TRABALHO DE PARTO PREMATURO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRABALHO DE PARTO PREMATURO"

Transcrição

1 MATERNIDADEESCOLA ASSISCHATEAUBRIAND Diretrizes assistenciais TRABALHO DE PARTO PREMATURO MEAC-UFC 1

2 TRABALHO DE PARTO PREMATURO José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO Trabalho de Parto Prematuro (TPP) é definido como aquele iniciado antes da 37ª semana de gestação, excluindo os abortamentos (que ocorrem antes da 20ª semana de gestação). Sua incidência, aumentada nos últimos anos pelo maior número de gestações gemelares devido às técnicas de reprodução assistida, é de 5 a 15% das gestações em paises desenvolvidos, podendo chegar a 22% no Brasil, com metade desses sendo idiopático. Sua maior importância se deve ao fato da prematuridade ser responsável por 70% da mortalidade neonatal e, aproximadamente, 50% de alterações neurológicas a longo prazo nos recém-nascidos acometidos. 2. FATORES DE RISCO Os dois principais fatores de risco para o TPP idiopático são TPP prévio e baixo nível sócio-econômico da paciente, já que esse está relacionado diretamente com outros fatores. No entanto, diversos fatores de riscos são confundidos como a própria causa do TPP, como mostra a tabela 1. CAUSAS DE TRABALHO DE PARTO PREMATURO Causas Freqüência Trabalho de Parto Espontâneo Prévio 31 50% Gestação Múltipla 12 28% Rotura Prematura de Membranas Ovulares 6 40% Distúrbios Hipertensivos da Gestação 12% Restrição do Crescimento Intra-uterino 2 4% Hemorragias pré-parto 6 9% Miscelânea IIC, Malformações uterinas 8-9 % Outros fatores de risco são: anemia materna, uso de cocaína, infecções, baixo peso materno, polidrâmnio, colo uterino menor que 35mm entre 24 e 28 semanas de gestação, tabagismo, idades menores que 18 anos, raça negra, estilo de vida estressante, violência doméstica.. MEAC-UFC 2

3 3. PREVENÇÃO DO TRABALHO DE PARTO PREMATURO Cerclagem Uterina A medida longitudinal do colo uterino entre 24 e 28 semanas mostrou-se inversamente proporcional ao risco de TPP, chegando a um risco relativo de 6,5 (p < 0,05, 4,5 9,3) para parto antes de 35 semanas quando seu comprimento é menor que 25mm. No entanto, excluindo os casos de Incompetência Istmo-cervical, a cerclagem cervical não reduziu a incidência de TPP nem melhorou a morbidade perinatal. Tratamento de Infecção Cervicovaginal Apesar do conhecimento que vaginose bacteriana e tricomoníase estão relacionados com o aumento na incidência de TPP, seu tratamento como profilaxia primária não diminuiu a incidência de parto com menos de 37 semanas de gestação. Progesterona O uso de progesterona em pacientes de com história prévia de Trabalho de Parto Prematuro espontâneo reduziu o número de partos antes de 37 semanas, apesar do mecanismo de ação ainda ser incerto. Recomenda-se, portanto, em todas as gestantes com história prévia de trabalho de parto prematuro Progesterona Natural 100 a 200mg, intravaginal, diariamente, da 18ª. a 36ª. semana de gestação. 4. DIAGNÓSTICO DO TRABALHO DE PARTO PREMATURO Devem estar presentes os seguintes achados: a) Atividade uterina regular com contrações em intervalos de 5 a 8 min, e duração mínima de 20s, mantendo esse padrão por no mínimo 30 min; b) Alteração progressiva da cérvice uterina com dilatação de 2 cm ou mais, apagamento cervical de 80%. Outros elementos que, se presentes, favorecem o diagnóstico de TPP são: formação da bolsa das águas, colo solicitado pela apresentação fetal e rotura prematura de membranas. Toda paciente que persista com atividade uterina, mas sem evolução na dilatação cervical deverá realizar ultrassonografia para medição do colo uterino, já que sua medida menor que 30 mm favorece o diagnóstico. 5. TRATAMENTO DO TRABALHO DE PARTO PREMATURO 5.1. Internação Hospitalar MEAC-UFC 3

4 Necessário para acompanhar a evolução das alterações do colo uterino e para início da tocólise. Não é necessário manter a paciente em repouso no leito. 5.2 Hidratação/Sedação Não há evidência que essas duas medidas diminuam o risco de evolução do trabalho de parto prematuro, apesar de serem usadas por alguns autores para diagnosticar um falso trabalho de parto. 5.3 Tocólise A tocólise, quando não houver contra-indicação, deve ser iniciada em todo início de trabalho de parto prematuro já estabelecido pelos seus critérios diagnósticos em gestações com menos de 34 semanas Contra-indicações à Tocólise Gestação > 37 semanas Óbito Fetal Descolamento de Placenta Corioamnionite Malformações Fetais Graves Sofrimento Fetal ao US ou CTG Pré-Eclampsia/Eclampsia Nifedipina A nifedipina mostrou-se mais efetiva tanto no prolongamento do trabalho de parto prematuro como no acompanhamento neonatal em relação aos beta-miméticos, assim como possui menos efeitos, sendo, portanto, a droga de escolha. Dose de Ataque: Iniciar 10 a 20 mg, oral, acompanhado de 10 a 20mg a cada 30 minutos somente se as contrações persistirem, máximo de 4 doses, com avaliação freqüente da pressão. Dose de Manutenção: 20 mg, oral, a cada 8h, durante 48-72h. Contra-Indicações ao uso de Nifedipina: Alergia; Doença Cardíaca Materna significante; Hipotensão; Disfunção Hepática; Uso concomitante de betamiméticos endovenoso, nitrato ou droga anti-hipertensiva; Nifedipina e MgSO 4 : Aumenta o risco de hipotensão e potencialização da toxicidade do magnésio, devendo ser evitada a associação das duas drogas. MEAC-UFC 4

5 Efeitos Colaterais: Hipotensão, apesar de que em pacientes normotensos os efeitos são mínimos, necessitando de maiores cuidados em pacientes com alterações hipertensivas. Caso ocorra, suspender a medicação e iniciar hidratação venosa salina; Taquicardia, palpitações; Outros: Flushing, náuseas, cefaléia. 5.4 Corticóide Está indicado sua administração em toda paciente em trabalho de parto prematuro entre 24 e 34 semanas de gestação. Dexametasona ou Betametasona 12 mg, intramuscular, duas doses em intervalo de 24 horas; 5.5 Antibioticoprofilaxia Toda paciente em trabalho de parto prematuro deve iniciar profilaxia contra infecção do Estreptococos -Hemolítico do Grupo B, exceto as pacientes entre 35 e 37 semanas de gestação que já tenham resultado de swab vaginal negativo para a bactéria. 1ª Opção: Cefazolina 2g EV, seguido de 1 g 8/8h até o parto ou parada do trabalho de parto. Outras: Penicilina Cristalina 5 milhões UI, EV, seguida de 2,5 milhões UI 4/4h; Ampicilina 2g EV, seguido de 1 g 4/4h. Pacientes com alto risco de anafilaxia por beta-lactâmicos: Clindamicina 900 mg EV 8/8h; Eritromicina 500 mg EV 6/6h; Vancomicina 1 g EV 12/12h (se resistência às duas drogas anteriores). exames: 6. EXAMES COMPLEMENTARES Todo paciente com trabalho de parto prematuro deve ser submetido aos seguintes Hemograma Completo; Sumário de Urina e Urinocultura; Bacterioscopia e exame a fresco do conteúdo vaginal; Ultrassonografia Obstétrica com medição do colo uterino; Cardiotocografia, se gestação maior que 28 semanas. 7. ASSISTÊNCIA AO PARTO PREMATURO MEAC-UFC 5

6 Analgesia: Não está bem estabelecida, mas preconiza-se o uso de epidural para aumentar o relaxamento pélvico, evitando o uso de drogas drepressoras do SNC. Episiotomia: não existem informações significativas do seu benefício ao neonato prematuro. Manter membranas ovulares íntegras pelo maior tempo possível durante o período de dilatação. Via de parto: indicação obstétrica, não havendo dados que favoreçam o uso de fórceps de alívio. Monitorização: Ausculta de BCF a cada hora e cardiotocografia intermitente para detecção de sofrimento fetal de maneira precoce; Preparo de toda a equipe multidisciplinar para o recebimento do recém-nascido, que possui maior risco de complicações precoces. MEAC-UFC 6

Curso de Emergências Obstétricas INTERVENÇÕES IMEDIATAS NO PARTO PREMATURO IMINENTE

Curso de Emergências Obstétricas INTERVENÇÕES IMEDIATAS NO PARTO PREMATURO IMINENTE Curso de Emergências Obstétricas INTERVENÇÕES IMEDIATAS NO PARTO PREMATURO IMINENTE PREMATURIDADE DIAGNÓSTICO CORRETO DEFINIR NECESSIDADE DE TOCÓLISE DEFINIR AÇÕES DIANTE DA PREMATURIDADE IMINENTE PREMATURIDADE

Leia mais

TRABALHO DE PARTO PREMATURO

TRABALHO DE PARTO PREMATURO 1 TRABALHO DE PARTO PREMATURO 1 a edição: janeiro/2003 1 a revisão: maio/2004 2 a revisão: setembro/2008 Data prevista para a próxima revisão: setembro/2010 OBJETIVOS Responder adequadamente às complexas

Leia mais

Rotinas Gerenciadas. Departamento Materno Infantil. Divisão de Prática Médica/Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

Rotinas Gerenciadas. Departamento Materno Infantil. Divisão de Prática Médica/Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Rotinas Gerenciadas Departamento Materno Infantil Divisão de Prática Médica/Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Prevenção doença estreptocócica neonatal Versão eletrônica atualizada em Outubro 2007

Leia mais

InDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO

InDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO CAPÍTULO 17 InDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO 1. CONCEITO Consiste em estimular artiicialmente as contrações uterinas coordenadas e efetivas antes de seu início espontâneo, levando ao desencadeamento do trabalho

Leia mais

PARTO PRETERMO. Rotinas Assistenciais da Maternidade Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro

PARTO PRETERMO. Rotinas Assistenciais da Maternidade Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro PARTO PRETERMO Rotinas Assistenciais da Maternidade Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É parto pretermo (PPT) o ocorrido antes de 37 semanas de gestação (259 dias). Concomitantemente,

Leia mais

MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND. Diretrizes assistenciais ROTURA PREMATURA DE MEAC-UFC 1

MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND. Diretrizes assistenciais ROTURA PREMATURA DE MEAC-UFC 1 MATERNIDADEESCOLA ASSISCHATEAUBRIAND Diretrizes assistenciais ROTURA PREMATURA DE MEMBRANAS MEAC-UFC 1 ROTURA PREMATURA DE MEMBRANAS Jordana Parente Paiva Francisco Edson de Lucena Feitosa É definida como

Leia mais

Simone Suplicy Vieira Fontes

Simone Suplicy Vieira Fontes Simone Suplicy Vieira Fontes Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

ROSIANE MATTAR DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA EPM UNIFESP

ROSIANE MATTAR DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA EPM UNIFESP ROSIANE MATTAR DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA EPM UNIFESP DILEMAS EM OBSTETRÍCIA. DIRETO AO PONTO. DEVEMOS USAR PROGESTERONA PARA GESTANTES ASSINTOMÁTICAS COM COLO CURTO? PREMATURIDADE Nascimentos antes 37

Leia mais

1.1. Corioamniorrexe Prematura

1.1. Corioamniorrexe Prematura 1.1. Corioamniorrexe Prematura Coriamniorrexe consiste na ruptura das membranas corioamnióticas, quando esta ocorre ANTES DO INÍCIO DO TRABALHO DE PARTO é chamada de coriomaniorrexe prematura, portanto

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VITALIDADE FETAL

AVALIAÇÃO DA VITALIDADE FETAL FACIMED CAC0AL FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS - RONDÔNIA DISCIPLINA SAÚDE DA MULHER 7º SEMESTRE AVALIAÇÃO DA VITALIDADE FETAL AVALIAÇÃO DA VITALIDADE FETAL CARDITOCOGRAFIA - CTG Objetivos Conhecer as

Leia mais

Aula 20 Pré-Natal de Alto Risco IV: Doenças. Prof. Ricardo Mattos UNIG,

Aula 20 Pré-Natal de Alto Risco IV: Doenças. Prof. Ricardo Mattos UNIG, Saúde Integral da Mulher Aula 20 Pré-Natal de Alto Risco IV: Doenças Obstétricas Prof. Ricardo Mattos UNIG, 2009.1 Neoplasia Trofoblástica Gestacional Mola Hidatiforme A freqüência é de 1 caso para cada

Leia mais

ÓBITO FETAL DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA DA FMABC DISCIPLINA DE OBSTETRÍCIA PROF. TITULAR: MAURO SANCOVSKI

ÓBITO FETAL DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA DA FMABC DISCIPLINA DE OBSTETRÍCIA PROF. TITULAR: MAURO SANCOVSKI DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA DA FMABC DISCIPLINA DE OBSTETRÍCIA PROF. TITULAR: MAURO SANCOVSKI ÓBITO FETAL EDUARDO AUGUSTO BROSCO FAMÁ PROFESSOR AFILIADO DO DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCA E GINECOLOGIA

Leia mais

Profa Elaine Christine Dantas Moisés

Profa Elaine Christine Dantas Moisés Seminário: Vitalidade Fetal Profa Elaine Christine Dantas Moisés 1- A cardiotocografia de repouso (basal) é um dos testes mais usados na avaliação fetal anteparto.o principal achado nos fetos perto do

Leia mais

ROTURA PREMATURA DE MEMBRAnAS

ROTURA PREMATURA DE MEMBRAnAS CAPÍTULO 25 ROTURA PREMATURA DE MEMBRAnAS É deinida como a perda de líquido amniótico, oriunda da rotura prematura das membranas ovulares (RPM), antes de iniciado o trabalho de parto. Complica até 5% de

Leia mais

M.C.R 20 anos Casada Ensino médio completo Prendas domésticas Natural e procedente de Botucatu

M.C.R 20 anos Casada Ensino médio completo Prendas domésticas Natural e procedente de Botucatu M.C.R 20 anos Casada Ensino médio completo Prendas domésticas Natural e procedente de Botucatu Primigesta, 33s6d procura PA com queixa de anasarca e PA aferida em casa de 160x100 mmhg. Nega queixas de

Leia mais

Assistência ao recémnascido. Prof. Luiza Pineda

Assistência ao recémnascido. Prof. Luiza Pineda Assistência ao recémnascido Prof. Luiza Pineda Ao nascimento: - RN é a termo; - Está respirando ou chorando; - Tônus muscular em flexão; - Sem presença de líquido amniótico; - Boa vitalidade - Não necessita

Leia mais

Disciplina: Específica

Disciplina: Específica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Concurso Público para provimento de vagas de cargos Técnico-Administrativos Edital nº 293/2016 Resultado do julgamento dos recursos interpostos contra as questões

Leia mais

ORGANIZADOR. Página 1 de 7

ORGANIZADOR. Página 1 de 7 RESIDÊNCIA MÉDICA UERJ 07 ULTRASSONOGRAFIA (R) / 0 PROVA DISCURSIVA Página de 7 RESIDÊNCIA MÉDICA UERJ 07 ULTRASSONOGRAFIA (R) / 0 PROVA DISCURSIVA ULTRASSONOGRAFIA ) Mulher de 9 anos, DUM em 8//5, realizou

Leia mais

Dr. Fábio Cabar. Sangramentos genitais da segunda metade da gestação. Sangramentos de Segunda Metade da Gestação. Placenta Prévia.

Dr. Fábio Cabar. Sangramentos genitais da segunda metade da gestação. Sangramentos de Segunda Metade da Gestação. Placenta Prévia. Dr. Fábio Cabar Médico formado pela Faculdade de Medicina da USP. Residência Médica em Obstetrícia e Ginecologia no Hospital das Clínicas da USP. Foi médico preceptor do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

005 ESTABELECIDO EM 13/12/2005

005 ESTABELECIDO EM 13/12/2005 Prematuridade 005 ESTBELECIDO EM 13/12/2005 ÚLTIM REVISÃO EM 06/09/2007 NOME DO TEM \\ Prematuridade RESPONSÁVEIS UNIDDE \\ Dr. Frederico José medée Peret COLBORDORES \\ Dra. Beatriz mélia Monteiro de

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 PRÉ-REQUISITO (R4) PROVA ESCRITA

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 PRÉ-REQUISITO (R4) PROVA ESCRITA 1 OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA / ULTRASSONOGRAFIA 1) Secundípara com 26 anos deu à luz por parto vaginal a recém-nascido (RN) a termo que pesou 3.450g. Ambos assintomáticos receberam alta no terceiro dia.

Leia mais

GABRIELA CORREIA DE SANTANA TAÍZE SANTOS SOUSA

GABRIELA CORREIA DE SANTANA TAÍZE SANTOS SOUSA GABRIELA CORREIA DE SANTANA TAÍZE SANTOS SOUSA CAROLINA PRDROZA DE CARVALHO GARCIA FATORES DETERMINANTES PARA O PARTO PREMATURO SALVADOR 2016 RESUMO: Segundo o Ministério da Saúde 2010, dentre os fatores

Leia mais

PRODUÇÃO TÉCNICA PROTOCOLO DE PREPARO DE COLO UTERINO PARA INDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO

PRODUÇÃO TÉCNICA PROTOCOLO DE PREPARO DE COLO UTERINO PARA INDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTITUCIONAL FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU UNESP Programa de Pós Graduação em Medicina Mestrado Profissional Associado à Residência Médica

Leia mais

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS)

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS) Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Áreas Técnicas da Saúde da Mulher e da Criança e Assistência Laboratorial Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus

Leia mais

Anticoagulação no ciclo. Adolfo Liao

Anticoagulação no ciclo. Adolfo Liao Anticoagulação no ciclo gravídico-puerperal Adolfo Liao Agenda Razão de mortalidade materna (óbitos maternos / 100.000 NV) Sistema de Informações sobre Mortalidade Mortalidade Materna OMS, 2014 embolia

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO MISOPROSTOL NA PREVENÇÃO DE HEMORRAGIAS PUERPERAIS.

IMPORTÂNCIA DO MISOPROSTOL NA PREVENÇÃO DE HEMORRAGIAS PUERPERAIS. 1 IMPORTÂNCIA DO MISOPROSTOL NA PREVENÇÃO DE HEMORRAGIAS PUERPERAIS. VASCONCELLOS, Marcus Jose do Amaral. Docente do Curso de Graduação em Medicina. DUARTE, Carolina Silveira de Oliveira Souza Duarte.

Leia mais

Sumário. 1. Visão geral da enfermagem materna Famílias e comunidades Investigação de saúde do paciente recém nascido...

Sumário. 1. Visão geral da enfermagem materna Famílias e comunidades Investigação de saúde do paciente recém nascido... Sumário Parte I Papéis e relacionamentos 1. Visão geral da enfermagem materna...23 O processo de enfermagem...25 Planejamento familiar...26 Gestação na infância ou na adolescência...26 Gestação após os

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Mortalidade (Cooper et al. 1993)

Mortalidade (Cooper et al. 1993) Mortalidade (Cooper et al. 1993) 1,2 Probabilidade de Mortalidade 1 0,8 0,6 0,4 0,2 0 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 IG (sem) % semanas Obstetric determinants of neonatal survival: Antenatal

Leia mais

Tipo Documental ProtocoloAssistencial Título Documento Parto Adequado - Protocolo de Indução de Parto

Tipo Documental ProtocoloAssistencial Título Documento Parto Adequado - Protocolo de Indução de Parto OBJETIVO - POPULAÇÃO ALVO Esse protocolo se destina às pacientes que serão submetidas e indução do trabalho de parto. APLICABILIDADE: CRITÉRIOS DE INCLUSÃO E CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO CRITÉRIOS DE INCLUSÃO:

Leia mais

Departamento de Ginecologia e Obstetrícia

Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Córioamniorrexe prematura Córioamniorexe prematura Amniorrexe prematura Rotura Prematura Membranas antecede início trabalho parto IG 37 semanas RPM termo IG

Leia mais

PRÉ-REQUISITO R4 ULTRASSONOGRAFIA (402)

PRÉ-REQUISITO R4 ULTRASSONOGRAFIA (402) PRÉ-REQUISITO R ULTRASSONOGRAFIA (0) RESIDÊNCIA MÉDICA (UERJ-FCM) 0 PRÉ-REQUISITO (R) / 0 PROVA ESCRITA OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA ) Gestante com nove semanas de idade gestacional (IG) inicia pré-natal

Leia mais

Questão 01 Diagnóstico da gestação

Questão 01 Diagnóstico da gestação Saúde Da Mulher: Diagnóstico Da Gestação, Modificações Gravídicas e Pré Natal. Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias Questão 01 Diagnóstico da gestação Segundo o Ministério da Saúde (MS, 2000), o diagnóstico

Leia mais

INDUÇÃO DO PARTO E FÓRCIPE

INDUÇÃO DO PARTO E FÓRCIPE INDUÇÃO DO PARTO E FÓRCIPE Cuidados de Enfermagem na Sala de Parto receber a parturiente na sala e situá-la; prestar assistência física e emocional; completar os dados do prontuário; rever os cuidados

Leia mais

ENFERMAGEM OBSTÉTRICA MECANISMOS DO PARTO

ENFERMAGEM OBSTÉTRICA MECANISMOS DO PARTO ENFERMAGEM OBSTÉTRICA MECANISMOS DO PARTO Profª. Me. Alexsandra Araújo INICIAÇÃO DO TRABALHO DE PARTO Alterações do colo uterino Diminuição da distensão abdominal Aumento do nível de energia O Sinal Contrações

Leia mais

Implicações do parto humanizado na redução da mortalidade materna. Maykon dos Santos Marinho Palloma Freitas PET-Saúde da Família IMS-UFBA

Implicações do parto humanizado na redução da mortalidade materna. Maykon dos Santos Marinho Palloma Freitas PET-Saúde da Família IMS-UFBA Implicações do parto humanizado na redução da mortalidade materna Maykon dos Santos Marinho Palloma Freitas PET-Saúde da Família IMS-UFBA Mortalidade materna As mortes de mulheres por complicações na gestação,

Leia mais

PREVENÇÃO PRIMÁRIA DA PREMATURIDADE

PREVENÇÃO PRIMÁRIA DA PREMATURIDADE REDUZINDO A PREMATURIDADE MARCELO ZUGAIB Clínica Obstétrica Hospital das Clínicas SP PREVENÇÃO PRIMÁRIA DA PREMATURIDADE NA PRECONCEPÇÃO E NO PRÉ-NATAL IDENTIFICAR OS FATORES DE RISCO REALIZAR INTERVENÇÕES

Leia mais

Vigilância de Causas externas

Vigilância de Causas externas Vigilância de Causas externas Acidentes e Quedas Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva _ UFF Objetivos da aula 1) enfatizar a importância da ALTA no fluxo de atendimento do paciente hospitalizado.

Leia mais

Parto domiciliar na visão do pediatra

Parto domiciliar na visão do pediatra 1º SIMPÓSIO DE ASSISTÊNCIA AO PARTO EM MINAS GERAIS 20 a 21 de março Parto domiciliar na visão do pediatra Cons. Fábio Augusto de Castro Guerra CRMMG Situação Atual CONFLITO Humanização do atendimento

Leia mais

A) Condutas que são claramente úteis e que deveriam ser encorajadas

A) Condutas que são claramente úteis e que deveriam ser encorajadas A) Condutas que são claramente úteis e que deveriam ser encorajadas Plano individual determinando onde e por quem o parto será realizado, feito em conjunto com a mulher durante a gestação, e comunicado

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE RISCO GESTACIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA

CLASSIFICAÇÃO DE RISCO GESTACIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA CLASSIFICAÇÃO DE RISCO GESTACIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA Dra. Cássia Elena Soares Fluxograma de Pré-Natal Mulher com suspeita de gravidez Atraso menstrual Náusea Suspensão ou irregularidade do uso do contraceptivo

Leia mais

O00-O99 CAPÍTULO XV : Gravidez, parto e puerpério O00-O08 Gravidez que termina em aborto O10-O16 Edema, proteinúria e transtornos hipertensivos na gravidez, no parto e no puerpério O20-O29 Outros transtornos

Leia mais

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Profilaxia intraparto para EGB Importância para o RN Abordagem do RN com Risco de Infecção ovular e colonizado por Streptococcus do grupo B Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Infecção

Leia mais

Uso da Penicilina na APS

Uso da Penicilina na APS Uso da Penicilina na APS Qual o risco? Filipe de Barros Perini Médico Infectologista SITUAÇÕES ATUAIS IMPORTANTES RELACIONADOS A PENICILINA 1. Aumento dos casos de Sífilis Gestantes Congênita 2. Reações

Leia mais

As recomendações da OMS para a prevenção e o tratamento de infecções maternas no período periparto. Sumário Executivo

As recomendações da OMS para a prevenção e o tratamento de infecções maternas no período periparto. Sumário Executivo As recomendações da OMS para a prevenção e o tratamento de infecções maternas no período periparto Sumário Executivo Guia das ações eficazes para a redução da incidência mundial de infecções maternas e

Leia mais

EFICÁCIA DO MISOPROSTOL NA RESOLUÇÃO DOS CASOS DE ABORTAMENTO

EFICÁCIA DO MISOPROSTOL NA RESOLUÇÃO DOS CASOS DE ABORTAMENTO EFICÁCIA DO MISOPROSTOL NA RESOLUÇÃO DOS CASOS DE ABORTAMENTO VASCONCELLOS, Marcus Jose do Amaral. Docente do Curso de Graduação em Medicina. TURANO, Camila Toledo. Discente do Curso de Graduação em Medicina

Leia mais

Como melhorar os desfechos clínicos nos partos prematuros

Como melhorar os desfechos clínicos nos partos prematuros Como melhorar os desfechos clínicos nos partos Resumo Executivo As orientações da OMS sobre intervenções para melhorar os desfechos clínicos nos partos Introdução Os bebês têm maior risco de desenvolver

Leia mais

Imagem da Semana: Partograma

Imagem da Semana: Partograma Imagem da Semana: Partograma Figura 1: Partograma. Enunciado Gestante de 22 anos, primigesta, idade gestacional de 39 semanas (confirmada à ultrassonografia), admitida na maternidade com contrações dolorosas

Leia mais

REDE BRASILEIRA DE PESQUISAS NEONATAIS

REDE BRASILEIRA DE PESQUISAS NEONATAIS REDE BRASILEIRA DE PESQUISAS NEONATAIS RELATÓRIO ANUAL 2011 2 RELATÓRIO ANUAL 2011... 1 INTRODUÇÃO... 3 Informações Referentes ao Pré-Natal... 4 Quadro 1 Dados maternos... 4 Quadro 2 - Corticóide Antenatal...

Leia mais

Vigilância de Causas externas

Vigilância de Causas externas Vigilância de Causas externas Acidentes e Quedas Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva _ UFF Plano de aula 1) Exercícios iniciais DO de causas externas 2)Exercícios finais com prontuário

Leia mais

Gestação Prolongada. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy

Gestação Prolongada. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy Gestação Prolongada Ranuce Ribeiro Aziz Ydy # GESTAÇÃO PROLONGADA Ou Pós-Termo (Serotina, Protraída, Retardada, Pós-maturidade): aquela que alcança ou ultrapassa 42 semanas (294 dias) de gestação (Organização

Leia mais

GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO?

GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO? GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO? MEDEIROS, Paola de Oliveira¹; GALHO, Aline Ribeiro¹; BARRETO, Daniela Hormain¹; MARTINS, Mariana dos Santos¹; VIEIRA, Pâmela Cabral¹;

Leia mais

Curso de Medicina - UNISUL CARDIOTOCOGRAFIA. Aula disponível no site: Rodrigo Dias Nunes

Curso de Medicina - UNISUL CARDIOTOCOGRAFIA. Aula disponível no site:  Rodrigo Dias Nunes CARDIOTOCOGRAFIA Aula disponível no site: www.rodrigodiasnunes.com.br Rodrigo Dias Nunes CARDIOTOCOGRAFIA LINHA DE BASE Média de 5 bpm por um intervalo de 10 minutos, excluindo - Mudanças periódicas -

Leia mais

INIBINA. cloridrato de isoxsuprina

INIBINA. cloridrato de isoxsuprina INIBINA cloridrato de isoxsuprina APRESENTAÇÕES Solução injetável 10 mg/2 ml. Caixa com 5 e com 25 ampolas de 2 ml. USO INJETÁVEL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada ampola de 2 mlcontém: Cloridrato de isoxsuprina...10

Leia mais

RUPTURA PREMATURA DE MEMBRANAS - RUPREME 1 INTRODUÇÃO. Protocolo Clínico do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO CLÍNICO

RUPTURA PREMATURA DE MEMBRANAS - RUPREME 1 INTRODUÇÃO. Protocolo Clínico do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO CLÍNICO PROTOCOLO CLÍNICO RUPTURA PREMATURA DE MEMBRANAS - RUPREME Código: PC00 RUPREME Data: Março/2016 Especialidade: Obstetrícia Responsáveis: Walter S. Neme, Cristine Kolling Konopka Colaboradores: Caroline

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE AGENDAMENTO. Nome. Endereço. Município. Bairro. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. ANS- nº

CARTÃO DA GESTANTE AGENDAMENTO. Nome. Endereço. Município. Bairro. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. ANS- nº CARTÃO DA GESTANTE Nome ANS- nº 0004 Endereço Município Bairro Telefone Nome da Operadora Registro ANS AGENDAMENTO Hora Nome do profissional Sala ANS- nº 0004 1 Idade Estado Civil Peso anterior Altura (cm)

Leia mais

TOCÓLISE E CORTICOTERAPIA: USO RACIONAL ROSSANA PULCINELI VIEIRA FRANCISCO Clínica Obstétrica do Hospital das Clínicas da FMUSP TRABALHO DE PARTO PREMATURO 1. Contrações uterinas regulares (a cada 5 min.)

Leia mais

USO DO MISOPROSTOL EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA

USO DO MISOPROSTOL EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA USO DO MISOPROSTOL EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA A obstetrícia e a ginecologia vivenciam a crescente utilização do misoprostol para indução do parto a termo, para o abortamento retido e feto morto, e para

Leia mais

AULA Rede de atenção que garanta acesso, acolhimento e resolutividade

AULA Rede de atenção que garanta acesso, acolhimento e resolutividade AULA 10 A Rede Cegonha Implementada em 2011, a Rede Cegonha é uma Rede de cuidados que assegura às MULHERES o direito ao planejamento reprodutivo, à atenção humanizada à gravidez, parto e puerpério, e

Leia mais

ENFERMAGEM OBSTÉTRICA

ENFERMAGEM OBSTÉTRICA ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Questão 20 O item III está errado pois, Segundo a PORTARIA Nº 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011, que Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha, a implantação

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Departamento de Medicina III Disciplina de Obstetrícia Serviço de Obstetrícia e Ginecologia do HU

Universidade Federal do Maranhão Departamento de Medicina III Disciplina de Obstetrícia Serviço de Obstetrícia e Ginecologia do HU Universidade Federal do Maranhão Departamento de Medicina III Disciplina de Obstetrícia Serviço de Obstetrícia e Ginecologia do HU Doutora Marília Da Glória Martins E SUAS REPERCUSSÕES NA SAÚDE DA MULHER

Leia mais

Protocolo de Obstetrícia - Cesariana e Parto Normal. Descrição do Procedimento Operacional Padrão

Protocolo de Obstetrícia - Cesariana e Parto Normal. Descrição do Procedimento Operacional Padrão Protocolo de Obstetrícia - Cesariana e Parto Normal Descrição do Procedimento Operacional Padrão Objetivo: Oferecer acolhimento imediato através da priorização do atendimento. Fornecer estrutura física

Leia mais

CAPÍTULO 5 CARDIOTOCOGRAFIA. » Repouso ou Basal.» Estimulada: Estímulo Mecânico ou Vibroacústico.» Com Sobrecarga:

CAPÍTULO 5 CARDIOTOCOGRAFIA. » Repouso ou Basal.» Estimulada: Estímulo Mecânico ou Vibroacústico.» Com Sobrecarga: Unidade 6 - Obstetrícia Cardiotocografia CAPÍTULO 5 CARDIOTOCOGRAFIA 1. DEfINIçãO: Registro contínuo e simultâneo da Frequência Cardíaca Fetal, Contratilidade Uterina e Movimentos Fetais, no período anteparto

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EFG361 Enfermagem Materna

Programa Analítico de Disciplina EFG361 Enfermagem Materna 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 7 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

INDICADOR DE MORTALIDADE ESTATISTICAS VITAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO PRINCIPAIS INDICADORES

INDICADOR DE MORTALIDADE ESTATISTICAS VITAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO PRINCIPAIS INDICADORES INDICADOR DE MORTALIDADE ESTATISTICAS VITAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO PRINCIPAIS INDICADORES ESTATISTICAS VITAIS Compreende o estudo de eventos vitais : Nascimentos Óbitos Devem ser de boa qualidade No Brasil

Leia mais

por apresentarem contração paradoxal do AP no primeiro atendimento fisioterapêutico; duas gestantes, por parto prematuro; duas, pela ocorrência

por apresentarem contração paradoxal do AP no primeiro atendimento fisioterapêutico; duas gestantes, por parto prematuro; duas, pela ocorrência 41 A série inicial de pacientes foi composta de 70 gestantes. Excluíramse 10 mulheres que participaram do estudo-piloto, sendo que nove mulheres, por apresentarem contração paradoxal do AP no primeiro

Leia mais

Manual de Cirurgia Segura

Manual de Cirurgia Segura Manual de Cirurgia Segura Índice Apresentação... pág. 4 Termos de Consentimento Informado... pág. 4 Lateralidade... pág. 5 Profilaxia Antibiótica... pág. 6 Time Out ou Pausa Cirúrgica... pág. 7 NR 32...

Leia mais

31/08/2015. Obstetrícia. Profa Elaine C. S. Ovalle. Diagnóstico. Beta- hch. hormônio gonadotrófico coriônico

31/08/2015. Obstetrícia. Profa Elaine C. S. Ovalle. Diagnóstico. Beta- hch. hormônio gonadotrófico coriônico Fisioterapia na Saúde da Mulher Obstetrícia Profa Elaine C. S. Ovalle Beta- hch Diagnóstico hormônio gonadotrófico coriônico 1 Conceitos - Embrião: até a 8ª semana - Feto: 9ª semana até o nascimento -

Leia mais

Abordagem. Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci

Abordagem. Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci Abordagem sindrômica das DSTs Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci DST - conceito Doença infecciosa adquirida por meio do contato sexual, que pode ser causada por vírus, bactéria ou protozoário. Glossário

Leia mais

R1CM HC UFPR Dra. Elisa D. Gaio Prof. CM HC UFPR Dr. Mauricio Carvalho

R1CM HC UFPR Dra. Elisa D. Gaio Prof. CM HC UFPR Dr. Mauricio Carvalho R1CM HC UFPR Dra. Elisa D. Gaio Prof. CM HC UFPR Dr. Mauricio Carvalho CASO CLÍNICO Homem, 45 anos, com cirrose por HCV foi admitido com queixa de fraqueza e icterícia de início recente. O paciente possuía

Leia mais

TROMBOPROFILAXIA DURANTE A GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO

TROMBOPROFILAXIA DURANTE A GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO TROMBOPROFILAXIA DURANTE A GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO FRANCISCO EDSON DE LUCENA FEITOSA IDENTIFICAÇÃO DE FATORES DE RISCO A gestação é fator de risco para tromboembolismo venoso (TEV) e está associada

Leia mais

Dúvidas mais frequentes Perguntas e respostas sobre a Insuficiência ou Incompetência Istmo Cervical

Dúvidas mais frequentes Perguntas e respostas sobre a Insuficiência ou Incompetência Istmo Cervical Dúvidas mais frequentes Perguntas e respostas sobre a Insuficiência ou Incompetência Istmo Cervical Dr. Ricardo Barini - Professor Livre-Docente da Disciplina de Obstetrícia, Departamento de Tocoginecologia

Leia mais

INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS DO PRONTUÁRIO. 1. Dados Gerais da coleta de dados

INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS DO PRONTUÁRIO. 1. Dados Gerais da coleta de dados INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS DO PRONTUÁRIO 1. Dados Gerais da coleta de dados 1. Data da coleta de dados / / 2. Horário de início da coleta de dados : 3. Nome da mãe: 4. Nº do prontuário da mãe: 5.

Leia mais

Validade do uso de sulfato de magnésio visando a neuroproteção de fetos pré-termo

Validade do uso de sulfato de magnésio visando a neuroproteção de fetos pré-termo Disciplina de Obstetrícia Departamento de Obstetrícia e Ginecologia Validade do uso de sulfato de magnésio visando a neuroproteção de fetos pré-termo Rossana Pulcineli Vieira Francisco Encefalopatia Hipóxico

Leia mais

Infecção do Trato Urinário na gravidez: Complicações e Intervenções de Enfermagem

Infecção do Trato Urinário na gravidez: Complicações e Intervenções de Enfermagem 1 Infecção do Trato Urinário na gravidez: Complicações e Intervenções de Enfermagem Joyce Nascimento dos Santos (Acadêmica de Enfermagem, Universidade Tiradentes-Aracaju/SE), e-mail: joyceagro@hotmail.com;

Leia mais

ASSISTÊNCIA CLÍNICA AO PARTO

ASSISTÊNCIA CLÍNICA AO PARTO ASSISTÊNCIA CLÍNICA AO PARTO impc PRÉ-NATAL MANTER DIÁLOGO LOGO INFORMAR ROTINAS PROMOVER VISITAS ESCLARECER ETAPAS TP ESTABELECER VÍNCULO V DECIDIR COM O CASAL impc GRUPOS DE APOIO ATIVIDADE FÍSICA F

Leia mais

G A B A R I T O. Concurso: RESIDÊNCIA DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Ano: 2016

G A B A R I T O. Concurso: RESIDÊNCIA DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Ano: 2016 G A B A R I T O Concurso: RESIDÊNCIA DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Ano: 2016 Conteúdo: QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 1 (valor total: 15,0 pontos): Nessa questão o candidato deverá estar apto à responder de forma

Leia mais

I Simpósio de Assistência ao Parto em Minas Gerais

I Simpósio de Assistência ao Parto em Minas Gerais I Simpósio de Assistência ao Parto em Minas Gerais Cesariana eletiva no Brasil: indicações e limitações Victor Hugo de Melo Era uma vez, uma reunião em Fortaleza, no ano de 1985... Países com as taxas

Leia mais

Infecções por Gram Positivos multirresistentes em Pediatria

Infecções por Gram Positivos multirresistentes em Pediatria Infecções por Gram Positivos multirresistentes em Pediatria FABIANE SCALABRINI PINTO JUNHO DE 2017 Principais tópicos Importância dos Gram positivos nas infecções pediátricas Fatores relacionados à resistência

Leia mais

A Importância da detecção de Streptococcus agalactiae (β-hemolítico do grupo B) em mulheres gestantes

A Importância da detecção de Streptococcus agalactiae (β-hemolítico do grupo B) em mulheres gestantes A Importância da detecção de Streptococcus agalactiae (β-hemolítico do grupo B) em mulheres gestantes ¹José do Nascimento Caldeira ²Francisco de Oliveira Vieira RESUMO O Estreptococo do grupo B,Streptococcus

Leia mais

Caso clínico. S.A.G, 35 anos

Caso clínico. S.A.G, 35 anos Caso clínico S.A.G, 35 anos Negra, casada, prendas domésticas. Natural de Poços de Caldas - MG, Procedente de Botucatu - SP. G4 P3 A0 C0 DUM: 23/07/2014 1º US: 27/10/2014 (14s 1d DUM correta) IG: 32s 5d

Leia mais

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO 1. TRIAGEM SOROLÓGICA - É recomendada a realização de teste anti-hiv com aconselhamento e com consentimento para todas as gestantes na primeira consulta pré-natal; - Enfatiza-se

Leia mais

Disciplina de Obstetrícia

Disciplina de Obstetrícia SÍNDROMES HIPERTENSIVAS NA GRAVIDEZ Professor Adjunto JOSÉ CARLOS PERAÇOLI Professor Assistente Doutor ROBERTO ANTONIO DE ARAÚJO COSTA DEFINIÇÃO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL Considera-se hipertensão arterial

Leia mais

Tractocile. Laboratórios Ferring Ltda. Solução Injetável 7,5 mg/ml

Tractocile. Laboratórios Ferring Ltda. Solução Injetável 7,5 mg/ml Tractocile Laboratórios Ferring Ltda. Solução Injetável 7,5 mg/ml Tractocile acetato de atosibana Laboratórios Ferring IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Tractocile acetato de atosibana APRESENTAÇÕES - Solução

Leia mais

Fabio Oliveira Enfermeiro Obstetra Especialista em Saúde da Mulher UFPR Mestre em Enfermagem UFPR Membro da Comissão de Saúde da Mulher COREN/PR

Fabio Oliveira Enfermeiro Obstetra Especialista em Saúde da Mulher UFPR Mestre em Enfermagem UFPR Membro da Comissão de Saúde da Mulher COREN/PR Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal Fórum Perinatal do Comitê Estadual de Prevenção da Mortalidade Materna e Comitê Estadual de Prevenção da Mortalidade Infantil e Fetal Fabio Oliveira Enfermeiro

Leia mais

Das condições abaixo, a que constitui indicação absoluta de cesariana é: A Síndrome HELLP é melhor caracterizada pela presença dos seguintes achados:

Das condições abaixo, a que constitui indicação absoluta de cesariana é: A Síndrome HELLP é melhor caracterizada pela presença dos seguintes achados: Questão 01 Das condições abaixo, a que constitui indicação absoluta de cesariana é: A) pré-eclâmpsia com feto vivo B) apresentação pélvica com feto vivo C) placenta prévia total com feto morto D) descolamento

Leia mais

HOSPITAL N S CONCEIÇÃO GHC 14/11/17 PROVA PARA RESIDÊNCIA EM R 4 -MEDICINA FETAL (ANO 2018)

HOSPITAL N S CONCEIÇÃO GHC 14/11/17 PROVA PARA RESIDÊNCIA EM R 4 -MEDICINA FETAL (ANO 2018) HOSPITAL N S CONCEIÇÃO GHC 14/11/17 PROVA PARA RESIDÊNCIA EM R 4 -MEDICINA FETAL (ANO 2018) NOME DO CANDIDATO: 1. Esta prova consta de 20 questões que deverão ser respondidas individualmente 2. Qualquer

Leia mais

ASSISTÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASILE NO MUNDO

ASSISTÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASILE NO MUNDO INSTITUCIONALIZAÇÃO DO Até meados do século XX, a maioria das mulheres pariram em casa e com a ajuda de outras mulheres. ASSISTÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASILE NO MUNDO A vivência do parto, nas mais diferentes

Leia mais

Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO

Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO ASPECTOS GERAIS Raro mas extremamente grave Vários fatores etiológicos SOBREVIDA FETAL Ressuscitação agressiva SOBREVIDA MATERNA Fator etiológico Ambiente

Leia mais

Capítulo 15 Perinatologia PATOLOGIA PERINATAL

Capítulo 15 Perinatologia PATOLOGIA PERINATAL Capítulo 15 Perinatologia PATOLOGIA PERINATAL Tanto as patologias como as anomalias que têm origem no período perinatal estão classificadas no capítulo 15 da CID-9-MC e categorias 760 779. LOCALIZAÇÃO

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 11/ /11/2015

PARECER CREMEC N.º 11/ /11/2015 PARECER CREMEC N.º 11/2015 23/11/2015 PROCESSO-CONSULTA Protocolo CREMEC nº 5118/2015 ASSUNTO: Interface Enfermagem e Obstetra na Assistência ao Parto Normal INTERESSADO: Grupo de Médicos do Corpo Clínico

Leia mais

Neonatologia para Concursos de Enfermagem

Neonatologia para Concursos de Enfermagem Oncologia Neonatologia para Concursos de Enfermagem Fernanda Coelho PNI 2017 ÚLTIMAS ATUALIZAÇÕES Prof. Enf. Hygor Elias 1 Meningocócica C (conjugada) Indicações: Meningite por Neisseria meningitidis dogrupoc

Leia mais

1.Cite fatores maternos, obstétricos, fetais e do ambiente de prática obstétrica que aumentam a incidência de cesarianas.

1.Cite fatores maternos, obstétricos, fetais e do ambiente de prática obstétrica que aumentam a incidência de cesarianas. Estudo dirigido: Anestesia obstétrica I 01/04/2017 Referências: Capítulo 26 Anesthesia for Cesarean Delivery do Chesnut 2014 Ver instruções dos estudos dirigidos. Recomendação: responder 3-5 questões por

Leia mais