A TERCEIRIZAÇÃO NO SETOR PÚBLICO BRASILEIRO:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TERCEIRIZAÇÃO NO SETOR PÚBLICO BRASILEIRO:"

Transcrição

1 1 A TERCEIRIZAÇÃO NO SETOR PÚBLICO BRASILEIRO: Um estudo acerca da Terceirização na Universidade Federal de Uberlândia e seus impactos na qualidade do ensino. Ricardo Margonari da Silva 1 Fabiane Santana Previtali 2 INTRODUÇÃO O trabalho é a fonte de toda a riqueza humana. Mais do que isso, segundo Marx e Engels, o trabalho do homem aplicado à natureza, transformando-a e assim transformando a si mesmo, pode ser considerado como uma condição ontológica do próprio homem. É a capacidade humana de intervir na natureza, com um prévio planejamento dos resultados que sua intervenção poderia resultar na forma de benefícios e utilidades para si e para sua comunidade, que diferencia a intervenção humana na natureza daquela executada pelos outros animais. É a condição básica e fundamental de toda a vida humana. E em tal grau que, até certo ponto, podemos afirmar que o trabalho criou o próprio homem. (ENGELS, 1876 apud ANTUNES, 2004: p. 13). Assim, é o trabalho planejado, aplicado à natureza, com vistas a determinado fim que irá garantir ao homem o status de ser racional. Mais que elemento ontológico da formação do homem, o trabalho também se faz presente na formação do homem enquanto ser social. Engels em seu texto de 1876: Sobre o Papel do Trabalho na Transformação do Macaco em Homem 3 faz um belo trabalho de reconstrução do trabalho como agente formador do homem moderno desde suas primeiras intervenções na natureza, como estas intervenções foram aos poucos mudando o homem e garantindo seu domínio sobre o planeta, até seu papel como agente socializador e formação de uma sociedade cooperativa e interdependente. Para Marx (1844), os homens, para existirem, devem ser capazes de se reproduzirem enquanto seres humanos; forma específica desta 1 Aluno de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade federal de Uberlândia. 2 Professora titular dos Programas de Pós-Graduação em Ciências Sociais e Pós-Graduação em Educação da Universidade federal de Uberlândia. Pesquisadora CNPq/FAPEMIG 3 Escrito por Frederick Engels em 1876 e publicado pela primeira vez em Neue Zeit.

2 2 reprodução é dada por uma peculiar relação dos seres humanos com a natureza através do trabalho. A categoria do trabalho emerge, desta forma, como categoria central do ser social. (CAMARGO, 2012: p. 02). Ao longo da evolução do sistema capitalista as formas de organização da produção foram se transformando de acordo com as necessidades do processo de acumulação do capital. Assim o papel da força de trabalho foi tomando diversas formas no interior do sistema de produção capitalistas. Desde os modos tayloristas/fordistas até os conceitos da acumulação flexível trazidos pelo modelo toyotista desenvolvido no Japão, e pela experiência do crescimento industrial da Terceira Itália, o papel do trabalho dentro do processo produtivo mudou, mas não deixou de ser central, uma vez que ele e só ele é capaz de gerar mais valor e assim garantir o processo de acumulação do capital. Dentre as principais mudanças que podemos destacar no mundo do trabalho, ao longo desse processo de transformação das relações de produção, podemos destacar uma subproletarização intensificada, presente na expansão do trabalho parcial, temporário, precário, subcontratado, terceirizado. (ANTUNES, 2000: p. 49). Como diz Alain Bihr (1991:89), essas diversas categorias de trabalhadores Têm em comum a precariedade do emprego e da remuneração; a desregulamentação das condições de trabalho em relação às normas legais vigentes ou acordadas e a consequente regressão dos direitos sociais, bem como a ausência de proteção e expressão sindicais, configurando uma tendência à individualização extrema da relação salarial. (ANTUNES, 2000: p. 52). A presente pesquisa se propõe a estudar a terceirização como uma dessas formas específicas de precarização do trabalho, cresceu de forma evidente nas últimas décadas, principalmente na iniciativa privada, mas que tem ganhado força junto à administração pública desde os governos Collor e Fernando Henrique, claramente orientados pelo discurso neoliberal, e que se mantiveram em crescimento nos governos Lula e Dilma. O tema a ser abordado pela pesquisa aqui proposta é a terceirização no setor público, mais especificamente a terceirização nas Instituições federais de Ensino

3 3 Superior, e como este processo de terceirização afeta o trabalhador e qualidade do ensino. Para tal é proposto fazer um trabalho exploratório qualitativo que busque dar conta dessas mudanças tomando como universo de pesquisa a Universidade Federal de Uberlândia e seus servidores técnico-administrativos concursados e os trabalhadores terceirizados que complementam o seu quadro de trabalhadores na qualidade de prestadores de serviços. OBJETIVOS Segundo Lakatos (2010), toda pesquisa deve ter um objetivo determinado para saber o que se vai procurar e o que se pretende alcançar e continua, o objetivo torna explícito o problema, aumentando os conhecimentos sobre determinado assunto. (LAKATOS, 2010: p ). O objetivo geral deste trabalho é mapear as mudanças no trabalho e nos trabalhadores que acompanham o processo de terceirização na Universidade Federal de Uberlândia, bem como este processo, oriundo de relações de produção baseada em uma lógica privada e que serve a acumulação de capital, ao ser transferida para a esfera pública afeta a qualidade do serviços prestados à população. No caso aqui específico, como afeta a qualidade da educação pública de nível superior. REFERENCIAL TEÓRICO-METODOLÓGICO A busca de uma posição competitiva no mercado leva o empresário capitalista a uma busca constante pela redução dos valores de troca de suas mercadorias. Como o fator que determina o valor dos bens que produz é a quantidade de trabalho humano abstrato necessário para a produção desta mercadoria, o capitalista investe cada vez mais em formas de reduzir a quantidade de trabalho abstrato presente nos bens que produz, e assim garantir uma vantagem competitiva frente a seus concorrentes. Essa redução de trabalho abstrato dentro do processo produtivo pode se dar via redução de trabalho vivo, ou seja, na redução da intermediação direta do trabalhador no

4 4 processo de produção da mercadoria, ou via redução do trabalho morto, presente no processo produtivo na forma de máquinas, equipamentos e instalações que servem de meios-de-produção auxiliando a interação entre homem e matéria-prima. Como os meios-de-produção representam uma estrutura dada de desenvolvimento científico e tecnológico característico do próprio desenvolvimento do processo produtivo de determinada mercadoria, e que vem se acumulando ao longo do tempo, reduzir custos via meios-de-produção, ou trabalho morto, implica ao capitalista de desfazer de parte de seu capital acumulado, ou ainda abrir mão de tecnologias baseadas em conceitos de qualidade e modernidade já amplamente disseminados no mercado dos quais não faz sentido ao capitalista se desfazer. Além disso, a própria competição capitalista por nichos de mercado, obriga o empresário a estar inserido dentro deste nível de tecnologia que reduzem a força de trabalho e consequentemente o preço final da mercadoria. Assim, resta ao empresário buscar soluções que busquem reduzir o trabalho vivo dentro do processo produtivo, seja pela incorporação de maquinário e tecnologias que substituam a força de trabalho humana, ou de processos gerenciais que levem a um menor tempo de trabalho vivo empregado na produção de determinado bem. Contraditoriamente, a taxa de lucro de uma empresa capitalista é determinada pela Composição Orgânica do Capital, ou seja, pela relação que existe entre o capital constante (maquinário, equipamentos e conhecimento) e o capital variável (mão-deobra). Assim, todo o investimento que o capitalista faz em equipamentos ou recursos tecnológicos que restrinjam o uso da força de trabalho humana, ou trabalho vivo, contribui para a redução da taxa de lucro pelo aumento da composição orgânica do capital, ou ainda, pelo aumento da proporção das máquinas no total do capital empregado. Como apenas o trabalho vivo é capaz de gerar mais-valia, quanto maior a proporção de trabalho morto em relação ao montante de trabalho vivo empregado, menor a taxa de lucro capitalista. Dessa forma para evitar que o desenvolvimento da técnica e a consequente redução de sua taxa de lucro, afete o processo de acumulação ou de reprodução do capital dentro da esfera produtiva, o capitalista procura reduzir ainda mais o montante

5 5 da massa de salários pagos a seus trabalhadores, seja pela redução de seu valor absoluto, seja pela busca de novas tecnologias que substituam trabalho vivo por trabalho morto, o que por sua vez também vai refletir em um aumento da composição orgânica do capital, num processo contraditório em que a lógica de acumulação capitalista coloca a si mesma em xeque. O capital mesmo é a contradição em processo, que tende a reduzir a um mínimo de tempo de trabalho, enquanto que, por outro lado, converte o tempo de trabalho em única medida e fonte de riqueza. (MARX, 1985: p, 229) A substituição de trabalho vivo por trabalho morto cresceu em proporções inéditas a partir da década de 1980, seja por inovações em termo de maquinário e automação da produção, seja por modelos gerenciais e organizativos que ampliam o controle sobre o trabalhador e otimizam a força de trabalho empregada. Essa forma de organização da produção fundada nos moldes toyotistas ou da Terceira Itália, baseados em uma produção flexível 4 e com os olhos voltados para a demanda do mercado, e que de forma geral são conhecidos como reestruturação produtiva, gera no trabalhador insegurança e medo frente à possibilidade iminente do desemprego, o que permite ao capitalista precarizar as relações formais de trabalho, reduzir os direitos dos trabalhadores, e de uma forma geral reduzir ainda mais a massa salarial. Através da pressão da pressão da concorrência, os capitais, portanto, são impelidos a adotar novas técnicas e aumentar a produtividade do trabalho. A lei da determinação do valor pelo tempo de trabalho atua assim como lei coercitiva da concorrência, escreve Marx. (CALLINICOS, 2004). A redução do número de trabalhadores na esfera produtiva cria um exército de reserva que possibilita ao capitalista a pagar um menor salário pela compra da força de trabalho do trabalhador. Isso se dá porque a força de trabalho, assim como qualquer outra mercadoria dentro do capitalismo, possui um valor e um preço. O valor da força 4 Acumulação Flexível: Oriunda de experiências como o Toyotismo Japonês e as formas de organização da produção na chamada Terceira Itália, a chamada Acumulação Flexível se caracteriza principalmente pela substituição dos processos fundados na produção em série e no controle fundamentado no tempo de produção, por uma nova forma produtiva que articula, de um lado, um significativo desenvolvimento tecnológico e, de outro, uma desconcentração produtiva baseada em empresas médias e pequenas artesanais. (ANTUNES, 2000: p. 25).

6 6 de trabalho é determinado, segundo Marx, como todas as outras mercadorias, pela quantidade de trabalho necessário para a sua criação, ou seja, pela quantidade de trabalho necessário para produzir os bens que garantam a reprodução da força de trabalho do trabalhador, como alimentos, educação, um lugar para habitar e criar seus filhos. Já o preço dessa força de trabalho é representado pelo salário, e como todo valor de troca sofre as influências computadas a ele pelo mercado. O preço da força de trabalho é o salário, e como todos os preços de mercado os salários flutuam em resposta aos aumentos e quedas na oferta e na demanda de força de trabalho. A existência do exército industrial de reserva mantém a oferta da força de trabalho o suficiente para impedir que o preço da força de trabalho aumente acima do seu valor. Escreve Marx: Os movimentos gerais dos salários são exclusivamente regulados pela expansão e contração do exército industrial de reserva ". (CALLINICOS, 2004: Disponível em: <http://www.espacoacademico.com.br/038/38tc_callinicos.htm>). Assim, apesar do crescimento da produtividade do trabalho, a parcela do resultado total desse trabalho destinada ao trabalhador não acompanha esse crescimento, pois as pressões exercidas pelo mercado devido à existência do exército industrial de reserva criado pela substituição de trabalho vivo por trabalho morto dentro do processo produtivo. Em termos práticos isso representa um aumento da exploração da força de trabalho mão-de-obra por parte do empresário capitalista, e isto acontece como forma de equilibrar a redução de suas taxas de lucro pelo aumento da composição orgânica do capital. Em um movimento contrário, a fim de manter as garantias e o os valores dos salários a níveis que garantam efetivamente as necessidades de reprodução da classe trabalhadora, e como forma de reduzir a exploração da força de trabalho, está o movimento sindical, que une os interesses de trabalhadores que se reconhecem subjetivamente enquanto classe e buscam na unidade a força para garantir avanços junto à classe capitalista e manter direitos adquiridos pelo trabalhador no decorrer da história.

7 7 Dentre as diversas formas encontradas pelo capitalista para reduzir a massa salarial, sem ir de encontro com as pressões sindicais, estão em formas alternativas de contratação de mão-de-obra, onde encontramos a terceirização, a contratação em período parcial (part-time), e outros 5, cujos desdobramentos são também agudos, no que diz respeito aos direitos do trabalho. Estes são desregulamentados, são flexibilizados, de modo a dotar o capital do instrumental necessário para adequar-se a sua nova fase 6. (ANTUNES, 2000: p. 24). Terceirização Também conhecido como outsourcing, o conceito de terceirização baseia-se na argumentação de que as empresas devem focar seus esforços naquilo que constitui sua atividade-fim delegando a terceiros tudo aquilo que não seja fundamental às atividades e processos que culminam na obtenção de seu produto final. Dessa forma o capitalista conseguiria reduzir custos através de economias de escala, horizontalização da produção e flexibilidade de ação em relação ao mercado. O conceito de terceirização surge segundo Fernandes (2003) como uma possibilidade concreta para se buscar uma vantagem competitiva frente ao mercado. Pode-se dizer que é uma ferramenta estratégica, de uma inovação na categoria de serviços, que vem como aliada à dinâmica do "core competence". Inhoff (2005) destaca a característica da terceirização de buscar fora tudo aquilo que não é essencial e estratégico para a atividade-fim das empresas, ou ainda segundo Martins (2011), consiste a terceirização na possibilidade de contratar terceiro para a realização de atividades que não constituem o objeto principal da empresa. Na verdade a terceirização serve ao empresário capitalista como uma forma de reduzir seus custos com relação ao capital variável, ou trabalho vivo, já que tudo aquilo que entra no processo produtivo como insumos, matéria-prima ou meios de produção para Marx significa capital fixo ou ainda trabalho morto. O Crescimento da Terceirização do Processo de Produção Capitalista 5 Segundo os autores Fergus Murray, em artigo publicado em 1983 em que analisa este processo na Indústria Italiana, tem um claro sentido de combater a autonomia e coesão de setores do operariado italiano, a ponto de chegar mesmo a sugerir uma necessária reconsideração do trabalhador coletivo de massa, tão forte na Itália dos anos 60/70". (Murray, Fergus apud ANTUNES, 2000: p. 28). 6 Fase da Acumulação Flexível.

8 8 As primeiras fases do capitalismo industrial já contaram com formas de subcontratação de força de trabalho: O capitalista distribuía os materiais na base de empreitada aos trabalhadores, para manufatura em suas casas, por meio de subcontratados e agentes em comissão (BRAVERMAN, 1987, p.62 apud SANCHES, 2008: P. 06), mas foi a partir da década de 40 com o advento da Segunda Guerra Mundial que a terceirização enquanto técnica de gestão empresarial ganhou respaldo junto o modo de produção capitalista, se intensificando e ganhando força no período de escassez de mão-de-obra no pós-guerra tanto nos EUA como na Europa, como forma de garantir a reconstrução do continente europeu. Antes da II Guerra Mundial existiam atividades prestadas por terceiros, porém não poderíamos conceituá-las como terceirização, pois somente a partir deste marco histórico é que temos a terceirização interferindo na sociedade e na economia. (CASTRO. 2000: p. 75). No entanto foi a partir das décadas de 1970 e 1980 com as crises de demanda originadas no berço do sistema capitalista e o crescimento do toyotismo japonês e seus princípios de flexibilização da produção com foco na demanda do mercado, que a terceirização ganhou espaço junto ao modo de produção capitalista 7. Associado a conceitos como gestão flexível, just-in-time e qualidade total, voltava o foco da produção capitalista de um sistema baseado na produção em massa, para um sistema mais flexível e adaptável ás necessidades do mercado consumidor. O toyotismo, modelo originário do Japão, no pós-guerra constituiu-se como um modelo eficiente para a superação da crise enfrentada. Pois seus produtos eram mais competitivos, adaptando melhor as crises de demanda em virtude do seu estoque mínimo, relações de trabalho flexível, máquinas simples e trabalho em equipe. (CAMARGO, 2012). No Brasil a terceirização desembarcou no país na década de 1950, trazida pelas empresas multinacionais, principalmente pela indústria automobilística. Segundo Moraes (2003), a política nacionalista do então regime militar de manter a indústria 7 O Toyotismo estrutura-se a partir de um número mínimo de trabalhadores, ampliando-os, através de horas extras, trabalhadores temporários ou subcontratação, dependendo das condições do mercado. (ANTUNES, 2000: p. 36).

9 9 brasileira protegida da concorrência internacional, levou a um tardio desenvolvimento tanto econômico como tecnológico, político, cultural e social. O fim do regime militar e a abertura do mercado brasileiro e o processo de privatização obrigou as empresas brasileiras a se reinventarem a fim de garantirem uma posição competitiva frente à indústria internacional. Era preciso em um curto espaço de tempo recuperar décadas de atraso tecnológico frente à concorrência internacional. A reestruturação produtiva, que tinha como principal política a qualidade total e a terceirização se apresentaram como uma excelente alternativa à crise econômica e política, fazendo da descentralização das atividades a prática mais difundida das organizações. Nesta época observou-se um forte crescimento da terceirização da mão-de-obra, como uma das formas utilizadas pelas empresas, justamente para reduzir custos e aumentar a produtividade. (LIMA NETO. 2008; p.12). A Terceirização no Setor Publico. No setor público brasileiro, a terceirização teve sua gênese ainda na década de 1960 com as discussões provocadas pelo discurso acerca do tamanho da máquina administrativa estatal e que culminaram na Reforma Administrativa do Estado. Já nesta época correntes políticas de cunho neoliberal aconselhavam a delegação de certas atividades que não eram consideradas atividades-fim do estado para empresas de prestação de serviços, devendo o Estado se concentrar naquilo que seria o objeto de suas funções. Na verdade buscava-se trazer para o interior da esfera pública conceitos gestacionais típicos da empresa capitalista, como se a lógica do capital de uma busca incessante pelo lucro e a alto-acumulação devesse também ser incorporada pela esfera pública direcionando suas ações em detrimento da qualidade do serviço prestado ao usuário-cidadão. Portanto, a possibilidade de transferir atividades secundárias a outras pessoas mais competentes pareceu bem mais lucrativa ao Estado, que poderia reduzir o déficit estatal através da diminuição de custos. (ALVES, 2010: p.03)

10 10 A terceirização no setor público nada mais é do que a importação e transferência dos conceitos da terceirização do setor privado para o setor público, com algumas adaptações. (REIS. 2011; p.8-9). É importante salientar aqui que os objetivos que norteiam as ações do Estado não são os mesmos que orientam as ações de uma empresa capitalista. A atividade capitalista está fundamentada na geração de mais-valia e da consequente reprodução ampliada do Capital. O que interessa ao capitalista é a mercadoria enquanto valor de troca, enquanto bem que pode ser vendido no mercado por um valor superior aquele empregado em sua produção e que com isso gere uma ampliação do capital inicial adiantado pelo capitalista no mercado. Já as ações do Estado visam garantir a população bem estar social, qualidade de vida, ou seja, podemos dizer que as ações do estado estão fundamentadas na produção de valores de uso a serem utilizados pela população. Sejam esses bens materiais ou imateriais, o que importa na lógica do estado, é a sua utilidade para o cidadão, não o valor que gerará no mercado enquanto mercadoria. Em outras palavras, a intenção do Estado não é gerar lucro, ou mais valor, mas sim gerar utilidades para a população, em setores em que a lógica do capital não é possível de se realizar com qualidade e a preços acessíveis á toda a população. A transposição da lógica capitalista para estes setores institucionais significa sacrificar em termos de qualidade do serviço prestado, a fim de obter custos menores. A forma encontrada até hoje para suprir as necessidades de serviços, pela contratação de mão-de-obra terceirizada constitui uma ameaça à boa gestão pública, tanto pela ausência de garantias de qualidade dos serviços quanto pela baixa eficiência dos métodos de contratação dos empregados. Hoje terceirização no setor público brasileiro é sinônimo de contratação de cabeças e homens-hora, modalidades que não proporcionam ao administrador público a melhor gestão dos serviços executados (RAMOS, 2009) O processo de terceirização dentro do serviço público não poupa inclusive setores que deveriam primar pela excelência de suas atividades, como as Universidades Federais e Institutos Federais de Ensino. Locais onde a lógica da reprodução capitalista e da redução de custos se choca, de forma evidente, com o objetivo destas instituições

11 11 que é o de oferecer para a sociedade brasileira um ensino de qualidade superior, pesquisas que garantam o avanço tecnológico da nação, a formação continuada de seu corpo acadêmico, e ações de extensão que ofereçam à população local qualidade de vida e ponham os seus profissionais em contato com a realidade local e suas verdadeiras necessidades. Tudo isso demanda investimento, e investimento de longo prazo, cujos retornos não podem ser medidos em valores monetários, e cuja política de redução de custos e precarização do trabalho interferem de forma decisiva na qualidade dos serviços prestados à população. Nas universidades, esse processo [de terceirização] se verificou de forma bastante profunda, levando ao aumento do número de funcionários terceirizados em detrimento do funcionalismo contratado via concurso público. (AUGUSTO, 2010). Outro ponto importante ser abordado e que age como mais um complicador dentro do processo de queda da qualidade do serviço prestado pela administração pública a medida que incorpora a força de trabalho terceirizada dentro de seus quadros de trabalho, tange às relações entre os servidores públicos concursados e os trabalhadores terceirizados, que representam de forma clara um processo de precarização da força de trabalho dentro da gestão pública. A terceirização, como bem denomina Ricardo Antunes, é sinônima de trabalho precarizado, já que as condições destes trabalhadores são deficientes, inferiores. (AMORIM, 2008: p.09). O processo de terceirização dentro da Instituições Federais de Ensino cria um processo de segregação e discriminação social ao colocar lado a lado trabalhadores que executam o mesmo tipo de trabalho, mas que vivenciam realidades diferentes quanto a rendimentos, benefícios e demais garantias obtidas de acordo com a forma de contrato que a ligam a suas atividades. [...] a terceirização age como objeto de exclusão social e discriminação; uma vez que a contratação e remuneração diferenciada para funções e cargos equivalentes desenvolvem comparações inevitáveis entre temporários e efetivos, gerando supostos status dentro da empresa. (ALVES, 2010: p. 08). Além da questão salarial que em si só já é suficiente enquanto objeto gerador de conflitos e discriminação será discutido ainda questões que tangem os direitos

12 12 trabalhistas garantidos pelos servidores públicos e que nem sempre são estendidos aos servidores terceirizados, como adicionais de insalubridade e periculosidade, o uso obrigatório de equipamentos de segurança individual, acesso a instalações de convívio e apoio social, como academias, restaurante universitário e cursos e formação e aperfeiçoamento. Todos estes fatores de conflito resultantes de um processo crescente de precarização da força de trabalho são fatores que influenciam diretamente na qualidade do serviço prestado Este é o objeto deste trabalho, analisar as formas como a terceirização vem adentrando setores da administração pública ligados à educação, buscando incorporar a este uma lógica capitalista de gestão que persegue, de modo sistemático, a redução de custos em detrimento da qualidade do serviço prestado ao cidadão. Para levar adiante esta análise, tomaremos como universo de trabalho a Universidade Federal de Uberlândia (UFU), no período que parte dos anos 2000 até os dias atuais, onde podemos identificar um processo de franca terceirização de diversos setores operacionais e administrativos, apresentando um crescimento evidente do número de trabalhadores terceirizados dentro de seus postos de trabalho. Dados atualizados até o mês de março de 2012, apontam para um total de trabalhadores terceirizados presentes na UFU, preenchendo mais de 34 cargos diferentes em praticamente todos os setores da universidade, e oriundos de 15 empresas distintas contratadas pela administração superior 8. No próximo tópico procuraremos apresentar uma radiografia do crescimento da terceirização dentro da universidade Federal de Uberlândia, bem como apresentar alguns índices que podem apontar para a confirmação da hipótese tratada por esta pesquisa, de como a lógica gestacional neoliberal invade a administração pública provocando uma consequente queda da qualidade do ensino prestado por estas instituições. ANÁLISE DE DADOS 8 Dados disponíveis no Portal da Transparência da UFU. Disponível em: <http://www.transparencia.ufu.br/node/59>. Acesso em 05/10/2012.

13 13 Nesta seção trataremos de alguns dados levantados junto aos Relatórios de Gestão da universidade federal de Uberlândia, referente aos anos 2000 a 2011, e que estão disponibilizados no Portal Transparência da UFU 9, e que possuem o intuito de tentar mostrar de forma sistemática o crescimento da utilização da força de trabalho terceirizada, principalmente após o ano de 2007 com a implantação do REUNI. O REUNI, ou Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais, foi uma iniciativa do governo Lula no sentido de: ampliar o acesso e a permanência na educação superior. Com o Reuni, o governo federal adotou uma série de medidas para retomar o crescimento do ensino superior público, criando condições para que as universidades federais promovam a expansão física, acadêmica e pedagógica da rede federal de educação superior. Os efeitos da iniciativa podem ser percebidos pelos expressivos números da expansão, iniciada em 2003 e com previsão de conclusão até As ações do programa contemplam o aumento de vagas nos cursos de graduação, a ampliação da oferta de cursos noturnos, a promoção de inovações pedagógicas e o combate à evasão, entre outras metas que têm o propósito de diminuir as desigualdades sociais no país. O Reuni foi instituído pelo Decreto nº 6.096, de 24 de abril de 2007, e é uma das ações que integram o Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE). (O QUE É O REUNI, 2010) O principal foco do REUNI é a expansão do número de vagas nas Instituições federais de Ensino, mas como o plano não previa uma proporcional ampliação do número de servidores, principalmente de servidores técnicos, a solução criada por diversas instituições, inclusive a UFU, foi de recorrer à terceirização como forma de adequar o seu quadro às novas necessidades que a expansão proposta pelo REUNI requeria. No Gráfico 01 podemos visualizar o crescimento do número de alunos regularmente matriculados nos cursos de graduação e pós-graduação da UFU, onde é visível o crescimento acentuado a partir de 2007, ano de implantação do REUNI no âmbito da UFU. Já no Gráfico 02 podemos visualizar o crescimento do número de servidores no mesmo período, tanto docentes quanto técnico administrativos. É claro o descompasso entre a evolução de ambos os números dentro do período analisado, sendo que o crescimento do número de servidores não acompanhou na mesma proporção o crescimento do número de alunos matriculados. Somando-se a isso o crescimento do 9 Disponível em: <http://www.transparencia.ufu.br/node/59>. Acesso em 05/10/2012.

14 14 número de cursos e de secretarias acadêmicas, temos a conclusão lógica que a demanda de trabalho sobre os servidores cresceu na proporção direta do crescimento da diferença entre os dois números. Uma forma simples de se medir este crescimento marginal sobre a demanda de trabalho excedente sobre ao servidores está na relação direta de número de alunos para cada servidor ativo, e pode ser vista graficamente no Gráfico 03. Por este gráfico, podemos visualizar o crescimento da relação entre o número de alunos matriculados e o número de docentes e técnicos administrativos no mesmo período, e assim visualizar o crescimento da demanda de trabalho sobre a média dos servidores, que quase dobrou neste período. Gráfico 01 Alunos regularmente matriculados nos cursos de graduação e pós-graduação na UFU. FONTE: Relatório de Gestão UFU, (2000 a 2011). Disponível em: <http://www.transparencia.ufu.br/node/59>. Acesso em 05/10/2012. Gráfico 02 Número de servidores docentes e técnicos da UFU. FONTE: Relatório de Gestão UFU, (2000 a 2011). Disponível em: <http://www.transparencia.ufu.br/node/59>. Acesso em 05/10/2012.

15 15 Gráfico 03 Número de alunos por servidores docentes e técnicos da UFU. FONTE: Relatório de Gestão UFU, (2000 a 2011). Disponível em: <http://www.transparencia.ufu.br/node/59>. Acesso em 05/10/2012. É claro pela análise dos gráficos que temos um acentuado crescimento da relação entre o número de alunos regularmente matriculados e o número de servidores, tanto docentes como técnicos administrativos, e uma forma de minimizar esta diferença foi dada pela contratação de força de trabalho terceirizada. No Gráfico 04 vemos o crescimento do número absoluto de servidores terceirizados na UFU desde o ano de Os dados dos anos anteriores não estão disponíveis no Portal Transparência da UFU, mas foi solicitado via Acesso à Informação devendo estar disponíveis para a continuidade da análise que este trabalho se dispõe a realizar dentro da série histórica prevista, ou seja, a partir dos anos Gráfico 04 Número de trabalhadores terceirizados na UFU. FONTE: Relatório de Gestão UFU, (2000 a 2011). Disponível em: <http://www.transparencia.ufu.br/node/59>. Acesso em 05/10/2012.

16 16 CONCLUSÃO Os números apresentados na seção anterior por si só já demonstram que os servidores terceirizados passam a substituir a força de trabalho concursada, na medida em que o crescimento do número de servidores docentes e técnicos não acompanham, na mesma proporção, o crescimento das vagas criadas pelo REUNI a partir de A solução utilizada pela gestão para que minimizasse esta diferença foi a contratação de força de trabalho terceirizada, como forma de viabilizar a implantação dos novos cursos e de desafogar a demanda gerada sobre os servidores ativos. A intenção desse trabalho, a partir deste ponto, é analisar como a introdução desta força de trabalho precarizada, como forma de substituição de servidores concursados, vai afetar a qualidade do ensino e dos serviços prestados pelas IFE s e em particular a Universidade Federal de Uberlândia. Para tal aprofundaremos no mapeamento dessa força de trabalho dentro da UFU, buscando qualifica-la e compará-la à força de trabalho dos servidores efetivos, para assim poder demonstrar como a primeira não irá conseguir desempenhar, em iguais condições, as habilidades necessárias para o pleno funcionamento da instituição como um todo. Buscaremos ainda comparar as duas diferentes forças de trabalho em aspectos como formação, comprometimento com os objetivos das IFE s e nível de organização e representatividade como formas de caracterização e qualificação do serviço prestado e assim demonstrar que a transferência da lógica de produção da esfera privada impacta de forma negativa na qualidade do serviço prestado na IFE s, cuja lógica de existência não se baseia na minimização de custos, mas sim na maximização da qualidade do serviço prestado à população.

17 17 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, Osvaldo Nunes. Terceirização de Serviços na Administração Pública Disponível em: <http://portal2.tcu.gov.br/portal/pls/portal/docs/ pdf>. Acesso em 10/08/2012. AMORIM, Andressa Silva de. Terceirização e desidentidade sindical: uma (ou mais uma?) estratégia ideológica do capital. Revista da RET, Ano 01, N. 02, Disponível em: <http://www.estudosdotrabalho.org/pdfs_rret2/artigo8_2.pdf>. Acesso em 04/05/2012. ANTUNES, Ricardo. ALVES, Giovanni. As Mutações no Mundo do Trabalho na era da Mundialização do Capital. In: Educação e Sociedade, Campinas, vol. 25, n. 87, p , maio/ago Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em 26/04/2011. ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as Metamorfoses e a Centralidade do Mundo do Trabalho, 8ª Edição. Campinas. Cortez Editora, AUGUSTO, André. Rotatividade e Terceirização do Trabalho nas Universidades: Alguns Exemplos Práticos In: Revista Iskra. Revista de Teoria e Política Marxista. Disponível em: <http://iskrarevista.blogspot.com.br/2010/05/rotatividade-eterceirizacao-do.html>. Acesso e 02/04/2012. CALLINICOS, Alex. Introdução ao Capital de Karl Marx. Revista Espaço Acadêmico, N. 38, Disponível em: <http://www.espacoacademico.com.br/038/38tc_callinicos.htm>. Acesso em 16/04/2012. CAMARGO, Márcio Lima. Trabalho Enquanto Categoria Fundante na Existência Humana e Atual Fase da Reestruturação Produtiva do Capital. In: I Seminário de Crítica da Economia Política: questões contemporâneas, Teófilo Otoni. Anais do I Seminário de Crítica da Economia Política: questões contemporâneas. Disponível em: <http://www.secep.com.br/arquivos/trabalho_enquanto_categoria_fundante_na_existen cia_humana_e_atual_fase_de_reestruturacao_produtiva_do_capital.pdf>. Acesso em 16/09/2012. CASTRO, de Rubens Ferreira. A terceirização no Direito do Trabalho. São Paulo: Malheiros, FERNANDES, Jorge Ulisses Jacoby. A Terceirização no Serviço Público. 1997, Disponível em <http://www.angelfire.com/ut/jurisnet/art10.html> Acesso em 11/04/2012. INHOFF, Márcia Moraes. MORTARI, Aline Perico. Terceirização, Vantagens e Desvantagens para as Empresas. In Revista Eletrônica de Contabilidade. Edição

18 18 Especial do 1º Simpósio de Iniciação Científica dos Cursos de Ciências Contábeis de Santa Maria. Universidade Federal de Santa Maria, julho de LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. 7ª. Ed. São Paulo: Atlas, LIMA NETO, Walmir Maia Rocha. Quando a Terceirização não funciona; a primeirização" das atividades de manutenção industrial na Caraíba Metais. Dissertação (mestrado profissional). Universidade Federal da Bahia. Escola de Administração MARTINS, Sérgio Pinto. A Terceirização e o direito do trabalho. São Paulo: Atlas, MARX, K. O Capital Livro I. São Paulo: Nova Cultural, A miséria da filosofia. 1ª edição. São Paulo: Global O QUE é o REUNI Disponível em: <http://reuni.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=25&itemid =28>. Acesso em 10/06/2012. RAMOS. Alexandre Luiz. Acumulação Flexível, Toyotismo e Desregulamentação do Direito do Trabalho Disponível em: <http://www.cefetsp.br/edu/eso/globalizacao/toyotismodireito.html>. Acesso em 10/08/2012. REIS, Fátima dos. A reforma do Estado brasileiro no período de 1995 a 2002: reconfiguração da administração e dos serviços públicos e seus reflexos na Universidade Federal de Goiás-UFG. Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Goiânia, RELATÓRIO de Gestão UFU Disponível em: <http://www.transparencia.ufu.br/node/59>. Acesso em 05/10/2012. SANCHES. Ana Tércia. A terceirização diante da noção de trabalhador coletivo em Marx. In: Simpósio Lutas Sociais na América Latina, 3, Londrina. Anais do III Simpósio Lutas Sociais na América Latina. Disponível em: < Acesso em 11/05/2012.

Liberalismo E A Terceirização No Setor Público Brasileiro: Um Estudo Acerca Da Terceirização Na Universidade Federal De Uberlândia.

Liberalismo E A Terceirização No Setor Público Brasileiro: Um Estudo Acerca Da Terceirização Na Universidade Federal De Uberlândia. Liberalismo E A Terceirização No Setor Público Brasileiro: Um Estudo Acerca Da Terceirização Na Universidade Federal De Uberlândia. Ricardo Margonari da Silva 1 RESUMO O presente trabalho visa relacionar

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Refere-se ao conjunto de atividades desenvolvidas pelo professor/pesquisador no âmbito das relações estabelecidas com a instituição de ensino, considerando seus fins

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA Neide Tiemi Murofuse 1 Rejane Rodrigues da Silva 2 INTRODUÇÃO: A área da Saúde do Trabalhador surge no contexto do Movimento

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO Marcia Akemi Yamada 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Resumo Uma das premissas do trabalho docente na Instituição do Ensino Superior (IES) é a produção

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE APOIO EM FÍSICA E MATEMÁTICA DA UFSM - GAFM

RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE APOIO EM FÍSICA E MATEMÁTICA DA UFSM - GAFM ISSN 2177-9139 RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE APOIO EM FÍSICA E MATEMÁTICA DA UFSM - GAFM Samuel Sonego Zimmermann - samuel.sonego.zimmermann@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria, Campus

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

PROJETO DA CPA 1 DADOS DA INSTITUIÇÃO. Nome: Faculdade São Salvador Código: 2581 Caracterização: Instituição privada com fins lucrativos

PROJETO DA CPA 1 DADOS DA INSTITUIÇÃO. Nome: Faculdade São Salvador Código: 2581 Caracterização: Instituição privada com fins lucrativos PROJETO DA CPA Em atendimento ao que dispõe a Lei 10.861, de 14 de abril de 2004 que institui a obrigatoriedade da Avaliação Institucional e por entender a importância do SINAES para o desenvolvimento

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

A verdade é como o ninho de cobra. Se reconhece não pela vista mas pela mordedura. (Mia Couto).

A verdade é como o ninho de cobra. Se reconhece não pela vista mas pela mordedura. (Mia Couto). O TRABALHO DOCENTE E A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO Uma análise de sua historicidade Maria Ciavatta* A verdade é como o ninho de cobra. Se reconhece não pela vista mas pela mordedura. (Mia Couto). SEMINÁRIO

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA-PDE NO ENSINO FUNDAMENTAL:O QUE MUDOU NA ESCOLA 1 GT Ensino Fundamental N.º13 Catarina de Almeida Santos- UFG Laydes Seabra Guimarães e Souza-UCG Sueli Azevedo de Souza

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL Aline Aparecida de Oliveira, Ana Carolina da Silva, Christian Roberto de Godoy, Natália Sayuri Suzuki, Thais Rubia Ferreira

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS Jorge Luis Nicolas Audy * A Universidade vem sendo desafiada pela Sociedade em termos de uma maior aproximação e alinhamento com as demandas geradas pelo

Leia mais

ASSISTÊNCIA. AUFLA foi uma das instituições mapeadas ESTUDANTIL

ASSISTÊNCIA. AUFLA foi uma das instituições mapeadas ESTUDANTIL ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL AUFLA foi uma das instituições mapeadas por uma pesquisa realizada em 2010 pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), que resultou

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores;

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores; A POLÍTICA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR: O PAPEL DOS FÓRUNS ESTADUAIS PERMANENTE DE APOIO A FORMAÇÃO DOCE Edinilza Magalhães da Costa Souza UFPA Resumo

Leia mais

O USO DA EPIDEMIOLOGIA NO PLANEJAMENTO DAS AÇOES DE SAÚDE: UM ESTUDO NOS PSF s DE FORMIGA-MG

O USO DA EPIDEMIOLOGIA NO PLANEJAMENTO DAS AÇOES DE SAÚDE: UM ESTUDO NOS PSF s DE FORMIGA-MG O USO DA EPIDEMIOLOGIA NO PLANEJAMENTO DAS AÇOES DE SAÚDE: UM ESTUDO NOS PSF s DE FORMIGA-MG Aline Rodrigues ALVES Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí RESUMO A inserção efetiva do uso da epidemiologia

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional

PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional Martha Cassiolato e Ronaldo Coutinho Garcia Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, Instituições e Democracia - Diest/

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Mulher e trabalho: um debate necessário no contexto das políticas neoliberais

Mulher e trabalho: um debate necessário no contexto das políticas neoliberais Anais do I Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, ISSN 2177-8248 Universidade Estadual de Londrina, 24 e 25 de junho de 2010 GT 7. Gênero e Trabalho Coord. Anne Grace Gomes Mulher e trabalho:

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS Aline Cachadare BROGGIO 1 - RGM 072128 Gabriela de Cassia BRAGA¹ - RGM 073270 Jaqueline Macedo PERIN¹ - RGM 073967 Natali de Fatima SILVA¹ - RGM 069900 Renato Francisco

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade.

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade. O TRABALHO VOLUNTÁRIO NO ÂMBITO DO SETOR PRODUTIVO PRIVADO: REFLEXÕES SOBRE OS NOVOS DISPOSITIVOS DA REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA MIRANDA, Aline Barbosa UFU alinebarbosas@yahoo.com.br SILVA, Maria Vieira UFU

Leia mais