Organização e Arquitetura de Computadores. A Arquitetura no nível da lógica digital Prof.: Hugo Barros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Organização e Arquitetura de Computadores. A Arquitetura no nível da lógica digital Prof.: Hugo Barros"

Transcrição

1 Organização e Arquitetura de Computadores A Arquitetura no nível da lógica digital Prof.: Hugo Barros

2 Portas Lógicas e Álgebra de Boole Circuitos digitais o Construídos a partir de um pequeno número de elementos primitivos - as portas lógicas. o As portas lógicas são usadas para implementar fisicamente álgebra de boole. o Forma a base da construção do hardware a partir do qual todos os circuitos são contruídos.

3 Portas lógicas

4 Portas Lógicas 2 Principais tipos de tecnologias utilzadas na construção de portas lógicas o a bipolar, que pode ser do tipo TTL (TransistorTransistor Logic) ou ECL (Emitted-Coupled Logic) o a MOS (Metal Oxide Semiconcuctor) com seus derivados PMOS, NMOS e CMOS As portas TTL são mais rápidas que as ECL que, por sua vez, são mais rápidas que as MOS As portas MOS são mais lentas mas tem menor consumo (muito usadas em memórias)

5 Álgebra Booleana

6 Álgebra Booleana Usada para desenvolver operações com números digitais. Funções Booleanas: Uma relação que mapeia um conjunto de entradas digitais. Ex.: A,B,C..., em uma saída M. M = f(a, B, C,...) Onde M pode ser definida por uma equação booleana ou uma tabela verdade. Qualquer função booleana pode ser implementada como circuito digital.

7 Álgebra Booleana

8 Implementação de Funções Booleanas Na implementação de função booleanas usam-se portas lógicas básicas do tipo AND, OR, NOT, NAND, NOR.

9 Implementação de Funções Booleanas

10 Equivalência de Circuitos Duas funções booleanas são equivalentes se geraram saídas iguais para todas as entradas possíveis. Por questões de custos, consumo de energia, confiabilidade, etc..., projetistas de circuitos digitais procuram implementar os circuitos mais simples possíveis.

11 Equivalência de Circuitos

12 Circuitos Lógicos Digitais Básicos Circuitos Integrados Chip pedaço quadrado de silício. Composto por um conjunto de portas lógicas.

13 Circuitos Lógicos Digitais Básicos Classificação: Circuito SSI (Small Integration Scale): de 1 a 10 portas lógicas Circuito MSI (Medium Integration Scale): de 10 a 100 portas lógicas Circuito LSI (Large Integration Scale): de 100 a portas lógicas Circuito VLSI (Very Large Integration Scale): > portas lógicas

14 Ciruitos Combinacionais As as saídas são determinadas exclusivamente pelos valores de suas entradas. Circuitos combinacionais mais usados em projeto de processadores são: Multiplexadores Decodificadores Comparadores Matrizes lógicas programáveis

15 O circuito multiplexador O Mux contém 2n entradas de dados, n entradas de controle e1 saída.

16 Aplicações típicas do MUX Implementação de qualquer função booleana Conversão paralelo-série: Modificando sequencialmente as linhas de controle, os dados de entrada são colocados, em série, na linha de saída.

17 DEMUX

18 Decodificador Recebe um número n de bits. E faz a seleção de de uma das suas 2ⁿ saídas. Uma de suas aplicações é o endereçamento de memória. O Dual decodificador é o Codificador.

19 Circuito Comparador Compara duas palavras colocadas nas suas entradas. Quando as palavras são iguais sua saída é igual a 1 Quando as palavras são diferentes sua saída é igual a 0 Os circuitos comparadores são usados principalmente para execução de instruções condicionais, do tipo if, e instruções de loop, do tipo while e for

20 Matrizes Lógicas Programáveis Serve para a programação de circuitos genéricos; Ultiliza fuzíveis queimados à alta tensão pra determinar a função a ser calculada.

21 Circuitos Aritméticos Circuitos que realizam operações lógicas e aritméticas no processador.

22 Deslocadores Um circuito deslocador tem um conjunto de n linhas de entradas e n linhas de saída e 1 linha de controle. Os valores colocados nas linhas de entrada são enviados para as linhas de saída deslocados de 1 bit, para a direita ou para a esquerda, dependendo do valor da linha de contrôle estar em 1 ou 0 respectivamente.

23 Somadores Meio-Somador Um circuito meio somador de 2 entradas com sua tabela verdade é mostrado na figura abaixo. Esse circuito realiza a soma de suas duas entradas A e B gerando, como saída, o valor da soma e de um bit de transporte (o "vai 1" da soma).

24 Somador Completo Esse circuito realiza a soma de suas duas entradas A e B com um bit de transporte de entrada, o "vem 1" da soma. Ele gera, como saída, o valor da soma e de um bit de transporte (o "vai 1" da soma).

25 Unidade Lógica Aritmética

26 Unidade Lógica e Aritmética É capaz de realizar as operações lógicas NOT, AND, OR e a soma aritmética

27 CLOCK Um clock é um circuito que emite uma série de pulsos do mesmo tamanho, a intervalos precisos entre pulsos consecutivos.

28 CLOCK A frequência do clock, 1/T, é medida em unidades de Hz (MHZ, GHZ, etc..,) e é controlada por um oscilador a cristal para se obter uma precisão razoável.

29 CLOCK Simétricos/Assimétricos

30 Próxima aula... Memória

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Nível da Lógica Digital (Aula 6) Portas Lógicas e Lógica Digital Nível da Lógica Digital Estudar vários aspectos da lógica digital Base de estudo para os níveis mais elevados da hierarquia das máquinas

Leia mais

Transistor. Portas Lógicas (2) Base; Coletor; Emissor.

Transistor. Portas Lógicas (2) Base; Coletor; Emissor. Nível da Lógica Digital Nível da Lógica Digital (Aula 6) Portas Lógicas e Lógica Digital Estudar vários aspectos da lógica digital Base de estudo para os níveis mais elevados da hierarquia das máquinas

Leia mais

Prof. Leonardo Augusto Casillo

Prof. Leonardo Augusto Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Aula 4 Portas Lógicas Prof. Leonardo Augusto Casillo Analisando o circuito (1)... A Acesa Apagada S Apagada Acesa O emissor do transistor

Leia mais

CIRCUITOS INTEGRADOS. Professor Adão de Melo Neto

CIRCUITOS INTEGRADOS. Professor Adão de Melo Neto CIRCUITOS INTEGRADOS Professor Adão de Melo Neto R = RESISTÊNCIA É A OPOSIÇÃO A CIRCULAÇÃO DA CORRENTE GERADA POR UMA TENSÃO OU DIFERENÇA DE POTENCIAL (medido em ohms) I = CORRENTE FLUXO DE ELÉTRONS DO

Leia mais

UFMG DCC Álgebra de Boole. Slides ligeiramente adaptados daqueles do professor Osvaldo Farhat de Carvalho, DCC, UFMG

UFMG DCC Álgebra de Boole. Slides ligeiramente adaptados daqueles do professor Osvaldo Farhat de Carvalho, DCC, UFMG UFMG DCC001 2013-1 1 Álgebra de Boole Slides ligeiramente adaptados daqueles do professor Osvaldo Farhat de Carvalho, DCC, UFMG UFMG DCC001 2013-1 2 Bits e informação Representamos números, caracteres,

Leia mais

Multiplexadores e Demultiplexadores

Multiplexadores e Demultiplexadores Multiplexadores e Demultiplexadores Multiplexador (MUX) é um circuito combinacional dedicado com a finalidade de selecionar, por meio de variáveis de seleção, uma de suas entradas, conectando-a à uma saída.

Leia mais

Eletrônica Digital. Funções lógicas, álgebra de boole e circuitos lógicos combinacionais básicos. Professor: Francisco Ary

Eletrônica Digital. Funções lógicas, álgebra de boole e circuitos lógicos combinacionais básicos. Professor: Francisco Ary Eletrônica Digital Funções lógicas, álgebra de boole e circuitos lógicos combinacionais básicos Professor: Francisco Ary Introdução Vimos na aula anterior conversão de números binário fracionários em decimal;

Leia mais

13 CIRCUITOS DIGITAIS MOS

13 CIRCUITOS DIGITAIS MOS 13 CIRCUITOS DIGITAIS MOS 13.1. CONCEITOS BÁSICOS 13.1.1. Tecnologias de CIs Digitais e Famílias de Circuitos Lógicos Cada família é fabricada com uma mesma tecnologia, possui a mesma estrutura e oferece

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA PLANO DE ENSINO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA ELETRÔNICA DIGITAL I Validade: A partir de 0/0. Departamento Acadêmico de Engenharia Elétrica Código SELD101 Carga Horária total: 90h Teórica: 0h Laboratório: 30h Exercício: 00h Créditos: 0

Leia mais

UFMT. Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO

UFMT. Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO UFMT 1) IDENTIFICAÇÃO: Disciplina: Lógica Matemática e Elementos de Lógica Digital Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso:

Leia mais

Opções de Design para Circuitos Integrados CMOS

Opções de Design para Circuitos Integrados CMOS Opções de Design para Circuitos Integrados CMOS Para implementar um circuito integrado (CI) em CMOS é possível escolher entre as múltiplas possibilidades existentes no mercado. A escolha deve ser feita

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 18

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 18 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 18 Índice 1. Álgebra Booleana e Portas lógicas - Continuação...3 1.1. Exemplos de Circuitos Básicos - II... 3 1.1.1. Somador completo... 3 1.1.2. Relógios... 4 2. Glossário...4

Leia mais

Nome...Nota... T /R,COUNT

Nome...Nota... T /R,COUNT FEI NE 7720/772 - Prova P2 Sistemas Digitais II - 28/11/07 Turma A Tempo 80min - Sem consulta Permitido o uso de calculadora científica Interpretação faz parte da prova. Nome...Nota... N.o N.o da Lista

Leia mais

CIRCUITOS INTEGRADOS E VLSI

CIRCUITOS INTEGRADOS E VLSI CIRCUITOS INTEGRADOS E VLSI ALUNOS ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS André, Andreia Aquino, Gabriele Aquino e Renato Junior O QUE SÃO OS CIRCUITOS INTEGRADOS? Os circuitos integrados (microchip, chip

Leia mais

Implementação de Funções Lógicas com Circuitos Integrados

Implementação de Funções Lógicas com Circuitos Integrados Implementação de Funções Lógicas com Circuitos Integrados Simbologias: Clássica e IEEE/ANSI Famílias Lógicas Existem várias tecnologias para fabricar circuitos integrados digitais, conhecidas por famílias

Leia mais

ENGC40 - Eletrônica Digital

ENGC40 - Eletrônica Digital ENGC40 - Eletrônica Digital 1 a Lista de Exercícios Prof. Paulo Farias 1 de setembro de 2011 1. A Figura 1 mostra um circuito multiplicador que recebe dois números binários x 1 x 0 e y 1 y 0 e gera a saída

Leia mais

Sistemas Digitais Planificação das aulas teóricas e aulas práticas Ano Lectivo 2006/ 2007

Sistemas Digitais Planificação das aulas teóricas e aulas práticas Ano Lectivo 2006/ 2007 s Teóricas Docente: Ana Cristina Sistemas Digitais Planificação das aulas teóricas e aulas práticas Ano Lectivo 2006/ 2007 Horário: Quinta-feira das 18h00 às 20h00 (sala O106) OT das 17h00 às 18h00 (sala

Leia mais

Definição. Elemento com uma ou mais entradas que produz um sinal de saída, função dos valores presentes na entrada.

Definição. Elemento com uma ou mais entradas que produz um sinal de saída, função dos valores presentes na entrada. Portas Lógicas Definição Elemento com uma ou mais entradas que produz um sinal de saída, função dos valores presentes na entrada. sinal de saída e o sinal de entrada tem a mesma característica eléctrica

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL UFPA / ITEC / FEE LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Professor: Daniel Cardoso Circuitos Integrados e Famílias Lógicas TTL e CMOS A implementação de circuitos lógicos com dispositivos discretos (diodos,

Leia mais

CI's das família TTL e CMOS

CI's das família TTL e CMOS Aula 04 CI's das família TTL e CMOS Prof. Tecgº Flávio Murilo 30/04/13 1 Famílias lógicas O que diferencia as famílias lógicas é o material no qual os circuitos integrados são construídos. RTL - Lógica

Leia mais

Processador: Conceitos Básicos e Componentes

Processador: Conceitos Básicos e Componentes Processador: Conceitos Básicos e Componentes Cristina Boeres Instituto de Computação (UFF) Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Material baseado nos slides de Fernanda Passos Cristina Boeres (IC/UFF)

Leia mais

Organização de Computadores. 1. Calcule a corrente elétrica e a tensão em cada resistor no circuito abaixo

Organização de Computadores. 1. Calcule a corrente elétrica e a tensão em cada resistor no circuito abaixo Organização de Computadores NOME: 1. Calcule a corrente elétrica e a tensão em cada resistor no circuito abaixo 2. Identifique os componentes eletrônicos abaixo e suas funções 2. O que é um circuito Integrado?

Leia mais

Circuitos Lógicos Capítulo 3 Portas Lógicas e Álgebra Booleana Parte II

Circuitos Lógicos Capítulo 3 Portas Lógicas e Álgebra Booleana Parte II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI Circuitos Lógicos Capítulo 3 Portas Lógicas e Álgebra Booleana Parte II Prof. Davidson Lafitte Firmo http://www.ppgel.net.br/davidson davidson@ufsj.edu.br São João

Leia mais

NOME...N.o... Nota...

NOME...N.o... Nota... UNIFEI 21/06/2005-3.a Prova Sistemas Digitais I - NE 671 TURMA B. Duração 80 min Prova sem consulta Sem calculadora - A interpretação faz parte da prova. NOME...N.o... Nota... 1.a Questão : (Valor 2,0

Leia mais

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Controle Microprogramado Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO UC Microprogramada

Leia mais

3. CAPÍTULO LÓGICAS DIGITAIS

3. CAPÍTULO LÓGICAS DIGITAIS 3. CAPÍTULO LÓGICAS DIGITAIS 3.1. Introdução A Lógica é um conjunto de regras para raciocínio sobre um determinado assunto, ela é muito utilizada no ramo da Filosofia e da Matemática. 3.2. Portas lógicas

Leia mais

Introdução a eletrônica digital, apresentação do curso, cronograma do curso.

Introdução a eletrônica digital, apresentação do curso, cronograma do curso. EMENTA: Ferramentas para simulação e projeto de sistemas digitais. Equipamentos e componentes para montagem de sistemas digitais. Equipamentos para mensuração e teste na implementação de sistemas digitais.

Leia mais

E II Circuitos Digitais

E II Circuitos Digitais Introdução Circuitos Digitais MOS: Pequena área Fabrico simples Baixo consumo Elevada densidade de integração Sinais digitais: só dois estados lógicos, 0 e 1, com zona de separação Escala de Integração:

Leia mais

Aula 2. Dispositivos de entrada. Dispositivos controladores. Memórias. Processador

Aula 2. Dispositivos de entrada. Dispositivos controladores. Memórias. Processador 13 Aula 2 Dispositivos de entrada São dispositivos basicamente elétricos que são os responsáveis pela tradução da linguagem natural, humana para sinais elétricos, que posteriormente serão convertidos em

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS LUZERNA CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS LUZERNA CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS LUZERNA CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL APOSTILA DE SISTEMAS DIGITAIS E PROJETO INTEGRADOR RAFAEL GARLET DE

Leia mais

DISPOSITIVOS LÓGICOS PROGRAMÁVEIS. SEL Sistemas Digitais Prof. Homero Schiabel

DISPOSITIVOS LÓGICOS PROGRAMÁVEIS. SEL Sistemas Digitais Prof. Homero Schiabel DISPOSITIVOS LÓGICOS PROGRAMÁVEIS SEL 414 - Sistemas Digitais Prof. Homero Schiabel 1. Introdução Operação do circuito lógico pode ser descrita por: Tabela da Verdade Expressão booleana Dispositivo de

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS LUZERNA CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS LUZERNA CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS LUZERNA CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL APOSTILA DE SISTEMAS DIGITAIS E PROJETO INTEGRADOR RAFAEL GARLET DE

Leia mais

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Tópicos do curso Conceitos básicos - Aplicações e utilizações dos microcontroladores

Leia mais

Circuitos Combinacionais

Circuitos Combinacionais ! Circuitos Combinacionais x Sequenciais Combinacional - saídas dependem unicamente das entradas Entradas Circuito Combinacional Saídas Sequencial -háuma realimentação da saída para a entrada, denominada

Leia mais

CALCULADORA SIMPLES COM ULA

CALCULADORA SIMPLES COM ULA CALCULADORA SIMPLES COM ULA Versão 2013 RESUMO 1 Esta experiência tem por objetivo a utilização de circuitos integrados de operações lógicas e aritméticas para o desenvolvimento de circuitos que executam

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO A Arquitetura de Computadores trata do comportamento funcional de um sistema computacional, do ponto de vista do programador (ex. tamanho de um tipo

Leia mais

Processador. Processador

Processador. Processador Departamento de Ciência da Computação - UFF Processador Processador Prof. Prof.Marcos MarcosGuerine Guerine mguerine@ic.uff.br mguerine@ic.uff.br 1 Processador Organização básica de um computador: 2 Processador

Leia mais

Totem Pole, Coletor Aberto e Tristate

Totem Pole, Coletor Aberto e Tristate Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação - EESC-USP SEL-415 Introdução à Organização dos Computadores Totem Pole, Coletor Aberto e Tristate Aula 2 Profa. Luiza Maria Romeiro Codá Autor: Dr.

Leia mais

Capítulo 3. Álgebra de Bool

Capítulo 3. Álgebra de Bool Capítulo 3 Álgebra de Bool Adaptado dos transparentes das autoras do livro The Essentials of Computer Organization and Architecture Objectivos Compreender a relação entre lógica Booleana e os circuitos

Leia mais

Circuitos Digitais Walderson Shimokawa. Plano de Ensino. Ementa. Objetivos. Avaliação. Conteúdo Programático. Circuitos Digitais 10/08/2014

Circuitos Digitais Walderson Shimokawa. Plano de Ensino. Ementa. Objetivos. Avaliação. Conteúdo Programático. Circuitos Digitais 10/08/2014 Circuitos Digitais Walderson Shimokawa Plano de Ensino Circuitos Digitais 2 Ementa Sistemas de Numeração Binário Conversões de Bases Operações Aritméticas no Sistema Binário Funções e Portas Lógicas: AND,

Leia mais

ELD - Eletrônica Digital Aula 2 Famílias Lógicas. Prof. Antonio Heronaldo de Sousa

ELD - Eletrônica Digital Aula 2 Famílias Lógicas. Prof. Antonio Heronaldo de Sousa ELD - Eletrônica Digital Aula 2 Famílias Lógicas Prof. Antonio Heronaldo de Sousa Agenda - Contextualização - Elementos Básicos (Fonte de Tensão, Chaves e LEDs) - O Transistor - Sinais de Entrada e Saída

Leia mais

PLACA MÃE. Hardware de Computadores

PLACA MÃE. Hardware de Computadores PLACA MÃE Hardware de Computadores Introdução Placa-mãe, também denominada mainboard ou motherboard, é uma placa de circuito impresso eletrônico. É considerado o elemento mais importante de um computador,

Leia mais

Aula 14. Contadores Assíncronos. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Aula 14. Contadores Assíncronos. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Aula 4 Contadores Assíncronos SEL 044 - Sistemas Digitais Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Assíncronos X Síncronos l Contadores Assíncronos: O CLK é colocado apenas no primeiro FF (LSB) l Contadores

Leia mais

Organização de Computadores Processadores. Professor: Francisco Ary

Organização de Computadores Processadores. Professor: Francisco Ary Organização de Computadores Processadores Professor: Francisco Ary Introdução O que vimos no último encontro: O que é um computador; Arquitetura Três partes principais: Processador; Memória; e Sistema

Leia mais

CAPÍTULO 4 CAMINHO DE DADOS E CONTROLE

CAPÍTULO 4 CAMINHO DE DADOS E CONTROLE CAPÍTULO 4 CAMINHO DE DADOS E CONTROLE Introdução Uma implementação MIPS básica Sinopse da implementação Sinais de controle Multiplexadores (muxes) Implementação monociclo Metodologia de clocking Construindo

Leia mais

EXPERIÊNCIA 8 CIRCUITOS ARITMÉTICOS: SOMADORES SUBTRATORES

EXPERIÊNCIA 8 CIRCUITOS ARITMÉTICOS: SOMADORES SUBTRATORES MEC UTFPR-CT DAELT CURSO: ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA DISCIPLINA: ELETRÔNICA DIGITAL PROF.: EXPERIÊNCIA 8 CIRCUITOS ARITMÉTICOS: SOMADORES SUBTRATORES 1 DATA REALIZAÇÃO: DATA ENTREGA: ALUNOS: e e Planejamento:

Leia mais

Exercícios e Fundamentos com Programmable Logic Devices (PLDs) IVAN JORGE CHUEIRI

Exercícios e Fundamentos com Programmable Logic Devices (PLDs) IVAN JORGE CHUEIRI Exercícios e Fundamentos com Programmable Logic Devices (PLDs) IVAN JORGE CHUEIRI Exercícios e Fundamentos com Programmable Logic Devices (PLDs) Ivan Jorge Chueiri 1 2001 1ª Edição; Curitiba, PR 2 Disciplina:

Leia mais

Circuitos MSI e LSI e suas aplicações

Circuitos MSI e LSI e suas aplicações Circuitos MSI e LSI e suas aplicações ESTV-ESI-Sistemas Digitais-Circuitos MSI e LSI 1/14 De acordo com a classificação dos CI s quanto ao nível de integração, directamente relacionado com o número de

Leia mais

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade.

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. PROCESSADOR ULA Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. ULA Uma ULA típica pode realizar as operações artiméticas: - adição; - subtração; E lógicas: - comparação

Leia mais

GERADOR DE CLOCK INTRODUÇÃO TEÓRICA. Sua forma de onda é geralmente quadrada, porém, o importante é que gera dois níveis lógicos: 0 e 1.

GERADOR DE CLOCK INTRODUÇÃO TEÓRICA. Sua forma de onda é geralmente quadrada, porém, o importante é que gera dois níveis lógicos: 0 e 1. GERADOR DE CLOCK GERADOR DE CLOCK OBJETIVOS: a) Conhecer as aplicações dos pulsos de clock em circuitos lógicos; b) Entender o funcionamento de um gerador de clock básico, na geração de níveis lógicos

Leia mais

Circuitos Sequenciais

Circuitos Sequenciais Circuitos Sequenciais Tópicos: Contadores Memórias Circuitos Sequenciais Teoremas DeMorgan Mapas de Karnaugh Multiplexadores Flip Flops Flip Flop Os flip flops são unidades básicas de memória. Cada circuito

Leia mais

Alexandre Mendonça. Ricardo Zelenovsky. Eletrônica Digital. Curso Prático e Exercícios. Rio de Janeiro, julho de 2016 TERCEIRA EDIÇÃO

Alexandre Mendonça. Ricardo Zelenovsky. Eletrônica Digital. Curso Prático e Exercícios. Rio de Janeiro, julho de 2016 TERCEIRA EDIÇÃO Alexandre Mendonça & Ricardo Zelenovsky Eletrônica Digital Curso Prático e Exercícios Rio de Janeiro, julho de 2016 TERCEIRA EDIÇÃO EDIÇÃO 2016 DOS AUTORES http://www.mzeditora.com.br mz@mzeditora.com.br

Leia mais

Introdução a Sistemas Digitais

Introdução a Sistemas Digitais Introdução a Sistemas Digitais Definição Sistemas Digitais Projeto Revisão: Circuitos Combinacionais Circuitos Sequênciais Máquinas de Estados Sistemas Digitais Definição Um sistema digital é um sistema

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO FACULDADE LEÃO SAMPAIO Microcontroladores Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 Componentes CPU Memórias Dispositivos de Entrada/Saída (E/S) Input/Output (I/O) 2 CPU A CPU busca informações

Leia mais

FPGA & VHDL. Tutorial Aula 1. Computação Digital

FPGA & VHDL. Tutorial Aula 1. Computação Digital FPGA & VHDL Tutorial Aula 1 Computação Digital FPGA Field Programmable Gate Array Dispositivo lógico contendo uma matriz de: Células lógicas genéricas Configuráveis ( programáveis ) para desempenhar uma

Leia mais

ESCOLA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAI PLÍNIO GILBERTO KRÖEFF FAMÍLIAS LÓGICAS

ESCOLA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAI PLÍNIO GILBERTO KRÖEFF FAMÍLIAS LÓGICAS 1.1- Introdução ESCOLA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAI PLÍNIO GILBERTO KRÖEFF FAMÍLIAS LÓGICAS Estudamos até o momento as diversas operações lógicas sem nos preocuparmos muito com os elementos utilizados

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin UCP ou microprocessador: Circuito Integrado inteligente (capaz de cumprir diferentes funções determinadas por instruções ) CI capaz de efetuar todas as operações necessárias

Leia mais

Adriano J. Holanda FAFRAM. 4 e 11 de maio de 2012

Adriano J. Holanda FAFRAM. 4 e 11 de maio de 2012 Memória Adriano J. Holanda FAFRAM 4 e 11 de maio de 2012 Trilha Introdução Hierarquia da memória Memórias RAM Memória ROM Introdução Arquitetura de Von Neumann Memória Aritmética Controle E/S Unidade central

Leia mais

Aula 17. Máquina de Estados Parte 1. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Aula 17. Máquina de Estados Parte 1. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Aula 17 Máquina de Estados Parte 1 SEL 0414 - Sistemas Digitais Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Bibliografia l l l Tocci, R. J.; Widmer, N. S. Sistemas Digitais Princípios e Aplicações. 8ª Ed.,

Leia mais

CARGA HORÁRIA TOTAL : 108 h/aulas TEORIA: 72 h/aulas PRÁTICA: 36 h/aulas. CURSO(S): Engenharia Elétrica SEMESTRE/ANO : 02/2010

CARGA HORÁRIA TOTAL : 108 h/aulas TEORIA: 72 h/aulas PRÁTICA: 36 h/aulas. CURSO(S): Engenharia Elétrica SEMESTRE/ANO : 02/2010 P L A N O D E E N S I N O DEPARTAMENTO: Engenharia Elétrica DISCIPLINA: Eletrônica Digital SIGLA: ELD PRÉ-REQUISITOS: CARGA HORÁRIA TOTAL : 108 h/aulas TEORIA: 72 h/aulas PRÁTICA: 36 h/aulas CURSO(S):

Leia mais

Evolução da Computação de Alto Desempenho sob a Ótica da Lis. ou (Se um processador já é rápido, imaginem um sistema com processadores :-)

Evolução da Computação de Alto Desempenho sob a Ótica da Lis. ou (Se um processador já é rápido, imaginem um sistema com processadores :-) Evolução da Computação de Alto Desempenho sob a Ótica da Lista TOP500 ou (Se um processador já é rápido, imaginem um sistema com 10.649.600 processadores :-) Siang Wun Song IME-USP Evolução

Leia mais

INTRODUÇÃO TEÓRICA. Sua forma de onda é geralmente quadrada, porém, o importante é que gera dois níveis lógicos: 0 e 1.

INTRODUÇÃO TEÓRICA. Sua forma de onda é geralmente quadrada, porém, o importante é que gera dois níveis lógicos: 0 e 1. OBJETIVOS: a) Conhecer as aplicações dos pulsos de clock em circuitos lógicos; b) Entender o funcionamento de um gerador de clock básico, na geração de níveis lógicos 0 e 1, segundo uma determinada frequência;

Leia mais

Arquiteturas de Sistemas de Processamento Paralelo. Arquiteturas SIMD

Arquiteturas de Sistemas de Processamento Paralelo. Arquiteturas SIMD Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Graduação em Informática DCC/IM - NCE/UFRJ Arquiteturas de Sistemas de Processamento Paralelo Arquiteturas SIMD Arquiteturas SIMD Processadores Vetoriais Arquiteturas

Leia mais

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL 1 CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL Sumário 1.1. Sistemas de Numeração... 3 1.1.1. Conversão Decimal Binária... 3 1.1.2. Conversão Binária Decimal... 3 1.1.3. Conversão Binária Hexadecimal...

Leia mais

Sistema Decimal - Permite representar qualquer quantidade por intermédio de uma soma ponderada de potências de base 10.

Sistema Decimal - Permite representar qualquer quantidade por intermédio de uma soma ponderada de potências de base 10. 1 Coelh ho, J.P. @ Sistem mas Digita ais : Y20 Sistemas de Numeração e Códigos Binários sistema de numeração que permitia, através de dez símbolos distintos (algarismos), representar uma determinada grandeza

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 MUX e DEMUX

EXPERIÊNCIA 7 MUX e DEMUX 1 MEC UTFPR-CT DAELT CURSO: ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA DISCIPLINA: ELETRÔNICA DIGITAL Prof.: EXPERIÊNCIA 7 MUX e DEMUX DATA REALIZAÇÃO: DATA ENTREGA: ALUNOS: e e Planejamento: Execução: Relatório:

Leia mais

Montagem e Manutenção Processadores

Montagem e Manutenção Processadores Montagem e Manutenção Processadores Processador Cérebro Computacional Evolução dos Computadores 1ª Geração => Válvulas (1945-1955) ENIAC: Tinha 19.000 válvulas Pesava 30 toneladas Área de150 m 2 Evolução

Leia mais

IST ELECTRÓNICA II. Conversores Analógico Digital º semestre

IST ELECTRÓNICA II. Conversores Analógico Digital º semestre IST ELECTRÓNICA II Conversores Analógico Digital 2002-2003 2º semestre Conversor A/D É um circuito que divide a tensão de entrada, V I, (dividendo) por uma tensão de referência contínua, V REF, (divisor)

Leia mais

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto COMPUTADOR Adão de Melo Neto 1 Modelo Barramento de Sistema É uma evolução do Modelo de Von Newman Processador = UCP = unidade de controle + unidade lógica aritmética Memória; Barramento (novo elemento):

Leia mais

Eletrônica Digital. Funções e Portas Lógicas. Prof. Renato Moraes

Eletrônica Digital. Funções e Portas Lógicas. Prof. Renato Moraes Eletrônica Digital Funções e Portas Lógicas Prof. Renato Moraes Introdução Em 1854, o matemático inglês George Boole apresentou um sistema matemático de análise lógica conhecido como Álgebra de Boole.

Leia mais

UFAL- Campus Arapiraca- Equipe:Igor Rafael, Matheus Torquato, Onassys Constant, Arthur Erick, Luis Eduardo. LÓGICA SEQUENCIAL

UFAL- Campus Arapiraca- Equipe:Igor Rafael, Matheus Torquato, Onassys Constant, Arthur Erick, Luis Eduardo. LÓGICA SEQUENCIAL UFAL- Campus Arapiraca- Equipe:Igor Rafael, Matheus Torquato, Onassys Constant, Arthur Erick, Luis Eduardo. LÓGICA SEQUENCIAL Lógica Sequencial Na lógica seqüencial, os sinais de saída são resultados não

Leia mais

Técnicas de Interface: conversor A/D e D/A

Técnicas de Interface: conversor A/D e D/A Técnicas de Interface: conversor A/D e D/A Prof. Adilson Gonzaga Interface com Conversores A/D e D/A Conversor A/D ADC Converte um Valor Analógico para Digital Conversor D/A DAC Converte um Valor Digital

Leia mais

Circuitos Lógicos Aula 26

Circuitos Lógicos Aula 26 Circuitos Lógicos Aula 26 Aula passada Mais adição Circuito com maior largura Subtração Mais ULA Aula de hoje Memória Funcionamento e arquitetura ROM, RAM e variações Processador Intel Memória Memória:

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA 1 CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA Montagem e Manutenção de Computadores Prof.: Denis Willian de Moura Diniz PROCESSADORES PARTE II 2 ULA UNIDADE LÓGICA E ARITMÉTICA A ULA - Arithmetic Logic Unit - que em

Leia mais

ENTRADAS ANALÓGICAS CONVERSOR A/D

ENTRADAS ANALÓGICAS CONVERSOR A/D PRINCÍPIOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL ENTRADAS ANALÓGICAS CONVERSOR A/D Prof. Valmir PAI 2014.1 1 Sinais Analógicos O CLP: ENTRADAS E SAÍDAS Um valor analógico é continuo, não discreto, como visto na figura.

Leia mais

MULTIPLEX E DEMULTIPLEX

MULTIPLEX E DEMULTIPLEX MULTIPLEX E DEMULTIPLEX MULTIPLEX E DEMULTIPLEX Os circuitos de multiplex e demultiplex são largamente utilizados na transmissão de dados, tendo vasta aplicação em telefonia. Os multiplexadores caracterizam-se

Leia mais

HARDWARE DOS RELÉS NUMÉRICOS

HARDWARE DOS RELÉS NUMÉRICOS HARDWARE DOS RELÉS NUMÉRICOS 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Objetivos idênticos ao hardware dos relés convencionais, ou seja, recebem sinais analógicos de tensão, corrente e outros, sinais digitais de contatos

Leia mais

Multiplexadores e Demultiplexadores Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Multiplexadores e Demultiplexadores Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Multiplexadores e Demultiplexadores Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Multiplexadores 2 Multiplexadores 3 Multiplexadores 4 Multiplexadores 4 entradas de dados I0, I1, I2, I3 2

Leia mais

Abaixo descreveremos 6 portas lógicas: AND, OR, NOT, NAND, NOR e XOR.

Abaixo descreveremos 6 portas lógicas: AND, OR, NOT, NAND, NOR e XOR. 9. Apêndice - Portas e Operações Lógicas Uma porta lógica é um circuito eletrônico (hardware) que se constitui no elemento básico de um sistema de computação. A CPU, as memórias, as interfaces de E/S são

Leia mais

Arquitetura de computadores

Arquitetura de computadores Arquitetura de computadores Arquitetura de Microprocessadores Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas O Computador Hardware Unidades Funcionais de um Sistema Informático Dispositivos

Leia mais

Célula, Palavra, Ciclo de Instruções e Lógica Temporizada

Célula, Palavra, Ciclo de Instruções e Lógica Temporizada Célula, Palavra, Ciclo de Instruções e Lógica Temporizada IFBA Instituto Federal de Educ. Ciencia e Tec Bahia Curso de Analise e Desenvolvimento de Sistemas Arquitetura de Computadores 20 e 21/30 Prof.

Leia mais

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas:

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Somar e subtrair Mover um dado de um local de armazenamento para outro Transferir um dado para um dispositivo

Leia mais

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ Variáveis Lógicas Uma variável lógica é aquela que pode assumir apenas os

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação SEL 405 Lab. de Introdução aos Sistemas Digitais I Profa. Luiza Maria Romeiro Codá PRÁTICA Nº 6

Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação SEL 405 Lab. de Introdução aos Sistemas Digitais I Profa. Luiza Maria Romeiro Codá PRÁTICA Nº 6 Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação SEL 405 Lab. de Introdução aos Sistemas Digitais I Profa. Luiza Maria Romeiro Codá PRÁTICA Nº 6 UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA (ULA) E DECODIFICADOR PARA

Leia mais

Barramentos internos/externos

Barramentos internos/externos Barramentos Uma das características principais de um processador são os seus barramentos. Os barramentos são auto-estradas por onde circula a informação, seja no interior do CPU ou do interior para o exterior,

Leia mais

Automação Industrial Parte 8

Automação Industrial Parte 8 Automação Industrial Parte 8 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html -Vamos supor que seja necessário determinar a função lógica interna de um sistema desconhecido.

Leia mais

Aula Breve História dos Computadores - Informatiquês - O Computador - Software vs. Hardware. Introdução à Engenharia da Computação

Aula Breve História dos Computadores - Informatiquês - O Computador - Software vs. Hardware. Introdução à Engenharia da Computação Aula 02 - Breve História dos Computadores - Informatiquês - O Computador - Software vs. Hardware Slide 1 de - Qual é a origem etimológica da palavra COMPUTADOR? Computador procede do latim computatore.

Leia mais

Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia Faculdade de Engenharia Elétrica. Eletrônica Digital. Plano de Ensino 2015_2

Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia Faculdade de Engenharia Elétrica. Eletrônica Digital. Plano de Ensino 2015_2 Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia Faculdade de Engenharia Elétrica Eletrônica Digital Plano de Ensino 2015_2 Prof. Ivan Sebastião de Souza e Silva www.ufpa.br/ivan ivan@ufpa.br Eletrônica

Leia mais

Implementação de Funções Lógicas com Multiplexadores e Decodificadores

Implementação de Funções Lógicas com Multiplexadores e Decodificadores PUSP PS 2011/205/255 Laboratório igital mplementação de Funções Lógicas com Multiplexadores e ecodificadores.t.m./2006 (adaptação) RSUMO TÓRO implementação de funções lógicas de maior complexidade não

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA ELÉTRICA RELATÓRIO CONTADOR DE 6 BITS PROGRAMÁVEL Trabalho apresentado à disciplina de Projeto de Circuitos Integrados Digitais,

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 05 Introdução ao CLP Profª Danielle Casillo CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL -CLP 2 CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

Leia mais

Realização física de circuitos lógicos

Realização física de circuitos lógicos Realização física de circuitos lógicos Circuitos integrados digitais Famílias lógicas Níveis de tensão Atrasos Lógica positiva, negativa e de polaridade Realização usando ROMs 2 1 Acções e processamento

Leia mais

Estudo e desenvolvimento de um circuito de um relógio digital utilizando fundamentalmente conhecimentos em circuitos lógicos

Estudo e desenvolvimento de um circuito de um relógio digital utilizando fundamentalmente conhecimentos em circuitos lógicos Estudo e desenvolvimento de um circuito de um relógio digital utilizando fundamentalmente conhecimentos em circuitos lógicos Marcos Cavalcante Meira 1, José Diniz Neto 2, Cláudio Galeno Queiroga Oliveira

Leia mais

Representação da Informação no Computador

Representação da Informação no Computador Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Representação da Informação no Computador Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT3 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre

Leia mais

controle em instrumentação

controle em instrumentação Circuitos digitais para aquisição de dados e controle em instrumentação O objetivo primordial da conversão de sinais (de ou para sinais elétricos) realizada pelos transdutores, é o de transferir informação

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Prof. Eduardo Simões de Albuquerque Instituto de Informática UFG 1o. Semestre / 2006 Adaptado do material do prof. Fábio Moreira Costa Programa e Introdução Assunto do curso

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS CIRCUITOS COMBINATÓRIOS TÍPICOS

SISTEMAS DIGITAIS CIRCUITOS COMBINATÓRIOS TÍPICOS CIRCUITOS COMBINATÓRIOS TÍPICOS Setembro de 4 CIRCUITOS COMBINATÓRIOS TÍPICOS - SUMÁRIO: CODIFICADORES DESCODIFICADORES MULTIPLEXERS DEMULTIPLEXERS SOMADORES / SUBTRACTORES COMPARADORES Setembro de 4 CIRCUITOS

Leia mais

Nome...Nota... a) O número de bits do conversor DAC será : 10cm / 0,01 = O conversor terá : 2 n , assim 2 n 1001, o valor de n = 10 Bits.

Nome...Nota... a) O número de bits do conversor DAC será : 10cm / 0,01 = O conversor terá : 2 n , assim 2 n 1001, o valor de n = 10 Bits. FEI NE 772-2.a PROVA - SISTEMAS IGITAIS II - 20/11/2005 Turma A uração 80min Prova sem consulta - Permitido o uso de calculadora Interpretação faz parte da prova. Nome...Nota... N.o 1.a Questão : (Valor

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE COORDENADORIA DE ELETRÔNICA CIRCUITOS OSCILADORES. Experimentos de Osciladores

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE COORDENADORIA DE ELETRÔNICA CIRCUITOS OSCILADORES. Experimentos de Osciladores INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE COORDENADORIA DE ELETRÔNICA CIRCUITOS OSCILADORES Experimentos de Osciladores Relatório requisito Técnico parcial apresentado para como obtenção

Leia mais