PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS, PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 ATENDIDOS PELO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS, PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 ATENDIDOS PELO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA"

Transcrição

1 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS, PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 ATENDIDOS PELO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Xênia Pimenta da Silva Santos 1, Drª. Margareth Lopes Galvão Saron 2 1,2 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências da Saúde, Av. Shishima Hifumi, 2911, , Urbanova, São José dos Campos, SP. 1 Univap/FCS, 2 Univap/FCS, Resumo- O diabetes é um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por hiperglicemia, em relação aos idosos pode associar-se com mais ênfaze às complicações, disfunções e insuficiência de vários órgãos, comprometendo o padrão de vida do indivíduo. O objetivo do estudo foi analisar o estado nutricional e os hábitos alimentares de idosos com diabetes atendidos no PSF, da cidade de São João Batista da Glória- MG. Foi analisado as variáveis antropométricas e respectivas classificações disponíveis na literatura, como NHANES, OPAS, MAN e Lipschitz. Participaram da pesquisa 32 idosos, sendo sua maioria do sexo feminino. Foi identificado hipertensão em todas as faixas de estado nutricional, inclusive na faixa de eutrofia e uma alta prevalência de inadequação nutricional, principalmente excesso de peso. Para se ter um resultado mais satisfatório no controle do diabetes, recomenda-se a mudança dos hábitos alimentares e educação nutricional, logo o acompanhamento por um profissional em nutrição é fundamental para aumentar a longevidade e melhorar a qualidade de vida deste grupo de idosos. Palavras-chave: idosos, diabetes, estado nutricional, antropometria Área do Conhecimento: Ciências da Saúde Introdução O envelhecimento populacional é, hoje, uma realidade mundial. No Brasil, o número de pessoas com mais de 60 anos aumentou nove vezes nas últimas seis décadas. Em 1940 era de 1,7 milhões e em 2000 saltou para 14,5 milhões, projetando-se para 2020 um contingente de aproximadamente 30,9 milhões de pessoas com mais de 60 anos (BELTRÃO et al., 2004). O envelhecimento expõe as pessoas a um maior número de doenças crônicas, portanto, o Diabetes Mellitus (DM) é uma das principais síndromes de evolução crônica que acometem a população, principalmente os idosos. Entre as diferentes classificações do diabetes, o DM tipo 2 é o de maior incidência, cerca de 90% dos casos. É evidente a epidemia de DM na atualidade, com projeções alarmantes para este século, especialmente nos países em desenvolvimento. De acordo com WHO (World Health Organization), em 2000 existiam 177 milhões, mas esse quadro deverá aumentar para 370 milhões até Nas Américas, o número de indivíduos com diabetes foi estimado em 35 milhões para o ano 2000 e projetado para 64 milhões em 2025 (FERNANDES et al., 2008). As pessoas com diabetes têm maior incidência de hipertensão arterial, doença coronariana, doença arterial periférica e doença vascular cerebral. A doença pode determinar neuropatia, artropatia e disfunção autonômica, inclusive sexual, e essas doenças acometem mais freqüentemente idosos e sua incidência aumenta com a idade (SILVA, 2006). Além de ser responsável por 70% das amputações, principalmente de coxas e pernas, realizadas pelo Sistema Único de Saúde (BRASIL, 2005). As alterações relacionadas à idade ocorrem em todas as partes do corpo, trazendo diversas mudanças funcionais ao organismo idoso. Dentre elas, a redução da massa magra, aumento do tecido adiposo corpóreo e a menor eficiência de bombeamento do coração, portanto há um aumento do risco de desenvolver desnutrição, já que a deficiência nutricional é um problema relevante em idosos (BUENO et al., 2008). Estudos epidemiológicos realizados com idosos têm utilizado variáveis antropométricas como forma de avaliar o estado nutricional. Nesses estudos, as variáveis antropométricas comumente utilizadas são: peso, estatura, índice de massa corporal, perímetros (braço, panturrilha) e dobras cutâneas tricipital e subescapular (MENEZES e MARUCCI, 2008). Visando minimizar os impactos desta doença, a dietoterapia é reconhecida como a medida fundamental do controle, tratamento e prevenção das complicações agudas e crônicas do diabetes, principalmente em idosos (BATISTA et al., 2006). Uma alimentação adequada é importante para o controle da glicemia sanguínea e estudos epidemiológicos indicam que a carga glicêmica está associada positivamente com o diabetes tipo 2. A utilização de dietas com baixos índices glicêmicos pode servir como estratégia 1

2 complementar no plano alimentar para o diabético, principalmente em períodos de hiperglicemias (CALDAS et al., 2005). A situação nutricional da população geriátrica brasileira sinaliza a necessidade de buscar conhecer e compreender todas as peculiaridades que afetam o consumo alimentar do idoso, levando-se em consideração as características regionais nas quais estão inseridos (LEMOS et al., 2007). A nutrição e a alimentação na terceira idade ainda são pouco exploradas, não tendo recebido a devida atenção. Com o aumento de pessoas acima dos 60 anos de idade, aumenta a necessidade de estudos que investiguem o perfil nutricional e o estado de saúde para que as propostas de educação continuada tenham adesão e impacto na qualidade de vida desses indivíduos proporcionando um envelhecimento saudável (CABRERA et al., 2007). Sendo assim, o objetivo desta pesquisa foi avaliar o estado nutricional de idosos, portadores de Diabetes Mellitus tipo 2, atendidos pelo Programa Saúde da Família (PSF). Metodologia A pesquisa foi transversal e controlada, realizada com idosos, com diagnóstico clínico de Diabetes Mellitus tipo 2, que preencheram os demais critérios de inclusão: ser alfabetizado, não hospitalizado, autorizar participação na pesquisa e assinar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. O projeto de pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética de Pesquisa da Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP) sob o número H231/CEP/2008. O estudo foi realizado na cidade de São João Batista da Glória no Estado de Minas Gerais com idosos que são atendidos pelo Programa Saúde da Família (PSF) José Francisco Rodrigues. Na antropometria e composição corporal, as técnicas e procedimentos adotados nesta pesquisa foram realizados de acordo com WHO (1995). As medidas antropométricas utilizadas foram: o peso e a altura para a determinação do índice de massa corporal (IMC). O peso corporal foi obtido através de uma medição na balança mecânica antropométrica adulta Sport digital com capacidade de até 150 kg da marca Mea estando os idosos descalços, em pé com o mínimo de roupa possível. A estatura foi aferida uma vez utilizando o estadiômetro ( cm) da marca Alturexata. Para obter o IMC foi utilizado a equação IMC=peso(massa corporea (Kg)/ altura²(m). O IMC foi classificado de acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde - OPAS (2002) e Lipschitz (1994). O Perímetro Braquial (PB) e perímetro da panturrilha (PP) foram aferidos uma vez utilizandose fita métrica inelástica, de 150 cm, da marca TBW. A Prega Cutânea Triciptal (PCT) foi aferida utilizando-se o compasso Lange que tem pressão constante de 10g/mm 2, da marca TBW. Com as variáveis PCT e PB foram calculadas as variáveis AAB (área adiposa braquial), CMB (circunferência muscular braquial) e AMBc (área muscular braquial corrigida). O cálculo da AAB foi realizado a partir da equação citada por Frisancho (1981): AAB (cm 2 ) = [PB (cm) 2 ] - [PB (cm) (π x PCT(cm))] 2 4 π 4 π A CMB foi calculada utilizando-se a seguinte equação de acordo com Gurney e Jelliffe (1973): CMB (cm) = [PB (cm) (π x PCT (cm))] A estimativa da AMBc foi realizada a partir das equações propostas por Heymsfield et al. (1984): Homem: AMBc(cm 2 ):[PB (cm) (π x PCT(cm))] 2-10cm 2 4 π Mulher: AMBc(cm 2 ):[PB (cm) (π x PCT(cm))] 2-6,5cm 2 4 π Os valores de referência utilizados para a CMB foram de acordo com os percentis de NHANES III (2000) e definiu-se a seguinte adequação: eutrofia (> percentil 25) e desnutrição ( percentil 25). A AAB e AMBc foram classificadas de acordo com os percentis de Menezes e Marucci (2008), e classificada como eutrofia (> percentil 25) e desnutrição ( percentil 25). O PP foi classificado de acordo com WHO (1995), sendo que valores inferiores a 31 cm indicaram perda de massa muscular. A medida da prega cutânea considerada foi o resultado da média de três medidas realizadas, consecutivamente, efetuadas sempre pelo mesmo examinador. Para a complementação da avaliação do estado nutricional foi utilizado a Mini-Avaliação Nutricional - MAN (SACKS et al., 2000). O inquérito alimentar foi determinado por meio da aplicação do recordatório habitual, utilizando o método de entrevista. Para os cálculos da ingestão de energia e dos macro e micronutrientes, as informações do registro alimentar foram analisadas no programa computacional Dietpro (2008). A análise dos dados foi avaliada com o auxílio do programa de computador Statiscal Package for the Social Sciences (SPSS) versão Para as variáveis com distribuição normal, foram utilizados testes paramétricos como t-student. O nível de significância adotado será 5%, ou seja, p< 0,05. 2

3 Resultados Participaram da pesquisa 32 idosos com DM tipo 2, sendo que 13 são do sexo masculino e 19 do sexo feminino, o que corresponde a 41% e 59% respectivamente. A média de idade dos idosos do sexo masculino foi de 72,46 anos (DP=6,95) e do sexo feminino foi de 69,37 anos (DP=7,21), não houve diferença significativa. Tabela 1. Distribuição dos idosos de acordo com o sexo e idade. Idade N Média Desvio padrão (DP) Máximo Mínimo Masculino 13 72,46 6, Feminino 19 69,37 7, Total 32 70,63 7, Teste t-student. * com diferença estatistica (p<0,05) Conforme pode ser visto na tabela 2, têm-se as variáveis antropométricas dos idosos pesquisados. É possível observar que os valores médios das variáveis peso, altura, CMB e AMBc são superiores nos homens quando comparado as mulheres, sendo que especificamente no caso da altura foi encontrada diferença estatisticamente significativa (p<0,05). Para as variáveis de IMC, PB, PP, PCT e AAB os valores médios encontrados para as mulheres foram superiores quando comparados aos homens, somente a PCT apresentou diferença estatística significativa. Tabela 2. Resultados estatísticos das variáveis antropométricas dos idosos. Média (Desvio Padrão) Valor Masculino Feminino N=13 N=19 P Peso (kg) 77,97 (13,81) 70,99 (16,89) 0,227 Altura (m) 1,69 (0,06) 1,55 (0,07) 0,0001* IMC (Kg/m 2 ) 27,31 (4,07) 29,66 (6,44) 0,252 PB (cm) 30,89 (3,25) 33,68 (2,99) 0,071 PP (cm) 36,11 (5,19) 36,39 (4,90) 0,839 Masculino N=6 Feminino N=8 PCT (mm) 14,67 (5,71) 20,25 (3,01) 0,035* CMB (cm) 24,23 (0,96) 22,45 (2,20) 0,092 AMBc (cm) 36,77(3,77) 33,95 (7,97) 0,440 AAB(cm) 19,68 (8,43) 26,14 (5,88) 0,116 Teste t-student. * com diferença estatistica (p<0,05) Utilizando a classificação do estado nutricional dos idosos pesquisados segundo Lipschitz, foi identificado que 63% dos idosos diabéticos pesquisados estão com excesso de peso, 28% eutróficos e 9% com baixo peso e de acordo com a OPAS, 43% estão com obesidade, 13% sobrepeso, 28% eutróficos e 16% baixo peso. Foi constatado que 84% dos idosos diabéticos apresentam hipertensão. A seguir tem-se a figura 1 que demonstra a correlação da distribuição dos idosos hipertensos com o seu respectivo estado nutricional. Observa-se que, há hipertensos em todas as faixas de estado nutricional, tanto quando classificado por OPAS como por Lipschitz. 100% 80% 60% 40% 20% 0% 5 3 Baixo peso Baixo peso Eutrófico Eutrófico Excesso de peso Excesso do peso Sem hipertensão Com hipertensão Figura 1. Relação percentual da hipertensão com o estado nutricional segundo OPAS e Lipschitz. Correlacionando a classificação do estado nutricional obtido pelo IMC, agrupando sobrepeso e obesidade em um único grupo, com o obtido pelo da Lipschitz, tem-se que 100% das classificações do estado nutricional obtidas pelo OPAS apresentaram o mesmo resultado quando comparado a Lipschitz para os homens. No entanto, o mesmo não foi observado para as mulheres, que apresentaram pequenas distorções entre estas classificações, referente ao baixo peso e excesso de peso (Figura 2). 100% 80% 60% 40% 20% 0% Homem Homem M ulher M ulher Excesso de peso Eutrofia Baixo peso Figura 2. Comparação do Estado Nutricional (OPAS e Lipschitz) com o sexo. Utilizando os questionários da MAN, pode-se obter uma pontuação a qual classifica o estado nutricional dos idosos, identificando que 56% dos 3

4 idosos diabéticos pesquisados estariam eutróficos, 41% com risco de desnutrição e 3% desnutridos. Correlacionando a classificação do estado nutricional obtido pelo IMC com o obtido pelo da MAN, tem-se que 75% das classificações do estado nutricional obtidas pela MAN não apresentaram o mesmo resultado quando comparado ao IMC-OPAS, inclusive apresenta grandes distorções como um indivíduo com IMC de 35,92kg/m 2, ou seja, obeso, apresenta pelo questionário MAN risco de desnutrição. A mesma observação e índices apontados acima foram encontrados quando correlacionado a classificação da MAN com Lipschitz. Em relação à depleção de massa muscular e massa adiposa, os resultados apresentaram diferentes percentuais de acordo com os parâmetros utilizados. Os valores encontrados para a CMB, AMBc, AAB e CB foram os seguintes: 71,43%; 35,71%; 14,29% e 28,13%, respectivamente (Tabela 2). Tabela 2. Classificação do estado nutricional para massa muscular e adiposa do braço dos idosos. Composição Com Eutrófico Depleção Corporal excesso CMB (n=14) 28,57% 71,43% Não aplicado AMBc (n=14) 64,29% 35,71% Não aplicado AAB (n=14) 85,71% 14,29% Não aplicado CB (n=32) 37,50% 28,13% 34,38% Em relação à circunferência da panturrilha (CP) temos que 87% dos idosos não apresentaram perda de massa muscular de acordo com a classificação da OMS. Conforme pode ser visto na tabela 3 tem-se os dados (variáveis) do inquérito alimentar dos idosos pesquisados. É possível observar que os valores médios da energia ingerida pelos homens são de 1.911,25 Kcal (DP=456,21) bem maiores quando comparado com as mulheres que foi de 1.337,56 Kcal (DP=383,16), com significância estatística. Além da energia mencionada anteriormente, foram encontradas diferenças estatisticamente significativas (p<0,05) para os nutrientes ingeridos: carboidrato, proteína, fibra e ferro; para os demais nutrientes (lipídio, gordura saturada, sódio, cálcio, retinol) não houve significância estatística. Com relação à porcentagem de distribuição de macronutrientes os resultados mostram que não houve diferença significativa entre os grupos masculino e feminino (Tabela 3). A distribuição percentual média de proteína para os homens foi superior às recomendações da SBD (2007) e para as mulheres foi elevado o percentual de lipídios. A ingestão de gordura saturada para ambos os sexos apresentaram valores adequados pela SBD (2007). Tabela 3. Resultados estatísticos do inquérito alimentar dos idosos. Média (Desvio Padrão) Teste Masculino Feminino N=13 N=19 P* Recomendação 1942,23 (345,25) 1774,74 (422,31) 0,227 de energia (Kcal) Energia (Kcal) 1911,25 (456,21) 1337,53 (383,16) 0,001* Carboidrato (g) 240,48 (88,80) 165,87(56,58) 0,007* Proteína (g) 102,56 (32,98) 65,08 (30,96) 0,003* Lipídio (g) 60,99 (21,13) 47,08 (17,29) 0,050 Gordura Saturada (g) 3,44 (4,51) 2,79 (2,48) 0,606 Fibra (g) 25,95 (11,09) 18,08 (6,91) 0,019* Sódio (mg) 1216,00 (497,71) 1019,48 (798,50) 0,438 Cálcio (mg) 660,25 (346,27) 563,86 (307,11) 0,414 Ferro (mg) 16,22 (5,79) 9,23 (3,70) 0,0002* Vitamina A (mg) 537,81 (295,82) 655,94 (630,65) 0,535 Distribuição de macronutrientes Carboidrato (%) 49,57 (11,36) 49,38 (11,55) 0,965 Proteína (%) 21,52 (5,93) 19,15 (5,93) 0,277 Lipídio (%) 28,91 (7,50) 31,47 (8,72) 0,397 Gordura Saturada (%) 1,64 (1,85) 1,89 (1,92) 0,710 Teste t-student. * com diferença estatistica (p<0,05) Discussão Analisando os dados deste trabalho houve um predomínio da população feminina constituindo-se 59% da amostra, de forma semelhante o autor Bueno et al. (2008) e Cervato et al. (2005) em seus estudos relataram elevada participação de mulheres em programas voltados para a terceira idade. Em relação ao estado nutricional verificouse a maior prevalência de obesidade e sobrepeso em relação á eutrofia e baixo peso, estes resultados estão em concordância com Santos e Sichieri e com o Relatório da OPAS, no qual o sobrepeso teve sua prevalência aumentada na população brasileira, inclusive em idosos, principalmente a partir de 1975; paralelamente a isso, o baixo peso e a eutrofia tiveram sua prevalência diminuída (BUENO et al., 2008). Quando analisado a PCT, as médias dos valores encontrados indicam maior acúmulo de gordura subcutânea nas mulheres quando comparados aos homens, com diferença estatisticamente significativa, de forma semelhante ocorreu com (MARUCCI e BARBOSA, 2003). As variáveis indicativas de reserva de massa muscular CMB e AMBc apresentaram valores médios maiores entre os homens quando comparados aos valores das mulheres, cujas diferenças não foram estatisticamente significativas, no caso do PP os valores médios 4

5 foram maiores entre as mulheres. Estudos antropométricos utilizando indicadores de massa muscular têm observado maior depósito de massa muscular entre os homens, este mesmo comportamento ocorreu neste estudo (MENEZES; MARUCCI, 2008). Pode-se comprovar que as diversas avaliações nutricionais disponíveis na literatura podem ser adotadas na análise de idosos, especificamente as divergências encontradas na MAN não são conclusivas, pois necessitariam de um estudo mais específico e com uma amostragem maior. Com relação, a freqüência alimentar, no estudo realizado por Batista (2006), houve maior prevalência no consumo de frangos seguido pelas carnes bovinas, neste estudo a bovina é a mais consumida seguida pelo frango e suína, em ambos o consumo de peixes é raro. Comparando a ingestão de cereais e leguminosas nos dois estudos, o consumo de arroz e feijão, seguido dos pães apresentou alta prevalência. No estudo de Batista (2006), 61% dos entrevistados ingeriam leite diariamente, de forma semelhante neste estudo que foi de 68,7%, em ambos os derivados (queijos, iogurtes, etc) são pouco consumidos. O hábito alimentar dos idosos neste estudo não contemplava a ingestão de frutas e verduras recomendadas, isto também foi constatado no estudo de Batista. O consumo de óleos e açucares está muito acima do ideal, isto pode explicar o índice de obesidade encontrado e a falta de controle destes idosos sobre o diabetes. No caso dos diabéticos deste estudo, somente 37,5% utilizam adoçantes, enquanto no estudo de Batista este percentual era de 80%, o principal vilão em ambos os estudos foi o café. Em relação ao consumo médio de energia verificou-se que as mulheres apresentaram a ingestão de energia abaixo da recomendação, enquanto que, os homens a ingestão de energia apresentou-se adequada. Porém, em ambos os sexos houve a presença de excesso de peso. A SBD (2007) recomenda que em média 50 a 60% do valor energético total devem ser provenientes dos carboidratos e uma ingestão diária de proteínas de 15%-20% e para os lipídios de 25 a 30% desse valor energético. Vale ressaltar que neste estudo houve a prevalência de ingestão de carboidratos simples, sendo recomendado maior ingestão de carboidratos complexos. A SBD (2007) recomenda o consumo de fibras de no mínimo 20 gramas ao dia sob a forma de hortaliças, leguminosas, grãos integrais e frutas, que fornecem minerais, vitaminas e outros nutrientes essenciais para uma dieta saudável. Neste estudo observou-se que a média de consumo de fibras pelos homens está adequada e para as mulheres inadequada. Com relação à ingestão dos micronutrientes, observou-se uma inadequação do consumo de vitamina A para os homens sendo o requerimento estimado médio é de 625 mg/dia (DRI, 2002). O consumo de cálcio foi inadequado para ambos os sexos, a ingestão adequada é 1200 mg/dia (DRI, 2002). Conclusão Conclui-se que houve uma alta prevalência de hipertensão arterial e inadequação nutricional (baixo peso e excesso de peso), principalmente o excesso de peso, revelada pelo IMC. Os dados encontrados confirmam a relação entre diabetes e a hipertensão arterial em ambos os sexos. Configurou-se neste estudo diferentes percentuais de depleção de massa muscular e massa adiposa entre os indicadores utilizados, tornando assim, necessário uma investigação mais completa do estado nutricional destes idosos. Observou-se um desequilíbrio na dieta ingerida pelos idosos, tanto para os macronutrientes como para alguns micronutrientes. O consumo de cálcio na dieta foi quantitativamente insuficiente, mesmo que os idosos tenham afirmado consumir leite e derivados diariamente. Para se ter um resultado mais satisfatório no controle do diabetes, recomenda-se a mudança dos hábitos alimentares e educação nutricional, desta forma seriam desmistificados alguns mitos e tabus regionais presentes nesta população. O acompanhamento por um profissional em nutrição é fundamental para aumentar a longevidade e melhorar a qualidade de vida deste grupo de idosos. Referências BATISTA, M.C.R; et al. Avaliação dietética dos pacientes detectados com hiperglicemia na Campanha de Detecção de Casos Suspeitos de Diabetes no município de Viçosa, MG. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia e Metabolismo, v.50, BELTRÃO, K.L; et al. Dinâmica populacional brasileira na virada do século XX. IPEA, Rio de Janeiro, BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portal da Saúde. Diabetes responde por 70% das amputações - Disponível em: busca=sim&id=4782. Acesso em: 4 agosto BUENO, J.M.; et al. Avaliação nutricional e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos pertencentes a um programa assistencial. Revista Ciência e Saúde Coletiva, v.13, n.4, Rio de Janeiro,

6 CABRERA, M.A.S.; et al. Metabolic syndrome abdominal obesity, and cardiovascular risk in elderly women. Int J Cardiol; v.114, p , CALDAS, G.; et al. Diabetes Mellitus: Recomendações nutricionais. Projeto Diretrizes, SBEM&SBN, Brasília, DIETPRO Versão 5. Programa computacional; FERNANDES, M.A.C.; et al. Efeito do exercício físico aeróbio sobre o perfil lipídico de pacientes idosas, portadoras de Diabetes Mellitus tipo 2, atendidas em Unidade Básica de Saúde, Maringá, Estado do Paraná. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.11, n.2, p.1-22, Rio de Janeiro, FRISANCHO, A.R. New norms of upper limb fat and muscle areas for assessment of nutritional status. Am J Clin Nutr: v.34, p , GURNEY, J.M.; JELLIFFE, D.B. Arm anthropometry in nutritional assessment: nomogram for rapid calculation of muscle circumference and cross-sectional muscle and fat areas. Am J Clin Nutr; v.26, p , HEYMSFIELD, S.B.; et al. Anthropometric measurement of muscle mass: revised equations for calculating bonefree arm muscle area. Am J Clin Nutr; v. 36, p , INSTITUTE OF MEDICE/FOOD AND NUTRITION BOARD. Dietary reference intakes for vitamin A, vitamin K,arsenic, boron, chromium, copper, iodine, iron, manganese, molybdenum, nickel, silicon, vanadium, and zinc. Washington: National Academy Press; INSTITUTE OF MEDICE/FOOD AND NUTRITION BOARD. Dietary reference intakes for energy, carbohydrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein, and amino acids (macronutrients). Washington: National Academy Press; KUCZMARSKI MF, Kuczmarski RJ, Najjar M. Descriptive anthropometric reference data for older Americans. J Am Diet Assoc. v.100, p.59-66, (NHANES lll) LIPSCHITZ, D.A. Screening for nutrition status in the elderly. Prim Care, v.21, n.1, p.55-67, MENEZES, T.N.; MARUCCI, M.F.N. Perfil dos indicadores de gordura e massa muscular corporal dos idosos de Fortaleza, Ceará, Brasil. Cad. Saúde Pública, v.23, n.12, p , Rio de Janeiro, MARUCCI, M.F.N.; BARBOSA A.R. Estado nutricional e capacidade física. In: Lebrão ML, Duarte YAO, organizadores. SABE Saúde, Bemestar e Envelhecimento. O projeto SABE no Município de São Paulo: uma abordagem inicial: Organização Pan-Americana da Saúde; p , Brasília, ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA. XXXVI Reunión del Comitê Asesor de Investigaciones en Salud Encuestra Multicêntrica Salud Beinestar y Envejecimeiento (SABE) en América Latina e el Caribe. Disponível em: Acesso em: 4 agosto SANTOS, M.R.D.R.; et al. Caracterização nutricional de idosos com hipertensão arterial em Teresina, PI. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.10, n.1, Rio de Janeiro, SACKS, G.S.; et al. Use of subjective global assessment to identify nutrition-associated complications and death in geriatric long-term Care facility residents. Journal of the American College of Nutrition, v.19, n. 5, p , SILVA, T.R.; et al. Controle de diabetes mellitus e hipertensão arterial com grupos de intervenção educacional e terapêutica em seguimento ambulatorial de uma unidade Básica de saúde. Revista Saúde e Sociedade, v.15, n.3, p , SEYFARTH, S.A. Os alimentos: Calorias, Macronutrientes e Micronutrientes. Manual do Profissional da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), cap. 1, p.1-8, 2006/2007. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Technical Report Series 854. Geneva, 1995 LEMOS, J.O.; et al. Intervenção em gerontologia: influência da nutrição e atividade física em mulheres idosas. Revista Eletrônica Revista Médica, v.1, n.4, p ,

RELAÇÃO ENTRE O PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DIETA CONSUMIDA COMO RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM HOMENS ADULTOS

RELAÇÃO ENTRE O PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DIETA CONSUMIDA COMO RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM HOMENS ADULTOS ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 009 RELAÇÃO ENTRE O PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DIETA CONSUMIDA COMO RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTICO DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009

PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTICO DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009 PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTICO DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009 Érica Cristina Moreira Guimarães 1, Marlene Maria Amaral Scheid 2 1 Faculdade de Ciências da Saúde,Universidade

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação CUSTO/COBERTURA NUTRICIONAL DA CESTA BÁSICA ESALQ/FEALQ PARA UMA FAMÍLIA PIRACICABANA

7º Simpósio de Ensino de Graduação CUSTO/COBERTURA NUTRICIONAL DA CESTA BÁSICA ESALQ/FEALQ PARA UMA FAMÍLIA PIRACICABANA 7º Simpósio de Ensino de Graduação CUSTO/COBERTURA NUTRICIONAL DA CESTA BÁSICA ESALQ/FEALQ PARA UMA FAMÍLIA PIRACICABANA Autor(es) LIEGE MARIA POUSA Co-Autor(es) CELSO JUNIOR ROSENGHINI LOPES Orientador(es)

Leia mais

LEVANTAMENTO DE HÁBITOS ALIMENTARES E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM MOTOBOYS NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP

LEVANTAMENTO DE HÁBITOS ALIMENTARES E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM MOTOBOYS NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP LEVANTAMENTO DE HÁBITOS ALIMENTARES E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM MOTOBOYS NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP Solange Cord 1, MSc. Valéria Maria Caselato de Sousa 2, Dra. Margareth Lopes Galvão Saron

Leia mais

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino 1 1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso 0,0

Leia mais

Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico.

Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico. III CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM NUTRIÇÃO PARENTERAL E ENTERAL ADULTO/PEDIATRIA Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico. Nut. Eduila Couto eduilacouto@hotmail.com Estado

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Divisão de Nutrição e Dietética. Atendimento de Nutrição nas Unidades de Internação

Procedimento Operacional Padrão (POP) Divisão de Nutrição e Dietética. Atendimento de Nutrição nas Unidades de Internação UFSC Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina Elaborado por: Nutricionistas clínicas Revisado por: Nutricionistas clínicas Aprovado por: Gisele

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Área Temática: Saúde ¹Jussara Gazzola (Coordenador da Ação

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC 20 a 22 de agosto de 2008 - Bento Gonçalves-RS COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC Silvia Cristina Ferreira Iop 1,2, Evanilda Teixeira 2 e Rosires Deliza 3 1 Universidade

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDAS EM UMA CLÍNICA PARTICULAR DE TERESINA-PI

PERFIL NUTRICIONAL DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDAS EM UMA CLÍNICA PARTICULAR DE TERESINA-PI PERFIL NUTRICIONAL DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDAS EM UMA CLÍNICA PARTICULAR DE TERESINA-PI Maria do Perpétuo Socorro de Sousa Coêlho Nutricionista Oncoclínica e Hospital de Urgências de Teresina-PI

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Orientações básicas de nutrição para o autocuidado em DM Maria Palmira C. Romero Nutricionista Marisa Sacramento

Leia mais

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE Adolescência 11 aos 20 anos Mudanças: Amadurecimento biológico Sexual Psicológico Social Características Adolescência Mudança de interesses Conflitos com a família Maior

Leia mais

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Infância A infância representa um período que compreende modificações importantes: Crescimento do

Leia mais

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e Análise dos resultados Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e grupos de alimentos, consumo de nutrientes e ainda algumas análises que combinam nutrientes e grupos de alimentos ou

Leia mais

Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 16, n. 1, p. 101-111, 2015. Recebido em: 09.07.2014. Aprovado em: 20.11.2014.

Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 16, n. 1, p. 101-111, 2015. Recebido em: 09.07.2014. Aprovado em: 20.11.2014. Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 16, n. 1, p. 101-111, 2015. Recebido em: 09.07.2014. Aprovado em: 20.11.2014. ISSN 2177-3335 RESUMO CONSUMO ALIMENTAR E CONHECIMENTO NUTRICIONAL

Leia mais

GLAUCIENE DOS REIS SILVA Graduada em Nutrição pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Unileste-MG E-mail: glauciene.reis@yahoo.com.

GLAUCIENE DOS REIS SILVA Graduada em Nutrição pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Unileste-MG E-mail: glauciene.reis@yahoo.com. PERFIL NUTRICIONAL, CONSUMO ALIMENTAR E PREVALÊNCIA DE SINTOMAS DE ANOREXIA E BULIMIA NERVOSA EM ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE IPATINGA, MG THE NUTRITIONAL PROFILE, FOOD CONSUMPTION

Leia mais

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT Nutricionista Débora Razera Peluffo Perfil nutricional brasileiro Nas últimas décadas observou-se uma mudança no perfil epidemiológico da população brasileira:

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO RESUMO Mari Uyeda Larissa Fabiane da Silva Toledo Este trabalho apresenta como objetivo demonstrar o comportamento

Leia mais

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final Laís Cruz Nutricionista CRN 3 18128 2013 Período de transição entre infância e vida adulta (dos 10 aos 19 anos de idade) Muitas transformações físicas, psicológicas e sociais Acelerado crescimento e desenvolvimento:

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI

FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI CONHECIMENTO E CONSUMO DE DIET E LIGHT POR ADOLESCENTES MATRICULADOS EM UM COLÉGIO ESTADUAL DE CORBÉLIA - PR CASCAVEL 2006 FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA E HÁBITOS ALIMENTARES DE UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA E HÁBITOS ALIMENTARES DE UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA E HÁBITOS ALIMENTARES DE UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Patricia de Souza e Silva, Claudia Soar Universidade

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR Daniele Aparecida Capelato 1 ; Bruno Guilherme Morais Pagan 2 ;

Leia mais

Avaliação do almoço servido a participantes do programa de alimentação do trabalhador Assessment of lunch served in the Workers Food Program, Brazil

Avaliação do almoço servido a participantes do programa de alimentação do trabalhador Assessment of lunch served in the Workers Food Program, Brazil 148 Rev Saúde Pública 2005;39(2):148-55 Avaliação do almoço servido a participantes do programa de alimentação do trabalhador Assessment of lunch served in the Workers Food Program, Brazil Karin Eleonora

Leia mais

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da

Leia mais

continente QUAL É A MELHOR DIETA DE EMAGRECIMENTO?

continente QUAL É A MELHOR DIETA DE EMAGRECIMENTO? QUAL É A MELHOR DIETA DE EMAGRECIMENTO? Índice 3 4 5 6 8 9 12 13 14 15 Introdução Dietas Populares A nossa situação Como evitar dietas de risco O que há de novo na ciência das dietas Dieta hiperproteica,

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS DO MOVIMENTO DA TERCEIRA IDADE PRATICANTES DE HIDROGINÁSTICA

ANÁLISE DO PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS DO MOVIMENTO DA TERCEIRA IDADE PRATICANTES DE HIDROGINÁSTICA ANÁLISE DO PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS DO MOVIMENTO DA TERCEIRA IDADE PRATICANTES DE HIDROGINÁSTICA NUTRITIONAL PROFILE ANALYSIS OF ELDERLY PRACTICANTS OF HIDRO GYMNASTICS FROM MOVIMENTO DA TERCEIRA IDADE

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA Analisando o estilo de vida de algumas pessoas, constatou-se

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 TABUS ALIMENTARES DESCRITOS POR PACIENTES DIABÉTICOS DE LAVRAS MG DALILA PEREIRA DE MENDONÇA 1 ; JULIANA DE BRITO MIAMOTO 2 ; ROSEANE MARIA EVANGELISTA OLIVEIRA 3 ; ANDREA RESENDE COSTA DE OLIVEIRA 4 ;

Leia mais

EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS FREQÜENTADORAS DA CLÍNICA DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE (CEPS)

EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS FREQÜENTADORAS DA CLÍNICA DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE (CEPS) EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS FREQÜENTADORAS DA CLÍNICA DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE (CEPS) GRAZIELA MARIA GORLA CAMPIOLO DOS SANTOS 1 LUCIEVELYN MARRONE¹ LUISA DE ALBUQUERQUE PHILIPPSEN 2 LARA RIBEIRO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

Unidade II Necessidades nutricional. Avaliação nutricional. Nutrição no ciclo da vida NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM. Profa Dra Milena Baptista Bueno

Unidade II Necessidades nutricional. Avaliação nutricional. Nutrição no ciclo da vida NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM. Profa Dra Milena Baptista Bueno Unidade II Necessidades nutricional. Avaliação nutricional. Nutrição no ciclo da vida NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM Profa Dra Milena Baptista Bueno Leis da alimentação (Pedro Escudero, 1937) 1º Lei :

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais

AVALIAÇÃO LONGITUDINAL DO ESTADO NUTRICIONAL DE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA-RS 1

AVALIAÇÃO LONGITUDINAL DO ESTADO NUTRICIONAL DE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA-RS 1 AVALIAÇÃO LONGITUDINAL DO ESTADO NUTRICIONAL DE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA-RS 1 SOUZA, Juliana Gusman de 2 ; FLORES, Priscila 2 ; PASETTO, Luciane Zamberlan 3 ; STORCK, Cátia Regina 2 ; WINTER,

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

Nutritional status assessment of institutionalized elderly

Nutritional status assessment of institutionalized elderly ANTROPOMETRIA EM IDOSOS 303 ORIGINAL ORIGINAL Avaliação do estado nutricional de idosos institucionalizados Nutritional status assessment of institutionalized elderly Michelle Soares RAUEN 1 Emília Addison

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS:

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS: JUSTIFICATIVA Para termos um corpo e uma mente saudável, devemos ter uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, carnes, cereais, vitaminas e proteínas. Sendo a escola um espaço para a promoção

Leia mais

Introdução. Metodologia

Introdução. Metodologia Correlação entre consumo alimentar e nível de atividade física habitual de praticantes de exercícios físicos em academia Food intake and physical activity level correlation among individuals who practice

Leia mais

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011 NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011 Definição e estimativa Envelhecer significa conviver com as alterações próprias prias da idade.

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

UM OLHAR A TERCEIRA IDADE: PROMOVENDO NUTRIÇÃO E SAÚDE NO ASILO IRMÃO JOAQUIM

UM OLHAR A TERCEIRA IDADE: PROMOVENDO NUTRIÇÃO E SAÚDE NO ASILO IRMÃO JOAQUIM UM OLHAR A TERCEIRA IDADE: PROMOVENDO NUTRIÇÃO E SAÚDE NO ASILO IRMÃO JOAQUIM Ana Carolina Hardt 1, Ana Paula Aguiar Prudêncio 1, Bárbara Sabino Guimarães 1, Carla Dadalt 1, Débora Bottega 1, Juliana Aguiar

Leia mais

B-PROTEIN. Proteína Isolada da Carne Hidrolisada

B-PROTEIN. Proteína Isolada da Carne Hidrolisada Informações Técnicas B-PROTEIN Proteína Isolada da Carne Hidrolisada INTRODUÇÃO A proteína da carne é reconhecidamente uma das melhores fontes de proteínas existente no mundo. Apresenta um papel fundamental

Leia mais

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Elizabeth Vargas Nutricionista Unilever America Latina Seminário Tecnológico de Nutrição, Saudabilidade e Meio Ambiente Junho 2014

Leia mais

Rua Rio Grande do Norte 57 sala 407 Bairro Santa Efigênia Belo Horizonte MG. Telefone: (31) 3226-7997 www.nutricio.com.br

Rua Rio Grande do Norte 57 sala 407 Bairro Santa Efigênia Belo Horizonte MG. Telefone: (31) 3226-7997 www.nutricio.com.br Esta é uma publicação da Nutrício Reeducação Alimentar e Emagrecimento que tem por objetivo fornecer informações a respeito dos cuidados nutricionais pré e pós cirúrgicos. As informações contidas neste

Leia mais

ANÁLISE NUTRICIONAL PARA REALIZAR ATENÇÃO A IDOSOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA, NO MUNICÍPIO DE ERECHIM-RS

ANÁLISE NUTRICIONAL PARA REALIZAR ATENÇÃO A IDOSOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA, NO MUNICÍPIO DE ERECHIM-RS ANÁLISE NUTRICIONAL PARA REALIZAR ATENÇÃO A IDOSOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA, NO MUNICÍPIO DE ERECHIM-RS Nutritional Analysis to Make a Note of an Institution of old Long Stay in the Municipality

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ANTROPOMÉTRICA E DA QUALIDADE DO LANCHE CONSUMIDO POR CRIANÇAS DO ENSINO INFANTIL DE

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ANTROPOMÉTRICA E DA QUALIDADE DO LANCHE CONSUMIDO POR CRIANÇAS DO ENSINO INFANTIL DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ANTROPOMÉTRICA E DA QUALIDADE DO LANCHE CONSUMIDO POR CRIANÇAS DO ENSINO INFANTIL DE ESCOLA PARTICULAR DA CIDADE DE CURITIBA - PR Nutritional assessment snack and quality used by

Leia mais

Diversificando as opções de um café da manhã equilibrado

Diversificando as opções de um café da manhã equilibrado Diversificando as opções de um café da manhã equilibrado Café da manhã fundamental para começar bem o dia Diversos estudos comprovam a importância do café da manhã no contexto de uma alimentação saudável,

Leia mais

Prescrição Dietética

Prescrição Dietética Prescrição Dietética Quantitativo Cálculo de Dietas Cálculo de dietas estimar as necessidades energéticas de um indivíduo (atividade física, estágio da vida e composição corporal) Necessidades energéticas

Leia mais

ALIMENTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA

ALIMENTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA ALIMENTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA Maria Sylvia de Souza Vitalle (Texto extraído de Manual de atenção à saúde do adolescente. Secretaria da Saúde. Coordenação de Desenvolvimento de Programas e Políticas de Saúde

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Sódio em Debate Desafios na Redução do Consumo

Sódio em Debate Desafios na Redução do Consumo V Encontro de Especialistas Sódio em Debate Desafios na Redução do Consumo Profª Raquel Botelho Universidade de Brasília Problemática Consumo excessivo Oferta excessiva Adaptação do Paladar Escolha de

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS DE MUNICÍPIOS DO CENTRO-SUL DO PARANÁ

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS DE MUNICÍPIOS DO CENTRO-SUL DO PARANÁ 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS DE MUNICÍPIOS DO CENTRO-SUL DO PARANÁ Nutrition assessment of gym s resistance trainers in central southern Paraná RESUMO SEHNEM, Rubia

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo a análise da distribuição de gordura em homens

Leia mais

CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO

CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a alimentação apresentação Uma boa saúde é, em grande parte, resultado de uma boa alimentação. Há muita verdade no dito

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

Tema: Informações técnicas sobre o NUTRI-RENAL para pacientes em tratamento dialítico 1. ANÁLISE CLÍNICA DA SOLICITAÇÃO 3. 1.1. Pergunta estruturada 3

Tema: Informações técnicas sobre o NUTRI-RENAL para pacientes em tratamento dialítico 1. ANÁLISE CLÍNICA DA SOLICITAÇÃO 3. 1.1. Pergunta estruturada 3 Consultoria 06/2012 Solicitante Dr. Enismar Kelley de Souza e Freitas Juiz de Direito - Comarca de Cristina MG Data:22/10/2012 Medicamento Material Procedimento Cobertura X Tema: Informações técnicas sobre

Leia mais

ISSN: 2236-0123 Saúde em Foco, Edição nº: 07, Mês / Ano: 09/2013, Páginas: 29-34

ISSN: 2236-0123 Saúde em Foco, Edição nº: 07, Mês / Ano: 09/2013, Páginas: 29-34 ISSN: 2236-0123 Saúde em Foco, Edição nº: 07, Mês / Ano: 09/2013, Páginas: 29-34 AVALIAÇÃO DA ROTULAGEM DE BARRAS DE CEREAIS COM RELAÇÃO À ADEQUADA CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO TEOR DE FIBRAS ALIMENTARES Karime

Leia mais

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nut. Sandra Mari Barbiero barbierosandra@yahoo.com.br Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANTs) São doenças multifatoriais a) Fatores de Risco Não modificáveis:

Leia mais

Para realizar a Avaliação Nutricional de Crianças de 5 a 10 anos, usa-se 3 parâmetros: estaturapara- idade, peso- para- idade e IMC para idade.

Para realizar a Avaliação Nutricional de Crianças de 5 a 10 anos, usa-se 3 parâmetros: estaturapara- idade, peso- para- idade e IMC para idade. Angela Teodósio da Silva Graduanda de Nutrição Universidade Federal de Santa Catarina Bolsista PET- Saúde Nutrição Orientação de Avaliação Nutricional para crianças e adolescentes: Orientação Nutricional

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo RESUMO: O presente estudo compara a composição corporal

Leia mais

INGESTÃO DE FIBRAS ALIMENTARES E PREVALÊNCIA DE CONSTIPAÇÃO INTESTINAL: COMPARAÇÃO ENTRE OVOLACTOVEGETARIANOS E ONÍVOROS

INGESTÃO DE FIBRAS ALIMENTARES E PREVALÊNCIA DE CONSTIPAÇÃO INTESTINAL: COMPARAÇÃO ENTRE OVOLACTOVEGETARIANOS E ONÍVOROS INGESTÃO DE FIBRAS ALIMENTARES E PREVALÊNCIA DE CONSTIPAÇÃO INTESTINAL: COMPARAÇÃO ENTRE OVOLACTOVEGETARIANOS E ONÍVOROS Liliane de Souza Pereira Moreira¹, Érika Lima Rodrigues² 1,2 UNIVAP/Faculdade de

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso.

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 ESTADO NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA CLÍNICA ESCOLA DE

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE NUTRIZ USUÁRIA DE CRACK DA ZONA OESTE DE SANTA MARIA RS 1

ESTADO NUTRICIONAL DE NUTRIZ USUÁRIA DE CRACK DA ZONA OESTE DE SANTA MARIA RS 1 ESTADO NUTRICIONAL DE NUTRIZ USUÁRIA DE CRACK DA ZONA OESTE DE SANTA MARIA RS 1 NÖRNBERG, Marcele Leal 2 ; OLIVEIRA, Valquiria Michelim de 2 ; HARTMANN, Ivana 2 ; FLORES, Priscila da Trindade 2 ; LIMA,

Leia mais

ADRIANA HONAISER PERFIL NUTRICIONAL DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DA CIDADE DE PATO BRANCO-PR

ADRIANA HONAISER PERFIL NUTRICIONAL DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DA CIDADE DE PATO BRANCO-PR ADRIANA HONAISER PERFIL NUTRICIONAL DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DA CIDADE DE PATO BRANCO-PR GUARAPUAVA 2009 2 ADRIANA HONAISER PERFIL NUTRICIONAL DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DA CIDADE DE PATO

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência 1. ALIMENTE-SE MELHOR Prevê-se que em 2025 1, só na Europa, o grupo etário mais idoso (acima dos 80 anos), passe de 21,4

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Treinamento e nutrição.

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Treinamento e nutrição. Conteúdo: Treinamento e nutrição. Habilidades: Relacionar a alimentação saudável com a prática de exercícios físicos. X Nutrientes macronutrientes micronutrientes Micronutrientes Macronutrientes A importância

Leia mais

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Nutr. Graziela Beduschi

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Nutr. Graziela Beduschi NUTRIÇÃO ESPORTIVA Nutr. Graziela Beduschi Graduação em Nutrição - UFPR MSC Nutrição - Wollongong University - AUS Sports Dietitian Course Australian Institute of Sports Passos para uma alimentação saudável

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

Perfil dos consumidores de suplementos alimentares praticantes de musculação em academias nas cidades de Curitiba e Pinhais

Perfil dos consumidores de suplementos alimentares praticantes de musculação em academias nas cidades de Curitiba e Pinhais LEANDRO CLARO DOS SANTOS Perfil dos consumidores de suplementos alimentares praticantes de musculação em academias nas cidades de Curitiba e Pinhais Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Terapia nutricional no diabetes

Terapia nutricional no diabetes Terapia nutricional no diabetes Nutricionista Cigléa do Nascimento CRN-2 2670 Conteúdos abordados Metas glicêmicas Recomendações nutricionais Índice glicêmico e carga glicêmica Contagem de carboidrato

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

Cereal Integral. Muito mais do que. fibras

Cereal Integral. Muito mais do que. fibras Cereal Integral Muito mais do que fibras O Guia Alimentar para a População Brasileira recomenda a ingestão de 6 porções de cereais ao dia para atingir as recomendações de carboidratos, dando preferência

Leia mais

EVOLUÇÃO PONDERAL EM CRIANÇAS NASCIDAS COM PESO INSUFICIENTE

EVOLUÇÃO PONDERAL EM CRIANÇAS NASCIDAS COM PESO INSUFICIENTE EVOLUÇÃO PONDERAL EM CRIANÇAS NASCIDAS COM PESO INSUFICIENTE Tatiane Loidi de Santana Acadêmica do Curso de Nutrição do CESUMAR Centro Universitário de Maringá, Maringá - Cristiane Faccio Gomes Orientadora

Leia mais

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL?

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? O Ministério da Saúde está lançando a versão de bolso do Guia Alimentar para a População Brasileira, em formato de Dez Passos para uma Alimentação Saudável, com o objetivo

Leia mais

Correlação das medidas antropométricas reais do peso e da altura com os métodos de estimativa em pacientes adultos do Hospital Regional de Ceilândia

Correlação das medidas antropométricas reais do peso e da altura com os métodos de estimativa em pacientes adultos do Hospital Regional de Ceilândia ARTIGO ORIGINAL Correlação das medidas antropométricas reais do peso e da altura com os métodos de estimativa em pacientes adultos do Hospital Regional de Ceilândia Correlation of methods to estimate weight

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA E O ESTADO NUTRICIONAL EM HOMENS IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS QUALITY OF LIFE AND NUTRITIONAL STATUS IN ELDERLY INSTITUTIONALIZED MEN

QUALIDADE DE VIDA E O ESTADO NUTRICIONAL EM HOMENS IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS QUALITY OF LIFE AND NUTRITIONAL STATUS IN ELDERLY INSTITUTIONALIZED MEN QUALIDADE DE VIDA E O ESTADO NUTRICIONAL EM HOMENS IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS QUALITY OF LIFE AND NUTRITIONAL STATUS IN ELDERLY INSTITUTIONALIZED MEN Sueleen Cristiane Rodrigues * Carmem Luciane Sanson

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.480, DE 2003

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.480, DE 2003 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.480, DE 2003 Obriga a divulgação de advertência sobre obesidade em embalagens de produtos altamente calóricos. Autor: Deputado LINCOLN PORTELA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE FERRO ALIMENTAR EM PRÉ-ESCOLARES COM IDADE ENTRE 2 A 6 ANOS

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE FERRO ALIMENTAR EM PRÉ-ESCOLARES COM IDADE ENTRE 2 A 6 ANOS 1 LILIAN RAQUEL DE LIMA AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE FERRO ALIMENTAR EM PRÉ-ESCOLARES COM IDADE ENTRE 2 A 6 ANOS BRAGANÇA PAULISTA 2007 2 LILIAN RAQUEL DE LIMA AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE FERRO ALIMENTAR EM PRÉ-

Leia mais