Tecnologia e Inovação como estratégia de crescimento e descentralização econômica em regiões interioranas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologia e Inovação como estratégia de crescimento e descentralização econômica em regiões interioranas"

Transcrição

1 Tecnologia e Inovação como estratégia de crescimento e descentralização econômica em regiões interioranas Juceline Durigam Ferreira Pessanha José Roberto dos Santos Resumo O artigo trata sobre a opção pela Tecnologia e Inovação como estratégia de crescimento e diversificação econômica, com potencial de transformação em regiões distantes da Macrometrópole Paulista, que concentra a atividade econômica no Estado de São Paulo, utilizando o caso real do município de Araçatuba e região. A economia de Araçatuba, anteriormente conhecida como Terra do Boi Gordo, representava, em 2000, 0,30% do PIB do Estado de São Paulo, percentual este que se reduziu para 0,28%, em 2010, com o crescimento em ritmo inferior ao estadual. Em um cenário de substituição da pecuária pela cultura da cana-de-açúcar, o crescimento de investimentos em logística e unidades fabris (associadas ao processamento de insumos agropecuários, como a indústria sucroalcooleira, de papel e celulose, nutrição animal e alimentícia), o município busca alternativas de desenvolvimento econômico que permitam a geração de produtos e serviços de alto valor agregado, com objetivo final de ampliar seu dinamismo econômico e relevância no estado e como pólo regional no Oeste Paulista. Neste contexto, o projeto de um Parque Tecnológico em Araçatuba se configura como uma solução viável, amparado pela presença de instituições de ensino e pesquisa atuantes e de empresários que utilizam a tecnologia como estratégia de diferenciação e consolidação em suas empresas. Atualmente, as oportunidades de spin off de tecnologia das universidades locais e regionais para o mercado se materializam na forma de iniciativas isoladas associadas à genética animal e à produção de softwares para segmentos específicos, como o sucroalcooleiro e de administração pública. Todavia, os levantamentos e diagnósticos iniciais elaborados indicam que as oportunidades de ampliação deste movimento são latentes e podem ser percebidas pelo elevado número de publicações científicas de Araçatuba e pelo crescente número de patentes geradas na localidade. Outro destaque são lacunas de atendimento de serviços tecnológicos, notadamente aqueles relacionados a ensaios de conformidade de produtos, com destaque para combustíveis. A consolidação do potencial de negócios relacionados a tecnologia e inovação pode configurar uma nova identidade para Araçatuba e região, fortalecendo e diversificando sua economia. Esse processo pode ser amparado por políticas públicas consistentes, das quais o Parque Tecnológico é uma manifestação concreta, com caráter agregador de parceiros e capacidade de reduzir barreiras ao desenvolvimento tecnológico local, como por exemplo, dificuldades de acesso a serviços de registro de patentes e licenças e de captação de recursos e financiamento setoriais para empresas. O planejamento atual do Parque Tecnológico de Araçatuba, enquanto projeto estruturante de influência regional, considera os diversos elementos aqui sintetizados e projeta objetivos futuros que se reflitam no crescimento da participação municipal no PIB do Estado, através da criação de um ambiente de inovação e negócios de tecnologia com apoio para sua instalação e sobrevida, utilizando a incubação, e na construção de um arranjo institucional inclusivo e sólido, com metas definidas em diferentes horizontes de tempo. A implantação e concretização de tal planejamento têm profundo caráter transformador em uma economia de reduzida escala e pode se configurar como uma estratégia alternativa e real ao crescimento da indústria sucroalcooleira e alimentícia, podendo contribuir para a agregação de valor em tais setores. Palavras chave: Parque Tecnológico, Araçatuba, diversificação econômica. Juceline D.F.Pessanha é Engenheira Mecânica e Gerente de Projetos da Geo Brasilis Consultoria, Planejamento, Meio Ambiente e Geoprocessamento Ltda. Tel.: José Roberto dos Santos é graduado em Economia e Geografia e é Diretor da Geo Brasilis Consultoria, Planejamento, Meio Ambiente e Geoprocessamento Ltda. Tel.:

2 Technology and Innovation as strategies of growing and economic decentralization in countryside areas Juceline Durigam Ferreira Pessanha José Roberto dos Santos Abstract This article comments about the option for Technology and Innovation as strategies of growing and economic diversity, with potential transformation in distant regions from Metropolitan Area of São Paulo, which centralizes economic activities in São Paulo State, using for instance, Araçatuba City and its region. The economy from Araçatuba City, once known as Fat Ox Land, used to represent in 2000, 0,30% of the GNP from São Paulo State, percentage that was 0,28% in 2010, showing a decrease in growing in comparison to the State. In a scenery of substitution of cattle-raising for sugar-cane crops, the growing of investments in logistics and textile plants (associated to the development of items for cattle-raising and agriculture, for instance, juice and alcohol producer companies, paper and cellulose, animal nutrition and food companies), the city searches for alternatives related to economic development that could permit creation of services and products with significant added value, with final goal of development of economic matters and significance in the State as an important pole in the West area of São Paulo. In this context, the project of a Science Park in Araçatuba shows itself like a possible solution, supported by Teaching and Researching Institutions in area,and besides, businessmen that have been using technology as an important tool in their companies. Nowadays, the opportunities of spin off of technology in local or regional Universities for the market, they materialize in isolated enterprises related to animal genetics and production of software for particular segments, such as juices and alcohol companies and public administration. However, the studies and diagnosis related to Technology and Innovation may create a new identity for Araçatuba and region, strengthening and diversifying its economy. This process may be supported by serious public politics. Science Park is a good example of that with a characteristic of joining partners, being able to reduce barriers to local technological development, such as difficulties related to registration of patents and licenses or collect financial resources and leasing for several kinds of companies. The current planning of SciencePark in Araçatuba, as a significant and influent project in area, considers several points and ideas summarized in this article and projects future goals that show in the growing of the city related to the GNP from the state through creation of an environment of innovation and business related to technology, having support for setting up and carrying on, using incubation, as well as in building an including and serious institutional arrangement with well defined goals in different periods of time. The establishment of such planning has strong aspect of transformation in a low level economy and may show itself as an important alternative strategy for the growing of juice, alcohol and food companies and even more contributing for raising economic sources in those sectors. Key words: Science Park, Araçatuba, economic diversity Juceline D.F.Pessanha graduated in Mechanical Engineer and is Project Manager at Geo Brasilis Consultoria, Planejamento, Meio Ambiente e Geoprocessamento Ltda. Phone José Roberto dos Santos graduated in Economics and Geography and is CEO at Geo Brasilis Consultoria, Planejamento, Meio Ambiente e Geoprocessamento Ltda. Phone

3 1. Introdução A evolução da dinâmica econômica para um modelo que valoriza o conhecimento com fonte de geração de valor agregado em produtos e serviços afeta regiões metropolitanas ou interioranas, com maior ênfase nestas últimas, que tendem a apresentar maiores barreiras ao desenvolvimento e à atração de novos negócios, em função de fatores como: Menor índice de investimentos públicos em infraestrutura; Menor oferta de mão de obra qualificada, principalmente nos níveis técnico, tecnológico e de alta especialização; e Maior distância de grandes mercados consumidores. No Estado de São Paulo, especialmente, o crescimento da atividade econômica e consequentemente de indicadores associados como o PIB Produto Interno Bruto acontece de modo a privilegiar a Macrometrópole Paulista, composta pelas Regiões Metropolitanas de São Paulo, da Baixada Santista, de Campinas e do Vale do Paraíba e Litoral Norte, as aglomerações urbanas de Sorocaba, Jundiaí e Piracicaba, além das microrregiões de Bragantina e São Roque. Neste cenário, a região oeste do Estado apresenta ritmo inferior de crescimento à média estadual, o que se reflete diretamente no município de Araçatuba e em outras localidades do seu entorno. Este contexto define o Araçatuba e sua região como objeto desta análise, cujo objetivo é avaliar o potencial indutor de desenvolvimento e diversificação econômica que pode ter um Parque Tecnológico em um quadro marcado pela estagnação e baixo crescimento econômico e demográfico. De modo a se atingir tal objetivo, serão utilizadas análises de dados econômicos e demográficos, analises qualitativas de entrevistas e pesquisas (através de instrumento de pesquisa específico, elaborado para a captação de informações que subsidiem a criação do Parque Tecnológico de Araçatuba) realizadas com empresários e instituições de ensino superior da região e gestores públicos municipais responsáveis pela implantação do empreendimento, entre outras ferramentas metodológicas consideradas relevantes para o escopo definido. Serão apresentadas e contextualizadas as dimensões econômica, de ensino e pesquisa e o cenário atual de desenvolvimento de tecnologia e inovação em Araçatuba, com destaque para as barreiras encontradas, a partir das quais pretende-se justificar a opção pelo Parque

4 Tecnológico enquanto política pública estruturante com forte potencial de eliminação de tais obstáculos. 2. Breve Contextualização sobre a Economia de Araçatuba O processo de modificação do perfil econômico do município de Araçatuba está associado ao declínio da atividade pecuária e sua substituição pela cultura da cana-de-açúcar e pela indústria sucroalcooleiras. A participação da atividade pecuária na composição do Produto Interno Bruto PIB municipal iniciou na década de 1970, com um forte movimento de industrialização marcado pela instalação de grandes indústrias alimentícias, como Nestlé e Etti (atualmente de propriedade do grupo Bunge) no município, ampliando a ocupação industrial às margens da rodovia SP 300 Marechal Rondon. Após este ciclo de industrialização, percebeu-se uma acomodação dos investimentos, que foram retomados ao longo da última década com a implantação de uma unidade fabril para produção de papel, instalação de estaleiro para construção de barcaças empurradores e de embarcações para navegarem na hidrovia Tietê-Paraná, a construção e um centro multimodal para logística de etanol (que explora as diferentes possibilidades de transporte de cargas existentes em Araçatuba, como a ferrovia concessionada para a América Latina Logística ALL, a rodovia Marechal Rondon SP 300, além da própria Hidrovia e correspondente terminal portuário, conjugando esta infraestrutura com serviços de armazenamento de combustível e dutovia de gás natural, concessionada para a empresa Gas Brasiliano) e da inauguração de uma unidade fabril produtora de suplementos alimentícios. Este movimento econômico implicou na alteração não apenas do perfil de ocupação do solo rural, com o arrendamento de propriedades para a cultura canavieira como apresentou a intensificação do grau de urbanização do município e da região, que é afetada pela mesma dinâmica e colabora com a migração população para Araçatuba, enquanto localidade polo. Todavia, o movimento demográfico de migração para Araçatuba foi comprometido pela estagnação econômica da localidade e pelo baixo crescimento do PIB municipal, em período recente. Entre os anos e 2.012, segundo dados da Fundação Seade, a população Estado de São Paulo cresceu 13,43%, enquanto na Região de Governo de Araçatuba verificou-se aumento demográfico de 12,11%. No mesmo período, a população do município de Araçatuba cresceu 8,51%, que representa crescimento 36,6% inferior ao estadual.

5 Quadro 1. Evolução da População de Araçatuba, da Região de Governo e Araçatuba e do Estado de São Paulo, entre e Localidade Variação no Período Estado de São ,43% Paulo Região de ,11% Governo de Araçatuba Araçatuba ,51% Fonte: Fundação Seade A realização de análise similar para a evolução do Produto Interno Bruto PIB mostra que, entre os anos e 2.010, o PIB estadual cresceu 194,13%, o da Região de Governo evoluiu 196,8% enquanto o PIB do município de Araçatuba obteve aumento de 177,54%. Embora este resultado possa ser modificado em período posterior de análise, influenciado pela concretização dos investimentos anteriormente anunciados e apresentados, Araçatuba configura a necessidade de adoção de políticas econômicas de caráter local, com potencial para reverter o cenário de perda de participação na economia estadual, o que afeta sua dinâmica econômica como um todo e reduz sua atratividade para moradores e empresas. Quadro 2. Evolução do PIB de Araçatuba, da Região de Governo de Araçatuba e do Estado de São Paulo, em milhões de reais Localidade Variação no Período Estado de São Paulo , , , , , ,93 194,13% Região de 3.262, , , , , ,55 196,80% Governo de Araçatuba Araçatuba 1.261, , , , , ,84 177,54% Fonte: Fundação Seade Cabe ressaltar que, ao mesmo tempo em que sua economia cresce em ritmo inferior ao estadual e regional, com seu PIB correspondendo a aproximadamente 0,28% do valor do Estado de São Paulo, Araçatuba sofre alteração do perfil das atividades econômicas preponderantes, com forte crescimento do setor de serviços.

6 Tal comportamento é influenciado pelo já surgimento de empresas de logística de cargas e terminais multimodais no município, bem como pelo fortalecimento de um polo criador de software e da prestação de serviços de apoio à indústria do açúcar e do álcool. O crescimento do valor adicionado do setor de serviços (175,63%) é o segundo maior do município entre os anos a 2.010, ficando atrás da Agropecuária (336,28%), segundo dados da Fundação Seade. No mesmo período, a indústria apresentou evolução de 160,96%, tendo sido o setor econômico de menor crescimento. Quadro 3. Evolução da distribuição do valor adicionado por setores econômicos em Araçatuba, entre e Variação no Período Serviços 879, , , , , ,18 175,63% Agropecuária 19,13 42,67 41,25 47,14 41,2 83,46 336,28% Indústria 248,77 222,31 276,38 310,3 464,46 649,2 160,96% Fonte: Fundação Seade O crescimento do subsetor industrial sucroalcooleiro, bastante relevante nos últimos vinte anos para a economia de Araçatuba e região, não foi suficiente para manter a participação do setor no valor adicionado, em virtude de sua vulnerabilidade ao preço definido em mercados internacionais de commodities. Ao mesmo tempo, os inúmeros investimentos ocorridos nos últimos anos na construção de novas usinas e na ampliação da capacidade das já existentes, com a expansão das fronteiras da cana de açúcar até os limites do estado de Mato Grosso do Sul, têm aumentado a dependência regional do negócio do açúcar e álcool e permitindo a criação de uma cadeia produtiva onde, ao contrário de outros polos como Piracicaba, a tecnologia não é adotada como diferencial estratégico e de agregação de valor. Este subsetor ainda colabora (através da produção do açúcar) para que o alimentício ainda se configure como o principal subsetor industrial de Araçatuba, representado por grandes corporações voltadas à transformação de insumos agropecuários (cana de açúcar, tomate, leite, milho, soja, entre outros). Assim, pode-se afirmar que economia de Araçatuba concentra sua atividade industrial em poucos setores específicos (alimentício e de combustíveis, com 56% e 26% da participação no

7 valor adicionado, respectivamente), apresentando forte fragmentação na participação da composição do valor adicionado por parte de outros subsetores, como o de móveis. Figura 1. Distribuição dos subsetores industriais em Araçatuba quanto à sua participação no valor adicionado, no ano de Fonte: Fundação Seade Cabe ressaltar que projetos relevantes em nível regional, como a implantação de um estaleiro para construção de barcaças e empurradores fluviais para transporte de álcool até Anhembi (SP), colaboram com o incremento da importância da indústria na composição da riqueza local, ao mesmo tempo em que estimulam a multimodalidade, vocação reconhecida e pouco explorada até recentemente, em Araçatuba. Investimentos desse tipo podem influenciar também a importância relativa de subsetores industriais, ampliando participação do grupo Material de Transportes (2% em 2010, de acordo com a Fundação Seade). Se a utilização do desenvolvimento de tecnologias e inovação não é utilizado estrategicamente como diferencial tecnológico pelo setor sucroalcooleiro, outras vocações outrora exploradas, como a criação de gado de corte, foram alteradas pela introdução de tecnologias relevantes em seus processos como no caso da genética animal e suas aplicações, que vão da certificação da origem das matrizes de gado à reprodução assistida e comercialização de matrizes genéticas.

8 Regionalmente, Araçatuba se situa em uma porção do Estado de São Paulo marcada pela presença da indústria sucroalcooleira, pelo crescimento acelerado de Três Lagoas (MS) e pela estagnação do forte desenvolvimento industrial ocorrido em Birigui nas últimas décadas na cadeia produtiva do calçado infantil. 3. O Ensino Superior e Pesquisa em Araçatuba Araçatuba é o grande pólo universitário da região noroeste do estado e parte significativa do corpo discente de ensino superior migra diariamente de outros municípios menores com destino ao município, tanto para estudos de graduação quanto de pós-graduação. O município conta com duas universidades: UNESP Universidade Estadual Paulista: com cursos de graduação e pós-graduação em Odontologia e Veterinária; e UNIP Universidade Paulista: com cursos de Engenharia Civil, Ciência da Computação, Sistemas de Informação, além de outros cursos de licenciatura e bacharelado, inclusive na área de saúde. Os dois Centros Universitários privados (UniToledo e UniSalesiano) oferecem cursos de licenciatura e bacharelado em área de gestão e comunicação, além dos seguintes cursos de cunho tecnológico: Tecnologia em Sistemas de Informação (UniToledo); Tecnologia em Design de Modas (UniToledo); Tecnologia em Design de Interiores (UniToledo); Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas (UniSalesiano); Engenharia Mecatrônica (UniSalesiano); Engenharia da Computação e Tecnologia em Jogos Digitais (UniSalesiano); e Engenharia de Telecomunicações (UniSalesiano); Engenharia Elétrica (UniToledo); Engenharia de Energia (UniSalesiano); Engenharia de Biocombustíveis (UniSalesiano); Engenharia Civil (UniToledo). Outras instituições de ensino superior oferecem os seguintes cursos de cunho tecnológico: Ciência da Computação (Faculdades COC); Bioenergia Sucroalcooleira (FATEC); e Informática (FATEC).

9 3.1. Capital Humano e Produção Científica Os principais centros universitários privados de Araçatuba desenvolvem limitados programas de pós graduação em áreas de tecnologia, dispondo de 6 doutores e 23 mestres como docentes em seus quadros. Sua produção acadêmica de tais instituições é concentrada em artigos de iniciação científica, com reduzido número de publicações nos cursos de pós-graduação, que concentram suas atividades tecnológicas em pesquisas relacionadas a automação residencial, e biotecnologia vegetal. Este perfil é coerente com as dificuldades existentes para a captação de recursos para pesquisas e investimentos em novos equipamentos e laboratórios. Assim, as instituições buscam convênios e parcerias com institutos de ciência e tecnologia mantidos pelo Governo do Estado de São Paulo e por universidades públicas como alternativas para sua inserção em projetos de interesse e para preparar o corpo discente para o ingresso em programas de pósgraduação públicos. Cabe destacar que em Araçatuba é promovido anualmente desde 2001, o ENPEX Encontro de Ensino Pesquisa e Extensão, evento de alcance nacional que promove a divulgação de trabalhos de iniciação científica. O evento é organizado por instituições de ensino superior particulares e tem alcance nacional, tendo apresentado contínuo aumento no número de trabalhos inscritos e participantes. Destacados os esforços das instituições particulares, cabe ressaltar a predominância a produção científica e acadêmica da universidade pública presente em Araçatuba. A maior instituição de pós-graduação e pesquisa do município é a UNESP, que atua nas áreas de Odontologia e Ciências Veterinárias. O programa de Pós-Graduação em Ciência Animal da UNESP de Araçatuba oferece oportunidades nas áreas de: Áreas de Concentração em Fisiopatologia Médica e Cirúrgica (Mestrado e Doutorado), Medicina Veterinária Preventiva e Produção Animal (Mestrado) e Medicina Veterinária Preventiva (Doutorado). Todas as áreas apresentam programas e linhas de pesquisas definidos, com grande produção científica e maiores números de spin offs, relacionados predominantemente à genética e nutrição animal, ambos associados à Ciência Fisiológica. Na área de Odontologia, algumas das principais linhas de pesquisa são relacionadas ao desenvolvimento de técnicas e tratamentos clínico-cirúrgicos, aplicação de fármacos e

10 materiais odontológicos. Os programas de pós graduação da FOA são os únicos a realizar depósito de patente em Araçatuba. O programa de pós-graduação de Odontopediatria da UNESP tem atuação nas seguintes áreas: Crescimento e Desenvolvimento Somático e Psicológico da Criança, Prevenção da Cárie Dentária e Reação Pulpar a Materiais Restauradores, Tratamentos Endodônticos e Traumatismo Dentário. Os programas de pós graduação da FOA são os únicos a realizar depósito de patente em Araçatuba. Com foco na cooperação na formação de um ambiente de inovação e desenvolvimento da ciência que extrapole a universidade, a UNESP, através da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, tem promovido anualmente, desde 2011, a Feira de Ciência e Tecnologia, que tem como público alvo alunos do ensino fundamental do município e região O Estímulo à Produção Científica em Araçatuba Em 2012, Araçatuba apresentou significa produção científica, incluindo publicações de artigos, pesquisas, participações em livros entre outros. Um breve resumo por macroáreas de conhecimento mostra: Ciências Biológicas 699 publicações; Ciências Exatas 32 publicações; Outros 78 publicações. Ao todo, 104 bolsas de pós-graduação foram concedidas pela Capes Coodenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, em 2012, a pós-graduandos estabelecidos em entidades de ensino de Araçatuba. Como comparação, em 2005, foram 37 bolsas, configurando aumento de 181%. Dessas 104 bolsas, 49 são de doutorado, outras 53 de mestrado e as 2 restantes de pós-doutorado. Avaliando a distribuição dessas bolsas por área de estudo, tem-se que a grande maioria, mais de 63,4%, está dedicada às ciências de saúde, correspondendo a bolsas de pesquisa na UNESP, curso de Odontologia. As bolsas de ciências agrárias, concentradas na UNESP Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba, correspondem a 25% do total. A FAPESP Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo concedeu, para estudantes de Araçatuba, 811 auxílios em diferentes modalidades, entre 2008 e junho de São bolsas para doutorado, pesquisa científica, iniciação científica, publicações e participação em eventos, no Brasil e no exterior, distribuídas, em sua grande maioria, para as áreas de ciências de saúde e agrárias.

11 Ainda segundo o Capes, a quase totalidade dos docentes em nível superior, alocados em áreas com potencial tecnológico, no município, são doutores. Quanto à avaliação dos programas de pós-graduação disponíveis, segundo critérios do Capes, 10 programas apresentam conceito quatro e outro conceito cinco. 4. A Inovação Tecnológica em Araçatuba na Atualidade Atualmente, o processo de inovação tecnológica em Araçatuba se dá de maneira isolada na maior parte dos casos, através de iniciativas particulares (empresas, geralmente) ou de pesquisa acadêmica concentrada na Universidade Pública (UNESP), conforme apresentado anteriormente. As empresas realizam investimentos em pesquisa e desenvolvimento majoritariamente às suas próprias expensas, desconhecendo linhas de crédito e financiamento que podem ser utilizadas de modo a colaborar na viabilização de desenvolvimento de novas tecnologias. Entre as empresas entrevistadas no município, ao longo do primeiro semestre de 2013, das que realizam pesquisas com foco em desenvolvimento de novos produtos e aplicações tecnológicos e absorção de novas tecnologias, menos de 40% conhecem linhas de crédito com disponibilidade de recursos que possam ser captados. Menos de 10% utilizam tais recursos de maneira regular, desenvolvendo programas sistêmicos de pesquisa e desenvolvimento. Quanto às suas demandas de produtos e serviços tecnológicos, grande parte dos empresários (67% dos entrevistados) manifestou a necessidade de ampliação de disponibilidade de trabalhadores qualificados, fornecedores de produtos e serviços tecnológicos, sendo que estes últimos são comumente trazidos da Região Metropolitana de São Paulo, do Rio de Janeiro, de São José do Rio Preto ou Ribeirão Preto. O município não dispõe e laboratórios acreditados ou certificados para a realização de ensaios de conformidade e serviços de calibração e aferição são escassos. O diálogo entre as instituições de ensino e pesquisa com as empresas é incipiente, ocorrendo com pouca formalização e baseado em conceitos bastante consolidados como a utilização de parcerias para a oferta de vagas de bolsas para estagiários. Menos de 20% das empresas realizam projetos conjuntos com as instituições de ensino e pesquisa, sejam eles relacionados à customização de cursos, que aproximem a formação dos alunos de nível superior da necessidade existente ou ao desenvolvimento de projetos de pesquisa em parceria. E, por fim, a atuação do poder público local enquanto elemento de amálgama e convivência dos diferentes atores carece da estruturação necessária ao fortalecimento e institucionalização de suas ações, o que é observado pela realização de apenas duas reuniões do Conselho

12 Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação de Araçatuba ao longo de dois anos, pela ausência de políticas de estímulo à pesquisa, inovação e tecnologia nas empresas e na articulação junto aos atores de promoção do desenvolvimento de tecnologia e inovação. Considerando as oportunidades relacionadas a novos negócios tecnológicos e startups, uma análise dos processos de apoio aos empreendedores indica a predominância de a utilização de ferramentas tradicionais, que apresentadas a seguir a partir do órgão responsável pela sua aplicação: SEBRAE, através de seus programas de organização de negócios; Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Relações do Trabalho, que disponibiliza incubadora com vagas para empresas e economia tradicional e de base tecnológica, contando atualmente com quatro empresas incubadas; e Aceleradora de empresas: criada com Apoio do CIESP Regional Araçatuba e da UNIP Universidade Paulista Campus Araçatuba, a aceleradora atraiu empresas start ups através de edital específico selecionando projetos de inovação e tecnologia. O processo, concebido para durar quatro meses, envolverá palestras com professores a universidade, apoio na estruturação da ideia de negócio, séries de workshops e eventos de capacitação para os empreendedores, incluindo apresentação dos empreendimentos a potenciais investidores. Foram selecionadas duas startups, ambas com projetos na área de Tecnologia da Informação e Comunicação TIC. No que tange aos processos de propriedade industrial, observa-se reduzido número de patentes depositadas por empresas do município e por empreendedores individuais. Segundo empresas que atuam no ramo na Região de Governo de Araçatuba, no município 70% das patentes depositadas são de posse de pessoas comuns, que tiveram uma ideia, produziram protótipos e efetuaram os processos de registro de propriedade industrial, dispondo de escassas oportunidades de transformação da invenção em negócio rentável e gerador de tecnologia. Mais de 60% dos entrevistados, sejam do setor acadêmico ou empresarial, percebem como barreiras existentes ao desenvolvimento de tecnologia e inovação pelo menos três entre os seguintes fatores: A ausência de espaços de relacionamento entre universidade e empresas; A dificuldade na atração de recursos para pesquisa e desenvolvimento; Dificuldades regulatórias, financeiras e culturais para proteção da propriedade intelectual;

13 A carência de profissionais para pesquisa e desenvolvimento; e Ausência de prestadores de serviços tecnológicos, notadamente os relacionados à prototipagem, ensaios de conformidade e outros ensaios. 5. Sinergias entre o Parque Tecnológico de Araçatuba e a Economia Local Considerando o atual contexto econômico e de ensino e tecnologia em Araçatuba e região, o Parque Tecnológico pode colaborar com a redução das principais barreiras ao desenvolvimento de ciência, tecnologia e inovação identificadas, inicialmente através da aproximação entre empresas, universidade e empreendedores, com foco na geração de novos negócios de maior valor, que possam atender demandas locais ou regionais existentes e potenciais. Isso se dá pela influência na proximidade física dos atores na composição de um ambiente de inovação, o que atualmente não acontece de maneira natural em Araçatuba, onde carecem incentivos institucionalizados, espaços de interação e diálogo no que se refere à inovação, tecnologia e pesquisa aplicada. Uma análise preliminar das possíveis sinergias entre vocações econômicas implantadas e não desenvolvidas no município e áreas de conhecimento a serem trabalhadas no Parque Tecnológico de Araçatuba dentro de suas diretrizes de Ciências, Tecnologia e Inovação, revelou descompasso entre as pesquisas realizadas e áreas de conhecimento desenvolvidas pela academia, no que se refere aos setores sucroalcooleiro e de tecnologia da informação e comunicação. A posterior expansão de tal análise permitirá a avaliação de outros setores de interesse, como: Indústria Alimentícia; Indústria Moveleira; Genética Animal; Logística. 5.1.Estruturação do Processo de Avaliação de Sinergias A avaliação se dará através da construção de quadros onde serão analisados: Presença de cursos de nível superior, tecnológico e técnico relacionados ao subsetor; Existência de pesquisas acadêmicas relacionadas ao setor, quais sejam as realizadas por instituições de ensino superior ou por Institutos de Ciência e Tecnologia (ICT) presentes em Araçatuba e Região;

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Parque Científico e Tecnológico de Macaé

Parque Científico e Tecnológico de Macaé Parque Científico e Tecnológico de Macaé Carlos Eduardo Lopes da Silva¹ Ramon Baptista Narcizo² Joelson Tavares Rodrigues³ Resumo Este artigo apresenta os principais conceitos e estratégias que apóiam

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores

Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores Oportunidade Criação da Empresa Ensino Spinoffs Pesquisa Laboratórios Startups Pré-Incubações Hotel de Projetos Incubação da Empresa Aceleradora

Leia mais

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia 1 O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia Eng. Maristela Gomes da Silva, Dr. 1 Os objetivos desta primeira intervenção são apresentar a situação

Leia mais

negócios agroindustriais

negócios agroindustriais graduação administração linha de formação específica negócios agroindustriais Características gerais A Linha de Formação Específica de Negócios Agroindustriais da Univates visa ao desenvolvimento de competências

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 (Lei Paulista de Inovação)

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 (Lei Paulista de Inovação) LEI COMPLEMENTAR Nº 1.049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 (Lei Paulista de Inovação) Dante Martinelli Coordenador de Ciência, Tecnologia e Inovação da Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo A Lei

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CARTA SÃO PAULO 2006 1 CARTA SÃO PAULO 2006 Visão para inovação, competitividade e renda. Reunidos na cidade de São Paulo-SP, no dia 25 de agosto de

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05 RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: Eixo dos Arranjos Produtivos Locais APL s - GRUPO DE TRABALHO 07: Oportunidades para Desenvolvimento Tecnológico na Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA:

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS PARA ESTUDOS DE DOUTORADO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA (UNESP) DO BRASIL

PROGRAMA DE BOLSAS PARA ESTUDOS DE DOUTORADO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA (UNESP) DO BRASIL PROGRAMA DE BOLSAS PARA ESTUDOS DE DOUTORADO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA (UNESP) DO BRASIL PROGRAMA DE APOIO A ESTUDANTES DE DOUTORADO DO EXTERIOR (PAEDEX) CONVOCATÓRIA 2012 APRESENTAÇÃO O Programa

Leia mais

Introdução de Práticas de Inovação Contínua nas Micro e Pequenas Empresas do Arranjo Produtivo Local do Vestuário de Maringá: um Estudo de Caso

Introdução de Práticas de Inovação Contínua nas Micro e Pequenas Empresas do Arranjo Produtivo Local do Vestuário de Maringá: um Estudo de Caso Introdução de Práticas de Inovação Contínua nas Micro e Pequenas Empresas do Arranjo Produtivo Local do Vestuário de Maringá: um Estudo de Caso Cleina Yayoe Okoshi, Francisco Rodrigues Lima Junior, Leandro

Leia mais

BRDE INOVA. Joaçaba, 12 de maio de 2014. Apresentador: Paulo César Antoniollo

BRDE INOVA. Joaçaba, 12 de maio de 2014. Apresentador: Paulo César Antoniollo BRDE INOVA Joaçaba, 12 de maio de 2014 Apresentador: Paulo César Antoniollo Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019 Agosto-2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação

Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação Mário Rafael Bendlin Calzavara RESUMO A Incubadora Senai Centro Internacional

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

PROGRAMA RS TECNÓPOLE. Outubro de 2013.

PROGRAMA RS TECNÓPOLE. Outubro de 2013. PROGRAMA Outubro de 2013. Programa Estadual que visa o desenvolvimento regional através do desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação em todas as regiões do Estado do Rio Grande do Sul, objetivando

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar Ambiente virtual para inovar Secti lança Portal Paraense de Inovação para conectar atores estratégicos e aumentar investimento em inovação no Pará Por Igor de Souza Ana possui uma promissora empresa de

Leia mais

Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01

Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01 Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01 ELABORAÇÃO DE PLANOS DE SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA PARA EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS ORGANIZADOS EM REDES DE COOPERAÇÃO NOS TERRITÓRIOS DA MATA SUL/PE, MATA

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

Estado de São Paulo. Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde. Juan Quirós Presidente

Estado de São Paulo. Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde. Juan Quirós Presidente Estado de São Paulo Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde Juan Quirós Presidente 12 de agosto de 2015 Investimento Estrangeiro na Saúde Abertura ao investimento do capital estrangeiro: Oportunidades

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO ORÇAMENTÁRIA JOSÉ TADEU JORGE REITOR UNICAMP 26/08/2015 - ALESP 1 PRIMEIROS ANOS -CAMPUS CAMPINAS 2 MARÇO 2014 -CAMPUS CAMPINAS 3 HOJE -CAMPUS CAMPINAS UNIVERSIDADE

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo IPEA/BID nº 1841/OC-BR Projeto: Dinâmica do Sistema Produtivo Brasileiro perspectivas

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Disseminar a cultura empreendedora e inovadora em Santa Maria Ações de disseminação da Cultura Empreendedora Ações de trabalho conjunto entre Universidades e Comunidade Divulgação do trabalho pelo CEI

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Materiais PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Inovação e Tecnológia na Gestão Pública Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Doutorado em Administração (UnB) Mestrado em Contabilidade e Controladoria (UFMG) Graduação em Ciências Contábeis

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação Política de Informação Pública Salvador, 28 a 30 de junho de 2004 Política de Informação Pública Inclusão Digital de Micro e Pequeno Empresa Telecentros

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012)

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) 1. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio da Secretaria de Ciência, Tecnologia

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010 Estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no Município de Santa Maria e dá outras providências. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER,

Leia mais

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo.

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo. Entraves à consolidação do Brasil na produção de energias limpas e renováveis Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo

Leia mais

740 mil pessoas estão à espera da sua loja.

740 mil pessoas estão à espera da sua loja. 740 mil pessoas estão à espera da sua loja. Imagem ilustrativa Fonte: Relatório Mapeamento de Mercado Potencial China Associados Geomarketing. Polo de desenvolvimento do NOROESTE PAULISTA, a região de

Leia mais

Inovação e Tecnologia

Inovação e Tecnologia Inovação e Tecnologia INOVAÇA O E TECNOLOGIA ALTERNATIVAS PARA APOIAR A CIÊNCIA, A INOVAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NO RS Em uma época identificada como a era do conhecimento e da informação, é

Leia mais

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Biominas Brasil tem 21 anos de experiência na criação e desenvolvimento de empresas de ciências da vida. A Biominas Brasil

Leia mais

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado Autorização Legislativa - Lei nº 12.439 de 18 de outubro de 2007 Assembleia de Fundação em 14/12/2007 REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

PDI GERAL DO CEFET/RJ

PDI GERAL DO CEFET/RJ PDI GERAL DO CEFET/RJ Princípios que devem nortear o estabelecimento de políticas e ações no CEFET/RJ e que devem constar do PDI: Institucionalidade/identidade de UT (estabelecimento de um modelo diferenciado

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Agenda de Políticas para Inovação Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Recursos Humanos para Inovação Horácio Lafer Piva - Klabin A Agenda Promover uma mudança no ensino brasileiro com direcionamento claro

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector Promovendo a cultura de inovação nas Instituições Brasileiras de Ciência e Tecnologia e a sua capacidade de transferir conhecimento para o setor empresarial Fostering the culture of innovation in the Brazilian

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 24 e 25 de outubro de 2013 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO PARCERIAS INTERORGANIZACIONAIS: ESFORÇO INOVADOR NO SETOR DE AÇÚCAR E ÁLCOOL JEFFERSON SILVA DE PÁDUA

Leia mais

Transferência de conhecimento, instituições e tradução: experiências recentes no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Inmetro

Transferência de conhecimento, instituições e tradução: experiências recentes no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Inmetro Transferência de conhecimento, instituições e tradução: experiências recentes no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Inmetro André Tortato Rauen, Dr. Pesquisador Tecnologista Objetivo:

Leia mais

www.pucrs.br/pos *AVALIAÇÃO CAPES POR QUE A PUCRS?

www.pucrs.br/pos *AVALIAÇÃO CAPES POR QUE A PUCRS? A Pós-Graduação da PUCRS é a porta de entrada para um novo momento da sua vida profissional e acadêmica. Você pode ampliar habilidades, fomentar ideias e adquirir conhecimento com experiências inovadoras

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Núcleo de Capital Inovador Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Anápolis cenário atual Segunda maior cidade do estado, com mais de 335 mil habitantes; 4,7 bilhões de reais de produto interno bruto,

Leia mais

Sessão 2. Marcos Aberto Martinelli. Secretário Municipal de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia

Sessão 2. Marcos Aberto Martinelli. Secretário Municipal de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia Sessão 2 Marcos Aberto Martinelli Secretário Municipal de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia América Latina precisa melhorar produtividade, diz Banco Mundial Brasil Econômico - Por AFP 14/09/10

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais