Rota dos Vinhos Verdes - Enoturismo MINHO IN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rota dos Vinhos Verdes - Enoturismo MINHO IN"

Transcrição

1 WORKSHOP DE LANÇAMENTO DO PROJECTO MINHO IN 20 DE JULHO DE 2011 Sofia Lobo :

2 O CONCEITO ROTA DOS VINHOS VERDES O produto enoturístico Rota dos Vinhos Verdes consiste na integração de um mesmo conceito temático dos recursos e serviços turísticos de interesse, existentes, ou potenciais, da Região Demarcada dos Vinhos Verdes, sustentados na sua autenticidade, com o fim de construir um produto com a identidade própria do destino, que facilitará a comercialização conjunta de toda a região e garantirá o nível de satisfação dos turistas, impulsionando assim o desenvolvimento económico-socal integral da Região. A Rota dos Vinhos Verdes é uma marca registada, propriedade da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes

3 OS NOSSOS OBJECTIVOS PARA A ROTA DOS VINHOS VERDES

4 Quem pode ser aderente da Rota dos Vinhos Verdes? Quintas e Adegas produtoras e engarrafadoras de Vinhos Verdes Museus e Centros de Interpretação/Informação Unidades de Alojamento Turístico Restaurantes Bares de Vinho Enotecas e Garrafeiras Agências de Viagens de Incoming Empresas de Animação Turística Postos de Informação Turística Artesãos Proprietários e Gestores do Património Natural e Construído Municípios Serviços de transportes Outro tipo de aderentes que demonstrem a sua importância para o produto Rota dos Vinhos Verdes.

5 NOVO MODELO DE GESTÃO DA ROTA DOS VINHOS VERDES

6 Entidade Gestora da Rota dos Vinhos Verdes QUEM GERE A ROTA DOS VINHOS VERDES? A Rota de Vinhos, enquanto produto enoturístico é gerida por uma entidade com personalidade jurídica, sem fins lucrativos, com um âmbito de actuação não inferior ao da Região Demarcada da Rota, também designada como Ente Gestor. A Comissão de Viticultura da Região dos Verdes, proprietária da marca Rota dos Vinhos Verdes assume a gestão da Rota, com o apoio de um Conselho Consultivo.

7 Entidade Gestora da Rota dos Vinhos Verdes FINS E ATRIBUIÇÕES DO ENTE GESTOR Regular e promover a Rota dos Vinhos Verdes Zelar pelo nível de qualidade da Rota dos Vinhos Verdes e dos estabelecimentos e produtos incorporados na mesma. Desenvolver actividades, acções e projectos que contribuam para o desenvolvimento da Rota dos Vinhos Verdes Promover marcas e produtos, normas de auto-regulação e todos os instrumentos que favoreçam a imagem do turismo vitivinícola do território, a sua defesa perante terceiros e a promoção interna e externa do mesmo. Favorecer os processos de desenvolvimento mediante acções de formação, qualificação e informação adequados aos aderentes. Procurar e gerir financiamentos, ajudas, subvenções, linhas de créditos e todos os recursos possíveis para o desenvolvimento destes objectivos.

8 Entidade Gestora da Rota dos Vinhos Verdes ESTRUTURA E GOVERNAÇÃO DO ENTE GESTOR DA ROTA DOS VINHOS VERDES A Estrutura de Governação do Ente Gestor da Rota dos Vinhos Verdes será construída por um Conselho Executivo e por um Conselho Consultivo CONSELHO EXECUTIVO O Conselho Executivo é o órgão operacional responsável pela concepção e implementação da estratégia da rota, assumindo a governação e Gestão da Rota dos Vinhos Verdes. O Conselho Executivo é constituído pela Comissão Executiva da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes.

9 Entidade Gestora da Rota dos Vinhos Verdes ESTRUTURA E GOVERNAÇÃO DO ENTE GESTOR DA ROTA DOS VINHOS VERDES Compete ao Conselho Executivo: Definir a estratégia de desenvolvimento da Rota dos Vinhos Verdes Aprovar os planos de actividades e orçamentos anuais; Dirigir os serviços; Representar a Rota dos Vinhos Verdes perante pessoas, entidades ou actos em que seja requerida a sua presença; A orientação e supervisão dos serviços do departamento da Rota dos Vinhos Verdes.

10 Entidade Gestora da Rota dos Vinhos Verdes ESTRUTURA E GOVERNAÇÃO DO ENTE GESTOR DA ROTA DOS VINHOS VERDES CONSELHO CONSULTIVO O Conselho Consultivo da Rota dos Vinhos Verde será constituído pelos seguintes membros, independentemente de outros que, por iniciativa do Conselho Executivo, ou por sugestão de outro membro, se considere relevante a sua integração: 5 membros representantes dos municípios da Região 5 membros representantes das Quintas e Adegas Vitivinícolas 3 membros representantes das unidades de alojamento turístico 3 membros representantes dos estabelecimentos de restauração e bebidas 1 membro representante das Agências de Viagens 1 membro representante das Empresas de Animação Turística Os representantes de cada tipologia são eleitos pelos aderentes da respectiva tipologia/sector, por períodos de 3 anos.

11 Entidade Gestora da Rota dos Vinhos Verdes ESTRUTURA E GOVERNAÇÃO DO ENTE GESTOR DA ROTA DOS VINHOS VERDES DEPARTAMENTO TÉCNICO DA ROTA DOS VINHOS VERDES São Funções do Departamento da Rota dos Vinhos Verdes Ligação com as entidades parceiras Admissão e avaliação de aderente Inspecções regulares dos aderentes Formação para qualidade nos mais diversos domínios Divulgação de boas práticas Ligação com o meio envolvente Eventos Gestão e candidatura a projectos Promoção Comercialização da Rota

12 Entidade Gestora da Rota dos Vinhos Verdes ESTRUTURA E GOVERNAÇÃO DO ENTE GESTOR DA ROTA DOS VINHOS VERDES DEPARTAMENTO TÉCNICO DA ROTA DOS VINHOS VERDES Tratamento de dados dos visitantes, estatísticas detalhadas, refinamento de mercados-alvo, benchmarking Desenvolvimento de novos produtos Reservas para a Rota Informação turística

13 REQUISITOS DE ADESÃO À ROTA DOS VINHOS VERDES

14 REQUISITOS DE ADESÃO À ROTA DOS VINHOS VERDES Requisitos gerais: Encontrar-se dentro da Região Demarcada dos Vinhos Verdes ou no concelho do Porto Estar devidamente licenciado para as actividades que desenvolve Subscrever e Carta Europeia do Enoturismo Identificar-se com a filosofia da Rota dos Vinhos Verdes Os recursos humanos que lidam com os turistas terem conhecimento sobre a Rota dos Vinhos Verdes, o vinho verde e os aderentes Põe à disposição do turista, em lugar facilmente visível, o suporte de comunicação da Rota. Recolhe informação estatística com base num modelo comum e informa periodicamente o Ente Gestor, para o Observatório do Enoturismo da Rota do Vinho Verde. Incluir no seu site um link para o site da Rota dos Vinhos Verdes Incluir no material promocional a menção de que são aderentes da Rota dos Vinhos Verdes

15 REQUISITOS DE ADESÃO À ROTA DOS VINHOS VERDES QUINTAS E ADEGAS Possuir as seguintes infra-estruturas de acolhimento:.sala de recepção A sala poderá ter múltiplas funções conforme a sua dimensão e organização: acolhimento aos visitantes; ponto de partida para a visita;local de mostra de documentação ou outra podendo constituir um mini - museu; local de prova de vinho; local de mostra e venda de vinho e outros produtos devidamente autorizados Sala de prova A sala de prova pode tomar vários aspectos e ter todo o equipamento necessário: sala reservada exclusivamente à prova de vinho (tipo profissional); sala de prova integrada num espaço mais amplo; sala onde sejam cumpridas as condições de salubridade, que serão fiscalizadas pelo Ente Gestor. Sala de venda de vinho e outros produtos Serviços: Visitas guiadas Provas de vinho- Devem ser um dos grandes objectivos da visita

16 REQUISITOS DE ADESÃO À ROTA DOS VINHOS VERDES QUINTAS E ADEGAS Serviços: Visitas guiadas Devem ser organizadas e efectuadas por pessoal técnico responsável. Durante estas visitas pode-se permitir, ou não, que o visitante participe nas actividades que estão a ser levadas a cabo no momento (poda, vindima, pisa das uvas e outras); o guia deverá possuir conhecimentos sobre a Rota fazendo uma introdução/referência à Rota e ao seu funcionamento. Provas de vinho Devem ser um dos grandes objectivos da visita. Os produtos devem ser expostos de forma atraente suscitando o acto de compra, sem prejudicar as boas condições de armazenamento; Os vinhos para prova terão de ser vinhos verdes certificados, e encontrarem-se perfeitamente engarrafados e rotulados; no acto da venda todas as dúvidas do consumidor devem ser esclarecidas quer pelo tipo de vinho quer pelo seu preço; os preços devem estar em locais visíveis, bem como o funcionamento das provas. Os copos de prova deverão ser copos em vidro adaptados ao tipo de vinho. No caso dos tintos poderá utilizar-se a malga de vinho verde para as respectivas provas

17 REQUISITOS DE ADESÃO À ROTA DOS VINHOS VERDES QUINTAS E ADEGAS O Funcionamento: A adega está aberta a visitas no mínimo de 12 horas por semana A adega está aberta a visitas no mínimo 2 dias por semana A adega dispõe no exterior de uma placa de identificação que o distingue como estabelecimento aderente, reconhecido pelo Ente Gestor. A adega tem à disposição do turista, em lugar visível, no exterior, o horário de visitas e os serviços que oferece. Para além dos requisitos anteriores as adegas e quintas que oferecem condições e serviços extra, adoptam diferentes categorias, categoria essa que figurará em todos os materiais onde a quinta seja divulgada.

18 REQUISITOS DE ADESÃO À ROTA DOS VINHOS VERDES QUINTAS E ADEGAS Para além dos requisitos anteriores as adegas e quintas oferecem condições e serviços extra adoptando categoria superior: A adega/quinta dispõe de parque de estacionamento para os seus clientes. Fora dos horários de abertura, a adega dispõe de um atendedor telefónico automático que informa sobre os horários e dias de abertura, possibilitando deixar mensagem. O pagamento por cartão bancário é aceite. A Adega está aberta 5 dias por semana, incluindo um dia de fim-de-semana.com um período de encerramento para férias de superior a 1 mês. As fichas técnicas dos vinhos presentes estão disponíveis em português e inglês. Os recepcionistas e guias falam pelo menos 1 língua estrangeira.

19 REQUISITOS DE ADESÃO À ROTA DOS VINHOS VERDES QUINTAS E ADEGAS Para além dos requisitos anteriores as adegas e quintas oferecem condições e serviços extra adoptando categoria superior: A Adega está aberta 6 dias por semana durante todo o ano, incluindo o sábado e domingo. As fichas técnicas dos vinhos presentes estão disponíveis em português,inglês e uma outra língua estrangeira. Os recepcionistas e guias falam, pelo menos, duas línguas estrangeiras. A adega disponibiliza outros serviços enoturísticos para além da visita guiada e prova A Adega disponibiliza cadernos de prova nas línguas de acolhimento para as provas de vinhos A adega tem site Web nas línguas de acolhimento, onde disponibiliza informação sobre sobre os vinhos, os serviços e os preços das actividades. A Adega aceita reservas através de meios electrónicos.

20 REQUISITOS DE ADESÃO À ROTA DOS VINHOS VERDES Museus e Centros de Interpretação Na área de exposição do museu, ou centro de interpretação, há uma decoração específica, um conteúdo e um ambiente adequado ao património vitivinícola da zona. Põem à disposição do visitante e expõem, em lugar facilmente visível, o suporte de comunicação da Rota dos Vinhos Verdes O vinho e a sua cultura são os principais eixos temáticos do museu ou centro de interpretação. Uma parte da exposição permanente está relacionada com estes dois temas No caso de possuir loja, os produtos que oferecem baseiam-se, principalmente, em materiais relacionados com o vinho verde e com o território. Encontra-se aberto aos visitantes, num mínimo de 12 horas por semana, Encontra-se aberto aos visitantes no mínimo 2 dias por semana Os horários de abertura estão claramente visíveis no exterior.

21 REQUISITOS DE ADESÃO À ROTA DOS VINHOS VERDES Unidades de Alojamento Turístico Os recursos humanos prestam informação ao visitante sobre a Rota dos Vinhos Verdes e os aderentes que pode visitar na proximidade No caso de possuir loja, inclui nos produtos que oferece vinhos verdes e produtos relacionados com o Vinho Verde e com a Rota No caso de possuírem património vínico, incluírem visitas a esses espaços

22 REQUISITOS DE ADESÃO À ROTA DOS VINHOS VERDES Restaurantes Potenciar o património vitivinícola da D.O. através de uma Carta de Vinhos variada, com uma ampla presença dos vinhos verdes e, de forma prioritária, os vinhos das adegas aderentes à Rota. 25% dos vinhos e produtos vínicos da Carta De Vinhos, ou, em alternativa, 12 vinhos, deverão ser da D.O. e desses, 50% serem vinhos das adegas aderentes. Entre os produtos vínicos contam-se os Vinhos Verdes Brancos, Tintos e Rosados, Espumantes de Vinho Verdes, Brancos, Tintos e Rosados e as Aguardentes de Vinhos Verdes. Favorecer a combinação da gastronomia autóctone com os vinhos da região da D.O. O pessoal contratado ter formação adequada sobre os vinhos do território da D.O. e manipular correctamente o vinho A Cave de vinhos e a Cave do dia deve possuir a temperatura, humidade e luminosidade adequada às perfeitas condições dos Vinhos Verdes.

23 REQUISITOS DE ADESÃO À ROTA DOS VINHOS VERDES Bares de Vinhos e Enotecas Potenciar o património vitivinícola da D.O. através de uma Carta de Vinhos variada, com uma ampla presença dos vinhos verdes e, de forma prioritária, os vinhos das adegas aderentes à Rota. A Carta de Vinhos inlcui uma introdução sobre os vinhos da Denominação de Origem Vinhos Verdes Os vinhos da D.O. acompanham-se de uma nota explicativa dos mesmos O pessoal contratado ter formação adequada sobre os vinhos do território da D.O. e manipular correctamente o vinho.a decoração e o ambiente são adequados ao turismo de vinho O estabelecimento possui material informativo sobre todos os serviços turísticos adicionais que também oferece. O bar oferece informação sobre sobre eventos e serviços enoturísticos complementares.

24 REQUISITOS DE ADESÃO À ROTA DOS VINHOS VERDES. Empresas de animação turística Os recursos humanos que lidam com os visitantes estão adequadamente formados sobre a Rota dos Vinhos Verdes, o vinho verde, turismo e território. Os recursos humanos estão familiarizados com as diferentes empresas que fazem parte do território enoturístico (adegas, hotéis, restaurantes, comércios, etc.) e promover, de forma activa, o destino enoturístico. Organizar e comercializar visitas combinadas e ligadas ao património vitivinícola do território. Disponibiliza no seu site e material informação sobre a Rota dos Vinhos Verdes e os programas que efectua dentro da Rota

25 REQUISITOS DE ADESÃO À ROTA DOS VINHOS VERDES Agências de Viagens de incoming Os recursos humanos estão familiarizados com as diferentes empresas que fazem parte do território enoturístico (adegas, hotéis, restaurantes, comércios, etc.) e promover, de forma activa, o destino enoturístico. Organiza e comercializa viagens e visitas ligadas ao património vitivinícola do território e às empresas aderentes da Rota dos Vinhos Verdes. Efectua reservas para as empresas aderentes da Rota dos Vinhos Verdes. Inclui informação sobre os programas da Rota dos Vinhos Verdes que comercilaiza nos seus catálogos e demais meios de divulgação.

26 REQUISITOS DE ADESÃO À ROTA DOS VINHOS VERDES Municípios e outras instituições Públicas Enquanto entidades com competencias no licenciamento de actividades económicas, desenvolvimento territorial,deverão acompanhar os processos de licenciamento de instalações para actividades de enoturismo e colaborar na autorização e implementação de outras facilidades complementares, como sejam, a sinalização turística, a melhoria dos acessos públicos a unidades de enoturismo, Tem um local condigno onde se oferece informação sobre a Rota dos Vinhos, os vinhos verdes e o património vinícola da região Cuida com esmero, dentro das suas competências, dos itinerários e lugares que integram a Rota dos Vinhos Verdes. No caso de possuir produtos para venda, inclui produtos da Rota dos Vinhos Verdes.

27 REQUISITOS DE ADESÃO À ROTA DOS VINHOS VERDES Empresas e outras organizações que oferecem serviços de degustação e cursos de prova Os recursos humanos que realizam os serviços de degustação e de prova estão devidamente formados e possuem conhecimentos suficientes sobre enologia e vinhos verdes Dispõe de utensílios adequados para a realização de provas. No seu catálogo de cursos de prova e degustações constam os cursos sobre os vinhos verdes.

28 ACÇÕES DO PROJECTO MINHOIN

29 Acções do Projecto Enoturismo Minho IN ORGANIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS ADERENTES DA ROTA Inventariação dos recursos turísticos que integrarão a Rota Seminários de difusão e informação da Rota dos Vinhos Verdes Melhoria das infra-estruturas de visitação dos aderentes Projecto de reformulação de arquitectura e layout de 40 quintas aderentes: sala de provas, de recepção e loja de vinhos Fornecimento de um kit para enoturismo aos diversos aderentes da Rota dos Vinhos Verdes (armário, escaparate, frapés, drop-stop e outros materais fundamentais a um bom serviço de prova de vinhos verdes)

30 Acções do Projecto Enoturismo Minho IN ORGANIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS ADERENTES DA ROTA Qualificação dos recursos humanos dos aderentes Workshops formativos em diversos temas Preparação das instalações para o enoturismo Organização de programas enoturísticos O enoturismo como unidade de negócio da empresa Inglês espanhol prático para o enoturismo Marketing e comunicação do enoturismo Criação e rentabilização da loja de vinhos no enoturismo As TIC no apoio ao negócio do enoturismo Harmonização de gastronomia e vinhos verdes Criação de menus de degustação Elaboração de uma carta de vinhos

31 Acções do Projecto Enoturismo Minho IN ORGANIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS ADERENTES DA ROTA Qualificação dos recursos humanos dos aderentes Acondicionamento de vinhos verdes Como servir os vinhos verdes CRM e Técnicas de fidelização de clientes Enquadramento legal das actividades de enoturismo Sustentabilidade ambiental em infra-estruturas de enoturismo Boas práticas em adega (gerais) Técnica de prova (iniciação e avançada) Serviço de vinhos (temperaturas, copos, abertura das garrafas, etc.) Os diferentes vinhos verdes Consultoria aos aderentes da Rota dos Vinhos Verdes

32 Acções do Projecto Enoturismo Minho IN Rede de enotecas/centros temáticos do Vinho Verde, de carácter público ou associativo Percurso Pedestre Grande Rota dos Vinhos Verdes

33 BENEFICIOS DAS ENTIDADES ADERENTES À ROTA DOS VINHOS VERDES Promoção das suas empresas num produto turístico de enorme potencial de crescimento Inclusão no site da Rota dos Vinhos Verdes e materiais promocionais Networking entre os vários aderentes Recepção de clientes através da Rota dos Vinhos Verdes Posicionamento num segmento médio-alto

34 FAÇA PARTE DESTA REDE EMPRESARIAL DE ENOTURISMO Muito obrigado pela vossa atenção

Apresentação do Plano de Actividades Rota dos Vinhos Verdes 2013/2014 CVRVV, 10 de Janeiro de 2013. Sofia Lobo : slobo@vinhoverde.

Apresentação do Plano de Actividades Rota dos Vinhos Verdes 2013/2014 CVRVV, 10 de Janeiro de 2013. Sofia Lobo : slobo@vinhoverde. Apresentação do Plano de Actividades Rota dos Vinhos Verdes 2013/2014 CVRVV, 10 de Janeiro de 2013 Sofia Lobo : slobo@vinhoverde.pt O que é o ENOTURISMO? Enoturismo é composto por deslocações realizadas

Leia mais

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Relatório de Estágio Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Rui Neves Lisboa, 21 de Junho de 2011 Índice Introdução... 3 Caracterização da Base de Dados... 4 Recolha e validação

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I

Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I numerosos sinónimos. Objectivos: A ampelografia é a disciplina da botânica e da agronomia que estuda, identifica e classifica as variedades,

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação The importance of Information and Communication Technologies for the development of Portuguese Wine Routes 21st 23rd JUNE OPORTO Estrutura da Apresentação 2. Tecnologias de Informação e Comunicação no

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Agências de Viagens e Transportes Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL - Planear, dirigir e controlar as actividades de produção e de serviço de alimentos

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

O Enoturismo em Portugal Caracterização da oferta e da procura Apresentação de resultados

O Enoturismo em Portugal Caracterização da oferta e da procura Apresentação de resultados O Enoturismo em Portugal Caracterização da oferta e da procura Apresentação de resultados 26 de novembro 2014 Teresa Ferreira DPE/Departamento de Desenvolvimento e Inovação 1.Enquadramento 2. Caraterização

Leia mais

REGULAMENTO DO POSTO DE TURISMO MUNICÍPIO DE SÃO PEDRO DO SUL

REGULAMENTO DO POSTO DE TURISMO MUNICÍPIO DE SÃO PEDRO DO SUL REGULAMENTO DO POSTO DE TURISMO do MUNICÍPIO DE SÃO PEDRO DO SUL 2 PREÂMBULO Compete às câmaras municipais promover e apoiar o desenvolvimento de atividades artesanais, manifestações etnográficas, bem

Leia mais

ORIGEM OBJECTIVOS: Iniciado em 2004, por um desafio lançado ado pelo Governo Português, para o Campeonato Europeu de Futebol. MISSÃO: Criar e desenvolver, em contínuo, nuo, uma Rede de Estabelecimentos

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

T RI R SMO Crédit i o t a o a Inve v sti t m ento t no Tu T ris i mo Proto t co c lo l Ba B n a cá c r á io 2 7 d e e Se S t e em

T RI R SMO Crédit i o t a o a Inve v sti t m ento t no Tu T ris i mo Proto t co c lo l Ba B n a cá c r á io 2 7 d e e Se S t e em TURISMO Crédito ao Investimento no Turismo Protocolo Bancário Luís Coito 27 de Setembro de 2010 TURISMO INCENTIVOS FINANCEIROS AO SECTOR Intensidade de Auxílio Abrangência Empresarial Crédito ao Investimento

Leia mais

Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA

Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA A Rota Vicentina (RV) é uma rota pedestre ao longo do Sw de Portugal que pretende afirmar esta região enquanto destino internacional de turismo de natureza,

Leia mais

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS Plano de Actividades e Orçamento Exercício de 2012 Plano de Actividades e Orçamento para o exercício de 2012 Preâmbulo: O Plano de Actividades do ano de 2012 foi concebido com a prudência que resulta da

Leia mais

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013 INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Faro, 22 de maio de 2013 O Turismo na economia Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas Exportações Peso dos Mercados O Turismo e a Regeneração Urbana

Leia mais

Tema II: Elaboração e Acompanhamento do Plano de Acção

Tema II: Elaboração e Acompanhamento do Plano de Acção GRUPO 2 Áreas Protegidas em processo de adesão à CETS Parques en proceso de adhesion a la CETS Tema II: Elaboração e Acompanhamento do Plano de Acção ELABORAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE ACÇÃO Exemplo

Leia mais

50 the International Paris Air Show

50 the International Paris Air Show Cluster Aeroespacial Nacional Pavilhão de Portugal 50 the International Paris Air Show Paris - Le Bourget 17 a 23 de Junho de 2013 www.salon-du-bourget.fr ENQUADRAMENTO e OBJECTIVO Na continuidade das

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) 2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) Azucena de la Cruz Martin Gabinete CETS Terra do Priolo 01-01-2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora ECO XXI Acção de formação 11 de fevereiro de 2014 Amadora Júri Sérgio Guerreiro Director do Departamento de Estudos e Planeamento António Fontes Director, Área Institucional Ana Isabel Fonseca Moiteiro

Leia mais

Planificação Anual de Operações Técnicas em Empresas Turísticas OTET 12.º Ano

Planificação Anual de Operações Técnicas em Empresas Turísticas OTET 12.º Ano ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE AMORA Curso Profissional de Técnico de Turismo Planificação Anual de Operações Técnicas em Empresas Turísticas OTET 12.º Ano Componente de Formação Técnica Ano Letivo

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique DESCRIÇÃO DO TRABALHO Título de posição: Responde a: Supervisiona: Localização: Gestor de Comunicação Directora Nacional, WWF Moçambique Todo pessoal de comunicações Maputo, Moçambique Data: 19 de Agosto

Leia mais

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos REGULAMENTO ENQUADRAMENTO O mais recente diploma legal que estabelece o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos - Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março,

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA 10 de Fevereiro de 2010 Elsa Correia Gavinho 1 Novo enquadramento jurídico das EAT 2 1 - As razões para a mudança 2 - As principais alterações

Leia mais

app do Vinho Deixe de pescar no oceano, venha pescar no aquário Direcione seus investimentos para um público fiel e segmentado consumidor

app do Vinho Deixe de pescar no oceano, venha pescar no aquário Direcione seus investimentos para um público fiel e segmentado consumidor conhecimento amantes do vinho consumidor segmentado espaço único público alvo novo consumidor app do Vinho Deixe de pescar no oceano, venha pescar no aquário Direcione seus investimentos para um público

Leia mais

Manual da Marca Priolo

Manual da Marca Priolo 2015 Manual da Marca Priolo Carta Europeia de Turismo Sustentável Terras do Priolo ÍNDICE RESUMO 01 1. NOTA INTRODUTÓRIA 02 1.1 Justificação da necessidade de criação da Marca Priolo 02 2. PROCEDIMENTO

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Projeto de Cooperação PRODER Um outro Algarve

Projeto de Cooperação PRODER Um outro Algarve Projeto de Cooperação PRODER Um outro Algarve As três Associações de Desenvolvimento Local do Algarve, no âmbito do PRODER, estão a cooperar para criar uma marca regional para o Turismo de Natureza, uma

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes 1. Qual o diploma que estabelece o regime de constituição, gestão e funcionamento do mercado organizado de resíduos (MOR), nos termos do n.º 2 do artigo 62.º do Decreto-Lei n.º 178/2006,

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Seminário de apresentação da Rede Gestus

Seminário de apresentação da Rede Gestus Seminário de apresentação da Rede Gestus Rede Gestus O LOGOTIPO Rede Gestus Internacionalização Zona 4 Gestus Compras Cartão ECOTUR Portal Gestus Cartão Gestus Contact Center CRM Zona 4 O LOGOTIPO Características:

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

1.Como criar uma empresa. 2.Tipos de Apoio. Ciclo de Formação em Gestão de Projectos e Apoio Empresarial

1.Como criar uma empresa. 2.Tipos de Apoio. Ciclo de Formação em Gestão de Projectos e Apoio Empresarial Rede de GADE do Distrito de Évora Ciclo de Formação em Gestão de Projectos e Apoio Empresarial Évora, 8 de Junho de 2005 Rede de GADE do Distrito de Évora 1.Como criar uma empresa 2.Tipos de Apoio A -

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

Consultoria de Gestão. Projectos de Investimento. Formação Profissional

Consultoria de Gestão. Projectos de Investimento. Formação Profissional Consultoria de Gestão Projectos de Investimento Formação Profissional - 2009 - Candidaturas de 22 de Janeiro a 11 de Março O Objectivo Modernizar e revitalizar a actividade comercial, em especial, em centros

Leia mais

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 O PATRIMÓNIO NATURAL E O DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DO ALGARVE Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 1. PENT - estratégia para o desenvolvimento do Turismo em Portugal RCM 53/2007, de 04 de Abril

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 042, DE 11 DE MAIO DE 2011 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 297ª Reunião Ordinária, realizada em 11 de maio de 2011, e considerando

Leia mais

A dinamização de uma rota de vinhos como polo de atração turística na Beira Interior. Novembro, 2011

A dinamização de uma rota de vinhos como polo de atração turística na Beira Interior. Novembro, 2011 A dinamização de uma rota de vinhos como polo de atração turística na Beira Interior Novembro, 2011 1 Rota Turística (características) 1. Engloba um leque variado de atividades e atrações sob um tema unificador

Leia mais

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas.

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 79110 AGÊNCIAS DE VIAGENS ÂMBITO: São agências

Leia mais

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO.

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO. CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO O emprego tem uma enorme importância tanto para os indivíduos como para a sociedade Para além de ser uma fonte de rendimento, uma forma de ocupação e

Leia mais

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul 1. Identificação do Recurso Endógeno e do Território Alvo PROVERE Beira Baixa: Terras de Excelência : Conjugar a valorização do território, dos produtos

Leia mais

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Instituto da Segurança Social, I.P. Gabinete de Qualidade e Auditoria 17 de

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Normas de Admissão (Regulamento de Jóias e Quotas)

Normas de Admissão (Regulamento de Jóias e Quotas) Normas de Admissão (Regulamento de Jóias e Quotas) Capítulo I // Disposições Gerais As presentes normas têm como finalidade estabelecer as regras a que devem obedecer a admissão de novos associados da

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede)

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede) ESTATUTOS Artigo 1º (Nome e Sede) O nome da associação é A Rocha Associação Cristã de Estudos e Defesa do Ambiente e a sua sede é na Cruzinha, Mexilhoeira Grande, em Portimão. Artigo 2º (Natureza e Fins)

Leia mais

MINHO INovação 2014/2020

MINHO INovação 2014/2020 MINHO INovação 2014/2020 O MINHO IN Estratégia de Eficiência Coletiva O Minho IN é estratégia de eficiência coletiva, isto é uma ação conjunta assente numa parceria que partilha um objetivo em concreto:

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

ENOTURISMO produto estratégico para Portugal

ENOTURISMO produto estratégico para Portugal ENOTURISMO produto estratégico para Portugal Ação de Sensibilização Da produção vitivinícola ao enoturismo Novembro, 2011 Turismo de Portugal Departamento de Dinamização O Potencial Competitivo de Portugal

Leia mais

ANIMAÇÃO TURÍSTICA DE APOIO AO TERMALISMO

ANIMAÇÃO TURÍSTICA DE APOIO AO TERMALISMO PLANO DE NEGÓCIO ANIMAÇÃO TURÍSTICA DE APOIO AO TERMALISMO Fernando F. Martins Empreendorismo no Vale do Sousa AderSousa Introdução A apresentação do nosso Plano desenvolve se em em duas partes distintas:

Leia mais

CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO

CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO PROTOCOLOS BANCÁRIOS INFORMAÇÃO SINTETIZADA CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO PROTOCOLOS BANCÁRIOS ÍNDICE NOVAS LINHAS DE APOIO FINANCEIRO

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO TMT N.º 1/2009 MAR/ABRIL 2009 NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO A informação divulgada pelas Instituições de Crédito relativamente aos produtos que estas oferecem tem sido

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO VINHO NA PROMOÇÃO DO TURISMO. Fórum Anual Vinhos de Portugal 26 de novembro 2014 João Cotrim de Figueiredo

A IMPORTÂNCIA DO VINHO NA PROMOÇÃO DO TURISMO. Fórum Anual Vinhos de Portugal 26 de novembro 2014 João Cotrim de Figueiredo A IMPORTÂNCIA DO VINHO NA PROMOÇÃO DO TURISMO Fórum Anual Vinhos de Portugal 26 de novembro 2014 João Cotrim de Figueiredo O potencial competitivo de Portugal Vinhos únicos no mundo Porto e Madeira Vinhos

Leia mais

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL Medida 3.1 - Diversificação da economia e criação de emprego Objectivos : - Promover

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural

MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural I Seminário sobre Turismo Rural e Natureza Diferenciar o Produto, Qualificar a Oferta, Internacionalizar o Sector MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural TÂNIA

Leia mais

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 REGULAMENTO ARTIGO 1º (Objecto e Âmbito) O presente Regulamento tem por objectivo a definição das condições de concessão e utilização do bar da Tenda Electrónica,

Leia mais

Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio

Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio Lisboa, Junho de 2014 Artigo 1º Âmbito A Incubadora StartUp Lisboa Comércio resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Lisboa, o Montepio Geral, o IAPMEI

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

Associação para o Desenvolvimento do Baixo Guadiana

Associação para o Desenvolvimento do Baixo Guadiana Associação para o Desenvolvimento do Baixo Guadiana A Associação Odiana Esta Associação, sem fins lucrativos, fundada pelos municípios de Alcoutim, Castro Marim e Vila Real de Santo António em Dezembro

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015 O Programa Bolsas Ibero-américa. Estudantes de Licenciatura e

Leia mais

BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE

BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE A GABINETE DE PROVEDORIA DO CLIENTE B ESTATÍSTICAS C PRINCIPAIS MEDIDAS ADOPTADAS GABINETE DE PROVEDORIA DO CLIENTE Com o objectivo de proteger os nossos Clientes

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _

1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _ 1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _ Novo Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos (RJET) Inovadora, simplificadora e de maior facilidade

Leia mais

Guia de Informação e Publicidade para Beneficiários

Guia de Informação e Publicidade para Beneficiários Guia de Informação e Publicidade para Beneficiários Autoridade de Gestão do PO Algarve21 Outubro 2008 Obrigações de Informação e Publicidade dos Beneficiários A divulgação e a publicitação do apoio (co-financiamento)

Leia mais

MUNICIPIO DE ALPIARÇA ALPIAGRA 2014 FEIRA AGRÍCOLA E COMERCIAL DE ALPIARÇA NORMAS

MUNICIPIO DE ALPIARÇA ALPIAGRA 2014 FEIRA AGRÍCOLA E COMERCIAL DE ALPIARÇA NORMAS MUNICIPIO DE ALPIARÇA ALPIAGRA 2014 FEIRA AGRÍCOLA E COMERCIAL DE ALPIARÇA NORMAS A Alpiagra Feira Agrícola e Comercial de Alpiarça é uma organização da Câmara Municipal de Alpiarça. Artigo 1º (Condições

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

1. DISPOSIÇÕES GERAIS. 1.1 A Entidade Organizadora

1. DISPOSIÇÕES GERAIS. 1.1 A Entidade Organizadora 1. DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1 A Entidade Organizadora A entidade organizadora do presente concurso é a Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV), que sita na Rua da Restauração, 318 4050-501,

Leia mais

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA Banco de Portugal, 11 de Julho de 2013 Solange Lisboa Ramos Gabinete de Apoio ao Consumidor do Banco

Leia mais

XXII Jornadas Técnicas 2014

XXII Jornadas Técnicas 2014 XXII Jornadas Técnicas 2014 Apresentação das atividades da Academia do Vinho Verde para 2015 José Luís Reis Academia dos Vinho Verde 12 de Dezembro de 2014 A Academia do Vinho Verde promove a formação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 É do interesse das Instituições de Ensino Superior promover a excelência do ensino, propiciando aos seus estudantes

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHCMensagens SMS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso: ganhe

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Ninho de Empresas de Mortágua

Ninho de Empresas de Mortágua mortágua ninho de empresas Ninho de Empresas de Mortágua REGULAMENTO Preâmbulo Inserindo-se numa estratégia de Desenvolvimento do Concelho de Mortágua que dá prioridade ao Crescimento Económico e ao Empreendedorismo,

Leia mais

Associação Contraditório. Estatutos

Associação Contraditório. Estatutos Associação Contraditório Estatutos CAPÍTULO I Denominação, Princípios e Objectivos Artigo 1º (Denominação, sede e duração) 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação ASSOCIAÇÃO CONTRADITÓRIO,

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I - DEFINIÇÕES... 4 II LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÕES E SERVIÇOS... 4 III UTILIZADORES E ATIVIDADES... 5

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I - DEFINIÇÕES... 4 II LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÕES E SERVIÇOS... 4 III UTILIZADORES E ATIVIDADES... 5 Regulamento de utilização das instalações de Incubação Índice ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I - DEFINIÇÕES... 4 II LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÕES E SERVIÇOS... 4 III UTILIZADORES E ATIVIDADES... 5 IV INSTALAÇÃO

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais