Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I:"

Transcrição

1 Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS Unidade I: 0

2 Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS ESTUDO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS DE MICRONUTRIENTES DEFINIÇÕES Necessidades Nutricionais: quantidade de energia e nutrientes biodisponíveis nos alimentos, que um indivíduo são deve ingerir para satisfazer suas necessidades fisiológicas. Necessidade: definida como o menor nível de ingestão contínua de um nutriente, que irá manter em uma pessoa, um estado de nutrição definido. RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS: quantidade de energia e nutrientes que devem conter os alimentos consumidos para satisfazer as necessidades de quase todos os indivíduos da população saudável (média das necessidades de vários conjuntos de indivíduos + 2 desvios-padrão = ATENDENDO 97,5% da população). DRIs (Dietary Reference Intakes) DRIs (Dietary Reference Intakes) termo atual, que inclui nas recomendações conceitos recentes sobre o papel dos nutrientes e dos componentes alimentares na Manutenção da Saúde. DRI(s) - São valores de referência, estimativas quantitativas de ingestão de nutrientes. Devem ser utilizadas para planejar e avaliar dietas para populações saudáveis. DRIs (Dietary Reference Intakes) São valores de referência de ingestão de nutrientes que devem ser utilizados para planejar e avaliar dietas para pessoas saudáveis 1

3 O QUE SÃO VALORES DE REFERÊNCIA? AS DRIs CONSISTEM EM 4 REFERÊNCIAS DE INGESTÃO: 1ª) RDAs = (Recommended Dietary Allowaces) - Ingestão dietética recomendada: é o nível de ingestão dietética diária que é suficiente para atender às necessidades de nutrientes de praticamente todos (97 a 98%) dos indivíduos saudáveis de um determinado grupo de mesmo gênero e estágio de vida. 2ª) UL = (Tolerable Upper Intake Level) - Limite superior Tolerável de Ingestão: é o nível + alto de ingestão diária continuada de um nutriente que aparentemente não oferece nenhum efeito adverso à saúde em quase todos os indivíduos de um estágio de vida ou gênero. A medida que a ingestão aumenta para além do UL o risco potencial de efeitos adversos também aumenta. 3ª) EAR = (Estimated Average Requeriment) Ingestão Média Estimada: é um valor de ingestão diária de um nutriente que se estima que suprir a necessidade de metade (50%) dos indivíduos saudáveis num estágio de vida e sexo. 4ª) AI = (Adequate Intake) - Ingestão Adequada: é utilizada quando não há dados suficientes para a determinação das RDA. Pode-se dizer que é um valor prévio à RDA. Baseia-se em níveis de ingestão ajustadas experimentalmente ou em aproximações da ingestão observada de nutrientes de um grupo de indivíduos aparentemente saudável. Atualmente DRI, EAR, RDA, AI, UL são a mais completa fonte de referência. COMO UTILIZAR AS DRI(S) NA AVALIAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DIETAS Estimar a ingestão dos mesmos através do cálculo das dietas (considerar fontes alimentares e outras fontes como água e suplementos); Determinar qual valor de referência utilizar (avaliação ou planejamento); 2

4 Dependendo do foco de avaliação (indivíduo ou grupo) a seleção do padrão de referência será da seguinte forma: PLANEJAMENTO DE DIETAS AVALIAÇÃO DE DIETAS Grupo Indivíduos Grupo Indivíduos EAR RDA EAR EAR (AI) (AI) UL (AI) UL UL UL A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS 4 VALORES DE REFERÊNCIA EAR RDA AI UL Como utilizar os valores de referência das DRI(s) RDA = EAR + 2SD Para indivíduos Para grupos EAR: utilizada para avaliar a EAR: utilizada para estimar a probabilidade de inadequação da prevalência do consumo inadequado ingestão habitual entre o grupo RDA: a ingestão habitual neste nível RDA: não deve ser utilizado para ou acima tem baixa probabilidade de avaliar ingestão de grupos inadequação AI: a ingestão habitual neste nível ou AI: a ingestão média usual neste nível 3

5 acima tem baixa probabilidade de inadequação UL: a ingestão habitual acima deste nível pode levar a riscos adversos em indivíduos devido à ingestão excessiva de nutrientes ou acima implica em baixa prevalência de inadequação de ingestão UL: utilizado para estimar a porcentagem da população com potencial risco de efeitos adversos devido à ingestão excessiva de nutrientes Fonte: FISBERG e cols, INTERPRETAÇÃO QUALITATIVA DA ADEQUAÇÃO DA INGESTÃO Ingestão em relação a AI Interpretação qualitativa Ingestão a AI A ingestão média provavelmente está adequada se avaliada por um grande número de dias Ingestão < AI A adequação da ingestão não pode ser determinada Ingestão em relação a UL Interpretação qualitativa Ingestão a UL Risco potencial de efeitos adversos se a ingestão observada incluiu um grande número de dias Ingestão < UL A ingestão provavelmente é segura se observada por uma grande número de dias Ingestão em relação a Interpretação qualitativa EAR Ingestão = a EAR 50% de chance de inadequação Ingestão < EAR Ingestão provavelmente inadequada Ingestão entre EAR e RDA Risco de inadequação Ingestão em relação a Interpretação qualitativa RDA Ingestão = a RDA 2 a 3% de chance de inadequação Ingestão >= RDA Gde nº dias observação = inadequação pouco provável Ingestão entre RDA e UL - sem risco de inadequação Fonte: adaptado de ref. 1 4

6 COMO UTILIZAR NA PRÁTICA AS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS Como exemplo, teremos que estabelecer um planejamento alimentar quanto à ingestão de micronutrientes, para uma mulher de 42 anos. COMO AVALIAR E PLANEJAR A DIETA? Supondo que esse indivíduo passou por uma consulta nutricional e relatou sua alimentação habitual. Os passos que devem ser seguidos serão: 1) Estabelecer os valores de referência de micronutrientes utilizados no planejamento e avaliação da dieta; 2) Estabelecer os valores de referência para avaliar a ingestão e então analisar a dieta habitual quanto à ingestão de micronutrientes; 3) Estabelecer os valores de referência de micronutrientes adequados ao indivíduo para Como exemplo, veja o quadro abaixo que apresenta os valores de referência dos micronutrientes (cálcio, ferro, vitamina B1, B2, Niacina e Vitamina C), destinados ao caso apresentado e que estão apresentados seguindo os passos recomendados anteriormente: 1) Estabelecer os valores de referência de micronutrientes utilizados no planejamento e avaliação da dieta MICRONUTRIENTES PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Limites Ca (mg) Fe (mg) B1(mg) B2(mg) Niacina(mg) Vit C(mg) EAR 8,1 0,9 0, RDA 18 1,1 1, AI 1000 UL ND ND ) Estabelecer os valores de referência para avaliar a ingestão e então analisar a dieta habitual quanto à ingestão de micronutrientes. 5

7 AVALIAÇÃO DE DIETAS VALORES DE Ca (mg) Fe (mg) B1(mg) B2(mg) Niacina(mg) Vit C(mg) REFERÊNCIA EAR 8,1 0,9 0, (AI) 1000 UL ND ND A partir do quadro acima o que se observa é que os valores considerados adequados seriam aqueles que se situam entre o EAR ou (AI) e o UL, ou seja, se tirarmos como exemplo o Ferro, se utilizaria os valores entre 8,1mg/dia e 45mg/dia. Para analisar a ingestão, devem-se determinar as quantidades de nutrientes ingeridas. Sendo assim, vamos supor que o a mulher de 42 anos, que tivemos como exemplo anterior, ingerisse as quantidades de micronutrientes apresentada a seguir: Referência Ca (mg) Fe (mg) B1(mg) B2(mg) Niacina(mg) Vit C(mg) Ingestão 820 0,78 1,2 1, Como se avaliaria a sua ingestão? AVALIAÇÃO DE DIETAS VALORES DE Ca (mg) Fe (mg) B1(mg) B2(mg) Niacina( Vit C(mg) REFERÊNCIA mg) EAR 8,1 0,9 0, (AI) 1000 UL ND ND Ingestão 820 0,78 1,2 1, Análise da Inadequado Inadequa Adequa Adequado Adequado Adequado ingestão do do O que se observa é que as ingestões dos nutrientes que se apresentaram entre os valores de EAR e UL, estavam adequadas. 6

8 OBSERVE O EXEMPLO ABAIXO QUE SE REFERE À INGESTÃO DE NIACINA EAR UL 11mg/dia 35mg/dia INGESTÃO 16mg ou seja, se observa que a ingestão está entre os valores de ear (11mg) e UL (35mg). Sendo assim pode-se dizer que está adequado. Agora, vamos supor que você fosse elaborar uma dieta para essa mulher. Quais valores de referência você deveria ter como base? Veja a tabela a seguir, o que você deveria observar para planejar essa dieta. Limites Ca (mg) Fe (mg) B1(mg) B2(mg) Niacina(mg) Vit C(mg) RDA 18 1,1 1, AI 1000 UL ND ND A partir do quadro acima você pode verificar que deveria se basear entre os valores de RDA e UL. ESTUDO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS DE MACRONUTRIENTES Nutrientes Energéticos Os nutrientes energéticos (proteína, lipídeo e carboidrato) são os responsáveis por atender as calorias do valor energético total exigido da dieta. Esses nutrientes fornecem o seguinte valor calórico/grama: Nutriente Proteína Lipídeo Carboidrato kcal/g 4kcal/g 9kcal/g 4kcal/g 7

9 Sendo assim, uma vez que as dietas devem ser balanceadas, deve-se primeiro estabelecer as quantidades, em calorias e gramas, dos nutrientes energéticos na dieta e em cada uma das refeições, sempre respeitando as quantidades recomendadas. Abaixo é apresentada a distribuição energética preconizada pela FAO/OMS, 2003 e DRI/2001. NUTRIENTES DRI, 2001 FAO/OMS,2003 PROTEÍNA 10% A 35% 10% A 15% GORDURA 20% A 35% 15% A 30% CARBOIDRATO 45% A 65% 55% A 75% O quadro a seguir apresenta a recomendação da FAO/OMS de ingestão de nutrientes.(fao/oms/ 2003) Nutrientes Quantidade(% do total de energia) Gordura Total 15 30% Ácidos graxos saturados < 10% Ácidos graxos polinsaturados (PUFAs) 6 10% Ácidos graxos polinsaturados n-6 (PUFAs) 5-8% Ácidos graxos polinsaturados n-3 (PUFAs) 1-2% Ácidos graxos trans < 1% Ácidos graxos monoinsaturados (MUFAs) Pela diferença* Total de carboidratos 55 75% Açúcares < 10% Proteínas 10 15% Colesterol < 300mg/dia Cloreto de Sódio (Sódio) < 5g/dia (< 2 g/dia) Frutas e vegetais 400g/dia Fibra total > 25g/dia 8

10 Para se determinar as quantidades desses nutrientes de acordo com o VET emprega-se a seguinte fórmula: Gramas do nutriente = VET x % recomendada do nutriente Vamos exemplificar: Qual a quantidade em gramas e calorias de carboidrato, que uma dieta de 2000 kcal deve ter para atender as recomendações da FAO/OMS, kcal x 55% = 1000 = 275g de carboidrato 4kcal/g) 4kcal/g) 2000kcal x 75% RESPOSTA: uma dieta de 2000kcal dever ter entre 1000kcal e 1500kcal e em gramas deve ser entre 275g e 375g de carboidrato. 9

11 Referências FISBERG, R. M.; SLATER, B. Inquéritos Alimentares: Métodos e Bases Científicas. Barueri: Manole, GALISA, M.; GUIMARAES, A. Cálculos Nutricionais: Conceitos e Aplicações Práticas. São Paulo: M.Books, PHILIPPI, S. T. Pirâmide dos Alimentos: Fundamentos Básicos da Nutrição. Barueri, Sp: Manole,

12 11 Campus Liberdade Rua Galvão Bueno, São Paulo SP Brasil Tel: (55 11)

RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS (macro e micronutrientes)

RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS (macro e micronutrientes) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO HNT- 130 Nutrição Normal Conceitos fundamentais RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS (macro e micronutrientes) condição saudável conceitos,

Leia mais

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci Nutrição Aplicada à Educação Física Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci ARROZ 100 gramas CÁLCULO DE DIETA CH 25,1 PT 2,0 Lip 1,2 Consumo 300 gramas 100 gr

Leia mais

Unidade: AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR. Unidade I:

Unidade: AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR. Unidade I: Unidade: AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR Unidade I: 0 Unidade: AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR Introdução O consumo de alimentos é uma etapa importante da avaliação nutricional de indivíduos ou coletividades.

Leia mais

- avaliar os hábitos alimentares e o consumo de energia e nutrientes de adultos e idosos; - analisar e adequar macro e micronutrientes de planos

- avaliar os hábitos alimentares e o consumo de energia e nutrientes de adultos e idosos; - analisar e adequar macro e micronutrientes de planos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO I - IDENTIFICAÇÃO: UNIDADE ACADÊMICA: FANUT CURSO: Nutrição DISCIPLINA: Nutrição e Dietética II GRADE: 2009

Leia mais

RECEITUÁRIO ED. FEV / MAI - 17 SOLUÇÕES INOVADORAS PARA O SEU NEGÓCIO

RECEITUÁRIO ED. FEV / MAI - 17 SOLUÇÕES INOVADORAS PARA O SEU NEGÓCIO RECEITUÁRIO ED. FEV / MAI - 17 DA SOLUÇÕES INOVADORAS PARA O SEU NEGÓCIO DA SOLUÇÕES INOVADORAS PARA O SEU NEGÓCIO 4 RECEITA IDEAL PARA PÁSCOA! DA SOLUÇÕES INOVADORAS PARA O SEU NEGÓCIO INFORMAÇÃO NUTRICIONAL

Leia mais

RECEITUÁRIO ED. AGO À OUT SOLUÇÕES INOVADORAS PARA O SEU NEGÓCIO

RECEITUÁRIO ED. AGO À OUT SOLUÇÕES INOVADORAS PARA O SEU NEGÓCIO RECEITUÁRIO ED. AGO À OUT - 2016 DA SOLUÇÕES INOVADORAS PARA O SEU NEGÓCIO DA SOLUÇÕES INOVADORAS PARA O SEU NEGÓCIO disco menor, conforme [NOVIDADE] QR CODE CONFIRA O PASSO A PASSO DESTA RECEITA. RENDIMENTO

Leia mais

Valor Calórico, Carboidratos, Proteínas, Gorduras Totais, Gorduras Saturadas, Colesterol, Fibra Alimentar, Cálcio, Ferro e Sódio.

Valor Calórico, Carboidratos, Proteínas, Gorduras Totais, Gorduras Saturadas, Colesterol, Fibra Alimentar, Cálcio, Ferro e Sódio. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) é o órgão responsável pela regulação da Rotulagem de Alimentos Industrializados. Muitas portarias regulam o que um rótulo deve ou não conter.

Leia mais

BOLO, CHOCOLATE, NEGA MALUCA

BOLO, CHOCOLATE, NEGA MALUCA BOLO, CHOCOLATE, NEGA MALUCA INGREDIENTES Descrição Qtd kcal CHO PTN GORD ALC Farinha, de trigo 30,00 g 105,41 21,94 g 3,50 g 0,41 g Açúcar, refinado 30,00 g 119,64 29,91 g Fermento em pó, químico 1,00

Leia mais

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades CAPÍTULO IV APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Neste capítulo serão apresentados os resultados dos dados obtidos relativos à ingestão nutricional dos jovens atletas, após a realização do tratamento estatístico.

Leia mais

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP Erly Catarina de Moura NUPENS - USP erlycm@usp.br Evolução do estado nutricional de homens, 1974-1975, 1989, 2002-2003, Brasil déficit de peso sobrepeso obesidade eutrofia 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1974-75

Leia mais

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas Dieta Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas particulares. Contudo, popularmente, o emprego da palavra

Leia mais

3. Material e Métodos

3. Material e Métodos Avaliação do estado nutricional de escolares do ensino fundamental, composição química e aceitabilidade da merenda escolar ofertada por escolas públicas do município de Barbacena, MG. Natália Cristina

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E ADOLESCÊNCIA OMS: 10 a 19 anos Estatuto da criança e do adolescente:

Leia mais

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PELO SEU BEM ESTAR baixo teor de Gordura e Sódio; é rica em Vitamina B12; fonte de Vitamina D, Energia (Kcal) 83 Gordura (g) 1.4 Ác. gordos saturados (g) 0.2 Ác. gordos monoinsaturados (g) 0.4 Ác. gordos

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: AVALIAÇÃO ALIMENTAR DE ATLETAS FISICULTURISTAS BRASILEIRAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

NERVITON MEGA Ômega Vitaminas + 8 Minerais

NERVITON MEGA Ômega Vitaminas + 8 Minerais M.S. 6.6969.0023.001-6 NERVITON MEGA Ômega 3 + 13 Vitaminas + 8 Minerais NERVITON MEGA é um produto inovador no Brasil, pois possui em sua fórmula o óleo de peixe ( ÔMEGA 3 ) e diversas vitaminas e minerais

Leia mais

Omelete de Claras. Opção proteica

Omelete de Claras. Opção proteica Omelete de Claras Opção proteica INTRODUÇÃO O omelete trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na porção. Uma excelente alternativa para ser utilizada no pós treino, ou até mesmo como uma refeição

Leia mais

AZEITE DE OLIVA POST CRN3 JOVEM

AZEITE DE OLIVA POST CRN3 JOVEM AZEITE DE OLIVA POST CRN3 JOVEM 1. TEXTO O azeite de oliva é obtido do fruto da Oliveira (OIea europea L.), as azeitonas, por prensagem e esmagamento. A oliveira é nativa da parte oriental do mar mediterrâneo.

Leia mais

17/10/2010. Você tem certeza que isso é suficiente? Mirtallo et al., 2004; Sriram & Lonchyna, 2009; Visser, ANVISA, 2005; DRI Otten et al.

17/10/2010. Você tem certeza que isso é suficiente? Mirtallo et al., 2004; Sriram & Lonchyna, 2009; Visser, ANVISA, 2005; DRI Otten et al. ESTRATÉGIAS PARA OTIMIZAR OS BENEFÍCIOS E MINIMIZAR OS RISCOS EM TN Aporte de vitaminas e minerais e Minerais: O Excesso e a Falta na Recuperação do Paciente Helena Sampaio Você tem certeza que isso é

Leia mais

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina Informações Técnicas OMELETE DE CLARAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Albumina O omelete trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na porção. Uma excelente alternativa

Leia mais

VALORES DE REFERÊNCIA DE INGESTÃO DE NUTRIENTES PARA AVALIAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DIETAS DE CRIANÇAS DE UM A OITO ANOS

VALORES DE REFERÊNCIA DE INGESTÃO DE NUTRIENTES PARA AVALIAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DIETAS DE CRIANÇAS DE UM A OITO ANOS Medicina, Ribeirão Preto, 2008; 41 (1): 67-76, jan./mar. REVISÃO VALORES DE REFERÊNCIA DE INGESTÃO DE NUTRIENTES PARA AVALIAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DIETAS DE CRIANÇAS DE UM A OITO ANOS DIETARY REFERENCE

Leia mais

Prática Clínica Nutrição Esportiva

Prática Clínica Nutrição Esportiva Estratégias nutricionais para perda, manutenção e ganho de peso Profa. Raquel Simões Prática Clínica Nutrição Esportiva Manutenção do peso Saúde Desempenho esportivo Perda de peso (mais comum) Estética

Leia mais

O pão engorda. Mitos Alimentares

O pão engorda. Mitos Alimentares Apesar do acesso facilitado e quase imediato à informação em todos os momentos, nem todas as afirmações feitas sobre a comida são baseadas em factos científicos, pelo que alguns mitos alimentares ainda

Leia mais

Setembro/2016. Light x Diet x Zero. Pág. 4 ROTULAGEM NUTRICIONAL. Sal x Sódio. Pág. 3. Pág. 5

Setembro/2016. Light x Diet x Zero. Pág. 4 ROTULAGEM NUTRICIONAL. Sal x Sódio. Pág. 3. Pág. 5 Setembro/2016 Light x Diet x Zero Pág. 4 Sal x Sódio Pág. 5 ROTULAGEM NUTRICIONAL Pág. 3 EDITORIAL hegamos ao nosso quarto número, e estamos ansiosos para compartilhar mais informações com você! Nessa

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Alimentação e Saúde ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Todo ser vivo precisa se alimentar para viver. A semente, ao ser plantada, precisa ser adubada e molhada todos os dias

Leia mais

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PELO SEU BEM ESTAR Tem alto teor de Proteína; é rico em Cálcio, Fósforo e Vitamina B12; fonte de Vitaminas A, E e B2. Valores de referência do requeijão com 13% proteína Energia (Kcal) 187 Proteína (g)

Leia mais

Movimento e alimento. Eliane Petean Arena Nutricionista

Movimento e alimento. Eliane Petean Arena Nutricionista Movimento e alimento Eliane Petean Arena Nutricionista Todos nós necessitamos de atividades físicas, o nosso corpo foi feito para se movimentar. O desenvolvimento da criança é um processo contínuo e dinâmico,

Leia mais

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Informações Técnicas SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Proteína de ervilha A sopa de ervilha trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na

Leia mais

Composição dos Alimentos mais consumidos pelos VEGANOS.

Composição dos Alimentos mais consumidos pelos VEGANOS. Composição dos Alimentos mais consumidos pelos VEGANOS. Onde está um ponto considerar uma vírgula, ex.: Niacina 12.066 significa 12,066 mg arredondando fica 12 mg. http://www.unifesp.br/dis/servicos/nutri/nutri.php?id=2024

Leia mais

DISCUSSÃO DOS DADOS CAPÍTULO V

DISCUSSÃO DOS DADOS CAPÍTULO V CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS DADOS Neste capítulo, são discutidos os resultados, através da análise dos dados obtidos e da comparação dos estudos científicos apresentados na revisão da literatura. No que respeita

Leia mais

Nutrientes. Leonardo Pozza dos Santos

Nutrientes. Leonardo Pozza dos Santos Nutrientes Leonardo Pozza dos Santos Itaqui, 2017 O que define um nutriente? - Qualquer elemento ou composto químico necessário para o metabolismo de um organismo vivo. - Eles compõem os alimentos e são

Leia mais

Dieta para vegetarianos

Dieta para vegetarianos PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Dieta para vegetarianos Monique de Barros Elias Campos Nutricionista

Leia mais

SOPA PROTEICA DE ERVILHA

SOPA PROTEICA DE ERVILHA SOPA PROTEICA DE ERVILHA Opção proteica INTRODUÇÃO A sopa de ervilha trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na porção. Uma excelente alternativa para ser utilizada no pós treino, ou até mesmo

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC Nº 360, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003

RESOLUÇÃO-RDC Nº 360, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 RESOLUÇÃO-RDC Nº 360, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do Regulamento da ANVISA aprovado

Leia mais

Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos

Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos Ao final deste capítulo, você poderá Ø Explicar rótulos de alimentos Ø Decidir quais alimentos são melhores com base em três fatores Capítulo 13 Nutrição:

Leia mais

PROGRAMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS: CONSIDERAÇÕES PARA A ADEQUAÇÃO NUTRICIONAL DA OFERTA ALIMENTAR

PROGRAMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS: CONSIDERAÇÕES PARA A ADEQUAÇÃO NUTRICIONAL DA OFERTA ALIMENTAR 0 PROGRAMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS: CONSIDERAÇÕES PARA A ADEQUAÇÃO NUTRICIONAL DA OFERTA ALIMENTAR Fevereiro de 2017 Março de 2015 PROGRAMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS: CONSIDERAÇÕES PARA A ADEQUAÇÃO

Leia mais

Professor(es): Juliana Masami Morimoto Marcia Nacif Pinheiro, Renata Furlan Viebig Carga horária: 8 horas-aula (4 teóricas/ 4 práticas)

Professor(es): Juliana Masami Morimoto Marcia Nacif Pinheiro, Renata Furlan Viebig Carga horária: 8 horas-aula (4 teóricas/ 4 práticas) Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso: Nutrição Disciplina: Avaliação Nutricional Professor(es): Juliana Masami Morimoto Marcia Nacif Pinheiro, Renata Furlan Viebig Carga

Leia mais

SEMENTE DE CHIA. Ficha técnica. REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N :

SEMENTE DE CHIA. Ficha técnica. REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : Ficha técnica SEMENTE DE CHIA REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171286346. EMBALAGEM: Plástica, metálica e papel. APRESENTAÇÃO COMERCIALIZADA:

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Legislação Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Resolução - RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003 D.O.U de 26/12/2003 A Diretoria Colegiada da Agência

Leia mais

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento ISSN versão eletrônica 3 AVALIAÇÃO DA DIETA HABITUAL DE MULHERES ADULTAS COM SOBREPESO E OBESIDADE ATENDIDAS EM UM CONSULTÓRIO PARTICULAR DE NUTRIÇÃO DO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS Roberta Muniz Barradas da Conceição

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS EM CRECHES BRASILEIRAS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS EM CRECHES BRASILEIRAS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS EM CRECHES BRASILEIRAS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA Anna Virgínia Souto de Miranda¹; Jaielison Yandro Pereira da Silva 1 ; Sylmara Clementino Barbosa

Leia mais

Alimentação Saudável: Desafios em meio escolar & familiar. Mariana Santos. 29 de Abril 2015

Alimentação Saudável: Desafios em meio escolar & familiar. Mariana Santos. 29 de Abril 2015 Alimentação Saudável: Desafios em meio escolar & familiar 29 de Abril 2015 Mariana Santos Departamento de Alimentação e Nutrição, Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, I.P., Lisboa, Portugal

Leia mais

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE)

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) ENTENDENDO O CARDÁPIO Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) O que é um cardápio? CARDÁPIO DO PNAE É a relação das preparações de alimentos a serem oferecidas em uma refeição.

Leia mais

PHYNUS Quitosana, fibras de laranja e psyllium

PHYNUS Quitosana, fibras de laranja e psyllium Ficha técnica PHYNUS Quitosana, fibras de laranja e psyllium REGISTRO: Registro no M.S. nº 6.5204.0035.001-6 CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287855 EMBALAGEM: Plástica. APRESENTAÇÃO COMERCIALIZADA: Nova apresentação,

Leia mais

PROGRAMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS: CONSIDERAÇÕES PARA A ADEQUAÇÃO NUTRICIONAL DA OFERTA ALIMENTAR

PROGRAMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS: CONSIDERAÇÕES PARA A ADEQUAÇÃO NUTRICIONAL DA OFERTA ALIMENTAR 0 PROGRAMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS: CONSIDERAÇÕES PARA A ADEQUAÇÃO NUTRICIONAL DA OFERTA ALIMENTAR Abril de 2016 PROGRAMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS: CONSIDERAÇÕES PARA A ADEQUAÇÃO NUTRICIONAL DA

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 91 4,55 Carboidratos 21,4 7,13 Proteínas 2,1 2,80 Gorduras

Leia mais

Brigadeiros de Colher

Brigadeiros de Colher - 60g Ao leite TABELA DE INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS: Brigadeiros de Colher Valor Energético 188,8Kcal = 792,9KJ 9,4% Carboidratos 24,2g 8,1% Proteínas 3,6g 4,8% Gorduras Totais 8,6g 15,7% Gorduras Saturadas

Leia mais

Alimentação e Nutrição

Alimentação e Nutrição Alimentação e Nutrição Nutrição Necessidades Adequada Salário mínimo de 600 reais Água Luz Telefone Moradia Prestações Transporte 100 100 100 100 100 100 Nutrição Adequada Necessidades Carboidratos Proteínas

Leia mais

Por definição, suplementos nutricionais são alimentos que servem para complementar com calorias e ou nutrientes a dieta diária de uma pessoa

Por definição, suplementos nutricionais são alimentos que servem para complementar com calorias e ou nutrientes a dieta diária de uma pessoa Por definição, suplementos nutricionais são alimentos que servem para complementar com calorias e ou nutrientes a dieta diária de uma pessoa saudável, nos casos em que sua ingestão, a partir da alimentação,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Nutrição (04) Ano: 2013 Semestre: 2 Período: 2 Disciplina: Composição de Alimentos (Food Composition) Carga Horária Total: 45 Teórica: 45 Atividade Prática: 0 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl.

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Dra. Helena Maia Nutricionista

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Dra. Helena Maia Nutricionista ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Dra. Helena Maia Nutricionista OBJECTIVOS Obesidade: Riscos, prevalências e tipos Nutrição / Nutrientes Roda dos Alimentos Alimentação Mediterrânica IMC Conclusão RISCOS RELACIONADOS

Leia mais

Todos tem uma grande importância para o organismo.

Todos tem uma grande importância para o organismo. A Química da Vida ÁGUA A água é um composto químico formado por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio. Sua fórmula química é H2O. A água pura não possui cheiro nem cor. Ela pode ser transformada em

Leia mais

Pirâmide alimentar: guia para alimentação saudável

Pirâmide alimentar: guia para alimentação saudável CARTILHA TÉCNICA Pirâmide alimentar: guia para alimentação saudável Helen Mara dos Santos Gomes Mestranda em Ciências e Tecnologia de Alimentos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo

Leia mais

PREVENÇÃO E FORÇA NUTRILITE PACOTE A COMBINAÇÃO PERFEITA PARA AS NECESSIDADES FEMININAS

PREVENÇÃO E FORÇA NUTRILITE PACOTE A COMBINAÇÃO PERFEITA PARA AS NECESSIDADES FEMININAS e os lançamentos Advanced e os lançamentos Advanced e os lançamentos Advanced e os lançamentos Advanced CARACTERÍSTICAS veio para ajudar a preencher a lacuna entre o que consumimos e o que devemos consumir

Leia mais

MICRONUTRIENTES VITAMINAS E MINERAIS

MICRONUTRIENTES VITAMINAS E MINERAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE UNIFEBE MICRONUTRIENTES VITAMINAS E MINERAIS Profª. MSc Luciane Ângela Nottar Nesello E-mail: lucianenesello@unifebe.edu.br Vitaminas e Minerais Amplamente distribuídos

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 360, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003

RESOLUÇÃO - RDC Nº 360, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 RESOLUÇÃO - RDC Nº 360, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do Regulamento da ANVISA aprovado

Leia mais

ROTULAGEM NUTRICIONAL

ROTULAGEM NUTRICIONAL Aula 03 ROTULAGEM NUTRICIONAL A rotulagem nutricional consiste: Em toda descrição destinada a informar ao consumidor sobre as propriedades nutricionais do alimento, se aplica a todos os alimentos e bebidas

Leia mais

ROTULAGEM NUTRICIONAL DE ALIMENTOS EMBALADOS

ROTULAGEM NUTRICIONAL DE ALIMENTOS EMBALADOS MERCOSUL/GMC/RES Nº 18/94 ROTULAGEM NUTRICIONAL DE ALIMENTOS EMBALADOS TENDO EM VISTA: O Art. 13 do Tratado de Assunção, o Art. 10 da Decisão Nº 4/91 do Conselho do Mercado Comum, as Resoluções Nº 36/93

Leia mais

Princípios da Alimentação e Saúde

Princípios da Alimentação e Saúde Princípios da Alimentação e Saúde Alimentação é mais que ingestão de nutrientes Recomendações sobre alimentação devem estar em sintonia com seu tempo Alimentação saudável deriva de sistema alimentar socialmente

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 3-5 ANOS NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP. Silva KCO, Nunes LP, Oliveira LAM.

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 3-5 ANOS NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP. Silva KCO, Nunes LP, Oliveira LAM. PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 3-5 ANOS NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP Silva KCO, Nunes LP, Oliveira LAM. Universidade do Vale do Paraíba, Av Shishima Hifumi, 2911 Urbanova

Leia mais

ILSI BRASIL USOS E APLICAÇÕES DAS DIETARY REFERENCE INTAKES

ILSI BRASIL USOS E APLICAÇÕES DAS DIETARY REFERENCE INTAKES ILSI BRASIL USOS E APLICAÇÕES DAS DIETARY REFERENCE INTAKES DRIs São Paulo,SP Novembro/2001 ILSI O International Life Sciences Institute - ILSI é uma fundação científica, pública, sem fins lucrativos,

Leia mais

12/9/2010. Necessidade Nutricional. Recomendação. Recomendação de Nutrientes

12/9/2010. Necessidade Nutricional. Recomendação. Recomendação de Nutrientes Universidade Federal de Juiz de Fora Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Departamento de Nutrição Atividade Prática II NUT 003 Recomendação de Nutrientes Profª Cristiane Gonçalves de Oliveira Fialho

Leia mais

UM DIAGNÓSTICO ALIMENTAR A NÍVEL MUNICIPAL. É POSSÍVEL? Duarte Torres, FCNAUP

UM DIAGNÓSTICO ALIMENTAR A NÍVEL MUNICIPAL. É POSSÍVEL? Duarte Torres, FCNAUP UM DIAGNÓSTICO ALIMENTAR A NÍVEL MUNICIPAL. É POSSÍVEL? Duarte Torres, FCNAUP dupamato@fcna.up.pt AGENDA IAN-AF Cronograma do IAN-AF Ferramentas IAN-AF Que tipo de resultados são obtidos nos inquéritos

Leia mais

Ficha Técnica de Preparo de Alimentos

Ficha Técnica de Preparo de Alimentos Ficha Técnica de Preparo de Alimentos T É C N I C A D I E T É T I C A I I P R O F A. E L M A A N D R A D E W A R T H A Ficha Técnica de Preparo Instrumento gerencial - orientar de forma operacional os

Leia mais

DIZERES DE ROTULAGEM VITAWIN 1 Embalagem Secundária

DIZERES DE ROTULAGEM VITAWIN 1 Embalagem Secundária DIZERES DE ROTULAGEM VITAWIN 1 Embalagem Secundária Painel Principal Suplemento de Vitaminas A + C + D SABOR ARTIFICIAL DE CARAMELO AROMATIZADO ARTIFICIALMENTE Vitawin 1 15 ml Sabor caramelo Não contém

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares Disponibilidade domiciliar de alimentos e estado nutricional no Brasil

Pesquisa de Orçamentos Familiares Disponibilidade domiciliar de alimentos e estado nutricional no Brasil Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002-2003 Disponibilidade domiciliar de alimentos e estado nutricional no Brasil Disponibilidade de Informações Brasil IBGE Estudo Nacional da Despesa Familiar (ENDEF)

Leia mais

D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder publicação: Executivo, de 26 de dezembro de 2003

D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder publicação: Executivo, de 26 de dezembro de 2003 Resolução RDC nº 360, de 23 de dezembro de título: 2003 Aprova Regulamento Técnico sobre Rotulagem ementa não Nutricional de Alimentos Embalados, tornando oficial: obrigatória a rotulagem nutricional.

Leia mais

CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA A NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS

CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA A NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA A NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo, Brasil.

Leia mais

Lei8080,19set.1990-Art.3º(BRASIL,1990) A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes,

Lei8080,19set.1990-Art.3º(BRASIL,1990) A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, Superintendência de Políticas de Atenção Integral a Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica Coordenação de Doenças Não-Transmissíveis Área de Alimentação e Nutrição HÁBITOS SAUDÁVEIS Marília A. Rezio

Leia mais

Avaliação do consumo alimentar de idosos institucionalizados da cidade de Paracatu, MG

Avaliação do consumo alimentar de idosos institucionalizados da cidade de Paracatu, MG Avaliação do consumo alimentar de idosos institucionalizados da cidade de Paracatu, MG Mestre em Promoção de Saúde UNIFRAN; Professora Faculdade Tecsoma; Nutricionista da Prefeitura Municipal de Paracatu.

Leia mais

LANCHAR OU JANTAR? ESCOLHAS SAUDÁVEIS. Nutricionista: Patrícia Souza

LANCHAR OU JANTAR? ESCOLHAS SAUDÁVEIS. Nutricionista: Patrícia Souza LANCHAR OU JANTAR? ESCOLHAS SAUDÁVEIS Nutricionista: Patrícia Souza Conhecendo minhas necessidades Energia Onde encontrar Energia Quanto posso comer? Pirâmide Alimentar 3 porções ou mais de frutas 1 porção

Leia mais

Avaliação do consumo alimentar de idosos acamados pertencentes a duas estratégias de saúde da família em Batatais-SP

Avaliação do consumo alimentar de idosos acamados pertencentes a duas estratégias de saúde da família em Batatais-SP 57 Avaliação do consumo alimentar de idosos acamados pertencentes a duas estratégias de saúde da família em Batatais-SP Halayne Silva MENDES 1 Giseli Cristina Galati TOLEDO 2 Resumo: O consumo alimentar

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 14:32 horas do dia 06 de junho de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Esteio, designado pela portaria 0185/2012 após analise da documentação do Pregão Eletrônico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA DIETA INGERIDA POR UNIVERSITÁRIOS: ÊNFASE NO CONSUMO DE PRODUTOS LÁCTEOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA DIETA INGERIDA POR UNIVERSITÁRIOS: ÊNFASE NO CONSUMO DE PRODUTOS LÁCTEOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS Santiago Tavares Paes AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA DIETA INGERIDA POR UNIVERSITÁRIOS: ÊNFASE NO CONSUMO DE PRODUTOS LÁCTEOS Juiz

Leia mais

HI! WE ARE STUDENTS FROM D. ANTÓNIO DA COSTA SCHOOL IN ALMADA - PORTUGAL AND OUR WORK IS BASICALLY

HI! WE ARE STUDENTS FROM D. ANTÓNIO DA COSTA SCHOOL IN ALMADA - PORTUGAL AND OUR WORK IS BASICALLY HI! WE ARE STUDENTS FROM D. ANTÓNIO DA COSTA SCHOOL IN ALMADA - PORTUGAL AND OUR WORK IS BASICALLY ABOUT HEALTHY DIETS. IN OUR WORK WE WANTED TO SHOW ALL THE GROUPS OF THE FOOD PYRAMID AND GIVE THE STUDENTS

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Ref.:SS-0001 Ref.:SS-0002 COLORAU INFORMAÇÃO NUTRICIONAL Porção de 1g Quantidade por porção (%VD) Valor Calórico 0 kcal 0 Carboidratos 0,1g 0 Proteínas Gorduras Totais Gorduras Saturadas

Leia mais

kcal = 3284 kj g g 41

kcal = 3284 kj g g 41 DIZERES DE ROTULAGEM HEAVY MASS SUPLEMENTO PARA SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DAS REFEIÇÕES DE ATLETAS EM PÓ SABOR ARTIFICIAL BAUNILHA/MORANGO/CHOCOLATE Aromatizado Artificialmente Peso Líquido: 1,5 kg Fabricado

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DE DIETAS RESTRITAS EM CARBOIDRATOS NO HUMOR DE PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA.

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DE DIETAS RESTRITAS EM CARBOIDRATOS NO HUMOR DE PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA. TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DE DIETAS RESTRITAS EM CARBOIDRATOS NO HUMOR DE PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

RBCS ARTIGOS ORIGINAIS RESUMO ABSTRACT

RBCS ARTIGOS ORIGINAIS RESUMO ABSTRACT RBCS ARTIGOS ORIGINAIS INSTRUMENTOS DE INQUÉRITO DIETÉTICO UTILIZADOS NA AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR EM PACIENTES DE UMA CLÍNICA ESCOLA DE NUTRIÇÃO: COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MÉTODOS, 2008 INVESTIGATION

Leia mais

Principais cuidados preventivos para evitar distúrbios nutricionais

Principais cuidados preventivos para evitar distúrbios nutricionais Principais cuidados preventivos para evitar distúrbios nutricionais Lilian Cardia Guimarães Curso Continuado de Cirurgia Geral Módulo Obesidade Cirurgia Bariátrica CBCSP OUTUBRO 2016 Onde começa a prevenção?

Leia mais

SAÚDE ARTIGOS ORIGINAIS RESUMO

SAÚDE ARTIGOS ORIGINAIS RESUMO ARTIGOS ORIGINAIS SAÚDE AVALIAÇÃO DIETÉTICA DE MULHERES CLIMATÉRICAS ATENDIDAS EM UMA CLÍNICA-ESCOLA DE NUTRIÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO DIETETIC EVALUATION OF CLIMACTERIC WOMEN TREATED AT A SCHOOL OF

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: Justificativa

TÍTULO: AUTORES: Justificativa TÍTULO: CONDIÇÕES DE SAÚDE E NUTRIÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES, QUE PARTICIPAM DE TIMES DE FUTEBOL COMO PARTE DE UM PROJETO DE INCENTIVO À SOCIALIZAÇÃO REALIZADO PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA MG.

Leia mais

AUTORAS CAMILA DUARTE FERREIRA

AUTORAS CAMILA DUARTE FERREIRA AUTORAS CAMILA DUARTE FERREIRA Graduada em Nutrição pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre em Ciência de Alimentos pelo Programa de Pós-graduação em Ciência de Alimentos da UFBA. Nutricionista

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DE INDICADOR NUTRICIONAL DA CESTA BÁSICA DO MUNICIPIO DE PIRACICABA- SP E REGIÃO

18º Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DE INDICADOR NUTRICIONAL DA CESTA BÁSICA DO MUNICIPIO DE PIRACICABA- SP E REGIÃO 18º Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DE INDICADOR NUTRICIONAL DA CESTA BÁSICA DO MUNICIPIO DE PIRACICABA- SP E REGIÃO Autor(es) FELIPE ALMEIDA BIGUZZI Orientador(es) MIRIAM COELHO DE SOUZA

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTRICO EM PRÉ - ESCOLARES DA REDE PRIVADA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SÃO PAULO

PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTRICO EM PRÉ - ESCOLARES DA REDE PRIVADA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SÃO PAULO PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTRICO EM PRÉ - ESCOLARES DA REDE PRIVADA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SÃO PAULO Rosana Aparecida dos Santos, Erika Lima Rodrigues Universidade do Vale do Paraíba - Faculdade de

Leia mais

Apresentação sumária dos resultados

Apresentação sumária dos resultados Apresentação sumária dos resultados O Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física, 205-206 (IAN-AF) permitiu a criação de uma base descritiva com informação de representatividade nacional sobre

Leia mais

Izabela Alves Gomes Nutricionista UERJ Mestranda em Alimentos e Nutrição - UNIRIO

Izabela Alves Gomes Nutricionista UERJ Mestranda em Alimentos e Nutrição - UNIRIO Izabela Alves Gomes izabela.nut@gmail.com Nutricionista UERJ Mestranda em Alimentos e Nutrição - UNIRIO Rio de Janeiro - 2016 É considerado vegetariano todo aquele que exclui de sua alimentação todos os

Leia mais

Vegetarianismo na Infância e Adolescência. Ana Paula Pacífico Homem

Vegetarianismo na Infância e Adolescência. Ana Paula Pacífico Homem Vegetarianismo na Infância e Adolescência Ana Paula Pacífico Homem anapacifico@uol.com.br Agosto de 2006 Grupo Materno-Infantil (Ampliado) - Mulheres em idade reprodutiva (10 a 49 anos) - Gestantes e nutrizes

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: RESOLUÇÃO RDC N.º 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DOU 23/09/05 Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE A INGESTÃO DIÁRIA RECOMENDADA (IDR) DE PROTEÍNA, VITAMINAS E MINERAIS" A Diretoria Colegiada da Agência

Leia mais

Necessidades de Energia. Leylliane Leal

Necessidades de Energia. Leylliane Leal Necessidades de Energia Leylliane Leal Necessidade de energia É o nível de ingestão de energia a partir do alimento que irá equilibrar o gasto de energia quando o indivíduo possui um tamanho e composição

Leia mais

O que são nutrientes?

O que são nutrientes? Os nutrientes O que são nutrientes? São substâncias utilizadas pelo metabolismo do organismo essenciais ao seu funcionamento; Os alimentos contêm nutrientes que o organismo não consegue sintetizar, assim

Leia mais

ÍNDICE. Trophic Basic. 06 Trophic 1.5. Trophic EP Trophic Fiber Trophic Bio + SABOR! Trophic Infant. Diamax Peptimax HDmax. Bemmax.

ÍNDICE. Trophic Basic. 06 Trophic 1.5. Trophic EP Trophic Fiber Trophic Bio + SABOR! Trophic Infant. Diamax Peptimax HDmax. Bemmax. GUIA NUTRICIONAL ÍNDICE Trophic Basic 06 Trophic 1.5 10 PADRÃO Trophic EP Trophic Fiber Trophic Bio + SABOR! 12 14 16 Trophic Infant 18 ESPECIALIZADA Diamax Peptimax HDmax 20 22 24 Na Prodiet, acreditamos

Leia mais

Brícia Baião de Laia et all AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS DE JEQUERI, MG1

Brícia Baião de Laia et all AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS DE JEQUERI, MG1 444 Brícia Baião de Laia et all AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS DE JEQUERI, MG1 Brícia Baião de Laia2, Luanna Kelly França de Queiroga3, Rafaela Fernandes da Silva⁴, Eliene da Silva

Leia mais

ALIMENTAÇÃO EQUILIBRADA GUIA PARA UMA VIDA MAIS SAUDÁVEL

ALIMENTAÇÃO EQUILIBRADA GUIA PARA UMA VIDA MAIS SAUDÁVEL ALIMENTAÇÃO EQUILIBRADA GUIA PARA UMA VIDA MAIS SAUDÁVEL Alimentos e Saúde A alimentação deve ser equilibrada e variada, composta de ALIMENTOS que forneçam quantidade suficiente de NUTRIENTES que o organismo

Leia mais

A salada verde deveria fazer parte das refeições de todas as pessoas, pois as folhas,

A salada verde deveria fazer parte das refeições de todas as pessoas, pois as folhas, Alface, rúcula, agrião e acelga são aliados da dieta e ricos em nutrientes Essas folhas devem fazer parte da alimentação de todas as pessoas e fornecem vitaminas, minerais e outros componentes importantes

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DE TABELAS NUTRICIONAIS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AVALIAÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DE TABELAS NUTRICIONAIS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL AVALIAÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DE TABELAS NUTRICIONAIS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Natália G. T. MAGALHÃES ; Clécia de P. ALVES ; Miller M. SANCHES ; Valdirene P. COSTA RESUMO A escola tem um importante

Leia mais

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Fome Oculta. Helio Vannucchi Divisão de Nutrologia 2017

Fome Oculta. Helio Vannucchi Divisão de Nutrologia 2017 Fome Oculta Helio Vannucchi Divisão de Nutrologia 2017 Fome oculta Deficiência de micronutrientes (vitaminas e minerais) Ausência de manifestações e sintomas evidentes Deficiência isolada ou associada

Leia mais

Município. 4-5 (Pré-escola) Município e Estado em colaboração. Ensino Fundamental (duração de 9 anos) Ensino Médio (duração de 3 anos)

Município. 4-5 (Pré-escola) Município e Estado em colaboração. Ensino Fundamental (duração de 9 anos) Ensino Médio (duração de 3 anos) ETAPA FAIXA ETÁRIA COMPETÊNCIA Educação Infantil 0-3 (Creche) 4-5 (Pré-escola) Município Ensino Fundamental (duração de 9 anos) 6-14 anos Município e Estado em colaboração Ensino Médio (duração de 3 anos)

Leia mais