O PROJETO DE CRÉDITO ANTECIPADO PARA MICROEMPRESAS EM UMA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROJETO DE CRÉDITO ANTECIPADO PARA MICROEMPRESAS EM UMA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS"

Transcrição

1 ISSN O PROJETO DE CRÉDITO ANTECIPADO PARA MICROEMPRESAS EM UMA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS Marco Aurélio Ramos (Faculdade Novos Horizontes) Luana Freitas (SENAC MG) Alfredo Alves de Oliveira Melo (Faculdade Novos Horizontes) Resumo Em finanças, o conceito de crédito pode ser definido como um instrumento de política financeira a ser usado por uma empresa na venda a prazo de seus produtos ou serviços. Vender a prazo implica conceder crédito aos clientes. Uma forma destaa concessão de crédito está sendo praticada por distribuidoras de que implantaram um novo conceito de venda a prazo chamada de crédito antecipado. O Crédito Antecipado é destinado a clientes com baixo potencial, ou seja, microempresas que compram até 10 (dez) caixas de cerveja por semana, ou seja, destinado a microempresas. A partir desta visão esta pesquisa propõe analisar os resultados obtidos com a implantação do programa crédito antecipado em uma distribuidora de bebidas. O objeto de pesquisa deste trabalho foi uma empresa do setor de distribuição de bebidas de médio porte. Os principais produtos oferecidos pela empresa são cervejas e refrigerantes. Para realização da pesquisa foram disponibilizados pela empresa alguns relatórios sobre o programa de crédito antecipado, contendo dados sobre os clientes, como perfil, médias de compra, principais produtos, dentre outros. A abordagem utilizada foi qualitativa e descritiva, utilizando além da análise documental uma entrevista semi-estruturada com a responsável direta pelo projeto crédito antecipado. Com isso verificouse que o programa de crédito antecipado contribui com aumento nas vendas, uma vez que proporciona capital de giro para microempresas. Quando avaliados todos os clientes ao mesmo tempo percebe-se que se ganha na quantidade, no volume de vendas, então o programa traz o retorno esperado pela empresa. Palavras-chaves: Crédito, Microcrédito, Crédito Antecipado

2 1 INTRODUÇÃO Em finanças, o conceito de crédito pode ser definido como um instrumento de política financeira a ser usado por uma empresa na venda a prazo de seus produtos ou serviços. Vender a prazo implica conceder crédito aos clientes. Um dos grandes problemas enfrentados pelas empresas e responsável pelo sucesso ou fracasso das mesmas pode ser sua política de crédito. Existem diversos riscos ao se vender a prazo como: custos na análise do potencial de crédito do cliente, despesas com a cobrança das duplicatas, riscos de perdas com créditos incobráveis, custo de recursos aplicados nas contas a receber, perda de poder aquisitivo do valor dos créditos em decorrência do processo inflacionário, dentre outros. Mesmo assim, empresas com visão investem parte de seu faturamento em pesquisas e treinamentos para desenvolvimento de novas formas de antecipar as necessidades de seus clientes como: programas diferenciados e prazos de pagamento diversos, tudo isso para aumentar sua participação no mercado, ou seja, seu Market Share. Dentre essas novas maneiras de prever as necessidades de seus clientes, existem distribuidoras de bebidas que implantaram um novo conceito de venda a prazo chamada de crédito antecipado. O Crédito Antecipado é destinado a clientes com baixo potencial, ou seja, microempresas que compram até 10 (dez) caixas de cerveja por semana. Pontos de venda em que os empreendedores não possuem capital de giro suficiente para gerir o negócio. A partir desta visão esta pesquisa propõe analisar os resultados obtidos com a implantação do programa crédito antecipado em uma distribuidora de bebidas. O objeto de pesquisa deste trabalho foi uma empresa do setor de distribuição de bebidas de médio porte, com aproximadamente 200 funcionários. Os principais produtos oferecidos pela empresa são cervejas e refrigerantes. Para realização da pesquisa foram disponibilizados pela empresa alguns relatórios sobre o programa de crédito antecipado, contendo dados sobre os clientes, como perfil, médias de compra, principais produtos, dentre outros. Isto porque por meio destes relatórios foi possível avaliar os resultados apresentados com a implantação do programa. A abordagem utilizada foi qualitativa e descritiva, utilizando além da análise documental uma entrevista semi-estruturada com a responsável direta pelo projeto crédito antecipado. 2

3 2 CRÉDITO E MICROCRÉDITO Usualmente, define-se microfinanças como a oferta de serviços financeiros para a população de baixa renda que normalmente não tem acesso a esses serviços pelo sistema financeiro tradicional (BNDES, 2002), ou seja, trata-se de pequenos empréstimos, com as parcelas pagas em curto espaço de tempo, destinados essencialmente à população pobre, que possui pouquíssimos ativos para oferecer como garantia (BOUMAN, 1989). Já o microcrédito pode ser definido como todos os serviços financeiros para microempreendedores, excluindo-se o crédito para consumo. O Microcredit Summit (2007) o define como pequenos empréstimos à população muito pobre, para trabalhar por conta própria, permitindo gerar renda para seu sustento e de suas famílias. Já o microcrédito produtivo orientado é um crédito produtivo popular, com foco no financiamento a microempreendedores de baixa renda, para aplicação em sua atividade profissional (Alves e Soares, 2004; BNDES, 2002). A palavra crédito deriva do latim credere que significa acreditar, confiar e, dependendo do contexto em que esteja inserida, pode ter vários significados (PAIVA, 1997). De acordo com Silva (2003), num sentido específico, crédito consiste na entrega de um valor presente mediante a promessa de pagamento. O crédito traz consigo duas noções fundamentais: Confiança expressa na promessa de repagamento, e tempo, que se refere ao período fixado entre as partes para liquidação da dívida. Segundo Schrickel (2000), o termo repagamento aqui utilizado em detrimento de pagamento, amortização, liquidação, entre outros é devido ao fato da posse dos recursos serem temporária, onde findo o prazo o tomador deve pagá-los de volta. A ciência econômica reconhece a existência da escassez de recursos, e em decorrência disso, admite a impossibilidade de que todos os desejos da humanidade sejam satisfeitos, o que faz com que os indivíduos efetuem escolhas. A falta de recursos financeiros, nem sempre é absoluta, a capacidade das pessoas possuírem receitas pode variar com o tempo, por isso o crédito é tão importante. Um bem que não pode ser adquirido á vista, pode ser a prazo, porque o pagamento provavelmente será parcelado, ou no mínimo, terá um prazo e talvez o consumidor possa e esteja disposto a adquirir um bem por um valor mais alto, conquanto possa paga-lo dentro de suas condições financeiras. 3

4 O crédito também é definido como um instrumento de política financeira utilizado pelas empresas nas vendas a prazo de seus produtos, a primeira vista, pode ser encarado como um grande inimigo do contas a receber, uma vez que estende o prazo de recebimento e o pior, aumenta o risco de inadimplência. Entretanto, é um dos responsáveis por estimular às vendas. O princípio fundamental da política de crédito é a orientação das decisões de crédito, observando-se os objetivos estabelecidos pela empresa, as regras governamentais e a capacidade de aplicação e captação dos recursos, devendo compreender o estabelecimento de taxas de juros, prazos, garantias e nível de risco de cada operação (SILVA, 1993, p.40). Além da área financeira, a comercial também deverá participar da definição da política de crédito da empresa, pois a partir dela são definidos parâmetros básicos para a realização das vendas, além dos elementos necessários para concessão, monitoramento e cobrança das mesmas, devendo ser encarada como um fator de alavancagem das receitas e uma demanda por investimentos em ativos financeiros (créditos futuros). Sempre que se fala de crédito surge o questionamento sobre o risco. Segundo Paiva (1997), o risco permeia a atividade humana, não podemos afirmar que o mesmo é incerteza, pois podemos eliminar a incerteza, nunca o risco, o que podemos é minimizá-lo. Em finanças, risco e incerteza tem conceitos diferentes, assim, pode-se dizer que: 1. Risco existe e pode ser mensurado à partir de dados históricos do tomador, assim a concessão do crédito se faz a partir de premissas conhecidas e aceitáveis; 2. Incerteza é quando a decisão de crédito é feita de forma subjetiva, pois os dados históricos não estão disponíveis. O risco define a probabilidade de perda no negócio e é inerente à atividade. Sendo algo que está presente em todos os momentos de nossas vidas, quaisquer que sejam nossas atividades, e operar com crédito não foge à regra. Sua gestão passou a ocupar nos últimos tempos, posição de destaque na administração financeira, especialmente em consequência da expansão do crédito, do crescimento de mercado e da globalização. No Brasil até com mais ênfase, motivada pela maior estabilidade econômica alcançada recentemente e empenho das autoridades em modernizar e aprimorar o sistema financeiro nacional. Como pode ser evitado, portanto, deve ser administrado. No entanto, tendo em conta o negocio ou a área de atividade em que está inserido, a análise será mais ou menos criteriosa. Desde o estabelecimento comercial de venda ao público que habitualmente não procede a qualquer análise, até as instituições financeiras que procedem a análise bastante exaustiva, existe uma infinidade de casos. 4

5 Uma operação de crédito bem analisada e adequada às reais necessidades e capacidade de crédito do cliente, sem sombra de dúvidas não extinguirão os riscos de perdas futuras, mas diminuirão. A gestão do risco de crédito continua a ser substancialmente uma atividade quase caseira, em que as decisões quanto à empréstimos são feitas sob medida, caso a caso. São escassos os dados quantitativos confiáveis sobre as variáveis financeiras e não financeiras na avaliação de risco. Ainda estão em fase de aprimoramento as metodologias utilizadas para análise de risco e muitas dúvidas ainda persistem na busca de uma gestão adequada de risco de crédito, em meio a uma geração de profissionais de engenharia financeira que está aplicando suas habilidades em construção de modelos e na análise desta área (SAUNDERS, 2000, P.52). 2.1 CRÉDITO E MICROCRÉDITO NO BRASIL A dificuldade de acesso ao crédito tem se revelado um dos principais entraves ao desenvolvimento das micro e pequenas empresas (MPE s) no Brasil. Sabe-se que, devido às limitações dos programas de crédito, à elevada exigibilidade na gestão de linhas específicas aos microempreendimentos e às altas taxas de juros, diversos questionamentos emergem sobre a efetividade dos bancos governamentais e comerciais quanto à administração dessas linhas. Isto desencadeia um baixo acesso ao crédito pelos micro e pequenos empresários, fator também atribuído à falta de informação, à dificuldade no oferecimento de garantias reais, permanência na informalidade, além do receio de endividamento. Dessa forma, a enorme assimetria no direcionamento da oferta de crédito oportuniza a manutenção de defasagens para a demanda desse serviço. Neste sentido, as operações de microcrédito tem se consolidado no Brasil, desde meados da década de 1990 como a prestação de serviços de crédito a indivíduos e empresas com menor acesso ao sistema financeiro tradicional. Esta menor acessibilidade é potencializada por características jurídicas e normativas das operações de crédito, inexistência de colaterais que sustentem tais transações financeiras e, geralmente, a inobservância das características, peculiaridades e anseios dos demandantes potenciais, por parte das instituições financeiras. O crédito é fator crítico para o empreendedorismo principalmente por causa de sua contribuição às pequenas unidades produtivas. No entanto, as micro e pequenas empresas - 5

6 MPEs carecem de um sistema de crédito que atendam às necessidades e que estejam dentro da capacidade de pagamento das empresas. É neste contexto que surge o microcrédito como um tipo de crédito que visa fornecer acesso ao sistema financeiro, garantindo acesso ao crédito por famílias pobres visando a fornecerlhes condições para manter seus pequenos negócios, assim como, fortalecer a economia nacional. O Microcrédito também pode ser definido como a concessão de empréstimo de baixo valor a pequenos empreendedores informais e microempresas que não tem acesso ao sistema financeiro tradicional, principalmente por não terem como oferecer garantias reais. É um crédito destinado à produção (capital de giro e investimento) e é concedido com o uso de metodologia específica. Neste sentido, Passos et al. (2001) afirmam que, no Brasil, os programas de microcrédito atendem a unidades produtivas pequenas, as quais os proprietários trabalham, diretamente, nos empreendimentos e acumulam funções (produção e gestão), dispõem de pouco capital e de tecnologia rudimentar, gerando, na maioria dos casos, apenas a renda familiar. Tradicionalmente, o crédito é fornecido com base nas garantias de solidez, patrimônio e tradição financeira do tomador. Segundo Junqueira e Abramavay (2005), geralmente, a população de baixa renda não possui bens ou recursos para cumprir as garantias que os bancos exigem. O caminho encontrado pela maioria dos indivíduos que não tem acesso ao sistema de crédito formal é buscar empréstimos em fontes que não exigem garantias, mas que cobram taxas de juros muito acima do nível de mercado. Estes concessores são conhecidos popularmente como agiotas e utilizam a confiança como garantia de empréstimo. Outra parcela da população que não deseja pagar pelas enormes taxas de juros cobradas pelos agiotas fica sem oportunidade, a não ser quando recorre a algum amigo ou parente que disponibiliza o crédito de forma acessível. Fachini (2005) complementa, citando que os programas de microcrédito, no Brasil, apresentam duas limitações: uma com relação ao cliente e outra relacionada à própria sustentabilidade financeira. Segundo esse autor, o crédito não oferece suporte para o tomador, pois, esse não ganha qualificação da mão-de-obra empregada na produção de seus artefatos, nem aumento da oferta de melhores condições para a gestão do empreendimento. Ressalta ainda que a maioria desses programas torna-se inviável do ponto de vista financeiro porque, simultaneamente, requer a cobrança de juros mais baixos que os juros de mercado, além de arcar com custos administrativos, custos fixos e taxas de inadimplência efetivas crescentes. 6

7 Ainda nos anos 90, o surgimento dos Bancos do Povo, formalmente denominados como Fundo de Apoio ao Empreendimento Popular (FAEP) possibilitou um salto para a difusão do microcrédito no Brasil. Originárias de parcerias entre as prefeituras municipais e governos estaduais, essas instituições oferecem o microcrédito produtivo e orientado. Devido à disponibilização de recursos para concessão de crédito popular, o Estado de Minas Gerais foi pioneiro nas atividades de microcrédito no país, principalmente com a criação do Banco do Povo de Juiz de Fora, em Em 10 anos de atuação na Zona da Mata mineira, Campos das Vertentes e Sul de Minas Gerais, o FAEP movimentou 20 mil operações de crédito, fornecendo capital de giro e de investimento, contribuindo para a geração de emprego e renda de milhares de mineiros. Tal iniciativa corrobora a efetividade do microcrédito como ferramenta de apoio aos micro e pequenos empresários, sendo, por esta razão, considerada como uma das ações mais importantes para o atual desenvolvimento regional (FAEP, 2007). O sistema de crédito tradicional tem como modelo a agência, normas, burocracias e procedimentos de crédito, enquanto o microcrédito está baseado no agente de crédito e em sua capacidade de avaliação do cliente. Para o mesmo autor, a concessão de microcrédito não exige garantias reais como o crédito tradicional, sendo o aval solidário uma das garantias que consiste na reunião de um grupo de três a cinco pessoas, com pequenos negócios e necessidade de crédito, que confiem umas nas outras e que assumam a responsabilidade pelos créditos de todo o grupo. Outra opção para obtenção de empréstimo, citada pelo autor, é a apresentação de um avalista que preencha as condições estabelecidas pela instituição de microcrédito. O microcrédito é caracterizado por possuir baixos custos de transação e alto custo operacional, devido à elevada quantidade de empréstimo de pequena monta. Ele exige o mínimo de garantia e confere agilidade na entrega do crédito. Por outro lado, Junqueira e Abramovay (2005) e Passos et al.(2001) relatam que o crédito tradicional visa apenas ao lucro e prioriza operações mais rentáveis. Neste segmento, as funções sociais de crédito não são condizentes com a infraestrutura e alta tecnologia empregada. Entretanto, o microcrédito visa à sustentabilidade e prioriza operações de pequena monta. 3 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS O Programa Crédito Antecipado foi uma maneira encontrada para que a distribuidora aumentasse seu market share por meio dos clientes que não possuíam capital para comprar 7

8 uma quantidade maior do produto, conseguindo assim vender mais e reduzir a presença dos concorrentes, que possuíam produtos mais barato, nos pontos de venda. E ao mesmo tempo controlar o contas a receber, de forma que estas vendas aumentassem a presença de mercado dos produtos, mas não aumentassem a inadimplência da empresa. O programa teve início em junho de 2009, e junho de 2011 apresentava as seguintes informações: Tabela 1 Investimentos totais da empresa Investimentos da Empresa Clientes Caixas Quantidade clientes aderidos de junho 2009 até junho Quantidade total clientes faturados (inativos no programa) Quantidade total de clientes inadimplentes Quantidade total de clientes ativos no programa Fonte: Dados da pesquisa Foram aderidos ao programa 1175 clientes resultando em um investimento de 6863 caixas de cervejas 600ml. Desde a implantação do programa 246 clientes decidiram sair do mesmo e quitaram os empréstimos totalizando 1425 caixas de cervejas pagas. 87 clientes decidiram sair do programa, mas não honram com o compromisso assumido, gerando um prejuízo de 100 caixas de cerveja, ou seja, 1,46% (aproximadamente) do total de caixas emprestadas. E em junho de 2011, existiam 929 clientes ativos no programa com investimento de 5438 caixas de cerveja. Algumas premissas do programa foram apresentadas para maior compreensão do mesmo: 1. A quantidade mínima para o empréstimo 3 caixas de cerveja e a máxima 10 caixas de cerveja; 2. As compras das cervejas S1, B2 e A3 de 600 ml, só poderiam ser feitas em dinheiro, o restante do mix de produtos poderiam possuir outras formas de pagamento; 3. Os clientes aderidos ao Credito Antecipado se comprometiam no momento em que assinassem o contrato do programa em repor os produtos assim que os mesmos fossem vendidos e o vendedor fosse ao estabelecimento efetuar nova venda; 4. Se o produto estivesse vendido e o cliente não quisesse repor o estoque o vendedor poderia efetuar a solicitação da cobrança da cerveja que estivesse sido vendida; 5. O prazo de validade do contrato era indeterminado, o cliente poderia ficar o tempo que quisesse, e as caixas de cerveja seriam faturadas com a cobrança do preço da cerveja do dia, ou seja, atualizado; 8

9 6. O preço de compra dos produtos era diferenciado, uma vez que os mesmos deveriam ser repostos assim que vendidos. Para analisar o programa foram escolhidos 30 participantes ativos aleatoriamente, com mesma data de adesão e quantidade de produto emprestado variado, uma vez que o programa analisa o perfil, estrutura de cada cliente, para definir a necessidade de cada estabelecimento. Tabela 2 Base de clientes utilizados na pesquisa Código Nome Fantasia Data Adesão ao Programa Quantidade Caixas por clientes 2367 Eni Bar 09/03/ Mercearia Esperanca 08/03/ Nogueiras Bar 06/03/ Raimundo Bar 08/03/ Bar da Cadeia 05/03/ Bar da Gorete 05/03/ Bar Merc.Gomes 09/03/ Tina S Bar 09/03/ Bar do Juvenal 08/03/ Mercearia Barbosa 09/03/ Bar e Restaurante Do 06/03/ Boteco do Benicio 08/03/ Bar do Ponto 08/03/ Bar Gean Geniell 05/03/ Bar da Iglorina 05/03/ Bar do Francisco 06/03/ Sacolao Economia 05/03/ Bar Cantinho da Serr 05/03/ Bar do Pezao 05/03/ Mercearia Maria Nilz 06/03/ Padaria Brito 08/03/ Bar do Beco 05/03/ Mercearia do Valdeci 08/03/ Bar do Ronaldo 05/03/ Bar da Claudia 05/03/

10 26128 Bar da Mata 08/03/ Bar do Joao 05/03/ Germanos Bar 06/03/ Bar e Mercearia Artu 08/03/ Bar do Waldemiro 08/03/ Fonte: Dados da pesquisa Os clientes acima representavam um total de 162 caixas de cervejas emprestadas. Para que a análise fosse feita a empresa disponibilizou seu controle de vendas de março de 2009 até agosto de 2009, e março de 2010 até agosto de Para melhor compreensão é importante ressaltar que cada caixa de cerveja contém 24 garrafas, ou seja, 2 dúzias, uma vez que, sempre que se falar em vendas será utilizada as quantidades em dúzias. A partir dos dados disponibilizados pode se fazer uma comparação entre as vendas efetuadas no ano de 2009 e as vendas efetuadas nos mesmos períodos de Em geral, na maioria dos clientes analisados, houve crescimento significativo nas vendas. Tabela 3 Crescimento geral das vendas nos meses comparados Período Quantidade Vendida Unidade Crescimento % 01/03/ Dúzias 01/03/ Dúzias 249% 01/04/ Dúzias 01/04/ Dúzias 140% 01/05/ Dúzias 01/05/ Dúzias 194% 01/06/ Dúzias 01/06/ Dúzias 198% 01/07/ Dúzias 01/07/ Dúzias 216% 01/08/ Dúzias 01/08/ Dúzias 218% Total Dúzias Total Dúzias Fonte: Dados da pesquisa 199% 10

11 Verifica-se a evolução da venda do ano de 2010 com o projeto implantado contra o ano de 2009 sem implantação do programa de crédito antecipado. Percebe-se a meta acumulada como as vendas ocorridas no ano anterior ao projeto e acumulado real, as vendas ocorrida no ano de Para retorno do projeto, os sócios esperavam um acréscimo no Lucro Bruto mensal de 5%. Conforme os mesmos, a estrutura operacional já estava preparada e as despesas administrativas, de vendas, aumentariam proporcionalmente ao crescimento das vendas, na logística havia ociosidade, e, portanto se os 5% fossem obtidos, acreditavam que o resultado operacional líquido positivo seria consequência. Outro aspecto importante foi que o preço de venda para o credito antecipado era o menor possível, então o mesmo sozinho não era autosustentável, pois a receita não pagaria todos os custos e despesas, e este é mais um motivo para analisar o Demonstrativo de Resultado do Exercício (do projeto. Para o empréstimo de 162 caixas de cerveja conforme analisado, o investimento necessário foi de R$9.658,44 (nove mil seiscentos e cinqüenta e oito reais e quarenta e quatro centavos), com retorno esperado de 5% equivalente a R$482,92 (quatrocentos e oitenta e dois reais e noventa e dois centavos) mês. Conforme Tabela 4, os resultados com a implantação do projeto foram positivos, apenas no mês de abril de 2009 para abril de 2010 o retorno não foi conforme o esperado. Acreditando que sem o programa de crédito antecipado, as vendas seriam as mesmas, a diferença entre o ano de 2010 em relação ao ano de 2009 foi avaliado como retorno real do programa. Tabela 4 Resultados com a implantação do projeto Período Receita Total CMV Total Lucro Bruto Retorno Esperado Retorno Real 01/03/2009 R$ ,35 R$ ,51 R$ 385,84 01/03/2010 R$ ,70 R$ ,82 R$ 958,88 R$ 482,92 R$ 573,04 01/04/2009 R$ ,85 R$ ,21 R$ 562,64 01/04/2010 R$ ,30 R$ ,98 R$ 788,32 R$ 482,92 R$ 225,68 01/05/2009 R$ ,15 R$ ,19 R$ 518,96 01/05/2010 R$ ,80 R$ ,08 R$ 1.006,72 R$ 482,92 R$ 487,76 01/06/2009 R$ ,85 R$ ,61 R$ 500,24 01/06/2010 R$ ,50 R$ ,50 R$ 988,00 R$ 482,92 R$ 487,76 01/07/2009 R$ ,90 R$ ,94 R$ 492,96 R$ 482,92 R$ 572,00 11

12 01/07/2010 R$ ,40 R$ ,44 R$ 1.064,96 01/08/2009 R$ ,10 R$ ,46 R$ 484,64 01/08/2010 R$ ,90 R$ ,34 R$ 1.054,56 Fonte: Dados da pesquisa R$ 482,92 R$ 569,92 Análise Semestral do projeto Tabela 5 Demonstrativo do Resultado do Exercício até o Lucro Bruto (Semestre) Análise Semestral Março/Agosto 2009 Março/Agosto 2010 Receita Operacional Líquida R$ ,20 R$ ,60 (-) CMV R$ ,92 R$ ,16 (=) Lucro Bruto R$ 2.945,28 R$ 5.861,44 Rentabilidade Esperada R$ 2.897,53 Rentabilidade Real R$ 2.916,16 Fonte: Dados da pesquisa Em Junho de 2011 o investimento financeiro da empresa estava aproximadamente em R$ ,00 (trezentos mil reais) e a inadimplência em torno de R$28.000,00 (vinte e oito mil reais), ou seja, quase 10% do investimento atual (junho 2011). Como em todo negócio os riscos e incerteza existem, o projeto foi implantado em junho de 2009 e em junho de 2011, haviam dois anos de crescimento nas vendas, com retorno esperado atingido. Mesmo com quase 10% de inadimplência o projeto era positivo. R$28.000,00 (vinte e oito mil reais) rateado em 24 meses (período desde o início do projeto) representava aproximadamente R$1.167,00 contra retorno de R$15.000,00. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS O objetivo desta pesquisa foi analisar os resultados obtidos com a implantação do programa de crédito antecipado em uma distribuidora de bebidas. Foram apresentados os conceitos necessários para a compreensão do processo de crédito nas organizações, desde definições, políticas, dentre outros. A partir da escolha aleatória de 30 clientes aderidos ao programa no mesmo período, obtevese a quantidade vendida para estes clientes antes e após a implantação do programa. As vendas cresceram significativamente no semestre analisado. Enquanto em 2009 foram 12

13 vendidas 2832 dúzia de cerveja, em 2010 foram vendidas 5636 dúzia, ou seja, 199% de crescimento. O Retorno financeiro esperado pela empresa com a implantação do projeto era de 5% no lucro bruto, uma vez que o preço de venda apresentava um retorno muito pequeno. Isto porque o objetivo do programa era ganhar em quantidade, e a empresa estava estruturada para o crescimento nas vendas, sendo assim as despesas operacionais não aumentaria significativamente. Havia ainda um subsídio da Companhia fornecedora das bebidas que não foi disponibilizado pela empresa para análise. Também foi avaliada a inadimplência do projeto, em que em junho de 2010 representava 10% do investimento inicial, em 2 anos de projeto isto significava cerca de R$1.167,00 de prejuízo mensal, contra R$15.000,00 de retorno mensal. Ainda foi verificado que o Market Share passou de 82,80% para 82,90% crescimento pequeno, mas importante, já que o seguimento de bebidas esta cada vez mais competitivo. Com isso verifica-se que o programa de crédito antecipado, contribui muito com aumento nas vendas, uma vez que proporciona capital de giro para microempresas. Quando avaliados todos os clientes ao mesmo tempo percebe-se que se ganha na quantidade, no volume de vendas, então o programa traz o retorno esperado. Verifica-se que empresas que tomam a iniciativa de subsidiar microempreendimentos como forma de auxílio em sua sustentabilidade também tem condições de aumentar seus resultados financeiros. Torna-se importante que novos enfoques sobre crédito e microcrédito sejam feitos. Um dos principais entraves percebidos foi a falta de conhecimento ao se gerir os negócios e a falta de capital de giro para que as microempresas cresçam sustentavelmente. REFERÊNCIAS ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. 10. ed. São Paulo: Atlas, BERNI, Mauro Tadeu. Operação e Concessão de Crédito. 1. ed. São Paulo: Atlas, BNDES. Microcrédito: avaliação da eficiência de instituições microfinanceiras. Informe n. 43, Rio de Janeiro, jul BOUMAN, F. J. A. Small, short and unsecured: informal rural finance in India. New Delhi: Oxford University Press,

14 FACHINI, C. Sustentabilidade financeira e custos de transação em uma organização de microcrédito no Brasil f. Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Universidade de São Paulo, São Paulo, FUNDO DE APOIO AO EMPREENDIMENTO POPULAR FAEP. Resultados. Disponível em < Acesso em: 10 jun GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: atlas, GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. Ed. São Paulo: Atlas, GITMAN, Lawrence J. Princípios de Administração Financeira. 7. ed. São Paulo: Harbra, GITMAN, Lawrence J. Administração Financeira: uma abordagem gerencial. São Paulo: Addison Wesley, GROPPELLI, A A. NIKBAKHY, Ehsan. Administração Financeira. 3. ed. São Paulo: Saraiva, JUNQUEIRA, R.G.; ABRAMOVAY, R. A. Sustentabilidade das microfinanças solidárias. São Paulo: Universidade de São Paulo, vol. 40, nº 1., p , jan./mar LEMES JR, Antônio Barbosa. RIGO, Cláudio Miessa. CHEROBIM, Ana Paula Mussi Szabo. Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras. Rio de Janeiro: Campus, PAIVA, Carlos A.C. Administração do Risco de Crédito. Rio de Janeiro: Qualitymark PASSOS, A. F. et.al. Focalização, sustentabilidade e marco legal: uma revisão de literatura de microfinanças. Rio de Janeiro, n. 18, fev Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/pub/bcmt/mt_018i.pdf> Acesso em: 19 jun FIORENTINI, Sandra Regina B. Cuidado com a inadimplência: Saiba evitar e resolver. Portal SEBRAE-SP: Biblioteca. Disponível em: <http://www.sebraesp.com.br> Acesso em: 03 jun MICROCREDIT SUMMIT. So, what is 'microcredit'?. In: Virtual library on microcredit. Disponível em: <www.gdrc.org/icm/what-is-ms.html>. Acesso em: 07 out RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. Ed. São Paulo: Atlas, SAUNDERS, Anthony M. Administração de Instituições Financeiras. São Paulo: Atlas,

15 SCHRICKEL, Wolfgang Kurt. Análise de crédito: concessão e gerência de empréstimos. 5a. ed. São Paulo: Atlas, SILVA, José Pereira da. Análise e Decisão de Crédito. 2a.ed. São Paulo: Atlas, SILVA, José Pereira da. Gestão e Análise de Risco de Crédito. 4. ed. São Paulo: Atlas, SILVA, Marise Borba de; GRIGOLO, Tânia Maris. Metodologia para iniciação científica à prática da pesquisa e da extensão II. Caderno Pedagógico. Florianópolis: Udesc, RUIZ, J.A. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. 3. ed. São Paulo: Atlas, TRIVIÑOS, Augusto Nivaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas,

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

O MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO AOS MICRO E PEQUENOS EMPREENDEDORES: UMA APLICAÇÃO DE CASO EM TAUBATÉ

O MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO AOS MICRO E PEQUENOS EMPREENDEDORES: UMA APLICAÇÃO DE CASO EM TAUBATÉ O MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO AOS MICRO E PEQUENOS EMPREENDEDORES: UMA APLICAÇÃO DE CASO EM TAUBATÉ Juliana Moutela Ferreira 1, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 2, Vilma da

Leia mais

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado O Caso CREDIAMIGO Conceitos Microfinanças: todos os serviços financeiros para populações de baixa renda, inclusive financiamento ao

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

Cartilha do. Microempreendedor Individual. Microcrédito

Cartilha do. Microempreendedor Individual. Microcrédito Atualização: SEBRAE-SP - Unidade de Políticas Públicas e Relações Institucionais UPPRI - 13 maio 2013 Cartilha do 4 Microempreendedor Individual Microcrédito MICROCRÉDITO O QUE É? O microcrédito é a concessão

Leia mais

As dificuldades de acesso ao crédito das micro e pequenas empresas do setor de confecção da cidade de Criciúma/SC

As dificuldades de acesso ao crédito das micro e pequenas empresas do setor de confecção da cidade de Criciúma/SC As dificuldades de acesso ao crédito das micro e pequenas empresas do setor de confecção da cidade de Criciúma/SC Camila de Pellegrin Dondossola 1 - UNESC camilapellegrin@yahoo.com.br Kristian Madeira

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL Abril/2014 2014 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO

A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO GLEICE LUANA CARDOSO DE FARIAS Graduanda do Curso de Ciências Contábeis da UFPA Luana733@hotmail.com Héber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. Altera

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Prof. :Dalton Dutra Objetivo Estimular a participação de graduados em cursos de

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

Tema 6: Atuaçã. Análise da atuaçã Comparaçã. ção o com outros países

Tema 6: Atuaçã. Análise da atuaçã Comparaçã. ção o com outros países Tema 6: Atuaçã ção o Das Entidades Não-reguladasN Análise da atuaçã ção o das entidades não-reguladas n brasileiras: Comparaçã ção o com outros países Visão o de futuro para essas entidades. VII Seminário

Leia mais

Fontes de Financiamento para Capital de Giro

Fontes de Financiamento para Capital de Giro Fontes de Financiamento para Capital de Giro Camila Diniz Paulo Victor Alan Jivago OBJETIVOS APRESENTAR CONCEITUALMENTE AS MODALIDADES DE FINANCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO Das atividades operacionais da

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO 1 MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO Ângela de Souza Brasil (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Suzelene de Melo Rossi Santos (Discente do 4º

Leia mais

BNB - Segmentação de Clientes

BNB - Segmentação de Clientes BNB - Segmentação de Clientes Grande Pirâmide dos Empreendedores (Formais ou Informais) FORMAL Médio Pequeno MICROEMPRESA INFORMAL EMPREENDEDOR URBANO EMPREENDEDOR RURAL SERVIÇO INDÚSTRIA COMÉRCIO ATIVIDADES

Leia mais

O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO. Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014

O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO. Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014 O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014 Sistema Financeiro Nacional Instituições Financeiras Captadoras de Depósitos à Vista Bancos Múltiplos Bancos Comerciais

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ - UNESPAR CAMPUS DE PARANAVAÍ. ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 215/216 WWW. O N I V A L D O. C O M. BR Administração Financeira oizidoro@uol.com.br

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características:

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: O QUE É MICROCRÉDITO Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: Apesar de maiores limites determinados pelo governo, comumente percebemos

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Financiamento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Estado de São Paulo

Financiamento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Estado de São Paulo Financiamento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Estado de São Paulo SONDAGEM DE OPINIÃO Outubro de 2006 1 Características da Pesquisa Objetivos: Identificar as principais formas utilizadas pelas empresas

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Todas as linhas de crédito para pessoas jurídicas subiram. Para pessoas físicas, houve aumento nos juros do comércio,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio fundador de Amaro, Stuber e Advogados Associados, e ADRIANA MARIA GÖDEL é advogada

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO ISSN 1807-6467 ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO O mercado muda a um ritmo acelerado. Com a globalização, tendências que antes eram

Leia mais

2.1. Giro dos Estoques O giro dos estoques geralmente mede a atividade, ou liquidez, dos estoques da empresa. Quanto maior for o valor dos estoques, maior será a necessidade de capital de giro da empresa.

Leia mais

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS http://www.administradores.com.br/artigos/ OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2011 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição FGO e FGI Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar 2ª Edição Brasília 2010 Sumário Apresentação 5 5 1 O que é o fundo garantidor de risco de

Leia mais

V Seminário Banco Central sobre Microfinanças

V Seminário Banco Central sobre Microfinanças V Seminário Banco Central sobre Microfinanças - Depoimento sobre criação de SCM - Motivos que levaram a decisão de criar - Bases e Princípios que precisam ser levados em conta - O que a experiência tem

Leia mais

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda Rogério Nagamine Costanzi* Desde a experiência do Grameen Bank em Bangladesh, o microcrédito passou a se disseminar

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

como instrumento de desenvolvimento

como instrumento de desenvolvimento OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito como instrumento de desenvolvimento econômico e social Rita Valente* 1. Introdução A experiência do Banco do Nordeste com o programa de crédito popular CrediAmigo, implementado

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira Do microcrédito às microfinanças Monica Valente Microcrédito Tânia Machado Microcrédito como instrumento de desenvolvimento econômico e

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

Balanço do Crédito do Comércio Varejista

Balanço do Crédito do Comércio Varejista Receitas de Vendas A vista (cartão de débito, dinheiro e cheque) Vendas a Prazo (cartão de crédito, cheque pré-datado, etc.) Total Formas de vendas a prazo que a empresa aceita Cheque Cartão de Crédito

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Comitê Temático Investimento e Financiamento Diretoria de Micro e Pequenas Empresas setembro/2008 Agenda Atuação do BB no Segmento MPE Evolução

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza.

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza. 7CCSADFCOUT1 CONTROLE FINANCEIRO: UMA FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DOS SALÕES DA ASSOCIAÇÃO PARAIBANA DA BELEZA Jannielly Krystianne Laurentino dos Santos (1) ; Luzivalda Guedes Damascena

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Marivane Orsolin 1 ; Marlene Fiorentin 2 ; Odir Luiz Fank Palavras-chave: Lei nº 11.638/2007. Balanço patrimonial. Demonstração do resultado

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Aula satélite 4. * Administração do crédito * Demonstrativos financeiros (contabilidade gerencial) * Fontes de recursos e de obtenção de crédito

Aula satélite 4. * Administração do crédito * Demonstrativos financeiros (contabilidade gerencial) * Fontes de recursos e de obtenção de crédito * Administração do crédito * Demonstrativos financeiros (contabilidade gerencial) * Fontes de recursos e de obtenção de crédito Aula satélite 4 Prof. Cláudio Alves da Silva Administração do crédito Crédito

Leia mais

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE Fevereiro/2009 SUMÁRIO 1. Medidas já Adotadas 2. Novas Medidas 2 Medidas já adotadas Prorrogação para 31/12/09 do prazo de 60 dias fora o mês para

Leia mais

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso 01 Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças

Leia mais

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos Administração Prof: Marcelo dos Santos Índices Financeiros e Capital de Giro A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009 O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil Julho de 2009 Introdução Objetivos: - Avaliar as principais características do universo das micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras quanto

Leia mais

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Microfinanças: Objetivos do Governo Federal Facilitar e ampliar o acesso ao crédito entre os empreendedores

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Panorama da Inclusão Financeira no Brasil. Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Sebrae Nacional

Panorama da Inclusão Financeira no Brasil. Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Sebrae Nacional Panorama da Inclusão Financeira no Brasil Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Sebrae Nacional Panorama da Inclusão Financeira no Brasil Agenda 1. Inclusão financeira: a construção de uma estratégia

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

A questão do financiamento nas MPEs do Estado de São Paulo

A questão do financiamento nas MPEs do Estado de São Paulo SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISAS ECONÔMICAS A questão do financiamento nas MPEs do Estado de São Paulo (Relatório de Pesquisa) Realização: Setembro de 1999

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010 1. PATRIMONIO LIQUIDO 1.1. INTRODUÇÃO Estaticamente considerado, o patrimônio liquido pode ser simplesmente definido como a diferença, em determinado momento, entre o valor do ativo e do passivo, atribuindo-se

Leia mais

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS.

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. Facilitador: Wolney Luis do Nascimento Sousa. Responsável pelo Evento: 1 LINHAS DE CRÉDITO Motivos Vantagens Desvantagens Aplicação 2 LINHAS DE CRÉDITO Função dos Bancos Para

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação 3T08 Apresentação de Resultados José Carlos Aguilera (Diretor Presidente e de RI) Eduardo de Come (Diretor Financeiro) Marcos Leite (Gerente de RI) Destaques do Período Contexto de crise no

Leia mais

Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas

Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas Amilca Ferreira Santos (UFPB) adm.amilka@gmail.com

Leia mais