Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I"

Transcrição

1 Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I numerosos sinónimos. Objectivos: A ampelografia é a disciplina da botânica e da agronomia que estuda, identifica e classifica as variedades, em geral denominadas castas de videira com base na descrição morfométrica das características dos vários órgãos da planta. As características observadas incluem tradicionalmente a forma e coloração das folhas e dos cachos e bagos de uva e a morfologia das estruturas apicais dos rebentos da videira. Cada região e cada país deram nomes diferentes a cepas procedentes da mesma origem varietal. Existem, portanto, Pretende-se com este workshop que os participantes adquiram os conhecimentos para conhecer e identificar e explicar aos enoturistas as castas com mais expressão na Região dos Vinhos Verdes. Saibam identificar e explicar as castas presentes num vinho e as características que cada casta confere ao vinho. Conteúdos programáticos: Tema 1- Componente teórica Enquadramento na Região Demarcada dos Vinhos Verdes Encepamento (castas cultivadas) Fenologia e zonagem Relações de sinonímia da RVV; Caracterização Ampelográfica (Abrolhamento / Ramo Jovem / Inflorescência) Tema 2 Componente prática Identificação das diferentes castas estudadas no campo ampelográfico da EVAG Tema 3 Componente prática Identificação de diferentes castas através da prova de Vinhos Verdes, em prova cega Data: 13 de Junho de 2012 Horário: 10h00 às 17h30 Local: EVAG Arcos de Valdevez

2 Workshop formativo: Redução de custos ambientais: Gestão eficiente de água, energia e resíduos no alojamento turístico destino. Segundo a Organização Mundial de Turismo das Nações Unidas, o Turismo Sustentável deve: Fazer um uso óptimo dos recursos naturais que constituem um elemento chave no desenvolvimento do Turismo, de forma a manter os processos ecológicos cruciais e a ajudar na conservação da herança natural e da biodiversidade Ser ambientalmente responsável é também um meio de reduzir custos financeiros de exploração e conseguir chegar a um segmento de mercado que faz as suas opções em função das preocupações ambientais do Objectivos: Pretende-se com este workshop sensibilizar os agentes económicos da importância de promover a eco-eficiência no seu empreendimento, fornecendo-lhe ferramentas práticas de redução dos impactos ambientais da sua actividade, reduzindo também os custos financeiros, assim como a utilização destas medidas na sua estratégia de marketing. Conteúdos programáticos: Gestão Ambiental; Envolvimento dos colaboradores; Informação aos Clientes; Redução da utilização de Água; Higiene e Limpezas mais ecológicas Alimentação e bebidas Redução e reaproveitamento de Resíduos Redução da utilização de Energia fóssil Boas práticas no Ambiente exterior, parques e áreas ajardinadas; Certificação Green Key, galardão de reconhecimento de Boas Práticas Ambientais em alojamento turístico A eco-eficiência numa estratégia de marketing Data: 18 de Junho de 2012 Horário: 10h00 às 18h00 Local: Ponte de Lima

3 Workshop formativo : Valorização enoturistica da envolvente ambiental e paisagística das Quintas Uma quinta não vende só um vinho; o vinho deve ter alma, e a alma é única. Para entender a alma, deve-se compreender não só os factores físicos mas também a envolvente natural e humana onde este vinho foi produzido. Se o visitante converte a prova de vinho numa experiência sensorial e de conhecimento, através da qual percebe a história, a cultura e a paisagem do dito vinho, trata-se de uma experiência completa e inesquecível. Então, a quinta foi capaz de transmitir uma história que ficará na mente do visitante e que será transmitida por todos, de pessoa a pessoa, de boca a boca, de chamada em chamada, de twiter em twitter, de em emial, de facebook em facebook.. Objectivos: Pretende-se com este workshop que os proprietários das Quintas com serviço de enoturismo adquiram conhecimentos que lhes permitam tirar maior partido das características da própria quinta, com fins turísticos, diferenciando assim a sua oferta dos demais e tornando a experiência de enoturismo memorável. Conteúdo Programático: TEMA 1. A paisagem vitivinícola, base do património 1.1. As paisagens vitivinícolas. Tipos e exemplos principais Elementos de ordenamento da paisagem vitivinícola Técnicas de integração paisagística de edifícios, instalações e espaço agrário Os jardins das Quintas como elementos chave Exemplos práticos de integração paisagística O que se tem de fazer TEMA 2. Inventariação da flora e da fauna das Vinhas e das áreas envolventes 2.1. A importância da vinha para a biodiversidade 2.2. A importância das quintas, os edifícios e os jardins associados para a biodiversidade Técnicas de inventariação 2.4. A biodiversidade como indicador da qualidade do território A fauna útil 2.6. Como valorizar a biodiversidade. Exemplos Aproveitamento do turismo de natureza, especificamente o turismo ornitológico Atracção de elementos de biodiversidade atractivos (aves, borboletas, flora de interesse). Melhoria da aptidão da propriedade, da quinta e dos jardins para a biodiversidade Elementos de flora e fauna e aproveitamento para nome de marca e história do vinho. TEMA 3. Inventariação do património cultural, etnográfico e construído das quintas e adegas 3.1 Tipologias de património cultural existente no território vitivinícola 3.2. Tipologias de património cultural existente no interior das quintas e adegas 3.3. Técnicas de inventariação

4 3.4. Exemplos de valorização 3.5. Preservação e conservação do património preexistente TEMA 4. Interpretação e sinalização dos valores patrimoniais e naturais 4.1 Conceito de interpretação do património 4.2. A sinalética interpretativa: critérios básicos 4.3. Tipologia de materiais e desenhos de sinalética 4.4. Criação de itinerários dentro da propriedade 4.5. Exemplos práticos TEMA 5. Inclusão do património da quinta nos programas de enoturismo para diferentes segmentos de mercado enoturístico 5.1. Diferentes tipos de turismo com interesse para quintas (de natureza, ornitológico,pedestre, hípico, BTT, cultural, gastronómico) 5.2. Técnicas e exemplos de relação TEMA 6. Valorização do património como factor de atractividade e diferenciação da quinta 6.1. Conceito de valor cultural associado 6.2. Técnicas de valorização do património 6.3. O carácter diferencial do património: a história, as pessoas, a paisagem, o edifício, as vinhas e o entorno natural 6.3. A comunicação 3.0 para a difusão de carácter diferencial da quinta Data: 19 e 20 de Junho de 2012 Horário: 10h00 às 17h30 Carga Horária: 12 horas Local: Esposende Workshop formativo : Viticultura Sustentável Objectivos: Sensibilizar e dar ferramentas aos produtores de Vinho Verde para reduzirem os impactos ambientais durante o processo de produção da uva, reduzindo também custos financeiros sem diminuir a qualidade do produto final. Enfoque global nos sistemas de produção da uva associado à rentabilidade económica e á obtenção de produtos de qualidade. Conteúdos Programáticos: manter e favorecer as propriedades e produtividade do solo Minimizar a contaminação : solo, àgua, ar e uvas Manter a biodiversidade das vinhas e da envolvente Privilegiar mecanismos de regulação natural de pragas e doenças Assegurar a saúde e segurança dos viticultores

5 Redução de utilização de pesticidas e outros fitossanitários através de soluções agronómicas alternativas Utilização eficiente da água Redução e reutilização de resíduos Apresentação de casos de sucesso neste âmbito Carga Horária : 6 horas Data: 27 de Junho de 2012 Horário: 10h00 às 18h00 Local: Braga Workshop formativo: Redução de custos ambientais: Gestão eficiente de água, energia e resíduos em Quintas e Adegas gastos médios das entidades. Este workshop tem entidades para a redução dos custos como objectivo sensibilizar as diferentes ambientais, fomentar uma melhor gestão da água, energia, resíduos. Para além da promoção ambiental tenta-se também fomentar uma maior rentabilização dos recursos de forma a reduzir também custos económicos das entidades. No workshop serão apresentadas soluções para um uso mais eficiente e redução de custos, depois de um estudo prévio de Utilização Eficiente da Água nas Quintas e Adegas e demonstração de soluções ecoeficientes aplicadas; Utilização Eficiente da Energia nas Quintas e Adegas e demonstração de soluções ecoeficientes aplicadas; Gestão Eficiente de Resíduos nas Quintas e Adegas e demonstração de soluções ecoeficientes aplicadas; Apresentação de casos de estudo e casos de sucesso Redução da pegada carbónica do Vinho Utilização dos compromissos ambientais na estratégia de marketing da empresa e promoção dos vinhos e do enoturismo Carga Horária : 12 horas Data: 5 e 6 de Julho de 2012 Horário: 10h00 às 18h00 Local: Famalicão Inscrições em

6 Estes workshops inserem-se na acção de Qualificação dos Aderentes da Rota dos Vinhos Verdes, do Projecto ENOTURISMO MINHO IN, Co-financiado pelo Programa Operacional do Norte. MAIS INFORMAÇÃO E INSCRIÇÕES: Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes / Rota dos Vinhos Verdes Rua da Restauração, Porto Portugal Tel FAX

7 Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I numerosos sinónimos. Objectivos: A ampelografia é a disciplina da botânica e da agronomia que estuda, identifica e classifica as variedades, em geral denominadas castas de videira com base na descrição morfométrica das características dos vários órgãos da planta. As características observadas incluem tradicionalmente a forma e coloração das folhas e dos cachos e bagos de uva e a morfologia das estruturas apicais dos rebentos da videira. Cada região e cada país deram nomes diferentes a cepas procedentes da mesma origem varietal. Existem, portanto, Pretende-se com este workshop que os participantes adquiram os conhecimentos para conhecer e identificar e explicar aos enoturistas as castas com mais expressão na Região dos Vinhos Verdes. Saibam identificar e explicar as castas presentes num vinho e as características que cada casta confere ao vinho. Conteúdos programáticos: Tema 1- Componente teórica Enquadramento na Região Demarcada dos Vinhos Verdes Encepamento (castas cultivadas) Fenologia e zonagem Relações de sinonímia da RVV; Caracterização Ampelográfica (Abrolhamento / Ramo Jovem / Inflorescência) Tema 2 Componente prática Identificação das diferentes castas estudadas no campo ampelográfico da EVAG Tema 3 Componente prática Identificação de diferentes castas através da prova de Vinhos Verdes, em prova cega Data: 13 de Junho de 2012 Horário: 10h00 às 17h30 Local: EVAG Arcos de Valdevez

8 Workshop formativo: Redução de custos ambientais: Gestão eficiente de água, energia e resíduos no alojamento turístico destino. Segundo a Organização Mundial de Turismo das Nações Unidas, o Turismo Sustentável deve: Fazer um uso óptimo dos recursos naturais que constituem um elemento chave no desenvolvimento do Turismo, de forma a manter os processos ecológicos cruciais e a ajudar na conservação da herança natural e da biodiversidade Ser ambientalmente responsável é também um meio de reduzir custos financeiros de exploração e conseguir chegar a um segmento de mercado que faz as suas opções em função das preocupações ambientais do Objectivos: Pretende-se com este workshop sensibilizar os agentes económicos da importância de promover a eco-eficiência no seu empreendimento, fornecendo-lhe ferramentas práticas de redução dos impactos ambientais da sua actividade, reduzindo também os custos financeiros, assim como a utilização destas medidas na sua estratégia de marketing. Conteúdos programáticos: Gestão Ambiental; Envolvimento dos colaboradores; Informação aos Clientes; Redução da utilização de Água; Higiene e Limpezas mais ecológicas Alimentação e bebidas Redução e reaproveitamento de Resíduos Redução da utilização de Energia fóssil Boas práticas no Ambiente exterior, parques e áreas ajardinadas; Certificação Green Key, galardão de reconhecimento de Boas Práticas Ambientais em alojamento turístico A eco-eficiência numa estratégia de marketing Data: 18 de Junho de 2012 Horário: 10h00 às 18h00 Local: Ponte de Lima

9 Workshop formativo : Valorização enoturistica da envolvente ambiental e paisagística das Quintas Uma quinta não vende só um vinho; o vinho deve ter alma, e a alma é única. Para entender a alma, deve-se compreender não só os factores físicos mas também a envolvente natural e humana onde este vinho foi produzido. Se o visitante converte a prova de vinho numa experiência sensorial e de conhecimento, através da qual percebe a história, a cultura e a paisagem do dito vinho, trata-se de uma experiência completa e inesquecível. Então, a quinta foi capaz de transmitir uma história que ficará na mente do visitante e que será transmitida por todos, de pessoa a pessoa, de boca a boca, de chamada em chamada, de twiter em twitter, de em emial, de facebook em facebook.. Objectivos: Pretende-se com este workshop que os proprietários das Quintas com serviço de enoturismo adquiram conhecimentos que lhes permitam tirar maior partido das características da própria quinta, com fins turísticos, diferenciando assim a sua oferta dos demais e tornando a experiência de enoturismo memorável. Conteúdo Programático: TEMA 1. A paisagem vitivinícola, base do património 1.1. As paisagens vitivinícolas. Tipos e exemplos principais Elementos de ordenamento da paisagem vitivinícola Técnicas de integração paisagística de edifícios, instalações e espaço agrário Os jardins das Quintas como elementos chave Exemplos práticos de integração paisagística O que se tem de fazer TEMA 2. Inventariação da flora e da fauna das Vinhas e das áreas envolventes 2.1. A importância da vinha para a biodiversidade 2.2. A importância das quintas, os edifícios e os jardins associados para a biodiversidade Técnicas de inventariação 2.4. A biodiversidade como indicador da qualidade do território A fauna útil 2.6. Como valorizar a biodiversidade. Exemplos Aproveitamento do turismo de natureza, especificamente o turismo ornitológico Atracção de elementos de biodiversidade atractivos (aves, borboletas, flora de interesse). Melhoria da aptidão da propriedade, da quinta e dos jardins para a biodiversidade Elementos de flora e fauna e aproveitamento para nome de marca e história do vinho. TEMA 3. Inventariação do património cultural, etnográfico e construído das quintas e adegas 3.1 Tipologias de património cultural existente no território vitivinícola 3.2. Tipologias de património cultural existente no interior das quintas e adegas 3.3. Técnicas de inventariação

10 3.4. Exemplos de valorização 3.5. Preservação e conservação do património preexistente TEMA 4. Interpretação e sinalização dos valores patrimoniais e naturais 4.1 Conceito de interpretação do património 4.2. A sinalética interpretativa: critérios básicos 4.3. Tipologia de materiais e desenhos de sinalética 4.4. Criação de itinerários dentro da propriedade 4.5. Exemplos práticos TEMA 5. Inclusão do património da quinta nos programas de enoturismo para diferentes segmentos de mercado enoturístico 5.1. Diferentes tipos de turismo com interesse para quintas (de natureza, ornitológico,pedestre, hípico, BTT, cultural, gastronómico) 5.2. Técnicas e exemplos de relação TEMA 6. Valorização do património como factor de atractividade e diferenciação da quinta 6.1. Conceito de valor cultural associado 6.2. Técnicas de valorização do património 6.3. O carácter diferencial do património: a história, as pessoas, a paisagem, o edifício, as vinhas e o entorno natural 6.3. A comunicação 3.0 para a difusão de carácter diferencial da quinta Data: 19 e 20 de Junho de 2012 Horário: 10h00 às 17h30 Carga Horária: 12 horas Local: Esposende Workshop formativo : Viticultura Sustentável Objectivos: Sensibilizar e dar ferramentas aos produtores de Vinho Verde para reduzirem os impactos ambientais durante o processo de produção da uva, reduzindo também custos financeiros sem diminuir a qualidade do produto final. Enfoque global nos sistemas de produção da uva associado à rentabilidade económica e á obtenção de produtos de qualidade. Conteúdos Programáticos: manter e favorecer as propriedades e produtividade do solo Minimizar a contaminação : solo, àgua, ar e uvas Manter a biodiversidade das vinhas e da envolvente Privilegiar mecanismos de regulação natural de pragas e doenças Assegurar a saúde e segurança dos viticultores

11 Redução de utilização de pesticidas e outros fitossanitários através de soluções agronómicas alternativas Utilização eficiente da água Redução e reutilização de resíduos Apresentação de casos de sucesso neste âmbito Carga Horária : 6 horas Data: 27 de Junho de 2012 Horário: 10h00 às 18h00 Local: Braga Workshop formativo: Redução de custos ambientais: Gestão eficiente de água, energia e resíduos em Quintas e Adegas gastos médios das entidades. Este workshop tem entidades para a redução dos custos como objectivo sensibilizar as diferentes ambientais, fomentar uma melhor gestão da água, energia, resíduos. Para além da promoção ambiental tenta-se também fomentar uma maior rentabilização dos recursos de forma a reduzir também custos económicos das entidades. No workshop serão apresentadas soluções para um uso mais eficiente e redução de custos, depois de um estudo prévio de Utilização Eficiente da Água nas Quintas e Adegas e demonstração de soluções ecoeficientes aplicadas; Utilização Eficiente da Energia nas Quintas e Adegas e demonstração de soluções ecoeficientes aplicadas; Gestão Eficiente de Resíduos nas Quintas e Adegas e demonstração de soluções ecoeficientes aplicadas; Apresentação de casos de estudo e casos de sucesso Redução da pegada carbónica do Vinho Utilização dos compromissos ambientais na estratégia de marketing da empresa e promoção dos vinhos e do enoturismo Carga Horária : 12 horas Data: 5 e 6 de Julho de 2012 Horário: 10h00 às 18h00 Local: Famalicão Inscrições em

12 Estes workshops inserem-se na acção de Qualificação dos Aderentes da Rota dos Vinhos Verdes, do Projecto ENOTURISMO MINHO IN, Co-financiado pelo Programa Operacional do Norte. MAIS INFORMAÇÃO E INSCRIÇÕES: Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes / Rota dos Vinhos Verdes Rua da Restauração, Porto Portugal Tel FAX

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 O PATRIMÓNIO NATURAL E O DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DO ALGARVE Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 1. PENT - estratégia para o desenvolvimento do Turismo em Portugal RCM 53/2007, de 04 de Abril

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Rota dos Vinhos Verdes - Enoturismo MINHO IN

Rota dos Vinhos Verdes - Enoturismo MINHO IN WORKSHOP DE LANÇAMENTO DO PROJECTO MINHO IN 20 DE JULHO DE 2011 Sofia Lobo : slobo@vinhoverde.pt O CONCEITO ROTA DOS VINHOS VERDES O produto enoturístico Rota dos Vinhos Verdes consiste na integração de

Leia mais

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA A Inspira, uma joint-venture formalizada em 2006 entre o grupo Blandy, com sede na Madeira e larga experiência

Leia mais

Apresentação do Plano de Actividades Rota dos Vinhos Verdes 2013/2014 CVRVV, 10 de Janeiro de 2013. Sofia Lobo : slobo@vinhoverde.

Apresentação do Plano de Actividades Rota dos Vinhos Verdes 2013/2014 CVRVV, 10 de Janeiro de 2013. Sofia Lobo : slobo@vinhoverde. Apresentação do Plano de Actividades Rota dos Vinhos Verdes 2013/2014 CVRVV, 10 de Janeiro de 2013 Sofia Lobo : slobo@vinhoverde.pt O que é o ENOTURISMO? Enoturismo é composto por deslocações realizadas

Leia mais

de Competitividade e Excelência

de Competitividade e Excelência O Ambiente como Factor Estratégico de Competitividade e Excelência Introdução O Turismo é uma ferramenta de crescimento da economia da Região. A economia é apenas um dos três pilares que o Turismo sustenta.

Leia mais

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES Ferramentas para a Sustentabilidade do Turismo Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural Castro Verde, 7 Março 2012 Teresa Bártolo 2012 Sustentare Todos os direitos reservados www.sustentare.pt 2 Turismo

Leia mais

Da produção ao consumidor

Da produção ao consumidor Da produção ao consumidor 1 Da produção ao consumidor O Esporão concluiu que o seu modo de produção não estava adequado à visão da empresa: fazer os melhores produtos que a terra proporciona, de forma

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação The importance of Information and Communication Technologies for the development of Portuguese Wine Routes 21st 23rd JUNE OPORTO Estrutura da Apresentação 2. Tecnologias de Informação e Comunicação no

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO MEMORANDO DE ENTENDIMENTO RELATIVO À CONTRIBUIÇÃO DA FINAGRA PARA O OBJECTIVO EUROPEU DE PARAR A PERDA DE BIODIVERSIDADE ATÉ 2010 Declaração de Compromisso A Herdade do Esporão (Reguengos de Monsaraz)

Leia mais

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Relatório de Estágio Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Rui Neves Lisboa, 21 de Junho de 2011 Índice Introdução... 3 Caracterização da Base de Dados... 4 Recolha e validação

Leia mais

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário Nota Explicativa O Estudo Prospectivo da Fileira Florestal" tem como objectivo iniciar um processo de caracterização na óptica da inovação e transferências de tecnologias de de uma visão de conjunto integrada

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO Planificação anual de: T.I.A.T. (Turismo - Informação e Animação Turística) Turma, L Professor: Jaime Murta 10.ºAno 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

Estratégia de Eficiência Colectiva PROVERE. Criação de uma Região de Excelência para o Ecoturismo no Interior do Algarve e Costa Vicentina

Estratégia de Eficiência Colectiva PROVERE. Criação de uma Região de Excelência para o Ecoturismo no Interior do Algarve e Costa Vicentina Estratégia de Eficiência Colectiva PROVERE Criação de uma Região de Excelência para o Ecoturismo no Interior do Algarve e Costa Vicentina Acerca do... Turismo de Natureza Ecoturismo, Turismo Ambiental,

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

Pré-Projeto de Educação Ambiental

Pré-Projeto de Educação Ambiental Pré-Projeto de Educação Ambiental Vamos Descobrir e Valorizar o Alvão Ano 2014/15 Centro de Informação e Interpretação Lugar do Barrio 4880-164 Mondim de Basto Telefone: 255 381 2009 ou 255 389 250 1 Descobrir

Leia mais

O ESTADO DA INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINICOLA DURIENSE

O ESTADO DA INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINICOLA DURIENSE ADVID Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense Cluster dos vinhos da Região do Douro 16 de NOVEMBRO DIA DA INOVAÇÃO, UTAD O QUE É INOVAÇÃO? *Uma inovação é a implementação de um produto

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO

III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO PIDDAR 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 111 III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO PIDDAR 2010 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 113 Quadro I Programação do Investimento por Programas

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

ESPAÇOS VERDES ECOJARDINAGEM TECNOLOGIAS DE ÁGUA

ESPAÇOS VERDES ECOJARDINAGEM TECNOLOGIAS DE ÁGUA ESPAÇOS VERDES ECOJARDINAGEM TECNOLOGIAS DE ÁGUA A SUBSTRATO e a ENGENHARIALÍQUIDA actuam nas áreas dos espaços verdes e tecnologias da água, numa perspectiva de eficiência e de conservação da natureza.

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS PREOCUPAÇÕES EM OBRA

GESTÃO DE RESÍDUOS PREOCUPAÇÕES EM OBRA GESTÃO DE RESÍDUOS PREOCUPAÇÕES EM OBRA Os resíduos de construção e demolição, quer devido à sua perigosidade, quer devido às quantidades produzidas, é considerado um fluxo de resíduos prioritário a nível

Leia mais

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul 1. Identificação do Recurso Endógeno e do Território Alvo PROVERE Beira Baixa: Terras de Excelência : Conjugar a valorização do território, dos produtos

Leia mais

Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16. Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar

Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16. Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ Semestre 15-16 Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar Animação Turística Inglês para Animação I Língua Estrangeira I (Espanhol I / Alemão

Leia mais

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Estratégia para um Desenvolvimento Sustentável para a Cidade de Águeda Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Águeda, 27/04/2011 V.M. Ferreira O projecto: Este projecto visou reflectir

Leia mais

A dinamização de uma rota de vinhos como polo de atração turística na Beira Interior. Novembro, 2011

A dinamização de uma rota de vinhos como polo de atração turística na Beira Interior. Novembro, 2011 A dinamização de uma rota de vinhos como polo de atração turística na Beira Interior Novembro, 2011 1 Rota Turística (características) 1. Engloba um leque variado de atividades e atrações sob um tema unificador

Leia mais

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL Medida 3.1 - Diversificação da economia e criação de emprego Objectivos : - Promover

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

Critérios de selecção

Critérios de selecção Emissor: GRATER Entrada em vigor: 01-06-2009 Associação de Desenvolvimento Regional Abordagem LEADER Critérios de selecção Os projectos serão pontuados através de fórmulas ponderadas e terão de atingir

Leia mais

Manual da Marca Priolo

Manual da Marca Priolo 2015 Manual da Marca Priolo Carta Europeia de Turismo Sustentável Terras do Priolo ÍNDICE RESUMO 01 1. NOTA INTRODUTÓRIA 02 1.1 Justificação da necessidade de criação da Marca Priolo 02 2. PROCEDIMENTO

Leia mais

Alterações Climáticas. Formação e Sensibilização sobre Energia e Alterações Climáticas 03-07-2009

Alterações Climáticas. Formação e Sensibilização sobre Energia e Alterações Climáticas 03-07-2009 Formação e Sensibilização sobre Energia e Alterações Climáticas 5º Encontro Nacional da RENAE Portalegre 1 de Julho de 2009 Alterações Climáticas 1 Responsabilidade Social Pensar Soluções e Executá-las!

Leia mais

www.fiveleafsystem.com APRESENTAÇÃO DO PROJECTO 2013 2014

www.fiveleafsystem.com APRESENTAÇÃO DO PROJECTO 2013 2014 www.fiveleafsystem.com APRESENTAÇÃO DO PROJECTO 2013 2014 O QUE É O FIVE-LEAF SYSTEM O Five-Leaf System é um sistema dinâmico de avaliação da performance ecológica do sector turístico, que em cinco níveis

Leia mais

HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 10

HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 10 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 10 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 11 Refúgios na natureza O clima ameno que se faz sentir durante todo o ano em Portugal convida-nos a desfrutar em pleno dos bons momentos

Leia mais

Vinha, Vinho e Turismo na Região do Douro

Vinha, Vinho e Turismo na Região do Douro Vinha, Vinho e Turismo na Região do Douro Rosa Amador REGIÃO DO DOURO Vinha domina a paisagem REGIÃO DO DOURO REGIÃO DO DOURO REGIÃO DO DOURO Solo feito de xisto REGIÃO DO DOURO REGIÃO DO DOURO Quinta

Leia mais

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana www.vinhosdoalentejo.pt Copyright fotos e textos: Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Reprodução

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana www.vinhosdoalentejo.pt Copyright fotos e textos: Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Reprodução Comissão Vitivinícola Regional Alentejana www.vinhosdoalentejo.pt Copyright fotos e textos: Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Reprodução interdita CVRA COMISSÃO VITIVINÍCOLA REGIONAL ALENTEJANA

Leia mais

Tema II: Elaboração e Acompanhamento do Plano de Acção

Tema II: Elaboração e Acompanhamento do Plano de Acção GRUPO 2 Áreas Protegidas em processo de adesão à CETS Parques en proceso de adhesion a la CETS Tema II: Elaboração e Acompanhamento do Plano de Acção ELABORAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE ACÇÃO Exemplo

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Estudo de mercado sobre a atractividade das caves do Vinho do Porto. Pedro Quelhas Brito

Estudo de mercado sobre a atractividade das caves do Vinho do Porto. Pedro Quelhas Brito Estudo de mercado sobre a atractividade Estudo de mercado sobre a atractividade Objectivos: Qual o papel, importância e significado das Caves de Vinho do Porto na atractividade turística do Porto e do

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

Título Referencial de Formação na Área da Vitivinicultura. Edição DRAPN Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte.

Título Referencial de Formação na Área da Vitivinicultura. Edição DRAPN Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte. 2 3 Título Referencial de Formação na Área da Vitivinicultura. Edição DRAPN Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte. Rua da República, 133 5370-347 MIRANDELA Telefone: 278 260 900 Fax: 278 260

Leia mais

Critérios de classificação:

Critérios de classificação: É com enorme satisfação que informamos que foi atribuído pelo ICNF o reconhecimento da ArcosHouse como Empreendimento de Turismo de Natureza. Critérios de classificação: Critérios para Reconhecimento (nº

Leia mais

EEC PROVERE MINHO IN:

EEC PROVERE MINHO IN: EEC PROVERE MINHO IN: Enquadramento de projetos complementares Sessão de Divulgação Oportunidades de Financiamento de projetos complementares da EEC PROVERE MINHO IN 8 de Fevereiro de 2012 14h45 Villa

Leia mais

Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo

Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo www.pwc.pt Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo 16 Cláudia Coelho Diretora Sustainable Business Solutions da Turismo é um setor estratégico para a economia e sociedade nacional o que se reflete

Leia mais

2015 / 2017 ESTRATÉGIA, MERCADOS E OBJECTIVOS

2015 / 2017 ESTRATÉGIA, MERCADOS E OBJECTIVOS VINHOS DE PORTUGAL 2015 / 2017 ESTRATÉGIA, MERCADOS E OBJECTIVOS HOTEL CURIA PALACE 26 de Novembro de 2014 1 VINHOS DE PORTUGAL O PAPEL DO TURISMO NA PROMOÇÃO DO VINHO PORTUGUÊS Licínio Cunha 2 DEUS CRIOU

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 042, DE 11 DE MAIO DE 2011 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 297ª Reunião Ordinária, realizada em 11 de maio de 2011, e considerando

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) 2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) Azucena de la Cruz Martin Gabinete CETS Terra do Priolo 01-01-2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Leia mais

XXII Jornadas Técnicas 2014

XXII Jornadas Técnicas 2014 XXII Jornadas Técnicas 2014 Apresentação das atividades da Academia do Vinho Verde para 2015 José Luís Reis Academia dos Vinho Verde 12 de Dezembro de 2014 A Academia do Vinho Verde promove a formação

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

FATORES POSITIVOS FATORES NEGATIVOS

FATORES POSITIVOS FATORES NEGATIVOS 1ª REUNIÃO DO FÓRUM PERMANENTE TURISMO SUSTENTÁVEL DO ALTO MINHO Identificação dos fatores positivos e negativos do território CETS do Alto Minho Grupo Temático Restauração Data: 29 de Julho de 2014 Hora:

Leia mais

I CONFERÊNCIA NACIONAL DE DIREITO DO TURISMO

I CONFERÊNCIA NACIONAL DE DIREITO DO TURISMO I CONFERÊNCIA NACIONAL DE DIREITO DO TURISMO Local: Auditório do Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz Organização: APDC Direito do Consumo Data: 09 de Fevereiro de 2006 pelas 16 horas Palestra:

Leia mais

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de Turismo de Natureza e Sustentabilidade QUEM SOMOS A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de 2007,

Leia mais

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA?

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA? INVENTARIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE AVIFAUNA DA RESERVA NATURAL LOCAL DO PAUL DE TORNADA - Quais os objetivos da tarefa? Manter, incrementar e divulgar os valores naturais da Reserva Natural Local do Paul de

Leia mais

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal O TURISMO CULTURAL HOJE 44 milhões de turistas procuram turismo cultural na Europa O património cultural aproxima civilizações e motiva a viagem A preservação

Leia mais

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Incentivos PRODER Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Abertura: A partir de 22 de Maio Objectivos: Melhorar condições vida, trabalho e produção dos agricultores

Leia mais

EUROPA, UM PATRIMÓNIO COMUM. Título: Solares de Portugal na Europa das Tradições

EUROPA, UM PATRIMÓNIO COMUM. Título: Solares de Portugal na Europa das Tradições EUROPA, UM PATRIMÓNIO COMUM Título: Solares de Portugal na Europa das Tradições Ponte de Lima, Janeiro de 2000 EUROPA, UM PATRIMÓNIO COMUM 1 - TÍTULO: Solares de Portugal na Europa das Tradições 2 AUTOR:

Leia mais

SEMINÁRIO FINAL VALOR GERÊS-XURÉS Turismo de Natureza: Balanço e Perspetivas 2014-2020. Melgaço, Porta de Lamas de Mouro 16 de dezembro de 2014

SEMINÁRIO FINAL VALOR GERÊS-XURÉS Turismo de Natureza: Balanço e Perspetivas 2014-2020. Melgaço, Porta de Lamas de Mouro 16 de dezembro de 2014 SEMINÁRIO FINAL VALOR GERÊS-XURÉS Turismo de Natureza: Balanço e Perspetivas 2014-2020 Melgaço, Porta de Lamas de Mouro 16 de dezembro de 2014 O TURISMO SUSTENTÁVEL Qual o caminho? A iniciativa CETS e

Leia mais

Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro;

Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro; Introdução A ideia de se elaborar um Plano Estratégico para a Bairrada, para valer até ao termo do período correspondente ao próximo período de programação comunitário (2013) surgiu há pouco mais de um

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 INOVAÇÃO PRODUTIVA SECTOR TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 ÍNDICE PÁGINA OBJECTO

Leia mais

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ Planejamento Boa Gestão Consciência Política Sustent bilidade Participação

Leia mais

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE Os Amigos do Cáster em parceria com a Câmara Municipal de Ovar criam o PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE, inserido no âmbito do Programa Integrado de

Leia mais

Comercialização e Inovação em Espaços Rurais e Naturais

Comercialização e Inovação em Espaços Rurais e Naturais Comercialização e Inovação em Espaços Rurais e Naturais Paulo Almeida Lopes Roteiros do Brasil 29.Maio.2010 O projecto Oficina da Natureza OBJECTIVOS DO PROJECTO Identificar e desenvolver novas práticas

Leia mais

Conhecer para estruturar e promover o sector do Turismo.

Conhecer para estruturar e promover o sector do Turismo. As Dinâmicas Regionais e os seus atores Conhecer para estruturar e promover o sector do Turismo. I.P.L. 26.10.2011 Praia do Osso da Baleia Trilhos de Interpretação da Natureza - Projecto Ecomatur I - Trilho

Leia mais

POR ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALENTEJO

POR ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALENTEJO POR ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALENTEJO ACÇÃO-TIPO: 2.3.1 ACÇÕES DE FORMAÇÃO NA ROTA DA QUALIFICAÇÃO VALORIZAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO SECTOR AGRO-ALIMENTAR E TURÍSTICO CURSO N..ºº 11 TTÉCNI

Leia mais

Norte de Portugal Uma Região - Quatro Destinos

Norte de Portugal Uma Região - Quatro Destinos Agenda Regional de Turismo Programa de Acção de Enfoque Temático Turismo de Saúde e Bem-Estar Índice: 1 - Enquadramento da Agenda Regional de Turismo 2 - Turismo de Saúde e Bem-Estar - e tipologia de acções

Leia mais

Projeto de Cooperação PRODER Um outro Algarve

Projeto de Cooperação PRODER Um outro Algarve Projeto de Cooperação PRODER Um outro Algarve As três Associações de Desenvolvimento Local do Algarve, no âmbito do PRODER, estão a cooperar para criar uma marca regional para o Turismo de Natureza, uma

Leia mais

O Enoturismo em Portugal Caracterização da oferta e da procura Apresentação de resultados

O Enoturismo em Portugal Caracterização da oferta e da procura Apresentação de resultados O Enoturismo em Portugal Caracterização da oferta e da procura Apresentação de resultados 26 de novembro 2014 Teresa Ferreira DPE/Departamento de Desenvolvimento e Inovação 1.Enquadramento 2. Caraterização

Leia mais

Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.

Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua. Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.pt Universidade de Aveiro, Portugal Avaliar os discursos sobre o

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário 1 Metras Curriculares Estratégias Tempo Avaliação TERRA UM PLANETA COM VIDA Sistema Terra: da

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Programa de Educação Ambiental

Programa de Educação Ambiental Programa de Educação Ambiental 2015 / 2016 Escolas Centro de Formação Ambiental SEDE - Lisboa 2 Horário de Funcionamento das Actividades 2ª feira a 6ª feira: 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30 4 horários:

Leia mais

Disciplina Objectivos Conteúdos Programáticos

Disciplina Objectivos Conteúdos Programáticos Disciplina Objectivos Conteúdos Programáticos Legislação para Operação Hoteleira Analisar o quadro legal aplicável no contexto da atividade turística e hoteleira. Caracterizar os organismos institucionais

Leia mais

Disciplina Objectivos Conteúdos Programáticos

Disciplina Objectivos Conteúdos Programáticos Disciplina Objectivos Conteúdos Programáticos Legislação para Operações Turísticas Análise do quadro legal aplicável no contexto da atividade das agências de viagens. Caracterização dos organismos Institucionais

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

Ecorkhotel Évora, Suites & SPA

Ecorkhotel Évora, Suites & SPA 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa O Ecorkhotel Évora, Suítes & SPA (Ecorkhotel) surge como uma unidade hoteleira com um conceito inovador e uma arquitetura e construção únicas a

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

CFC - (ACESSO A CEF TIPO 5 TÉCNICO DE INFORMÁTICA) Planificação anual de Empreendedorismo e Organização da Empresa

CFC - (ACESSO A CEF TIPO 5 TÉCNICO DE INFORMÁTICA) Planificação anual de Empreendedorismo e Organização da Empresa CFC - (ACESSO A CEF TIPO 5 TÉCNICO DE INFORMÁTICA) Planificação anual de Empreendedorismo e Organização da Empresa Turma Única Professora: Maria do Carmo Aboim Madeira 1 - Estrutura e finalidades da disciplina

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA Maria do Rosário Partidário, Sofia Antunes, Júlio de Jesus e Marta Garcia LOCALIZAÇÃO Localizado no Concelho

Leia mais

TURISMO CULTURAL produto estratégico para Portugal. Abrantes, 2011

TURISMO CULTURAL produto estratégico para Portugal. Abrantes, 2011 TURISMO CULTURAL produto estratégico para Portugal Abrantes, 2011 O TURISMO CULTURAL HOJE 44 milhões de turistas procuram turismo cultural na Europa O património cultural motiva a viagem e, por isso, aproxima

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Saída Profissional: Operador CAD Certificação ao nível do 9º Ano / Nível II Laboral Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma

Leia mais

Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão"

Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão Seminário Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão Alcácer do Sal Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão" Nélia Aires Eng.ª Florestal UNAC -União da Floresta Mediterrânica 18. 09. 2012 Índice

Leia mais

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um CARTA DA QUALIDADE DA HABITAÇÃO COOPERATIVA Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um instrumento de promoção, afirmação e divulgação, junto

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

DESAFIOS URBANOS 15. concurso. de arquitectura

DESAFIOS URBANOS 15. concurso. de arquitectura Espaço de Arquitectura O Espaço de Arquitectura é um portal dedicado à Arquitectura em Portugal, que assumiu o seu posicionamento em 2010, com o propósito de privilegiar a proximidade entre arquitectos

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

Parques Com Vida. Um Projecto com Marca

Parques Com Vida. Um Projecto com Marca Parques Com Vida Um Projecto com Marca II Jornadas da Rede Ibérica da Carta Europeia de Turismo Sustentável Gerês, 23 de Novembro de 2006 Parques Com Vida - lógica de intervenção Miguel Morais Enquadramento:

Leia mais

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013 INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Faro, 22 de maio de 2013 O Turismo na economia Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas Exportações Peso dos Mercados O Turismo e a Regeneração Urbana

Leia mais

LICENCIATURA EM ECOLOGIA E PAISAGISMO. Normas Regulamentares

LICENCIATURA EM ECOLOGIA E PAISAGISMO. Normas Regulamentares LICENCIATURA EM ECOLOGIA E PAISAGISMO Normas Regulamentares As presentes normas visam dar cumprimento ao artigo 14º do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março. Diversa informação relativa a matérias aqui

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais

A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP A SUSTENTABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO

A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP A SUSTENTABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP Rede de Parques Metropolitanos da Grande Área Metropolitana do Porto Rede de Parques Metropolitanos da Grande

Leia mais

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial O Turismo é a atividade mais promissora para a promoção do desenvolvimento sustentável Entretanto...o modelo adotado de Turismo no litoral brasileiro tem

Leia mais