Entre a Culpa e o Desejo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Entre a Culpa e o Desejo"

Transcrição

1 C. R. A. Z. Y - Entre a culpa e o desejo [Esta resenha foi produzida como parte dos requisitos de avaliação do curso de Antropologia II, ministrado pela professora Larissa Pelúcio, à turma do segundo ano de Psicologia (turma 2009) da UNESP, campus Bauru. A disciplina teve como pilares a discussão sobre identidade, corpo, sexualidade e gênero, a partir de um olhar das Ciências Sociais] C.R.A.Z.Y. - Loucos de Amor titulo original: (C.R.A.Z.Y.) lançamento: 2005 (Canadá) direção: Jean-Marc Vallée atores: Michel Côté, Émile Vallée, Marc-André Grondin, Danielle Proulx, Emmanuel Raymond duração: 127 min gênero: Drama

2 Jeffrey Weeks (1999), ao afirmar que a homossexualidade sempre existiu, mas o homossexual não, provavelmente causa estranheza a muitos. Mas a questão da orientação sexual não foi desde sempre um tema atentado. Os termos heterossexual e homossexual foram utilizados pela primeira vez por Karl Kertbeny, em 1869, e a partir de então criou-se duas categorias, sendo uma tida como normal (que consistia no intercurso genital), e uma anormal (práticas como o sexo anal, oral, e entre pessoas do mesmo sexo), e o individuo deve sentir-se pertencente a apenas uma delas. Criou-se, na sociedade, um padrão aceito pela maioria, por conta disso, aqueles que não se enquadraram no que é tido como normal, encontram muita dificuldade de aceitação por parte da sociedade, e consequentemente, de si próprio. Tal tema é muito bem retratado no filme C.R.A.Z.Y. Loucos de Amor dirigido por Jean-Marc Vallée. Este filme acompanha por três décadas (60, 70 e 80) o personagem principal e narrador Zach (Émile Vallée quando Zach tem seis anos e Marc-André Grondin quando Zach é adolescente), nascido numa família católica canadense, sendo o quarto de cinco filhos homens. Desde pequeno sentia vontade de ganhar um carrinho de bonecas, vontade essa que era reprimida por seu pai, substituindo-a por instrumentos musicais diferentes, dados a ele em todo aniversário. Assim, quando seu irmão caçula, Yvan, nasce, Zach permanece muito próximo a ele e dedica-se em seus cuidados. A partir dessa ligação de proximidade construída entre ele e seu irmãozinho, podemos inferir que Zach conseguia acalmá-lo quando estava chorando. Porém, a partir desse fato, sua mãe passa a inferir que o garoto possui um dom de curar a cólica do bebê e, com uma confirmação vinda de uma senhora, considerada igualmente abençoada, passa a acreditar piamente nisso. Essa crença vai sendo construída apoiada em aspectos interpretados de forma supersticiosa por ela como o dia de seu nascimento, 25 de Dezembro, o mesmo dia do nascimento de Jesus, o fato de ele ter sido o sétimo filho homem (perdeu 3 filhos) e por isso, abençoado,etc. E assim, essa verdade do garoto possuir um dom para cura é imposta e vai se fortalecendo embasada na crença das pessoas. Cada irmão tinha características muito diferentes: o mais velho atingia ao típico estereótipo de rebelde (cheio de tatuagens, consumia drogas e álcool, estava sempre se envolvendo com várias moças, e também sempre contribuía para a repressão dos comportamentos de Zach, chamando-o de maricas e dirigindo-se a ele de forma grosseira e agressiva. O outro irmão era intelectual, e sempre encontrava-se lendo e estudando no decorrer do filme. E o terceiro era ligado aos esportes.

3 Desde criança Zach percebia, de forma sutil, que tinha atitudes diferentes dos demais meninos. Tais atitudes incomodavam seu pai, um homem que por mais carinhoso e atencioso que fosse, era machista e não as aceitava. Como o pai era uma figura importante e admirada por Zach, tal reprovação tinha um peso muito grande, e era um fator que o impedia de se comportar como realmente desejava. Seu pai apresentava uma postura rigorosa em relação à masculinidade que seus filhos deviam ter. Assim, Zach, acaba por transgredir essa medida imposta e quebrar essa grande expectativa. A cena que pode ser considerada uma metáfora a isso é quando seu pai coloca todos os meninos sentados no sofá para descobrir quem quebrou seu disco preferido- Crazy de Patsy Cline, e o responsável havia sido Zach. Como se o disco quebrado fosse a expectativa rompida. Zach diz que foi um acidente e em todo o decorrer do filme esforça-se para encontrar um disco igual. Seu pai, percebendo seus comportamentos e atitudes, manda-o, contrariadamente, para um acampamento de meninos. Após essa passagem, há a cena dele imerso na água, com o crucifixo de sua mãe no pescoço, se debatendo em atitude de desespero. Logo após, ele aparece, em 1975, com 15 anos, em nossa leitura esta é uma passagem metafórica. É como se Zach tivesse crescido sufocado pelas exigências sociais e imposições familiares. O fato de ele ter asma e recorrer repetidamente ao usa da bombinha também pode ser lido como um índice desse sufocamento. É na sua adolescência (anos 70) que Zach passa a perceber que a sua sexualidade era divergente. Uma cena decisiva, que contribui na tomada de consciência, foi quando estavam no carro, ele a prima e o namorado e ao dividirem um trago de um cigarro de maconha, teve sua boca muito próxima da do namorado e podemos inferir que se sentiu atraído. Esse acontecimento era sempre relembrado e ao mesmo tempo renegado por ele, dado que ficava incomodado por não parar de pensar no garoto. Uma prova dessa fixação é o fato de que Zach começa a se vestir como ele e até mesmo andar de patins, como fazia o namorado da prima. A partir de então, Zach entra em um processo cada vez mais intenso de choque entre o seu desejo expresso por caras, e pela repressão sofrida nos lugares por onde passava, desde a escola até a sua própria casa. Este processo é tão intenso, ao ponto de Zach recorrer ao suicídio, buscando cessar os seus problemas. A cena que ilustra esse conflito é a cena em que Zach vai em busca de sua prima, sendo que, na verdade, tinha o intuito de encontrar o seu namorado. Ao perceber a que tinha ido atrás de sua prima, Zach entra em desespero, pois não aceita sua condição. Acaba por jogar sua moto ao encontro de um carro.

4 Outro fato que o perturba é a homossexualidade de um colega da escola. Tal garoto percebe o desejo de Zach e começa a persegui-lo. Estabelece-se uma relação entre eles que, a nosso ver, se caracterizava como uma identificação, uma comunhão entre os dois, por saberem-se desejosos de outros homens. Zach encontra-se desejando este colega da escola, porém não quer admitir. Esta tensão o levou ao extremo de surrá-lo, aparentemente sem motivos, como se estivesse castigando a si próprio. O pai, ao pegar Zach masturbando-se com este mesmo colega da escola algum tempo depois daquela briga, fica furioso, sai de si. E uma das soluções que ele aponta é a de um acompanhamento de um psicólogo. Tal cena demonstra o quanto o preconceito era interiorizado em Zach, que mesmo com o método utilizado pelo terapeuta, percebe que tinha mesmo o desejo sexual por homens, mas não admite e diz que prefere morrer (sendo que já havia tentado o suicídio por causa de seus problemas com a sua sexualidade). Na tentativa de reprimir seus desejos, o garoto apresenta atitudes contraditórias; como, por exemplo, iniciar um relacionamento com uma garota, a qual já havia tentado uma aproximação e ele a negou. Durante esse namoro com Michelle, o ambiente familiar ficou estável e ameno. Há que se notar que, pelo menos aparentemente, Zach havia parado de usar a sua bombinha. E, assim, pode-se estabelecer um paralelo entre o uso da bombinha e a expressão dos desejos (homo)ssexuais do personagem. Este mentia aos seus familiares sobre o uso do aparelho, e, simultaneamente, era um momento em que Zach escondia ao máximo os seus desejos, alimentando um relacionamento ilusório na tentativa de afastar a sua homossexualidade da mente das pessoas que o cercavam e, até mesmo, afastar de si mesmo tais desejos. No entanto, esta tranqüilidade dura até a cena do casamento do irmão, o que era o intelectual da família, em que um dos convidados afirma que Zach havia beijado o namorado da prima. O pai escuta e resolve tirar satisfação com o filho. No meio da discussão, Zach afirma que não havia acontecido nada naquele dia, mas que gostaria que tivesse acontecido, ou seja, assume sua atração por alguém do mesmo sexo, desafiando a autoridade e a repressão de seu pai, que não o aceita e o manda embora. Após essa revelação, Zach resolve se ausentar por um tempo. Faz uma simbólica viagem a Jerusalém. Nessa viagem ele tem sua primeira relação sexual com um homem, o que o perturbou muito, tentando, depois disso, o suicídio. Aquela seria sua terceira tentativa.

5 No geral, o filme ilustra muito bem o quão é forte a influência da sociedade na auto-aceitação dos homossexuais. Seja presente na família, ou na escola, a repressão e o preconceito existem, e direcionam o modo como os indivíduos lidam com a questão da pluralidade sexual. No filme, por exemplo, os pais preferem lidar com os problemas do irmão Reynold, que está imerso no mundo das drogas e freqüentemente com dívidas, do que aceitar a sexualidade de Zach, que trabalha e não oferece maiores preocupações a eles. No final do filme, a morte do filho viciado corrobora para que o pai aceite a condição de Zach, e assim tudo fica bem. Em nosso olhar, esta foi uma solução romantizada do diretor, uma vez que há muita rigidez e preconceito na sociedade atual, sendo muito freqüentes os casos de pais que nunca chegam a aceitar seus filhos, relatos de espancamentos e até mesmo mortes, entre outras violências. O que evidencia a carência, ainda tão grande, por parte da sociedade, do verdadeiro exercício dos direitos humanos também como direitos sexuais. Trabalho redigido por: Álvaro Zanini, Barbara Gaspar, Natália Magri, Mayara Bichir, Raissa Prado, Sarah Marins

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA Por Marcos Ribeiro* Um pouco dessa história começa por volta dos 10/12 anos, quando meninos e meninas começam a sofrer as primeiras transformações físicas,

Leia mais

OFICINA: SEXUALIDADE

OFICINA: SEXUALIDADE OFICINA: SEXUALIDADE Daniele Costa Tatiane Fontoura Garcez APRESENTAÇÃO A oficina tem como tema a Sexualidade, será realizado no Instituto Estadual de Educação Bernardino Ângelo, no dia 25/08/2014, segunda-feira,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA TELEVISÃO NA SEXUALIDADE INFANTIL

A INFLUÊNCIA DA TELEVISÃO NA SEXUALIDADE INFANTIL 1 A INFLUÊNCIA DA TELEVISÃO NA SEXUALIDADE INFANTIL Aniza Tapia Dall Agnol 1 Palavras-chave: Criança, Sexualidade, Televisão, mídia 1 INTRODUÇÃO Faz parte de nossas vidas a sexualidade, ela começa a desenvolver-se

Leia mais

Quais os comportamentos que se verificam?

Quais os comportamentos que se verificam? Por volta dos 3 anos a maioria das crianças começa a manifestar um maior interesse e preferência por atividades e comportamentos típicos do seu género. Este comportamento é chamado de comportamento típico

Leia mais

Terapia de Família: relações familiares e o processo de inclusão

Terapia de Família: relações familiares e o processo de inclusão Terapia de Família: relações familiares e o processo de inclusão Sonia Beatriz Sodré Teixeira Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria. Doutora em Ciências da Saúde pelo IPUB/UFRJ,

Leia mais

Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes

Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes A violência sexual contra crianças e adolescentes acontece em todo o mundo, em diversas famílias e classes sociais. O QUE É A

Leia mais

Vivências da Homofobia na Adolescência

Vivências da Homofobia na Adolescência Vivências da Homofobia na Adolescência A homofobia é um termo conceitual, o qual se refere á aversão ou o ódio irracional aos homossexuais. A discriminação e a violência se materializam com práticas de

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( X ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( X ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( X ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

Diversidade Sexual: uma visão arejada e crítica da. Lula Ramires Serra Negra, SP Junho de 2010

Diversidade Sexual: uma visão arejada e crítica da. Lula Ramires Serra Negra, SP Junho de 2010 Diversidade Sexual: uma visão arejada e crítica da homofobia nas escolas Lula Ramires Serra Negra, SP Junho de 2010 Lula Ramires Formado em Filosofia pela USP Mestre em Educação pela F.E. USP Tradutor

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade?

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Maria de Fátima da Cunha. UEL/Londrina. Docente TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Para Tomaz Tadeu da Silva, as narrativas dos currículos podem, explícita ou implicitamente,

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

BILLY ELLIOT: ANALISANDO AS QUESTÕES DE GÊNERO. Jeferson Valadão Freire Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ)

BILLY ELLIOT: ANALISANDO AS QUESTÕES DE GÊNERO. Jeferson Valadão Freire Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) BILLY ELLIOT: ANALISANDO AS QUESTÕES DE GÊNERO Julio Cezar Pereira Araujo Universidade Federal Fluminense (UFF) Bolsista PIBID/CAPES Jeferson Valadão Freire Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ)

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA Caro (a) Chesfiano (a), Você está recebendo uma série de publicações intitulada Para Viver Melhor, com informações atualizadas sobre temas diversos no campo da saúde física

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental Escola Básica 1º ciclo Prista Monteiro O que é a sexualidade? Sexualidade na infância Acção de Educação Parental A sexualidade tem uma vertente emocional, sendo um elemento essencial na formação da identidade

Leia mais

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Art. 5º Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão,

Leia mais

PARA UMA REUNIÃO ABERTA DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO

PARA UMA REUNIÃO ABERTA DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO Guia do Al-Anon G-27 PARA UMA REUNIÃO ABERTA DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO Muitos Grupos realizam reuniões abertas de Informação ao Público para comemorar o aniversário do Grupo. Outros realizam reuniões abertas

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

Modelos do Tempo. O tempo veste um traje diferente para cada papel que desempenha em nosso pensamento. John Wheeler

Modelos do Tempo. O tempo veste um traje diferente para cada papel que desempenha em nosso pensamento. John Wheeler 2 Modelos do Tempo O tempo veste um traje diferente para cada papel que desempenha em nosso pensamento. John Wheeler Você pode olhar agora para a idéia do que sejam modelos. Modelos são descrições ou simulações

Leia mais

NÃO. não temos especialistas nunca pensámos nisso. não é necessário não temos conhecimento de base

NÃO. não temos especialistas nunca pensámos nisso. não é necessário não temos conhecimento de base Anexos QUESTIONÁRIO DIAGNÓSTICO EDUCAÇÃO AFECTIVO-SEXUAL Adaptado do projecto de investigação European Standards in Adapted Physical Activities (EUSAPA) Informação geral da instituição de reabilitação

Leia mais

ENTREVISTA A POLIVALENTE LAURA MULLER ESBANJA SIMPATIA EM FOCO MARCELO MUSSI - CURITIBANO BOM DE PRATO

ENTREVISTA A POLIVALENTE LAURA MULLER ESBANJA SIMPATIA EM FOCO MARCELO MUSSI - CURITIBANO BOM DE PRATO ENTREVISTA A POLIVALENTE LAURA MULLER ESBANJA SIMPATIA EM FOCO MARCELO MUSSI - CURITIBANO BOM DE PRATO REDES SOCIAIS COMO FAZER SUA EMPRESA APARECER NA WEB LÍNGUAS ESTRANGEIRAS SÓ FALAR INGLÊS FICOU PARA

Leia mais

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS TAINARA GUIMARÃES ARAÚJO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ (UESC) Resumo A construção das identidades de gênero constitui todo um processo

Leia mais

PEDRA NO RIM. Por ABRAÃO AGUIAR BAÊTA. Feito de 05/05/2010 a 08/05/2010

PEDRA NO RIM. Por ABRAÃO AGUIAR BAÊTA. Feito de 05/05/2010 a 08/05/2010 PEDRA NO RIM Por ABRAÃO AGUIAR BAÊTA Feito de 05/05/2010 a 08/05/2010 E-mails: baeta99@hotmail.com abraaoab@globo.com Telefones: (21) 7576-6771 HOMEM: tem aproximadamente trinta anos, bonito, atraente,

Leia mais

A proposta deste trabalho, a partir da história fictícia de Melvin, protagonista do

A proposta deste trabalho, a partir da história fictícia de Melvin, protagonista do Prévia do Estudo de Caso A proposta deste trabalho, a partir da história fictícia de Melvin, protagonista do filme Melhor Impossível, tem o intuito de fazer a correlação entre a vivência do personagem

Leia mais

HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES

HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES Vinícius Lopes Torres 1 Resumo: A homossexualidade é um tema que ganha cada vez mais

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

satisfeita em parte insatisfeita em parte insatisfeita totalmente

satisfeita em parte insatisfeita em parte insatisfeita totalmente SATISFAÇÃO COM A VIDA SEXUAL comparativos 2001/ 2010 e mulheres/ homens [estimulada e única, em %] Base: Total da amostra M/ H1 2001 2010 HOMENS MENTE SATISFEITA 61 68 80 INSATISFEITA EM ALGUM GRAU 35

Leia mais

Jörg Garbers Ms. de Teologia

Jörg Garbers Ms. de Teologia Conhecendo-se O meu cônjuge o ser estranho Jörg Garbers Ms. de Teologia O que valoriza a mulher? Comunicação Dar e receber carinho e amor Sinceridade O que valoriza homem? Atividade em companhia Satisfação

Leia mais

Palestra para os pais Rede de Adolescentes Tema: Sexo + Adolescente =? Como conversar sobre sexo com seu filho Palestrante: Dr.

Palestra para os pais Rede de Adolescentes Tema: Sexo + Adolescente =? Como conversar sobre sexo com seu filho Palestrante: Dr. Palestra para os pais Rede de Adolescentes Tema: Sexo + Adolescente =? Como conversar sobre sexo com seu filho Palestrante: Dr. Isaac Azevedo INTRODUÇÃO: A conversa sobre sexualidade é delicada e precisa

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

Igreja Amiga da criança. Para pastores

Igreja Amiga da criança. Para pastores Igreja Amiga da criança Para pastores Teste "Igreja Amiga da Criança" O povo também estava trazendo criancinhas para que Jesus tocasse nelas. Ao verem isso, os discípulos repreendiam aqueles que as tinham

Leia mais

POR QUE ESTOU ASSIM? OS MOMENTOS DIFÍCEIS DA ADOLESCÊNCIA

POR QUE ESTOU ASSIM? OS MOMENTOS DIFÍCEIS DA ADOLESCÊNCIA POR QUE ESTOU ASSIM? OS MOMENTOS DIFÍCEIS DA ADOLESCÊNCIA Cybelle Weinberg Eles saem com os amigos, "a turma é a sua família", mas quando a coisa aperta lá fora eles voltam para a segurança da casa. Por

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

Pedagogia. No painel desta aula. Cotidiano escolar: problemas pedagógicos contemporâneos. Colocam-se, transversalmente, no cotidiano escolar...

Pedagogia. No painel desta aula. Cotidiano escolar: problemas pedagógicos contemporâneos. Colocam-se, transversalmente, no cotidiano escolar... Pedagogia Prof. Elizabete Cristina Costa Renders Cotidiano escolar: problemas pedagógicos contemporâneos Imagem 1 No painel desta aula Colocam-se, transversalmente, no cotidiano escolar... Complexidade

Leia mais

Guias do Al-Anon G-27

Guias do Al-Anon G-27 Guias do Al-Anon G-27 PARA UMA REUNIÃO ABERTA DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO Muitos Grupos realizam reuniões abertas de Informação ao Público para comemorar o aniversário do Grupo. Outros, realizam reuniões

Leia mais

Família. Dias, pags. 235-256

Família. Dias, pags. 235-256 Família Dias, pags. 235-256 Sobre instituições... São sistemas complexos de relações sociais dentro dos quais operam a(s) cultura(s) e a estrutura social. A família, por exemplo, inclui valores (amor,

Leia mais

Centro de Combate à Violência Infantil. O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação

Centro de Combate à Violência Infantil. O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação Centro de Combate à Violência Infantil O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação Centro de Combate à Violência Infantil Violência Física contra Crianças e

Leia mais

PIBID UFPR EDUCAÇÃO FÍSICA GÊNERO E SEXUALIDADE MATERIAL DIDÁTICO DE APOIO VAMOS FALAR SOBRE... PRECONCEITO DE GÊNERO!

PIBID UFPR EDUCAÇÃO FÍSICA GÊNERO E SEXUALIDADE MATERIAL DIDÁTICO DE APOIO VAMOS FALAR SOBRE... PRECONCEITO DE GÊNERO! PIBID UFPR EDUCAÇÃO FÍSICA GÊNERO E SEXUALIDADE MATERIAL DIDÁTICO DE APOIO VAMOS FALAR SOBRE... PRECONCEITO DE GÊNERO! FERNANDA ZARA NICOLAS MOREIRA ?? VOCÊ SABIA?? Que existe um preconceito em relação

Leia mais

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Quando a violência quebra o tabu pneves@usp.br 14/11/2015 Conceito de Gênero Gênero = Estudo de mulheres Construído em oposição ao conceito de sexo Fugir

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

1. No último ano, alguém fez uso da força para te tirar algo (roubar) que tu transportavas ou vestias?

1. No último ano, alguém fez uso da força para te tirar algo (roubar) que tu transportavas ou vestias? Questionário de Vitimação Juvenil Versão curta, Formato retrospectivo para Jovens (Magalhães, 2008; Adaptado de Hamby, Finkelhor, Ormrod & Turner, 2004) De seguida serão apresentadas algumas questões acerca

Leia mais

Judith Sonja Garbers Psicóloga Jörg Garbers Ms. De Teologia

Judith Sonja Garbers Psicóloga Jörg Garbers Ms. De Teologia A Discussão sobre Homofobia Como se posicionar Judith Sonja Garbers Psicóloga Jörg Garbers Ms. De Teologia Introdução Os homossexuais...?! A polarização Simplesmente tudo é lícito e Deus ama tudo. Tudo

Leia mais

Sexualidade Infantil

Sexualidade Infantil Suporte à Família Sexualidade Infantil Eduque a criança no caminho em que deve andar, e até o fim da vida não afastará dele Provérbios 22:06 *Educar: É ensinar desde o nascimento a criança a ter controle,

Leia mais

Protagonismo Juvenil. INSTITUTO CULTIVA www.cultiva.org.br ruda@inet.com.br rudaricci.blogspot.com

Protagonismo Juvenil. INSTITUTO CULTIVA www.cultiva.org.br ruda@inet.com.br rudaricci.blogspot.com Protagonismo Juvenil INSTITUTO CULTIVA www.cultiva.org.br ruda@inet.com.br rudaricci.blogspot.com Adolescência e Educação O conceito de adolescência Da Antiguidade ao Século XVII: de 7 a 35 anos Juventude

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

jovens, capacitação de educadoras/es Convivendo com a Diversidade Sexual na Escola, projetos Na Ferveção, Diversidade Sexual na Escola, etc.

jovens, capacitação de educadoras/es Convivendo com a Diversidade Sexual na Escola, projetos Na Ferveção, Diversidade Sexual na Escola, etc. ECOS Comunicação em Sexualidade - ONG que contribui para a promoção e transformação de valores e comportamentos relacionados aos direitos sexuais e direitos reprodutivos, em uma perspectiva de erradicação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL

DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL Professor Responsável: Mohamad A. A. Rahim Quadro sinóptico baseado na bibliografia sugerida em cada aula DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL 1. SEXUALIDADE E LIBIDO Libido : é uma fonte original de energia afetiva

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor:

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor: Projeto ESCOLA SEM DROGAS Interpretando o texto Por trás das letras Nome: Escola: Série: Título: Autor: O que a capa do livro expressa para você? Capitulo 1 - Floresta Amazônia Por que a autora faz uma

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

Maria Beatriz, 12ºA, nº23

Maria Beatriz, 12ºA, nº23 Estes dois irmãos sofrem, obviamente, com os acontecimentos do passado, uma nãoinfância : duas crianças que tiveram de crescer sozinhos, cuidar um do outro e, juntos do irmão mais novo, lidar com uma mãe

Leia mais

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli.

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli. Então você quer experimentar o poliamor Ginny Brown, 7 de abril de 2014, Everyday Feminism http://everydayfeminism.com/2014/04/so-you-want-to-try-polyamory/ Então você tem lido sobre poliamor e decidiu

Leia mais

O Bêbado. O Alcoolismo visto pelas suas vítimas. S. Esteves

O Bêbado. O Alcoolismo visto pelas suas vítimas. S. Esteves O Bêbado O Alcoolismo visto pelas suas vítimas S. Esteves [ 2 ] Tente esquecer tudo o que pensa saber sobre as pessoas que bebem descontroladamente, abra sua mente e acompanhe a vida deste personagem.

Leia mais

A última relação sexual

A última relação sexual PARTE G QUESTIONÁRIO AUTO-PREENCHIDO (V1 - M) As próximas perguntas são sobre a sua vida sexual. É muito importante que responda, pois só assim poderemos ter informação sobre os hábitos sexuais da população

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3 CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3 Sofia Z. Na parte anterior vimos algumas das razões do declínio do tesão entre os casais que têm uma relação estável. Nesta parte vamos fazer algumas considerações

Leia mais

AS MELHORES HISTÓRIAS E JOGOS PARA CRIANÇAS

AS MELHORES HISTÓRIAS E JOGOS PARA CRIANÇAS AS MELHORES HISTÓRIAS E JOGOS PARA CRIANÇAS em seu sm t e e tablet P fólio de H tóri Impressão de livros sob demanda para a sua empresa Escolha a sua! TIMOLICO E AMIGOS Público alvo: crianças de até 6

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Pequeno Histórico do Bullying

Pequeno Histórico do Bullying Pequeno Histórico do Bullying A definição universal de bullying é compreendida como um subconjunto de comportamentos agressivos, intencionais e repetitivos que ocorrem sem motivação evidente, adotado por

Leia mais

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Publicado em 28/06/2015, às 15h26 Atualizado em 28/06/2015, às 15h58 Sérgio Costa Floro* Especial para o NE10 #LoveWins tomou conta do discurso

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM MENINOS E. Pinheiro de Brida. Juliana dos Santos Bombardi Mariana Mendes Bonato

SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM MENINOS E. Pinheiro de Brida. Juliana dos Santos Bombardi Mariana Mendes Bonato 1 SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM MENINOS E MENINAS Glaucia Valéria Pinheiro de Brida Nayara Maeda Juliana dos Santos Bombardi Mariana Mendes Bonato SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM

Leia mais

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT APOIO: Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD Casa de Cultura da Beira/CCB CERjovem ATENÇAÕ MULHER MENINA! Fundação Portugal - África RESPOSTAS

Leia mais

Violência Doméstica contra Crianças sob a

Violência Doméstica contra Crianças sob a Apresentação Maria Alice Barbosa de Fortunato Autores: Kássia Cristina C. Pereira* Maria Alice B. Fortunato* Marilurdes A. de M. Álvares* Orientadora: Lygia Maria Pereira da Silva** * Fiocruz CPQAM/ NESC

Leia mais

INTRODUÇÃO Segundo Jesus (2005), o tema Afetividade no Ensino médio é importante, pois:

INTRODUÇÃO Segundo Jesus (2005), o tema Afetividade no Ensino médio é importante, pois: OFICINA DO PIBID: AFETIVIDADE Larissa Beatriz de Faria Zulian¹; Jessica Machado Oliveira¹; Priscila Vargas Gatti¹; Conrado Neves Sathler² ¹Acadêmicas de Psicologia da UFGD. Bolsistas do Programa Institucional

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER Edna estava caminhando pela rua com sua sacola de compras quando passou pelo carro. Havia um cartaz na janela lateral: Ela parou. Havia um grande pedaço de papelão grudado na janela com alguma substância.

Leia mais

Site de @ntônio: http://acj-partilhaconhecimentos.com.br

Site de @ntônio: http://acj-partilhaconhecimentos.com.br SEXO E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA Texto I A gravidez na adolescência exibe números assustadores. N o Rio de Janeiro,entre 93 e 97, aumentou em 81% o número de jovens grávidas,segundo dados da Secretaria

Leia mais

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012.

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. MALDITO de Kelly Furlanetto Soares Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. 1 Em uma praça ao lado de uma universidade está sentado um pai a

Leia mais

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS.

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. Prof. Me. Leonardo Morjan Britto Peçanha Licenciado e Bacharel em Educação Física (UNISUAM);

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

MINHA VIDA DE JOÃO E MARIA: USANDO A METODOLOGIA DA ONG PROMUNDO PARA PROMOVER AULAS REFLEXIVAS

MINHA VIDA DE JOÃO E MARIA: USANDO A METODOLOGIA DA ONG PROMUNDO PARA PROMOVER AULAS REFLEXIVAS MINHA VIDA DE JOÃO E MARIA: USANDO A METODOLOGIA DA ONG PROMUNDO PARA PROMOVER AULAS REFLEXIVAS Resumo VAINE, Thais Eastwood Vaine 1 - UTFPR / SME-Curitiba Grupo de Trabalho - Educação e Saúde Agência

Leia mais

Sedutor das Águas 1. Aluno líder do grupo e estudante do 8º Semestre de Comunicação Social / Jornalismo, e-mail: andrevg18@live.com.

Sedutor das Águas 1. Aluno líder do grupo e estudante do 8º Semestre de Comunicação Social / Jornalismo, e-mail: andrevg18@live.com. Sedutor das Águas 1 André Vasconcelos GONÇALVES 2 Glenda Pinto GARCIA 3 Janderson Brandão RODRIGUES 4 Juliane dos Santos BITAR 5 Naiara Guimarães ALMEIDA 6 Osnan Cid Penha JÚNIOR 7 Sue Anne Guimarães CURSINO

Leia mais

Menino brinca de boneca? Livro e guia do professor Autor: Marcos Ribeiro

Menino brinca de boneca? Livro e guia do professor Autor: Marcos Ribeiro Menino brinca de boneca? Livro e guia do professor Autor: Marcos Ribeiro Trabalha a questão do masculino feminino de forma muito didática. Trata, basicamente, dos estereótipos sexuais e preconceitos existentes

Leia mais

Questionário de Admissão à Clínica de Saúde Mental

Questionário de Admissão à Clínica de Saúde Mental Tribunal de Família de Rhode Island Questionário de Admissão à Clínica de Saúde Mental *OBSERVE QUE TODAS AS PERGUNTAS SE REFEREM AO SEU FILHO * 1. Dados demográficos: Nome do Adolescente: Data de Nascimento:

Leia mais

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS DO DESENVOLVIMENTO Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Ementa Estudo do desenvolvimento do ciclo vital humano a partir de diferentes teorias psicológicas. Compreender

Leia mais

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br APRESENTAÇÃO A timidez é um problema que pode acompanhar um homem a vida inteira, tirando dele o prazer da comunicação e de expressar seus sentimentos, vivendo muitas

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

Autora: Lourdes Mara Costa Silveira Psicóloga, Especialista em Psicologia Clínica,

Autora: Lourdes Mara Costa Silveira Psicóloga, Especialista em Psicologia Clínica, Título: Stella/Winnicott: meio ambiente facilitador. Autora: Lourdes Mara Costa Silveira Psicóloga, Especialista em Psicologia Clínica, Mestre em Saúde Mental pela Universidade Estadual de Campinas: UNICAMP.

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Rio de Janeiro, 19 / 06 / 2013 1 - Introdução 2 - Objetivos 3 - Coleta dos Dados 4 - Instrumentos de Coleta 5 - Temas abordados 6 - Universo da Pesquisa 7 - Análise

Leia mais

Método cem por cento garantido. Práticas de sexo seguro nas relações homoeróticas entre mulheres de segmentos médios em Porto Alegre

Método cem por cento garantido. Práticas de sexo seguro nas relações homoeróticas entre mulheres de segmentos médios em Porto Alegre Método cem por cento garantido. Práticas de sexo seguro nas relações homoeróticas entre mulheres de segmentos médios em Porto Alegre Por Nádia Elisa Meinerz Resumo: Esse artigo aborda as práticas de sexo

Leia mais

APANHA O VIH. Da mãe que tem o VIH para o bebé

APANHA O VIH. Da mãe que tem o VIH para o bebé APANHA O VIH 1 - Como é que se apanha o vírus que causa a SIDA (VIH)? Nas RELAÇÕES SEXUAIS sem usar o preservativo porque o esperma (homem), os líquidos da vagina (mulher) ou alguma ferida podem estar

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO

PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO DOCENTE: Luciana Armesto Pedrassi ANO:2013 Para Marcel Proust: O verdadeiro ato da descoberta não consiste em encontrar novas terras, mas, sim, em vê-las com

Leia mais

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado?

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Pesquisa Instituto Avon / Data Popular Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Com quem falamos? Jovens brasileiros Mulheres Homens Pesquisa online Autopreenchimento Amostra nacional de 16 a 24

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado?

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Pesquisa Instituto Avon / Data Popular Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Com quem falamos? Jovens brasileiros Mulheres Homens Pesquisa online Autopreenchimento Amostra nacional de 16 a 24

Leia mais

Homofobia nas escolas

Homofobia nas escolas Homofobia nas escolas Seminário Plano Nacional de Educação Mobilização por uma Educação sem Homofobia Brasília, 23 de novembro de 2011. Miriam Abramovay 1 Escola e violência O fenômeno das violências nas

Leia mais

GT 15 - Psicologia e Educação

GT 15 - Psicologia e Educação GT 15 - Psicologia e Educação O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE MASCULINA E FEMININA DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM TERESINA-PI: CONDUTAS E POSTURAS DA ESCOLA DIANTE DAS QUESTÕES DE GÊNERO E SEXUALIDADE

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

daniel sampaio Labirinto de Mágoas As crises do casamento e como enfrentá-las Colaboração de Pedro Frazão

daniel sampaio Labirinto de Mágoas As crises do casamento e como enfrentá-las Colaboração de Pedro Frazão daniel sampaio Labirinto de Mágoas As crises do casamento e como enfrentá-las Colaboração de Pedro Frazão Índice 1. Introdução... 9 2. Os dilemas do casal de hoje... 21 3. Padrões de comunicação nos casais...

Leia mais