Domínio Sociocultural: Uma abordagem para a ação pedagógica a partir de um Objeto de Aprendizagem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Domínio Sociocultural: Uma abordagem para a ação pedagógica a partir de um Objeto de Aprendizagem"

Transcrição

1 Domínio Sociocultural: Uma abordagem para a ação pedagógica a partir de um Objeto de Aprendizagem Alexandra Lorandi Macedo 1, Cláudia Zank 1, Patricia Alejandra Behar 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Av. Paulo Gama, Prédio º andar - Sala Porto Alegre RS - Brasil Abstract. Too often human beings are faced with different social groupings and must act in order to achieve success in their relations with other individuals. These relations are composed of social, affective and cognitive aspects. As such, this article discusses the Sociocultural Domain and relates it to the DOCIAL Learning Object which deals with this issue. In one of its approaches the Object describes pedagogical actions based on teamwork, as it considers that this practice contributes to the success of social exchanges. Furthermore, the article also presents the application of the DOCIAL with a group of undergraduates and the results of this application. Resumo. Com grande frequência o ser humano depara-se com diferentes agrupamentos sociais e precisa agir a fim de alcançar o sucesso nas relações com outros sujeitos. Dessas relações fazem parte aspectos sociais, afetivos e cognitivos. Nesse sentido, este artigo aborda o Domínio Sociocultural e faz relação com o Objeto de Aprendizagem DOCIAL que trata deste tema. Em uma de suas abordagens o Objeto descreve ações pedagógicas baseadas no trabalho em equipe, pois considera que essa prática contribui para o sucesso das trocas sociais. Além disso, o artigo também apresenta a aplicação do DOCIAL com um grupo do curso de graduação e os resultados dessa aplicação.

2 1. Introdução O primeiro círculo sociocultural a que o ser humano costuma ser submetido é o familiar. Em seguida, a escola proporciona novas condições sociais onde, a partir de diferentes situações, o indivíduo começa a conhecer e respeitar as normas coletivas. Para poder conviver com essas normas, é necessário que cada um exercite aspectos cognitivos, físicos e sociais a fim de se adequar aos limites e regras estabelecidas pelo grupo. Estes aspectos, bem como os fatores culturais, políticos e ideológicos, presentes em cada indivíduo e em cada grupo, são entendidos como pertencentes a dois eixos, o social e o cultural. Nesse sentido, eles abarcam as relações intra e interpessoais, uma vez que permitem ao sujeito expressar e comunicar, de modo adequado, seus sentimentos, desejos, opiniões e expectativas. Esses elementos podem, ainda, ser complementados sob a ótica afetiva. Acredita-se que significativas intervenções pedagógicas podem contribuir para o sucesso das trocas interindividuais e das novas construções realizadas pelos sujeitos ao longo do processo de aprendizagem. Uma das alternativas para proporcionar a construção de saberes que favoreçam as trocas interindividuais é o trabalho em equipe.com a intenção de relacionar e trabalhar, em contextos reais de educação, temáticas relacionadas ao domínio sociocultural, desenvolveu-se o objeto de aprendizagem (OA) DOCIAL. O objeto pode ser utilizado em práticas pedagógicas presenciais ou a distância com o intuito de proporcionar um debate acerca do domínio sociocultural com foco no trabalho em equipe. Diante disso, esse artigo trata, na próxima seção, dos aspectos relacionados ao trabalho em equipe e suas implicações na área do trabalho, da educação e da computação. A seção 3 apresenta o Objeto de Aprendizagem DOCIAL, sua validação em uma turma de graduação em Pedagogia e os resultados obtidos. A seção 4 discute algumas possibilidades de práticas focadas em ações em equipe. Por fim são apresentadas as considerações finais. 2. Trabalho em Equipe As equipes têm sido vistas como uma forma de organização do trabalho com a qual se alcançam objetivos com maior eficiência e rapidez. Com isso, cresce a exigência de contratação por trabalhadores que saibam se articular desta forma. No que tange à computação, diferentes recursos informáticos são desenvolvidos com o intuito de apoiar e potencializar o trabalho em equipe. Já nas escolas, discute-se cada vez mais esse tipo de trabalho que mostra sua força ao oferecer significativas possibilidades de conflito sóciocognitivo e, portanto, de construção do conhecimento. Nesse sentido, a seguir são descritos três diferentes focos do trabalho em equipe, são eles: trabalho em equipe no contexto do trabalho, no contexto da educação e no contexto da computação. 2.1 Trabalho em equipe no contexto do trabalho Empresas e pessoas buscam o trabalho em equipe por diferentes razões. Estas, no entanto, podem ser classificadas, basicamente, como materiais e não materiais. No que tange às empresas, a escolha pelas equipes como forma de organização do trabalho normalmente se

3 relaciona à competitividade. Entende-se que as equipes contribuem para o aumento da produtividade e diminuição dos custos. No entanto, existem organizações e instituições que se organizam em equipes, mas não têm como objetivo a competitividade. É o caso, por exemplo, das escolas e hospitais públicos. Da mesma maneira, mesmo quando a formação de equipes não é uma exigência da organização, há pessoas que buscam trabalhar desta forma. Esta busca parece ir ao encontro de realizações pessoais como o prazer de oferecer um serviço de qualidade, a aprendizagem que o grupo proporciona, a novidade que o outro representa ou, ainda, o prazer ou a necessidade da convivência social. Ainda no que tange ao âmbito do trabalho, um aspecto que merece análise criteriosa diz respeito aos termos equipe e grupo, geralmente tratados como sinônimos e utilizados sem maiores reflexões. Nesse sentido, este artigo concorda com os teóricos da administração que entendem grupo e equipe como diferentes formas de organização e que, portanto, possuem características distintas. Assim, as características 1 de equipe podem ser agrupadas em três dimensões: a) Produto: É resultado de um trabalho coletivo. Em outras palavras, é a soma dos trabalhos individuais otimizada pelas interações entre os participantes. b) Processo: Trabalha-se individualmente, mas também há esforço conjunto, o qual ocorre por meio de diálogo, negociação e cooperação entre os membros. c) Pessoas: Sentem-se comprometidas e responsáveis em relação ao trabalho e ao objetivo que se quer atingir, mas também em relação aos colegas. Neste sentido, há preocupação, respeito e incentivo ao crescimento do outro. Enquanto em grupo as dimensões Processo e Pessoas não são valorizados (ZANK, RIBEIRO, BEHAR, 2011), equipe é vista como uma coletividade que se articula de forma bastante equilibrada, na qual o outro é tão importante quanto o produto do seu trabalho. A dúvida que se apresenta é se as coletividades existentes nas empresas possuem, de fato, as características de equipe. Sennet (2005) diz que não. Para este autor, as equipes não passam de ficção. Se equipes são as coletividades possuidoras das características apontadas, pressupõe-se que existem coletividades que apenas discursem trabalhar em equipe, pois não possuem tais características. Logo, Zank, Ribeiro e Behar (2011) sugerem utilizar o termo pseudoequipes 2 para se referir às organizações que discursam o trabalho em equipe, mas que, na prática, trabalham em grupo. 2.2 Trabalho em equipe no contexto da educação As equipes, além do campo do trabalho, também têm mostrado ganhos e novas formas de produzir e propagar conhecimento na área da educação. Nesse contexto, destaca-se Piaget 1 Levantamento realizado a partir de Katzenbach e Smith (1994); Preisler, Borba e Battirola (2002); 2 Termo cunhado por Katzenbach e Smith (1994).

4 (1973), que entende o fator social como um elemento essencial na construção do conhecimento. Assim, quando os participantes de um grupo têm o desafio de desenvolver um trabalho em conjunto e não conseguem, pode ser que não tenham tido sucesso na estruturação das regras, valores e sinais, segundo sustenta a teoria piagetiana. Esses três aspectos constituem a troca social (PIAGET, 1973). As regras podem ter a função de estruturar os símbolos. Assim, as regras podem ser, por exemplo, as normas que regem a construção de um texto. Em paralelo, os valores correspondem aos interesses dos indivíduos, seus esforços, suas vontades em relação à ação e também aos valores de troca que constituem a dependência nas relações. Por fim, os sinais servem como meio para transmissão das regras e valores. Os sinais, seguindo o exemplo anterior, podem então se referir ao conhecimento da linguagem escrita pelos integrantes do grupo. Com base nessa perspectiva, entende-se que os três aspectos (regras, valores e sinais) são fundamentais para sustentar a construção coletiva, a troca social frente ao desenvolvimento de um projeto ou atividade. Quando os sujeitos trabalham em grupo, podem desencadear um conflito sócio-cognitivo. Para Piaget (1973), esse conflito se dá a partir do confronto entre esquemas de diferentes sujeitos. Nesse sentido, ele pode gerar um desequilíbrio afetivo e cognitivo entre os alunos que buscam, a partir das interações, construir uma nova informação, podendo, ou não, alcançar um novo equilíbrio. Além disso, outro elemento importante a investigar é a presença ou ausência de relações de egocentrismo, coação e cooperação. Quando da presença do egocentrismo, os sujeitos não conseguem coordenar seus pontos de vista, uma vez que entendem as coisas e os demais indivíduos a partir de suas próprias ações. Essa condição pode comprometer significativamente a qualidade da troca social. A situação de desequilíbrio também pode acontecer quando um indivíduo adota o ponto de vista do outro não de forma espontânea, mas sob efeito de sua autoridade ou prestígio. A isso Piaget (1998) chama de coação. O autor ressalta que tal circunstância pode ser identificada quando um determinado indivíduo respeita o outro sem ser respeitado. Diante do processo de troca interindividual, essa situação pode configurar a aceitação da contribuição de um colega da equipe, sem necessariamente haver concordância dos demais participantes. A divergência de perspectivas, a não coordenação de diferentes pontos de vista compromete a troca e o alcance da cooperação. Frente a esse cenário, no que tange à prática docente, entende-se que esta deve aprender a reconhecer e escolher ações que tenham chance de produzir resultados cognitivos, transformando, assim, as estruturas de conhecimento de cada sujeito (BECKER, 2003). 2.3 Trabalho em equipe no campo da computação A partir de necessidades nos âmbitos do trabalho e da educação, realizam-se esforços e pesquisas com o intuito de promover, possibilitar e aumentar o potencial de diferentes modalidades de produções coletivas via web. Neste contexto, duas áreas de pesquisa se destacam: CSCW (Computer-Supported Cooperative Work - Trabalho Cooperativo Apoiado por Computador) e CSCL (Computer Supported Collaborative Learning - Aprendizagem Colaborativa Apoiada por Computador).

5 A área CSCW preocupa-se com o mundo do trabalho, desenvolvendo tarefas produtivas comercialmente, e a CSCL preocupa-se com a aprendizagem colaborativa, a qual permitirá aos alunos agir posteriormente no mundo do trabalho (STAHL, 2006). Tanto na área do CSCW quanto na do CSCL objetiva-se o desenvolvimento de ferramentas que possam dar suporte para determinadas ações ou atividades. O apoio às ações ocorre, geralmente, por meio de diferentes formas de interação. Em termos computacionais, podese dizer que estas interações se realizam graças a um conjunto de ferramentas e/ou funcionalidades estruturadas em um groupware. Neste sentido, aplicativos groupware são ferramentas ou conjuntos de ferramentas que, combinados de diferentes formas, podem proporcionar diferentes graus de interação e possibilidades de trabalho coletivo. Destaca-se que neste estudo a expressão trabalho coletivo é utilizada com o mesmo sentido de trabalho em equipe e trabalho cooperativo. Normalmente um groupware conta com um espaço de trabalho, que deve ser compartilhado por todos e que possibilite a realização de atividades concretas, como a criação de um texto, ou abstrata, como tomar uma decisão. O espaço de trabalho pode ser, portanto, uma edição de texto, um quadro-branco para desenho, etc (CAMPOS et al., 2003). Além do espaço de trabalho, os groupwares ainda contam com ferramentas de suporte à produção coletiva. Nesta perspectiva, uma aprendizagem mediada por computador, no qual se faça uso de aplicativos groupware, pode possibilitar resultados educacionais acadêmicos e relacionados à aprendizagem, mas também resultados voltados à sociabilidade e à formação profissional - Na maioria dos casos, o processo de colaboração entre os alunos (e, frequentemente, o professor, tutor ou mentor) é mais importante do que o computador. O software é feito para dar suporte, e não para substituir esses processos (STAHL, KOSCHMANN, SUTHERS, 2006, p. 7). 3. Objeto de Aprendizagem com Foco no Domínio Sociocultural Objeto de Aprendizagem (OA) DOCIAL foi desenvolvido com a intenção de relacionar e trabalhar, em contextos reais de educação, o tema domínio sociocultural. Nesse estudo, entende-se OA como um material digital com fins educacionais (BEHAR et al, 2009). Este objeto tem como objetivo proporcionar um debate acerca do domínio sociocultural com foco no trabalho em equipe. Para tanto, percorre os âmbitos do trabalho, da educação e da computação. Nesta caminhada, discorre sobre a noção de domínio sociocultural, os diferentes tipos de coletividade existentes no âmbito do trabalho, práticas pedagógicas voltadas à aprendizagem colaborativa e recursos digitais que podem dar suporte a estas práticas. O objeto divide-se em quatro módulos assim organizados: (1) Domínio Social, (2) Equipe no Campo do Trabalho, (3) Equipe no Campo da Educação e (4) Equipe no Campo da Computação. Cada módulo é composto por texto com fundamentação teórica sobre o assunto, slides que sistematizam as informações contidas nesse texto e desafios (atividades) que têm por objetivo proporcionar reflexões e discussões sobre os assuntos tratados. Os

6 temas podem ser trabalhados de forma alternada, assim como os desafios podem sofrer adaptações para se adequarem a cada público de usuários. O OA foi planejado para ser vinculado à disciplinas de graduação, pós-graduação e extensão e aplicado na modalidade presencial, semipresencial ou a distância. Além disso, este também pode ser utilizado em cursos para formação de professores ou profissionais que queiram aprimorar seus conhecimentos sobre o domínio sociocultural. Destaca-se que cada módulo possui uma seção de material de apoio para que os usuários possam aprofundar as leituras sobre o tema. Além disso, sabe-se que a necessidade de proporcionar aos sujeitos o desenvolvimento de elementos como senso crítico, dinamismo, criatividade, expressão escrita, pessoal e a capacidade de trabalhar em equipe mostram-se cada vez mais latentes tanto no contexto do trabalho quanto da educação. Em paralelo, a área da computação se esforça para desenvolver recursos que deem suporte para esse movimento que é dinâmico e constante. Isso porque práticas apoiadas na cooperação têm mostrado significativos resultados. Os benefícios apontam ganhos na qualidade não só no resultado das produções construídas, mas também no desenvolvimento pessoal dos sujeitos envolvidos. Diante disso, o OA apresenta uma gama de ferramentas que se aplicam às mais diferentes áreas e podem favorecer e viabilizar as trocas interindividuais. As aplicações são variadas, mas com um mesmo objetivo: proporcionar que todos os participantes possam trabalhar juntos, em prol de uma mesma meta. O Objeto de Aprendizagem DOCIAL é de domínio público e pode ser acessado em: Este OA foi aplicado em uma turma de graduação para validação do mesmo. Na próxima seção são apresentados os resultados. 3.1 Aplicação do DOCIAL e resultados O Objeto de Aprendizagem DOCIAL foi aplicado em 2012/1 na disciplina O Computador na Educação do curso de Graduação em Pedagogia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Na ocasião foram desenvolvidas quatro aulas, totalizando 20h/aula, sendo duas a distância e duas presenciais. As aulas contemplaram momentos de leitura, debate e proposição de desafios (atividades) a partir dos temas de cada módulo. A primeira e terceira aulas foram presenciais, já a segunda e a quarta foram desenvolvidas a distância. Todas elas tiveram suporte do Objeto de Aprendizagem e do ambiente virtual ROODA (https://ead.ufrgs.br/rooda/). O ambiente virtual serviu de apoio para os debates a partir da ferramenta Fórum, para postagem de atividades através do Webfólio e também para sanar as dúvidas que surgiam ao longo do processo, tendo como suporte tanto o Fórum como as mensagens que podem ser enviadas de forma particular. Além destes, os alunos utilizaram o Diário de Bordo para postar reflexões sobre seu processo de aprendizagem e possíveis dificuldades que encontraram durante o desenvolvimento das atividades. A primeira aula abordou o tema Domínio Sociocultural. O objetivo foi apresentar as ferramentas que apoiaram as ações do curso, a estrutura do mesmo, o assunto central e suas perspectivas. A segunda aula tratou da Equipe no Campo do Trabalho. Nesta etapa, a

7 distância, tanto o momento de debate, no Fórum do Rooda, quanto o de realização do desafio proposto tiveram por objetivo favorecer o desenvolvimento da autonomia dos alunos. Para participar do debate e desenvolver as atividades, os alunos precisaram se apropriar do assunto, sintetizar e construir suas proposições sobre o tema. Na terceira e quarta aula, os módulos trabalhados foram: Equipe no Campo da Educação e Equipe no Campo da Computação. Estas aulas tiveram por objetivo proporcionar aos alunos momentos de reflexão sobre como a tecnologia pode potencializar as trocas sociais e como as estratégias pedagógicas podem ser estruturadas para alcançar tal fim. No último encontro foi proposto, como desafio, que os alunos criassem um plano de aula utilizando uma ferramenta colaborativa. Este desafio reunia os módulos trabalhados nas aulas três e quatro, uma vez que, para realizá-lo, os alunos deveriam levar em consideração os recursos digitais e a abordagem sobre práticas pedagógicas. No que se refere à avaliação, a prática com o OA DOCIAL seguiu a proposta da disciplina de realizar uma avaliação formativa. Para tanto, foram utilizados como instrumentos a participação no Fórum e no Diário de Bordo bem como a realização das atividades propostas. Na última aula foi distribuído um questionário. O intuito foi coletar dados para discutir a experiência com o DOCIAL. Na construção do mesmo levou-se em conta os seguintes indicadores: de Conteúdo e de Didática. O objetivo foi, a partir da análise dos questionários, verificar o nível de satisfação dos alunos na utilização do objeto. O indicador de Conteúdo relaciona-se ao nível de satisfação dos alunos com os textos disponibilizados no objeto. Nesse sentido, a maioria dos alunos apontou o conteúdo como claro e conciso. Segundo os mesmos, o OA apresenta os conceitos básicos acerca das temáticas trabalhadas e os descreve bem. Além disso, também conta com informações precisas e atuais. A aluna Ana (os nomes foram trocados para preservar a identidade dos alunos) relata: Conteúdo dinâmico, claro. Não são textos longos, o que ajuda na leitura. Salienta-se, no entanto, que o nível de satisfação não foi total. A aluna Anaí, por exemplo, ainda que tenha considerado os conteúdos enriquecedores e completos, também relata que: [...] nem sempre são de fácil entendimento, sendo necessário mais de duas leituras para sua compreensão total. Já para o aluno Sena o problema foi com as atividades, diz o aluno: Nem todas as instruções para as atividades considero claras. Com relação ao indicador de Didática, esse permite avaliar a satisfação dos alunos quanto aos conceitos apresentados no objeto e quanto à utilização dos diferentes recursos

8 multimídia. Nesse sentido, os alunos apontaram que os conceitos são apresentados de forma contextualizada e que se relacionam entre si, apesar de constarem em diferentes módulos. Com relação aos recursos multimídia, estes não foram identificados como uma das qualidades do OA. Por outro lado, os hipertextos foram extremamente valorizados, como aponta a aluna Ana: Facilitador do aprendizado: links que geram outros textos são sempre interessantes. Utiliza-se de hipertextos. Quando tu percebes, leu uma quantidade suficiente para um objetivo sem que a leitura se torna-se chata e cansativa. A análise dos dados indica que, ainda que os alunos mostrem certo grau de satisfação com o DOCIAL, pode haver necessidade de o mesmo ser aprimorado. Portanto, nesse momento, novas análises e estudos estão em fase de desenvolvimento para melhor qualificar o material e prepará-lo para novas aplicações. O interesse em aplicar o OA e aprimorar seu conteúdo e didática tem estreita relação com a utilização desde Objeto para a formação de professores. Neste viés, uma das abordagens que o OA destaca é a de práticas pedagógicas que favoreçam esse movimento, conforme trata a próxima seção. 4. Possibilidades de Práticas Pedagógicas que Privilegiam o Trabalho em Equipe Esta seção tem por objetivo apontar algumas possibilidades para apoiar o trabalho do professor que deseja proporcionar aos alunos práticas em equipe. Ressalta-se que quando uma equipe apresenta indícios de dificuldade para a construção de um trabalho coletivo, é interessante que a prática privilegie experiências estimuladoras de decisão e responsabilidade (FREIRE, 2003). Por exemplo, o professor, ao desafiar uma equipe a desenvolver, em uma ferramenta colaborativa, o planejamento pedagógico de um curso que tenha como foco o tema interatividade, pode perceber limitações em relação ao conteúdo e/ou em relação a participação dos envolvidos. Uma possibilidade para resgatar a equipe é a de o professor disparar desafios que favoreçam tanto a tomada de decisões, quanto a busca por recursos que possam beneficiar novas construções e permitam aos alunos avançar qualitativamente na produção. Destaca-se que esta atividade foi proposta no módulo 3 do DOCIAL e as ferramentas colaborativas estão descritas na seção Práticas Pedagógicas no mesmo módulo. Os desafios e questionamentos propostos no Objeto de Aprendizagem DOCIAL, além de contribuir para o desenvolvimento dos alunos, também servem de referência ao professor, que precisa conhecer o potencial e as limitações de cada indivíduo. Tanto os desafios quanto os questionamentos possibilitam a criação de condições favoráveis à constituição ou ao aparecimento da autonomia, além de criar condições para que os alunos desenvolvam a capacidade de trabalhar em equipe, de desenvolver o pensamento crítico e a aprender a aprender. Destaca-se ainda que, num cenário onde os alunos conseguem desenvolver um trabalho coletivo, os questionamentos e desafios sugerem elementos de

9 base para que o professor identifique o nível de conhecimento dos sujeitos sobre o tema. Com isso, é possível proporcionar materiais e discussões que viabilizem o aprofundamento teórico sobre o assunto abordado. Visando esta prática, o OA DOCIAL contempla, na sessão Material de Apoio, referências avançadas sobre cada tema (textos, vídeos e hipertextos). Com base nas relações feitas, destaca-se que práticas pedagógicas que privilegiem a discussão, tomada de decisões, análise, leitura e pesquisa, tendem a proporcionar melhores condições para o desenvolvimento da autonomia, do pensamento crítico, do aprender a aprender. Logo, é possível que novas condições de trabalho e novas relações sejam favoráveis ao desenvolvimento do trabalho em equipe. Na prática, as ações aqui descritas puderam ser trabalhadas com o uso do DOCIAL e do ambiente ROODA. Tais recursos proporcionaram condições tanto para uma mediação pedagógica que tinha como foco favorecer o aprimoramento das produções e das trocas sociais, quanto novos enfoques de desenvolvimento aos participantes que já alcançaram os objetivos propostos na atividade. 5. Considerações Finais Mesmo presente em todos os momentos da vida, o domínio social-cultural está constantemente evoluindo, pois assim como mudam as pessoas nos diferentes contextos, mudam as relações, sempre complexas, uma vez que abarcam especificidades e particularidades. Neste viés, diferentes áreas de pesquisa tentam compreender o trabalho coletivo, seu potencial e suas possibilidades. No que diz respeito à educação, pesquisas ancoradas em Piaget (1973) revelam o fator social como essencial na construção do conhecimento. A partir de então, a aprendizagem colaborativa toma força e novas ferramentas e ambientes de aprendizagem passam a ser desenvolvidos com o intuito de criar condições para o desenvolvimento do trabalho em equipe, favorecendo a comunicação e a negociação entre os pares. Foi nesse sentido, e também para favorecer que alunos e docentes relacionem e trabalhem o tema domínio sociocultural com foco no trabalho em equipe, que se desenvolveu o Objeto de Aprendizagem DOCIAL. A partir da aplicação do OA em uma turma de Graduação em Pedagogia foi possível verificar o nível de satisfação dos usuários quanto à utilização do DOCIAL. Nesse sentido, ainda que se tenha constatado certo grau de satisfação, novos estudos e análises estão em fase de desenvolvimento. O intuito é proporcionar ao objeto mais altos patamares qualitativos e, com isso, viabilizar novas aplicações em outros contextos educacionais. 6. Referências Becker, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, Behar, Patricia A.; Macedo, Alexandra L.; Souza, Ana Paula F.; Bernardi, Maira. Objetos de aprendizagem para educação a distância. In: Behar, Patricia A. (org). Modelos Pedagógicos em Educação a Distância. Porto Alegre: Artmed, 2009.

10 Campos, Fernanda C.A.; Santoro, Flávia Maria; Borges, Marcos R.S.; Santos, Neide. Cooperação e aprendizagem on-line. Rio de Janeiro: DP&A, Chiavenato, Idalberto. Comportamento Organizacional: a dinâmica do sucesso das organizações. 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, Coll, César. Aprendizagem Escolar e Construção do Conhecimento. Porto Alegre: Artes Médicas, Freire, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, Katzenbach, John R E Smith, Douglas K. A força e o poder das equipes, São Paulo: Makron, Moscovici, Fela. A organização por trás do espelho: reflexos e reflexões. 2.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, Piaget, Jean. Estudos Sociológicos. Rio de Janeiro: Forense, Sobre a Pedagogia. São Paulo: Casa do Psicólogo, Preisler, Adriano Milton; Borba, Jadson Alberto; Battirola, Júlio César. Os tipos de personalidade humana e o trabalho em equipe. Rev. PEC, Curitiba, v.2, n.1, p , jul jul Robbins, Stephen Paul. Fundamentos do comportamento organizacional. São Paulo: Prentice Hall, Sennett, Richard. A Corrosão do Caráter: Consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. 10.ed.. Rio de Janeiro: Record, 2005 Stahl, Gerry, (2006). Group cognition: Computer support for building collaborative knowledge. Cambridge, MA: MIT Press. Disponível em: Acesso em agosto Stahl, Gerry, Koschmann, Timothy, Suthers, Dan, (2006). Computer-supported collaborative learning: A historical perspective. In R. K. Sawyer (Ed.), Cambridge handbook oh the learning sciences. New York: Cambridge University Press. Disponível em: Acesso em: agosto Zank, Cláudia; Ribeiro, Jorge Alberto Rosa; Behar, Patricia Alejandra. Um Estudo sobre Coletividades no Âmbito do Trabalho. In: XII Encontro Nacional da ABET Associação Brasileira dos Estudos do Trabalho João Pessoa. Anais.

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES TUTORES PARA O ENSINO DE TEATRO À DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES TUTORES PARA O ENSINO DE TEATRO À DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES TUTORES PARA O ENSINO DE TEATRO À DISTÂNCIA Luzirene do Rego Leite, Kalina Lígia de Almeida Borba Universidade de Brasília luzirene@gmail.com; kalinaborba@gmail.com

Leia mais

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB)

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) 076-A3 05/2005 Sônia Regina de Andrade Universidade Regional de Blumenau,

Leia mais

Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância

Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância Maio 2007 na Lúcia Tinoco - UNICSUL ana.cabral@unicsul.br Carlos Fernando

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

IMERSÃO TECNOLÓGICA DE PROFESSORES: POSSIBILIDADES DE FORMAÇÃO CONTINUADA MEDIADA POR AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA

IMERSÃO TECNOLÓGICA DE PROFESSORES: POSSIBILIDADES DE FORMAÇÃO CONTINUADA MEDIADA POR AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA IMERSÃO TECNOLÓGICA DE PROFESSORES: POSSIBILIDADES DE FORMAÇÃO CONTINUADA MEDIADA POR AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA QUARESMA, Cíndia Rosa Toniazzo 1 Palavras-chave: Formação de Professores,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

Fasci-Tech TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA NOVA DINÂMICA SOCIOCULTURAL

Fasci-Tech TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA NOVA DINÂMICA SOCIOCULTURAL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA NOVA DINÂMICA SOCIOCULTURAL ROGÉRIO FERNANDES DA COSTA 1 Resumo: A Tecnologia da informação possibilita a interação com a informação e as transmissões em rede encurtam as distâncias

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: PROJETOS POLÍTICO-PEDAGÓGICOS (PPP) DAS ESCOLAS

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO Eva Karolina Pereira Santos Isabela Almeida Valadares Marina Santos Silva Pedro Henrique Branco de Oliveira

Leia mais

PROJETO KIDSMART PROMOVENDO A INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO

PROJETO KIDSMART PROMOVENDO A INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO PROJETO KIDSMART PROMOVENDO A INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO Resumo MUNIZ, Cláudia Pereira - SME cmuniz@sme.curitiba.pr.gov.br SANTOS, Taís Wojciechowski SME taissantos@sme.curitiba.pr.gov.br Eixo Temático:

Leia mais

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Maio/2010 AMARAL, Rita de Cássia Borges de Magalhães

Leia mais

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres Escola de Enfermagem Ensino de Enfermagem em Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Heloisa Helena Ciqueto Peres Maria Madalena Januário Leite Claudia Prado hhcperes@usp.br marimada@usp.br claupra@usp.br

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2

OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2 OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2 RESUMO Os hábitos e costumes humanos tem alterado intensamente os ecossistemas

Leia mais

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas. A INTERAÇÃO DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA COM AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO PEDAGÓGICO Heloisa Galdino Gumueiro Ribeiro 1, Prof. Dirce Aparecida Foletto De Moraes 2

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM AULAS DE MATEMÁTICA: INTEGRAÇÃO DO LAPTOP EDUCACIONAL NO ENSINO DE ÁLGEBRA

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM AULAS DE MATEMÁTICA: INTEGRAÇÃO DO LAPTOP EDUCACIONAL NO ENSINO DE ÁLGEBRA PRÁTICA PEDAGÓGICA EM AULAS DE MATEMÁTICA: INTEGRAÇÃO DO LAPTOP EDUCACIONAL NO ENSINO DE ÁLGEBRA Fernanda Elisbão Silva de Souza Mestranda da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, fernanda.elisbao@gmail.com

Leia mais

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem...

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem... 1 2 Sumário Bem Vindo... 4 A Disciplina de Dependência Interativa... 5 A Organização da Disciplina... 7 O Processo de Ensino e Aprendizagem... 10 Sua Semana no Curso... 11 O apoio local ao Ensino Semipresencial...

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Ednilson Luiz Silva Vaz Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, UNESP Brasil ednilson_vaz@hotmail.com

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO MIRANDA 1, Márcia Verônica Costa; SILVA 2, Gilmar Batista da 1 Professora Orientadora

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA: UM CAMINHO POSSÍVEL? PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS

FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA: UM CAMINHO POSSÍVEL? PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA: UM CAMINHO POSSÍVEL? PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS Santos SP - Maio/ 2010 Marta Fernandes Garcia Secretaria de Educação Prefeitura

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação 1. Identificação PLANO DE ENSINO Curso: A INTERNET E SUAS FERRAMENTAS Disciplina: A Internet e suas Ferramentas Período Ministrado/Semestre- Bimestre- Mês/Ano: 03 de setembro a 08 de outubro/2º Semestre

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Rendimento escolar, fracasso escolar, prática educativa.

PALAVRAS-CHAVE: Rendimento escolar, fracasso escolar, prática educativa. 1 RENDIMENTO ESCOLAR: ACOMPANHAMENTO PEDAGÓGICO PARA ESTIMULOS À APRENDIZAGEM NO ENSINO DE FÍSICA E MATEMÁTICA. Lidiane Prestes Auad 1 Professora Orientadora: Sonia Regina Silva Duarte 2 Resumo O estudo

Leia mais

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL?

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? Jailza de Lima Oliveira (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Larissa Santos do Sacramento (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Lucimara de Oliveira Soares (UNEB -

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS EM SALA DE AULA: REFERÊNCIAS AO MODELO SÓCIO INTERACIONISTA PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM

O USO DAS REDES SOCIAIS EM SALA DE AULA: REFERÊNCIAS AO MODELO SÓCIO INTERACIONISTA PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM 1 O USO DAS REDES SOCIAIS EM SALA DE AULA: REFERÊNCIAS AO MODELO SÓCIO INTERACIONISTA PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM Lygia de Assis Silva (lygia1@hotmail.com) - UFPE Rayanne Angela Albuquerque dos Santos

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL: PRÁTICAS INCLUSIVAS E ARTICULADORAS NA CONTINUIDADE DO ENSINO EM MEIO AO TRABALHO COLABORATIVO

EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL: PRÁTICAS INCLUSIVAS E ARTICULADORAS NA CONTINUIDADE DO ENSINO EM MEIO AO TRABALHO COLABORATIVO EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL: PRÁTICAS INCLUSIVAS E ARTICULADORAS NA CONTINUIDADE DO ENSINO EM MEIO AO TRABALHO COLABORATIVO Janaina Fernanda Gasparoto Fusco Faculdade de ciências/ UNESP-Bauru

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Programa. [modalidade a distância]

Programa. [modalidade a distância] Programa e Método de Curso [modalidade a distância] Do que vamos falar? Objetivos do grupo. Objetivo do curso Método proposto Estrutura proposta Dinâmica de atividades Instrumentos de avaliação Método

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA Daricson Caldas de Araújo (IFPE) daricsoncaldas@gmail.com RESUMO Este artigo de revisão de literatura

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

WEB 2.0 E MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES POR MEIO DA COLABORAÇÃO

WEB 2.0 E MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES POR MEIO DA COLABORAÇÃO WEB 2.0 E MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES POR MEIO DA COLABORAÇÃO Claudio Zarate Sanavria Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS), Campus Nova Andradina claudio.sanavria@ifms.edu.br

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL.

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. Carmem Regina Calegari Cunha E. M. de Educação Infantil Prof Edna Aparecida de Oliveira - UDI Resumo Trabalho

Leia mais

O Papel de tutores online no Curso de Educação a Distância Redefor: formação, acompanhamento e avaliação

O Papel de tutores online no Curso de Educação a Distância Redefor: formação, acompanhamento e avaliação O Papel de tutores online no Curso de Educação a Distância Redefor: formação, acompanhamento e avaliação Ana Claudia Bortolozzi Maia Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru/SP E-mail:

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Aline Passos Amanda Antunes Ana Gabriela Gomes da Cruz Natália Neves Nathalie Resende Vanessa de Morais EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Trabalho apresentado à disciplina online Oficina

Leia mais

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Resumo Maria Marly de Oliveira Coelho 1 Francinete Massulo Corrêa 2 O texto em pauta tem como foco reflexões,

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional dinâmica do meio educacional 1 :: marilú fontoura de medeiros professora doutora em Educação/UFRGS Um modo de ser em educação a distância Percorrer o atual contexto da Educação a Distância é trilhar um

Leia mais

A INTERATIVIDADE EM AMBIENTES WEB Dando um toque humano a cursos pela Internet. Os avanços tecnológicos de nosso mundo globalizado estão mudando a

A INTERATIVIDADE EM AMBIENTES WEB Dando um toque humano a cursos pela Internet. Os avanços tecnológicos de nosso mundo globalizado estão mudando a A INTERATIVIDADE EM AMBIENTES WEB Dando um toque humano a cursos pela Internet Por Carolina Cavalcanti * Os avanços tecnológicos de nosso mundo globalizado estão mudando a maneira que nossa sociedade está

Leia mais

Formação de Professores de Matemática em Serviço e Uso da Lousa Digital

Formação de Professores de Matemática em Serviço e Uso da Lousa Digital Formação de Professores de Matemática em Serviço e Uso da Lousa Digital Sérgio Freitas de Carvalho 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Este artigo tem por

Leia mais

Boletim CPA/UFRPE Curso de Zootecnia Unidade Acadêmica de Garanhuns Edição n. 01 Ciclo Avaliativo: 2012-2014

Boletim CPA/UFRPE Curso de Zootecnia Unidade Acadêmica de Garanhuns Edição n. 01 Ciclo Avaliativo: 2012-2014 Edição n. 01 Ciclo Avaliativo: 2012-2014 Apresentando o Boletim CPA: É com enorme satisfação que a Comissão Própria de Avaliação (CPA/UFRPE), responsável por coordenar os processos internos de avaliação

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, hospitalidade e Lazer CURSO: Tecnologia em Gestão de Turismo FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região Objetivo geral Elaborar um projeto básico de curso on-line Objetivos específicos 1.Aplicar conceitos e fundamentos do DI na concepção

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

TUTORIA DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES/AS

TUTORIA DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES/AS TUTORIA DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES/AS Gabriella Pizzolante da Silva Universidade Federal de São Carlos gabriellapizzolante@gmail.com Maria José da Silva Rocha - Universidade

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA Resumo: Neste mini-curso os participantes terão a oportunidade de conhecer uma metodologia, bem como também construir e trabalhar com a mesma, na tentativa

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática.

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática. MATRIZ CURRICULAR* Disciplina CH Integração 20 Planejamento e Gestão em Educação a Distância 40 Cultura Virtual, Pensamento e Construção do Conhecimento na Educação a Distância 40 Noções de Gestão de Projetos

Leia mais

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS São Paulo SP Maio 2012 Setor Educacional Educação Corporativa Classificação das Áreas

Leia mais

A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD

A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD Neusa Teresinha Bohnen (UNITINS) 1. Considerações iniciais Aprender uma Língua Estrangeira (LE) assume um caráter mais importante em tempos

Leia mais

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB Introdução Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal

Leia mais