da Discriminação e Ações Afirmativas

Proibição da Discriminação e Ações Afirmativas Proibição da Discriminação e Ações Afirmativas TEMAS ATUAIS DE DIREITOS HUMANOS E FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA PROF. HELENA DE SOUZA ROCHA Igualdade e Não discriminação Igualdade = conceito antigo, que pode

Leia mais

no SUS Comissão de Educação Permanente Conselho Estadual de Saúde /RS Abril 2009

no SUS Comissão de Educação Permanente Conselho Estadual de Saúde /RS Abril 2009 Educação Permanente para o Controle Social no SUS Comissão de Educação Permanente Conselho Estadual de Saúde /RS Abril 2009 Sujeitos HOMEM/MULHER SUJEITO ser integrado que expressa sua humanização. Exercita

Leia mais

PROJETO EDUCAÇÃO SEM HOMOFOBIA INSTAURANDO O DEBATE EM HOMOPARENTALIDADE. Manuela Magalhães.

PROJETO EDUCAÇÃO SEM HOMOFOBIA INSTAURANDO O DEBATE EM HOMOPARENTALIDADE. Manuela Magalhães. PROJETO EDUCAÇÃO SEM HOMOFOBIA INSTAURANDO O DEBATE EM TORNO DA HOMOPARENTALIDADE Manuela Magalhães manusm@gmail.com OBJETIVOS: Conceituar e debater homoparentalidade, família e configurações homoparentais

Leia mais

RAÇA BRASIL REPORTAGENS: TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS (2.318 REPORTAGENS / 185 TEMAS & CÓDIGOS)

RAÇA BRASIL REPORTAGENS: TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS (2.318 REPORTAGENS / 185 TEMAS & CÓDIGOS) Personalidade Personalidade Perfil 322 Personalidade Personalidade Carreira 244 Estética Cabelos Femininos 157 Sociedade Eventos NULL 121 Estética Moda Feminina & Masculina 118 Estética Moda Feminina 107

Leia mais

GHC Empresa Cidadã. Aumento da Licença Paternidade como Estratégia para o Desenvolvimento Integral na Primeira Infância

GHC Empresa Cidadã. Aumento da Licença Paternidade como Estratégia para o Desenvolvimento Integral na Primeira Infância GHC Empresa Cidadã Aumento da Licença Paternidade como Estratégia para o Desenvolvimento Integral na Primeira Infância IV Seminário Internacional do Marco Legal da Primeira Infância Brasília julho 2016

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MUNÍCIPIO DE CASCAVEL/PR NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES

SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MUNÍCIPIO DE CASCAVEL/PR NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MUNÍCIPIO DE CASCAVEL/PR NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Danielle Passos Silva Moratelli 1 Inês de Paula 2 Patricia Luciana Bilibio 3 Rosmeri

Leia mais

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA A JUVENTUDE. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, 27 de junho de 2012

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA A JUVENTUDE. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, 27 de junho de 2012 AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA A JUVENTUDE Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, 27 de junho de 2012 Esquema da apresentação A. Por que uma agenda de trabalho decente

Leia mais

PLATAFORMA DOS SERVIDORES (AS) MUNICIPAIS AOS CANDIDATOS (AS) A PREFEITO (A)

PLATAFORMA DOS SERVIDORES (AS) MUNICIPAIS AOS CANDIDATOS (AS) A PREFEITO (A) PLATAFORMA DOS SERVIDORES (AS) MUNICIPAIS AOS CANDIDATOS (AS) A PREFEITO (A) ELEIÇÕES 2016 POR UM MUNICÍPIO DECENTE E DEMOCRÁTICO APRESENTAÇÃO Este documento é fruto do acúmulo do trabalho realizado pelo

Leia mais

Suplente Roberto Luis Lopes Nogueira Advogado Divisão Sindical da CNC. Ações Reunião Ordinária realizada nos dias 5 e 6 de abril de 2016.

Suplente Roberto Luis Lopes Nogueira Advogado Divisão Sindical da CNC. Ações Reunião Ordinária realizada nos dias 5 e 6 de abril de 2016. RELAÇÕES DO TRABALHO Órgão Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS) Representação Efetiva Comissão Tripartite de Revisão do Plano Nacional de Emprego e Trabalho Decente (PNETD) Representantes

Leia mais

QUEM SOMOS? 1.2. Aproximadamente, quantas pessoas vivem na comunidade?

QUEM SOMOS? 1.2. Aproximadamente, quantas pessoas vivem na comunidade? 1 2 QUEM SOMOS? Parte 1: Perfil da comunidade. Nome da comunidade: Estado onde se localiza: Município onde se localiza: 1.1. A que distância a sua comunidade fica da cidade? 1.2. Aproximadamente, quantas

Leia mais

TESE DE DOUTORADO MEMÓRIAS DE ANGOLA E VIVÊNCIAS NO BRASIL: EDUCAÇÃO E DIVERSIDADES ÉTNICA E RACIAL

TESE DE DOUTORADO MEMÓRIAS DE ANGOLA E VIVÊNCIAS NO BRASIL: EDUCAÇÃO E DIVERSIDADES ÉTNICA E RACIAL TESE DE DOUTORADO MEMÓRIAS DE ANGOLA E VIVÊNCIAS NO BRASIL: EDUCAÇÃO E DIVERSIDADES ÉTNICA E RACIAL Marciele Nazaré Coelho Orientadora: Profa. Dra. Roseli Rodrigues de Mello Por: Adriana Marigo Francisca

Leia mais

Rodada #1 Direito Constitucional

Rodada #1 Direito Constitucional Rodada #1 Direito Constitucional Professor Frederico Dias Assuntos da Rodada NOÇÕES DE DIREITO PÚBLICO: Princípios fundamentais. (Art. 1º ao 4º da CRFB). Direitos e garantias fundamentais. Direitos e deveres

Leia mais

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD Conferência Estadual de Emprego e Trabalho Decente do Estado de Santa Catarina Camboriú, 31 de outubro de 2011 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. O conceito de

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda Determinantes Sociais da Saúde Professor: Dr. Eduardo Arruda Conteúdo Programático desta aula Epidemiologia social e os Determinantes Sociais da Saúde (DSS); Principais Iniquidades em Saúde no Brasil;

Leia mais

MARÇO JANEIRO FEVEREIRO ABRIL. 18 Dia da Esteticista. 08 Dia internacional da mulher. 19 Dia da Cabelereira. 12 Dia da Bibliotecária

MARÇO JANEIRO FEVEREIRO ABRIL. 18 Dia da Esteticista. 08 Dia internacional da mulher. 19 Dia da Cabelereira. 12 Dia da Bibliotecária JANEIRO 18 Dia da Esteticista 19 Dia da Cabelereira 20 Dia da Farmacêutica 30 Dia da não-violência MARÇO 08 Dia internacional da mulher 12 Dia da Bibliotecária 14 Dia da vendedora de livro 15 Dia mundial

Leia mais

A decência do trabalho nosso de cada dia

A decência do trabalho nosso de cada dia TRABALHO DECENTE PRA GENTE! A decência do trabalho nosso de cada dia Não faltam leis, índices, indicadores que protegem e direcionam ao identificarem os problemas que afetam os trabalhadores, no Brasil.

Leia mais

Carta-compromisso dos Candidatos ao Governo do Estado com a Educação Básica Pública

Carta-compromisso dos Candidatos ao Governo do Estado com a Educação Básica Pública Carta-compromisso dos Candidatos ao Governo do Estado com a Educação Básica Pública A Constituição Federal Brasileira de 1988 e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LDBEN nº 9394/96 que regem,

Leia mais

Leituras Preliminares: um ponto de partida CONFERÊNCIA MUNDIAL CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL, A XENOFOBIA E A INTOLERÂNCIA CORRELATA

Leituras Preliminares: um ponto de partida CONFERÊNCIA MUNDIAL CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL, A XENOFOBIA E A INTOLERÂNCIA CORRELATA Leituras Preliminares: um ponto de partida CONFERÊNCIA MUNDIAL CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL, A XENOFOBIA E A INTOLERÂNCIA CORRELATA FUNDAÇÃO FORD IIDH Instituto Interamericano de Direitos Humanos

Leia mais

TEMA: 1 - A MULHER NOS ESPAÇOS DO PODER. Implementação e implantação da Secretaria ou Departamento dos Direitos e das Políticas para a Mulher.

TEMA: 1 - A MULHER NOS ESPAÇOS DO PODER. Implementação e implantação da Secretaria ou Departamento dos Direitos e das Políticas para a Mulher. TEMA: 1 - A MULHER NOS ESPAÇOS DO PODER DIF IC UL DAD ES A falta de recursos financeiros (orçamentos específicos para a área) dos entes federados. Desconhecimento dos Conselhos dos Direitos da Mulher Falta

Leia mais

A Política de Assistência Social Um novo desenho.

A Política de Assistência Social Um novo desenho. A Política de Assistência Social Um novo desenho. Profª. Eline Alcoforado Maranhão Sá Profª. Maria Aparecida Guimarães Skorupski Profª Regina Coeli Climaco Matos A Assistência Social como política de proteção

Leia mais

O Rio Grande que faz a diferença. Mulheres

O Rio Grande que faz a diferença. Mulheres C O L E T Â N E A O Rio Grande que faz a diferença Mulheres 1 Políticas para mulheres no governo Tarso As relações de poder entre homens e mulheres acontecem em diversas áreas. Na família, o machismo autoriza

Leia mais

TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO

TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES):

Leia mais

ATER PARA MULHERES. O processo de organização das mulheres na construção do Feminismo e da Agroecologia no Brasil

ATER PARA MULHERES. O processo de organização das mulheres na construção do Feminismo e da Agroecologia no Brasil ATER PARA MULHERES O processo de organização das mulheres na construção do Feminismo e da Agroecologia no Brasil PARA NÓS A AGROECOLOGIA É Um modo de produzir, relacionar e viver na agricultura que implica

Leia mais

A OIT e as Agendas de Trabalho Decente Oficina de Troca de Experiências para a Construção de Agendas Subnacionais de Trabalho Decente

A OIT e as Agendas de Trabalho Decente Oficina de Troca de Experiências para a Construção de Agendas Subnacionais de Trabalho Decente A OIT e as Agendas de Trabalho Decente Oficina de Troca de Experiências para a Construção de Agendas Subnacionais de Trabalho Decente Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, 26 de

Leia mais

Campanha de Respeito à Mulher Seja protagonista desta causa!

Campanha de Respeito à Mulher Seja protagonista desta causa! Campanha de Respeito à Mulher Seja protagonista desta causa! Respeitar as mulheres: na vida, no trabalho e no movimento sindical. Garantir e lutar pelos direitos delas, que ainda são negados, excluídos

Leia mais

Flávia Oliveira Setembro/2015

Flávia Oliveira Setembro/2015 Flávia Oliveira Setembro/2015 Percepção subjetiva Há racismo no Brasil? Para responder a essa pergunta, Luh de Souza, professora de História, e Franciso Antero, funcionário público, criaram em 2013 o Teste

Leia mais

X CONFERÊNCIA DA RIICOTEC. Assunção, Paraguai

X CONFERÊNCIA DA RIICOTEC. Assunção, Paraguai Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República X CONFERÊNCIA DA RIICOTEC 22 a 24 Setembro 2010 Assunção, Paraguai DA NECESSIDADE AOS DIREITOS NAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Leia mais