Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis"

Transcrição

1 Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Beatriz F. M. Souza Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória, ES Brazil 1

2 Máquinas Multiníveis Revisão Aula Passada Máquinas Multiníveis Parte 1: História; Dois Níveis; Vários Níveis. 2

3 Máquinas Multiníveis Máquinas Modernas Máquinas Multiníveis Modernas: 3

4 Máquinas Multiníveis Nível de Dispositivos Transistores e Circuitos Integrados: CPU de 45 nanômetros, refere-se à média do tamanho de uma célula de memória. 4

5 Máquinas Multiníveis Nível de Dispositivos Visão da CPU - 4 núcleos milhões de transistores: 5

6 Máquinas Multiníveis Nível de Dispositivos Evolução: µm; µm; µm; ,5 µm; µm; nm; nm; nm; nm; nm; nm; nm; nm; nm; nm; nm; nm; nm (previsto); nm (previsto); nm (provável). 6

7 Máquinas Multiníveis Nível de Dispositivos Situado abaixo do nível 0; Não é representado na arquitetura multinível; Seus elementos pertencem ao campo da microeletrônica, engenharia elétrica e da física do estado sólido: Transistores individuais, cristal semicondutor (substrato dos circuitos integrados), malha de transistores. 7

8 Máquinas Multiníveis Nível de Dispositivos Tecnologias de fabricação de circuitos integrados: Bipolar: TTL (Transistor-Transistor Logic); ECL (Emitter-Coupled Logic); MOS - Metal Oxide Semi-conductor: Portas mais lentas, gastam menos energia e ocupam espaço bem menor; CMOS - transistores MOSFET: baixíssimo consumo, altíssima densidade de integração. 8

9 Máquinas Multiníveis Nível 0 Nível de Lógica Digital: Composto por circuitos lógicos digitais; Os objetos de interesse são as portas lógicas; As portas lógicas são dispositivos digitais construídas a partir de componentes analógicos; Formam os elementos primários dos circuitos lógicos do computador; Portas básicas: NAND, NOR (portas completas); NOT, AND, OR e XOR. 9

10 Máquinas Multiníveis Nível 0 Nível de Lógica Digital: As portas são usadas para criar componentes digitais simples ou complexos, como somadores, deslocadores, decodificadores, memórias (registradores), ULA s e circuitos integrados para execução de funções específicas; Um único conjunto de portas NAND ou NOR, é suficiente para construir qualquer circuito lógico. 10

11 Máquinas Multiníveis Nível 0 Nível de Lógica Digital: Os circuitos lógicos são construídos de acordo com a Álgebra Booleana; A partir da combinação das portas lógicas básicas e suas variações, que são integrados em pastilhas (chips ou CIs) de silício; De acordo com a densidade de componentes, os chips são classificados em: Integração em Pequena Escala (SSI): de 1 a 10 portas lógicas; Integração em Média Escala (MSI): de 10 a 100 portas lógicas; Integração em Grande Escala (LSI): de 100 a portas lógicas; Integração em Escala Muito Grande (VLSI): acima de portas lógicas. 11

12 Máquinas Multiníveis Nível 0 Nível de Lógica Digital: Comparador de 4 bits: 12

13 Máquinas Multiníveis Nível 0 Nível de Lógica Digital: Unidade Lógica de 1 bit, para realizar operações lógicas NOT, AND, OR e soma aritmética: 13

14 Máquinas Multiníveis Nível 0 Nível de Lógica Digital: Deslocador de bits para a esquerda ou para a direita com alcance de 8 bits: 14

15 Máquinas Multiníveis Nível 0 Nível de Lógica Digital: Memória de 1 bit capaz de lembrar os valores anteriores (Latches): 15

16 Máquinas Multiníveis Nível 0 Nível de Lógica Digital: O nível 0 é responsável pela interpretação de instruções do nível superior, ou seja, seus circuitos executam os programas em linguagem de máquina do nível 1: Macroinstruções (nível ISA Instruction Set Architecture); Microinstruções (nível de microprogramação). 16

17 Máquinas Multiníveis Nível 0 Nível de Lógica Digital: A arquitetura da máquina pode ser entendida como um conjunto de registradores, associados a outros módulos lógicos adicionais para processamento de informação, interconectados de maneira apropriada; O sequenciamento adequado dos sinais de controle destes módulos e registradores produz o fluxo ordenado de informação entre os mesmos, necessário à interpretação de instruções do nível superior; Equivalência entre hardware e software, ou seja, funções desempenhadas pelo software podem migrar para o hardware e vice-versa. 17

18 Máquinas Multiníveis Nível 1 Nível de Microarquitetura: É nesse nível que se inicia o conceito de programa como uma sequência de instruções a serem executadas diretamente pelos circuitos eletrônicos; Enxerga-se um conjunto de 8 a 32 registradores (PC, MAR, MDR, SP, etc.) que formam uma memória local e uma ULA (Unidade Lógica e Aritmética), capaz de realizar operações aritméticas simples; Os registradores e a ULA são conectados para formar o caminho de dados (Data Path), estrutura sobre a qual os dados fluem; As operações são controladas por um microprograma (software) ou diretamente por hardware. 18

19 Máquinas Multiníveis Nível 1 Nível de Microarquitetura: Controle por software: Microprograma = Interpretador; O microprograma busca, decodifica e executa as instruções vindas do nível 2, uma a uma, usando o caminho de dados para a realização da tarefa; Ex. 1: execução da instrução ADD (soma): A instrução é obtida na memória; Seus operandos (parcelas da soma) são localizados e trazidos para os registradores; A soma é realizada na ULA; E o resultado é encaminhado para o lugar apropriado. 19

20 Máquinas Multiníveis Nível 1 Nível de Microarquitetura: Controle por hardware: São executados os mesmos passos do slide anterior, mas sem que haja um programa armazenado para controlar a interpretação das instruções; A execução é feita por meio do nível de dispositivos. 20

21 Máquinas Multiníveis Nível 1 Nível de Microarquitetura: Principais Arquiteturas: CISC (Complex Instruction Set Computer); RISC (Reduced Instruction Set Computer); Arquiteturas híbridas (mais usadas atualmente). 21

22 Máquinas Multiníveis Nível 1 Nível de Microarquitetura: CISC: Uso de microcódigo; Conjunto de instruções completas; Tempos de processamento diferentes a cada instrução; Instruções de máquina de alto nível, ou seja, com funções mais complexas; Código mais denso (poucos registradores); RISC: Não usa microprogramação, ou seja, as instruções são executadas pelo hardware; Conjunto simples e pequeno de instruções; Instruções executadas no mesmo tempo; Código menos denso (muitos registradores). 22

23 Máquinas Multiníveis Nível 1 Nível de Microarquitetura: Vantagens da microprogramação Facilita o projeto e a construção dos circuitos digitais (implementação de parte da lógica digital dentro do firmware); Possibilita o desenvolvimento de instruções mais potentes no nível de máquina convencional; Permite alterar o ISA escrevendo outro microprograma; Facilita a concepção de famílias de microprocessadores. Característica principal: A infraestrutura do nível 1 interfere diretamente na execução dos programas na máquina, e no comportamento dos níveis superiores. 23

24 Máquinas Multiníveis Nível 2 Nível de ISA (ou nível convencional de máquina): Define a interface entre o hardware e o software; 24

25 Máquinas Multiníveis Nível 2 Nível de ISA: O nível ISA é interpretado para o nível de microprogramação (máquinas CISC) ou é executado diretamente pelo hardware (máquinas RISC); Manuais descrevem como as instruções são executadas interpretativamente pelo microprograma (software) ou como elas são executadas diretamente pelo hardware. 25

26 Máquinas Multiníveis Nível 2 Nível ISA: Há uma relação direta entre a linguagem do nível 1 e a linguagem de convencional de máquina do nível 2 (ISA), porque há uma relação um para um entre as instruções de ambas; Para cada instrução da linguagem no nível ISA existe uma instrução do nível 1 correspondente; A diferença resulta de sua representação, a primeira é numérica e a segunda é textual; As arquiteturas CISC e RISC interferem diretamente na linguagem utilizada pelo nível ISA. 26

27 Máquinas Multiníveis Nível 2 Nível de ISA: As características mais importantes do nível ISA, são: A arquitetura varia conforme a tecnologia usada pelo fabricante do chip; Deve ser o mais simples possível, para facilitar projeto do hardware; Deve facilitar a geração de código por parte do compilador; Projeto do nível de linguagem de máquina deve dar suporte aos níveis superiores, possibilitando o uso de estruturas de dados tais como procedimentos, variáveis locais, variáveis globais, constantes, etc., utilizados pelas linguagens de alto nível. 27

28 Máquinas Multiníveis Nível 2 Nível de ISA: São aspectos importantes do nível ISA: Modelo de memória; Conjunto de registradores; Formato das instruções; Modos de endereçamento; Tipos de instruções; Fluxo de controle. 28

29 Máquinas Multiníveis Nível 2 Nível de ISA: Modelos de memória: Antes de ser executado o programa em linguagem de máquina é armazenado na memória principal; Memória dividida em células referenciadas por endereços consecutivos; Célula pode ter qualquer tamanho, mas um byte é padrão atualmente; Os bytes são agrupados em palavras (words); Registradores: O nível ISA disponibiliza um conjunto de registradores visíveis ao programador: registradores de uso geral e de propósito específico; 29

30 Máquinas Multiníveis Nível 2 Nível de ISA: Formato das instruções: São campos essenciais de uma instrução: Código de operação (OP CODE): identifica a operação a ser realizada pelo processador; Endereço: indica a localização do dado (operando) a ser manipulado pela instrução. 30

31 Máquinas Multiníveis Nível 2 Nível de ISA: Formato das instruções: O comprimento das instruções também pode ser variável, geralmente sendo um múltiplo ou submúltiplo da palavra; Há diferentes critérios para o projeto de formatos de instrução, e são regidos por algumas características: Quanto maior o tamanho da instrução, maior é o espaço ocupado por um programa na memória; Velocidade que o processador pode executar as instruções é limitada pelo tamanho das instruções; Quanto menor o tamanho das instruções mais rápido serão buscadas pelo processador; Instruções curtas são mais difíceis de decodificar; Instruções menores podem não completar uma operação integralmente. 31

32 Máquinas Multiníveis Nível 2 Nível de ISA: Modos de Endereçamento: Existem diversos métodos de codificar o campo de endereços. Estes podem utilizar mais ou menos bits e o endereço pode ser determinado estaticamente, em tempo de compilação, ou dinamicamente, em tempo de execução; Podem ser de acesso direto ou indexado; Podem usar registradores, pilhas e outros métodos recursos. 32

33 Máquinas Multiníveis Nível 2 Nível de ISA: Tipos de instrução: Instruções de movimento de dados; Operações diáticas (com dois operandos); Operações monádicas (com um operando); Instruções de comparação e desvio condicional; Instruções de chamada de procedimento; Instruções de entrada e saída de dados (I/O); 33

34 Máquinas Multiníveis Nível 2 Nível de ISA: Fluxo de controle: O fluxo de controle é sequência na qual as instruções são executadas; A execução da maioria das instruções não altera o fluxo de controle; Em um fluxo de controle normal as instruções são buscadas em palavras consecutivas da memória. Após a execução de uma instrução, a próxima instrução é buscada na memória incrementando o PC do tamanho da instrução que acaba de ser executada; O fluxo de controle normal é alterado por desvios, chamadas de procedimentos, co-rotinas, armadilhas (traps) e interrupções. 34

35 Máquinas Multiníveis Próxima Aula Máquinas Multiníveis: Para a próxima aula: Níveis 3, 4 e 5. Continua na próxima aula! Até breve. 35

36 36

AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR

AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação O QUE É UM COMPUTADOR?

Leia mais

Introdução. (Aula 2) Organização Estruturada de Computadores

Introdução. (Aula 2) Organização Estruturada de Computadores Introdução (Aula 2) Organização Estruturada de Computadores Introdução Arquitetura de Hardware 01- Monitor 02- Placa-Mãe 03- Processador 04- Memória RAM 05- Placas de Rede, Som, Vídeo, Fax... 06- Fonte

Leia mais

Organização de Sistemas de Computadores

Organização de Sistemas de Computadores Organização de Sistemas de Computadores Cap. 2 (Tanenbaum), Cap. 3 (Weber) 2.1 Processadores 1 CPU UC = buscar instruções na memória principal e determinar o seu tipo ULA = adição e AND Registradores =

Leia mais

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Introdução à Engenharia de Computação

Introdução à Engenharia de Computação Introdução à Engenharia de Computação Tópico: O Computador como uma Máquina Multinível (cont.) José Gonçalves - LPRM/DI/UFES Introdução à Engenharia de Computação Máquina Multinível Moderna Figura 1 Máquina

Leia mais

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. A Arquitetura no nível da lógica digital Prof.: Hugo Barros

Organização e Arquitetura de Computadores. A Arquitetura no nível da lógica digital Prof.: Hugo Barros Organização e Arquitetura de Computadores A Arquitetura no nível da lógica digital Prof.: Hugo Barros email@hugobarros.com.br Portas Lógicas e Álgebra de Boole Circuitos digitais o Construídos a partir

Leia mais

CPU. Funções: Componentes: Processamento; Controle. UC (Unidade de Controle); Registradores; ALU s, FPU s etc. Arquitetura de Computadores 3

CPU. Funções: Componentes: Processamento; Controle. UC (Unidade de Controle); Registradores; ALU s, FPU s etc. Arquitetura de Computadores 3 CPU CPU Funções: Processamento; Controle Componentes: UC (Unidade de Controle); Registradores; ALU s, FPU s etc. Arquitetura de Computadores 3 Processador A função de um computador é executar tarefas

Leia mais

Arquitetura e organização de computadores Uma visão geral

Arquitetura e organização de computadores Uma visão geral Arquitetura e organização de computadores Uma visão geral MAC 344 - Arquitetura de Computadores Prof. Siang Wun Song Baseado em W. Stallings - Computer Organization and Architecture Objetivo do disciplina

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Controle Microprogramado Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO UC Microprogramada

Leia mais

Nível da Lógica Digital (Aula 6) Portas Lógicas e Lógica Digital Nível da Lógica Digital Estudar vários aspectos da lógica digital Base de estudo para os níveis mais elevados da hierarquia das máquinas

Leia mais

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Tópicos do curso Conceitos básicos - Aplicações e utilizações dos microcontroladores

Leia mais

SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I

SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Apresentação do curso Critério de avaliação Média final = 0.8 * MP + 0.2 * ME onde MP = (P1 + P2) / 2 e ME = Notas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES Prof. Juliana Santiago Teixeira julianasteixeira@hotmail.com INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável

Leia mais

Transistor. Portas Lógicas (2) Base; Coletor; Emissor.

Transistor. Portas Lógicas (2) Base; Coletor; Emissor. Nível da Lógica Digital Nível da Lógica Digital (Aula 6) Portas Lógicas e Lógica Digital Estudar vários aspectos da lógica digital Base de estudo para os níveis mais elevados da hierarquia das máquinas

Leia mais

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Processadores Prof. Sergio Ribeiro Composição básica de um computador eletrônico digital: Processador Memória Memória Principal Memória Secundária Dispositivos

Leia mais

2. A influência do tamanho da palavra

2. A influência do tamanho da palavra PROCESSAMENTO 1. Introdução O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento (os cálculos matemáticos etc.) e de controle, durante

Leia mais

INF Técnicas Digitais para Computação. Introdução. Aula 1

INF Técnicas Digitais para Computação. Introdução. Aula 1 INF01 118 Técnicas Digitais para Computação Introdução Aula 1 Objetivo Projetar circuitos digitais: Combinacionais Sequências Testar a analisar circuitos digitais Funcionamento Área Desempenho (velocidade)

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES AULA 03 PROFº RITIELLE SOUZA DISTRIBUIÇÃO LÓGICA DISTRIBUIÇÃO LÓGICA Arquitetura de Von Neumann Uma unidade central de processamento recebe informações através de uma unidade

Leia mais

Processador. Processador

Processador. Processador Departamento de Ciência da Computação - UFF Processador Processador Prof. Prof.Marcos MarcosGuerine Guerine mguerine@ic.uff.br mguerine@ic.uff.br 1 Processador Organização básica de um computador: 2 Processador

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7 Índice 1. A Organização do Computador...3 1.1 Processadores... 3 2 1. A ORGANIZAÇÃO DO COMPUTADOR Um computador digital consiste em um sistema interconectado de processadores,

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO A Arquitetura de Computadores trata do comportamento funcional de um sistema computacional, do ponto de vista do programador (ex. tamanho de um tipo

Leia mais

Arquitetura e Organização de computadores

Arquitetura e Organização de computadores Arquitetura e Organização de computadores Aula 1: Organização e evolução de computador, parte 2 Prof. MSc. Pedro Brandão Neto, pedroobn@gmail.com Sistemas de Informação - UNDB Introdução 2 Máquinas Multiníveis

Leia mais

Nível da Lógica Digital

Nível da Lógica Digital Nível da Lógica Digital (Aula 7) Circuitos Lógicos Digitais Básicos Circuitos Integrados CIs (chips/pastilhas) Agrupa portas lógicas Pastilhas de silício DIP (Dual Inline Package) Invóculo c/ 2 linhas

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Conjunto de Instruções

Arquitetura de Computadores. Conjunto de Instruções Arquitetura de Computadores Conjunto de Instruções Arquitetura do Conjunto das Instruções ISA (Instruction Set Architecture) Traduz para uma linguagem intermediária (ISA) os vários programas em diversas

Leia mais

SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Conceitos Básicos Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira INTRODUÇÃO n Organização Æ implementação do hardware, componentes, construção dos dispositivos

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Ciclo de Busca e Execução

Arquitetura de Computadores. Ciclo de Busca e Execução Arquitetura de Computadores Ciclo de Busca e Execução Ciclo de Busca e Execução Início Buscar a próxima instrução Interpretar a instrução Executar a instrução Término Funções realizadas pela UCP Funções

Leia mais

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin UCP ou microprocessador: Circuito Integrado inteligente (capaz de cumprir diferentes funções determinadas por instruções ) CI capaz de efetuar todas as operações necessárias

Leia mais

Disciplina: Arquitetura de Computadores

Disciplina: Arquitetura de Computadores Disciplina: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof a. Carla Katarina de Monteiro Marques UERN Introdução Responsável por: Processamento e execução de programas armazenados na

Leia mais

Conceitos Básicos Processador

Conceitos Básicos Processador Infra-Estrutura de Hardware Conceitos Básicos Processador Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Conceitos básicos Organização da CPU Execução das Instruções RISC x CISC Paralelismo

Leia mais

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação COMO UM PROGRAMA ESCRITO

Leia mais

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto COMPUTADOR Adão de Melo Neto 1 PROGRAMA É um conjunto de instruções LINGUAGEM BINÁRIA INTRODUÇÃO Os caracteres inteligíveis são apenas zero(0) e um (1). É uma linguagem de comunicação dos computadores.

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Prof. Sílvio Fernandes

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Organização de Sistemas Computacionais. Prof.: Agostinho S. Riofrio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Organização de Sistemas Computacionais. Prof.: Agostinho S. Riofrio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Organização de Sistemas Computacionais Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Unidade Central de Processamento 2. Organização da CPU 3. Interpretador 4. RISC x CISC 5. Principios

Leia mais

Microprocessadores. São máquinas elétricas onde podemos armazenar instruções lógicas, aritméticas e de tomada de decisão;

Microprocessadores. São máquinas elétricas onde podemos armazenar instruções lógicas, aritméticas e de tomada de decisão; Microprocessadores São máquinas elétricas onde podemos armazenar instruções lógicas, aritméticas e de tomada de decisão; CPU (Central Processing Unit Unidade Central de Processamento) CPU (Central Processing

Leia mais

Funcionamento Área Desempenho (velocidade) Potência Aula 1. Circuitos Digitais. Circuitos Digitais

Funcionamento Área Desempenho (velocidade) Potência Aula 1. Circuitos Digitais. Circuitos Digitais INF01058 Objetivo Circuitos igitais Projetar circuitos digitais: Combinacionais Sequências Testar a analisar circuitos digitais Introdução Funcionamento Área esempenho (velocidade) Potência Aula 1 Mundo

Leia mais

Processador: Conceitos Básicos e Componentes

Processador: Conceitos Básicos e Componentes Processador: Conceitos Básicos e Componentes Cristina Boeres Instituto de Computação (UFF) Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Material baseado nos slides de Fernanda Passos Cristina Boeres (IC/UFF)

Leia mais

Principais Componentes do Gabinete. Componentes Básicos de um Computador. CPU ou UCP (Processador) 17/02/2017

Principais Componentes do Gabinete. Componentes Básicos de um Computador. CPU ou UCP (Processador) 17/02/2017 Professora: Janaide Nogueira E-mail: nogueirajanaide@gmail.com Materiais: https://janaide.wordpress.com Componentes Básicos de um Computador Principais Componentes do Gabinete 3 4 CPU ou UCP (Processador)

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação.

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação. Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura Básicas

Leia mais

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador Karina Girardi Roggia karina.roggia@udesc.br Departamento de Ciência da Computação Centro de Ciências Tecnológicas Universidade do Estado de Santa Catarina 2016

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 10 Conjuntos de instruções: Características e funções slide 1 O que é um conjunto de instruções? A coleção completa de instruções

Leia mais

Unidade de Controle. Sinais e temporização da busca de instrução. Prof. Eduardo Appel

Unidade de Controle. Sinais e temporização da busca de instrução. Prof. Eduardo Appel Unidade de Controle Prof Eduardo Appel appel@upftchebr Uma CPU de um microprocessador pode interpretar o conteúdo de uma palavra de memória como sendo o código de instrução Mas pergunta-se: Qual o número

Leia mais

Instruções de Máquina

Instruções de Máquina Instruções de Máquina Operação básica (primitiva) que o hardware é capaz de executar diretamente Conjunto de bits que indica ao processador uma operação que ele deve realizar O projeto de um processador

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Material do prof. Sílvio Fernandes - UFERSA

Leia mais

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I SSC0112 Organização de Computadores Digitais I 3ª Aula Visão Geral e Conceitos Básicos Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br Copyright William Stallings & Adrian J Pullin Tradução, revisão e

Leia mais

Prof. Leonardo Augusto Casillo

Prof. Leonardo Augusto Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Aula 4 Portas Lógicas Prof. Leonardo Augusto Casillo Analisando o circuito (1)... A Acesa Apagada S Apagada Acesa O emissor do transistor

Leia mais

Unidade I. Organização de Computadores. Prof. Renato Lellis

Unidade I. Organização de Computadores. Prof. Renato Lellis Unidade I Organização de Computadores Prof. Renato Lellis O que é um computador? Computador Datação 1789 cf. MS1 Acepções substantivo masculino 1 o que computa; calculador, calculista 2 Rubrica: informática.

Leia mais

Introdução à Computação: Introdução às Portas Lógicas

Introdução à Computação: Introdução às Portas Lógicas Introdução à Computação: Introdução às Portas Lógicas Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes),

Leia mais

Conteúdo. A válvula; O transistor; A miniaturização; Evolução dos processos de fabricação do transistor; A integração;

Conteúdo. A válvula; O transistor; A miniaturização; Evolução dos processos de fabricação do transistor; A integração; Conteúdo A válvula; O transistor; A miniaturização; Evolução dos processos de fabricação do transistor; A integração; Eletrônica digital; Eletrônica analógica; Desenvolvimento da eletrônica digital; Engenharia

Leia mais

13 CIRCUITOS DIGITAIS MOS

13 CIRCUITOS DIGITAIS MOS 13 CIRCUITOS DIGITAIS MOS 13.1. CONCEITOS BÁSICOS 13.1.1. Tecnologias de CIs Digitais e Famílias de Circuitos Lógicos Cada família é fabricada com uma mesma tecnologia, possui a mesma estrutura e oferece

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani)

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani) Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani) Agenda Conceitos Componentes Funcionamento ou tarefas Otimização e desempenho Conceitos Componente de Hardware que

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros Organização e Arquitetura de Computadores Hugo Barros email@hugobarros.com.br Introdução Instruções Primitivas L0 Linguagem de máquina; Divergência de capacidades: Os pc's podem fazer x As pessoas querem

Leia mais

Computadores e Programação (DCC/UFRJ)

Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Aula 3: 1 2 3 Abstrações do Sistema Operacional Memória virtual Abstração que dá a cada processo a ilusão de que ele possui uso exclusivo da memória principal Todo

Leia mais

Organização de Sistemas Computacionais Processadores: Organização da CPU

Organização de Sistemas Computacionais Processadores: Organização da CPU Universidade Paulista UNIP Curso: Ciências da Computação Turma: CCP30 Turno: Noturno Disciplina: Arquitetura de Computadores Professor: Ricardo Loiola Alunos: Thiago Gomes dos Santos Matrícula: C63873-0

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Controle Microprogramado. por Helcio Wagner da Silva

Arquitetura de Computadores - Controle Microprogramado. por Helcio Wagner da Silva Arquitetura de Computadores - Controle Microprogramado por Helcio Wagner da Silva Introdução Projeto baseado em HW para a Unidade de Controle Difícil Lógica relativamente complexa para seqüenciamento e

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

Totem Pole, Coletor Aberto e Tristate

Totem Pole, Coletor Aberto e Tristate Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação - EESC-USP SEL-415 Introdução à Organização dos Computadores Totem Pole, Coletor Aberto e Tristate Aula 2 Profa. Luiza Maria Romeiro Codá Autor: Dr.

Leia mais

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas:

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Somar e subtrair Mover um dado de um local de armazenamento para outro Transferir um dado para um dispositivo

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Organização de es ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Curso: Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Ano: 2011 Índice Objetivo do curso Evolução histórica Introdução a Linguagens de Nível Linguagens de

Leia mais

Sistemas de Computação. Bibliogra a. Hardware e Software. Notas. Introdução. Haroldo Gambini Santos. 26 de abril de Notas

Sistemas de Computação. Bibliogra a. Hardware e Software. Notas. Introdução. Haroldo Gambini Santos. 26 de abril de Notas Classi cação/uso de Computadores Digitais Sistemas de Computação Introdução Haroldo Gambini Santos Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP 26 de abril de 2010 Haroldo Gambini Santos Sistemas de Computação

Leia mais

Organização de computadores. Aula 05

Organização de computadores. Aula 05 Organização de computadores Aula 05 2 Níveis de um computador Computadores possuem uma série de níveis Cada um construído sobre seus antecessores Cada um representa uma abstração distinta com diferentes

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR ELETRÔNICA DIGITAL II AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR acjunior@facthus.edu.br 1º SEMESTRE 2009 CONTEÚDO PROGRAMADO: 1 O que é um computador digital? 2 Como funcionam os computadores 3 O agente

Leia mais

ÁLGEBRA BOOLEANA E LÓGICA DIGITAL AULA 04 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

ÁLGEBRA BOOLEANA E LÓGICA DIGITAL AULA 04 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade ÁLGEBRA BOOLEANA E LÓGICA DIGITAL AULA 04 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização de Computadores

Leia mais

Linguagem de Maquina II. Visão Geral

Linguagem de Maquina II. Visão Geral Linguagem de Maquina II Visão Geral Revisão A linguagem de máquina é composta de seqüências binárias (1's e 0's) São interpretadas como instruções pelo hardware A linguagem de montagem e a linguagem de

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Conjunto de Instruções Slide 1 Sumário Características de Instruções de Máquina Tipos de Operandos Tipos de Operações Linguagem de Montagem Slide 2 Características

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Organização de Computadores ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Curso: Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Ano: 2011 Conhecida como Processador ou é o cerebro do computador Unifica todo sistema e

Leia mais

Unidade Central de Processamento UCP (CPU)

Unidade Central de Processamento UCP (CPU) Unidade Central de Processamento UCP (CPU)! Arquitetura Convencional (Von Neumann) UCP BARRAMENTO MEMÓRIA PRINCIPAL ENTRADA E SAÍDA ! Visão geral da CPU UC - UNIDADE DE CONTROLE REGISTRADORES A B C D ALU

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Tema: Máquinas multiníveiscontemporâneas: Nível de linguagem de montagem. Alunos: RA: TURMA: Maikon Quirino dos santos C70JJI-5 SI5P30 José de Ribamar C65548-1 SI5P30 Silvana

Leia mais

Sistemas Operacionais. Visão Geral

Sistemas Operacionais. Visão Geral Sistemas Operacionais P R O F. B R U N O A L B U Q U E R Q U E S C R I G N O L I Visão Geral Organização da Apresentação Introdução Componentes de um Sistema de Computação Conceito de SO Objetivos de um

Leia mais

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade.

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. PROCESSADOR ULA Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. ULA Uma ULA típica pode realizar as operações artiméticas: - adição; - subtração; E lógicas: - comparação

Leia mais

AULA 01: APRESENTAÇÃO

AULA 01: APRESENTAÇÃO ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 01: APRESENTAÇÃO Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação QUAIS OS OBJETIVOS DESSA DISCIPLINA?

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2)

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2) Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Sistemas Operacionais (SOP A2) Conceitos de Hardware e Software Referências: Arquitetura de Sistemas Operacionais. F. B. Machado, L. P. Maia. Editora

Leia mais

Aula 16: UCP: Conceitos Básicos e Componentes

Aula 16: UCP: Conceitos Básicos e Componentes Aula 16: UCP: Conceitos Básicos e Componentes Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) UCP: Conceitos Básicos e Componentes FAC 1 / 34

Leia mais

ARITMÉTICA BINÁRIA. Adão de Melo Neto

ARITMÉTICA BINÁRIA. Adão de Melo Neto ARITMÉTICA BINÁRIA Adão de Melo Neto 1 Sumário Adição Multiplicação Subtração Divisão Complemento de 1 Complemento de 2 Representação de um número com sinal Sinal magnitude Complemento de 2 Valor em decimal

Leia mais

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização Hardware: Componentes Básicos Arquitetura dos Computadores Dispositivos de Entrada Processamento Dispositivos de Saída Armazenamento Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistema de

Leia mais

1. A pastilha do processador Intel possui uma memória cache única para dados e instruções. Esse processador tem capacidade de 8 Kbytes e é

1. A pastilha do processador Intel possui uma memória cache única para dados e instruções. Esse processador tem capacidade de 8 Kbytes e é 1. A pastilha do processador Intel 80486 possui uma memória cache única para dados e instruções. Esse processador tem capacidade de 8 Kbytes e é organizado com mapeamento associativo por conjuntos de quatro

Leia mais

Projeto Lógico de Computadores. Profa. MSc. Carolina Melo Santana

Projeto Lógico de Computadores. Profa. MSc. Carolina Melo Santana Projeto Lógico de Computadores Profa. MSc. Carolina Melo Santana karolstana@yahoo.com.br Nível de Máquina de Sistema Operacional Dinâmica: Batata quente Perguntas a serem respondidas pelos alunos que estiverem

Leia mais

ção de Computadores I

ção de Computadores I Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura e Organizaçã ção de Computadores I Aula 2 1. Projeto da Arquitetura

Leia mais

Montagem e Manutenção Processadores

Montagem e Manutenção Processadores Montagem e Manutenção Processadores Processador Cérebro Computacional Evolução dos Computadores 1ª Geração => Válvulas (1945-1955) ENIAC: Tinha 19.000 válvulas Pesava 30 toneladas Área de150 m 2 Evolução

Leia mais

Algoritmos Computacionais

Algoritmos Computacionais UNIDADE 1 Processador e instruções Memórias Dispositivos de Entrada e Saída Software ARQUITETURA BÁSICA UCP Unidade central de processamento MEM Memória E/S Dispositivos de entrada e saída UCP UNIDADE

Leia mais

Introdução à Computação para Engenharia MAC2166 Prof. Dr. Paulo Miranda IME-USP. Aula 1 Introdução à Computação

Introdução à Computação para Engenharia MAC2166 Prof. Dr. Paulo Miranda IME-USP. Aula 1 Introdução à Computação Introdução à Computação para Engenharia MAC2166 Prof. Dr. Paulo Miranda IME-USP Aula 1 Introdução à Computação Eventos históricos: 1) Primeiro computador a válvulas, o Eletronic Numeric Integrator And

Leia mais

3. DESCRIÇÃO DO SPARC Histórico

3. DESCRIÇÃO DO SPARC Histórico 20 3. DESCRIÇÃO DO SPARC 3.1 - Histórico O SPARC, acrossemia para Scalable Processor ARChitecture, originou-se nos projetos pioneiros de Berkeley, desenvolvidos a partir de 1981 por alunos de graduação

Leia mais

Instruções. Maicon A. Sartin

Instruções. Maicon A. Sartin Instruções Maicon A. Sartin SUMÁRIO Introdução Instruções Formatos de instruções Conjuntos de instruções Execução de instruções Introdução a Linguagem de Montagem Introdução a Linguagem de Montagem Níveis

Leia mais

ULA (ALU) - UNIDADE DE ARITMÉTICA E LÓGICA

ULA (ALU) - UNIDADE DE ARITMÉTICA E LÓGICA FATEC SP - Análise e Desenvolv. De Sistemas - Ambiente Operacional PÁG. 1 II) ELEMENTOS DE HARDWARE: DIAGRAMA DE BLOCOS DE UM COMPUTADOR 1) CPU - UNIDADE CENTRAL DE PROCESSAMENTO RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO

Leia mais

O Funcionamento do Processador

O Funcionamento do Processador O Funcionamento do Processador Arquiteturas para Alto Desmpenho Prof. pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac Os cinco componentes clássicos de um Computador - Controle O

Leia mais

Organização de Computadores (revisão) André Tavares da Silva

Organização de Computadores (revisão) André Tavares da Silva Organização de Computadores (revisão) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Conceitos Básicos Microcomputador é um sistema computacional que possua como CPU um microprocessador. Microprocessador

Leia mais

Organização de Computadores. 1. Calcule a corrente elétrica e a tensão em cada resistor no circuito abaixo

Organização de Computadores. 1. Calcule a corrente elétrica e a tensão em cada resistor no circuito abaixo Organização de Computadores NOME: 1. Calcule a corrente elétrica e a tensão em cada resistor no circuito abaixo 2. Identifique os componentes eletrônicos abaixo e suas funções 2. O que é um circuito Integrado?

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais CAP 2: Conceitos de Hardware e Software Prof. MSc. Diego R. Moraes diegorm@anhanguera.com Download de todo conteúdo da disciplina https://sites.google.com/site/diegorafaelmoraes/downloads

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I Sistemas Operacionais I Revisão de conceitos Sistemas Operacionais I Dionisio Gava Junior Componentes básicos Componentes Básicos da Tecnologia da Informação Hardware CPU, Memória e Periféricos de E/S.

Leia mais

Circuitos Combinacionais Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h

Circuitos Combinacionais Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h Circuitos Combinacionais Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Circuitos Combinacionais Nessa aula será abordados os seguintes conceitos: Circuitos Exclusive-OR e Exclusive-NOR; Escalas

Leia mais

Organização de Computadores μarquitetura. Na Aula Anterior... Introdução. Nesta Aula. MIPS-Monociclo. Formas de Organização 17/10/2016

Organização de Computadores μarquitetura. Na Aula Anterior... Introdução. Nesta Aula. MIPS-Monociclo. Formas de Organização 17/10/2016 GBC06 Arq. e Org. de Computadores I 17/10/2016 Organização de Computadores μarquitetura Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Prof. Dr. rer. nat. Daniel D. Abdala Na Aula Anterior...

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES TECNOLOGIAS EM REDES DE COMPUTADORES Semestre 2015.2 Prof. Dsc. Jean Galdino As principais arquiteturas de processadores são: Von Neumann; Harvard. ARQUITETURAS AULA 06 28/10/2015

Leia mais

2º Estudo Dirigido CAP 3

2º Estudo Dirigido CAP 3 2º Estudo Dirigido CAP 3 1. Cite três exemplos de aspecto na definição e implementação de uma arquitetura que são influenciados pelas características do conjunto de instruções? R.: Operações lógicas e

Leia mais

Elementos Físicos do SC e a Classificação de Arquiteturas

Elementos Físicos do SC e a Classificação de Arquiteturas Elementos Físicos do SC e a Classificação de Arquiteturas IFBA Instituto Federal de Educ. Ciencia e Tec Bahia Curso de Analise e Desenvolvimento de Sistemas Arquitetura de Computadores 9 e 10/40 Prof.

Leia mais

Processadores para computação de alto desempenho

Processadores para computação de alto desempenho Processadores para computação de alto desempenho Aleardo Manacero Jr. DCCE/UNESP Grupo de Sistemas Paralelos e Distribuídos Arquitetura do Conjunto de Instruções Tópicos a serem abordados: Métricas das

Leia mais

Organização de Computadores Processadores. Professor: Francisco Ary

Organização de Computadores Processadores. Professor: Francisco Ary Organização de Computadores Processadores Professor: Francisco Ary Introdução O que vimos no último encontro: O que é um computador; Arquitetura Três partes principais: Processador; Memória; e Sistema

Leia mais

AULA. Processamento de Dados

AULA. Processamento de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina: INF64 (Introdução à Ciência da Computação) Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel

Leia mais

Unidade Central de Processamento 2. Registradores

Unidade Central de Processamento 2. Registradores Unidade Central de Processamento 2 Registradores Conceitos Fundamentais Arquitetura da CPU Unidade de Controle Registradores Barramento interno Unidade lógica e Aritmética Registradores Conjunto de unidades

Leia mais