O DESENVOLVIMENTO DO RACIOCÍNIO LÓGICO POR MEIO DE ATIVIDADES REALIZADAS COM OS BLOCOS LÓGICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DESENVOLVIMENTO DO RACIOCÍNIO LÓGICO POR MEIO DE ATIVIDADES REALIZADAS COM OS BLOCOS LÓGICOS"

Transcrição

1 O DESENVOLVIMENTO DO RACIOCÍNIO LÓGICO POR MEIO DE ATIVIDADES REALIZADAS COM OS BLOCOS LÓGICOS Resumo LOVIS, Karla Aparecida UEM CARDOSO, Evelyn Rosana UEM BARROSO, Mariana Moran UEM BENEVIDES-PEREIRA, Ana Maria Teresa UEM Eixo Temático: Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento O objetivo deste relato é discutir a importância de atividades, aplicadas durante as aulas de Matemática nas séries iniciais do Ensino Fundamental, que visam à construção das estruturas lógicas pelas crianças. Geralmente o ensino de Matemática nestas séries está relacionado apenas a aritmética, porém com a utilização de materiais manipuláveis, tais como os Blocos Lógicos, atividades interessantes podem ser propostas para os estudantes. Selecionamos três destas atividades e as propomos em diferentes séries com o intuito de observar como os alunos do 1º ano, 2º ano e da 5ª série, de escolas públicas do Noroeste do Paraná, elaboram estratégias lógicas. A opção por séries diferenciadas teve como objetivo observar se os alunos da 5ª serie, que frequentavam a escola há pelo menos 5 anos, haviam desenvolvido estruturas lógicas mais estruturadas em comparação com as das crianças do 1º e 2º ano. Destacamos que o ensino de lógica deve estar presente em todos os níveis de ensino, não só nas aulas de matemática, mas nas demais áreas de conhecimento. Como afirma Piaget (2007) a própria lógica se constrói, ela não é inata na criança, por isso é importante que as crianças tenham oportunidade de desenvolver sua capacidade de argumentação, compreensão e saibam identificar discursos falsos. Além de contribuir para o desenvolvimento das relações lógicas, com os Blocos Lógicos é possível elaborar jogos, e com isso, favorecer e enriquecer o processo de aprendizagem (MACEDO, PETTY, PASSOS, 2000). Os resultados das atividades demonstraram que os alunos têm dificuldades em elaborar e expressar suas conclusões; também observamos que os alunos da 5ª série apresentaram as mesmas ou até mesmo, mais dificuldades para solucionar as questões propostas. Palavras-chave: Educação matemática. Ensino fundamental. Blocos lógicos. Raciocínio lógico.

2 13400 Introdução A Matemática figura dentre as disciplinas escolares que possuem os mais elevados índices de reprovação (INEP, 2005). Não podemos explicar esta situação atribuindo a responsabilidade a um único fator, uma vez que sabemos que são inúmeros os aspectos envolvidos. No Brasil, o ensino desta disciplina ainda é marcado pela formalização precoce de conceitos, pela excessiva preocupação com o treino de habilidades e mecanização de processos sem compreensão (BRASIL, 1998, p. 19). No entanto, discussões são necessárias, pois uma disciplina cuja carga horária equipara-se somente ao do ensino da língua materna e está presente em todas as séries da Educação Básica, teoricamente deveria apresentar melhores resultados. Diante dos resultados da ineficácia apresentada pelo ensino de Matemática, podemos admitir que de fato a maioria das pessoas não tem aptidão para este campo de conhecimento ou, como afirma D Ambrósio (1991, p. 1), há algo de errado com a matemática que estamos ensinando. Parece consenso entre os pesquisadores em Educação Matemática e, entre as pessoas em geral, que a matemática é fundamental para a vida das pessoas, não apenas no que se refere à formação de conceitos, como, também, na autonomia para utilizar esses conceitos em situações do dia-a-dia. Andrade e Nogueira (2011) destacam que a matemática apresentada nos anos iniciais do Ensino Fundamental, é a única que muitas vezes uma grande parcela da população brasileira tem acesso. Neste contexto, é relevante discutir a inserção de atividades que visam o desenvolvimento do raciocínio lógico em todas as séries da Educação Básica. A Lógica é inerente à Matemática, porém, se não constar de forma explícita nos documentos que relacionam os conteúdos que devem ser abordados em cada ciclo, ela pode não ser priorizada nas atividades propostas pelos professores aos seus alunos. Piaget (2007, p. 31), ressalta que a lógica não é absolutamente inata na criança. Se admitirmos este fato como verdadeiro, as dificuldades no ensino de Matemática tomam novas dimensões. Uma vez que a própria lógica se constrói, ao invés de ser inata, chega-se à conclusão de que a primeira tarefa da educação consiste em formar o raciocínio (PIAGET, 2007, p. 32). Nos Parâmetros Curriculares Nacionais destaca-se a importância da Lógica no ensino de Matemática em todos os ciclos, integrando-a aos conteúdos.

3 13401 No contexto da construção do conhecimento matemático é ela que permite a compreensão dos processos; é ela que possibilita o desenvolvimento da capacidade de argumentar e de fazer conjecturas e generalizações, bem como o da capacidade de justificar por meio de uma demonstração formal (BRASIL, 1998, p. 49). A mesma abordagem não é contemplada nas Diretrizes Curriculares da Educação Básica do Estado do Paraná. Este tema não é referenciado em nenhum momento ou sob qualquer aspecto (PARANÁ, 2008). Queremos destacar que a lógica não é um conteúdo exclusivo da matemática, ela está presente nas conversas informais, na leitura de jornais, na produção de textos científicos e demais áreas do conhecimento. Soares (2004 p. 2-3) expõe que: No sistema escolar e na vida em sociedade um certo domínio da lógica é necessário ao desenvolvimento da capacidade de distinguir entre um discurso correto e um incorreto, na identificação de falácias, no desenvolvimento da capacidade de argumentação, compreensão e crítica de argumentações e textos. A formação dos professores, por exemplo, tanto a inicial quanto a continuada, pouco tem contribuído para auxiliar o docente no entendimento e na elaboração de situações para que os alunos consigam raciocinar bem. Não tendo oportunidade e condições para aprimorar sua formação e não dispondo de outros recursos para desenvolver as práticas da sala de aula, os professores apoiam-se quase exclusivamente nos livros didáticos, que, muitas vezes, são de qualidade insatisfatória (BRASIL, 1998, p. 21-2). Aprender matemática por meio de algoritmos, fórmulas e teoremas tem uma desvantagem sobre o pensamento lógico. Os alunos decoram as fórmulas e em que modelo de situações devem aplicá-las, mas quando se deparam com situações diferentes têm dificuldades em utilizar os conhecimentos adquiridos. Quando se fala em ensino de lógica, na Educação Básica, frequentemente ele vem associado ao ensino de conectivos, tabelas verdades e diagramas de Venn. No entanto, as operações lógicas só se constituem e adquirem suas estruturas de conjunto em função de um certo exercício, não somente verbal, mas sobretudo e essencialmente relacionado à ação sobre os objetos e à experimentação (PIAGET, 2007, p ). Para observar a importância da manipulação dos objetos na construção e desenvolvimento das estruturas lógicas, desenvolvemos atividades com os Blocos Lógicos,

4 13402 com alunos do 1º ano (N = 4) e 2º ano (N = 12) e da 5ª série (N = 20) de escolas municipal e estadual do Noroeste do Paraná. Para desenvolver a proposta aplicamos as atividades nas turmas do 1º e 2º ano no período da manhã e na turma da 5ª série no período da tarde. As atividades tiveram duração de 2 horas, e foram desenvolvidas nas aulas de matemática, pelas autoras desse relato, com o auxílio dos professores das turmas. Os alunos participantes não tinham conhecimento do material. Contamos com o consentimento da direção e dos professores para a realização da atividade. A proposta da atividade era averiguar se alunos da 5ª serie, que frequentavam a escola há pelo menos 5 anos, haviam desenvolvido estruturas lógicas mais estruturadas em comparação com as das crianças do 1º e 2º ano. Blocos Lógicos Como Recurso Para o Desenvolvimento do Raciocínio Lógico A escolha dos Blocos Lógicos para auxiliar crianças na construção das estruturas lógicas se deu devido às possibilidades desse material e por ele estar disponível nas escolas. Entre as crianças, e até mesmo nos adultos, observamos que muitos não desenvolveram suas estruturas lógicas e tem dificuldades em argumentar e expressar suas conclusões. Simons (2007, p. 23) destaca que, Nas pesquisas e através de inúmeros diagnósticos realizados, tornou-se clara a dificuldade de estruturação lógica que subjaz muitas dificuldades apresentadas pelas crianças. É esperado que entre 6-7 anos a criança já tenha um raciocínio lógico estruturado, que lhe possibilite embasar a aprendizagem acadêmica; entretanto, observa-se que aos anos esta organização, frequentemente, ainda não ocorreu ou não se completou. As experiências didáticas e pedagógicas por nós vivenciadas tanto em sala de aula como em cursos de formação de professores nos levaram a buscar materiais e jogos que pudessem auxiliar nossos alunos com dificuldades em lógica e raciocínio lógico. Machado (1996, p. 12) destaca que a Lógica trata das formas de argumentação, das maneiras de encadear nosso raciocínio para justificar, a partir de fatos básicos, nossas conclusões. A Lógica se preocupa com o que se pode ou não concluir a partir de certas informações. Na criança, o conhecimento lógico-matemático é construído por meio da ação, e das relações que a criança cria entre os objetos; e partindo dessas relações, vai criando outras e assim sucessivamente. Simons (2007, p. 48) destaca que cada experiência é

5 13403 introduzida na mente e ajustada às experiências que lá existem. O intelecto vai recebendo experiências e transformando-as para que se adaptem. É fundamental permitir que as crianças desenvolvam suas estruturas lógicas. Partindo desses pressupostos Zoltan Dienes e Edward Golding, escreveram o livro Lógica e Jogos Lógicos (1969) com a intenção de possibilitar o desenvolvimento de relações lógicas pelas crianças. Por meio da utilização dos Blocos Lógicos, eles criaram atividades, que também poderiam ser realizadas por meio de jogos, para que fossem manipuladas e desenvolvidas pelas crianças. O material é constituído de 48 peças que diferem entre si por 4 atributos diferentes que são: cor, forma, tamanho e espessura. No atributo cor, temos azul, vermelho e amarelo. No atributo tamanho, grande e pequena. No atributo espessura, grossa e fina. E por último, no atributo forma, quadrado, retângulo, triângulo e o círculo. Atividades Desenvolvidas Somente a observação de um material não nos garante que podemos ter certeza para o que ele serve e com qual objetivo foi construído. É necessário conhecer o material para que se possa fazer uso coerente dele. O fato dos Blocos Lógicos terem peças cujas faces têm a forma de triângulos, quadrados, retângulos e círculos, faz com que, em geral, as pessoas pensem que esse material deva ser utilizado somente para ensinar geometria. As atividades devem ser convenientemente escolhidas e adaptadas ao estado de desenvolvimento das crianças, tomando-se o máximo cuidado para que um verbalismo excessivo não dificulte o processo de formação de conceitos. Com as atividades escolhidas procuramos possibilitar aos alunos melhores condições de interação tanto na linguagem quanto no raciocínio lógico. Destacamos a importância da argumentação no desenvolvimento das atividades, uma vez que os alunos tiveram que relatar as escolhas feitas e justificá-las, ocorrendo um confronto de pensamentos e opiniões. Atividade 1: os alunos tiveram que identificar as peças do jogo e organizá-las em uma matriz 6 x 8. As peças dos Blocos Lógicos foram apresentadas aos alunos, destacando os seus atributos e a unicidade de cada peça. Posteriormente as turmas foram divididas em grupos com quatro partipantes. As peças de 10 conjuntos foram misturadas e, ficaram a disposição dos alunos na frente da sala. Cada grupo deveria selecionar e dispor as peças na matriz,

6 13404 adotando os critérios que achassem convenientes, mas tomando o cuidado de não utilizar peças repetidas. No desenvolvimento da atividade, com os alunos do 1º e 2º ano, observamos dificuldades iniciais em organizar a matriz, principalmente em elaborar uma estratégia para separar as peças, de tal forma que não tivessem peças repetidas. Com os alunos da 5ª série, notamos a mesma dificuldade. Apesar dos alunos da 5ª série ter mais tempo de escolaridade, isso não foi suficiente para que eles elaborassem diferentes estratégias para organizar as peças. O que nos chamou à atenção no desenvolvimento da atividade, foi que o grupo de alunos do 1º ano, desenvolveu estratégias mais elaboradas que os estudantes das demais séries: começaram a separar as peças por cor, tamanho e forma. Atividade 2: a tarefa dos estudantes consistia em descobrir qual peça foi escondida pela professora. Para conseguir descobrir qual peça foi oculta, faziam perguntas, envolvendo um dos atributos, para que fossem ser respondidas apenas com as palavras sim ou não. Antes de iniciar a atividade, foi determinada a ordem das equipes para a formulação das questões, evitando assim que todos falassem ao mesmo tempo. Cada equipe possuía um conjunto de Blocos. Após a resposta dada a cada pergunta, foi dado um tempo para a equipe organizar as peças, ou seja, separar o grupo das peças que poderiam estar escondida, daquelas que certamente já era possível saber que não estavam ocultas. Inicialmente os alunos, tanto do 1º e 2º ano, quanto os da 5ª série, tiveram dificuldades em perceber, após a pergunta dos alunos e a resposta da professora, qual peça deveria ser retirar do conjunto. Por exemplo, a professora escolheu a peça: quadrado, vermelho, grosso e grande. Um das crianças perguntou se era um círculo e a professora disse que não; com isso eles deveriam retirar do seu conjunto todos os círculos. Observa-se que os alunos tiveram dificuldades em perceber esse fato. Foi preciso parar a atividade e explicar que dependendo da resposta da professora, um grupo de peças deveria ser retirado do conjunto. Com essa atividade detectamos uma falta de preparo dos estudantes, principalmente dos da 5ª série, em compreender e interpretar uma afirmação, sobretudo quando ela vinha acompanhada de uma negação. Atividade 3: um conjunto completo de Blocos foram colocados dentro de uma caixa fechada e os alunos foram divididos em duas equipes. Uma criança de cada grupo colocava a mão dentro da caixa e procurava adivinhar a peça. O acerto permitia o ganho de um ponto

7 13405 para o grupo e a peça era levada para o local dos pontos da sua equipe, que ficava visível para todos os alunos. Quando houvesse erro, a peça era recolocada na caixa. Para acertar a peça escolhida era preciso sentir a peça, uma vez que com o contato era possível descobrir a forma, o tamanho e a espessura; quanto a cor, os alunos deveriam dar um palpite dentre as cores possíveis. Para adivinhar as primeiras peças foi preciso um pouco de sorte, mas após terem retirado as primeiras, ficava mais fácil predizer as demais: bastava olhar as peças que haviam sido descobertas e observar as que faltavam. Os alunos dos três anos de ensino, não perceberam que eles poderiam agir dessa maneira. Mesmo depois de terem descoberto um triângulo, grande, grosso e azul, uma aluna do 5º ano, ao escolher uma peça, a descreveu da mesma forma: triângulo, grande, grosso e azul. Quando indagamos os demais integrantes do grupo se a aluna poderia estar correta ou não, eles responderam que sim. Novamente paramos a atividade e tivemos que explicar que como já havia sido retirada essa peça, não poderia ter outra peça igual dentro da caixa, ou seja, a aluna estava errada. Com isso, eles sugeriram que ela falasse outra cor para a peça. Outro fato que nos chamou à atenção foi que uma aluna, da 5ª série, escolheu um triângulo, grosso, azul e grande e a descreveu como sendo um círculo. Outro aluno descreve, ao falar os atributos de uma peça que era um retângulo, ele a descreve como sendo aquele que é compridinho ; ao descrever o círculo, os alunos falam aquele que é redondo, a bola. Além das dificuldades em estabelecer estratégias lógicas para realizar as atividades, observamos indícios da falta de conhecimento dos alunos sobre as formas geométricas. Em geral, não é fácil saber exatamente quanto tempo será necessário para desenvolver uma determinada atividade como será o desenvolvimento das atividades, pois isso vai depender de cada turma. No entanto, achávamos que os alunos da 5ª série, fariam as atividades em menos tempo e que as estratégias deles seriam mais elaborados do que as dos alunos do 1º e do 2º ano. Porém, fazendo uma comparação entre os dois grupos de alunos, notamos que ambos usaram o mesmo tempo no desenvolvimento das atividades e as estratégias de resolução não foram diferentes. Lembramos que essas são algumas atividades que podem ser realizadas com os Blocos Lógicos. Para ter acesso a outras atividades, sugerimos Dienes e Golding (1969), Koethe (1970) e Simons (2007).

8 13406 Considerações Finais Ressaltamos que com o uso dos Blocos Lógicos atividades interessantes podem ser exploradas e aspectos positivos são contemplados. Pode-se observar que os alunos participam ativamente e com expressão de alegria. Quando cometem algum equívoco, muitas vezes, os próprios indivíduos percebem e fazem a correção. Os colegas também observam e apontam quando falhas são detectadas. Neste contexto, o erro assume uma dimensão diferenciada da usual, o equívoco é percebido pelo aluno no momento em que há uma evolução lógica própria, ou seja, ao se dar conta do próprio erro o estudante constata que aprendeu. Para o docente, o momento do jogo oferece um conjunto rico de informações sobre o desenvolvimento do raciocínio do aluno, desta forma é importante aproveitá-lo para obter informações sobre a qualidade do pensamento da criança, representada por sua ação, utilizando o jogo como mais um instrumento de avaliação, diferente de outros métodos tradicionais (MACEDO, PETTY, PASSOS, 2000, p. 97). No desenvolvimento das atividades, foi possível perceber pelas atitudes e falas informais dos alunos e professores das turmas participantes que a Matemática dos anos iniciais do Ensino Fundamental é de fato, muito focada nas operações fundamentais. Os alunos interpretaram as atividades apenas como brincadeiras, que não fazem parte do seu cotidiano escolar, principalmente nas aulas de Matemática. REFERÊNCIAS ANDRADE, Doherty; NOGUEIRA, Clélia Maria Ignatius. Conceitos básicos em educação matemática nos anos iniciais do ensino fundamental. Maringá: Eduem, Coleção formação de professores EAD; v. 45. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Matemática/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, D AMBRÓSIO, Ubiratan. Matemática, ensino e educação: uma proposta global. Temas & Debates, Rio Claro, ano IV, n. 3, p. 1-15, DIENES, Zoltan Paul; GOLGING, E. Lógica e jogos lógicos. Tradução Euclides José Dotto. São Paulo: Herder, DEVLIN, Keith. O gene da matemática: o talento para lidar com números e a evolução do pensamento matemático. Tradução Sergio Moraes Rego. São Paulo: Record, 2008.

9 13407 INEP - INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sistema de estatísticas Educacionais Edutabrasil. Disponível em: <http://www.edudatabrasil.inep.gov.br>. Acesso em: 28 jul KOETHE, Siegfried. Pensar é divertido. Tradução Tomás Johann Burchard. São Paulo: E. P. U., SIMONS, Ursula Marianne. Blocos lógicos: 150 exercícios para flexibilizar o raciocínio. Petrópolis: Vozes, MACEDO, Lino de; PETTY, Ana Lúcia Sícoli; PASSOS, Norimar Christe. Aprender com jogos e situações-problema. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, MACHADO, Nilson José. Lógica? É lógico! São Paulo: Editora Scipione, PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação do Paraná. Diretrizes Curriculares da Educação Básica: Matemática. Curitiba, PIAGET, Jean. Pra onde vai a educação? Tradução de Ivette Braga 18ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, SOARES, Flávia. A lógica no cotidiano e a lógica na matemática. Anais do VIII ENEM, Disponível em <http://www.sbem.com.br/files/viii/pdf/05/mc pdf>. Acesso em: 23 de jul

BLOCOS LÓGICOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA

BLOCOS LÓGICOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA BLOCOS LÓGICOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA Evelyn Rosana Cardoso prof_evelyn@hotmail.com Karla Aparecida Lovis karlalovis@hotmail.com Mariana Moran Barroso marianamoranbar@hotmail.com Valdeni Soliani Franco

Leia mais

Palavras Chave: Material Concreto. Aprendizagem e Ensino de Matemática.

Palavras Chave: Material Concreto. Aprendizagem e Ensino de Matemática. O USO DO MATERIAL CONCRETO NO ENSINO DA MATEMÁTICA Francisca Marlene da Silva Bolsista da PRAE-FECLESC/UECE Déborah Almeida Cunha Bolsista da PRAE-FECLESC/UECE Aline Araújo da Silva Graduanda-FECLESC/UECE

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM EM MATEMÁTICA E O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL: UM ESTUDO COM ALUNOS DE SALA DE APOIO À APRENDIZAGEM

DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM EM MATEMÁTICA E O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL: UM ESTUDO COM ALUNOS DE SALA DE APOIO À APRENDIZAGEM DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM EM MATEMÁTICA E O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL: UM ESTUDO COM ALUNOS DE SALA DE APOIO À APRENDIZAGEM Luciana Pereira da Costa 1 Colégio Estadual Duque de Caxias possentiluci@gmail.com

Leia mais

ESTRATÉGIAS GRÁFICAS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ARITMÉTICOS RESUMO. Palavras-Chave: Resolução de problemas; Estratégias gráficas; Problemas aritméticos

ESTRATÉGIAS GRÁFICAS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ARITMÉTICOS RESUMO. Palavras-Chave: Resolução de problemas; Estratégias gráficas; Problemas aritméticos ESTRATÉGIAS GRÁFICAS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ARITMÉTICOS Rogéria Gaudencio do Rêgo (DM/CCEN/UFPB) Maria Alves de Azeredo (DME/CE/UFPB) RESUMO Este estudo tem por objetivo discutir sobre as diferentes

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOLHER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONTRUINDO HISTÓRIA

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOLHER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONTRUINDO HISTÓRIA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOLHER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONTRUINDO HISTÓRIA Projeto: Jogos matemáticos como recurso didático Professora Orientadora: Marilene

Leia mais

A PRÁTICA DOCENTE NOS ANOS INICIAIS DE ESCOLARIZAÇÃO SOBRE A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS

A PRÁTICA DOCENTE NOS ANOS INICIAIS DE ESCOLARIZAÇÃO SOBRE A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS A PRÁTICA DOCENTE NOS ANOS INICIAIS DE ESCOLARIZAÇÃO SOBRE A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS Juliane dos Santos Medeiros (UFAL) jumedeiros_santos@yahoo.com.br Rosemeire Roberta de Lima (UFAL) rose.ufal@yahoo.com.br

Leia mais

MATEMÁTICA com jogos e atividades

MATEMÁTICA com jogos e atividades 2012 MATEMÁTICA com jogos e atividades Solange Moll Passos Psicopedagoga Clínica e Institucional ABPp-SC 369/2009 www.psicosol.com 1 APRESENTAÇÃO... 3 JOGOS... 4 1 QUEBRA-CABEÇA TRIÂNGULO DAS DEZENAS...

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão).

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão). RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO Rosemeire Roberta de Lima (UFAL) rose.ufal@yahoo.com.br RESUMO Trata-se de estudo bibliográfico para discutir a Teoria dos Campos Conceituais de

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

Sem vocês nenhuma conquista valeria a pena. que dignamente me apresentaram à importância da família e ao caminho da honestidade e persistência.

Sem vocês nenhuma conquista valeria a pena. que dignamente me apresentaram à importância da família e ao caminho da honestidade e persistência. DEDICATÓRIA Às mulheres da minha vida Neiliane e Wany pelo apoio incondicional em todos os momentos, principalmente nos de incerteza, muito comuns para quem tenta trilhar novos caminhos. Sem vocês nenhuma

Leia mais

A GEOMETRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: AS FORMAS LÓGICAS

A GEOMETRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: AS FORMAS LÓGICAS A GEOMETRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: AS FORMAS LÓGICAS Paulo Meireles Barguil UFC Resumo: O ensino de Geometria, durante o século XX, foi negligenciando, em prol dos conteúdos referentes a Números e Operações.

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O USO DO MATERIAL DOURADO NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ANOTAÇÕES DE ESTÁGIO

REFLEXÕES SOBRE O USO DO MATERIAL DOURADO NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ANOTAÇÕES DE ESTÁGIO REFLEXÕES SOBRE O USO DO MATERIAL DOURADO NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ANOTAÇÕES DE ESTÁGIO Ednaid Santos Faria 1 Tayná da Silva Vieira 2, Janaína de Azevedo Corenza 3 1 IFRJ/ednaidrja@hotmail.com

Leia mais

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Janete Jacinta Carrer Soppelsa UCS - jsopelsa@gmail.com Raquel

Leia mais

O JOGO E A APRENDIZAGEM

O JOGO E A APRENDIZAGEM O JOGO E A APRENDIZAGEM O JOGO E A APRENDIZAGEM Enquanto brinca, a criança amplia a sua capacidade corporal, sua consciência do outro, a percepção de si mesmo como um ser social e a percepção do espaço

Leia mais

A MATEMÁTICA NOS CURSOS PROFISSIONALIZANTES DE MECÂNICA.

A MATEMÁTICA NOS CURSOS PROFISSIONALIZANTES DE MECÂNICA. A MATEMÁTICA NOS CURSOS PROFISSIONALIZANTES DE MECÂNICA. Wagner José Bolzan UNESP Rio Claro-SP Introdução Nossas idéias iniciais, sobre este fenômeno de interesse, nos levaram a considerar as questões:

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

LITERATURA E COMPLEXIDADE: UMA PROPOSTA PARA A PRESENÇA DA LITERATURA NAS ESCOLAS DE MANAUS

LITERATURA E COMPLEXIDADE: UMA PROPOSTA PARA A PRESENÇA DA LITERATURA NAS ESCOLAS DE MANAUS LITERATURA E COMPLEXIDADE: UMA PROPOSTA PARA A PRESENÇA DA LITERATURA NAS ESCOLAS DE MANAUS Izabely Barbosa Farias (UFAM) Orientadora: Cássia Maria Bezerra do Nascimento (UFAM) RESUMO: Este trabalho tem

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE II Tendências em Educação Matemática Educação Busca desenvolver pesquisas para inovar a prática docente adequada às necessidades da sociedade. Educação

Leia mais

Ana Paula de Souza João Paulo Gonzaga Kelly Cristina Miquelino Jugeick Educação Matemática

Ana Paula de Souza João Paulo Gonzaga Kelly Cristina Miquelino Jugeick Educação Matemática Ana Paula de Souza João Paulo Gonzaga Kelly Cristina Miquelino Jugeick Educação Matemática Relações/interações que envolvem a triade aluno - professor saber matemático Eixo fundamental : transformação

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital SALERNO, Daniela Prado 1 VIEIRA, Vania Maria de Oliveira

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS ISSN 2177-9139 O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS Morgana Fernandes da Silva 1 morganaf60@gmail.com Faculdades Integradas de Taquara,

Leia mais

O Papel dos Jogos na Promoção da Aprendizagem Significativa. Adamantina São Paulo 2014

O Papel dos Jogos na Promoção da Aprendizagem Significativa. Adamantina São Paulo 2014 O Papel dos Jogos na Promoção da Aprendizagem Significativa Adamantina São Paulo 2014 O Papel dos Jogos na Promoção da Aprendizagem Significativa. Ana Paula Tarifa Jayny Bibiani Queiroz Siomara A. L. Marinho

Leia mais

ESTÁGIO EM MODALIDADES DIFERENCIADAS DE ENSINO. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais

ESTÁGIO EM MODALIDADES DIFERENCIADAS DE ENSINO. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais ESTÁGIO EM MODALIDADES DIFERENCIADAS DE ENSINO GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Renan Gabbi, UNIJUÍ, renan.matematica@yahoo.com.br Raquel Taís Breunig, UNIJUÍ,

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2007 PROVA DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO. 1 a. fase

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2007 PROVA DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO. 1 a. fase FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 007 PROVA DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO 1 a. fase Maria Raquel Miotto Morelatti Monica Fürkotter Novembro 006 1 Sumário 1.. Introdução 0 A natureza

Leia mais

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 1 INTERPRETANDO TABELAS E CONSTRUINDO GRÁFICOS COM ALUNOS DO 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EDUARDO DE LUCAS PEREIRA (Faculdades Atibaia FAAT) KELI CRISTINA CONTI (Faculdade de Educação Universidade Estadual

Leia mais

DESCOBRINDO O SEGREDO DAS FÓRMULAS DE ÁREA

DESCOBRINDO O SEGREDO DAS FÓRMULAS DE ÁREA DESCOBRINDO O SEGREDO DAS FÓRMULAS DE ÁREA Antonia Natanayana Lima Mesquita Universidade do Estado da Bahia - UNEB natanayana@hotmail.com Daniela Batista Santos Universidade do Estado da Bahia - UNEB dansantosd@yahoo.com.br

Leia mais

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniele Barros Vargas Furtado Universidade Federal de Santa Maria dbvfurtado@yahoo.com.br Resumo Sendo a matemática tão presente em

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

SUPERANDO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA: UM PROJETO DE CONSTRUÇÃO ATIVA DE CONCEITOS

SUPERANDO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA: UM PROJETO DE CONSTRUÇÃO ATIVA DE CONCEITOS SUPERANDO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA: UM PROJETO DE CONSTRUÇÃO ATIVA DE CONCEITOS Carolina Fuso Mendes¹; Márcia Lopes Francisco Mantovani²; Sandra Albano da Silva³ UEMS - 79750-000 Nova

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

Bolsistas: Fabiana Reczko, Fernanda Menegotto, Jéssica Tumelero e Maiara Ghiggi

Bolsistas: Fabiana Reczko, Fernanda Menegotto, Jéssica Tumelero e Maiara Ghiggi COLÉGIO ESTADUAL VISCONDE DE BOM RETIRO Plano de aula 1 março de 2015 Atividades para 1º ano do ensino médio Bolsistas: Fabiana Reczko, Fernanda Menegotto, Jéssica Tumelero e Maiara Ghiggi Supervisora:

Leia mais

O USO DAS LINGUAGENS MATERNA E MATEMÁTICA POR ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM GEOMETRIA PLANA

O USO DAS LINGUAGENS MATERNA E MATEMÁTICA POR ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM GEOMETRIA PLANA O USO DAS LINGUAGENS MATERNA E MATEMÁTICA POR ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM GEOMETRIA PLANA Katiane de Moraes Rocha Mestranda da UFMS, Cidade Universitária. mr.katiane@gmail.com Marilena Bittar

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Tawana Telles Batista Santos Instituto Federal do Norte de Minas Gerais Campus Salinas tawanatelles@yahoo.com.br

Leia mais

ESPAÇO E FORMA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA ABORDAGEM METODOLÓGICA. Resumo

ESPAÇO E FORMA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA ABORDAGEM METODOLÓGICA. Resumo ESPAÇO E FORMA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA ABORDAGEM METODOLÓGICA Maria José Medeiros Dantas de Melo mjmelo7@bol.com.br Resumo Este minicurso tem como objetivo propiciar discussões sobre situações de ensino

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

II Congresso Internacional de Educação Cientifica e Tecnológica Santo Ângelo 2012

II Congresso Internacional de Educação Cientifica e Tecnológica Santo Ângelo 2012 A VISÃO DO PROFESSOR QUE ATUA NOS ANOS INCIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL SOBRE A UNIDADE DE MEDIDA DE SUPERFÍCIE O METRO QUADRADO Marta Burda Schastai 1 ; Sani de Carvalho Rutz de Silva 2 1 SME- Ponta Grossa/Ensino

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PROJETO MUNDO ENCANTADO DOS NÚMEROS SÉRIE: PRÉ I PROFESSORAS:

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS SILVA, Bárbara Tavares da 1 ARAÚJO, Junivan Gomes de 2 ALVES, Suênha Patrícia 3 ARAÚJO, Francinário Oliveira de 4 RESUMO Sabemos que

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Bianca das Neves Silva Professora da rede municipal de Jundiaí Profa. Dra. Luciene Farias de Melo Coord. do Curso de Educação Física da Faculdade

Leia mais

ANÁLISE DAS DIFICULDADES APRESENTADAS PELOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM TRIGONOMETRIA

ANÁLISE DAS DIFICULDADES APRESENTADAS PELOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM TRIGONOMETRIA ANÁLISE DAS DIFICULDADES APRESENTADAS PELOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM TRIGONOMETRIA Resumo DIONIZIO, Fátima Queiroz UEPG faqdionizio@hotmail.com BRANDT, Célia Finck UEPG brandt@bighost.com.br Eixo Temático:

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL ISBN 97-5-191-5-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 3 de outubro de 29 PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia do Ensino de Matemática Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

43. Jogo do bingo com figuras

43. Jogo do bingo com figuras 43. Jogo do bingo com figuras São confeccionadas cartelas com os desenhos de todas as figuras. Podem ser montadas 8 cartelas com seis figuras, se não houver repetição; é possível criar muito mais cartelas,

Leia mais

APRENDENDO, BRINCANDO E MODELANDO COM AS EQUAÇÕES DE 1º GRAU

APRENDENDO, BRINCANDO E MODELANDO COM AS EQUAÇÕES DE 1º GRAU APRENDENDO, BRINCANDO E MODELANDO COM AS EQUAÇÕES DE 1º GRAU Cristiano Forster UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina forster003@gmail.com Débora Eloísa Nass Kieckhoefel UDESC Universidade do Estado

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID ISSN 2316-7785 DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID Charles Peixoto Mafalda Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões charles1995peixoto@hotmail.com

Leia mais

BRINCAR É MUITO MAIS QUE UMA SIMPLES BRINCADEIRA: É APRENDER

BRINCAR É MUITO MAIS QUE UMA SIMPLES BRINCADEIRA: É APRENDER BRINCAR É MUITO MAIS QUE UMA SIMPLES BRINCADEIRA: É APRENDER LUZ, Marina Cabreira da UP rmarinacabreiral@hotmail.com OLIVEIRA, Maria Cristina Alves Ribeiro de UP cristina.educar@hotmail.com SOUZA, Gelsenmeia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR A INFORMÁTICA E A MÍDIA IMPRESSA: COMO ELAS PODEM Prudentópolis 2013 MARIA MAZUR A INFORMÁTICA

Leia mais

Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos

Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos Elaine Gabriel do Nascimento Universidade Estadual da Paraíba Brasil elainegn@oi.com.br Júlio Pereira da Silva Universidade Estadual

Leia mais

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: ANÁLISE DA COMPREENSÃO DO CONCEITO DE M.D.C. (MÁXIMO DIVISOR COMUM)

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: ANÁLISE DA COMPREENSÃO DO CONCEITO DE M.D.C. (MÁXIMO DIVISOR COMUM) A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: ANÁLISE DA COMPREENSÃO DO CONCEITO DE M.D.C. (MÁXIMO DIVISOR COMUM) Angelo Pedrote Caon 1 Tânia da Silveira Cardona 2 Resumo 1 UFJF/Instituto de Ciências

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E GRADUAÇÃO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

Leia mais

PRODUÇÃO DE JOGOS MATEMÁTICOS NO ENSINO MÉDIO

PRODUÇÃO DE JOGOS MATEMÁTICOS NO ENSINO MÉDIO Introdução PRODUÇÃO DE JOGOS MATEMÁTICOS NO ENSINO MÉDIO Inglid Teixeira da Silva 1 Rafaela Karine da Silva 2 Romildo Batista da Silva 3 Erivan Luiz da Silva 4 José Jairo de Santana Silva 5 Lázaro Rangel

Leia mais

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO DANIELLA ASSEMANY DA GUIA CAp- UFRJ danyprof@bol.com.br 1.1. RESUMO Esta comunicação científica tem como objetivo tratar e apresentar a Geometria

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS X METODOLOGIA DE ENSINO: COMO TRABALHAR A MATEMÁTICA A PARTIR DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS?

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS X METODOLOGIA DE ENSINO: COMO TRABALHAR A MATEMÁTICA A PARTIR DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS? RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS X METODOLOGIA DE ENSINO: COMO TRABALHAR A MATEMÁTICA A PARTIR DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS? Angelita de Souza Leite Universidade do Estado da Bahia angel_lita_4@hotmail.com Maria Cristina

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

O ENSINO DA MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS O ENSINO DA MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ROMERO *, Danielle D avila danvila@ig.com.br Resumo O trabalho se propõe a discorrer sobre algumas concepções acerca da resolução de problemas em

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1099 O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1 Discente do Mestrado em Educação da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Docente

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Palavras Chave: Raciocínio combinatório, Formação de Professores, Ensino Fundamental, Produto Cartesiano, Significados.

Palavras Chave: Raciocínio combinatório, Formação de Professores, Ensino Fundamental, Produto Cartesiano, Significados. O RACIOCÍNIO COMBINATÓRIO COM O USO DOS BLOCOS LÓGICOS Paulo Jorge Magalhães Teixeira Professor da UFF e do Colégio Pedro II Relato de Experiência RESUMO Este trabalho apresenta reflexões obtidas numa

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER EXTENSÃO. MULTIMÍDIA E A MATEMÁTICA: Os Jogos e o Ensino da Multiplicação

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER EXTENSÃO. MULTIMÍDIA E A MATEMÁTICA: Os Jogos e o Ensino da Multiplicação ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER EXTENSÃO MULTIMÍDIA E A MATEMÁTICA: Os Jogos e o Ensino da Multiplicação IVINHEMA-MS 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER EXTENSÃO MULTIMÍDIA E A MATEMÁTICA:

Leia mais

PIBID: PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCENCIA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

PIBID: PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCENCIA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA PIBID: PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCENCIA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Ester Gonçalves Prata¹ UNIR-Campus Vilhena ester-vha@hotmail.com Elezilda Pereira Rodrigues² UNIR-Campus Vilhena zildarodriguesvha@hotmail.com

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO DE CONTO EM CONTO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE Maria Helena Cunha de Andrade SILVA RESUMO Esse trabalho relata uma experiência de leitura e produção textual realizada no decorrer do ano letivo de

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

DIFICULDADES NO CÁLCULO DE DIVISÃO NA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL

DIFICULDADES NO CÁLCULO DE DIVISÃO NA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL DIFICULDADES NO CÁLCULO DE DIVISÃO NA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL GT 01 Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental AGRANIONIH, N. T. (nagranionih@uri.com.br) ENRICONE, J. R. B (jenricone@uri.com.br)

Leia mais

O FAZER ESCOLAR E OS TIPOS DE PENSAMENTO MATEMÁTICO RESUMO

O FAZER ESCOLAR E OS TIPOS DE PENSAMENTO MATEMÁTICO RESUMO O FAZER ESCOLAR E OS TIPOS DE PENSAMENTO MATEMÁTICO RESUMO Ana Lúcia Zilli Cézar 1 Angélica Biff 2 Mário Augusto Gomes da Silva 3 Neusa Andreolla 4 Rosane Salete Signori Grisang 5 Roseli Scuinsani da Rosa

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: FUND. TEÓRICOS METODOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 2. EMENTA Educação

Leia mais

JOGO DAS FICHAS COLORIDAS

JOGO DAS FICHAS COLORIDAS JOGO DAS FICHAS COLORIDAS Resumo Charlene Taís Theisen UNISINOS charlenettheisen@hotmail.com Janine Charlene Diogo UNISINOS janinediogo@hotmail.com Com a intenção de introduzir materiais diversos nas aulas

Leia mais

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Departamento de Educação 1 ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Aluna: Ana Carolina de Souza e Paula Gomes Orientadora: Maria Inês G.F. Marcondes de Souza Introdução Esse texto é resultado

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA NO CURRÍCULO EM CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA: PRINCÍPIO DA SOCIABILIDADE E DA DIVERSIDADE

A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA NO CURRÍCULO EM CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA: PRINCÍPIO DA SOCIABILIDADE E DA DIVERSIDADE A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA NO CURRÍCULO EM CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA: PRINCÍPIO DA SOCIABILIDADE E DA DIVERSIDADE Jacqueline Borges de Paula Mestranda em Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação Instituto

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

V Jornada das Licenciaturas da USP/IX Semana da Licenciatura em Ciências Exatas - SeLic: A Universidade Pública na Formação de Professores: ensino,

V Jornada das Licenciaturas da USP/IX Semana da Licenciatura em Ciências Exatas - SeLic: A Universidade Pública na Formação de Professores: ensino, O CONCEITO DE NÚMERO E A DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Raiza Cristina Sorrini Medeiros, Ana Paula Irineu, Andréia Rodrigues da Rocha, Daniela Gratner Schuck, Maycon Roberto Caiado, 1 Bárbara Corominas Valério

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO RACIOCÍNIO PROBABILISTICO COM MATERIAL CONCRETO. Palavras-chave: Probabilidade; Material Concreto; Manipulável; Construção.

CONSTRUÇÃO DO RACIOCÍNIO PROBABILISTICO COM MATERIAL CONCRETO. Palavras-chave: Probabilidade; Material Concreto; Manipulável; Construção. CONSTRUÇÃO DO RACIOCÍNIO PROBABILISTICO COM MATERIAL CONCRETO Autor:Deborah Monte Medeiros Instituição:Universidade Federal do Ceará E-mail:deborahmm_@hotmail.com Resumo: Os alunos têm dificuldades a cerca

Leia mais