Diretor Superintendente José Luiz Ricca. Diretores Operacionais Carlos Eduardo Uchôa Fagundes Carlos Roberto Pinto Monteiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretor Superintendente José Luiz Ricca. Diretores Operacionais Carlos Eduardo Uchôa Fagundes Carlos Roberto Pinto Monteiro"

Transcrição

1

2 Conselho Deliberativo do Sebrae-SP Presidente: Alencar Burti ACSP - Associação Comercial de São Paulo ANPEI - Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Industriais BANESPA - Banco do Estado de São Paulo FAESP - Federação da Agricultura do Estado de São Paulo FECOMÉRCIO - Federação do Comércio do Estado de São Paulo FIESP - Federação das Indústrias do Estado de São Paulo ParqTec - Fundação Parque da Alta Tecnologia São Carlos IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas Secretaria de Estado de Negócios da Fazenda SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SINDIBANCOS - SP - Sindicato dos Bancos do Estado de São Paulo BB -Superintendência Estadual do Banco do Brasil CAIXA - Superintendência Estadual da Caixa Econômica Federal Diretor Superintendente José Luiz Ricca Diretores Operacionais Carlos Eduardo Uchôa Fagundes Carlos Roberto Pinto Monteiro Gerentes Executivos André Gustavo C. de Melo Regina Maria Borges Bartolomei Waldir Catanzaro Unidade Organizacional de Inovação e Acesso àtecnologia Gerente Marcelo Dini Oliveira Coordenação Evelin Cristina Astolpho - Coordenadora do Programa Alimentos Seguros no Estado de São Paulo Elaboração Sandra Rojas Dualibi - Consultora Técnica do Programa Alimentos Seguros Agnaldo Simão - Consultor do Programa Sebrae da Qualidade Total Fotos e Ilustrações PAS - Programa Alimentos Seguros Projeto Gráfico e Coordenação de Produção Assessoria de Marketing: Área de Desenvolvimento de Produtos Capa: Francisco Ferreira Projeto Gráfico: Marcelo Costa Barros Coordenação de Produção: Patrícia de Mattos Marcelino Diagramação: Grapho Soluções Gráficas Fotolito e Impressão: Garilli Gráfica e Editora LTDA

3 PROCESSOS DE PRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS: POR ONDE COMEÇAR E QUE CUIDADOS DEVEM SER TOMADOS FASCÍCULO 6 1º Edição Novembro

4 ÍNDICE ARMAZENAMENTO DISPOSIÇÃO E CONTROLE NO ARMAZENAMENTO ARMAZENAMENTO SOB REFRIGERAÇÃO OU CONGELAMENTO ARMAZENAMENTO SOB REFRIGERAÇÃO PRÉ-PREPARO HIGIENIZAÇÃO DE HORTALIÇAS HIGIENIZAÇÃO DE FRUTAS, LEGUMES E OVOS DESSALGUE GLOSSÁRIO BIBLIOGRAFIA... 18

5 PROCESSOS DE PRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS: POR ONDE COMEÇAR E QUE CUIDADOS DEVEM SER TOMADOS No fascículo anterior começaram a ser tratados os aspectos dos processos de produção de um alimento e, foi abordado o item: Recebimento de Matérias-Primas / Produtos e o seu transporte Agora, você vai saber como proceder no: ARMAZENAMENTO PRÉ PREPARO Higienização de hortaliças Higienização de frutas, legumes e ovos Dessalgue ARMAZENAMENTO Os alimentos ou produtos após comprados, quando chegam na empresa ou em nossa casa, devem ser armazenados de acordo com suas características e necessidades de serem ou não mantidos sob refrigeração. O armazenamento adequado preserva o alimento ou matéria prima. Alguns alimentos devem ser guardados em geladeira ou freezer, pois as baixas temperaturas não permitem que os microrganismos se multipliquem, evitando assim que os alimentos se estraguem ou se deteriorem. Outros podem ficar à temperatura ambiente que não estragam, principalmente aqueles que foram industrializados, ou seja, passaram por exemplo, por um processo de esterilização, como o leite longa vida ou alguns produtos enlatados, que passam por temperaturas elevadas que reduzem os microrganismos para quantidades tão pequenas que não irão fazer mal à saúde do consumidor. Fascículo 6 - Produção e Manipulação de Alimentos... 5

6 O armazenamento pode ser feito sob 3 condições de temperatura: Armazenamento sob congelamento: os alimentos são armazenados à temperatura de 0ºC ou menos, de acordo com as recomendações dos fabricantes e que devem constar na rotulagem, ou nos critérios de uso, de acordo com o grau de perecibilidade do alimento. Armazenamento sob refrigeração: os alimentos são armazenados à temperatura de 0ºC a 5ºC, de acordo com as recomendações dos fabricantes e que devem constar na rotulagem, ou nos critérios de uso, de acordo com o grau de pericibilidade do alimento. Estoque seco: os alimentos são armazenados à temperatura ambiente, segundo especificações no próprio produto e recomendações dos fabricantes e que devem constar na rotulagem. O estoque seco deve ser bem ventilado e não muito quente (temperaturas de 25ºC a 30ºC). Assim a chance dos produtos estragarem é reduzida. Deve também ter boa iluminação para facilitar a manutenção da limpeza. DISPOSIÇÃO E CONTROLE NO ARMAZENAMENTO A disposição dos produtos deve obedecer à data de fabricação, sendo que os produtos de fabricação mais antiga são posicionados de modo a serem consumidos em primeiro lugar. A esse procedimento chamamos PVPS - primeiro que vence, primeiro que sai. Um correto controle dos produtos mais velhos que estão armazenados, evita que esses produtos se estraguem, o que evita custo e desperdício desnecessários de alimentos, seja na empresa, seja na nossa casa Fascículo 6 - Produção e Manipulação de Alimentos

7 Para os produtos que não têm data de validade, como por exemplo os hortifruti (hortaliças, legumes, verduras), deve-se obedecer o PEPS primeiro que entra, primeiro que sai. Utilizando primeiro os produtos mais velhos, você sempre terá produtos frescos à disposição, além de evitar o desperdício. Todos os produtos devem estar adequadamente identificados e protegidos contra contaminação. Os produtos devem estar com rótulos que identifiquem qual é o produto e que indiquem a data de validade do mesmo. As embalagens devem sempre ser mantidas fechadas, sejam sacos plásticos, potes plásticos, potes de vidro. Alimentos não devem ficar armazenados junto a produtos de limpeza, químicos, de higiene e perfumaria. Dessa forma, evita-se que os produtos alimentícios fiquem com cheiros de produtos de limpeza ou de perfumaria. Além disso, evita-se o risco de alguém pegar um produto químico pensando que é um alimento. Produtos descartáveis também devem ser mantidos separados dos itens citados anteriormente. É proibida a entrada de caixas de madeira dentro da área de armazenamento e manipulação. As caixas de madeira podem estar carregando insetos ou baratas para a área de armazenamento, o que poderá prejudicar a qualidade dos outros produtos armazenados. Caixas de papelão não devem permanecer nos locais de armazenamento sob refrigeração ou congelamento, a menos que haja um local exclusivo para produtos contidos nessas embalagens (exemplo: freezer exclusivo ou câmara fria exclusiva). Da mesma forma que a madeira, o papelão também serve de abrigo para insetos e baratas. Por isso, deve ser evitado para armazenar qualquer tipo de produto. Alimentos ou recipientes com alimentos não devem estar em contato com o piso, e sim apoiados sobre estrados ou prateleiras das estantes. Respeitar o espaçamento mínimo de 10 cm para garantir a circulação de ar. Isso vale para alimentos que estão no estoque seco e também para aqueles que estão nas câmaras frias. Alimentos que necessitem ser transferidos de suas embalagens originais devem ser acondicionados de forma que sejam mantidos protegidos. Fascículo 6 - Produção e Manipulação de Alimentos... 7

8 Devem ser armazenados em embalagens descartáveis ou outro adequado para guarda de alimentos, devidamente higienizados. Na impossibilidade de manter o rótulo original do produto, as informações devem ser transcritas em etiqueta apropriada, que identifique o fabricante, a data de fabricação e data de validade. Produtos destinados à devolução devem ser identificados por fornecedor e colocados em locais apropriados separados da área de armazenamento e manipulação. Esse procedimento evita que um produto que deverá voltar para o fornecedor seja utilizado por alguém da empresa por engano. Nunca utilizar produtos vencidos. Os produtos têm uma data de validade porque o fabricante realizou testes para poder saber quanto tempo esse produto dura. Esse teste chama-se shelf-life que em português quer dizer vida de prateleira. Após a validade, o produto poderá apresentar sinais de alteração das características de cor, odor, textura e, pode até já estar estragando. Quando houver necessidade de armazenar diferentes gêneros alimentícios em um mesmo equipamento refrigerador, eles devem estar separados. IMPORTANTE: Respeitar a seguinte regra para armazenar produtos no refrigerador: Os alimentos prontos para consumo: devem estar nas prateleiras superiores; os semiprontos e/ou pré-preparados: devem estar nas prateleiras do meio e, os produtos crus: devem estar nas prateleiras inferiores, separados entre si e dos demais produtos Fascículo 6 - Produção e Manipulação de Alimentos

9 As embalagens individuais de leite, ovo pasteurizado e similares podem ser armazenadas em geladeiras ou câmaras, devido a seu acabamento ser liso, impermeável e lavável. Podem ser armazenados no mesmo equipamento para congelamento (freezer) tipos diferentes de alimentos, desde que devidamente embalados e separados. O estoque seco, as geladeiras e freezeres devem ser sempre mantidos limpos, assim como as estantes e prateleiras onde os alimentos são guardados. Caso contrário, haverá grande chance das pragas serem atraídas, além do cheiro que poderá ficar nas prateleiras e equipamentos. No caso das geladeiras, freezeres e câmaras frias, observe sempre se não há gelo acumulado. O acúmulo de gelo prejudica o funcionamento do equipamento e não resfria os alimentos de forma adequada. IMPORTANTE! Nunca guarde em geladeira as latas abertas. Após abertas, a camada interna de verniz se rompe, permitindo que o material que é feita a lata se oxide, contribuindo para alterações or- ganolépticas do produto. E EM CASA, COMO FAZER? Na nossa casa, os mesmos cuidados devem ser seguidos para armazenar os alimentos. No armário onde guardamos os produtos secos, como latarias e alimentos embalados em sacos plásticos, estes produtos devem estar também separados de produtos de limpeza. Sempre deve ser verificada a data de validade de cada produto, utilizando-se primeiro os produtos que irão vencer primeiro - aqui também vale a regra PVPS - primeiro que vence, primeiro que sai ou a regra PEPS - primeiro que entra, primeiro que sai. Se um saco plástico que contém um produto for aberto, o produto deverá ser transferido para um recipiente plástico ou de vidro e com tampa. Os produtos que estavam armazenados em latas, após abertos devem ser transferidos para potes plásticos ou de vidro com tampa. Fascículo 6 - Produção e Manipulação de Alimentos... 9

10 Veja a seguir as recomendações de tempo e temperaturas de armazenamento de alguns alimentos. As temperaturas indicadas a seguir e o tempo máximo de armazenamento devem ser seguidos com bastante critério. Tempo e temperatura de armazenamento dos produtos alimentícios crus ARMAZENAMENTO SOB REFRIGERAÇÃO OU CONGELAMENTO TEMPERATURA 0 a - 5º C - 5 a - 10º C - 10 a -18º C Menor que 18º C TEMPO MÁXIMO DE ARMAZENAMENTO 10 dias 20 dias 30 dias 90 dias Fonte: Secretaria do Estado da Saúde do estado de São Paulo CVS nº 6/99 de 10/03/99 Temperatura e tempo máximo de armazenamento de produtos crus e preparados ARMAZENAMENTO SOB REFRIGERAÇÃO PRODUTO TEMPERATURA DE ARMAZENAMENTO Pescados e seus produtos crus Pescados pós cocção Até 4º C por 24 horas Maionese e misturas com maionese Produtos cárneos Sobremesas, frios, laticínios manipulados alimentos pós Até 4º C por 72 horas cocção Ovos Folhosos e frutas sensíveis Outras frutas e legumes Até 10º C por 14 dias Até 10º C por 72 horas Até 10º C por 1 semana Fonte: Secretaria do Estado da Saúde do estado de São Paulo CVS nº 6/99 de 10/03/ Fascículo 6 - Produção e Manipulação de Alimentos

11 PRÉ-PREPARO Etapa onde os alimentos sofrem tratamento ou modificações, através de higienização, tempero, corte, porcionamento, seleção, escolha, moagem e/ou adição de outros ingredientes. O pré-preparo, como o nome diz, é a etapa prévia ao preparo e, deve ser feita com muito cuidado e rigor. Nessa etapa, podem ser realizadas atividades que irão contribuir para a qualidade e segurança dos alimentos, como por exemplo, a higienização de hortaliças, que é um procedimento para retirar ao máximo a quantidade de microrganismos presentes nas folhas que serão ingeridas pelos consumidores. Por outro lado, existem outros procedimentos anteriores ao preparo propriamente dito, que devem ser feitos com higiene e com controle de temperatura pois, caso contrário, a carga de microrganismos pode aumentar de forma tão significativa que o cozimento poderá não reduzir essa carga a níveis que não comprometam a qualidade do alimento e, conseqüentemente, a saúde dos consumidores. Um exemplo é a manipulação de produtos cárneos, que deve ser feita em no máximo 30 minutos, quando à temperatura ambiente. Após esse tempo, os microrganismos começam a se multiplicar e o produto poderá ficar com altos níveis de contaminação. Outro exemplo é o dessalgue das partes para se preparar a feijoada, que deve ser feito em temperatura controlada para se evitar a multiplicação dos microrganismos presentes naturalmente nas carnes. HIGIENIZAÇÃO DE HORTALIÇAS 1. Antes de mais nada, as folhas devem ser selecionadas, separando-se as que apresentam manchas, ou pequenos buracos (sinal que algum bichinho, como caramujo ou lesma comeu). Depois, devem ser lavadas uma a uma em água corrente com cuidado, fazendo-se movimentos com as mãos de cima para baixo, para que as sujidades maiores (como terra, caramujos, outros bichinhos) possam ser retiradas. Fascículo 6 - Produção e Manipulação de Alimentos... 11

12 2. Em seguida, deve ser preparada uma solução clorada com 1 litro de água, adicionando 10 ml (1 colher de sopa rasa) de água sanitária a 2,5%. A água sanitária deve ser sem perfume e com recomendações para uso em alimentos. Para as empresas, existe o cloro em pó, que deverá ser utilizado conforme as recomendações do fabricante. 3. Colocar as folhas já lavadas de molho na solução de água clorada por 15 minutos. A solução de água clorada tem como objetivo eliminar os microrganismos! 4. Após os 15 minutos, as folhas devem ser enxaguadas para retirar o excesso de cloro. Após a imersão em solução de cloro, pode-se deixar as folhas de molho em uma solução de vinagre por 5 minutos (1 colher de sopa de vinagre para cada 1 litro de água). Posteriormente, as folhas devem ser enxaguadas com água para retirar o excesso de vinagre, e evitar que estas murchem. MITOS E VERDADES O vinagre não mata os microrganismos! A solução de vinagre aumenta a tensão superficial e então retira alguns possíveis ovos de vermes, larvas ou lagartas que tenham restado nas folhas. O produto que mata os microrganismos é o cloro! Fascículo 6 - Produção e Manipulação de Alimentos

13 HIGIENIZAÇÃO DE FRUTAS, LEGUMES E OVOS Assim como as hortaliças, as frutas e legumes também podem conter terra e outras sujidades. Na terra podem estar presentes microrganismos, que são prejudiciais à saúde dos consumidores. Por outro lado, esses alimentos também podem conter resíduos de agrotóxicos que, apesar de não fazer mal à saúde imediatamente, podem ficar acumulados no organismo, causando males no futuro. Por isso, devem ser muito bem lavados com água corrente antes de ser consumidos e, no caso dos legumes, pode-se lavá-los com uma escovinha, para auxiliar na retirada dos resíduos orgânicos (principalmente a terra). Porém, se você for consumir a fruta ou legume sem casca, basta lavá-los anteriormente muito bem com água corrente. Com relação aos ovos, recomenda-se lavá-los antes do uso, para que eventuais sujidades, ou fezes das aves sejam retiradas. Nesse caso, nas fezes das aves, podem estar presentes as salmonelas, que são microrganismos patogênicos. VALE A PENA SABER! Se a hortaliça for refogada, não há a necessidade de deixá-la de molho na solução clorada. Esses procedimentos valem para as hortaliças que serão consumidas cruas. DESSALGUE O dessalgue é a etapa onde as carnes salgadas (charque, carne seca, bacalhau e as partes de uma feijoada) são submetidas à retirada do sal sob condições seguras. Pode ser feito em água fervente ou em água gelada. Veja a seguir como dessalgar as carnes salgadas. Qualquer uma delas pode ser utilizada, desde que as carnes não fiquem à temperatura ambiente. Fascículo 6 - Produção e Manipulação de Alimentos... 13

14 Trocas de água no máximo a 21º C a cada 4 horas. Deve-se utilizar a proporção de uma parte do produto para duas partes de água. Fazer 2 a 3 trocas. A primeira pode ser feita após 4 horas, porém, as outras duas, após 2 horas. A última água deve ser mantida em refrigeração. Em água sob refrigeração até 10º C. Deve-se utilizar a proporção de uma parte do produto para duas partes de água. Podem ser feitas 2 a 3 trocas, mantendo a água em refrigeração. Através de fervura (se for imediata, levar para a cocção e resfriar corretamente depois). Deve-se utilizar a proporção de uma parte do produto para duas partes de água e a cada fervura trocar a água 2 a 3 vezes Fascículo 6 - Produção e Manipulação de Alimentos

15 REGRAS DO PRÉ-PREPARO Qualquer manipulação de produtos alimentícios deverá ser feita no menor tempo possível. O tempo máximo de exposição de produtos alimentícios é de 30 minutos, quando estes estiverem à temperatura ambiente. Acima de 30 minutos, o risco de multiplicação dos microrganismos é alto e o alimento que está sendo manipulado terá sua qualidade e segurança comprometidas. Devem ser obedecidas as seguintes práticas, consideradas de maior risco para a qualidade e segurança dos alimentos: Lavar em água corrente as embalagens impermeáveis, antes de abrí-las. Dessa forma você estará retirando as sujidades que podem estar presentes nessas embalagens e que, ao abrí-las, podem ser transferidas para o alimento. O tempo de manipulação de produtos perecíveis em temperatura ambiente não deve exceder a 30 minutos por lote e a 2 horas em área climatizada entre 12ºC e 18ºC. Quanto menos tempo os produtos ficarem expostos à temperatura ambiente, mais difícil fica a multiplicação de microrganismos e conseqüentemente, será mais difícil a qualidade e segurança do alimento ficarem comprometidas. Uma carne previamente assada deverá ser fatiada em no máximo 30 minutos, antes de se colocar o molho e posteriormente voltar ao forno. Mesmo a carne já assada não poderá permanecer à temperatura ambiente por mais de 30 minutos pois, a carga microbiana pode não ter sido eliminada totalmente. Fascículo 6 - Produção e Manipulação de Alimentos... 15

16 Veja nos próximos fascículos. Processos de produção e manipulação de alimentos. Por onde começar e que cuidados devem ser tomados. Continuação. Armazenamento pós manipulação Preparo Cocção (Cozimento) Resfriamento/ Refrigeração Congelamento Descongelamento Reaquecimento Porcionamento Espera para fornecimento/ distribuição Distribuição Transporte de alimentos prontos Manutenção a quente Manutenção a frio Coleta e guarda de amostras Sobras quentes Sobras frias Palavras cruzadas! Fascículo 6 - Produção e Manipulação de Alimentos

17 GLOSSÁRIO Área climatizada: área que tem um equipamento (por exemplo um ar condicionado) para manter a temperatura sempre dentro de determinados limites. Geralmente as áreas climatizadas ficam com temperatura entre 12ºC e 18ºC). Câmara fria: compartimento fechado. Equipamento como uma geladeira ou freezer porém com uma capacidade maior para armazenar alimentos. Esterilização: tratamento térmico que utiliza temperaturas superiores a 100º C. O objetivo da esterilização é destruir todos os microrganismos presentes no alimento. Higienização: procedimento de lavagem e posterior desinfecção. Microrganismos: seres vivos muito pequenos (micro = pequeno), que são invisíveis a olho nu. Só podem ser vistos com o auxílio de um microscópio, equipamento que aumenta o seu tamanho diversas vezes. Organolépticas: propriedade dos alimentos quanto a sabor, cor, odor, textura. Pasteurizado: produto que passou por um tratamento térmico que elimina grande parte dos microrganismos presentes no alimento. Na pasteurização, são utilizadas temperaturas inferiores a 100º C. Patogênicos: que causam patologias, ou seja, capazes de produzir doenças ou moléstias. Perecibilidade: o quanto o alimento é perecível. Salmonelas: bactérias encontradas no trato intestinal de mamíferos, pássaros, anfíbios e répteis. Geralmente está associada a os seguintes alimentos: ovos, carnes de aves, suínos, bovinos e vegetais. Fascículo 6 - Produção e Manipulação de Alimentos... 17

18 BIBLIOGRAFIA Cartilha do Manipulador de Alimentos - Programa Alimentos Seguros Cartilha 3 - As Boas Práticas I - Programa Alimentos Seguros Cartilha 4 - As Boas Práticas II - Programa Alimentos Seguros Elementos de Apoio Boas Práticas e Sistema APPCC - Programa Alimentos Seguros Manual de controle higiênico-sanitário em alimentos. 2. ed. - Eneo Alves Silva Jr. Secretaria do Estado da Saúde do estado de São Paulo - CVS nº 6/99 de 10/03/99 - Regulamento Técnico que estabelece os Parâmetros e Critérios para o Controle Higiênico-Sanitário em Estabelecimentos de Alimentos Secretaria Municipal da Saúde - Portaria 2.535/03 de 24/10/ Regulamento Técnico para o Controle Higiênico-Sanitário em Empresas de Alimentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA - Portaria 216/04 de 15/09/ Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação Dúvidas Mande um para: Ou ligue: Fascículo 6 - Produção e Manipulação de Alimentos

19

20

Diretor Superintendente José Luiz Ricca. Diretores Operacionais Carlos Eduardo Uchôa Fagundes Carlos Roberto Pinto Monteiro

Diretor Superintendente José Luiz Ricca. Diretores Operacionais Carlos Eduardo Uchôa Fagundes Carlos Roberto Pinto Monteiro Conselho Deliberativo do Sebrae-SP Presidente: Alencar Burti ACSP - Associação Comercial de São Paulo ANPEI - Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Industriais BANESPA - Banco

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

Boas Práticas de Manipulação em Serviços de Alimentação. Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos

Boas Práticas de Manipulação em Serviços de Alimentação. Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos Aula 1 Seleção De Fornecedores, Compra E Recebimento Das Matérias- Primas, Ingredientes E Embalagens As matérias- primas, os ingredientes e as embalagens

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Diretor Superintendente José Luiz Ricca. Diretores Operacionais Carlos Eduardo Uchôa Fagundes Carlos Roberto Pinto Monteiro

Diretor Superintendente José Luiz Ricca. Diretores Operacionais Carlos Eduardo Uchôa Fagundes Carlos Roberto Pinto Monteiro Conselho Deliberativo do Sebrae-SP Presidente: Alencar Burti ACSP - Associação Comercial de São Paulo ANPEI - Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Industriais BANESPA - Banco

Leia mais

DATA: 04/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS PALESTRANTE: NÁDYA MOLINA

DATA: 04/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS PALESTRANTE: NÁDYA MOLINA DATA: 04/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS PALESTRANTE: NÁDYA MOLINA Boas Práticas Para um bom resultado na manipulação de alimentos deve-se trabalhar aplicando

Leia mais

Diretor Superintendente José Luiz Ricca. Diretores Operacionais Carlos Eduardo Uchôa Fagundes Carlos Roberto Pinto Monteiro

Diretor Superintendente José Luiz Ricca. Diretores Operacionais Carlos Eduardo Uchôa Fagundes Carlos Roberto Pinto Monteiro Conselho Deliberativo do Sebrae-SP Presidente: Alencar Burti ACSP - Associação Comercial de São Paulo ANPEI - Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Industriais BANESPA - Banco

Leia mais

3 segurança AlimentAr CHRistianne de VasConCelos affonso Jaqueline girnos sonati 19

3 segurança AlimentAr CHRistianne de VasConCelos affonso Jaqueline girnos sonati 19 3 Segurança Al i m e n ta r Christianne de Vasconcelos Affonso Jaqueline Girnos Sonati 19 Segurança Alimentar Atualmente temos muitas informações disponíveis sobre a importância da alimentação e suas conseqüências

Leia mais

Cartilha do. Manipulador de Alimentos

Cartilha do. Manipulador de Alimentos Cartilha do Manipulador de Alimentos apresenta Cartilha do Manipulador de Alimentos Belezas naturais e lugares maravilhosos, assim é o turismo no Brasil, que se desenvolve a cada dia e ocupa um importante

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS SÉRIE: SEGURANÇA ALIMENTAR e NUTRICIONAL Autora: Faustina Maria de Oliveira - Economista Doméstica DETEC Revisão: Dóris Florêncio Ferreira Alvarenga Pedagoga Departamento

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

Preparo de Alimentos Seguros

Preparo de Alimentos Seguros Preparo de Alimentos Seguros O que você precisa saber para preparar um alimento próprio para consumo? Alimento Seguro são aqueles que não oferecem riscos à saúde de quem o está consumindo, ou seja, o alimento

Leia mais

Boas práticas na manipulação do pescado

Boas práticas na manipulação do pescado Boas práticas na manipulação do pescado O Brasil tem uma grande variedade de pescados e todas as condições para a produção deste alimento saudável e saboroso. Para que o pescado continue essa fonte rica

Leia mais

Banco de Alimentos e Colheita Urbana

Banco de Alimentos e Colheita Urbana Série Mesa Brasil Sesc - Segurança Alimentar e Nutricional Banco de Alimentos e Colheita Urbana: Transporte de Alimentos Banco de Alimentos e Colheita Urbana: Higiene e Comportamento Pessoal Banco de Alimentos

Leia mais

Diretor Superintendente José Luiz Ricca. Diretores Operacionais Carlos Eduardo Uchôa Fagundes Carlos Roberto Pinto Monteiro

Diretor Superintendente José Luiz Ricca. Diretores Operacionais Carlos Eduardo Uchôa Fagundes Carlos Roberto Pinto Monteiro Conselho Deliberativo do Sebrae-SP Presidente: Alencar Burti ACSP - Associação Comercial de São Paulo ANPEI - Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Industriais BANESPA - Banco

Leia mais

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso 01 Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças

Leia mais

Controle de Qualidade na produção do alimento

Controle de Qualidade na produção do alimento Controle de Qualidade na produção do alimento Professora: Mestre Elis Carolina Fatel Nutricionista UNIFIL Especialista em Nutrição e metabolismo - UEL Mestre em Ciências da Saúde- UEL Coordenadora dos

Leia mais

Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição

Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição Série Qualidade e Segurança dos Alimentos 2 0 0 4 2004. SENAC Departamento Nacional Proibida a reprodução total ou parcial deste material. Todos os

Leia mais

Higienização. Reaproveitamento de Alimentos. Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664

Higienização. Reaproveitamento de Alimentos. Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 Higienização & Reaproveitamento de Alimentos Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 * Higienização dos alimentos: O que é??? É a inibição da multiplicação das bactérias prejudiciais

Leia mais

Controles financeiros Edição de bolso

Controles financeiros Edição de bolso 03 Controles financeiros Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças Marketing

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Manual Elaborado por PEDRO PAULO TRIGO VALERY Considerações Gerais Estocar e administrar um almoxarifado de medicamentos não é como estocar alimentos apesar

Leia mais

Banco de Alimentos e Colheita Urbana. Manipulador de Alimentos II. Cuidados na Preparação de Alimentos

Banco de Alimentos e Colheita Urbana. Manipulador de Alimentos II. Cuidados na Preparação de Alimentos Banco de Alimentos e Colheita Urbana Manipulador de Alimentos II Cuidados na Preparação de Alimentos CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO CNC CONSELHO NACIONAL DO SENAC CONSELHO NACIONAL DO SESC Antônio Oliveira

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PROCESSO SELETIVO Nº001/2010 AUXILIARES DE SERVIÇOS GERAIS NOME DO CANDIDAT0: ASSINATURA: RIO DO OESTE 27 DE JANEIRO DE 2010 Instruções: Antes de começar a realizar

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS (MBP) E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS (POPs) PARA

Leia mais

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha.

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Sou consciente, escolhido por Deus. Sei o que faço. Amo o meu trabalho, amo a vida. Faço o certo. Aqui tem segurança. Sou comprometido

Leia mais

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Secretaria Municipal de Saúde VISA Ponte Nova Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Elaborado pela Equipe da Vigilância Sanitária de Ponte Nova Índice: 1. Manipulador de Alimentos e Segurança

Leia mais

RECEITA. de Sucesso. Como ter uma cozinha eficiente

RECEITA. de Sucesso. Como ter uma cozinha eficiente RECEITA de Sucesso Como ter uma cozinha eficiente Créditos Sebrae-SP Conselho Deliberativo Presidente: Alencar Burti (ACSP) ACSP - Associação Comercial de São Paulo ANPEI - Associação Nacional de Pesquisa,

Leia mais

COMO ADMINISTR OS CUSTOS DE SUA EMPRESA

COMO ADMINISTR OS CUSTOS DE SUA EMPRESA 45 AR COMO ADMINISTR OS CUSTOS DE SUA EMPRESA 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças,

Leia mais

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROCESSAMENTO DE HORTALIÇAS CONGELADAS

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROCESSAMENTO DE HORTALIÇAS CONGELADAS Ministério da Agricultura e do Abastecimento MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROCESSAMENTO DE HORTALIÇAS CONGELADAS Documentos nº 40 ISSN - 1516-8247 julho, 2000

Leia mais

GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA

GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA Série Qualidade e Segurança dos Alimentos GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA Série Qualidade e Segurança dos Alimentos 2 0 0 7 2007. SENAI Departamento Nacional Todos os

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E NA ÁREA DE VENDA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E NA ÁREA DE VENDA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E NA ÁREA DE VENDA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENO E VENDAS CUIDADOS NAS OPERAÇÕES RECEBIMENTO No ato do recebimento dos produtos são conferidos: Procedência;

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. Alex Canziani) Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de cozinheiro. Congresso Nacional decreta: Art. 1º Considera-se cozinheiro, para efeitos desta

Leia mais

Vis o Geral. Edição o de de bolso

Vis o Geral. Edição o de de bolso Atendimento Gestão de Estoques ao Clinte Vis o Geral Edição o de de bolso 01 SEBRAE SP Conselho Deliberativo Presidente Alencar Burti (ACSP) ACSP Associação Comercial de São Paulo ANPEI Associação Nacional

Leia mais

NOVA PORTARIA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 2619/2011-SMS.G QUE REVOGA A PORTARIA Nº 1210

NOVA PORTARIA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 2619/2011-SMS.G QUE REVOGA A PORTARIA Nº 1210 NOVA PORTARIA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 2619/2011-SMS.G QUE REVOGA A PORTARIA Nº 1210 Panificador leia com atenção. Essa cartilha possui informações essenciais sobre a portaria, nª 2619/2011 SMS.G

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias 1 de 7 10/16/aaaa 10:34 Agroindústria Agroindústria: Processamento Artesanal de Frutas - Geléias Processamento Nome artesanal de frutas: Geléias Produto Informação Tecnológica Data Agosto -2000 Preço -

Leia mais

MANUAL HIGIÊNICO-SANITÁRIO PARA PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES

MANUAL HIGIÊNICO-SANITÁRIO PARA PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA ADJUNTA DE OPERAÇÕES COORDENAÇÃO MÉDICA DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA COORDENAÇÃO DE NUTRIÇÃO MANUAL HIGIÊNICO-SANITÁRIO

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

5 dicas para fazer o planejamento de vendas da sua empresa

5 dicas para fazer o planejamento de vendas da sua empresa Publicação gratuita. Não pode ser vendida. Planejamento 01 5 dicas para fazer o planejamento de vendas da sua empresa Sebrae-SP Conselho Deliberativo Presidente: Alencar Burti (ACSP) ACSP Associação Comercial

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL Manipuladores de alimentos São todas as pessoas que trabalham com alimentos, ou seja, quem produz, vende, transportam recebe, prepara e serve

Leia mais

Considerando que o trânsito de alimentos em condições seguras pressupõe a preservação da saúde e do meio ambiente;

Considerando que o trânsito de alimentos em condições seguras pressupõe a preservação da saúde e do meio ambiente; Pag. 1 de 9 Portaria 069-R, de 26/09/2007. Dispõe sobre a documentação e requisitos básicos necessários para concessão de Licença Sanitária para Veículos Automotivos utilizados para o Transporte de Alimentos

Leia mais

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL 1 - QUALIDADE DA MATÉRIA-PRIMA O leite destinado à fabricação de produtos lácteos deve ser de boa qualidade. Essa qualidade está diretamente relacionada

Leia mais

RECEITA. de Sucesso. Como ter uma cozinha eficiente

RECEITA. de Sucesso. Como ter uma cozinha eficiente RECEITA de Sucesso Como ter uma cozinha eficiente Créditos SEBRAE-SP Conselho Deliberativo Presidente: Alencar Burti (ACSP) ACSP - Associação Comercial de São Paulo ANPEI - Associação Nacional de Pesquisa,

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais

CARTILHA DO MANIPULADOR DE ALIMENTOS - MESA

CARTILHA DO MANIPULADOR DE ALIMENTOS - MESA Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Confederação Nacional da Indústria CARTILHA DO MANIPULADOR DE ALIMENTOS - MESA 2 o edição Série Qualidade e Segurança Alimentar SENAI/Departamento Nacional Brasília,

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações]

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] Portugal em Acção ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS As estruturas, as instalações e o equipamento dos estabelecimentos de restauração ou

Leia mais

Aspectos regulatórios referentes à conservação de alimentos pelo frio

Aspectos regulatórios referentes à conservação de alimentos pelo frio 2ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA SETORIAL DE ALIMENTOS DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Anvisa) Brasília, 11 de dezembro de 2012 Aspectos regulatórios referentes à conservação de alimentos

Leia mais

Organização e Controle de Almoxarifado

Organização e Controle de Almoxarifado Série Mesa Brasil Sesc - Segurança Alimentar e Nutricional Banco de Alimentos e Colheita Urbana: Transporte de Alimentos Banco de Alimentos e Colheita Urbana: Higiene e Comportamento Pessoal Banco de Alimentos

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ A Vigilância Sanitária Municipal é responsável pela fiscalização de todos os stands, espaços, barracas, postos e/ou pontos de venda da área

Leia mais

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC AEXO ROTERO PARA FSCALZAÇÃO/SPEÇÃO SATÁRA, E AUTOSPEÇÃO EM MMERCADOS, MERCADOS, SUPERMERCADOS, HPERMERCADOS E AFS. 1. DADOS DO ESTABELECMETO. RAZÃO SOCAL: OME FATASA: CPJ: EDEREÇO: TELEFOE: REPRESETATE

Leia mais

Segurança de Alimentos: visão e legislação

Segurança de Alimentos: visão e legislação S & S Consultoria Implementação em Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos Segurança de Alimentos: visão e legislação Nut. Dra. Sabrina Bartz Introdução O mundo tem 7 bilhões de pessoas e a garantia

Leia mais

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Aula 1 - O que é um Alimento Seguro? Por que nos alimentamos? A alimentação é uma atividade básica para o indivíduo manter- se vivo. Precisamos nos nutrir

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO XIII LISTA DE VERIFICAÇÃO DE AUTO-INSPEÇÃO 1.1. Nome da embarcação: 1.2. IMO: 1.3. Nome e assinatura do

Leia mais

ROTEIRO COMÉRCIO VAREJISTA - LANCHONETE E SIMILARES Portaria SMS-G N 1210/06

ROTEIRO COMÉRCIO VAREJISTA - LANCHONETE E SIMILARES Portaria SMS-G N 1210/06 SECRETARIA MUICIPAL SAUDE Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Alimentos ROTEIRO COMÉRCIO VAREJISTA - LACHOETE E SIMILARES Portaria SMS-G

Leia mais

Vigilância Sanitária de Serviços de Alimentação em Shoppings de Brasília-DF

Vigilância Sanitária de Serviços de Alimentação em Shoppings de Brasília-DF Vigilância Sanitária de Serviços de Alimentação em Shoppings de Brasília-DF Monitoramento da Qualidade de Alimentos no DF produtos analisados e motivos da condenação no Distrito Federal, 2014 85% 15% Sem

Leia mais

PREFEIRURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Gabinete da Prefeita

PREFEIRURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Gabinete da Prefeita PREFEIRURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Gabinete da Prefeita DECRETO Nº. 568/2012: A Prefeita Municipal de Viana, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais conferidas pelo

Leia mais

PORTARIA CVS-6/99, DE 10 DE MARÇO DE 1999

PORTARIA CVS-6/99, DE 10 DE MARÇO DE 1999 PORTARIA CVS-6/99, DE 10 DE MARÇO DE 1999 CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA A Diretoria Técnica do Centro de Vigilância Sanitária da Secretaria de Estado da Saúde, considerando: A Lei 10083 de Setembro de

Leia mais

RECEITA. de Sucesso. Como ter uma cozinha eficiente

RECEITA. de Sucesso. Como ter uma cozinha eficiente RECEITA de Sucesso Como ter uma cozinha eficiente Créditos Sebrae-SP Conselho Deliberativo Presidente: Alencar Burti (ACSP) ACSP - Associação Comercial de São Paulo ANPEI - Associação Nacional de Pesquisa,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CARTILHA DO PESCADOR ARTESANAL Boas Práticas na Manipulação dos Produtos da Pesca Artesanal Carmelita de Fátima Amaral Ribeiro Oriana Trindade de Almeida Sérgio Luiz de Medeiros

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL)

REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL) MANUAL REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL) O objectivo deste manual é fornecer informação

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO 04 APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing,

Leia mais

RESOLUÇÃO SMG N Nº 604 DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 (DOM 12-09-02)

RESOLUÇÃO SMG N Nº 604 DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 (DOM 12-09-02) RESOLUÇÃO SMG N Nº 604 DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 (DOM 12-09-02) O RESPONSÁVEL PELO EXPEDIENTE DA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO (Decreto nº 1.630/2002), no uso de suas atribuições legais, e, considerando

Leia mais

CONSUMO CONSCIENTE DE ALIMENTOS Conteúdo desenvolvido pelo Instituto Akatu.

CONSUMO CONSCIENTE DE ALIMENTOS Conteúdo desenvolvido pelo Instituto Akatu. CONSUMO CONSCIENTE DE ALIMENTOS Conteúdo desenvolvido pelo Instituto Akatu. Os impactos do desperdício de alimentos. Pense em um prato de comida à sua frente. Imagine-o sendo jogado no lixo, sem piedade.

Leia mais

MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO

MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO Manual desenvolvido pela equipe de monitoras, sob a supervisão da disciplina de Tecnologia de Alimentos (Curso de Nutrição) para normatização das atividades desenvolvidas

Leia mais

Banco de Alimentos e Colheita Urbana. Organização e Controle de Almoxarifado

Banco de Alimentos e Colheita Urbana. Organização e Controle de Almoxarifado Banco de Alimentos e Colheita Urbana Organização e Controle de Almoxarifado CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO CNC CONSELHO NACIONAL DO SENAC CONSELHO NACIONAL DO SESC Antônio Oliveira Santos Presidente

Leia mais

CHECK LIST TÉCNICO - COZINHA, BAR e SALÃO

CHECK LIST TÉCNICO - COZINHA, BAR e SALÃO CHECK LIST TÉCNICO - COZINHA, BAR e SALÃO O QUE É? Impresso utilizado para auxiliar em auditoria técnica na unidade. PORQUE DEVE SER FEITO? ) Para avaliar e registrar a qualidade técnica apresentada na

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO - COMÉRCIO VAREJISTA PADARIA E SIMILARES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO - COMÉRCIO VAREJISTA PADARIA E SIMILARES PREFETURA DE SÃO PAULO SECRETARA MUCPAL DA SAÚDE COORDEAÇÃO DE VGLÂCA EM SAÚDE GERÊCA DE PRODUTOS E SERVÇOS DE TERESSE DA SAÚDE SUBGERÊCA DE ALMETOS ROTERO DE SPEÇÃO - COMÉRCO VAREJSTA PADARA E SMLARES

Leia mais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais A embalagem é instrumento de identificação, proteção, movimentação e exposição das frutas e hortaliças frescas. Ela identifica o produto e o seu responsável.

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima Profª. Nensmorena Preza ALIMENTO Toda substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido, pastoso ou qualquer

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BRÉSCIA SECRETARIA DA AGRICULTURA SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM

Leia mais

Laboratório Dietético

Laboratório Dietético LABORATÓRIO DIETÉTICO Laboratório Dietético tem como objetivo principal trabalhar o alimento a fim de conhecer e compreender as operações preliminares e as modificações físico-químicas e sensoriais quando

Leia mais

LOTES 01- PERECÍVEIS FRIOS

LOTES 01- PERECÍVEIS FRIOS LOTES 0- PERECÍVEIS FRIOS 3 4 5 Lingüiça, do tipo calabresa, resfriada, industrialmente embalada, com SIF, embalagem plástica transparente atóxica não reciclada, contendo informações sobre o fabricante

Leia mais

A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO

A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO Razão Social: RESTAURANTE E PIZZARIA MGM RIO CLARO LTDA Ramo de Atividade: Restaurantes e Similares CPF/CNPJ:

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Manuseio Mínimo Apoio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BARRACÃO DO PRODUTOR FEIRAS SUPERMERCADOS SACOLÕES QUITANDAS ALIMENTAÇÃO ESCOLAR RESTAURANTES CEAGESP - CENTRO DE QUALIDADE EM

Leia mais

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 55 ISSN 0103-6068 Dezembro, 2003 Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS 32 Cartilha Curso Manipuladores_NOVO TEXTO 4_SETEMBRO.indd Spread 1 of 16 - Pages(32, 1) 23/10/2013 11:07:14 Leitura recomendada PREFÁCIO Este manual de Boas Práticas de Manipulação de Alimentos visa orientar

Leia mais

Conservação da Carne Professora: Sandra Carvalho Princípios de Conservação Aplicado a Carne Controle da contaminação por microrganismos. Remoção de microrganismos. Controle do Crescimento e da atividade

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO DE ALIMENTOS EM RESTAURANTES COMERCIAIS NA CIDADE DE CASCAVEL-OESTE DO PARANÁ ZAMBIAZI, Sabrine 1 MARTINS, Adriana, H 2

CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO DE ALIMENTOS EM RESTAURANTES COMERCIAIS NA CIDADE DE CASCAVEL-OESTE DO PARANÁ ZAMBIAZI, Sabrine 1 MARTINS, Adriana, H 2 1 CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO DE ALIMENTOS EM RESTAURANTES COMERCIAIS NA CIDADE DE CASCAVEL-OESTE DO PARANÁ ZAMBIAZI, Sabrine 1 MARTINS, Adriana, H 2 RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde Portaria CVS 5, de 09 de abril de 2013 DOE de 19/04/2013 - nº.

Leia mais

EI, você aí! Conheça os tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do Empreendedor Individual

EI, você aí! Conheça os tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do Empreendedor Individual EI, você aí! Conheça os tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do Empreendedor Individual SEBRAE-SP Conselho Deliberativo Presidente: Alencar Burti (ACSP) ACSP Associação Comercial de São

Leia mais

Químicos. Food Service. 3M Soluções Comerciais Núcleo Limpeza Profissional

Químicos. Food Service. 3M Soluções Comerciais Núcleo Limpeza Profissional 3M Soluções Comerciais Núcleo Profissional Químicos Food Service Os Químicos Food Service são especialmente formulados para a higienização de e equipamentos em ambientes de manipulação de alimentos. São

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde Portaria CVS 5, de 09 de abril de 2013 DOE de 19/04/2013 - nº.

Leia mais

CARTILHA ILUSTRADA PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS

CARTILHA ILUSTRADA PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS CARTILHA ILUSTRADA PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS ISABEL de Souza CARVALHO 2º TEN BM QOS / Nut / 02 RG 32.876 Chefe do Serviço de Nutrição e Dietética do HCAP 2005 ÍNDICE A S S U N T O S FOLHA Quando

Leia mais

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA) no RS o Mais de 3200 surtos notificados de 1987 a 2006 (DVS/RS). o Principais

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS NAS UNIDADES ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS NAS UNIDADES ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS NAS UNIDADES ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS Em conformidade com a Resolução RDC n º 216/04 I. INTRODUÇÃO

Leia mais

OBJETIVOS DO TREINAMENTO

OBJETIVOS DO TREINAMENTO OBJETIVOS DO TREINAMENTO O QUE VOCÊ APRENDERÁ NO TREINAMENTO? A importância do cozimento e da preparação dos alimentos. Quais são as tecnologias exclusivas incorporadas na fabricação das panelas icook

Leia mais

EXERCÍCIO BLH, LACTÁRIO e ERGONOMIA

EXERCÍCIO BLH, LACTÁRIO e ERGONOMIA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NUTRIÇÃO NUTRIÇÃO COLETIVA II Professora: VIVIAN VIEIRA EXERCÍCIO BLH, LACTÁRIO e ERGONOMIA 1. Marque V ou F nas questões

Leia mais