PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA DE BELO HORIZONTE"

Transcrição

1 PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

2 DADOS DA CIDADE Data de fundação: 12 de dezembro de 1897 Área: 331 km 2 Latitude y Longitude 19 55'S, 43 56'W Minas Gerais BH INDICADORES DEMOGRÁFICOS População: habitantes Densidade: habitantes por km 2 (Fonte: IBGE / Censo 2010 ) Índice de desenvolvimento humano: 0,882 (Fonte: FJP; IBGE / PNAD 2009)

3 DADOS DA CIDADE Minas Gerais BH INDICADORES ECONÔMICOS (2010) Moeda: real Produto Interno Bruto PIB: US$ 25,2 Bilhões PIB per cápita: US$ 10,6 Atividades econômicas / Participação no PIB Indústria - 14,4% Comércio e Serviços - 69,4% Sector Público - 16,2%

4 DADOS DA CIDADE CLIMA Minas Gerais BH Clima tropical predominante, basicamente pelo regime sazonal de chuvas; estações úmida, chuvosa e seca Umidade relativa: Média anual de 1.450mm aproximadamente Temperatura média anual em torno de 21,1 C

5 DADOS DA CIDADE MALHA HIDROGRÁFICA 700 km de córregos 200 km canalizados 200 km leito aberto na malha urbana 300 km áreas de proteção ambiental

6 DESASTRES RECORRENTES

7 DESASTRES RECORRENTES

8 DESASTRES RECORRENTES

9 AÇÕES DE REDUÇÃO DE DESASTRES GRUPO EXECUTIVO DE ÁREAS DE RISCO (GEAR) O Grupo Executivo de Áreas de Risco congrega todos os gestores públicos e de empresas com vocação para a prevenção e resposta aos desastres. Reunindo-se sistematicamente todas as segundas feiras, são socializadas as necessidades de recuperação dos desastres acontecidos, a previsão metereológica para a semana seguinte e as necessidades de intervenções preventivas para os prováveis eventos adversos previstos.

10 AÇÕES DE REDUÇÃO DE DESASTRES GRUPO EXECUTIVO DE ÁREAS DE RISCO (GEAR) Na reunião, todos os 27 órgãos e instituições se manifestam sobre as ocorrências e vulnerabilidades da cidade. As soluções são construidas em conjunto, com contribuição técnica, logística e material daqueles que tem vocação e possibilidade para atuar. Ações e prazos são estabelecidos e na reunião seguinte são verificados os andamentos e resultados práticos pactuados. O grande ganho da metodologia está na possibilidade de agregar soluções e contribuições de todos os participantes. Deste modo a soma das grandes e pequenas contribuições produz resultados melhores! Atas da reunião são elaboradas e distribuidas para registro histórico e acompanhamento das decisões.

11 PROGRAMA EXECUTIVO DE ÁREAS DE RISCO Opera em áreas de risco geológico. antes antes depois depois O PEAR faz parte da Política Municipal da Habitação e tem por objetivo diagnosticar, prevenir e minimizar as situações de risco geológico-geotécnico nas vilas e favelas. Ao promover suas ações, o Programa contribui na diminuição de acidentes, na preservação e na melhoria da qualidade de vida da população. Belo Horizonte tem 211 vilas e favelas. (2009)

12 PEAR GESTÃO APROXIMADA Crear - Centro de Referência em Áreas de Risco Os Centros funcionam como uma espécie de posto avançado do trabalho preventivo no interior das vilas, favelas e conjuntos habitacionais populares. Assim, ficou mais fácil a solicitação de vistorias por parte dos moradores, além da intensificação do monitoramento de situações de perigo. Outra vantagem do CREAR é ampliar a possibilidade da participação dos moradores nas atividades de prevenção, interferindo com sugestões e soluções dos problemas causados pelo risco geológico. As suas instalações também são usadas para reuniões dos Núcleos de Defesa Civil e de entidades associativas. A equipe técnica que compõe cada CREAR é formada por um geólogo, um engenheiro e um estagiário residente na comunidade. O funcionamento se dá de 8h às 12h e de 13h às 17h, de 2ª à 6ª feira. Os CREAR também estão equipados com colchões, fogão e geladeira, para servirem de refúgio momentâneo para famílias em situação de risco alto em ocasiões emergenciais.

13 PEAR GESTÃO APROXIMADA Apolônia Paulo VI Morro das Pedras Taquaril Cabana Serra Vila CEMIG Santa Lúcia

14 PEAR - GESTÃO COMPARTILHADA O PEAR trabalha em contante colaboração com comunidade. Núcleos de Defesa Civil foram formados com moradores das áreas de risco que são capacitados para entender e adotar medidas preventivas inclusive com a utilização dos CREAR. Participam de forças tarefas onde pequenas obras preventivas são realizadas com mão de obra comunitária e orientação técnica da Prefeitura de Belo Horizonte Antes Trabalho comunitário orientado Depois

15 PEAR - MITIGANDO RISCOS Em 2011/2012, 124 obras foram concluídas através do PEAR/PBH, totalizando um investimento de US$ ,71 Antes Depois Antes Depois

16 PROGRAMA DE MITIGAÇÃO DE INUNDAÇÕES O programa de mitigação e inundações, a Prefeitura de Belo Horizonte foi instituido para promover a descontaminação de cursos de agua, reduzir riscos de inundações, produzir controle de sedimentos nos recursos hídricos naturais do perímetro urbano. No programa Drenurbs, além de obras estruturantes e de mitigação de inundações, há uma vigorosa vertente voltada para o monitoramento, alerta e capacitação dos moradores para convivência segura nas áreas de risco. Através de 40 grupos de voluntários das comunidades, os alertas emitidos pelo centro de monitoramento são repassados à todas as familias das áreas de risco. Em constante treinamento sobre posturas e ações preventivas, inclusive com o Corpo de Bombeiros, esses grupos da comunidade em parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte tem alcançado uma diminuição considerável nos danos humanos, materiais e nos prejuízos sociais nos desastres recorrentes em Belo Horizonte.

17 PROGRAMA DE MITIGAÇÃO DE INUNDAÇÕES Localização dos Núcleos de Alerta de Chuva já implantados na cidade, comtemplando as principais áreas de risco de inundações e alagamentos. Forte participação popular na formulação e execução das políticas de mitigação e resposta aos desastres na cidade de Belo Horizonte.

18 PROGRAMA DE MITIGAÇÃO DE INUNDAÇÕES O sistema de alerta foi todo concebido com a participação comunitária, através da elaboração de manchas faladas representação gráfica da percepção da área inundável de cada zona vulnerável a alagamentos e inundações. SISTEMA SISTEMA DE DE COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DO ALERTA DE CHUVA DO ALERTA DE CHUVA Mapa da mancha falada e sistema de alerta NÓS SOMOS UM RAIN ALERT RECEIVED BY A NAC TECHNICIAN

19 PROGRAMA DE MITIGAÇÃO DE INUNDAÇÕES HÁ CONSTANTE CAPACITAÇÃO DA COMUNIDADE PARA ATITUDES PREVENTIVAS E DE SOCORRO NAS ÁREAS VULNERÁVEIS:

20 PROGRAMA DE MITIGAÇÃO DE INUNDAÇÕES O monitoramento e alerta são feitos através do uso de tecnologia compartilhada entre diversas entidades públicas do município, do estado e da federação. Atendendo às recomendações do Marco de Hyogo, foram instaladas 56 estações hidrometereológicas na cidade, permitindo acompanhamento dos índices pluviométricos e dos níveis dos rios e córregos. Juntamente com dados do radar e das demais tecnologias disponíveis são emitidos os alertas para moradores das áreas de risco, gestores municipais com vocação para ações de prevenção e para a imprensa que é parceira na divulgação imediata para toda a população. A credibilidade destas ações tem permitido uma participação efetiva da imprensa, sobretudo radiofônica, que interrompe programações para emitir os alertas da Defesa Civil.

21 PROGRAMA DE MITIGAÇÃO DE INUNDAÇÕES A sinalização dos oitenta pontos de inundação e alagamento da cidade, socializando os riscos também é uma das medidas de prevenção para evitar mortes e diminuir prejuízos na cidade! Evite transitar nesse local em caso de chuva forte Isso tem permitido a criação de uma percepção de risco permanente, possibilitando tanto aos moradores quanto aos visitantes, o conhecimento das vulnerabilidades da cidade. As placas não só sinaliza pontos vulneráveis como indicam as vias de fuga recomendadas! Evite estacionar neste local em caso de chuva forte

22 PROGRAMA DE MITIGAÇÃO DE INUNDAÇÕES O programa de mitigação de inundações já concluiu importantes obras de prevenção e ainda tem várias outras em andamento. SUB BACIA BALEARES Antes Depois

23 PROGRAMA DE MITIGAÇÃO DE INUNDAÇÕES CÓRREGO JATOBÁ OLARIA

24 PROGRAMA DE MITIGAÇÃO DE INUNDAÇÕES SUB-BACIA DO CÓRREGO ENGENHO NOGUEIRA

25 PARCERIAS COM ENTIDADES E UNIVERSIDADES A visão sistêmica de proteção civil, implantada pela Prefeitura de Belo Horizonte, tem sensibilizado entidades de classe das áreas de engenharia, geologia e geotecnia. Técnicos de alta capacidade de forma voluntária, sistemática e programada, doam horas de trabalho para ações preventivas nos locais de risco da cidade. Como resultado temos um aumento da capacidade operacional e sobretudo maior qualidade técnica nas vistorias realizadas.

26 PARCERIAS COM ENTIDADES E UNIVERSIDADES A Prefeitura de Belo Horizonte mantém convênio com Universidades locais, onde alunos dos cursos de engenharia trabalham na defesa civil, dedicando trabalho voluntário em vistorias preventivas. O convênio tem os seguintes objetivos: Aumentar a capacidade operacional da defesa civil municipal Alunos de engenharia participando de vistorias Permitir aos alunos o contato com a realidade social da cidade, dentro se sua área de atuação. Despertar nos alunos, o desejo de pesquisa sobre o assunto de proteção civil, gerando conhecimento acadêmico específico sobre os problemas locais. Incentivar a institucionalização de uma engenharia social, voltada à orientação técnica das camadas mais pobres da população.

27 PARCERIA COM A COMUNIDADE Para a proteção civil na cidade, a Prefeitura mantêm duas páginas em redes sociais para emissão de alertas e interação com a população. Já temos mais de 4000 seguidores nas duas páginas

28 EXEMPLOS DE AÇÕES REALIZADAS MITIGAÇÃO DE RISCOS Antes Depois INTERAÇÃO COM A COMUNIDADE DE RISCO

29 EXEMPLOS DE AÇÕES REALIZADAS MITIGAÇÃO DE RISCOS VISTORIAS CONJUNTAS TREINAMENTO COM MORADORES ANTES DEPOIS

30 AÇÕES EM ALINHAMENTO COM O MARCO DE HYOGO 1. Garantir que a redução de risco de desastres (RRD) seja uma prioridade nacional e local com uma sólida base institucional para sua implementação Existência de legislação que institucionaliza a prevenção de riscos e desastres de forma sistêmica, onde todos os órgãos da prefeitura fazem parte dentro de sua vocação para a prevenção, preparação, resposta e reconstrução nos desastres recorrentes na cidade. Existência do GEAR, grupo de ação permanente que se reune sistematicamente todas as segundas feiras para discutir os riscos, as ameaças e as ações mitigadoras necessárias e urgentes. Políticas públicas bem definidas ( PEAR e Mitigação de Inundações) com grandes investimentos tanto em infraestrutura quando na aproximação com a comunidade em risco. Existência de um fundo municipal de calamidade pública, com recursos destinados à assistência e resposta aos desastres recorrentes na cidade.

31 AÇÕES EM ALINHAMENTO COM O MARCO DE HYOGO 2. Identificar, avaliar e observar de perto os riscos dos desastres, e melhorar os alertas prévios Existência de mapeamento de risco geológico, identificando moradia por moradia, atualizado de dois em dois anos. Existência de carta de inundação da cidade, segundo modelos matemáticos, identificando 80 pontos de inundação e alagamentos. SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO RAIN ALERTA COMMUNICATION DE CHUVA SYSTEM Existência do mapeamento de risco Mancha falada produzido em parceria com a comunidade, aproveitando o conhecimento e a percepção do risco daqueles que moram em áreas vulneráveis. Os mapeamentos são utilizados para planejamento e execução de ações mitigadoras estruturais. RAIN ALERT RECEIVED BY A NAC TECHNICIAN Implantação de moderno sistema de monitoramento, com 56 estações hidrofluviométricas, que aliado a outras tecnologias permite emissão de alertas mais precisos. Há uma importante parceria com a imprensa, que divulga os alertas emitidos, inclusive com as recomendações preventivas.

32 AÇÕES EM ALINHAMENTO COM O MARCO DE HYOGO 3. Utilizar o conhecimento, a inovação e a educação para criar uma cultura de segurança e resiliência em todos os níveis Elaboração de planos de contingência, em conjunto com a comunidade, permitindo maior alcance dos alertas prévios e melhora nas ações preventivas nas áreas de risco. Equipe da Prefeitura de Belo Horizonte e alunos do curso de engenharia em trabalho de campo. Treinamento das comunidades, em conjunto com outros atores que podem contribuir para a prevenção e resiliencia das comunidades em risco. Realização de palestras, peças de teatro e trabalhos lúdicos com as comunidades vulneráveis. Formação de parcerias com universidades para que alunos dos cursos de engenharia e outras ciências participem das vistorias e pesquisem sobre as questões do risco na cidade. Parcerias com Associações de Profissionais especializados em geologia, engenharia e perícias, agregando trabalho voluntário de profissionais de alta capacidade técnica, aumentando a credibilidade das recomendações preventivas.

33 AÇÕES EM ALINHAMENTO COM O MARCO DE HYOGO 4. Reduzir os fatores fundamentais do risco Está implantada uma legislação que disciplina a segurança das edificações, o uso e ocupação do solo e prevenção de invasões em áreas vulveráveis. Bacia de contenção de inundações Uma robusta política de redução de risco está sedimentada (PEAR) com intervenções estruturais simples com mutirões comunitários e também com intervenções complexas através de obras estruturantes nas áreas de risco geológico. De igual forma, para as inundações e alagamentos, investimentos em obras de mitigação de risco de pequeno e grande porte estão em andamento por toda a cidade. A comunidade tem ampla participação nessas políticas, tanto na definição de prioridades quanto na formação de redes de auto-proteção. COMDEC atua na prevenção de desastres 365 dias por ano, 24 horas por dia. Há um órgão de defesa civil (COMDEC), disponível 24 horas por dia, de fácil acesso por telefone 199, que realiza vistorias de risco e coordena ações dos demais órgãos do sistema para redução dos riscos verificados.

34 AÇÕES EM ALINHAMENTO COM O MARCO DE HYOGO 5. Fortalecer a preparação em desastres para uma resposta eficaz a todo nível Há planos de contingências elaborados com a participação da comunidade, envolvendo mapeamento de riscos, monitoramento e alertas e comportamentos ideais em casos de desastres. A comunidade é organizada em Núcleos de Risco Geológico (NUDEC) e Núcleos de Risco de Inundação (NAC) e treinadas especificamente dentro da dinâmica de cada tipo de vulnerabilidade. Há um plano de contingências definindo a responsabilidade dos órgãos da Prefeitura e também das demais agências com vocação para a prevenção e resposta aos desastres recorrentes. Há um Fundo de Calamidade Pública, com recursos definidos para assistência e resposta. Cada órgão da Prefeitura, dentro de um conceito sistêmico tem recursos para responder aos desastres dentro de sua competência institucional. Todos os órgãos da Prefeitura, constituem o sistema municipal de defesa civil e se reunem todas as segundas feiras, junto com demais agências e setories da sociedade no GEAR ( Grupo Executivo de Áreas de Risco). Nesse fórum permanente, todos os riscos de desastres são discutidos, soluções são construídas e pendências verificadas.

35 RESULTADOS ALCANÇADOS Desde o ano de 2003 não há mortes por deslizamento ou escorregamento em belo horizonte. em 2004 estavam mapeadas moradias em risco alto e muito alto de escorregamento. Em 20/11/2012 foram reduzidas para em risco alto e muito alto de escorregamento. (Todas permanecem permanentemente monitoradas) Apesar de ínumeras inundações, registramos apenas três mortes por este desastre nos últimos três anos, sendo uma por ano. A política de mitigação de riscos e desastres em Belo Horizonte tem proporcionado grandes resultados a partir da visão sistêmica de que todos tem algo a contribuir, todos estão envolvidos e que proteção civil somos todos nós!

36 Alexandre Lucas Alves Coordenador Municipal de Defesa Civil Tel: E.mail:

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Claudemir Matias Francisco Nome do ponto focal: Elton Cesar Cunha

Leia mais

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município do Rio de Janeiro

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO ENFRENTAMENTO DE DESASTRES NATURAIS EM BELO HORIZONTE: A CONTRIBUIÇÃO DO SETOR SAÚDE

A EXPERIÊNCIA DO ENFRENTAMENTO DE DESASTRES NATURAIS EM BELO HORIZONTE: A CONTRIBUIÇÃO DO SETOR SAÚDE 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 Minascentro, Belo Horizonte/MG Eixo 3 - Direitos, justiça ambiental e políticas públicas A EXPERIÊNCIA DO ENFRENTAMENTO DE

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Gestão de Riscos no Brasil

Gestão de Riscos no Brasil Gestão de Riscos no Brasil Eduardo Soares de Macedo Géologo PROCESSOS CAUSADORES DE RISCOS NATURAIS Classificação COBRADE SEDEC-MI CATEGORIA GRUPO SUBGRUPO 1. Terremoto 1. GEOLÓGICO 2. Emanação vulcânica

Leia mais

Plano Agropecuário Municipal de Preparação e Resposta à Seca Piquet Carneiro-Ceará Mônica Amorim

Plano Agropecuário Municipal de Preparação e Resposta à Seca Piquet Carneiro-Ceará Mônica Amorim Plano Agropecuário Municipal de Preparação e Resposta à Seca Piquet Carneiro-Ceará Mônica Amorim Fortaleza 20 de novembro de 2014 Plano de Preparação e Resposta a Seca é parte de estratégia maior Diálogo

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição: E-mail address: Sílvio

Leia mais

Tubarão (Santa Catarina), Brazil

Tubarão (Santa Catarina), Brazil Tubarão (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: João Olavio Falchetti Nome do ponto focal: João Olavio Falchetti Organização:

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: VALBER LUIZ MARCELO DE CARVALHO Nome do ponto focal: Alexander Anthony

Leia mais

ATIVIDADE 03 POR água ABAIXO!

ATIVIDADE 03 POR água ABAIXO! ATIVIDADE 03 POR água ABAIXO! A água, elemento fundamental para a sobrevivência humana, foi motivo de muitos problemas para os moradores da Regional Norte. Além das dificuldades que eles tiveram de enfrentar

Leia mais

Realização: FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS

Realização: FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS Núcleos de Defesa Civil (NUDECs): estruturação, atribuições e funcionamento Regina Panceri Gerente Capacitação, Pesquisa e Projetos SDC 3 O que é, o que é????? O que

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

Capivari (São Paulo), Brazil

Capivari (São Paulo), Brazil Capivari (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição:

Leia mais

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Eduardo da Costa Paes Nome do ponto focal: Márcio Motta Organização:

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Avaliação dos desastres naturais em Minas Gerais Dezembro 2013 Janeiro 2014 Objetivo O presente relatório tem por finalidade avaliar os desastres naturais ocorridos no

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto SECRETÁRIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Luciana Barbosa de

Leia mais

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros.

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Data: 05/12/2008 -Local: Instituto Pólis MORADIA É CENTRAL

Leia mais

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SEGURANÇA DE TERCEIROS AÇÃO COMUNITÁRIA ENERGIA PARA A VIDA ACEV

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SEGURANÇA DE TERCEIROS AÇÃO COMUNITÁRIA ENERGIA PARA A VIDA ACEV XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SEGURANÇA DE TERCEIROS AÇÃO COMUNITÁRIA ENERGIA PARA A VIDA ACEV JOSÉ DE SOUZA REIS FILHO COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS -CEMIG SENDI ACEV

Leia mais

AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA

AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA BRITO 1, Antônio Cavalcanti CARVALHO 2, Fabricio Braga Soares MARINHO

Leia mais

FÓRUM NACIONAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Prêmio Selo Mérito 2013

FÓRUM NACIONAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Prêmio Selo Mérito 2013 FÓRUM NACIONAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Prêmio Selo Mérito 2013 Programa de Regularização Fundiária Sustentável de São Bernardo do Campo: Cidadania e Inclusão Social Urbana ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Londrina (Paraná), Brazil

Londrina (Paraná), Brazil Londrina (Paraná), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Alexandre Lopes Kireeff. Nome do ponto focal:

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

COMPANHIA DE HABITAÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ABC E FNSHDU S E LO D E M É R I TO 2 0 1 3 PROGRAMA GESTÃO

COMPANHIA DE HABITAÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ABC E FNSHDU S E LO D E M É R I TO 2 0 1 3 PROGRAMA GESTÃO COMPANHIA DE HABITAÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ABC E FNSHDU S E LO D E M É R I TO 2 0 1 3 PROGRAMA GESTÃO pós-morar Apresentação Geral Em 2011 o Governo de Minas, por meio da Companhia de Habitação do

Leia mais

Ações técnicas e governamentais no contexto de enchentes em Campos dos Goytacazes/RJ

Ações técnicas e governamentais no contexto de enchentes em Campos dos Goytacazes/RJ Ações técnicas e governamentais no contexto de enchentes em Campos dos Goytacazes/RJ Edison Pessanha Campos dos Goytacazes, que já enfrentou grandes enchentes, como as de 2007, com o rio Paraíba atingindo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Considerando a necessidade da observação e análise permanente da situação de saúde da população:

Considerando a necessidade da observação e análise permanente da situação de saúde da população: REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAPIMIRIM GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 901 de 04 de Agosto de 2011. ESTRUTURA E ATRIBUI O DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) 02 September 2014

Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) 02 September 2014 Mesquita, Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição: E-mail

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250 PROGRAMA Nº- 250 QUALIFICAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS E DEPENDENTES QUÍMICOS SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Realizar Cursos de Capacitação para Profissionais que atuam na área de reabilitação

Leia mais

Programas e Ações VALOR DO PROGRAMA NO ANO 2016 2017 2018 2019 ORÇAMENTO FISCAL 131.747.455 6.000 6.000 6.000

Programas e Ações VALOR DO PROGRAMA NO ANO 2016 2017 2018 2019 ORÇAMENTO FISCAL 131.747.455 6.000 6.000 6.000 PROGRAMA : 016 - DESENVOLVIMENTO DA INFRAESTRUTURA GOVERNAMENTAL PROGRAMA : UNISSETORIAL EIXO : INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA UNIDADE RESPONSÁVEL : OBJETIVO DO PROGRAMA : 2141 - DEPARTAMENTO DE OBRAS PÚBLICAS

Leia mais

Mudanças Climáticas e Desastres Naturais no Brasil - Desafios ao Desenvolvimento Urbano Resiliente

Mudanças Climáticas e Desastres Naturais no Brasil - Desafios ao Desenvolvimento Urbano Resiliente Mudanças Climáticas e Desastres Naturais no Brasil - Desafios ao Desenvolvimento Urbano Resiliente São Paulo, 12 de mao de 2016 Estrutura da Apresentação Panorama Geral - Mudanças Climáticas - Desastres

Leia mais

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Belo Horizonte: aspectos demográficos e econômicos Cidade planejada

Leia mais

O Pacto das Águas é uma ferramenta de:

O Pacto das Águas é uma ferramenta de: O Pacto das Águas é uma ferramenta de: Construção de visão estratégica e consensual sobre os recursos hídricos no Ceará Envolvimento dos diversos atores (públicos e privados) na elaboração de um Plano

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 54/2014. Autor: Vereador Paulo César Queiroz. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova:

PROJETO DE LEI Nº 54/2014. Autor: Vereador Paulo César Queiroz. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: PROJETO DE LEI Nº 54/2014 Dispõe sobre o Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H - no Município de Foz do Iguaçu e dá outras providências. Autor: Vereador Paulo César Queiroz

Leia mais

São Vicente (São Paulo), Brazil

São Vicente (São Paulo), Brazil São Vicente (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Luis Cláudio Bili Lins da Silva Nome do

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009 - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.6 Programa de Gerenciamento de Risco e Plano de Ação de Emergências Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.6

Leia mais

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Gerenciamento de riscos a escorregamentos em encostas Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Característica estrutural

Leia mais

Tipo OCA. Subação. 1-Ações de Infraestrutura da Gestão Superior NEX. 2-Participação da Fundação em Eventos Locais, Nacionais e Internacionais NEX

Tipo OCA. Subação. 1-Ações de Infraestrutura da Gestão Superior NEX. 2-Participação da Fundação em Eventos Locais, Nacionais e Internacionais NEX Relatório do Criança e Adolescente ( ) Página 1 de 42 EIXO: ACESSO À EDUCAÇÃO DE QUALIDADE SUB-EIXO: CULTURA (b) (c) 13-Cultura 122-Administração Geral 146-Gestão da Política Cultural 2338-Gestão Superior

Leia mais

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Eduardo da Costa Paes Nome do

Leia mais

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013 CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS Junho 2013 PROPÓSITO Aqui apresentamos o caminho para as empresas adotarem uma estratégia em adaptação às mudanças climáticas,

Leia mais

Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018.

Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018. Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018. 1. Considerações iniciais. O Sistema CONFEA/CREA. O Sistema CONFEA/CREA é constituído por um Conselho

Leia mais

OFICINA PROVAB Fortaleza 16 de 17 de maio

OFICINA PROVAB Fortaleza 16 de 17 de maio OFICINA PROVAB Fortaleza 16 de 17 de maio Propostas formuladas nas rodadas de discussão tarde de 16/05 e na manhã de 17/05. Digitação idêntica às inscrições nos post it. Temas: Remanejamento, Supervisão,

Leia mais

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Luciane de Castro Campos Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte-

Leia mais

Verificação da sustentabilidade das ações do Programa LIXO NOSSO DE CADA DIA, realizado pelo Ministério Público do Estado de Santa Catarina.

Verificação da sustentabilidade das ações do Programa LIXO NOSSO DE CADA DIA, realizado pelo Ministério Público do Estado de Santa Catarina. PROPOSTA DE PROJETO DE COOPERAÇÃO TECNICO-CIENTIFÍCA ENTRE O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE E A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL SEÇÃO SANTA CATARINA Verificação da sustentabilidade

Leia mais

Fernandópolis (São Paulo), Brazil

Fernandópolis (São Paulo), Brazil Fernandópolis (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: ANA MARIA MATOSO BIM Nome do ponto focal:

Leia mais

USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL

USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL Leane Chamma Barbar Przybysz (1) Engenheira Química formada pela Universidade Estadual de Maringá em 1984. Possui

Leia mais

Reunião - ÁGUA. Eis as questões levantadas dentro da discussão das megatendências: - como integrar a gestão da água em seus diversos âmbitos?

Reunião - ÁGUA. Eis as questões levantadas dentro da discussão das megatendências: - como integrar a gestão da água em seus diversos âmbitos? Reunião - ÁGUA Em 28 de fevereiro de 2011, realizou-se na Fundação Dom Cabral a primeira reunião temática no contexto do projeto Inovações Ambientais. O eixo das discussões realizadas foi a água. Os objetivos

Leia mais

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil Siems Forte, Ana Maria A C, vol. 3, núm. 3, 2003, pp. 7-13 Universidade Federal do Rio de Janeiro Río de Janeiro, Brasil

Leia mais

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA Secretaria de 1 Produtivo 1. Ampliar a oferta de infraestrutura adequada para promover a segurança no consumo de gêneros alimentícios em mercados municipais 1. Oferecer espaços adequados para comercialização

Leia mais

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição:

Leia mais

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS Porto Alegre-RS Brasil Conteúdo Desenvolvimento urbano e a fonte de impacto na gestão das águas As fases

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.5 Sistema de Planejamento Federal (32h) (Palestra 3: Programa Gestão de Riscos e e Resposta a Desastres - GRRD) Professora: Cristiane

Leia mais

MA160.MA.77/RT.001 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID

MA160.MA.77/RT.001 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID 3.18.1. Introdução O quadro de saúde da região da área de influência direta do empreendimento traduzido pelas condições

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

Sairé (Pernambuco), Brazil

Sairé (Pernambuco), Brazil Sairé (Pernambuco), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Jose Fernando Pergentino de Barros (Prefeito)

Leia mais

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG Nome do Painel: Manejo Ambiental no Combate à Dengue Eixo 3. Direitos justiça ambiental e

Leia mais

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS 1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS A sustentabilidade e a integração prática das diferentes modalidades do saneamento: água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos Porto Alegre, 01 de dezembro

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO 2014

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO 2014 Situação Real/Reclamações Professores O índice de insatisfação diminuiu em relação ao apresentado desde 2011. - Permanece sendo realizado o processo de seleção: edital; aulas testes; acompanhamento didático;

Leia mais

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura - SMOBI Superintendência de Desenvolvimento da Capital - SUDECAP Março/2012 BELO HORIZONTE HIDROGRAFIA

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 Deivana Eloisa Ferreira de ALMEIDA Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO, Guarapuava-PR Leandro Redin

Leia mais

Vulnerabilidade x Resiliência em Cidades Brasileiras

Vulnerabilidade x Resiliência em Cidades Brasileiras Fundação Nacional de Saúde IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Vulnerabilidade x Resiliência em Cidades Brasileiras Dr. Neison Cabral Freire Fundação Joaquim Nabuco, Recife/PE Belo

Leia mais

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS 1. Caracterização da situação anterior: Cidade polo da região sudoeste de Mato Grosso do Sul, Jardim está situado na região da Serra da Bodoquena no entroncamento

Leia mais

Projeto de Mobilização Social - PMS para Elaboração do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - PMGIRS

Projeto de Mobilização Social - PMS para Elaboração do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - PMGIRS Projeto de Mobilização Social - PMS para Elaboração do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - PMGIRS BOM JESUS - SC Fevereiro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO À MOBILIZAÇÃO SOCIAL 3 2.

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE CONSERVAÇÃO E SERVIÇOS PÚBLICOS SUBSECRETARIA

Leia mais

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL Autores: Carlos Aparecido de Lima - carlosaparecido@emdec.com.br José Eduardo Vasconcellos - eduardovasconcellos@emdec.com.br Carlos Roberto

Leia mais

GESTÃO DE RISCO BASEADA NA COMUNIDADE

GESTÃO DE RISCO BASEADA NA COMUNIDADE GESTÃO DE RISCO BASEADA NA COMUNIDADE Introdução Moçambique é um dos países mais afectados por fenómenos extremos causados por forças naturais e por acções do homem sobre a natureza e que nos põe em perigo.

Leia mais

Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS SÃO BERNARDO DO CAMPO

Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS SÃO BERNARDO DO CAMPO Plano ESTADUAL DE HABITAÇÃO PEH - SP 8 º Encontro Regional Região Metropolitana de São Paulo Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS SÃO BERNARDO DO CAMPO ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1- O planejamento

Leia mais

CONVÊNIOS EXECUTADOS EM 2009

CONVÊNIOS EXECUTADOS EM 2009 Santarém- Município de Santarém e do Oeste do Pará. Fortalecer a capacidade técnica-operacional da Coordenação Municipal de Defesa Civil COMDEC, do município de Santarém em áreas de risco do município

Leia mais

PARCERIAS ENTRE O DAAE E INSTITUIÇÕES DE ARARAQUARA VISANDO A RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TEMA V AUTORES

PARCERIAS ENTRE O DAAE E INSTITUIÇÕES DE ARARAQUARA VISANDO A RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TEMA V AUTORES PARCERIAS ENTRE O DAAE E INSTITUIÇÕES DE ARARAQUARA VISANDO A RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TEMA V AUTORES Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Engenheiro Civil formado

Leia mais

Metodologia para implantação do PBQP-H em empresas construtoras no Noroeste Fluminense: um estudo de caso.

Metodologia para implantação do PBQP-H em empresas construtoras no Noroeste Fluminense: um estudo de caso. Metodologia para implantação do PBQP-H em empresas construtoras no Noroeste Fluminense: um estudo de caso. Alex Alves Gomes (Faculdade Redentor / UNIG / SENAI-Itaperuna) alexalvesgomes@bol.com.br Resumo

Leia mais

Caçapava (São Paulo), Brazil

Caçapava (São Paulo), Brazil Caçapava (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Henrique Lourivaldo Rinco de Oliveira Nome do ponto focal: José Carlos Marcondes

Leia mais

DIRETRIZES S NA PLENÁRIA FINAL DA 1 A CNDC Grupo 01 - Tema: Capacitação 1) Qualificação profissional e formação educacional nos cursos BR.1D.CVF.2376 médios e superiores, nas suas respectivas áreas de

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIANCÓ- PIRANHAS-AÇU

PLANO DE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIANCÓ- PIRANHAS-AÇU PLANO DE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIANCÓ- PIRANHAS-AÇU CAICÓ - RN COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIANCÓ-PIRANHAS-AÇU PLANO DE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO SOCIAL

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Marcio Machado Presidente

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Marcio Machado Presidente Fundação GEORIO Marcio Machado Presidente PROPOSTA DO PLANO Eliminar as áreas de ALTO RISCO nas encostas mapeadas. CIDADE DO 3. Diagnóstico RIO DE JANEIRO 2. Prevenção 4. Intervenção 1.Conhecimento Plano

Leia mais

SISMADEN Uma Plataforma de Desenvolvimento de um Sistema de Monitoramento e Alerta a Desastres Naturais

SISMADEN Uma Plataforma de Desenvolvimento de um Sistema de Monitoramento e Alerta a Desastres Naturais 6º EUsISSeR- Encontro com Usuários de Imagens de Satélites de Sensoriamento Remoto 25, 26 e 27 de outubro de 2010 SISMADEN Uma Plataforma de Desenvolvimento de um Sistema de Monitoramento e Alerta a Desastres

Leia mais

Articulação e operacionalização do sistema de alerta de cheias da Bacia Hidrográfica do rio Itajaí

Articulação e operacionalização do sistema de alerta de cheias da Bacia Hidrográfica do rio Itajaí Articulação e operacionalização do sistema de alerta de cheias da Bacia Hidrográfica do rio Itajaí Competências dos atores intervenientes Dra. Noemia Bohn (FURB) Lei nº 9.433/97 Política Nacional de Recursos

Leia mais

Contagem da População 2015

Contagem da População 2015 Contagem da População 2015 A nossa realidade Um país de dimensões continentais com 8.515.767 km 2, caracterizado por uma diversidade de paisagens ímpar, dos pampas gaúchos até a floresta Amazônica, com

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 28 de agosto de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 28 de agosto de 2015. Clipping de notícias Recife, 28 de agosto de 2015. Recife, 28 de agosto de 2015. 27/08/2015 PERNAMBUCO INVESTE EM PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA ÁGUA E DO SOLO O Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA)

Leia mais

Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental

Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental I - Objetivos: Formar profissionais habilitados para desempenhar as funções de Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental. II - Público Alvo:

Leia mais

MOBILIZAÇÃO SOCIAL COM O AUXÍLIO DA CARTILHA O MUNICÍPIO QUE QUEREMOS: ENTENDA POR QUE SANEAMENTO É BÁSICO E SUA PARTICIPAÇÃO É MUITO IMPORTANTE

MOBILIZAÇÃO SOCIAL COM O AUXÍLIO DA CARTILHA O MUNICÍPIO QUE QUEREMOS: ENTENDA POR QUE SANEAMENTO É BÁSICO E SUA PARTICIPAÇÃO É MUITO IMPORTANTE MOBILIZAÇÃO SOCIAL COM O AUXÍLIO DA CARTILHA O MUNICÍPIO QUE QUEREMOS: ENTENDA POR QUE SANEAMENTO É BÁSICO E SUA PARTICIPAÇÃO É MUITO IMPORTANTE Aline Paez Silveira (1) Graduada em Engenharia Ambiental

Leia mais

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP Fernanda Longhini Ferreira 1 O município de Santo André,

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

Se você não é parte da solução, então é parte do problema. Eldridge Cleaver

Se você não é parte da solução, então é parte do problema. Eldridge Cleaver Se você não é parte da solução, então é parte do problema. Eldridge Cleaver Cenário Atual BACIA AMAZÔNICA A Bacia Amazônica representa hoje uma das mais importantes áreas do planeta considerando questões

Leia mais

2. A PARTICIPAÇÃO POPULAR EM BELO HORIZONTE

2. A PARTICIPAÇÃO POPULAR EM BELO HORIZONTE Planejamento Participativo Regionalizado (PPR) Ampliando a participação popular em Belo Horizonte MG Resumo Maria de Fátima Abreu Gerente de Relacionamento e Mobilização Social Maria Madalena Franco Garcia

Leia mais

Projeto de Disseminação da Informação para ME e EPP no Brasil Ação conjunta Secretaria Técnica e Comitê Informação

Projeto de Disseminação da Informação para ME e EPP no Brasil Ação conjunta Secretaria Técnica e Comitê Informação Projeto de Disseminação da Informação Ação conjunta Secretaria Técnica e Comitê Informação Introdução Detalhamento da Proposta do Projeto Estratégia e desenvolvimento tático Atividades e ações Resultados

Leia mais

DEFESA CIVIL de MATO GROSSO: 37 ANOS DE HISTORIA

DEFESA CIVIL de MATO GROSSO: 37 ANOS DE HISTORIA ANO 2010 18 FEVEREIRO 1 A DEFESA CIVIL A Defesa Civil pode ser compreendida, como o conjunto de ações de prevenção e de socorro, assistenciais e reconstrutivas, destinadas a evitar ou minimizar os desastres,

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

Manuais ISGH Coordenadoria de Educação Permanente, Ensino e Pesquisa CEPEP

Manuais ISGH Coordenadoria de Educação Permanente, Ensino e Pesquisa CEPEP Manuais ISGH Coordenadoria de Educação Permanente, Ensino e Pesquisa CEPEP Página 1 ELABORAÇÃO Assessoras Técnicas da Educação Permanente ISGH Ana Karine Girão Lima Társia Vitoria de Araujo Joaquim Nogueira

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais 2012 2014 Novos Investimentos R$ 18,8 bilhões Socorro, assistência e reconstrução Prevenção Obras estruturantes Resposta Mapeamento Monitoramento

Leia mais

Conselheiro Lafaiete (Minas Gerais), Brazil

Conselheiro Lafaiete (Minas Gerais), Brazil Conselheiro Lafaiete (Minas Gerais), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Ivar de almeida Cerqueira

Leia mais

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Mostra Local de: Rio Branco do Sul (Municípios de Rio Branco do Sul, Almirante Tamandaré e Itaperuçu) Categoria do

Leia mais

Lei nº 9.433/97. Fundamentos Objetivos Diretrizes Instrumentos. Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos

Lei nº 9.433/97. Fundamentos Objetivos Diretrizes Instrumentos. Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos Articulação e operacionalização do sistema de alerta de cheias da Bacia Hidrográfica do rio Itajaí Competências dos atores intervenientes Dra. Noemia Bohn (FURB) Lei nº 9.433/97 Política Nacional de Recursos

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO IFMG CAMPUS OURO PRETO Resultados da Oficina de Planejamento e das Reuniões Setoriais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO IFMG CAMPUS OURO PRETO Resultados da Oficina de Planejamento e das Reuniões Setoriais PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO IFMG CAMPUS OURO PRETO Resultados da Oficina de Planejamento e das Reuniões Setoriais Escopo O IFMG Campus Ouro Preto atua, de forma integrada, nas áreas do ensino, pesquisa

Leia mais

4.21 - Programa de Apoio a Infraestrutura Local... 1/7

4.21 - Programa de Apoio a Infraestrutura Local... 1/7 2935-01-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV GILBUÉS II - OUROLÂNDIA II ÍNDICE... 1/7 4.21.1 - Objetivos... 1/7 4.21.2 - Justificativas... 1/7 4.21.3 - Metas... 2/7 4.21.4 - Metodologia... 2/7 4.21.5 - Público-alvo...

Leia mais

ESTRUTURA INSTITUCIONAL DA UNIÃO PARA A GESTÃO DE DESASTRES NATURAIS

ESTRUTURA INSTITUCIONAL DA UNIÃO PARA A GESTÃO DE DESASTRES NATURAIS ESTRUTURA INSTITUCIONAL DA UNIÃO PARA A GESTÃO DE DESASTRES NATURAIS Roseli Senna Ganem Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano

Leia mais