Guia para Elaboração de Planos de Mobilidade e Transportes (PMT)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia para Elaboração de Planos de Mobilidade e Transportes (PMT)"

Transcrição

1 Workshop Regional de Disseminação do Universidade do Minho - Braga -10 de Abril de 2012 Guia para Elaboração de Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) Faustino Gomes TIS.PT, Transportes, Inovação e Sistemas, sa

2 Estrutura da Sessão

3 Estrutura da Sessão Parte A Breve apresentação do Guia O que é um PMT? Quais as principais etapas a considerar? Que temáticas são abordadas num PMT? Parte B Questões para discussão Porque devo fazer um PMT? Qual é a sua aplicabilidade na minha realidade? Que resultado devo esperar de um PMT? Como asseguro o sucesso? Que lições devo tirar? 3

4 O que é um PMT?

5 O que é um Plano de Mobilidade e Transportes É um instrumento de planeamento que estabelece a estratégia global de intervenção em matéria de ORGANIZAÇÃO DAS ACESSIBILIDADES E GESTÃO DA MOBILIDADE. Tem como objetivo definir um conjunto de ações e medidas que contribuam para a implementação e promoção de um MODELO DE MOBILIDADE MAIS SUSTENTÁVEL e que sejam compatíveis com: O desenvolvimento económico Indutor de uma maior coesão social Orientado para a proteção do ambiente e para a eficiência energética. Neste tipo de planos coexistem as dimensões ESTRATÉGICA e OPERACIONAL. 5

6 Quais as principais etapas a considerar? Que temáticas são abordadas? 6

7 Arranque do processo Propostas Cenários, Objectivos e Estratégia Pré-diagnóstico e tomada de decisão Principais etapas de um PMT PREPARAÇÃO ELABORAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO Caracterização com base nos elementos existentes Diagnóstico preliminar Tomada de decisão Constituição das estruturas políticas e técnicas Definição Preliminar dos Objectivos Definição da Área de Intervenção Elaboração dos Termos de referência Caracterização e Diagnóstico Construção de Cenários Validação e afinação de objectivos Definição da estratégia Formulação de Propostas Avaliação de Propostas Desenvolvimento do Programa de Acção Estabelecimento das estruturas de gestão e coordenação Criação de parcerias locais Aprofundamento dos Estudos/ Projectos Planeamento interno das obras, projectos e regulamentação e execução física das propostas PARTICIPAÇÃO PÚBLICA & SISTEMA DE INFORMAÇÃO ACOMPANHAMENTO E MONITORIZAÇÃO 7

8 OBJETIVOS: PMT: Fase de Caracterização & Diagnóstico Conhecer as disfunções e potencialidades do modelo de acessibilidades, tendo em consideração a organização da mobilidade do território em estudo. Compreender a evolução recente dos padrões de mobilidade e a sua evolução futura. Conhecer as expetativas dos residentes e dos atores locais. Resultados são fundamentais para a definição, sustentação e justificação da ESCOLHA DAS SOLUÇÕES a implementar. 8

9 PMT: Fase de Caracterização & Diagnóstico Zonamento Ocupação do Território Padrões de Mobilidade Modos Suaves Acessibilidade em TC Serviço de Táxis Interfaces de transporte Transportes públicos flexíveis Acessibilidade em TI Estacionamento Logística Urbana Qualidade do ambiente urbano Segurança Rodoviária Conta Pública Síntese > Diagnóstico Global 9

10 Matriz SWOT Espacializada PMT: Fase de Caracterização & Diagnóstico Carcavelos Território Pontos Fortes Pontos Fracos Densidade populacional elevada, Barreira constituida pela variante à EN6-7, concentrada sobretudo a Norte da linha entre a zona nascente e ocidente da ferroviária (a maioria dos alojamentos são em freguesia. edifícios plurifamiliares). Consolidação urbana por concretizar na zona Concentração de emprego na zona do de Sassoeiros e São Miguel das Encostas / Junqueiro. Bairro da Carris. Presença de dois pólos turisticos/lazer de importância supra-municipal: praia de Carcavelos (com o seu passeio marítimo) e feira. Oportunidades Ameaças Reforço da componente de comércio e Os empreendimentos previstos para esta serviços com a concretização dos 4 PP freguesia poderão ter associados importantes previstos para a freguesia. acréscimos dos níveis de tráfego nas vias de Aumento da capacidade hoteleira da acesso, sobretudo se não forem acauteladas freguesia com a construção das novas as acessibilidades em TC e modos suaves. unidades previstas. Possibilidade de expansão urbana para Sul da freguesia - PP de Reestruturação Urbanística de Carcavelos Sul. Construção de uma grande unidade comercial na zona do Arneiro (no âmbito do PP do Esp. de Estab. Terciário do Arneiro). É uma das freguesias mais pequenas do concelho mas com valores de densidade populacional superiores à média concelhia. Domina a função residencial, mas o núcleo central de Carcavelos concentra um conjunto de serviços e comércio de proximidade com capacidade de atracção na freguesia e de algumas zonas de São Domingos de Rana e Oeiras. Elevada atracção de viagens na época balnear. Variante EN6-7: via estruturante Transposição pedonal da var. EN6-7 dificultada pela deficiente inserção urbana desta via Sassoeiros: zona com elevada densidade populacional e grande concentração de serviços e comércio Transporte Individual Pontos Fortes Pontos Fracos Forte presença de vias de hierarquia superior A variante à EN6-7 é uma importante barreira que servem adequadamente a maior parte da física nas ligações entre Carcavelos e os população (80%) e emprego (78%) da Lombos e entre S. D. Rana e Sassoeiros. freguesia. Congestionamento na Estrada de São Domingos (Rebelva), Av. Dr. Francisco Sá Carneiro e Av. da República. Forte dependência do TI nas ligações entre Parede e Carcavelos. Oportunidades Ameaças A construção da Via Oriental de Cascais em A construção da Via Oriental de Cascais Sassoeiros (incluindo a reestruturação pode fomentar uma maior utilização do urbanística do território envolvente) constitui automóvel. uma alternativa ao eixo EN6-7/EN Congestionamento da rede viária na zona do É também uma alternativa à Estrada do Arneiro, com a construção da nova unidade Arneiro, podendo contribuir para diminuir o comercial, sobretudo se não forem seu congestionamento. consideradas alternativas em TC. Transporte Colectivo Pontos Fortes Pontos Fracos A parte Sul da freguesia beneficia da oferta Condições de espera da componente promovida pela Linha de Cascais. rodoviária da interface pouco satisfatórias. A interface ferroviária garante níveis de Falta de limpeza e higiene no terminal qualidade adequados aos passageiros. rodoviário. Cerca de 59% da população e 51% do emprego é servida por paragens TC com mais de 6 circulações/hora/sentido. Mobilidade Rebelva: Pontos Fortes Pontos Fracos zona com elevada Oportunidades Ameaças densidade populacional A freguesia apresenta percentagens elevadas de viagens a pé. Níveis de instrução e status social dos residentes na freguesia elevados. Domina a função residencial, mas Carcavelos consegue atrair também viagens por motivo de emprego, compras e lazer. Oportunidades A reestruturação da rede TC de proximidade pode ser uma oportunidade de aumentar a quota deste modo. Se existir uma aposta clara nos modos suaves é de admitir um aumento do "andar a pé/bicicleta", já que os residentes nesta freguesia demonstram uma grande apetência por estas opções. Ameaças Ambiente e Segurança Rodoviária Pontos Fortes Pontos Fracos A qualidade urbana da zona central de Carcavelos é globalmente elevada. Oportunidades Introdução de medidas de acalmia de tráfego no centro urbano. A taxa de motorização muito elevada, associada a residentes com maiores rendimentos, poderá constituir-se como um entrave à transferência modal para outros modos, que não o TI. Uma parte significativa da população está descontente com as condições de acessibilidade e circulação em modos suaves. Manutenção das quotas ou mesmo aumento da utilização do TI, sobretudo nas novas zonas de expansão. A percentagem de população residente exposta ao ruído é mais elevada do que a média do concelho (11% vs 7%). A densidade de acidentes rodoviários é mais elevada do que a média do concelho (3,3 acid/km de rede viária vs 2,1 acid/km). As zonas centrais necessitam de intervenções que promovam a qualificação do espaço público urbano. Ameaças A criação de novas vias rápidas poderá aumentar a população exposta a níveis de ruído elevados (se não forem minimizados os seus impactes) e degradar as condições de segurança rodoviária. Interface de Carcavelos: rodoviária e ferroviária Av. Jorge V: apresenta boas condições pedonais e onde se prevê a inserção de uma ciclovia Passeio pedonal junto à praia Av. Marginal: via estruturante Estacionamento tarifado junto ao centro Centro urbano de Carcavelos: elevada densidade populacional e forte concentração de equipamentos Lombos Sul e Quinta de São Gonçalo: zonas residenciais de expansão urbana Colégio Saint Julian's: estabelecimento escolar com elevada dimensão e que introduz fluxos intensos de tráfego na hora de início de aulas Origem das viagens terminadas na freguesia de Carcavelos Alcabideche Outros 6% Lisboa % 13% Sintra % Carcavelos % Oeiras % S. D. Rana % Parede % Cascais % Estoril 990 3% Criação de uma oferta TC de proximidade entre a Parede e Carcavelos. A criação de novas vias poderá servir para descongestionar os corredores utilizados pelo TC. Melhoria das condições de espera da componente rodoviária da interface de Carcavelos. Pontos Fortes Maior índice de oferta de estacionamento público por alojamento do concelho. Disponibilidade de estacionamento de longa duração junto à interface de Carcavelos. Oportunidades Criação de medidas de combate ao estacionamento ilegal, através de maior fiscalização ou colocação de mobiliário urbano dissuasor (e.g. pilaretes). Alargamento das áreas de estacionamento tarifado na zona central. Aumento da oferta de estacionamento nocturno na zona de Sassoeiros. Pontos Fortes No centro de Carcavelos a qualidade do espaço pedonal é boa, mas existem pontos de conflito a assinalar. A acessibilidade para todos está assegurada na interface de Carcavelos. Elevada qualidade do percurso pedonal entre a estação CP e a Praia de Carcavelos. Oportunidades A criação de uma ciclovia ao longo da Av. Jorge V (já em fase de desenvolvimento) deve ser acompanhada da criação de parqueamento para bicicletas, junto aos principais equipamentos. Estacionamento Modos Suaves A pouca estruturação urbana da zona Norte dificulta a qualidade do serviço TC proporcionado. A falta de limpeza e higiene no terminal rodoviário pode contribuir para o aumento da percepção de insegurança e para diminuir a atractividade deste modo. Pontos Fracos No contexto da freguesia, a zona de Rebelva/Qta da Alagoa apresenta menor oferta de estacionamento privado. A zona Norte (especialmente Sassoeiros) apresenta um elevado défice de estacionamento nocturno, devido à maior concentração de alojamentos sem estacionamento. 10 Ameaças É necessário ter cuidado com a política de tarifação de estacionamento e com a facilidade de acessos ao novo espaço comercial previsto no Arneiro, de modo a evitar situações de estacionamento abusivo na envolvente a este. Pontos Fracos A linha ferroviária de Cascais e a Var. EN6-7 constituem barreiras físicas à circulação pedonal. Na zona central de Carcavelos os passeios são estreitos e estão ocupados por mobiliário urbano e árvores, impedindo uma adequada circulação pedonal. Inexistência de equipamentos de apoio ao parqueamento de bicicletas junto à estação. Ameaças Agravamento do efeito de barreira provocado pela variante à EN6-7, com o aumento do tráfego rodoviário e a maior consolidação da envolvente.

11 PMT: Formulação e Avaliação das Propostas 11

12 PMT: Formulação e Avaliação das Propostas Aposta nas redes pedonais Intervenções físicas Hierarquização das redes, Introdução de medidas de acalmia, Sinalização Infraestruturas de apoio Meios complementares (e.g., escadas rolantes, elevadores, ) Sensibilização, Informação & Educação Campanhas de sensibilização (civismo, segurança, regras), Promoção de aulas para crianças, Informação sobre percursos pedonais Organização de ações de promoção Pedibus, Pedishopping Articulação com outros instrumentos de planeamento PMOTs, Planos de Acessibilidade para Todos, 12

13 PMT: Implementação do PMT Estabelecimento de ESTRUTURAS DE GESTÃO E DE COORDENAÇÃO para garantir a implementação do plano Constituição de PARCERIAS LOCAIS Aprofundamento dos ESTUDOS / PROJETOS necessários à implementação do plano PLANEAMENTO das obras, projetos e regulamentos E SUA EXECUÇÃO Operacionalização da ESTRUTURA DE MONITORIZAÇÃO Operacionalização (eventual) das MEDIDAS CORRETIVAS 13

14 Porque devo fazer um PMT? 14

15 Principais Vantagens de Realização de um PMT Melhoria das condições de acessibilidade para TODOS os cidadãos Melhoria da qualidade do AMBIENTE URBANO e da SAÚDE dos residentes Melhoria da IMAGEM e ATRATIVIDADE do município Melhoria da oferta de TRANSPORTE PÚBLICO e das condições para as deslocações a PÉ e em BICICLETA Redistribuição do ESPAÇO PÚBLICO, promovendo mais oportunidades para o usufruto da cidade Melhoria da SEGURANÇA RODOVIÁRIA Diminuição do CONGESTIONAMENTO RODOVIÁRIO e dos seus efeitos nocivos Contribuiição para o aumento da EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Maior integração entre o planeamento das ACESSIBILIDADES e o planeamento urbano 15

16 Qual é a aplicabilidade de um PMT à minha realidade? O meu problema é a ligação aos concelhos vizinhos PRATICAMENTE NÃO EXISTEM PESSOAS NOS TRANSPORTES PÚBLICOS! 16

17 Aplicável às escalas do Aglomerado, Município ou grupo de Municípios Diferentes escalas diferente complexidade diferente detalhe diferentes temáticas Necessário atender às especificidades locais (orografia, tecido económico, )

18 Escala Regional 18

19 Escala Concelhia P&R A definir 720 Cascais Shopping Alcabideche P&R Manique P&R Hospital Abóboda P&R Monte Estoril Estoril Alapraia P&R SDR - Cemitério SJE SDR - Igreja P&R 70-9 SPE Parede Carcavelos 19

20 Escala do Aglomerado 20

21 Hierarquização e qualificação das redes e sistemas de transportes Conteúdos dos PMT Intermunicipais Conc > 100 mil hab. Conc mil hab. Conc < 50 mil hab. Diferentes escalas diferentes abordagens Ocupação do território Padrões de mobilidade Rede rodoviária Transporte Colectivo Análise das Temáticas por camadas Interfaces de transporte Táxis Transporte flexível Análise a diversas escalas: Macro-zonas e redes estruturantes Redes pedonais Redes cicláveis Gestão do estacionamento Logística urbana Segurança rodoviária Pólos urbanos e rede principais e secundárias Qualidade do ambiente urbano Programa de investimentos (orçamentação das propostas) Inclui também os pólos e redes locais Indicadores de monitorização Modelo tarifário Conta pública de deslocações 21

22 PMT versus PMOT: Complementaridade ou concorrência? 22

23 A fronteira entre os PMOT e os PMT PMOT Os PMOT incidem sobre o espaço físico, envolvendo áreas edificadas e não edificadas e respetivos regimes de utilização. Incluem as opções de planeamento a 10 anos. PMT PMT Os PMT incluem o planeamento de infra-estruturas viárias, mas também das redes e serviços de transporte público, gestão de tráfego e estacionamento e gestão da mobilidade. Apresentam as opções de planeamento e de gestão para os próximos 5 anos. PMOT Fonte: BSA 23

24 Que resultado devo esperar de um PMT? 24

25 PROGRAMA DE AÇÃO Para cada ação Medida Ações a desenvolver Custo Financiamento Horizonte temporal Descrição da medida Identificação das diversas ações (ex. desenvolver estudos de viabilidade económica de um novo serviço de TP) Estimativa de custos considerando as diversas componentes (estudos, projeto, expropriações, investimento, exploração, etc.) Identificação das linhas de financiamento disponíveis a nível nacional ou europeu e a parcela de custo suportada pela autarquia Acção de curto, médio ou longo prazo Responsabilidade Informação & Divulgação Qual ou quais os intervenientes e quais as ações que ficam a seu cargo Quais os momentos de divulgação e informação aos cidadãos do progresso das ações

26 rfaces e melhoria das condições de tendimento Melhoria da oferta do serviço de TP PROGRAMA DE AÇÃO Propostas de intervenção Período necessário à concretização da medida Impacte temporal Projecto de reestruturação de rede de autocarros (estudo) Curto prazo Pontual Reestruturação da rede de T C estruturante e secundária - 1.ª fase Médio prazo Permanente Projecto de construção do TLS T LS Cascais - Adroana Longo prazo Permanente T LS Carcavelos - T rajouce Longo prazo Permanente Reestruturação da rede de T C estruturante e secundária - 2.ª fase Médio prazo Permanente Reestruturação da rede TC local: simplificação dos percursos das carreiras e reforço da oferta Desenvolvimento de um plano de avaliação e monitorização da velocidade comercial da rede T C rodoviária Tratamento preferencial dos corredores de maior concentração de oferta Curto prazo Curto prazo Médio prazo Permanente Permanente Permanente Consolidação da rede de interfaces de 3.º nível Para cada ação Alcabideche Médio prazo Permanente Hospital de Cascais Médio prazo Permanente Cronograma Tempo de concretização Impacte temporal Abóboda Médio prazo Permanente São Domingos de Rana (Cemitério) Médio prazo Permanente São Domingos de Rana (Igreja) Médio prazo Permanente Alapraia Médio prazo Permanente Fonte: PMT Cascais: Calendarização das propostas e avaliação do seu impacte temporal Manique Médio prazo Permanente P&R das paragens do T LS (T rajouce e Matos Cheirinhos) Médio prazo Permanente

27 rede de interfaces e melhoria das condições de atendimento Melhoria da oferta do serviço de TP PROGRAMA DE AÇÃO Propostas de intervenção Custos de Investimento Custos de exploração / funcionamento ( ) Custos de Investimento Custos de exploração / funcionamento ( ) Projecto de reestruturação de rede de autocarros (estudo) Reestruturação da rede de TC estruturante e secundária - 1.ª fase Projecto de construção do TLS TLS Cascais - Adroana TLS Carcavelos - Trajouce Reestruturação da rede de TC estruturante e secundária - 2.ª fase Reestruturação da rede TC local: simplificação dos percursos das carreiras e reforço da oferta Desenvolvimento de um plano de avaliação e monitorização da velocidade comercial da rede TC rodoviária Tratamento preferencial dos corredores de maior concentração de oferta n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. Consolidação da rede de interfaces de 3.º nível Alcabideche Hospital de Cascais Para cada ação Abóboda São Domingos de Rana (Cemitério) Avaliação dos custos de investimento, mas também dos custos de exploração São Domingos de Rana (Igreja) Alapraia Manique P&R das paragens do TLS (Trajouce e Matos Cheirinhos) Melhoria das condições de acesso e estadia nas principais interfaces e paragens de autocarros Fonte: PMT Cascais: Programação dos custos de implementação Cascais

28 Como asseguro o sucesso?

29 Fatores Críticos de Sucesso COORDENAÇÃO forte e com elevado ENVOLVIMENTO POLÍTICO Definição de OBJETIVOS claros, mensuráveis, coerentes e realistas ENVOLVIMENTO de todos os ATORES relevantes na organização da mobilidade desde o início do PMT Articulação do Plano de Ação do PMT com as propostas de DESENVOLVIMENTO URBANO E USOS DO SOLO Promoção de PROCESSOS PARTICIPADOS (divulgação de informação, consulta pública, participação ativa) Garantia de um processo de MONITORIZAÇÂO eficaz com a eventual introdução de medidas corretivas Conhecimento claro do envelope do ORÇAMENTO disponível para a implementação das ações do PMT Cumprimento da CALENDARIZAÇÃO do PMT Garantia de FINANCIAMENTO das propostas do PMT 29

30 Fundamental apostar na monitorização No âmbito do PMT devem ser considerados INDICADORES DE AVALIAÇÃO aos quais devem estar associadas METAS. Os indicadores permitem comparações: No TEMPO, com a situação de referência (ou de base) No ESPAÇO, entre zonas ou com outros concelhos. A avaliação permite verificar aderência face ao planeado (METAS) e CORRIGIR AÇÕES quando necessário 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 2% 2% 2% 2% 3% 24% 16% 58% 27% 28% 18% 19% 51% 48% TI TC Pé Bicicleta Outro Fonte: PMT Cascais, Metas propostas para a repartição da modal nas viagens internas a Cascais

31 Reflexões finais

32 Algumas reflexões finais O diagnóstico e definição das propostas deve ter em consideração a ESCALA e COMPLEXIDADE da área de intervenção, bem como as ESPECIFICIDADES do contexto. O fecho de um PMT deve ser entendido como o PONTO DE PARTIDA para a sua execução e não como um fim em si mesmo. O PMT deve ser o mais PARTICIPADO possível (pelas equipas técnicas das CMs), pelos principais atores (stakeholders) e deve contar com o ENVOLVIMENTO efetivo dos POLÍTICOS. Fundamental ESTABELECER PARCERIAS LOCAIS se queremos ampliar o alcance das medidas do PMT (uma parte significativa das ações não são da responsabilidade das autarquias) > Pactos de Mobilidade. É fundamental MONITORIZAR A EXECUÇÃO DO PMT > indicadores de avaliação (Acompanhamento, Gestão do PMT e apoio à decisão, Aprendizagem e melhoria na atuação, Comunicação e participação).

Plano Intermunicipal de Transportes da Região de Aveiro (PIMTRA)

Plano Intermunicipal de Transportes da Região de Aveiro (PIMTRA) Seminário Mobilidade Urbana Sustentável: Experiências e novos desafios Plano Intermunicipal de Transportes da Região de Aveiro (PIMTRA) Susana Castelo TIS.pt Região de Aveiro O processo do PIMT-RA Em 2011,

Leia mais

Guia para Elaboração de Planos de Mobilidade e Transportes (PMT)

Guia para Elaboração de Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) Workshop Regional de Disseminação do Universidade de Évora, Évora, 24 de Abril de 2012 Guia para Elaboração de Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) Faustino Gomes TIS.PT, Transportes, Inovação e Sistemas,

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro. Susana Castelo

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro. Susana Castelo Boas Práticas: Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Susana Castelo Susana.castelo@tis.pt Região de Aveiro O processo do PIMT-RA Em 2011, a CIRA lançou o

Leia mais

Boas Práticas: Região de Aveiro

Boas Práticas: Região de Aveiro Boas Práticas: Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Susana Castelo Susana.castelo@tis.pt Região de Aveiro O processo do PIMT-RA Em 2011, a CIRA lançou o

Leia mais

Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças

Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças Susana Castelo TIS.pt Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 2º Workshop

Leia mais

Estratégia para a promoção da utilização dos modos suaves

Estratégia para a promoção da utilização dos modos suaves Estratégia para a promoção da utilização dos modos suaves Eng.ª Rita Soares Seminário de divulgação e participação pública, Aveiro 12.06.2013.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 15 Objetivos Estratégicos

Leia mais

Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade

Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade Workshop Regional de Disseminação do Universidade do Minho - Braga -10 de Abril de 2012 GUIÃO Orientador da Temática dos Transportes nos Planos Municipais de Ordenamento do Território António Pérez Babo

Leia mais

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico Projecto Mobilidade Sustentável Tiago Farias 20 de Junho de 2007 DTEA Transportes,

Leia mais

Barlavento Algarvio Fase 1: Caracterização e Diagnóstico

Barlavento Algarvio Fase 1: Caracterização e Diagnóstico Barlavento Algarvio Fase 1: Caracterização e Diagnóstico Enquadramento Territórios distintos em termos de povoamento, demografia, economia e orografia: Municípios de cariz mais rural e com problemas de

Leia mais

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Workshop Regional U.M. BRAGA 10 ABRIL 2012 SUMÁRIO Compromissos Estudos e avaliação Intervenções Financiamento e Cooperação Institucional Desafios para Municípios COMPROMISSOS A

Leia mais

ECOXXI 2014 Indicador Mobilidade Sustentável. Catarina Marcelino, GPIA/IMT David Vale, FA-UTL Mário Alves, Transitec

ECOXXI 2014 Indicador Mobilidade Sustentável. Catarina Marcelino, GPIA/IMT David Vale, FA-UTL Mário Alves, Transitec ECOXXI 2014 Indicador Mobilidade Sustentável Catarina Marcelino, GPIA/IMT David Vale, FA-UTL Mário Alves, Transitec O problema: Predominância de soluções de transporte para problemas urbanos Aumento das

Leia mais

Projecto Mobilidade Sustentável Município de Santarém Objectivos e Propostas

Projecto Mobilidade Sustentável Município de Santarém Objectivos e Propostas Objectivos e Propostas Objectivos e Propostas Relatório de Diagnóstico Diagnóstico de problemas, intenções e projectos Relatório de Objectivos e Conceito de Intervenção Definição de objectivos e escalas

Leia mais

Projecto Mobilidade Sustentável Auditório Alto dos Moinhos Estação de Metro do Alto dos Moinhos Lisboa

Projecto Mobilidade Sustentável Auditório Alto dos Moinhos Estação de Metro do Alto dos Moinhos Lisboa Projecto Mobilidade Sustentável Auditório Alto dos Moinhos Estação de Metro do Alto dos Moinhos Lisboa 19 de Setembro de 2008 Plano de Mobilidade Sustentável de Faro Vítor Teixeira, Manuela Rosa e Celeste

Leia mais

Faça uma pergunta em goo.gl/slides/jtrgc2. Ocupação do território, emprego e demografia

Faça uma pergunta em goo.gl/slides/jtrgc2. Ocupação do território, emprego e demografia Centro Algarvio Faça uma pergunta em goo.gl/slides/jtrgc2 Ocupação do território, emprego e demografia Tendências Demográficas População Residente Em 2011 residiam 258.235 hab. (+15% face a 2001). Maiores

Leia mais

utilização dos transportes públicos

utilização dos transportes públicos Estratégia para a promoção da utilização dos transportes públicos Engª Susana Castelo.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 12 Objetivos Estratégicos e Específicos do PIMT-RA Promover uma REPARTIÇÃO

Leia mais

mobilidade sustentável

mobilidade sustentável GALARDÃO eco XXI Cantanhede, 19 de Setembro de 2014 mobilidade sustentável requalificação urbana/mobilidade/ambiente/trânsito/sustentabilidade Micael Sousa PRINCÍPIOS E OBJECTIVOS PRINCÍPIOS GERAIS Redução

Leia mais

Nuno Soares Ribeiro VTM Consultores

Nuno Soares Ribeiro VTM Consultores Nuno Soares Ribeiro VTM Consultores 25 NOVEMBR0 2008 1 Índice 1. Enquadramento 2. Conceito do Sistema 3. Inserção no Território Demografia Mobilidade Geração e Troca de Viagens 4. Desenvolvimento do Traçado

Leia mais

Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia do Ambiente Perfil de Ordenamento do Território e Impactes Ambientais

Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia do Ambiente Perfil de Ordenamento do Território e Impactes Ambientais Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia do Ambiente Perfil de Ordenamento do Território e Impactes Ambientais ANA MORGADO DE BRITO NEVES Orientador: Mestre José Carlos Ribeiro Ferreira

Leia mais

Mais Bicicletas, Melhores Cidades A Promoção do Uso da Bicicleta no âmbito do PAMUS A Mobilidade Urbana Sustentável no NORTE 2020

Mais Bicicletas, Melhores Cidades A Promoção do Uso da Bicicleta no âmbito do PAMUS A Mobilidade Urbana Sustentável no NORTE 2020 Mais Bicicletas, Melhores Cidades A Mobilidade Urbana Sustentável no NORTE 2020 O Município da Maia Divisão de Planeamento Territorial e Projetos Câmara Municipal da Maia Mais Bicicletas, Melhores Cidades

Leia mais

MUNICÍPIO DE CASTELO BRANCO ÁREA DE ESTUDO

MUNICÍPIO DE CASTELO BRANCO ÁREA DE ESTUDO MUNICÍPIO DE CASTELO BRANCO ÁREA DE ESTUDO Castelo Branco Em 2001: População concelho: 55 708 População Sede concelho: 30 449 (55%) Área: 1438,2 km2 Freguesias: 25 Cidade de Castelo Branco População actual:

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso Política de Cidades Polis XXI Acções Inovadoras para o Desenvolvimento Urbano QREN/ POVT/ Eixo IX Desenvolvimento do Sistema Urbano Nacional 1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em

Leia mais

NORTE ON BIKE: Mais Bicicletas: Melhores Cidades

NORTE ON BIKE: Mais Bicicletas: Melhores Cidades NORTE ON BIKE: Mais Bicicletas: Melhores Cidades Fernando Gomes CCDR-N Porto, 19 de abril de 2017 norte2020.pt Sumário Enquadramento 1. Objetivos 2. Ações 3. Modelo de Governação 4. Cronograma Enquadramento

Leia mais

Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade

Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade Braga, Universidade do Minho - 10 de Abril de 2012 Programa Preliminar Tema Intervenientes 9h30 9h45 10h00 Receção aos Participantes Boas Vindas

Leia mais

Programa Operacional Regional do Alentejo/Estratégia Regional de Especialização Inteligente. Financiamento de projetos para Cidades Analíticas

Programa Operacional Regional do Alentejo/Estratégia Regional de Especialização Inteligente. Financiamento de projetos para Cidades Analíticas Programa Operacional Regional do Alentejo/Estratégia Regional de Especialização Inteligente Financiamento de projetos para Cidades Analíticas Rio Maior 13 de Março 2015 Estratégia Regional de Especialização

Leia mais

Futuras Autoridades de Transportes Municípios e CIM Atribuições e competências

Futuras Autoridades de Transportes Municípios e CIM Atribuições e competências Futuras Autoridades de Transportes Municípios e CIM Atribuições e competências Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 2º Workshop Vila Real 19 de novembro de 2014 Novo regime jurídico Anteprojeto

Leia mais

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana 3ª Reunião do GAL Alcabideche, DNA Cascais 07 de julho de 2015 ORDEM DE TRABALHOS Ponto de situação sobre

Leia mais

Autárquicas Inquérito sobre Políticas e Propostas para a Mobilidade em Bicicleta. Não responderam: PSD.CDS.MPT.PPM CDU PAN PNR PTP PDR.

Autárquicas Inquérito sobre Políticas e Propostas para a Mobilidade em Bicicleta. Não responderam: PSD.CDS.MPT.PPM CDU PAN PNR PTP PDR. - Autárquicas 217 Autárquicas 217 Inquérito sobre Políticas e Propostas para a Mobilidade em Bicicleta Município: 47 Sintra Participantes no inquérito: Não responderam: PS PSD.CDS.MPT.PPM CDU PAN PNR PTP

Leia mais

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa EAPN Portugal / Rede Europeia Anti Pobreza Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa Documento realizado para

Leia mais

Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra

Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra Seminário: A Ocupação Dispersa no quadro dos PROT e dos PDM Universidade de Évora Évora 12 de Novembro de 2009 :00 Índice :01 :02 Definição

Leia mais

Autárquicas Maia. Inquérito sobre Políticas e Propostas para a Mobilidade em Bicicleta. Município: 26

Autárquicas Maia. Inquérito sobre Políticas e Propostas para a Mobilidade em Bicicleta. Município: 26 - Autárquicas 217 Autárquicas 217 Inquérito sobre Políticas e Propostas para a Mobilidade em Bicicleta Município: 26 Maia Participantes no inquérito: Não responderam: PS CDU MPT PPV.PPM 1.1. Apoia o objetivo

Leia mais

Plano de Pormenor da Praia Grande. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Plano de Pormenor da Praia Grande. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Índice 1. Localização e Termos de referência 2. Eixos Estratégicos e Objetivos 3. Enquadramento legal 4. Diagnóstico 5. Proposta 6. Concertação

Leia mais

Orientações para a Apresentação de Pedido de Adesão

Orientações para a Apresentação de Pedido de Adesão Orientação para a apresentação de Pedido de Adesão Orientações para a Apresentação de Pedido de Adesão Elaborado a 23 dezembro 2015 Revisto em 19 de fevereiro de 2016 0 Índice 1. Enquadramento... - 1-2.

Leia mais

O PEDU é, ainda, o elemento agregador de três instrumentos de planeamento, que suportam cada uma daquelas prioridades de investimento:

O PEDU é, ainda, o elemento agregador de três instrumentos de planeamento, que suportam cada uma daquelas prioridades de investimento: APRESENTAÇÃO ENQUADRAMENTO Do Acordo de Parceria Portugal 2020, adotado entre Portugal e a Comissão Europeia, e dos Programas Operacionais Regionais resultou que os Municípios que correspondessem a centros

Leia mais

Urbanismo,Transportes Vias de Comunicação Area de Especialização DEC-FCTUC

Urbanismo,Transportes Vias de Comunicação Area de Especialização DEC-FCTUC Urbanismo,s Vias de Comunicação Area de Especialização DEC-FCTUC UTVC Urbanismo,s e Vias de Comunicação ÁREAS TEMÁTICAS Tráfego e s Vias de Comunicação Sistemas de Gestão de Cidades e Infraestruturas Urbanismo

Leia mais

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 Teresa Almeida A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 1. O Quadro Europeu 2. O Quadro Municipal 3. As

Leia mais

Estratégia para a Aplicação de Planos de Intervenção em Espaço Rural em Espaço Periurbano. O caso de Setúbal.

Estratégia para a Aplicação de Planos de Intervenção em Espaço Rural em Espaço Periurbano. O caso de Setúbal. Estratégia para a Aplicação de Planos de Intervenção em Espaço Rural em Espaço Periurbano. O caso de Setúbal. Discussão para obtenção do grau de Mestre em Urbanismo e Ordenamento do Território Patrícia

Leia mais

Plano de Mobilidade Sustentável

Plano de Mobilidade Sustentável Plano de Mobilidade Sustentável Município de Leiria Apresentação Diagnóstico Proposta Inicial de Intervenção tgil laboratório de, e sistemas de informação geográfica departamento de engenharia civil instituto

Leia mais

Urbanismo,Transportes

Urbanismo,Transportes Urbanismo,s Vias de Comunicação Area de Especialização DEC-FCTUC ÁREAS TEMÁTICAS Ordenamento do Território Urbanismo Vias de Comunicação Tráfego e s Sistemas de Gestão de Cidades e Infraestruturas 2 1

Leia mais

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Anexo Único Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Artigo 1º - Definição Um GABIP é uma estrutura de iniciativa municipal,

Leia mais

Colecção de Brochuras Técnicas / Temáticas

Colecção de Brochuras Técnicas / Temáticas Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade Universidade de Évora Évora 24 de Abril de 2012 Colecção de Brochuras Técnicas / Temáticas Margarida Neta Transitec www.transitec.net margarida.neta@transitec.net

Leia mais

Programa Polis Vila Real

Programa Polis Vila Real Mestrado em Riscos, Cidades e Ordenamento do território. UC-Cidades e Ordenamento do Território Programa Polis Vila Real Trabalho elaborado por: Bruno Vieira Catarina Pereira Pedro Silveira Docentes: Helena

Leia mais

Setembro Dia Europeu Sem Carros 22 Semana Europeia da Mobilidade

Setembro Dia Europeu Sem Carros 22 Semana Europeia da Mobilidade Câmara Municipal: Vila CASCAIS Cascais Setembro Dia Europeu Sem Carros 22 Semana Europeia da Mobilidade 16 17 18 19 20 21 22 Área da vila 20,12 Km 2 População total 33.255 hab. Dimensão da ZSTA 670 m População

Leia mais

CARTA DE DESPORTO DO CONCELHO DE CASCAIS PROGRAMAA DE EXECUÇÃO JUNHO 2010 PERCUR RSO. envestiga

CARTA DE DESPORTO DO CONCELHO DE CASCAIS PROGRAMAA DE EXECUÇÃO JUNHO 2010 PERCUR RSO. envestiga CARTA DE DESPORTO DO CONCELHO DE CASCAIS PROGRAMAA DE EXECUÇÃO PERCUR RSO envestiga estudos e processos de investigação e de engenharia social, Lda 1. 1.1 INTRODUÇÃO Refere-se o presente documento à programação

Leia mais

COMPROMISSO PARA A MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL NO ALGARVE

COMPROMISSO PARA A MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL NO ALGARVE COMPROMISSO PARA A MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL NO ALGARVE por caminhos sem carbono» Enquadramento» Informar e agir» Entendimento de partida» Princípios» Subscritores - 3 - Enquadramento O Projeto Mobilidade

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO-43-2016-01 PRIORIDADES DE INVESTIMENTOS: 4.5 (4e) PROMOÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE BAIXO TEOR DE CARBONO

Leia mais

A D A P T A Ç Ã O D O S M A P A S D E R U Í D O A O R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O ( D E C. - L E I 9 / )

A D A P T A Ç Ã O D O S M A P A S D E R U Í D O A O R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O ( D E C. - L E I 9 / ) A D A P T A Ç Ã O D O S M A P A S D E R U Í D O A O R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O ( D E C. - L E I 9 / 2 0 0 7 ) P L A N O D I R E C T O R M U N I C I P A L D E S Ã O P E D R O D O S U

Leia mais

MOTIVAÇÃO (VASTO MANANCIAL DE INFORMAÇÃO) AS CIDADES MÉDIAS COMO PADRÃO DE POVOAMENTO DO TERRITÓRIO NACIONAL A MARCA DAS DÉCADAS MAIS RECENTES PROBLEM

MOTIVAÇÃO (VASTO MANANCIAL DE INFORMAÇÃO) AS CIDADES MÉDIAS COMO PADRÃO DE POVOAMENTO DO TERRITÓRIO NACIONAL A MARCA DAS DÉCADAS MAIS RECENTES PROBLEM Grupo de interesse Agência Portuguesa de Ambiente em Lisboa, 30 Novembro 2007 Mobilidade Sustentável em cidades de média dimensão Coordenação: Universidades de Aveiro e Coimbra MOTIVAÇÃO (VASTO MANANCIAL

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO NA UE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ACTUAL 3. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 4. TRANSPORTES ENERGIA E AMBIENTE 5. INFRAESTRUTURAS 6. CONCLUSÕES

Leia mais

CADERNO DE PROPOSTAS. no Bairro da Graça/Sapadores. Para uma melhor mobilidade e acessibilidade das crianças

CADERNO DE PROPOSTAS. no Bairro da Graça/Sapadores. Para uma melhor mobilidade e acessibilidade das crianças Ruas do Bairro Amigas da Criança CADERNO DE PROPOSTAS Para uma melhor mobilidade e acessibilidade das crianças no Bairro da Graça/Sapadores 1. ENQUADRAMENTO Andar a pé é a forma mais natural da criança

Leia mais

ESTUDO DE TRÂNSITO DE ÂMBITO CONCELHIO PARA CASCAIS PROJECTOS E AVALIAÇÃO: DOSSIER 8 NORMATIVO FEVEREIRO DE 2011 DPT DPIE

ESTUDO DE TRÂNSITO DE ÂMBITO CONCELHIO PARA CASCAIS PROJECTOS E AVALIAÇÃO: DOSSIER 8 NORMATIVO FEVEREIRO DE 2011 DPT DPIE / c ESTUDO DE TRÂNSITO DE ÂMBITO CONCELHIO PARA CASCAIS PROJECTOS E AVALIAÇÃO: DOSSIER 8 NORMATIVO FEVEREIRO DE 2011 DPT DPIE 05657 1 05658 2 ESTUDO DE TRÂNSITO DE ÂMBITO CONCELHIO PARA CASCAIS PROJECTOS

Leia mais

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano)

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) 2010-2013 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO - 2012 CMC/DIPS Ricardo Caldeira - Coordenador do Grupo de Planeamento da Intervenção com os

Leia mais

O Futuro da Mobilidade. Mobilidade e os ITS: estimular a relação simbiótica

O Futuro da Mobilidade. Mobilidade e os ITS: estimular a relação simbiótica O Futuro da Mobilidade Mobilidade e os ITS: estimular a relação simbiótica 1 Mobilidade Sustentável Enquadramento Transportes Urbanos responsáveis por 40% das emissões de CO2 dos transportes rodoviários

Leia mais

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS MOBILIDADE SUSTENTÁVEL ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS MATOSINHOS, 21 E 22 DE SETEMBRO 2016 Agenda I Introdução II Enquadramento III PMT vs SUMP IV Endurance V ciclando 22.09.2016 2 I Introdução Uma visão para

Leia mais

PROMOVER O INVESTIMENTO E O CRESCIMENTO

PROMOVER O INVESTIMENTO E O CRESCIMENTO PROMOVER O INVESTIMENTO E O CRESCIMENTO António Laranjo Presidente do Conselho de Administração Famalicão 24 de julho de 2017 ÍNDICE 01 PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DAS ÁREAS EMPRESARIAIS 02 REQUALIFICAÇÃO

Leia mais

TRANSPORTES, MOBILIDADE E LOGÍSTICA

TRANSPORTES, MOBILIDADE E LOGÍSTICA TRANSPORTES, MOBILIDADE E LOGÍSTICA 93 A DMSL vai à Escola Descrição: Divulgação das áreas de manutenção; trabalhos efetuados na escola; divulgação de profissões; sensibilização para os consumos energéticos

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 2016 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 081 HÁ VIDA NO PAÇO Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO setembro 2014 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Documentos de referência referências Plano Municipal de Circulação Viária e de Transporte - 2003 Consolidou

Leia mais

PEDU. Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano de Bragança. (aprovado pela Comissão Diretiva Norte2020)

PEDU. Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano de Bragança. (aprovado pela Comissão Diretiva Norte2020) Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano de Bragança (aprovado pela Comissão Diretiva Norte2020) Bragança, 14 de Março de 2017 PARU Plano de Ação de Regeneração Urbana PAICD Plano de Ação Integrado

Leia mais

ESTUDO DE TRÂNSITO DE ÂMBITO CONCELHIO PARA CASCAIS DIAGNÓSTICO: DOSSIER 2 - MOBILIDADE DPT DPIE JANEIRO DE 2010

ESTUDO DE TRÂNSITO DE ÂMBITO CONCELHIO PARA CASCAIS DIAGNÓSTICO: DOSSIER 2 - MOBILIDADE DPT DPIE JANEIRO DE 2010 c ESTUDO DE TRÂNSITO DE ÂMBITO CONCELHIO PARA CASCAIS DIAGNÓSTICO: DOSSIER 2 - MOBILIDADE DPT DPIE JANEIRO DE 2010 04098 04099 2 / Estudo de Trânsito de Âmbito Concelhio para Cascais Diagnóstico. DOSSIER

Leia mais

Implementação da ENM Abordagens Integradas para a Náutica

Implementação da ENM Abordagens Integradas para a Náutica Implementação da ENM 2013-2020 Abordagens Integradas para a Náutica Náutica 2020 Vila Praia de Âncora, 21 de novembro de 2014 João Fonseca Ribeiro Diretor-Geral de Politica do Mar O Mar-Portugal é um desígnio

Leia mais

MOBILIDADE E TRANSPORTES

MOBILIDADE E TRANSPORTES Acessibilidade facilitar acesso Mobilidade facilitar deslocação Transporte Caraterização da mobilidade Indicadores Espacial Temporal Desempenho Gastos das Famílias em Transportes Compra de veículo (%)

Leia mais

PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS

PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS PARTICIPAÇÃO A este nível será avaliada a participação das populações dos BIP/ZIP no desenho, no desenvolvimento

Leia mais

ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 MATOSINHOS... 4 COMPROMISSOS... 5 INSTALAÇÃO DE COLETORES SOLARES TÉRMICOS... 7

ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 MATOSINHOS... 4 COMPROMISSOS... 5 INSTALAÇÃO DE COLETORES SOLARES TÉRMICOS... 7 1 BoPS Matosinhos ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 MATOSINHOS... 4 COMPROMISSOS... 5 Governância... 5 Pacto de Autarcas... 5 Referências de Excelência... 6 INSTALAÇÃO DE COLETORES SOLARES TÉRMICOS...

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL:

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL: 1. Designação do projecto: MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL: DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL 2. Tema (enquadramento nos temas da sessão): - Cidades saudáveis e respostas locais - Forma

Leia mais

Plano de Mobilidade e Transportes Intermunicipal da AI da TTT (Margem Sul)

Plano de Mobilidade e Transportes Intermunicipal da AI da TTT (Margem Sul) Plano de Mobilidade e Transportes Intermunicipal da AI da TTT (Margem Sul) 1ª Reunião da Comissão Executiva Museu Industrial do Barreiro 25 de junho 2012 27-06-2012 Área de Intervenção (AI) Concelho do

Leia mais

Plano de Mobilidade de Praia da Vitória Propostas de Intervenção

Plano de Mobilidade de Praia da Vitória Propostas de Intervenção Plano de Mobilidade Plano de Mobilidade de Praia da de Praia da Vitória Vitória Propostas de Intervenção Propostas de Intervenção 16 11-09 Apresentação Resumo Diagnóstico Propostas de Intervenção Solução

Leia mais

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade Seminário SINAENCO / SC Guilherme Medeiros Engenheiro Coordenador Técnico SC Participações e Parcerias S.A.

Leia mais

PROJETO U-BIKE PORTUGAL

PROJETO U-BIKE PORTUGAL PROJETO U-BIKE PORTUGAL Lisboa Auditório do IRHU 28 de janeiro 2016 PROJETO U-BIKE PORTUGAL Auditório do IRHU 28 jan 2016 1. Enquadramento 2. Objetivos 3. Regulamento Geral do Projeto 4. Protocolo IMT

Leia mais

ÍNDICE. Índice de quadros...i Índice de gráficos...ii Índice de figuras... III

ÍNDICE. Índice de quadros...i Índice de gráficos...ii Índice de figuras... III ÍNDICE Pág. de quadros...i de gráficos...ii de figuras... III 1. Introdução...1 1.1. Preâmbulo...1 1.2. Conceito e finalidade...3 1.3. Conteúdo da Carta Educativa...6 1.4. Intervenientes e metodologia

Leia mais

Mobilidade Sustentável. Mário Alves Bernardo Pereira André Fernandes

Mobilidade Sustentável. Mário Alves Bernardo Pereira André Fernandes Mobilidade Sustentável Mário Alves Bernardo Pereira André Fernandes Estrutura da Apresentação Parte I O Indicador 18 Mobilidade Sustentável Parte II Principais alterações Parte I A B C D E Promoção dos

Leia mais

CANDIDATURA AO PROGRAMA

CANDIDATURA AO PROGRAMA CANDIDATURA AO PROGRAMA CIDADES AMIGAS DAS CRIANÇAS Modelo de Caracterização do Município O documento deve ser preenchido em PDF, utilizando a funcionalidade de preenchimento de campos do presente formulário.

Leia mais

A Complementaridade entre os modos pesados e ligeiro do. Metropolitana. O exemplo da Fertagus e do MTS. > 1 de Abril de 2009

A Complementaridade entre os modos pesados e ligeiro do. Metropolitana. O exemplo da Fertagus e do MTS. > 1 de Abril de 2009 A Complementaridade entre os modos pesados e ligeiro do caminho-de-ferro numa Área Metropolitana. O exemplo da Fertagus e do MTS. > 1 de Abril de 2009 > A Fertagus tem vindo progressivamente a assumir

Leia mais

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Lisboa, LNEC, 25 de maio de 2016 Divulgação Alterações climáticas Definição

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

Seminário de Transporte Rodoviário

Seminário de Transporte Rodoviário O Exemplo da Área Metropolitana de Lisboa Seminário de Transporte Rodoviário Abordagem à Mobilidade Urbana Área Metropolitana de Lisboa A Rodoviária de Lisboa Autoridades Metropolitanas de Transporte Parcerias/Protocolos

Leia mais

Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa

Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa [2015-2020] 4ª Comissão Ambiente e Qualidade de Vida Primeiro Plano Municipal de Resíduos na cidade de Lisboa O Caminho [Lisboa Limpa] Melhorar

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE APOIO A INFRA-ESTRUTURAS CIENTÍFICAS E TECNOLÓGICAS O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NA MARGEM SUL

QUALIDADE DE VIDA NA MARGEM SUL QUALIDADE DE VIDA NA MARGEM SUL Há quem afirme que nos últimos 40 anos não houve visão de conjunto para o desenvolvimento da Margem Sul. Sobre esta falsa questão, entendo que é necessário dizer o seguinte:

Leia mais

PROJECTO DE LEI Nº 79/XII PREVÊ O PLANO QUE DEFINE A REDE NACIONAL DE CICLOVIAS. Nota justificativa

PROJECTO DE LEI Nº 79/XII PREVÊ O PLANO QUE DEFINE A REDE NACIONAL DE CICLOVIAS. Nota justificativa PROJECTO DE LEI Nº 79/XII PREVÊ O PLANO QUE DEFINE A REDE NACIONAL DE CICLOVIAS Nota justificativa Criar condições e estimular a utilização dos modos suaves de transporte deve constituir um objectivo político.

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 2016 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 051 BOUTIQUE DO BAIRRO Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

Casos de estudo LNEC-CM CM Silves-CM Lagoa- CM Portimão-CM Vila do Bispo. APA, 17 de Setembro de 2007

Casos de estudo LNEC-CM CM Silves-CM Lagoa- CM Portimão-CM Vila do Bispo. APA, 17 de Setembro de 2007 PROJECTO MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Casos de estudo LNEC-CM CM Silves-CM Lagoa- CM Portimão-CM Vila do Bispo APA, 17 de Setembro de 2007 Enquadramento LNEC/DT/NPTS não contratou bolseiros R.H. existentes carreira

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira congresso LiderA, Lisboa 25/05/2011 Plataforma para a Construção Sustentável Visão e Missão OClusterHabitat? agregador em rede de actividades

Leia mais

CP -a articulação da AML com a Margem Sul pela TTT. (Terceira Travessia do Tejo)

CP -a articulação da AML com a Margem Sul pela TTT. (Terceira Travessia do Tejo) 9º Congresso ADFER CP -a articulação da AML com a Margem Sul pela TTT (Terceira Travessia do Tejo) Cláudia Freitas, CP Lisboa 1 e 2 Abril 2009 Índice 1. ACPLi Lisboa 1. O Serviço da CP Lisboa 2. A integração

Leia mais

Visita a Bragança da Comissão de Obras Públicas Transportes e Comunicações da Assembleia da República 24 e 25 de Março de 2003

Visita a Bragança da Comissão de Obras Públicas Transportes e Comunicações da Assembleia da República 24 e 25 de Março de 2003 Visita a Bragança da Comissão de Obras Públicas Transportes e Comunicações da Assembleia da República 24 e 25 de Março de 2003 O Nordeste Português, Bragança e as acessibilidades Do conceito de periferia

Leia mais

Memoria Descritiva DPQ ESTUDO PRELIMINAR EQUIPAMENTO EDUCATIVO. DRAFT21 URBANISMO & ARQUITECTURA Lda

Memoria Descritiva DPQ ESTUDO PRELIMINAR EQUIPAMENTO EDUCATIVO. DRAFT21 URBANISMO & ARQUITECTURA Lda DPQ 25-03-2013 PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS-SUL DRAFT21 URBANISMO & ARQUITECTURA Lda Memoria Descritiva ESTUDO PRELIMINAR EQUIPAMENTO EDUCATIVO Índice 1 Introdução

Leia mais

Estudo de Corredores de Transporte Público em Sítio Próprio no Município de Cascais Relatório Final

Estudo de Corredores de Transporte Público em Sítio Próprio no Município de Cascais Relatório Final 2617 V2 Estudo de Corredores de Transporte Público em Sítio Próprio no Município de Cascais Equipa Técnica Câmara Municipal de Cascais Vitor Silva DPE Diretor de Departamento João Palma DPE / DORT Chefe

Leia mais

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Fórum de Intercâmbio de Experiências Sustentáveis Congresso Desourb 7 Novembro, 2012 MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Carlos Correia cmcorreia@imtt.pt 1 1. Que Problemas? (des)estruturação urbana (in)viabilidade

Leia mais

Uma Visão Transversal - FS

Uma Visão Transversal - FS Uma Visão Transversal - FS Equipas PMUS Distribuição de temas - abordagem transversal à Região Intermodalidade e informação ao público Rede rodoviária, tráfego e estacionamento Dinâmicas demográficas e

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa Objectivos Metodologia Casos de Estudo Proposta de Estratégias Conclusões Desenvolvimentos Futuros Definir estratégias que permitam aumentar

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO I REDES E EQUIPAMENTOS NACIONAIS DE TRANSPORTES

EIXO PRIORITÁRIO I REDES E EQUIPAMENTOS NACIONAIS DE TRANSPORTES Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) Programa Operacional Temático Valorização do Território AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO I REDES E EQUIPAMENTOS NACIONAIS DE TRANSPORTES

Leia mais

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra WORKSHOP Combustíveis e veículos alternativos Práticas correntes e futuras linhas de orientação política para o transporte de passageiros (Projecto Alter-Motive) Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Leia mais

Mobilidade Urbana Sustentável. A necessidade de PMUS. Paulo Ribeiro. Jornada de Mobilidade Urbana. Azurém, 24 de julho

Mobilidade Urbana Sustentável. A necessidade de PMUS. Paulo Ribeiro. Jornada de Mobilidade Urbana. Azurém, 24 de julho Mobilidade Urbana Sustentável A necessidade de PMUS Jornada de Mobilidade Urbana Paulo Ribeiro Azurém, 24 de julho TRANSPORTES DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTABILIDADE Aumento da população Crescimento das

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL. Cofinanciado por: Águeda, 07 de abril de 2017

PLANO DE AÇÃO DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL. Cofinanciado por: Águeda, 07 de abril de 2017 PLANO DE AÇÃO DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL Cofinanciado por: Águeda, 07 de abril de 2017 ÍNDICE I. ESTRATÉGIA DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DA CIM-RC II. ENQUADRAMENTO AO PAMUS III. ETAPAS DA ELABORAÇÃO

Leia mais

DOSSIER DE APRESENTAÇÃO

DOSSIER DE APRESENTAÇÃO DOSSIER DE APRESENTAÇÃO 19 JANEIRO 2017 ENQUADRAMENTO Reconhecendo a importância social e patrimonial dos bairros residenciais da coroa urbana de Viseu e elegendo como prioridade a qualidade de vida das

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

Lisboa. uma cidade de bairros

Lisboa. uma cidade de bairros Lisboa uma cidade de bairros Fonte: Relatório do PDM Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, Setembro 2010 No PDM de Lisboa, foram identificadas Zonas de Moderação da circulação automóvel, que podem ser concretizadas

Leia mais

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O DESAFIO DAS CIDADES BRASILEIRAS

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O DESAFIO DAS CIDADES BRASILEIRAS MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O DESAFIO DAS CIDADES BRASILEIRAS Renato Boareto Diretor de Mobilidade Urbana SeMob Ministério das Cidades renato.boareto@cidades.gov.br www.cidades.gov.br INTRODUÇÃO 1- Crise

Leia mais

E L A B O R A C Ã O D O M A P A D E R U Í D O C O N C E L H O D O B A R R E I R O

E L A B O R A C Ã O D O M A P A D E R U Í D O C O N C E L H O D O B A R R E I R O E L A B O R A C Ã O D O M A P A D E R U Í D O C O N C E L H O D O B A R R E I R O RESUMO NÃO TÉCNICO MAIO DE 2010 Resumo Não Técnico do Mapa de Ruído do Concelho do Barreiro - Maio de 2010 Página 1 de

Leia mais

DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS

DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS 1 MEMÓRIA DESCRITIVA 1 GENERALIDADES Refere-se a presente memória descritiva ao estudo da infra-estrutura de drenagem de águas residuais associado à operação urbanística do Plano de Pormenor de Parte da

Leia mais