Diálogo inter-cultural e inter-religioso: exigência de fé e compromisso de Igreja

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diálogo inter-cultural e inter-religioso: exigência de fé e compromisso de Igreja"

Transcrição

1 Diálogo inter-cultural e inter-religioso: exigência de fé e compromisso de Igreja 5.1. Contribuição de: Marcela Bonafede odn, Bolivia. Lydvine Nguemeta odn, Camarões. Mª Claustre Solé odn, Espanha. Marie-Claude Roques odn, França. Anne Gill odn, Inglaterra. Hiroko Kobayashi odn, Japão. Introdução Vivemos em uma sociedade onde a multiplicidade étnica, política e religiosa oscila entre a convivência e o confronto. Se é verdade que se fala de diálogo e, em princípio, todo mundo está de acordo, estamos, no entanto, vivendo um momento em que os fundamentalismos políticos e religiosos idealizam a pertença particular e reafirmam as diferenças, para melhor excluir e desprezar. Portanto, o diálogo é, antes de mais nada, uma questão de justiça: dar a cada um o seu espaço permite superar inúmeras tensões e crises. O diálogo é, para nós, Companhia de Maria, como para a Igreja, uma necessidade vital e uma exigência de fé. O diálogo inter-cultural, inter-religioso e ecumênico, apesar dos obstáculos, é imprescindível e, para nós, é uma nova maneira de estender a mão, comprometendo-nos firmemente a continuar fazendo caminho por novas veredas, nada fáceis, porém, apaixonantes. 1. Necessidade para a Igreja Nos textos da Igreja, a palavra diálogo é utilizada pela primeira vez pelo papa Paulo VI, em sua primeira encíclica, Ecclesiam suam. Por fidelidade à ação do próprio Deus que, para salvar o mundo, entra em diálogo com ele através da Encarnação e, depois, através do Evangelho 1, a Igreja, para ser fiel à sua missão, é chamada a entrar em diálogo com o mundo em que vive: A Igreja se faz palavra, se faz mensagem, se faz conversação 2. Não se salva o mundo a partir de fora. Assim como o Verbo de Deus, que se faz homem, a Igreja precisa assimilar, de certo modo, as formas de vida daqueles aos quais deseja levar a mensagem de Cristo. O clima do diálogo é a amizade. Mais ainda, é o serviço. 3 Portanto, é por razões pastorais e teológicas ao mesmo tempo que, depois do Concílio Vaticano II, toda a Igreja entrou por este caminho. Depois do Concílio, o contexto evoluiu muito. O diálogo tornou-se um verdadeiro desafio para a Igreja e também para a vida consagrada. Somente quando vivenciar plenamente o situar-se com é que a Igreja será fiel à sua missão: permitir que as pessoas descubram o rosto de Deus que cada um traz em si. Sua missão específica não é outra, senão ser presença, serviço e diálogo: Diálogo na vida, através das relações cotidianas na família, na escola, na rua e em outros lugares sociais. Diálogo na ação, vivenciado através da promoção do desenvolvimento humano, a transformação das realidades de morte e o empenho em proporcionar toda forma de libertação. Diálogo religioso, empreendido com pessoas profundamente arraigadas em suas próprias tradições religiosas, que compartilham suas experiências de oração, de contemplação, de fé, de Absoluto. Comprometida com este difícil caminho de humildade, a Igreja se converte em verdadeiro sacramento, sinal visível da ação de Deus a serviço do Reino que está chegando, testemunha da universalidade do amor de Deus. 2. Exigência de fé, em fidelidade às nossas raízes Cremos em Deus, Criador de todas as coisas, e diante dele formamos uma só humanidade. Cada pessoa é imagem de Deus ; isto deveria imprimir caráter em 1 Paulo VI : Ecclesiam Suam n id. n 67 3 id. n 90 1

2 nossa forma de ver o outro. A graça de Deus atua em todo ser humano. Por isso, devemos estar sempre abertas à ação do Espírito, dispostas a encontrar e a valorizar aquelas Sementes do Verbo 4, semeadas nas culturas, que são a presença do Deus Vivo. À luz de nossa espiritualidade, podemos começar contemplando três olhares: a) Deus, que olha o mundo e decide fazer redenção. Olhar que supõe um compromisso: a Encarnação. A partir daí, a contemplação do mundo e da Encarnação implica o sério compromisso de assumir os aspectos bons do mundo e de cada religião. b) Contemplar o mundo a partir do olhar de Cristo na Cruz: um olhar reconciliador, com um desejo de redimir toda cultura e toda tradição dos aspectos idolátricos incorporados e sedimentados pelo tempo. Nossa cultura e nossa religião também necessitam ser redimidas. c) Os dois olhares anteriores nos levam à conhecida postura inaciana de ver a Deus em todas as coisas e a todas nele. Isto inclui pessoas, culturas, religiões... A paixão por Deus deve levar-nos a buscá-lo, não importa onde seja: nos diversos lugares e contextos. 3. As condições do diálogo Só haverá diálogo autêntico: a) Se os interlocutores estiverem convictos, cada um por sua parte, de que não possuem inteiramente a razão e se estiverem conscientes dos aspectos negativos ou sombrios de sua própria religião, assumindo, por sua vez, o lado positivo ou luminoso de outras religiões. De fato, se alguém pensa que possui a verdade e que o outro está na ignorância e no erro, tentará convencê-lo, convertê-lo, e não o escutará nem dialogará com ele. b) Se existe um reconhecimento mútuo que aceita, pelo menos em princípio, que o outro pode ser portador de uma palavra ou mensagem de Deus para todos. Portanto, é necessário que estejam dispostos a receber, a aprender, a ser enriquecidos e iluminados. Em outras palavras, praticar a humildade. Porém, não haverá diálogo: a) Se a pessoa se limita a reafirmar sua própria identidade, aferrando-se às suas posições e evitando o confronto. b) Se não se tem consciência da ambigüidade das religiões fundamentadas em uma revelação. Elas se conformam, em parte, a ela, mas, ao mesmo tempo, sem querer, a deformam. Cada religião trai um pouco a Verdade de Deus, verdade esta que deve ser buscada conjuntamente. c) Se se mantêm estereótipos, preconceitos e caricaturas daquilo em que o outro acredita. d) Com intolerâncias, comparações e postura de superioridade. e) Com políticas de Estado insensíveis para com os imigrantes, fomentando tensões entre culturas. f) Quando se tem uma carência de identidade, que dá lugar a fundamentalismos e fanatismos. Resumindo: confiança e prudência, abertura e integridade, escuta e afirmação, questionamento e consciência de identidade constituem a base necessária para qualquer diálogo. 4 Expressão que encontramos já em S. Justino e S. Irineu, e que foi recuperada pelo Concílio Vaticano II no Decreto Ad gentes sobre a atividade missionária da Igreja. 2

3 4. O diálogo ecuménico A postura da Igreja oficial tende ao diálogo, a partir das definições doutrinais e dogmáticas, sobretudo as que se referem à Eucaristia e à comunhão com o Papa. Devido a problemas internos de outras comunhões eclesiais, por exemplo com a Igreja Anglicana, o diálogo ecumênico oficial parece bastante estancado. O Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos chama a todos a continuarem animando o processo ecumênico com o ecumenismo espiritual, que significa conversão interior, renovação do espírito, santificação pessoal de vida, caridade, abnegação, humildade, paciência, mas também renovação e reforma da Igreja. E, sobretudo, a oração, que é o coração do movimento ecumênico (cf. Unitatis redintegratio, 5-8; Ut unum sint, 15ss, 21-27). Fomentam-se liturgias e orações comunitárias, sobretudo na Semana para a união dos cristãos. Antes do Concílio Vaticano II, a Igreja buscava o restabelecimento da unidade dos cristãos exclusivamente como uma volta de nossos irmãos separados à verdadeira Igreja de Cristo. O Vaticano II realizou uma mudança radical: em lugar do antigo conceito do ecumenismo de "regresso", hoje predomina o de um itinerário comum, que orienta os cristãos para a meta da comunhão eclesial, entendida como unidade na diversidade. No Reino Unido acontece, em nível de base, uma grande aproximação entre as diferentes confissões religiosas, fortalecendo os laços de comunhão. Há um grande interesse pela espiritualidade, em geral, e pela espiritualidade inaciana, em particular. Atualmente, comprova-se que muitas pessoas de outras confissões cristãs sentem atração pelo acompanhamento espiritual, discernimento e contemplação a partir do Evangelho, práticas que vêm sendo realizadas desde os Padres do deserto, e que a pedagogia inaciana vem potencializando há vários anos. As casas de Exercícios Espirituais trabalham de forma ecumênica: são procuradas também por exercitantes de outras religiões; cristãos não- católicos formam-se em espiritualidade inaciana; alguns, que fazem parte das equipes destes centros, oferecem acompanhamento espiritual. 5. A espiritualidade do diálogo inter-religioso Estamos vivendo o retorno do religioso com muitas ambigüidades, sem dúvida mas em um contexto de pluralidade e concorrência. Deus está de volta e as religiões são atuais. No século XXI, se é verdade que diminui a prática confessional e aparecem receios com relação às grandes confissões, não é menos verdade que emerge com força uma corrente de espiritualidade que busca restabelecer a paz e a harmonia, tanto no nível individual como cósmico. É um sinal dos tempos, ao qual convém prestar atenção. A espiritualidade é um denominador comum que propicia o diálogo inter-religioso. Podemos abordar este tema a partir de três vertentes: a) A espiritualidade para o diálogo inter-religioso Para os cristãos, a grande base deste diálogo fundamenta-se na acolhida evangélica que percebemos nas relações inter-pessoais de Jesus de Nazaré: chama um publicano para segui-lo, dialoga com uma samaritana e se deixa catequizar por uma mulher sírio-fenícia, capaz de entender o que os discípulos não souberam ver: que a mesa do Reino é tão grande, que nela cabem judeus e pagãos. Esta espiritualidade pressupõe um conhecimento profundo e existencial de nossas próprias raízes cristãs. Somente quando nos sentirmos felizes e identificadas com nossa fé, poderemos sair a campo aberto e dialogar de igual para igual com as demais confissões, sem complexos de superioridade nem de inferioridade. b) A espiritualidade no diálogo inter-religioso A espiritualidade no diálogo nos leva a ser mais pentecostais. Os primeiros apóstolos se dão conta de que a Boa Notícia do Evangelho não pode ser encerrada entre quatro paredes. Felipe parte para a Samaria, terra de pagãos, e sobre eles desce o Espírito. Pedro se dá conta de que, para Deus, nada é impuro. Paulo fala aos atenienses sobre seu Deus desconhecido. Daí se depreende uma espiritualidade reconciliadora com uma atitude de busca, uma capacidade de abrir-se ao diferente, conscientes de que a experiência de abertura ao sagrado, que nos é oferecida pelo próprio diálogo, volta-se para um lugar privilegiado de encontro com o Mistério. c) A espiritualidade a partir do diálogo inter-religioso 3

4 A conseqüência do diálogo é o enriquecimento mútuo, a co-responsabilidade, a humildade. Não só sabemos, mas nos sentimos filhos de um mesmo Pai, e a simpatia pelo diferente se transforma em empatia. Isto nos capacita a tornar nossas as alegrias e dores de todas as pessoas, como pedia o Concílio Vaticano II, na Gaudium et Spes. 6. Frutos do diálogo A confrontação com pessoas de outras religiões obriga cada parte a refletir sobre sua própria fé e aprofundá-la. Assim, o diálogo faz com que cada pessoa progrida em sua fé. Suscita, desenvolve e favorece uma atitude crítica com relação a si mesmo, atitude necessária para que uma religião permaneça viva e verdadeira. As Igrejas são organismos vivos, e não organizações. Cada pessoa é convidada a mudar, a evoluir. Uma espiritualidade viva leva à transformação. Eu sou o Caminho, diz Jesus. O Evangelho é um caminho vivo, escreve o autor da carta aos Hebreus; Paulo compara a vida cristã a uma corrida. Portanto, nós, como pessoas de fé, somos convidados a nos lançarmos nessa corrida, cuja meta é o Reino. O diálogo intercultural e inter-religioso já é uma concretização da unidade na diversidade e um fator de paz. Entrar em diálogo com pessoas de outras religiões é dar testemunho de nossa esperança comum. No seio de um mundo com tantas divisões, conflitos e violência, afirmamos que é possível criar uma comunidade humana viva na justiça e na paz. 7. Um exemplo de diálogo na vida: o testemunho da Madre Teresa de Calcutá. A Beata Madre Teresa de Calcutá é um modelo que transcende as confissões religiosas e as culturas, através de uma linguagem clara e impactante. Parece que o testemunho desta mulher é muito valorizado entre a juventude japonesa, que busca o sentido da vida, algo que se pode estender à juventude de todos os contextos. Causa impacto aos jovens a atitude de M. Teresa. Muitos não sabem que ela é católica e religiosa, nem que a fonte de seu apostolado é sua fé cristã, mas entendem muito bem que esta fonte é autêntica e genuína. O que toca profundamente o coração humano não são os dogmas nem as crenças. As pessoas necessitam encontrar-se com pessoas que manifestam um amor encarnado e desinteressado; a fé, a esperança e o amor que se tornam realidade; não meros discursos, mas um testemunho comunitário de amor fraterno. Pouco importa o nome da religião ou de seu Deus. Portanto, é necessário servir, deixando de lado o amor próprio, para nos colocarmos a serviço da vida com alegria e atitude de respeito, que faz com que a pessoa seja consciente de sua dignidade humana. Esta era a maneira de agir de M. Teresa. Ela aceitava todo tipo de pessoas, mas tinha uma grande convicção interna de sua identidade. Se estivermos seguros internamente de quem somos, podemos abrir-nos com liberdade a todas as pessoas: De nascimento, sou albanesa. De nacionalidade, indiana. Por vocação, sou de todo o mundo. Mas meu coração pertence inteiramente a Jesus Cristo. O fundamento de seu apostolado é a convicção de que a sede dos mais necessitados é a mesma sede de Cristo na Cruz. A resposta a esta necessidade de ajuda, ao longo de 50 anos, tem sua fonte na oração diária, acompanhada do oferecimento pessoal e incondicional a Jesus Cristo. Esta mulher teve o dom de realizar um sinal universal de diálogo, que todos puderam compreender: a solidariedade. Sua palavra foi um gesto, uma experiência de salvação que ofereceu aos mais pobres entre os pobres, e isto é algo tão evidente que não necessita de explicações. 8. Dialogar para a solidariedade e a construção da paz: nossa nova maneira de estender a mão Como Companhia, vivemos em múltiplas culturas, estruturadas por espiritualidades e cosmovisões que têm dado características específicas à nossa identidade durante quatro séculos. Até o momento atual, temos procurado responder: a quem estendemos a mão? Possivelmente hoje tenhamos que acrescentar: com quem estendemos a mão? Precisamos nos abrir para ver o que podemos fazer junto com outras pessoas. É incalculável o número de possibilidades relacionais que temos, e que nem sempre sabemos aproveitar. O Espírito continua convidando-nos a responder a seus gemidos, através de um caminho de humanização. Dialogar para a 4

5 solidariedade é o que nos apressa a percorrer os caminhos de visita, como Maria. Temos algo pelo qual lutar e conseguir humildemente: a paz e a justiça, o viver bem, a terra sem males, como dizem os povos indígenas da América do Sul. Faz sentido dialogarmos, não porque a globalização nos obriga, mas porque ainda há muitas pessoas à beira de abismos, a ponto de se perderem. Faz sentido encurtar distâncias, experimentar a urgência do perdão e da reconciliação entre povos e religiões (populações inteiras ainda morrem por falta disso). Construir a paz é uma tarefa utópica; por isso, precisamos nos unir a outras pessoas; assim é que se constrói o Reino 5. Educar através de uma rede de relações evangélicas é o objetivo que compartilhamos com muitas pessoas pertencentes a diferentes culturas, religiões ou denominação cristã. Mesmo que nos dedicássemos apenas a educar com eles para uma convivência humanizadora, a evangelização estaria completa. O fenômeno da migração nos diferentes países nos comove e desestabiliza. Este é um campo ao qual precisamos estender a mão. Unamo-nos a outras pessoas, para provocar sinais de solidariedade que construam relações de paz onde, mesmo sem ser nomeado, Deus estará intensamente presente. 9. Caminhos que nos desafiam como Companhia na hora de dialogar O diálogo primordial que dá fundamento a todos os nossos outros diálogos é a conversação no Espírito 6. A experiência espiritual dá curso a nosso modo de nos relacionarmos com as diferenças, porque dialogamos com Deus e sua lógica misteriosa de Encarnação-Cruz-Ressurreição. Por isso, a oração, o descanso e a alegria são claves cotidianas para sermos mulheres de diálogo. Em nossa convivência de irmãs, é urgente desenvolver habilidades para o diálogo. Isto se inicia na formação 7 e continua por toda a vida. Precisamos nos ajudar mutuamente a escutar, expressar sentimentos, momentos de vida, sem agredir nem prejudicar. Um dos principais sofrimentos da Vida Religiosa tem ligação com as relações intra-comunitárias e a dificuldade de viver a solidão. Portanto, uma escuta paciente e receptiva é uma via indispensável para o diálogo. Nossas conversações cotidianas são inter-culturais. Sabemos que dialogar é uma riqueza; ao mesmo tempo, constatamos a ascese pessoal e comunitária que supõe. O que nos ajuda a processar nossos diversos diálogos inter é o discernimento contínuo, para rever nossas disposições, para sondar-se ante as diferenças e ante o Espírito, no coração da realidade. Também nos ajudará a tomada de consciência das novas minorias culturais e idiomáticas que temos na Companhia (países do Oriente e África), que mudam nossas perspectivas acentuadamente ocidentais, abrindo-nos a opções mais inclusivas (idiomas que falamos e aprendemos, mentalidade, etc ) Entre religiões: ser minoria, chamar a Deus com outros nomes, falar com Ele usando outras linguagens, não conseguir compreender símbolos, festas e modos de proceder, nos leva a nos perguntarmos quem é Deus e qual é a missão da Companhia hoje. Com atitude de despojamento, conversar e compartilhar nossa experiência, nos ajudará a abrir mentes e horizontes e a nos situarmos no fundamental. Como viver, como Companhia, o profetismo na Igreja e também com outras igrejas neste mundo plural? Somos mulheres de Igreja, e sentir com ela não é fácil, quando vemos o retrocesso ou o estancamento da profecia. Para sermos sinceras, também nós padecemos na própria carne a falta de luz significativa. Sim, sentimos a urgência de uma nova profecia, que nos permita estender a mão a tantos infernos de nosso momento histórico. É hora de unir forças. Uma relação mais próxima com 5 Talvez pudéssemos, na Companhia, promover mais o diálogo entre nós, se olhássemos o mundo, não tanto a partir da divisão geo-político-econômica Norte/Sul (análise muito real que deve ser levada em conta), mas a partir da rede universal invisível que une a todos nós que estamos lutando pelos valores do Reino. 6 O principal caminho da missão é o diálogo (cf. AG 7). 7 Criar pedagogias para a formação de mulheres todo-terreno, preparadas e disponíveis para viver a regra quarta em culturas diferentes, em situações de fronteira muito desafiadoras e às vezes adversas, com a flexibilidade de quem dialoga para compreender e complementar-se, e não para competir. 5

6 outras denominações cristãs, compartilhando com elas a oração e a práxis pela justiça, é um caminho aberto ao qual precisamos nos lançar. Diversificar a formação, levando em conta a pluralidade do saber e o saber ser de nosso tempo, para responder à exigência de "servir de maneira sempre nova". Desenvolver o estudo das religiões. Fomentar uma pedagogia que leve em conta a noção de pluralidade como graça. Formar em um humanismo cristão, pois são vários os "humanismos" propostos aqui e ali. Desenvolver a cultura da interioridade, que faz germinar a capacidade de discernir. Educar na fé, na tolerância, na fraternidade universal, vendo na riqueza das diferenças um presente de Deus. Para terminar, a Igreja e todos os seus membros são chamados a participar de um movimento de amor que se entrega, movimento que vem de Deus e cujo Espírito é o primeiro agente; movimento que está presente e ativo em todos os povos, em sua religião e em sua cultura Questões para refletir em comunidade Refletir tudo isto deveria levar-nos a discernir e acolher a diferença como lugar teológico, um lugar onde Deus se dá a conhecer e a partir do qual nos convida a construir um mundo mais fraterno. A partir daí, nossos olhos podem abrir-se, para intuir a partir de onde podemos estender a mão a tantos recém-chegados, com toda sua bagagem de diferenças e multiculturalidade. Por tudo isso, nos perguntamos: Dentro de nossas comunidades, o que devemos fazer para que aconteça um verdadeiro diálogo entre nós? Em uma comunidade humana cada vez mais inter-cultural, o que se requer para que nos abramos a um diálogo autêntico? Quais são os aspectos de nossa vida religiosa que pedem uma atenção especial para que nos preparemos para o diálogo inter-religioso? Quais são as consequências, em nossos respectivos apostolados, desta exigência de diálogo? (atitudes com relação a nossos colaboradores, aqueles aos quais somos enviadas, o mundo que nos rodeia ) 8 M. Mac CABE: La mission comme dialogue prophétique au service du Royaume de Dieu. No 150º aniversario de la SMA Symposium sur l avenir de la mission ad gentes- nº 125, junio de

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas José Eduardo Borges de Pinho Ecumenismo: Situação e perspectivas U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 1 1 Índice Introdução 11 Capítulo Um O que é o ecumenismo? 15 Sentido

Leia mais

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS 1 TEXTO BÍBLICO - Lucas 6,12-19 (Fazer uma Oração ao Espírito Santo, ler o texto bíblico, fazer um momento de meditação, refletindo sobre os três verbos do texto

Leia mais

Elementos da Vida da Pequena Comunidade

Elementos da Vida da Pequena Comunidade Raquel Oliveira Matos - Brasil A Igreja, em sua natureza mais profunda, é comunhão. Nosso Deus, que é Comunidade de amor, nos pede entrarmos nessa sintonia com Ele e com os irmãos. É essa a identidade

Leia mais

Plano de Formação da CVX-P

Plano de Formação da CVX-P da CVX-P Apresentado à VIII Assembleia Nacional CVX-P Fátima, Outubro 2004 Introdução... 2 Etapa 0: Acolhimento... 3 Etapa 1: Iniciação... 5 Etapa 2: Identificação... 6 Etapa 3: Missão... 7 1 Introdução

Leia mais

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA Nestes últimos anos tem-se falado em Catequese Renovada e muitos pontos positivos contribuíram para que ela assim fosse chamada. Percebemos que algumas propostas

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Uma breve meditação sobre Mudança de Estruturas O objetivo desta meditação é redescobrir a dimensão espiritual contida na metodologia de mudança

Leia mais

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros DEUS SE REVELA ATRAVÉS DOS OUTROS Ser Marista com os outros: Experimentar caminhos de vida marista comunitariamente INTRODUÇÃO

Leia mais

Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva

Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva Pastoral Juvenil Salesiana Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva Fundamentos Dom Bosco Madre Mazzarello Movidos pelo ES tiveram clara consciência de ser chamados por Deus a uma missão singular

Leia mais

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Introdução: Educar na fé, para a paz, a justiça e a caridade Este ano a Igreja no Brasil está envolvida em dois projetos interligados: a lembrança

Leia mais

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana 93 ISSN - 1517-7807 9!BLF@FB:VWOOUWoYdZh outubro 2013 Que a saúde se difunda sobre a terra Escatologia e Exercícios Espirituais Pedro Arrupe, homem de Deus 1

Leia mais

Vozes do fogo Mensagem da II Assembleia Internacional da Missão Marista Nairóbi, 16-27 de setembro de 2014

Vozes do fogo Mensagem da II Assembleia Internacional da Missão Marista Nairóbi, 16-27 de setembro de 2014 Vozes do fogo Mensagem da II Assembleia Internacional da Missão Marista Nairóbi, 16-27 de setembro de 2014 Preambulo Há cerca de 150.000 anos, por obra de Deus Pai, surgiu nesta terra africana o primeiro

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova Prof. Humberto S. Herrera Contreras O que este documento nos diz? Algumas percepções iniciais... - O título já é uma mensagem espiritual! tem movimento, aponta

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética 2 0 1 2-2 0 1 5 DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN - RS Queridos irmãos e irmãs, Com imensa alegria, apresento-lhes o PLANO DIOCESANO DE ANIMAÇÃO BÍBLICO -

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

Diocese de Amparo - SP

Diocese de Amparo - SP Formação sobre o documento da V Conferência do Episcopado da América Latina e do Caribe Diocese de Amparo - SP INTRODUÇÃO De 13 a 31 de maio de 2007, celebrou-se em Aparecida, Brasil, a V Conferência Geral

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A evangelização nos dá a alegria do encontro com a Boa Nova da Ressurreição de Cristo. A maioria das pessoas procura angustiada a razão de sua vida

Leia mais

CAMPANHA PARA A EVANGELIZAÇÃO - 2014

CAMPANHA PARA A EVANGELIZAÇÃO - 2014 CAMPANHA PARA A EVANGELIZAÇÃO - 2014 Texto referencial INTRODUÇÃO 1 A Igreja no Brasil realiza a Campanha para a Evangelização deste ano de 2014 com o lema Cristo é nossa paz (cf. Ef 2,14). O tempo do

Leia mais

20ª Hora Santa Missionária

20ª Hora Santa Missionária 20ª Hora Santa Missionária Tema: Missão é Servir Lema: Quem quiser ser o primeiro seja servo de todos Preparação do ambiente: cartaz do Mês missionário, Bíblia e fitas nas cores dos continentes, cruz e

Leia mais

Ata do Lançamento do Ano Pastoral FAMÍLIA SALESIANA 2015/2016

Ata do Lançamento do Ano Pastoral FAMÍLIA SALESIANA 2015/2016 Ata do Lançamento do Ano Pastoral FAMÍLIA SALESIANA 2015/2016 Aos dezanove dias do mês de Setembro de dois mil e quinze realizou-se em Fátima, na Casa Nossa Senhora do Carmo, o encontro de apresentação

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / 6º ANO TRADIÇÕES RELIGIOSAS TEXTOS SAGRADOS Se as religiões estão para humanizar

Leia mais

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família A transmissão da fé na Família Reunião de Pais Família Plano Pastoral Arquidiocesano Um triénio dedicado à Família Passar de uma pastoral sobre a Família para uma pastoral para a Família e com a Família

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica A unidade na fé a caminho da missão Nossa Visão Manifestar a unidade da igreja por meio do testemunho visível

Leia mais

REUNIÃO DE LIDERANÇAS

REUNIÃO DE LIDERANÇAS REUNIÃO DE LIDERANÇAS 08/02/2015 PAUTA: 1) Oração Inicial 2) Abertura 3) Apresentação de 03 dimensões de Ação Pastoral para o ano de 2015 4) Plenária / Definições 5) Oração Final 6) Retirada de Materiais

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

Marista e Vaticano II: Eles não têm mais vinho? Márcio L. de Oliveira

Marista e Vaticano II: Eles não têm mais vinho? Márcio L. de Oliveira Marista e Vaticano II: Eles não têm mais vinho? Márcio L. de Oliveira 1. Celebrar e (Re) Pensar Ensina-nos a contar os nossos dias, para que venhamos a ter um coração sábio (Sl 90,12). As palavras do salmista

Leia mais

assim ela poderá estar a serviço de uma ação solidária e libertadora do povo latino-americano.

assim ela poderá estar a serviço de uma ação solidária e libertadora do povo latino-americano. Conclusão Geral Para que a Igreja possa cumprir sua missão solidária e libertadora na AL, terá que estar em contínuo processo de conversão e sintonizada com os sinais dos tempos. Somente assim poderá se

Leia mais

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel.

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. NOVENA DE NATAL 2015 O Natal e a nossa realidade A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. (Is 7,14) APRESENTAÇÃO O Natal se aproxima. Enquanto renovamos a esperança de

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa Celebrar os 50 anos da abertura do Concílio no Ano da Fé 1. Na Carta apostólica A Porta da Fé, assim se exprime

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso. Conselho Mundial das Igrejas. Aliança Evangélica Mundial

Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso. Conselho Mundial das Igrejas. Aliança Evangélica Mundial Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso Conselho Mundial das Igrejas Aliança Evangélica Mundial A missão pertence à essência da igreja. Proclamar a palavra de Deus e testemunhá-la ao mundo é

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

PLANO DIOCESANO DE PASTORAL 2015 2018 IGREJA DE AVEIRO, VIVE A ALEGRIA DA MISERICÓRDIA

PLANO DIOCESANO DE PASTORAL 2015 2018 IGREJA DE AVEIRO, VIVE A ALEGRIA DA MISERICÓRDIA IGREJA DE AVEIRO, VIVE A ALEGRIA DA MISERICÓRDIA O nosso Plano alicerça-se no símbolo do lava-pés (Jo 13, 11-17) O LAVA-PÉS Nele se inspira a espiritualidade de serviço que dá sen do a toda a ação pastoral

Leia mais

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial sentimento de ocupar a tribuna para tecermos comentários

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL 2015-2019

DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL 2015-2019 DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL 2015-2019 O QUE SÃO? São indicações São pistas São sendas Para toda a Igreja no Brasil; para as Igrejas Particulares, na elaboração dos seus

Leia mais

C olóquio Internacional Marista sobre Formação Inicial

C olóquio Internacional Marista sobre Formação Inicial 1 C olóquio Internacional Marista sobre Formação Inicial Convicções - Orientações - Recomendações L Hermitage de 4 a14 outubro de 2015 Espero que o que eu faço jorre como um rio, sem forçar e sem reter,

Leia mais

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

5.1. A QUESTÃO ECUMÊNICA HOJE

5.1. A QUESTÃO ECUMÊNICA HOJE 5.1. A QUESTÃO ECUMÊNICA HOJE José Bizon dcj@casadareconciliacao.com.br 1. RESUMO E OBJETIVO Resumo O ecumenismo é parte integrante da ação evangelizadora. De acordo com o Decreto Unitatis redintegratio,

Leia mais

A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS. Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015

A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS. Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015 A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015 [Multimídia] Amados irmãos e irmãs, bom dia! Nos últimos domingos o evangelista Marcos tem-nos contado a acção de Jesus

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre Caridade e partilha Vivemos em nossa arquidiocese o Ano da Caridade. Neste tempo, dentro daquilo que programou o Plano de Pastoral, somos chamados a nos organizar melhor em nossos trabalhos de caridade

Leia mais

CONCÍLIO VATICANO II. Relevância e Atualidade

CONCÍLIO VATICANO II. Relevância e Atualidade CONCÍLIO VATICANO II Relevância e Atualidade Dogma concepção Imaculada de Maria Syllabus Convocação Concilio PIO IX (1846 1878) Vaticano I Renovação Interna da Igreja Decretos Papais Divulgados em Boletins

Leia mais

Tema 4: Espiritualidade Na densidade do humano emerge a vida de Deus

Tema 4: Espiritualidade Na densidade do humano emerge a vida de Deus Tema 4: Espiritualidade Na densidade do humano emerge a vida de Deus NA DENSIDADE DO HUMANO EMERGE A VIDA DE DEUS, Nossa espiritualidade marista, aberta ao diálogo interreligioso, a quem está em busca

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

A Fé que nos gloriamos de professar (continuação)

A Fé que nos gloriamos de professar (continuação) A Fé que nos gloriamos de professar (continuação) Fé cristã: Costume ou Decisão Pessoal É uma decisão livre, da consciência de cada um! As raízes da fé cristã A fé cristã não começou connosco. A fé que

Leia mais

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Copyright 2009 por Marcos Paulo Ferreira Eliézer dos Santos Magalhães Aridna Bahr Todos os direitos em língua portuguesa reservados por: A. D. Santos Editora Al. Júlia da Costa, 215 80410-070 - Curitiba

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Cardeal Sebastião Leme Grito por justiça Dom Helder Câmara Não deixe morrer o profetismo Dom Luciano Mendes de Almeida Não esqueçam

Leia mais

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai Cláudio Ribeiro Objetivos Avaliar a doutrina de Trindade suas raízes, premissas fundamentais, ênfases e mudanças no contexto global da história da Igreja e as

Leia mais

PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE

PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE Espiritualidade Apostólica Marista Ir. José Milson de Mélo Souza Ano de Deus Pai LADAINHA DE SÃO MARCELINO CHAMPAGNAT (Ir. José Milson) V. Senhor, tende piedade de nós.

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

Juventude e Relações Humanas

Juventude e Relações Humanas SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: / / 03 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA.º ANO/EM PROFESSOR(A): VALOR: 0,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO:

Leia mais

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Bem - Aventuranças Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Eu estou à tua porta a bater, Eu estou à tua porta a bater, Se me abrires a porta entrarei para enviar. Eu preciso

Leia mais

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS Apresentação A JUVENTUDE MERECE ATENÇÃO ESPECIAL A Igreja Católica no Brasil diz que é preciso: Evangelizar, a partir de Jesus Cristo,

Leia mais

PROJETO solidário nacional em costa canal

PROJETO solidário nacional em costa canal PROJETO solidário nacional em costa canal Nelda Venturín, odn Rede de Coordenação Pastoral Colégios Companhia de Maria Argentina A experiência se desenvolve nos seis Colégios da Companhia de María na Argentina

Leia mais

3º Congresso Vocacional do Brasil Contagem regressiva

3º Congresso Vocacional do Brasil Contagem regressiva III CONGRESSO VOCACIONAL DO BRASIL Tema: Discípulos missionários a serviço das vocações Lema: Indaiatuba, Itaici, 03 a 07 de setembro de 2010 3º Congresso Vocacional do Brasil Contagem regressiva Ângelo

Leia mais

Sal da TERRA e luz do MUNDO

Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da terra e luz do mundo - jovens - 1 Apresentação pessoal e CMV Centro Missionário Providência Canto: vós sois o sal da terra e luz do mundo... MOTIVAÇÃO: Há pouco tempo

Leia mais

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL 1 Ivocação ao Espirito Santo (oração ou canto) 2- Súplica inicial. (Em 2 coros: H- homens; M- mulheres) H - Procuramos para a Igreja/ cristãos

Leia mais

MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO. Estudo Bíblico

MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO. Estudo Bíblico MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO Estudo Bíblico Bispo Luiz Vergílio / Caxias do Sul/RS Abril de 2009 Ministerial de Pastores e Pastoras 1 MISSÃO DA IGREJA E CRESCIMENTO I. IGREJA

Leia mais

OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO

OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO A contribuição das mídias. Como parte constitutiva da atual ambiência comunicacional, elas tornam-se recursos e ambientes para o crescimento pessoal e social. Constituem-se no

Leia mais

Tema 5: Vocação - um novo relacionamento Você também é Marista?

Tema 5: Vocação - um novo relacionamento Você também é Marista? Tema 5: Vocação - um novo relacionamento Você também é Marista? VOCÊ TAMBÉM É MARISTA? Um novo jeito de ser Marista: Na emergência de um novo tempo para o carisma Marista INTRODUÇÃO O relacionamento entre

Leia mais

Diocese de Aveiro IGREJA DIOCESANA RENOVADA NA CARIDADE É ESPERANÇA NO MUNDO

Diocese de Aveiro IGREJA DIOCESANA RENOVADA NA CARIDADE É ESPERANÇA NO MUNDO Diocese de Aveiro IGREJA DIOCESANA RENOVADA NA CARIDADE É ESPERANÇA NO MUNDO Plano Diocesano de Pastoral para o quinquénio 2008-2013 A PALAVRA DO SR. BISPO PONTO DE PARTIDA 1. INICIAMOS UMA NOVA PERSPECTIVA

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

Fundamentos, conceitos e paradigmas da evangelização

Fundamentos, conceitos e paradigmas da evangelização Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes Fundamentos, conceitos e paradigmas da evangelização OBJETIVOS DA AULA Oferecer aos estudantes a construção de um conhecimento consistente e crítico sobre Evangelização,

Leia mais

Igreja Amiga da criança. Para pastores

Igreja Amiga da criança. Para pastores Igreja Amiga da criança Para pastores Teste "Igreja Amiga da Criança" O povo também estava trazendo criancinhas para que Jesus tocasse nelas. Ao verem isso, os discípulos repreendiam aqueles que as tinham

Leia mais

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo.

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. 1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. Ao contribuir com o dízimo, saímos de nós mesmos e reconhecemos que pertencemos tanto à comunidade divina quanto à humana. Um deles, vendo-se

Leia mais

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II)

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II) Apresentação A Renovação Carismática Católica do Estado do Piauí, movimento eclesial da Igreja Católica, tem por objetivo proporcionar às pessoas uma experiência concreta com Jesus Cristo, através do Batismo

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano Unidade Letiva: 1 - As Origens Período: 1º 1. Questionar a origem, o destino e o sentido do universo e do ser humano. As origens na perspetiva científica L. Estabelecer um diálogo entre a cultura e a fé.

Leia mais

CONGRESSO EUCARÍSTICO. 1º ponto: O padre e a Eucaristia 2º ponto: Congresso Eucarístico

CONGRESSO EUCARÍSTICO. 1º ponto: O padre e a Eucaristia 2º ponto: Congresso Eucarístico CONGRESSO EUCARÍSTICO 1º ponto: O padre e a Eucaristia 2º ponto: Congresso Eucarístico O PADRE E A EUCARISTIA Eucaristia e Missão Consequência significativa da tensão escatológica presente na Eucaristia

Leia mais

Orar é uma atividade regular na vida de Jesus, um hábito, uma disciplina, um vínculo. Essa passagem é pedagógica e ilustra uma vida de fé!

Orar é uma atividade regular na vida de Jesus, um hábito, uma disciplina, um vínculo. Essa passagem é pedagógica e ilustra uma vida de fé! Faculdades EST- Pastoral Universitária Culto de Abertura do Semestre 2013/2 Prédica sobre Lucas 11.1-13 Pastora Iára Müller Leitura de Lucas 11.1-13 O tema da oração e da persistência em orar sempre volta

Leia mais

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu.

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu. O Pão da Vida Na solenidade de Corpus Christi, queremos recordar que os atos redentores de Cristo, que culminam na sua morte e ressurreição, atualizam-se na Eucaristia, celebrada pelo Povo de Deus e presidida

Leia mais

Oração na Vida Diária

Oração na Vida Diária Oração na Vida Diária ocê é convidado a iniciar uma experiência de oração. Às vezes pensamos que o dia-a-dia com seus ruídos, suas preocupações e sua correria não é lugar apropriado para levantar nosso

Leia mais

Paróquia, torna-te o que tu és!

Paróquia, torna-te o que tu és! Paróquia, torna-te o que tu és! Dom Milton Kenan Júnior Bispo Aux. de S. Paulo. Vigário Episcopal para Reg. Brasilândia Numa leitura rápida da Carta Pastoral de Dom Odilo, nosso Cardeal Arcebispo, à Arquidiocese

Leia mais

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE Introdução A CF deste ano convida-nos a nos abrirmos para irmos ao encontro dos outros. A conversão a que somos chamados implica

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 5. CURSO DE TEOLOGIA Área de atuação O egresso do Curso de Teologia

Leia mais

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Carta Pastoral dirigida às igrejas da diocese de Rotemburgo-Estugarda na Quaresma Pascal de 2015 Bispo Sr. Dr.

Leia mais

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco Notícias de Família Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida 06 JUNHO 2014 Permanece conosco Vivemos dias de graça, verdadeiro Kairós com a Celebração

Leia mais

TEXTO BÍBLICO: Lucas 9, 51-52

TEXTO BÍBLICO: Lucas 9, 51-52 LECTIO DIVINA Domingo 27 de Junho de 2010 13º Domingo do Tempo Comum Ano C A tua palavra é lâmpada para guiar os meus passos, é luz que ilumina o meu caminho. Salmo 119,105 Os samaritanos não recebem TEXTO

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

134 missionários e missionárias, segundo o carisma próprio de cada instituto religioso. 6.4.6 A Educação Católica

134 missionários e missionárias, segundo o carisma próprio de cada instituto religioso. 6.4.6 A Educação Católica 134 missionários e missionárias, segundo o carisma próprio de cada instituto religioso. 6.4.6 A Educação Católica 328. A América latina e o Caribe vivem uma particular e delicada emergência educativa.

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão A vida litúrgica começa muito cedo. Os Sacramentos são conhecidos como encontros pessoais com Cristo. Também são vistos como sinais da salvação.

Leia mais

O que é Catequese? Paróquia Santo Cristo dos Milagres Fonseca Niterói RJ Pastoral da Comunicação

O que é Catequese? Paróquia Santo Cristo dos Milagres Fonseca Niterói RJ Pastoral da Comunicação Paróquia Santo Cristo dos Milagres Fonseca Niterói RJ Pastoral da Comunicação contato@paroquiasantocristodosmilagres.org O que é Catequese? Segundo a exortação apostólica Catechesi Tradendae do Papa João

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

MENSAGEM AO POVO DE DEUS SOBRE AS COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE

MENSAGEM AO POVO DE DEUS SOBRE AS COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL 48ª Assembleia Geral da CNBB Brasília, 4 a 13 de maio de 2010 48ª AG(Doc) MENSAGEM AO POVO DE DEUS SOBRE AS COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE Introdução As Comunidades

Leia mais