O comportamento do comprador de automóveis novos II

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O comportamento do comprador de automóveis novos II"

Transcrição

1 O comportamento do comprador de automóveis novos II Fauze Najib Mattar I - INTRODUÇÃO Quais variáveis são levadas em conta na escolha da loja na hora de adquirir ou trocar automóveis novos? Quantas lojas são visitadas antes da escolha definitiva da loja? Quais os papéis exercidos pelos componentes da família no processo de decisão de compra de automóveis novos? Este artigo mostra as respostas a estas e outras perguntas, resultante de pesquisa efetuada junto a adquirentes de automóveis novos. O conhecimento de quais fatores condicionam a escolha da loja onde comprar, quantas lojas são visitadas, são fundamentais para o comerciante de automóveis novos para atrair para suas lojas os clientes potenciais. Já quanto aos diferentes papéis exercidos no processo de compra pelos diferentes participantes da família, interessam tanto aos comerciantes de veículos novos quanto às montadoras para que possam dirigir de forma eficaz seus esforços mercadológicos para os elementos que efetivamente exerçam papéis relevantes no processo de compra de um automóvel novo. A pesquisa efetuada foi mais abrangente a parte dos resultados obtidos já foram publicados em artigo anterior na Revista de Administração (1). No artigo referido apresentamos o modelo de comportamento do consumidor utilizado, Modelo de Engel-Kollat-Blackwell (2) que compreende cinco partes: 1 Processo de reconhecimento do problema; 2 Processo de procura da solução; 3 Processo de avaliação de alternativas; 4 Processo de compra; 5 Comportamento de pós-compra; Os resultados dos itens 1, 2 e 3 do modelo já foram appresentados no artigo referido (1), os resultados dos itens 4 e 5 bem como a participação dos componentes da família no processo de decisão compõem o foco principal do presente artigo. O design da pesquisa, bem como a metodologia utilizada já foram apresentados no referido artigo publicado (1), no entanto o reapresentamos com a finalidade de facilitar a compreensão dos resultados. ETAPA INFORMAÇÃO COLETADA PARTICIPAÇÃO DOS ELEMENTOS DA FAMÍLIA NAS ETAPAS DO PROCESSO

2 1. Processo de Reconhecimento dos Problemas Como surge a idéia/necessidade de adquirir/trocar o automóvel INICIAÇÃO primeiro teve a idéia 2. Processo de Procura Quais as fontes de informação consultadas/procura das INFLUÊNCIA mais trouxe sugestão sobre: marca, modelo, tamanho e cor. mais procurou informações sobre modelos, preços e condições de pagamento. 3. Processo de Avaliação de Alternativas Principais atributos que são levados em consideração para a decisão de compra do automóvel. Imagem da marca Fidelidade a marca DECISÃO efetivamente decidiu sobre: marca, modelo, cor. 4. Processo de Compra Número de lojas visitadas. Fatores que são levados em consideração para a escolha de determinada loja. Forma de Aquisição. COMPRA entrou com maior parte dos recursos para compra. 5. Comportamento de Pós-Compra Utilização de Serviços: Na garantia Pós-garantia Predisposição para compra futura de automóvel da mesma marca. Automóveis que compraria no futuro. Automóveis que não compraria. USO mais utiliza o automóvel. Quantas pessoas utilizam o automóvel leva o veículo a oficina quando necessita de reparos. 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Segundo Kotler (3) existem até cinco papéis diferentes que uma pessoa pode representar numa decisão de compra: Iniciador: é a pessoa que em primeiro lugar sugeriu ou pensou na idéia de comprar o produto específico. Influenciador: é uma pessoa que, explícita ou implicitamente, exerce alguma influência sobre a decisão final.

3 Decisor: é uma pessoa que em última análise, decide parcial ou totalmente a compra: se comprar, o que comprar, como comprar, quando comprar e onde comprar. Comprador: é a pessoa que efetivamente faz a compra Usuário: é a pessoa que consome ou usa o produto ou serviço Na família, os papéis acima distribuem-se entre seus componentes (marido, mulher, filhos e outros), variando conforme o item de consumo. A revisão da literatura, a procura de estudos referentes aos itens 4 e 5 do modelo de Engel-Kollat-Blackwell nos mostrou a não existência de material publicado no Brasil. Encontramos publicações de algumas pesquisas feitas nos EUA cujos resultados mais interessantes apresentamos a seguir. Cunningham and Green (4) elaboraram uma pesquisa em 1973 semelhante a que haviam feito Searp and Mott (5) em 1955, visando verificar mudanças nas regras de decisão de compras de vários produtos, tais como: alimentos, seguro de vida, automóvel, etc. Especificamente com relação a automóveis, as perguntas efetuadas em 1955 e 1973 foram respectivamente: " decide qual o veículo a comprar?" e " decide qual a marca de automóvel a comprar?" As respostas obtidas para estas perguntas foram: Probabilidade Usualmente o marido 70% 52% Ambos, marido e mulher 25% 45% Usualmente a esposa 5% 3% 37, Número de casos (727) (248) Este resultado mostra que houve uma diminuição de especialização na tomada de decisão da família no processo de compra do automóvel, os resultados de 1973 mostram que está havendo uma maior percentagem de decisões conjuntas, marido e mulher, do que revelaria o estudo efetuado em Esta conclusão foi classificada pelos autores como "a" mais dramática mudança no processo de decisão encontrada no estudo...". E as informações indicam que uma mudança básica na composição do mercado está ocorrendo. Primeiramente como uma decisão tipicamente masculina, a compra do automóvel parece estar mudando para uma decisão conjunta da família. Consequentemente, os homens de marketing de automóveis terão que adaptar suas estratégias de acordo com estas mudanças. Uma outra pesquisa conduzida por Wolgast (6) com objetivos bastante semelhantes do anterior: (1) Como maridos e esposas descrevem seus respectivos comportamentos em algumas decisões de compra economicamente mais importantes; (2) Os planos de intenções e de compras

4 expressados pelos maridos mostram diferenças daqueles expressados pelas esposas; e caso haja, quais são as diferenças? (4) Existem algumas diferenças na distribuição "of fulfillment" dos planos de compra expressados por maridos e esposas? Este estudo foi conduzido nos EUA no período de 1954 a As respostas e as questões pesquisadas referentes ao item automóvel estão apresentadas a seguir. na família decide quando está na hora de comprar um automóvel? Mencionados por Maridos + Esposas Mencionados por Maridos Mencionados por Esposas Unicamente a esposa 3% 3% 3% Predominantemente a esposa 1% 1% 1% Ambos igualmente 28% 31% 23% Predominantemente o marido 7% 5% 9% Unicamente o marido 51% 51% 54% Não compra 8% 7% 9% Não sabe 2% 2% 1% Número de casos Os resultados deste quadro estão relativamente próximos aos do estudo feito por Wolgast (6) quase que na mesma ocasião (1955), já apresentados neste tópico. Ainda deste estudo, temos no quadro abaixo a freqüência com que os maridos e esposas se atribuem. Freqüência de Planos Atribuídos ao Outro Esposo por Maridos e Esposas Para a Compra de Automóveis Mencionado por Mencionado por Próprio Do Esposo Próprio Do Esposo Compra de automóvel 89% 11% 60% 40% Esta pesquisa comparou ainda os resultados para automóveis com a compra de eletrodomésticos e mobília, propaganda, etc. mostrando que a decisão de compra do automóvel é tipicamente masculina, enquanto que a de eletrodomésticos é feminina e a de poupança é de ambos. Notamos nos estudos apresentados, que não foram pesquisados todos os diferentes papéis que podem ser desempenhados numa decisão de compra conforme Kotler (3) e que também foram considerados no processo de decisão apenas o marido e a esposa, tendo sido deixados de lado os filhos e outras pessoas que possam conviver com a família (avós, tias, etc.) que acabem por exercer também papéis importantes nos processos de compra dos vários produtos.

5 Procuramos na nossa pesquisa cobrir todos os possíveis papéis desempenhados no processo, bem como todos os elementos da família possíveis de exercer algum desses papéis. 3 RESULTADOS 3.1 Resultados Referentes ao Processo de Compra Com referência ao processo de compra, pesquisamos o número de lojas visitadas por marca adquirida e obtivemos como resultado o quadro abaixo: Nº de Lojas Visitadas por Marca Adquirida Nº de lojas visitadas Conces. da marca UMA DUAS TRÊS OU MAIS N FORD 77,2% 12,3% 10,6% 57 VW 73,1% 9,7% 17,3% 145 GM 56,9% 19,0% 24,1% 58 FIAT 54,8% 29,0% 16,1% 31 OUTRAS 83,3% 0,0% 16,7% 6 TOTAL 69,0% 13,8% 17,2% 297 Nesse quadro observamos que no geral, 69,0% dos compradores visitaram apenas uma loja, enquanto que 13,8% visitaram duas e 17,3% visitaram três ou mais. Os compradores de Ford e VW em maior percentagem visitaram apenas uma loja, quando comprados com os compradores de GM e FIAT. Os compradores de FIAT são os que em maior percentagem visitaram duas lojas, seguidos dos compradores de GM. São os compradores de GM os que em maior percentagem visitaram mais de três lojas. Podemos concluir, em função dos dados apresentados, que o consumidor brasileiro de automóveis novos, em sua maioria (69%) não está acostumado a visitar mais de uma loja para escolher aquela que lhe ofereça melhores condições. Este fato explica-se em parte pelos seguintes motivos: não há outro concessionário na cidade, principalmente, quando se trata de cidades pequenas, e há proibição por parte da montadora e das associações de classe dos concessionários de um concessionário vender veículos a clientes de outras regiões; algumas montadoras (por exemplo Volkswagen) conseguem uma tal uniformidade das condições de venda em seus concessionários que de nada adianta o cliente visitar várias lojas, pois as condições serão idênticas. Tal já não ocorre, por exemplo, com os concessionários GM, quando então vale a pena visitar vários a procura de melhores condições.

6 Procuramos saber também qual havia sido o(s) fator(es) em função do qual a decisão de comprar em determinada loja. FATORES LEVADOS EM CONTA NA ESCOLHA DA LOJA FATOR % Facilidades concedidas 26,8% Localização 25,5% Confiança na A. T. Concessionário 17,4% Atendimento do Concessionário 13,1% Boa Reputação do Cocnessionário 12,4% Outras 30,6% Obs.: Os percentuais somam mais de 100% pois havia possibilidade de respostas múltiplas. Por este quadro, podemos observar que os fatores mais importantes foram: facilidades concedidas e localização, aparecendo com percentuais menores, mas significativos: confiança na assistência técnica do revendedor, atendimento do revendedor e boa reputação do revendedor. A grande incidência do percentual de outros fatores deve-se principalmente a existência de casos em que há um único concessionário daquela marca na cidade, não havendo, portanto, opções de escolha. Com relação a forma de aquisição por marca, obtivemos o quadro abaixo. Cabe aqui lembrar que estes dados foram obtidos tabulando-se a forma de aquisição desses veículos que foram comprados em 1978, 79, 80 e 81, de maneira que este quadro não retrata o que estava ocorrendo com a forma de aquisição no momento da pesquisa. FORMA DE AQUISIÇÃO POR MARCA Forma de aquisição Marca A VISTA A PRAZO CONSÓRCIO OUTRA TOTAL FORD 57,1% 28,6% 14,3% - 100% VW 53,7% 28,9% 12,8% 4,7% 100% GM 59,3% 30,5% 8,5% 1,7% 100% FIAT 54,8% 19,4% 25,8% - 100% OUTRAS 66,7% 16,7% 16,7% - 100%

7 TOTAL % 55,8% 27,9% 13,6% 2,7% 100% N Neste quadro cabe salientar que Ford (57,1%) e GM (59,3%) são as marcas mais adquiridas a vista. A marca menos adquirida a prazo é FIAT. A marca mais adquirida pelo consórcio é FIAT (25,8%) e a menos adquirida por este sistema é GM (8,5%). E, por fim, ainda referente ao Processo de Compra, procuramos levantar como se distribuem entre os componentes da família os principais papéis exercidos. As respostas a estas questões estão no quadro que apresentamos a seguir DISTRIBUIÇÃO ENTRE OS COMPONENTES DA FAMÍLIA DOS PRINCIPAIS PAPÉIS EXERCIDOS NO PROCESSO DE COMPRA DE AUTOMÓVEIS NOVOS. Etapas do processo Elemento da família primeiro teve a idéia mais deu sugestões sobre a marca mais deu sugestões sobre o modelo mais deu sugestões sobre o tamanho mais deu sugestões sobre a cor mais procurou informações decidiu a marca decidiu o modelo decidiu a cor entrou com a maioria dos recursos MARIDO 58,8 50,0 45,1 50,8 31,1 58,7 70,0 64,4 36,1 84,8 MULHER 4,0 4,2 7,2 6,8 20,2 2,3 3,0 3,7 17,9 3,0 AMBOS 10,7 5,0 7,2 6,4 7,4 3,0 4,1 4,1 5,7 2,6 FILHOS 23,9 25,2 28,4 27,3 31,1 28,0 21,5 25,9 32,3 7,4 OUTROS 2,6 15,6 12,1 8,7 10,1 8,0 1,5 1,9 8,0 2,2 N Com relação aos papéis desempenhados, apresentados no quadro acima, alguns dos resultados já eram esperados pelo pesquisador, enquanto que outros nos surpreenderam. A primeira surpresa foi o fato da mulher ter uma participação muito pequena nesse processo de decisão, exceptuando-se as sugestões e a decisão sobre cor, quer isoladamente, quer em conjunto com o marido sua participação é muito pequena e, a Segunda surpresa, significativamente inferior a dos filhos. O marido aparece como o principal componente do processo de decisão em todas as etapas com sua participação variando de 31,1% (sugestões sobre cor) até 84,8% (quem entrou com a maioria dos recursos ) com a média em torno de 55,0%.

8 Já a participação da mulher varia de 2,3% (quem mais procurou informações) até 20,2% (quem mais deu sugestões sobre a cor) e com a média em torno de 7,0%. A participação de ambos, marido e mulher simultaneamente varia de 2,6% (quem entrou com a maioria dos recursos) a 10,7% (quem primeiro teve a idéia) e com a média em torno de 5,5%. A participação dos filhos surpreendeu em quase todas as etapas, aparecendo em importância em segundo lugar neste processo de compra logo após os maridos. Sua participação varia de 7,4% (quem entrou com a maioria dos recursos) a 32,3% (quem decidiu a cor) com a média em torno de 25%. Por fim, aparecem outros (parentes, amigos, conhecidos) com percentuais relativamente elevados para quem mais deu sugestões sobre o modelo (12,2%) quem mais deu sugestões sobre a cor (10,1%). 3.2 Resultados Referentes ao Comportamento de Pós-Compra Uma primeira informação que pesquisamos foi o número de pessoas que se utilizam usualmente do veículo adquirido. NÚMERO DE PESSOAS QUE SE UTILIZAM DO VEÍCULO ADQUIRIDO Nº DE PESSOAS % DE RESPOSTAS 1 41,9% 2 28,9% 3 10,3% 4 7,6% 5 8,9% 6 ou mais 2,4% TOTAL 100,0% Este quadro nos revela que em maior percentagem o veículo é utilizado por uma só pessoa, confirmando que o automóvel é ainda utilizado por um grande número de pessoas como transporte individual. Apenas em 28,9% dos casos o automóvel é utilizado por 2 pessoas e somente em 29,2% dos casos é utilizado por 3 ou mais pessoas. Com referência a quem da família se utiliza do veículo novo adquirido, obtivemos a seguinte informação: UTILIZAÇÃO DO VEÍCULO NA FAMÍLIA

9 ELEMENTO DA FAMÍLIA % DE QUEM MAIS SE UTILIZA DO VEÍCULO MARIDO 58,5% FILHOS 23,9% MARIDO E MULHER 10,7% MULHER 4,0% OUTROS 2,6% TOTAL 100,0% N=270 Este quadro nos mostra a predominância do uso pelo marido (58,8%), seguido dos filhos (23,9%), utilização conjunta marido e mulher (10,7%) e a mulher surpreendentemente aparece em último lugar (4,0%). Com relação ao uso/não uso da Assistência Técnica da Concessionária pósgarantia, apresentamos no quadro a seguir os resultados, por marca e no geral. USO DO CONCESSIONÁRIO PÓS-GARANTIA/MARCA MARCA SIM NÃO FORD 54,1% 43,9% VW 48,6% 51,4% GM 42,4% 57,6% FIAT 64,5% 35,5% OUTRAS 66,7% 33,3% GERAL 50,8% 49,2% No geral, cerca de apenas 50% do adquirentes de veículos novos continuam a se utilizar da assistência técnica dos concessionários após o período de garantia. Esse elevado índice de não utilização pode ser conseqüência dos seguintes motivos: falta de confiança nos serviços do concessionário, serviço impessoal onde o cliente não tem acesso aos trabalhos que estão sendo efetuados e nem a quem os está fazendo, preços elevados, troca desnecessária de peças, execução de serviços desnecessários, etc. A imagem que 50% dos compradores de veículos novos dos serviços de assistência técnica é muito negativo, o que faz com que após o término do período de garantia passam a se utilizarem de oficinas de pequeno e médio portes não concessionárias da fábrica. Pela tabela acima podemos observar que todas as marcas têm este problema em maior ou menor grau. Nota-se que a GM é a marca que apresentou o maior

10 percentual de não uso enquanto que a FIAT apresentou o menor. Estes diferentes percentuais podem também ser explicados pela maior ou menor complexidade das mecânicas dos veículos, assim quanto mais simples e tradicional a mecânica de um veículo, mais fácil será encontrar oficinas fora da rede que estejam capacitadas e aparelhadas a executar os serviços. Procuramos encontrar uma forma de medir o grau de satisfação do consumidor com a marca possuída. Pedimos que nos informasse quais os três veículos que adquiriria e os três que não adquiriria numa possível futura compra. Cruzamos as marcas de fabricante destes veículos assim identificados com as marcas de fabricante possuída por ocasião da entrevista e obtivemos os quadros: Marca que Compraria X Marca Possuída e Marca que Não Compraria X Marca Possuída. Marca que Compraria FORD VW GM FIAT OUTRA TOTAL Marca possuída FORD VW GM FIAT OUTRA TOTAL % 23% 18% 9% 7% 100% % 49% 16% 8% 6% 100% % 30% 36% 6% 5% 100% % 31% 18% 22% 3% 100% % 19% 12% - 38% 100% ,7% 37,6% 20,2% 9,1% 6,4% 100% Deste quadro podem ser tiradas muitas conclusões, dentre as quais apontamos as seguintes. Porcentagem de permanência na marca possuída, ou seja % de pessoas possuidoras da marca X qualquer e que numa possível nova compra dentre as três opções citadas comprariam veículo da mesma marca. Assim temos: VW 49%

11 FORD 43% GM 36% FIAT 22% Porcentagem de mudança para outras marcas, ou seja % de pessoas possuidoras da marca X qualquer e que numa possível nova compra dentre 3 possíveis opções adquiririam veículos de outra específica marca. Assim temos para FORD: Vantagem para FORD VW 23% VW VW FORD 21% VW FORD GM 18% FORD GM FORD 24% FORD FORD FIAT FIAT 9% FORD FORD 26% FORD Por este raciocínio podemos concluir que Ford, em termos percentuais sobre a marca possuída, acaba levando vantagem em relação a GM e Fiat e uma pequena desvantagem em relação a VW. Analogamente para VW Vantagem para VW FORD 21% VW FORD VW 23% VW VW GM 16% VW GM VW 30% VW VW FIAT 8% VW FIAT VW 31% VW Centrando agora, o raciocínio na marca VW podemos concluir que esta marca leva vantagens muito significativas em relação a GM e Fiat e uma pequena vantagem em relação a Ford.

12 Analogamente para GM GM FORD GM Vantagem para FORD 24% FORD 18% FORD GM VW 30% VW VW GM 16% VW GM FIAT 6% FIAT FIAT GM 18% FIAT Pelo mesmo raciocínio, podemos concluir que a GM leva sempre desvantagens significativas quando comparada com as outras 3 marcas. Finalmente para FIAT Vantagem para FIAT FORD 26% FORD FORD FIAT 9% FORD FIAT VW 31% VW VW FIAT 8% VW FIAT GM 18% FIAT GM FIAT 6% FIAT Concluímos que pelo raciocínio utilizado, Fiat só leva vantagem (e significativa) quando comparado com GM nas demais comparações perde significativamente. Algumas justificativas podem ser encontradas para explicar os fatos apontados: Algumas marcas não terão a preferência do consumidor por possuírem pequeno número de opções de tamanhos, modelos e categorias (ex.: Fiat). Outras marcas terão grande preferência devido a possuírem modelos bem sucedidos no mercado e que foram recentemente remodelados (Ex. Ford, com o Corcel II e o Del Rey). Outras marcas terão também grande preferência pois efetuaram lançamentos recentes bem sucedidos (ex. VW com o Voyage).

13 Fizemos analogamente o mesmo raciocínio para as marcas dos modelos declarados nas 3 opções possíveis, que não seriam adquiridos, cujos resultados estão no quadro a seguir: Marca que não compraria Marca Posuuída FORD VW GM FIAT OUTRAS TOTAL FORD VW GM FIAT OUTRA TOTAL ,0% 50,0% 16,4% 23,0% 6,6% 100,0% ,5% 34,0% 25,2% 23,9% 4,4% 100,0% ,5% 50,3% 13,4% 24,8% 2,0% 100,0% ,4% 54,2% 19,3% 14,5% 3,6% 100,0% ,3% 25,0% 25,0% 25,0% 18,7% 100,0% ,7% 42,2% 29,6% 22,9% 4,6% 100,0% Deste quadro podem ser tiradas muitas conclusões, dentre as quais merecem destaque: Porcentagem de não permanência na marca possuída ou seja % de pessoas possuidoras de marca X qualquer e que numa possível nova compra dentre as 3 opções citadas não comprariam modelos de veículos da mesma marca. Assim temos: VW 34,0% FIAT 14,5% GM 13,4% FORD 4,0% VW aparece aqui como o maior percentual devido principalmente ao seu modelo VW 1300 que apresentou um índice muito elevado de possível não compra indicando que o modelo deve efetivamente estar no final do seu ciclo de vida.

14 Porcentagem de recusa de outras marcas, ou seja, % de pessoas possuidoras da marca X qualquer e que numa possível nova compra, dentre 3 possíveis opções não adquiririam outra específica marca. Assim temos para a Ford: Possuidores de Ford que não adquiririam VW 50,0% Possuidores de Ford que não adquiririam GM 16,4% Possuidores de Ford que não adquiririam FIAT 23,0% Por estes dados podemos inferir o padrão de aquisição dos possuidores de Ford está mais próximo de GM e Fiat do que VW. Identicamente temos para VW: Possuidores de VW que não adquiririam Ford 12,5% Possuidores de VW que não adquiririam GM 25,2% Possuidores de VW que não adquiririam Fiat 23,9% E para GM: Possuidores de GM que não adquiririam Ford 9,5% Possuidores de GM que não adquiririam VW 50,3% Possuidores de GM que não adquiririam Fiat 24,8% Para Fiat: Possuidores de Fiat que não adquiririam Ford 8,4% Possuidores de Fiat que não adquiririam VW 54,2% Possuidores de Fiat que não adquiririam GM 19,3% Por fim procuramos saber quais seriam as perspectivas de aquisição futura de um veículo novo. As respostas a esta indagação encontram-se no quadro abaixo. PERSPECTIVAS DE AQUISIÇÃO - Vai adquirir de qualquer jeito - Vai adquirir dependendo de certas condições 28,9 % 32,9%

15 Se a situação econômica do país melhorar Se os preços subirem menos que a inflação Se houver decisão governamental sobre gasolina e álcool Se modelos mais seguros forem lançados Se me sentir garantido no emprego Se houver valorização dos veículos usados Se o governo elevar o financiamento para 24 meses - Não pretende adquirir - Ainda não sei 9,3% 7,0% 4,0% 4,0% 4,0% 2,3% 2,3% 14,6% 23,6% 100% Pelas respostas obtidas podemos deduzir que existe uma grande indecisão do consumidor quanto a perspectiva de aquisição futura de um automóvel novo. Apenas 28,9% declararam que vão adquirir de qualquer jeito, enquanto que 14,6% declararam que não vão adquirir. Já o número de indecisos, ou seja aqueles que ainda não sabem e aqueles que vão adquirir dependendo de certas condições somam o maior percentual 56,5% sendo que destes o maior percentual é daqueles que vão adquirir dependendo de certas condições. Dentre estas condições as mais relevantes são com referência à situação econômica do país e com relação aos preços dos veículos que os consumidores percebem estar subindo mais que a inflação. BIBLIOGRAFIA (1) MATTAR, F. N. O Comportamento do Comprador de Automóveis Novos" Revista de Administração. (2) ENGEL, J.; BLACKWELL, R.D. and KOLLAT, D. Consumer Behavior, New York: Holt, Rinehart and Winston, (3) KLOTER, P. Marketing Edição Compacta São Paulo, Atlas, (4) CUNNINGHAM, Isabella C.M. and GREEN, Robert T., 1974 Purchasing Roles in the U. S. Family, 1955 and 1973 Journal of Marketing 38 (October) (5) SHARPY, Harry and MOTT, Paul, 1956 Consumer Decision in the Metropolitan Family Journal of Marketing 22 (October)

16 (6) WOLGAST, Elisabeth H., 1958 Do Husbands or Wives Make the Purchasing Decisions?, The Journal of Marketing

O comportamento do comprador de automóveis novos

O comportamento do comprador de automóveis novos O comportamento do comprador de automóveis novos Fauze Najib Mattar Este artigo relata parte dos resultados obtidos numa pesquisa junto a 302 compradores de veículos novos. A pesquisa foi conduzida seguindo

Leia mais

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Processo de Decisão INFLUÊNCIA DO AMBIENTE Cultura Classes Sociais Valores Étnicos Família Situação DIFERÊNÇAS INDIVIDUAIS Recursos do cliente Auto conceito Problema

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

iq2 - Análise de uma tabela cruzada simples

iq2 - Análise de uma tabela cruzada simples Pré-requisitos: Lista de variáveis Dados na base da pesquisa iq2 - Análise de uma tabela cruzada simples A análise de um cruzamento simples (isto é, envolvendo duas variáveis fechadas, onde há escolha

Leia mais

Ambos os métodos possuem vantagens e desvantagens, por isso deve se analisar cada caso para decidir qual o mais apropriado.

Ambos os métodos possuem vantagens e desvantagens, por isso deve se analisar cada caso para decidir qual o mais apropriado. Módulo 4 Como Organizar a Pesquisa O questionário e a observação são dois métodos básicos de coleta de dados. No questionário os dados são coletados através de perguntas, enquanto que no outro método apenas

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Práticas de Marketing relacionadas com o sucesso no lançamento de novos produtos

Práticas de Marketing relacionadas com o sucesso no lançamento de novos produtos Práticas de Marketing relacionadas com o sucesso no lançamento de novos produtos Revista de Administração, v. 18, n. 1, Janeiro/Março 1983, p. 44 a 51 Fauze Najib Mattar Entre os vários fatores internos

Leia mais

Mercado feminino de automóveis

Mercado feminino de automóveis Mercado feminino de automóveis Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado.

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

O CONSUMO VIRTUAL NO BRASIL

O CONSUMO VIRTUAL NO BRASIL O CONSUMO VIRTUAL NO BRASIL Março 2015 1. PANORAMA DO CONSUMO VIRTUAL NO BRASIL Eletroeletrônicos, livros e calçados foram os itens mais comprados em 2014. Índice de satisfação do consumidor virtual brasileiro

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico

TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico DESTAQUES 2007 O Estudo sobre Comércio Eletrônico da TIC Domicílios 2007 apontou que: Quase a metade das pessoas que já utilizaram a internet declarou ter realizado

Leia mais

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro.

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro. Página 1 de 9 2. Análise de Mercado 2.1 Estudo dos Clientes O que é e como fazer? Esta é uma das etapas mais importantes da elaboração do seu plano. Afinal, sem clientes não há negócios. Os clientes não

Leia mais

Sistema para Visualização dos Resultados de Pesquisas de Clima Organizacional. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda.

Sistema para Visualização dos Resultados de Pesquisas de Clima Organizacional. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. Sistema para Visualização dos Resultados de Pesquisas de Clima Organizacional Manual do Usuário Este documento é de autoria da PERSPECTIVA Consultores Associados

Leia mais

Comércio na internet: muito mais que e-commerce

Comércio na internet: muito mais que e-commerce Comércio na internet: muito mais que e-commerce Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL I INTRODUÇÃO O JOGO DE GESTÃO EMPRESARIAL é uma competição que simula a concorrência entre empresas dentro de um mercado. O jogo se baseia num modelo que abrange ao mesmo

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Palavras Chave: Segurança, Transporte, Cliente, Modernidade, Agilidade.

Palavras Chave: Segurança, Transporte, Cliente, Modernidade, Agilidade. RESUMO A imagem de uma empresa de transporte é diretamente influenciada pelas condições do meio urbano. As grandes cidades e as regiões metropolitanas são as que mais sofrem com o trânsito, um dos principais

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES Caríssimos. Recebi muitos e-mails pedindo ajuda com eventuais recursos para as provas do BACEN. Em raciocínio lógico, eu não vi possibilidade de recursos, apesar de achar que algumas questões tiveram o

Leia mais

Assunto Mulheres e relacionamentos via Internet

Assunto Mulheres e relacionamentos via Internet Assunto Mulheres e relacionamentos via Internet SOPHIA MIND A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Trabalho Integrado. Ana Luiza. Isabella Souza. Nathália Roberta. Teoria de Pesquisa Opinião e Mercado. Direção de Arte

Trabalho Integrado. Ana Luiza. Isabella Souza. Nathália Roberta. Teoria de Pesquisa Opinião e Mercado. Direção de Arte Trabalho Integrado Teoria de Pesquisa Opinião e Mercado Direção de Arte Ana Luiza Isabella Souza Nathália Roberta Like Store A Like Store é um aplicativo recém chegado no Brasil, que funciona dentro do

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Toyota é a melhor classificada no ranking de satisfação com o processo de vendas de veículos novos pelo segundo ano consecutivo

Toyota é a melhor classificada no ranking de satisfação com o processo de vendas de veículos novos pelo segundo ano consecutivo J.D. Power do Brasil informa: Toyota é a melhor classificada no ranking de satisfação com o processo de vendas de veículos novos pelo segundo ano consecutivo Proporcionar uma excelente experiência ao cliente

Leia mais

APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos. Requisitos

APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos. Requisitos + APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos Requisitos Requisitos 2 n Segundo Larman: n São capacidades e condições às quais o sistema e em termos mais amplos, o projeto deve atender n Não são apenas

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Escolher o tipo de pesquisa a ser utilizado é um passo fundamental para se chegar a conclusões claras e responder os objetivos do trabalho. Como existem vários tipos

Leia mais

CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa.

CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa. DEPARTAMENTALIZAÇÃO CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa. Ou Departamentalização é o agrupamento, de acordo com um critério específico de

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO

MARKETING DE RELACIONAMENTO MARKETING DE RELACIONAMENTO 1 O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

10 Setembro 2012. Relatório Automóveis, Transportes & Combustíveis

10 Setembro 2012. Relatório Automóveis, Transportes & Combustíveis 10 Setembro 2012 Relatório Automóveis, Transportes & Combustíveis Índice Equação Lógica Ficha Técnica Sumário Resultados descritivos Contactos Equação Lógica, empresa de estudos de mercado Perfil da empresa

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira se preocupa com o valor do dinheiro no tempo. E pode-se iniciar o estudo sobre o tema com a seguinte frase: NÃO SE SOMA OU SUBTRAI QUANTIAS EM DINHEIRO

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Objetivos da aula: Esta aula proporcionará ao aluno da disciplina de Marketing em Administração de Call Center compreender o sentido e a importância

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Os benefícios da ce ISO 14001

Os benefícios da ce ISO 14001 Pesquisa Os benefícios da ce ISO 14001 A Revista BANAS QUALIDADE e a Destaque Pesquisa e Marketing realizaram um estudo para medir o grau de satisfação da implementação da certificação ISO 14001. Confira

Leia mais

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA AVALIAÇÃO DO 1º SEMESTRE E PERSPECTIVAS PARA O 2º SEMESTRE DE 2014 Agosto/2014 Esta pesquisa tem como objetivo avaliar o desempenho do primeiro semestre de 2014, as

Leia mais

CHECK-LIST COMO AVALIAR FRANQUIAS NUMA FEIRA. Passo 1 Preparando-se para o evento. A. Decida que tipos de negócios mais lhe atraem

CHECK-LIST COMO AVALIAR FRANQUIAS NUMA FEIRA. Passo 1 Preparando-se para o evento. A. Decida que tipos de negócios mais lhe atraem CHECK-LIST COMO AVALIAR FRANQUIAS NUMA FEIRA Passo 1 Preparando-se para o evento A. Decida que tipos de negócios mais lhe atraem Uma boa franquia para você escolher é aquela que está dentro de um setor

Leia mais

Relações entre Variáveis Nominais: O Teste do Qui-Quadrado (χ 2 )

Relações entre Variáveis Nominais: O Teste do Qui-Quadrado (χ 2 ) Relações entre Variáveis Nominais: O Teste do Qui-Quadrado (χ ) Quando queremos medir a relação entre duas variáveis nominais, por exemplo, o sexo de uma pessoa (masculino/feminino) e a sua preferência

Leia mais

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 656

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 656 Compras - Natal Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem por cento

Leia mais

Marketing. Objectivos. Sistema de informação de mercado. Recolha de Informação sobre Mercados e Concorrência

Marketing. Objectivos. Sistema de informação de mercado. Recolha de Informação sobre Mercados e Concorrência Marketing Recolha de Informação sobre Mercados e Concorrência Prof. José M. Veríssimo 1 Objectivos Identificar os componentes principais do sistema de informação de marketing. Discutir a forma com as empresas

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO. Mercado de locadoras. Equipamentos leves para construção. Resp.: Vanderlei Florenzano

PESQUISA DE MERCADO. Mercado de locadoras. Equipamentos leves para construção. Resp.: Vanderlei Florenzano PESQUISA DE MERCADO Mercado de locadoras Equipamentos leves para construção Resp.: Vanderlei Florenzano AMBIENTE MERCADOLÓGICO Ambiente Mercadológico do mercado de locadoras de equipamentos para construção

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

COMPORTAMENTO DE CONSUMO EM TEMPOS DE CRISE

COMPORTAMENTO DE CONSUMO EM TEMPOS DE CRISE PRIAD: COMPORTAMENTO DE CONSUMO EM TEMPOS DE CRISE 1 Data de entrega até 16/09/2015 As questões objetivas só possuem uma alternativa correta: respostas a lápis ou rasuradas serão desconsideradas. Não use

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Departamento de Patologia Básica Pós-Graduação em Microbiologia, Parasitologia e Patologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Departamento de Patologia Básica Pós-Graduação em Microbiologia, Parasitologia e Patologia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Departamento de Patologia Básica Pós-Graduação em Microbiologia, Parasitologia e Patologia (TÍTULO DO PROJETO) Mestrando/Doutorando: Orientador:

Leia mais

Investidores diminuem participação no mercado imobiliário

Investidores diminuem participação no mercado imobiliário Investidores diminuem participação no mercado imobiliário Investimentos representaram 20% das compras de imóveis no 3º trimestre deste ano; em 2013, esse percentual foi 41% O Raio-X do Comprador de Imóveis

Leia mais

Como fazer marketing de relacionamento

Como fazer marketing de relacionamento Como fazer marketing de relacionamento O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles AS EXPECTATIVAS DO CLIENTE COM O SERVIÇO Expectativas dos clientes São crenças acerca da execução do serviço que

Leia mais

GRUPO FIAT CNM/CUT - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS METALÚRGICOS DA CUT

GRUPO FIAT CNM/CUT - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS METALÚRGICOS DA CUT CNM/CUT - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS METALÚRGICOS DA CUT DIEESE - DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS SUBSEÇÃO CNM/CUT GRUPO FIAT Mundo A FIAT iniciou suas atividades em

Leia mais

Objetivos da comunicação

Objetivos da comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi Use palavras simples, que todos compreendam, assim todos irão entendê-lo. (Prof. Edmundo W. Lobassi) 1 Estude algumas pesquisas e ouça pessoas experts, pois nada é mais importante

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

3 Literatura teórica

3 Literatura teórica 23 3 Literatura teórica O FFP é um exemplo de programa bem sucedido na indução de lealdade dos consumidores. Tal programa recompensa consumidores por acúmulo de viagens numa mesma companhia, enquanto pune

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MARKETING

FUNDAMENTOS DE MARKETING FUNDAMENTOS DE MARKETING Há quatro ferramentas ou elementos primários no composto de marketing: produto, preço, (ponto de) distribuição e promoção. Esses elementos, chamados de 4Ps, devem ser combinados

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas. O Varejo 16 Aula 16/5/2008 Objetivos da aula Explicar como os varejistas podem contribuir para o processo de criar valor. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ Mossoró, setembro de 2015 1 Sumário 1. Aspectos Metodológicos... 3 2. Descrição dos Resultados... 4 Itens de comemoração... 4 Gastos com presente... 4 Local e quando

Leia mais

Dicas Logycware Como utilizar o módulo de Estoques. Copyright Logycware Sistemas de Informática 2008 Todos os Direitos Reservados

Dicas Logycware Como utilizar o módulo de Estoques. Copyright Logycware Sistemas de Informática 2008 Todos os Direitos Reservados Dicas Logycware Como utilizar o módulo de Estoques Copyright Logycware Sistemas de Informática 2008 Todos os Direitos Reservados 1. INTRODUÇÃO Este tutorial tem por objetivo ajudar a realizar as configurações

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Pesquisa de. Dia dos Namorados

Pesquisa de. Dia dos Namorados ASSESSORIA ECONÔMICA Pesquisa de Dia dos Namorados 2013 Pesquisa realizada pelo Instituto Fecomércio de Pesquisa - IFEP Relatório elaborado pela Assessoria Econômica Fecomércio-RS PESQUISA DIA DOS NAMORADOS

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra

Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra Resultados gerais Dezembro 2010 Projeto Community-based resource management and food security in coastal Brazil (Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP)

Leia mais

Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos

Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos USO DO CARTÃO DE CRÉDITO Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos Mais da metade dos brasileiros (53%) faz uso do cartão

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE MONOGRAFIA FILOMENA MARIA RATES SOARES VITOR TENÓRIO NOVA

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa.

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa. 1 Aprenda com o SAGAZ Primeiros passos para investir na Bolsa. Está pensando em investir em ações e não sabe por onde começar? Fique tranqüilo, você está no lugar certo. Aqui você terá a melhor orientação

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 CONVÊNIO UCDB-ACICG 20/09/2013 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 CONVÊNIO UCDB-ACICG Professores

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO: PERFIL DE CONSUMIDORES DE PRODUTOS LÁCTEOS (IOGURTE, MANTEIGA E QUEIJO) NO MUNICÍPIO DE CONTAGEM MG

PESQUISA DE MERCADO: PERFIL DE CONSUMIDORES DE PRODUTOS LÁCTEOS (IOGURTE, MANTEIGA E QUEIJO) NO MUNICÍPIO DE CONTAGEM MG 1 PESQUISA DE MERCADO: PERFIL DE CONSUMIDORES DE PRODUTOS LÁCTEOS (IOGURTE, MANTEIGA E QUEIJO) NO MUNICÍPIO DE CONTAGEM MG MARKET RESEARCH: CONSUMER PRODUCT PROFILE OF DAIRY PRODUCTS (YOGURT, BUTTER AND

Leia mais

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL 8% 8% 8% CORREGEDORIA SECRETARIA GERAL 4% CENTRO DE ESTUDOS 12% PROCURADORIA DE APOIO PROCURADORIA CONSULTIVA 23% PROCURADORIA CONTENCIOSO 37% PROCURADORIA DA FAZENDA PROCURADORIA REGIONAL

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

Pesquisa intenções de compras para o Dia dos Pais

Pesquisa intenções de compras para o Dia dos Pais Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Pesquisa intenções de compras para o Dia dos Pais Perfil do Consumidor para Grande Florianópolis DPLAN - Núcleo de Pesquisas PESQUISA INTENÇÕES DE COMPRAS

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 22º Encontro - 11/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CAPACIDADE E TURNOS DE TRABALHO. 02 Introdução

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO INTRODUÇÃO Todo problema de decisão envolve julgamento sobre um conjunto conhecido de alternativas; Informações Disponíveis (Dados) Conhecidos com certeza;

Leia mais