A TERCEIRIZAÇÃO NO SETOR PÚBLICO BRASILEIRO:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TERCEIRIZAÇÃO NO SETOR PÚBLICO BRASILEIRO:"

Transcrição

1 1 A TERCEIRIZAÇÃO NO SETOR PÚBLICO BRASILEIRO: Um estudo acerca da Terceirização na Universidade Federal de Uberlândia e seus impactos na qualidade do ensino. Ricardo Margonari da Silva 1 Fabiane Santana Previtali 2 INTRODUÇÃO O trabalho é a fonte de toda a riqueza humana. Mais do que isso, segundo Marx e Engels, o trabalho do homem aplicado à natureza, transformando-a e assim transformando a si mesmo, pode ser considerado como uma condição ontológica do próprio homem. É a capacidade humana de intervir na natureza, com um prévio planejamento dos resultados que sua intervenção poderia resultar na forma de benefícios e utilidades para si e para sua comunidade, que diferencia a intervenção humana na natureza daquela executada pelos outros animais. É a condição básica e fundamental de toda a vida humana. E em tal grau que, até certo ponto, podemos afirmar que o trabalho criou o próprio homem. (ENGELS, 1876 apud ANTUNES, 2004: p. 13). Assim, é o trabalho planejado, aplicado à natureza, com vistas a determinado fim que irá garantir ao homem o status de ser racional. Mais que elemento ontológico da formação do homem, o trabalho também se faz presente na formação do homem enquanto ser social. Engels em seu texto de 1876: Sobre o Papel do Trabalho na Transformação do Macaco em Homem 3 faz um belo trabalho de reconstrução do trabalho como agente formador do homem moderno desde suas primeiras intervenções na natureza, como estas intervenções foram aos poucos mudando o homem e garantindo seu domínio sobre o planeta, até seu papel como agente socializador e formação de uma sociedade cooperativa e interdependente. Para Marx (1844), os homens, para existirem, devem ser capazes de se reproduzirem enquanto seres humanos; forma específica desta 1 Aluno de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade federal de Uberlândia. 2 Professora titular dos Programas de Pós-Graduação em Ciências Sociais e Pós-Graduação em Educação da Universidade federal de Uberlândia. Pesquisadora CNPq/FAPEMIG 3 Escrito por Frederick Engels em 1876 e publicado pela primeira vez em Neue Zeit.

2 2 reprodução é dada por uma peculiar relação dos seres humanos com a natureza através do trabalho. A categoria do trabalho emerge, desta forma, como categoria central do ser social. (CAMARGO, 2012: p. 02). Ao longo da evolução do sistema capitalista as formas de organização da produção foram se transformando de acordo com as necessidades do processo de acumulação do capital. Assim o papel da força de trabalho foi tomando diversas formas no interior do sistema de produção capitalistas. Desde os modos tayloristas/fordistas até os conceitos da acumulação flexível trazidos pelo modelo toyotista desenvolvido no Japão, e pela experiência do crescimento industrial da Terceira Itália, o papel do trabalho dentro do processo produtivo mudou, mas não deixou de ser central, uma vez que ele e só ele é capaz de gerar mais valor e assim garantir o processo de acumulação do capital. Dentre as principais mudanças que podemos destacar no mundo do trabalho, ao longo desse processo de transformação das relações de produção, podemos destacar uma subproletarização intensificada, presente na expansão do trabalho parcial, temporário, precário, subcontratado, terceirizado. (ANTUNES, 2000: p. 49). Como diz Alain Bihr (1991:89), essas diversas categorias de trabalhadores Têm em comum a precariedade do emprego e da remuneração; a desregulamentação das condições de trabalho em relação às normas legais vigentes ou acordadas e a consequente regressão dos direitos sociais, bem como a ausência de proteção e expressão sindicais, configurando uma tendência à individualização extrema da relação salarial. (ANTUNES, 2000: p. 52). A presente pesquisa se propõe a estudar a terceirização como uma dessas formas específicas de precarização do trabalho, cresceu de forma evidente nas últimas décadas, principalmente na iniciativa privada, mas que tem ganhado força junto à administração pública desde os governos Collor e Fernando Henrique, claramente orientados pelo discurso neoliberal, e que se mantiveram em crescimento nos governos Lula e Dilma. O tema a ser abordado pela pesquisa aqui proposta é a terceirização no setor público, mais especificamente a terceirização nas Instituições federais de Ensino

3 3 Superior, e como este processo de terceirização afeta o trabalhador e qualidade do ensino. Para tal é proposto fazer um trabalho exploratório qualitativo que busque dar conta dessas mudanças tomando como universo de pesquisa a Universidade Federal de Uberlândia e seus servidores técnico-administrativos concursados e os trabalhadores terceirizados que complementam o seu quadro de trabalhadores na qualidade de prestadores de serviços. OBJETIVOS Segundo Lakatos (2010), toda pesquisa deve ter um objetivo determinado para saber o que se vai procurar e o que se pretende alcançar e continua, o objetivo torna explícito o problema, aumentando os conhecimentos sobre determinado assunto. (LAKATOS, 2010: p ). O objetivo geral deste trabalho é mapear as mudanças no trabalho e nos trabalhadores que acompanham o processo de terceirização na Universidade Federal de Uberlândia, bem como este processo, oriundo de relações de produção baseada em uma lógica privada e que serve a acumulação de capital, ao ser transferida para a esfera pública afeta a qualidade do serviços prestados à população. No caso aqui específico, como afeta a qualidade da educação pública de nível superior. REFERENCIAL TEÓRICO-METODOLÓGICO A busca de uma posição competitiva no mercado leva o empresário capitalista a uma busca constante pela redução dos valores de troca de suas mercadorias. Como o fator que determina o valor dos bens que produz é a quantidade de trabalho humano abstrato necessário para a produção desta mercadoria, o capitalista investe cada vez mais em formas de reduzir a quantidade de trabalho abstrato presente nos bens que produz, e assim garantir uma vantagem competitiva frente a seus concorrentes. Essa redução de trabalho abstrato dentro do processo produtivo pode se dar via redução de trabalho vivo, ou seja, na redução da intermediação direta do trabalhador no

4 4 processo de produção da mercadoria, ou via redução do trabalho morto, presente no processo produtivo na forma de máquinas, equipamentos e instalações que servem de meios-de-produção auxiliando a interação entre homem e matéria-prima. Como os meios-de-produção representam uma estrutura dada de desenvolvimento científico e tecnológico característico do próprio desenvolvimento do processo produtivo de determinada mercadoria, e que vem se acumulando ao longo do tempo, reduzir custos via meios-de-produção, ou trabalho morto, implica ao capitalista de desfazer de parte de seu capital acumulado, ou ainda abrir mão de tecnologias baseadas em conceitos de qualidade e modernidade já amplamente disseminados no mercado dos quais não faz sentido ao capitalista se desfazer. Além disso, a própria competição capitalista por nichos de mercado, obriga o empresário a estar inserido dentro deste nível de tecnologia que reduzem a força de trabalho e consequentemente o preço final da mercadoria. Assim, resta ao empresário buscar soluções que busquem reduzir o trabalho vivo dentro do processo produtivo, seja pela incorporação de maquinário e tecnologias que substituam a força de trabalho humana, ou de processos gerenciais que levem a um menor tempo de trabalho vivo empregado na produção de determinado bem. Contraditoriamente, a taxa de lucro de uma empresa capitalista é determinada pela Composição Orgânica do Capital, ou seja, pela relação que existe entre o capital constante (maquinário, equipamentos e conhecimento) e o capital variável (mão-deobra). Assim, todo o investimento que o capitalista faz em equipamentos ou recursos tecnológicos que restrinjam o uso da força de trabalho humana, ou trabalho vivo, contribui para a redução da taxa de lucro pelo aumento da composição orgânica do capital, ou ainda, pelo aumento da proporção das máquinas no total do capital empregado. Como apenas o trabalho vivo é capaz de gerar mais-valia, quanto maior a proporção de trabalho morto em relação ao montante de trabalho vivo empregado, menor a taxa de lucro capitalista. Dessa forma para evitar que o desenvolvimento da técnica e a consequente redução de sua taxa de lucro, afete o processo de acumulação ou de reprodução do capital dentro da esfera produtiva, o capitalista procura reduzir ainda mais o montante

5 5 da massa de salários pagos a seus trabalhadores, seja pela redução de seu valor absoluto, seja pela busca de novas tecnologias que substituam trabalho vivo por trabalho morto, o que por sua vez também vai refletir em um aumento da composição orgânica do capital, num processo contraditório em que a lógica de acumulação capitalista coloca a si mesma em xeque. O capital mesmo é a contradição em processo, que tende a reduzir a um mínimo de tempo de trabalho, enquanto que, por outro lado, converte o tempo de trabalho em única medida e fonte de riqueza. (MARX, 1985: p, 229) A substituição de trabalho vivo por trabalho morto cresceu em proporções inéditas a partir da década de 1980, seja por inovações em termo de maquinário e automação da produção, seja por modelos gerenciais e organizativos que ampliam o controle sobre o trabalhador e otimizam a força de trabalho empregada. Essa forma de organização da produção fundada nos moldes toyotistas ou da Terceira Itália, baseados em uma produção flexível 4 e com os olhos voltados para a demanda do mercado, e que de forma geral são conhecidos como reestruturação produtiva, gera no trabalhador insegurança e medo frente à possibilidade iminente do desemprego, o que permite ao capitalista precarizar as relações formais de trabalho, reduzir os direitos dos trabalhadores, e de uma forma geral reduzir ainda mais a massa salarial. Através da pressão da pressão da concorrência, os capitais, portanto, são impelidos a adotar novas técnicas e aumentar a produtividade do trabalho. A lei da determinação do valor pelo tempo de trabalho atua assim como lei coercitiva da concorrência, escreve Marx. (CALLINICOS, 2004). A redução do número de trabalhadores na esfera produtiva cria um exército de reserva que possibilita ao capitalista a pagar um menor salário pela compra da força de trabalho do trabalhador. Isso se dá porque a força de trabalho, assim como qualquer outra mercadoria dentro do capitalismo, possui um valor e um preço. O valor da força 4 Acumulação Flexível: Oriunda de experiências como o Toyotismo Japonês e as formas de organização da produção na chamada Terceira Itália, a chamada Acumulação Flexível se caracteriza principalmente pela substituição dos processos fundados na produção em série e no controle fundamentado no tempo de produção, por uma nova forma produtiva que articula, de um lado, um significativo desenvolvimento tecnológico e, de outro, uma desconcentração produtiva baseada em empresas médias e pequenas artesanais. (ANTUNES, 2000: p. 25).

6 6 de trabalho é determinado, segundo Marx, como todas as outras mercadorias, pela quantidade de trabalho necessário para a sua criação, ou seja, pela quantidade de trabalho necessário para produzir os bens que garantam a reprodução da força de trabalho do trabalhador, como alimentos, educação, um lugar para habitar e criar seus filhos. Já o preço dessa força de trabalho é representado pelo salário, e como todo valor de troca sofre as influências computadas a ele pelo mercado. O preço da força de trabalho é o salário, e como todos os preços de mercado os salários flutuam em resposta aos aumentos e quedas na oferta e na demanda de força de trabalho. A existência do exército industrial de reserva mantém a oferta da força de trabalho o suficiente para impedir que o preço da força de trabalho aumente acima do seu valor. Escreve Marx: Os movimentos gerais dos salários são exclusivamente regulados pela expansão e contração do exército industrial de reserva ". (CALLINICOS, 2004: Disponível em: <http://www.espacoacademico.com.br/038/38tc_callinicos.htm>). Assim, apesar do crescimento da produtividade do trabalho, a parcela do resultado total desse trabalho destinada ao trabalhador não acompanha esse crescimento, pois as pressões exercidas pelo mercado devido à existência do exército industrial de reserva criado pela substituição de trabalho vivo por trabalho morto dentro do processo produtivo. Em termos práticos isso representa um aumento da exploração da força de trabalho mão-de-obra por parte do empresário capitalista, e isto acontece como forma de equilibrar a redução de suas taxas de lucro pelo aumento da composição orgânica do capital. Em um movimento contrário, a fim de manter as garantias e o os valores dos salários a níveis que garantam efetivamente as necessidades de reprodução da classe trabalhadora, e como forma de reduzir a exploração da força de trabalho, está o movimento sindical, que une os interesses de trabalhadores que se reconhecem subjetivamente enquanto classe e buscam na unidade a força para garantir avanços junto à classe capitalista e manter direitos adquiridos pelo trabalhador no decorrer da história.

7 7 Dentre as diversas formas encontradas pelo capitalista para reduzir a massa salarial, sem ir de encontro com as pressões sindicais, estão em formas alternativas de contratação de mão-de-obra, onde encontramos a terceirização, a contratação em período parcial (part-time), e outros 5, cujos desdobramentos são também agudos, no que diz respeito aos direitos do trabalho. Estes são desregulamentados, são flexibilizados, de modo a dotar o capital do instrumental necessário para adequar-se a sua nova fase 6. (ANTUNES, 2000: p. 24). Terceirização Também conhecido como outsourcing, o conceito de terceirização baseia-se na argumentação de que as empresas devem focar seus esforços naquilo que constitui sua atividade-fim delegando a terceiros tudo aquilo que não seja fundamental às atividades e processos que culminam na obtenção de seu produto final. Dessa forma o capitalista conseguiria reduzir custos através de economias de escala, horizontalização da produção e flexibilidade de ação em relação ao mercado. O conceito de terceirização surge segundo Fernandes (2003) como uma possibilidade concreta para se buscar uma vantagem competitiva frente ao mercado. Pode-se dizer que é uma ferramenta estratégica, de uma inovação na categoria de serviços, que vem como aliada à dinâmica do "core competence". Inhoff (2005) destaca a característica da terceirização de buscar fora tudo aquilo que não é essencial e estratégico para a atividade-fim das empresas, ou ainda segundo Martins (2011), consiste a terceirização na possibilidade de contratar terceiro para a realização de atividades que não constituem o objeto principal da empresa. Na verdade a terceirização serve ao empresário capitalista como uma forma de reduzir seus custos com relação ao capital variável, ou trabalho vivo, já que tudo aquilo que entra no processo produtivo como insumos, matéria-prima ou meios de produção para Marx significa capital fixo ou ainda trabalho morto. O Crescimento da Terceirização do Processo de Produção Capitalista 5 Segundo os autores Fergus Murray, em artigo publicado em 1983 em que analisa este processo na Indústria Italiana, tem um claro sentido de combater a autonomia e coesão de setores do operariado italiano, a ponto de chegar mesmo a sugerir uma necessária reconsideração do trabalhador coletivo de massa, tão forte na Itália dos anos 60/70". (Murray, Fergus apud ANTUNES, 2000: p. 28). 6 Fase da Acumulação Flexível.

8 8 As primeiras fases do capitalismo industrial já contaram com formas de subcontratação de força de trabalho: O capitalista distribuía os materiais na base de empreitada aos trabalhadores, para manufatura em suas casas, por meio de subcontratados e agentes em comissão (BRAVERMAN, 1987, p.62 apud SANCHES, 2008: P. 06), mas foi a partir da década de 40 com o advento da Segunda Guerra Mundial que a terceirização enquanto técnica de gestão empresarial ganhou respaldo junto o modo de produção capitalista, se intensificando e ganhando força no período de escassez de mão-de-obra no pós-guerra tanto nos EUA como na Europa, como forma de garantir a reconstrução do continente europeu. Antes da II Guerra Mundial existiam atividades prestadas por terceiros, porém não poderíamos conceituá-las como terceirização, pois somente a partir deste marco histórico é que temos a terceirização interferindo na sociedade e na economia. (CASTRO. 2000: p. 75). No entanto foi a partir das décadas de 1970 e 1980 com as crises de demanda originadas no berço do sistema capitalista e o crescimento do toyotismo japonês e seus princípios de flexibilização da produção com foco na demanda do mercado, que a terceirização ganhou espaço junto ao modo de produção capitalista 7. Associado a conceitos como gestão flexível, just-in-time e qualidade total, voltava o foco da produção capitalista de um sistema baseado na produção em massa, para um sistema mais flexível e adaptável ás necessidades do mercado consumidor. O toyotismo, modelo originário do Japão, no pós-guerra constituiu-se como um modelo eficiente para a superação da crise enfrentada. Pois seus produtos eram mais competitivos, adaptando melhor as crises de demanda em virtude do seu estoque mínimo, relações de trabalho flexível, máquinas simples e trabalho em equipe. (CAMARGO, 2012). No Brasil a terceirização desembarcou no país na década de 1950, trazida pelas empresas multinacionais, principalmente pela indústria automobilística. Segundo Moraes (2003), a política nacionalista do então regime militar de manter a indústria 7 O Toyotismo estrutura-se a partir de um número mínimo de trabalhadores, ampliando-os, através de horas extras, trabalhadores temporários ou subcontratação, dependendo das condições do mercado. (ANTUNES, 2000: p. 36).

9 9 brasileira protegida da concorrência internacional, levou a um tardio desenvolvimento tanto econômico como tecnológico, político, cultural e social. O fim do regime militar e a abertura do mercado brasileiro e o processo de privatização obrigou as empresas brasileiras a se reinventarem a fim de garantirem uma posição competitiva frente à indústria internacional. Era preciso em um curto espaço de tempo recuperar décadas de atraso tecnológico frente à concorrência internacional. A reestruturação produtiva, que tinha como principal política a qualidade total e a terceirização se apresentaram como uma excelente alternativa à crise econômica e política, fazendo da descentralização das atividades a prática mais difundida das organizações. Nesta época observou-se um forte crescimento da terceirização da mão-de-obra, como uma das formas utilizadas pelas empresas, justamente para reduzir custos e aumentar a produtividade. (LIMA NETO. 2008; p.12). A Terceirização no Setor Publico. No setor público brasileiro, a terceirização teve sua gênese ainda na década de 1960 com as discussões provocadas pelo discurso acerca do tamanho da máquina administrativa estatal e que culminaram na Reforma Administrativa do Estado. Já nesta época correntes políticas de cunho neoliberal aconselhavam a delegação de certas atividades que não eram consideradas atividades-fim do estado para empresas de prestação de serviços, devendo o Estado se concentrar naquilo que seria o objeto de suas funções. Na verdade buscava-se trazer para o interior da esfera pública conceitos gestacionais típicos da empresa capitalista, como se a lógica do capital de uma busca incessante pelo lucro e a alto-acumulação devesse também ser incorporada pela esfera pública direcionando suas ações em detrimento da qualidade do serviço prestado ao usuário-cidadão. Portanto, a possibilidade de transferir atividades secundárias a outras pessoas mais competentes pareceu bem mais lucrativa ao Estado, que poderia reduzir o déficit estatal através da diminuição de custos. (ALVES, 2010: p.03)

10 10 A terceirização no setor público nada mais é do que a importação e transferência dos conceitos da terceirização do setor privado para o setor público, com algumas adaptações. (REIS. 2011; p.8-9). É importante salientar aqui que os objetivos que norteiam as ações do Estado não são os mesmos que orientam as ações de uma empresa capitalista. A atividade capitalista está fundamentada na geração de mais-valia e da consequente reprodução ampliada do Capital. O que interessa ao capitalista é a mercadoria enquanto valor de troca, enquanto bem que pode ser vendido no mercado por um valor superior aquele empregado em sua produção e que com isso gere uma ampliação do capital inicial adiantado pelo capitalista no mercado. Já as ações do Estado visam garantir a população bem estar social, qualidade de vida, ou seja, podemos dizer que as ações do estado estão fundamentadas na produção de valores de uso a serem utilizados pela população. Sejam esses bens materiais ou imateriais, o que importa na lógica do estado, é a sua utilidade para o cidadão, não o valor que gerará no mercado enquanto mercadoria. Em outras palavras, a intenção do Estado não é gerar lucro, ou mais valor, mas sim gerar utilidades para a população, em setores em que a lógica do capital não é possível de se realizar com qualidade e a preços acessíveis á toda a população. A transposição da lógica capitalista para estes setores institucionais significa sacrificar em termos de qualidade do serviço prestado, a fim de obter custos menores. A forma encontrada até hoje para suprir as necessidades de serviços, pela contratação de mão-de-obra terceirizada constitui uma ameaça à boa gestão pública, tanto pela ausência de garantias de qualidade dos serviços quanto pela baixa eficiência dos métodos de contratação dos empregados. Hoje terceirização no setor público brasileiro é sinônimo de contratação de cabeças e homens-hora, modalidades que não proporcionam ao administrador público a melhor gestão dos serviços executados (RAMOS, 2009) O processo de terceirização dentro do serviço público não poupa inclusive setores que deveriam primar pela excelência de suas atividades, como as Universidades Federais e Institutos Federais de Ensino. Locais onde a lógica da reprodução capitalista e da redução de custos se choca, de forma evidente, com o objetivo destas instituições

11 11 que é o de oferecer para a sociedade brasileira um ensino de qualidade superior, pesquisas que garantam o avanço tecnológico da nação, a formação continuada de seu corpo acadêmico, e ações de extensão que ofereçam à população local qualidade de vida e ponham os seus profissionais em contato com a realidade local e suas verdadeiras necessidades. Tudo isso demanda investimento, e investimento de longo prazo, cujos retornos não podem ser medidos em valores monetários, e cuja política de redução de custos e precarização do trabalho interferem de forma decisiva na qualidade dos serviços prestados à população. Nas universidades, esse processo [de terceirização] se verificou de forma bastante profunda, levando ao aumento do número de funcionários terceirizados em detrimento do funcionalismo contratado via concurso público. (AUGUSTO, 2010). Outro ponto importante ser abordado e que age como mais um complicador dentro do processo de queda da qualidade do serviço prestado pela administração pública a medida que incorpora a força de trabalho terceirizada dentro de seus quadros de trabalho, tange às relações entre os servidores públicos concursados e os trabalhadores terceirizados, que representam de forma clara um processo de precarização da força de trabalho dentro da gestão pública. A terceirização, como bem denomina Ricardo Antunes, é sinônima de trabalho precarizado, já que as condições destes trabalhadores são deficientes, inferiores. (AMORIM, 2008: p.09). O processo de terceirização dentro da Instituições Federais de Ensino cria um processo de segregação e discriminação social ao colocar lado a lado trabalhadores que executam o mesmo tipo de trabalho, mas que vivenciam realidades diferentes quanto a rendimentos, benefícios e demais garantias obtidas de acordo com a forma de contrato que a ligam a suas atividades. [...] a terceirização age como objeto de exclusão social e discriminação; uma vez que a contratação e remuneração diferenciada para funções e cargos equivalentes desenvolvem comparações inevitáveis entre temporários e efetivos, gerando supostos status dentro da empresa. (ALVES, 2010: p. 08). Além da questão salarial que em si só já é suficiente enquanto objeto gerador de conflitos e discriminação será discutido ainda questões que tangem os direitos

12 12 trabalhistas garantidos pelos servidores públicos e que nem sempre são estendidos aos servidores terceirizados, como adicionais de insalubridade e periculosidade, o uso obrigatório de equipamentos de segurança individual, acesso a instalações de convívio e apoio social, como academias, restaurante universitário e cursos e formação e aperfeiçoamento. Todos estes fatores de conflito resultantes de um processo crescente de precarização da força de trabalho são fatores que influenciam diretamente na qualidade do serviço prestado Este é o objeto deste trabalho, analisar as formas como a terceirização vem adentrando setores da administração pública ligados à educação, buscando incorporar a este uma lógica capitalista de gestão que persegue, de modo sistemático, a redução de custos em detrimento da qualidade do serviço prestado ao cidadão. Para levar adiante esta análise, tomaremos como universo de trabalho a Universidade Federal de Uberlândia (UFU), no período que parte dos anos 2000 até os dias atuais, onde podemos identificar um processo de franca terceirização de diversos setores operacionais e administrativos, apresentando um crescimento evidente do número de trabalhadores terceirizados dentro de seus postos de trabalho. Dados atualizados até o mês de março de 2012, apontam para um total de trabalhadores terceirizados presentes na UFU, preenchendo mais de 34 cargos diferentes em praticamente todos os setores da universidade, e oriundos de 15 empresas distintas contratadas pela administração superior 8. No próximo tópico procuraremos apresentar uma radiografia do crescimento da terceirização dentro da universidade Federal de Uberlândia, bem como apresentar alguns índices que podem apontar para a confirmação da hipótese tratada por esta pesquisa, de como a lógica gestacional neoliberal invade a administração pública provocando uma consequente queda da qualidade do ensino prestado por estas instituições. ANÁLISE DE DADOS 8 Dados disponíveis no Portal da Transparência da UFU. Disponível em: <http://www.transparencia.ufu.br/node/59>. Acesso em 05/10/2012.

13 13 Nesta seção trataremos de alguns dados levantados junto aos Relatórios de Gestão da universidade federal de Uberlândia, referente aos anos 2000 a 2011, e que estão disponibilizados no Portal Transparência da UFU 9, e que possuem o intuito de tentar mostrar de forma sistemática o crescimento da utilização da força de trabalho terceirizada, principalmente após o ano de 2007 com a implantação do REUNI. O REUNI, ou Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais, foi uma iniciativa do governo Lula no sentido de: ampliar o acesso e a permanência na educação superior. Com o Reuni, o governo federal adotou uma série de medidas para retomar o crescimento do ensino superior público, criando condições para que as universidades federais promovam a expansão física, acadêmica e pedagógica da rede federal de educação superior. Os efeitos da iniciativa podem ser percebidos pelos expressivos números da expansão, iniciada em 2003 e com previsão de conclusão até As ações do programa contemplam o aumento de vagas nos cursos de graduação, a ampliação da oferta de cursos noturnos, a promoção de inovações pedagógicas e o combate à evasão, entre outras metas que têm o propósito de diminuir as desigualdades sociais no país. O Reuni foi instituído pelo Decreto nº 6.096, de 24 de abril de 2007, e é uma das ações que integram o Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE). (O QUE É O REUNI, 2010) O principal foco do REUNI é a expansão do número de vagas nas Instituições federais de Ensino, mas como o plano não previa uma proporcional ampliação do número de servidores, principalmente de servidores técnicos, a solução criada por diversas instituições, inclusive a UFU, foi de recorrer à terceirização como forma de adequar o seu quadro às novas necessidades que a expansão proposta pelo REUNI requeria. No Gráfico 01 podemos visualizar o crescimento do número de alunos regularmente matriculados nos cursos de graduação e pós-graduação da UFU, onde é visível o crescimento acentuado a partir de 2007, ano de implantação do REUNI no âmbito da UFU. Já no Gráfico 02 podemos visualizar o crescimento do número de servidores no mesmo período, tanto docentes quanto técnico administrativos. É claro o descompasso entre a evolução de ambos os números dentro do período analisado, sendo que o crescimento do número de servidores não acompanhou na mesma proporção o crescimento do número de alunos matriculados. Somando-se a isso o crescimento do 9 Disponível em: <http://www.transparencia.ufu.br/node/59>. Acesso em 05/10/2012.

14 14 número de cursos e de secretarias acadêmicas, temos a conclusão lógica que a demanda de trabalho sobre os servidores cresceu na proporção direta do crescimento da diferença entre os dois números. Uma forma simples de se medir este crescimento marginal sobre a demanda de trabalho excedente sobre ao servidores está na relação direta de número de alunos para cada servidor ativo, e pode ser vista graficamente no Gráfico 03. Por este gráfico, podemos visualizar o crescimento da relação entre o número de alunos matriculados e o número de docentes e técnicos administrativos no mesmo período, e assim visualizar o crescimento da demanda de trabalho sobre a média dos servidores, que quase dobrou neste período. Gráfico 01 Alunos regularmente matriculados nos cursos de graduação e pós-graduação na UFU. FONTE: Relatório de Gestão UFU, (2000 a 2011). Disponível em: <http://www.transparencia.ufu.br/node/59>. Acesso em 05/10/2012. Gráfico 02 Número de servidores docentes e técnicos da UFU. FONTE: Relatório de Gestão UFU, (2000 a 2011). Disponível em: <http://www.transparencia.ufu.br/node/59>. Acesso em 05/10/2012.

15 15 Gráfico 03 Número de alunos por servidores docentes e técnicos da UFU. FONTE: Relatório de Gestão UFU, (2000 a 2011). Disponível em: <http://www.transparencia.ufu.br/node/59>. Acesso em 05/10/2012. É claro pela análise dos gráficos que temos um acentuado crescimento da relação entre o número de alunos regularmente matriculados e o número de servidores, tanto docentes como técnicos administrativos, e uma forma de minimizar esta diferença foi dada pela contratação de força de trabalho terceirizada. No Gráfico 04 vemos o crescimento do número absoluto de servidores terceirizados na UFU desde o ano de Os dados dos anos anteriores não estão disponíveis no Portal Transparência da UFU, mas foi solicitado via Acesso à Informação devendo estar disponíveis para a continuidade da análise que este trabalho se dispõe a realizar dentro da série histórica prevista, ou seja, a partir dos anos Gráfico 04 Número de trabalhadores terceirizados na UFU. FONTE: Relatório de Gestão UFU, (2000 a 2011). Disponível em: <http://www.transparencia.ufu.br/node/59>. Acesso em 05/10/2012.

16 16 CONCLUSÃO Os números apresentados na seção anterior por si só já demonstram que os servidores terceirizados passam a substituir a força de trabalho concursada, na medida em que o crescimento do número de servidores docentes e técnicos não acompanham, na mesma proporção, o crescimento das vagas criadas pelo REUNI a partir de A solução utilizada pela gestão para que minimizasse esta diferença foi a contratação de força de trabalho terceirizada, como forma de viabilizar a implantação dos novos cursos e de desafogar a demanda gerada sobre os servidores ativos. A intenção desse trabalho, a partir deste ponto, é analisar como a introdução desta força de trabalho precarizada, como forma de substituição de servidores concursados, vai afetar a qualidade do ensino e dos serviços prestados pelas IFE s e em particular a Universidade Federal de Uberlândia. Para tal aprofundaremos no mapeamento dessa força de trabalho dentro da UFU, buscando qualifica-la e compará-la à força de trabalho dos servidores efetivos, para assim poder demonstrar como a primeira não irá conseguir desempenhar, em iguais condições, as habilidades necessárias para o pleno funcionamento da instituição como um todo. Buscaremos ainda comparar as duas diferentes forças de trabalho em aspectos como formação, comprometimento com os objetivos das IFE s e nível de organização e representatividade como formas de caracterização e qualificação do serviço prestado e assim demonstrar que a transferência da lógica de produção da esfera privada impacta de forma negativa na qualidade do serviço prestado na IFE s, cuja lógica de existência não se baseia na minimização de custos, mas sim na maximização da qualidade do serviço prestado à população.

17 17 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, Osvaldo Nunes. Terceirização de Serviços na Administração Pública Disponível em: <http://portal2.tcu.gov.br/portal/pls/portal/docs/ pdf>. Acesso em 10/08/2012. AMORIM, Andressa Silva de. Terceirização e desidentidade sindical: uma (ou mais uma?) estratégia ideológica do capital. Revista da RET, Ano 01, N. 02, Disponível em: <http://www.estudosdotrabalho.org/pdfs_rret2/artigo8_2.pdf>. Acesso em 04/05/2012. ANTUNES, Ricardo. ALVES, Giovanni. As Mutações no Mundo do Trabalho na era da Mundialização do Capital. In: Educação e Sociedade, Campinas, vol. 25, n. 87, p , maio/ago Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em 26/04/2011. ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as Metamorfoses e a Centralidade do Mundo do Trabalho, 8ª Edição. Campinas. Cortez Editora, AUGUSTO, André. Rotatividade e Terceirização do Trabalho nas Universidades: Alguns Exemplos Práticos In: Revista Iskra. Revista de Teoria e Política Marxista. Disponível em: <http://iskrarevista.blogspot.com.br/2010/05/rotatividade-eterceirizacao-do.html>. Acesso e 02/04/2012. CALLINICOS, Alex. Introdução ao Capital de Karl Marx. Revista Espaço Acadêmico, N. 38, Disponível em: <http://www.espacoacademico.com.br/038/38tc_callinicos.htm>. Acesso em 16/04/2012. CAMARGO, Márcio Lima. Trabalho Enquanto Categoria Fundante na Existência Humana e Atual Fase da Reestruturação Produtiva do Capital. In: I Seminário de Crítica da Economia Política: questões contemporâneas, Teófilo Otoni. Anais do I Seminário de Crítica da Economia Política: questões contemporâneas. Disponível em: <http://www.secep.com.br/arquivos/trabalho_enquanto_categoria_fundante_na_existen cia_humana_e_atual_fase_de_reestruturacao_produtiva_do_capital.pdf>. Acesso em 16/09/2012. CASTRO, de Rubens Ferreira. A terceirização no Direito do Trabalho. São Paulo: Malheiros, FERNANDES, Jorge Ulisses Jacoby. A Terceirização no Serviço Público. 1997, Disponível em <http://www.angelfire.com/ut/jurisnet/art10.html> Acesso em 11/04/2012. INHOFF, Márcia Moraes. MORTARI, Aline Perico. Terceirização, Vantagens e Desvantagens para as Empresas. In Revista Eletrônica de Contabilidade. Edição

18 18 Especial do 1º Simpósio de Iniciação Científica dos Cursos de Ciências Contábeis de Santa Maria. Universidade Federal de Santa Maria, julho de LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. 7ª. Ed. São Paulo: Atlas, LIMA NETO, Walmir Maia Rocha. Quando a Terceirização não funciona; a primeirização" das atividades de manutenção industrial na Caraíba Metais. Dissertação (mestrado profissional). Universidade Federal da Bahia. Escola de Administração MARTINS, Sérgio Pinto. A Terceirização e o direito do trabalho. São Paulo: Atlas, MARX, K. O Capital Livro I. São Paulo: Nova Cultural, A miséria da filosofia. 1ª edição. São Paulo: Global O QUE é o REUNI Disponível em: <http://reuni.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=25&itemid =28>. Acesso em 10/06/2012. RAMOS. Alexandre Luiz. Acumulação Flexível, Toyotismo e Desregulamentação do Direito do Trabalho Disponível em: <http://www.cefetsp.br/edu/eso/globalizacao/toyotismodireito.html>. Acesso em 10/08/2012. REIS, Fátima dos. A reforma do Estado brasileiro no período de 1995 a 2002: reconfiguração da administração e dos serviços públicos e seus reflexos na Universidade Federal de Goiás-UFG. Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Goiânia, RELATÓRIO de Gestão UFU Disponível em: <http://www.transparencia.ufu.br/node/59>. Acesso em 05/10/2012. SANCHES. Ana Tércia. A terceirização diante da noção de trabalhador coletivo em Marx. In: Simpósio Lutas Sociais na América Latina, 3, Londrina. Anais do III Simpósio Lutas Sociais na América Latina. Disponível em: < Acesso em 11/05/2012.

Liberalismo E A Terceirização No Setor Público Brasileiro: Um Estudo Acerca Da Terceirização Na Universidade Federal De Uberlândia.

Liberalismo E A Terceirização No Setor Público Brasileiro: Um Estudo Acerca Da Terceirização Na Universidade Federal De Uberlândia. Liberalismo E A Terceirização No Setor Público Brasileiro: Um Estudo Acerca Da Terceirização Na Universidade Federal De Uberlândia. Ricardo Margonari da Silva 1 RESUMO O presente trabalho visa relacionar

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade.

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade. O TRABALHO VOLUNTÁRIO NO ÂMBITO DO SETOR PRODUTIVO PRIVADO: REFLEXÕES SOBRE OS NOVOS DISPOSITIVOS DA REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA MIRANDA, Aline Barbosa UFU alinebarbosas@yahoo.com.br SILVA, Maria Vieira UFU

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

TERCERIZAÇÃO NO SETOR PÚBLICO CONTEXTO DA TERCEIRIZAÇÃO NO SETOR PÚBLICO BRASILEIRO RESUMO

TERCERIZAÇÃO NO SETOR PÚBLICO CONTEXTO DA TERCEIRIZAÇÃO NO SETOR PÚBLICO BRASILEIRO RESUMO TERCERIZAÇÃO NO SETOR PÚBLICO CONTEXTO DA TERCEIRIZAÇÃO NO SETOR PÚBLICO BRASILEIRO RESUMO 1 Ricardo Margonari da Silva 1 Este estudo teve por objetivo fazer uma breve análise do ponto de vista estratégico,

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG)

TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG) TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG) Igor Silva Figueiredo 1 Igor.figueiredo@gmail.com Este trabalho consiste numa pesquisa

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

Mudanças na forma de organização do trabalho

Mudanças na forma de organização do trabalho Mudanças na forma de organização do trabalho Jaqueline Lopes 1 Resumo: A importância de falar sobre as mudanças que vem ocorrendo ao longo dos séculos no mundo do trabalho, é que essas mudanças têm como

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

Mulher e trabalho: um debate necessário no contexto das políticas neoliberais

Mulher e trabalho: um debate necessário no contexto das políticas neoliberais Anais do I Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, ISSN 2177-8248 Universidade Estadual de Londrina, 24 e 25 de junho de 2010 GT 7. Gênero e Trabalho Coord. Anne Grace Gomes Mulher e trabalho:

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo 1 PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Viviane Dias Uerj diasviviane01@hotmail.com Melissa Machado Uerj melissagmac@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Fórum Região Sul. EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária. Curitiba. 7 a 9 de julho de 2015. Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ

Fórum Região Sul. EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária. Curitiba. 7 a 9 de julho de 2015. Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ Fórum Região Sul Curitiba 7 a 9 de julho de 2015 EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ Para lembrar... A Reforma Sanitária Brasileira, ao postular

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

DEFICIÊNCIA E TRABALHO: o caso Mato Grosso do Sul Samira Saad Pulchério Lancillotti

DEFICIÊNCIA E TRABALHO: o caso Mato Grosso do Sul Samira Saad Pulchério Lancillotti DEFICIÊNCIA E TRABALHO: o caso Mato Grosso do Sul Samira Saad Pulchério Lancillotti Os anos 90 foram marcados por profundas mudanças na economia mundial e o Brasil respondeu a esses mesmos condicionantes.

Leia mais

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE A POLÍTICA DA ECONOMIA SOLIDÁRIA Luara Caiana Sousa e Silva INTRODUÇÃO O processo de reestruturação

Leia mais

3. Experiências de Reformas Administrativas

3. Experiências de Reformas Administrativas A Máquina Administrativa no Brasil: da Burocracia à New Public Management 3. Experiências de Reformas Administrativas - 1930/45 A Burocratização da Era Vargas. - 1956/60 A Administração Paralela de JK.

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO Marcia Akemi Yamada 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Resumo Uma das premissas do trabalho docente na Instituição do Ensino Superior (IES) é a produção

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO ACIOLI, Maria de Fátima da Costa Lippo - UFBA GT: Trabalho e Educação/n. 09 Agência Financiadora: não contou com financiamento 1 - Tempos e Movimentos

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ-MG

A TERCEIRIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ-MG A TERCEIRIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ-MG RAFAEL GUEDES DOS REIS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas - FACESM faelguedes_91@hotmail.com HECTOR GUSTAVO ARANGO Faculdade

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS Bruno Aguilar da Cunha 1, Diego Alamino de Oliveira 2 1,2 FATEC SOROCABA - Faculdade de Tecnologia de Sorocaba José Crespo Gonzales 1 bruno.cunha2@fatec.sp.gov.br,

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA Neide Tiemi Murofuse 1 Rejane Rodrigues da Silva 2 INTRODUÇÃO: A área da Saúde do Trabalhador surge no contexto do Movimento

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado 20 Anos de SINDEEPRES Anos de Terceirização no Brasil Seminário 20 Anos de Terceirização no Brasil SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado Marcio Pochmann www.sindeepres.org.br Relações do trabalho

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Refere-se ao conjunto de atividades desenvolvidas pelo professor/pesquisador no âmbito das relações estabelecidas com a instituição de ensino, considerando seus fins

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

ASSISTÊNCIA. AUFLA foi uma das instituições mapeadas ESTUDANTIL

ASSISTÊNCIA. AUFLA foi uma das instituições mapeadas ESTUDANTIL ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL AUFLA foi uma das instituições mapeadas por uma pesquisa realizada em 2010 pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), que resultou

Leia mais

1 Este subtítulo se reporta ao texto de Antonio Gramsci: Homens ou Máquinas, que na qual o autor nos fala

1 Este subtítulo se reporta ao texto de Antonio Gramsci: Homens ou Máquinas, que na qual o autor nos fala 1 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE NAS UNIVERSIDADES CORPORATIVAS: CRIAÇÃO DE MONSTROS ÁRIDOS, DE OLHOS ÁGEIS E MÃOS FIRMES 1? RIBEIRO, Nayla Cristine Ferreira FIOCRUZ GT-09: Trabalho e Educação Agência

Leia mais

Neoliberalismo e Crise da Educação Pública. ILAESE Instituto Latino-Americano de Estudos Sócio-Econômicos

Neoliberalismo e Crise da Educação Pública. ILAESE Instituto Latino-Americano de Estudos Sócio-Econômicos Neoliberalismo e Crise da Educação Pública Instituto Latino-Americano de Estudos Sócio-Econômicos Objetivos Análise dos princípios neoliberais e da aplicação da sua política no Brasil, principalmente no

Leia mais

PARA ALÉM DOS CONFLITOS: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AOS IMPACTOS DAS RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO

PARA ALÉM DOS CONFLITOS: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AOS IMPACTOS DAS RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO PARA ALÉM DOS CONFLITOS: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AOS IMPACTOS DAS RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO Christiani Cassoli Bortoloto Lopes Marilia Borges Claudia Debora Picolli Claudimara

Leia mais

Inclusão dos alunos com deficiência no ensino superior: uma análise das universidades brasileiras e portuguesas

Inclusão dos alunos com deficiência no ensino superior: uma análise das universidades brasileiras e portuguesas Inclusão dos alunos com deficiência no ensino superior: uma análise das universidades brasileiras e portuguesas Profª Ms. Cristiane da Silva Santos Profª Dra. Mara Rúbia Alves Marques Prof. Dr. Eugénio

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Seminário realizado pela DS Campinas/Jundiaí debate as mudanças tecnológicas e relações de trabalho na RFB

Seminário realizado pela DS Campinas/Jundiaí debate as mudanças tecnológicas e relações de trabalho na RFB Seminário realizado pela DS Campinas/Jundiaí debate as mudanças tecnológicas e relações de trabalho na RFB As mudanças na rotina de trabalho provocadas pelo avanço da tecnologia e seus impactos nas relações

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica Lillian Garcez Santos 1 Marcus Vinícius Patente Alves 2 RESUMO O número de pessoas acima de

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo 2015 2º

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo 2015 2º Professor(es) UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO Ano Semestre Letivo 2015 2º 1. IDENTIFICAÇÃO: Código: 1.1. Disciplina:

Leia mais

TÍTULO: A TERCEIRIZAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ - MG

TÍTULO: A TERCEIRIZAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ - MG Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A TERCEIRIZAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ - MG CATEGORIA:

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

O Princípio da Eficiência na Administração Pública

O Princípio da Eficiência na Administração Pública O Princípio da Eficiência na Administração Pública Cristiane Fortes Nunes Martins 1 1. Introdução A Administração Pública é regida por princípios que se encontram discriminados na Constituição Federal

Leia mais

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013 Análise das relações trabalhistas no Brasil e em diferentes países Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ São Paulo 15/07/2013 1. Introdução 2. Estados

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM O MUNDO DO TRABALHO

GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM O MUNDO DO TRABALHO GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM O MUNDO DO TRABALHO Maria Christine Berdusco Menezes Faculdade Estadual de Educação, Ciências e Letras de Paranavaí O modelo de gestão democrática na educação

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE APOIO EM FÍSICA E MATEMÁTICA DA UFSM - GAFM

RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE APOIO EM FÍSICA E MATEMÁTICA DA UFSM - GAFM ISSN 2177-9139 RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE APOIO EM FÍSICA E MATEMÁTICA DA UFSM - GAFM Samuel Sonego Zimmermann - samuel.sonego.zimmermann@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria, Campus

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

A EDUCAÇÃO SUPERIOR ENQUANTO MERCADORIA NO BRASIL 1

A EDUCAÇÃO SUPERIOR ENQUANTO MERCADORIA NO BRASIL 1 A EDUCAÇÃO SUPERIOR ENQUANTO MERCADORIA NO BRASIL 1 Andréa Carla Pereira dos Santos Almeida 2 Resumo Este artigo se propõe a realizar uma contextualização que contemple a perspectiva da educação superior

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS CRÍTICAS À TEORIA DO CAPITAL HUMANO: UMA CONTRIBUIÇÃO À ANÁLISE DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO Camila Fernandes da Costa UFRN - fernandes.camila23@yahoo.com.br Emerson Nunes de Almeida UFRN - nunespedagogo@yahoo.com.br

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje?

Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje? Estudos do Trabalho Ano II. Nº 3-2008. Revista da RET Rede de Estudos do Trabalho www.estudosdotrabalho.org Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje? Ricardo Antunes Professor da Universidade Estadual

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Número 31 - Agosto 2006 Nota Técnica. Redução da jornada normal de trabalho versus horas extras

Número 31 - Agosto 2006 Nota Técnica. Redução da jornada normal de trabalho versus horas extras Número 31 - Agosto 2006 Nota Técnica Redução da jornada normal de trabalho versus horas extras Redução da jornada normal de trabalho versus horas extras Introdução Em 2001, as Centrais Sindicais brasileiras

Leia mais

Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil.

Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil. A FORMAÇÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA NO BRASIL Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil. A sociedade brasileira

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO VINICIUS SANTOS FERNANDES 1 Atualmente, a universidade brasileira tem sido

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DEPENDE DA OUSADIA DOS SEUS AGENTES, DA OUSADIA DE CADA INSTITUIÇÃO EM ASSUMIR-SE COMO TAL, PARTINDO DA CARA QUE TEM, COM O SEU COTIDIANO E O SEU

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Filosofia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Introdução à Filosofia, o estudo da filosofia;

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR E TRABALHO NO CONTEXTO NEOLIBERAL

EDUCAÇÃO ESCOLAR E TRABALHO NO CONTEXTO NEOLIBERAL EDUCAÇÃO ESCOLAR E TRABALHO NO CONTEXTO NEOLIBERAL Débora Baptista da Rocha Segantine 1 Janete Bernardo do Nascimento Marcelino 2 1. INTRODUÇÃO Aproximar nessa discussão educação escolar e trabalho, se

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA

FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA CURSO DE ENFERMAGEM MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) AV. José de Grande, 332 Marília - SP FONE (14) 34021813 e.mail: serie3e4enf@famema.br http://www.famema.br

Leia mais

Análise Setorial de Emprego

Análise Setorial de Emprego Análise Setorial de Emprego Maio de 2015 Ficha Técnica Governador do Estado de Minas Gerais Fernando Pimentel Secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social André Quintão Secretária Adjunta

Leia mais