José Flávio Sombra Saraiva (diretor) Antônio Jorge Ramalho da Rocha João Paulo Peixoto Pedro Motta Pinto Coelho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "José Flávio Sombra Saraiva (diretor) Antônio Jorge Ramalho da Rocha João Paulo Peixoto Pedro Motta Pinto Coelho"

Transcrição

1

2 Diretoria José Flávio Sombra Saraiva (diretor) Antônio Jorge Ramalho da Rocha João Paulo Peixoto Pedro Motta Pinto Coelho Conselho Editorial Estevão Chaves de Rezende Martins (presidente) Amado Luiz Cervo Andrew Hurrell Antônio Augusto Cançado Trindade Antônio Carlos Lessa Denis Rolland Gladys Lechini Hélio Jaguaribe José Flávio Sombra Saraiva Paulo Fagundes Vizentini Thomas Skidmore

3 José Flávio Sombra Saraiva Amado Luiz Cervo Organizadores O crescimento das Relações Internacionais no Brasil

4 INTRODUÇÃO O crescimento das Relações Internacionais no Brasil / (Organizadores: José Flávio Sombra Saraiva / Amado Luiz Cervo). Brasilia: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais (IBRI), p.; 15.5 x 22.5 cm. ISBN Relações Internacionais no Brasil. 2. Política; Conhecimento; Ensino; Economia; Cooperação científica e tecnológica; Comércio; Turismo; Migrações. 3. Artigos, ensaios, leituras. I. José Flávio Sombra Saraiva / Amado Luiz Cervo. Direitos desta edição reservados ao Instituto Brasileiro de Relações Internacionais (IBRI) Universidade de Brasília Caixa postal Brasília, DF Telefax (61) site:www.ibri-rbpi.org.br Impresso no Brasil 2005 Efetuado o Depósito Legal na Fundação Biblioteca Nacional Decreto nº 1.825,

5 AMADO LUIZ CERVO Sumário Introdução... 7 Amado Luiz Cervo Parte I: Conhecimento e ensino das Relações Internacionais no Brasil A evolução da produção intelectual e dos estudos acadêmicos de relações internacionais no Brasil Paulo Fagundes Vizentini O ensino de Relações Internacionais no Brasil Antônio Carlos Lessa Parte II: Poder nacional e segurança Entre a retórica e o realismo: o peso da política exterior do Brasil de Vargas a Lula ( ) José Flávio Sombra Saraiva O lugar do Brasil na geopolítica global Antonio Jorge Ramalho da Rocha Parte III: Brasileiros e o mundo: fluxos humanos, de idéias e de conhecimento O Brasil nas migrações internacionais Dinair Andrade da Silva Turismo e indústria cultural no Brasil Maria Thereza Negrão de Mello O Brasil e a evolução da colaboração científica internacional Isabel Canto 5

6 INTRODUÇÃO Parte IV: O Brasil e as estruturas econômicas internacionais Internacionalização da economia e dependência política: o caso brasileiro Dércio Garcia Munhoz Finanças internacionais do Brasil: uma perspectiva de meio século ( ) Paulo Roberto de Almeida Da deterioração dos Termos de Intercâmbio à Consolidação do Modelo Substitutivo de Exportações Heloisa C. Machado da Silva Conclusão José Flávio Sombra Saraiva 6

7 AMADO LUIZ CERVO Introdução Amado Luiz Cervo Esta coletânea de estudos foi concebida com o intuito de comemorar os cinqüenta anos do Instituto Brasileiro de Relações Internacionais (IBRI), criado em A pergunta que orientou a escolha dos temas e sua abordagem diz respeito ao crescimento das relações internacionais do Brasil nesse período. Teria o setor externo desempenhado papel crescente sobre a formação nacional? Julgou-se, pois, necessário traçar as tendências históricas e avaliar seu impacto concreto sobre o destino do país. A obra lida com um conceito de relações internacionais em que todos os fatores de intercâmbio são considerados. Além da evolução do pensamento brasileiro de relações internacionais, da elaboração da política exterior e da conseqüente conduta diplomática, da inserção econômica, vista através dos fluxos de capital, do comércio exterior e da conexão empresarial, a obra adentra por novos campos de estudo, como o ensino de relações internacionais no país, a cooperação científica entre instituições de dentro e de fora, as migrações e o turismo. Apresenta, portanto, caráter inovador, ao evocar aspectos novos do setor externo, cujo peso não se pondera nas análises tradicionais. Pesquisa, ensino e cooperação acadêmica internacional formam o primeiro bloco de temas conexos, cuja exposição define o grau de conhecimento das relações internacionais apropriado pelos brasileiros, bem como o papel do externo sobre a evolução das ciências no país. Paulo Fagundes Vizentini, pesquisador do CNPq e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, autor de livros, orientador de pós-graduação, familiarizado, portanto, com o tema, faz um balanço da produção intelectual e dos estudos acadêmicos no país. Analisa a relação entre a institucionalização do ensino, particularmente de pósgraduação, e o avanço da pesquisa, a formação de centros ou a criação de grupos avançados de estudo na Universidade de Brasília, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e na Pontifícia Universidade 7

8 INTRODUÇÃO Católica do Rio de Janeiro, entre outros. Vincula, dessa forma ensino e pesquisa, registra o extraordinário incremento dos anos 90 e traça um balanço consistente, inserindo no histórico as tendências da produção. Antônio Carlos Moraes Lessa, professor da Universidade de Brasília, aprofunda a institucionalização do ensino de relações internacionais, avaliando com adequado senso crítico a proliferação recente de cursos de graduação. Isabel Canto, jovem pesquisadora especializada no tema da cooperação acadêmica internacional do Brasil, perseguiu as sutilezas das transições entre a cooperação assistencial e a intervenção decidida de instituições brasileiras rumo à qualidade do intercâmbio, entre as fases de formação de doutores brasileiros no exterior, da vinda de mestres ao Brasil e a implementação de projetos participativos que alavancam a ciência brasileira. Apesar disso, não hesita em aplicar o termo neocolonial à experiência brasileira de cooperação acadêmica e científica internacional, dependente, porém avançada, porque capaz, desde um determinado momento, de criar conhecimento por modo igualitário, mas, ainda, condicionada a preconceitos de desigualdade cultural. As migrações internacionais e o turismo correspondem a aspectos propriamente humanos do intercâmbio entre os povos, embora estreitamente ligados a suas respectivas condições econômicas. Dois professores da Universidade de Brasília, Dinair Andrade da Silva e Maria Thereza Negrão de Mello, dedicaram-se aos temas do segundo bloco da obra. Pelo primeiro estudo, Silva descreve a profunda reversão histórica ocorrida durante os últimos cinqüenta anos no Brasil, o qual, de tradicional receptor de imigrantes, converteu-se em país de emigração, entre as décadas 1960 e Qual o nexo dessa virada com as condições de vida e a desigualdade entre as nações, questiona. Qual o perfil dos cerca de um milhão e meio de emigrantes brasileiros, as comunidades mais expressivas de destino, a capacidade de atração de trabalhadores urbanos pelos países centrais e da terra pelos vizinhos? Como reagiu a diplomacia diante do fenômeno? O turismo é importante, não somente como negócio, mas, ainda, como produtor e reprodutor da imagem do outro. Existe um signo 8

9 AMADO LUIZ CERVO Brasil a comandar as opções dos viajantes e os esforços do governo para incrementar o fluxo de turistas estrangeiros, que saltou de 1,8 para 5 milhões entre 1984 e 2000, quando foi responsável por uma receita de 4,2 bilhões de dólares. A importância histórica do Rio de Janeiro, ainda prevalecente, e o surgimento de novas zonas de atração, particularmente no Nordeste, marcam a evolução. Qual o papel do governo e qual o papel da sociedade, quais os problemas, se pergunta a autora, que deixa, entretanto, ao leitor tirar conclusões acerca da enorme desigualdade entre o turismo e a indústria cultural de países ricos e do Brasil. Um negócio que apenas começa a engatinhar. A recém-doutora pela Universidade de Brasília e professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Heloisa C. Machado da Silva, apresenta conclusões de sua tese acerca da evolução do comércio exterior. Atualmente, a melhor estudiosa da política de comércio exterior do Brasil no pós-guerra, avança original interpretação ao destruir o mito do modelo substitutivo de importações, um dos maiores desastres conceituais produzidos pela inteligência dos economistas brasileiros. Se existiu tal modelo, restringiu-se aos anos 40 e 50, contudo nunca foi concebido como modelo pelos homens de Estado Vargas e Kubitschek. O desenvolvimento equivalia, então, à essência da política, a composição do comércio correspondendo a uma conseqüência, uma variável dependente. A diplomacia brasileira despertou cedo, logo após o impulso industrial dos anos 50, e inaugurou nova estratégia de comércio exterior, concentrando esforços na substituição de exportações. Não foi ouvida pelos economistas. Ninguém melhor que Oswaldo Aranha expressou a necessidade de transitar para a nova fase do comércio exterior. Essa nova fase correspondia, segundo a inteligência brasileira de então, não somente à exigência lógica do desenvolvimento como ao desafio mais duro a vencer por um país emergente. A experiência brasileira de comércio exterior, desde então até o presente, vem marcada pela evidência de que os países avançados nunca abrem de boa vontade espaço em seu clube para novos sócios, conseqüentemente as etapas do desenvolvimento serão percorridas por determinação dos interessados ou nunca atingidas. Outros mecanismos, conceitos e mitos na condução do comércio exterior são perscrutados pela autora, como o papel do 9

10 INTRODUÇÃO Terceiro Mundo, da diplomacia, do protecionismo, das políticas cambiais e das ideologias de direita e de esquerda em seu manejo. Erros e vinganças da História também estão presentes na análise, como o fato de haver Fernando Henrique Cardoso priorizado com fins eleitorais a estabilidade monetária sobre exportações e desenvolvimento. Paulo Roberto de Almeida, diplomata conhecido entre os internacionalistas brasileiros em razão de suas inúmeras publicações, analisa com segurança a inserção financeira internacional do Brasil nesses cinqüenta anos de existência do IBRI. Comparando-a com a industrialização, coerente, racional e crescente, qualifica-a de errática, porquanto caracterizada por inadimplências e por instabilidades das políticas cambiais ao longo do tempo. Sem usar o termo aplicado ao país por Clodoaldo Bueno, de grande esmoleiro internacional, recorre à expressão fragilidade externa para qualificar a inserção financeira. Os traços dessa fragilidade foram estabelecidos pelo baixo nível de poupança interna, minguado mercado de capitais, elevada carga tributária, imagem de devedor incapaz, insuficiente desenvoltura da iniciativa privada, bem como pela inserção na globalização financeira durante as décadas de 1980 e 1990, que substituiu o ciclo desenvolvimentista pelo aprofundamento da histórica fragilidade financeira até, ao que parece, o advento de Luiz Inácio Lula da Silva, em As relações econômicas internacionais do Brasil se fecha com o estudo do economista professor da Universidade de Brasília, Dércio Garcia Munhoz. Este lida com questões muito próximas aos dois outros autores do bloco, contudo sua interpretação apresenta caráter mais crítico acerca da experiência brasileira de cinqüenta anos. Munhoz estabelece intrigante conexão entre o poder político e a potência econômica nas relações internacionais dos últimos séculos e aplica o modelo de análise às relações econômicas internacionais do Brasil no século XX. Sem autonomia política, que por vezes foi sacrificada, não se alcança inserção econômica madura no mundo, esse o prisma sob o qual há de se ver a experiência brasileira. Mostra como a fragilidade financeira conduziu à internacionalização econômica do Brasil, que alimentou a própria dependência financeira e gerou a de poder. 10

11 AMADO LUIZ CERVO O Brasil cresceu nos períodos em que tomou distância dos centros de comando da economia internacional, nacionais ou multilaterais, como à época de Vargas, Kubitschek, Médici e Geisel e retraiu-se quando sacrificou sua autonomia política, como durante os anos 80 e, sobretudo, durante a era Cardoso. Nessa última fase, optou-se pela globalização com abertura comercial como alternativa única, quando na realidade o fenômeno internacional ocorreu nos campos das finanças e dos serviços. O país fez concessões equivocadas, agigantou o Estado em razão da voracidade tributária ao invés de minguá-lo como pretendiam os dirigentes. Desperdiçou, a partir de 1994, poder político que havia acumulado durante décadas e malogrou ao conduzir as relações econômicas internacionais, agravando a desigualdade estrutural do país diante das nações avançadas. Um bloco de estudos refere-se à política e à geopolítica. José Flávio Sombra Saraiva, professor da Universidade de Brasília e diretor-geral do IBRI, deixa claro o problema abordado em sua pesquisa: qual o peso que a política exterior exerceu nesses últimos cinqüenta anos? Sem hesitar, responde e demonstra em sua análise: foi grande sobre a confecção da base industrial da nação e, pela via do desenvolvimento, sobre a formação da nacionalidade brasileira. A conexão entre o externo e o interno, prevalecente por sobre governos e regimes políticos, considerados aqueles dois objetivos da ação externa, vinculou diplomacia, sociedade e inteligência nacionais, conferindo à primeira a qualidade de política de Estado, não de governo. Não somente da diplomacia derivou a política exterior. O peso da política exterior na formação nacional nos últimos cinqüenta anos balançou conforme pendiam governos, inteligência e sociedade para o lado da autonomia decisória ou da subserviência. Saraiva coincide, grosso modo, com Munhoz e Heloisa Silva: o liberalismo desenfreado despejou entulho sobre a rota do desenvolvimento, amesquinhou o poder nacional e rompeu com as melhores tradições da política exterior. O professor da Universidade de Brasília, Antônio Jorge Ramalho da Rocha, levanta a questão do lugar ocupado pelo Brasil na geopolítica mundial. O texto se volta, sobretudo, para a geopolítica como ciência, 11

12 INTRODUÇÃO definindo seus conceitos-chave, para, ao fim, ponderar a inserção do país em redes globais econômicas e jurídicas, além da participação nas operações de paz da ONU. O leitor fará a própria idéia dos textos e das relações internacionais do Brasil entre 1954 e Verá, contudo, que o período de expansão da base industrial de matriz nacional e do mercado interno coincidiu com o período de autonomia decisória da política exterior, particularmente entre 1950 e 1980, quando se cogitou, inclusive, em dotar o país de capacidade dissuasória sobre a qual embasar seu papel internacional. E que o período de abertura com alienação do patrimônio nacional e com subserviência política, que inicia nos anos 80 e se aprofunda durante a era Cardoso, afetou negativamente o ritmo de desenvolvimento e o papel geopolítico do Brasil no mundo. Contudo, os dirigentes da era Cardoso não hesitaram em afirmar que estavam pondo fim à era Vargas, na convicção de que estavam tomando decisões corretas. A polêmica entre entreguistas, como se dizia nos anos 50, ou neoliberais, como se dizia na década de 1990, e autonomistas cindiu a opinião nacional durante os últimos cinqüenta anos e não dá sinais de arrefecimento no presente e no futuro próximo. As correntes de pensamento e de opinião revelam o caráter complexo da sociedade. Sugerem, todavia, mais cuidado com o conhecimento da História, pois quem não a conhece está condenado a repeti-la. Sabendo ou não que a História se vinga sem piedade de erros estratégicos que homens de Estado venham a cometer. Os textos da obra são ricos quanto à análise de erros e acertos do processo decisório. Convergem fortemente no sentido de reconhecer que a autonomia decisória sempre foi mais benéfica para os interesses da nação do que a subserviência aos centros de comando do capitalismo. Pela simples razão de que países emergentes, nos últimos séculos, a exemplo do que ocorreu com os Estados Unidos e o Japão no século XIX, com o Brasil e a China no século XX, não ascendem na ordem internacional sem autonomia decisória e definição estratégica de objetivos a alcançar por meio da política exterior. Sem esses padrões de conduta uma nação não vence as etapas do desenvolvimento: lançamento de uma indústria voltada para o mercado interno e 12

13 AMADO LUIZ CERVO conquista de mercados de produtos primários na primeira fase; robustecimento da economia nacional com exportação de manufaturados na segunda; exportação de empreendimentos na terceira, quando o país atinge a inovação tecnológica. Essas etapas do desenvolvimento foram percebidas como naturais e necessárias pelos estadistas brasileiros e pela diplomacia entre 1930 e 1980, quando atrelaram a si o processo decisório em política exterior. Não foram percebidas pelos neoliberais da era Collor e Cardoso, que não fizeram uso do poder nacional posto à disposição pela herança do passado e agravaram, por certo, os indicadores econômicos e sociais da nação. 13

14

15 PARTE I Conhecimento e ensino das Relações Internacionais no Brasil

16 INTRODUÇÃO 16

17 PAULO FAGUNDES VIZENTINI A evolução da produção intelectual e dos estudos acadêmicos de relações internacionais no Brasil Paulo Fagundes Vizentini* Traçar um perfil exaustivo da produção intelectual e dos estudos acadêmicos das relações internacionais no Brasil constitui tarefa quase impossível, dada a amplitude que elas atingiram nos últimos anos. Da mesma forma, essa produção e esses estudos encontram-se disseminados por várias áreas do conhecimento e apenas recentemente há uma tendência em concentrar-se no campo específico das relações internacionais. Felizmente, os antecedentes do perfil acadêmico e produção editorial na área de Relações Internacionais são um tema já trabalhado por analistas renomados como Paulo Roberto de Almeida (2004) e Shiguenoli Miyamoto (1999) 1. Assim, o objetivo deste texto não será o de retomar essas avaliações, mas sim oferecer considerações adicionais sobre o momento atual. Essas reflexões se organizam da seguinte forma: uma introdução sobre o surgimento da área, ressaltando os pontos mais importantes desse balanço prévio, seguida de discussões sobre o ensino, a pesquisa e a profissão de relações internacionais. Finalmente, apresenta-se um estudo da produção editorial neste início do século XXI e as perspectivas da área, com a devida autocrítica. Gostaria de assinalar que, como é impossível mencionar todos os pesquisadores, cursos e publicações no curto espaço desse artigo, optei pelas linhas gerais, períodos e centros de maior visibilidade. Detalhes são encontrados nos autores acima referidos. * Professor titular da UFRGS e pesquisador do CNPq. O autor agradece o apoio da professora Cristina Pecequilo para a elaboração desse texto. 1 MIYAMOTO, Shiguenoli. O Estudo das Relações Internacionais no Brasil: o Estado da Arte. Revista de Sociologia e Política. Junho 1999, p ; e O Ensino das Relações Internacionais no Brasil: problemas e perspectivas. Disponível em cursos_ri4_artigo_ensino.htm. 17

18 A EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO INTELECTUAL E DOS ESTUDOS ACADÊMICOS... Da história diplomática às relações internacionais Num exame do contexto da evolução da produção editorial brasileira em relações internacionais, pode-se considerar que um dos grandes motores que impulsionaram seu crescimento, aceleração e diversificação relaciona-se à expansão dos cursos nessa área no país a partir da década de 1990 e à simultânea abertura externa que acompanhou a passagem do nacional-desenvolvimentismo à globalização, marcada no país pela agenda neoliberal. Ligada às pressões externas geradas pelo fim da Guerra Fria em 1989, essa expansão foi impulsionada pela aceleração de fenômenos como a globalização e a regionalização e vinculada também ao aprofundamento da interdependência e da transnacionalização, que trouxeram para a linha de frente das preocupações temas que até então apareciam como relativamente marginais na agenda nacional. A dinâmica dessas mudanças, somadas às transições da política mundial e brasileira, gerou demanda por um conhecimento específico sobre esses movimentos, incentivando a busca por profissionais capacitados e por análises especializadas. Durante a fase precedente, com exceção do curso de Relações Internacionais da UnB e do Instituto de Relações Internacionais da PUC do Rio de Janeiro e de especialistas dispersos em vários centros e núcleos de pesquisa que desenvolviam suas ações individualmente (como no Núcleo de Pesquisa em Relações Internacionais (Nupri) da USP, no Cedec e no Naippe/USP, também em São Paulo, no IRI da PUC-Rio e as atividades do Rio de Janeiro, na UERJ e na UFRJ, bem como na UFRGS e em outras instituições gaúchas e catarinenses), o pensamento acerca do internacional era quase que restrito ao campo diplomático no Itamaraty e a alguns setores das Forças Armadas, centralizados na vertente dos estudos estratégicos. De acordo com Almeida 2, a interação entre a diplomacia e a produção intelectual no campo das relações internacionais no Brasil 2 ALMEIDA, Paulo Roberto de. Relações Internacionais e Política Externa do Brasil. Porto Alegre: Ed. UFRGS. 2ª ed., 2004 e Revista Brasileira de Política Internacional: quatro décadas ao serviço da inserção internacional do Brasil. Disponível em 18

19 PAULO FAGUNDES VIZENTINI teve sua origem em fase anterior, particularmente no século XIX e na primeira metade do século XX. Nesse período, podemos destacar a existência de diversos estudos ligados à história diplomática do Brasil e à política externa nacional. Dentre os mais relevantes na formação e fundação do pensamento nacional, sobressaem Pandiá Calógeras em A Política Exterior do Império, Helio Vianna História Diplomática do Brasil e Delgado de Carvalho em livro do mesmo título. Esses verdadeiros precursores constituíam uma espécie de pré-história do estudo acadêmico das relações internacionais no país. Um autor de transição para uma nova abordagem da história diplomática do Brasil foi José Honório Rodrigues com obras como Brasil e África e Interesse nacional e política externa, típicas de um momento política e intelectualmente marcante, caracterizado pelo nacionalismo do fim dos anos 50, pela política externa independente e pela implantação do regime militar. Foi precisamente no início desse período que surgiu o Instituto Brasileiro de Relações Internacionais IBRI (que editaria a RBPI a partir de 1958), que agora comemora seu cinqüentenário. Numa perspectiva semelhante, podem-se mencionar as obras de Moniz Bandeira, especialmente Presença dos Estados Unidos no Brasil. Nessa época, merece destaque a publicação da revista Política Externa Independente, pela Editora Civilização Brasileira. Apesar de terem sido lançados apenas três números, seu impacto intelectual foi imenso, encerrando com chave de ouro um período bastante fecundo. O fortalecimento das relações internacionais No período mais recente, trabalhos como os de Amado Cervo e Clodoaldo Bueno em sua História da Política Exterior do Brasil representam a conclusão da transição para uma fase realmente científicoacadêmica na produção bibliográfica. Recentemente, esse texto foi reeditado em versão atualizada pela Editora da UnB. Cervo e Bueno mantêm sua produção na área, individualmente ou em parceria com outros estudiosos. Bueno publica A Política Externa da Primeira República e Amado Cervo organiza O Desafio Internacional do Brasil. 19

20 A EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO INTELECTUAL E DOS ESTUDOS ACADÊMICOS... Em torno desse último se aglutinou um grupo de pesquisa do CNPq na área de História das Relações Internacionais (Saraiva, Döpcke, Vizentini, entre outros). Outros autores que produziram obras relevantes na área são Gerson Moura, com seus estudos sobre as relações Estados Unidos-América Latina, especialmente, Autonomia na Dependência, além de José Luis Werneck da Silva, com As duas faces da moeda: a política externa do Brasil monárquico, e Ricardo Seitenfus, com O Brasil de Getúlio Vargas e a formação dos blocos. Mas na passagem dos anos 80 aos 90, surgiram também importantes coletâneas, como Temas de Política Externa I e II, organizadas por Gelson Fonseca Jr., Waldemar Carneiro Leão e Sérgio Nabuco de Castro, além de Sessenta anos de Política Externa Brasileira (4 volumes), edição organizada por José Augusto Guilhon Albuquerque, com artigos de diplomatas e acadêmicos. A análise dos paradigmas da política externa brasileira, os interesses estratégicos nacionais, as principais negociações brasileiras e acordos bilaterais no mundo (Itaipu, o Acordo Nuclear Brasil-Alemanha) são abordados nessa coletânea, que contou com a participação de acadêmicos como Myiamoto, Tullo Vigevani, Paulo Wrobel, Monica Hirst, e diplomatas como Paulo Nogueira Batista. Paralelamente, devem-se destacar as obras de um acadêmico-diplomata e de um diplomata-acadêmico que são, respectivamente, Celso Lafer e Paulo Roberto de Almeida, esse último autor de volumosa produção. Merece destaque, ainda, a produção intelectual gerada no âmbito do Curso de Altos Estudos (CAE) do Instituto Rio Branco, Ministério das Relações Exteriores, com a publicação de várias teses pela Funag e editoras universitárias, abordando temas específicos da política externa do Brasil. Também merecem destaque os seminários organizados pelo Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais (IPRI), especialmente a partir da gestão do embaixador Samuel Guimarães, autor e organizador de obras importantes, e pela Fundação Alexandre de Gusmão (Funag) fundação vinculada ao Ministério das Relações exteriores e cujos materiais foram publicados, preenchendo imensas lacunas no campo do estudo das relações bilaterais do Brasil. Com apoio do CNPq, da 20

21 PAULO FAGUNDES VIZENTINI Capes e de outros financiadores, o Itamaraty estimulou e articulou a produção acadêmica na área de relações internacionais do Brasil. Assim, o pensamento sobre Relações Internacionais no país tem suas origens nesse campo diplomático, expandindo-se lentamente para o setor acadêmico e privado. Segundo Almeida, no Brasil, a tendência observada (...) é de um progressivo deslocamento da produção historiográfica em Relações Internacionais dos gabinetes da elite intelectual, e também governamental (...) para as salas mais acanhadas das novas gerações de pesquisadores profissionais (...) (Almeida, 2004, p. 49) A acelerada expansão do ensino e da pesquisa Apesar da competência reconhecida dessas atividades, faltava ao Brasil uma certa quantidade de massa crítica qualitativamente preparada para a discussão dessa nova fase das relações internacionais no país e no mundo. Afinal, ela mesma se encontrava em processo de formação. Quando os cursos acadêmicos, em nível de graduação ou de pósgraduação (stricto e lato sensu), começaram a se expandir, essas lacunas foram reveladas com mais clareza. Até então, o espaço dedicado às relações internacionais tanto no ensino como na pesquisa, no mercado editorial e na mídia era relativamente restrito, não havendo uma política específica de publicação de textos ou de formação de analistas e professores. Com frequência, o material disponível era somente acessível em língua estrangeira, principalmente em inglês, espanhol e francês e a quase todas as obras que haviam sido traduzidas para o português no país (em especial pela Editora da Universidade de Brasília, no início dos anos 80) encontravam-se esgotadas, havendo poucos exemplares de consulta em bibliotecas, o que dificultava e limitava o acesso do público. No campo das revistas especializadas, havia também uma importante limitação. Na prática, somente duas publicações funcionavam de forma ativa, a Revista Brasileira de Política Internacional (RBPI), fundada em 1958, editada pelo IBRI, e a Contexto Internacional, nascida em

22 A EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO INTELECTUAL E DOS ESTUDOS ACADÊMICOS... no IRI/PUC-RJ. A revista Política e Estratégia, editada em São Paulo, teve duração limitada ( ). Em comparação com o exterior, especialmente com os EUA, os meios de divulgação e publicação estavam no início. Na maioria das vezes, os textos sobre temas da área eram inseridos em publicações e jornais de circulação geral, mas sem atenção e espaço especial. O surgimento de periódicos como Política Externa (Editora Paz e Terra, desde 1992) e o boletim Carta Internacional (Nupri/USP, ) nos anos 90 mudaram um pouco esse cenário. Política Externa está sob a responsabilidade da Editora Paz e Terra, com apoio do Gacint/USP (Grupo de Análise de Conjuntura Internacional) e do IEEI (Instituto de Estudos Econômicos Internacionais). Além disso, o Gacint publica também um boletim, o Panorama de Conjuntura Internacional. Todavia, será com o avanço da internet, suas facilidades de edição e disseminação, que os artigos ganharão cada vez mais espaço. Não só faltavam materiais disponíveis de estudo para os que se dedicavam ao campo de estudos das relações iternacionais, como também os diversos cursos que surgiram apresentavam dificuldades na formação de suas grades curriculares. Como se viu, o desenvolvimento da área no Brasil é bastante recente e rápido, sustentado pela necessidade de se buscar conhecimento e especialização inexistentes em larga escala no país. Assim, ainda que alguns bons e experientes profissionais já atuassem no mercado, principalmente no campo acadêmico, como mencionamos, eles eram insuficientes para dar conta da grande quantidade de cursos que surgiam nacionalmente. Aproveitando o momento, o marketing e o glamour que o nome relações internacionais oferecia, diversas instituições de ensino (especialmente privadas) passaram a oferecer cursos nesse campo, sem, entretanto, atentar às suas especificidades. Com isso, muitos cursos de Relações Internacionais foram criados a partir de áreas pré-existentes, como Comércio Exterior, Marketing, Administração, Negócios Internacionais, compartilhando disciplinas e professores. A readequação destes cursos tem sido lenta, e nem sempre se pode impedir seu surgimento, mesmo com os critérios do Ministério da Educação. Na verdade, o próprio MEC carece de uma grande quantidade de 22

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Centro de Estudos Gerais Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos PPGEST Título da Disciplina:

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE ESTUDO AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE George de Cerqueira Leite Zarur Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia ESTUDO DEZEMBRO/2004 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro

O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro Camila Nogueira 1 Camila Texeira Introdução Com o fim da guerra fria o mundo veio a passar por uma série de mudanças no sistema internacional,

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

Res Nullius ou Res Ignara? Uma visão geral dos estudos europeus no Brasil

Res Nullius ou Res Ignara? Uma visão geral dos estudos europeus no Brasil Res Nullius ou Res Ignara? Uma visão geral dos estudos europeus no Brasil 97 Antônio Carlos Lessa Introdução interesse científico-acadêmico no Brasil pela realidade política, econômica, O estratégica e

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DANNIELE VARELLA RIOS DEBORAH DONATO DE SOUZA FELIPE PENIDO PORTELA PÂMELLA ÀGATA TÚLIO ESCOLA INGLESA CURITIBA 2009 DANNIELE

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

Política externa e democracia no Brasil. Reseña. Dawisson Belém Lopes São Paulo, Editora UNESP, 213

Política externa e democracia no Brasil. Reseña. Dawisson Belém Lopes São Paulo, Editora UNESP, 213 Reseña Política externa e democracia no Brasil Dawisson Belém Lopes São Paulo, Editora UNESP, 213 A defesa das instituições democráticas entra definitivamente na agenda internacional da América Latina

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES História Prezado Prof. Benito Bisso Schmidt Presidente da Associação Nacional dos Professores Universitários de Tendo tomado conhecimento

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR

Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR 1 Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná 1. Introdução Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR Procedimento importante, dentre outros, para o acompanhamento do desenvolvimento

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI POR OCASIÃO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO "LIDERANÇA JOVEM NO SECULO XXI", AOS 07/03/2002 ~j 2902 03-0~/02

PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI POR OCASIÃO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO LIDERANÇA JOVEM NO SECULO XXI, AOS 07/03/2002 ~j 2902 03-0~/02 PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI POR OCASIÃO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO "LIDERANÇA JOVEM NO SECULO XXI", AOS 07/03/2002 ~j 2902 03-0~/02 Excelentíssimo Senhor Enrique Ig lesias, Presidente do Banco

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

PROPOSTA DE NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DA ARQUEOLOGIA

PROPOSTA DE NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DA ARQUEOLOGIA PROPOSTA DE NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DA ARQUEOLOGIA Luís Cláudio Symanski (CEPA - Universidade Federal do Paraná) Christiane Lopes Machado (Rheambiente) Roberto Stanchi (Instituto

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 UMA ANÁLISE DA PERSPECTIVA DOS GRADUANDOS DO CURSO DE MATEMÁTICA DAS MODALIDADES DE LICENCIATURA E BACHARELADO DA UFRN SOBRE A FORMAÇÃO CONTINUADA STRICTO SENSU Claudianny Noronha Amorim Universidade Federal

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES 7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES Autor(es) CHRISTINE BARBOSA BETTY Orientador(es) BRUNO PUCCI 1.

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS

POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança - ABESE Entidade que representa, nacionalmente, as empresas de sistemas

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS * NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: Definição: Por negócios internacionais entende-se todo negócio realizado além das fronteiras de um país.

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2004 Ano Base 2001_2002_2003 SOCIOLOGIA CAPES Período de Avaliação: 2001-2002-2003 Área de Avaliação: SOCIOLOGIA

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, do estado palestino judeu e do estado palestino árabe.

iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, do estado palestino judeu e do estado palestino árabe. 1 iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, decretada no ano de 1948 após uma decisão da assembléia geral da onu de 1947, presidida pelo brasileiro osvaldo

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Ministério da Educação Anexos I e II 2º andar Caixa Postal 365 70359-970 Brasília, DF Brasil PLANO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (PNPG) 2005-2010

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

Laboratório da Nokia: a Finlândia é um exemplo de articulação entre universidade e empresa

Laboratório da Nokia: a Finlândia é um exemplo de articulação entre universidade e empresa Política de C & T Competitividade Lições dos inovadores Estudo mapeia estratégias de sete países que produzem pesquisa de classe mundial e faz recomendações para o Brasil Fabrício Marques Edição Impressa

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

A revolução da excelência

A revolução da excelência A revolução da excelência ciclo 2005 PNQ Foto: Acervo CPFL CPFL Paulista, Petroquímica União, Serasa e Suzano Petroquímica venceram o Prêmio Nacional da Qualidade 2005. A Albras, do Pará, foi finalista.

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade

PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade Proponente: Leandro José Luz Riodades de Mendonça (PPED/UFRJ - Pós- Graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada PROJETO BÁSICO

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada PROJETO BÁSICO _.- f Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada PROJETO BÁSICO 1-0BJETO Definir as bases de uma proposta de ação com vistas à criação de um plano de atividades para a Livraria do IPEA. 2-OBJETIVO distribuição

Leia mais

Ciência, Tecnologia, Inovação e Defesa Nacional Seminário sobre Diretrizes Estratégicas de C,T&I para a Defesa Nacional

Ciência, Tecnologia, Inovação e Defesa Nacional Seminário sobre Diretrizes Estratégicas de C,T&I para a Defesa Nacional Ciência, Tecnologia, Inovação e Defesa Nacional Seminário sobre Diretrizes Estratégicas de C,T&I para a Defesa Nacional Painel: Visão da Indústria e da Universidade Hotel Naoum, Brasília, 26 de novembro

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM MARKETING E GESTÃO DE EQUIPES

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM MARKETING E GESTÃO DE EQUIPES CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM MARKETING E GESTÃO DE EQUIPES ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo e Marketing e

Leia mais

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Edson Tomaz de Aquino 1 Resumo: Este artigo apresenta uma reflexão sobre os desafios do Brasil em competir

Leia mais

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES Resumo Este texto tem por objetivo discutir as novas formas de gestão da educação no sentido

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais