O MÉTODO CPS (Creative Problem Solving) NO ENSINO DE CRIANÇAS SOBREDOTADAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MÉTODO CPS (Creative Problem Solving) NO ENSINO DE CRIANÇAS SOBREDOTADAS"

Transcrição

1 O MÉTODO CPS (Creative Problem Solving) NO ENSINO DE CRIANÇAS SOBREDOTADAS Fernando Cardoso de Sousa (GAIM- Gabinete Académico de Investigação e Marketing/INUAF - Loulé) Palavras-chave: Resolução criativa de problemas; criatividade; ensino criativo; sobredotação Key-words: Creative problem solving; creativity; creative teaching; gifted and talented children Autor: Fernando Cardoso de Sousa /GAIM / R. Vasco da Gama, 6/ Loulé/tlf ; Web: 1

2 O MÉTODO CPS (Creative Problem Solving) NO ENSINO DE CRIANÇAS SOBREDOTADAS Fernando Cardoso de Sousa Resumo O presente trabalho tem como objectivo explicitar as regras de utilização do método CPS de resolução de problemas, num tipo de ensino dirigido ao desenvolvimento das capacidades de pensamento crítico e criativo, traduzidas nas perícias mentais de conceptualizar, analisar, sintetizar e avaliar informação, bem como nos processos de recolha dessa informação através de observação directa, experiência ou reflexão, método aparentemente adequado para crianças sobredotadas, visto permitir o exercício das suas capacidades intelectuais e da criatividade, para além de constituir uma excelente forma de treino em liderança e trabalho com grupos sector em que, muitas vezes, estas crianças revelam dificuldades em se ajustar a um estilo mais democrático. Esta metodologia destina-se a aplicar um conjunto de ferramentas e estruturas a problemas que não possuem uma solução única e cujas tentativas de resolução por outros métodos não tenha surtido o efeito desejado. Compreende seis passos: objectivo, factos, problema, soluções, decisão, e implementação. Cada passo contém duas fases: uma divergente, em que se tenta gerar o máximo de alternativas possível; uma convergente, em que apenas uma (ou pouco mais) é seleccionada. Funciona com grupos de 5 e 8 elementos, sendo a função de um deles a coordenação (facilitador), a quem compete manter o grupo no cumprimento das regras do método e dentro do objectivo definido. 2

3 THE CREATIVE PROBLEM SOLVING METHOD FOR THE EDUCATION OF GIFTED AND TALENTED CHILDREN Fernando Cardoso de Sousa Abstract The present article tries to explain the main aspects in the use of the creative problem solving approach (CPS), as an educational method for the development of critical and creative thinking abilities, represented in the mental skills of data conceptualizing, analysis, synthesis and evaluation, as well as in the processes of gathering information through direct observation, experiment or reflex ion, as an adequate method of education for the gifted and talented children, allowing the training of their mental abilities and creativity, as well as leadership and team work skills area in which these children often reveal difficulties in adjusting themselves to a more democratic approach. This methodology uses a series of tools and structures with ill defined problems, which have not a single possible solution, or that have not produced satisfactory solutions with other problem-solving methods. It includes six steps: objective-finding, fact-finding, problem-definition, solution-finding, decision-making and implementation. Each one of these steps has two moments: one divergent, in which the group tries to find the maximum possible number of alternatives; a convergent one, in which only one (or just a few) is selected. It generally works with groups of 5 to 8 elements, in which one is the facilitator, with the role of keeping the group focused in the selected objective and following the method s rules. 3

4 Introdução Imagine-se quando criança, ou mesmo em adulto, a frequentar uma classe onde soubesse tudo o que o professor dissesse ou, pelo menos, aprendesse muito mais depressa que os seus colegas. Ou que ainda tivesse de participar em actividades de aprendizagem nas quais não visse o mínimo interesse. Aborrecer-se-ia até mais não, não é? Pois bem, esse é um dos dramas das crianças sobredotadas e mantê-las interessadas na escola passa a ser um desafio importante. Agora imagine que o seu professor lhe atribuía uma tarefa completamente diferente: dirigir os seus colegas num projecto, utilizando uma técnica de resolução de problemas em grupo que faz da criatividade e, em especial, do pensamento divergente, uma das suas ferramentas principais. Pois bem, o interesse nas aulas sofreria uma reviravolta completa e a sua postura em relação à escola sairia muito beneficiado com isso, tal como refere Smith (2003). Assim, o presente trabalho tem como objectivo explicitar as regras de utilização do método CPS de resolução de problemas (Isaksen, S., Dorval, K. & Treffinger, D., 2000), num tipo de ensino dirigido ao desenvolvimento das capacidades de pensamento crítico e criativo, traduzidas nas perícias mentais de conceptualizar, analizar, sintetizar e avaliar informação, bem como nos processos de recolha dessa informação através de observação directa, experiência ou reflexão, método que Sieger & Kotovsky (1990) consideram adequado para crianças sobredotadas, visto abarcar duas das dimensões que Renzulli (1990) indica caracterizarem as crianças com aptidões especiais - as capacidades intelectuais e a criatividade -, para além de constituir uma excelente forma de treino em liderança e trabalho com grupos sector em que, muitas vezes, estas crianças revelam dificuldades em se ajustar a um estilo mais democrático. Perante aprendizes com potencialidades especialmente elevadas no campo da criatividade ou, mais especialmente, do pensamento divergente, todos os esforços devem ser feitos no sentido de se conseguir, pelo menos, manter o treino das habilidades cognitivas. A dúvida surge então sobre se será possível ensinar a criatividade e se isso poderá ser realizado por um professor que não seja também um criativo. 4

5 Desenvolver a criatividade nos outros A questão central é a de que a criatividade não pode ser ensinada, mas apenas "facilitada", isto é, não se pode levar alguém a ser criativo dizendo-lhe ou mostrandolhe o que deve fazer. A criatividade prende-se com a descoberta e expressão de algo que é tanto uma novidade para o indivíduo criador quanto para a realização em si mesma (Amabile,1983), como conseguir expressar o que se tem dentro de si (Rouquette, 1973), e com o tornar o complexo, simples (Adams, 1986). O acto de explicar como algo foi inventado pode facultar, a quem o compreenda, a possibilidade de replicar esse invento, mas essa replicação já não pode ser considerada um acto criativo. O mesmo se verifica para qualquer aptidão humana, desde a inteligência à capacidade de exteriorizar sentimentos e emoções. Não tem assim cabimento explicar às pessoas os actos criativos, na esperança de que elas se tornem criativas e muito menos expor teorias, princípios ou conceitos sobre o fenómeno criativo, com a mesma finalidade. Seria igualmente inadequado entregar a educação apenas a indivíduos considerados criativos nos seus campos profissionais (excepto se forem professores criativos, claro), quer pelas razões apontadas, quer porque dificilmente um criativo consegue explicar porque é assim, ou como funcionam os mecanismos que estão envolvidos nos seus actos criativos. Resta-nos partir do pressuposto de que todos somos potencialmente criativos, pelo simples facto de sermos seres inteligentes. O que precisamos, eventualmente, é da oportunidade (ambiente favorável) para expressarmos e desenvolvermos essa criatividade. O papel do agente de ensino é, exactamente, o de facilitar a ocorrência dessa oportunidade, isto é, de criar as condições propícias ao desenvolvimento da criatividade dos alunos. Vejamos então alguns exemplos sobre o modo através do qual o ensino da criatividade implica facultar condições para o desenvolvimento criativo dos alunos. Tomando a perspectiva da criatividade como a capacidade de resolver problemas mal definidos (Brown, 1989) é possível sistematizar alguns dos elementos que intervêm no processo do desenvolvimento criativo da pessoa (Quadro1). Aceita-se assim (Guilford, 1977) que o primeiro nível de expressão do aspecto cognitivo ande à volta de 5

6 capacidades associadas ao pensamento divergente, tais como a fluência (gerar grande quantidade de elementos de um problema, a partir de uma premissa central), flexibilidade (ser capaz de gerar categorias diferentes desses elementos, de as adaptar ao problema em questão, ou de fazer transições entre elas), originalidade (natureza remota, ou probabilidade muito reduzida de ocorrência dos elementos gerados a nível do raciocínio normal) e elaboração (grau de finalização desses elementos). Grande parte dos exercícios que fazem parte do ensino da resolução criativa de problemas, quer individuais (ex: associação livre, propriedade comum, relações forçadas), quer colectivos (ex: brainstorming, sinética, análise morfológica), não são mais do que instrumentos de treino e cuja finalidade consiste, para além do desenvolvimento dessas capacidades, em chamar a atenção para a necessidade da prática escolar respeitar vários domínios do desenvolvimento cognitivo. Torrance e Meyers (1970, p. 32), por exemplo, fornecem uma perspectiva interessante sobre o conceito da aprendizagem criativa: "...tornar-se sensível aos problemas, às deficiências e falhas no conhecimento, falta de elementos, desarmonias; juntar a informação disponível; definir a dificuldade ou identificar o elemento em falta; procurar soluções, estabelecer hipóteses, modificá-las e voltar a testá-las; aperfeiçoá-las; e finalmente comunicar os resultados..." Se considerarmos a criatividade como processo de mudança e de desenvolvimento da vida subjectiva (Csikszentmihalyi, 1991) e examinarmos, no Quadro 1, a componente afectiva da aprendizagem, constatamos a ocorrência de factores tais como curiosidade, tolerância à ambiguidade, fantasia. Ora a própria metodologia de resolução de problemas inclui a aplicação de instrumentos tais como o jogo e a simulação, metáforas e analogias, sessões de imagética e a redução de bloqueios emocionais, que obrigam o professor e os alunos a aplicar os mecanismos que operam na relação entre os elementos do grupo. É, talvez, no domínio afectivo, na passagem do nível individual para o nível grupal, que a metodologia de resolução de problemas melhor pode favorecer a tomada de consciência da envolvente do acto pedagógico. Constitui também um instrumento de grande qualidade para a experimentação de modos diferentes de mudar atitudes e comportamentos, exercer a disciplina, aumentar a coesão de grupo, lidar com a motivação individual, negociar, comunicar, decidir em grupo e outros aspectos associados à liderança. Como refere Simonton (1991), criatividade e liderança são ambos processos de influência e confundem-se em muitas das suas aplicações. 6

7 Quadro 1. Modelo de aprendizagem criativa 1º nível (Treffinger, 1980) COGNITIVO NÍVEL I AFECTIVO Fluência, flexibilidade, originalidade, elaboração FUNÇÕES DIVERGENTES Curiosidade, vontade de acompanhar, abertura à experiência, arriscar, sensibilidade aos problemas, tolerância à ambiguidade Existem alguns aspectos da criatividade pessoal que podem ser sujeitos a programas de treino, como se de uma modalidade desportiva se tratasse, assim como se pode provar que o sujeito melhorou nas aptidões consideradas. No entanto, não é ainda possível determinar se as aptidões definidas englobam o que se entende por "criatividade", pela simples razão que isso ainda é (...) algo que não se sabe definir, mas que se reconhece quando se encontra (Miller, 1986, p. 45). É, também, uma maneira simples de revitalizar métodos clássicos, como o "ensino democrático", "método Freinet", "método heurístico activo", "método centrado no aluno", "curriculum experiêncial", ensino reflexivo e muitos outros. Note-se ainda que, no Quadro 2, que resume comparações entre o ensino estático (tradicional) e o ensino dinâmico (criativo), omite-se o facto do chamado ensino dinâmico poder, por vezes, degenerar em ausência de método, indisciplina, caos, mas isso é o risco inerente a qualquer abuso ou ignorância doutrinária, da qual o ensino tradicional também não consegue ficar isento. Na verdade, sempre houve e haverá bons e maus professores e, contra isso, não existe qualquer antídoto conhecido, qualquer que seja o método aconselhado. No entanto, para os professores que desejam realmente melhorar o seu desempenho, a aplicação das metodologias de resolução criativa de problemas conferem ferramentas de extrema utilidade. Quadro 2. Comparação de características entre o ensino estático e o ensino dinâmico (Isaksen & Parnes, 1992) ENSINO ESTÁTICO ENSINO DINÂMICO 1. Os alunos vão à escola para adquirir 1. Os alunos vão à escola para adquirir conhecimentos já existentes. perícias que lhes permitam lidar com 2. A matéria escolar é educativa em si própria. desafios e acontecimentos imprevistos. 2. A matéria escolar adquire valor apenas quando utilizada de forma significativa. 7

8 3. A melhor forma de apresentar a matéria é através de fragmentos não associados. 4. Cada fragmento da matéria é igual para alunos e professor. 5. A educação é suplementar e preparatória para a vida. 6. A educação não constitui a vida, por isso não inclui aspectos sociais. 7. O professor fornece o objectivo para a aprendizagem. 8. Trabalhar em tarefas desprovidas de sentido constitui boa disciplina. 9. A resposta ao problema é mais importante do que o processo em si. 10. É mais importante medir o que foi aprendido do que aprender. 3. A melhor forma de apresentação é através do facultar de experiências estruturadas de aprendizagem. 4. O que é relevante para cada um varia com o indivíduo. 5. A educação é desenvolvimento e, portanto, uma componente da vida. 6. A aprendizagem significativa pressupõe comunicação efectiva com os outros. 7. As necessidades e o tipo de envolvimento do aluno fornecem o objectivo da aprendizagem. 8. O mais importante é tornar as tarefas significativas para o aluno. 9. O processo de resolução do problema é mais importante do que a solução. 10. É mais importante aprender do que medir o que foi aprendido. Vejamos então esta metodologia mais em concreto. O Método CPS de Resolução de Problemas em Grupo Esta metodologia, profusamente difundida em várias orientações coincidentes com o chamado Método CPS, ligado inicialmente a Sidney Parnes (Isaksen, & Treffinger, 1985; Vangundy, 1987; Isaksen, Dorval, & Treffinger, 2000), destina-se a aplicar um conjunto de ferramentas e estruturas a problemas que não possuem uma solução única, e cujas tentativas de resolução por outros métodos não surtiram o efeito desejado. Compreende seis passos: objectivo, factos, problema, soluções, decisão, e implementação. Cada passo contém duas fases: uma divergente, em que se tenta gerar o máximo de alternativas possível; outra convergente, em que apenas uma (ou pouco mais) é seleccionada. Os grupos devem ter entre 5 e 8 elementos, sendo a função de um deles a coordenação (facilitador), com a ajuda de outro para escrever as contribuições do grupo. Ao primeiro compete manter o grupo no cumprimento das regras do método, e dentro do objectivo definido; o segundo, deverá resumir nas folhas de papel de parede as contribuições do grupo, filtradas pelo coordenador. As sessões de trabalho devem ter intervalos entre cada hora. O local deve dispor de folhas de papel grandes, marcadores de cores e fita gomada 8

9 Este método orienta-se por princípios gerais, retirados do brainstorming, tais como adiar o julgamento das ideias, aceitar todas as contribuições, fazer associações (substituir, combinar, adaptar, modificar, dar outros usos, eliminar, inverter), dar tempo para as ideias amadurecerem (incubação), manter um fluxo constante de ideias, aproveitar ideias dos outros, gerar um ambiente propício à criatividade (ex: respeitar a individualidade; tolerar a diferença; admitir o erro, a ambiguidade e o risco; tolerar a desordem e a complexidade temporárias; respeitar os interesses individuais; encorajar actividades divergentes; usar o humor; envolver todos os membros do grupo no processo; abster-se de criticar; deixar as emoções fluir livremente). Deve-se ainda, na aplicação do método, manter o objectivo sempre presente e transformar ideias estranhas em úteis. Definir o objectivo geral Neste primeiro passo, o esforço vai no sentido de identificar os elementos significativos ou componentes de desafios, preocupações ou oportunidades que se vão enfrentar, esclarecendo situações e factos complexos, sob a forma de enunciados, começando pelas palavras QUE BOM SERIA SE.... Por exemplo, consideremos o dilema seguinte: A Mónica é uma jovem que terminou recentemente uma pós graduação na área da sua Lcenciatura em Marketing. Está ansiosa por poder aplicar os seus conhecimentos e provar quanto vale. Felizmente, na Empresa onde trabalha (como secretária do Director de Produção) o Director de Marketing fez-lhe um convite. Ficou felicíssima. Contudo, o seu actual chefe diz que não pode dispensá-la sem substituição, e como as admissões do exterior estão congeladas, a situação está complicada.que fazer? Nota: Para que uma transferência interna de um trabalhador ocorra é, de facto, necessário o acordo da chefia desse trabalhador (bem como o da chefia de destino e do próprio trabalhador). Considere-se membro do grupo que foi convidado pela Mónica para ajudála a resolver o problema Como objectivos podíamos ter, por exemplo: Que bom seria se a Mónica pudesse exercer as suas novas competências 9

10 Que bom seria se a Mónica continuasse satisfeita com o seu emprego Que bom seria se os chefes chegassem a acordo sobre a Mónica Este último objectivo pode ser uma boa forma de começar, colocando como sujeito outras pessoas que não a Mónica,. Encontrar os Factos Esta segunda fase tem uma importância especial, pois é ela que dita a qualidade das seguintes e, sobretudo, define o grau em que o grupo se orienta para a fuga ao óbvio. Trata-se da investigação sobre o problema tal qual ele nos é posto (Objectivo) e, como tal, compete-lhe descobrir todos os factos pertinentes e, sobretudo, uma entrada lateral (e eficaz) para iniciar a definição do verdadeiro problema. Deve terminar com a selecção do facto iniciador do passo seguinte. Um cuidado especial deve ser colocado em não começar a listar soluções em vez de factos, analisando as situações de modo a identificar tipos de informação necessários para a objectivação e resolução do problema: informações, impressões, sentimentos, observações, perguntas. Deve-se também sair dos processos tradicionais de recolha da informação, transformando opiniões em factos e resistindo à tendência para apresentar, mais uma vez, soluções. Pode-se começar por dissecar o que se conhece em termos dos elementos fundamentais de informação. Pode-se, de seguida, enunciar mais factos respondendo a perguntas do tipo: onde poderiam ser obtidas as respostas? quem poderia dá-las? o que poderia ajudar? porquê a necessidade dos factos? como reconhecer tentativas semelhantes anteriores? Devem-se considerar então as informações, impressões, observações, sentimentos, lacunas e incluir ainda especulações sobre possibilidades. Deve-se parar quando começarem a aparecer muitas repetições, sobreposições, ou quando surgir um "Aha!". É importante ter sempre presente a distinção entre o que já se sabe e o que se gostaria/precisaria de saber. 10

11 Por outro lado, na fase de convergência (recorrer a relacionamentos, preocupações críticas, estabelecimento de prioridades) devem-se unir factos por categorias, escolher um facto dentro de cada uma e seleccionar apenas um deles como ponto de partida do passo seguinte. Vejamos uma abordagem rápida do dilema já mencionado: A Mónica quer aplicar conhecimentos O Subida de categoria Rotatividade de funções O A empresa não permite que ela trabalhe na área em que se especializou Falta de funcionários Impedimento das admissões exteriores Bloqueio do director de Produção à transferência sem substituição O Oportunidade que o director de Marketing oferece à Mónica Contratações congeladas Inexperiência da Mónica em Marketing Motivação da Mónica em Marketing O possível conflito com o chefe de Produção Competitividade entre os colegas Não realização do posto de trabalho que ocupa O Contacto entre os 2 chefes Ética da empresa (Respeito) Leis do Trabalho (impeditiva na transferência) Melhor Remuneração Multifuncionalidade da Mónica Desmotivação no cargo actual O Habilitações superiores às funções actuais - Factores inerentes à Mónica O - Factores que favorecem a transferência - Factores que dificultam a transferência Seleccionado em cada categoria Finalmente seleccionado Definir o problema A definição inicial do problema provém da alternativa seleccionada no passo anterior e começa sempre pela expressão De que modo poderemos nós..., seguindose um verbo de acção e o complemento directo. É, claro está, sempre uma interrogação. 11

12 Trata-se de transformar o problema tal como nos foi dado, ou o Objectivo, no problema tal como nós o vemos e este é, em geral, um sub-problema do primeiro. Obtém-se o enunciado, fundamentalmente, interrogando a definição inicial no seus porquês e nos seus comos. Exemplo: Uma paróquia decidiu mandar pintar a igreja, para comemorar o centésimo aniversário da freguesia, cerca de 3 meses antes da festa. A uma semana das comemorações a pintura ainda não tinha começado: sugerindo reformulações possíveis do problema, podemos ter "De que modo podemos nós conseguir que o pessoal pinte a igreja"; (Porquê?)..." De que modo podemos nós conseguir que a igreja esteja pronta a tempo"; (Porquê?)..." De que modo podemos nós conseguir dar um ar festivo à igreja durante as comemorações"; (Porquê?)..." De que modo podemos nós aumentar o impacto da Igreja na comunidade". Esta última definição do problema pode levar a uma abordagem completamente diferente da solução. Na fase de convergência, devem-se ir eliminando os vários enunciados por forma a ficar apenas com um. A eliminação deve ser feita sobre enunciados que sejam ainda mais vastos que o Objectivo ou tão específicos que quase não requeiram soluções. O enunciado escolhido deve levar a muitas ideias, clarificar quem detém o problema, ser afirmativo e, claro, conter só um verbo, um sujeito e um objecto. Vejamos ainda (Quadro 3) o dilema da Mónica, colocando na posição central o facto seleccionado, depois de transformado em enunciado de problema. Quadro3. Processo de divergência na definição do problema Para atingir os objectivos de empresa Para evitar o absentismo Porque as contratações estão congeladas PORQUE? Para manter o rendimento Para não entrar em depressão 12 Para não se despedir

13 De que modo poderemos nós evitar a desmotivação da Mónica? \ COMO? Aumentar o ordenado Reduzir as horas do trabalho Rodar entre as 2 Direcções Atribuir premios Falar com o chefe Através de um acordo entre os chefes Transformando a opção escolhida na definição do problema, teremos, no caso que seguimos com exemplo: De que modo poderemos nós conseguir que a Mónica faça rotação de funções entre as duas direcções? (cf. Quadro 3) Definir as soluções Este é o passo mais parecido com o método Brainstorming, mas só na sua fase divergente, onde se devem gerar o máximo possível de ideias originais. Durante o processo deve-se tentar reduzir os bloqueios à criatividade (hábitos, convenções, preconceitos, conformismo, rejeição de ideias, ansiedade); começar com frases como "E se..." ou "Ora suponham que..." (pensando em substituir, combinar, adaptar, modificar, dar outros usos, eliminar, inverter informação); fazer analogias forçadas com objectos, verbos e substantivos. Na fase de convergência (onde se procura, essencialmente, relacionar e listar preocupações críticas) procede-se novamente a uma categorização, terminando com 3-4 "ideias luminosas" ou "mais promissoras". Evitar procurar "a melhor" ideia. 13

14 Continuando com o exemplo da Mónica, e para o problema definido (De que modo poderemos nós conseguir que a Mónica faça rotação de funções entre as duas Direcções?), podemos então ter como soluções: Acordo entre os chefes Novo horário de trabalho Calendarização Nova politica de multifuncionalidade Dar formação no sector de produção Aumento de ordenando Mudar de chefes Promoção de prémios Divulgação do posto de Marketing Garantir estágio Dar mais responsabilidade Divulgação do posto de Produção Arranjar 2 secretarias em ambos os postos Trabalhar no mesmo local nos dois sectores Definição de funções Sector de crescimento Mini bar Assistente para a Mónica Ter direito a mais dias de férias Encontrar a decisão Na fase divergente determinam-se os critérios para avaliar as alternativas listando todos os que sejam pertinentes para o conjunto das soluções escolhidas. Por exemplo: * Custo - quanto é custar muito? * Tempo - quanto é demorar muito? * Exequibilidade - isso funcionará? * Aceitação - gostarão disso? * Utilidade - será benéfico? * Outros - cor, tamanho, poder, estilo, valor, manutenção, performance, economia de operação, conforto, segurança. 14

15 Na fase convergente deve-se escolher um conjunto de critérios proporcional ao número de soluções resultantes da fase anterior e pesar cada critério (cotação vertical) numa escala de valores (1-Mau; 5-Muito Bom), para o conjunto das soluções, seleccionando, por fim, a mais pontuada. Voltando ao exercício da Mónica, poderemos considerar os critérios seguintes como possíveis de serem aplicados: Custo Produtividade Tempo Exequibilidade R.H. Legalidade Viabilidade Segurança no Trabalho Higiene no Trabalho Eficácia Na fase convergente seleccionam-se apenas quatro critérios, efectuando depois a cotação como mostra o Quadro 4. Quadro 4. Matriz de cotação de cada ideia face a cada critério Custo Produtividade Exequibilidade R.H. Formação Divulgação Mesmo local Assistente Escala de 1 a 5 A solução resultante foi assim a de Trabalhar no mesmo local, para ambos os sectores, a qual terá agora de percorrer o caminho que a transformará numa inovação. 15

16 Executar um plano de acção Trata-se de planear a transformação da decisão em acções a realizar, começando por enumerar as ajudas e os obstáculos e listando, seguidamente, as acções a realizar a curto, médio e longo prazo, até a decisão estar completamente executada. Em primeiro lugar, há que planear a aceitação da ideia ou vendê-la: * De que modo poderei conseguir o apoio de colegas? * Como é que eles me poderão ajudar? * Quem é preciso convencer? * O que é que eu pretendo que esse alguém faça com a ideia? * Vantagens para esse alguém em aceitar a ideia. * Como tornar essas vantagens óbvias? * Objecções possíveis que poderão levantar. * Como ultrapassar essas objecções? * O que poderia acontecer se? * Qual o melhor lugar e altura para apresentar a ideia? * Quais as precauções a tomar? Na fase divergente, haverá que definir "o quê e quem" em causa para a solução escolhida, em termos de ajudas e resistências possíveis; na fase convergente, seleccionam-se as fontes principais de assistência e resistência, tanto quanto possível emparelhadas. Por exemplo, no caso da Mónica, alguns dos factores seriam: AJUDAS Estafetas Telefonistas Gabinete próprio OBSTÁCULOS Colegas Chefes Funções/cargos diferentes Estando estes factores definidos, trata-se agora de enumerar as acções possíveis a levar a cabo, procurando aproveitar as ajudas e ultrapassar as resistências. Tem de ficar definido quem vai executar e o quê, onde, como, quando e porquê. Por último, deve se examinar a eficácia do plano quanto a vantagens relativas, compatibilidade, complexidade, testabilidade e observabilidade, imaginando a realidade possível. Por exemplo, se quiséssemos planear uma acção imediata do grupo que combinasse a ajuda (gabinete próprio) e o obstáculo (chefes) mais importantes, poderíamos ter a sugestão: 16

17 O grupo vai agora dar uma volta pela fábrica, com a Mónica, para ver possíveis gabinetes para ela, que tenham acesso fácil por parte dos seus chefes (produção e marketing) Discussão Se até a Lei (DL 319/91) prevê que se possa iniciar precocemente a escolaridade, ou cumprir em menos tempo determinado programa de estudos do 1º ciclo; se o Ministério fornece, inclusivamente, normas e orientações sobre a questão das crianças sobredotadas (DGEBS, 1992), então qual a dificuldade em avançar com metodologias do género da que foi aqui expressa e de tantas outras que reúnem consensos generalizados quanto à sua pertinência de uso na educação de crianças sobredotadas? Na verdade, não existe nenhuma razão de peso para desaconselhar a utilização deste método, excepto o facto dos programas curriculares não estarem preparados segundo uma orientação de resolução de problemas; de igual forma, os professores não possuem formação nesta área, nem foram sujeitos, enquanto alunos, a metodologias de ensino adequadas. Por último, e talvez mais importante, como fazer com que os professores adquiram a vontade de ultrapassar as barreiras existentes para conseguirem ir mais além do que aquilo que lhes é exigido? Se, relativamente à primeira questão, um professor mais entusiasta poderá efectuar algumas adaptações, lançando mão do manancial imenso de suportes para o efeito (veja-se, por exemplo, o Catálogo de Materiais para a Educação de Crianças Sobredotadas, da Royal Fireworks Press) já, quanto ao treino necessário, a solução não é tão fácil. Esta dificuldade não se prende com o facto do método ser difícil de aprender, ou com a existência de bases teóricas que necessitem um estudo prolongado, mas sim porque se refere a um método que põe em causa a abordagem tradicional professor-aluno, implicando uma relação muito mais livre e igualitária, em que é perfeitamente possível o professor assistir a contribuições muito mais interessantes, para a resolução dos problemas, do que aquelas que ele alguma vez poderia dar. As abordagens de pensamento divergente, que se baseiam na criatividade dos alunos e na sua capacidade para investigarem sozinhos, constituem sempre uma ameaça 17

18 à posição central de poder do professor, a menos que se trate de alguém suficientemente forte para poder ser questionado quanto aos seus limites e, mesmo assim, sentir-se bem. É por isso que esta metodologia pode, efectivamente, ser uma mais valia muito importante no ensino de crianças sobredotadas mas apenas se o professor tiver a possibilidade de saber aplicá-la e de se sentir bem com a sua utilização. Essa possibilidade é, talvez, ainda mais rara do que a probabilidade de existência de crianças realmente sobredotadas. Quando esta metodologia é aplicada em contextos educativos normais, em geral universitários ou empresariais, e a capacidade de pensamento divergente dos participantes se encontra bastante reduzida, é dificil produzir constructos realmente originais, mesmo com uma boa liderança e ferramentas de procedimentos. No entanto, se aplicada num contexto em que os participantes podem produzir contribuições verdadeiramente originais, como é o caso das crianças sobredotadas, então o resultado pode tornar-se bem interessante. Tal como explica Monks (1997), o facto destes alunos se encontrarem diluídos no meio de outros colegas menos dotados pode constituir um efeito benéfico sobre o trabalho final, evitando-se a saturação da produção divergente, que sempre ocorre quando num grupo não consegue equilibrar as fases divergentes e convergentes do método, ou quando se trabalha com demasiados membros criativos. Referências Adams, J. L. (1986). Conceptual blockbusting. New York: Addison - Wesley. Amabile, T. M. (1983). The social psychology of creativity. New York: Springer - Verlag. Czsikszentmihalyi, M. (1991). Flow: The psychology of optimal experience. New York: Harper Perenial. DGEBS (1992). Crianças sobredotadas: Intervenção educativa. Lisboa: FNAC Gráfica Eberle, B. & Stanish, B. (1980). CPS for kids: A resource book for teaching creative problem solving to children. Buffalo, NY: D.O.K. Publishers, Inc. Guilford, J. P. (1977). Way beyond the IQ. Buffalo, NY: Creative Education Foundation Press. Isaksen, S. & Treffinger, D. (1985) Creative problem solving: The basic course. Buffalo, NY: Bearly Ltd. 18

19 Isaksen, S., Dorval, K. & Treffinger, D. (2000) Creative approaches to problem solving: A framework for change. Buffalo, NY: The Creative Problem Solving Group Miller, W. C. (1986). The creative edge. New York: Addison - Wesley. Monks (1997). Alunos sobredotados na turma: A questão da identificação e da programação. Actas da Conferência sobre Sobredotação. Lisboa: Ministério da Educação (DEB/NOPAE). Parnes, S. (1988) Visionizing. New York: D.O.K. Publishers. Isaksen, S. & Parnes, S. J. Curriculum planning for creative thinking and problem solving. In S. J. Parnes (Ed.) (1992). Source book for creative problem solving. Buffalo, NY: Creative Education Foundation Press. Renzulli, J. S. (1990). The three-ring conception of giftedness: A developmental model for creative productivity. In R. J. Sternberg & J. Davidson (Eds.). Conceptions of giftedness. Cambridge, NY: Cambridge University Press. Rouquette, M. (1973). A criatividade. Lisboa: Livros do Brasil. Royal Fireworks Press (1987). Materials for the education of gifted and talented children. Hampton, NJ: Royal Fireworks Press Siegler, R. S. & Kotovsky, K. (1990). Two levels of giftedness: Shall ever the twain meet? In R. J. Sternberg & J. Davidson (Eds.). Conceptions of giftedness. Cambridge, NY: Cambridge University Press. Simonton, D. K. (1991). Creativity, leadership and chance. In Robert J. Sternberg (Ed.) The nature of creativity. Cambridge, NY: Cambridge University Press. Smith, L. J. (2003). Fostering creativity in gifted and talented children. Captado em 6 de Março de 2007, em Torrance, E. P. e Myers, R. E. (1970). Creative learning and teaching. New York: Dodd, Mead. Treffinger, D. J. (1980) Encouraging creative learning for the gifted and talented. Ventura, CA: Ventura County Schools/LTI. Vangundy, A.(1987) Creative problem solving. New York: Quorum Books 19

Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos

Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos Dizer que o grande segredo do sucesso das empresas, especialmente em tempos conturbados, é a sua adaptabilidade

Leia mais

AS ARTES AO SERVIÇO DA INCLUSÃO

AS ARTES AO SERVIÇO DA INCLUSÃO AS ARTES AO SERVIÇO DA INCLUSÃO Ana M. F. Salgado gmr.profanasalgado@gmail.com 03.12.2013 ESTADO DA ARTE Estudos recentes conferem validade empírica à utilização dos mediadores artísticos numa variedade

Leia mais

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática As habilidades na Solução de Problemas em Matemática Érica Valeria Alves O que diferencia a espécie humana das demais espécies do reino animal é a capacidade de pensar, raciocinar, formular hipóteses,

Leia mais

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO Acolhimento - Acções que visam proporcionar ao colaborador um conjunto de referências e conhecimentos, relacionados com o ambiente organizacional e a função, tendo como objectivo

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional José Duarte jose.duarte@ese.ips.pt Escola Superior de Educação de Setúbal José Duarte iniciou a sua carreira como professor de Matemática do Ensino

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Apoio à Preparação de Voluntários de Leitura Um projeto de cidadania Missão Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da promoção da leitura. Objectivos centrais Apoiar iniciativas;

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O plano de Comunicação Interna è a tradução operacional da estratégia. É um instrumento de gestão cujo objectivo é traduzir a política de comunicação interna da empresa num

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

Coaching I Formação I Certificação

Coaching I Formação I Certificação Coaching I Formação I Certificação 2011 Business Consultants, Inc. Publicado por EHP, Elemento Humano Portugal. www.thehumanelement.com.pt 1 Uma solução integrada à problemática humana nas organizações

Leia mais

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche Maria Teresa de Matos Projecto Pedagógico de Sala Creche Princípios Orientadores Projecto Pedagógico de Sala * Projecto Curricular

Leia mais

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA O DESPORTIVISMO NO JOGO É SEMPRE VENCEDOR (Fair play - The winning way) INTRODUÇÃO... 2 AS INTENÇÕES DO CÓDIGO... 2 DEFINIÇÃO DE FAIR PLAY... 2 RESPONSABILIDADE PELO FAIR PLAY...

Leia mais

Antecedentes sistémicos do comportamento organizacional

Antecedentes sistémicos do comportamento organizacional Antecedentes sistémicos do comportamento organizacional Estrutura Tecnologia Tamanho Idade Gestão de Recursos Humanos Cultura Aprendizagem Comportamento Desempenho Satisfação Mudança Inovação Tomada de

Leia mais

Solução de problemas em Matemática

Solução de problemas em Matemática ADAPTADO DE: ALVES, ÉRICA VALERIA; BRITO, MÁRCIA REGINA FERREIRA. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A SOLUÇÃO DE PROBLEMAS. ANAIS DO VII EBRAPEM: ENCONTRO BRASILEIRO DE ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados 1 Método : Caminho para se chegar a um determinado lugar alcançar objetivos estabelecidos no planeamento. Os

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

Desenvolvimento Cognitivo

Desenvolvimento Cognitivo Desenvolvimento Cognitivo Psicologia do Desenvolvimento Jean Piaget elaborou uma teoria do desenvolvimento a partir do estudo da inteligência da criança e do adolescente. A sua teoria permitiu que se acabasse

Leia mais

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento Índice Pág *09 Como participar Pág *10 Calendário Pág *11 Os resultados Pág *12 Júri Pág *13 Regulamento Pág *01 Introdução Pág *02 Um programa alargado de intervenção Pág *05 Viver de Consciência Leve

Leia mais

313 arquivos DA SOCIEDADE DA CRIAÇÃO À ESCOLA DA CRIAÇÃO OU DE COMO É URGENTE A CRIATIVIDADE NA NOSSA ESCOLA BREVES NOTAS

313 arquivos DA SOCIEDADE DA CRIAÇÃO À ESCOLA DA CRIAÇÃO OU DE COMO É URGENTE A CRIATIVIDADE NA NOSSA ESCOLA BREVES NOTAS 313 DA SOCIEDADE DA CRIAÇÃO À ESCOLA DA CRIAÇÃO OU DE COMO É URGENTE A CRIATIVIDADE NA NOSSA ESCOLA BREVES NOTAS VÍTOR MANUEL TAVARES MARTINS * Houve tempos em que se entendeu que a expressão da criatividade

Leia mais

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Adelson Carlos Madruga Universidade Federal da Paraíba adelsoncarlos1992@hotmail.com Elizangela Mario da Silva Universidade Federal

Leia mais

Declaração de Salamanca 20 anos depois

Declaração de Salamanca 20 anos depois Declaração de Salamanca 20 anos depois Inclusão de Alunos com NEE Mito ou Realidade? Prof. Doutora Helena Mesquita hmesquita@ipcb.pt Revisitar a Declaração de Salamanca 1) DECLARAÇÃO DE SALAMANCA Junho

Leia mais

A partir da analise dos cursos de Informática destinados ài formação profissional de técnicos

A partir da analise dos cursos de Informática destinados ài formação profissional de técnicos Resumo A partir da analise dos cursos de Informática destinados ài formação profissional de técnicos e utilizadores apresenta-se uma metodologia de concepção de cursos, que poderia ser utilizada pelos

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING Universidade Portucalense Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING APROVADAS NO CONSELHO CIENTÍFICO 9 _2009 DE 23 DE SETEMBRO DE 2009

Leia mais

CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt

CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt QUEM SOMOS SOMOS ESPECIALISTAS (corpos sociais) Jorge Alves Prof. Catedrático jubilado

Leia mais

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner Introdução Histórico Inteligência Múltipla X Educação Avaliação A Pluralidades das Inteligências INTRODUÇÃO A principal idéia

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

O Coaching contém em si mesmo um processo de análise, de reflexão, de desafio e de operacionalização.

O Coaching contém em si mesmo um processo de análise, de reflexão, de desafio e de operacionalização. Coaching Executivo Os espanhóis têm uma máxima de que gosto muito: falem de mim nem que seja mal, o importante é que falem. O Coaching está na moda! Vários artigos sobre o tema estão a ser publicados em

Leia mais

Como é que esta tecnologia me pode beneficiar?... 3. Etapas do Planeamento de uma Conferência Online... 4

Como é que esta tecnologia me pode beneficiar?... 3. Etapas do Planeamento de uma Conferência Online... 4 APRENDA A SER INOVADOR PARA FICAR À FRENTE DA CONCORRÊNCIA QUAIS OS PASSOS NECESSÁRIOS PARA PLANEAR E REALIZAR UMA CONFERÊNCIA ONLINE DE SUCESSO! COMO DAR AULAS NUMA SALA DE AULA VIRTUAL! CONTEÚDOS Como

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO O Código da Ética no Desporto do Conselho da Europa para o Fair play no desporto é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto.

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Natureza do trabalho Os docentes de educação especial exercem as suas funções junto de crianças e jovens do ensino pré-escolar, básico e secundário com necessidades educativas

Leia mais

A importância da Psicologia no Desporto

A importância da Psicologia no Desporto ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ESCOLAS DE FUTEBOL APEF A importância da Psicologia no Desporto Pedro Teques Departamento de Psicologia e Comunicação da APEF Direcção de Contacto: Pedro Teques, Departamento de

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA 1 Artur Polónio Índice 1. O que é um ensaio filosófico? 2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um ensaio? 3. Como escolher o título do ensaio? 4. Como se prepara um ensaio? 5. Como se deve

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

Modelos de Desenho Curricular

Modelos de Desenho Curricular Modelos de Desenho Curricular Introdução Quando se planificam aulas, parte-se, frequentemente, de uma concepção restrita de currículo que tende a preocupar-se apenas em definir o programa, isto é, em decidir

Leia mais

PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe

PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Psicologia Desportiva - 11ª Classe Formação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO GUIA DO ALUNO DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS DO CURSO DE TURISMO DISCIPLINA: Organização e Gestão de Empresas

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Planificação. Alexandra Baldaque

Planificação. Alexandra Baldaque Planificação Alexandra Baldaque Sumário Modelos de planificação Razões para planificar Fases da planificação Períodos de planificação Instrumentos de planificação Planificação A planificação passa pela

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

RECURSOS EDUCATIVOS PARA UMA APRENDIZAGEM AUTÓNOMA E SIGNIFICATIVA. ALGUMAS CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS

RECURSOS EDUCATIVOS PARA UMA APRENDIZAGEM AUTÓNOMA E SIGNIFICATIVA. ALGUMAS CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS RECURSOS EDUCATIVOS PARA UMA APRENDIZAGEM AUTÓNOMA E SIGNIFICATIVA. ALGUMAS CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS Fernando Albuquerque Costa Instituto de Educação, Universidade de Lisboa Portugal fc@ie.ul.pt Joana

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

O pensar é inevitável!

O pensar é inevitável! O PENSAR O pensar é inevitável! Pensar e ser inteligente não são opções intelectuais do homem pensante mas frutos de uma produção inevitável, contínua e espontânea de pensamentos nos bastidores da psique

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA Formadora: Patrícia Almeida CONTEÚDOS Diferenciar Porquê? Teoria das Inteligências Múltiplas. Estilos de Aprendizagem. Hierarquia das Necessidades de Maslow. Modelo Ecológico.

Leia mais

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA França, A., & Brazão, P. (2009). Não escolarizem a Expressão Dramática! - uma reflexão sobre a vivência desta forma de expressão enquanto actividade autêntica. In L. Rodrigues, & P. Brazão (org), Políticas

Leia mais

Áreas de Desenvolvimento Pessoal

Áreas de Desenvolvimento Pessoal Renovação do Programa para Jovens (Aprovado na XLII Conferência Nacional) Áreas de Desenvolvimento Pessoal: A XLII Conferência Nacional da AEP, no âmbito do processo em curso de renovação do Programa para

Leia mais

Palavras chave: Teatro Criatividade Espontaneidade - Imaginação

Palavras chave: Teatro Criatividade Espontaneidade - Imaginação INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE NA ESCOLA: O MÉTODO DRAMÁTICO E IMAGINAÇÃO CRIATIVA NA ESCOLA Nayara Lopes Botelho Acadêmica de Artes Cênicas do IFTO Campus Gurupi nayara_lb@hotmail.com Resumo. Edna Maria Cruz

Leia mais

Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING

Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING 1000833 Henrique de Meireles Morais Maio de 2008 Disciplina: Sistemas Baseados em Agentes Professor: António Pinto de Sousa e Silva Mestrado

Leia mais

CAPÍTULO 6 AS ETAPAS DO PROJECTO

CAPÍTULO 6 AS ETAPAS DO PROJECTO Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC 1999/2000 Cap. 6. As etapas do projecto 1 6.1. As etapas básicas CAPÍTULO 6 AS ETAPAS DO PROJECTO IDEIA!!! FORMULAÇÃO ANÁLISE DE VIABILIDADE DECISÃO PLANIFICAÇÃO EXECUÇÃO

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA NOVA SISTEMÁTICA PARA DESENVOLVER HABILIDADES E COMPETÊNCIAS

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA NOVA SISTEMÁTICA PARA DESENVOLVER HABILIDADES E COMPETÊNCIAS ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA NOVA SISTEMÁTICA PARA DESENVOLVER HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Maria Daniela S. Cavalcanti mdaniela@unifor.br Universidade de Fortaleza Centro de Ciências Tecnológicas Av. Av.

Leia mais

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação)

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) Rua Castilho 90 2ºesq 1250-071 Lisboa, Portugal Rua José Gomes Ferreira nº219 - Aviz 4150-442 Porto, Portugal info@beill.pt / www.beill.pt Sobre A Beill

Leia mais

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco :!:!: em foco Conceito O2 Sinta uma lufada de ar fresco Executive Coaching Através do processo de Executive Coaching a Conceito O2 realiza um acompanhamento personalizado dos seus Clientes com objectivo

Leia mais

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas Desenvolvimento Temático: São bem conhecidos os problemas com que

Leia mais

VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL. Associação Interprofissional. para a. Promoção dos Vinhos de Portugal

VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL. Associação Interprofissional. para a. Promoção dos Vinhos de Portugal VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL Associação Interprofissional para a Promoção dos Vinhos de Portugal I - PLANO ESTRATÉGICO (CORPORATE BUSINESS PLAN) Desenvolver e executar estratégias

Leia mais

AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS

AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS D O S S I E R D O E M P R E E N D E D O R AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS PROJECTO PROMOÇÃO DO EMPREENDEDORISMO IMIGRANTE P E I AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS Competências

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

1. Overview... 2. 2. Programa... 3. 3. Objectivos gerais da Unidade Curricular... 5. 4. Objectivos de Aprendizagem... 5. 5. Bibliografia...

1. Overview... 2. 2. Programa... 3. 3. Objectivos gerais da Unidade Curricular... 5. 4. Objectivos de Aprendizagem... 5. 5. Bibliografia... Índice 1. Overview... 2 2. Programa... 3 3. Objectivos gerais da Unidade Curricular... 5 4. Objectivos de Aprendizagem... 5 5. Bibliografia... 6 UMA PARCERIA Página1 1. Overview Este curso de desenvolvimento

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Maio de 2011 PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Esta Pós-Graduação resulta da parceria entre a APEL

Leia mais

OFICINAS. A venda é feita nas oficinas, em exposições, no quiosque de O Ninho, etc.

OFICINAS. A venda é feita nas oficinas, em exposições, no quiosque de O Ninho, etc. Espaço de treino e aprendizagem ao trabalho onde as estagiárias (designa-se por estágio o tempo de permanência na Instituição) adquirem hábitos de trabalho e cooperação, imprescindíveis para a sua integração

Leia mais

LIVRO COM CASOS DE EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL APELO A CONTRIBUIÇÕES

LIVRO COM CASOS DE EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL APELO A CONTRIBUIÇÕES LIVRO COM CASOS DE EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL APELO A CONTRIBUIÇÕES Setúbal, 13 de Maio de 2012 A Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Regional (APDR) e a Escola Superior de Ciências

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Marco de Canaveses 2010/2011. A Coordenadora: Maria José Castro Inácio. Ano Lectivo 201o/2011 1

Agrupamento Vertical de Escolas de Marco de Canaveses 2010/2011. A Coordenadora: Maria José Castro Inácio. Ano Lectivo 201o/2011 1 Agrupamento Vertical de Escolas de Marco de Canaveses 2010/2011 A Coordenadora: Maria José Castro Inácio Ano Lectivo 201o/2011 1 Pode não passar de uma banalidade de senso comum, mas nem por isso é menos

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação CONTEXTOS DE COMUNICAÇÃO: COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS Aspectos gerais Definição de pequeno grupo Tipos de grupos Estrutura e Dinâmica de grupo Resolução

Leia mais

Algumas disciplinas do curso de formação inicial Algumas cadeiras Durante o curso houve disciplinas que estavam direccionadas para essa temática.

Algumas disciplinas do curso de formação inicial Algumas cadeiras Durante o curso houve disciplinas que estavam direccionadas para essa temática. ANEXO III 217 QUADRO N. º 4 - Formação recebida no domínio da intervenção educativa com crianças portadoras de NEE SUB-CATEGORIA INDICADORES UNIDADES DE REGISTO SUJEITOS F.U.R. % Disciplinas do Curso Uma

Leia mais

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO de acção mediante a aquisição de novas formas de pensamento que lhes permitam levar a cabo diferentes acções. O percurso formativo do coach está dividido

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO DOCUMENTOS BÁSICOS: - Cadernos Paebes; - Ata de resultados finais da Escola em 2010; - Guia de Intervenção Pedagógica;

Leia mais

Vantagens e dificuldades da implementação de um Sistema da Qualidade num laboratório de ensaio e /ou calibração

Vantagens e dificuldades da implementação de um Sistema da Qualidade num laboratório de ensaio e /ou calibração 34 Artigo Acreditação: Vantagens e dificuldades da implementação de um Sistema da Qualidade num laboratório de ensaio e /ou calibração J O Ã O A. S. D E A L M E I D A *, Â N G E L A D E C A R V A L H O

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

FORMAÇÃO EM LIDERANÇA FACILITADORA GRUPOS PEQUENOS

FORMAÇÃO EM LIDERANÇA FACILITADORA GRUPOS PEQUENOS FORMAÇÃO EM LIDERANÇA FACILITADORA GRUPOS PEQUENOS A A P G I C O F O R N E C E - L H E F O R M A S S I M P L E S D E O B T E R O R E N D I M E N T O M Á X I M O E M E Q U I P A S P E Q U E N A S ( A T

Leia mais

Não sei em que mês nasci!

Não sei em que mês nasci! Não sei em que mês nasci! Cristina Martins, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança Paula Maria Barros, Escola Superior do Instituto Politécnico de Educação de Bragança Introdução

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Perturbação da Ansiedade de Separação

Perturbação da Ansiedade de Separação Bibliografia e Recursos úteis (1996). DSM-IV Manual de diagnóstico e estatística das perturbações mentais. Lisboa: Climepsi Editores. Perturbação da Ansiedade de Separação Kendall, P. C. (2011). Child

Leia mais

O ENSINO SUPERIOR (2007) RESUMO

O ENSINO SUPERIOR (2007) RESUMO O ENSINO SUPERIOR (2007) Ana Moreira Psicóloga Clínica Email: ana_marco@hotmail.com RESUMO A ideia de que o Ensino Superior não é uma entidade puramente educativa, mas que se compõe de múltiplas tarefas

Leia mais

Formação Interempresas 2015 2.º semestre

Formação Interempresas 2015 2.º semestre Formação Interempresas 2015 2.º semestre 1 1 Formação Interempresas 2015 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam

Leia mais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais ESCOLA SECUNDÁRIA RAINHA DONA LEONOR Proposta de Os cursos profissionais regem-se pela seguinte legislação: Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 24/2006,

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais