UMA VISÃO SISTÊMICA SOBRE A SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. por Roberto de Souza presidente do CTE Centro de Tecnologia de Edificações

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA VISÃO SISTÊMICA SOBRE A SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. por Roberto de Souza presidente do CTE Centro de Tecnologia de Edificações"

Transcrição

1 UMA VISÃO SISTÊMICA SOBRE A SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO por Roberto de Souza presidente do CTE Centro de Tecnologia de Edificações Nos últimos cinco anos, a sustentabilidade vem ganhando força significativa no setor da construção brasileira. São inúmeros os empreendimentos de diferentes tipologias que vêm sendo objeto de práticas sustentáveis e certificação ambiental, em diferentes regiões do País. As perspectivas de crescimento do setor da construção e do mercado imobiliário são muito promissoras para os próximos anos. No artigo abaixo, sob a forma de uma entrevista, faço uma revisão conceitual da sustentabilidade aplicada à construção, considerando suas dimensões econômicas, ambientais e sociais, assim como uma retrospectiva das principais ações que as empresas do setor vêm conduzindo no campo da construção sustentável e da certificação de empreendimentos. São apontados também as tendências e os caminhos futuros da construção sustentável no Brasil. A sustentabilidade há muito deixou de ser modismo, e hoje desponta como tendência no mundo para um novo modelo de desenvolvimento econômico, para uma economia verde, inclusiva e responsável. O setor da construção civil já reconhece esta tendência? Realmente a sustentabilidade vem assumindo importância estratégica para os governos e empresas de vários setores da economia mundial. A crise de 2008, de início, fez refluir o movimento pela sustentabilidade nos países desenvolvidos. Em um segundo momento, no entanto, ficou claro que a crise ocorreu devido à fragilidade de um dos tripés da sustentabilidade, o econômico, por conta de um sistema financeiro internacional inconsistente e insustentável. A retomada da economia mundial com todos os seus avanços e recuos, a partir de então, vem sendo pautada pela discussão de novos modelos econômicos, com forte ênfase ambiental, social e responsável, fortalecendo os aspectos econômicos e financeiros. Em vários países, o setor da construção civil já reconhece esta tendência, assumindo práticas sustentáveis especialmente em empreendimentos, projetos, materiais e obras e parcialmente incorporando a sustentabilidade nas empresas como um todo. Na construção civil brasileira, podemos ver esta tendência também ser reconhecida pelo crescimento acentuado de empreendimentos sustentáveis nos últimos cinco anos em vários segmentos: arenas esportivas, hospitais, shoppings e edifícios comerciais e industriais. Como poderiam ser avaliadas as dimensões sociais, ambientais e econômicas no setor da construção civil? A dimensão econômica está relacionada aos resultados financeiros das empresas e dos empreendimentos. Ou seja, ao crescimento do faturamento e lucro das empresas, ao volume de vendas dos empreendimentos imobiliários, assim como à rentabilidade e taxa interna de retorno do capital investido. O atendimento aos prazos e o descolamento dos custos de obras em relação ao planejado e orçado, são também aspectos da dimensão econômica, pois estão diretamente ligados à rentabilidade dos empreendimentos e das empresas. A qualidade do produto final é também uma dimensão econômica, pois está associada à satisfação do cliente,

2 um dos principais stakeholders da empresa, e à redução de desperdícios e custos de manutenção do empreendimento pós-entrega. Um outro aspecto da dimensão econômica é o impacto dos empreendimentos e do consumo de materiais locais nas economias regionais, fortalecendo as empresas regionais e o emprego e renda. A dimensão ambiental está relacionada aos resultados de redução dos impactos ambientais gerados pelas empresas e seus empreendimentos. Por exemplo, à eficiência energética, à redução do consumo de água, ao uso de materiais reciclados, à qualidade do ambiente interno, à minimização dos impactos ambientais durante a execução das obras, à geração de resíduos no canteiro e à gestão do lixo na fase de uso do empreendimento. As ações preventivas tomadas na fase de concepção do produto, desenvolvimento do projeto, especificação dos materiais e execução das obras, contribuem de forma significativa para o desempenho ambiental ao longo da vida útil do empreendimento. A dimensão social está relacionada aos resultados sociais gerados pelas empresas, empreendimentos e obras. Podemos incluir nesta dimensão: o comportamento ético, os projetos de responsabilidade social, a gestão de pessoas e as ações de voluntariado das empresas. Estão também nesta dimensão as práticas de segurança e saúde ocupacional nos canteiros e as ações sociais e culturais nas obras, como programas de alfabetização, capacitação e treinamento, inclusão digital e implantação de bibliotecas em obras. O setor da construção mostra-se hoje vigoroso, diante dos indícios de um novo ciclo de expansão e das boas perspectivas de desenvolvimento do País para esta nova década. Quais as oportunidades que o setor tem para inserir a sustentabilidade em sua agenda nos próximos anos? Todos os indicadores apontam para um cenário de crescimento acelerado da construção civil no País. Os indicadores de desenvolvimento econômico são animadores, o mercado imobiliário está em franca expansão, o programa Minha Casa Minha Vida permitiu a entrada de novos segmentos sociais no mercado e teremos ainda a Copa 2014 e as Olimpíadas 2016 com muitos investimentos em infraestrutura e mobilidade urbana. A primeira questão é o que fazer para este crescimento ser sustentável? A cadeia produtiva está preparada para atender esta demanda? É necessário, de antemão, um plano estratégico setorial para garantir que não faltarão recursos de investimento e financiamento, materiais e equipamentos, e profissionais qualificados, como projetistas, engenheiros de obras, equipes de produção. As empresas e o governo deverão também estar preparados em termos de planejamento e gestão para aprovar, projetar e construir dentro dos prazos e custos definidos, com garantia da qualidade e desempenho ambiental. A segunda questão diz respeito às diretrizes ambientais para o desenvolvimento, projeto e construção dos vários empreendimentos resultantes deste crescimento, que, como já falamos,

3 envolvem economia de energia e água, utilização de materiais reciclados, gestão de resíduos e garantia da qualidade do ambiente interno. Neste aspecto, temos hoje várias iniciativas em curso no mercado, que podem ser fortalecidas. A certificação ambiental dos empreendimentos pelo modelo americano do LEED, do Green Building Council, por exemplo, vem crescendo de forma significativa no País. Hoje ocupamos a quarta posição no ranking de empreendimentos registrados para certificação (590 empreendimentos), abaixo dos EUA, Emirados Árabes e China. O modelo de certificação ambiental (AQUA) também começa a ocupar espaço no País. Hoje temos em torno de 72 empreendimentos em processo de certificação. A Caixa Econômica Federal lançou também o Selo Casa Azul com 54 diretrizes para a construção sustentável dos empreendimentos. O Programa Procel criou e vem gradativamente difundindo no setor a Etiquetagem Energética de Edificações Comercias e Habitacionais. A FIFA tem um conjunto de diretrizes de sustentabilidade para a construção dos estádios, assim como o Comitê Olímpico Brasileiro tem tais diretrizes para as arenas e demais equipamentos para as Olimpíadas. Na questão social, há um grande espaço para o setor investir na capacitação e o treinamento de seus profissionais nos diversos níveis, promovendo o desenvolvimento profissional de arquitetos, engenheiros e tecnólogos e a inclusão cultural e social dos operários das obras visando gerar aumento de emprego e renda. Quais os principais equívocos sobre o conceito de Sustentabilidade? O principal equívoco é considerar a sustentabilidade como um modismo passageiro, ou como um mero elemento de marketing, sem considerar os conceitos envolvidos em suas três dimensões: econômica, ambiental e social. Sendo a sustentabilidade e a construção sustentável temas e conceitos ainda novos, que implicam novos paradigmas, é natural que existam várias abordagens, linhas de atuação, pesquisas ou projetos em desenvolvimento. No entanto, em algumas vezes, as análises surgem simplificadas e abordam apenas partes dos conceitos de sustentabilidade, sendo que os resultados são apresentados como se tratassem de um todo, como se todas as dimensões e aspectos tivessem sido considerados, o que não é real. No caso da construção sustentável, é importante que seja dada atenção às questões econômicas, socioambientais e a todas as abordagens que envolvem os impactos, o desempenho e as tecnologias sustentáveis de um empreendimento ou de uma empresa, e não apenas a uma abordagem parcial de um ou outro aspecto ambiental da sustentabilidade, pois isto não garante que um empreendimento ou empresa seja realmente sustentável, mas só responde a um aspecto da grande gama de soluções a serem implantadas.

4 Quais as práticas sustentáveis que o setor da construção no Brasil tem incorporado e devem incorporar no futuro para o desenvolvimento sustentável de seus empreendimentos, projetos e obras? As principais práticas sustentáveis que estão sendo adotadas nos empreendimentos no Brasil podem divididas nas seguintes categorias e fases do empreendimento: Estudos preliminares e concepção do produto: análise dos impactos econômicos e socioambientais; localização próxima aos transportes públicos; densidade e conectividade urbana. Inserção do empreendimento no meio ambiente e na malha urbana: proteção e maximização de áreas verdes; acessibilidade nos empreendimentos; gestão da permeabilidade e escoamento das águas pluviais. Uso e conservação de água: aproveitamento de águas pluviais e águas cinzas; redução do uso de água potável para irrigação; medição individualizada de consumo, especificação de componentes hidráulicos economizadores. Gestão do uso de energia: luminárias de alto rendimento e lâmpadas eficientes; sistemas de automação; elevadores inteligentes; estudos dos sistemas prediais para melhor desempenho energético; equipamentos e motores elétricos de alto desempenho, especificação de componentes de coberturas, fachadas e vidros de alto desempenho térmico, aumentando a eficiência energética das edificações. Seleção de materiais e resíduos: redução do desperdício de materiais; sistemas construtivos industrializados, previsão de áreas nos empreendimentos para depósitos de recicláveis, visando a coleta seletiva do lixo; seleção de materiais regionais e com conteúdo reciclado e de madeiras com manejo sustentável. Qualidade do ambiente construído: desenvolvimento de projetos e especificação de matérias visando o conforto térmico, acústico e lumínico; aproveitamento da ventilação e iluminação natural. Práticas ambientais nos canteiros de obras: gestão da geração de resíduos e coleta seletiva nos canteiros de obras; desmobilização do canteiro com reaproveitamento dos materiais; minimização dos impactos ambientais e interferências no entorno: manutenção e limpeza de ruas e calçadas, arranjo físico do canteiro, proteção de bocas de lobo, execução de lava rodas e lava bicas; proteção de taludes e do solo contra erosão. Práticas sociais nos canteiros de obras: saúde, segurança e condições de trabalho; educação e desenvolvimento profissional; ações sociais voltadas à comunidade; alfabetização; áreas de vivência e desenvolvimento cultural para os trabalhadores; inclusão digital. Como pensar em soluções sustentáveis, sem afetar os orçamentos e a lucratividade das construtoras e incorporadoras?

5 Quando questionamos o investimento adicional de um empreendimento sustentável em relação ao convencional, estamos, na verdade, questionando se vale a pena desenvolver um produto com melhor desempenho em relação à média. Qualquer produto acima da média já se diferencia no mercado e possui maior atratividade para os clientes; somado a isso, existe um movimento gigantesco que está levando investidores, organizações e consumidores a valorizar os produtos sustentáveis e as ações de empresas ambiental e socialmente responsáveis. O edifício sustentável é um produto com maior valor agregado e percebido, ou seja, o edifício sustentável é um produto melhor em vários aspectos, desde o baixo consumo de água e energia até o alto nível de conforto para seus usuários, além, é claro, dos benefícios da imagem do produto e dos empreendedores. Deve-se inicialmente destacar que muitos itens agregam custos insignificantes ou não requerem custo adicional algum ao empreendimento, como, por exemplo: destinação de áreas e infraestrutura para coleta seletiva, adoção de áreas verdes nativas e de baixo consumo, iluminação apenas aonde é necessária, uso de tintas sem cheiro (VOC), reaproveitamento de materiais de demolição, adoção de materiais regionais e com conteúdo reciclado, etc. Em função da experiência do CTE nos trabalhos desenvolvidos para vários empreendimentos, pode-se dizer que há um aumento no custo de construção entre 1% e 6%. No entanto, não há como se definir um valor de investimento médio adicional, pois sempre dependerá de o quê será incorporado ao projeto (padrão do produto) e o nível de sustentabilidade desejado pelos empreendedores. Diversas pesquisas americanas sobre o nível de investimento adicional e os retornos na locação e venda de edifícios comerciais e residenciais certificados pelo LEED têm comprovado que a certificação é interessante do ponto de vista do negócio, ou seja, o valor agregado é superior aos investimentos. Outras pesquisas demonstram que um edifício certificado Green Building, por exemplo, pode reduzir em até 30% o consumo de energia, 35% as emissões de carbono, 30% a 50% o consumo de água e de 50% a 90% o descarte de resíduos. Assim, a melhor forma de se desenvolver um empreendimento sustentável é começar o projeto com o máximo de soluções técnicas focadas em sustentabilidade e com um orçamento detalhado; depois disso, decidir o quê cabe e o quê não cabe para o produto. Não se esquecendo dos retornos esperados na redução do consumo de energia e água, aumento de conforto, benefícios na imagem das empresas e do produto, maior tempo para a edificação ficar obsoleta em relação às demais e a consequente manutenção do nível de rentabilidade de áreas locadas, entre outros. De certa forma, não há volta para o assunto, ou seja, uma edificação que não for construída com os conceitos de sustentabilidade nascerá obsoleta e perderá seu valor no mercado imobiliário. Quem define o preço é o mercado, e o mercado está ficando mais consciente e exigente, o espaço para edificações insustentáveis e fora do novo padrão que se estabelece começa a diminuir. Esta tendência de inclusão das práticas sustentáveis já está sendo incorporada ou pensada também com relação ao desenvolvimento urbano?

6 Esta abordagem faz todo o sentido e é uma tendência de futuro, pois os ganhos significativos de sustentabilidade ocorrem quando se tem edificações sustentáveis em um espaço urbano também sustentável. Um espaço urbano que pense de forma sustentável a infraestrutura urbana energia, drenagem, água, esgoto, sistema viário, áreas verdes, etc. assim como a mobilidade urbana. Um espaço urbano que promova a diversidade de tipologias e usos de edificações, que respeite a escala humana e promova a inclusão social. A sustentabilidade no desenvolvimento urbano, assim como os retrofits de bairros sustentáveis, vem ganhando espaço em vários países do mundo que já incorporaram a sustentabilidade em edificações, em especial alguns países europeus, como a França, Alemanha, Inglaterra, EUA, China e Emirados Árabes. Os países europeus, e em especial a França, via seu sistema de certificação ambiental HQE, está trabalhando em projetos de bairros sustentáveis. O USGBC apresentou no mês de junho de 2011 a norma LEED-ND, focada na certificação ambiental de bairros sustentáveis. Alguns empreendimentos piloto dentro e fora dos EUA estão aplicando esta metodologia em projetos de intervenção urbana e, no Brasil, a norma já começou a ser implementada em alguns empreendimentos. O Parque das Cidades, empreendimento lançado em São Paulo pela OR Empreendimentos Imobiliários segue esta normativa do LEED-ND. Temos ainda o projeto Porto Maravilha, um retrofit urbano no Rio de Janeiro de 5 milhões de metros quadrados que está sendo concebido a partir da adoção de um Compromisso do Empreendimento com a Sustentabilidade. Temos ainda aqui em São Paulo, o exemplo do loteamento Genesis da Takaoka, em Santana do Parnaíba/SP da Riviera de São Lourenço, desenvolvidos a partir de premissas sustentáveis, e que obtiveram a certificação ISO Destaca-se também o empreendimento Pedra Branca, em Santa Catarina, que segue um conjunto de premissas sustentáveis. Os ganhos de sustentabilidade acontecem apenas via certificação dos empreendimentos? Como ampliar a visão da sustentabilidade para os negócios das empresas da cadeia produtiva da construção? A sustentabilidade na construção brasileira realmente está acontecendo via certificação de uma ampla gama de empreendimentos pelo modelo americano do LEED - Green Building e pelo modelo francês do AQUA. Como estes modelos definem diretrizes sustentáveis a serem adotadas no empreendimento, temos alcançado muitos ganhos em diversas áreas, em especial na concepção de projetos, desenvolvimento de novas tecnologias, materiais sustentáveis e procedimentos de execução de obras, com práticas sustentáveis nos canteiros. Porém ainda estamos longe de incorporar, na estratégia e na gestão das empresas da cadeia produtiva da construção, todo o potencial que a sustentabilidade nos permite. Quando tratamos do Green Building ou do AQUA nos referimos essencialmente à dimensão ambiental da sustentabilidade, deixando de lado as dimensões econômicas e sociais.

7 Além disso, a empresa incorporadora e construtora, em geral, aplica as diretrizes do LEED ou do AQUA, somente ao empreendimento em processo de certificação, quando tem dezenas de empreendimentos em andamento. Como aplicar, então, os conceitos da sustentabilidade ao DNA das empresas da cadeia produtiva da construção? Em primeiro lugar, abrindo espaço para incluir os aspectos de responsabilidade socioambiental na estratégia das empresas, em seus valores e em sua gestão. Algumas ações concretas podem sinalizar aos stakeholders da organização o compromisso com o desenvolvimento sustentável. Por exemplo, a adesão da empresa ao Pacto Global, a adoção dos indicadores ETHOS para medir o estágio da empresa em relação ao compromisso socioambiental, assim como podem ser desenvolvidas ações corporativas para reduzir as emissões de CO2 e o aquecimento global, e implementadas ações de responsabilidade social empresarial. Em segundo lugar, as empresas podem incorporar as diretrizes ambientais, sociais e econômicas tripé da sustentabilidade aos seus processos de gestão. Por exemplo, uma incorporadora e construtora pode definir contornos sustentáveis para os processos de escolha de terreno, concepção de produto, desenvolvimento de projeto, suprimentos, execução de obras, manual de uso/operação e assistência técnica pós-entrega. Para tal, os processos podem ser redesenhados, incluindo diretrizes socioambientais e check lists para verificar se as diretrizes estão sendo efetivamente aplicadas. Ou seja, podemos rodar nos processos empresariais um ciclo especial de PDCA, que incorpore a sustentabilidade no dia a dia da incorporadora e construtora. O mesmo raciocínio vale para as empresas de projeto. Nas empresas fabricantes de materiais, a inclusão do DNA da sustentabilidade é também plenamente possível. No aspecto da produção, é necessário inovar nos produtos e redesenhar os processos de fabricação de materiais, incorporando as metodologias de Design Sustentável e Análise do Ciclo de Vida do Produto. Enfim, a questão da sustentabilidade é um desafio complexo para as empresas da cadeia produtiva, mas pode ser enfrentada de forma evolutiva, definindo-se planos de ação e prazos factíveis, que irão consolidar a cultura do desenvolvimento sustentável na organização. Na verdade, trata-se de estabelecer um programa estratégico, pois a tendência é a de evoluirmos cada vez mais rápido para uma sociedade e uma economia em que os valores da sustentabilidade sejam adotados por consumidores, contratantes, investidores e governos. Pensar globalmente e agir localmente, esta é uma boa dica para as empresas que têm compromisso com as futuras gerações. Quais seriam os passos concretos para implantar de forma objetiva a sustentabilidade nos processos de gestão das empresas de construção? A incorporação dos conceitos de sustentabilidade nas organizações consiste em um dos grandes desafios para a diferenciação entre as empresas do setor da construção visando seu desenvolvimento sustentável.

8 A ampliação da visão puramente econômica com a inclusão das dimensões ambientais e sociais na estratégia empresarial, aliada a ferramentas para a gestão e controle das operações de forma transparente e ética, são, certamente, objetivos a serem alcançados pelas organizações preocupadas com sua atuação no médio e longo prazo. Mas como de forma prática dar os passos rumo à gestão da sustentabilidade nas empresas de incorporação e construção? Inicialmente, conhecendo as principais iniciativas, normas e referências em sustentabilidade do mundo e do Brasil e selecionando as adequadas à realidade do setor da construção, tanto nos aspectos corporativos quanto nos aspectos aplicáveis a empreendimentos, projetos, materiais e obras. Em segundo lugar, definindo o posicionamento atual da empresa em relação às práticas de sustentabilidade reconhecidas internacionalmente, criando um plano de ação visando implantar projetos de responsabilidade social e ambiental, mapeando as partes interessadas no negócio da empresa (stakeholders) e promovendo o diálogo e engajamento da organização com seus diferentes públicos. Este segundo passo deve ser complementado com a criação de um programa de alinhamento, sensibilização e educação dos colaboradores para promover a cultura da sustentabilidade. Definir uma política de sustentabilidade e incorporá-la na missão, visão e valores da empresa, encerra este segundo passo e alinham a estratégia, a gestão e a cultura empresarial. O terceiro passo rumo à gestão da sustentabilidade é o desdobramento dos aspectos socioambientais para os processos de seleção do terreno, concepção do produto, desenvolvimento do projeto e lançamento do empreendimento. Neste momento, além de definir critérios de sustentabilidade para aquisição do terreno, é importante definir de forma clara o que é um empreendimento sustentável e quais diretrizes de sustentabilidade serão adotadas na prática. Tais diretrizes envolvem a dimensão ambiental energia, água, resíduos, materiais reciclados, áreas verdes, áreas contaminadas e a dimensão da responsabilidade social no desenvolvimento do empreendimento. Todas estas diretrizes devem ser desdobradas para os projetos e especificação de materiais e equipamentos, e chegar também à campanha de lançamento e marketing do empreendimento. O quarto passo é o da gestão do processo de suprimentos com foco na sustentabilidade, o que envolve a definição de critérios ambientais e sociais para seleção, contratação e avaliação de fornecedores de projeto, materiais e serviços de execução de obras e outros serviços contratados pela incorporadora e construtora. Trata-se, neste momento, de expandir as práticas de sustentabilidade para a cadeia de fornecedores. O quinto passo é a gestão da sustentabilidade dos canteiros de obras. É fundamental definir o que é uma obra sustentável, definir as diretrizes ambientais para a implantação e operação do canteiro água, energia, resíduos, poluição, recursos naturais, preservação de fauna e flora, solo e subsolo e as diretrizes sociais na gestão e execução da obra relacionamento com a comunidade local, relações de trabalho, direitos humanos, educação e desenvolvimento dos trabalhadores, inclusão social, inclusão digital, ambiente de trabalho, saúde e segurança do trabalho e educação ambiental dos colaboradores de obra.

9 O sexto passo está focado na gestão da sustentabilidade na entrega do empreendimento e na fase de uso, operação e assistência técnica. Neste momento são definidas as diretrizes sustentáveis para a operação, uso e assistência técnica do empreendimento, assim como um programa de educação ambiental para os usuários e operadores do condomínio. Tais diretrizes são consolidadas no manual de operação, uso e manutenção do edifício, destacando as tecnologias sustentáveis implantadas. O sétimo passo rumo à gestão da sustentabilidade é o monitoramento, controle e comunicação da sustentabilidade. Para tal, é necessária a criação de indicadores para monitoramento e controle do desempenho econômico, ambiental e social da empresa e seus empreendimentos. Este monitoramento do desempenho vai permitir a elaboração de relatórios de sustentabilidade da empresa com base em referências, como os Indicadores do Instituto ETHOS e do GRI - Global Reporting Initiative. Com os relatórios consolidados, é possível definir formas de comunicação da sustentabilidade empresarial tanto para o público interno quanto para as partes interessadas no negócio da incorporadora e construtora, divulgando as vantagens competitivas da empresa no que se refere à sustentabilidade. Como pensar na sustentabilidade de maneira macro considerando também os setores fora da construção? Do ponto de vista macro, a sustentabilidade deve evoluir para a criação de uma economia verde, inclusiva e responsável, onde a consciência dos consumidores deve se ampliar consideravelmente, tornando a sustentabilidade um critério de escolha de produtos e serviços. De outro lado as empresas vão passar a definir suas estratégias e sua gestão a partir de diretrizes e critérios socioambientais, a redesenhar seus processos a partir da ecoeficiência e da responsabilidade social e desenvolver produtos e serviços sustentáveis de forma a atender este novo mercado. Como o CTE tem se posicionado no mercado da construção civil em relação à sustentabilidade? È possível pensar em uma linha do tempo em relação à atuação do CTE na área de construção sustentável? O CTE é uma empresa líder de consultoria no mercado da construção civil e há 22 anos fornece soluções para o setor da construção. Desde 2000, trabalha com gestão ambiental, mas, nos últimos cinco anos, o CTE tem atuado fortemente no desenvolvimento de consultorias técnicas nas fases de projeto e construção de empreendimentos sustentáveis, o que significa haver uma demanda crescente e significativa do mercado por este segmento. Este trabalho consiste basicamente no fornecimento de nosso know-how técnico, por meio de uma equipe multidisciplinar de especialistas em várias áreas, como: eficiência energética, arquitetura bioclimática, uso racional de água, materiais sustentáveis, conforto no ambiente construído, processos e tecnologias construtivas sustentáveis, gestão de resíduos, responsabilidade social, dentre outras. Hoje, no Brasil, a maior demanda pela construção sustentável é de clientes empresariais que procuram edifícios de escritórios sustentáveis. Estas empresas formam um segmento de

10 corporações que adotam a sustentabilidade como valor estratégico e de gestão e querem ter suas instalações em edifícios certificados ambientalmente. Essa demanda paulatinamente vem se ampliando para clientes de casas, apartamentos, loteamentos, hotéis e resorts. Atualmente o CTE, como empresa de consultoria, está atuando simultaneamente em mais de 180 empreendimentos sustentáveis no País, que apresentam variadas tipologias: prédios comerciais, residenciais e industriais, edificações do varejo, laboratórios de análises, hospitais, estádios, shoppings centers, residências particulares, projetos de interiores de escritórios comerciais e grandes resorts turísticos. Temos atuado também no campo da sustentabilidade de materiais e equipamentos prestando consultoria aos fabricantes para elencar os diferenciais sustentáveis de seus produtos e comunicá-los ao mercado e aos consumidores. No campo da gestão da sustentabilidade em empresas de incorporação e construção, o CTE desenvolveu um programa de consultoria empresarial para as empresas do setor, que insere a sustentabilidade na estratégia e no negócio da empresa, assim como as orienta no redesenho de todos os seus processos gerenciais e operacionais, com foco na sustentabilidade, culminando com a preparação de relatórios de sustentabilidade da empresa. Percebemos nestes anos que, embora os aspectos ambientais na construção estejam sendo discutidos há algum tempo no Brasil, este processo vinha acontecendo de forma mais pontual, envolvendo questões de conforto ambiental, economia de água e gestão de resíduos. Foi a partir do ano de 2006 que realmente esta reflexão assumiu uma natureza sistêmica, gerando o que podemos chamar de movimento da construção sustentável. Este movimento foi alavancado pelo processo de certificação de empreendimentos, com base no modelo americano de Green Building, gerando o desenvolvimento de tecnologias sustentáveis e de uma cultura de sustentabilidade nas empresas da cadeia produtiva da construção.

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future "Desenvolver a indústria da construção sustentável no país, utilizando as forças Visão de mercado do GBC para conduzir Brasil a adoção (Sonho

Leia mais

ROBERTO DE SOUZA. Sustentabilidade Conceitos gerais e a realidade no mercado brasileiro da construção

ROBERTO DE SOUZA. Sustentabilidade Conceitos gerais e a realidade no mercado brasileiro da construção ROBERTO DE SOUZA Sustentabilidade Conceitos gerais e a realidade no mercado brasileiro da construção SUSTENABILIDADE www.cte.com.br Roberto de Souza roberto@cte.com.br Empresa atuando há 19 anos na cadeia

Leia mais

TENDÊNCIAS E PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Roberto de Souza Diretor do CTE

TENDÊNCIAS E PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Roberto de Souza Diretor do CTE TENDÊNCIAS E PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO Roberto de Souza Diretor do CTE RESULTADOS O CTE atua desde 1990 na cadeia produtiva da construção. Hoje contamos com uma equipe multidisciplinar

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

Caixa Econômica Federal! "#$%&&'

Caixa Econômica Federal! #$%&&' Caixa Econômica Federal! "#$%&&' $! % & ' (! " # )*+),&- $ ./', 0'12' 2003 2004 2004 2005 2007 2008 2009 Adesão ao Pacto Global; Projeto Corporativo Responsabilidade Social : Incorporação dos princípios

Leia mais

A Straub Sustentabilidade tem como missão prestar consultoria em sustentabilidade para Greenbuildings e toda a cadeia da construção civil.

A Straub Sustentabilidade tem como missão prestar consultoria em sustentabilidade para Greenbuildings e toda a cadeia da construção civil. 1. Quem somos A Straub Sustentabilidade tem como missão prestar consultoria em sustentabilidade para Greenbuildings e toda a cadeia da construção civil. Nossa política é agir com ética, consciência, transparência,

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

ARQUITETANDO O FUTURO

ARQUITETANDO O FUTURO ARQUITETANDO O FUTURO Arq. Emílio Ambasz T J D F T ASSESSORIA DA SECRETARIA GERAL DA PRESIDÊNCIA Objetivos do TJDFT Cumprir o mandamento constitucional de defesa e preservação do meio ambiente para as

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

INCA. coleta seletiva de lixo e gestão de resíduos, coletor solar para pré-aquecimento da água, células fotovoltaicas

INCA. coleta seletiva de lixo e gestão de resíduos, coletor solar para pré-aquecimento da água, células fotovoltaicas Durante a execução dos projetos de hospitais como Sírio-Libanês, Hospital Alemão Oswaldo Cruz e Santa Catarina, a MHA instituiu a sua área de Gerenciamento de Obras, até hoje um importante serviço oferecido

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis 19/OUT/2011 Mara Luísa Alvim Motta Gerência Nacional de Meio Ambiente CAIXA EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO 2003-2010 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

A StraubJunqueira tem como missão prestar consultoria em sustentabilidade para Greenbuildings e toda a cadeia da construção civil.

A StraubJunqueira tem como missão prestar consultoria em sustentabilidade para Greenbuildings e toda a cadeia da construção civil. 1. Quem somos A StraubJunqueira tem como missão prestar consultoria em sustentabilidade para Greenbuildings e toda a cadeia da construção civil. Nossa política é agir com ética, consciência, transparência,

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Há 25 anos, a Engepred associa o conhecimento sobre o mercado imobiliário à experiência de promover o melhor funcionamento de shoppings centers, prédios

Leia mais

Conheça a MRV Engenharia

Conheça a MRV Engenharia Conheça a MRV Engenharia MRV em Números Ficha técnica MRV Engenharia Número de empregados nas obras (média 2014)...23.704 Vendas Contratadas (R$ milhões) (2014)...R$ 6.005 Receita liquida (R$ milhões)

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Processo AQUA. Alta Qualidade Ambiental

Processo AQUA. Alta Qualidade Ambiental Processo AQUA Alta Qualidade Ambiental Processo AQUA o que é? O Processo AQUA é um Processo de Gestão Total do Projeto para obter a Alta Qualidade Ambiental do seu Empreendimento de Construção. Essa qualidade

Leia mais

21/03/2012. Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental

21/03/2012. Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental Prof. João Paulo O LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) é um sistema de certificação e orientação ambiental de edificações.

Leia mais

SUSTENTABILIDADE: estratégia de geração de valor para a MMX. Agosto 2013

SUSTENTABILIDADE: estratégia de geração de valor para a MMX. Agosto 2013 SUSTENTABILIDADE: estratégia de geração de valor para a MMX Agosto 2013 ESTRATÉGIA EM SUSTENTABILIDADE Visão Uma estratégia de sustentabilidade eficiente deve estar alinhada com o core business da empresa

Leia mais

construímos a inovação POR

construímos a inovação POR construímos a inovação POR construímos a inovação 2 3 Compact Habit, uma iniciativa da empresa de Manresa, Constructora d Aro S.A., foi criada em 2004 para atender à necessidade de inovação na construção.

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E CERTIFICAÇÃO AQUA EM EMPREENDIMENTO COMERCIAL

SUSTENTABILIDADE E CERTIFICAÇÃO AQUA EM EMPREENDIMENTO COMERCIAL FICHA TÉCNICA Empresa: Syene Empreendimentos Projeto: Syene Corporate Área Construída: 77.725,45 m² Data de implementação: 01/09/2010 Responsável: Jealva Fonseca Contato: jealva@syene.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

Painel 2: 2: As As transformações do do ambiente de de negócios e o impacto sobre a estratégia e gestão de de empresas do do mercado de de construção

Painel 2: 2: As As transformações do do ambiente de de negócios e o impacto sobre a estratégia e gestão de de empresas do do mercado de de construção Painel 2: 2: As As transformações do do ambiente de de negócios e o impacto sobre a estratégia e gestão de de empresas do do mercado de de construção Apresentação Eng. Eng. Luiz Luiz Augusto Augusto Milano

Leia mais

Único Membro Pleno Brasileiro da IQNet, que tem mais de 1/3 das certificações de SG do mundo. Em 2008 fundou e tem assento no Board da SBAlliance,

Único Membro Pleno Brasileiro da IQNet, que tem mais de 1/3 das certificações de SG do mundo. Em 2008 fundou e tem assento no Board da SBAlliance, CERTIFICAÇÃO Atua desde 1967 formada e mantida pelos professores da Eng. Produção Escola Politécnica USP Há mais de 15 anos certifica Sistemas de Gestão (Q/MA/SSO/RS) e produtos da Construção Civil Único

Leia mais

cidades verdes OUTUBRO 2014

cidades verdes OUTUBRO 2014 cidades verdes ESPAÇOS DE QUALIDADE OUTUBRO 2014 Edifício Cidade Nova Universidade Petrobras 1987 Ano de Fundação Parque Madureira Rio+20 1999 2007 2010 Alinhamento com Agenda 21 1 o LEED NC Core & Shell

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

Seminário CBCS Inauguração do Comitê Temático Gerenciamento de Riscos Ambientais Segurança no Ambiente do Trabalho Segurança do Trabalho em Canteiros de Obra Sheyla Mara Baptista Serra Universidade Federal

Leia mais

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas.

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas. QUALIDADE Cliente Uso e operação Desenvolvimento do produto e projeto FOCO NO Gerenciamento e Execução de obras PROCESSO Lançamento e vendas Suprimentos Planejamento e orçamento de obras Padronização dos

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE 118 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 Programa de Sustentabilidade nas Unidades de Saúde O Programa de Sustentabilidade promove

Leia mais

Convenção de Condomínio para prédios verdes

Convenção de Condomínio para prédios verdes Convenção de Condomínio para prédios verdes Por Mariana Borges Altmayer A tendência mundial da sustentabilidade na construção civil tem levado cada vez mais as empresas deste mercado a desenvolver empreendimentos

Leia mais

de empresas, empreendimentos, projetos e obras: tendências e práticas

de empresas, empreendimentos, projetos e obras: tendências e práticas ENCONTRO DE DIRETORES E GESTORES DA CONSTRUÇÃO Planejamento, gestão e governança corporativa de empresas, empreendimentos, projetos e obras: tendências e práticas Por Roberto Souza CONSULTORIA E GERENCIAMENTO

Leia mais

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Com o objetivo de melhorar a eficiência energética das edificações no país foi criada a etiquetagem de eficiência energética de edificações do INMETRO, como

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

CERTIFICAÇÃO LEED O QUE CERTIFICA E COMO E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

CERTIFICAÇÃO LEED O QUE CERTIFICA E COMO E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL CERTIFICAÇÃO LEED O QUE CERTIFICA E COMO E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: A tendência de sustentabilidade e respeito ao meio ambiente estão tomando conta de diversos setores

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Gerência Nacional de Meio Ambiente

SELO CASA AZUL CAIXA. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Gerência Nacional de Meio Ambiente Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Gerência Nacional de Meio Ambiente Cases empresariais- SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 A sustentabilidade Demanda mudanças de hábitos, atitudes conscientes e corajosas

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

Benchmarking consumo de energia em edificações

Benchmarking consumo de energia em edificações Benchmarking consumo de energia em edificações O que é Benchmarking? Benchmarking é a criação de um referencial de mercado Benchmarks definem um nível típico de consumo, permitindo a rápida comparação,

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Como saber se sua empresa é. Sustentável Guia Definitivo para Diagnóstico

Como saber se sua empresa é. Sustentável Guia Definitivo para Diagnóstico Como saber se sua empresa é Sustentável Guia Definitivo para Diagnóstico Sumário 02 Introdução Presença na estratégia Práticas Pré produção Práticas Produção Práticas Gestão Como verificar 03 04 06 07

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

Rumo à Cidade Sustentável: promovendo a sustentabilidade urbana e a qualidade de vida na produção da Habitação de Interesse Social.

Rumo à Cidade Sustentável: promovendo a sustentabilidade urbana e a qualidade de vida na produção da Habitação de Interesse Social. Rumo à Cidade Sustentável: promovendo a sustentabilidade urbana e a qualidade de vida na produção da Habitação de Interesse Social. Júnia Santa Rosa Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO

A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO O que isto tem a ver com o modelo de gestão da minha Instituição de Ensino? PROF. LÍVIO GIOSA Sócio-Diretor da G, LM Assessoria Empresarial Coordenador

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Categoria Franqueador Pleno

Categoria Franqueador Pleno PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2013 Dados da empresa FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Pleno Razão Social: Astra Rio Saneamento Básico Ltda Nome fantasia: Astral Saúde Ambiental

Leia mais

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho de Sustentabilidade da AsBEA, às vésperas de completar seu primeiro ano de

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EM CONDOMINIOS

SUSTENTABILIDADE EM CONDOMINIOS EM CONDOMINIOS Miguel Tadeu Campos Morata Engenheiro Químico Pós Graduado em Gestão Ambiental Considerações Iniciais Meta - A sobrevivência e perpetuação do seres humanos no Planeta. Para garantir a sobrevivência

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais:

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais: PROJETO DA SHELL BRASIL LTDA: INICIATIVA JOVEM Apresentação O IniciativaJovem é um programa de empreendedorismo que oferece suporte e estrutura para que jovens empreendedores de 18 a 30 anos desenvolvam

Leia mais

Ricardo Rettmann Sustentabilidade, Acessibilidade e Legado. Agosto de 2014

Ricardo Rettmann Sustentabilidade, Acessibilidade e Legado. Agosto de 2014 Sustentabilidade Rio 2016 Ricardo Rettmann Sustentabilidade, Acessibilidade e Legado Agosto de 2014 Rio 2016 Uma organização, dois eventos JOGOS OLÍMPICOS JOGOS PARALÍMPICOS 42 23 65 CAMPEONATOS CAMPEONATOS

Leia mais

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água Seminário: COPA DO MUNDO DE 2014 NORMATIZAÇÃO PARA OBRAS SUSTENTÁVEIS Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

BRASIL - 170 MILHÕES DE HABITANTES. - Taxa média de crescimento nos últimos 10 anos: 1,5 %

BRASIL - 170 MILHÕES DE HABITANTES. - Taxa média de crescimento nos últimos 10 anos: 1,5 % REALIZAÇÃO GLOBAL BRASIL - 170 MILHÕES DE HABITANTES - Taxa média de crescimento nos últimos 10 anos: 1,5 % - Previsão de crescimento da população: 2,5 milhões habitantes/ano ESTADO DE SÃO PAULO -35,1

Leia mais

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT A Responsabilidade Social Corporativa no Contexto da Internacionalização Abril, 2014 AGENDA QUEM SOMOS SUSTENTABILIDADE A IMPORTÂNCIA

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA Guia Básico do Proponente Resumo das diretrizes e critérios da Coelba/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

OFICINA TEMÁTICA Canteiros de obras sustentáveis: inovação, redução de custos e riscos. Por Roberto Souza

OFICINA TEMÁTICA Canteiros de obras sustentáveis: inovação, redução de custos e riscos. Por Roberto Souza OFICINA TEMÁTICA Canteiros de obras sustentáveis: inovação, redução de custos e riscos Por Roberto Souza CONSULTORIA E GERENCIAMENTO NA CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO 1. EMPREENDIMENTOS 5. USO E OPERAÇÃO

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Desde a criação do programa, a New Age implementou e tem monitorado diversas ações com foco ambiental, social e econômico.

Desde a criação do programa, a New Age implementou e tem monitorado diversas ações com foco ambiental, social e econômico. Faz parte da vontade da diretoria da New Age contribuir socialmente para um mundo melhor, mais justo e sustentável. Acreditamos que através da educação e com a experiência que temos, transportando tantos

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo Conteúdo O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança Favor indicar o departamento no qual opera: 16% 5% Relações externas, Comunicação N=19 79% Estratégia e inovação Gestão de Risco Outros Meio Ambiente, saúde e segurança Outros: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

Reestruturação dos Negócios para a Sustentabilidade. Rafael Tello nhk Sustentabilidade

Reestruturação dos Negócios para a Sustentabilidade. Rafael Tello nhk Sustentabilidade Reestruturação dos Negócios para a Sustentabilidade Rafael Tello nhk Sustentabilidade Reestruturação dos Negócios para a Sustentabilidade Goiânia 10 de junho de 2015 Sobre a nhk Sustentabilidade Empresa

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa Índice 3 Resultados da pesquisa 17 Conclusão 19 Questionário utilizado na pesquisa Esta pesquisa é uma das ações previstas no Plano de Sustentabilidade para a Competitividade da Indústria Catarinense,

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

Ações de Ecoeficiência na Caixa

Ações de Ecoeficiência na Caixa Ações de Ecoeficiência na Caixa Marcos Históricos 2003 Adesão ao Pacto Global 2004 Aprovada Política Ambiental CAIXA 2005: Instalação do Comitê de Política Ambiental; 2007 Criação das GN Meio Ambiente

Leia mais