Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS"

Transcrição

1 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS

2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS A avaliação antropométrica em adultos envolve vários indicadores. A escolha do indicador dependerá do que se quer avaliar e / ou monitorar no indivíduo (conteúdo de gordura e/ou massa magra corporal). Vale ressaltar também que a escolha do indicador dependerá da disponibilidade de recursos e ferramentas. 1) AVALIAÇÃO PONDERAL a) Estimativa de peso ideal obtido a partir de tabelas estatísticas Tabela do NHANES III baseada na população americana, estratificado por sexo e faixa etária (tabelas 1 e 2). Considerar o grupo Mexican American hispânicos para estimar peso ideal em brasileiros Tabela do Metropolitan Life Insurance Co., 1983 considera-se sexo, altura e compleição física. Estimando a Compleição física (reflete o desenvolvimento ósseo) Altura (cm) Perímetro do punho (PP) (cm) Quadro 1 Classificação da compleição Física Sexo Pequena Média Grande Masculino > 10,4 9,6 10,4 < 9,6 Feminino > 11,0 10,1 11,0 < 10,1 Após a verificação da compleição física, consulta-se a tabela da Metropolitan Life Insurance (1983) para identificar a estimativa do peso ideal (Tabela 3 e 4).

3 b) Índice de Massa Corporal (IMC) Índice de Massa Corporal (IMC) = Peso (kg) Altura 2 (m) Quadro 2 Classificação do IMC segundo a OMS, 1998 IMC CLASSIFICAÇÃO < 16 BP Grau III 16,0-16,9 BP Grau II 17,0-18,4 BP Grau I 18,5-24,99 Adequado ou Eutrófico > 25 Sobrepeso 25,00-29,99 Pré-obesidade 30,0-34,99 Obesidade grau I 35,0-39,99 Obesidade grau II > 40,00 Obesidade grau III WORLD HEALTH ORGANIZATION. Obesity: Preventing and managing the global epidemic Report of a WHO consultation on obesity. Geneva, 1998 c) Estimando o Peso Saudável (WHO, 1995) IMC entre 18,5-24,9 (geralmente indica-se o IMC 22,5 para estimativa do peso saudável) Mínimo = 18,5 x altura 2 Máximo = 24,9 x altura 2

4 Tabela 1 Estimativa de Peso Ideal (Homens > 20 anos) Peso em quilogramas para os homens acima de 20 anos, número de pessoas examinadas (n), média, desvio-padrão (SEM), e percentis selecionados, por raça / etnia e idade. NHANES III, * Este valor não alcança o padrão de confiabilidade e precisão. Dados do

5 Tabela 2 Estimativa Peso Ideal (Mulheres > 20 anos) Peso em kg para mulheres acima de 20 anos, número de pessoas examinadas (n), média, desviopadrão (SEM), e percentis selecionados, por raça / etnia e idade. NHANES III, * Este valor não alcança o padrão de confiabilidade e precisão. Nota: mulheres grávidas são excluídas. Dados do

6 Tabela 3 - Estimativa de Peso ideal (Metropolitan Life Insurance, 1983) Mulheres Adultas anos Altura (cm) Estrutura PEQUENA Estrutura MÉDIA Estrutura GRANDE , ,6-55,1 53,7-59, ,6-51,0 50,0-55,5 54,1-60, ,7-51,3 50,3-55,9 54,4-60, ,9-51,7 50,7-56,4 54,8-61, ,1-52,1 51,1-57,0 55,2-61, ,4-52,5 51,5-57,5 55,6-62, ,8-53,0 51,9-58,0 56,2-63, ,1-53,6 52,2-58,6 56,8-63, ,5-54,1 52,7-59,1 57,3-64, ,8-54,6 53,2-59,6 57,8-64, ,3-55,2 53,8-60,2 58,4-65, ,8-55,7 54,3-60,7 58,9-66, ,3-56,2 54,9-61,2 59,4-66, ,8-56,7 55,4-61,7 59,9-67, ,4-57,3 55,9-62,3 60,5-68, ,9-57,8 56,4-62,8 61,0-68, ,5-58,4 57,0-63,4 61,5-69, ,0-58,9 57,5-63,9 62,0-70, ,6-59,5 58,1-64,5 62,6-70, ,1-60,0 58,7-65,0 63,2-71, ,6-60,5 59,2-65,5 63,7-72, ,2-61,1 59,7-66,1 64,3-73, ,7-61,6 60,2-66,6 64,8-73, ,2-62,1 60,7-67,1 65,3-74, ,8-62,6 61,3-67,6 65,8-75, ,3-63,2 61,8-68,2 66,4-75, ,8-63,7 62,3-68,7 66,9-76, ,3-64,2 62,8-69,2 67,4-76, ,9-64,8 63,4-69,8 68,0-77, ,5-65,4 64,0-70,4 68,5-78, ,0-65,9 64,5-70,9 69,0-78, ,5-66,4 65,1-71,4 69,6-79, ,0-66,9 65,6-71,9 70,1-79, ,6-67,5 66,1-72,5 70,7-80, ,1-68,0 66,6-73,0 71,2-80, ,6-68,5 67,1-73,5 71,7-81,2

7 Tabela 4 Estimativa de Peso ideal (Metropolitan Life Insurance, 1983) Homens Adultos anos Altura (cm) Estrutura PEQUENA Estrutura MÉDIA Estrutura GRANDE ,3-61,0 59,6-64,2 62,8-68, ,6-61,3 59,9-64,5 63,1-68, ,0-61,7 60,3-64,9 63,5-69, ,3-62,0 60,6-65,2 63,8-69, ,7-62,4 61,0-65,6 64,2-70, ,0-62,7 61,3-66,0 64,5-71, ,4-63,1 61,7-66,5 64,9-71, ,8-63,5 62,1-67,0 65,3-72, ,1-63,8 62,4-67,6 65,6-73, ,5-64,2 62,8-68,2 66,0-74, ,8-64,6 63,2-68,7 66,4-74, ,2-65,2 63,8-69,3 67,0-75, ,5-65,7 64,3-69,8 67,5-76, ,9-66,2 64,8-70,3 68,0-76, ,2-66,7 65,4-70,8 68,5-77, ,6-67,3 65,9-71,4 69,1-78, ,9-67,8 66,4-71,9 69,6-78, ,3-68,3 66,9-72,4 70,1-79, ,7-68,9 67,5-73,0 70,7-80, ,0-69,5 68,1-73,5 71,3-81, ,4-70,0 68,6-74,0 71,8-81, ,7-70,5 69,2-74,6 72,3-82, ,1-71,0 69,7-75,1 72,8-83, ,6-71,6 70,2-75,8 73,4-84, ,1-72,1 70,7-76,5 73,9-84, ,7-72,7 71,3-77,2 74,5-85, ,2-73,4 71,8-77,9 75,2-86, ,7-74,1 72,4-78,6 75,9-86, ,2-74,8 73,0-79,3 76,6-87, ,8-75,5 73,7-80,0 77,3-88, ,3-76,2 74,4-80,7 78,0-89, ,9-76,9 74,9-81,5 78,7-90, ,4-77,6 75,4-82,2 79,4-91, ,1-78,4 76,1-83,0 80,3-92, ,8-79,1 76,8-83,9 81,2-93, ,5-79,8 77,6-84,8 82,1-93,9

8 d) Avaliação da Perda de peso corporal As seguintes fórmulas forma projetadas por Blackburn et al. (1977) e utilizam o peso para avaliar o grau de desnutrição de um paciente: % de Peso Ideal % PI = (PA / PI) / 100, Onde, PA: peso atual e PI: peso ideal pela Metropolitan Life (1983) Quadro 3 - Classificação do estado nutricional segundo o percentual do peso ideal Percentual (%) Classificação Eutrófico Desnutrição leve Desnutrição moderada < 69 Desnutrição grave Fonte: Blackburn et al., % de Peso Usual % PU = (PA / PU) / 100 Onde, PA: peso atual e PU: peso usual (referido pelo paciente) Quadro 4 - Classificação do estado nutricional segundo o percentual do peso usual Percentual (%) Classificação Eutrófico Desnutrição leve Desnutrição moderada < 74 Desnutrição grave Fonte: Blackburn et al., % de perda de peso recente A perda de peso involuntária constitui uma importante informação para avaliar a gravidade do problema de saúde, visto sua relação com a mortalidade. % Perda de peso = peso habitual - peso atual x 100 Peso habitual A porcentagem obtida proporciona a significância de redução de peso em relação ao tempo

9 Quadro 5 - Classificação da porcentagem de redução de peso em relação ao tempo Período Perda peso moderada Perda peso intensa 1 semana 1-2 % >2% 1 mês 5% >5% 3 meses 7,5% >7,5% 6 meses 10% >10% Fonte: Blackburn, Bistrain, 1977 e) Estimativa do peso real em pacientes edemaciados (peso seco) Quadro 6 - Estimativa de peso com edema Edema Local Excesso de peso hídrico + Tornozelo 1 kg ++ Joelho 3 a 4 kg +++ Base da coxa 5 a 6 kg ++++ Anasarca 10 a 12 kg Fonte: Martins C, Quadro 7 - Estimativa de peso corporal de acordo com a intensidade da ascite Grau de Ascite Peso ascítico(kg) Edema Periférico (kg) Leve 2,2 1,0 Moderada 6,0 5,0 Grave 14,0 10,0 Fonte: James, f) Estimativa do peso real em pacientes amputados Peso corporal = Peso atual(kg) x % da amputação (kg) Quadro 8 - Contribuição percentual dos segmentos corporal amputado Membro amputado Proporção de peso (%) Mão 0,8 % Antebraço 2,3 % Braço até ombro 3,5 % Braço inteiro 6,5 Pé 1,8 % Perna abaixo do joelho 5,3% Perna acima do joelho 11,6 % Perna inteira 18,5 % Fonte: Brunnstons, 1983

10 g) Estimativa indireta do peso corporal Quadro 9 Equações preditivas da massa corporal para idosos Gênero Equação Masculino (0,98 x CP) + (1,16 x alt. joelho) + (1,73 X CB) + (0,37 x DCSE) 81,69 Feminino (1,27 x CP) + (0,87 x alt.. joelho) + (0,98 x CB) + (0,4 x DCSE) 62,35 Fonte: Chumlea et al. (1989) Onde: CP = Circunferência da panturrilha (cm) CB = Circunferência do braço (cm) DCSE = Dobra cutânea Subescapular (mm) Quadro 10 Equações preditivas do peso corporal atual para deficientes ou pessoas com mobilidade limitada Idade/Sexo Brancos Negros Feminino 6 18 (Alt. Joelho x 0,77) + (CB x 2,47) 50,16 (Alt. Joelho x 0,71) + (CB x 2,59) 50, (Alt. Joelho x 1,01) + (CB x 2,81) 66,04 (Alt. Joelho x 1,24) + (CB x 2,97) 82, (Alt. Joelho x 1,09) + (CB x 2,68) 65,51 (Alt. Joelho x 1,50) + (CB x 2,58) 84,22 Masculino 6 18 (Alt. Joelho x 0,68) + (CB x 2,64) 50,08 (Alt. Joelho x 0,59) + (CB x 2,73) 48, (Alt. Joelho x 1,19) + (CB x 3,21) 86,82 (Alt. Joelho x 1,09) + (CB x 3,14) 83, (Alt. Joelho x 1,10) + (CB x 3,07) 75,81 (Alt. Joelho x 0,44) + (CB x 2,86) 39,21 Fonte: Chumlea et al. (1994) Onde: Alt. Joelho = altura do joelho (cm) CB = Circunferência do braço (cm) h) Peso ajustado É o peso ideal corrigido para a determinação das necessidades nutricionais, quando a adequação do peso atual for inferior a 95% ou superior a 115% do PI. Peso ajustado = (peso ideal - peso atual) x 0,25 + peso ideal Onde o peso ideal é estimado pelo IMC 22 kg/m 2 para homens 20,8kg/m 2 para mulheres

11 2) AVALIAÇÃO ESTATURAL a) Estimativa da estatura ideal obtido a partir de tabelas estatísticas Tabela do NHANES III baseada na população americana, estratificado por sexo e faixa etária (tabelas 5 e 6) Considerar o grupo Mexican American hispânicos para estimar estatura ideal em brasileiros Tabela 5 Estimativa da Estatura ideal (Homens > 20 anos) Altura em centímetros para homens acima de 20 anos, o número de pessoas examinadas (n), média, desvio-padrão (SEM), e percentis selecionados, por raça / etnia e idade. NHANES III, * Este valor não alcança o padrão de confiabilidade e precisão. Dados do

12 Tabela 6 Estimativa da Estatura Ideal (Mulheres > 20 anos) Altura em centímetros para as mulheres acima de 20 anos, o número de pessoas examinadas (n), média, desvio-padrão (SEM), e percentis selecionados, por raça / etnia e idade. NHANES III, * Este valor não alcança o padrão de confiabilidade e precisão. Dados do

13 b) Estimativa indireta da estatura Quadro 11 Equações preditivas da estatura de idosos ou indivíduos sem possibilidade de serem medidos em pé Fonte: Chumlea et. al., Quadro 12 Equações preditivas da estatura atual para deficientes ou pessoas com mobilidade limitada Idade/Sexo Brancos Negros Feminino ,21 + (2,14 x alt. Joelho) 46,59 + (2,02 x alt. Joelho) ,25 + (1,87 x alt. Joelho) (0,06 x idade) ,0 + (1,91 x alt. Joelho) (0,17 x idade) Masculino Fonte: Chumlea et al. (1994) 68,10 + (1,86 x alt. Joelho) (0,06 x idade) 58,72 + (1,96 x alt. Joelho) ,54 + (2,22 x alt. Joelho) 39,60 + (2,18 x alt. Joelho) ,85 + (1,88 x alt. Joelho) 73,42 + (1,79 x alt. Joelho) ,01 + (2,08 x alt. Joelho) 95,79 + (1,37 x alt. Joelho)

14 3) PERÍMETROS CORPORAIS a) Perímetro da cintura (circunferência da cintura) O ponto de aferição do perímetro da cintura usada tanto para a avaliação da CCintura quanto para RCQ situa-se na região abdominal no ponto médio entre a crista ilíaca e a face externa da última costela (WHO, 1998). Quadro 13 Classificação do perímetro da cintura específico por sexo e avaliação da gravidade dos riscos relacionados à obesidade Risco para complicações metabólicas Associadas com a obesidade Aumentado Substancialmente Aumentado Homens 94 cm 102 cm Mulheres 80 cm 88 cm Fonte: WORLD HEALTH ORGANIZATION. Obesity: Preventing and managing the global epidemic Report of a WHO consultation on obesity. Geneva, b) Relação Cintura-Quadril (RCQ) RCQ = Perímetro da Cintura (cm) Perímetro do Quadril (cm) Quadro 14 - Classificação da relação cintura quadril específico por sexo e avaliação da gravidade dos riscos relacionados à obesidade Relação Cintura-Quadril Risco para doenças cardiovasculares Homens > 1,0 Alto Mulheres > 0,85 Alto Fonte: WORLD HEALTH ORGANIZATION. Obesity: Preventing and managing the global epidemic Report of a WHO consultation on obesity. Geneva, 1998.

15 c) Circunferência do braço (CB) ÍNDICE: Circunferência do braço / idade VARIÁVEIS: Circunferência do braço e idade REFERÊNCIA: Frisancho (1990) Tabela 10 CLASSIFICAÇÃO: PERCENTIS (Quadro 15) Quadro 15 Critério de Classificação para o Estado de gordura corporal Frisancho, 1990 A partir da CB pode-se avaliar também o % de adequação da CB do avaliado em relação à mediana da população de referência (Frisancho, 1990) % adequação = CB (do paciente) x 100 CB (p50 para idade e sexo) < 70% desnutrição grave 70-80% desn. moderada 80-90% desn. leve % eutrofia % sobrepeso > 120% obesidade Blackburn & Thorton, 1979.

16 4) Avaliação da Gordura Corporal por DOBRAS CUTÂNEAS a) Avaliação a partir de um sítio de aferição (Tríceps) Não são utilizadas para estimar gordura corporal, são utilizadas para COMPARAÇÃO com dados de referência ÍNDICE: DCT/idade VARIÁVEIS: dobra cutânea triciptal e idade REFERÊNCIA: Frisancho (1990) Tabela 14 CLASSIFICAÇÃO: PERCENTIS Classificação de acordo com as categorias de Frisancho, 1990 (Quadro 15) A partir da DCT pode-se avaliar também o % de adequação da DCT do avaliado em relação à mediana da população de referência (Frisancho, 1990) % adequação = DCT (do paciente) x 100 DCT (p50 para idade e sexo) < 70% desnutrição grave 70-80% desn. moderada 80-90% desn. leve % eutrofia % risco de obesidade > 120% obesidade Blackburn & Thorton, b) Avaliação a partir de mais de um sítio de aferição a. Percentual de gordura corporal (adultos) A estimativa do percentual de gordura corporal é feita a partir da aferição de dobras cutâneas corporais. Equações preditivas de percentual de gordura são feitas a partir do cálculo da densidade corporal. Várias equações são sugeridas para estimar a densidade corporal. Sugere-se a utilização das equações de: Durnin & Womersley (1974) - amostra da população americana, que utiliza as seguintes dobras: Subescapular, Tríceps, Bíceps, Suprailíaca (homens e mulheres) Petroski (1995) - amostra da população do sul do Brasil, que utiliza as seguintes dobras: Axilar média, suprailíaca, coxa, e panturrilha - Mulheres Subescapular, tríceps, suprailíaca, panturrilha Homens

17 A partir da estimativa da densidade corporal é calculo o percentual de gordura corporal. Sugere-se a equação de SIRI (1961) % GC = (4,950-4,500) x 100 Densidade corporal Estas equações já apresentam tabelas (7,8 e 9) com percentual de gordura calculado de acordo com o somatório das dobras sugeridas para avaliação. Assim, se torna desnecessário o calculo da equação de SIRI (1961) ETAPAS PARA AVALIAÇÃO DO PERCENTUAL DE GORDURA: 1) Aferir as dobras cutâneas do indivíduo seguindo protocolo de LOHMAN (1992). Verifique que referência será seguida e conseqüentemente as dobras que devem ser aferidas. 2) Realizar somatório das dobras 3) Identificar na tabela o percentual de gordura correspondente ao somatório de acordo com sexo e idade. 4) Calcular o equivalente em quilos de gordura e massa magra corporal: a. Por exemplo: Indivíduo com 70kg, 35 anos e com 25% de gordura corporal (verificado pelo somatório de dobras) i. Fazer regra de três: 70 kg % x = 17,5kg de gordura X % b. Calcular o conteúdo de massa magra corporal: i ,5 = 52,5kg 5) Classificar o % de gordura de acordo com os parâmetros de referência (Lohman, 1992). Quadro 16:

18 Tabela 7 - Estimativa da gordura corporal po peio do somatório das 4 dobras cutâneas, segundo preconizado por Durnin e Womersley, Idade (anos) das pregas Homens Mulheres > >50 4,8 10,5 8,1 12,2 12,2 12,6 14,1 17,0 19,8 21,4 10,5 14,2 15,0 15,6 16,8 19,4 22,2 24,0 12,9 16,2 17,7 18,6 19,5 21,8 24,5 26,6 14,7 17,7 19,6 20,8 21,5 23,7 26,4 28,5 16,4 19,2 21,4 22,9 23,4 25,5 28,2 30,3 17,7 20,4 23,0 24,7 25,0 26,9 29,6 31,9 19,0 21,5 24,6 26,5 26,5 28,2 31,0 33,4 20,1 22,5 25,9 27,9 27,8 29,4 32,1 34,6 21,2 23,5 27,1 29,2 29,1 30,6 33,2 35,7 22,2 24,3 28,2 30,4 30,2 31,6 34,1 36,7 23,1 25,1 29,3 31,6 31,2 32,5 35,0 37,7 24,0 25,9 30,3 32,7 32,2 33,4 35,9 38,7 24,8 26,6 31,2 33,8 33,1 34,3 36,7 39,6 25,5 27,2 32,1 34,8 34,0 35,1 37,5 40,4 26,2 27,8 33,0 35,8 34,8 35,8 38,3 41,2 26,9 28,4 33,7 36,6 35,6 36,5 39,0 41,9 27,6 29,0 34,4 37,4 36,4 37,2 39,7 42,6 28,2 29,6 35,1 38,2 37,1 37,9 40,4 43,3 28,8 30,1 35,8 39,0 37,8 38,6 41,0 43,9 29,4 30,6 36,4 39,7 38,4 39,1 41,5 44,5 30,0 31,1 37,0 40,4 39,0 39,6 42,0 45,1 31,0 31,5 37,6 41,1 39,6 40,1 42,5 45,7 31,5 31,9 38,2 41,8 40,2 40,6 43,0 46,2 32,0 32,3 38,7 42,4 40,8 41,1 43,5 46,7 32,5 32,7 39,2 43,0 41,3 41,6 44,0 47,2 32,9 33,1 39,7 43,6 41,8 42,1 44,5 47,7 33,3 33,5 40,2 44,1 42,3 42,6 45,0 48,2 33,7 33,9 40,7 44,6 42,8 43,1 45,4 48,7 34,1 34,3 41,2 45,1 43,3 43,6 45,8 49,2 34,5 34,6 41,6 45,6 43,7 44,0 46,2 49,6 34,9 34,8 42,0 46,1 44,1 44,4 46,6 50,0 35,3 44,8 47,0 50,4 35,6 45,2 47,4 50,8 35,9 45,6 47,8 51,2 45,9 48,2 51,6 46,2 48,5 52,0 46,5 48,8 52,4 49,1 52,7 49,4 53,0

19

20

21 Quadro 16 - Classificação do percentual de gordura padrão para homens e mulheres (Lohman, 1992) Homens Mulheres Muito Baixo a < 5% < 8% Baixo 6-14 % 9-22 % Média 15 % 23 % Acima da média % % Muito Alto b 25% 32 % a Risco para doenças associadas à má nutrição b Risco para doenças associadas à obesidade Dentro da normalidade % Homens adultos jovens 22-25% Mulheres adultas jovens c) Percentual de gordura do braço (%GB) Este indicador é comumente utilizado como um dos parâmetros para avaliação nutricional de pacientes hospitalizados. Seguem as equações e as medidas necessárias para se obter o % GB. ÍNDICADOR: % GB VARIÁVEIS: Circunferência do braço (CB); Dobra Cutânea triciptal (DCT) REFERÊNCIA: Frisancho (1990) Tabela 13 CLASSIFICAÇÃO: PERCENTIS (Quadro 15) % gordura do braço = área de gordura do braço (AGB) x 100 área total do braço (ATB) AGB = ATB Área Muscular do Braço (AMB) OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: Para cálculo do %GB utilizar o valor de AMB sem ajustar o valor do osso.

22 7) INDICADORES ANTROPOMÉTRICOS DO ESTADO PROTÉICO CORPORAL a) Área total do braço ATB = CB 2 4 x π b) Área Muscular do Braço Dobra cutânea tricipital (DCT) é útil para estimativa de gordura corporal porém não é útil para diagnóstico de desnutrição protéica energética (enfermos) Recomenda-se calcular a AMB ÍNDICADOR: AMB VARIÁVEIS: Circunferência do braço (CB); Dobra Cutânea triciptal (DCT) REFERÊNCIA: Frisancho (1990) Tabela 11 e 12 CLASSIFICAÇÃO: PERCENTIS (Quadro 17) Utilizam-se as medidas de dobra cutânea Triciptal e Circunferência do braço. A partir da aferição destas pode-se estimar o conteúdo muscular pela equação abaixo: Em seguida fazer a classificação por percentil (Frisancho, 1990) e oferecer o diagnóstico nutricional do conteúdo de massa muscular de acordo com as categorias descritas no Quadro 17. AMB = [ CB - ( DCT(cm) x π ) ] 2 4 x π Quadro 17 - Critério de Classificação para o Estado muscular Percentil Estado de gordura Categoria I 0 5 Baixa musculatura* Categoria II 5,1 15,0 Abaixo da média Categoria III 15,1 85,0 Média Categoria IV 85,1 95,0 Acima da média Categoria V 95,1 100 Alta muscularidade: bom estado nutricional OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: Para ajustar a área do osso e obter a musculatura livre de osso, SUBTRAIR (do valor encontrado) 10 cm 2 para homens 6,5 cm 2 para mulheres A tabela de percentis varia segundo a compleição física (tabelas 11 e 12) Indivíduos com patologias associadas à perda de peso, incluir a faixa de risco p5 - p15, para todos os indicadores (CB, CMB, AMB, DCT).

Avaliação Nutricional de pacientes hospitalizados

Avaliação Nutricional de pacientes hospitalizados Avaliação Nutricional de pacientes Profa. Raquel Simões AN em pacientes Na prática clínica, a realização da avaliação do estado td nutricional tii envolve a utilização de uma série de indicadores nutricionais,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO

FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO Profª. MSc. Karla Vanessa do Nascimento Silva PACIENTE ACAMADO Induvíduos altamente dependentes e que necessitam

Leia mais

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADOLESCENTES

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADOLESCENTES CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADOLESCENTES AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADOLESCENTES A avaliação nutricional dos adolescentes deve considerar a idade cronológica (peso, estatura e idade) e a idade biológica

Leia mais

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN:

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 MANUAL DE AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE ADULTOS PARA ESTUDANTES DE NUTRIÇÃO Sônia Maria Ximenes Gomes Lilian Vasconcelos

Leia mais

Curso: Nutrição. Disciplina: Avaliação Nutricional Professora: Esp. Keilla Cardoso Outubro/2016

Curso: Nutrição. Disciplina: Avaliação Nutricional Professora: Esp. Keilla Cardoso Outubro/2016 Curso: Nutrição Disciplina: Avaliação Nutricional Professora: Esp. Keilla Cardoso Outubro/2016 ANTROPOMETRIA CIRCUNFERÊNCIAS CIRCUNFERÊNCIAS Finalidade das Medidas de Circunferências Podem representar:

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Marcos Felipe Silva de Lima marcosfelipe@ymail.com Larissa Praça de Oliveira

Leia mais

ANTROPOMETRIA PROCESSAMENTO DOS DADOS

ANTROPOMETRIA PROCESSAMENTO DOS DADOS PROCESSAMENTO DOS DADOS Reunião Locomotion 25/03/2013 Jorge Storniolo Henrique Bianchi Método duplamente indireto Validado a partir de um método indireto; Densimetria; Aplicáveis para grandes amostras;

Leia mais

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Nadine Herreria dos Santos 2 ; Talita Poli Biason 1 ; Valéria Nóbrega da Silva 1 ; Anapaula

Leia mais

Antropometria. Importância e aplicações Estatura e Peso. Antropometria. É baseado na medição das variações físicas e

Antropometria. Importância e aplicações Estatura e Peso. Antropometria. É baseado na medição das variações físicas e Antropometria Importância e aplicações Estatura e Peso Antropometria É baseado na medição das variações físicas e na composição corporal; é aplicável em todos os ciclos de vida e permite a classificação

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS CADERNO DE EXERCÍCIOS MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Ms.C. Ana Beatriz Monteiro http://avaliacaoemeducacaofisica.webnode.com Nome: Introdução Crescimento é a atividade biológica dominante

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA NUTRIÇÃO CLÍNICA 2010/2011 2º SEMESTRE OBJECTIVOS Verificar desvios nutricionais egrau Identificar doentes com necessidade de intervenção nutricional Avaliar a

Leia mais

Introdução. avalon 04/02/2016. José Pereira De Mattos Filho

Introdução. avalon 04/02/2016. José Pereira De Mattos Filho Introdução Avalon 2.0.1-06/02/2016 Interpretação dos Percentis Avalon 2.0.1-06/02/2016 Anamnese ANAMNESE Histórico de Atividades Físicas Praticou tênis durante 15 anos, mas está parado há 4 anos. Atividades

Leia mais

Cadeira de Nutrição Clínica. Avaliação Nutricional

Cadeira de Nutrição Clínica. Avaliação Nutricional Cadeira de Nutrição Clínica Avaliação Nutricional PESO CORPORAL Energia Água MASSA GORDA Proteínas Glicogénio LIC LEC Minerais MASSA MAGRA COMPOSIÇÃO CORPORAL MASSA GORDA Gordura 80% Água 18% Proteína

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA Larissa Paula da Silva de Souza 1, Jordana Lara de Miranda Camargo 2, Isabelle Zanquetta Carvalho

Leia mais

Avaliação antropométrica de crianças

Avaliação antropométrica de crianças Avaliação antropométrica de crianças Sylvia do Carmo Castro Franceschini Taís Cristina Araújo Magalhães Fabiana de Cássia Carvalho de Oliveira Viçosa Agosto, 2010 Peso: início da vida perda de peso fisiológica

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO Eduardo Silva Pinheiro Neves (PIBIC-Jr/Fundação Araucária), Paulo César Paulino (Orientador),

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS

ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS 20 a 24 de outubro de 2008 ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS Gizele Regina Fanhani Casarin 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO: O envelhecimento é um processo dinâmico e progressivo,

Leia mais

PERCENTUAL DE GORDURA. Prof.Moisés Mendes

PERCENTUAL DE GORDURA. Prof.Moisés Mendes OPOMETRIA CINEANTRO PERCENTUAL DE GORDURA Prof.Moisés Mendes I. Método Direto Dissecação de Cadáveres. II. Método Indireto Pesagem Hidrostática; DXA. MÉTODOS III. Método Duplamente Indireto Antropometria;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO Avaliação do estado nutricional de escolares de seis a doze anos da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes, localizada

Leia mais

Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações LANPOP/HNT/FSP/USP

Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações LANPOP/HNT/FSP/USP Guia para realização de medidas antropométricas Peso Corporal Definição: Medida da massa corporal total. Balança portátil. Escala em g. Dispor o equipamento sobre superfície lisa e plana. Aguardar o visor

Leia mais

Especialização em Nefrologia Multidisciplinar. unidade1

Especialização em Nefrologia Multidisciplinar. unidade1 Especialização em Nefrologia Multidisciplinar ESPECIALIZAÇÃO EM NEFROLOGIA MULTIDISCIPLINAR Módulo 7 - NUTRIÇÃO E DOENÇAS RENAIS ISABELA LEAL CALADO unidade1 AVALIAÇÃO E DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL NA DOENÇA

Leia mais

Minha Saúde Análise Detalhada

Minha Saúde Análise Detalhada MODELO DE RELATÓRIO / Identificação de cliente: 1980M32 Data: 07/03/2016 Seu Peso = 79,0 kg Minha Saúde Análise Detalhada Seu peso está na categoria: Saudável sua altura é 180 cm, você tem 35 anos de idade

Leia mais

6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG

6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG ASSOCIAÇÃO DA PERCEPÇÃO SUBJETIVA DA SAÚDE COM INDICADORES DE COMPOSIÇÃO

Leia mais

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação Objetivos: Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição PNSN (1989) O objetivo central desta pesquisa foi apurar os indicadores da situação nutricional da população brasileira. Procurou-se observar quem eram

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Alceste Ramos Régio

Leia mais

Composição Corporal e Puberdade: tecido gorduroso, massa muscular e massa mineral óssea

Composição Corporal e Puberdade: tecido gorduroso, massa muscular e massa mineral óssea Composição Corporal e Puberdade: tecido gorduroso, massa muscular e massa mineral óssea Prof. Dra. Tamara Beres Lederer Goldberg Departamento de Pediatria Disciplina de Medicina do Adolescente Faculdade

Leia mais

Antropometria. Antropometria. Conceito: Anthro = corpo; Metria = medida Medidas das variações nas dimensões físicas corporais

Antropometria. Antropometria. Conceito: Anthro = corpo; Metria = medida Medidas das variações nas dimensões físicas corporais Antropometria Prof. Me. Natanael Moura natanael.ftc@gmail.com Antropometria Conceito: Anthro = corpo; Metria = medida Medidas das variações nas dimensões físicas corporais Indicadores antropométricos:

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM IDOSOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM IDOSOS Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 4 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM IDOSOS Profa. Dra. Danielle Góes Profa. Dra. Raquel Simões AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM IDOSOS A avaliação antropométrica

Leia mais

TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS

TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN Victor Henrique dos Santos Silva 1 ; Adriana Moura de Lima 2 Resumo: Perante a abordagem da

Leia mais

Avaliação do Estado Protéico

Avaliação do Estado Protéico Avaliação do Estado Protéico Profa. Raquel Simões Estado Nutricional protéico Homem 70kg 10 a 13 kg de proteína corporal, principalmente: p Músculos (30 50% do peso corporal) Vísceras (20% do peso corporal)

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM IDOSOS RESIDENTES NA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA EURÍPEDES BARSANULPHO NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS MS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM IDOSOS RESIDENTES NA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA EURÍPEDES BARSANULPHO NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS MS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM IDOSOS RESIDENTES NA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA EURÍPEDES BARSANULPHO NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS MS Alexandra de Souza Falcão Graduanda em Nutrição Faculdades Integradas

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB Tainá Gomes Diniz; Caroline Severo de Assis; Suzy Souto de Oliveira Faculdade de Ciências

Leia mais

AUTOR(ES): LUIS FERNANDO ROCHA, ACKTISON WENZEL SOTANA, ANDRÉ LUIS GOMES, CAIO CÉSAR OLIVEIRA DE SOUZA, CLEBER CARLOS SILVA

AUTOR(ES): LUIS FERNANDO ROCHA, ACKTISON WENZEL SOTANA, ANDRÉ LUIS GOMES, CAIO CÉSAR OLIVEIRA DE SOUZA, CLEBER CARLOS SILVA 16 TÍTULO: NÍVEL DE OBESIDADE ENTRE MÃES E FILHOS ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO AUTOR(ES):

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE RISCO NUTRICIONAL (IRN) E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM IDOSOS. Kiss, S. A., Caselato de Sousa, V.M. 1

APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE RISCO NUTRICIONAL (IRN) E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM IDOSOS. Kiss, S. A., Caselato de Sousa, V.M. 1 APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE RISCO NUTRICIONAL (IRN) E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM IDOSOS Kiss, S. A., Caselato de Sousa, V.M. 1 Universidade do Vale do Paraíba/Nutrição 1 - Avenida Shishima Hifumi, 2.911 Urbanova

Leia mais

Instituto de Cultura Física

Instituto de Cultura Física Página 1 Instituto de Cultura Física ANÁLISE BIOMECÂNICA Nome: Sexo: Data Nasc: Idade: Cafi Otta M 16/08/78 35 Objetivo: Av. fís. anterior: Av. fís. atual: Alto Rendimento Físico 24/09/12 08/10/13 AVALIAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA Lilian dos Santos Rodrigues Sadeck Introdução O seguimento ambulatorial dos recém-nascidos (RN), iniciando até 7 dias após a alta hospitalar, é importante

Leia mais

Taxa Metabólica Basal: é importante medir? Tânia Kadima Magalhães Ferreira

Taxa Metabólica Basal: é importante medir? Tânia Kadima Magalhães Ferreira Taxa Metabólica Basal: é importante medir? Tânia Kadima Magalhães Ferreira Taxa Metabólica Basal (TMB) A TMB é definida como taxa de gasto energético no estado pós-absortivo após um jejum noturno de 12hs.

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS SEGUNDO A CIRCUNFERÊNCIA DO BRAÇO E PREGA CUTÂNEA TRICIPITAL NA CIDADE DE JOÃO PESSOA- PB

ESTADO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS SEGUNDO A CIRCUNFERÊNCIA DO BRAÇO E PREGA CUTÂNEA TRICIPITAL NA CIDADE DE JOÃO PESSOA- PB ESTADO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS SEGUNDO A CIRCUNFERÊNCIA DO BRAÇO E PREGA CUTÂNEA TRICIPITAL NA CIDADE DE JOÃO PESSOA- PB Daiane Veloso de Araújo (1); Larissa Raquel Gonzaga da Silva (1);

Leia mais

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes Sumário Ver Livro Didático: pág. 37 à 45 e 65 à 71. Lipídeos e Lipoproteínas Sanguíneas Quando pedir ao responsável a análise do perfil lipídico? Pais

Leia mais

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Modelagem e Educação Matemática (MEM) GT 4 Ângela Tereza Silva de SOUZA Universidade Federal da Paraíba anjinhatereza@hotmail.com RESUMO Neste

Leia mais

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Teste de Aptidão Básica (Fleishman, 1964) 1. Teste

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ADIPOSIDADE CORPORAL EM ADULTOS POR MÉTODOS ANTROPOMÉTRICOS E CORRELAÇÃO COM ÍNDICE DE ADIPOSIDADE CORPORAL

AVALIAÇÃO DE ADIPOSIDADE CORPORAL EM ADULTOS POR MÉTODOS ANTROPOMÉTRICOS E CORRELAÇÃO COM ÍNDICE DE ADIPOSIDADE CORPORAL AVALIAÇÃO DE ADIPOSIDADE CORPORAL EM ADULTOS POR MÉTODOS ANTROPOMÉTRICOS E CORRELAÇÃO COM ÍNDICE DE ADIPOSIDADE CORPORAL Rafaela Bellanda Espires¹; Gabriela Bertoni Martins¹; Gersislei Antonia Salado 2

Leia mais

Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico.

Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico. III CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM NUTRIÇÃO PARENTERAL E ENTERAL ADULTO/PEDIATRIA Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico. Nut. Eduila Couto eduilacouto@hotmail.com Estado

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

Composição corporal de judocas: aspectos relacionados ao desempenho

Composição corporal de judocas: aspectos relacionados ao desempenho Composição corporal de judocas: aspectos relacionados ao desempenho Edmar; L. Mendes, Sabrina; P. Fabrini, Ciro; J. Brito, João; Carlos B. Marins LAPEH Lab. de Performance Humana UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Denomina-se bateria a um conjunto de testes cujos resultados possam ser analisados

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Cadimiel Gomes¹; Raíla Dornelas Toledo²; Rosimar Regina da Silva Araujo³ ¹ Acadêmico do Curso

Leia mais

Avaliação Nutricional

Avaliação Nutricional Avaliação Nutricional Prof a Renato Marques 5 o período de Enfermagem Importância e conceitos da Avaliação Nutricional ESTADO NUTRICIONAL Definição Condição de saúde de um indivíduo, influenciada pelo

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Orientações para a coleta

Leia mais

PERFIL DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DOS ESCOLARES INGRESSOS NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins

PERFIL DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DOS ESCOLARES INGRESSOS NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins PERFIL DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DOS ESCOLARES INGRESSOS NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins Gabriela de Medeiros Cabral 1, Avelino Pereira Neto 2 1 Professora do Ensino Básico,

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO

CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO Karoline de Lima Alves UFPB/ e-mail: krol_lima_17@hotmail.com 1 Anna Cláudia Freire

Leia mais

ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR.

ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR. ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR. Gabriela Salim Xavier, André Luiz Moreno da Silva,

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL 1 NUTRITIONAL STATUS OF HIV/AIDS PATIENTS IN USE OF ANTIRETROVIRAL THERAPY

ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL 1 NUTRITIONAL STATUS OF HIV/AIDS PATIENTS IN USE OF ANTIRETROVIRAL THERAPY Disciplinarum Scientia, Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 4, n. 1, p. 95-102, 2004. 95 ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL 1 NUTRITIONAL STATUS OF HIV/AIDS

Leia mais

Avaliação da Composição Corporal. Avaliação da Composição Corporal. Avaliação da Composição Corporal. Avaliação da Composição Corporal

Avaliação da Composição Corporal. Avaliação da Composição Corporal. Avaliação da Composição Corporal. Avaliação da Composição Corporal Avaliação da Composição Corporal Avaliação da Composição Corporal A análise da composição corporal é a quantificação dos principais componentes estruturais do corpo humano. O tamanho e a forma corporais

Leia mais

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA Omero Francisco Bertol 1,2, Percy Nohama 1, Deborah Ribeiro Carvalho 3

Leia mais

1 - Avaliação antropométrica e da composição corporal

1 - Avaliação antropométrica e da composição corporal 1 - Avaliação antropométrica e da composição corporal Luiz Antonio dos Anjos SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ANJOS, LA. Avaliação antropométrica e da composição corporal. In: Obesidade e saúde

Leia mais

Diagnóstico e Prevenção do Diabetes com os Recursos Tecnológicos da Informática

Diagnóstico e Prevenção do Diabetes com os Recursos Tecnológicos da Informática Diagnóstico e Prevenção do Diabetes com os Recursos Tecnológicos da Informática PAULINO, Paulo C.; ALMEIDA, Fellipe R. de; FERNANDES, Ícaro A.; MEDEIROS, Bruno C. de; OLIVEIRA, Stephanie P. D.; PARMEZAN,

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Cristiane Aparecida Rosa 1, Tissiane Narai de Oliveira Ferreira 1, Nayane Aparecida Araújo Dias 2, Renata de

Leia mais

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em 2007-2010 Guimarães A. Unidade de Saúde Familiar Physis, Vizela, Portugal Resumo Este estudo teve como

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE.

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE. RAMON WAGNER BARBOSA DE HOLANDA PABLO RUDÁ FERREIRA BARROS

Leia mais

Dados da Avaliação. Objetivos. Protocolo de Imagem Corporal Marins e Marins (2010) Foto Auto-Imagem Objetivo. Exame de Sangue. Posturais - Anterior

Dados da Avaliação. Objetivos. Protocolo de Imagem Corporal Marins e Marins (2010) Foto Auto-Imagem Objetivo. Exame de Sangue. Posturais - Anterior Data: Avaliador: Avaliado: 07/03/2013 Flávio Modelo Bem Vindo ao AVAESPORTE! Esporte Sistemas Incubadora de Empresas UFV (31)3892-5117 31-9332-3136 contato@esportesistemas.com.br www.esportesistemas.com.br

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL. Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes

AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL. Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL - Método simples, de rápida execução e baixo custo; -Validado para aplicação em pacientes cirúrgicos e clínicos.

Leia mais

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Nesta aula iremos aprender sobre o conceito, as causas e as consequências da obesidade e a importância da atividade física para a prevenção e controle desta

Leia mais

INSATISFAÇÃO CORPORAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

INSATISFAÇÃO CORPORAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INSATISFAÇÃO CORPORAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA Juciane Tonon Chinarelli 1 ; Renata Cristina Casale Veronezzi 2 ; Angela

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS OBESOS

PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS OBESOS 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE

Leia mais

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino 1 1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso 0,0

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE GORDURA SATURADA E DA SUA ASSOCIAÇÃO COM OS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DE MULHERES ATENDIDAS NA CLÍNICA DE NUTRIÇÃO DA UNIBAN CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Tamanho da Amostra Parâmetros de interesse:

Tamanho da Amostra Parâmetros de interesse: Tamanho da Amostra Para calcular o tamanho de amostra da PNS necessário para a estimação de parâmetros de interesse em níveis diferentes de desagregação geográfica, deverão ser considerados os seguintes

Leia mais

Cidade: Ponta Grossa (para todos os Alunos com pretensões para desempenhar a função de árbitro, independente da cidade em que realizou o curso).

Cidade: Ponta Grossa (para todos os Alunos com pretensões para desempenhar a função de árbitro, independente da cidade em que realizou o curso). Caro Sr(a) alunos do Curso de Formação de Oficiais de Arbitragem de Futsal, estamos nos dirigindo a VSrª, para convocá-lo a participar de mais uma etapa componente do processo geral. Nesta etapa, como

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Perimetria Medida da circunferência de determinados segmentos corporais, podendo ser realizados estando o corpo relaxado ou contraído. 2. Fita Métrica Equipamentos

Leia mais

IV Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica do Cesumar 20 a 24 de outubro de 2008

IV Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica do Cesumar 20 a 24 de outubro de 2008 20 a 24 de outubro de 2008 PREVALÊNCIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E SUA RELAÇÃO COM FATORES DE RISCO CARDIOVASCULARES EM CUIDADORES DE PACIENTES DE CLÍNICAS DE REABILITAÇÃO DA CIDADE DE MARINGÁ Juliana Barbosa

Leia mais

Avaliação da Composição Corporal. Profª Tatianne Estrela

Avaliação da Composição Corporal. Profª Tatianne Estrela Avaliação da Composição Corporal Profª Tatianne Estrela Constituição, Tamanho e Composição Corporais Constituição: Muscularidade; Linearidade; Gordura. Tamanho: Estatura; Massa. Constituição, Tamanho e

Leia mais

VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E RESPOSTA DA PRESSÃO ARTERIAL PÓS-EXERCÍCIO EM ATLETAS E NÃO-ATLETAS

VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E RESPOSTA DA PRESSÃO ARTERIAL PÓS-EXERCÍCIO EM ATLETAS E NÃO-ATLETAS 1 VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E RESPOSTA DA PRESSÃO ARTERIAL PÓS-EXERCÍCIO EM ATLETAS E NÃO-ATLETAS Rodrigo Batista Maia UFPI Cláudio Henrique Lima Rocha UFPI Irapuá Ferreira Ricarte UFPI Vitor

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG.

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. AUTORES: Kiriaque Barra Ferreira Barbosa bolsista CNPq (kiribarra@hotmail.com.br),

Leia mais

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE JOVENS ESTUDANTES

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE JOVENS ESTUDANTES COMPOSIÇÃO CORPORAL DE JOVENS ESTUDANTES Vivian Mendes de Souza /UFGD Aline Rodrigues Guedes da Silva/UFGD Wallisson Lucas dos Santos Farias /UFGD Dra. Josiane Fujisawa Filus de Freitas /UFGD Dr. Gustavo

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL I

APOSTILA DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL I FACULDADE ASSIS GURGACZ Avenida das Torres, 500 Fone: (45) 3321-3900 ramal 3852 Fax: (045) 3321-3900 CEP: 85.806-095 Cascavel Paraná E-mail: nutricao@fag.edu.br APOSTILA DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL I Elaborado

Leia mais

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN versão eletrônica 110 PERFIL ANTROPOMÉTRICO E COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ATLETAS DE FUTSAL MASCULINO Maitê Martins Fagundes 1 Camile Boscaini 1, 2 RESUMO Introdução: O futsal

Leia mais

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE Um dos principais problemas de saúde pública da atualidade, Doença nutricional que mais cresce no mundo e de mais difícil tratamento; Etiologia

Leia mais

Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção

Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Coordenação: Deborah Carvalho Malta Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

Profa. Raquel Simões. Índice de massa corpórea (IMC) = peso (kg)/altura (m) 2

Profa. Raquel Simões. Índice de massa corpórea (IMC) = peso (kg)/altura (m) 2 IMC/Idade Profa. Raquel Simões O que é IMC? Índice de massa corpórea (IMC) = peso (kg)/altura (m) 2 IMC é efetivo como ferramenta de triagem e não de diagnóstico (identificar indivíduos com baixo o excesso

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO.

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO. AVALIAÇÃO FÍSICA Antes de iniciarmos qualquer atividade física é necessário realizar uma avaliação Física. Somente através de uma avaliação podemos : - Identificar a nossa condição inicial (check-up) -

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ Débora de Moura¹; Débora Augusto Sampaio²; Geziane Deldoto 2 ; Sonia Maria Marques

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo RESUMO: O presente estudo compara a composição corporal

Leia mais

Apoio nutricional em Grupo para Pacientes Adultos com Sobrepeso

Apoio nutricional em Grupo para Pacientes Adultos com Sobrepeso Apoio nutricional em Grupo para Pacientes Adultos com Sobrepeso Marcelo Castanheira 1 ; Sandra Pereira 2 ; Ana Beatriz Rossi; Ariane Fontes; Cintia Coimbra Longo; Eline Carvalho; Maria Cláudia Guimarães

Leia mais

VARIAÇÃO DO CÁLCULO DO PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL A PARTIR DE DIFERENTES EQUAÇÕES DE PREDIÇÃO Humberto Cavalcante Joca 1 Patrick Simão Carlos 2 Rogério Feitosa Rodrigues 3 André Accioly Nogueira Machado

Leia mais

LEITURA DE RÓTULOS DE ALIMENTOS RELACIONADA COM A ESCOLARIDADE E ESTADO NUTRICIONAL DE MULHERES NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1

LEITURA DE RÓTULOS DE ALIMENTOS RELACIONADA COM A ESCOLARIDADE E ESTADO NUTRICIONAL DE MULHERES NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 LEITURA DE RÓTULOS DE ALIMENTOS RELACIONADA COM A ESCOLARIDADE E ESTADO NUTRICIONAL DE MULHERES NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 Vanessa Huber Idalencio 2, Ligia Beatriz Bento Franz 3, Franciéli Aline Conte

Leia mais

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO CONTROLE DA OBESIDADE E PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO Introdução Obesidade Brasil EPIDEMIA 40% em sobrepeso 12,7% adultos obesos

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DENSIDADE CORPORAL POR MEIO DE DIFERENTES PROTOCOLOS 20 Thainá Caetano Pereira da Silva 1 Marcelo Henrique Silva 2 Alexandre Vinícius Malmann Medeiros 3 RESUMO A avaliação física

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO NÚCLEO DE PRÁTICA DE ATLETISMO

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO NÚCLEO DE PRÁTICA DE ATLETISMO PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO NÚCLEO DE PRÁTICA DE ATLETISMO Vanessa Taís Nozaki Nutricionista; Mestre em Ciências da Saúde; Docente do Centro Universitário

Leia mais