- Jurisdição - Competência é o limite dentro do qual juízes e tribunais exercem jurisdição.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- Jurisdição - Competência é o limite dentro do qual juízes e tribunais exercem jurisdição."

Transcrição

1 Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 09 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Princípios da Jurisdição: Aderência. Competência: Natureza Jurídica; Competência Absoluta x Relativa; Prorrogação de Competência; Tribunal do Júri; Justiça Militar. - Jurisdição - 2. Princípios da Jurisdição: c) Aderência: O juiz só pode exercer a sua atividade jurisdicional dentro de determinados limites previamente estabelecidos pelo legislador - regras de competência. 3. COMPETÊNCIA: Competência é o limite dentro do qual juízes e tribunais exercem jurisdição. 3.1 Natureza Jurídica das Regras de Competência: As regras de competência são pressupostos Processuais de Validade, cuja inobservância é causa de nulidade. Para Ada Pellegrini, seguida de alguns julgados no STF, quando a regra de competência estiver fixada na Constituição, em razão da ligação com o Princípio do Juiz Natural, ela passa a ter natureza de pressuposto processual de existência.

2 Competência Funcional - é aquela que estabelece a atuação de dois ou mais juízes em um mesmo processo. Competência Absoluta - é aquela cuja regra foi fixada considerando o interesse público, e não o interesse das partes. A sua violação pode ser alegada a qualquer momento, ou reconhecida de ofício, pois aqui não ocorre prorrogação de competência. Competência Relativa - é aquela cuja regra foi fixada considerando o interesse das partes. A sua violação deve ser alegada no momento oportuno, sob pena de prorrogação de competência. Competência Absoluta x Competência Relativa: 1. Ada Pellegrini e STF - a única competência relativa no processo penal é a territorial. 2. Pollastri - além da territorial, também é relativa a competência em razão da matéria prevista em norma infraconstitucional (o doutrinador não exemplifica, mas a professora cita a matéria violência doméstica). 3. Paulo Rangel, Aury Lopes Jr. (maioria dos doutrinadores garantistas) - o Princípio do juiz natural garante o processo e julgamento perante o juiz competente, sem diferenciar entre competência absoluta e competência relativa, logo, não cabe ao intérprete fazê-lo. Desta forma, a violação de qualquer regra de competência é causa de nulidade absoluta por afronta ao Princípio do Juiz Natural. Prorrogação de Competência: De acordo com o art. 108 do CPP, as partes possuem um momento preclusivo para alegar a incompetência relativa do juiz. Porém, o art. 109 permite que o juiz reconheça, de

3 ofício e a qualquer momento, a sua incompetência absoluta ou relativa (diferente do que ocorre no processo civil). Desta forma, era muito comum no final da instrução criminal que o juiz reconhecesse a sua incompetência relativa e, após aplicar o art. 109 do CPP, remetia o feito ao juízo competente. Ao receber o processo, o juízo competente aplicava o art. 567 do CPP, ou seja, ele renovava os atos decisórios, aproveitava os instrutórios e em seguida julgava. Apesar dos dois dispositivos estarem em vigor, Pacelli entende que eles devem ser interpretados nos moldes do Princípio da Identidade Física do Juiz, ou seja, a reforma acabou trazendo um limite temporal para o juiz reconhecer de ofício a sua incompetência territorial (relativa), qual seja a abertura da audiência de instrução e julgamento. Existem duas decisões no STJ determinando a aplicação no processo penal da sua Súmula 33, que proíbe o juiz no processo civil de reconhecer de ofício a sua incompetência relativa. 3.2 Competência do Tribunal do Júri (art. 121 a 128 CP): Qual o órgão competente para julgar o genocídio? Genocídio não é crime doloso contra a vida, mas sim crime contra a humanidade de competência da justiça federal. "A" com a intenção de eliminar um grupo mata 20 pessoas. Que crime (s) ele cometeu e qual o órgão competente para julgamento? 1. Nucci - Cada morte corresponde a um genocídio, logo, ele responde por 20 genocídios em concurso, cuja competência é da justiça federal. 2. Argumento de defesa - O genocídio é um crime que exige pluralidade de vítimas, sem contar que a Lei 2889 é especial quando comparada ao Código Penal. Logo, o agente responde por apenas um genocídio, absorvido os homicídios, sendo a competência da justiça federal. 3. STF (Informativo antigo 2006) - Genocídio é crime contra a humanidade, enquanto o homicídio é crime doloso contra a vida, ou seja, os bens jurídicos tutelados são distintos. Ademais, um crime não é o meio necessário para a prática do outro, razão pela qual o agente responde por um genocídio em concurso formal com 20 homicídios. Apesar do genocídio não ser crime doloso contra a vida, a competência constitucional do júri exercerá um juízo de atração, de forma que todos os crimes sejam julgados pelo júri federal.

4 Qual o órgão competente para julgamento quando PM for acusado de homicídio? De acordo com o art. 125, 4º da CF, a competência é do Júri. Obs: Sempre que o foro privilegiado estiver fixado na Constituição Federal será afastada a competência do júri, sendo o agente julgado pelo tribunal a que se encontra vinculado. Onde está previsto o foro privilegiado dos deputados estaduais? 1. Pacelli - Art. 27, 1º da CF, quando trouxe expressamente uma série de garantias dos deputados federais para os estaduais. Se concordarmos com o autor, quando um deputado estadual cometer um homicídio, ele será julgado pelo TJ. 2. Doutrina - O art. 27, 1º da CF permitiu a criação válida por simetria nas Constituições Estaduais. A partir disso, doutrina e jurisprudência discutem quem julga o deputado estadual que comete homicídio: 1. Mirabete - Como a Constituição Estadual só pode criar foro privilegiado em razão da simetria, devemos aplicar a Súmula 721 do STF e o deputado será julgado pelo Júri. 2. Polastri - Haveria ofensa ao Princípio da Isonomia se estabelecêssemos tratamento diferenciado entre deputado estadual e federal, ou seja, os dois devem ser julgados pelos respectivos Tribunais a que se encontram vinculados. Em 2004, o STF julgou duas ADIs que questionavam dispositivos das Constituições dos Estados de Goiás e Maranhão que fixaram foro privilegiado para delegados, defensores públicos e procuradores dos estados. Em relação a delegados, o STF negou a possibilidade desse foro entendendo que isso comprometeria o controle externo feito pelo MP. Porém, para as demais autoridades, o STF admitiu a criação do foro privilegiado, mesmo sem simetria, considerando entre outras coisas a relevância das funções. A partir desse julgado, o STF passou a admitir duas "espécies" de foro privilegiado nas Constituições Estaduais: com e sem simetria com a Constituição Federal. Desta forma, quando o autor do homicídio tiver foro privilegiado na Constituição Estadual criado com simetria, não aplicaremos a Súmula 721 e ele será

5 julgado pelo TJ. Porém, quando o foro for criado sem simetria, aplicaremos a Súmula 721 STF e eles serão julgados pelo júri. 3.3 Competência da Justiça Militar (arts. 124 e 125 CF): Toda base de competência da justiça militar está fixada na Constituição Federal, pois o art. 124 fixa a competência da justiça militar federal, enquanto o art. 125 fixa a competência da justiça militar estadual. Requisitos para a fixação da competência da Justiça Militar (cumulativos): 1. O agente deve se enquadrar em uma das hipóteses do art. 9º do CPM, ou seja, militar em serviço ou fora do serviço em razão da função. 2. A conduta deve estar prevista no CPM (tipicidade no Código Penal Militar). Que crime comete o PM que durante uma blitz ou uma abordagem ofende a integridade física de um civil? 1. Majoritária no TJ - A lesão corporal foi o meio para a prática do abuso. Logo, o agente responde apenas por abuso de autoridade, absorvida a lesão. De acordo com a Súmula 172 do STJ, a competência para julgar o abuso é da justiça estadual. Quem na justiça estadual julga o abuso? a) Polastri, Nucci e Bittencourt - A previsão no art. 6º, 3º, "c" da Lei 4898 de uma pena acessória de inabilitação para o cargo público por um período de até 3 anos é incompatível com as medidas despenalizadoras da Lei Logo, a competência é da Vara Criminal. b) Ada Pellegrini (prevalece) - Com a reforma penal de 1984, todas as penas acessórias foram transformadas em efeitos da condenação. Logo, a competência é do Juizado Especial.

Aula 09. Princípios da jurisdição e competência: Jurisdição:

Aula 09. Princípios da jurisdição e competência: Jurisdição: Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Penal Professora: Elisa Pitarro Monitor: Raphael Santana Aula 09 Princípios da jurisdição e competência: Jurisdição: Jurisdição é, ao mesmo

Leia mais

Aula 10. Súmula 140 do STJ: Compete à Justiça Comum Estadual processar e julgar crime em que o indígena figure como autor ou vítima.

Aula 10. Súmula 140 do STJ: Compete à Justiça Comum Estadual processar e julgar crime em que o indígena figure como autor ou vítima. Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Penal Professora: Elisa Pitarro Monitor: Raphael Santana Aula 10 Competência do Tribunal do Júri: Questões controvertidas: Qual o órgão competente

Leia mais

Professor Wisley Aula 09

Professor Wisley Aula 09 - Professor Wisley www.aprovaconcursos.com.br Página 1 de 5 FORRO POR PRERROGATIVA DE FUNÇÃO 1. OBSERVAÇÕES I Não se fala mais em manutenção

Leia mais

Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios.

Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 08 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da

Leia mais

- Procedimento Juizados Especiais (Lei 9.099) Qual o recurso cabível da decisão que não homologa a transação penal?

- Procedimento Juizados Especiais (Lei 9.099) Qual o recurso cabível da decisão que não homologa a transação penal? Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 16 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Lei 9.099: Audiência Preliminar; Audiência de Instrução e Julgamento; Recursos; Suspensão Condicional

Leia mais

07/10/2012 PROCESSO PENAL I. Processo penal I

07/10/2012 PROCESSO PENAL I. Processo penal I I 14ª -Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Processo penal I 2 1 CONCEITO: Jurisdição X competência = poder X permissão para exercer o poder EX: TRIBUNAL DO JURI HOUVE UM CRIME DOLOSO IP + DENÚNCIA

Leia mais

Aula 11. V-A as causas relativas a direitos humanos a que se refere o 5º deste artigo;

Aula 11. V-A as causas relativas a direitos humanos a que se refere o 5º deste artigo; Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Penal Professora: Elisa Pitarro Monitor: Raphael Santana Aula 11 Competência da Justiça Federal (continuação): Possibilidade de grave violação

Leia mais

Súmula 18 STJ: A sentença concessiva do perdão judicial é declaratória da extinção da punibilidade, não subsistindo qualquer efeito condenatório.

Súmula 18 STJ: A sentença concessiva do perdão judicial é declaratória da extinção da punibilidade, não subsistindo qualquer efeito condenatório. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 18 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Revisão Criminal: Questões Polêmicas. Habeas Corpus: Conceito, Espécies, Condições da Ação, Questões

Leia mais

Aula 14. EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE (art. 609, parágrafo único, CPP)

Aula 14. EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE (art. 609, parágrafo único, CPP) Turma e Ano: Regular 2015 / Master B Matéria / Aula: Direito Processual Penal / Aula 14 Professor: Elisa Pittaro Monitora: Kelly Soraia Aula 14 EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE (art. 609, parágrafo

Leia mais

JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA IV

JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA IV JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA IV - FORO PRIVILEGIADO (POR PRERROGATIVA DA FUNÇÃO) é o direito de uma pessoa, ocupante de determinado cargo, ser julgada e processada criminalmente por órgãos jurisdicionais superiores,

Leia mais

AULA 08. Critérios utilizados pelo legislador para escolher que ação penal de um delito será privada.

AULA 08. Critérios utilizados pelo legislador para escolher que ação penal de um delito será privada. Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Processo Penal Professora: Elisa Pitarro AULA 08 Ação penal privada Critérios utilizados pelo legislador para escolher que ação penal de um delito será privada.

Leia mais

Prof. Raul de Mello Franco Jr. - UNIARA PODER EXECUTIVO. 3ª aula. Prof. Raul de Mello Franco Jr.

Prof. Raul de Mello Franco Jr. - UNIARA PODER EXECUTIVO. 3ª aula. Prof. Raul de Mello Franco Jr. PODER EXECUTIVO 3ª aula Prof. Raul de Mello Franco Jr. SUBSÍDIOS do PRESIDENTE, do VICE e dos MINISTROS São fixados pelo CN, por decreto-legislativo (art. 49, VIII, CF). Devem ser fixados em parcela única.

Leia mais

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça.

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 11 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Foro por Prerrogativa de Função; Conexão e Continência. 3.5 Foro por Prerrogativa de Função: b) Juízes

Leia mais

Ele é instaurado com o requerimento da vítima, que não interrompe o prazo decadencial para o oferecimento da queixa.

Ele é instaurado com o requerimento da vítima, que não interrompe o prazo decadencial para o oferecimento da queixa. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 05 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Inquérito Policial: Instauração do IP - Ação Penal Privada; Diligências Investigatórias; Indiciamento;

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Competência. Gustavo Badaró aulas de e

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Competência. Gustavo Badaró aulas de e Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Competência Gustavo Badaró aulas de 20.09.2016 e 04.10.2016 n 1. Noções Gerais PLANO DA AULA n 2. Organograma do Poder Judiciário n 3. Concretização da

Leia mais

Aula 10. Qual o vício quando o Ministério Público oferece denúncia em face de agente que possui apenas 17 anos?

Aula 10. Qual o vício quando o Ministério Público oferece denúncia em face de agente que possui apenas 17 anos? Turma e Ano: Regular 2015 / Master B Matéria / Aula: Direito Processual Penal / Aula 10 Professor: Elisa Pittaro Monitora: Kelly Soraia Aula 10 NULIDADES EM ESPÉCIE Art. 564. A nulidade ocorrerá nos seguintes

Leia mais

Apresentação Capítulo I

Apresentação Capítulo I Su m á r i o Apresentação... 13 Capítulo I Premissas Fundamentais e aspectos introdutórios... 15 1. A importância do exame da competência criminal... 15 2. Jurisdição e competência... 19 3. Princípio do

Leia mais

AULA 06. O artigo 7º da lei de 51 é compatível com a constituição?

AULA 06. O artigo 7º da lei de 51 é compatível com a constituição? Turma e Ano: regular/2015 Matéria / Aula: Processo Penal Professora: Elisa Pitarro AULA 06 Continuação de Inquérito Policial Se o juiz discordar do pedido de arquivamento ele deverá aplicar o artigo 28

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 02/03 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV dias. i)- Sentença em audiência ou no prazo de 10 - Prazo para encerramento da Primeira Fase do

Leia mais

Aula 09 FUNDAMENTOS DA PRISÃO PREVENTIVA

Aula 09 FUNDAMENTOS DA PRISÃO PREVENTIVA Turma e Ano: Regular 2015 / Master B Matéria / Aula: Direito Processual Penal / Aula 09 Professor: Elisa Pittaro Monitora: Kelly Soraia Aula 09 FUNDAMENTOS DA PRISÃO PREVENTIVA 1º Garantia da ordem pública;

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Foro Privilegiado por Prerrogativa de Função à Luz do Processo Penal Wellington Luiz Vieira dos Santos * Vânia Maria Guimarães Pinto Coelho ** Resumo: Este artigo refere-se à Prerrogativa

Leia mais

Crime Circunstância Órgão competente Fundamento

Crime Circunstância Órgão competente Fundamento Crime Circunstância Órgão competente Fundamento Doloso contra a vida (Júri) Abuso de autoridade Crimes "Internacionais" Descaminho Militares Autor militar federal e vítima militar Justiça Militar art.

Leia mais

Competência. Conceito: é a quantidade da jurisdição cujo exercício é atribuído por lei a cada órgão.

Competência. Conceito: é a quantidade da jurisdição cujo exercício é atribuído por lei a cada órgão. Competência Conceito: é a quantidade da jurisdição cujo exercício é atribuído por lei a cada órgão. 1. critérios: 1.2 ratione materiae (em razão da matéria) 1.3 ratione personae (em razão da pessoa) 1.4

Leia mais

Aula 12. Conexão: Ocorre conexão quando há nexo entre dois ou mais delitos o que aconselha a unidade de processos e julgamento.

Aula 12. Conexão: Ocorre conexão quando há nexo entre dois ou mais delitos o que aconselha a unidade de processos e julgamento. Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Penal Professora: Elisa Pitarro Monitor: Raphael Santana Aula 12 Conexão: Ocorre conexão quando há nexo entre dois ou mais delitos o que aconselha

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES 2007/1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO PROCESSUAL CIVIL I Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR.

PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR. PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR asjunior2004@uolcombr JURISDIÇÃO Poder Judiciário: garantir a realização dos direitos através de seus órgãos; Órgãos devem ter jurisdição (função de conhecer os

Leia mais

Autoritarismo do Código de Processo Penal de 1941 vs. Constituição Federal de Processo Penal...8. Sistema Acusatório...

Autoritarismo do Código de Processo Penal de 1941 vs. Constituição Federal de Processo Penal...8. Sistema Acusatório... Sumário Autoritarismo do Código de Processo Penal de 1941 vs. Constituição Federal de 1988...2 Contexto Político e Histórico... 2 Características da Constituição de 1937... 4 Código de Processo Penal de

Leia mais

Conteúdo: Reparação dos danos no Processo Penal. Procedimentos. Reparação de Danos no Processo Penal:

Conteúdo: Reparação dos danos no Processo Penal. Procedimentos. Reparação de Danos no Processo Penal: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 13 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Reparação dos danos no Processo Penal. Procedimentos. Reparação de Danos no Processo Penal: Por conta

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE As normas elaboradas pelo Poder Constituinte Originário são colocadas acima de todas as outras manifestações de direito. A própria Constituição Federal determina um procedimento

Leia mais

COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA NATUREZA DA INFRAÇÃO

COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA NATUREZA DA INFRAÇÃO JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA III COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA NATUREZA DA INFRAÇÃO FIXADA A COMARCA COMPETENTE (RATIONE LOCI), QUAL SERÁ A JUSTIÇA COMPETENTE EM RAZÃO DA NATUREZA DA INFRAÇÃO OU FATOS INCRIMINADORES

Leia mais

PRINCÍPIOS: b) Imparcialidade; c) Juiz natural; d) Indeclinabilidade da jurisdição; e) Indisponibilidade e tipicidade.

PRINCÍPIOS: b) Imparcialidade; c) Juiz natural; d) Indeclinabilidade da jurisdição; e) Indisponibilidade e tipicidade. Jurisdição e Competência Penal PRINCÍPIOS: a) Inércia da jurisdição (ne procedat iudex ex officio); b) Imparcialidade; c) Juiz natural; d) Indeclinabilidade da jurisdição; e) Indisponibilidade e tipicidade.

Leia mais

Direito Processual Penal

Direito Processual Penal JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA Jurisdição e competência: Jurisdição é o poder e a competência é a delimitação desse poder. 1 Competência em razão da matéria: 1) Competência da Justiça Especial: o Justiça Militar

Leia mais

3. COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA

3. COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA 3. COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA 3.1 LIMITES CONSTITUCIONAIS À COMPETÊNCIA POR PRERROGATIVA DE FUNÇÃO: ANÁLISE CRÍTICA DA SÚMULA 721 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL MAÍRA CARVALHO LUZ Advogada Integrante da

Leia mais

CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER. Período

CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER. Período CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER Direito Processual Penal Jurisdição e Competência Promotor de Justiça Período 2006 2016 1) CESPE - PJ (MPE TO)/MPE TO/2012 Assunto: Jurisdição e competência A respeito

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Revisão Criminal. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Revisão Criminal. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Revisão Criminal Gustavo Badaró aula de 10.11.2015 PLANO DA AULA 1. Noções gerais 2. Condições da ação 3. Pressupostos processuais 4. Procedimento 1. NOÇÕES

Leia mais

Competência no Processo Civil

Competência no Processo Civil Competência no Processo Civil Direito Processual Civil I Prof. Leandro Gobbo 1 Conceito Princípio do juiz natural. A competência quantifica a parcela de exercício de jurisdição atribuída a determinado

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO À 2ª EDIÇÃO PREFÁCIO PREMISSAS FUNDAMENTAIS E ASPECTOS INTRODUTÓRIOS... 19

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO À 2ª EDIÇÃO PREFÁCIO PREMISSAS FUNDAMENTAIS E ASPECTOS INTRODUTÓRIOS... 19 RENATO BRASILEIRO DE LIMA. SUMÁRIO APRESENTAÇÃO À 2ª EDIÇÃO... 15 PREFÁCIO... 17 CAPÍTULO I PREMISSAS FUNDAMENTAIS E ASPECTOS INTRODUTÓRIOS... 19 1. A importância do exame da competência criminal... 19

Leia mais

REINALDO ROSSANO LÉO MATOS INFORMÁTICA EXERCÍCIOS QUADRIX LINUX DIREITO PROCESSUAL PENAL

REINALDO ROSSANO LÉO MATOS INFORMÁTICA EXERCÍCIOS QUADRIX LINUX DIREITO PROCESSUAL PENAL REINALDO ROSSANO LÉO MATOS INFORMÁTICA EXERCÍCIOS QUADRIX LINUX DIREITO PROCESSUAL PENAL CARGOS: OFICIAL DE JUSTIÇA E ANALISTA JUDICIÁRIO FUNÇÃO JUDICIÁRIA PROVA OBJETIVA: 9.1.3. A Prova Objetiva será

Leia mais

Juizados Especiais. Aula 8 ( ) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor)

Juizados Especiais. Aula 8 ( ) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) Juizados Especiais Aula 8 (09.04.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br Ementa da aula Recursos e embargos de declaração Mandado de segurança, habeas corpus

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal III. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º.

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal III. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º. PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Direito Processual Penal III Código PRO0077 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º II Ementário Procedimento no crime da competência do juiz

Leia mais

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº de 05/12/02 DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº de 05/12/02 DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: DIREITO PROCESSUAL PENAL II Código: DIR 463 CH Total: 60 h Pré-requisito: Direito Processual Penal

Leia mais

Aula 01. Deste modo, o juiz pode condenar alguém com base nos elementos do inquérito policial?

Aula 01. Deste modo, o juiz pode condenar alguém com base nos elementos do inquérito policial? Turma e Ano: Regular 2015 Master B Matéria / Aula: Direito Processual Penal - Aula 01 Professor: Elisa Pittaro Monitora: Kelly Soraia Aula 01 Vamos começar o segundo módulo do nosso curso de Processo Penal.

Leia mais

Quadro Sinótico Competência por Prerrogativa de Função

Quadro Sinótico Competência por Prerrogativa de Função 2016 Quadro Sinótico Competência por Prerrogativa de Função Lucas Rodrigues de Ávila Prova da Ordem 2016 O que é competência por prerrogativa de função? "Um dos critérios determinadores da competência

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Súmula 122 do Superior Tribunal de Justiça e competência para o julgamento de contravenções penais: uma análise à luz da jurisprudência dos Tribunais Superiores Alexandre Piccoli

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. MÓDULO II 1. Regras de competência 2. Procedimento 3. Pedidos 4. Recurso Ordinário Constitucional

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. MÓDULO II 1. Regras de competência 2. Procedimento 3. Pedidos 4. Recurso Ordinário Constitucional CONTEÚDO PROGRAMÁTICO MÓDULO II 1. Regras de competência 2. Procedimento 3. Pedidos 4. Recurso Ordinário Constitucional 1. REGRAS DE COMPETÊNCIA O habeas corpus deve ser interposto à autoridade judicial

Leia mais

LEI PENAL EM RELAÇÃO ÀS PESSOAS PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

LEI PENAL EM RELAÇÃO ÀS PESSOAS PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES LEI PENAL EM RELAÇÃO ÀS PESSOAS PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 - Introdução Subdividem-se em imunidades diplomáticas e de chefes de governo estrangeiro e as imunidades parlamentares. 2 Imunidades diplomáticas

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Princípio do juiz natural e as conseqüências da inobservância das regras constitucionais de competência Galtiere de Oliveira Carneiro * Tanto no processo civil quanto no penal,

Leia mais

Aula 13. Art Caberá recurso em sentido em estrito, da decisão, despacho ou sentença:

Aula 13. Art Caberá recurso em sentido em estrito, da decisão, despacho ou sentença: Turma e Ano: Regular 2015 / Master B Matéria / Aula: Direito Processual Penal / Aula 13 Professor: Elisa Pittaro Monitora: Kelly Soraia Aula 13 RECURSO EM SENTIDO ESTRITO (RSE) Art. 581, CPP. Art. 581.

Leia mais

O RDD é o mesmo que transferência para presídio federal? (leia a lei 11671/08) O que justifica a transferência do preso para presídio federal?

O RDD é o mesmo que transferência para presídio federal? (leia a lei 11671/08) O que justifica a transferência do preso para presídio federal? Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 21 (em 26/09/14) Professora: Elisa Pittaro Conteúdo: (cont. questões polêmicas) Execução penal Monitor: Joanes EXECUÇÃO PENAL (Continuação)

Leia mais

SECÇÃO III - Prestação de trabalho a favor da comunidade e admoestação

SECÇÃO III - Prestação de trabalho a favor da comunidade e admoestação Código Penal Ficha Técnica Código Penal LIVRO I - Parte geral TÍTULO I - Da lei criminal CAPÍTULO ÚNICO - Princípios gerais TÍTULO II - Do facto CAPÍTULO I - Pressupostos da punição CAPÍTULO II - Formas

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Correlação entre acusação e sentença. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Correlação entre acusação e sentença. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Correlação entre acusação e sentença Gustavo Badaró aula de 11.08.2015 1. Noções Gerais PLANO DA AULA 2. Distinção entre fato penal e fato processual penal

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES 2007/1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO PROCESSUAL PENAL I Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

Juizados Especiais. Aula 13 (21.05.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br.

Juizados Especiais. Aula 13 (21.05.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br. Juizados Especiais Aula 13 (21.05.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br Ementa da aula Juizado Especial Criminal Competência Princípios JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

Leia mais

Juizados Especiais Criminais

Juizados Especiais Criminais Direito Processual Penal Juizados Especiais Criminais Constituição Federal Art. 98. A União, no Distrito Federal e nos Territórios, e os Estados criarão: I - juizados especiais, providos por juízes togados,

Leia mais

Alcionir Urcino Aires Ferreira

Alcionir Urcino Aires Ferreira JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA MILITAR O funcionamento da justiça militar no Brasil SOBRE O AUTOR Alcionir Urcino Aires Ferrreira é Bacharel em Direito e em Economia pela Universidade Católica de

Leia mais

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS QUESTÃO 2. Foro competente (ECA, art. 209) 0.75 2.2 Legitimidade para a propositura da ação civil pública (ECA, art. 20) 0.75 2.3 Cabimento da ação mandamental / objetivo da ação (ECA, art. 22) 0.75 QUESTÃO

Leia mais

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Penal e Processual Penal Professor: Maurício Lopes

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Penal e Processual Penal Professor: Maurício Lopes PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Penal e Processual Penal Professor: Maurício Lopes DIREITO PENAL 1 - Quem pode ser o sujeito ativo dos crimes comuns, próprios e de mão própria? Esclareça qual deles não admite

Leia mais

CURSO DE DIREITO PROCESSUAL PENAL. Volume IV

CURSO DE DIREITO PROCESSUAL PENAL. Volume IV LEONIR BATISTI Professor de Direito Processual Penal na Escola da Magistratura-Londrina e Universidade Estadual de Londrina; Promotor de Justiça da Comarca de Londrina; Especializado em Metodologia do

Leia mais

Direito Processual Civil

Direito Processual Civil Direito Processual Civil Atualização 1: para ser juntada na pág. 736 do Livro Principais Julgados de 2016 Depois da conclusão do julgado "STJ. 4ª Turma. REsp 1.261.856/DF, Rel. Min. Marco Buzzi, julgado

Leia mais

Legislação Penal Especial Lei de Tortura Liana Ximenes

Legislação Penal Especial Lei de Tortura Liana Ximenes Lei de Tortura Liana Ximenes 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Lei de Tortura -A Lei não define o que é Tortura, mas explicita o que constitui tortura. -Equiparação

Leia mais

Aula 03. Testemunha que não presta o compromisso responde pelo crime de falso testemunho?

Aula 03. Testemunha que não presta o compromisso responde pelo crime de falso testemunho? Turma e Ano: Regular 2015 / Master B Matéria / Aula: Direito Processual Penal / Aula 03 Professor: Elisa Pittaro Monitora: Kelly Soraia Aula 03 PROVAS EM ESPÉCIE PROVA TESTEMUNHAL Conceito de Testemunha:

Leia mais

Competência nos JEFs Lei Fed nº /2009

Competência nos JEFs Lei Fed nº /2009 Competência nos JEFs Lei Fed nº 12.153/2009 Eduardo Uhlein Agosto 2013 Lei Federal nº 12153/2009 Dispõe sobre os Juizados Especiais da Fazenda Pública dos Estados, do Distrito Federal, dos Territórios

Leia mais

AULA 6 24/03/11 A COMPETÊNCIA PENAL

AULA 6 24/03/11 A COMPETÊNCIA PENAL AULA 6 24/03/11 A COMPETÊNCIA PENAL 1 A MODIFICAÇÃO DA COMPETÊNCIA A modificação da competência deve ser percebida como a mudança, a alteração, a variação, a transformação de uma certa competência em outra

Leia mais

04/06/2009 PLENÁRIO : MIN. MARCO AURÉLIO

04/06/2009 PLENÁRIO : MIN. MARCO AURÉLIO 04/06/2009 PLENÁRIO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 447.859 MATO GROSSO DO SUL RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO RECTE.(S) :MANOEL JOSÉ RIBEIRO RECTE.(S) :GERSON GONÇALVES DA CONCEIÇÃO ADV.(A/S) : RUI GIBIM LACERDA

Leia mais

Comunicações Processuais Prof. Gladson Miranda

Comunicações Processuais Prof. Gladson Miranda Comunicações Processuais Prof. Gladson Miranda CITAÇÃO, INTIMAÇÃO E NOTIFICAÇÃO (Arts. 351 ao 372) CITAÇÃO Conceito Finalidade da Citação art. 396 do CPP FORMAS DE CITAÇÃO 1) Citação real realizada por

Leia mais

PROGRAMA. 4. O conceito de crime e o processo penal: pressupostos materiais e processuais da responsabilidade penal.

PROGRAMA. 4. O conceito de crime e o processo penal: pressupostos materiais e processuais da responsabilidade penal. DIREITO PROCESSUAL PENAL PROGRAMA I INTRODUÇÃO AO DIREITO PROCESSUAL PENAL 1. O funcionamento real do sistema penal: os dados da PGR (2010), do Relatório Anual de Segurança Interna (2011) e o tratamento

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº 25.662/CS HABEAS CORPUS N. 135.921 SANTA CATARINA IMPETRANTE: EUNICE ANISETE DE SOUZA TRAJANO E OUTRO(A/S) PACIENTE: PEDRO FERNANDES GUERREIRO JUNIOR COATOR: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA RELATORA: MINISTRA

Leia mais

20/11/2014. Direito Constitucional Professor Rodrigo Menezes AULÃO DA PREMONIÇÃO TJ-RJ

20/11/2014. Direito Constitucional Professor Rodrigo Menezes AULÃO DA PREMONIÇÃO TJ-RJ Direito Constitucional Professor Rodrigo Menezes AULÃO DA PREMONIÇÃO TJ-RJ 1 01. A Constituição Federal de 1988 consagra diversos princípios, os quais exercem papel extremamente importante no ordenamento

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL PENAL II PROFESSOR: GUSTAVO SENNA TURMA: 6ºCN PLANO DE CURSO 2009/02 UNIDADES

Leia mais

1) A jurisdição é nacional ou internacional? 2) Qual a competência originária? 3) Qual a Justiça competente? 4) Qual o foro competente?

1) A jurisdição é nacional ou internacional? 2) Qual a competência originária? 3) Qual a Justiça competente? 4) Qual o foro competente? COMPETÊNCIA 1) A jurisdição é nacional ou internacional? 2) Qual a competência originária? 3) Qual a Justiça competente? 4) Qual o foro competente? 5) Qual a vara competente? 6) Qual a competência interna?

Leia mais

Organograma do exercício da Jurisdição no ordenamento pátrio segundo os parâmetros vigentes na Constituição Federal

Organograma do exercício da Jurisdição no ordenamento pátrio segundo os parâmetros vigentes na Constituição Federal BuscaLegis.ccj.ufsc.br Organograma do exercício da Jurisdição no ordenamento pátrio segundo os parâmetros vigentes na Constituição Federal João Fernando Vieira da Silva salermolima@hotmail.com O exercício

Leia mais

TEORIA GERAL DO DELITO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

TEORIA GERAL DO DELITO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES TEORIA GERAL DO DELITO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Introdução 1.1 - Infração penal no Brasil O Brasil é adepto do sistema dualista ou dicotômico, ou seja, divide a infração penal em duas espécies:

Leia mais

Em primeiro lugar, deverá o examinando requerer, em preliminar, o desentranhamento das provas ilícitas.

Em primeiro lugar, deverá o examinando requerer, em preliminar, o desentranhamento das provas ilícitas. OAB 2010.3 GABARITO COMENTADO SEGUNDA FASE PENAL PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL O recurso cabível é o recurso em sentido estrito, na forma do art. 581, IV, do Código de Processo Penal, dirigido ao Juiz da 1ª

Leia mais

TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL

TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL Aula 03 NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Surgimento dos Direitos Humanos Internacionalização dos Direitos Humanos Sistemas Globais de Proteção dos Direitos Humanos 1 ASPECTOS INTRODUTÓRIOS Contextualização

Leia mais

Procedimento dos crimes dolosos contra a vida Tribunal do Júri I

Procedimento dos crimes dolosos contra a vida Tribunal do Júri I Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Procedimento dos crimes dolosos contra a vida Tribunal do Júri I Gustavo Badaró aulas de 3, 10 e 17 de maio de 2017 PLANO DA AULA Tribunal do Júri 1. Noções

Leia mais

1ª Corrente: A nulidade é uma sanção de ineficácia Posição adotada pela Ada Pellegrine

1ª Corrente: A nulidade é uma sanção de ineficácia Posição adotada pela Ada Pellegrine 1 DIREITO PROCESSUAL PENAL PONTO 1: Conceito de Nulidade PONTO 2: Sistemas de Declaração das Nulidades PONTO 3: Espécies de Vícios PONTO 4: Artigos 563 e 564 do CPP 1. Conceito de Nulidade 1ª Corrente:

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Processo Penal I Código

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Sujeitos Processuais. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Sujeitos Processuais. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Sujeitos Processuais Gustavo Badaró aula de 11.10.2016 1. Noções Gerais 2. Juiz PLANO DA AULA Peritos, interpretes e auxiliares da justiça 3. Ministério

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Barbara Rosa Direito Constitucional Recurso Especial e Extraordinário RECURSO ESPECIAL: Competência do STJ. Art. 104, III da CF. RECURSO EXTRAORDINÁRIO: Competência do STF. Art. 102, III da CF. RECURSO

Leia mais

4. AÇÃO CIVIL EX DELICTO 4.1 Questões

4. AÇÃO CIVIL EX DELICTO 4.1 Questões SUMÁRIO 1. APLICAÇÃO DO DIREITO PROCESSUAL PENAL 1.1 A lei processual no espaço 1.2 A lei processual no tempo (irretroatividade) 1.3 A lei processual em relação às pessoas 1.3.1 Imunidades 1.3.2 Imunidade

Leia mais

Aula 04. Principais Exames Periciais: - Autópsia ou necropsia: exame utilizado sempre que houver suspeitas de que aquela morte foi criminosa.

Aula 04. Principais Exames Periciais: - Autópsia ou necropsia: exame utilizado sempre que houver suspeitas de que aquela morte foi criminosa. Turma e Ano: Regular 2015 / Master B Matéria / Aula: Direito Processual Penal / Aula 04 Professor: Elisa Pittaro Monitora: Kelly Soraia Aula 04 Principais Exames Periciais: - Autópsia ou necropsia: exame

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE AMPLIAÇÃO DA COMPETÊNCIA DO TRIBUNAL DO JÚRI DESENVOLVIMENTO

A POSSIBILIDADE DE AMPLIAÇÃO DA COMPETÊNCIA DO TRIBUNAL DO JÚRI DESENVOLVIMENTO 1 A POSSIBILIDADE DE AMPLIAÇÃO DA COMPETÊNCIA DO TRIBUNAL DO JÚRI Jonathan da Silva CASTRO 1 Rafael Cano RODRIGUES 2 RESUMO: O presente artigo analisa a possibilidade de ampliação da competência dos crimes

Leia mais

P ESSO ENAL ELEITORAL

P ESSO ENAL ELEITORAL Evânio Moura P ESSO ENAL ELEITORAL CRIMES ELEITORAIS, JURISDiÇÃO E COMPETÊNCIA Curitiba Juruá Editora 2014 Visite nossos sites na Internet www.jurua.com.br e www.editorialjurua.com e-mai1: editora@jurua.com.br

Leia mais

CONCEITO DE AUTORIDADE

CONCEITO DE AUTORIDADE - LEGISLAÇÃO PENAL ESPECIAL - - Lei nº 4.898/65 - Abuso de Autoridade - Professor: Marcos Girão - CONCEITO DE AUTORIDADE 1 CONCEITO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898/65 Pode ser considerado autoridade o servidor

Leia mais

Índice Geral. Índice Sistemático do Código de Processo Penal

Índice Geral. Índice Sistemático do Código de Processo Penal Índice Geral Código de Processo Penal Decreto-lei 3.689, de 3 de outubro de 1941... 13 Súmulas Criminais do STF e do STJ Comentadas... 1645 Índice Alfabético-Remissivo... 1905 Bibliografia... 1923 Índice

Leia mais

TJRJ SUMÁRIO. Língua Portuguesa. Gêneros textuais: descrição, narração, dissertação expositiva e argumentativa...3

TJRJ SUMÁRIO. Língua Portuguesa. Gêneros textuais: descrição, narração, dissertação expositiva e argumentativa...3 Língua Portuguesa Gêneros textuais: descrição, narração, dissertação expositiva e argumentativa...3 Tipos textuais: informativo, publicitário, didático, instrucional e preditivo...3 Marcas de textualidade:

Leia mais

JUIZADOS ESPECIAIS (LEI 9099/95)

JUIZADOS ESPECIAIS (LEI 9099/95) JUIZADOS ESPECIAIS (LEI 9099/95) Previsão: Art. 98. A União, no Distrito Federal e nos Territórios, e os Estados criarão: I - juizados especiais, providos por juízes togados, ou togados e leigos, competentes

Leia mais

CURSO DE DIREITO 1 PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Direito Penal I 80 4º 2015

CURSO DE DIREITO 1 PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Direito Penal I 80 4º 2015 PLANO DE ENSINO CURSO DE DIREITO 1 Disciplina Carga Horária Semestre Ano Direito Penal I 80 4º 2015 Objetivos Específicos da Disciplina Inicialmente, concluir-se-á a matéria da parte geral. Em seguida,

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0000.11.029913-8/000 Númeração 0299138- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Domingos Coelho Des.(a) Domingos Coelho 05/10/2011 17/10/2011 EMENTA: CONFLITO

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE AULA 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direito Processual Penal

Leia mais

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás.

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Plano de Ensino 2015/1 Atenção! Este Plano de Ensino é um Rascunho. Sua impressão não está liberada por se tratar de um documento

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL Márcio André Lopes Cavalcante DIREITO CONSTITUCIONAL A competência para legislar sobre serviços de telecomunicações é privativa da União A competência para legislar sobre serviços de telecomunicações é

Leia mais

SUMÁRIO 1. PEÇAS DE LIBERDADE, 17 PREFÁCIO, 5 SUMÁRIO, 7

SUMÁRIO 1. PEÇAS DE LIBERDADE, 17 PREFÁCIO, 5 SUMÁRIO, 7 SUMÁRIO PREFÁCIO, 5 SUMÁRIO, 7 1. PEÇAS DE LIBERDADE, 17 1. Primeiro passo: identificar qual a peça ou instituto o caso concreto apresenta ou requer, 17 1.1. Peças práticas que podem ser requeridas a qualquer

Leia mais

PROGRAMA DIDÁTICO. CARGA HORÁRIA: 80 horas

PROGRAMA DIDÁTICO. CARGA HORÁRIA: 80 horas PROGRAMA DIDÁTICO CURSO: GRADUAÇÃO EM DIREITO COMPONENTE CURRICULAR: Direito Processual Penal III (Quinta-feira - 18:50 às 22:20) CÓDIGO: CARGA HORÁRIA: 80 horas PROFESSOR (ES): Vera Lúcia de Oliveira

Leia mais

Direito Processual Civil Recursos

Direito Processual Civil Recursos ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS TRIBUNAIS ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS TRIBUNAIS Jurisdição quanto ao grau hierárquico dos seus órgãos é: 1) inferior; 2) superior. Essas espécies de jurisdições pressupõe

Leia mais

FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA: DEFENSORIA PÚBLICA E

FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA: DEFENSORIA PÚBLICA E FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA: MINISTÉRIO PÚBLICO, DEFENSORIA PÚBLICA E ADVOCACIA Profª Me. Érica Rios erica.carvalho@ucsal.br MINISTÉRIO PÚBLICO Definição: instituição permanente e essencial à função jurisdicional

Leia mais

PROCESSO PENAL 1. PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE. Reclusão e detenção está reservada para os crimes e a prisão simples para as contravenções.

PROCESSO PENAL 1. PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE. Reclusão e detenção está reservada para os crimes e a prisão simples para as contravenções. 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Pena Privativa de Liberdade PONTO 2: Princípio da Individualização da Pena PONTO 3: Individualização Judicial São três: a) Reclusão b) Detenção c) Prisão Simples

Leia mais

AULA COMPLEMENTAR PROCESSO DOS CRIMES DE RESPONSABILIDADE DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS

AULA COMPLEMENTAR PROCESSO DOS CRIMES DE RESPONSABILIDADE DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS AULA COMPLEMENTAR PROCESSO DOS CRIMES DE RESPONSABILIDADE DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS Futuros Aprovados, A fim de complementar o curso aos que realizarão o concurso para o TRE-PR, apresento abaixo o tema

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL O tema envolve, de início, o exame da competência para julgamento da causa que envolve a União Federal e Universidade particular havendo fatos encadeados

Leia mais