Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR"

Transcrição

1 1 Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná 1. Introdução Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR Procedimento importante, dentre outros, para o acompanhamento do desenvolvimento e desempenho do Sistema de Pós-Graduação e Pesquisa do Estado do Paraná, que é formado por instituições públicas e privadas, é fazer periodicamente uma análise a respeito da concessão, pela CAPES e CNPq, de bolsas de estudos aos programas de pós-graduação stricto sensu ofertados por Universidades paranaenses. Nesse contexto é frutuoso visualizarmos o processo de modo global com respeito à concessão de bolsas de estudos aos programas de pós-graduação ofertados por Universidades sediadas nos três Estados da Região Sul. Assim procedendo poderemos mentalizar o desempenho, no item bolsas de estudos, das Universidades paranaenses e, por extensão, o interesse e performance dos responsáveis pela gestão desses programas e também da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná com respeito ao desempenho do sistema e à ampliação de vagas e luta por obtenção de maior número de bolsas de estudos para o Paraná. Não comentaremos o número anual de bolsas de estudos concedidas para residência medica a instituições da Região Sul. Não dispomos de dados oficiais a esse respeito. Na parte 3 do artigo abordaremos, de modo sucinto, a necessidade de o Paraná possuir um excelente sistema de ensino superior (graduação e pósgraduação). A propósito desse tema sugerimos a leitura de (PEREIRA, 2013). O interesse de nossa análise se concentra preferencialmente nas instituições públicas pelo fato de que elas receberam em 2012, 96,30% das bolsas de estudos destinadas ao Paraná. Lembramos que os programas de pós-graduação dos três Estados da Região Sul têm praticamente a mesma idade. Para que tenhamos em mente o que representa para o Paraná um bom desempenho de suas Universidades, lembramos as palavras seguintes de (ORTEGA Y GASSET, 1999, p. 23): A Universidade deve preparar o estudante para viver à altura de seu tempo....

2 2 2. Bolsas de Estudos Concedidas pela CAPES Bolsas de estudos concedidas pela CAPES ao Estado do Paraná. Ano acadêmico de Doutorado Estágio de Pós-Doutorado 156 Mestrado Acadêmico Mestrado Profissional 230 Total Tabela 1. Fonte: Dados GeoCapes atualizados em 05/04/2013 Essas bolsas de estudos foram concedidas, segundo informações da CAPES, nas seguintes proporções: 50,30% para as Universidades federais; 46,0% para as Universidades estaduais e 3,70% para as Universidades privadas. Quando destacamos as bolsas de estudos concedidas pela CAPES para os cursos de doutorado ofertados por instituições paranaenses, temos a seguinte distribuição por grandes áreas. Grande Área Bolsas de Doutorado Ciências Agrárias 380 Ciências Exatas e da Terra 258 Ciências Biológicas 322 Ciências Humanas 177 Ciências da Saúde 201 Engenharias 130 Multidisciplinar 91 Linguística, Letras e Artes. 80 Ciências Sociais Aplicadas 64 Grande Área Não Informada 36 Tabela 2. Fonte: Dados GeoCapes atualizados em 05/04/2013

3 3 Ao visualizamos o total de bolsas de estudos concedidas pela CAPES a instituições paranaenses e iniciadas no ano acadêmico de 2010, temos o seguinte quadro. Doutorado 931 Mestrado Pós-Doutorado 82 Total Tabela 3. Fonte: Dados GeoCapes Comparando o total de bolsas de estudos concedidas pela CAPES a instituições paranaenses no período de 2010 a 2012, observamos que houve um acréscimo de bolsas de estudos. Julgamos ser ainda um número pequeno de bolsas para as necessidades do Paraná. O Estado do Rio Grande do Sul recebeu em bolsas de estudos da CAPES. Somos de opinião que o Paraná deve ter um aumento maior de bolsas de estudos da CAPES, em especial, para os cursos de doutorado e para estágios de pós-doutorado. Bolsas de estudos concedidas pela CAPES ao Estado de Santa Catarina. Ano acadêmico de Doutorado Estágio de Pós-Doutorado 140 Mestrado Acadêmico Mestrado Profissional 15 Total Tabela 4. Fonte: Dados GeoCapes atualizados em 05/04/2013 Bolsas de estudos concedidas pela CAPES ao Estado de Santa Catarina. Ano acadêmico de Doutorado 748 Estágio de Pós-Doutorado 116 Mestrado Total Tabela 5. Fonte: Dados GeoCapes Ao compararmos o número de bolsas de estudos concedidas pela CAPES ao Estado de Santa Catarina no período de 2010 a 2012, observamos um aumento de bolsas. Entre os Estado do Paraná e Santa Catarina houve um quase empate no aumento de bolsas concedidas pela CAPES para o período

4 4 Bolsas de estudos concedidas pela CAPES ao Estado do Rio Grande do Sul. Ano acadêmico de Doutorado Estágio de Pós-Doutorado 515 Mestrado Acadêmico Mestrado Profissional 109 Total Tabela 6. Fonte: Dados GeoCapes atualizados em 05/04/2013 Bolsas de estudos concedidas pela CAPES ao Estado do Rio Grande do Sul. Ano acadêmico de Doutorado Estágio de Pós-Doutorado 344 Mestrado Total Tabela 7. Fonte: Dados GeoCapes Com respeito à concessão de bolsas de estudos pela CAPES ao Estado do Rio Grande do Sul, no período de 2010 a 2012 houve um aumento de bolsas. 2.1 Bolsas de Estudos Concedidas pelo CNPq Bolsas de estudos concedidas pelo CNPq a instituições paranaenses. Ano acadêmico de Doutorado 268 Estágio de Pós-Doutorado 60 Mestrado 348 Total 676 Tabela 8. Fonte: Dados do CNPq Bolsas de Estudos concedidas pelo CNPq a Universidades paranaenses. Ano acadêmico de Doutorado 236 Estágio de Pós-Doutorado 8 Mestrado 363 Total 607 Tabela 9. Fonte: Dados do CNPq

5 5 Quando analisamos o total de bolsas de estudos concedidas pelo CNPq a instituições paranaenses no período de 2010 a 2012, observamos um pequeno aumento de 69 bolsas. Perguntamos aos responsáveis pela gestão do Sistema de PG & P do Paraná: Por que o Paraná recebeu apenas 676 bolsas de estudos do CNPq no ano de 2012? Houve empenho para obter um número maior de bolsas? Esse total ainda é inferior ao número de bolsas concedidas em 2012 pelo CNPq ao Estado de Santa Catarina e três vezes menor que o número de bolsas de estudos concedidas pela mesma agência de fomento ao Estado do Rio Grande do Sul. O que tem motivado o fato do Estado do Paraná receber, ano após ano, um pequeno número de bolsas de estudos do CNPq? Os gestores do Sistema de PG & P do Paraná têm percebido e avaliado as implicações negativas desse fato para nosso Estado? Quais as providências tomadas? Bolsas de estudos concedidas pelo CNPq ao Estado de Santa Catarina. Ano acadêmico de Doutorado 361 Estágio de Pós-Doutorado 69 Mestrado 341 Total 771 Tabela 10. Fonte: Dados do CNPq Bolsas de estudos concedidas pelo CNPq ao Estado do Rio Grande do Sul. Ano acadêmico de Doutorado 936 Estágio de Pós-Doutorado 180 Mestrado 923 Total Tabela 11. Fonte: Dados do CNPq

6 6 Sugerimos que os responsáveis pela Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná - SETI lutem, planejem, projetem metas e ações para um melhor desempenho do sistema e assim conseguir, junto às agências federais de fomento, maior número de bolsas de estudos para as instituições paranaenses. Se o Estado do Rio Grande do Sul consegue anualmente um razoável número de bolsas de estudos, então por que o Estado do Paraná não consegue igual ou maior número de bolsas que aquele Estado? Há algo errado na gestão do sistema do Paraná. Devem ser priorizadas algumas das grandes áreas para as quais sejam direcionadas mais bolsas de estudos. Por exemplo, Engenharias e Ciências da Saúde. Com essa iniciativa teremos a ampliação da oferta do número de vagas para os programas de pós-graduação stricto sensu. Temos a impressão de que os responsáveis pela gestão da SETI acomodam-se com o atual número de bolsas concedidas anualmente, pela CAPES e CNPq, ao Estado do Paraná. Se for um fato verdadeiro, então eles poderão ser responsabilizados pela comunidade acadêmica paranaense, no futuro próximo, por inépcia ou pelo não planejamento estratégico para o desenvolvimento, excelente desempenho e ampliação do Sistema de Pós- Graduação e Pesquisa do Paraná PG & P. Em 2012 a CAPES concedeu, segundo dados dessa agência de fomento, para o Estado de São Paulo bolsas de estudos, assim distribuídas: 18,3% para as instituições federais; 70,8% para as instituições estaduais; 10,7% para instituições privadas e 0,2% para instituições municipais. O número total de bolsas de estudos nos mostra a força do Sistema de PG & P do Estado de São Paulo. Não é demais lembrar que o Sistema de Pós-Graduação e Pesquisa do Paraná é uma das forças motrizes do desenvolvimento do Estado. Mesmo titulando uma reduzida parcela da mão de obra de alta qualificação de nosso Estado, doutores e mestres, o Sistema de PG & P exerce papel fundamental e estratégico na formação de multiplicadores de recursos humanos qualificados e, em especial, na formação de novos doutores e mestres, que são profissionais com capacidade para realizar pesquisa original em Ciência e Tecnologia - C & T. Sem um excelente, amplo e consolidado Sistema de PG & P não poderemos criar, produzir, ciência e tecnologias avançadas, nem exercer liderança em inovação tecnológica. O Sistema de PG & P do Paraná não só necessita de maior número de bolsas de estudos, mas também de planejamento estratégico que o torne em

7 7 futuro próximo, amplo, agressivo e de excelente qualidade. Não há Estado ou país desenvolvido que possua Universidades subdesenvolvidas; que não possua um excelente Sistema de PG & P. Os responsáveis pela Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná devem assumir, junto à comunidade acadêmica estadual, a responsabilidade de defender a necessidade de ser elaborado um planejamento estratégico para dotar o Paraná, no futuro próximo, de um excelente Sistema de Ensino Superior que seja capaz de educar, graduar e inspirar novas gerações de líderes que se esforcem para criar, compreender e utilizar tecnologias exponencialmente avançadas para fazer frente aos grandes desafios do Estado, do país e da humanidade. 3. Considerações Finais Os problemas detectados no Sistema de Ensino Superior do Paraná não dizem respeito apenas ao diminuto número de bolsas de estudos que são concedidas anualmente (Cf. PEREIRA, 2012). Os gestores da SETI devem trabalhar também arduamente no sentido de criar, dentre as Universidades paranaenses de melhor desempenho, uma Universidade de excelência ou de classe internacional, sem prejuízo da melhoria da qualidade das demais instituições de ensino superior. O Paraná por sua pujante e trabalhadora população, sua riqueza humana e material, seu PIB, sua arrecadação tributária anual, seu parque industrial instalado, sua grande produção de grãos, sua pecuária, merece possuir um excelente Sistema de Ensino Superior e nele, uma Universidade de excelência. A respeito da necessidade de criação de uma Universidade de excelência em nosso país sugerimos a leitura de (VIEIRA, 2013) e (STEINER; MALNIC, 2006). Para a transformação de uma Universidade paranaense em uma instituição de excelência, os gestores da SETI devem buscar informações para saber quais são as características que uma Universidade de excelência precisa ter para justificar este nome, e o que a sociedade espera dela. Eis algumas dessas características: apresentar destaque de excelência em um conjunto de trabalhos interdisciplinares; possuir um excelente conjunto de conceitos futuros; ofertar programas de pós-graduação stricto sensu em nível de excelência; ofertar um elenco de excelentes cursos de graduação. Nos países desenvolvidos um dos temas que mais tem preocupado os governos locais e as lideranças universitárias é a diferenciação da qualidade de seu ensino universitário em relação a outros Estados e outros países.

8 8 Nesses países existe uma consciência crescente de que não adianta expandir o sistema de ensino superior de um país (como foi feito no Brasil nos últimos 12 anos e sem boa qualidade; a esse respeito (Cf. CRUZ, 2012)), a um custo crescente para o setor público e para os estudantes e suas famílias, sem que isto se traduza em benefícios sociais efetivos para a sociedade. Sobre a criação de Universidades de excelência e esforços para mantêlas, devemos observar o trabalha desenvolvido pelos governos de diversos países desenvolvidos como Canadá, Estados Unidos da América, e de países europeus (como Inglaterra e Alemanha, dentre outros) e asiáticos. É nesta direção também que o Paraná deve dar um salto à frente dos demais Estados da Região Sul e do Governo Federal. Esta deve ser uma das estratégias a ser escolhida pelo executivo estadual para impulsionar o processo de geração e manutenção de riquezas do Paraná pela via da criação de empregos qualificados, e por meio da produção em ciência e tecnologias avançadas e em inovação tecnológica. Se assim não for feito, então o Paraná perderá a corrida globalizada (pois esse é um processo que surtirá efeitos em longo prazo) em direção ao desenvolvimento científico e tecnológico e à geração e produção de riquezas e bem estar para seus filhos. Sem comprometimento, sem um grande e inteligente esforço por parte dos responsáveis pela SETI jamais fortaleceremos o sistema de ensino superior (graduação, pós-graduação e pesquisa) do Paraná. Lembremos as palavras de (ORTEGA Y GASSET, 1999, p. 52): Certamente, quando uma nação é grande, boa também é sua escola. Não existe nação grande, se sua escola não for boa.... Referências CAPES. GEOCAPES. Concessão de Bolsas de Pós-Graduação em Brasil: Região Sul. Brasília: Disponível in Acesso em 15/05/2013. CGEE. Doutores 2010: Estudos da demografia da base técnico-científica brasileira. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, Cap. 1 e 3.. Mestres 2012: Estudos da demografia da base técnicocientífica brasileira. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, Cap. 3 e 4. CNPq. Mapa de Investimentos no Brasil: Região Sul. Brasília: Disponível in Acesso em 17/05/2013.

9 9 CRUZ, Carlos H. de B. Universidade Reprovada. In Folha de São Paulo, de 24/02/2012. ORTEGA Y GASSET, J. Missão da Universidade. Rio de Janeiro: EdUERJ, PEREIRA, Clóvis. O Desempenho das Universidades Sediadas no Paraná no Contexto do Ranking Universitário Folha Publicado in OBSUNI, de 12/09/2012. Disponível in Acesso em 20/05/ Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu do Paraná, publicado in OBSUNI, de 02/05/2013. Disponível in Acesso em 10/05/2013. STEINER, João E.; MALNIC, Gerhard (Orgs.). Ensino Superior. Conceito e Dinâmica. São Paulo: EdUSP/IEA/FAPESP, VIEIRA, Luis. Universidade de Excelência, será que o Brasil vai ter uma? Publicado in OBSUNI, de 11/05/2013. Disponível in Acesso em 12/05/2013.

A Propósito de Informações Divulgadas Sobre o Desenvolvimento do Sistema de PG, P & I do Paraná

A Propósito de Informações Divulgadas Sobre o Desenvolvimento do Sistema de PG, P & I do Paraná 1 A Propósito de Informações Divulgadas Sobre o Desenvolvimento do Sistema de PG, P & I do Paraná Clóvis Pereira UFPR Recentemente A Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná

Leia mais

Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu para o Paraná

Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu para o Paraná 1 Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu para o Paraná Clóvis Pereira UFPR Introdução A sociedade paranaense está sendo solidamente construída por meio de planos, planejamentos,

Leia mais

O Desempenho das Universidades Sediadas no Paraná no Contexto do Ranking Universitário Folha 2012

O Desempenho das Universidades Sediadas no Paraná no Contexto do Ranking Universitário Folha 2012 1 O Desempenho das Universidades Sediadas no Paraná no Contexto do Ranking Universitário Folha 2012 Clóvis Pereira UFPR No início do segundo semestre de 2012 a Folha de São Paulo divulgou o Ranking Universitário

Leia mais

Localização da Reitoria da Universidade Estadual do Paraná

Localização da Reitoria da Universidade Estadual do Paraná 1 Localização da Reitoria da Universidade Estadual do Paraná Clóvis Pereira UFPR Recentemente deputados estaduais de vários partidos informaram, a partir da tribuna da Assembleia Estadual do Paraná ALEP,

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Ranking das 100 Melhores Universidades Jovens da Terra: versão 2013

Ranking das 100 Melhores Universidades Jovens da Terra: versão 2013 1 Ranking das 100 Melhores Universidades Jovens da Terra: versão 2013 Clóvis Pereira UFPR Recentemente foi divulgado por Times Higher Education THE, da Thomson Reuters, a versão 2013 de seu Ranking com

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

I SEMANA DE ZOOTECNIA: AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E SUAS INSTITUIÇÕES

I SEMANA DE ZOOTECNIA: AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E SUAS INSTITUIÇÕES I SEMANA DE ZOOTECNIA: AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E SUAS INSTITUIÇÕES A COLABORAÇÃO DA FAPEPI NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DO PIAUÍ Dra. BÁRBARA OLIMPIA RAMOS DE MELO PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO

Leia mais

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Pós-Graduação da UFV em debate 2012 26-27 de Novembro de 2012 Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Profa. Simone EF Guimarães Pós Graduação em Genética e Melhoramento UFV

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Academia Brasileirade Ciências

Academia Brasileirade Ciências Academia Brasileirade Ciências ReuniãoAnnual Magna 2011 A ABC a Caminhodo SeuCentenário Jorge A. Guimarães Sobre o Plano Nacional de Pós-Graduação2011 2020 jguimaraes@capes.gov.br Eixos do PNPG 2011-2020

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE ESTUDO AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE George de Cerqueira Leite Zarur Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia ESTUDO DEZEMBRO/2004 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

Objetivos do Programa

Objetivos do Programa UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO Objetivos do Programa Oferecer 100 mil bolsas de estudo no exterior para que nossos mais talentosos estudantes de graduação,

Leia mais

SEMINÁRIO ANDIFES. Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI

SEMINÁRIO ANDIFES. Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI SEMINÁRIO ANDIFES Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Brasília, 13 de março de 2012 Percentual do PIB aplicado em C,T&I Comparação Internacional Fontes: Main

Leia mais

INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL

INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL Maria José Lima da Silva e Valquiria Linck Bassani A Pós-Graduação Brasileira apresenta 2.379 programas de pós-graduação (fonte

Leia mais

www.pucrs.br/pos *AVALIAÇÃO CAPES POR QUE A PUCRS?

www.pucrs.br/pos *AVALIAÇÃO CAPES POR QUE A PUCRS? A Pós-Graduação da PUCRS é a porta de entrada para um novo momento da sua vida profissional e acadêmica. Você pode ampliar habilidades, fomentar ideias e adquirir conhecimento com experiências inovadoras

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL

Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL Livio Amaral Diretor de Avaliação 17set13 A AVALIAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (SNPG) (SNPG) -FUNDAMENTOS

Leia mais

V Seminário Interno do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia da UFRGS (08 de Abril de 2015) A Pós-graduação em Zootecnia Uma visão do sistema

V Seminário Interno do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia da UFRGS (08 de Abril de 2015) A Pós-graduação em Zootecnia Uma visão do sistema V Seminário Interno do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia da UFRGS (08 de Abril de 2015) A Pós-graduação em Zootecnia Uma visão do sistema Papel da CAPES na Condução da Pós-Graduação Fundação vinculada

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

Introdução. Objetivos do Curso

Introdução. Objetivos do Curso Introdução A nova dinâmica dos negócios, principalmente relacionada ao meio industrial, impele uma realidade de novos desafios para a indústria nacional. O posicionamento do Brasil como liderança global

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 CAPES - ÁREA DE ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA ÁREA 46 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA PROGRAMAS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 Para obter nota

Leia mais

Programa Ciência Sem Fronteiras (CsF) Palestra de apresentação do programa

Programa Ciência Sem Fronteiras (CsF) Palestra de apresentação do programa Programa Ciência Sem Fronteiras (CsF) Palestra de apresentação do programa D.Sc. Emílio G. F. Mercuri Departamento de Engenharia Ambiental (DEA) Curso de Graduação em Engenharia Ambiental (CGEA) Universidade

Leia mais

Metas Indicadores Ação para o Alcance das Metas Produto Esperado Fonte dos Dados

Metas Indicadores Ação para o Alcance das Metas Produto Esperado Fonte dos Dados PDI 20111 / 201 15 Pós-Graduação 1. Formar pessoas competentes e éticas, com alta qualificação científica, tecnológica e artística, comprometidas com o bem-estar social, adaptáveis às mudanças, capazes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EDITAL PPGEdu/FAED/UFGD Nº 03 DE 30 DE ABRIL DE 2015. A COORDENADORA DO da da, no uso de suas atribuições, torna público o presente edital, para a abertura de inscrições visando a seleção de candidato

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 CHAMADA DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EXECUÇÃO: 19 DE ABRIL DE 2010 A 10 DE MAIO DE 2010

Leia mais

Consolidação do Sistema de PG & P e Ensino Superior do Paraná

Consolidação do Sistema de PG & P e Ensino Superior do Paraná 1 Consolidação do Sistema de PG & P e Ensino Superior do Paraná Clóvis Pereira - UFPR A sociedade paranaense está sendo construída pelas ações, projetos, planos, políticas públicas e metas criadas e executadas

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Pesquisa e a Pós-Graduação Stricto Sensu são atividades coordenadas por uma mesma

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

MEC e MCTI. Programa Quero ser professor Quero ser cientista

MEC e MCTI. Programa Quero ser professor Quero ser cientista MEC e MCTI Programa Quero ser professor Quero ser cientista Contexto: Censo da Educação Superior 2012 Posição Nome OCDE Total % Matrícula % Acumulado 1 Administração 833.042 11,9 11,9 2 Direito 737.271

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

PAUTA SUPLEMENTAR DA 43ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE PESQUISA

PAUTA SUPLEMENTAR DA 43ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE PESQUISA PAUTA SUPLEMENTAR DA 43ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE PESQUISA 19/08/2015 1) Documento do Grupo de Trabalho para estudo da viabilidade de constituição do Conselho de Laboratórios na FCA junho/2015. Para ciência

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Metrologia Mestrado 2016.1

Programa de Pós-Graduação em Metrologia Mestrado 2016.1 Programa de Pós-Graduação em Metrologia Mestrado 2016.1 Área de Concentração: Metrologia para Qualidade e Inovação A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Metrologia da PUC-Rio, nos termos do Regulamento

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

META MUNICIPAL 14: elevar gradualmente o número de matrículas na pós-graduação stricto sensu, de modo a atingir a titulação anual de 60.

META MUNICIPAL 14: elevar gradualmente o número de matrículas na pós-graduação stricto sensu, de modo a atingir a titulação anual de 60. META MUNICIPAL 14: elevar gradualmente o número de matrículas na pós-graduação stricto sensu, de modo a atingir a titulação anual de 60.000 (sessenta mil) mestres e 25.000 (vinte e cinco mil) doutores.

Leia mais

Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013)

Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013) Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013) Presidente: SENADOR CRISTOVAM BUARQUE Vice-Presidente: SENADOR HÉLIO JOSÉ Relator: SENADOR OMAR AZIZ Proposta de Plano de Trabalho Avaliação de

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

64 pontos não remunerada.

64 pontos não remunerada. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL RESOLUÇÃO 001/2015 ESTABELECE PROCEDIMENTOS E PARÂMETROS AVALIATIVOS PARA PROGRESSÃO DE DOCENTES À CLASSE E PROFESSOR TITULAR ANEXO

Leia mais

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Ministério da Educação Anexos I e II 2º andar Caixa Postal 365 70359-970 Brasília, DF Brasil PLANO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (PNPG) 2005-2010

Leia mais

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO ORÇAMENTÁRIA JOSÉ TADEU JORGE REITOR UNICAMP 26/08/2015 - ALESP 1 PRIMEIROS ANOS -CAMPUS CAMPINAS 2 MARÇO 2014 -CAMPUS CAMPINAS 3 HOJE -CAMPUS CAMPINAS UNIVERSIDADE

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS. Andifes BSB, Março 2012

A INTERNACIONALIZAÇÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS. Andifes BSB, Março 2012 A INTERNACIONALIZAÇÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS Andifes BSB, Março 2012 Organograma Conselho Deliberativo Presidencia GPR AUD PROJUR Ouvidoria DABS DCOI DGTI DEHS Estrutura da Diretoria Diretoria de Cooperação

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

Mestrado Profissional em Administração em Rede Nacional

Mestrado Profissional em Administração em Rede Nacional Mestrado Profissional em Administração em Rede Nacional Modalidade a Distância Santo André-SP, junho de 2011 A quem se destina Qualificação de funcionários públicos federais, estaduais e municipais. Objetivos

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N.º 7.569, DE 2.006 (Do Poder Executivo)

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N.º 7.569, DE 2.006 (Do Poder Executivo) COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N.º 7.569, DE 2.006 (Do Poder Executivo) AUTOR: PODER EXECUTIVO RELATOR: DEPUTADO CARLOS ABICALIL Modifica as competências e a estrutura organizacional da

Leia mais

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE INTRODUÇÃO Renan Arjona de Souza (1); Nádia Maria Pereira

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Cenários do Ensino Superior em Santa Catarina e no Brasil

Cenários do Ensino Superior em Santa Catarina e no Brasil Cenários do Ensino Superior em Santa Catarina e no Brasil Maurício Fernandes Pereira PRESIDENTE DO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA CATARINA PRESIDENTE DO FÓRUM NACIONAL DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE

Leia mais

Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas

Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas Prof. Dr. Sergio Pilling 31/ago/2011 Agências de Fomento. As agências de fomento são instituições financeiras

Leia mais

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR 3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV 0DUoR $'0,1,675$d 2 Aprovação junto a CPPG da Resolução nº 01/2001 que dispõe sobre as atribuições da Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015.

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015. CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015. Institui os Programas de Apoio ao Desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação à Pesquisa e à Formação de Recursos Humanos em Ciência

Leia mais

Mais ciência e inovação para Todos nós

Mais ciência e inovação para Todos nós Mais ciência e inovação para Todos nós FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO SECRETARIA DA FAPEMA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Para construir a FAPEMA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA 2012 COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA ❶ Coordenador Prof. Márcio Machado Ladeira ❷ Coordenador Adjunto

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Sistema Brasileiro de Apoio à Ciência, Tecnologia e Formação de Recursos Humanos Os números indicam o ano de criação das Agências. Fonte:

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva 1 Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva Diretora do Departamento de Pós-Graduação Dra. Maria

Leia mais

Terceiro quadrimestre de 2011

Terceiro quadrimestre de 2011 Edital de Seleção e Ingresso na Pós-Graduação em Nanociências e Materiais Avançados da Universidade Federal do ABC Terceiro quadrimestre de 2011 A coordenação da Pós-Graduação em Nanociências e Materiais

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica

Leia mais

EDITAL Nº 003, de 05 de dezembro de 2014.

EDITAL Nº 003, de 05 de dezembro de 2014. EDITAL Nº 003, de 05 de dezembro de 2014. A Faculdade de Ciências Humanas (FCH), da Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, torna público o presente Edital para abertura de inscrições visando

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2013

RESOLUÇÃO Nº 01/2013 RESOLUÇÃO Nº 01/2013 O Prof. Dr. Osvaldo Resende, Coordenador do Programa de Pós-Graduação Stricto sensu em Ciências Agrárias-Agronomia - PPGCA-AGRO (Mestrado e Doutorado), no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ M I NI S T É RI O DA EDUCAÇÃO CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO/MANTENEDORA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UF PR ASSUNTO: Credenciamento do corso de pós-graduação em Ciências Biológicas,

Leia mais

Programa de Bolsas de Estágio Pós-Doutoral no Exterior para Docentes

Programa de Bolsas de Estágio Pós-Doutoral no Exterior para Docentes CHAMADA PÚBLICA 17/2015 Programa de Bolsas de Estágio Pós-Doutoral no Exterior para Docentes (Acordo Capes/FA) A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Estado do Paraná

Leia mais

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC Boletim 13 Editais / FAPESB Visite nosso blog: / Edital 029/2010 Popularização da Ciência Educação Científica - financiamento de projetos institucionais de educação científica que propiciem a difusão e

Leia mais

I CONGRESSO DE PESQUISA E EXTENSÃO I CONPEX CALENDÁRIO

I CONGRESSO DE PESQUISA E EXTENSÃO I CONPEX CALENDÁRIO ANEXO B II SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO I ENCONTRO DE PÓS-GRADUANDOS DO IFRO II SEMINÁRIO DE DISSERTAÇÕES E TESES De 21 a 23/10/2013 Câmpus Colorado do Oeste No final de 2010, o IFRO iniciou sua trajetória

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

Ciência, Tecnologia, Inovação e Defesa Nacional Seminário sobre Diretrizes Estratégicas de C,T&I para a Defesa Nacional

Ciência, Tecnologia, Inovação e Defesa Nacional Seminário sobre Diretrizes Estratégicas de C,T&I para a Defesa Nacional Ciência, Tecnologia, Inovação e Defesa Nacional Seminário sobre Diretrizes Estratégicas de C,T&I para a Defesa Nacional Painel: Visão da Indústria e da Universidade Hotel Naoum, Brasília, 26 de novembro

Leia mais

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 26, inciso IX, do Decreto nº 6.316,

Leia mais

Auxílios à Participação Individual em Eventos Científicos (APE) - FAPERGS

Auxílios à Participação Individual em Eventos Científicos (APE) - FAPERGS Auxílios à Participação Individual em Eventos Científicos (APE) - FAPERGS Objetivo Esta modalidade de auxílio destina-se a apoiar pesquisadores doutores, com expressiva produção científica, tecnológica,

Leia mais

Universidade Federal de Rondônia. Núcleo de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em História e Estudos Culturais

Universidade Federal de Rondônia. Núcleo de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em História e Estudos Culturais Universidade Federal de Rondônia Núcleo de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em História e Estudos Culturais EDITAL Nº 03/2012 CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO O Colegiado do Mestrado em História

Leia mais

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES 1. Programa CAPES/MES-Cuba PRAZO DE INSCRIÇÃO: 30 de março de 2010 OBJETIVOS: O Programa CAPES/MES-Cuba visa apoiar

Leia mais

EDITAL 02/2015 PPG IELA

EDITAL 02/2015 PPG IELA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL 02/2015 PPG IELA SELEÇÃO PARA BOLSAS DO PROGRAMA DE BOLSAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015

EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015 EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação PROPPI torna públicas as normas para apresentação de propostas

Leia mais

Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD 2013/CAPES)

Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD 2013/CAPES) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE ARTES VISUAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE E CULTURA VISUAL Edital 01/2015

Leia mais

Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades

Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades Glaucius Oliva Presidente CNPq Jorge Almeida Guimãrães Presidente da CAPES Brasil em 1950 Pouquíssimos cientistas e pesquisadores Falta de ambiente de pesquisa

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AGRONOMIA/ENTOMOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

REGULAMENTO DO 3 CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA PESQUISADORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

REGULAMENTO DO 3 CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA PESQUISADORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL REGULAMENTO DO 3 CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA PESQUISADORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ABRANGÊNCIA Art. 1 Este Regulamento normatiza

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE M I N UT A EDITAL FOPIN 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE M I N UT A EDITAL FOPIN 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE M I N UT A INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PROPPI N o 06 de 09 de Julho de 2015 EDITAL FOPIN 2015 PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA DAS

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Reunião Regional do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCEE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ciência, Tecnologia e Inovação Ciência (Conhecer) Tecnologia

Leia mais

Resumo de Editais Abertos Capes

Resumo de Editais Abertos Capes Resumo de Editais Abertos Capes www.capes.gov.br/editais/abertos Programa Capes/MINCyT O objetivo do Programa Capes/MINCyT é estimular, por meio de projetos conjuntos de pesquisa, o intercâmbio de docentes

Leia mais

Fernando Carvalho Silva, D.Sc.

Fernando Carvalho Silva, D.Sc. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Fernando Carvalho Silva, D.Sc. Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação da UFMA Ex-Coordenador da Região Norte do FOPROF

Leia mais

CONGREGAÇÃO DO ICET RESOLUÇÃO Nº05 DE 10 DE SETEMBRO DE 2014.

CONGREGAÇÃO DO ICET RESOLUÇÃO Nº05 DE 10 DE SETEMBRO DE 2014. CONGREGAÇÃO DO ICET RESOLUÇÃO Nº05 DE 10 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre as normas de afastamento para qualificação e de cooperação acadêmica de docentes lotados no Instituto de Ciência, Engenharia e

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Henrique Paim Ministro de Estado da Educação Maceió, abril de 2014 Plano Nacional de Educação PNE balizador de todas as ações do MEC. Desafios:

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa GESTÃO EDUCACIONAL INTEGRADA: Oferecendo 04 Habilitações: supervisão de ensino, orientação educacional, inspeção de ensino e administração escolar. JUSTIFICATIVA O Curso de Especialização em Gestão Educacional

Leia mais

Histórico. Formação de Recursos Humanos para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia do Brasil

Histórico. Formação de Recursos Humanos para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia do Brasil Histórico 40 ANOS DE Pós-graduação NO IME Formação de Recursos Humanos para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia do Brasil Wilma de Araújo Gonzalez a, Itamar Borges Júnior a,b, José Luiz Lima Vaz

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO Ministério da Educação MEC Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES TÍTULO DO PROJETO: Aperfeiçoamento institucional com vistas à melhoria dos programas, processos, projetos e

Leia mais

Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas

Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO A coordenação do Programa

Leia mais

Capes Critérios de Implantação Mestrado e Doutorado Acadêmico. Avaliação de Proposta de Cursos Novos APCN Área de Avaliação: EDUCAÇÃO Dezembro / 2005

Capes Critérios de Implantação Mestrado e Doutorado Acadêmico. Avaliação de Proposta de Cursos Novos APCN Área de Avaliação: EDUCAÇÃO Dezembro / 2005 CAPES PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS DOUTORADO ÁREA DE EDUCAÇÃO Os projetos de cursos novos de doutorado serão julgados pela Comissão de Avaliação da área de Educação com base nos dados obtidos

Leia mais