DESASTRE MARÇO/13 DE ESCORREGAMENTOS EM PETRÓPOLIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESASTRE MARÇO/13 DE ESCORREGAMENTOS EM PETRÓPOLIS"

Transcrição

1 1 DESASTRE MARÇO/13 DE ESCORREGAMENTOS EM PETRÓPOLIS 1. Introdução Mais de 100 escorregamentos ocorreram nas encostas de Petrópolis na noite do dia 17 para o dia 18 de Março de 2013, provocando 33 mortes. O cenário de desastre já era esperado tanto sob o ponto de vista do risco espacial (distribuição dos escorregamentos) como pelo aspecto do risco temporal (chuvas registradas). O acompanhamento das chuvas iniciado às 17h00 do dia 17 anunciava o pior, principalmente a partir das 22h30, quando os índices de chuvas ultrapassaram os limites do cenário de escorregamentos generalizados*1 e se aproximaram do cenário do Megadesastre da Serra em Diante do conhecimento sobre a distribuição e o grau de risco a escorregamentos em Petrópolis, a única possibilidade de não ocorrer um grande desastre naquela noite seria o hiato de chuvas registrado entre 17h00 e 18h45, com apenas 10mm, ter servido para aliviar um pouco a poro-pressão nas capas de solo e diminuir a intensidade do fluxo nos canais dos locais mais íngremes (NADE, com.int). No início da madrugada, contudo, com a persistência de valores extremos de chuva horária, o cenário desastroso se confirmou. De pronto, em acordo com os protocolos do cenário 3 do seu Plano de Contingência 12/13, o NADE/DRM deu início à resposta emergencial ao desastre, mobilizando uma equipe para integrar o Gabinete de Crise em Petrópolis e todo a sua capacidade para subsidiar o trabalho de campo. Este Relatório Técnico apresenta a análise e o diagnóstico do Desastre Março/13 de Petrópolis, e as ações desenvolvidas em apoio à Defesa Civil Estadual e ao Município. Ele serve também como uma oportunidade de homenagear os colegas da Defesa Civil Municipal de Petrópolis, que, na ânsia de salvar vidas, se acidentaram e/ou perderam as suas no Desastre. *1 cenário 3: registro ou expectativa de mais de 25 escorregamentos no município, com mobilização coletiva da massa deslizada em taludes e drenagens naturais, deflagrados pela combinação de chuvas, de, no mínimo, 50mm/h + 120mm/24h + 130mm/96h + 300mm/mês

2 2 2. Descrição dos Escorregamentos: Distribuição; Tipologia; Volume e Danos O Mapa Inventário de Escorregamentos de 17-18/03 - Figura 1 - indica que 75% deles se concentraram no 1º Distrito, principalmente nos Bairros Quitandinha e Independência, e que mais de 30% afetaram trechos já afetados por escorregamentos nos últimos anos, como, por exemplo, Espírito Santo, Alagoas e Rio de Janeiro; Independência; Lagoinha; Dr. Thouzet e Meio da Serra. A maioria dos escorregamentos (70%) atingiram taludes escavados a montante ou a jusante de casas e a montante ou a jusante de vias de acesso que não contam com drenagem superficial ou nos quais a drenagem é insuficiente. Na maior parte destes setores afetados, os processos se iniciaram como erosões violentas envolvendo apenas solo, e evoluíram, a partir da incisão profunda das cicatrizes, para deslizamentos dos taludes laterais das ravinas criadas. Muitos destes deslizamentos passaram por cima ou destruíram muros de arrimo, mas raramente o alcance superou 20m. Os volumes mobilizados também raramente ultrapassaram 20m 3. Outros 28% dos escorregamentos atingiram linhas de drenagem ou pequenas concavidades ou anfiteatros nas encostas, ocorrendo sob a forma de corridas de entulho, lixo e solo (por vezes blocos rochosos), geradas a partir da concentração das águas superficiais, principalmente a jusante ou no cruzamento das vias extremamente íngremes que dão acesso às favelas da cidade. Aparentemente a granulometria mais grosseira dos materiais mobilizados garantiu aos mesmos uma viscosidade maior, o que pode ter respondido pela sua relativa pequena magnitude. Quase sempre a massa deslizada parou ao encontrar um primeiro obstáculo casas ou muro -, o que pode explicar a relativa menor capacidade de destruição. Apenas 2% dos deslizamentos afetaram taludes naturais. Mas mesmo nestes, classificados como na parroca (DRM, 2011), tanto o volume de massa deslocada como o seu alcance foram pequenos. É provável, portanto, que estes movimentos indiquem uma recorrência nos mesmos locais afetados nas últimas décadas, e que, em função disto, não havia tanto material instável para ser mobilizado.

3 3 Figura 1 - Mapa Inventário de Escorregamentos dos dias 17-18/03/2013 (disponível em shapefile on demand).

4 Cartografia de Risco Remanescente dos Escorregamentos Significativos Somente quatro dias depois do desastre foi possível realizar o sobrevoo nas áreas afetadas por escorregamentos e iniciar a preparação das Cartas de Risco Remanescente para orientar as ações da Defesa Civil Municipal em relação à necessidade de evacuação das casas nas áreas escorregadas. Como acordado no Gabinete de Crise, coube ao NADE/DRM a preparação das Cartas de Risco Remanescentes ou Espelhos de Risco Remanescente nas áreas afetadas por escorregamentos que geraram vítimas fatais. Cabe destacar que, para a delimitação dos polígonos de evacuação das moradias, além da interpretação das fotos de helicóptero, foram fundamentais a análise das fotografias tomadas de torres de telefonia e as avaliações in loco. A Figura 2 apresenta um exemplo de croqui esquemático e da foto correspondente de um dos setores avaliados pelo DRM. Figura 2 - Croquis e foto correspondente, do escorregamento do Espírito Santo. Os produtos gerados diariamente, transferidos à COMDEC e à SEDEC, em papel, à medida que ficavam prontos, são mostrados a seguir, da Figura 3 a Figura 10.

5 5 Análise do Risco Remanescente do Escorregamento da Espírito Santo, no Quitandinha Figura 3 - Análise do Risco Remanescente do Escorregamento da Espírito Santo, que causou doze mortes e destruiu 20 casas. Em amarelo, a cicatriz do escorregamento, e em vermelho, o polígono no qual a evacuação das casas é absolutamente inquestionável, pois os taludes contíguos aos deslizamentos estão expostos à erosão violenta. O Escorregamento de solo, rocha, entulho, aterro e lixo da Espírito Santo pode ser dividido em, no mínimo 3 movimentos. A 01h00 da madrugada do dia 18, uma erosão violenta (corrida de solo), no ponto 1, com largura de 10m e comprimento de 20m, afetou uma pequena ravina formada a jusante do ponto de lançamento da drenagem superficial de um talude da BR040; ela destruiu 04 casas e causou 12 mortes e a destruição de 06 casas. Durante o trabalho de resgate, ocorreram ainda mais dois; um imediatamente ao lado do primeiro, 1h depois, caracterizado como uma erosão violenta seguida de deslizamento, com 05m de largura e comprimento de 10m, que não destruiu casas, e um terceiro, às 4h30, representado pelo colapso do muro de arrimo, em concreto ciclópico, que arrimava o talude a jusante da casa do ponto 2. A massa rompida invadiu e destruiu a casa a jusante e empurrou ainda mais os escombros das casas destruídas e o material deslizado nos dois movimentos anteriores. Ao atingirem a drenagem natural que avança no sentido da BR-040, se transformou num fluxo torrencial, concentrado e viscoso, que se estendeu por cerca de 1km, razão pela qual os corpos das vítimas foram encontrados na BR-040.

6 6 Análise do Risco Remanescente do Escorregamento do Independência Figura 4 - Carta de Risco Remanescente dos Escorregamentos disseminados do Independência. Em amarelo, as cicatrizes dos escorregamentos, e em vermelho, os polígonos, com as casas para as quais evacuação é absolutamente inquestionável. Todos os movimentos foram deslizamentos de solo residual em taludes escavados com inclinação maior que 60º e, segundo relato dos moradores, a maioria ocorreu às 00h30h, com uma chuva de 68mm\h e acumulada de 158mm\23h. Às 01h20h ou 02h00 ocorreram outros deslizamentos de menor proporção. O escorregamento principal, numa encosta com geometria plana, destacada no centro da foto, causou seis mortes e destruiu 05 casas. O movimento se iniciou junto à crista do talude e se propagou no sentido das moradias atingidas. O primeiro movimento destruiu parcialmente 03 casas, mas depois, com a expansão da sua largura para 20m, mais material convergiu para o eixo, destruindo-as totalmente. A massa deslizada alcançou e ultrapassou a rua, encaixando-se num talvegue, mas já com força reduzida, paralisou, totalizando 100m de alcance. Os demais deslizamentos apresentaram a mesma tipologia, porém com reduzidos alcance e capacidade de destruição, já que paralisaram ao atingir os fundos das residências.

7 7 Análise do Risco Remanescente do Escorregamento do Lagoinha Figuras 5a e 5b - Carta de Risco Remanescente do Escorregamento do Lagoinha, que causou duas mortes e destruiu 06 casas. Em amarelo, a cicatriz do escorregamento, e em vermelho, o polígono, com as casas no qual a evacuação é absolutamente inquestionável. O movimento complexo do Lagoinha teve 3 movimentos bem definidos: o primeiro, na parroca, afetou a escarpa rochosa a montante da Rua Otto Reymarius, às 00h30h do dia 18, quando a chuva horária e a antecedente de 23hs eram de 40mm/h e 153,7mm/23h, respectivamente; o segundo ocorreu às 02h00, e o terceiro, com menor volume, às 04h00. O deslizamento na parroca mobilizou a capa de 1m de solo que recobre a rocha sã, próximo ao topo da escarpa com rampa de 150m. Ao deslizar, o material incorporou blocos rochosos que, ao atingir o depósito de talús na base na escarpa, destruíram 4 casas, causando 1 morte. O talús foi então escavado e mais material foi englobado no movimento, que alcançou e se encaixou numa drenagem de 1ª ordem, já sob a forma de uma corrida de massa. Os taludes da drenagem foram erodidos, aumentando o volume da corrida, que se propagou até o Caminho Roberto Ferreira, onde destruiu mais duas casas e causou 1 morte. Depois, a corrida se encaixou numa drenagem de 2a ordem, onde finalizou. Há elevada possibilidade de reativação do movimento e sua expansão lateral, com risco de deslocamento de blocos rochosos para as casas dispostas na base da escarpa e, também, de novas corridas de massa para as moradias a jusante da rua.

8 8 Análise do Risco Remanescente do Escorregamento da Rua Rio de Janeiro Figura 6 Análise de Risco Remanescente dos Escorregamentos no Quitandinha Rio de Janeiro.

9 9 Análise do Risco Remanescente do Escorregamento da Rua Dr. Thouzet (Rua C) Figura 7 - Delimitação de Risco Remanescente dos Escorregamentos da Dr. Thouzet. O polígono amarelo representa a cicatriz do escorregamento mais danoso e em vermelho, o polígono com as casas para as quais a evacuação deve ser imediata. O deslizamento raso de solo e aterro em talude escavado, com 20m de altura e inclinação de 50, ocorreu quando a chuva atingiu 62mm\h e 225.5mm\23h. A massa deslizada destruiu 1 casa. Há possibilidade de evolução do escorregamento para montante, numa área onde há 02 casas, uma delas com trincas indicativas de risco iminente.

10 10 Análise do Risco Remanescente do Escorregamento da Rua Alagoas Figura 8 - Carta de Risco Remanescente a Escorregamentos da Rua Alagoas. Em amarelo, as cicatrizes dos escorregamentos, e em vermelho, o polígono com as casas para as quais evacuação é absolutamente inquestionável. Dentre os escorregamentos de pequeno porte que atingiram o entorno da Rua Alagoas, no bairro Quitandinha, entre 23h00 do dia 17 e 01h00 do dia 18/03/2013, e destruíram 06 casas, algumas parcialmente, o mais catastrófico ocorreu por volta de 00h00 do dia 18; trata-se de um deslizamento raso, mostrado na figura, que afetou um talude escavado em solo e com entulho, com largura de 4m e comprimento de 15m; ele destruiu 02 casas e causou 02 mortes. A chuva extrema alcançou 86.75mm/h e uma antecedente de 174mm em 23hs. A inspeção de campo mostrou que o lançamento de água servida, a partir de uma tubulação rompida, contribuiu para a ruptura do talude.

11 11 Análise do Risco Remanescente do Escorregamento da Vital Brasil. Figura 9 - Carta de Risco Remanescente a Escorregamentos Rua Vital Brasil. Em amarelo, a cicatriz do escorregamento, e em vermelho, o polígono com as casas para as quais se recomenda a evacuação. O deslizamento raso e planar, que ocorreu entre 23h00 e 24h00 do dia 17.03, afetou um talude subvertical, com 9m de altura, que se projeta a jusante de 3 casas, distam apenas 1m do seu topo. O movimento de massa mobilizou a capa delgada de solo sobre rocha, obstruindo a Rua Vital Brasil, no Bairro São Sebastião, na altura do nº 647. Diante da instabilidade do material não deslizado junto à crista, há risco elevado para as 3 moradias.

12 12 Análise do Risco Remanescente do Escorregamento do Siméria. Figura 10 - Carta de Risco Remanescente do Escorregamento do Siméria. Em amarelo, a cicatriz do escorregamento, e em vermelho, o polígono com as casas para as quais evacuação é absolutamente inquestionável. O material mobilizado no deslizamento translacional de solo e rocha iniciado à meia encosta, alcançou o corte executado na base da encosta para a implantação de casas e destruiu parcialmente duas delas. A cicatriz do escorregamento revela um movimento com espessura de 1-2m, largura de 5m, extensão de 20m e uma superfície de ruptura na interface solo/rocha. Segundo informações de moradores, o escorregamento ocorreu à meia noite do dia 18/03; nesta hora a chuva horária alcançou 83.5mm, após 111.0mm em 23 horas. A casa não atingida, vizinha às duas destruídas, pode ser alcançada pelo volume de material deslizado que persiste na cicatriz do escorregamento.

13 13 3. Causas dos Escorregamentos 3.1. Fatores Predisponentes e Imediatos dos Escorregamentos Os condicionantes dos escorregamentos em Petrópolis são conhecidos há muito; eles envolvem a geologia e a geomorfologia das encostas com inclinação acima de 45º, com capa de solo sobre rocha sã e fraturada, e o uso desordenado de áreas inadequadas, através da execução de cortes altos, lançamento de águas servidas sobre estes cortes, construção sobre aterros ruins e acúmulo de lixo junto à crista dos taludes. Este conhecimento, disseminado por trabalhos acadêmicos e relatórios técnicos, está representado também na Carta de Setores de Muito Alto Risco e Alto Risco a Escorregamentos de Petrópolis, preparada pela Secretaria Municipal de Habitação, em 2012, com apoio do DRM, cuja quantificação é mostrada na Tabela 1. Tabela 1: Quadro atual de moradias em Setores de Risco Muito Alto e Alto de Petrópolis. Distrito N de Moradias Risco Muito Alto Risco Alto Total Total (4.8%) (7.2%) Nos escorregamentos recentes, que, como mostra a tabela, se concentraram no distrito onde há um maior número de setores de maior risco (1º), o caráter induzido das rupturas (e da extensão dos danos) ficou ainda mais destacado pelos seguintes fatores imediatos: (1) inclinação excessiva de taludes escavados em solo e proximidade das casas atingidas em relação às suas bases; (2) lançamento de águas servidas ou concentração de fluxos superficiais na crista de taludes escavados e proximidade das casas atingidas em relação às suas bases ou topos; (3) exposição dos taludes íngremes à erosão violenta em setores não dotados de drenagem e proximidade das casas atingidas em relação às suas bases, algumas delas fundadas razoavelmente, mas sobre o solo residual; (4) cortes verticais executadas em encostas ainda mais declivosas (30-60 ) para implantação de casas isoladas, porém extremamente vulneráveis, ou linhas de drenagem densamente ocupadas nas margens e no eixo.

14 Intensidade Horária (mm) Governo do Estado do Rio de Janeiro - SEDEIS Fator Deflagrador dos Escorregamentos As Tabelas 2 e 3 mostram as chuvas registradas às 22h45 e 23h30 do dia 17 quando os índices críticos relativos a escorregamentos generalizados foram ultrapassados. A situação ainda ficaria pior às 23h45, quando a chuva alcançou 71mm/h e 240mm/dia. Na manhã do dia seguinte, o DRM apresentou (Figura 11), o seu 1º diagnóstico: (1) por pouco os índices do Megadesastre da Serra de 2011 não foram alcançados; (2) as operações de resgate eram perigosas, pois com a acumulada de 410mm/24h às 11h15, qualquer chuva intensa poderia deflagrar novos escorregamentos. Tabela 2 - Chuvas registradas às 22h45 do dia 17/03. Estação Data Último 1h 24h 96h 30d Quitandinha 17/03/ LNCC 17/03/ Morin 17/03/ Independência 17/03/ Tabela 3 - Chuvas registradas às 23h30 do dia 17/03. Estação Data Último 1h 24h 96h 30d Quitandinha 17/03/ Independência 17/03/ LNCC 17/03/ Cel Veiga 17/03/ Generalizados 23h45 Petrópolis Sem Ocorrência Ocasionais 60 Esparsos h45 22h30 17 e 18 Março-13 jan/ h45 21h45 Esparsos Precipitação Acumulada Antecedente em 24h (mm) Figura 11 - Dados de chuvas associadas ao Desastre 03/13, inclusive com o valor de 80mm/h para o Megadesastre da Serra, sobre a curva crítica de Petrópolis.

15 15 Nos dias seguintes, a verificação do horário de início dos escorregamentos no campo e a partir dos registros das chamadas da população para o telefone 199 da COMDEC, o NADE/DRM produziu novas análises, levando em conta que: (1) Às 17h00 não havia registro de escorregamentos, logo, os respectivos dados de chuva não correspondiam ao cenário de escorregamentos ocasionais; (2) Às 21h15 havia registro de 3 escorregamentos, logo, os respectivos dados de chuva deviam ser plotados no campo dos escorregamentos ocasionais; (3) Às 22h43 foi notificado o 5º escorregamento, logo, os respectivos dados de chuva deviam ser plotados como limite inferior do campo de escorregamentos esparsos; (4) Entre 23h45 e 03h00 a maior parte dos escorregamentos foi comunicada, logo, os respectivos dados de chuva deviam ser plotados como limites inferior e superior do campo de escorregamentos generalizados; (5) Às 04h56, ainda houve o registro do escorregamento da Rua Espírito Santo, logo, os respectivos dados de chuva deviam ser plotados como limite superior do campo dos escorregamentos esparsos; (6) Após as 05h00, mesmo com o aumento da acumulada em 24h, não houve registros de escorregamentos, logo, os respectivos dados de chuva não deviam ser plotados no campo do cenário de escorregamentos ocasionais. Com estes dados foi gerado um gráfico específico da correlação chuvas x escorregamentos para o Desastre de Petrópolis (Figura 12), no qual foram incluídos os dados dos picos de chuva horária dos dias 22 e 23 de Março, que provocaram o acionamento das 18 sirenes do 1º distrito e deflagraram 2 escorregamentos no dia 22. A disponibilidade dos registros de chuva a cada 15 minutos a primeira em termos de desastres generalizados no país permitiu também uma discriminação detalhada dos picos horários e da evolução das chuvas nos dias antecedentes e durante o evento dos dias 17 e 18, tal como mostrado nas Figuras 13 a 18. Observa-se que apesar de não ter havido hiatos depois que a chuva forte se consolidou, nos 2 dias antecedentes não choveu e os 30 dias antecedentes foram marcados por pancadas de chuvas e hiatos bastante frequentes, dificultando assim a manutenção das condições propícias para a ruptura dos taludes.

16 15-fev 17-fev 19-fev 21-fev 23-fev 25-fev 27-fev 1-mar 3-mar 5-mar 7-mar 9-mar 11-mar 13-mar 15-mar 17-mar 19-mar Precipitação Acumulada em 30 dias (mm) Intensidade Horária (mm) Governo do Estado do Rio de Janeiro - SEDEIS Esparsos Generalizados 16h45 16h15 20h45 15h45 19h45 18h45 17h45 22h30 22h45 21h45 23h45 00h45 01h45 02h45 03h45 Petrópolis 08h45 10h45 04h45 05h45 06h45 07h4509h Precipitação Acumulada Antecedente em 24h (mm) Sem Ocorrência Ocasionais Esparsos Quitandinha - 17 e 18/03 Quitandinha - 22/03 Quitandinha - 23/03 Janeiro de 2011 Figura 12 - Correlação chuvas x escorregamentos a cada hora na noite de 17 e madrugada e manhã de 18/03. Estão incluídos também os dados dos dias 22 e Quitandinha - 15/02/13-19/03/ Data Figura 13 - Chuvas acumuladas em cada um dos 30 dias antes do Desastre.

17 Precipitação em 15 min (mm) Precipitação em 15 min (mm) Governo do Estado do Rio de Janeiro - SEDEIS Quitandinha 15/03-18/ Data Figura 14 - Intensidade da chuva a cada 15 minutos nos dias antecedentes e de ocorrência do Desastre Março/13. Observar que a chuva não se distribuiu nos 4 dias antecedentes. 25 Quitandinha 17/03-18/ Data Figura 15 - Intensidade da chuva a cada 15 minutos nos dias do Desastre Março/13. Observar que os hiatos de picos de chuva praticamente não ocorreram no dia 17.

18 18 Figura 16 - Acumulada de chuva a cada dia no mês de Fevereiro. Obervar que além da acumulada baixa, houve um período de longa estiagem no período de Carnaval. Figura 17 - Acumulada de chuva a cada dia no mês de Março. Observar que a acumulada já estava alta no dia 14, porém esta elevação se devia a picos pancadas de verão e não a chuvas persistentes.

19 19 4. Discussão Mesmo com a confirmação de ocorrência de mais de 100 escorregamentos e de dezenas de mortes, o quadro encontrado em Petrópolis no dia 18, embora grave, se revelou bem menos desastroso do que se previra em função dos elevados valores de chuvas horárias e acumuladas. Isto foi evidenciado (1) pelo baixo número de cicatrizes nas partes altas das encostas, inferior inclusive ao observado no desastre Dezembro/2001 (51 mortes); (2) pela limitada magnitude dos escorregamentos, com pequenos volumes associados e alcances bem restritos; e (3) pelo menor número de mortes que o previsto para um cenário que, teoricamente, esteve próximo do Megadesastre da Serra de Ao comparar os resultados obtidos na análise do Desastre Março/13 de Petrópolis com os dados dos outros dois grandes eventos recentes associados a escorregamentos na Região Serrana, o Desastre Abril/12 de Teresópolis e o Megadesastre Janeiro/11 de Nova Friburgo (Tabelas 4 e 5), é possível discutir a conferência de um status menos desastroso para o Março/13 de Petrópolis. Se observada a diferença entre as respectivas razões entre o número de cicatrizes ou pontos de escorregamentos e as áreas diretamente afetadas em cada um, o Desastre Março/13 de Petrópolis apresentou uma razão dez vezes menor que a do Megadesastre de 2011 e quinze vezes menor que a de Abril/12 de Teresópolis. Porém, quando revelada a diferença nas razões entre mortes computadas e número de escorregamentos, o de Mar/2013 de Petrópolis fica maior. Ressalta-se que em apenas um escorregamento morreram 12 pessoas em Petrópolis. Tabela 4 - Características Gerais dos Desastres nos 3 últimos anos. Desastre Nº. escorregamentos Área afetada Freq.Areal Petrópolis, 17 e 18/03/ E 100 km E/km 2 Teresópolis, 06/04/12 29 E 002 km 2 ~15.00 E/km 2 Friburgo, 11 e 12/01/ E 380 km 2 ~10.00 E/km 2 Tabela 5 - Consequências diretas dos Desastres nos 3 últimos anos Desastre Nº. mortes Nº. escorregamentos Frequência Petrópolis, 17 e 18/03/ E 0.33 Teresópolis, 06/04/ E 0.17 Friburgo, 11 e 12/01/ E 0.11 Outra diferença importante entre os desastres recentes está nos valores de chuva acumulada nos 30 dias antecedentes, tal como mostrado na Figura 18, que indicam indiretamente a

20 Precipitação Acumulada em 30 dias (mm) Governo do Estado do Rio de Janeiro - SEDEIS 20 diferença nas condições de umidade e saturação do solo. Observa-se que o período no qual a acumulada se manteve acima do elevado valor de 250mm em Petrópolis foi de 5 dias antes do desastre, enquanto em Teresópolis foi de 10 dias, e em Friburgo, de 15 dias. Pode-se afirmar, portanto, que o Desastre de Petrópolis só não foi maior porque a estiagem de carnaval impediu que a acumulada de 30 dias no dia 17 estivesse numa condição ainda mais crítica Nova Friburgo - Janeiro/11 Teresópolis - Abril/12 Petrópolis - Março/ Dias Figura 18 - Histograma da chuva acumulada em 30 dias para cada um dos 30 dias antecedentes aos Desastres. Dados das Estações Sítio Santa Paula, Quitandinha e Comari. Outro aspecto importante na discussão é a avaliação da consistência dos instrumentos técnicos de previsão disponíveis: (1) Cenários de Risco do NADE/DRM: a partir da Figura 19, que combina a curva crítica antes praticada (Fig.11) e a do Desastre Março/13 (Fig.12), observa-se que as respectivas amarelas são absolutamente semelhantes, mostrando que a previsão do cenário de escorregamentos esparsos foi consistente. Já as respectivas curvas vermelhas são divergentes; isto mostra que a previsão do cenário de escorregamentos generalizados era muito conservadora e que o DRM deve retificar a curva de modo a melhor caracterizar o cenário 3 dos seus Planos de Contingência;

21 Intensidade Horária (mm) Governo do Estado do Rio de Janeiro - SEDEIS Esparsos Petrópolis Generalizados-Fev 23h45 Generalizados-Março 16h15 22h45 22h30 02h45 21h Precipitação Acumulada Antecedente em 24h (mm) Sem Ocorrência Ocasionais Esparsos 17 e 18 Março-13 22/mar/13 23/mar/13 jan/11 Figura 19 - Avaliação da consistência da curva crítica antes praticada (Fig.11), a partir de sua comparação com a específica gerada para o Desastre Março/13 (Fig.12).

22 22 (2) Mapeamento geotécnico executado pelo IPT-SP em 1988: a previsão genérica de que o risco a escorregamentos se ampliaria nas encostas com declividade superior a 30º, ainda pouco ocupadas na década de 80, se confirmou no Desastre Março/2013. Muitos escorregamentos rasos e planares afetaram taludes escavados ou corpos de aterro, em razão do lançamento de águas servidas, e cabeceiras das linhas de drenagem muito entalhadas. Cabe destacar que enquanto o escorregamento mais significativo do desastre de Fevereiro/88 uma corrida de massa com mais de 2km - causou 06 mortes, no Desastre Março/2013 apenas um escorregamento induzido, com largura total de 40m, causou 12 mortes; (3) Plano Municipal de Redução do Risco executado pela THEOPRATIQUE em 2007: os setores indicados como de muito alto e alto risco - Alto Independência, Amazonas, Alto Caxambu, Dr. Thouzet, Quarteirão Brasileiro, Minas Gerais, Otto Reynarus, Rio de Janeiro, Sargento Boening, Estrada da Saudade, Duarte da Silveira e Lagoinha - foram afetivamente afetados no Desastre Março/2013; (4) Carta de Setores de Muito Alto Risco e Alto Risco a Escorregamentos preparada pela SMH Petrópolis, em 2012, com apoio do DRM (Figura 20): embora a metodologia de sua preparação seja controversa por estar em parte baseada no registro de locais já afetados no passado (entre 2005 e 2012) e em parte somente em locais não afetados que foram analisados pelo DRM entre 2009 e 2012, os setores indicados como de muito alto e alto risco no 1º Distrito - Alto Independência, São Sebastião, Siméria, Dr. Thouzet, Morin e Quitandinha - foram todos atingidos no Desastre Março/2013.

23 23 Pontos de risco muito alto e alto Defesa Civil 2004 a 2012 Escorregamentos Março de 2013 Delimitação preliminar do risco SMH Petrópolis Figura 20 Parte da Carta Inventário de Setores de Risco Muito Alto e Alto a Escorregamentos de Petrópolis.

24 24 5. Conclusão Como nos Desastre Janeiro/2010 de Angra, Janeiro/2011 da Serra e Abril/2012 de Teresópolis, o NADE/DRM cumpriu o protocolo do cenário 3 do seu Plano de Contingência 2012/2013, mobilizando-se para integrar o Gabinete de Crise em Petrópolis e dar apoio à resposta emergencial ao desastre. Tanto a presença diária como as Cartas de Risco Remanescente repassadas à Defesa Civil Municipal nos ininterruptos 14 dias de resposta mostraram-se consistentes. A expectativa é que a Prefeitura acelere o seu aproveitamento no trabalho continuado de interdição das casas em risco remanescente. O diagnóstico do Desastre Março/2013 de Petrópolis revelou que não houve surpresas em relação à distribuição dos escorregamentos, já que foi confirmada a indicação dos mapas de risco existentes, e em relação às suas condicionantes básicas e efetivas, tratadas em diversos trabalhos. Por outro lado, felizmente, o quadro foi muito menos severo do que o que se previu ao acompanhar a evolução da chuva na noite do dia 17/03. Parte disto se deveu ao fato dos escorregamentos terem tido pequenos volumes e alcances limitados e também à constatação de que muitos ocorreram em locais já rompidos, onde não havia mais material para escorregar. A análise do Desastre Março/2013 de Petrópolis mostrou que a razão do desastre ter sido menor que o previsto repousa no fato de que nos 2 dias antecedentes não choveu e de que as chuvas no mês anterior foram muito descontínuas. Até houve picos significativos, mas todos muito breves, o que amplia o run-off, mas diminui a infiltração d água no solo. Por fim, cabe destacar que embora os índices para acionamento das sirenes propostas pelo DRM-RJ tenham se mostrado consistentes, será necessário calibrar a correlação chuvas x escorregamentos em relação ao campo dos escorregamentos generalizados de forma a melhor preparar o NADE para a previsão do quadro que encontrará nos futuros desastres da Serra Fluminense. Niterói, 2 de Abril de Equipe do Núcleo de Análise e Diagnóstico de Escorregamentos NADE/DRM

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

Terças na SAERJ: Ciclo de Palestra - Brasil uma Nação em Movimento

Terças na SAERJ: Ciclo de Palestra - Brasil uma Nação em Movimento Políticas, Programas e Planos de Gestão de Riscos voltadas à prevenção, preparação, resposta, reabilitação e reconstrução de desastres associados a Escorregamentos: resultados alcançados, esperados e pretendidos.

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO AVALIAÇÃO DO RISCO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO ASSOCIADO A ESCORREGAMENTOS PARA AS COMUNIDADES ESTRADINHA (A MONTANTE DO CEMITÉRIO SÃO JOÃO BATISTA), MORRO DOS URUBUS, MORRO DOS PRAZERES E ESCONDIDINHO, MORRO

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil UFRGS bressani@ufrgs.br 18 de março de 2010 Palestra proferida a convite da

Leia mais

do substrato gnáissico.

do substrato gnáissico. 55 6.2 - Descrição de eventos locais Informações obtidas em campo possibilitaram a descrição de eventos locais que permitem caracterizar situações práticas relacionadas aos processos erosivos. A presença

Leia mais

Desastre do Vale do Itajaí-Açu: uma visão geotécnica dos acidentes

Desastre do Vale do Itajaí-Açu: uma visão geotécnica dos acidentes Deslizamentos em SC - causas, consequências, medidas emergenciais e ações futuras Joinville SC 12/02/2009 Desastre do Vale do Itajaí-Açu: uma visão geotécnica dos acidentes Luiz A. Bressani, PhD Departamento

Leia mais

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Integrantes da missão: Renato Lima Lázaro V. Zuquette Eduardo Mantovani

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP.

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP. PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP. Ogura, A.T. Instituto de Pesquisas Tecnológicas, IPT, São Paulo,

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010

Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010 Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010 No dia 12/04/2010, realizou-se no Núcleo de Terras e Habitação da Defensoria

Leia mais

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Introdução e Objetivos Anualmente inúmeros desastres decorrentes de eventos

Leia mais

DESLIZAMENTOS DE TERRA : estudos de casos e cuidados durante as ações de salvamento

DESLIZAMENTOS DE TERRA : estudos de casos e cuidados durante as ações de salvamento DESLIZAMENTOS DE TERRA : estudos de casos e cuidados durante as ações de salvamento Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil, UFRGS bressani@ufrgs.br 1. INTRODUÇÃO situação urbana, escavações,

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município do Rio de Janeiro

Leia mais

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Geóg. Maria Carolina Villaça Gomes Mestranda em Geografia Física - USP Os desastres

Leia mais

PORQUE CAEM AS BARREIRAS

PORQUE CAEM AS BARREIRAS PARTE B PORQUE CAEM AS BARREIRAS CAPÍTULO 3 Risco Geológico CAPÍTULO 4 Processos que Causam Acidentes CAPÍTULO 3 Risco Geológico Conceitos 3. 1 Elementos de risco 3. 2 Classes de risco 3. 3 Fatores de

Leia mais

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC SIMPÓSIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC Autor: Samuel Maggioni Mezzomo Eng Civil Geotécnico samuel.mezzomo@arteris.com.br 20.08.2014 ITAJAÍ/SC INTRODUÇÃO E LOCALIZAÇÃO RODOVIAS

Leia mais

A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo

A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo 1. Introdução O intenso processo de urbanização vivido no País desde os anos 80, a falta

Leia mais

Técnicos municipais envolvidos com o tema

Técnicos municipais envolvidos com o tema Curso de Capacitação de Técnicos Municipais para Prevenção e Gerenciamento de Riscos de Desastres Naturais SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM PÚBLICO-ALVO Técnicos municipais envolvidos com o tema 1 OBJETIVO

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Stefânia Moreira Alves Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Brasil, stefaniamoreiraalves@yahoo.com.br Romero César Gomes Universidade

Leia mais

Modelos de Previsão de Áreas Sujeitas a Deslizamentos: Potencialidades e Limitações

Modelos de Previsão de Áreas Sujeitas a Deslizamentos: Potencialidades e Limitações Modelos de Previsão de Áreas Sujeitas a Deslizamentos: Potencialidades e Limitações Nelson F. Fernandes Depto. de Geografia, Inst. de Geociências UFRJ nelsonff@acd.ufrj.br PREVISÃO Timbé do Sul, SC (1995)

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM Manaus 28 de Outubro de 2010 LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO CHIBATÃO MANAUS (AM) 1. INTRODUÇÃO Por solicitação do Ministério Público do Estado

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Gerenciamento de riscos a escorregamentos em encostas Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Característica estrutural

Leia mais

INVENTÁRIO DE ESCORREGAMENTOS SIGNIFICATIVOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: RESULTADOS PRELIMINARES

INVENTÁRIO DE ESCORREGAMENTOS SIGNIFICATIVOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: RESULTADOS PRELIMINARES INVENTÁRIO DE ESCORREGAMENTOS SIGNIFICATIVOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: RESULTADOS PRELIMINARES Fábio L. M. Silva - CPRM - Serviço Geológico do Brasil e-mail: fabio.geo@uol.com.br, fms@cristal.cprm.gov.br

Leia mais

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) 6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) Curitiba/PR Julho de 2012 1 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem

Leia mais

Incorporação da Gestão de Riscos de Escorregamentos e Inundações no Setor de Transportes

Incorporação da Gestão de Riscos de Escorregamentos e Inundações no Setor de Transportes Incorporação da Gestão de Riscos de Escorregamentos e Inundações no Setor de Transportes Paulo Cesar Fernandes da Silva INSTITUTO GEOLÓGICO Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Entendendo

Leia mais

IPT INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS

IPT INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS IPT INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS Publicação IPT 2815 ACIDENTES ASSOCIADOS A MOVIMENTOS GRAVITACIONAIS DE MASSA OCORRIDOS NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DO JORDÃO, SP, EM JANEIRO DO ANO DE 2000: AÇÕES TÉCNICAS

Leia mais

RETROANÁLISE DO MOVIMENTO DE MASSA DE TALUDE DE SOLO ESTUDO DE CASO

RETROANÁLISE DO MOVIMENTO DE MASSA DE TALUDE DE SOLO ESTUDO DE CASO RETROANÁLISE DO MOVIMENTO DE MASSA DE TALUDE DE SOLO ESTUDO DE CASO Flávia Aparecida Tavares Bonadeu (1), Adailton Antônio dos Santos (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)flaviabonadeu@hotmail.com,

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Luciane de Castro Campos Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte-

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

Mapeamento de riscos associados a escorregamento em. encostas nas áreas de assentamento precário do Município de. Eldorado

Mapeamento de riscos associados a escorregamento em. encostas nas áreas de assentamento precário do Município de. Eldorado Mapeamento de riscos associados a escorregamento em encostas nas áreas de assentamento precário do Município de Eldorado EDILSON PISSATO Março/2012 Associação dos Mineradores de Areia do Vale do Ribeira

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

Aspectos Geotécnicos do Escorregamento de Encosta da Rodovia SC-401/Florianópolis

Aspectos Geotécnicos do Escorregamento de Encosta da Rodovia SC-401/Florianópolis Aspectos Geotécnicos do Escorregamento de Encosta da Rodovia SC-401/Florianópolis Orlando Martini de Oliveira Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil. oliveiraorlando@hotmail.com

Leia mais

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO Autores Rafael Rivoire Godoi Navajas, Engenheiro Civil graduado pela UFRGS (Universisade Federal do Rio Grande do Sul) 1998.

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos Carlos A. Nobre Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento - SEPED Ministério de Ciência, Tecnologia

Leia mais

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes Antonio Liccardo Taludes Superfícies inclinadas que delimitam um maciço terroso ou rochoso. Naturais ou Artificiais Taludes naturais ou encostas Taludes

Leia mais

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS OBJETIVOS: Atualização do mapeamento de riscos associados a escorregamentos de encostas; Indicação de tipologias de intervenções

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15)

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) 12 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ 4º RELATÓRIO

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM UNDERSTANDING RISK SEÇÃO: CRESCIMENTO URBANO SEM RISCOS DE DESLIZAMENTOS Conhecimento, Prevenção, Preparação, Resposta e Mudança de Hábitos Belo Horizonte, novembro de

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

Resumo. Introdução. X Salão de Iniciação Científica PUCRS, 2009. X Salão de Iniciação Científica PUCRS

Resumo. Introdução. X Salão de Iniciação Científica PUCRS, 2009. X Salão de Iniciação Científica PUCRS 2964 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Mapeamento de Áreas de Risco Suscetíveis ao Escorregamento Através de Sistema de Informações Geográficas (SIG) e Simulações Computacionais no Município de Palhoça.

Leia mais

1. Classificação de Encostas no Estudo (1) Escorregamento. Desmoronamento. espalhamento. escorregamento. Fluxo. Escorregamento

1. Classificação de Encostas no Estudo (1) Escorregamento. Desmoronamento. espalhamento. escorregamento. Fluxo. Escorregamento 1. Classificação de Encostas no Estudo (1) Escorregamento queda tombamento Desmoronamento espalhamento Escorregamento escorregamento Fluxo 2.Classificação de Encostas no Estudo (2) Tipo de Movimento Leito

Leia mais

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico 44 Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico A Figura 18 servirá de subsídios às análises que se seguem, pois revela importantes informações quanto ao comportamento das

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO N o 97 082-205 ANÁLISE DE RISCOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICOS DOS BAIRROS COTA 95/100, 200 E 400 NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO, SP.

RELATÓRIO TÉCNICO N o 97 082-205 ANÁLISE DE RISCOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICOS DOS BAIRROS COTA 95/100, 200 E 400 NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO, SP. RELATÓRIO TÉCNICO N o 97 082-205 ANÁLISE DE RISCOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICOS DOS BAIRROS COTA 95/100, 200 E 400 NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO, SP. (Relatório de Andamento Bairro-Cota 200) Centro de Tecnologias

Leia mais

Barreiras flexíveis na Rota do Sol, RS. Soluções para proteção contra queda de blocos, fluxo de detritos e escorregamentos superficiais.

Barreiras flexíveis na Rota do Sol, RS. Soluções para proteção contra queda de blocos, fluxo de detritos e escorregamentos superficiais. Barreiras flexíveis na Rota do Sol, RS. Soluções para proteção contra queda de blocos, fluxo de detritos e escorregamentos superficiais. Felipe Gobbi, D.Sc. Geobrugg AG, Rio de Janeiro, Brasil felipe.gobbi@geobrugg.com

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

Informe 01/2013 Preparado para a Defesa Civil do Município de Rio do Sul / SC

Informe 01/2013 Preparado para a Defesa Civil do Município de Rio do Sul / SC Avaliação emergencial das áreas visitadas em Rio do Sul Santa Catarina Informe 01/2013 Preparado para a Defesa Civil do Município de Rio do Sul / SC Data da missão: 24/09/2013 26/09/2013 Data deste relatório:

Leia mais

Paisagem: Um texto a ser decifrado

Paisagem: Um texto a ser decifrado Paisagem: Um texto a ser decifrado Caroline Pinho de Araújo (UERJ/FFP) Taís de Santana Ferreira (UERJ/FFP) Resumo A paisagem se constitui por uma diversidade de conhecimentos que geralmente são abordados

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual

Leia mais

3º Relatório de Inspeção à Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro

3º Relatório de Inspeção à Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro 3º Relatório de Inspeção à Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro JANEIRO/2012 (Um ano após a tragédia ocorrida em janeiro/2011) www.crea-rj.org.br APRESENTAÇÃO Já temos um ano decorrido após a tragédia

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental CARACTERIZAÇÃO DO RISCO GEOLÓGICO DAS FAVELAS EM ENCOSTAS DA ILHA DO GOVERNADOR, RIO DE JANEIRO/RJ Luiz José R. O. Brandão da Silva 1 ; José

Leia mais

Experiência do Município de Salvador na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da CARG Coordenadoria das Áreas de Risco Geológico

Experiência do Município de Salvador na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da CARG Coordenadoria das Áreas de Risco Geológico Experiência do Município de Salvador na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da CARG Coordenadoria das Áreas de Risco Geológico Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município

Leia mais

Gestão de Riscos no Brasil

Gestão de Riscos no Brasil Gestão de Riscos no Brasil Eduardo Soares de Macedo Géologo PROCESSOS CAUSADORES DE RISCOS NATURAIS Classificação COBRADE SEDEC-MI CATEGORIA GRUPO SUBGRUPO 1. Terremoto 1. GEOLÓGICO 2. Emanação vulcânica

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003). 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Endereço: Eixo Monumental VIA S1 Telefone: + 55 61 344.3333/ Fax:+ 55 61 344.0700 BRASÍLIA / DF - CEP:

Leia mais

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco.

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Fonseca, E. C. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, evan@ufba.br

Leia mais

A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto

A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto Faiçal Massad e Milton Assis Kanji Escola Politécnica, Universidade

Leia mais

METODOLOGIA DE MAPEAMENTO E INTERPRETAÇÃO DE TRILHA: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA) Marcos Timóteo Rodrigues de Sousa * ABSTRACT

METODOLOGIA DE MAPEAMENTO E INTERPRETAÇÃO DE TRILHA: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA) Marcos Timóteo Rodrigues de Sousa * ABSTRACT Science in Health 2010 mai-ago; 1(2): 111-6 METODOLOGIA DE MAPEAMENTO E INTERPRETAÇÃO DE TRILHA: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA) METHOD OF MAPPING AND INTERPRETATION OF TRAIL: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA)

Leia mais

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 CAPÍTULO 15 Lixo O efeito do lixo nas encostas 15. 1 Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 259 15. 1 O efeito do lixo nas encostas LIXO na ENCOSTA DESLIZAMENTO CAUSADO por LIXO na ENCOSTA Adaptado

Leia mais

Participação: Eng. Paulo Henrique Dias - ABMS

Participação: Eng. Paulo Henrique Dias - ABMS ABAS Associação Brasileira de Águas Subterrâneas ABRH Associação Brasileira de Recursos Hídricos ABGR Associação Brasileira de Geologia de Engenharia e Ambiental ABMS Associação Brasileira de Mecânica

Leia mais

MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP

MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP Seminário URBFAVELAS 2014 São Bernardo do Campo - SP - Brasil MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP Fabricio Araujo Mirandola

Leia mais

Bacia Hidrográfica 1. GENERALIDADES

Bacia Hidrográfica 1. GENERALIDADES Capítulo 1. GENERIDDES O ciclo hidrológico, se considerado de maneira global, pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, uma vez que a quantidade total da água existente em nosso planeta é constante.

Leia mais

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Ciclo de Palestras 2010 DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Tipos de Escorregamentos de Encostas Soluções de Estabilização Ciclo de Palestras 2010

Leia mais

5.4 Passivos Ambientais

5.4 Passivos Ambientais 5.4 Passivos Ambientais 5.4.1 Considerações Gerais Considerase Passivo Ambiental como toda a ocorrência decorrente de: Falha na construção, restauração ou manutenção de rodovia, capaz de atuar como fator

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM COLÉGIO FRANCO-BRASILEIRO NOME: N : TURMA: PROFESSOR(A): ANO: 9º DATA: / / 2014 LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM 1. Analise a figura e o texto apresentados a seguir. Atualmente existem três categorias

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES 3. 1 Obras de revestimento proteção x obras de contenção Os tipos de obra voltados para a estabilização de encostas evoluem constantemente, em função de novas técnicas

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil IV SESSÃO DA PLATAFORMA REGIONAL PARA A REDUÇÃO DO RISCO DE DESASTRES NAS AMÉRICAS (PR14) Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil Guayaquil, Maio

Leia mais

Escorregamentos de terra O Evento de SC

Escorregamentos de terra O Evento de SC ISBN 92-5-100276-2 Seminário Deslizamentos em SC: causas, consequências, medidas emergenciais e ações futuras 12/02/2009 Joinville - SC Escorregamentos de terra O Evento de SC Fernando A. M. Marinho Universidade

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA 1 Trabalho Leitura e Interpretação de Cartas, separação em pranchas diferentes das informações contidas nas Cartas na escala 1:50.000, como: hidrografia, relevo, vegetação,

Leia mais

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 Eixo Temático: Cidades e Regiões Metropolitanas: a Geografia frente aos problemas

Leia mais

Proc. IPHAN nº 01450.007673/2011-16 - Portaria IPHAN nº 15, de 05 de maio de 2011

Proc. IPHAN nº 01450.007673/2011-16 - Portaria IPHAN nº 15, de 05 de maio de 2011 PROJETO ARQUEOLOGIA PREVENTIVA NAS ÁREAS DE INTERVENÇÃO DA UHE SANTO ANTONIO DO JARI, AP/PA Proc. IPHAN nº 01450.007673/2011-16 - Portaria IPHAN nº 15, de 05 de maio de 2011 LAUDO: 02/2011 SERVIÇO EXECUTADO:

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

Avaliação das áreas atingidas pelas inundações e alagamentos em União da Vitória / PR, em junho de 2014.

Avaliação das áreas atingidas pelas inundações e alagamentos em União da Vitória / PR, em junho de 2014. CENACID Centro de Apoio Científico em Desastres Avaliação das áreas atingidas pelas inundações e alagamentos em União da Vitória / PR, em junho de 2014. Toda divulgação de material bibliográfico e as fotos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL DEPARTAMENTO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS A V I S O

SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL DEPARTAMENTO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS A V I S O A V I S O PROCESSO EMERGENCIAL COM ETAPA DE LANCES OBJETO: Contratação emergencial do serviço de manutenção do sistema de alerta e alarme da Região Serrana/RJ LOCAL: Departamento Geral de Administração

Leia mais

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 Eixo Temático: Cidades e Regiões Metropolitanas: a Geografia frente aos problemas

Leia mais

6. Instrumentação Geotécnica

6. Instrumentação Geotécnica 6. Instrumentação Geotécnica O comportamento de aterros construídos sobre depósitos de solos muito moles, especialmente quando estes depósitos se mostram heterogêneos, no que diz respeito às características

Leia mais

Missão CENACID avalia deslizamentos e inundações em SP e RJ Relatório-Resumo (30-01-10)

Missão CENACID avalia deslizamentos e inundações em SP e RJ Relatório-Resumo (30-01-10) Missão CENACID avalia deslizamentos e inundações em SP e RJ Relatório-Resumo (30-01-10) A natureza avisou que desastres poderiam ocorrer (Renato Lima Coordenador do CENACID) Com uma equipe de 10 integrantes

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL Vanessa da Silva Brum Bastos vsbrumb@gmail.com Graduanda do 4º ano do bacharelado em Geografia-

Leia mais

MAPEAMENTO DE RISCOS EM ENCOSTAS E MARGENS DE RIOS

MAPEAMENTO DE RISCOS EM ENCOSTAS E MARGENS DE RIOS MAPEAMENTO DE RISCOS EM ENCOSTAS E MARGENS DE RIOS 2 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luís Inácio Lula da Silva MINISTRO DAS CIDADES Marcio Fortes de Almeida SECRETÁRIO NACIONAL DE PROGRAMAS URBANOS SUBSTITUTO

Leia mais

Mudando Hábitos e Reduzindo Riscos de Movimentos de Massa e Inundações COMUNIDADE MAIS SEGURA. Mais. Ciências da Terra para a Sociedade

Mudando Hábitos e Reduzindo Riscos de Movimentos de Massa e Inundações COMUNIDADE MAIS SEGURA. Mais. Ciências da Terra para a Sociedade COMUNIDADE Mudando Hábitos e Reduzindo Riscos de Movimentos de Massa e Inundações MAIS SEGURA Mais Ciências da Terra para a Sociedade MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Nelson José Hubner Moreira Ministro Interino

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE

RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE ISSN 1984-9354 RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE CRISTIANA ALVES DE LIMA LOURO (PETROBRAS

Leia mais

ESTUDO DE RISCO A ESCORREGAMENTOS EM ÁREA URBANA NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, SC

ESTUDO DE RISCO A ESCORREGAMENTOS EM ÁREA URBANA NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, SC 935 ESTUDO DE RISCO A ESCORREGAMENTOS EM ÁREA URBANA NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, SC FERNANDO DA FONTOURA XAVIER 1 PAULO EGYDIO BERKENBROCK 2 1 TECGEO Sondagens Geofísicas. Rua Maria Popper, 120 Bairro Asilo

Leia mais

2 problemas principais podem requerer tratamento: Permeabilidade / Fluxo na Fundação e Ombreiras Conceitos e critérios diferentes para:

2 problemas principais podem requerer tratamento: Permeabilidade / Fluxo na Fundação e Ombreiras Conceitos e critérios diferentes para: IBC BRASIL Prof. Dr. Roberto Kochen Diretor Técnico Dezembro/2009 55 11 4195- FUNDAÇÔES DE BARRAGENS 2 problemas principais podem requerer tratamento: Deformabilidade Permeabilidade / Fluxo na Fundação

Leia mais

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir:

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir: SUBPROGRAMA DE MANUTENÇÃO E CAPINA NA VIA FÉRREA Este Subprograma trata do gerenciamento e planejamento da execução dos serviços de manutenção e capina da via férrea que será executado em toda a extensão

Leia mais