Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios."

Transcrição

1 Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 08 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios. - AÇÃO PENAL - Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Em regra, a ação penal é privada com as seguintes exceções: 1. Crimes contra honra de Presidente da República ou Chefe de Governo estrangeiro (art. 145 CP) Ação Penal Pública condicionada à requisição do Ministro da Justiça 2. Injúria Real praticada com emprego de lesão corporal Ação Penal Pública condicionada à representação 3. Injúria preconceituosa (art. 140, 3º CP) Ação Penal Pública condicionada à representação 4. Crime contra a honra de funcionário público relacionado ao exercício da função Pelo Código Penal, a ação penal é pública condicionada à representação. Porém, o STF editou a Súmula 714 dando legitimidade concorrente ao ofendido mediante o ajuizamento de queixa. A maioria dos crimes contra a honra é considerado delito de menor potencial ofensivo, razão pela qual o procedimento adotado será aquele previsto na Lei Juizado Especial. Porém, existem alguns crimes contra a honra cuja pena supera o limite de 2 anos, razão pela qual, nessas hipóteses, o rito será o dos art. 519 e seguintes do CPP. Pedido de Explicações: Antes do oferecimento da queixa, é possível que o ofendido formule o pedido de explicações previsto no art. 144 do CP.

2 O pedido de explicações consiste em uma medida facultativa de caráter preparatório, que tem por objetivo esclarecer as ofensas, dando ao querelante justa causa para o oferecimento da queixa. Esse pedido não interrompe o prazo decadencial, tendo como única consequência processual a prevenção. Obs: Alguns denominam o pedido de explicações como interpelação judicial. Os crimes contra a honra em que a ação penal é pública cabe pedido de explicações? Não, pois o art. 144 só conferiu legitimidade ao querelante. Audiência de conciliação (art. 520 CPP) - Condição de prosseguibilidade: O querelante oferecerá queixa, com ou sem pedido de explicações, porém, antes do juiz decidir sobre o recebimento, ele deverá designar a audiência de conciliação prevista no art. 520 do CPP. Essa audiência possui natureza de condição de procedibilidade imprópria ou condição de prosseguibilidade, cuja inobservância é causa de nulidade absoluta. Nos crimes contra a honra em que a ação penal é pública cabe audiência de conciliação? Não cabe em razão do Princípio da Indisponibilidade que norteia a ação penal pública. A ausência do querelante na audiência de conciliação é causa de perempção? Existem duas orientações no âmbito do STJ: 1. Não há perempção, pois a ação penal ainda não foi formalizada, uma vez que a queixa ainda não foi recebida. Ademais, a ausência do querelante significa apenas que ele não quer qualquer acordo. 2. Há perempção, pois demonstra o seu desinteresse na relação processual. O juiz pode rejeitar liminarmente a queixa antes da audiência de conciliação? 1. O juiz deve rejeitar quando a queixa for manifestamente inepta, sob pena dessa audiência caracterizar um constrangimento ilegal (posição mais razoável).

3 2. Não é possível a rejeição liminar, pois o juiz deverá sempre designar a audiência tentando pacificar o conflito de interesses. Exceção da Verdade: É possível que o querelado, como forma de defesa, ajuíze a exceção da verdade na tentativa de demonstrar que o que foi dito por ele é verdadeiro. Obs: Natureza jurídica da exceção da verdade = incidente processual como forma de defesa. Em regra, não há julgamento prévio da exceção da verdade, ou seja, ação e exceção são julgadas pelo juiz na sentença, salvo quando o querelante tiver foro por prerrogativa de função. Um magistrado propôs queixa crime em face de B pela prática do crime de calúnia, pois B teria dito "esse juiz vende sentenças". B resolve ajuizar a exceção da verdade, na tentativa de demonstrar que o juiz realmente vende sentenças. O que estará sendo discutido na exceção da verdade é se o magistrado cometeu ou não um delito, razão pela qual ela deverá ser remetida ao tribunal para julgamento prévio. O tribunal poderá chegar as seguintes conclusões: 1) Ele julga procedente a exceção da verdade, ou seja, reconhece que o fato imputado era verdadeiro. Nesse caso, resta ao juiz singular a absolvição (fato criminoso não é falso).

4 2) O tribunal julga improcedente a exceção da verdade. Nesse caso, o juiz poderá condenar ou absolver pela calúnia de acordo com as provas constantes nos autos. E se na hipótese anterior o fato imputado fosse uma contravenção penal, como ficariam ação e exceção? O processamento da exceção dependerá do conteúdo da difamação. Se o fato imputado era ofensivo, porém atípico, não há razão para remetermos a exceção ao tribunal, ou seja, o próprio juiz singular julgará ação e exceção. Porém, se o fato imputado caracterizava uma contravenção penal, o que estará sendo discutido na exceção é se o magistrado cometeu ou não um delito. Logo, a exceção deverá ser remetida ao tribunal para julgamento prévio JURISDIÇÃO - 1. Conceito: Jurisdição é ao mesmo tempo um poder, uma função e uma atividade: Poder - demonstra a soberania do Estado, que decide imperativamente, impondo as suas decisões. Função - expressa o encargo do Poder Judiciário de promover a pacificação dos conflitos de interesses. Atividade - é desenvolvida através de um complexo de atos judiciais ao longo do processo. Existe jurisdição voluntária no processo penal? 1) Tourinho - A possibilidade do juiz nomear curador especial é uma das poucas hipóteses de jurisdição voluntária. 2) Pacelli - A hipótese de jurisdição voluntária no processo penal seria a da ação de revisão criminal, pois não há lide, não existindo uma pretensão que será resistida pela parte contrária, sendo a posição do MP apenas de custus legis.

5 2. Princípios da Jurisdição: a. Inércia: Toda a atividade jurisdicional deve ser provocada, ou seja, só há jurisdição quando houver ação. Os juízes podem conceder HC de ofício? Para Ada Pellegrini, a necessidade de proteção da liberdade individual justifica o exercício espontâneo da jurisdição. Obs: De acordo com o art. 310, II do CPP ao receber o APF, o juiz poderá converter a prisão em flagrante em preventiva de ofício, o que viola a inércia e o próprio sistema acusatório, uma vez que o juiz não deve ter qualquer ingerência durante o inquérito. Já o art. 311 do CPP nega a possibilidade de decretar preventiva de ofício durante o inquérito. Desta forma, a melhor maneira de interpretarmos os dispositivos é fazendo de forma conjunta com o art. 306 do CPP. Quando o MP receber a sua cópia do APF, ele deverá solicitar ao juiz a conversão, viabilizando a decisão judicial sem qualquer ofensa ao sistema acusatório. b. Indelegabilidade: O juiz não pode delegar a outro órgão o exercício da atividade jurisdicional. A expedição de carta precatória é uma exceção ao Princípio da Indelegabilidade? Ada Pellegrini e Paulo Rangel - Não é exceção, pois o juiz não pode delegar o que ele não possui. Como ele não pode realizar qualquer ato fora da sua comarca ele conta com cooperação judicial. Ademais, ele não está delegando a prática de qualquer ato decisório, mas tão somente um ato instrutório.

AULA 08. Critérios utilizados pelo legislador para escolher que ação penal de um delito será privada.

AULA 08. Critérios utilizados pelo legislador para escolher que ação penal de um delito será privada. Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Processo Penal Professora: Elisa Pitarro AULA 08 Ação penal privada Critérios utilizados pelo legislador para escolher que ação penal de um delito será privada.

Leia mais

CALÚNIA (art. 138, CP) DIFAMAÇÃO (art. 139, CP) INJÚRIA (art. 140, CP)

CALÚNIA (art. 138, CP) DIFAMAÇÃO (art. 139, CP) INJÚRIA (art. 140, CP) CALÚNIA (art. 138, CP) DIFAMAÇÃO (art. 139, CP) INJÚRIA (art. 140, CP) 1 PEDIDO DE EXPLICAÇÕES - não está disciplinado no CPP - art. 144, CP Se, de referências, alusões ou frases, se infere calúnia, difamação

Leia mais

Aula 09. Princípios da jurisdição e competência: Jurisdição:

Aula 09. Princípios da jurisdição e competência: Jurisdição: Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Penal Professora: Elisa Pitarro Monitor: Raphael Santana Aula 09 Princípios da jurisdição e competência: Jurisdição: Jurisdição é, ao mesmo

Leia mais

- Jurisdição - Competência é o limite dentro do qual juízes e tribunais exercem jurisdição.

- Jurisdição - Competência é o limite dentro do qual juízes e tribunais exercem jurisdição. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 09 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Princípios da Jurisdição: Aderência. Competência: Natureza Jurídica; Competência Absoluta x Relativa;

Leia mais

Aula 10. Qual o vício quando o Ministério Público oferece denúncia em face de agente que possui apenas 17 anos?

Aula 10. Qual o vício quando o Ministério Público oferece denúncia em face de agente que possui apenas 17 anos? Turma e Ano: Regular 2015 / Master B Matéria / Aula: Direito Processual Penal / Aula 10 Professor: Elisa Pittaro Monitora: Kelly Soraia Aula 10 NULIDADES EM ESPÉCIE Art. 564. A nulidade ocorrerá nos seguintes

Leia mais

Aula 14. EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE (art. 609, parágrafo único, CPP)

Aula 14. EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE (art. 609, parágrafo único, CPP) Turma e Ano: Regular 2015 / Master B Matéria / Aula: Direito Processual Penal / Aula 14 Professor: Elisa Pittaro Monitora: Kelly Soraia Aula 14 EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE (art. 609, parágrafo

Leia mais

AÇÃO PENAL. Noções preliminares e conceito. Características:

AÇÃO PENAL. Noções preliminares e conceito. Características: AÇÃO PENAL Noções preliminares e conceito Características: 1 Condições para o exercício da ação penal 1.1 Condições genéricas a) Possibilidade jurídica do pedido Art. 395. A denúncia ou queixa será rejeitada

Leia mais

REINALDO ROSSANO LÉO MATOS INFORMÁTICA EXERCÍCIOS QUADRIX LINUX DIREITO PROCESSUAL PENAL

REINALDO ROSSANO LÉO MATOS INFORMÁTICA EXERCÍCIOS QUADRIX LINUX DIREITO PROCESSUAL PENAL REINALDO ROSSANO LÉO MATOS INFORMÁTICA EXERCÍCIOS QUADRIX LINUX DIREITO PROCESSUAL PENAL CARGOS: OFICIAL DE JUSTIÇA E ANALISTA JUDICIÁRIO FUNÇÃO JUDICIÁRIA PROVA OBJETIVA: 9.1.3. A Prova Objetiva será

Leia mais

Direito Penal. Da Ação Processual Penal

Direito Penal. Da Ação Processual Penal Direito Penal Da Ação Processual Penal Ação Processual Penal Conceito: - Poder ou direito de apresentar em juízo uma pretensão acusatória. Fundamento: - Princípio da inafastabilidade do poder jurisdicional

Leia mais

É o direito subjetivo público de se dirigir ao Estado-juiz pedindo a aplicação do direito objetivo no caso concreto.

É o direito subjetivo público de se dirigir ao Estado-juiz pedindo a aplicação do direito objetivo no caso concreto. Ação Penal É o direito subjetivo público de se dirigir ao Estado-juiz pedindo a aplicação do direito objetivo no caso concreto. Classificação das ações: a) quanto à tutela jurisdicional invocada: i. ação

Leia mais

Ele é instaurado com o requerimento da vítima, que não interrompe o prazo decadencial para o oferecimento da queixa.

Ele é instaurado com o requerimento da vítima, que não interrompe o prazo decadencial para o oferecimento da queixa. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 05 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Inquérito Policial: Instauração do IP - Ação Penal Privada; Diligências Investigatórias; Indiciamento;

Leia mais

Capítulo 1 Introdução...1. Capítulo 2 Inquérito Policial (IP)...5

Capítulo 1 Introdução...1. Capítulo 2 Inquérito Policial (IP)...5 S u m á r i o Capítulo 1 Introdução...1 Capítulo 2 Inquérito Policial (IP)...5 2.1. Início do IP... 17 2.2. Indiciamento... 24 2.3. Identificação Criminal a Nova Lei nº 12.037/2009... 27 2.4. Demais Providências...

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 Processo Penal Capítulo 3 Ação Penal... 5

Sumário. Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 Processo Penal Capítulo 3 Ação Penal... 5 Sumário Capítulo 1 Introdução... 1 Capítulo 2 Processo Penal... 3 Capítulo 3 Ação Penal... 5 3.1. Considerações Gerais...5 3.1.1. Ação penal pública incondicionada...5 3.1.2. Ação penal pública condicionada

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Correlação entre acusação e sentença. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Correlação entre acusação e sentença. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Correlação entre acusação e sentença Gustavo Badaró aula de 11.08.2015 1. Noções Gerais PLANO DA AULA 2. Distinção entre fato penal e fato processual penal

Leia mais

Súmula 18 STJ: A sentença concessiva do perdão judicial é declaratória da extinção da punibilidade, não subsistindo qualquer efeito condenatório.

Súmula 18 STJ: A sentença concessiva do perdão judicial é declaratória da extinção da punibilidade, não subsistindo qualquer efeito condenatório. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 18 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Revisão Criminal: Questões Polêmicas. Habeas Corpus: Conceito, Espécies, Condições da Ação, Questões

Leia mais

Tratado nos artigos a a do d o CP C. P

Tratado nos artigos a a do d o CP C. P AÇÃO PENAL Tratado nos artigos 100 a 106 do CP. Conceito: Direito de exigir do Estado a aplicação da norma penal ao infrator. É o ius puniendi do Estado. CLASSIFICAÇÃO Conhecimento Cautelar Execução Art.

Leia mais

Prof. Luis Fernando Alves

Prof. Luis Fernando Alves 1 Prof. Luis Fernando Alves www.professorluisfernando.jur.adv.br 2 PARTE I - TEORIA 1º PASSO - COMPREENDENDO O PROBLEMA 1. DICAS INICIAIS 3 Compreensão do problema: é a partir dos dados nele contidos que

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 18/05 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV 2.3 PROCEDIMENTO DA LEI DE DROGAS (Lei 11.343/06) - Procedimento Previsto nos artigos 54 a 59 da

Leia mais

23/09/2012 PROCESSO PENAL I. PROCESSO PENAL ii

23/09/2012 PROCESSO PENAL I. PROCESSO PENAL ii I 16ª -Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 ii Acessem!!!!!! www.rubenscorreiajr.blogspot.com 2 1 CRIME CONTRA A HONRA. MENOR POTENCIAL OFENSIVO. COMPETENCIA. JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL. Conflito de

Leia mais

Sumário CAPÍTULO I CAPÍTULO II

Sumário CAPÍTULO I CAPÍTULO II Sumário CAPÍTULO I Introdução ao processo penal... 17 1. Conceito e função do processo penal... 17 2. Ação. Processo. Procedimento... 18 3. Princípios do processo penal... 19 3.1. Devido processo legal...

Leia mais

Apelação Criminal nº , oriundo do Juizado Especial Criminal da Comarca de Curitiba.

Apelação Criminal nº , oriundo do Juizado Especial Criminal da Comarca de Curitiba. Apelação Criminal nº 0027371-37.2012.8.16.0182, oriundo do Juizado Especial Criminal da Comarca de Curitiba. Apelante: Ivan Lelis Bonilha Apelado: Esmael Alves de Moraes Interessado: Ministério Público

Leia mais

Direito Processual Penal

Direito Processual Penal JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA Jurisdição e competência: Jurisdição é o poder e a competência é a delimitação desse poder. 1 Competência em razão da matéria: 1) Competência da Justiça Especial: o Justiça Militar

Leia mais

Índice Geral. Índice Sistemático do Código de Processo Penal

Índice Geral. Índice Sistemático do Código de Processo Penal Índice Geral Código de Processo Penal Decreto-lei 3.689, de 3 de outubro de 1941... 13 Súmulas Criminais do STF e do STJ Comentadas... 1645 Índice Alfabético-Remissivo... 1905 Bibliografia... 1923 Índice

Leia mais

Aula 13. Art Caberá recurso em sentido em estrito, da decisão, despacho ou sentença:

Aula 13. Art Caberá recurso em sentido em estrito, da decisão, despacho ou sentença: Turma e Ano: Regular 2015 / Master B Matéria / Aula: Direito Processual Penal / Aula 13 Professor: Elisa Pittaro Monitora: Kelly Soraia Aula 13 RECURSO EM SENTIDO ESTRITO (RSE) Art. 581, CPP. Art. 581.

Leia mais

4. AÇÃO CIVIL EX DELICTO 4.1 Questões

4. AÇÃO CIVIL EX DELICTO 4.1 Questões SUMÁRIO 1. APLICAÇÃO DO DIREITO PROCESSUAL PENAL 1.1 A lei processual no espaço 1.2 A lei processual no tempo (irretroatividade) 1.3 A lei processual em relação às pessoas 1.3.1 Imunidades 1.3.2 Imunidade

Leia mais

07/10/2012 PROCESSO PENAL I. Processo penal I

07/10/2012 PROCESSO PENAL I. Processo penal I I 14ª -Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Processo penal I 2 1 CONCEITO: Jurisdição X competência = poder X permissão para exercer o poder EX: TRIBUNAL DO JURI HOUVE UM CRIME DOLOSO IP + DENÚNCIA

Leia mais

Ação Penal continuação

Ação Penal continuação Ação Penal continuação 7. Peças acusatórias A. Requisitos (art. 41 do CPP): Essenciais: narração do fato delituoso e qualificação do acusado; Acidentais: classificação legal do delito e rol de testemunhas

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES 2007/1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO PROCESSUAL PENAL I Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

Conteúdo: Reparação dos danos no Processo Penal. Procedimentos. Reparação de Danos no Processo Penal:

Conteúdo: Reparação dos danos no Processo Penal. Procedimentos. Reparação de Danos no Processo Penal: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 13 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Reparação dos danos no Processo Penal. Procedimentos. Reparação de Danos no Processo Penal: Por conta

Leia mais

Início da ação penal: Oferecimento ou Recebimento da Denúncia

Início da ação penal: Oferecimento ou Recebimento da Denúncia Início da ação penal: Oferecimento ou Recebimento da Denúncia Fernanda Maria Alves Gomes Aguiar Mestre em Direito pela UFPe Professora de Direito Processual Penal O marco de início da ação penal sempre

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 04/05 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV 1.2. Procedimento dos crimes contra a propriedade imaterial - Os crimes contra a propriedade imaterial

Leia mais

SUMÁRIO 1. PEÇAS DE LIBERDADE, 17 PREFÁCIO, 5 SUMÁRIO, 7

SUMÁRIO 1. PEÇAS DE LIBERDADE, 17 PREFÁCIO, 5 SUMÁRIO, 7 SUMÁRIO PREFÁCIO, 5 SUMÁRIO, 7 1. PEÇAS DE LIBERDADE, 17 1. Primeiro passo: identificar qual a peça ou instituto o caso concreto apresenta ou requer, 17 1.1. Peças práticas que podem ser requeridas a qualquer

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. MÓDULO II 1. Regras de competência 2. Procedimento 3. Pedidos 4. Recurso Ordinário Constitucional

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. MÓDULO II 1. Regras de competência 2. Procedimento 3. Pedidos 4. Recurso Ordinário Constitucional CONTEÚDO PROGRAMÁTICO MÓDULO II 1. Regras de competência 2. Procedimento 3. Pedidos 4. Recurso Ordinário Constitucional 1. REGRAS DE COMPETÊNCIA O habeas corpus deve ser interposto à autoridade judicial

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 02/03 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV dias. i)- Sentença em audiência ou no prazo de 10 - Prazo para encerramento da Primeira Fase do

Leia mais

Autoritarismo do Código de Processo Penal de 1941 vs. Constituição Federal de Processo Penal...8. Sistema Acusatório...

Autoritarismo do Código de Processo Penal de 1941 vs. Constituição Federal de Processo Penal...8. Sistema Acusatório... Sumário Autoritarismo do Código de Processo Penal de 1941 vs. Constituição Federal de 1988...2 Contexto Político e Histórico... 2 Características da Constituição de 1937... 4 Código de Processo Penal de

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA - Sentença em Geral; - Sentença Absolutória; - Sentença Condenatória; - Publicação e Intimação de Sentença; - Coisa Julgada de Sentença; - Instrução Criminal dos Procedimentos Ordinário e Sumário;

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA - Sentença em Geral; - Sentença Absolutória; - Sentença Condenatória; - Publicação e Intimação de Sentença; - Coisa Julgada de Sentença; - Instrução Criminal dos Procedimentos Ordinário e Sumário;

Leia mais

SUMÁRIO A ȃ.!... A ȃ.x.! A...

SUMÁRIO A ȃ.!... A ȃ.x.! A... SUMÁRIO... 23 1. ANTECEDENTES HISTÓRICOS DA FUNÇÃO DE ADVOGADO... 23 2. O ADVOGADO NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL... 24 3. LEI DE REGÊNCIA DA CARREIRA DE ADVOGADO E A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL... 24 3.1.

Leia mais

1. Sobre as medidas cautelares pessoais no processo penal, é correto afirmar que:

1. Sobre as medidas cautelares pessoais no processo penal, é correto afirmar que: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO PROCESSUAL PENAL 1. Sobre as medidas cautelares pessoais no processo penal, é correto afirmar que: I - De acordo com o Código de Processo Penal, as

Leia mais

Direito Penal III. Aula 10 04/04/2012. Exercícios de Revisão para a prova 11/04/2012 1ª V.A. Aula 11 18/04/ Difamação art.

Direito Penal III. Aula 10 04/04/2012. Exercícios de Revisão para a prova 11/04/2012 1ª V.A. Aula 11 18/04/ Difamação art. Aula 10 04/04/2012 Exercícios de Revisão para a prova 11/04/2012 1ª V.A Aula 11 18/04/2012 2.5.2 Difamação art. 139 a) Objeto jurídico honra objetiva. b) Tipo Objetivo Difamar é o ato imputar a alguém

Leia mais

Condições da Ação Penal -Possibilidade jurídica do pedido A pretensão do autor deve referir-se a providência admitida pelo direito objetivo. Para que

Condições da Ação Penal -Possibilidade jurídica do pedido A pretensão do autor deve referir-se a providência admitida pelo direito objetivo. Para que AÇÃO PENAL Ação é o direito subjetivo de se invocar do Estado- Juiz a aplicação do direito objetivo a um caso concreto. Tal direito é público, subjetivo, autônomo, específico, determinado e abstrato (TOURINHO

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Processo Penal I Código

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Procedimento Sumaríssimo. Gustavo Badaró aulas de 5 e 19 de abril de 2017

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Procedimento Sumaríssimo. Gustavo Badaró aulas de 5 e 19 de abril de 2017 Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Procedimento Sumaríssimo Gustavo Badaró aulas de 5 e 19 de abril de 2017 PLANO DA AULA 1. Noções gerais 2. Infrações penais de menor potencial ofensivo

Leia mais

23/09/2012 PROCESSO PENAL I. Processo penal I

23/09/2012 PROCESSO PENAL I. Processo penal I I 10ª -Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Processo penal I 2 1 CLASSIFICAÇÃO - Quanto ao titular; A ação penal pública é condicionada sempre que houver exigência de alguma observância formal à sua

Leia mais

INQUÉRITO POLICIAL - V TERMO CIRCUNSTANCIADO - ARQUIVAMENTO

INQUÉRITO POLICIAL - V TERMO CIRCUNSTANCIADO - ARQUIVAMENTO INQUÉRITO POLICIAL - V TERMO CIRCUNSTANCIADO - ARQUIVAMENTO TERMO CIRCUNSTANCIADO TERMO CIRCUNSTANCIADO -Substitui o inquérito policial, é utilizado para crimes de menor potencial ofensivo (pena máxima

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 5 Inquérito policial (arts. 4º a 23 do cpp) 5.1 Conceito

SUMÁRIO. Capítulo 5 Inquérito policial (arts. 4º a 23 do cpp) 5.1 Conceito SUMÁRIO Introdução Capítulo 1 PRINCÍPIOS INFORMADORES DO PROCESSO PENAL 1.1 Devido processo legal (due process of law) ou justo processo 1.2 Publicidade dos atos processuais 1.3 Presunção de inocência,

Leia mais

DISPOSIÇÕES PENAIS. CRIMES ELEITORAIS São todas condutas que, durante o

DISPOSIÇÕES PENAIS. CRIMES ELEITORAIS São todas condutas que, durante o CRIMES ELEITORAIS São todas condutas que, durante o processo eleitoral atingem ou maculam a liberdade do direito ao voto, os procedimentos das atividades eleitorais, desde o alistamento até a diplomação

Leia mais

AULA 6 24/03/11 A COMPETÊNCIA PENAL

AULA 6 24/03/11 A COMPETÊNCIA PENAL AULA 6 24/03/11 A COMPETÊNCIA PENAL 1 A MODIFICAÇÃO DA COMPETÊNCIA A modificação da competência deve ser percebida como a mudança, a alteração, a variação, a transformação de uma certa competência em outra

Leia mais

IUS RESUMOS. Ação Penal Parte II. Organizado por: Max Danizio Santos Cavalcante

IUS RESUMOS. Ação Penal Parte II. Organizado por: Max Danizio Santos Cavalcante Ação Penal Parte II Organizado por: Max Danizio Santos Cavalcante SUMÁRIO I. AÇÃO PENAL PARTE II... 3 1. Ação Privada... 3 1.1 Princípios... 4 1.2 Modalidades... 5 2. Casos Especiais... 6 2.1 Crime contra

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Procedimento comum: ordinário e sumário. Gustavo Badaró aulas 22 e 29 de março de 2017

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Procedimento comum: ordinário e sumário. Gustavo Badaró aulas 22 e 29 de março de 2017 Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Procedimento comum: ordinário e sumário Gustavo Badaró aulas 22 e 29 de março de 2017 PLANO DA AULA 1. Comparação dos procedimentos ordinários 2. Procedimento

Leia mais

COLEÇÃO SINOPSES PARA CONCURSOS GUIA DE LEITURA DA COLEÇÃO AGRADECIMENTOS NOTA À 5ª EDIÇÃO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO...

COLEÇÃO SINOPSES PARA CONCURSOS GUIA DE LEITURA DA COLEÇÃO AGRADECIMENTOS NOTA À 5ª EDIÇÃO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO... Sumário Sumário COLEÇÃO SINOPSES PARA CONCURSOS... 19 GUIA DE LEITURA DA COLEÇÃO... 21 AGRADECIMENTOS... 23 NOTA À 5ª EDIÇÃO... 25 APRESENTAÇÃO... 27 PREFÁCIO... 29 Capítulo I SUJEITOS NO PROCESSO PENAL...

Leia mais

SUMÁRIO PARTE 1 PEÇAS PRÁTICO-PROFISSIONAIS E TEORIA ASSOCIADA CAPÍTULO 1. PEÇAS DE LIBERDADE...

SUMÁRIO PARTE 1 PEÇAS PRÁTICO-PROFISSIONAIS E TEORIA ASSOCIADA CAPÍTULO 1. PEÇAS DE LIBERDADE... SUMÁRIO PARTE 1 PEÇAS PRÁTICO-PROFISSIONAIS E TEORIA ASSOCIADA CAPÍTULO 1. PEÇAS DE LIBERDADE... 19 1. Primeiro passo: identificar qual a peça ou instituto o caso concreto apresenta ou requer... 19 1.1.

Leia mais

Material Didático de Direito Penal n.5:

Material Didático de Direito Penal n.5: [Digite o nome da empresa] Material Didático de Direito Penal n.5: AÇÃO PENAL Produzido por Gisele Alves e Ieda Botelho 14 AÇÃO PENAL De acordo com Cleber Masson (2012, p. 833) a ação penal é o direito

Leia mais

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Penal e Processual Penal Professor: Maurício Lopes

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Penal e Processual Penal Professor: Maurício Lopes PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Penal e Processual Penal Professor: Maurício Lopes DIREITO PENAL 1 - Quem pode ser o sujeito ativo dos crimes comuns, próprios e de mão própria? Esclareça qual deles não admite

Leia mais

ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Recurso Em. Sentido Estrito nº , da Comarca de São Paulo, em

ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Recurso Em. Sentido Estrito nº , da Comarca de São Paulo, em fls. 1 Registro: 2013.0000772487 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Recurso Em Sentido Estrito nº 0116304-15.2012.8.26.0050, da Comarca de São Paulo, em que é recorrente/querelante ALI

Leia mais

a) descrição do fato em todas as suas circunstâncias;

a) descrição do fato em todas as suas circunstâncias; DENÚNCIA Requisitos - art. 41 do CPP a) descrição do fato em todas as suas circunstâncias; O autor deve indicar na peça inicial, todas as circunstâncias que cercaram o fato...o processo penal do tipo acusatório

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI URCA CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS DEPARTAMENTO DE DIREITO DISCIPLINA: DIREITO PENAL I

UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI URCA CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS DEPARTAMENTO DE DIREITO DISCIPLINA: DIREITO PENAL I UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI URCA CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS DEPARTAMENTO DE DIREITO DISCIPLINA: DIREITO PENAL I EXTINÇÃO DE PUNIBILIDADE Acadêmico: Rafael Mota Reis EXTINÇÃO DE PUNIBILIDADE

Leia mais

1. Procedimento sumaríssimo continuação:

1. Procedimento sumaríssimo continuação: 1 DIREITO PROCESSUAL PENAL PONTO 1: Procedimento Comum Sumaríssimo PONTO 2: Procedimento dos crimes contra a honra PONTO 3: Procedimento dos crimes praticados por funcionários públicos Procedimento: 1.

Leia mais

Olá, amigos! Valeu! 1. Apresentação e estrutura textual (0,40). 2. Endereçamento à Vara Criminal da Comarca de São Paulo (0,20),

Olá, amigos! Valeu! 1. Apresentação e estrutura textual (0,40). 2. Endereçamento à Vara Criminal da Comarca de São Paulo (0,20), Olá, amigos! A peça do simulado é a prova prática do Exame de Ordem 2009.3 (CESPE). Percebam que o gabarito elaborado pela banca é bastante simples em comparação àquele da queixa do ciclo de correções.

Leia mais

AULA 06. O artigo 7º da lei de 51 é compatível com a constituição?

AULA 06. O artigo 7º da lei de 51 é compatível com a constituição? Turma e Ano: regular/2015 Matéria / Aula: Processo Penal Professora: Elisa Pitarro AULA 06 Continuação de Inquérito Policial Se o juiz discordar do pedido de arquivamento ele deverá aplicar o artigo 28

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA X DIREITO PENAL II TEMA: AÇÃO PENAL PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS AÇÃO PENAL INTRODUÇÃO Ação Penal, faculdade que tem o Poder Público de, em nome da sociedade, apurar a responsabilidade dos agentes

Leia mais

OAB 2ª Fase Processo Penal Assunto: Marcação do CPP Estefânia Rocha

OAB 2ª Fase Processo Penal Assunto: Marcação do CPP Estefânia Rocha OAB 2ª Fase Processo Penal Assunto: Marcação do CPP Estefânia Rocha 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MARCAÇÃO DO CÓDIGO de PROCESSO PENAL conforme o EDITAL

Leia mais

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça.

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 11 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Foro por Prerrogativa de Função; Conexão e Continência. 3.5 Foro por Prerrogativa de Função: b) Juízes

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Foro Privilegiado por Prerrogativa de Função à Luz do Processo Penal Wellington Luiz Vieira dos Santos * Vânia Maria Guimarães Pinto Coelho ** Resumo: Este artigo refere-se à Prerrogativa

Leia mais

Aula 12. Art A apelação da sentença absolutória não impedirá que o réu seja posto imediatamente em liberdade.

Aula 12. Art A apelação da sentença absolutória não impedirá que o réu seja posto imediatamente em liberdade. Turma e Ano: Regular 2015 / Master B Matéria / Aula: Direito Processual Penal / Aula 12 Professor: Elisa Pittaro Monitora: Kelly Soraia Aula 12 EFEITOS DO RECURSO Efeito Suspensivo Segundo Barbosa Moreira,

Leia mais

TJ - SP Processo Penal NILMAR DE AQUINO

TJ - SP Processo Penal NILMAR DE AQUINO TJ - SP Processo Penal NILMAR DE AQUINO 1)Cabe recurso de apelação das decisões em que a) julgarem procedentes as exceções, salvo a de suspeição b) decretar a prescrição ou julgar, por outro modo, extinta

Leia mais

CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER. Período

CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER. Período CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER Direito Processual Penal Jurisdição e Competência Promotor de Justiça Período 2006 2016 1) CESPE - PJ (MPE TO)/MPE TO/2012 Assunto: Jurisdição e competência A respeito

Leia mais

Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA

Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com 1. Procedimentos 1.1. Procedimento Ordinário. Considerações Preliminares * Processo e Procedimento: Enquanto o processo é uma sequência de

Leia mais

SUMÁRIO. Parte I Código de PROCESSO PENAL Comentado DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 LIVRO I DO PROCESSO EM GERAL

SUMÁRIO. Parte I Código de PROCESSO PENAL Comentado DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 LIVRO I DO PROCESSO EM GERAL Parte I Código de PROCESSO PENAL Comentado DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 LIVRO I DO PROCESSO EM GERAL Título I Disposições preliminares (Arts. 1º a 3º)... 3 Título II Do inquérito policial

Leia mais

A questão baseia-se na literalidade do art. 283, 284 e 285 do CPP:

A questão baseia-se na literalidade do art. 283, 284 e 285 do CPP: Cargo: S01 - AGENTE DE POLÍCIA CIVIL Disciplina: Noções de Direito Processual Penal Questão Gabarito por extenso Justificativa A questão baseia-se na literalidade do art. 283, 284 e 285 do CPP: Conclusão

Leia mais

03/05/2017 DEUSDEDY SOLANO DIREITO PROCESSUAL PENAL CÓDIGO DE PROCESSO PENAL

03/05/2017 DEUSDEDY SOLANO DIREITO PROCESSUAL PENAL CÓDIGO DE PROCESSO PENAL DEUSDEDY SOLANO DIREITO PROCESSUAL PENAL CÓDIGO DE PROCESSO PENAL 1 LIVRO I TÍTULO VII CAPÍTULO I e II DO JUIZ, DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ACUSADO E DEFENSOR, DOS ASSISTENTES E AUXILIARES DA JUSTIÇA Arts.

Leia mais

- Procedimento Juizados Especiais (Lei 9.099) Qual o recurso cabível da decisão que não homologa a transação penal?

- Procedimento Juizados Especiais (Lei 9.099) Qual o recurso cabível da decisão que não homologa a transação penal? Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 16 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Lei 9.099: Audiência Preliminar; Audiência de Instrução e Julgamento; Recursos; Suspensão Condicional

Leia mais

Juizados Especiais. Aula 13 (21.05.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br.

Juizados Especiais. Aula 13 (21.05.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br. Juizados Especiais Aula 13 (21.05.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br Ementa da aula Juizado Especial Criminal Competência Princípios JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000243412 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Em Sentido Estrito nº 0952363-56.2012.8.26.0506, da Comarca de Ribeirão Preto, em que é recorrente/querelante JOSE

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA INTERPELANTE: LEONARDO RIBEIRO ALBUQUERQUE INTERPELADO: JORGE ALEXANDRE MARTINS FERREIRA - JUIZ DE DIREITO D E C I S Ã O M O N O C R Á T I C A E M E N T A PROCESSO PENAL INTERPELAÇÃO JUDICIAL PROCEDIMENTO

Leia mais

CONTEUDO PROGRAMÁTICO DIREITO PROCESSUAL PENAL I. 1. Introdução: 1.1 Conceito de Direito Processual; 1.2 Conteúdo; 1.3 Objeto;

CONTEUDO PROGRAMÁTICO DIREITO PROCESSUAL PENAL I. 1. Introdução: 1.1 Conceito de Direito Processual; 1.2 Conteúdo; 1.3 Objeto; CONTEUDO PROGRAMÁTICO DIREITO PROCESSUAL PENAL I 1. Introdução: 1.1 Conceito de Direito Processual; 1.2 Conteúdo; 1.3 Objeto; 2. Evolução História do Processo Penal 2.1 Processo penal no Brasil; 2.2 Sistemas

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Sujeitos Processuais. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Sujeitos Processuais. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Sujeitos Processuais Gustavo Badaró aula de 11.10.2016 1. Noções Gerais 2. Juiz PLANO DA AULA Peritos, interpretes e auxiliares da justiça 3. Ministério

Leia mais

Direito Processual Penal

Direito Processual Penal Direito Processual Penal Procedimento Comum e Ordinário Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Processual Penal PROCEDIMENTO COMUM E ORDINÁRIO LIVRO II Dos Processos em Espécie

Leia mais

SUJEITOS NO PROCESSO PENAL...

SUJEITOS NO PROCESSO PENAL... Sumário CapítuloI SUJEITOS NO PROCESSO PENAL... 29 1. NOÇÕES GERAIS... 29 2. JUIZ... 30 2.1. Breves noções... 30 2.2. O papel do juiz moderno... 30 2.3. O princípio da identidade física do juiz (art. 399,

Leia mais

Professor Wisley Aula 09

Professor Wisley Aula 09 - Professor Wisley www.aprovaconcursos.com.br Página 1 de 5 FORRO POR PRERROGATIVA DE FUNÇÃO 1. OBSERVAÇÕES I Não se fala mais em manutenção

Leia mais

INQUÉRITO POLICIAL III INÍCIO ART. 5º,CP

INQUÉRITO POLICIAL III INÍCIO ART. 5º,CP INQUÉRITO POLICIAL III INÍCIO ART. 5º,CP CINCO MODOS: DE OFÍCIO quando a autoridade pública, tomando conhecimento da prática da infração penal de ação pública incondicionada, instaura a investigação para

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Competência. Gustavo Badaró aulas de e

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Competência. Gustavo Badaró aulas de e Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Competência Gustavo Badaró aulas de 20.09.2016 e 04.10.2016 n 1. Noções Gerais PLANO DA AULA n 2. Organograma do Poder Judiciário n 3. Concretização da

Leia mais

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS QUESTÃO Capacidade de expressão na modalidade escrita e do uso das normas do registro formal culto da língua portuguesa 2. Responsabilidade do juiz, do Estado ou de ambos por ato jurisdicional doloso.00

Leia mais

Homicídio (art. 121 do cp) Introdução...2 Classificação doutrinária...2 Sujeitos...3 Objeto material...3 Bem juridicamente protegido...

Homicídio (art. 121 do cp) Introdução...2 Classificação doutrinária...2 Sujeitos...3 Objeto material...3 Bem juridicamente protegido... Sumário Homicídio (art. 121 do cp) Introdução...2 Classificação doutrinária...2 Sujeitos...3 Objeto material...3 Bem juridicamente protegido...3 Exame de corpo de delito...3 Elemento subjetivo...3 Modalidades

Leia mais

RESOLUÇÃO N XXXXXXX INSTRUÇÃO N xxx-xx.20xx CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

RESOLUÇÃO N XXXXXXX INSTRUÇÃO N xxx-xx.20xx CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. RESOLUÇÃO N XXXXXXX INSTRUÇÃO N xxx-xx.20xx6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Dias Toffoli. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre a apuração de crimes

Leia mais

]âü áw ûé x T ûé cxçtä MARQUE CERTO ( C ) OU ERRADO ( E ) PARA AS QUESTÕES DE JURISDIÇÃO E AÇÃO PENAL

]âü áw ûé x T ûé cxçtä MARQUE CERTO ( C ) OU ERRADO ( E ) PARA AS QUESTÕES DE JURISDIÇÃO E AÇÃO PENAL MARQUE CERTO ( C ) OU ERRADO ( E ) PARA AS QUESTÕES DE JURISDIÇÃO E AÇÃO PENAL 1 - (CESPE/Agente Penitenciário/1998) Embora a função jurisdicional seja função precípua do Poder Judiciário, não pode o juiz,

Leia mais

PROVISÓRIA É PRECISO QUE O CANDIDATO ANALISE SE A PRISÃO EM FLAGRANTE FOI OU

PROVISÓRIA É PRECISO QUE O CANDIDATO ANALISE SE A PRISÃO EM FLAGRANTE FOI OU 1 RELAXAMENTO DE PRISÃO EM FLAGRANTE E LIBERDADE PROVISÓRIA PARA SABER SE É CASO DE PLEITEAR O RELAXAMENTO DO FLAGRANTE OU LIBERDADE PROVISÓRIA É PRECISO QUE O CANDIDATO ANALISE SE A PRISÃO EM FLAGRANTE

Leia mais

Direito Processual Penal

Direito Processual Penal Direito Processual Penal Nulidades Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Processual Penal NULIDADES CÓDIGO DE PROCESSO PENAL TÍTULO I Das Nulidades Art. 563. Nenhum ato será

Leia mais

Extinção da Punibilidade

Extinção da Punibilidade Extinção da Punibilidade Denison Machado Oliveira Fabricio Nunes da Costa João Carlos Ramos Pinheiro Júnior Jonh Climaco Rodrigues Marques Kaio de Araújo Flexa Luiz Eduardo Monteiro da Silva Luiz Carlos

Leia mais

CF. Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.

CF. Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário. JURISDIÇÃO Aspectos gerais Sociedade, lei, desobediência e sanção. Tripartição de Poderes: independência com harmonia. CF. Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo,

Leia mais

Prof. Raul de Mello Franco Jr. - UNIARA PODER EXECUTIVO. 3ª aula. Prof. Raul de Mello Franco Jr.

Prof. Raul de Mello Franco Jr. - UNIARA PODER EXECUTIVO. 3ª aula. Prof. Raul de Mello Franco Jr. PODER EXECUTIVO 3ª aula Prof. Raul de Mello Franco Jr. SUBSÍDIOS do PRESIDENTE, do VICE e dos MINISTROS São fixados pelo CN, por decreto-legislativo (art. 49, VIII, CF). Devem ser fixados em parcela única.

Leia mais

Sumário NÃO CREEM NA TEORIA GERAL DO PROCESSO, MAS QUE ELA EXISTE, EXISTE... AS BRUXAS ESTÃO SOLTAS... 73

Sumário NÃO CREEM NA TEORIA GERAL DO PROCESSO, MAS QUE ELA EXISTE, EXISTE... AS BRUXAS ESTÃO SOLTAS... 73 Sumário Capítulo 1 NOTAS SOBRE A TEORIA DA JURISDIÇÃO... 53 1. O Estado... 53 1º O Estado como criação do homem... 53 2º O escopo do Estado... 54 3º O Estado e o Direito como instrumentos para a realização

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Processo Penal II Código

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE AULA 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direito Processual Penal

Leia mais

PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR.

PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR. PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR asjunior2004@uolcombr JURISDIÇÃO Poder Judiciário: garantir a realização dos direitos através de seus órgãos; Órgãos devem ter jurisdição (função de conhecer os

Leia mais

CONCEITO DE PROCESSO: CÂMARA ramos da ciência jurídica que estuda e regulamente o exercício, pelo Estado, da função jurisdicional.

CONCEITO DE PROCESSO: CÂMARA ramos da ciência jurídica que estuda e regulamente o exercício, pelo Estado, da função jurisdicional. CONCEITO DE PROCESSO: CÂMARA ramos da ciência jurídica que estuda e regulamente o exercício, pelo Estado, da função jurisdicional. Conjunto de princípios e normas que visam regular a função jurisdicional.

Leia mais

Teoria Geral do Processo

Teoria Geral do Processo Arno Melo Schlichting Teoria Geral do Processo Concreta - Objetiva - Atual Livro 2 3 a Edição SUMÁRIO Apresentação 9 Identificação 11 Natureza... 13 Objetivo... 13 1 Teoria Geral das Ações 15 1.1 Ação,

Leia mais

SUMÁRIO A ǧ.! A A ǧ

SUMÁRIO A ǧ.! A A ǧ SUMÁRIO... 19 1. Introdução e breve reconstrução histórica da função e da carreira... 19 2. Fundamento constitucional da carreira... 20 2.1 Abrangência da expressão Autoridade Policial... 20 3. Lei de

Leia mais

Pedido de explicações.

Pedido de explicações. Pedido de explicações. O OBJETIVO DESSE AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM SERÁ CONHECER O PROCEDIMENTO DO PEDIDO DE EXPLICAÇÕES JUDICIAIS O PEDIDO DE EXPLICAÇÕES O PEDIDO DE EXPLICAÇÕES está expressamente

Leia mais

Sumário. Introdução Capítulo 1 Sistemas Processuais Penais e Fontes do Processo Penal... 3

Sumário. Introdução Capítulo 1 Sistemas Processuais Penais e Fontes do Processo Penal... 3 Sumário Introdução... 1 Capítulo 1 Sistemas Processuais Penais e Fontes do Processo Penal... 3 1.1. Sistema Acusatório...3 1.2. Sistema Inquisitivo...4 1.3. Diferenças entre Sistema Inquisitivo (S.I) e

Leia mais