Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar"

Transcrição

1 Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Módulo Processos de construção LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO A68262 Sara Cardoso A68222 Ana Catarina Silva Guimarães, 07 de fevereiro de 2014

2

3 Índice Índice Introdução Programação e Planeamento de Obra Movimento de Terras Drenagem de elementos enterrados Soluções Construtivas para coberturas, paredes e pavimentos Anexos

4 Introdução O trabalho pretendido no decurso do módulo - Processos de Construção, consistia no estudo de aspetos relacionados com a tecnologia de construção do edifício em estudo na UC de Projeto III. Para tal foram realizados quatro pontos de trabalho, programação e planeamento de obra, movimento de terras, drenagem de elementos enterrados e soluções construtivas para coberturas, paredes e pavimentos.

5 Programação e Planeamento de Obra Pretendia-se com este ponto que se realizasse o planeamento da obra do edifício em questão, assim como se estudasse as equipas intervenientes na mesma e a duração de cada etapa. Tarefas Montagem do estaleiro e vedações Instalações provisórias destinadas ao pessoal e para funcionamento dos serviços do estaleiro Instalações de vias de acesso, caminhos de circulação e vedações Instalação de redes provisórias de alimentação e de distribuição de águas, eletricidade, telefones, gás e as redes de esgotos Instalação de gruas e outros equipamentos Movimento de Terras Limpeza e desmatação do terreno Decapagem do terreno Implantação da obra, incluindo trabalho de campo necessários, implantação de marcas e eixos, balizamentos e demais trabalhos necessários. Escavação / aterro para garantir plataformas às cotas do projeto (1) Abertura de caboucos para fundações Aberturas de valas para canalizações e caixas enterradas Realização de sistemas de drenagem provisório (se necessário) Fundações Realização de fundações (sapatas e lintéis de fundação) Colocação de betão de limpeza Colocação de armaduras das fundações e de arranques de pilares e arranque paredes resistentes Colocação de Cofragem Betonagem Pilares e Paredes Resistentes do 1º piso Colocação das armaduras Colocação de cofragem e escoramento Betonagem Colocação de tubagem enterrada e respetivas caixas Realização do sistema de drenagem de águas pluviais e freáticas Assentamento das redes enterradas e realização das respetivas caixas Execução do pavimento térreo: Realização de uma caixa de brita Colocação de uma camada de argamassa seca

6 Paredes enterradas Colocação da Impermeabilização e Isolamento térmico Realização de uma lajeta de betão armada com malhasol Pilares e Paredes resistentes Colocação das armaduras Colocação de cofragem e escoramento Betonagem Montagem de aparelhos sanitários Realização do sistema de drenagem de águas pluviais e freáticas Assentamento das redes enterradas e realização das respetivas caixas Colocação de equipamentos elétricos Abertura de roços Colocação de tubagem para traçado de rede elétrica Execução do Revestimento e outros elementos da cobertura e terraços: Colocação da impermeabilização e isolamento térmico Instalação dos elementos de drenagem de águas pluviais (caleiras) Revestimentos exteriores Colocação da impermeabilização e isolamento térmico Instalação dos elementos de drenagem de águas pluviais (caleiras) Colocação do revestimento exterior Caixilharias exteriores Guarnecimentos de vãos exteriores Revestimentos de paredes interiores e tetos Rebocos Tetos falsos em gesso cartonado Revestimentos resistentes à água nas zonas húmidas Revestimentos de pavimentos Revestimentos de pavimentos em zonas húmidas Revestimento de pavimentos: colocação de tacos, parquetes, ladrilhos, aglomerados de cortiças, etc. Carpintarias Guarnecimento de vãos interiores (incluindo colocação de rodapés) Montagem do equipamento final da cozinha e casas de banho Ligação definitiva às redes públicas disponíveis nomeadamente eletricidade, gás e água.

7 Desmontagem de estaleiro e limpezas finais Tabela de rendimentos e constituição das equipas a considerar no planeamento das atividades de construção Tarefas Equipa Duração/ Rendimento Montagem do estaleiro e 1 equipa 3 dias vedações Movimento de Terras 1 equipa + Máquina 8 dias Fundações 2 equipas 5 dias Colocação de tubagem enterrada 2 equipa 10 dias e respetivas caixas Paredes enterradas 2 equipas 2 dias Pilares e Paredes resistentes 2 equipas 12 dias Montagem de aparelhos sanitários 1 equipa 4 dias Colocação de equipamentos elétricos Subempreiteiro 5 dias Lajes e vigas 2 equipas 30 dias Execução do Revestimento e 1 subempreiteiro + 1 equipa 10 dias outros elementos da cobertura e terraços Revestimentos exteriores 2 equipas 15 dias Caixilharias exteriores 1 equipa 10 dias Revestimentos de paredes 2 equipas 15 dias interiores e tetos Revestimentos de pavimentos 2 equipas 15 dias Carpintarias 2 equipas 25 dias Montagem do equipamento final 2 equipas 4 dias da cozinha e casas de banho Ligação definitiva às redes públicas disponíveis nomeadamente eletricidade, gás e água. Desmontagem de estaleiro e limpezas finais Entidade responsável 3 dias 1 equipa 3 dias

8 Diagrama de Gantt

9 Movimento de Terras Neste ponto o pretendido era estudar o movimento de terras para a implantação do edifício. Primeiramente realizamos a planta e em seguida a previsão do movimento de terras, nomeadamente volumes de aterro e escavação, Planta da habitação

10 Perfis do terreno Planta dos movimentos de terras

11 Perfil Area de decapagem Area de aterro Area de escavação Distância Volume de decapagem Volume de aterro Volume de escavação , , , , Totais ,4

12 Drenagem de elementos enterrados Com este ponto pretendia-se que se estudasse a drenagem dos elementos enterrados. Admitindo que o nível freático se encontra a uma profundidade superior, pedia-se uma solução definitiva para a drenagem de águas freáticas e pluviais do terreno. Planta de estudo do sistema de drenagem

13 Soluções Construtivas para coberturas, paredes e pavimentos Cobertura: A cobertura da habitação é plana, tem uma inclinação inferior a 8%. Uma vez que a cobertura não é acessível optamos pela cobertura invertida. A cobertura invertida tem a vantagem de ter a membrana betuminosa protegida contra o choque térmico, danos mecânicos e radiação ultravioleta, também tem como vantagem, não necessitar de barreira pára-vapor. A desvantagem deste método é o facto do isolante térmico estar exposto a humidade o que limita a escolha do isolante e o desempenho do mesmo, que irá variar consoante o tempo ( se está húmido ou seco).

14 Envolvente vertical opaca Paredes exteriores Para as paredes exteriores optamos por uma parede simples com isolamento térmico continuo pelo exterior (etics), para que se obtenha melhor isolamento, isolamento continuo.

15 Paredes interiores As paredes interiores são em gesso cartonado porque assim consegue-se paredes de menor espessura, levando a um melhor aproveitamento dos espaços interiores e, também, porque as instalações podem ficar no interior da parede, tornando desnecessário quebras.

16 Pavimentos Sob um ponto de vista meramente estético escolhemos soalho. Pavimento piso térreo

17 Pavimento segundo piso

18 Anexos Planta Piso 1

19 Planta Pisos 2 e 3

1.1 Montagem de estaleiro, compreendendo instalações e equipamentos necessários á execução da obra.

1.1 Montagem de estaleiro, compreendendo instalações e equipamentos necessários á execução da obra. ORÇAMENTO OBRA: CONSTRUÇÃO HABITAÇÃO UNIFAMILIAR Dono de obra: Local da obra: 1 Estaleiro 1.1 Montagem de estaleiro, compreendendo instalações e equipamentos necessários á execução da obra. 2 Movimentos

Leia mais

Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia

Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia I. CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia 1/70 5. FASES CONSTRUTIVAS estrutura pórtico sapatas vigas de fundação

Leia mais

ENGº CARLOS GARRIDO ORÇAMENTO

ENGº CARLOS GARRIDO ORÇAMENTO 1 3 OBRAS DE ARTE INTEGRADAS Trabalhos a realizar de acordo com o projecto e satisfazendo o especificado no C.E. 3-01 - OBRA DE ARTE 1 (O.A.1) 3-01.01 - Escavação de terreno de qualquer natureza para abertura

Leia mais

REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO

REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO ÍNDICE 1 CADERNO DE ENCARGOS 2 PROJECTO DE EXECUÇÃO A ARQUITECTURA 1.1.2 Solução Proposta 1.1.2.1 - Introdução 1.1.2.2 Caracterização do Espaço 1.1.2.2.1

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 www.patorreb.com Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-2

Leia mais

Gestão de Obras e Estaleiros

Gestão de Obras e Estaleiros Gestão de Obras e Estaleiros Planeamento Grupo 13 Ricardo Dias Nº31209 Tânia Henriques Nº33099 Pedro Duarte Nº33787 Semestre Inverno 2011/12 Índice GESTÃO DE OBRAS E ESTALEIROS Introdução... 3 Sequência

Leia mais

MANUAL DE OBRAS DE SANEAMENTO MOS 3ª EDIÇÃO

MANUAL DE OBRAS DE SANEAMENTO MOS 3ª EDIÇÃO 3ª EDIÇÃO ÍNDICE GERAL P/ 1/5 0 DISPOSIÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO, ORÇAMENTO... 2/39 CONTRATO, SUBCONTRATAÇÃO... 6/39 PRAZO DE EXECUÇÃO, GARANTIA DE SERVIÇO... 7/39 INST. DA OBRA, PESSOAL DA CONTRATADA... 8/39

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 2º Semestre 2014/2015 A CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS Construção de Obras Públicas - Obras de Arte, Viadutos, Túneis, Ferrovias,

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O

R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O PEDRO ANDRÉ RIBEIRO ALVES RELATÓRIO PARA A OBTENÇÃO DO DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM

Leia mais

FUNDAÇÕES DE EDIFÍCIOS ANTIGOS

FUNDAÇÕES DE EDIFÍCIOS ANTIGOS FUNDAÇÕES DE EDIFÍCIOS ANTIGOS CONSTRUÇÃO TRADICIONAL Licenciatura em Arquitectura IST António Moret Rodrigues TIPOS DE FUNDAÇÃO I As FUNDAÇÕES ou ALICERCES dos edifícios antigos dependiam, como hoje:

Leia mais

BOSCH BRAGA BRG 801 FASE 2. FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS PROJETO DE EXECUÇÃO Rev. 02_

BOSCH BRAGA BRG 801 FASE 2. FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS PROJETO DE EXECUÇÃO Rev. 02_ BOSCH BRAGA BRG 801 FASE 2 FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS PROJETO DE EXECUÇÃO Rev. 02_2017.08.24 MAPA DE TRABALHOS E QUANTIDADES BOSCH BRAGA BRG 801 FASE 2 FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS PROJETO DE EXECUÇÃO BOSCH BRAGA

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS E OBRAS GUIÃO DA DISCIPLINA DOCENTES: Prof. Antunes Ferreira Prof. Pedro Gameiro Henriques Prof. Rui Cunha Marques Eng.ª Inês Flores-Colen ANO LECTIVO

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio de Janeiro - Campus Pinheiral Planilha Orçamentária - Projeto Padrão

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio de Janeiro - Campus Pinheiral Planilha Orçamentária - Projeto Padrão 1 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 4.380,62 1.1 74077/001 SINAPI 1.2 85423 SINAPI 1.3 90778 SINAPI LOCACAO CONVENCIONAL DE OBRA, ATRAVÉS DE GABARITO DE TABUAS CORRIDAS PONTALETADAS, SEM REAPROVEITAMENTO ISOLAMENTO

Leia mais

reablitz reabilitação eficiente e sustentável

reablitz reabilitação eficiente e sustentável MEMBRANAS BETUMINOSAS EMULSÕES BETUMINOSAS Sede e Fábrica Zona Industrial - Pau Queimado 80-00 Montijo - Portugal Tel.: 00 - Fax: 0 Delegação Comercial do Norte Vilar do Senhor Vila Nova da Telha 0-8 Maia

Leia mais

PROJETO DE ALTERAÇÃO DA REDE ELÉTRICA E REPARAÇÕES DO CENTRO EMPRESARIAL DA MARINHA GRANDE MARINHA GRANDE PROJECTO DE ARQUITECTURA EXECUÇÃO

PROJETO DE ALTERAÇÃO DA REDE ELÉTRICA E REPARAÇÕES DO CENTRO EMPRESARIAL DA MARINHA GRANDE MARINHA GRANDE PROJECTO DE ARQUITECTURA EXECUÇÃO PROJETO DE ALTERAÇÃO DA REDE ELÉTRICA E REPARAÇÕES DO CENTRO EMPRESARIAL DA PROJECTO DE ARQUITECTURA EXECUÇÃO INDICE VOLUME 01 - ARQUITETURA 1 MEMÓRIA DESCRITIVA 1. INTRODUÇÃO 3 2. ENQUADRAMENTO_ 3 3.

Leia mais

PLANEAMENTO E GESTÃO DE OBRAS (PGO) PLANEAMENTO DE OBRAS EXEMPLO RESOLVIDO ENUNCIADO

PLANEAMENTO E GESTÃO DE OBRAS (PGO) PLANEAMENTO DE OBRAS EXEMPLO RESOLVIDO ENUNCIADO PLANEAMENTO E GESTÃO DE OBRAS (PGO) PLANEAMENTO DE OBRAS EXEMPLO RESOLVIDO ENUNCIADO Uma empresa de construção especializada na realização de piscinas pretende programar a execução da piscina mais corrente.

Leia mais

Instalações e Equipamentos Hidráulicos Mapa de Trabalhos e Quantidades

Instalações e Equipamentos Hidráulicos Mapa de Trabalhos e Quantidades Instalações e Equipamentos Hidráulicos Mapa de Trabalhos e Quantidades CÓDIGO Artigo DESIGNAÇÃO UN. QUANT. PREÇO (EUROS) UNIT. TOTAL 1 REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 1.1 Rede Exterior 1 1.1.1 Fornecimento

Leia mais

Cobertura. Figura 15 - Alvenaria, verga e contraverga. Fonte: Acervo do autor.

Cobertura. Figura 15 - Alvenaria, verga e contraverga. Fonte: Acervo do autor. 23 Figura 15 - Alvenaria, verga e contraverga. Fonte: Acervo do autor. 4.1.10. Cobertura Após a cura da laje, foi executada a torre da caixa d água e a cobertura. A madeira utilizada para a estrutura da

Leia mais

CORTINAS DE ESTACAS MOLDADAS

CORTINAS DE ESTACAS MOLDADAS CORTINAS DE ESTACAS MOLDADAS Autora: Eng.ª Sandra Lopes Coordenação: Prof. F. A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia 1/44 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ESTACAS MOLDADAS

Leia mais

arquitectos CADERNO DE ENCARGOS HABITAÇÃO UNIFAMILIAR REQUERENTE: Patrícia Almeida / José Dias LOCAL DA OBRA: Braga

arquitectos CADERNO DE ENCARGOS HABITAÇÃO UNIFAMILIAR REQUERENTE: Patrícia Almeida / José Dias LOCAL DA OBRA: Braga CADERNO DE ENCARGOS HABITAÇÃO UNIFAMILIAR REQUERENTE: Patrícia Almeida / José Dias LOCAL DA OBRA: Braga 1 Índice: 1. MOVIMENTO DE TERRAS E DEMOLIÇÕES 2. ESTRUTURA 3. PAREDES 4. ISOLAMENTO DA COBERTURA

Leia mais

Relatório de Estágio Formal

Relatório de Estágio Formal Relatório de Estágio Formal Visão global sobre o mercado da construção através da integração nos diversos departamentos de uma empresa de construção interligados à direcção de obra. Candidato: Adriano

Leia mais

DECivil GESTEC CAP.VI. Licenciatura em Engenharia Civil. Processos de Construção FASES DE UM PROJECTO ASPECTOS GERAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1/86

DECivil GESTEC CAP.VI. Licenciatura em Engenharia Civil. Processos de Construção FASES DE UM PROJECTO ASPECTOS GERAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1/86 CAP.VI FASES DE UM PROJECTO 1/86 1. FASES DO PROJECTO 2/86 FASES CONCURSO ADJUDICAÇÃO CONCEPÇÃO / PROJECTO CONSTRUÇÃO CONCURSO ADJUDICAÇÃO EXPLORAÇÃO E MANUTENÇÃO VIDA ÚTIL 3/86 CONCEPÇÃO INICIAL DEFINIÇÃO

Leia mais

PÁGINA Município da Marinha Grande DATA IMPRESSÃO 1 MAPA DE QUANTIDADES DO PROJECTO 2015/07/06

PÁGINA Município da Marinha Grande DATA IMPRESSÃO 1 MAPA DE QUANTIDADES DO PROJECTO 2015/07/06 1 MAPA DE QUANTIDADES DO PROJECTO 2015/07/06 1 1.1 DESMATAÇÃO E DECAPAGEM Corte e remoção de árvore, extração de troco e raízes com posterior enchimento e 1.000 U compactação da abertura com terra da própria

Leia mais

A Planivis incorpora nas suas construções modulares materiais sustentáveis, nomeadamente*:

A Planivis incorpora nas suas construções modulares materiais sustentáveis, nomeadamente*: Princípio construtivo: O conceito de construção modular, assenta na execução de módulos com uma estrutura metálica mista, 100% reciclável, de aço laminado a quente (aço pesado ) e aço leve galvanizado.

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Pavimentos em contacto com o terreno......- Lajes térreas.....- Fachadas......- Parte opaca das fachadas......- Aberturas em fachada.....- Paredes meeiras... 5..- Coberturas...

Leia mais

Relatório de Acompanhamento LIGIA DE PAULA. 01º Mês Gerado em 08/12/2015

Relatório de Acompanhamento LIGIA DE PAULA. 01º Mês Gerado em 08/12/2015 01º Mês Gerado em 08/12/2015 Acompanhamento de Serviços Mobilização: 8 Preliminares: 8 Fundações: Estrutura: Cobertura: Divisórias: Revestimentos: Mármores e granitos: Esquadrias: Pintura: Instalações:

Leia mais

VIABILIDADE ECONÓMICA DE CONSTRUÇÕES NOVAS EM ALVENARIA DE PEDRA

VIABILIDADE ECONÓMICA DE CONSTRUÇÕES NOVAS EM ALVENARIA DE PEDRA VIABILIDADE ECONÓMICA DE CONSTRUÇÕES NOVAS EM ALVENARIA DE PEDRA Ana Cristina de Freitas, Eng.ª Civil, Mestre em Construção, IST Jorge de Brito, Professor Associado, IST 1 - SUMÁRIO A pedra natural constitui,

Leia mais

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2016 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS ESPÉCIES RESINOSAS COLA EM POLIURETANO

Leia mais

Proposta: CORREDORES VERDES EM FERREIRA DO ALENTEJO - Espaço adjacente à EN 2

Proposta: CORREDORES VERDES EM FERREIRA DO ALENTEJO - Espaço adjacente à EN 2 1 ESTALEIRO 1.1. Execução de montagem e desmontagem de estaleiro, adequado à natureza dos trabalhos a executar e à dimensão da obra, incluindo reposição de pavimentos e solo, fornecimento, montagem e desmontagem

Leia mais

Capitulo 1. Vg 1. Vg 1. Capitulo 2. m 2 650,60 5, ,00. m 2 78,59 8,00 628,72. m ,

Capitulo 1. Vg 1. Vg 1. Capitulo 2. m 2 650,60 5, ,00. m 2 78,59 8,00 628,72. m , Art. Designação da obra Un Quantidade Preço Unitário Importâncias Capitulo 1 1.1 Estaleiro e segurança 1.1.1 Montagem, desmontagem e manutenção de estaleiro e equipamentos para apoio à obra e ao seu perfeito

Leia mais

1. TIPO DE CASA 2. TIPO DE PAREDE 3. TIPO DE FUNDAÇÃO 4. MEDIDAS DE CASA 5. DIVISÃO DE CASA. No exterior, argamassa, no interior placa de gesso

1. TIPO DE CASA 2. TIPO DE PAREDE 3. TIPO DE FUNDAÇÃO 4. MEDIDAS DE CASA 5. DIVISÃO DE CASA. No exterior, argamassa, no interior placa de gesso Preço de aproximar: 81300 * *O preço calculado reflete acerca do 80 porcento de preço final. Depois de uma reunião pessoal, a gente calcula o valor final. 1. TIPO DE CASA Variação tipo de casa 1. Variação

Leia mais

INTRODUÇÃO...XI CONTEÚDO DA PUBLICAÇÃO...XI UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA INFORMAÇÃO...XIV EXPLORAÇÃO INFORMÁTICA...XVII CONTINUIDADE DE PUBLICAÇÕES...

INTRODUÇÃO...XI CONTEÚDO DA PUBLICAÇÃO...XI UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA INFORMAÇÃO...XIV EXPLORAÇÃO INFORMÁTICA...XVII CONTINUIDADE DE PUBLICAÇÕES... NOTAS EXPLICATIVAS Pág. INTRODUÇÃO...XI CONTEÚDO DA PUBLICAÇÃO...XI UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA INFORMAÇÃO...XIV EXPLORAÇÃO INFORMÁTICA...XVII CONTINUIDADE DE PUBLICAÇÕES...XVIII OPERAÇÕES DE CONSTRUÇÃO VOLUME

Leia mais

Código Designação Unidade Quantidade Preço Base Preço de Referência 1 TRABALHOS PREPARATÓRIOS 1.1 Fornecimento, montagem e desmontagem de estaleiro

Código Designação Unidade Quantidade Preço Base Preço de Referência 1 TRABALHOS PREPARATÓRIOS 1.1 Fornecimento, montagem e desmontagem de estaleiro Criação de Código Designação Unidade Quantidade Preço Base Preço de Referência 1 TRABALHOS PREPARATÓRIOS 1.1 Fornecimento, montagem e desmontagem de estaleiro para execução da empreitada, incluindo montagem

Leia mais

CONSTRUÍMOS A CASA DOS SEUS SONHOS Desenvolvemos qualquer projecto à sua medida

CONSTRUÍMOS A CASA DOS SEUS SONHOS Desenvolvemos qualquer projecto à sua medida CONSTRUÍMOS A CASA DOS SEUS SONHOS Desenvolvemos qualquer projecto à sua medida STORY HOUSE PREÇO DESDE: 130.000 + IVA RIVER HOUSE PREÇO DESDE: 250.000 + IVA SEA HOUSE PREÇO DESDE: 350.000 + IVA COUNTRY

Leia mais

7 Imóveis Habitação. Moradia Arruda dos Vinhos (UL ) R do Poço, nº 2 Rés-do-chão, Arruda dos Vinhos

7 Imóveis Habitação. Moradia Arruda dos Vinhos (UL ) R do Poço, nº 2 Rés-do-chão, Arruda dos Vinhos Moradia unifamiliar T6 de três pisos, com área de habitação de 293 m2 (R/C e 1º andar) a que acresce um sótão de 133 m2, localizada em Arruda dos Vinhos, em Lisboa. O imóvel encontra-se na pequena povoação

Leia mais

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco A. Baio Dias 12 de Novembro 2008 UMinho, Portugal 1 Projecto cbloco 1. Objectivos do Projecto

Leia mais

Rua Rui Frazao Soares, 81 - Ala Belize, Sala 204/205 - Barra da Tijuca - RJ Tel.: Pág.

Rua Rui Frazao Soares, 81 - Ala Belize, Sala 204/205 - Barra da Tijuca - RJ Tel.: Pág. Rio de Janeiro, 04 de Abril de 2016 Segunda Feira Tempo estável Continuidade no trabalho de escavação Sendo executado estruturas de canteiro tais como: banheiro, vestiário e depósito de cimento Arrumação

Leia mais

Serviços Preliminares: Planejamento da execução exercício

Serviços Preliminares: Planejamento da execução exercício DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I Serviços Preliminares: Planejamento da execução exercício Profs. Luiz Sergio Franco, Fernando Henrique

Leia mais

PROJECTOASGARD ASGARD

PROJECTOASGARD ASGARD ASGARD Principais características do sistema construtivo ASGARD ASGARD Construção projectada para poupar energia Um consumo energético para aquecimento inferior a 15kWh/m2/ano, Um consumo energético para

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA Obra: Construção de um edifício destinado a casa mortuária Local: Rua da Tulha Alvite 1. Considerações Gerais 1.1 Introdução Refere-se a presente memória descritiva e

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ECV370 Construção Civil I

Programa Analítico de Disciplina ECV370 Construção Civil I 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 2 2 4 Períodos - oferecimento:

Leia mais

ETICS GF ETICS BT FABRIC. poliestireno extrudido. Aplicações recomendadas de placas de isolamento FIBRANxps MAESTRO INCLINE L 300 C I

ETICS GF ETICS BT FABRIC. poliestireno extrudido. Aplicações recomendadas de placas de isolamento FIBRANxps MAESTRO INCLINE L 300 C I poliestireno extrudido Aplicações recomendadas de placas de - L C - I 0 - L 00 - L 00 - L MAESTRO ETICS GF ETICS BT SB FABRIC INCLINE COBERTURAS Coberturas planas invertidas Coberturas planas invertidas

Leia mais

1 INFRA-ESTRUTURA Fundações PROFESSORA MSC DAYANA RUTH

1 INFRA-ESTRUTURA Fundações PROFESSORA MSC DAYANA RUTH 1 INFRA-ESTRUTURA Fundações PROFESSORA MSC DAYANA RUTH Fundações São elementos estruturais destinados a suportar toda a carga de pressão proveniente dos carregamentos de esforços oriundos do peso próprio

Leia mais

Gestão da Construção - Anexo 7A1 - Mapa de quantidades Página 1

Gestão da Construção - Anexo 7A1 - Mapa de quantidades Página 1 DIMENSÕES QUANTIDADES comp. larg. alt. UN elemento parciais CAP. art. DESCRIÇÃO DOS TRABALHOS ELEMENTO 0 ESTALEIRO 0.1 Montagem e desmontagem de estaleiro 1 vg 1 ALVENARIAS 1.1 Tijolo Cerâmico 1.1.1 Paredes

Leia mais

Monoblocos Integrados para Quartos de Banho e Cozinhas em G.F.R.C. Recorrendo à tecnologia por si patenteada, o Grupo Pavicentro, apresenta no mercado

Monoblocos Integrados para Quartos de Banho e Cozinhas em G.F.R.C. Recorrendo à tecnologia por si patenteada, o Grupo Pavicentro, apresenta no mercado Monoblocos Integrados para Quartos de Banho e Cozinhas em G.F.R.C. G R U P O damos forma ao progresso Monoblocos Integrados para Quartos de Banho e Cozinhas em G.F.R.C. Recorrendo à tecnologia por si patenteada,

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Miguel das Missões Construção de Lavanderia na UBS/Bairro Alegria PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Prefeitura Municipal de São Miguel das Missões Construção de Lavanderia na UBS/Bairro Alegria PLANILHA ORÇAMENTÁRIA 3.3 73942/002 Prefeitura Municipal de São Miguel das Missões 1. SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 355,38 1.1 73801/001 DEMOLICAO DE PISO DE ALTA RESISTENCIA M² 8,25 R$ 17,84 R$ 22,30 R$ 183,98 1.2 LOCACAO CONVENCIONAL

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES CAMPUS VILLA LOBOS. Construção Civil

UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES CAMPUS VILLA LOBOS. Construção Civil UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES CAMPUS VILLA LOBOS Construção Civil 7 semestre Prof. Me. Jorge S. Lyra 2017 Fundações Introdução Fundações NBR 6122/2010 Esta Norma fixa o procedimento, projeto e execução

Leia mais

Curso de Certificação de Projetista de Térmica- REH

Curso de Certificação de Projetista de Térmica- REH Nome: TODAS AS RESPOSTAS DEVERÃO SER JUSTIFICADAS Grupo 1 (7,5 valores) Considere as peças desenhadas anexas correspondentes ao projeto de uma moradia a construir no concelho de Cascais, a uma altitude

Leia mais

(72) Inventor(es): (74) Mandatário: (54) Epígrafe: SISTEMA DE CONSTRUÇÃO LEVE EM AÇO ENFORMADO A FRIO

(72) Inventor(es): (74) Mandatário: (54) Epígrafe: SISTEMA DE CONSTRUÇÃO LEVE EM AÇO ENFORMADO A FRIO (11) Número de Publicação: PT 10542 T (51) Classificação Internacional: E04C 2/08 (2006.01) E04B 1/80 (2006.01) E04B 1/86 (2006.01) (12) FASCÍCULO DE MODELO DE UTILIDADE (22) Data de pedido: 2010.03.06

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO TABELAS DE CUSTOS SIN-RN X SINAPI-RN (JAN-2013)

ESTUDO COMPARATIVO TABELAS DE CUSTOS SIN-RN X SINAPI-RN (JAN-2013) CÓDIGO DESCRIÇ CLA UNIDA SS DE QUANT. 01.0 SEVIÇOS PRELIMINARES PREÇO UNIT. S/ BDI (R$) SINAPI 2013 PREÇO TOTAL S/ BDI (R$) SINAP 2013 REFERÊNC IA SINAPI 2013 PREÇO UNIT. S/ BDI (R$) SIN-RN 2013 PREÇO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE GINÁSIO POLIESPORTIVO LOCAL: SEDE DO MUNICÍPIO MEMORIAL DESCRITIVO SANTA MARIA DAS BARREIRAS 2015 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1- APRESENTAÇÃO

Leia mais

Competências a Desenvolver

Competências a Desenvolver ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE GONDOMAR Curso Profissional Técnico de Construção Civil Turma: 12º12 Disciplina de OFICINA TECNOLÓGICA PLANIFICAÇÃO ANUAL DAS ATIVIDADES LETIVAS 2013/2014

Leia mais

Questões Tipo Cálculo dos coeficientes b tr, traçado das

Questões Tipo Cálculo dos coeficientes b tr, traçado das Questão 1 Considere as plantas, alçados e cortes (à escala 1:100) bem como os pormenores construtivos (sem escala) anexos a este enunciado correspondentes a uma moradia a ser construída numa zona rural

Leia mais

Especificidades do projeto de construção civil de parques eólicos Clara Silva e Nuno França

Especificidades do projeto de construção civil de parques eólicos Clara Silva e Nuno França Especificidades do projeto de construção civil de parques eólicos Clara Silva e Nuno França Clara Silva Engenheira Civil, Projetista Licenciatura com Mestrado integrado em Engenharia Civil (ramo Geotecnia),

Leia mais

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS GERAIS Cuidados a ter com o transporte e armazenamento de tubagens ou

Leia mais

PROJECTO DE ESTABILIDADE BETÃO ARMADO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA

PROJECTO DE ESTABILIDADE BETÃO ARMADO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA PROJECTO DE ESTABILIDADE BETÃO ARMADO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA CONSTRUÇÃO DE QUARTEL / SEDE DA ASSOCIAÇÃO ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DO BOMBARRAL PRAÇA DA RÉPUBLICA BOMBARRAL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FEIRA COBERTA LOCAL: VILA CASA DE TÁBUA MEMORIAL DESCRITIVO SANTA MARIA DAS BARREIRAS 2015 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1- APRESENTAÇÃO

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS DA REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DOS EDIFÍCIOS

ASPECTOS CONSTRUTIVOS DA REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DOS EDIFÍCIOS Auditório José Silvestre do Instituto Superior de Engenharia da Universidade do Algarve continuação ASPECTOS CONSTRUTIVOS DA REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DOS EDIFÍCIOS Susana Fernandes Oz, Lda. A reabilitação

Leia mais

PLANILHA AUXILIAR B DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 02. ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m²

PLANILHA AUXILIAR B DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 02. ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m² - INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas. Unidade: m² Critério de medição: Pela área de projeção horizontal do abrigo.

Leia mais

PLANILHA AUXILIAR C DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 03. ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m²

PLANILHA AUXILIAR C DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 03. ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ENDEREÇO: Rua 580, S/Nº - INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas. Unidade: m² Critério de medição: Pela área de projeção

Leia mais

Indústria e Estrutura Portuária Hotel de Sines

Indústria e Estrutura Portuária Hotel de Sines Indústria e Estrutura Portuária Hotel de Sines I. Vertente Prática Tutor: Pedro Viana Botelho - Professor Auxiliar Convidado do ISCTE-IUL Perspetiva Geral da Proposta PROPOSTA DE GRUPO Indústria e Estrutura

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA E RESPETIVO ORÇAMENTO DESIGNAÇÃO: PROPOSTA DE INSTALAÇÃO SANITÁRIA MODULAR LOCAL: PARQUE VERDE FUNDÃO

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA E RESPETIVO ORÇAMENTO DESIGNAÇÃO: PROPOSTA DE INSTALAÇÃO SANITÁRIA MODULAR LOCAL: PARQUE VERDE FUNDÃO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA E RESPETIVO ORÇAMENTO DESIGNAÇÃO: PROPOSTA DE INSTALAÇÃO SANITÁRIA MODULAR LOCAL: PARQUE VERDE FUNDÃO 1 INDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESENVOLVIMENTO... 3 I) Descrição

Leia mais

Limpeza do terreno m 2 Área de ocupação, mais 3m em toda a periferia ou o total. Locação da obra m 2 Área do primeiro pavimento da obra.

Limpeza do terreno m 2 Área de ocupação, mais 3m em toda a periferia ou o total. Locação da obra m 2 Área do primeiro pavimento da obra. CRITÉRIOS PARA MEDIÇÃO DOS SERVIÇOS Limpeza do terreno m 2 Área de ocupação, mais 3m em toda a periferia ou o total. Locação da obra m 2 Área do primeiro pavimento da obra. Em obras muito extensas ou recortadas,

Leia mais

Empresas titulares de alvará de empreiteiro de obras públicas

Empresas titulares de alvará de empreiteiro de obras públicas Empresas titulares de alvará de empreiteiro de obras públicas (O alvará é válido por tempo indeterminado, sem prejuízo do controlo oficioso do cumprimento dos requisitos) Alvará 1747 - PUB Data de inscrição

Leia mais

BELAS CLUBE DE CAMPO LISBON GREEN VALLEY TOWNHOUSES T4+1

BELAS CLUBE DE CAMPO LISBON GREEN VALLEY TOWNHOUSES T4+1 TOWNHOUSES T4+1 BY BELAS CLUBE DE CAMPO LISBON GREEN VALLEY Moradias Geminadas BELAS CLUBE DE CAMPO LISBON GREEN VALLEY Área do Lote (m 2 ) Área de Implantação (m 2 ) Área de Construção (m

Leia mais

Empreitada de Reabilitação da Cobertura e Fachada do centro de saúde de sete Rios

Empreitada de Reabilitação da Cobertura e Fachada do centro de saúde de sete Rios Empreitada de Reabilitação da Cobertura e Fachada do centro de saúde de sete Rios Projeto de Execução Memória Descritiva e Justificativa ARSLVT Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo,

Leia mais

MAPA DE QUANTIDADES. 1 MOVIMENTO DE TERRAS Escavação para estabelecimento da rasante, abertura de caixa e

MAPA DE QUANTIDADES. 1 MOVIMENTO DE TERRAS Escavação para estabelecimento da rasante, abertura de caixa e MAPA DE QUANTIDADES CÓDIGO DESIGNAÇÃO UNIDADES QUANTIDADE 1 MOVIMENTO DE TERRAS Escavação para estabelecimento da rasante, abertura de caixa e 1.1 restantes trabalhos complementares: 1.1.1 Em terra manual

Leia mais

Código Designação Descrição Unidade Qtd

Código Designação Descrição Unidade Qtd Código Designação Descrição Unidade Qtd 1 ESTALEIRO 1.1 Desenvolvimento do Plano de Segurança e Saúde (PSS) para a execução da obra, de acordo com o estipulado no artigo 11º do Decreto Lei n.º 273/2003

Leia mais

MUNICÍPIO DA NAZARÉ - CÂMARA MUNICIPAL Divisão de Planeamento e Urbanismo ORÇAMENTO. Código Descrição Un. Quantidade Unitário Total. vg 1,00.

MUNICÍPIO DA NAZARÉ - CÂMARA MUNICIPAL Divisão de Planeamento e Urbanismo ORÇAMENTO. Código Descrição Un. Quantidade Unitário Total. vg 1,00. ORÇAMENTO OBRA: Código Descrição Un. Quantidade Unitário Total Custo 1 ESTALEIRO 1.1 Desenvolvimento do Plano de Segurança e Saúde (PSS) para a execução da obra, de acordo com o estipulado no artigo 11º

Leia mais

A seguir são apresentadas figuras ilustrando as atividades executadas ao longo do quarto mês de atividades.

A seguir são apresentadas figuras ilustrando as atividades executadas ao longo do quarto mês de atividades. São José, 28 de setembro de 2015. Relatório de Acompanhamento de Obra. Referência: mês 05 medição 08 Conforme contrato firmado com a Ponte Engenharia e Construção Ltda para fornecimento de mão de obra

Leia mais

Janeiro 2017 Domingo Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Sábado

Janeiro 2017 Domingo Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Sábado Janeiro 2017 Domingo Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Sábado 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Contratação Mestre de obra; 1 Montagem da equipe;

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA SECÇÃO DE HIDRÁULICA E DOS RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTAIS MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO 5º ANO / 2º SEMESTRE DO ANO LECTIVO 2007/2008

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA. Fornecimento e execução de fundações e laje ventilada do piso térreo.

MEMÓRIA DESCRITIVA. Fornecimento e execução de fundações e laje ventilada do piso térreo. 01 LICENCIAMENTO Elaboração de todos os projetos de arquitetura e especialidades para as respetivas entidades competentes. 02 TRABALHOS PREPARATÓRIOS Montagem e desmontagem de estaleiro e de todo o equipamento

Leia mais

GESTEC. Tecnologia da Construção de Edifícios Mestrado Integrado em Engenharia Civil. DECivil ESTACAS MOLDADAS CORTINAS DE CAP.

GESTEC. Tecnologia da Construção de Edifícios Mestrado Integrado em Engenharia Civil. DECivil ESTACAS MOLDADAS CORTINAS DE CAP. CAP. XIV CORTINAS DE ESTACAS MOLDADAS 1/44 1. INTRODUÇÃO 2/44 1. INTRODUÇÃO Cortina de estacas - parede descontínua de estacas pouco distanciadas entre si (podendo mesmo intersectar-se); Cortina de estacas

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO OUTUBRO E NOVEMBRO DE 2016

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO OUTUBRO E NOVEMBRO DE 2016 PERÍODO OUTUBRO E NOVEMBRO DE 2016 Evolução das Estruturas e Alvenarias 01 / 08 / 16 10 / 10 / 16 08 / 06 / 16 25 / 05 / 16 18 / 11 / 16 Andamento das Obras Civis Serviços Concluídos Serviços concluídos

Leia mais

FLEX HILLS LISTA DE ACABAMENTOS E EQUIPAMENTO

FLEX HILLS LISTA DE ACABAMENTOS E EQUIPAMENTO FLEX HILLS Banda G - Rua de Breias Gualtar Braga LISTA DE ACABAMENTOS E EQUIPAMENTO Índice 1. Sistema Estrutural 2. Acabamentos exteriores 3. Acabamentos interiores Cozinha Sala Quartos Quartos de banho

Leia mais

Grupo de Materiais de Construção 1

Grupo de Materiais de Construção 1 Grupo de Materiais de Construção 1 Grupo de Materiais de Construção 2 Fundações: O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente de solo

Leia mais

ECA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Fernando de Moraes Mihalik

ECA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Fernando de Moraes Mihalik - 1 - UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC NOTAS DE AULA - 04 LAJES CONCEITOS, DIMENSIONAMENTO E CÁLCULO DE REAÇÕES NAS VIGAS - 2 - NA_04/2011 SISTEMAS ESTRUTURAIS NOTAS DE AULA

Leia mais

Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado

Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado Prof. Henrique Innecco Longo longohenrique@gmail.com Departamento de Estruturas Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro 2017

Leia mais

Moradia Unifamiliar Encosta do Castelo de S.Filipe. Moradia Unifamiliar Encosta do Castelo de S.Filipe

Moradia Unifamiliar Encosta do Castelo de S.Filipe. Moradia Unifamiliar Encosta do Castelo de S.Filipe CADERNO DE ENCARGOS limpeza e movimentos de terras demolição do existente e escavação do terreno, para abertura e sapatas, até ás cotas previstas em projecto, incluindo reposição dos produtos sobrantes.

Leia mais

Texsalastic. Impermeabilização Eficaz. EN e EN ARGAMASSA IMPERMEÁVEL E FLEXÍVEL BICOMPONENTE. De acordo com:

Texsalastic. Impermeabilização Eficaz. EN e EN ARGAMASSA IMPERMEÁVEL E FLEXÍVEL BICOMPONENTE. De acordo com: Texsalastic ARGAMASSA IMPERMEÁVEL E FLEXÍVEL BICOMPONENTE Impermeabilização Eficaz De acordo com: EN 1504-9 e EN 1504- ama TEXSALASTIC é uma argamassa impermeável e flexível bicomponente. É composto por

Leia mais

ETAPAS DE UMA OBRA. Professora: Mayara Custódio Fonte:

ETAPAS DE UMA OBRA. Professora: Mayara Custódio Fonte: ETAPAS DE UMA OBRA Professora: Mayara Custódio Fonte: www.obraviva.com.br Site desenvolvido por uma família de Conselheiro Lafaiete (MG), com o intuito de explicar detalhadamente as etapas da construção

Leia mais

Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos. 8 Dimensionamento de Aterros Sanitários. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Setembro de 2016.

Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos. 8 Dimensionamento de Aterros Sanitários. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Setembro de 2016. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos Pós-graduação em Engenharia Ambiental 8 Dimensionamento de Aterros Sanitários Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba,

Leia mais

FICHAS DE PATOLOGIAS DOS SISTEMAS ETICS

FICHAS DE PATOLOGIAS DOS SISTEMAS ETICS FICHAS DE PATOLOGIAS DOS SISTEMAS ETICS Vasco Peixoto de Freitas Andreia Mota Miranda Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE DO PORTO Vasco Peixoto de Freitas e Andreia

Leia mais

SEGURANÇA EM ESTALEIROS TEMPORÁRIOS E MÓVEIS

SEGURANÇA EM ESTALEIROS TEMPORÁRIOS E MÓVEIS SEGURANÇA EM ESTALEIROS TEMPORÁRIOS E MÓVEIS Exercício 39 21 Es 48 21 Grua (12m lança) Vias de circulação Central de betão Armazém de ferro Ferramentaria Estacionamento Guarda/porteiro Ep SEGURANÇA EM

Leia mais

Fundações Diretas Rasas

Fundações Diretas Rasas Fundações Diretas Rasas Grupo: Anderson Martens Daniel Pereira Ricardo N. Lima Ronaldo Guedes Vitor A. Teruya Vivian R. Pestana Professor Manoel Vitor O que são fundações? Elementos estruturais cuja função

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA. Fornecimento e execução de fundações e laje ventilada do piso térreo.

MEMÓRIA DESCRITIVA. Fornecimento e execução de fundações e laje ventilada do piso térreo. 01 LICENCIAMENTO Elaboração de todos os projetos de arquitetura e especialidades para as respetivas entidades competentes. 02 TRABALHOS PREPARATÓRIOS Montagem e desmontagem de estaleiro e de todo o equipamento

Leia mais

ÍNDICE GERAL DETALHADO

ÍNDICE GERAL DETALHADO E PÁGINA: 1/13 ÍNDICE GERAL DETALHADO SECÇÃO 1 RESUMO NÃO TÉCNICO SECÇÃO 2 RELATÓRIO BASE DO RECAPE SECÇÃO 3 RELATÓRIO TÉCNICO DO RECAPE SECÇÃO 4 ANEXOS DO RECAPE VOLUME I DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MONTAGEM DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS P/ NAVES INDUSTRIAIS OU P/ OUTROS EDÍFICIOS C/ ESTRUTURA SIMILAR

IMPLANTAÇÃO E MONTAGEM DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS P/ NAVES INDUSTRIAIS OU P/ OUTROS EDÍFICIOS C/ ESTRUTURA SIMILAR 1. OBJECTIVO Descrever o método de implantação e montagem de elementos pré-fabricados (com ou sem pré-esforço) para Naves industriais ou para Outros edifícios com estrutura similar. 2. ÂMBITO Todos os

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA. Fornecimento e execução de fundações e laje ventilada do piso térreo.

MEMÓRIA DESCRITIVA. Fornecimento e execução de fundações e laje ventilada do piso térreo. 01 LICENCIAMENTO Elaboração de todos os projetos de arquitetura e especialidades para as respetivas entidades competentes. 02 TRABALHOS PREPARATÓRIOS Montagem e desmontagem de estaleiro e de todo o equipamento

Leia mais

Quantificação de Materiais e Mão-de-obra

Quantificação de Materiais e Mão-de-obra Quantificação de Materiais e Mão-de-obra INFRA-ESTRUTURA 20501 LOCAÇÃO DA OBRA Madeiras e pregos (locação) 144,71 1 144,71 m2 2,5 361,775 Execução da locação da obra Mão-de-obra 144,71 1 144,71 m2 2 289,42

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Departamento de Engenharia Civil

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Departamento de Engenharia Civil Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Departamento de Engenharia Civil ESTRUTURAS DE BETÃO 2 11 de Julho de 2005 Recurso Duração: 3 h 1) (5.0 valores) A figura representa em corte transversal

Leia mais

LISTAGEM DE ACABAMENTOS 1

LISTAGEM DE ACABAMENTOS 1 LISTAGEM DE ACABAMENTOS 1 APARTAMENTOS GERAIS SALAS, QUARTOS E CIRC. Paredes estucadas e pintadas a branco Pavimento em Soalho de madeira de Afizélia com base acústica em lâmina de cortiça Rodapés em MDF

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA FICHA TÉCNICA 1. INTIFICAÇÃO Construção da Sede da Junta de Freguesia do Ameal 2. LOCALIZAÇÃO Lugar e Freguesia do Ameal 3. SCRIÇÃO GERAL ADMINISTRATIVA Terreno situado no gaveto entre a Rua da Fonte e

Leia mais

1º RELATÓRIO Março/2003. a) identificação de patologias e suas causas; b) definição de acções de reabilitação; c) definição de plano de manutenção.

1º RELATÓRIO Março/2003. a) identificação de patologias e suas causas; b) definição de acções de reabilitação; c) definição de plano de manutenção. Reabilitação Estrutural e Funcional do Pavilhão de Civil do Instituto Superior Técnico 1º RELATÓRIO Março/2003 1. Objectivo Desde a ocupação do Pavilhão de Engenharia Civil do Instituto Superior Técnico,

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt rebetop color Pág. 2 utilização Revestimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Departamento de Estruturas e Construção Civil Disciplina: ECC 1008 Estruturas de Concreto TRABALHO: 1 SEMESTRE DE 2015 Suponha que você esteja envolvido(a)

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. 1 Dados climáticos de referência para a região do Porto: Inverno: Região climática I1, número de graus dias = 1610 (º dias), duração da estação de aquecimento = 6,7 meses. Verão: Região climática V1, Temperatura

Leia mais