CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO NA MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - REDE E-TEC BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO NA MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - REDE E-TEC BRASIL"

Transcrição

1 COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA, TÉCNICA E TECNOLÓGICA CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO NA MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - REDE E-TEC BRASIL PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO - EaD Ano de Implementação: 2014

2 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO EaD ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL - e-tec Brasil SUMÁRIO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO INSTITUIÇÃO PROPONENTE APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS REQUISITOS DE ACESSO PERFIL DESEJADO DO FORMANDO ÁREAS DE ATUAÇÃO PAPEL DOS DOCENTES E TUTORES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS ESTRUTURA CURRICULAR EMENTÁRIO COMPONENTES CURRICULARES Introdução ao Cooperativismo Matemática Financeira Introdução à Administração Contabilidade e custos Constituição e Desenvolvimento de cooperativas Gestão de Marketing em Cooperativas Gestão de Pessoas Gestão Estratégica de Cooperativas Gestão Financeira em Cooperativas Legislação Cooperativista Sistemas de Informações Gerenciais Elaboração e Análise de Projetos Educação Cooperativista Governança Cooperativa Responsabilidade Social RECURSOS HUMANOS INFRAESTRUTURA AVALIAÇÃO BIBLIOGRAFIA

3 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO EaD ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL - e-tec Brasil DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Prof. Paulo Afonso Burmann REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Prof. Luiz Fernando Sangói COORDENADOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA, TÉCNICA E TECNOLÓGICA Prof. Valmir Aita DIRETOR DO Prof. Jaime Peixoto Stecca VICE-DIRETOR DO Profª. Eronita Ana Cantarelli Noal DIRETORA DO DEPARTAMENTO DE ENSINO Olney Machado Meneghello DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE INFRAESTRUTURA Elvio Omar Bola de Pelegrini DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Profª Marta Von Ende DIRETORA DO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E EXTENSÃO Prof. Vitor Kochhann Reisdorfer COORDENADOR DO CURSO TÉCNICO EM COOPERATIVISMO Prof. Aier Tadeu Gabriel Morcelli Profª. Cândida Martins Pinto Prof. Cícero Urbaneto Nogueira Profª. Eronita Ana Cantarelli Noal Profª. Fabiana Letícia Pereira Alves Stecca Ped. Fabiane da Silva Montoli Prof. Gabriel Murad Velloso Ferreira Prof. Gilmar Jorge Wakulicz Prof. Gustavo Fontinelli Rossés Prof. Jaime Peixoto Stecca Prof. Lucas Veiga Ávila Profª. Marcia Helena dos Santos Bento Profª. Marta Von Ende COLABORADORES 3

4 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO EaD ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL - e-tec Brasil DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Dados de Identificação do Colégio Politécnico Estabelecimento de Ensino: Colégio Politécnico da Universidade Federal de Santa Maria Esfera Administrativa: Federal Endereço: Prédio 70 Campus Universitário CEP: Cidade: Santa Maria Estado: RS Telefone: (55) Site: Curso Técnico Subsequente em Cooperativismo na modalidade Educação a Distância Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Cooperativismo Carga Horária Total: 900 horas 4

5 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO EaD ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL - e-tec Brasil DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Apresentação do Colégio Politécnico Missão Promover a formação integral do cidadão e oferecer-lhe condições de conhecer, desenvolver, difundir e aplicar ciência e tecnologia. Visão Ser reconhecido como referência em ensino médio e profissional, em pesquisa e extensão e na formação empreendedora. Valores Honestidade, Ética, Justiça, Competência, Respeito, Educação, Cidadania e Responsabilidade Social e Ambiental. 5

6 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO EaD ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL - e-tec Brasil INSTITUIÇÃO PROPONENTE O Colégio Politécnico da UFSM é uma Unidade de Ensino Médio, Técnico e Tecnológico da Universidade Federal de Santa Maria, prevista no Estatuto Geral da UFSM, vinculada à Coordenadoria de Educação Básica, Técnica e Tecnológica da UFSM, que tem por finalidade ministrar a Educação Básica, a Formação Inicial e Continuada, a Educação Profissional Técnica de Nível Médio e a Educação Profissional Tecnológica. Está situado no Campus da Universidade Federal de Santa Maria, a 12 km da sede do município de Santa Maria e a 280 km da capital do estado do Rio Grande do Sul, região central do estado do Rio Grande do Sul, composta por 59 municípios, com área de ,50 km², representando 36,49% do território gaúcho. A região geoeducacional de abrangência do Colégio Politécnico da UFSM tem como um dos pontos fortes da economia o setor primário e de serviços. Atua na Educação Profissional Técnica de Nível Médio, Educação Profissional Tecnológica de Graduação, Pós-Graduação, Formação Inicial e Continuada e na Educação Básica, ministrando o Ensino Médio, que obedece a uma organização curricular seriada anual. Até 2010, na Educação Técnica de Nível Médio eram ofertados os Cursos de Técnico em Administração, Técnico em Agroindústria, Técnico em Agropecuária, Técnico em Geoprocessamento, Técnico em Informática e o Técnico em Paisagismo, todos na modalidade Pós-Ensino Médio. Em 2011, o Colégio Politécnico passou a ofertar a partir do primeiro semestre, além dos cursos já existentes, dois novos cursos técnicos: o Curso Técnico em Contabilidade e o Curso Técnico em Meio Ambiente, além do Mestrado Profissional que foi ofertado a partir do segundo semestre do mesmo ano. Em 2013, um novo Curso Técnico foi aprovado, o Técnico em Secretariado, sendo ofertado a partir do primeiro semestre de Desse modo, o Colégio Politécnico da UFSM, ao longo de sua história, procura oportunizar aos seus estudantes uma formação que os possibilitem a uma convivência fraterna na sociedade e a exercerem uma função relevante na comunidade, como cidadãos e como profissionais aptos a desempenharem seu papel no processo produtivo do mundo do trabalho. Assim, como instituição educacional, o Colégio Politécnico teve sua história marcada pela formação de profissionais para o setor primário da economia, sendo que nos últimos anos, diversificou a sua atuação, através da oferta de 6

7 alternativas variadas de Educação Profissional, buscando a formação de profissionais para atender às expectativas da comunidade e às necessidades do mundo do trabalho em constante transformação. 7

8 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO EaD ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL - e-tec Brasil APRESENTAÇÃO O presente documento trata da apresentação do Projeto Pedagógico do Curso Técnico em Cooperativismo subsequente ao Ensino Médio (pós-médio), desenvolvido na modalidade de Educação a Distância, pela Rede Escola Técnica Aberta do Brasil e-tec, da SETEC/MEC. Esse curso será um dos primeiros dessa modalidade de Educação a Distância (EaD) a ser desenvolvido no Colégio Politécnico da UFSM. A apresentação do Projeto Pedagógico do Curso Técnico Subsequente em Cooperativismo, na modalidade EaD, reflete, na sua elaboração, a preocupação do Colégio Politécnico em continuar a oferecer aos estudantes uma formação de qualidade e o compromisso do incentivo à cidadania consciente. A Escola Técnica Aberta do Brasil (e-tec), lançada em 2007, pela Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC/MEC), no âmbito da política de expansão da educação profissionalizante, constitui-se em uma das ações do Plano de Desenvolvimento da Educação em parceria com a Secretaria de Educação a Distância, hoje extinta, e com a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Visa à oferta de educação profissional e tecnológica a distância e tem o propósito de ampliar e democratizar o acesso a cursos técnicos de nível médio, públicos e gratuitos, em regime de colaboração entre União, Estados, Distrito Federal e Municípios. A Rede Escola Técnica Aberta do Brasil (e-tec Brasil) tem por objetivo central possibilitar o acesso dos cursos técnicos às regiões distantes das instituições de ensino técnico e à periferia das grandes cidades brasileiras, incentivando os jovens a obter uma formação profissional que os habilite a ingressar no mundo do trabalho. É, portanto, um passo importante para a democratização do acesso ao ensino técnico de nível médio público e gratuito na modalidade de educação a distância. O presente projeto tem como subsídios a redação da Lei de Diretrizes e Bases nº 9394/96, o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos e os referenciais curriculares nacionais para a Rede Escola Técnica Aberta do Brasil e-tec Brasil. O Curso Técnico em Cooperativismo está inserido no eixo Gestão e Negócios e será desenvolvido em seis etapas de carga horária variável, perfazendo 900 horas, a ser integralizado em 18 meses. 8

9 O Curso Técnico em Cooperativismo, na modalidade EaD, tem como objetivo geral formar profissionais técnicos de nível médio, para atuação em gestão de Cooperativas de qualquer natureza, de forma que esteja apto a desenvolver e inovar atividades empresariais atinentes ao sistema Cooperativo bem como a aplicar os princípios e valores do Cooperativismo. O Técnico em Cooperativismo é um profissional capacitado e habilitado para atuar no desenvolvimento de atividades plenas e inovadoras na área de Gestão, com formação específica para atuação profissional em cooperativas. Assim, o egresso do curso Técnico em Cooperativismo deverá ser capaz de desenvolver competências para a promoção do conhecimento, da cultura e do trabalho cooperativo, a fim de desenvolver a consciência coletiva na busca contínua da valorização e solidariedade humanas. Como marco orientador do Curso Técnico em Cooperativismo estão presentes as diretrizes institucionais, o Projeto Pedagógico do Colégio Politécnico, a organização didático-pedagógica do Politécnico e a compreensão da educação profissional como uma prática social, as quais se materializam na função social do Colégio Politécnico da UFSM, de promover educação científico-tecnológicohumanística visando à formação integral do profissional-cidadão crítico-reflexivo, competente e ético. O Colégio Politécnico está efetivamente comprometido com as transformações sociais, políticas e culturais, preparando cidadãos em condições de atuar no mundo do trabalho, na perspectiva da edificação de uma sociedade mais justa e igualitária. Busca-se, além disso, uma formação integral e continuada de trabalhadores da educação profissional técnica de nível médio e da formação tecnológica fundamentadas na ressignificação do conhecimento. O Projeto pedagógico do Curso do Técnico em Cooperativismo, modalidade EaD do Colégio Politécnico será inserido no Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica (Sistec). Para isso, encaminha-se proposta de Plano de Curso para apreciação da Coordenadoria de Educação Básica, Técnica e Tecnológica CEBTT e demais Órgãos, Comissões e Conselhos da Universidade Federal de Santa Maria UFSM, para que, posteriormente, o Projeto Pedagógico seja encaminhado ao Cadastro Nacional de Cursos Técnicos. 9

10 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO EaD ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL - e-tec Brasil JUSTIFICATIVA O Curso Técnico em Cooperativismo é aberto a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou equivalente. No caso específico do Colégio Politécnico, o Curso é estruturado para atender a diversos setores da economia, segmentos onde estão atuando as cooperativas. Os Cursos Técnicos na modalidade EaD vem responder à demanda por preparação, formação e aprimoramento educacional e profissional, numa situação em que os indivíduos não têm acesso aos cursos presenciais, ou ainda não podem dispensar períodos longos para sua formação. Os concluintes dos cursos técnicos são profissionais de nível médio, aptos a desenvolver atividades em uma determinada área. Possuem formação direcionada para aplicação, desenvolvimento e difusão de tecnologias, com formação em gestão de processos de produção de bens e serviços e capacidade empreendedora, em sintonia com o mercado. Os cursos de ensino técnico têm papel fundamental na criação de competências e de estratégias inovadoras nos países em desenvolvimento. Para o Colégio Politécnico, uma de suas importantes missões consiste em sua responsabilidade social de promoção do desenvolvimento e crescimento dos diversos setores do conhecimento humano e da produção de bens e serviços, assim como o compromisso inalienável da formação de profissionais com capacidade empreendedora. Nesse sentido, é relevante oportunizar a formação de profissionais técnicos na área do cooperativismo, pois o cooperativismo, como o próprio nome já diz, tem como sua maior finalidade libertar o homem do individualismo, através da cooperação entre seus associados, satisfazendo, assim, as suas necessidades. É um sistema econômico que faz das cooperativas a base de todas as atividades de produção e distribuição de riquezas, tendo como objetivo difundir os ideais em que se baseia, no intuito de atingir o pleno desenvolvimento financeiro, econômico e social de todas as sociedades cooperativas. A cooperação, que sempre existiu nas sociedades humanas desde as eras mais remotas, esteve presente como resultante de necessidades imperiosas de sobrevivência. É a união de pessoas voltadas para objetivos comuns. Além disso, o cooperativismo defende a reforma pacífica e gradual da coletividade e a solução dos problemas comuns através da união, auxílio mútuo e integração entre as pessoas. Busca a correção de desníveis e injustiças sociais com a repartição equitária e harmoniosa de bens e valores. Cooperar não é um termo novo. Cooperar é colaborar, é obrar simultaneamente para o bem público, é cooperar em trabalhos de equipe. A participação dos associados é o principal fator de eficiência 10

11 empresarial nas cooperativas. É em função dos associados que a Cooperativa existe, pois, caso ela deixe de cumprir seu papel de representante de seus associados, ela perde a razão de ser. Essa participação exige uma educação cooperativa, voltada para a conscientização política e social, para a transparência na gestão e para a organização do quadro social. Acima de tudo as empresas cooperativas devem ser competitivas e atraentes para seus associados. A garantia de que a competitividade seja alcançada pressupõe que algumas dificuldades sejam conhecidas e deixadas para trás, sejam elas: a baixa acumulação de capital, o investimento em tecnologia e a competitividade de seus produtos por meio de ganhos de escala e qualidade. No Rio Grande do Sul, o cooperativismo vem sendo adotado como um dos grandes caminhos para desenvolvimento de muitas comunidades, associações comunitárias e grupos de produtores que só têm na união de esforços a possibilidade de progredir e gerar sustentabilidade. O Curso Técnico em Cooperativismo proposto pelo Colégio Politécnico será estruturado no sistema de etapas, começando por disciplinas mais básicas, evoluindo para um aprendizado mais específico de gestão na área de cooperativas. Essa estrutura foi planejada com o intuito de preparar profissionais para o campo interdisciplinar da Gestão de Cooperativas. Para a obtenção do certificado de Técnico, o estudante terá que concluir, com aprovação, todas as etapas propostas para o curso, em sua integralidade. O profissional diplomado terá, entre outros, subsídios para entender a importância da visão e do raciocínio estratégico a serem aplicados às gestões de cooperativas; realizar atividades de planejamento, operação, controle e avaliação dos processos organizacionais; criar, inovar e promover a produtividade e qualidade das cooperativas e da sociedade na qual está inserido. O Colégio Politécnico, em sua busca permanente pelo desenvolvimento regional, está propondo a implantação do curso Técnico em Cooperativismo, objetivando habilitar profissionais no mercado com capacidades para a gestão no sistema cooperativo com técnicas e métodos compatíveis com cada realidade. Também se devem destacar os dados da OCB Organização das Cooperativas do Brasil, que demonstram um aumento significativo no número de associados e de funcionários de cooperativas. Esse aumento decorre do crescimento da atividade econômica e consequentemente surge uma maior demanda por qualificação técnica em cooperativas. Diante disso, a criação do Curso Técnico em Cooperativismo no Colégio Politécnico da UFSM, modalidade EaD, justifica-se para responder à demanda por futuros técnicos em Cooperativismo em regiões onde ainda não há a oferta de cursos públicos, bem como proporcionar aos estudantes que já tenham concluído o Ensino Médio a possibilidade de ter uma profissão requisitada no mundo do trabalho. A localização estratégica do Colégio Politécnico, bem como a procura por seus cursos por estudantes de todas as regiões do Rio Grande do Sul, estimulam a oferta do Ensino Técnico a Distância. O Curso Técnico em Cooperativismo será ofertado inicialmente nas cidades polo onde funcionam cursos EaD da UFSM. A implementação do Curso Técnico em Cooperativismo, na modalidade EaD, será 11

12 inicialmente em dois polos, de acordo com a demanda e os convênios firmados entre os polos e a UFSM. A cada nova oferta do curso, os polos poderão variar, ofertando, assim, uma educação profissional de qualidade a várias regiões do estado que ainda não possuam escolas federais de ensino técnico gratuito e de qualidade na área. Com relação à demanda de polos para o curso, entre os polos do Sistema UAB/UFSM que estiveram em reuniões realizadas no Colégio Técnico Industrial - CTISM, quando da apresentação dos cursos que serão oferecidos em 2014, incluindo reoferta e novos cursos, ao serem apresentados os cursos a serem ofertados pelo Colégio Politécnico, houve a demanda dos seguintes polos pelo Curso Técnico em Cooperativismo: Bagé, Cachoeira do Sul, Faxinal do Soturno, Ronda Alta, Sagrada Família, Santana do Livramento, São João do Polêsine, São Lourenço do Sul, Cruz Alta e Tapejara, ou seja, dez polos solicitaram o curso baseados nas demandas que têm a respeito de áreas do conhecimento. Para essa oferta estão previstos os polos de Cruz Alta e São João do Polêsine. 12

13 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO EaD ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL - e-tec Brasil OBJETIVOS Objetivo Geral O Curso Técnico em Cooperativismo tem como objetivo formar profissionais técnicos de nível médio, para atuar em gestão de cooperativas de qualquer natureza, de forma que estejam aptos a desenvolver e inovar atividades empresariais atinentes ao sistema cooperativo bem como a aplicar os princípios e valores do Cooperativismo. Objetivos específicos Capacitar o estudante para o planejamento e a execução dos processos cooperativos em seus diversos segmentos; Desenvolver habilidades e competências para gestão de processos de produção de bens e serviços; Desenvolver a capacidade empreendedora, notadamente em ações voltadas ao cooperativismo, orientando a elaboração e desenvolvimento de projetos em comunidades rurais e urbanas; Desenvolver habilidades para exercer atividades como auxiliar de gestão em cooperativas, na formação e no desenvolvimento de cooperativas, e para atuar na gestão de contratos, assegurando o cumprimento da legislação trabalhista, prestando assistência e serviços em cooperativas. 13

14 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO EaD ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL - e-tec Brasil REQUISITOS DE ACESSO A forma de acesso ao Curso Técnico em Cooperativismo do Colégio Politécnico da Universidade Federal de Santa Maria será por processo seletivo aberto a candidatos que tenham concluído o Ensino Médio ou equivalente. O ingresso se dará mediante processo de seleção, cujas normas (prazos, programas, critérios de classificação e desempate, entre outros) serão publicadas em edital. O Curso Técnico em Cooperativismo na modalidade a distância será ofertado em edição única, podendo ser ofertado posteriormente caso haja demanda. A aprovação no exame de seleção dará ao candidato o direito de ingressar no primeiro semestre letivo, ou seja, nas Etapas I e II do Curso Técnico em Cooperativismo, na modalidade Ensino a Distância (EaD). O ingresso às atividades das etapas subsequentes será possível ao estudante que tiver obtido aproveitamento nas etapas anteriores. 14

15 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO EaD ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL - e-tec Brasil PERFIL DESEJADO DO FORMANDO O egresso do Curso Técnico em Cooperativismo é um profissional de nível médio, comprometido com o desenvolvimento social, econômico e pessoal, estando qualificado a compreender o papel social das cooperativas, a desenvolver e a incentivar as diferentes atividades referentes ao associativismo, respeitando valores éticos, morais, culturais, sociais e ambientais. Para o bom desempenho da profissão, o Técnico em Cooperativismo deve apresentar as seguintes competências: Conhecer os fundamentos da Administração, compreendendo o ambiente de atuação das organizações, bem como os processos organizacionais utilizados para a gestão. Executar, controlar e avaliar as atividades do ciclo financeiro, contábil e do patrimônio mediante uso e interpretação das demonstrações contábeis e financeiras. Conceituar cooperativismo e associativismo, conhecendo seus princípios, formas, correntes, origem e inserções na sociedade. Conhecer a legislação cooperativista e suas implicações na tomada de decisão em relação à gestão de cooperativas. Selecionar e utilizar estratégias para identificação e avaliação dos diferentes custos referentes aos processos organizacionais, em especial das cooperativas. Analisar as condições sociais e econômicas e desenvolver estratégias para a constituição de cooperativas. Aplicar as operações da matemática financeira em atividades do ciclo financeiro, tributário, contábil, dos recursos humanos, materiais, da produção, dos seguros e do patrimônio das cooperativas. Compreender os fundamentos do marketing como filosofia organizacional e aplicar esses conceitos na análise de mercado. Aplicar os aspectos técnicos da gestão de pessoas em organizações cooperativas. Gerar propostas de organização social e grupos específicos a partir da educação cooperativista. Planejar, executar e controlar as políticas de marketing relativas a produto ou serviço, preço, distribuição e comunicação em organizações cooperativas. Compreender os aspectos comportamentais de pessoas em organizações, 15

16 aplicando-os na gestão de cooperativas. Administrar as disponibilidades, os recebíveis, os estoques e as fontes de financiamento das organizações, em especial das cooperativas. Identificar e solucionar problemas relacionados à atualidade na gestão de cooperativas. Conhecer os problemas, as perspectivas e as tendências do cooperativismo frente aos desafios da atualidade, relacionando as experiências concretas com o mundo cooperativo. Dominar estratégias para desenvolver o espírito empreendedor tanto no momento de formação de associações cooperativas, como na gestão daquelas que estão em funcionamento. Identificar as tendências filosóficas no associativismo mundial e no Brasil e suas repercussões. Demonstrar, adquirir e articular experiências profissionais relativas à gestão de cooperativas. 16

17 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO EaD ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL - e-tec Brasil ÁREAS DE ATUAÇÃO O Técnico em Cooperativismo deverá ocupar um nicho de mercado que passa a exigir, cada vez mais, a qualificação profissional para atuação nas instituições Cooperativas, entendendo os mecanismos de gestão, compreendendo as técnicas e processos. O cooperativismo tem se consolidado como fonte de renda e inserção social a um universo cada vez maior de pessoas. Os indicadores do Sistema OCB confirmam essa tendência. Em 2011, o total de associados às cooperativas ligadas à Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) passou dos 10 milhões, registrando um crescimento de 11% em relação ao ano anterior, quando foram contabilizados cerca de 9 milhões. Seguindo essa mesma linha, também foi observado crescimento no quadro de empregados, que fechou o último período em 296 mil, 9,3% a mais do que em Os dados fazem parte de um estudo da Gerência de Monitoramento e Desenvolvimento do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop). Em 2011, o número de cooperativas registradas, segundo a OCB(2014), ficou em Neste ambiente de oportunidade de atuação, entre as atribuições do Técnico em Cooperativismo, destacam-se: atuar em pesquisas relacionadas ao ambiente cooperativo; operar em projetos de desenvolvimento dos diferentes segmentos cooperativos; prestar assessoramento técnico nos processos de gestão; prestar assessoramento a cooperativados. 17

18 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM COOPERATIVISMO EaD ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL - e-tec Brasil PAPEL DOS DOCENTES E TUTORES Conforme o Decreto 5.622/2005, a educação a distância caracteriza-se como uma modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares ou tempos diversos. Dessa forma, a qualidade da Educação a Distância (EaD) está também diretamente ligada à forma como são utilizadas as ferramentas disponibilizadas nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVAs), que são os espaços utilizados pelos cursos a distância para organizar as aulas, além de visar a qualificação do professor que virá atuar nessa modalidade, de forma a levar aos envolvidos a construção do conhecimento. Nesse sentido, é importante que os estudantes dessa modalidade de ensino, sejam sujeitos do processo de aprendizagem e que sejam criadas situações de ensino e aprendizagem nas quais os próprios estudantes possam organizar seu estudo, autonomamente. Assim, ambos, professores e estudantes, entendidos como figuras centrais no processo de ensino e aprendizagem virtual, necessitam compreender que tais ferramentas só têm potencialidades interativas se houver uma pré-disposição para o envolvimento no trabalho em conjunto e na troca constante. Como afirma Tarouco et al: para o êxito do processo de ensino e aprendizagem, compete aos protagonistas - professor e alunos - trabalharem em conjunto para construírem um ambiente de interação, estabelecerem uma relação de confiança e superação das dificuldades, protagonizando um ambiente de compartilhamento e de cooperação (TAROUCO et al, 2003, p. 11). Portanto, o professor e os estudantes são os protagonistas dos ambientes virtuais de aprendizagem. Com incessantes mudanças na educação, os educadores precisam estar em constante formação para que possam juntamente com os estudantes interagir nos ambientes virtuais de aprendizagem e, com auxílio das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC), promover a aprendizagem. Dentro desse enfoque, os papéis se modificam profundamente, conforme Carneiro et al: o aluno não atua mais como mero receptor de informações ou de conteúdos a serem reproduzidos. O professor passa a atuar como um mediador para a aprendizagem do aluno. Aluno e professor passam a ser parceiros em uma comunidade virtual de aprendizagem (CARNEIRO et al, 2005, p.4). 18

19 No desenvolvimento do Curso Técnico em Cooperativismo na modalidade EAD, utilizar-se-ão diferentes formas de comunicação, a maioria das atividades a distância serão realizadas no ambiente virtual que terá como suporte a plataforma Moodle. No ambiente, utilizar-se-ão recursos como: fórum de discussão, chat ou batepapo, biblioteca, agenda, dentre outros disponíveis na plataforma. Esses recursos de comunicação serão mecanismos de mediação entre estudantes, professores, pesquisadores e tutores, desenvolvendo e motivando habilidades para o trabalho em grupo. Além dos mecanismos de comunicação descritos também serão utilizados programas de rádio, CD-ROM, filmes em vídeo streaming ou DVD, material impresso, audioconferência e videoconferência, conforme disponibilidade técnica e logística. Assim, busca-se promover uma atuação abrangente e global, na qual os estudantes sejam acompanhados e orientados no desenvolvimento dos seus cursos por profissionais preparados para motivá-los nos seus estudos, auxiliando-os no processo de construção de sua própria aprendizagem. A equipe de tutoria é constituída pela integração da tutoria presencial que é realizada nos polos e da tutoria a distância realizada via Moodle. A coordenação de todo o processo de acompanhamento do estudante, seja presencial ou a distância, é de responsabilidade da equipe de coordenação que acompanhará o desempenho e o relacionamento entre as instâncias acadêmicas da estrutura de tutoria do Colégio Politécnico da UFSM, como são definidas a seguir: Professor pesquisador conteudista O Professor pesquisador é o responsável pelo planejamento e elaboração do material didático das disciplinas do Curso. Ele é responsável pela orientação na formação dos tutores e monitores de acordo com o planejamento das ações. Professor formador O Professor formador é o responsável pela coordenação das atividades acadêmicas e pedagógicas de sua respectiva disciplina e pela orientação dos tutores em suas atividades didáticas. Tutores Os tutores possuem a função de assessorar e auxiliar o professor formador, acompanhar os estudantes e orientá-los em suas atividades. Tanto a definição quanto a orientação na execução de tais funções estão intimamente relacionadas com a concepção de educação a distância. 19

20 Tutores a distância Os tutores a distância são os auxiliares do professor formador, atuando como mediadores e orientadores das atividades previstas em cada disciplina. O tutor acompanhará o desenvolvimento de cada estudante e turma, especialmente por meio dos recursos e instrumentos oferecidos pela Plataforma Moodle, bem como por outras formas de comunicação a distância que estimulem o desenvolvimento individual e o trabalho cooperativo e colaborativo entre os estudantes. A tutoria a distância tem como objetivo orientar os estudantes em suas dúvidas, de forma rápida e objetiva, pela comunicação individual e pela utilização de ferramentas do ambiente on-line tais como: correio eletrônico tira dúvidas, fórum e chats. Os tutores são responsáveis pela adoção de estratégias que auxiliem o estudante a refletir sobre o seu aprendizado, a assumir para ele próprio a responsabilidade pelo seu desenvolvimento no curso e a adquirir autonomia de estudo. Esses tutores atuarão junto aos professores formadores. Os tutores, além de terem um trabalho permanente junto a esse professor, terão o acompanhamento dele e o do coordenador dos tutores. Os critérios de seleção dos tutores a distância serão explícitos em edital específico. Tutores presenciais Os tutores presenciais deverão se dedicar a orientar os estudantes no uso da Plataforma Moodle e dominar todos os recursos e instrumentos didáticos a serem utilizados. Os tutores presenciais deverão ter condições de orientar de forma geral os conteúdos de um determinado semestre ou área de conhecimento/conteúdos, pois serão os orientadores desses conteúdos. Além disso, a tutoria presencial tem como objetivo a criação de ambientes de trabalho que permitam o atendimento individualizado dos estudantes, possibilitando sua organização em grupos e promovendo o trabalho cooperativo e colaborativo. Também estimulará o estudante a expor suas dúvidas, relacionadas tanto sobre seu entendimento sobre conteúdo da matéria, quanto sobre as dificuldades de outra ordem que estejam prejudicando o seu desenvolvimento no curso. Projeto de Trabalho da Tutoria O tutor deverá acompanhar o desenvolvimento das atividades, verificando a participação, além de identificar os avanços e dificuldades, no sentido de dar o máximo de subsídios aos estudantes para que ocorra uma melhor fluência do processo, motivando os estudantes na continuidade e na finalização de seus estudos. Esse tutor deverá manter o professor da disciplina permanentemente informado sobre as atividades dos estudantes e ser o facilitador da interação entre eles. 20

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados NORMATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PARA AS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NOS CURSOS TÉCNICOS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB SELEÇÃO DE TUTORES EDITAL N. 03/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB SELEÇÃO DE TUTORES EDITAL N. 03/2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB SELEÇÃO DE TUTORES EDITAL N. 03/2007 A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM), em parceria com os estados e municípios

Leia mais

EDITAL Nº 48/2014, DE 26 DE SETEMBRO DE 2014, DO COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA, REDE E-TEC BRASIL

EDITAL Nº 48/2014, DE 26 DE SETEMBRO DE 2014, DO COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA, REDE E-TEC BRASIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA REDE E-TEC BRASIL COORDENADORIA DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA R E S O L U Ç Ã O N o 119/2005-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente Resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 1º/9/2005. Esmeralda Alves Moro, Secretária. Aprova normas para organização

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO O curso de Pós-graduação Lato Sensu Especialização em Propriedade Intelectual e Inovação faz parte do Programa de Capacitação dos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS 1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS SUMÁRIO INTERATIVO ENTENDENDO SOBRE O PROGRAMA TELECURSO TEC... 3 ÁREAS DE ESTUDO DO TELECURSO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

Resolução nº 29/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011. Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

Resolução nº 29/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011. Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR Resolução nº 29/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 1.325 de 18 de maio de 2004, publicada no DOU em 20 de maio de 2004. Diretor da Faculdade: Elita Grosch Maba Diretor

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Técnico em Informática na Formação de Instrutores Carga Horária: 1000 horas Estágio Curricular:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

Projeto do Curso de Especialização em Informática na Educação

Projeto do Curso de Especialização em Informática na Educação Projeto do Curso de Especialização em Informática na Educação - Modalidade a Distância Coordenação FACULDADE DE INFORMÁTICA - FACIN Profa. Dr. Adriana Beiler FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Profa. Msc. Sônia

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO JANDAIA

Leia mais

São ofertadas 13 vagas de Professor-tutor para as disciplinas do módulo básico do curso de Especialização em Gestão de Organização Pública de Saúde.

São ofertadas 13 vagas de Professor-tutor para as disciplinas do módulo básico do curso de Especialização em Gestão de Organização Pública de Saúde. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Edital 1- Seleção de Bolsista Professor-Tutor para os Cursos de Especialização em Gestão de Organização Pública de Saúde O reitor da Universidade Federal

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Vendas FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental com Ênfase

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

1. Perfil do candidato ou candidata à tutoria de curso:

1. Perfil do candidato ou candidata à tutoria de curso: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA - UNILAB DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTÂNCIA NÚCLEO DE ACOMPANHAMENTO PEDAGÓGICO SELEÇÃO DE TUTOR (A)

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO FNCE Belém do Pará

XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO FNCE Belém do Pará XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO FNCE Belém do Pará Educação Profissional em EAD; soluções para o Brasil remoto Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br EAD: dispositivos

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

FACULDADE DE SÃO MARCOS Credenciada pelo MEC (Portaria 1371de 23/11/2012)

FACULDADE DE SÃO MARCOS Credenciada pelo MEC (Portaria 1371de 23/11/2012) FACULDADE DE SÃO MARCOS Credenciada pelo MEC (Portaria 1371de 23/11/2012) MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2015 Este manual tem como objetivo orientar os candidatos do vestibular nas normas

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Fundamentos de Linguagens de Programação para Multimídia

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Fundamentos de Linguagens de Programação para Multimídia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1. Os Cursos de Pós-Graduação Lato sensu do Instituto Federal de Rondônia

Leia mais

EDITAL 01/2015 NEaD-TO Seleção de Tutores a distância e presencial EaD Doctum TO

EDITAL 01/2015 NEaD-TO Seleção de Tutores a distância e presencial EaD Doctum TO EDITAL 01/2015 NEaD-TO Seleção de Tutores a distância e presencial EaD Doctum TO A Diretoria das Faculdades Unificadas de Teófilo Otoni (doravante Doctum-TO) e seu Núcleo de Educação a Distância (doravante

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CEAD

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CEAD VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CEAD EDITAL 02/2015 - PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROFESSORES TUTORES A Vice-Reitoria de Graduação e o Centro de Educação a Distância (CEAD/UCB),

Leia mais

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC. Apresentação do Curso. Especialista M.B.A em Gestão de Pessoas

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC. Apresentação do Curso. Especialista M.B.A em Gestão de Pessoas PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

EDITAL Nº 11/2014. Processo Seletivo de Bolsistas para Monitoria em Ensino a Distância

EDITAL Nº 11/2014. Processo Seletivo de Bolsistas para Monitoria em Ensino a Distância UDF - CENTRO UNIVERSITÁRIO PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 11/2014 Processo Seletivo de Bolsistas para Monitoria em Ensino a Distância A Pró-Reitora, no uso de suas atribuições regimentais e tendo em

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - EDUCAÇÃO ESPECIAL: PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - EDUCAÇÃO ESPECIAL: PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CENTRO DE REFERÊNCIA EM FORMAÇÃO E EaD CENTRO DE REFENCIA

Leia mais

REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG

REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG CAPÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS. Art. 1º - A Educação a Distância EaD é uma modalidade

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI

FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI CURITIBA 2009 Manual de Estágios Matriz Curricular 2009 2 1. APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

EDITAL Nº 195/2014 SELEÇÃO PARA TUTORES VIRTUAIS E PRESENCIAIS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTANCIA (PARFOR): PEDAGOGIA E COMPUTAÇÃO

EDITAL Nº 195/2014 SELEÇÃO PARA TUTORES VIRTUAIS E PRESENCIAIS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTANCIA (PARFOR): PEDAGOGIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 Educação a Distância EAD / UESB Fone: (77) 3425-9308 uesbvirtual@uesb.edu EDITAL Nº 195/2014 SELEÇÃO

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1. TURNOS: Matutino ou Noturno Campus de Maringá Noturno Campus de Cianorte HABILITAÇÃO: Bacharelado em Ciências Contábeis GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Ciências Contábeis PRAZO PARA CONCLUSÃO:

Leia mais

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem...

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem... 1 2 Sumário Bem Vindo... 4 A Disciplina de Dependência Interativa... 5 A Organização da Disciplina... 7 O Processo de Ensino e Aprendizagem... 10 Sua Semana no Curso... 11 O apoio local ao Ensino Semipresencial...

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista:

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: A metodista é credenciada pelo MEC para o oferecimento de cursos a distância? Sim. A Universidade Metodista de São Paulo recebeu o credenciamento do

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

EDITAL Nº 094/2015. 1.2. Os tutores serão selecionados com base nos critérios estabelecidos no presente Edital.

EDITAL Nº 094/2015. 1.2. Os tutores serão selecionados com base nos critérios estabelecidos no presente Edital. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 Educação a Distância EAD / UESB Fone: (77) 3425-9308 uesbvirtual@uesb.edu EDITAL Nº 094/2015 SELEÇÃO

Leia mais

CHAMADA INTERNA PARA BOLSISTA UAB/CAPES

CHAMADA INTERNA PARA BOLSISTA UAB/CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO E GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL COORDENAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA A DISTÂNCIA CHAMADA INTERNA PARA TUTORES PRESENCIAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E:

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E: RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE Aprova as normas básicas da atividade acadêmica dos Cursos de Graduação na modalidade de Educação à Distância da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA OS POLOS DE APUCARANA E PARANAGUÁ - 64/2013 CIPEAD/PROGRAD/SEPT

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA OS POLOS DE APUCARANA E PARANAGUÁ - 64/2013 CIPEAD/PROGRAD/SEPT EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA OS POLOS DE APUCARANA E PARANAGUÁ - 64/2013 CIPEAD/PROGRAD/SEPT CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM MÍDIAS INTEGRADAS NA EDUCAÇÃO 2013 A Universidade

Leia mais

Disciplina Duração Vagas. 1- Participar da Capacitação inicial para o exercício da tutoria segundo o

Disciplina Duração Vagas. 1- Participar da Capacitação inicial para o exercício da tutoria segundo o UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Edital 2 - Seleção de Bolsista Professor-Tutor para o Curso de Especialização em Educação Especial Deficiência Auditiva/Surdez A Coordenação do Curso de

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Escola de Ciências e Tecnologia Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia (Rascunho) Introdução O Bacharelado em Ciências e Tecnologia (BCT), da Universidade

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Especialização em Educação de Jovens e Adultos para a Juventude - EaD

Especialização em Educação de Jovens e Adultos para a Juventude - EaD Instituto de Ciências Exatas e da Terra Departamento de Química Área de Ensino de Química Especialização em Educação de Jovens e Adultos para a Juventude - EaD Equipe Prof. Ms. Marcel Thiago Damasceno

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015 1 A Coordenação do Curso de Administração, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições e em cumprimento ao Art. 5 o do Regulamento de Monitoria, Anexo da Resolução de 21 de dezembro

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

PARECER AINDA NÃO HOMOLOGADO

PARECER AINDA NÃO HOMOLOGADO PARECER AINDA NÃO HOMOLOGADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADOS: Ministério da Saúde e Ministério da Educação UF: DF ASSUNTO: Proposta de habilitação técnica para a profissão

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013)

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CIÊNCIAS CONTÁBEIS PUC MINAS VIRTUAL

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CIÊNCIAS CONTÁBEIS PUC MINAS VIRTUAL SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CIÊNCIAS CONTÁBEIS PUC MINAS VIRTUAL 1. PERFIL DO CURSO Tratase de um Curso desenvolvido na modalidade à distância, condição que possibilita ao aluno realizar os estudos em local

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM INFORMÁTICA PARA INTERNET NA MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - REDE E-TEC BRASIL

CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM INFORMÁTICA PARA INTERNET NA MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - REDE E-TEC BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COORDENADORIA DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM INFORMÁTICA PARA INTERNET NA MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - REDE E-TEC BRASIL PROJETO

Leia mais

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO: Bacharelado em Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado (

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA EDITAL 02/2011

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA EDITAL 02/2011 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA EDITAL 02/2011 A Supervisão Acadêmica de Tutores do Grupo Educacional UNINTER torna público

Leia mais

A tutoria na Educação a Distância

A tutoria na Educação a Distância XII Workshop NPT em Educação a Distância A tutoria na Educação a Distância AMALI DE ANGELIS MUSSI UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA UEFS 06 de novembro de 2015 TUTORIA... QUANDO PENSAMOS EM PRÁTICAS

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO EDITAL CONVÊNIO FNDE 400166/2010 UNESP/2014 PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS UAB/CAPES TUTORIA A DISTÂNCIA A Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, participante do programa de formação a

Leia mais