PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA"

Transcrição

1 PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA AVALIAÇÃO DO 1º SEMESTRE E PERSPECTIVAS PARA O 2º SEMESTRE DE 2014 Agosto/2014 Esta pesquisa tem como objetivo avaliar o desempenho do primeiro semestre de 2014, as expectativas das empresas com relação ao estre de 2014 e os efeitos da Copa do Mundo sobre as expectativas das empresas. Os dados foram coletados entre os dias 14 de julho e 04 de agosto de 2014 com 587 empresas. O porte das empresas é composto por: Micro/Pequenas (até 99 empregados): 57,6% (338 empresas); Médias (de 100 a 499 empregados): 34,1% (200 empresas); s (500 ou mais empregados): 8,3% (49 empresas). AVALIAÇÃO DO 1º SEMESTRE E PERSPECTIVAS PARA O 2º SEMESTRE Para 67,0% das empresas pesquisadas, o estre de 2014 foi pior que o estre de Para 16,9%, ele foi melhor e, para 16,1%, ele foi igual. Para um percentual maior das empresas de pequeno porte, o estre deste ano foi pior (69,3% das pequenas e 61,2% das grandes). O estre de 2014 em relação ao estre do ano anterior por porte Pior 69,3% 64,6% 61,2% 67,0% Melhor 15,8% 18,0% 20,4% 16,9% Igual 14,9% 17,4% 18,4% 16,1% Na comparação com a mesma pesquisa realizada em anos anteriores, o percentual de empresas que teve um estre pior que o do ano anterior é o maior da série, iniciada em 2005, sendo quase 10 pontos percentuais maior que 2012, o segundo maior da série, conforme tabela abaixo. 1

2 O estre em relação ao estre do ano anterior série histórica Pior 38,0% 44,0% 27,0% 20,8% 14,1% 17,0% 40,0% 57,3% 42,0% 67,0% Melhor 37,0% 28,0% 48,0% 57,8% 14,1% 64,2% 40,6% 20,4% 34,9% 16,9% Igual 25,0% 28,0% 25,0% 21,4% 71,8% 18,8% 19,4% 22,3% 23,1% 16,1% Para 42,1% das empresas pesquisadas, o volume de produção teve queda no estre de 2014 em relação ao estre de 2013, para 25,0%, ele teve queda acentuada, para 17,3%, foi igual, para 14,2%, teve aumento e, para 1,4%, teve aumento acentuado. Quanto às vendas no mercado interno, 40,3% das empresas indicaram queda no estre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, 28,8% indicaram queda acentuada, 15,1% indicaram que foram iguais, 14,4% indicaram aumento, e 1,4% indicaram aumento acentuado. Para 32,2% das empresas exportadoras que participaram da pesquisa, as exportações do 1º semestre de 2014 apresentaram queda em relação às do estre do ano passado, para 31,4%, elas foram iguais, para 18,8%, elas apresentaram queda acentuada, para 16,6%, aumento e, para 0,9%, aumento acentuado. O estre de 2014 em relação ao estre do ano anterior por porte Volume de produção Aumento acentuado 2,1% 0,5% 0,0% 1,4% Aumento 13,6% 13,8% 20,4% 14,2% Foram iguais 12,9% 23,5% 22,4% 17,3% Queda 41,9% 43,3% 38,8% 42,1% Queda acentuada 29,5% 18,9% 18,4% 25,0% Vendas no mercado interno Aumento acentuado 1,9% 1,0% 0,0% 1,4% Aumento 12,4% 15,5% 22,9% 14,4% Foram iguais 13,1% 18,0% 16,7% 15,1% Queda 38,3% 42,8% 43,7% 40,3% Queda acentuada 34,3% 22,7% 16,7% 28,8% 2

3 O estre de 2014 em relação ao estre do ano anterior por porte (continuação) Exportações Aumento acentuado 1,2% 0,9% 0,0% 0,9% Aumento 8,1% 21,7% 21,7% 16,6% Foram iguais 31,4% 31,1% 32,4% 31,4% Queda 36,0% 29,3% 32,4% 32,3% Queda acentuada 23,3% 17,0% 13,5% 18,8% Apenas o estre de 2009 apresentou resultados mais negativos que os deste ano. Enquanto em 2009, 70,7% indicavam queda ou queda acentuada de produção, este ano, foram 69,1%. Em 2009, 71,3% indicavam queda ou queda acentuada de vendas no mercado interno enquanto, este ano, foram 69,1%. Enquanto em 2009, 72,4% indicavam queda ou queda acentuada de exportações, este ano, foram 50,1%. Volume de produção Efetivo para os primeiros semestres de 2008 a Aumento acentuado 15,7% 2,9% 16,1% 4,0% 2,3% 4,2% 1,4% Aumento 46,1% 13,6% 46,8% 37,4% 19,4% 33,3% 14,2% Igual 16,1% 12,8% 18,8% 18,8% 19,4% 21,2% 17,3% Queda 18,0% 34,9% 12,6% 31,3% 36,3% 30,0% 42,1% Queda acentuada 4,1% 35,8% 5,7% 8,5% 22,6% 11,3% 25,0% Vendas no mercado interno Aumento acentuado 15,5% 2,3% 15,0% 4,3% 2,4% 3,0% 1,4% Aumento 47,9% 14,6% 48,9% 38,5% 21,2% 30,3% 14,4% Igual 16,2% 11,8% 17,1% 17,7% 17,1% 23,4% 15,1% Queda 15,3% 35,9% 12,7% 30,0% 35,7% 32,2% 40,3% Queda acentuada 5,1% 35,4% 6,3% 9,5% 23,6% 11,1% 28,8% 3

4 Exportações Efetivo para os primeiros semestres de 2008 a 2014 (continuação) Aumento acentuado 5,8% 1,9% 6,5% 2,8% 2,0% 3,0% 0,9% Aumento 18,4% 10,8% 31,8% 14,7% 19,6% 18,7% 16,6% Igual 29,9% 14,9% 36,4% 37,0% 34,3% 38,9% 31,4% Queda 24,1% 31,0% 15,6% 26,6% 28,4% 26,3% 32,3% Queda acentuada 21,8% 41,4% 9,7% 18,9% 15,7% 13,1% 18,8% A expectativa para o estre de 2014 em relação ao estre de 2013 para os negócios da empresa é pessimista para 34,8% das empresas pesquisadas, ela é indiferente para 32,0%, otimista para 22,1%, muito pessimista para 10,2% e muito otimista para 0,9%. O maior pessimismo em relação ao estre de 2014 independe do porte da empresa: 45,5% das pequenas estão pessimistas ou muito pessimistas; 44,9% das médias estão com esta mesma expectativa e 42,9% das grandes esperam um 2º semestre pior em Expectativa para o estre de 2014 em relação ao estre do ano anterior por porte Muito otimista 1,2% 0,0% 2,0% 0,9% Otimista 21,1% 23,2% 24,5% 22,1% Indiferente 32,2% 31,9% 30,6% 32,0% Pessimista 32,5% 38,7% 34,7% 34,8% Muito pessimista 13,0% 6,2% 8,2% 10,2% As empresas costumam ter uma expectativa predominantemente otimista em relação aos 2º semestres. Desde o início da série em 2005, menos de 30% das empresas estavam pessimistas ou muito pessimistas para o estre. Neste ano, no entanto, 45,0% das empresas estão pessimistas ou muito pessimistas. 4

5 Expectativa para o estre em relação ao estre do ano anterior série histórica Muito otimista 5,0% 3,0% 4,0% 4,8% 3,4% 2,8% 3,9% 1,1% 2,5% 0,9% Otimista 41,0% 44,0% 63,0% 59,1% 52,4% 67,6% 44,8% 38,1% 45,6% 22,1% Indiferente 27,0% 35,0% 22,0% 27,4% 29,4% 23,2% 32,5% 32,6% 29,8% 32,0% Pessimista 25,0% 15,0% 9,0% 7,7% 11,5% 5,7% 18,2% 24,4% 19,4% 34,8% Muito pessimista 2,0% 3,0% 2,0% 1,0% 3,3% 0,7% 0,6% 3,8% 2,7% 10,2% Quanto ao volume de produção para o estre de 2014 em relação a igual período de 2013, 40,0% das empresas acreditam que terá queda, 27,0% que será igual, 17,1% que terá aumento, 15,2% que terá queda acentuada e 0,7% que terá aumento acentuado. Quanto às vendas no mercado interno, a situação é semelhante: 39,6% acreditam que terão queda; 25,2% que serão iguais; 18,3% que terão aumento; 16,4% que terão queda acentuada e 0,5% que terão aumento acentuado. Por outro lado, a situação das exportações deverá estar mais próxima da estabilidade. Para 38,7% das empresas, as exportações do estre de 2014 serão iguais as do estre do ano passado, para 27,6%, elas sofrerão queda, para 20,4%, elas terão aumento, para 12,9%, elas sofrerão queda acentuada e, para 0,4%, apresentarão aumento acentuado. Expectativa para o estre de 2014 em relação ao estre do ano anterior por porte Volume de produção Aumento acentuado 0,9% 0,5% 0,0% 0,7% Aumento 16,9% 17,3% 18,4% 17,1% Serão iguais 27,1% 25,9% 30,6% 27,0% Queda 37,9% 43,6% 38,8% 40,0% Queda acentuada 17,2% 12,7% 12,2% 15,2% Vendas no mercado interno Aumento acentuado 0,6% 0,5% 0,0% 0,5% Aumento 16,9% 19,7% 22,4% 18,3% Serão iguais 27,1% 22,3% 24,5% 25,2% Queda 36,6% 43,5% 42,9% 39,6% Queda acentuada 18,8% 14,0% 10,2% 16,4% 5

6 Expectativa para o estre de 2014 em relação ao estre do ano anterior por porte (continuação) Exportações Aumento acentuado 0,0% 1,0% 0,0% 0,4% Aumento 11,8% 24,5% 29,0% 20,4% Serão iguais 41,2% 37,3% 36,8% 38,7% Queda 27,0% 28,4% 26,3% 27,6% Queda acentuada 20,0% 8,8% 7,9% 12,9% Na comparação temporal, nota-se as expectativas de queda e queda acentuada para o 2º semestre deste ano estão bastante mais elevadas que nos anos anteriores, alcançando 55,2% para volume de produção e 56,0% para as vendas no mercado interno. Para as exportações, por outro lado, as expectativas de queda e queda acentuada para o estre deste ano (40,5%) é inferior às de 2009 (51,5%) e às de 2011 (42,4%). Volume de produção Esperado para os segundos semestres de 2008 a Aumento acentuado 12,5% 5,1% 6,6% 1,8% 2,1% 2,7% 0,7% Aumento 50,3% 32,8% 60,4% 43,6% 28,7% 43,1% 17,1% Igual 23,2% 20,7% 23,2% 29,4% 29,2% 28,5% 27,0% Queda 12,0% 29,8% 8,4% 20,9% 30,2% 23,0% 40,0% Queda acentuada 2,0% 11,6% 1,4% 4,3% 9,8% 2,7% 15,2% Vendas no mercado interno Aumento acentuado 11,4% 5,3% 6,4% 2,2% 2,4% 2,8% 0,5% Aumento 51,0% 34,0% 60,7% 44,8% 29,3% 44,4% 18,3% Igual 24,2% 20,7% 23,1% 28,7% 27,8% 27,4% 25,2% Queda 11,4% 29,4% 8,8% 21,2% 30,4% 22,8% 39,6% Queda acentuada 2,0% 10,6% 1,0% 3,1% 10,1% 2,6% 16,4% 6

7 Exportações Esperado para os segundos semestres de 2008 a 2014 (continuação) Aumento acentuado 5,7% 2,6% 4,6% 0,7% 2,4% 3,0% 0,4% Aumento 18,3% 18,0% 37,9% 19,2% 22,4% 32,0% 20,4% Igual 33,8% 27,9% 39,9% 37,7% 42,0% 40,1% 38,7% Queda 24,7% 32,7% 11,1% 27,4% 23,9% 19,8% 27,6% Queda acentuada 17,5% 18,8% 6,5% 15,0% 9,3% 5,1% 12,9% Como as expectativas são principalmente de queda para a produção no estre, as empresas também não pretendem aumentar o quadro de empregados: 85,6% das empresas não pretendem realizar contratações de empregados no estre deste ano. Pretende realizar contratações de empregados no estre de 2014 por porte Sim 15,9% 11,1% 17,4% 14,4% Não 84,1% 88,9% 82,6% 85,6% Esse resultado, com apenas 14,4% das empresas pretendendo realizar contratações no 2º semestre, é o pior da série iniciada em Pretende realizar contratações de empregados no estre série histórica Sim 26,0% 35,0% 45,1% 28,9% 50,2% 31,6% 23,7% 27,8% 14,4% Não 74,0% 65,0% 54,9% 71,1% 49,8% 68,4% 76,3% 72,2% 85,6% O fechamento de vendas do ano de 2014 deve ser pior que o do ano passado para 60,0% das empresas pesquisadas, com uma queda esperada média de 22,6%, melhor para 19,6% das empresas, com um aumento médio de 14,6%, e deve ser igual para 20,4% das empresas. Na média, a variação esperada para o fechamento das vendas este ano é uma queda de 11%. Para todos os portes de empresas, o percentual que espera um fechamento de vendas este ano pior que o do ano passado é maior. No entanto, a queda esperada média é maior para as empresas de 7

8 menor porte. Com isso, na média, a variação esperada pelas empresas de pequeno porte é de -13%, pelas de médio porte é de -8% e pelas de grande porte é de -4%. Fechamento de vendas no ano de 2014 em relação ao ano anterior por porte Melhor 18,6% 20,0% 24,5% 19,6% Igual 18,6% 25,0% 14,3% 20,4% Pior 62,8% 55,0% 61,2% 60,0% % melhor 17,5% 10,5% 12,9% 14,6% % pior 26,5% 18,0% 12,5% 22,6% Variação média -13% -8% -4% -11% Desde o início da série em 2010, este ano teve o maior percentual de empresas que esperam um resultado pior que no ano anterior. Além disso, a variação esperada média para este ano também é mais negativa que nos anos anteriores, sendo que o único outro resultado negativo havia ocorrido em 2012, quando se esperava uma variação média de -6% das vendas no ano. Fechamento de vendas no ano em relação ao ano anterior série histórica Melhor 72,6% 45,8% 30,5% 48,4% 19,6% Igual 18,5% 27,1% 24,2% 25,1% 20,4% Pior 8,9% 27,1% 45,3% 26,5% 60,0% % melhor 21% 15% 16% 17% 14,6% % pior 21% 18% 23% 18% 22,6% Variação média 14% 2% -6% 3% -11% Em suma, para o estre deste ano, temos o maior o percentual da série iniciada em 2005 de empresas que teve um estre pior que o do ano anterior (67,0%), sendo quase 10 p.p. maior que 2012 (57,3%), o segundo maior da série. Além disso, cerca de dois terços das empresas que participaram da pesquisa indicaram queda ou queda acentuada do volume de produção (67,1%) e das vendas no mercado interno (69,1%) para os primeiros seis meses deste ano. 8

9 Quanto ao estre, as empresas costumam ter uma expectativa predominantemente otimista, com menos de 30% das empresas pessimistas ou muito pessimistas desde o início da série em Neste ano, no entanto, a situação se inverteu, 45,0% das empresas estão pessimistas ou muito pessimistas. Além disso, as expectativas de queda e queda acentuada para o estre deste ano estão bastante mais elevadas que nos anos anteriores, alcançando 55,2% para volume de produção e 56,0% para as vendas no mercado interno. Com expectativa de queda para a produção no estre, as empresas também não pretendem aumentar o quadro de empregados: 85,6% das empresas não pretendem realizar contratações de empregados no estre deste ano, pior resultado da série iniciada em Para o fechamento de vendas neste ano, as expectativas são principalmente de queda em relação ao ano passado, com uma variação esperada média de -11%. 9

10 EFEITO DA COPA DO MUNDO Durante a Copa do Mundo este ano, 63,6% das empresas pararam durantes os jogos do Brasil e as horas paradas foram compensadas em outros dias, 26,3% pararam durante os jogos e não compensaram as horas paradas, 5,6% pararam durante os jogos e compensaram as horas paradas no mesmo dia. Apenas 4,6% das empresas trabalharam normalmente durante a Copa, inclusive durante os jogos do Brasil. E 4,4% aproveitaram o período para dar férias coletivas a seus empregados. Algumas empresas (17,3%) também indicaram que por estarem localizadas em São Paulo, tiveram paralisação também durante o feriado no dia da abertura (12 de junho), enquanto outras (1,7%) trabalharam normalmente mesmo no feriado do dia da abertura. Os resultados não somam 100%, pois as empresas podiam marcar mais de uma alternativa. Como ocorreu a operação da empresa durante a Copa do Mundo este ano? (Resposta Múltipla) A empresa trabalhou normalmente durante a Copa, inclusive durante os jogos do Brasil As horas paradas durante os jogos do Brasil foram compensadas no mesmo dia As horas paradas durante os jogos do Brasil foram compensadas em outros dias As horas paradas durante os jogos do Brasil não foram nem serão compensadas Por estar localizada em São Paulo, também houve paralisação durante o feriado no dia da abertura (12/06) Apesar de estar localizada em São Paulo, trabalhou normalmente mesmo no feriado no dia da abertura A empresa aproveitou o período para dar férias coletivas a seus empregados 2,4% 4,5% 20,4% 4,6% 5,3% 7,0% 2,0% 5,6% 65,6% 61,8% 57,1% 63,6% 22,8% 30,2% 34,7% 26,3% 20,5% 12,6% 14,3% 17,3% 1,2% 3,0% 0,0% 1,7% 3,6% 5,0% 8,2% 4,4% Outros 4,5% 2,5% 4,1% 3,8% A paralisação da produção durante a Copa do Mundo impactou pouco os custos de 50,5% das empresas, impactou muito os custos de 21,9%, não impactou porque não houve paralisação para 7,7% e não impactou pois a produção já estava sendo reduzida por falta de demanda para 20,7% das empresas. 10

11 A paralisação da produção durante a Copa do Mundo teve impacto sobre os custos da empresa? (Resposta Múltipla) Impactou pouco 46,9% 54,3% 60,4% 50,5% Impactou muito 23,4% 21,6% 12,5% 21,9% Não impactou pois não houve paralisação da produção 6,2% 8,0% 16,7% 7,7% Não impactou pois a produção já estava sendo reduzida por falta de demanda 23,7% 16,6% 16,7% 20,7% Outros 0,9% 0,5% 2,1% 0,9% Quanto ao impacto da Copa do Mundo sobre o faturamento das empresas, o impacto foi grande e negativo para 38,3%, foi pequeno e negativo para 34,4%, não houve impacto pois as vendas já estavam baixas independentemente da Copa para 15,9%, não houve impacto pois as vendas ocorreram normalmente para 6,5%, não houve impacto pois as vendas foram antecipadas para 2,8%, foi pequeno e positivo para 2,4% e foi grande e positivo para 0,9%. A Copa do Mundo teve impacto sobre o faturamento da empresa? (Resposta Múltipla) Impactou pouco positivamente 2,4% 1,5% 6,5% 2,4% Impactou muito positivamente 0,9% 1,0% 0,0% 0,9% Impactou pouco negativamente 33,3% 34,7% 41,3% 34,4% Impactou muito negativamente 38,8% 39,3% 30,4% 38,3% Não impactou pois as vendas que ocorreriam no período da Copa foram antecipadas 2,4% 4,1% 0,0% 2,8% Não impactou pois as vendas ocorreram normalmente 4,8% 8,2% 10,9% 6,5% Não impactou pois as vendas já estavam baixas independentemente da Copa 18,2% 12,8% 13,0% 15,9% Outros 1,2% 1,5% 0,0% 1,2% Em suma, a maioria das empresas parou a produção durante os jogos do Brasil nesta Copa do Mundo, tendo as horas paradas compensadas em outros dias. Como as horas paradas foram 11

12 compensadas não houve um impacto muito grande sobre os custos das empresas. Quantas às vendas, no entanto o impacto foi maior, com 38,3% das empresas indicando um forte impacto negativo da Copa do Mundo sobre as suas vendas. Por outro lado, merece destaque o alto porcentual de empresas que indicam que a paralisação da produção durante os jogos da Copa do Mundo não afetou seus custos, pois a produção já estava sendo reduzida por falta de demanda (20,7%) e as que indicaram que a Copa do Mundo não afetou suas vendas que já estavam baixas independentemente da Copa (15,9%). 12

PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP. Setembro/2015. Sumário

PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP. Setembro/2015. Sumário PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP CONSUMO Setembro/2015 Sumário Os brasileiros estão pouco estimulados a comprar em 2015. No primeiro semestre, houve um aumento dos que desistiram de comprar por falta

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Primeiro Trimestre 2015 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE

USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 30/novembro/2015 n. 603 USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE Com o título já enfático sobre o futuro dos preços

Leia mais

PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP 13º SALÁRIO

PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP 13º SALÁRIO PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP 13º SALÁRIO NOVEMBRO/2015 SUMÁRIO A pesquisa indica que o mercado consumidor está desaquecido no final desse ano devido a uma piora da situação financeiras das pessoas,

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Dezembro/2015 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação cresceu 0,3% em outubro de 2015,

Leia mais

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges A Sondagem Industrial (SI) e o Índice de Confiança (ICEI) são elaborados pela unidade de Política Econômica da Confederação Nacional das s (CNI) em conjunto com as Federações das s dos 23 estados brasileiros

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA 0 EDUCAÇÃO BÁSICA Brasileiros reconhecem que baixa qualidade da educação prejudica o país A maior parte dos brasileiros reconhece que uma educação de baixa

Leia mais

Rodobens é destaque no website Infomoney

Rodobens é destaque no website Infomoney Rodobens é destaque no website Infomoney Por: Conrado Mazzoni Cruz 19/04/07-09h55 InfoMoney SÃO PAULO - Atualmente, falar sobre o mercado imobiliário brasileiro é entrar na discussão sobre um possível

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil 1. INTRODUÇÃO Ivan Tomaselli e Sofia Hirakuri (1) A crise financeira e econômica mundial de 28 e 29 foi principalmente um resultado da

Leia mais

Estrutura Produtiva BOLETIM. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi Rafael Lima

Estrutura Produtiva BOLETIM. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi Rafael Lima O presente boletim trata da evolução da estrutura produtiva de regiões selecionadas, entre 2002 e 2014, a partir dos dados de empregos formais da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) e do Cadastro

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI ISSN 27-702 Ano 5 Número 24 Agosto de 205 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Crise econômica I - Mercado de trabalho 24 Crise econômica muda relação de brasileiros com o mercado de trabalho

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina. Síntese dos resultados Meses Situação da família

Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina. Síntese dos resultados Meses Situação da família Núcleo de Pesquisas Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina Os dados levantados pela Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores (PEIC) de Santa

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo.

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo. ANO 4 NÚMERO 31 OUTUBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1-CONSIDERAÇÕES INICIAIS O gerenciamento financeiro do governo, analisado de forma imparcial, se constitui numa das

Leia mais

Florianópolis, 17 de agosto de 2011.

Florianópolis, 17 de agosto de 2011. PROXIMIDADE DO FIM DE ANO IMPACTA A PERSPECTIVA DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS CATARINENSES EM SETEMBRO O forte crescimento mensal da perspectiva de consumo das famílias catarinenses, de 12,7%, foi o principal

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Relatório Final Brasília, Novembro/2014 Método Objetivo geral: Levantar as expectativas para 2015 dos pequenos negócios atendidos pelo SEBRAE Método: Pesquisa

Leia mais

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região.

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região. O presente boletim analisa algumas variáveis chaves na atual conjuntura da economia sertanezina, apontando algumas tendências possíveis. Como destacado no boletim anterior, a indústria é o carro chefe

Leia mais

Pesquisa de Qualidade de Vida 2015 ACIRP

Pesquisa de Qualidade de Vida 2015 ACIRP Pesquisa de Qualidade de Vida ACIRP Núcleo de Economia Qualidade de Vida Ribeirão Preto November 19, Resultados em : A Pesquisa de Qualidade de Vida da Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto

Leia mais

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) NOVEMBRO/2013

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) NOVEMBRO/2013 16 de dezembro de 2013 Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) NOVEMBRO/2013 O ICEC é um indicador da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) que visa medir o nível

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Variação dos Custos Médicos Hospitalares VCMH/IESS Data-base - junho de 2010

Variação dos Custos Médicos Hospitalares VCMH/IESS Data-base - junho de 2010 Variação dos Custos Médicos Hospitalares VCMH/ Data-base - junho de 2010 O VCMH/ é uma medida da variação das despesas médico-hospitalares per capita das operadoras de planos e seguros de saúde. Mede-se

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 214 vai movimentar o Turismo Brasileiro 9 dias O estudo As empresas Principais conclusões a 9 dias da Copa 1 principais emissores 1 Desempenho das cidades-sede Chegadas internacionais

Leia mais

36,6% dos empresários gaúchos julgam que o. 74,4% dos empresários gaúchos consideram que. 66,0% das empresas contempladas pela medida a

36,6% dos empresários gaúchos julgam que o. 74,4% dos empresários gaúchos consideram que. 66,0% das empresas contempladas pela medida a 36,6% dos empresários gaúchos julgam que o faturamento é a melhor base tributária para a contribuição patronal. 74,4% dos empresários gaúchos consideram que a medida contribuirá parcialmente ou será fundamental

Leia mais

Síntese dos resultados

Síntese dos resultados Núcleo de Pesquisas Mês de março apresenta alta mensal do percentual de famílias endividadas e com contas em atraso. Entretanto, na comparação anual o percentual de atrasos caiu. O percentual de famílias

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE. Leandro de Souza Lino

PLANOS DE SAÚDE. Leandro de Souza Lino 1 PLANOS DE SAÚDE Leandro de Souza Lino Na atualidade, as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a qualidade de vida e, por sua vez, com a saúde. Assim, a necessidade de ter planos de saúde se faz

Leia mais

Construção encerra o ano em ritmo fraco

Construção encerra o ano em ritmo fraco SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 4 Número 12 Dezembro de 2013 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Dificuldade no acesso ao crédito

Leia mais

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP INFLAÇÃO JUNHO/2015 SUMÁRIO

PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP INFLAÇÃO JUNHO/2015 SUMÁRIO PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP INFLAÇÃO JUNHO/2015 SUMÁRIO A pesquisa revela que a inflação está alterando o consumo das pessoas. A maioria dos entrevistados vem percebendo grandes aumentos de preços

Leia mais

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás O presente informe técnico tem o objetivo de mostrar a importância da micro e pequena empresa para o Estado de Goiás, em termos de geração de emprego

Leia mais

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) divulgou nesta terça-feira os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos,

Leia mais

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi Cenário positivo Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37 Texto: Lucas Rizzi Crescimento econômico, redução da pobreza, renda em expansão e dois grandes eventos esportivos vindo

Leia mais

O Endividamento das famílias no Brasil

O Endividamento das famílias no Brasil Boletim Econômico Edição nº 74 junho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico O Endividamento das famílias no Brasil 1 Situação atual e números O percentual de famílias com

Leia mais

Construção intensifica insatisfação com a situação financeira

Construção intensifica insatisfação com a situação financeira SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 3 Março de 2014 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Piora na situação financeira é

Leia mais

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO Internacionalização de empresas brasileiras: em busca da competitividade Luis Afonso Lima Pedro Augusto Godeguez da Silva Revista Brasileira do Comércio Exterior Outubro/Dezembro 2011 MOTIVAÇÕES PARA A

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O DIA DOS NAMORADOS DE 2015

PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O DIA DOS NAMORADOS DE 2015 PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O DIA DOS NAMORADOS DE 2015 SINDIFLORES Sindicato do Comércio Varejista de Flores e Plantas Ornamentais do Estado de São Paulo Hórtica Consultoria- Inteligência de

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Resultados e Análises Rodada de. Referente ao 2º Trimestre de 2015

Resultados e Análises Rodada de. Referente ao 2º Trimestre de 2015 Resultados e Análises Rodada de Maio de 2015 Referente ao 2º Trimestre de 2015 Ano 5, n 20, Maio de 2015 Ribeirão Preto Índice de Confiança dos Fornecedores do Setor Sucroenergético (ICFSS) Reed Exhibitions

Leia mais

Famílias endividadas e com contas em atraso (%)

Famílias endividadas e com contas em atraso (%) Núcleo de Pesquisas Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores de Chapecó A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor é um importante indicador da saúde financeira das famílias,

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Planejamento e Orçamento 3º trimestre/2014 Julho de 2014 Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br

Leia mais

Criação de emprego - Brasil. Acumulado. set/11 a ago/12

Criação de emprego - Brasil. Acumulado. set/11 a ago/12 Set Ago/2013 A criação emprego no país no mês agosto, acordo com os dados do CAGED, apresentou um crescimento 207% em relação ao mês anterior, com cerca 128 mil novos postos trabalho. Se comparado ao mesmo

Leia mais

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança?

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança Novas regras 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Por ter parte de sua remuneração (chamada de adicional)

Leia mais

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Fevereiro de 2015

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Fevereiro de 2015 Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito Banco Central do Brasil Fevereiro de 215 Indicadores de Condições de Crédito Objetivos: Verificar o sentimento dos últimos meses sobre o mercado de crédito e

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 A exportação se consolida como perspectiva positiva para os próximos meses A Sondagem industrial, realizada junto a 162 indústrias catarinenses no mês de março, mostrou

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 está sendo marcado pela alternância entre

Leia mais

PLANO DE SAÚDE SETEMBRO DE 2011 1

PLANO DE SAÚDE SETEMBRO DE 2011 1 PLANO DE SAÚDE SETEMBRO DE 2011 1 CRESCEU O NÚMERO DE USUÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Emmanuelle Serrano Queiroz Segundo reportagem publicada pela revista Exame, o crescimento dos gastos com saúde é tendência

Leia mais

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Fernando A. Veloso Ibmec/RJ XII Seminário Anual de Metas para a Inflação Maio de 2010 Crescimento da Renda per Capita Entre 1960 e 1980, a renda

Leia mais

TÁBUA IBGE 2010 E OS EFEITOS NOS BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

TÁBUA IBGE 2010 E OS EFEITOS NOS BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL TÁBUA IBGE 2010 E OS EFEITOS NOS BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL O IBGE divulgou nesta quinta feira a Tábua IBGE-2010 que será utilizada pela Previdência Social, a partir de hoje até 30/11/2012, para

Leia mais

QUEDA NO NÍVEL DE ENDIVIDAMENTO DO CATARINENSE É ACOMPANHADA POR PEQUENA DETERIORAÇÃO DA QUALIDADE DAS DÍVIDAS

QUEDA NO NÍVEL DE ENDIVIDAMENTO DO CATARINENSE É ACOMPANHADA POR PEQUENA DETERIORAÇÃO DA QUALIDADE DAS DÍVIDAS QUEDA NO NÍVEL DE ENDIVIDAMENTO DO CATARINENSE É ACOMPANHADA POR PEQUENA DETERIORAÇÃO DA QUALIDADE DAS DÍVIDAS O percentual de famílias endividadas em Santa Catarina caiu de 93% em julho para 90% em agosto.

Leia mais

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 6 Junho de 2014 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Falta de crédito dificulta recuperação

Leia mais

COMENTÁRIOS. A Taxa Real Efetiva de Juros

COMENTÁRIOS. A Taxa Real Efetiva de Juros COMENTÁRIOS A Taxa Real Efetiva de Juros 1. Taxa Nominal e Taxa Real de Juros. 2. A Taxa Real" de Juros: Fórmula Alternativa. 3. Taxa Declarada de Juros Antecipados e Taxa Real Efetiva de Juros. 4. Exemplos

Leia mais

Distinto ao apresentado para os demais setores no país, Agropecuária registra crescimento

Distinto ao apresentado para os demais setores no país, Agropecuária registra crescimento SETE LAGOAS DESTRÓI 656 VAGAS LÍQUIDAS EM JUNHO DE 2015 Cynara Quintão Karina Moura Economistas 1 O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, registrou

Leia mais

Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja

Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja A determinaça o dos preços do o leo de soja e as mudanças recentes no contexto mundial de oferta e demanda Natalia Orlovicin Analista de Mercado natalia.orlovicin@intlfcstone.com

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

Empresas de Minas diminuem investimento

Empresas de Minas diminuem investimento Ano 5 Nº 1 JANEIRO 2015 Empresas de Minas diminuem investimento No ano de 2014 mais da metade das empresas mineiras realizaram investimentos, no entanto, desde o início da pesquisa em 2010, o percentual

Leia mais

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. "Uma arma verdadeiramente competitiva"

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Uma arma verdadeiramente competitiva Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos "Uma arma verdadeiramente competitiva" Pequeno Histórico No período do pós-guerra até a década de 70, num mercado em franca expansão, as empresas se voltaram

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: Nº 18.048.590/0001-98 Informações referentes a setembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Relatório de Intenção de compras de Natal

Relatório de Intenção de compras de Natal Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Relatório de Intenção de compras de Natal Panorama da intenção de compras durante o período que antecede o Natal 2010 no município de Lages. Divisão de

Leia mais

Cacau Amêndoa Período: Janeiro de 2015

Cacau Amêndoa Período: Janeiro de 2015 Cacau Amêndoa Período: Janeiro de 2015 Tabela I PREÇO PAGO AO PRODUTOR - Cacau Amêndoa (em US$/ton.) Períodos Anteriores Janeiro/15 % Locais Unid. 12 meses 1 mês [a] [b] [c] c/a c/b Ilhéus - Bahia R$/Kg

Leia mais

2006/2011 ES JOSÉ AUGUSTO LUCAS OEIRAS RESULTADOS DOS EXAMES DOS 11.º/12.º ANOS DE ESCOLARIDADE

2006/2011 ES JOSÉ AUGUSTO LUCAS OEIRAS RESULTADOS DOS EXAMES DOS 11.º/12.º ANOS DE ESCOLARIDADE 1 ES JOSÉ AUGUSTO LUCAS OEIRAS RESULTADOS DOS EXAMES DOS 11.º/12.º ANOS DE ESCOLARIDADE 2006/2011 2 3 INTRODUÇÃO 4 SUMÁRIO 5 A EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS DOS EXAMES DO 12º ANO MÉDIAS POR ESCOLA 11 ANÁLISE

Leia mais

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil Brasil África do Sul Chile México Coréia do Sul Rússia Austrália Índia Suíça Turquia Malásia Europa China Argentina São Paulo, 26 de setembro de 2011. Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações

Leia mais

Sobre o Jogo da Economia Brasileira

Sobre o Jogo da Economia Brasileira Sobre o Jogo da Economia Brasileira O Jogo da Economia Brasileira - pretende exercitar conceitos e mecanismos básicos que facilitem o entendimento do que vem acontecendo com a economia brasileira, a partir

Leia mais

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil De acordo com a Estatística Bancária por Município (ESTBAN), divulgada pelo Banco Central, o saldo das operações de crédito, em agosto desse ano, chegou a R$ 2,320 trilhões no país, um crescimento de 10,9%

Leia mais

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 PANORAMA GERAL Os movimentos de transição da população ocupada entre as

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 86 outubro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 86 outubro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 86 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Análise de indicadores bancários e financeiros em 2014 1 A concentração bancária brasileira em

Leia mais

Impactos da Copa do Mundo 2014 no Agenciamento Turístico do Brasil

Impactos da Copa do Mundo 2014 no Agenciamento Turístico do Brasil Impactos da Copa do Mundo 2014 no Agenciamento Turístico do Brasil Julho de 2014 EQUIPE TÉCNICA DO IPETURIS COORDENAÇÃO: SUPERVISÃO: PESQUISADORES: APOIO: Glauber Santos Mariana Nery César Melo Flávia

Leia mais

A desigualdade de renda parou de cair? (Parte I)

A desigualdade de renda parou de cair? (Parte I) www.brasil-economia-governo.org.br A desigualdade de renda parou de cair? (Parte I) Marcos Mendes 1 O governo tem comemorado, ano após ano, a redução da desigualdade de renda no país. O Índice de Gini,

Leia mais

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo.

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada CEPEA/ESALQ/USP 25 de maio de 2011 Volume 1, Edição 22 Açúcar: Informativo Quinzenal Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo DATA Valor

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE ETANOL CAEM 45% EM JUNHO

EXPORTAÇÕES DE ETANOL CAEM 45% EM JUNHO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 16/julho/2015 n. 454 EXPORTAÇÕES DE ETANOL CAEM 45% EM JUNHO O mês de junho foi marcado por um forte retrocesso nas exportações de etanol que caíram de

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Press-release. Voith consegue superar conjuntura difícil 12/12/2012

Press-release. Voith consegue superar conjuntura difícil 12/12/2012 Press-release Voith consegue superar conjuntura difícil 12/12/2012 Terceiro melhor resultado operacional na história da empresa, apesar de mercado difícil para a Voith Paper Volume de negócios cresceu

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 01 dezembro de 2011 www.cni.org.br Investimentos realizados em 2011 Indústria investe cada vez mais com o objetivo

Leia mais

CEASAMINAS UNIDADE GRANDE BELO HORIZONTE OFERTA DE ALHO EM AGOSTO NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS

CEASAMINAS UNIDADE GRANDE BELO HORIZONTE OFERTA DE ALHO EM AGOSTO NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS Alho As perspectivas do mercado de alho na CeasaMinas Grande BH foram totalmente concretizadas no mês de agosto. Esta característica pode ser creditada principalmente ao bulbo nacional, pois quanto ao

Leia mais

Pesquisa de Resultado de vendas do Dia das Crianças

Pesquisa de Resultado de vendas do Dia das Crianças Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Pesquisa de Resultado de vendas do Dia das Crianças Panorama do movimento na economia da cidade de Lages durante o Dia das Crianças de 2010. DPLAN - Núcleo

Leia mais

Mineração. Minério de ferro: Preços em queda e estoques crescendo. Análise de Investimentos Relatório Setorial. 22 de Maio de 2014

Mineração. Minério de ferro: Preços em queda e estoques crescendo. Análise de Investimentos Relatório Setorial. 22 de Maio de 2014 Minério de ferro: Preços em queda e estoques crescendo A redução no ritmo de crescimento da produção de aço na China, as dificuldades financeiras das siderúrgicas com os baixos preços naquele país e um

Leia mais

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015 Publicado em Novembro de 2015 Fatos Relevantes Agosto/2015 Vendas Industriais As vendas industriais registraram expansão de 28,40% em agosto. Trata-se do maior aumento dos últimos três meses e aponta para

Leia mais

Apresentação sobre a 3ª Série do Ensino Médio em 2014

Apresentação sobre a 3ª Série do Ensino Médio em 2014 1 Roteiro da Apresentação: Grade Curricular em 2014 Apresentação sobre Premiação pelo Desempenho Individual no ENEM de 2014 Programa de Mentoria Formatura em 2014 2 Grade Curricular em 2014 3 Em 2014,

Leia mais

59 especial. sondagem

59 especial. sondagem Indicadores CNI sondagem 59 especial Financiamento Mais de um terço das empresas avalia que não há espaço para maior O acesso à linhas de financiamento permite não só a realização de projetos de investimento,

Leia mais

Setor Externo: Triste Ajuste

Setor Externo: Triste Ajuste 8 análise de conjuntura Setor Externo: Triste Ajuste Vera Martins da Silva (*) A recessão da economia brasileira se manifesta de forma contundente nos resultados de suas relações com o resto do mundo.

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo Sandro

Leia mais

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) definiu a classificação do porte, com base no número de empregados de cada estabelecimento.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) definiu a classificação do porte, com base no número de empregados de cada estabelecimento. QUEM SÃO AS EMPRESAS DE MICRO, PEQUENO E MÉDIO PORTES? Critérios de Classificação: São dois os principais critérios para classificação da empresa por porte. Um é baseado na receita operacional bruta anual,

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL OUTUBRO DE 2014 Outubro de 2014 www.fiergs.org.br Indústria cresce pelo quarto mês seguido O IDI/RS, Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul, apontou

Leia mais

Criminalidade. Luciano Nakabashi Juliano Condi

Criminalidade. Luciano Nakabashi Juliano Condi A Associação Comercial de (ACIRP) em parceria com a FUNDACE realiza uma pesquisa de qualidade de vida na cidade de desde 2009. Essa é uma pesquisa muito importante para se que se tenha uma base confiável

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O APOENA MACRO DOLAR FICFIM 18.391.163/0001-08. Informações referentes a Setembro de 2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O APOENA MACRO DOLAR FICFIM 18.391.163/0001-08. Informações referentes a Setembro de 2015 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O APOENA MACRO DOLAR FICFIM 18.391.163/0001-08 Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o APOENA MACRO

Leia mais