satisfeita em parte insatisfeita em parte insatisfeita totalmente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "satisfeita em parte insatisfeita em parte insatisfeita totalmente"

Transcrição

1 SATISFAÇÃO COM A VIDA SEXUAL comparativos 2001/ 2010 e mulheres/ homens [estimulada e única, em %] Base: Total da amostra M/ H HOMENS MENTE SATISFEITA INSATISFEITA EM ALGUM GRAU satisfeita em parte mais ou menos (espontânea) insatisfeita em parte insatisfeita totalmente NÃO SABE P.24M/17H Você diria que atualmente está satisfeita ou insatisfeita com a maneira de viver a sua sexualidade? Totalmente ou em parte?

2 ORIENTAÇÃO SEXUAL comparativos 2001/ 2010 e mulheres/ homens [estimulada e única, em %] * Base: Entrevistadas/os que tiveram relações sexuais Base: Total da amostra Só por/com homens Só por/com mulheres * * * * 96 Por/com homens e por mulheres, na mesma proporção Principalmente por homens mas também por mulheres Principalmente por/com mulheres mas também por/com homens Não costuma/ não gostaria de ter relações com ninguém (espontânea) SENTE ATRAÇÃO * JÁ TEVE RELAÇÃO COSTUMA TER RELAÇÃO SEXUAL HOMENS 1 1 * * 1 * 1 * * - * * - * - * * Não respondeu * 1 * 1 1 P25aM. Independentemente do que você já fez ou do que gostaria de fazer, você diria que sente atração: P25bM. Atualmente, você costuma ter relações sexuais: P25cM. E pensando em todas as experiências que você teve desde sua adolescência, você teve relações sexuais: P18H. Tem homens que sentem atração sexual por mulheres, outros que sentem atração por homens e outros que se sentem atraídos por pessoas dos dois sexos. Atualmente, você costuma ter relações sexuais:

3 VIRGINDADE comparativos 2001/ 2010 e mulheres/ homens [única, em %] Base: Total da amostra HOMENS Já teve relação sexual Nunca teve/ é virgem Recusa P.20M/13H Falando de sexo, você já teve relações sexuais? Ou é virgem, nunca teve nenhuma relação sexual?

4 IDADE DA 1ª RELAÇÃO SEXUAL comparativo 2001/ 2010 e mulheres/ homens [espontânea e única, em %] Base: Entrevistadas/os que tiveram relações sexuais Até Com 16 a Com 19 a Com mais de Recusa 2 2 média 18a3m 18a1m HOMENS Até ou mais 20 Recusa 3 média 15a9m P21M/ 14H. Com quantos de idade você teve sua 1 a relação sexual? Mais ou menos...

5 IDADE DA 1ª RELAÇÃO SEXUAL, por renda familiar mensal e idade [espontânea e única, em %] Base: Total da amostra RENDA FAMILIAR MENSAL IDADE JÁ TEVE RELAÇÃO SEXUAL Até 1 SM + de 1 a 2 SM + de 2 a 5 SM + de 5 SM 15 a a a a a ou mais Peso 100% 20% 26% 28% 14% 8% 18% 22% 19% 19% 14% Até Com 16 a Com 19 a Com 25 a Com mais de Recusa NUNCA TEVE RELAÇÃO SEXUAL/ É VIRGEM média 18a 17a5m 17a8m 18a4m 19a 14a7m 16a6m 17a6m 18a3m 19a3m 19a8m P21M. Com quantos de idade você teve sua 1 a relação sexual? Mais ou menos...

6 PRAZER NAS RELAÇÕES SEXUAIS comparativo 2001/ 2010 [estimulada e única, em %] Base: Entrevistadas que tiveram relações sexuais (91%) Sentiu muito prazer Achou gostoso Fez por obrigação 9 6 Não sentiu nada 5 2 Foi um sofrimento 3 1 Outras respostas 2 5 P30M. Na maior parte das vezes, quando teve relação sexual você:

7 PRAZER NAS RELAÇÕES SEXUAIS, por idade, situação conjugal, renda familiar mensal e escolaridade [estimulada e única, em %] 15 a 17 P30M. Na maior parte das vezes, quando teve relação sexual você: 18 a a 34 Até 1 SM IDA DE 35 a 44 RENDA FAMILIAR MENSAL + de 1 a 2 SM Base: Entrevistadas que tiveram relações sexuais (91%) + de 2 a 5 SM + de 5 SM Até 4ª série sem registro cívil Peso 100% 8% 18% 22% 19% 19% 14% 62% 38% 24% 20% 9% 9% Sentiu muito prazer Achou gostoso/ bom Fez por obrigação Não sentiu nada Foi um sofrimento Outras respostas Recusa a 59 SITUAÇÃO CONJUGAL ESCOLARIDADE 5ª a 8ª série Superi or ou+ Médio Peso 100% 20% 26% 28% 14% 24% 21% 38% 16% Sentiu muito prazer Achou gostoso/ bom Fez por obrigação Não sentiu nada Foi um sofrimento SEPARADA Outras respostas Recusa ou mais CASADA SOLTEIRA VIÚVA

8 SATISFAÇÃO COM A VIDA SEXUAL, por orientação sexual, tipo de relacionamento e prazer nas relações sexuais [estimulada e única, em %] Base: Total da amostra ORIENTAÇÃO SEXUAL TIPO DE RELACIONAMENTO PRAZER NAS RELAÇÕES SEXUAIS Heterossexual Homo/ Bissexual Estável Eventual Sentiu muito prazer Achou gostoso Outras respostas Peso 100% 98% 1% 88% 11% 42% 42% 11% MENTE SATISFEITA INSATISFEITA EM ALGUM GRAU satisfeita em parte mais ou menos (espontânea) insatisfeita em parte insatisfeita totalmente NÃO SABE P.24M Você diria que atualmente está satisfeita ou insatisfeita com a maneira de viver a sua sexualidade? Totalmente ou em parte?

9 SATISFAÇÃO COM A VIDA SEXUAL, por tempo da última relação [estimulada e única, em %] Base: Total da amostra RELAÇÃO SEXUAL TEMPO DA ÚLTIMA Nunca teve Já teve 1 a 3 dias 4 a 7 dias 8 a 30 dias De 1 mês até 1 ano Mais de 1 ano Peso 100% 10% 90% 31% 14% 13% 12% 13% MENTE SATISFEITA INSATISFEITA EM ALGUM GRAU satisfeita em parte mais ou menos (espontânea) insatisfeita em parte insatisfeita totalmente NÃO SABE P.24M Você diria que atualmente está satisfeita ou insatisfeita com a maneira de viver a sua sexualidade? Totalmente ou em parte?

10 NÚMERO APROXIMADO DE PARCEIROS comparativos 2001/ 2010 e mulheres/ homens [espontânea e única, em %] Base: Entrevistadas/os que tiveram relações sexuais a a A MAIS DE 10 PESSOAS 2 3 NÃO RESPONDEU/ RECUSA 3 7 média 2,6 3,4 HOMENS 1 e e e a a 15 9 Mais de 15 pessoas 35 Não respondeu/ recusa 11 média 22,4 P29M/21H. Independente de relacionamentos, com quantas pessoas você já teve relações sexuais, desde sua primeira vez até hoje? Mais ou menos...

11 NÚMERO APROXIMADO DE PARCEIROS, por idade, situação conjugal, renda familiar mensal e escolaridade [espontânea e única, em %] 15 a a a 34 IDA DE 35 a 44 Base: Entrevistadas que tiveram relações sexuais (91%) sem registro cívil Peso 100% 8% 18% 22% 19% 19% 14% 62% 38% 24% 20% 9% 9% a Mais de 10 pessoas Não respondeu/ recusa média 3,4 2,2 3,3 4,2 4,2 3,1 1,7 2,9 2,0 4,4 4,3 5,6 2,7 45 a ou mais CASADA SITUAÇÃO CONJUGAL SOLTEIRA SEPARADA VIÚVA RENDA FAMILIAR MENSAL ESCOLARIDADE Até 1 + de 1 a + de 2 a + de 5 Até 4ª 5ª a 8ª Superi SM 2 SM 5 SM SM série série Médio or ou+ Peso 100% 20% 26% 28% 14% 24% 21% 38% 16% a Mais de 10 pessoas Não respondeu/ recusa média 3,4 3,5 3,5 3,7 3,3 2,7 3,9 3,7 3,2 P29M. Independente de relacionamentos, com quantas pessoas você já teve relações sexuais, desde sua primeira vez até hoje? Mais ou menos...

12 EXPERIÊNCIAS SEXUAIS FORA DO CASAMENTO/ NAMORO comparativos 2001/ 2010 e mulheres/ homens [estimulada e única, em %] Base: Entrevistadas/os que tiveram relações sexuais PARCEIRO/A A ENTREVISTADA HOMENS O PARCEIRO/A ENTREVISTADO Com certeza já aconteceu Uma vez Algumas vezes Acontece sempre * 1 7 Talvez/ não tem certeza se já aconteceu ou não Com certeza nunca aconteceu Nunca casou nem teve namoro fixo P.26M/19H. Tem pessoas que mesmo casadas ou namorando, têm relacionamento ou experiências sexuais fora do casamento ou do namoro. Já aconteceu com você de estar com uma pessoa e ela ter relações sexuais com outra pessoa? Com certeza ou provavelmente? P.27M/20H E você, estando casada ou namorando, já teve relacionamento ou experiência sexual com outra pessoa, na mesma época em que estava com seu parceiro(a)?

13 EXPERIÊNCIAS SEXUAIS FORA DO CASAMENTO/ NAMORO por idade, situação conjugal, renda familiar mensal e escolaridade [estimulada e única, em %] 15 a a a 34 cívil Peso 100% 8% 18% 22% 19% 19% 14% 62% 38% 24% 20% 9% 9% JÁ ACONTECEU Uma vez Algumas vezes Acontece sempre NUNCA ACONTECEU NUNCA CASOU NEM TEVE NAMORO FIXO RENDA FAMILIAR MENSAL ESCOLARIDADE Até 1 + de 1 a + de 2 a + de 5 Até 4ª 5ª a 8ª Superi SM 2 SM 5 SM SM série série Médio or ou+ Peso 100% 20% 26% 28% 14% 24% 21% 38% 16% JÁ ACONTECEU Uma vez Algumas vezes Acontece sempre NUNCA ACONTECEU NUNCA CA SOU NEM TEVE NAMORO FIXO P.27M E você, estando casada ou namorando, já teve relacionamento ou experiência sexual com outra pessoa, na mesma época em que estava com seu parceiro(a)? Isso aconteceu com você: IDA DE 35 a 44 Base: Entrevistadas que tiveram relações sexuais (9%) SITUAÇÃO CONJUGAL CASADA 60 ou sem SOLTEIRA SEPARADA mais registro 45 a 59 VIÚVA

14 RAZÃO DAS EXPERIÊNCIAS SEXUAIS FORA DO CASAMENTO/ NAMORO amostra mulheres, comparativo 2001/ 2010 [espontânea e múltipla, em %] Base: Entrevistadas que tiveram experiências sexuais fora do casamento/ namoro (12%) Por vingança/ porque o marido/ namorado tinha amantes/ para provocar ciúmes Para melhorar a auto-estima/ se sentia desprezada/ mal amada/sem atenção/ sem carinho/ decepcionada/ desiludida Não tinha satisfação com o marido/namorado 6 14 Sentia atração física por outro Não amava/ não gostava do namorado/ casou por obrigação/casou com a pessoa errada 7 9 O marido era violento/ agressivo/ estúpido 5 7 O marido não a queria sexualmente/não a procurava/ ele é doente/não a desejava na cama 2 4 Nenhum 4 2 Não sabe/ não respondeu/ recusa 2 2 P.28M. O que te levou a ter essa experiência fora do casamento ou do namoro, na última vez que isso aconteceu? Por quais outros motivos você teve essa relação?

15 RAZÃO DAS EXPERIÊNCIAS SEXUAIS FORA DO CASAMENTO/ NAMORO por idade, renda familiar mensal e escolaridade [espontânea e múltipla, em %] Base: Entrevistadas que tiveram experiências sexuais fora do casamento/ namoro (12%) ESCOLARIDADE IDA DE até fundamental completo médio ou mais Peso 100% 45% 54% 48% 52% Por vingança/ porque o marido/ namorado tinha amantes/ para provocar ciúmes/ porque brigaram Para melhorar a auto-estima/ se sentia desprezada/ mal amada/sem atenção/ sem carinho/ decepcionada/ desiludida Não tinha satisfação com o marido/namorado Sentia atração física por outro Não amava/ não gostava do namorado/ casou por obrigação/casou com a pessoa errada O marido era violento/ agressivo/ estúpido O marido não a queria sexualmente/não a procurava/ ele é doente/não a desejava na cama Nenhum Não sabe/ não respondeu/ recusa RENDA FAMILIAR MENSAL Até 2 SM + de 2 SM Peso 100% 46% 42% Por vingança/ porque o marido/ namorado tinha amantes/ para provocar ciúmes/ porque brigaram Para melhorar a auto-estima/ se sentia desprezada/ mal amada/sem atenção/ sem carinho/ decepcionada/ desiludida Não tinha satisfação com o marido/namorado Sentia atração física por outro Não amava/ não gostava do namorado/ casou por obrigação/casou com a pessoa errada O marido era violento/ agressivo/ estúpido O marido não a queria sexualmente/não a procurava/ ele é doente/não a desejava na cama 4 8 Nenhum P.28M. O que te levou a ter essa experiência fora do casamento ou do namoro, na última vez que isso aconteceu? Por quais outros motivos você teve essa relação? até 34 mais de 34

capítulo V VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

capítulo V VIOLÊNCIA DOMÉSTICA capítulo V VIOLÊNCIA DOMÉSTICA P.107M/29H. Falando agora de educação de filhos, algumas pessoas acham que para educar bem os filhos às vezes é preciso dar uns tapas neles. Outras acham que em nenhuma situação

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado?

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Pesquisa Instituto Avon / Data Popular Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Com quem falamos? Jovens brasileiros Mulheres Homens Pesquisa online Autopreenchimento Amostra nacional de 16 a 24

Leia mais

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado?

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Pesquisa Instituto Avon / Data Popular Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Com quem falamos? Jovens brasileiros Mulheres Homens Pesquisa online Autopreenchimento Amostra nacional de 16 a 24

Leia mais

A última relação sexual

A última relação sexual PARTE G QUESTIONÁRIO AUTO-PREENCHIDO (V1 - M) As próximas perguntas são sobre a sua vida sexual. É muito importante que responda, pois só assim poderemos ter informação sobre os hábitos sexuais da população

Leia mais

Pesquisa Perfil do Visitante da Orla de Ipanema - Porto Alegre

Pesquisa Perfil do Visitante da Orla de Ipanema - Porto Alegre Pesquisa Perfil do Visitante da Orla de Ipanema - Porto Alegre Movimento Ipanema Natureza Humana Secretaria Municipal de Turismo de Porto Alegre Novembro/2009 Objetivo: Perfil do Visitante da Orla de Ipanema

Leia mais

Pesquisa Data Popular e Instituto Patrícia Galvão

Pesquisa Data Popular e Instituto Patrícia Galvão Caderno Campanha Compromisso e Atitude PERCEPÇÃO DA SOCIEDADE SOBRE VIOLÊNCIA E ASSASSINATOS DE MULHERES Realização Data Popular / Instituto Patrícia Galvão Apoio - Secretaria de Políticas para as Mulheres

Leia mais

Avaliação de Planos de Saúde. Maio de 2015

Avaliação de Planos de Saúde. Maio de 2015 Avaliação de Planos de Saúde Maio de 2015 Índice OBJETIVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O Mercado de plano de saúde Perfil do beneficiário vs Não beneficiário Beneficiários Satisfação, Recomendação, Continuidade

Leia mais

ESCALA DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS FAMILIARES COM OS SERVIÇOS DE SAÚDE MENTAL (SATIS-BR)

ESCALA DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS FAMILIARES COM OS SERVIÇOS DE SAÚDE MENTAL (SATIS-BR) ESCALA DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS FAMILIARES COM OS SERVIÇOS DE SAÚDE MENTAL (SATIS-BR) Bandeira, M.; Mercier, C.; Perreault,M.; Libério, M.MA e Pitta, AMF (00). Escala Brasileira de Avaliação da Satisfação

Leia mais

CESOP. Data /05/2007 Hora do início : Hora do fim : Entrevistador:

CESOP. Data /05/2007 Hora do início : Hora do fim : Entrevistador: Inquérito n.º CESOP Saúde e Sexualidade Versão Masculina (V2) Data /05/2007 Hora do início : Hora do fim : Entrevistador: Chamo-me e trabalho para o Centro de Estudos e Sondagens de Opinião da Universidade

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE O DIA MUNDIAL SEM CARRO SETEMBRO/ OUTUBRO DE 2007 JOB939 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Levantar junto à população da área em estudo opiniões relacionadas

Leia mais

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador.

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Violência no namoro Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Poderão surgir algumas DÚVIDAS e PREOCUPAÇÕES: Será que ele/ela gosta mesmo

Leia mais

PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO PERFIL DEMOGRÁFICO:

PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO PERFIL DEMOGRÁFICO: DISCRIMINAÇÃO RACIAL E PRECONCEITO DE COR NO BRASIL PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO PERFIL DEMOGRÁFICO: SEXO: 52 48 49 51 50 50 57 43 51% 49%..Masculino FAIXA ETÁRIA: 12% 18%..Feminino 27% 27 Branca Parda Preta

Leia mais

Um Segredo Pouco Usado Que Pode Melhorar A Vida de Homens e Mulheres - Casados ou Solteiros

Um Segredo Pouco Usado Que Pode Melhorar A Vida de Homens e Mulheres - Casados ou Solteiros Um Segredo Pouco Usado Que Pode Melhorar A Vida de Homens e Mulheres - Casados ou Solteiros Existe um segredo pouco conhecido que pode mudar para sempre seus relacionamentos. Se estiver solteiro, irá querer

Leia mais

Opinião da População Sobre a Cobrança das Sacolas Plásticas Reutilizáveis. Agosto de 2015

Opinião da População Sobre a Cobrança das Sacolas Plásticas Reutilizáveis. Agosto de 2015 Opinião da População Sobre a Cobrança das Sacolas Plásticas Reutilizáveis Agosto de 2015 2 A Lei nº 15.374 de 2011 proíbe a disponibilização de sacolas plásticas descartáveis nos estabelecimentos comerciais

Leia mais

O retrato do comportamento sexual do brasileiro

O retrato do comportamento sexual do brasileiro O retrato do comportamento sexual do brasileiro O Ministério da Saúde acaba de concluir a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. Entre os meses de setembro e novembro de

Leia mais

CURSO CASAMENTO FELIZ NAMORANDO - SE ESBOÇO DA NOITE: INTRODUÇÃO - JÖRG PALESTRA JÖRG - LADO TEOLÓGICO UMA DADIVA DE DEUS!

CURSO CASAMENTO FELIZ NAMORANDO - SE ESBOÇO DA NOITE: INTRODUÇÃO - JÖRG PALESTRA JÖRG - LADO TEOLÓGICO UMA DADIVA DE DEUS! CURSO CASAMENTO FELIZ NAMORANDO - SE ESBOÇO DA NOITE: Colocar as perguntas na caixa Introdução Rodada: Quem te explicou a sexualidade e como? Palestra Jorge Palestra Judite Respostas Conversa Tarefa INTRODUÇÃO

Leia mais

14 segredos que você jamais deve contar a ele

14 segredos que você jamais deve contar a ele Link da matéria : http://www.dicasdemulher.com.br/segredos-que-voce-jamais-deve-contar-aele/ DICAS DE MULHER DICAS DE COMPORTAMENTO 14 segredos que você jamais deve contar a ele Algumas lembranças e comentários

Leia mais

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA Por Marcos Ribeiro* Um pouco dessa história começa por volta dos 10/12 anos, quando meninos e meninas começam a sofrer as primeiras transformações físicas,

Leia mais

Relacionamento Amoroso

Relacionamento Amoroso CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Relacionamento Amoroso Luisa Guedes Di Mauro Natália Gióia Cípola

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL 1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL LUGAR: EUNÁPOLIS(BA) DATA: 05/11/2008 ESTILO: VANEIRÃO TOM: G+ (SOL MAIOR) GRAVADO:16/10/10 PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL VOCÊ É O BERÇO DO NOSSO PAIS. PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais.

Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais. Especificações Técnicas Objetivo geral: Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais. Público-alvo: Pessoas físicas usuárias

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

Fim da Sensibilidade na Glande

Fim da Sensibilidade na Glande Autor: Davi Ribeiro Fim da Sensibilidade na Glande Muitos homens alegam sofrer com a forte sensibilidade na glande. E isso, de certa forma, atrapalha muito na hora do sexo, principalmente na hora de ter

Leia mais

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE?

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? Rafael chegou em casa um tanto cabisbaixo... Na verdade, estava muito pensativo. No dia anterior tinha ido dormir na casa de Pedro, seu grande amigo, e ficou com a cabeça

Leia mais

Especificações Técnicas - Pesquisa Quantitativa -

Especificações Técnicas - Pesquisa Quantitativa - Especificações Técnicas - Pesquisa Quantitativa - A pesquisa foi realizada através do BUS do IBOPE Inteligência pesquisa omnibus multiclientes, com periodicidade mensal e representatividade nacional. O

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Regina Figueiredo Instituto de Saúde SES/SP reginafigueiredo@uol.com.br Equipe de Pesquisa: Regina Figueiredo,

Leia mais

Esta é a pesquisa de satisfação

Esta é a pesquisa de satisfação Esta é a pesquisa de satisfação dos usuários de saneamento básico realizada entre a categoria residencial dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário regulados pela Agência em 244 municípios

Leia mais

Uma palavra da velha guarda, com novo significado

Uma palavra da velha guarda, com novo significado Um Espaço Chamado Castidade 1 Uma palavra da velha guarda, com novo significado Se eu pedisse a você uma definição de castidade, posso até apostar que você associaria com esperar até o casamento para fazer

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

PROJETO Manifestações de Março/2015

PROJETO Manifestações de Março/2015 PROJETO Manifestações de Março/2015 NOTA METODOLÓGICA Tipo de pesquisa: Quantitativa, realizada face a face, com aplicação de questionário estruturado, de cerca de 10 minutos de duração, composto por questões

Leia mais

População brasileira Música - Internet Propaganda. Outubro/ 2007

População brasileira Música - Internet Propaganda. Outubro/ 2007 População brasileira Música - Internet Propaganda Outubro/ 00 Objetivo Este estudo têm como objetivo identificar entre a população brasileira os seguintes aspectos: Música estilo musical mais ouvido; Internet

Leia mais

(Inquérito Nacional Sobre Saúde Reprodutiva e Comportamento Sexual dos Jovens e ADolescentes)

(Inquérito Nacional Sobre Saúde Reprodutiva e Comportamento Sexual dos Jovens e ADolescentes) INJAD (Inquérito Nacional Sobre Saúde Reprodutiva e Comportamento Sexual dos Jovens e ADolescentes) OBJECTIVOS DO INJAD Proporcionar informação sobre saúde reprodutiva dos jovens e adolescentes que seja

Leia mais

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais.

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais. METODOLOGIA METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO 2.085 pessoas foram entrevistadas, a partir de 16 anos, de todos os níveis econômicos em todas as regiões do país. As entrevistas foram

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Regina Figueiredo Instituto de Saúde SES/SP reginafigueiredo@uol.com.br Equipe de Pesquisa: Regina Figueiredo,

Leia mais

Sexualidade União estável para casais do mesmo sexo. Rua 1.145, 56 Setor Marista Goiânia GO +55 62 3541.6556 www.institutoverus.com.

Sexualidade União estável para casais do mesmo sexo. Rua 1.145, 56 Setor Marista Goiânia GO +55 62 3541.6556 www.institutoverus.com. Sexualidade União estável para casais do mesmo sexo Rua 1.145, 56 Setor Marista Goiânia GO +55 62 3541.6556 www.institutoverus.com.br 1 1 Pesquisa de opinião Pesquisa Quantitativa Instituto Verus Assessoria

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

Caracterização das práticas contraceptivas das mulheres em Portugal

Caracterização das práticas contraceptivas das mulheres em Portugal Caracterização das práticas contraceptivas das mulheres em Portugal Apresentação de resultados do estudo Porto, 8 de Março de 2005 Objectivos Objectivo principal O objectivo principal deste estudo é a

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento do consumidor

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento do consumidor CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento do consumidor 2º Seminário Internacional de Marketing Relacionado a Causas 27 de setembro de 2005 1 O que pensa consumidor

Leia mais

Muito obrigada por esses dias, por essa capacitação sei que hoje não sou mais a mesma, posso ser mais feliz (promotora capacitada)

Muito obrigada por esses dias, por essa capacitação sei que hoje não sou mais a mesma, posso ser mais feliz (promotora capacitada) Muito obrigada por esses dias, por essa capacitação sei que hoje não sou mais a mesma, posso ser mais feliz (promotora capacitada) não podemos ficar paradas, vou dar o máximo de mim eu prometo (promotora

Leia mais

RADIOGRAFIA DO INVESTIDOR DE FUNDOS NO BRASIL. IBOPE Opinião

RADIOGRAFIA DO INVESTIDOR DE FUNDOS NO BRASIL. IBOPE Opinião RADIOGRAFIA DO INVESTIDOR DE FUNDOS NO BRASIL METODOLOGIA 1. Estimativa de Investidores Pessoas Físicas 1.000 entrevistas telefônicas com população brasileira de 18 anos ou mais das classes ABC. Margem

Leia mais

1.008 ENTREVISTAS (ADOLESCENTES)

1.008 ENTREVISTAS (ADOLESCENTES) ALAMEDA SANTOS, Nº 2.101 SÃO PAULO CÓDIGO FORNECEDOR: INÍCIO: : TÉRMINO: : NÚMERO DO QUESTIONÁRIO: JOB Nº 11_0567 SP BRASIL 1.008 ENTREVISTAS (ADOLESCENTES) 23 05 2011 FOLHA DE AMOSTRA: DISTRITO: SETOR

Leia mais

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli.

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli. Então você quer experimentar o poliamor Ginny Brown, 7 de abril de 2014, Everyday Feminism http://everydayfeminism.com/2014/04/so-you-want-to-try-polyamory/ Então você tem lido sobre poliamor e decidiu

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

PESQUISADORES. Pesquisadores

PESQUISADORES. Pesquisadores Pesquisadores Objetivos 2 Conhecer a opinião dos pesquisadores apoiados pela FAPESP sobre o tema Ciência e Tecnologia. 3 Principais resultados Principais resultados 4 Melhores recursos financeiros e credibilidade

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS NATAL 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS NATAL 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS NATAL 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 15/12/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS NATAL 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG Professores Responsáveis:

Leia mais

Edificando o casamento dos sonhos

Edificando o casamento dos sonhos Edificando o casamento dos sonhos Formando a identidade do Casal Módulo 1 - Construção Meditando Genesis - 2.24 Eclesiastes 4.12 Genesis - 2.24 Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher,

Leia mais

O Papel do Estado Juiz na Prevenção e Controle da Violência Contra a Mulher. PARA ELAS, por elas, por eles, por nós Belo Horizonte/MG 22/02/2003

O Papel do Estado Juiz na Prevenção e Controle da Violência Contra a Mulher. PARA ELAS, por elas, por eles, por nós Belo Horizonte/MG 22/02/2003 O Papel do Estado Juiz na Prevenção e Controle da Violência Contra a Mulher PARA ELAS, por elas, por eles, por nós Belo Horizonte/MG 22/02/2003 1 PRINCÍPIOS NORTEADORES DA LEI MARIA DA PENHA 1. PREVENÇÃO.

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

Lingerie para exercícios físicos

Lingerie para exercícios físicos Lingerie para exercícios físicos Em época de guerra declarada ao sedentarismo a preocupação com a alimentação saudável e a beleza física tem tomado conta das academias e parques. Se exercitar é preciso

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

SEMINÁRIO: ATITUDE 434

SEMINÁRIO: ATITUDE 434 SEMINÁRIO: ATITUDE 434 1 2 DEFINIÇÃO Um movimento de PUREZA SEXUAL conforme a vontade de Deus nas Escrituras. 3 Movimento vs Evento 4 BASE BÍBLICA A vontade de Deus é que vocês sejam santificados: abstenham-se

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) Roteiro de áudio. Programa: Hora de Debate. Campanhas.../ Monica G. Zoppi-Fontana 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 Combatendo o preconceito: argumentação e linguagem Programa Hora de Debate. Campanhas de

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

Características de um casamento duradouro

Características de um casamento duradouro Características de um casamento duradouro Características de um casamento duradouro Introdução: Ainda é possível ver um casal já bem idoso de mãos dadas, e que mesmo depois de tantos anos ainda se olham

Leia mais

Planejamento Financeiro Feminino

Planejamento Financeiro Feminino Planejamento Financeiro Feminino Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado.

Leia mais

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Art. 5º Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão,

Leia mais

Índice. Introdução. Fase 1 - Participação da população brasileira. Fase 2 - Perfil do voluntário Características do serviço voluntário

Índice. Introdução. Fase 1 - Participação da população brasileira. Fase 2 - Perfil do voluntário Características do serviço voluntário Pesquisa Voluntariado no Brasil - 2011 Índice 1 2 3 4 Introdução Fase 1 - Participação da população brasileira Fase 2 - Perfil do voluntário Características do serviço voluntário Fase 3 - Segmentação 5

Leia mais

PAPO DE HOMENS 24/08/2013 PALESTRA HOMENS - PORNOGRAFIA

PAPO DE HOMENS 24/08/2013 PALESTRA HOMENS - PORNOGRAFIA Sobre a Pornografia: O que é? De forma geral, podemos dizer que pornografia é a representação da nudez e do comportamento sexual humano com o objetivo de produzir excitamento sexual. Esta representação

Leia mais

ANAMNESE. Você tem uma Religião? SIM NÃO

ANAMNESE. Você tem uma Religião? SIM NÃO ANAMNESE INFORMAÇÕES GERAIS Nome: Data de Nascimento: Altura: m. Peso: Kg. Seu peso varia? SIM NÃO Caso sim, em quanto? Você tem um médico da família? SIM NÃO Se sim, qual o seu nome e como contatá-lo?

Leia mais

Elaboração e aplicação de questionários

Elaboração e aplicação de questionários Universidade Federal da Paraíba Departamento de Estatística Curso de Bacharelado em Estatística Elaboração e aplicação de questionários Prof. Hemílio Fernandes Campos Coêlho Departamento de Estatística

Leia mais

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que estava em tratamento para tuberculose. A mulher informa que

Leia mais

abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros

abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros Avaliação do Serviço o de abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros Pesquisa realizada entre 24 e 28 de Abril de 2010 Informações Metodológicas Tipo de pesquisa: Survey, utiliza-se de questionário

Leia mais

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha Existe um facto para o qual também devemos dar atenção: o agressor poderá estar numa posição de solidão. Poucos serão os agressores que terão a consciência do problema que têm, a agressividade que não

Leia mais

coleção Conversas #11 - agosto 2014 - n a h u e s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #11 - agosto 2014 - n a h u e s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #11 - agosto 2014 - Não quero s o a negra a m e pr s s eu e n ta min Respostas r pais. So perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. h u a n ra a m cis o t r a a?

Leia mais

02 de Fevereiro de 2010

02 de Fevereiro de 2010 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Transferência Externa Medicina 1º Semestre 2010 02 de Fevereiro de 2010 1ª FASE CONHECIMENTOS GERAIS N.º DO CARTÃO NOME (LETRA DE FORMA) ASSINATURA INFORMAÇÕES

Leia mais

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Por Conceição Osório Este texto foi apresentado num encontro que teve lugar em Maputo, em 2015, com parceiros da CAFOD (agência

Leia mais

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade A Apresentação Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade desde 1966, ano da minha graduação na faculdade de Medicina. É difícil imaginar outro período de tempo assim curto no qual tenham ocorrido

Leia mais

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito 9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Imagem Corporal no Envelhecimento Maria João Sousa e Brito Envelhecimento Envelhecer não é difícil difícil é ser-se velho Goethe O prolongamento da vida coloca novos cenários,

Leia mais

AMOR, CASAMENTO E FAMÍLIA ENTRE HOMOSSEXUAIS DE TERESINA, PIAUÍ 1. Fabiano de Souza Gontijo Universidade Federal do Piauí.

AMOR, CASAMENTO E FAMÍLIA ENTRE HOMOSSEXUAIS DE TERESINA, PIAUÍ 1. Fabiano de Souza Gontijo Universidade Federal do Piauí. AMOR, CASAMENTO E FAMÍLIA ENTRE HOMOSSEXUAIS DE TERESINA, PIAUÍ 1 Fabiano de Souza Gontijo Universidade Federal do Piauí Introdução A família moderna burguesa, por oposição à família aristocrática, estaria

Leia mais

Manual prático sobre Relacionamentos Afetivos com base no Tantra

Manual prático sobre Relacionamentos Afetivos com base no Tantra Manual prático sobre Relacionamentos Afetivos com base no Tantra O intuito de escrever esse manual prático é trazer uma fórmula simples e rápida para que as pessoas possam se encontrar e relacionarem-se

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais

AUTORES RESUMO PALAVRAS-CHAVE

AUTORES RESUMO PALAVRAS-CHAVE MANIFESTAÇÕES DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER UM ESTUDO DO SERVIÇO SOCIAL NO NÚCLEO DE PRÁTI- CA JURÍDICA DA UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTORES Danieli Cristina Oliveira VELANI Érika Cristina

Leia mais