Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil"

Transcrição

1 Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com práticas sustentáveis, certificados ou não. No entanto, continua inexistindo referências de desempenho desses edifícios e, tampouco, uma estrutura única de indicadores socioambientais que permita posicionar de forma quantificada o seu padrão de desenvolvimento e, sobretudo, que mostre a evolução da produção setorial como um todo ao longo do tempo, no sentido de se ter edifícios mais sustentáveis. Esse documento visa à proposição de um conjunto de indicadores de sustentabilidade socioambiental mensuráveis para os empreendimentos do setor da construção civil. O objetivo desse conjunto não é criar uma nova metodologia de certificação, e sim uma base de dados pública na qual os agentes do setor da construção possam informar o desempenho de seus empreendimentos em relação a cada indicador. O uso desta base de dados por um conjunto de agentes do setor permitirá criar uma massa crítica de dados que permita situar o desempenho socioambiental de cada empreendimento em relação aos níveis médio e de excelência praticados pelo mercado, servindo como instrumento de apoio à tomada de decisão. As informações da base de dados permitirão também fornecer um diagnóstico da sustentabilidade da cadeia produtiva como um todo e indicar as suas evoluções das práticas do mercado ao longo do tempo. Uma das premissas é a de que tal mecanismo estimulará ações de melhorias no desempenho dos empreendimentos brasileiros. Uma vez aceitos tais indicadores, o CBCS propõe- se criar e gerenciar uma base de dados. Os empreendedores serão cadastrados na base e alimentarão as informações de seus empreendimentos. Para os usuários externos, os empreendimentos e os empreendedores não serão identificados. Somente o empreendedor poderá emitir relatórios de síntese dos desempenhos de seus empreendimentos cadastrados na base, posicionando- os em relação aos níveis médio e de excelência praticados pelo mercado. Parte dos indicadores será particularizada por tipologia de edifício habitacional unifamiliar individual, habitacional unifamiliar coletivo, comercial, hotéis, etc. -, por categoria habitação de interesse social, padrão econômico, médio padrão e alto padrão, por exemplo e por Região geopolítica Sul, Sudeste, etc. ou Região bioclimática. Isso levará a uma simplificação de escopo por indicador por exemplo, indicador na escala do usuário focado apenas em edifícios habitacionais e indicador na escala empreendedor focado apenas em edifícios de escritório dotados de ar condicionado. Deverá também se armazenar na base de dados algumas características específicas dos empreendimentos presença ou não de ar condicionado; existência ou não de piscina; existência de grandes áreas de jardins; etc. 1

2 A existência do conjunto de indicadores de sustentabilidade socioambiental pressupõe a elaboração de um método objetivo e disseminado de medição de cada indicador, para que possa ser reprodutível e comparável, assegurando a harmonia do seu cálculo e uso pelos interessados. Um pressuposto do trabalho do Comitê Temático foi o da definição de indicadores alinhados com os adotados em outros países e, para tanto, foram analisadas as metodologias de avaliação ambiental de edifícios, em especial as existentes no Brasil. A definição dos indicadores foi realizada coletivamente durante as reuniões do Comitê, envolvendo debate e consenso entre os participantes. Ela iniciou- se com a definição dos temas de avaliação para a estruturação dos indicadores de sustentabilidade dos empreendimentos: 1. Qualidade do ambiente externo e infraestruturas Conjunto de indicadores para a avaliação da qualidade do ambiente externo e infraestruturas, destacando a presença de áreas descobertas de convívio, as superfícies externas vegetalizadas, a permeabilidade do solo, a distância entre o empreendimento e o serviço urbano mais importante para o tipo de empreendimento e os investimentos em infraestruturas e equipamentos urbanos executados pelo empreendedor. 2. Seleção e consumo de materiais, componentes e sistemas Conjunto de indicadores para a avaliação das práticas de seleção e consumo de materiais, componentes e sistemas para estrutura e envelope, destacando a parcela em custo inspecionada quanto à qualidade, ao respeito à normalização técnica, a formalidade e a legalidade; a distância entre fabricantes fornecedores da obra e o empreendimento; e as perdas no canteiro de obras. 3. Gestão do canteiro de obras Conjunto de indicadores para a avaliação da massa de resíduos gerados durante as obras e do seu nível de reciclagem ou reutilização, de canal de comunicação específico com a vizinhança implantado na obra, da massa total de resíduos inertes gerados e do consumo de água durante a execução das obras. 4. Gestão da água Conjunto de indicadores para a avaliação da gestão da água, destacando os consumos de água potável em diferentes períodos e a capacidade de retenção de águas pluviais. São previstos dois conjuntos de indicadores, um para a etapa de Concepção e Execução e outro para a de Operação e Manutenção. 5. Eficiência energética Conjunto de indicadores para a avaliação de eficiência energética, destacando o consumo energético mensal e anual, a potência instalada por unidade de área e a parcela de energia não renovável utilizada. São previstos dois conjuntos de indicadores, um para a etapa de Concepção e Execução e outro para a de Operação e Manutenção. 6. Qualidade do ambiente interno e saúde dos usuários Conjunto de indicadores para a avaliação da qualidade do ambiente interno e saúde dos usuários, destacando o conforto térmico no verão sem o uso de condicionamento artificial, o conforto acústico, o conforto visual e a qualidade do ar interno. Será posteriormente proposto um indicador para o conforto térmico no inverno. 7. Operação e manutenção Conjunto de indicadores para a avaliação das atividades de operação e manutenção dos sistemas prediais, destacando os custos condominiais relacionados ao consumo de água e energia nas 2

3 áreas comuns e às rotinas de manutenção preventiva dos equipamentos instalados, assim como a parcela de resíduos com possibilidade de reciclagem ou reutilização. São previstos dois conjuntos de indicadores, um para a etapa de Concepção e Execução e outro para a de Operação e Manutenção. 8. Social Conjunto de indicadores para a avaliação dos benefícios sociais do empreendimento na sua etapa de execução, destacando as ações direcionadas à vizinhança, os afastamentos do trabalho por acidentes e a capacitação dos trabalhadores do canteiro de obras em sustentabilidade. 9. Poluição por emissões Conjunto de indicadores para a avaliação da poluição por emissões de gases de efeito estufa, destacando as emissões causadas pelo consumo de energia elétrica e pela geração de resíduos sólidos e efluentes líquidos, sendo também considerada a parcela de CO 2 equivalente compensada quando da implantação do empreendimento. São previstos dois conjuntos de indicadores, um para a etapa de Concepção e Execução e outro para a de Operação e Manutenção. No processo de elaboração dos indicadores, percebeu- se que os mesmos poderiam ser endereçados a diferentes partes interessadas. Assim, contrariamente à proposta inicial do Comitê, que era a de definir um indicador por tema, a prática de trabalho levou à proposição de indicadores para as escalas: indicador que representa o desempenho do empreendimento sob o ponto de vista do seu usuário (ligado, por exemplo, a custo, qualidade, conforto, saúde, etc.). indicador que representa o impacto do empreendimento no seu entorno imediato (por exemplo: inundação, incômodos dos canteiros de obras, etc.). - indicador que representa o impacto do empreendimento na sociedade e sob um ponto de vista global (por exemplo: escassez de água e de recursos não renováveis, poluição, etc.). - indicador que representa o impacto do empreendimento, normalmente de natureza econômica, para o seu empreendedor, ou que este possa usar como argumento de mercado (por exemplo: custo de construção, operacional, de manutenção, maior produtividade, imagem, etc.). Os indicadores foram propostos para as etapas de Concepção e Realização dos empreendimentos; excepcionalmente, para os temas 4. Gestão da água, 5. Eficiência energética, 7. Operação e manutenção e 9. Poluição por emissões, foram também definidos indicadores para a etapa de Operação e Manutenção. Os indicadores foram validados em reuniões com a presença dos coordenadores dos Comitês Temáticos do CBCS com interesse mais direto: Urbano, Materiais, Água e Energia. Com os indicadores propostos não se pretende esgotar o assunto, mas consolidar uma leitura inicial de um modo de avaliação e acompanhamento da qualidade socioambiental dos empreendimentos disponíveis no mercado. Para cada tema de avaliação, há uma vasta possibilidade de criação de indicadores, e o trabalho do Comitê foi definir aqueles mais significativos; outro pressuposto foi o da possibilidade do seu cálculo e medição. Em várias situações, há a indicação, significando que a proposição do indicador é não pertinente ou prematura, tendo em vista o estado de evolução técnica do setor. 3

4 INDICADORES PROPOSTOS 1. Qualidade do ambiente externo e infraestruturas Qualidade do ambiente externo Áreas descobertas de convívio (m 2 de áreas de convívio externas e internas descobertas com condições adequadas de conforto e saúde / m 2 de área construída total do empreendimento - %) Superfícies externas vegetalizadas (m 2 de superfícies vegetalizadas corrigidas de coberturas, pisos externos e fachadas / m 2 total de superfícies de coberturas, pisos externos e fachadas - %) Permeabilidade do solo (m 2 de superfícies permeáveis / m 2 total de superfícies do terreno - %) Infraestruturas Distância da porta de acesso de usuários do empreendimento ao serviço urbano mais importante (m) para o tipo de empreendimento Investimentos em melhorias em infraestruturas e equipamentos urbanos executadas pelo empreendedor (R$ em Investimentos em infraestruturas e equipamentos urbanos além dos exigidos pela legislação / R$ do investimento total do empreendimento - %) 2. Seleção e consumo de materiais, componentes e sistemas Envolvendo estrutura e envelope (fachadas e coberturas) dos edifícios % em custo de todos os produtos do envelope (fachadas e coberturas) inspecionados segundo procedimentos estabelecidos para assegurar a qualidade, o respeito à normalização técnica, a formalidade e a legalidade antes da aplicação no canteiro de obras 4

5 (R$ em custo de todos os produtos do envelope (fachadas e coberturas) inspecionados / R$ do custo total de execução do empreendimento - %) (distância transportada dos produtos da estrutura e do envelope a partir do fabricante (Km) x massa dos produtos da estrutura e do envelope (ton)) / área construída (m 2 ) ((Km x ton) / m 2 ) % de perdas do concreto usado na produção da estrutura no canteiro de obras (%) 3. Gestão do canteiro de obras % de resíduos em volume gerados durante o canteiro de obras potencialmente recicláveis ou reutilizáveis (na própria obra ou não) (m 3 de resíduos recicláveis ou reutilizáveis / m 3 de resíduos gerados (excluído solo) - %) % de empreendimentos com canal de comunicação com retorno específico com a vizinhança implantado durante a realização da obra / empreendimentos da base de dados (% dos respondentes da base de dados) acumulado de: volume total de resíduos inertes gerados (excluído solo) / trabalhador. mês (m 3 de resíduos inertes gerados / trabalhador) acumulado de: consumo de água potável no canteiro de obras / trabalhador. mês (m 3 de água / trabalhador) 4. Gestão da água Indicadores sob a responsabilidade do empreendedor (etapas de Concepção e Execução) consumo estimado de água potável das áreas privativas / usuário. dia (l de água estimados das áreas privativas / (usuário. dia)) m 3 de capacidade de retenção de água pluviais / m 2 da área de projeção impermeabilizada (m 3 /m 2 ) 5

6 (consumo estimado de água potável nas áreas comuns / mês) / m 2 de áreas comuns (l estimados / mês / m 2 de áreas comuns) Indicadores sob a responsabilidade do gestor predial (etapa de Operação e Manutenção) consumo real de água potável das áreas privativas / usuário.dia (l de água consumidos das áreas privativas / (usuário. dia)) (consumo real de litros de água potável nas áreas comuns / mês) / m 2 de áreas comuns ((l consumidos / mês) / m 2 de áreas comuns) 5. Eficiência energética Indicadores sob a responsabilidade do empreendedor (etapas de Concepção e Execução) kwh mensal estimados / usuário (kwh estimados / (usuário. mês)) kw de potência instalada / m 2 de área do lote (kw/m 2 ) (kwh estimados de energia primária / área construída (m 2 )) / ano ((kwh ep estimados / m 2 ) / ano) (kwh estimados por uso final / área atendida pelo sistema relacionado ao uso final (m 2 )) / mês ((kwh estimados por uso final / m 2 ) / mês) Indicadores sob a responsabilidade do gestor predial (etapa de Operação e Manutenção) kwh mensal consumidos / usuário (kwh consumidos / (usuário. mês)) kwh consumidos de energia primária / área construída (m 2 ) / ano ((kwh ep consumidos / m 2 ) / ano) 6

7 kwh consumidos por uso final / área atendida pelo sistema relacionado ao uso final (m 2 ) / mês ((kwh consumidos por uso final / m 2 ) / mês) 6. Qualidade do ambiente interno e saúde dos usuários Conforto térmico no verão dos usuários % do período ocupado nos quais a temperatura supera a temperatura considerada como confortável no verão, variável conforme zona climática, sem o uso de condicionamento artificial (número de horas por ano nas quais a temperatura supera a temperatura considerada como confortável no verão / número de horas ocupadas por ano - %) Conforto acústico dos usuários % de empreendimentos com projeto executivo de acústica (empreendimentos com projeto executivo de acústica / empreendimentos da base de dados - %) Conforto visual dos usuários % de empreendimentos com projeto de iluminação natural e artificial (empreendimentos com projeto de iluminação / empreendimentos da base de dados - %) 7

8 Qualidade do ar interno % das superfícies internas revestidas (paredes, pisos e tetos) dos ambientes de permanência prolongada para quais se usou como critério de escolha dos produtos aplicados os teores de Compostos Orgânicos Voláteis (COV) e de formaldeídos emitidos (m 2 de superfícies revestidas com produtos com emissões de COV e formaldeídos consideradas na escolha do produto (paredes, pisos e tetos) / m 2 de superfícies revestidas totais - %) 7. Operação e manutenção Indicadores sob a responsabilidade do empreendedor (etapas de Concepção e Execução) Valores anuais das taxas condominiais estimadas referentes às despesas de água e energia nas áreas comuns do empreendimento ((R$ estimados / m 2 de áreas comuns) / ano) % de resíduos em massa estimados gerados durante a operação e manutenção do edifício com possibilidade de serem efetivamente reciclados ou reutilizados (ton estimada de resíduos com possibilidade de reciclagem ou reuso estimados / ton de resíduos totais gerados estimados - %) Valores anuais estimados para a realização das rotinas de manutenção preventiva considerando os diversos equipamentos instalados nas áreas comuns (bombas hidráulicas, elevadores, sistemas de aquecimento de água, sistemas de refrigeração, sistemas de exaustão e ventilação, automação predial, dentre outros) ((R$ estimados / m 2 de áreas comuns) / ano) Indicadores sob a responsabilidade do gestor predial (etapa Operação e Manutenção) Valores anuais das taxas condominiais gastas referentes às despesas de água e energia nas áreas comuns do empreendimento ((R$ gastos / m 2 de áreas comuns) / ano)) 8

9 % de resíduos em massa gerados durante a operação e manutenção do edifício com possibilidade de serem efetivamente reciclados ou reutilizados (ton de resíduos com possibilidade de reciclagem ou reuso gerados / ton de resíduos totais gerados - %) Valores anuais gastos para a realização das rotinas de manutenção preventiva considerando os diversos equipamentos instalados nas áreas comuns (bombas hidráulicas, elevadores, sistemas de aquecimento de água, sistemas de refrigeração, sistemas de exaustão e ventilação, automação predial, dentre outros) ((R$ gastos / m 2 de áreas comuns ) / ano) 8. Social Investimentos em ações sociais voltadas à vizinhança do empreendimento realizadas pelo empreendedor durante o canteiro de obras (R$ em ações sociais além das exigidas pela legislação / R$ do investimento total do empreendimento - %) x número de dias de afastamento do trabalho por acidentes ocorridos no canteiro de obras / número total de homens- horas trabalhadas (1.000 x dias / HHT) Acumulado de: número de horas de capacitação profissional e de formação sobre sustentabilidade dos trabalhadores do canteiro de obras / trabalhador.mês, multiplicado pela parcela dos trabalhadores do canteiro de obras que receberam a capacitação ou a formação em relação ao total trabalhadores que atuaram no canteiro de obras ((h / trabalhador. mês) x (número de trabalhadores capacitados ou formados / número total de trabalhadores)) 9. Poluição por emissões Indicadores sob a responsabilidade do empreendedor (etapas de Concepção e Execução) CO 2 equivalente anual emitido pela energia elétrica consumida estimada na etapa de operação e manutenção / área construída total do empreendimento 9

10 ((CO 2,equivalente estimados / m 2 empreendimento) / ano) CO 2 equivalente anual emitido pela energia elétrica consumida estimada ao longo de todo o ciclo de vida / área construída total do empreendimento ((CO 2,equivalente estimados / m 2 empreendimento) / ano) CO 2 equivalente compensado a partir da energia elétrica consumida estimada na etapa de implantação (concepção e execução Carbono equivalente fixado na implantação) / área construída total do empreendimento (CO 2,equivalente estimados / m 2 empreendimento) Indicadores sob a responsabilidade do gestor predial (etapa Operação e Manutenção) CO 2 equivalente anual emitido pela energia elétrica consumida real na etapa de operação e manutenção / área construída total do empreendimento ((CO 2,equivalente reais / m 2 empreendimento) / ano) CO 2 equivalente anual emitido pela energia elétrica consumida real desde o início de operação / área construída total do empreendimento. número de anos de operação (( CO 2,equivalente reais / m 2 empreendimento) / anos de operação) 10

11 Quadro dos indicadores propostos Tema Escala usuário Escala Bairro (Cidade) Escala Sociedade Escala Empreendedor m 2 de áreas de convívio externas e m 2 de superfícies vegetalizadas Qualidade do ambiente externo e internas descobertas com condições corrigidas de coberturas, pisos externos infraestruturas - Qualidade do adequadas de conforto e saúde / m 2 de e fachadas / m 2 m 2 de superfícies permeáveis / m 2 total total de superfícies de de superfícies do terreno - % ambiente externo área construída total do coberturas, pisos externos e fachadas - empreendimento - % % Qualidade do ambiente externo e infraestruturas - infraestruturas Seleção e consumo de materiais, componentes e sistemas (Envolvendo estrutura e envelope - fachadas e coberturas - dos edifícios) Gestão do canteiro de obras Gestão da água Eficiência energética Qualidade do ambiente interno e saúde dos usuários: Conforto térmico no verão dos usuários Qualidade do ambiente interno e saúde dos usuários: Conforto acústico dos usuários Qualidade do ambiente interno e saúde dos usuários: Conforto visual dos Distância da porta de acesso de usuários do empreendimento ao serviço urbano mais importante para o tipo de empreendimento (m) R$ em custo de todos os produtos do envelope (fachadas e coberturas) inspecionados / R$ do custo total de execução do empreendimento - % m 3 de resíduos recicláveis ou reutilizáveis / m 3 de resíduos gerados (excluído solo) - % l de água estimados das áreas privativas / (usuário. dia) l de água consumidos das áreas privativas / (usuário. dia) kwh estimados / (usuário. mês) kwh consumidos / (usuário. mês) número de horas por ano nas quais a temperatura supera a temperatura considerada como confortável no verão / número de horas ocupadas por ano - % empreendimentos com projeto executivo de acústica / empreendimentos da base de dados (%) empreendimentos com projeto de iluminação / empreendimentos da base % de empreendimentos com canal de comunicação com retorno específico com a vizinhança implantado durante a realização da obra / empreendimentos da base de dados - % m 3 de capacidade de retenção de água pluviais / m 2 da área de projeção impermeabilizada kw de potência instalada / m 2 de área do lote R$ em Investimentos em melhorias em infraestruturas e equipamentos urbanos além dos exigidos pela legislação / R$ do investimento total do empreendimento - % (distância transportada dos produtos da estrutura e do envelope a partir do fabricante (km) x massa dos produtos da estrutura e do envelope (ton)) / área construída (m 2 ) - (Km x ton) / m 2 m 3 de resíduos inertes gerados (excluído solo) / trabalhador (kwh estimados de energia primária / área construída (m 2 )) / ano (kwh consumidos de energia primária / área construída (m 2 )) / ano % de perdas do concreto usado na produção da estrutura no canteiro de obras - % m 3 de água potável no canteiro de obras / trabalhador (litros estimados de água potável nas áreas comuns / mês) / m 2 de áreas comuns (litros de água potável consumidos nas áreas comuns / mês) / m 2 de áreas comuns (kwh estimados por uso final / área atendida pelo sistema relacionado ao uso final (m 2 )) / mês (kwh consumidos por uso final / área atendida pelo sistema relacionado ao uso final (m 2 )) / mês 11

12 usuários Qualidade do ambiente interno e saúde dos usuários: Qualidade do ar interno Operação e manutenção Social Poluição por emissões Total: 31 (+10 para etapa de Operação e Manutenção de dados (%) m 2 de superfícies revestidas com produtos com emissões de COV e formaldeídos consideradas na escolha do produto (paredes, pisos e tetos) / m 2 de superfícies revestidas totais - % Valores anuais das taxas condominiais estimadas referentes às despesas de água e energia nas áreas comuns do empreendimento ((R$ estimados / m 2 de áreas comuns) / ano) Valores anuais das taxas condominiais gastas referentes às despesas de água e energia nas áreas comuns do empreendimento ((R$ gastos / m 2 de áreas comuns) / ano) (CO 2,equivalente estimados emitidos na etapa de operação e manutenção / m 2 empreendimento) / ano (CO 2,equivalente reais emitidos na etapa de operação e manutenção / m 2 empreendimento) / ano 12 (+4 para etapa de Operação e Manutenção) R$ em ações sociais além das exigidas pela legislação / R$ do investimento total do empreendimento - % 5 massa estimada de resíduos gerados durante a etapa de operação e manutenção do edifício com possibilidade de serem efetivamente reciclados ou reutilizados / massa de resíduos totais gerados estimados - % massa de resíduos gerados durante a etapa de operação e manutenção do edifício com possibilidade de serem efetivamente reciclados ou reutilizados / massa de resíduos totais gerados - % x número de dias de afastamento do trabalho por acidentes ocorridos no canteiro de obras / número total de homens- horas trabalhadas (CO 2,equivalente estimados emitidos ao longo de todo o ciclo de vida / m 2 empreendimento) / ano (CO 2,equivalente reais emitidos ao longo de todo o ciclo de vida / m 2 empreendimento) / número de anos de operação 8 (+3 para etapa de Operação e Manutenção) Valores anuais estimados para a realização das rotinas de manutenção preventiva considerando os diversos equipamentos instalados nas áreas comuns ((R$ estimados / m 2 de áreas comuns) / ano) Valores anuais gastos para a realização das rotinas de manutenção preventiva considerando os diversos equipamentos instalados nas áreas comuns ((R$ gastos / m 2 de áreas comuns) / ano) ((h /trabalhador.mês) x (número de trabalhadores capacitados ou formados / número total de trabalhadores)) CO 2,equivalente fixados estimados / m 2 empreendimento 6 (+3 para etapa de Operação e Manutenção) 12

SUSTENTABILIDADE E CERTIFICAÇÃO AQUA EM EMPREENDIMENTO COMERCIAL

SUSTENTABILIDADE E CERTIFICAÇÃO AQUA EM EMPREENDIMENTO COMERCIAL FICHA TÉCNICA Empresa: Syene Empreendimentos Projeto: Syene Corporate Área Construída: 77.725,45 m² Data de implementação: 01/09/2010 Responsável: Jealva Fonseca Contato: jealva@syene.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Soluções Sustentáveis

Soluções Sustentáveis ANA ROCHA MELHADO Soluções Sustentáveis EMPREENDIMENTOS RESIDENCIAIS IV SEMINÁRIO DE INOVAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL RIO DE JANEIRO, junho de 2011 SÍTIO E CONSTRUÇÃO (6 18) 1 - Relação do Edifício com o

Leia mais

Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis

Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis Viabilidade, Projeto e Execução Análise de Investimento em Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis São Paulo, 19 de agosto de 2008 Luiz Henrique Ceotto Tishman

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito.

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito. Ecologicamente correto Economicamente viável Socialmente justo Culturalmente aceito. ENERGIA SEGURANÇA ETE FIBRA-ÓTICA DADOS TELEFONIA PAVIMENTAÇÃO VIAS PROJETADAS GÁS ETA SINALIZAÇÃO EQUIP. URBANOS ACESSIBILIDADE

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES PROGRAMA DE EDIFICAÇÕES 1-Objetivos do Programa Combater o desperdício de energia elétrica Estimular o uso eficiente e racional de energia

Leia mais

50% 50% LOGO EMPRESA

50% 50% LOGO EMPRESA 50% 50% ILHA PURA ÁREA TERRENO 823.000M² ATE PREVISTO 1.730.000M² VILA DOS ATLETAS ÁREA TERRENO 200.000M² ATE ATUAL 420.000M² 31 TORRES DE 17 PAVIMENTOS ÁREA PARQUE - 72.000M² 3.604 UNIDADES CONDOMÍNIO

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso CURSO DE CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E DE GESTORES PÚBLICOS PARA ESTUDO DE VIABILIDADE E PROJETO DE TRATAMENTO MECANICO-BIOLOGICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Contexto Desde a promulgação da Lei nº 11.445/2007

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future "Desenvolver a indústria da construção sustentável no país, utilizando as forças Visão de mercado do GBC para conduzir Brasil a adoção (Sonho

Leia mais

PROGRAMA SEBRAE AMBIENTAL Projeto SEBRAE Sustentável

PROGRAMA SEBRAE AMBIENTAL Projeto SEBRAE Sustentável PROGRAMA SEBRAE AMBIENTAL Projeto SEBRAE Sustentável Palmas, 18 de março de 2014. Apresentação O projeto em questão é uma proposta de implantação de um Plano de Gestão Sustentável para o SEBRAE/TO para

Leia mais

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade.

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Realização: Parceiro: Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Cesar Ramos - Gerente de projetos da Yuny Incorporadora Daniel Gallo - Gerente

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School Escola verde Green School Sobre o Colégio Positivo Início das aulas: 18 de fevereiro de 2013 Lançamento oficial: 26 de março de 2013 Proposta de ensino bilíngue (português/inglês) Cerca de 350 alunos,

Leia mais

Gestão Sustentável da Construção Civil

Gestão Sustentável da Construção Civil Gestão Sustentável da Construção Civil UMA VISÃO PRAGMÁTICA DO TEMA São Paulo, 28 de maio de 2008 Luiz Henrique Ceotto Tishman Speyer Properties Preço de venda Que preço interessante!!! CLIENTE Custo de

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis 19/OUT/2011 Mara Luísa Alvim Motta Gerência Nacional de Meio Ambiente CAIXA EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO 2003-2010 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO

Leia mais

Único Membro Pleno Brasileiro da IQNet, que tem mais de 1/3 das certificações de SG do mundo. Em 2008 fundou e tem assento no Board da SBAlliance,

Único Membro Pleno Brasileiro da IQNet, que tem mais de 1/3 das certificações de SG do mundo. Em 2008 fundou e tem assento no Board da SBAlliance, CERTIFICAÇÃO Atua desde 1967 formada e mantida pelos professores da Eng. Produção Escola Politécnica USP Há mais de 15 anos certifica Sistemas de Gestão (Q/MA/SSO/RS) e produtos da Construção Civil Único

Leia mais

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70%

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% USO DE ENERGIA EMISSÕES DE CO2 USO DE ÁGUA RESÍDUOS SÓLIDOS 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% Certificado Prata Ouro Platina Prevenção de Poluição nas Atividades de Construção: Escolha do terreno Densidade

Leia mais

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Exemplos de projetos e políticas públicas

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Exemplos de projetos e políticas públicas MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Exemplos de projetos e políticas públicas Pegada ecológica Imagem: Jornal Bahianorte Evolução da Pegada Ecológica Imagem: miriamsalles.info Nosso padrão de produção Imagem:

Leia mais

Sistemas de aquecimento de água residencial e o ASBC: Aquecedor Solar de Baixo Custo Por Felipe Marques Santos Aluno do curso de Engenharia de Energia Projeto Coordenado por Prof. Dr. Rogério Gomes de

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir.

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Adendos e notas 1/11 Adendo I de 24/0713 ao Referencial técnico de certificação Edifícios

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 QUALIVERDE Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 Legislação para Construções Verdes Concessão de benefícios às construções verdes, de modo a promover o incentivo à adoção das ações e práticas

Leia mais

Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável.

Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável. Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável. 1.0 Impacto da Construção: 1.1 Ambiental 1.2 Social 1.3 Económico Procura do Equilíbrio nestes três factores Desenvolvimento de soluções sustentáveis

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP O passo a passo para se obter uma certificação Arthur Cursino IEE/USP Abril/ 2015 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução:

Leia mais

ISO 9001 : 2008. De 22/10/2012 a 26/10/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min

ISO 9001 : 2008. De 22/10/2012 a 26/10/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min ISO 9001 : 2008 Modernização (Retrofit) de Sistemas de Ar Condicionado De 22/10/2012 a 26/10/2012 Local: Hotel a definir Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas Horário: das 8h30min às 17h30min Objetivo:

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA Arq. Mario Fundaro Seminário internacional arquitetura sustentável São Paulo 2014 A CASA SUSTENTÁVEL Conceitos

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO Leticia Neves Gerente de Eficiência Energética Wagner Oliveira Coordenador de P&D SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: CERTIFICAÇÕES

Leia mais

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho Tel. 98202-0143 (celular) / 3853-0734 (residencial) E-mail: hartog.william@yahoo.com.br Objetivo Síndico Profissional Formação Acadêmica Graduação: Administração

Leia mais

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS CATEGORIA CONSERVAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS Avalia o uso racional de materiais de construção

Leia mais

Processo AQUA. Alta Qualidade Ambiental

Processo AQUA. Alta Qualidade Ambiental Processo AQUA Alta Qualidade Ambiental Processo AQUA o que é? O Processo AQUA é um Processo de Gestão Total do Projeto para obter a Alta Qualidade Ambiental do seu Empreendimento de Construção. Essa qualidade

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Válido até 09/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Freguesia CAMPO E SOBRADO Concelho VALONGO GPS 41.181981, -8.473370 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Ações de Ecoeficiência na Caixa

Ações de Ecoeficiência na Caixa Ações de Ecoeficiência na Caixa Marcos Históricos 2003 Adesão ao Pacto Global 2004 Aprovada Política Ambiental CAIXA 2005: Instalação do Comitê de Política Ambiental; 2007 Criação das GN Meio Ambiente

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES PROJETOS DE HOSPITAIS SUSTENTÁVEIS EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES É importante destacar os benefícios de um edifício sustentável. Os green buildings podem ser definidos pelas seguintes

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SUSTENTÁVEIS

OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SUSTENTÁVEIS OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SUSTENTÁVEIS Objetivos da Gestão Sustentável 1 Manter o padrão de excelência para a qual foi projetada 2 Conforto e saúde dos ocupantes e usuários 3 Custos operacionais reduzidos

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Válido até 26/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Freguesia SANTO ESTEVÃO Concelho BENAVENTE GPS 38.888944, -8.723055 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável São Paulo Maio 2008 Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Sustentabilidade em Edificações

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS PROJETO DE LEI DO LEGISLATIVO Dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de telhados verdes

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são:

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são: OBJETIVO A SANEPAR busca prestar serviços de Saneamento Ambiental de forma sustentável, a fim de contribuir com a melhoria da qualidade de vida. Portanto evidencia-se a necessidade de considerar o conceito

Leia mais

Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP

Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP Obra de uma residência no bairro Bauxita Ouro Preto Características da edificação: Área do terreno: 360m²; Área a ser construída: 150m²; Obra de

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

Centro de Educação Ambiental Jardim Zoológico de São Paulo

Centro de Educação Ambiental Jardim Zoológico de São Paulo Centro de Educação Ambiental Jardim Zoológico de São Paulo DIRETRIZES AMBIENTAIS CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL JARDIM ZOOLÓGICO DE SÃO PAULO IMPACTO AMBIENTAL DA OBRA Racionalizar acessos, transporte e

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA Carla Sautchúk 21/06/2011 1 Cenário da água PANORAMA DA ÁGUA NO BRASIL Detém 12% da água do mundo e 53% da água do continente sul americano; 90% dos recursos hídricos são utilizados

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Diagnóstico de situação e novos contratos de manutenção Predial

ESTUDO DE CASO. Diagnóstico de situação e novos contratos de manutenção Predial ESTUDO DE CASO Diagnóstico de situação e novos contratos de manutenção Predial 14/11/2014 PRIMEIRO ENCONTRO CÂMARA TÉCNICA DE INFRAESTRUTURA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO PROPLAN ESCRITÓRIO TÉCNICO DE APOIO

Leia mais

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt Soluções de Energia Solar Março de 2007 www.senso.pt ENERGIA E CONSTRUÇÃO Crescente aplicação de energias renováveis Mudança do modelo energético Símbolo de distinção para construções de qualidade Resposta

Leia mais

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Estratégia para um Desenvolvimento Sustentável para a Cidade de Águeda Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Águeda, 27/04/2011 V.M. Ferreira O projecto: Este projecto visou reflectir

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Freguesia MATOSINHOS E LEÇA DA PALMEIRA Concelho MATOSINHOS GPS 41.193776, -8.698345

Leia mais

Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações

Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações Carolina R. Carvalho Marcio J. Sorgato LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina estrutura introdução Edificações comerciais, de serviços e públicos

Leia mais

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água Seminário: COPA DO MUNDO DE 2014 NORMATIZAÇÃO PARA OBRAS SUSTENTÁVEIS Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia

Leia mais

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos 1.0 Apresentação Este Relatório Preliminar apresenta uma sugestão de processos de medição dos resultados da aplicação

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Sermos reconhecidos por oferecer serviços de excelência. Visão

Sermos reconhecidos por oferecer serviços de excelência. Visão A EMPRESA O corpo técnico da DANNENGE atua a mais de 34 anos na elaboração e implementação de projetos de engenharia, para os segmentos industrial, comercial e residencial, no comércio e representação

Leia mais

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280. Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280. Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280 PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014 VÁLIDA A PARTIR DE 18/04/2014 Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos Prefácio Introdução 1 Escopo 2 Referências 3

Leia mais

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Com o objetivo de melhorar a eficiência energética das edificações no país foi criada a etiquetagem de eficiência energética de edificações do INMETRO, como

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

ARQUITETANDO O FUTURO

ARQUITETANDO O FUTURO ARQUITETANDO O FUTURO Arq. Emílio Ambasz T J D F T ASSESSORIA DA SECRETARIA GERAL DA PRESIDÊNCIA Objetivos do TJDFT Cumprir o mandamento constitucional de defesa e preservação do meio ambiente para as

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL Válido até 05/08/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA JOSÉ GUSTAVO PIMENTA, LOJA N.º 15, RC NORTE Localidade ÁGUEDA Freguesia ÁGUEDA E BORRALHA Concelho AGUEDA GPS 40.576546, -8.447543 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Uso sustentável da água na construção. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP

Uso sustentável da água na construção. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Uso sustentável da água na construção Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Profa. Dra. Marina Ilha, FEC/UNICAMP 13% águas superficiais - mundo 34,9% Américas 68 região Norte

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Brasília, 19 de abril de 2011 BLOCOS TEMÁTICOS COMPROMISSO PLANEJAMENTO E GESTÃO DESEMPENHO SUSTENTÁVEL CONTRIBUIÇÃO COM O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Recomendações para inclusão de critérios de sustentabilidade no projeto para a construção do prédio de laboratórios da ENSP no Campus Manguinhos

Recomendações para inclusão de critérios de sustentabilidade no projeto para a construção do prédio de laboratórios da ENSP no Campus Manguinhos Recomendações para inclusão de critérios de sustentabilidade no projeto para a construção do prédio de laboratórios da ENSP no Campus Manguinhos 1. Introdução A inclusão de critérios sustentáveis em diferentes

Leia mais

cidades verdes OUTUBRO 2014

cidades verdes OUTUBRO 2014 cidades verdes ESPAÇOS DE QUALIDADE OUTUBRO 2014 Edifício Cidade Nova Universidade Petrobras 1987 Ano de Fundação Parque Madureira Rio+20 1999 2007 2010 Alinhamento com Agenda 21 1 o LEED NC Core & Shell

Leia mais

Buderus Diretiva ErP. Na zona verde

Buderus Diretiva ErP. Na zona verde Buderus Diretiva ErP Na zona verde A União Europeia, no âmbito da Diretiva de ErP para os lotes 1 e 2, exige que a partir de 26 de setembro de 2015 todos os equipamentos produtores de calor e depósitos,

Leia mais

ROBERTO DE SOUZA. Sustentabilidade Conceitos gerais e a realidade no mercado brasileiro da construção

ROBERTO DE SOUZA. Sustentabilidade Conceitos gerais e a realidade no mercado brasileiro da construção ROBERTO DE SOUZA Sustentabilidade Conceitos gerais e a realidade no mercado brasileiro da construção SUSTENABILIDADE www.cte.com.br Roberto de Souza roberto@cte.com.br Empresa atuando há 19 anos na cadeia

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Laboratório de Eficiência Energética em Edificações LABEEE Conselho Brasileiro

Leia mais

TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO

TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO Campos A Preencher: Todos os campos deverão ser preenchidos. Os campos que não se aplicam ao estabelecimento/empreendimento, preencher com não há. 01

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL PA para empreendimentos de serviços

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Parecer Técnico GEDIN 97/2008 Processo COPAM: 17/1988/011/2006 Empreendedor: AVG SIDERURGIA LTDA. Empreendimento: DN Código Classe Porte Atividade: Produção

Leia mais

Deliberação da Indicação de Administração Condominial da Mérito Consultoria de Imóveis S.C. Ltda

Deliberação da Indicação de Administração Condominial da Mérito Consultoria de Imóveis S.C. Ltda Apresentação Institucional da Construtora Tarjab e da Incorporadora Meritor; Apresentação Geral do Empreendimento; Informações sobre o status do Processo de Vistoria das Unidades e Área Comum; Deliberação

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Automação Predial Serviços dos Edifícios HIDRÁULICOS Água Fria; Água Gelada; Água Quente; Sistemas de Aquecimento (solar etc.); Esgotos Sanitários; Águas Pluviais; Drenagem

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Válido até 08/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Freguesia SESIMBRA (SANTIAGO) Concelho SESIMBRA GPS 38.444432, -9.105156 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Válido até 16/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Freguesia ÁGUEDA E BORRALHA Concelho AGUEDA GPS 40.577121, -8.439516 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Há 25 anos, a Engepred associa o conhecimento sobre o mercado imobiliário à experiência de promover o melhor funcionamento de shoppings centers, prédios

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 0-3 SM PODER PÚBLICO

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 0-3 SM PODER PÚBLICO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 0-3 SM PODER PÚBLICO 1 PMCMV 0 a 3 SM Poder Público - Construtoras ENTENDA O PROGRAMA O Programa consiste na aquisição de Terreno onde são construídas unidades habitacionais,

Leia mais

ÍNDICE 1. EMPRESA 2. LOCALIZAÇÃO 3. PROJETO VILA DOS ATLETAS 4. SUSTENTABILIDADE 5. RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE 1. EMPRESA 2. LOCALIZAÇÃO 3. PROJETO VILA DOS ATLETAS 4. SUSTENTABILIDADE 5. RESPONSABILIDADE SOCIAL ÍNDICE 1. EMPRESA 2. LOCALIZAÇÃO 3. PROJETO VILA DOS ATLETAS 4. SUSTENTABILIDADE 5. RESPONSABILIDADE SOCIAL 1. EMPRESA A EMPRESA ILHA PURA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS É UMA EMPRESA CRIADA COM O OBJETIVO

Leia mais

REAL ESTATE E ECOPROJETOS

REAL ESTATE E ECOPROJETOS 1 REAL ESTATE E ECOPROJETOS Paulo Castilho Lima Universidade de Brasília Brasil castilho@unb.br Resumo É necessário haver um esforço conjunto em encontrar meios de diminuir o consumo de energia, sob todos

Leia mais