Competências a Desenvolver

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Competências a Desenvolver"

Transcrição

1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE GONDOMAR Curso Profissional Técnico de Construção Civil Turma: 12º12 Disciplina de OFICINA TECNOLÓGICA PLANIFICAÇÃO ANUAL DAS ATIVIDADES LETIVAS 2013/2014 Introdução Esta componente é constituída por nove módulos, com uma carga horária total de 50 horas ou 67 tempos de 45 minutos. A disciplina de Oficina Tecnológica, inserida na componente de formação técnica do curso de Técnico de Construção Civil, é uma disciplina predominantemente prática e visa o desenvolvimento de conhecimentos, atitudes e competências considerados essenciais no domínio das práticas oficinais de construção, que terão sequência diferenciada nas variantes previstas para este curso. O programa, está estruturado de modo a que as aprendizagens se desenvolvam de forma progressiva, com base no aperfeiçoamento cognitivo, psicomotor e social dos alunos, e inclui as práticas de construção essenciais, que vão desde a organização de oficinas e do manuseamento de ferramentas e equipamentos, passando por atividades práticas de topografia, de carpintaria e de aplicação de diferentes produtos cerâmicos, e acabando em trabalhos de canalização e acabamentos. 3.ª Parte Técnicas de Condução de Obra II Período Total Módulos 1º 2º 3º por tema 5 Argamassas e Betões Instalações Técnicas Acabamentos e Isolamentos Total de tempos de 45 minutos Competências a Desenvolver Com esta disciplina o aluno deverá desenvolver conhecimentos de natureza tecnológica e prática, bem como o domínio de técnicas básicas associadas ao desempenho de atividades construtivas diversificadas, que se enquadram na atividade profissional a desenvolver por um técnico intermédio da indústria de construção civil e obras públicas. Deverá, ainda, desenvolver atitudes de autonomia e de cooperação em trabalho em grupo e reconhecer a importância da aplicação das regras de segurança e de higiene. Página 1

2 Avaliação A avaliação terá como um dos seus objetivos centrais verificar a aquisição e o domínio das competências e capacidades no âmbito da componente. Deverá fornecer, igualmente, elementos de controlo sobre a organização do processo educativo, permitindo identificar as alterações que a própria escola ou qualquer um dos seus intervenientes concluam ser necessário introduzir nas condições de ensino/aprendizagem. A avaliação será contínua e pressupõe a participação e a responsabilização de todos os intervenientes do processo de ensino/aprendizagem, sem diluir a responsabilidade profissional do professor. Esta deverá referir-se sempre a objetivos e critérios de desempenho definidos para a componente, abarcando diversas formas, nomeadamente, a aquisição de competências, a aquisição de metodologias de trabalho bem como atitudes e comportamentos. São agentes do processo de avaliação, o próprio aluno, o professor, os restantes alunos do grupo turma, cuja participação deverá ser solicitada. Eventualmente, no caso de ações de formação, outros elementos exteriores à escola, que tenham participado no processo de ensino/aprendizagem, poderão assumir um papel no processo de avaliação. Componentes da avaliação Critérios de avaliação Ponderação (%) 10º ano 11º ano 12º ano Avaliação de conhecimentos e sua aplicação Avaliação do acompanhamento e intervenção na aula Avaliação de atitudes, comportamentos e valores Página 2

3 Planeamento MÓDULO 5 Argamassas e Betões Duração: 19 tempos de 45 min. Neste módulo a aprendizagem centra-se nos tipos de ligantes e inertes, nos elementos constituintes de argamassas e betões, nos tipos de aço usados em armaduras e nas técnicas construtivas adequadas Identificar os materiais constituintes das argamassas e betões; Explicar a importância da qualidade dos materiais necessários ao fabrico das argamassas e betões; Seguir as disposições regulamentares relativas à montagem de armaduras; Identificar os diferentes tipos e classes de betão; Descrever os processos de execução de peças de betão armado; Explicar a função dos ensaios laboratoriais de controlo de qualidade de betões; Identificar os tipos de ligantes e suas propriedades; Interpretar projetos de estruturas; Manusear corretamente ferramentas e equipamentos; Executar armaduras; Executar elementos de betão armado; Analisar resultados de ensaios; 1. Argamassas e Betões Fabrico, transporte e armazenamento 2. Materiais constituintes Funções, tipos e propriedades 2.1. Ligantes 2.2. Inertes 3. Argamassas Composição, características e aplicações 4. Betão simples, ciclópico e betonilha Composição, características e aplicações 5. Betão armado e pré-esforços Composição, características e aplicações 6. Técnicas construtivas 6.1. Execução de armaduras 6.2. Betonagem de um elemento Página 3

4 MÓDULO 7 Instalações Técnicas Duração: 24 tempos de 45 min. Este módulo tem como finalidade proporcionar aos alunos a aquisição de conhecimentos básicos relativos às redes de instalações técnicas e aos materiais e equipamentos a utilizar, bem como a aprendizagem das técnicas construtivas respetivas e dos ensaios a realizar. Enumerar os diversos tipos de redes; Enumerar os diversos materiais utilizados em instalações técnicas; Interpretar desenhos de redes instalações técnicas; Manusear materiais, ferramentas e equipamentos; Identificar os componentes de instalações técnicas; Diferenciar redes técnicas; Utilizar corretamente as normas e técnicas de execução; Executar canalizações de água, esgotos, gás ou outros; Ensaiar a estanquicidade; 1. Instalações Técnicas 1.1. Finalidade das diferentes redes em edifícios 1.2. Regulamentação técnica 2. Rede de águas Constituição e traçado ensaios ferramentas e equipamentos 3. Rede de gás Constituição e traçado ensaios ferramentas e equipamentos 4. Rede de esgotos e saneamento Constituição e traçado ensaios ferramentas e equipamentos 5. Estudo dos materiais 5.1. Plásticos Hidronil e PVC 5.2. Metais Aço inox, aço galvanizado e cobre 5.3. Outros materiais 5.4. Utensílios e acessórios 6. Técnicas construtivas 6.1. Execução de uma canalização 6.2. Execução de um troço de rede de esgoto Página 4

5 MÓDULO 8 Acabamentos e Isolamentos Duração: 24 tempos de 45 min. Neste último módulo pretende-se que o aluno adquira conhecimentos sobre os diversos tipos de materiais e técnicas utilizados em acabamentos e isolamentos. Enumerar as finalidades e tipos de acabamento e de isolamento. Identificar materiais utilizados em acabamento e isolamento. Explicar o comportamento e a adequação de utilização de materiais. Utilizar corretamente técnicas construtivas. 1. Acabamentos e isolamento Finalidades, tipos e exigências funcionais 2. Estudo de Materiais 2.1. Produtos cerâmicos 2.2. Granitos 2.3. Mármores 2.4. Cortiça 2.5. Pinturas 2.6. Outros 3. Técnicas construtivas 3.1. Aplicação de materiais de acabamento e isolamento Página 5

HORAS/ AULAS. MÓDULO 1 - Processos de conformação Cerâmica. MÓDULO 2 - Decoração alto fogo/cores a água

HORAS/ AULAS. MÓDULO 1 - Processos de conformação Cerâmica. MÓDULO 2 - Decoração alto fogo/cores a água MÓDULOS CONTEÚDOS HORAS/ AULAS Origem e propriedades da pasta cerâmica Variedades da argila e sua utilização MÓDULO 1 - Processos de conformação Cerâmica Iniciação ao processo cerâmico (homogeneização,

Leia mais

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Módulo Processos de construção LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO A68262 Sara Cardoso A68222 Ana Catarina Silva Guimarães, 07 de fevereiro de 2014 Índice

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA E QUÍMICA A

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA E QUÍMICA A AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LOUSÃ-161391 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA E QUÍMICA A ENSINO SECUNDÁRIO Ano Letivo 2015/2016 A avaliação à disciplina

Leia mais

UFCD N.º 6028 Tecnologia dos Componentes Eletrónicos (25 horas de referência 30 AULAS) ESTRATÉGIAS/ ATIVIDADES. 1. Exposição oral.

UFCD N.º 6028 Tecnologia dos Componentes Eletrónicos (25 horas de referência 30 AULAS) ESTRATÉGIAS/ ATIVIDADES. 1. Exposição oral. Curso Profissional de Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Nº Projeto: POCH-0-557-FSE-005 Nº Curso: Escola Secundária Dr. Bernardino Machado PLANIFICAÇÃO ANUAL DE Tecnologias Aplicadas Ano: º Turma:

Leia mais

Disciplinas: Educação Visual e O. Desenho e Pintura. 3º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO. SABER Aquisição de conhecimentos

Disciplinas: Educação Visual e O. Desenho e Pintura. 3º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO. SABER Aquisição de conhecimentos Disciplinas: Educação Visual e O. Desenho e Pintura 3º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO Aquisição e aplicação das competências específicas finidas à disciplina Progressão na aprendizagem

Leia mais

3º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 7º Ano

3º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 7º Ano CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO A avaliação do aluno nas diferentes disciplinas e áreas curriculares disciplinares realiza-se em três domínios: afetivo, cognitivo, e psicomotor. Ou, usando uma terminologia

Leia mais

Técnico/a de Obra / Condutor/a de Obra Nível 4 Prior Velho 03/09/2018. Técnico/a de Obra / Condutor/a de Obra

Técnico/a de Obra / Condutor/a de Obra Nível 4 Prior Velho 03/09/2018. Técnico/a de Obra / Condutor/a de Obra Centro de Formação Profissional da Indústria da Construção Civil e Obras Públicas do Sul Percurso Formativo (2) Data de início (3) Técnico/a de Obra / Condutor/a de Obra Nível 4 Prior Velho 03/09/2018

Leia mais

Prova Escrita de Materiais e Tecnologias

Prova Escrita de Materiais e Tecnologias Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova Escrita de Materiais e Tecnologias Prova 313 2015 12º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 120 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho O presente

Leia mais

7 de julho de 2016 Número 118

7 de julho de 2016 Número 118 7 de julho de 2016 7 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 282/2016 O calendário de atividades educativas e escolares constitui um elemento indispensável à organização e planificação do ano escolar,

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 582. Construção Civil e Engenharia Civil Itinerário de Formação 58209. Desenho Assistido

Leia mais

MATERIAIS DE REVESTIMENTO EM COBERTURAS INCLINADAS

MATERIAIS DE REVESTIMENTO EM COBERTURAS INCLINADAS MATERIAIS DE REVESTIMENTO EM COBERTURAS INCLINADAS Jorge de Brito, Professor Associado IST 1. Introdução Neste início da coluna Elementos de construção não estruturais, inserido no número da revista dedicado

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSOS PROFISSIONAIS

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSOS PROFISSIONAIS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO 170586 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSOS PROFISSIONAIS 2016-2019 Índice 1. CURSOS PROFISSIONAIS MATRIZES CURRICULARES... 5 1.1. Matriz Curricular dos Cursos Profissionais

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA Obra: Construção de um edifício destinado a casa mortuária Local: Rua da Tulha Alvite 1. Considerações Gerais 1.1 Introdução Refere-se a presente memória descritiva e

Leia mais

DEPARTAMENTO CURRICULAR: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

DEPARTAMENTO CURRICULAR: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS DEPARTAMENTO CURRICULAR: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades

Leia mais

DEPARTAMENTO DISCIPLINAR DE EXPRESSÕES DISCIPLINA: EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA ANO LETIVO

DEPARTAMENTO DISCIPLINAR DE EXPRESSÕES DISCIPLINA: EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA ANO LETIVO PERÍODIZA ÇÃO DEPARTAMENTO DISCIPLINAR DE EXPRESSÕES DISCIPLINA: EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA ANO LETIVO 2017-2018 ANO: 5º A/B (2 aulas semanais de 60 minutos) OBJETIVOS METAS - CONTEÚDOS ESTRATÉGIAS/ ATIVIDADES

Leia mais

Agrupamento de Escolas Francisco de Holanda. Ensino Secundário Critérios Específicos de Avaliação do Departamento de Física e Química 2016/2017

Agrupamento de Escolas Francisco de Holanda. Ensino Secundário Critérios Específicos de Avaliação do Departamento de Física e Química 2016/2017 Agrupamento de Escolas Francisco de Holanda 2016/2017 Ensino Secundário Critérios Específicos de Avaliação do Departamento de Física e Química 1 - Critérios Específicos de Avaliação Como complemento dos

Leia mais

Plano de Formação 2015

Plano de Formação 2015 Plano de Formação 2015 Índice: APRENDIZAGEM.... 1 EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS.. 1 CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA.......1 FORMAÇÃO MODULAR CERTIFICADA... 2 a 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTÍNUA...

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE CONSTRUÇÃO CIVIL: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE CONSTRUÇÃO CIVIL: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE CONSTRUÇÃO CIVIL: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DC 4025 07/10/2013 Rev. 02 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 359 de 21/11/2006,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR DE BIOLOGIA E GEOLOGIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação é uma componente essencial do processo de ensino-aprendizagem e deve ser sistemática e cuidadosa para ser objetiva e rigorosa.

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL FEUP TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES 3º Ano, 2º Semestre 2h Teóricas + 3h Teórico/Práticas / semana PROGRAMA

LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL FEUP TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES 3º Ano, 2º Semestre 2h Teóricas + 3h Teórico/Práticas / semana PROGRAMA LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL FEUP TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES 3º Ano, 2º Semestre 2h Teóricas + 3h Teórico/Práticas / semana PROGRAMA CAPÍTULO 1.ÂMBITO E OBJECTIVO DA DISCIPLINA 1.1. Descrição e justificação

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013

Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013 Departamento de Expressões e Representação Ano Letivo 2012/2013 Disciplina de Modelação e Animação 3D - 11º e 12º ano Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013 1. Introdução à disciplina

Leia mais

Critérios de Avaliação. Departamento de Expressões

Critérios de Avaliação. Departamento de Expressões Critérios de Avaliação Departamento de Expressões 2015/2016 5.º ano Disciplina Educação Visual instrumental 60% Trabalhos realizados de acordo com a planificação da disciplina Interesse e empenho 10% Comportamento/adequação

Leia mais

Processo de Fabricação: CORTE A LASER E CORTE A ÁGUA

Processo de Fabricação: CORTE A LASER E CORTE A ÁGUA Processo de Fabricação: CORTE A LASER E CORTE A ÁGUA CORTE A LASER O que é o Laser? Amplificação da luz por emissão estimulada de radiação. É um sistema que produz um feixe de luz coerente e concentrado

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Loureiro

Agrupamento de Escolas de Loureiro GOVERNO DE PORTUGAL EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2016-2017 Agrupamento de Escolas de Loureiro GOVERNO DE PORTUGAL EDUCAÇÃO 2 o CICLO DO ENSINO BÁSICO EDUCAÇÃO VISUAL (5 o

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA Plano de Formação do Agrupamento 2015/2018 Índice 1. Nota Introdutória... 3 2. Enquadramento do Plano de Formação... 4 3. Diagnóstico... 6 4. Objetivos Gerais...

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Tecnológica Ano: 6.º Turma: B Ano letivo:

Planificação Anual. Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Tecnológica Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: Planificação Anual Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Tecnológica Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Representação

Leia mais

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Departamento de Engenharia Civil Bibliografia referência para esta aula ISAIA, G. C. (editor) Materiais de Construção Civil e Princípios de ciência

Leia mais

Dispositivo de Avaliação - Oficina Gráfica e Design Gráfico Ano letivo 2015/16 Ensino Secundário Curso Profissional de Técnico de Design Gráfico

Dispositivo de Avaliação - Oficina Gráfica e Design Gráfico Ano letivo 2015/16 Ensino Secundário Curso Profissional de Técnico de Design Gráfico Dispositivo de Avaliação - Oficina Gráfica e Design Gráfico Ano letivo 2015/16 Ensino Secundário Curso Profissional de Técnico de Design Gráfico 1. Critérios de avaliação AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS 1.

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches 2016 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

COLÉGIO D. LUÍSA SIGEA - PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 6ºANO

COLÉGIO D. LUÍSA SIGEA - PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 6ºANO COLÉGIO D. LUÍSA SIGEA - PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 6ºANO Ano Letivo 2013 2014 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: 1.1: Identificar diferentes tipos de materiais (papel, argila, têxteis,

Leia mais

I - CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

I - CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ESCOLA ARTÍSTICA SOARES DOS REIS DISCIPLINA DE PROJETO E TECNOLOGIAS 10º ANO - 2013 2014 I - CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO A avaliação da aprendizagem na disciplina de Projecto e Tecnologias é contínua

Leia mais

Em vigor desde 29/12/2017 Máquinas e Ferramentas - 1 / 6 TABELA DE PREÇOS

Em vigor desde 29/12/2017 Máquinas e Ferramentas - 1 / 6 TABELA DE PREÇOS Em vigor desde 29/12/2017 Máquinas e Ferramentas - 1 / 6 1625202 LENA1BASIC CIMENTO COLA BR(S25K)$ UN 7,40 Ligantes hidráulicos, inertes calcáricos e silicioso e aditivos Peças de pequenas dimensões (15x15cm),

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 011 Município: Garça Eixo Tecnológico: Controle de Processos Industriais Habilitação

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - 6.º ANO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - 6.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: Identificar diferentes tipos de materiais (papel, argila, têxteis, madeiras e metais). Distinguir propriedades

Leia mais

Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado. Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014

Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado. Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014 Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014 Introdução As exigências da reabilitação na relação com o existente A compatibilidade

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011 / Agrupamento de Escolas de Vila Nova de S. Bento

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011 / Agrupamento de Escolas de Vila Nova de S. Bento CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011 / 2012 PRÉ-ESCOLAR Pontualidade / Assiduidade Autonomia / Independência Iniciativa Interacção com os adultos, com os pares e com o grupo Empenhamento em acabar as tarefas /

Leia mais

EDUCAÇÃO VISUAL 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO

EDUCAÇÃO VISUAL 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados segundo o programa em vigor e as Metas Curriculares definidas pelo ministério da Educação e Ciência.* 9.ºANO 1º Período 39/42 aulas previstas

Leia mais

EXTERNATO S. JOÃO BOSCO VIANA DO CASTELO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO ANO LETIVO 2016/2017

EXTERNATO S. JOÃO BOSCO VIANA DO CASTELO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO ANO LETIVO 2016/2017 EXTERNATO S. JOÃO BOSCO VIANA DO CASTELO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO ANO LETIVO 2016/2017 Aprovado em Conselho de Docentes em julho de 2016 Diretora Pedagógica Rosa Cândida Gomes Princípios Orientadores

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec Monsenhor Antônio Magliano Código:088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Nível Médio de

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CAPACIDADES INDICADORES INSTRUMENTOS Domínio Cognitivo (Saber) Componentes do Currículo Conceitos Identifica/Reconhece/Adquire conceitos; Domina

Leia mais

Escola Secundária Jaime Moniz Avaliação dos Alunos

Escola Secundária Jaime Moniz Avaliação dos Alunos Escola Secundária Jaime Moniz Avaliação dos Alunos Quadriénio letivo 2014-2018 Índice RECOMENDAÇÕES 1. AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. AVALIAÇÃO DOS ALUNOS... 1 1.1. RECOMENDAÇÕES GERAIS... 2 1.2. RECOMENDAÇÕES

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS Ensino Secundário ANO LECTIVO 01/013 Total de Aulas Previstas (45 min) 17 1º Período 13 SET / 13 DEZ 91 º Período 03 JAN / 14 MAR 7 3º Período 0 ABR / 1 ABR 18 1. Unidade Modular N.º 0 Instalações Elétricas

Leia mais

PROJETO E TECNOLOGIAS 10º ANO

PROJETO E TECNOLOGIAS 10º ANO Escola Artística de Soares dos Reis Rua Major David Magno, 4000-191 Porto Tlf.: 225 371 010. Fax: 225 102 187 www.essr.net CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014 2015 PROJETO E TECNOLOGIAS 10º ANO I - CRITÉRIOS GERAIS

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS

CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ANO LETIVO 2015/2016 No âmbito da distribuição de serviço docente o Conselho Pedagógico reafirma o primado da importância fulcral

Leia mais

e-manual Premium Manual

e-manual Premium Manual Manual zona de cola FÍSICO-QUÍMICA 8.o ANO Desdobráveis (Reações Químicas + Som e Luz) Fichas de Apoio (oferta ao aluno) Apoios Áudio (ficheiros mp para download) Caderno de Atividades (inclui Fichas de

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE FÍSICO-QUÍMICA 3º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE FÍSICO-QUÍMICA 3º CICLO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LOUSÃ 161391 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE FÍSICO-QUÍMICA 3º CICLO 2016-17 Objetivos da avaliação na disciplina de Físico-Química A avaliação na disciplina de Físico-Química

Leia mais

Curso Vocacional de Turismo e Restauração Higiene e Nutrição / 3º Ciclo Planificação a Longo Prazo

Curso Vocacional de Turismo e Restauração Higiene e Nutrição / 3º Ciclo Planificação a Longo Prazo Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Curso Vocacional de Turismo e Restauração Higiene e Nutrição / 3º Ciclo Planificação

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ECV370 Construção Civil I

Programa Analítico de Disciplina ECV370 Construção Civil I 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 2 2 4 Períodos - oferecimento:

Leia mais

Relatório de Acompanhamento LIGIA DE PAULA. 01º Mês Gerado em 08/12/2015

Relatório de Acompanhamento LIGIA DE PAULA. 01º Mês Gerado em 08/12/2015 01º Mês Gerado em 08/12/2015 Acompanhamento de Serviços Mobilização: 8 Preliminares: 8 Fundações: Estrutura: Cobertura: Divisórias: Revestimentos: Mármores e granitos: Esquadrias: Pintura: Instalações:

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Conforme o ponto 1 do artigo 128º do Regulamento Interno

Leia mais

Curso Vocacional de Turismo e Restauração Higiene e Nutrição / 3º Ciclo Planificação a Longo Prazo

Curso Vocacional de Turismo e Restauração Higiene e Nutrição / 3º Ciclo Planificação a Longo Prazo Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Curso Vocacional de Turismo e Restauração Higiene e Nutrição / 3º Ciclo Planificação

Leia mais

Argamassas Térmicas, uma solução

Argamassas Térmicas, uma solução Argamassas Térmicas, uma solução na melhoria do Desempenho Térmico dos Edifícios André Correia Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas e ETICS Fachadas Energeticamente Eficientes TEKtónica,

Leia mais

Plano de Formação 2014

Plano de Formação 2014 Plano de Formação 2014 APRENDIZAGEM Índice: APRENDIZAGEM...1 EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS 1 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA......1 FORMAÇÃO MODULAR CERTIFICADA...2 a 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTÍNUA...8

Leia mais

Critérios de Avaliação Jardim de Infância

Critérios de Avaliação Jardim de Infância CASA DE INFÂNCIA DE SANTO ANTÓNIO Departamento Curricular de Creche e Jardim de Infância Critérios de Avaliação Jardim de Infância Horta 2016/2017 2 Critérios de Avaliação Jardim de Infância A avaliação

Leia mais

2º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 6º Ano

2º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 6º Ano CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO A avaliação do aluno nas diferentes disciplinas e áreas curriculares disciplinares realiza-se em três domínios: afetivo, cognitivo, e psicomotor. Ou, usando uma terminologia

Leia mais

Informação Prova Prova código 302 de Biologia

Informação Prova Prova código 302 de Biologia Informação Prova Prova código 302 de Biologia Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Despacho normativo n.º 1-D/2016, de 4 de março O presente documento

Leia mais

Escola Secundária com 3.º CEB Poeta Al Berto Código Sines Ano letivo: 2016/2017 Planificação Anual

Escola Secundária com 3.º CEB Poeta Al Berto Código Sines Ano letivo: 2016/2017 Planificação Anual Departamento/Grupo disciplinar: 600 Artes Visuais Disciplina: Educação Visual Docentes: Vera Gonçalves e Maria Neves Não existe manual adotado Ano: 7.º.º Período 2.º Período 3.º Período 26 26 4 Apresentação/Avaliação

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fragoso 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fragoso

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO BÁSICO Regulamento dos Cursos Vocacionais do

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Mecatrónica PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Desenho Técnico Escolas Proponentes / Autores E P de Gaia Eng. António Jorge G. Antão

Leia mais

Sistema de Vedação Pré-fabricados de Betão Placas de Vedação e Pilares de Encaixe

Sistema de Vedação Pré-fabricados de Betão Placas de Vedação e Pilares de Encaixe Sistema de Vedação Pré-fabricados de Betão Placas de Vedação e Pilares de Encaixe www.lenartdecor.pt prestigio_ap@hotmail.com Tlm. +351967622810 Modernos pré-fabricadas as vedaçoes: têm muitas vantagens

Leia mais

Plano de Curso Não Regulamentado - Qualificação Profissional

Plano de Curso Não Regulamentado - Qualificação Profissional PERFIL PROFISSIONAL / IDENTIFICAÇÃO DA OCUPAÇÃO: Ocupação: Educação Profissional: Nível da Qualificação: Área Tecnológica: Competência Geral: Requisitos de Acesso: APLICADOR DE REVESTIMENTO CERÂMICO CBO:

Leia mais

PERFIL DE SAÍDA DO ITINERÁRIO DE QUALIFICAÇÃO

PERFIL DE SAÍDA DO ITINERÁRIO DE QUALIFICAÇÃO Escola-Sede - EB 2/3 Dr. José Pereira Tavares - Código 330050 Rua Padre Bernardo Xavier Coutinho 3720-464 Pinheiro da Bemposta MATRIZ DA PROVA DE AVALIAÇÃO FINAL CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO TIPO 2 NIVEL

Leia mais

PROJETO DE ARQUITECTURA

PROJETO DE ARQUITECTURA PROJETO DE ARQUITECTURA REQUERENTE: C.A.S BARROCAS Sociedade Agrícola, S.A. LOCAL DA OBRA: Herdade da Figueirinha, freguesia de Chancelaria, concelho de Alter do Chão TIPO DE OBRA: Construção de Pavilhão

Leia mais

Centro Escolar de Anta - Espinho Associação de pais PROJETO TERRACOTA

Centro Escolar de Anta - Espinho Associação de pais PROJETO TERRACOTA Centro Escolar de Anta - Espinho Associação de pais PROJETO TERRACOTA Ano de escolaridade: 1 º ciclo básico (1ª / 2º / 3º / 4º ano) Objetivo do projeto: utilizar o barro como recurso didático, no despertar

Leia mais

PRÁTICAS DE GESTÃO TECNOLÓGICA NAS EMPRESAS

PRÁTICAS DE GESTÃO TECNOLÓGICA NAS EMPRESAS PRÁTICAS DE GESTÃO TECNOLÓGICA NAS EMPRESAS Atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Experimental e Engenharia Não Rotineira (P&D&E) Pesquisa Básica trabalho teórico ou experimental que tem por objetivo

Leia mais

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa Papel das Escolas e dos Orientadores Cooperantes no Mestrado em Ensino Documento de orientação aprovado pela Comissão Pedagógica dos Mestrados em Ensino em 25 de maio de 2016 O presente documento dirige-se

Leia mais

TABELA A: EXAMES E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO 2016

TABELA A: EXAMES E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO 2016 ANEXO IX EXAMES NACIONAIS, PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA, PROVAS DE INGRESSO E CURSOS DO ENSINO SECUNDÁRIO TABELA A: EXAMES E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO 2016 A1. EXAMES

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 2015 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)» INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA VALONGO, JUNHO 2013 INTRODUÇÃO O Plano de Melhoria constitui-se como instrumento de suporte à programação e à implementação da melhoria

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V Ensino Básico 2º Ciclo CIÊNCIAS NATURAIS Peso na Avaliação Final Testes de avaliação e/ou outros trabalhos escritos; Aquisição de conhecimentos; Domínio da Língua Portuguesa ao nível da expressão oral

Leia mais

DECivil GESTEC CAP.VI. Licenciatura em Engenharia Civil. Processos de Construção FASES DE UM PROJECTO ASPECTOS GERAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1/86

DECivil GESTEC CAP.VI. Licenciatura em Engenharia Civil. Processos de Construção FASES DE UM PROJECTO ASPECTOS GERAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1/86 CAP.VI FASES DE UM PROJECTO 1/86 1. FASES DO PROJECTO 2/86 FASES CONCURSO ADJUDICAÇÃO CONCEPÇÃO / PROJECTO CONSTRUÇÃO CONCURSO ADJUDICAÇÃO EXPLORAÇÃO E MANUTENÇÃO VIDA ÚTIL 3/86 CONCEPÇÃO INICIAL DEFINIÇÃO

Leia mais

Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA 5º, 6 º ANOS. Critérios de Avaliação / Indicadores / Operacionalização dos Indicadores

Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA 5º, 6 º ANOS. Critérios de Avaliação / Indicadores / Operacionalização dos Indicadores Agrupamento de Escolas de Oliveira de Frades Escola Básica e Secundária de Oliveira de Frades Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA 5º, 6 º ANOS Critérios Específicos de Avaliação da Disciplina de Educação Física

Leia mais

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil de aprendizagens específicas do aluno à saída 1.º Ciclo do Ensino Básico Tendo em atenção as características estruturais e humanas das Escolas

Leia mais

CANTEIRO DE OBRAS: elementos de projeto

CANTEIRO DE OBRAS: elementos de projeto outubro/2001 AULA 11 CANTEIRO DE OBRAS: elementos de projeto PCC-2302: Gestão da Produção na Construção Civil II Profs. Silvio Melhado e Mercia Barros Assistentes de Ensino: Rita Medeiros; Janayna Aquino;

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017 Psicólogas do Externato Pré-Escolar Vera Almeida 1º Ciclo Vera Almeida 2º Ciclo Manuela Pires 3º Ciclo Irene Cardoso Ensino Secundário

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

TECNOLOGIAS APLICADAS

TECNOLOGIAS APLICADAS ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO Ano Lectivo: 2009/2010 CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES TECNOLOGIAS APLICADAS 12 ANO - Turma TE Professor: Ana Lisa Rodrigues Grupo: 0 Tecnologias

Leia mais

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Conhecer materiais riscadores e respetivos suportes físicos. Dominar materiais básicos de desenho técnico. Dominar a aquisição de conhecimento prático. Compreender a geometria enquanto elemento de organização

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência. Data: 3 de maio de 2017

Informação Prova de Equivalência à Frequência. Data: 3 de maio de 2017 Informação - Prova de de Expressões Artísticas e Físico-Motoras: Prova Escrita Expressão e Educação Plástica Prova Prática Expressão e Educação Musical, Expressão e Educação Dramática e Expressão e Educação

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO SETEMBRO DE 2015 ( ) Não me prendas as mãos não faças delas instrumento dócil de inspirações que ainda não vivi Deixa-me arriscar o molde talvez

Leia mais

Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação - Interpretação e comunicação

Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação - Interpretação e comunicação Educação Musical º ANO C Ano Letivo: 0/0. Introdução / Finalidades A música enquanto disciplina tem como um dos objetivos fundamentais o desenvolvimento do pensamento musical dos alunos, através da compreensão

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PEDRAS NATURAIS

CERTIFICAÇÃO PEDRAS NATURAIS Indústria Extractiva e Transformadora de Rocha CERTIFICAÇÃO PEDRAS NATURAIS Empresas - Agregados Rocha Ornamental 1 Certificação de Empresas Referenciais (exemplos): NP EN ISO 9001 (Sistemas de Gestão

Leia mais

Nº Desempenho de sistemas habitacionais com painéis pré-moldados de concreto: uma experiência real apresentada pelo IPT.

Nº Desempenho de sistemas habitacionais com painéis pré-moldados de concreto: uma experiência real apresentada pelo IPT. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 174566 Desempenho de sistemas habitacionais com painéis pré-moldados de concreto: uma experiência real apresentada pelo IPT Luciana Alves de Oliveira Palestra apresentado no SEMINÁRIO

Leia mais

Desempenho de sistemas habitacionais produzidos com painéis pré-moldados de concreto: Uma experiência real apresentada pelo IPT.

Desempenho de sistemas habitacionais produzidos com painéis pré-moldados de concreto: Uma experiência real apresentada pelo IPT. Desempenho de sistemas habitacionais produzidos com painéis pré-moldados de concreto: Uma experiência real apresentada pelo IPT Luciana Oliveira Apresentação Objetivos do SiNAT / Cronologia Processo de

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva 11º

Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva 11º DISCIPLINA: Gestão de Instalações Desportivas Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva 11º COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania Promover:

Leia mais

Construção. e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes. Tipos de pavimentos. IST - DECivil. Sumário. da aula. Total de páginas: 11 1

Construção. e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes. Tipos de pavimentos. IST - DECivil. Sumário. da aula. Total de páginas: 11 1 1/32 Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes Aula T9 Pavimentos Sumário da aula Construção e manutenção de pavimentos rodoviários: Pavimentos rígidos Construção de camadas em betão de

Leia mais

Monoblocos Integrados para Quartos de Banho e Cozinhas em G.F.R.C. Recorrendo à tecnologia por si patenteada, o Grupo Pavicentro, apresenta no mercado

Monoblocos Integrados para Quartos de Banho e Cozinhas em G.F.R.C. Recorrendo à tecnologia por si patenteada, o Grupo Pavicentro, apresenta no mercado Monoblocos Integrados para Quartos de Banho e Cozinhas em G.F.R.C. G R U P O damos forma ao progresso Monoblocos Integrados para Quartos de Banho e Cozinhas em G.F.R.C. Recorrendo à tecnologia por si patenteada,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS ANO LETIVO 2015/2016

ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS ANO LETIVO 2015/2016 ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS ANO LETIVO 2015/2016 Avaliação das aprendizagens dos alunos A 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E CURSOS CIENTÍFICOHUMANÍSTICOS DO ENSINO SECUNDÁRIO

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio de Janeiro - Campus Pinheiral Planilha Orçamentária - Projeto Padrão

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio de Janeiro - Campus Pinheiral Planilha Orçamentária - Projeto Padrão 1 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 4.380,62 1.1 74077/001 SINAPI 1.2 85423 SINAPI 1.3 90778 SINAPI LOCACAO CONVENCIONAL DE OBRA, ATRAVÉS DE GABARITO DE TABUAS CORRIDAS PONTALETADAS, SEM REAPROVEITAMENTO ISOLAMENTO

Leia mais

PROJETO DA DIREÇÃO 10º AV1 DE ACOMPANHAMENTO DE TURMA TÉCNICA UNIVERSIDADE FACULDADE HUMANA BÁSICA ESCOLA DE LISBOA DE MOTRICIDADE E SECUNDÁRIA

PROJETO DA DIREÇÃO 10º AV1 DE ACOMPANHAMENTO DE TURMA TÉCNICA UNIVERSIDADE FACULDADE HUMANA BÁSICA ESCOLA DE LISBOA DE MOTRICIDADE E SECUNDÁRIA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE GAMA BARROS PROJETO DE ACOMPANHAMENTO DA DIREÇÃO DE TURMA 10º AV1 Orientador da Faculdade: Mestre Acácio Gonçalves

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO 2015-2016 Avaliação (Decreto-Lei n.º 139/2012 de 5 de julho; Despacho Normativo nº 17-A/2015 de 22 de Setembro e Despacho Normativo nº 13/2014 de 15

Leia mais

Escola Profissional Agrícola Conde de S. Bento

Escola Profissional Agrícola Conde de S. Bento Escola Profissional Agrícola Conde de S. Bento CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CURSOS PROFISSIONAIS Ano Letivo 2014/2015 1. INTRODUÇÃO O processo de avaliação das aprendizagens, na Escola Profissional Agrícola

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer Curso Profissional e é indispensável para a obtenção de um

Leia mais

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência?

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? VOCÊ SABE O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? Setembro 2014 www.in-formacao.com.pt Formador/a O formador é o técnico

Leia mais