Roadmap para Implantação da Estrutura de Riscos Operacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roadmap para Implantação da Estrutura de Riscos Operacionais"

Transcrição

1 Roadmap para Implantação da Estrutura de Ris Criando valor com 80 O Contexto Guidelines on Operational Risk Management, August, 006

2 Simplificando uma Organização Estratégia Pessoas Processos Sistema Tecnologia Onde estão os Ris? Carga de trabalho, competências, ergonomia, atitude, Experiência, habilidades, etc.. Fluxo de informação, indicadores, Responsabilidades, atribuições, controles, métodos Rede de comunicação, hardware, Programação, banco de dados, Controle de acesso econômico, natural, e político, concorrentes, fornecedores, Órgãos reguladores,

3 Quais são os eventos de risco operacional? Fraude Fraude Externa Deman Trabalhistas Práticas Inadequa Com Clientes Di re tori a Danos a Ativos Físi Interrupção de Atividades Falhas em Sistemas de Informação Falhas em Processos Di re tori a Risk Culture or Blame Culture (Basel esymposium)

4 May 007 ORX Operational Risk Report Risk Culture or Blame Culture (Basel esymposium) Por que uma instituição financeira precisa de uma área específica para gestão de ris?

5 O Risco Operacional é Sistêmico! Auditoria Presidência Áreas Meio Capacitação Inadequada dos atendentes Funcionalidade de suporte a Jurídico Venda mal especifica Controles Internos Segurança Bancária Operação Corporate Produtos Procedimento para venda de Asset Produto incompleto Varejo Institucional. Tesouraria Informação Informações incompletas normalmente limita a unidade organizacional em questão. Uso de linguagem distintas para tratar os mesmos problemas Tecnologia. Formas de da quantificar e avaliar os ris distintas 4. Informação Inconsistência entre informações documenta e comunica 5. Gestão Diversos ris relevantes não avaliados 6. de Ferramentas Risco inadequada para gestão de ris Agências A Gestão de Ris como ocorre hoje nas organizações! Risk doesn t recognize organizational charts (Risk. Let s Talk) Atendimento Inadequado de um Cliente Agência Agência Agência Agência N Torre de Babel O Risco Operacional é Complexo Auditoria In tern a Pr esid ência Áreas Meio Jurídico Con tro les In tern os Segurança Bancária Ope ração Diversas Corporate Áreas Produtos Asset Varejo Institucional Agências Agência Agência Diversos Frameworks Segu ran ça d a Infor mação Tesouraria Agência T ecn ologia da Infor mação Ge st ão Agência N Fraudes s e Roubos Insatisfação Diversos e perda de clientes Erros nos processos Interrupção Ris do negócio Danos a ativos fixos Insatisfação dos funcionário Diversos Ativos For operational risk management, the devil really is in the detail. (Kenji Fujii, UFJ Holdings)

6 O Risco Operacional é Dinâmico Fatores s Pandemias (gripe aviária, etc...) Integração crescente entre mercados de capitais Globalização dos serviços financeiros Crescente pressão regulatória Fatores Internos Aumento da complexidade dos produtos e serviços oferecidos Intensificação do uso de tecnologia : Mobile banking, e- commerce, Intensificação de práticas de outsourcing Maior preocupação dos acionistas com relatórios financeiros A dificuldade para gestão dos ris Fraude Fraude Externa Deman Trabalhistas Práticas Inadequa Com Clientes Di re tori a Danos a Ativos Físi Interrupção de Atividades Falhas em Sistemas de Informação Falhas em Processos Di re tori a

7 Por que uma instituição financeira deveria atender efetivamente a Resolução 80? Proteção de Valor do Acionista BANCO Perda Motivo I - Fraude Allied Irish Bank $ 700,000, Fraudulent trading Barings $,000,000, Fraudulent trading Daiwa $,400,000, Fraudulent trading II - Fraude Externa Republic New York Corp. $ 6,000, Fraud comitted by a custodial client III - Deman trabalhistas e segurança deficiente do local de trabalho Merril Lynch $ 50,000, Gender discrimation IV - Práticas inadequa relativas a clientes, produtos e serviços Household tion $ 484,000, Improprer lending practices Providian Financial Corp. $ 405,000, improprer sales and billing practices V - Danos a ativos físi próprios ou em uso pela instituição; Bank of New York $ 40,000, September, terrorist attack VI - Falhas em sistemas de tecnologia da informação Solomon Brothers $ 0,000, Change in computing technology VII - Falhas na execução, cumprimento de prazos e gerenciamento atividades Bank of America $ 5,000, Systems integrations failures Wells Fargo Bank $ 50,000, Transaction processing failures Hull, 006

8 Criação de valor ao Acionista Creating Value: Effective Risk Management in Financial Services, PwC, 007 Como a gestão de ris pode contribuir com uma instituição financeira? Operational risk is not a new risk... However, the idea that operational risk management is a discipline with its own structure, tools and processes... is new (Basel II)

9 Compliance x Desenvolvimento da capacidade gerencial A prática revela que as organizações vêm concebendo sua estrutura de gestão de risco sem antes definir claramente os problemas que estas ferramentas deveriam resolver Status Atual da Gestão de Ris da Organização álise de GAP com as Requisitos da 80 GAP alysis com necessidade de práticas modernas de gestão Implantação da Estrutura de Gestão de Ris Desta forma, não deve perguntar como fazer a gestão ris? antes de descobrir o que a gestão de ris pode fazer por você? A gestão de ris deve ser encarada como um projeto de implantação de instrumentos modernos de gestão que certamente oneram seu orçamento e, portanto, devem ter resultados tangíveis, expressivos e mensuráveis A Key challenge is to develop effective risk management systems that can provide both compliance and also improved business execution (Jeremy Jensen, Partner, PwC) Situação Atual Auditoria Presidência Áreas Meio Operação Asset Agências Controladoria Corporate Varejo Agência Jurídico Controles Internos Segurança Bancária Informação Tecnologia da Informação Gestão Produtos Tesouraria Institucional Agência Agência Agência N

10 Uniformização da linguagem e alinhamento de práticas Auditoria Presidência Áreas Meio Operação Asset Agências Controladoria Corporate Varejo Agência Jurídico Controles Internos Segurança Bancária Informação Tecnologia da Informação Gestão Produtos Tesouraria Institucional Agência Agência Agência N Coleta Estruturada da Informações Auditoria Presidência ) Informações registra pelas áreas de negócios são consistentes com as áreas de suporte? ) As categorias de ris e escala de apetite ao Risco foram usa de forma adequada? ) Eventos ocorridos deixaram de ser documentados? Áreas Meio Operação Asset Agências Controladoria Histórico de Fraudes Turnover Histórico Jurídico de Multas Controles CSA Internos Segurança Bancária Informação Tecnologia da Informação Gestão Corporate Produtos Performance Operacional Tesouraria Varejo Institucional Agência Histórico de Per Agência Reclamações de Clientes Agência Histórico de Per Agência N Reclamações de Clientes

11 Distribuição de Relatórios Customizados e Personalizados Auditoria Presidência Relatório Executivo para s Áreas Meio Operação Asset Agências Controladoria Corporate Varejo Agência Jurídico Controles Internos Segurança Bancária Informação Tecnologia da Informação Gestão Produtos Tesouraria Institucional Agência Agência Agência N Collect once, satisfy many O Resultado da Gestão de Ris Fraude Fraude Externa Deman Trabalhistas Práticas Inadequa Com Clientes Di re tori a Danos a Ativos Físi Interrupção de Atividades Falhas em Sistemas de Informação Falhas em Processos Di re tori a Op risk executives are, in some places, becoming the organization's psychologies Sometimes they are peacemakers. Other times they are communicators (Ellen Davis)

12 Os diferentes níveis n de maturidade possíveis para a gestão de ris Nível Gestão artesanal de ris Característica Autonomia e independência de cada área na gestão de seus ris. Por vezes, podem ser criados comitês específi. Vantagens Baixíssimo custo de coordenação entre áreas. Desvantagens Ris tratados localmente, de forma redundante e desordenada. Muitas vezes apresenta incoerências, causando desperdícios e gerando novos ris em outras áreas. Auditoria Presidência Áreas Meio Operação Asset Agências Controladoria Corporate Varejo Agência Jurídico Controles Internos Segurança Bancária Informação Tecnologia da Informação Gestão Produtos Tesouraria Institucional Agência Agência Agência N

13 Nível Gestão local de ris Característica Linguagem única de ris entre as áreas, mantendo sua autonomia para coleta e de informações. Vantagens Desvantagens Baixo custo de coordenação entre as áreas e melhor comunicação entre os envolvidos, habilitando uma gestão menos departamentalizada. Ris ainda sendo tratados localmente, podendo gerar problemas em outras áreas ou desperdícios para a organização como um todo. Au ditoria Presidência Áreas Meio Operação Asset Agências Controladoria Corporate Varejo Agência Jurídico Co ntroles Internos Segurança Bancária Informação Tecnologia da Informação Gestão Produtos Tesouraria Institucional Agência Agência Agência N Nível Gestão integrada de ris Característica Práticas de gestão de risco integra entre as áreas: coleta única de informações e distribuição estruturada de reports customizados. Vantagens Desvantagens Disponibilidade de informações para que cada área trate ris analisando ameaças e oportunidades na organização como um todo. Custo moderado de coleta, e distribuição de informações. Dificuldades para decisão entre categorias de ris distintas. Auditoria Presidência Áreas Meio Operação Asset Agências Controladori a Corporate Varejo Agência Ju rídico Controles Internos Segurança Bancária In fo rmação Tecnologia da In fo rmação Gestão Produtos Tesouraria Institucional Agência Agência Agência N

14 Nível 4 Gestão estratégia de ris Característica A gestão de risco alimenta a tomada de decisão estratégica como planejamento estratégico, precificação, remuneração, carteira de clientes, etc. Vantagens Desvantagens Alinhamento entre as decisões toma, incluindo os ris envolvidos, nos níveis operacional e estratégico. Grande integração áreas para um otimizado e sistêmico do risco operacional. Custo alto de coleta, e distribuição de informações. Auditoria Presidência Áreas Meio Operação Asset Agências Controladori a Corporate Varejo Agência Ju rídico Controles Internos Segurança Bancária In fo rmação Tecnologia da In fo rmação Gestão Produtos Tesouraria Institucional Agência Agência Agência N Nível 5 Gestão avançada ada de ris Característica Integração de práticas quantitativas e qualitativas avança de gestão do risco operacional, possuindo capacidade preditiva. Vantagens Desvantagens Habilita uma tomada de decisão otimizada maximizando a relação dos ris tomados / retornos financeiros esperados Altíssimo custo de realização práticas avança de gestão de risco operacional; Auditoria Presidência Áreas Meio Operação Asset Agências Controladori a Corporate Varejo Agência Ju rídico Controles Internos Segurança Bancária In fo rmação Tecnologia da In fo rmação Gestão Produtos Tesouraria Institucional Agência Agência Agência N

15 ÁreasMe io Operação Aset Agências Cont rolador ia Co rporate Varejo Ag ência Ju rí di co Produt os In stit u cio nal Ag ência Cont roles Internos Segurança Bancár ia Tesourari a Ag ência In forma ç ão Tecnol ogia da In forma ç ão Ag ência N Ge stão Ár easmeio ÁreasMe io ÁreasMe io Cont roladori a Cont roladori a Cont rolador ia Ju rí di co Cont roles In ternos Ju rí di co Cont roles I nt e rnos Se gur a nça Bancári a In forma çã o Tecnolo gia da In forma çã o Ge st ã o Ju rí di co Cont roles I nt e rnos Se gur a nça Bancári a In forma çã o Tecnolo gia da In forma çã o Ge st ã o Audit or ia In terna Segurança Bancár ia In for mação Tecnol ogi ada In for mação Gestão de Ri sco Ár easmei o A udito ri a I n terna A udito ri a I n terna Audit or ia In ter na Control adori a Jurídico Control es In ter nos Segur ança Bancária Segur ançada In f ormação Tecnologi a da In f ormação Ge st ã o derisc o Ár easmeio ÁreasMe io ÁreasMe io Audito r ia Cont rolador ia Ju rí di co Cont roles In ternos Segurança Bancár ia In for mação Tecnol ogi ada In for mação Gestão de Ri sco Pr esidência Pr e sid ência Oper ação As set Ag ências Cor por at e Produt o s Te sourar ia Presi dência Op e ração Aset Agênci as Cor p or at e Pr odutos Tesour ar ia Presi dência Op e ração Aset Agênci as Cor p or at e Pr odutos Tesour ar ia Pr esidência Va rejo In stit u cio nal Va rejo In stit u cio nal Var ej o Insti tuci onal Agência Agência Agência Agência N Agência Agência Agência Agência N Agência Agência Agência Agênci a N Op eração As set Agências Audit or ia In terna Audit or ia In ter na Co r porat e Produt os Tesourari a Pr esidência Pr e sid ência Varejo Inst itu cional Agênci a Agênci a Agênci a Agênci a N ÁreasMe io Operação Aset Agências Cont rolador ia Co rporate Varejo Ag ência Ju rí di co Produt os In stit u cio nal Ag ência Cont roles Internos Segurança Bancár ia Tesourari a Ag ência In forma ç ão Tecnol ogia da In forma ç ão Ag ência N Ge stão Ár easmei o Cont roladori a Ju rí di co Cont roles Int e rnos Se gur a nça Bancári a In forma çã o Tecnolo gia da In forma çã o Ge st ã o Cont roladori a Ju rí di co Cont roles Int e rnos Se gur a nça Bancári a In forma çã o Tecnolo gia da In forma çã o Ge st ã o Control adori a Jurídico Control es In ter nos Segur ança Bancária Segur ançada In f ormação Tecnologi a da In f ormação Ge st ã o derisc o Audito ri a Audito ri a Audito r ia Oper ação As set Ag ências Cor por at e Produt o s Te sourar ia Presi dência Op e ração Aset Agênci as Cor p or at e Pr odutos Tesour ar ia Presi dência Op e ração Aset Agênci as Cor p or at e Pr odutos Tesour ar ia Pr esidência Va rejo In stit u cio nal Va rejo In stit u cio nal Var ej o Insti tuci onal Agência Agência Agência Agência N Agência Agência Agência Agência N Agência Agência Agência Agênci a N Op eração As set Agências Co r porat e Produt os Tesourari a Varejo Inst itu cional Agênci a Agênci a Agênci a Agênci a N Entendendo o trade off existente Maturidade Nível 5 - Gestão Avançada de Ris Nível 4 - Gestão Estratégica de Ris Nível - Gestão Integr ada de Ris Nível - Gestão Artesanal de Ris Nível - Gestão Local de Ris Aumento dos custos de coordenação entre áreas e Do uso de ferramentas Complexas Aumento dos custos devido à gestão inadequada dos eventos de ris operacional Planejando a visão de Longo Prazo Maturidade Nível 5 - Gestão Avançada de Ris Nível 4 - Gestão Estratégica de Ris Nível - Gestão Integr ada de Ris Nível - Gestão Artesanal de Ris Nível - Gestão Local de Ris Práticas inadequa relativas a clientes, produtos e serviços Danos a ativos fixos próprio ou em uso Interrupção atividades da organização Demanda trabalhista e segurança deficiente Falhas em sistemas de tecnologia da informação Fraudes s e Externas Falhas na execução, cumprimentos de prazos e gerenciamento atividades Principais considerações para tomada de decisão: Quão sistêmico éo risco Quão dinâmico éo risco Histórico de Perda Quão complexo éo risco Stakeholders envolvidos A estrutura de que trata o caput deve ser compatível com a natureza e a complexidade dos produtos, serviços, atividades, processos e sistemas da instituição. (BACEN)

16 Roadmap para Implantação da Estrutura de Ris 0 decisões seqüenciais enciais para gerir um evento de risco operacional. Como vamos chamar e descrever o evento de ris operacional (RO)?. Como este evento de RO se relaciona com os objetivos estratégi?. Quais são os resultados esperados para a gestão deste RO? 4. Qual a maturidade de gestão deste RO que viabiliza os resultados esperados? 5. Quais são os processos e áreas relevantes para gestão deste RO? 6. Quais são os atores envolvidos? 7. Quais são recursos a serem disponibilizados aos atores envolvidos (ferramentas, práticas, procedimentos, competências,etc..)? 8. Quais são as responsabilidades e accountabilities dos atores envolvidos de acordo com o nível de maturidade determinado? 9. Quais são os relatórios necessários que habilitem os atores envolvidos a arcarem com suas responsabilidades e accountabilities? 0.Como construir estes relatórios a partir ferramentas de gestão de ris operacional para coleta de informação (CSA: Como avaliamos que estamos? ; Base de per: Quanto estamos perdendo ; KRI Qual o nosso desempenho

17 0 decisões seqüenciais enciais para gerir um evento de risco operacional. Como vamos chamar e descrever o evento de ris operacional (RO)?. Como este evento de RO se relaciona com os objetivos estratégi?. Quais são os resultados esperados para a gestão deste RO? 4. Qual a maturidade de gestão deste RO que viabiliza os resultados esperados? 5. Quais são os processos e áreas relevantes para gestão deste RO? 6. Quais são os atores envolvidos? 7. Quais são recursos a serem disponibilizados aos atores envolvidos (ferramentas, práticas, procedimentos, competências,etc..)? 8. Quais são as responsabilidades e accountabilities dos atores envolvidos de acordo com o nível de maturidade determinado? 9. Quais são os relatórios necessários que habilitem os atores envolvidos a arcarem com suas responsabilidades e accountabilities? 0.Como construir estes relatórios a partir ferramentas de gestão de ris operacional para coleta de informação (CSA: Como avaliamos que estamos? ; Base de per: Quanto estamos perdendo ; KRI Qual o nosso desempenho Não se pode pular direto para as últimas etapas! Como definir qual informação coletar e quais relatórios gerar, antes de se definir qual o problema que se pretende resolver e qual a estratégia para tal! Como iniciar: Gap alysis

18 Momento de parar e reavaliar o caminho que está sendo traçado ado! Situação Atual Da Gestão de Risco Operacional Ár eas M eio Controladoria Juríd ico Controles Internos Segur ança Bancár ia Segu rança d a In for mação Tecnologia da In for mação Gestão Aud itor ia In tern a P residência Oper aç ão Asset Agências Cor porat e Prod utos Tesour ar ia Var ejo In stitucional Agência Agência Agência Agência N Trajetória Ideal Trajetória Real Situação Futura Da Gestão de Risco Operacional Retorno Financeiro Risco Operacional Periodicamente, as instituições financeiros devem analisar o retorno financeiro e de imagem que estão obtendo e aprimorar suas estrutura de ris Hoje, ainda não existe um consenso do que seria uma organização que efetivamente possui excelência na gestão de seus ris O acordo da Basiléia II provê intencionalmente um grau significativo de flexibilidade aos ban... Não é surpresa, portanto, que a diversidade de práticas que emerge em relação as questões levanta no acordo seja bastante alta Visão Geral da Solução Gestão álise álise álise da álise de de Benchmarking Operacional Benchmarking da com Situação Situação Atual com melhores melhores práticas práticas Atual cionais cionais Legado de Práticas de Gestão Operacional 4 Legado de Práticas de Expectativas Dos Stakeholders álise álise do do GAP GAP entre entre a situação situação atual atual e a estratégia estratégia definida definida Cenários para adoção Da Gestão de Risco Operacional Definição Definição da da estratégia estratégia de de gestão gestão de de cada cada risco risco operacional operacional Necessidade de ferramentas, sistemas, competências, pessoas, procedimentos, etc... para adequação práticas atuais, a estratégia Definida e atendimento expectativas dos stakeholderds Objetivo, Metas e Maturidade da Gestão Operacional

19 álise da Situação Atual álise álise da da Situação Situação Atual Atual Qual a complexidade práticas de gestão Do risco operacional Fraude E Externa álise álise de de Benchmarking Benchmarking com com melhores melhores práticas práticas cionais cionais Definição Definição da da estratégia estratégia de de gestão gestão de de cada cada risco risco operacional operacional álise álise de de GAP GAP entre entre a situação situação Atual Atual e a estratégia estratégia definida definida o o Ciclo Ciclo de de Implantação Implantação da da Estrutura Estrutura de de Ris Ris Práticas Inadequa Com cliente Falhas nos processos o o Ciclo Ciclo de de Implantação Implantação da da Estrutura Estrutura de de Ris Ris o o Ciclo Ciclo de de Implantação Implantação da da Estrutura Estrutura de de Ris Ris Qual o grau de integração Áreas para Gestão do Risco Operacional Estrutura de Gestão de Ris Questões estratégicas Objetivos e metas Tendências espera Definição de diretrizes estratégicas Objetivos atingidos Ris Nos Objetivos atingidos Controles Internos Gestão Compliance de Ris Auditoria Adequação práticas a Age nda estratégica Uniformiz. da linguagem Impacto na estratégia Comunicação entre áreas Controle e Responsabilidade e acc. Competências e atitudes Ferramentas gestão de RO Qualidade de Relatórios Cultura de RO

20 álise da Estrutura de Gestão de Ris Objetivos atingidos Questões estratégi álise da agenda Estratégica Objetivos dosdefinidos executivos Tendências espera Ris Nos Objetivos atingidos Definição de diretrizes estratégicas álise per que historicamente vem ocorrendo Compliance Controles Internos álise da formalização e difusão de práticas para gestão de ris Auditoria Gestão de Ris Adequação práticas de Ris a Age nda estratégica Uniformiz. da linguagem Impacto na estratégia Comunicação entre áreas Controle e Responsabilidade e acc. Competências e atitudes Ferramentas gestão de RO álise da maturidade de gestão de risco operacional executada pelas linhas de negócio E áreas de suporte Qualidade de Relatórios Cultura de RO Kick Off: : Mapa de Exposição da Organização Questões estratégi Objetivos d efin idos Ten dên cias esp era Def iniçã o de di retriz es estratégicas Di retoria Diretori a Dicionário de Ris Objetivos Ri sco s Nos Objetivos atingi dos ati ngido s Adequação práticas De ge st ão a Controles Internos Agenda estratégica Ge st ão Compliance de Ris Auditoria Cultura de RO Qu ali dad e d e Re lató r ios F err amen ta s ge stã o d e RO Competências e atitudes Responsabilidade e acc. Controle e Comunicação entre áreas Imp act o n a e str até gia Un ifo rm iz. d a l ing ua gem I - fraudes internas; II - fraudes externas; III - deman trabalhistas e segurança deficiente do local de trabalho; IV - práticas inadequa relativas a clientes, produtos e serviços; V - danos a ativos físi próprios ou em uso pela instituição; VI - aqueles que acarretem a interrupção atividades da instituição; VII - falhas em sistemas de tecnologia da informação; VIII - falhas na execução, cumprimento de prazos e gerenciamento atividades na instituição. ) Linhas de Negócios ) Áreas ) Processos Suporte Operação Asset Agencias Controladoria Recursos Humanos Jurídico Controles Internos Segurança Bancária Informação Tecnologia da Informação Corporate Produtos Tesouraria Varejo Institucional Agencias Qual a relevância de cada área para gestão de cada evento do Risco operacional?

21 álise da Agenda dos Executivos Questões estratégi Di retoria Objetivos d efin idos Def iniçã o Ten dên cias esp era de di retriz es estratégicas Objetivos Ri sco s Nos Objetivos atingi dos ati ngido s Adequação práticas De ge st ão a Controles Internos Agenda estratégica Ge st ão Compliance de Ris Auditoria Un ifo rm iz. d a l ing ua gem Imp act o n a e str até gia Comunicação entre áreas Diretori a Responsabilidade e acc. Controle e Qu ali dad e d e Re lató r ios F err amen ta s ge stã o d e RO Competências e atitudes Cultura de RO Exemplo: Pessoas Histórico acima do aceitável de fraudes internas (empréstimos não autorizados, transações ilícitas, insider trading, falsificação de documentos, ) Histórico acima do aceitável de roubos internos (furto de ativos físi, desvio de equipamentos, etc..) Histórico acima do aceitável de processos movidos por funcionários (discriminação, FGTS, hora extra, LER, etc..) Histórico acima aceitável de demissões dos funcionário devido ao não atendimento expectativas da instituição financeira Histórico acima do aceitável de saída voluntária de funcionários chaves/importantes para o negócio Preocupação com inadequação competências, habilidades e atitudes dos funcionários Preocupação com insatisfação dos funcionários com excesso de carga de trabalho Preoc upação c om insatisfaç ão dos func ionários c om remuneração Preoc upação c om insatisfaç ão dos func ionários c om ambiente de trabalho Insatisfação do board e acionistas com custos referente a pessoas e treinamento Expectativas de mudanças significativas no perfil dos funcionários álise da formalização e difusão de práticas para gestão de ris Terminologia (evento de nível, evento de nível, descrição e exemplos) Relação com objetivos organizacionais Questões estratégi Metas de criação e proteção de valor Objetivos d efin idos Def iniçã o Ten dên cias esp era de di retriz es estratégicas Objetivos Ri sco s Nos Objetivos atingi dos ati ngido s Adequação práticas De ge st ão a Controles Internos Agenda estratégica Ge st ão Compliance de Ris Auditoria Di retoria Comunicação entre áreas Imp act o n a e str até gia Un ifo rm iz. d a l ing ua gem Diretori a Responsabilidade e acc. Controle e Qu ali dad e d e Re lató r ios F err amen ta s ge stã o d e RO Competências e atitudes Cultura de RO Maturidade de gestão (integração entre áreas, complexidade práticas e grau de centralização) Apetite (aceitável, tolerável e intolerável) Relevância áreas e processos Atores envolvidos Recursos (ferramentas, práticas, procedimentos, pessoas, competências e cultura) Responsabilidades e accountability (coleta validação, consolidação e geração de report, análise e ) de acordo com o tipo de evento Linha de report (quem deve saber sobre o que e quando) Relatórios (conteúdo e periodicidade) Ferramentas: CSA (como nos avaliamos), KRI (como estamos), base de per (quando perdemos) Práticas: BCP, rotina de testes, análise de cenários

22 at ingidos Com pliance Que stões estratégi Ob je ti vo s defi ni dos Tendências e spe r a Cont r oles Inter nos A uditoria Int ern a Risc os Nos Objetivos Ges t ão de Ris De finição A dequ ação D iretoria Di ret oria Di ret oria álise da Maturidade da Gestão de Ris Operacional Executada pelas Linhas de Negócio e Suporte Questões estratégi Di retoria Objetivos d efin idos Def iniçã o Ten dên cias esp era de di retriz es estratégicas Objetivos Ri sco s Nos Objetivos atingi dos ati ngido s Adequação práticas De ge st ão a Controles Internos Agenda estratégica Ge st ão Compliance de Ris Auditoria Un ifo rm iz. d a l ing ua gem Imp act o n a e str até gia Comunicação entre áreas Diretori a Responsabilidade e acc. Controle e Qu ali dad e d e Re lató r ios F err amen ta s ge stã o d e RO Competências e atitudes Cultura de RO álise Áreas Motores da Gestão Operacional Ob jetivos atin gi dos de diretrizes est rat égi cas prática s a A genda estratégica Marc elo Carlos Uni for m iz. da li nguagem Im pact o na est rat égia Feramentas gest ão d e RO Com pet ências e at itudes Responsab il idade e acc. Cont r ole e M onitor ação t r atam ent o Com uni cação ent r e ár eas gelo Iara Cristina P risc ila Qual idad e de Relatór i os Cul tur a de R O Vitor Jorge Otavio Rafael Cl áudi o Marta Li via Fer nanda Leandro Fernando dré Carlos Jaime Euclides Daniel Clelia Eduardo Ricardo Valter Marcela Diogo Integração e Comunicação Maturidade do identificação, tr atamento Maturidade do Controle e Ferramentas Relatórios Competências, Habilidades E atitudes Formalização E Accountab. Disseminação Da cultura De ris álise Áreas Motores da Gestão Operacional Priorizando as áreas de exposição ao risco operacional críticas da organização

23 álise Áreas Motores da Gestão Operacional Questões estratégi Objetivos d efin idos Def iniçã o Ten dên cias esp era de di retriz es estratégicas Objetivos Ri sco s Nos Objetivos atingi dos ati ngido s Adequação práticas De ge st ão a Controles Internos Agenda estratégica Ge st ão Compliance de Ris Auditoria Di retoria Diretori a Carlos Responsabilidade e acc. Controle e Comunicação entre áreas Imp act o n a e str até gia Un ifo rm iz. d a l ing ua gem Competências e atitudes F err amen ta s ge stã o d e RO Cristina Priscila Qu ali dad e d e Re lató r ios Cultura de RO Otavio Rafael Cláudio Marta Livia Vitor Jorge dré Carlos Jaime Euclides Daniel gelo Iara Fernanda Leandro Fernando Clelia Eduardo Ricardo Valter Marcela Diogo Realização de entrevistas ou preenchimento de relatório para coleta de informação Maturidade da Gestão de Eventos de Práticas Inadequa com Cliente executada nas áreas relaciona a Banco Varejo Práticas Inadequa com Cliente Banco Varejo Integração e Comunicação Maturidade do identificação, Maturidade do Controle e Ferramentas Relatórios Competências, Habilidades E atitudes Formalização E Accountab. Disseminação Da cultura De ris

24 E Ac c ount ab. E Ac c ount ab. De ri s De ri s De Re s pons. E Ac c ount ab. De ri s Com uni cação i denti ficação, Ma t ur idade do processode Contr ole e Mo ni tor ação Fer ramentas Gr au de Compet ências, For mal ização Ha bi lidades Eatitudes EAcountab. Graude Dissemi nação De ris Integração e Ent re ár eas Integração e Ent re ár eas Maturidade do M aturidade do Compe tências, For malização identif icação, Feramentas Ha bil idades E atitudes E Acountab. tr atamento Maturidade do identif icação, tr atamento M aturidade do Feramentas Compe tências, For malização Ha bil idades E atitudes E Acountab. De Re s pons. E Ac c ount ab. De Re s pons. E Account ab. Gr au de Disseminação Da cultura De ris Gr au de Disseminação Da cultura De ris De ri s De ri s De Re s pons. E Account ab. De ri s De Re s pons. E Account ab. De ri s Com uni cação Com uni cação Com uni cação Com uni cação i denti ficação, i denti ficação, i denti ficação, i denti ficação, Ma t ur idade do processode Contr ole e Fer ramentas Mo ni tor ação Ma t ur idade do processode Ma t ur idade do processode Contr ole e Mo ni tor ação Ma t ur idade do processode Contr ole e Fer ramentas Mo ni tor ação Ma t ur idade do processode Contr ole e Mo ni tor ação Fer ramentas Fer ramentas Compet ências, Ha bi lidades Eatitudes Gr au de Compet ências, For mal ização Ha bi lidades Eatitudes EAcountab. Compet ências, Ha bi lidades Eatitudes Gr au de For mal ização EAcountab. Gr au de Compet ências, For mal ização Com uni cação i denti ficação, Contr ole e Fer ramentas Ha bi lidades Mo ni tor ação Eatitudes EAcountab. Gr au de Compet ências, For mal ização Ha bi lidades Eatitudes EAcountab. Graude Dissemi nação De ris Graude Dissemi nação De ris Graude Dissemi nação De ris Gr au de Graude For mal ização Dissemi nação EAcountab. De ris Graude Dissemi nação De ris Maturidade da Gestão de Ris nas áreas relaciona a Banco Varejo Fraude Fraude Externa Deman Trabalhistas Práticas Inadequa Com Clientes Gra u d e Mat u ri da de do Ma t uri da d e do Níve l de Gra u de Gra u de I n t eg raç ão e p roc es so de p roc es so de C om pe t ên ci a s, Fo rma lização Disseminação Comunicação identif i ca çã o, Controle e F erra me nta s Habili d ad es De Res pons. Da cultura Monitoraç ão E atitudes EAcc ountab. De ges tão Relatórios De ris t rat a men t o Gra u d e Mat u ri da de do Ma t uri da d e do Níve l de Gra u de Gra u de I n t eg raç ão e p roc es so de p roc es so de C om pe t ên ci a s, Fo rma lização Disseminação Comunicação identif i ca çã o, Controle e F erra me nta s Habili d ad es De Res pons. Da cultura Monitoraç ão E atitudes EAcc ountab. De ges tão Relatórios De ris t rat a men t o Gra u d e Mat u ri da de do Ma t uri da d e do Níve l de Gra u de Gra u de I n t eg raç ão e p roc es so de p roc es so de C om pe t ên ci a s, Fo rma lização Disseminação Comunicação identif i ca çã o, Controle e F erra me nta s Habili d ad es De Res pons. Da cultura Monitoraç ão E atitudes EAcc ountab. De ges tão Relatórios De ris t rat a men t o Gra u d e Mat u ri da de do Ma t uri da d e do Níve l de Gra u de Gra u de I n t eg raç ão e p roc es so de p roc es so de C om pe t ên ci a s, Fo rma lização D i s sem i na çã o Comunicação identif i ca çã o, Controle e F erra me nta s Habili d ad es De Res pons. Da cultura Monitoraç ão E atitudes EAcc ountab. De ges tão Relatórios De ris t rat a men t o Danos a Ativos Físi Interrupção de Atividades Falhas em Sistemas de Informação Falhas em Processos Gra u d e Mat u ri da de do Ma t uri da d e do Níve l de Gra u de Gra u de I n t eg raç ão e p roc es so de p roc es so de C om pe t ên ci a s, Fo rma lização Disseminação Comunicação identif i ca çã o, Controle e F erra me nta s Habili d ad es De Res pons. Da cultura Monitoraç ão E atitudes EAcc ountab. De ges tão Relatórios De ris t rat a men t o Gra u d e Mat u ri da de do Ma t uri da d e do Níve l de Gra u de Gra u de I n t eg raç ão e p roc es so de p roc es so de C om pe t ên ci a s, Fo rma lização Disseminação Comunicação identif i ca çã o, Controle e F erra me nta s Habili d ad es De Res pons. Da cultura Monitoraç ão E atitudes EAcc ountab. De ges tão Relatórios De ris t rat a men t o Gra u d e Mat u ri da de do Ma t uri da d e do Níve l de Gra u de Gra u de I n t eg raç ão e p roc es so de p roc es so de C om pe t ên ci a s, Fo rma lização Disseminação Comunicação identif i ca çã o, Controle e F erra me nta s Habili d ad es De Res pons. Da cultura Monitoraç ão E atitudes EAcc ountab. De ges tão Relatórios De ris t rat a men t o Gra u d e Mat u ri da de do Ma t uri da d e do Níve l de Gra u de Gra u de I n t eg raç ão e p roc es so de p roc es so de C om pe t ên ci a s, Fo rma lização Disseminação Comunicação identif i ca çã o, Controle e F erra me nta s Habili d ad es De Res pons. Da cultura Monitoraç ão E atitudes EAcc ountab. De ges tão Relatórios De ris t rat a men t o álise Áreas Motores da Gestão Operacional Questões estratégi Objetivos d efin idos Ten dên cias esp era Objetivos Ri sco s Nos Objetivos atingi dos ati ngido s Def iniçã o de di retriz es estratégicas Adequação práticas De ge st ão a Controles Internos Agenda estratégica Ge st ão Compliance de Ris Auditoria Di retoria Diretori a Carlos Competências e atitudes Responsabilidade e acc. Controle e Comunicação entre áreas Imp act o n a e str até gia Un ifo rm iz. d a l ing ua gem F err amen ta s ge stã o d e RO Cristina Priscila Qu ali dad e d e Re lató r ios Cultura de RO Otavio Rafael Cláudio Marta Livia Vitor Jorge dré Carlos Jaime Euclides Daniel gelo Iara Fernanda Leandro Fernando Clelia Eduardo Ricardo Valter Marcela Diogo Resultado a ª fase de entendimento da situação atual

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Wagner S. Almeida Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários Divisão de Equipes Especializadas I Comissão

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br contato@primeup.com.br +55 21 2512-6005 A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Agenda Sobre a Ferrettigroup Brasil O Escritório de Processos Estratégia Adotada Operacionalização do Escritório de Processos Cenário Atual Próximos Desafios

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

Como entendemos a Gestão por Processos?

Como entendemos a Gestão por Processos? RIO DE JANEIRO SÃO PAULO BRASÍLIA BELO HORIZONTE Como entendemos a Gestão por Processos? Mobilizando pessoas para promover melhorias e inovações a partir de processos André Macieira & Leandro Jesus Alguns

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos.

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. 28 de Novembro de 2003 Dados do Projeto Colaboradores: Bancos ABN Amro Real Banco Ficsa Banco Itaú Banco Nossa Caixa Bradesco Caixa Econômica Federal HSBC Febraban

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento MBA em Sistemas de Informação CobiT Conteúdo 1. Sumário Executivo 2. Estrutura 3. Objetivos de Controle 4. Diretrizes de Gerenciamento 5. Modelo de Maturidade 6. Guia de Certificação de TI 7. Implementação

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

MBA: Master in Project Management

MBA: Master in Project Management Desde 1968 MBA: Master in Project Management Projetos e Tecnologia da Informação FMU Professor: Marcos A.Cabral Projetos e Tecnologia da Informação Professor Marcos A. Cabral 2 Conceito É um conjunto de

Leia mais

Competências Fundamentais do Profissional de Comunicação Corporativa. Comitê de Comunicação Corporativa Março 2005

Competências Fundamentais do Profissional de Comunicação Corporativa. Comitê de Comunicação Corporativa Março 2005 Competências Fundamentais do Profissional de Comunicação Corporativa Comitê de Comunicação Corporativa Março 2005 Objetivo Pesquisa Definir competências mais importantes que o mercado identifica como essenciais

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília AVALIAÇÃO DA ADOÇÃO DE BPM NO BRASIL: ERROS, APRENDIZADOS E BOAS PRÁTICAS Leandro Jesus INVESTIR EM PROCESSOS:

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

24/09/2013. COBIT5: Novas perspectivas e desafios para a Auditoria Interna

24/09/2013. COBIT5: Novas perspectivas e desafios para a Auditoria Interna 24/09/2013 COBIT5: Novas perspectivas e desafios para a Auditoria Interna Luiz Claudio Diogo Reis, MTech, CISA, CRISC, COBIT (F), MCSO Luiz.reis@caixa.gov.br Auditor Sênior Caixa Econômica Federal Currículo

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Gestão de Risco Operacional

Gestão de Risco Operacional Gestão de Risco Operacional Fundação Getulio Vargas Escola de Administração de Empresas de São Paulo 09 Setembro 2014 Luiz Carlos Di Serio Luciel H. de Oliveira RISCOS OPERACIONAIS DEFINIÇÃO Ameaça de

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Gestão Estratégica da Informação

Gestão Estratégica da Informação Valorizando o Rio de Janeiro Gestão Estratégica da Informação Visão e Aplicações Palestrante: Prof.: Marcelo Almeida Magalhães "Many of us underestimated just how fast business process modeling would become

Leia mais

Estrutura da Gestão de Risco Operacional

Estrutura da Gestão de Risco Operacional Conceito No Brasil a Resolução n.º 3380, emitida pelo BACEN em 29 de junho de 2006, seguindo as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, definiu como: A possibilidade de ocorrência de

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS. Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho

GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS. Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho AGENDA A FUNCEF INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS FUNDAÇÃO 1ºde Agosto de 1977 34 anos PATROCINADO RAS Missão COLEGIADOS CAIXA ECONÔMICA

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

I n tr oduçã o a G es tã o da Qua lida de. E n gen h a r ia

I n tr oduçã o a G es tã o da Qua lida de. E n gen h a r ia I n tr oduçã o a G es tã o da Qua lida de E n gen h a r ia P r ofes s or Bacharel em Administração de Empresas com Ênfase em Gestão da Informação; MBA em Gestão da Qualidade e Produtividade; 20 anos de

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas

Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas Dario Fonseca Junior TITULAÇÃO MBA Controladoria, Auditoria e Tributos pela Fundação Getúlio Vargas MBA Gestão Empresarial

Leia mais

7/10/2008. Gestão Do Negócio. Auditoria do. Negócio. Gestão Do. Negócio. risk management is good management: Make the unknow known if Relevant

7/10/2008. Gestão Do Negócio. Auditoria do. Negócio. Gestão Do. Negócio. risk management is good management: Make the unknow known if Relevant 5º Passo: Reinvenção do Papel da Auditoria: Visão Prática Foco da Gestão de Riscos Gestão Do Negócio Auditoria do Negócio Gestão Do Negócio risk management is good management: Make the unknow known if

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Como as Boas Práticas de Gestão de Serviços de TI podem ajudar na avaliação de Compliance em Organizações não TI

Como as Boas Práticas de Gestão de Serviços de TI podem ajudar na avaliação de Compliance em Organizações não TI Como as Boas Práticas de Gestão de Serviços de TI podem ajudar na avaliação de Compliance em Organizações não TI Luciano Johnson, CISM, CRISC luciano@iso27000.com.br 9º Encontro do Agenda Conformidade

Leia mais

T e c n o l o g i a g e r a n d o v a l o r p a r a s e u n e g ó c i o w w w. s o f t c a s e n e t. c o m. b r ERP CASE

T e c n o l o g i a g e r a n d o v a l o r p a r a s e u n e g ó c i o w w w. s o f t c a s e n e t. c o m. b r ERP CASE T e c n o l o g i a g e r a n d o v a l o r p a r a s e u n e g ó c i o w w w. s o f t c a s e n e t. c o m. b r ERP CASE ERP CASE UM SISTEMA SEGURO UMA FERRA MENTA INDIS PENSAVEL Cada unidade tem suas

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

-Dominios do Exame CCSA

-Dominios do Exame CCSA -Dominios do Exame CCSA Os tópicos do exame de CCSA são divididos em seis Domínios 1 : I - Fundamentos de CSA (5-10%) II - Integração do Programa de CSA (15-25%) III - Elementos do Processo de CSA (15-25%)

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DOS CONVENENTES NO SICONV. Luiz Lustosa Vieira, Dr. Ministério do Planejamento

AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DOS CONVENENTES NO SICONV. Luiz Lustosa Vieira, Dr. Ministério do Planejamento AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DOS CONVENENTES NO SICONV Luiz Lustosa Vieira, Dr Ministério do Planejamento O Ministério do Planejamento visando facilitar o acesso aos recursos disponibilizados pelo Orçamento

Leia mais

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional Gerenciamento do Risco Operacional Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2010 Compliance 001 Dezembro/2011 Compliance 002 Dezembro/2012 Compliance 003 Agosto/2014 Compliance 004 Revisão do documento

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO P-32 /2014 Área Responsável: Auditoria Interna OBJETIVO: Descrever a metodologia do FUNBIO à gestão de riscos, documentar os papéis e responsabilidades da

Leia mais

Governança de TI UNICAMP 13/10/2014. Edson Roberto Gaseta

Governança de TI UNICAMP 13/10/2014. Edson Roberto Gaseta Governança de TI UNICAMP 13/10/2014 Edson Roberto Gaseta Fundação CPqD Instituição brasileira focada em inovação Experiência em projetos de TI e de negócios Desenvolvimento de tecnologia nacional Modelo

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

CONTRATO Nº 229/ 2014

CONTRATO Nº 229/ 2014 CONTRATO Nº 229/ 2014 Prestação de Serviços de Consultoria especializada em gestão na área de planejamento estratégico e mapeamento de processos. Que fazem entre si de um lado a Prefeitura Municipal de

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

CIO;Executivo de N 5 Identificar as dependências críticas e o desempenho atual 1 dia? Qua 01/09/10 Qua 01/09/10

CIO;Executivo de N 5 Identificar as dependências críticas e o desempenho atual 1 dia? Qua 01/09/10 Qua 01/09/10 Id Nome da tarefa Duração Início Término Predecessoras Qua, 01/Set Qui, 02/Set 18 0 6 12 18 0 6 12 1 Projeto de Implantacão da Governanca de TI com CobiT (Nível 3) 3 dias? Qua 01/09/10 Sex 03/09/10 2 PO

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

O Módulo Risk Manager fornece workflow para tratamento dos riscos identificados nas avaliações e priorização das ações.

O Módulo Risk Manager fornece workflow para tratamento dos riscos identificados nas avaliações e priorização das ações. GRC - Governança, Riscos e Compliance já é uma realidade nas organizações. Sua adoção, no entanto, implica no desenvolvimento e na manutenção de um framework que viabilize a integração e colaboração entre

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

SAP Day Online Especial Coca-Cola. Agosto, 2012

SAP Day Online Especial Coca-Cola. Agosto, 2012 SAP Day Online Especial Coca-Cola Agosto, 2012 SAP & Coca-Cola Estratégia de educação e aprendizagem corporativa Daniel Leite e Rafaela Reis Educação A continuidade do desenvolvimento do aprendizado é

Leia mais

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES LEITURAS URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES [Carlos José Lopes Balsas (1999), Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia, ISBN: 972-8170-55-6]

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV Certificação ISO/IEC 27001 SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação A Experiência da DATAPREV DATAPREV Quem somos? Empresa pública vinculada ao Ministério da Previdência Social, com personalidade

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC {aula #1} com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11) 9962-4260 http://rildosan.blogspot.com/

Leia mais

AUDITORIA DE PROCESSOS BASEADA EM RISCOS. Diorgens Miguel Meira

AUDITORIA DE PROCESSOS BASEADA EM RISCOS. Diorgens Miguel Meira AUDITORIA DE PROCESSOS BASEADA EM RISCOS Diorgens Miguel Meira AGENDA 1 2 3 4 5 O BANCO DO NORDESTE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO BNB AUDITORIA NO BANCO DO NORDESTE SELEÇÃO DE PROCESSOS CRÍTICOS AUDITORIA

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Liquidez

Gerenciamento de Riscos Risco de Liquidez Gerenciamento de Riscos Risco de Liquidez 5. Risco de Liquidez O Risco de Liquidez assume duas formas distintas, porém intimamente relacionadas: risco de liquidez de ativos ou de mercado e risco de liquidez

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública. Cadeia de valor. Quando? Como? Porque?

1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública. Cadeia de valor. Quando? Como? Porque? 1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública Cadeia de valor Quando? Como? Porque? ABPMP Novembro-2012 1 QUANDO CONSTRUIR UMA CADEIA DE VALOR? - Gestão de processos - Gestão de

Leia mais

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 1 O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 2 INTRODUÇÃO O FATOR HUMANO E OS FATORES QUE IMPACTAM PROCESSOS EM PROJETOS DE TI Mudança de paradigma: humano é o ponto central fator humano Processos Normas Normas

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Governança Corporativa Gestão de Riscos

Governança Corporativa Gestão de Riscos Governança Corporativa Gestão de Riscos Introdução As constantes mudanças no âmbito global têm fomentado a necessidade do aprimoramento dos controles executados pelas organizações e do ambiente de riscos,

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais