ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade..."

Transcrição

1

2

3 ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...5 A Instituição Típica da Área de Cultura...5 A Instituição Típica da Área de Comunicação e Mídia...7 A Instituição Típica na Área de Esporte e Lazer...9 A Instituição Típica da Área de Educação e Pesquisa...11 A Instituição Típica da Área de Saúde...13 A Instituição Típica da Área de Assistência Social...15 A Instituição Típica na Área de Meio Ambiente e Animais...17 A Instituição Típica da Área de Desenvolvimento e Habitação...19 A Instituição Típica da Área de Emprego e Capacitação...21 A Instituição Típica da Área de Defesa de Direitos e Atuação Política...23 A Instituição Típica da Área de Intermediários Filantrópicos e Promoção de Voluntariado...25 A Instituição Típica da Área de Religião...27 A Instituição Típica da Área de Sindicatos e Associações Profissionais de Empregadores, de Empregados e de Autônomos...29 A Instituição Típica da Área de Benefícios Mútuos...31 A Instituição Típica de Outras Áreas de Atividade A Instituição Típica do Terceiro Setor por Natureza Jurídica...35 Associação...35 Fundação...37 Sociedade Civil sem fins econômicos...39 Organização Religiosa...41 Autarquia...43 Outras Entidades de Caráter Público...45

4 INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE Cicely Moitinho Amaral Eduardo Marcondes Filinto da Silva Jackson William Rosalino Instituições do Terceiro Setor são aquelas Organizações que apresentam uma forma de executar uma atividade social com melhor desempenho do que o fariam empresas (Segundo Setor) ou órgãos governamentais (Primeiro Setor). Em geral, o que favorece uma atividade do Terceiro Setor na sua vantagem relativa é o custo social da produção do serviço ou produto. A locação de recursos nas áreas do Terceiro Setor é mais complexa do que em outras áreas, principalmente devido à ocorrência de externalidades, preços não observados em mercados, dificuldade de mensuração dos produtos e serviços envolvidos etc. Novamente, exceto por emprego, são áreas que apresentam certa complexidade de serem produzidas por sinais de preços emitidos pelos mercados. Belo Horizonte já contava com cerca de 86 Instituições do Terceiro Setor no início dos anos 50. Estavam concentradas principalmente nas áreas de educação, pesquisa e assistência social e, com menor expressão, aparecia a área de religião. Do final dos anos 50 até o final dos anos 70, o número de novas Instituições do Terceiro Setor de Belo Horizonte aumentou cerca de 28%, sendo criadas 110 novas Instituições entre os anos 50 e os anos 70. Continuou uma concentração nas áreas de pesquisa e de assistência social e religião, mas já ocorrendo o aparecimento de Instituições em áreas como cultura, saúde e emprego. É a partir dos anos 80 que se dá um crescimento expressivo no número de Instituições do Terceiro Setor em Belo Horizonte. Mais do que dobram na década de 80 em relação à década anterior, mantendo a mesma concentração nas áreas de educação e pesquisa e assistência social que se observa na década de 70. Cresce de modo muito acelerado o número de Instituições de assistência social (o triplo de novas Instituições em relação à década anterior), sendo que as novas Instituições de educação e pesquisa apenas dobraram de uma década para a outra. Começam a surgir no cenário de Belo Horizonte expressivo número de Instituições na área de cultura, de defesa de direitos e de religião. 1

5 Essa dinâmica de criação de novas Instituições do Terceiro Setor se sustenta nas décadas de 90 e na década inicial do novo milênio. Em três décadas (80, 90 e 2000) foram criadas cerca de três quartos das Instituições de Belo Horizonte. Todavia é na década de 90 que ocorre o pico no número de novas Instituições criadas (367 novas Instituições nesta década). Essa evolução na dinâmica de criação obedeceu a uma concentração nas mesmas áreas (educação e pesquisa, assistência social, cultura, saúde, defesa de direitos). Em paralelo surgia uma grande variedade de novas Instituições em variadas áreas a exemplo de esporte e lazer, meio ambiente, intermediários filantrópicos etc. Distribuição das Instituições por período dado em relação à data de fundação e por área de atividade principal ÁREA DE ATIVIDADE PRINCIPAL Até a 1946 a 1956 a 1964 a 1979 a 1985 a 1993 a 2003 a Total CULTURA 3,3% 2,5% 0,8% 1,6% 6,6% 4,9% 16,4% 51,6% 12,3% 100,0% COMUNICAÇÃO E MÍDIA 10,0% 80,0% 10,0% 100,0% ESPORTE E LAZER 2,6% 10,3% 7,7% 20,5% 46,2% 12,8% 100,0% EDUCAÇÃO E PESQUISA 3,6% 3,6% 4,9% 4,0% 13,3% 10,7% 22,7% 32,0% 5,3% 100,0% SAÚDE 4,7% 3,5% 4,7% 1,2% 7,1% 9,4% 22,4% 41,2% 5,9% 100,0% ASSISTÊNCIA SOCIAL 2,1% 2,6% 3,6% 4,6% 10,8% 13,3% 21,5% 34,1% 7,4% 100,0% MEIO AMBIENTE E ANIMAIS 3,4% 3,4% 3,4% 10,3% 3,4% 10,3% 58,6% 6,9% 100,0% DESENVOLVIMENTO E HABITAÇÃO 3,7% 3,7% 7,4% 11,1% 29,6% 25,9% 18,5% 100,0% EMPREGO E CAPACITAÇÃO 3,4% 13,8% 6,9% 13,8% 37,9% 24,1% 100,0% DEFESA DE DIREITOS E ATUAÇÃO POLÍTICA 5,3% 13,2% 21,1% 52,6% 7,9% 100,0% INTERMEDIÁRIOS FILANTRÓPICOS E PROMOÇÃO DE VOLUNTARIADO 22,2% 33,3% 11,1% 11,1% 11,1% 11,1% 100,0% RELIGIÃO 4,6% 5,5% 5,5% 5,5% 13,8% 6,4% 18,3% 34,9% 5,5% 100,0% SINDICATOS E ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS 3,8% 23,1% 11,5% 11,5% 42,3% 7,7% 100,0% ORGANIZAÇÕES DE BENEFÍCIOS MÚTUOS 3,2% 3,2% 6,5% 19,4% 19,4% 6,5% 32,3% 9,7% 100,0% OUTROS 4,1% 4,1% 2,0% 12,2% 12,2% 16,3% 42,9% 6,1% 100,0% Total 2,7% 3,0% 3,1% 3,4% 11,3% 10,4% 19,6% 38,2% 8,1% 100,0% Fonte: Pesquisa de campo realizada em Belo Horizonte entre fevereiro e abril de 2006 tabela 1 O Terceiro Setor de Belo Horizonte é jovem. Uma Instituição típica no setor tem 15 anos de idade, embora haja algumas Instituições criadas no Século 19. No entanto, a metade das organizações foi criada a partir da década de 90. A idade média das fundações é 20 anos, sendo a mais antiga criada em 1833 e a mais recente criada em Uma Instituição típica de Belo Horizonte funciona com uma Diretoria de 5 membros mas com um amplo escopo de variabilidade, existindo Instituições com um único membro na Diretoria até Instituições com até 20 membros na Diretoria. De Instituições informantes, a média e mediana de membros na Diretoria é cinco. O mandato da Diretoria na Instituição típica de Belo Horizonte é de três anos. Embora o mandato da Diretoria seja de três anos na média, os diretores permanecem há 23 meses no cargo. Novamente, a variabilidade é muito grande, encontrando-se Instituições em que a Diretoria está há apenas um mês, a Instituições em que a Diretoria chega a ficar 449 meses (37 anos). Uma organização típica funciona com 10 empregados (mediana da distribuição), embora existam 50,2 empregados por Instituição a partir de um total de 687 Instituições informantes. A diferença no número de empregados entre média de 50 e mediana de 10 reflete o alto grau de desigualdade no tamanho das Instituições, quando esse tamanho é medido pelo número de empregados. Poucas Instituições muito grandes puxam a média para cima. 2

6 Existem Instituições com zero empregados (596 ou 46,5% da amostra total), um empregado apenas e Instituição com 4547 empregados. A Instituição típica de Belo Horizonte dirige cerca de 65% dos seus empregados para a atividade fim. De um total de 618 informantes, obteve-se uma média de 71,5% dos empregados sendo alocados na atividade fim. Uma Instituição típica trabalha com um número de voluntários bem próximo do número de empregados, do que aparentemente se infere que o Terceiro Setor consegue duplicar seus recursos humanos com voluntários. Esse dado oculta a diferença de carga horária de empregados e voluntários. Uma organização típica trabalha com 12 voluntários (a mediana da distribuição) e na média conta com 53 voluntários. Na verdade, o que faz a distribuição apresentar uma média diferente da mediana é uma concentração de voluntários em poucas organizações. A maior organização trabalha com 4000 voluntários e existem Instituições que não contam com esse tipo de trabalho. Há predominância de mulheres no trabalho voluntário do Terceiro Setor de Belo Horizonte. A Instituição típica trabalha com 70% de voluntários do sexo feminino. Existem Instituições onde 100% dos serviços são realizados por voluntários. Também existem instituições onde não ocorre o trabalho voluntário. De um total de Instituições informantes, se soube que a Instituição típica obteve receita de R$ ,00 em É neste indicador que se nota com clareza a diversidade de tamanho nas Instituições do Terceiro Setor de Belo Horizonte. Enquanto 50% das Instituições obtiveram receitas entre 0 e R$ ,00, existem Instituições com receitas acima de R$ ,00. A menor Instituição do setor obteve apenas R$ ,00 ou menos de receita em A distribuição das receitas favorece mais a atividade fim quando comparado com a distribuição dos empregados. Enquanto a Instituição típica destinava 65% dos empregados para a atividade fim, essa Instituição destina 80% das receitas para essa atividade. Novamente, existe Instituição que destina 100% das receitas para a atividade fim e Instituição que nada aloca na atividade fim, algo estranho. 3

7 Características Qualitativas Selecionadas das Instituições Pesquisadas Características N.ºde instituições Média Mediana Mínimo Máximo Fundação Número de membros da Diretoria Duração do mandato da Diretoria (anos) , Tempo no atual mandato da Diretoria (meses) Número de empregados - base 31/dez/ Número de empregados - excluindo zero empregados Percentual de empregados que atuam % 65% 0% 100% na atividade fim Número de voluntários - base Número de voluntários - excluindo zero voluntários do sexo masculino % 30% 0% 100% do sexo feminino % 70% 0% 100% Receita média da faixa - até R$ base Abaixo de R$ Até R$ Receita média da faixa - acima de R$ base acima de Percentual de recursos aplicados na atividade fim % 80% 0% 100% Fonte: Pesquisa de campo realizada em Belo Horizonte entre fevereiro e abril de 2006 tabela 2 4

8 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade A Instituição Típica da Área de Cultura Uma instituição típica da área de Cultura tem menos de 10 anos. A primeira organização surgiu em 1909 e a mais jovem surgiu em Dentre 122 organizações informantes, a média de idade é de 15 anos sendo 9 anos a mediana da distribuição. A Instituição típica nesta área tem 5 membros na diretoria, embora se encontrem Instituições com apenas um diretor e Instituição com um número de diretores até 16. A duração do mandato da Diretoria é de 2 anos, enquanto a Diretoria está no cargo, em média, há três anos. O típico é estar, todavia, menos de dois anos (20 meses). Há caso onde a Diretoria chega a permanecer 20 anos. O menor tempo observado de permanência da Diretoria foi um mês. A Instituição típica da área da Cultura trabalha com 4 empregados. As Instituições não são grandes quando comparadas à media do Terceiro Setor. De um total de 52 Instituições informantes, a maior Instituição declarou ter 55 empregados, quando esse número tinha sido no Terceiro Setor como um todo. Embora a Instituição típica tenha 4 empregados (a mediana da distribuição), a média encontrada para 52 Instituições foi 9,7 empregados, o que indica a ocorrência de algumas Instituições com número muito alto de empregados. Cerca de 71% dos empregados na Instituição típica (mediana da distribuição) são dedicados à atividade fim, enquanto há instituição com zero empregado na atividade fim (existe apenas o dirigente) e Instituição onde 100% dos empregados são alocados na atividade fim. Uma distribuição semelhante ocorre para a divisão dos recursos entre atividade meio e atividade fim, onde a Instituição típica dirige cerca de 70% para a atividade fim. Novamente, em receita há Instituição que nada dirige à atividade fim e Instituição que dirige 100% das receitas para as suas atividades fim. Uma organização típica da área de Cultura trabalha com 15 voluntários, mas existem organizações com um número que atinge uma centena de voluntários. Todas as organizações da área de Cultura (46 informantes) contam com pelo menos 1 voluntário. A presença de voluntários do sexo feminino é predominante nas organizações de cultura. Atinge as mesmas proporções do setor como um todo. A organização típica conta com 40% de homens e 60% de mulheres distribuídos no trabalho voluntário. As Instituições de cultura apresentam um porte menor quando comparadas com o setor como um todo. A Instituição típica trabalha com uma receita de 30 mil reais menor que os 42 5

9 mil reais no setor como um todo. A maior Instituição em termos de receita contou com 57 milhões de reais em 2005, bem abaixo dos acima de 150 milhões de reais encontrados entre todas as organizações sem fins lucrativos de Belo Horizonte. As menores Instituições trabalham com 12 mil reais de receita ou menos. Na média, as Instituições da área de Cultura obtêm uma receita de 910 mil reais bem superior à mediana que é de 30 mil reais. Novamente, se observam poucas Instituições com receitas muito altas e um número grande de organizações com baixas receitas. Cerca de 70% dessas receitas são aplicadas na atividade fim, uma proporção menor do que se observa para o todo o setor sem fins lucrativos de Belo Horizonte. Infere-se com esses números que a área de Cultura incorre em dispêndios relativamente maiores para obter uma unidade de sua atividade fim. Características Qualitativas Selecionadas das Instituições Pesquisadas Características N.ºde instituições Média Mediana Mínimo Máximo Fundação Número de membros da Diretoria Duração do mandato da Diretoria (anos) 112 2, Tempo no atual mandato da Diretoria (meses) Número de empregados - base 31/dez/ Número de empregados - excluindo zero empregados Percentual de empregados que atuam 43 60% 71% 0% 100% na atividade fim Número de voluntários - base Número de voluntários - excluindo zero voluntários do sexo masculino 44 38% 40% 0% 100% do sexo feminino 44 62% 60% 0% 100% Receita média da faixa - até R$ base Abaixo de R$ Até R$ Receita média da faixa - acima de R$ base 2005 Percentual de recursos aplicados na atividade fim % 70% 0% 100% Fonte: Pesquisa de campo realizada em Belo Horizonte entre fevereiro e abril de 2006 tabela 3 6

10 A Instituição Típica da Área de Comunicação e Mídia Em número pequeno (pouco mais de 10 informantes) de Instituições, da área de Comunicações, estas são bem jovens. Uma Instituição típica tem cinco anos e a mais velha data de Em 2003, foi criada a última Instituição dessa área de atividade. A Diretoria na Instituição da área de Comunicações conta com 3 membros, tendo sido observado o número máximo de membros igual a 7. A duração do mandato supera aquele na área da Cultura e coincide com o mandato típico no setor como um todo. Em média, a Diretoria tem um mandato de 2,8 anos, mas está há um pouco menos do que isso no cargo. A metade das Instituições tem um mandato de 3 anos ou menos. As Instituições (4 informantes) da área de Comunicações são bem maiores, (tamanho medido em número de empregados) quando comparados ao setor como um todo ou com a área da Cultura. A Instituição típica tem 115 empregados (Cultura conta com 4 empregados). Há Instituição com 3 empregados e Instituição com empregados, com uma média de 448 empregados, no final de Seguindo o padrão do Terceiro Setor como um todo, bem como da área de Cultura, cerca de 80% dos empregados estão alocados na atividade fim. A área de Comunicações (4 informantes) trabalha com menos voluntários do que no geral. A organização típica trabalha com 17 voluntários quando o Terceiro Setor como um todo trabalha com 12. Todavia, existe concentração elevada de voluntários em algumas Instituições, elevando a média de voluntários para 38 pessoas. O número máximo observado de voluntários foi 106 e o mínimo 10. A Instituição típica conta 40% de voluntários do sexo masculino, predominando mulheres também neste segmento. O segmento de Comunicações é composto, também, de Instituições pequenas quando o tamanho é medido em termos de receita. A maior Instituição registrou uma receita de 28 milhões de reais em 2005, bem inferior à receita de 57 milhões de reais do segmento de Cultura. Também se observa grande concentração com uma receita de 229 mil reais de mediana e 4 milhões e seiscentos mil reais de receita média. As menores Instituições obtiveram receitas de 12 mil reais ou menos em Cerca de 80% das receitas da Instituição típica são dirigidas para a atividade fim. Há uma instituição que destina apenas 20% de suas receitas para a atividade fim e outra que destina 100% para a atividade fim. 7

11 Características Qualitativas Selecionadas das Instituições Pesquisadas Características N.ºde instituições Média Mediana Mínimo Máximo Fundação Número de membros da Diretoria Duração do mandato da Diretoria (anos) 13 2, Tempo no atual mandato da Diretoria (meses) Número de empregados - base 31/dez/ Número de empregados - excluindo zero empregados Percentual de empregados que atuam 3 80% 80% 0% 80% na atividade fim Número de voluntários - base Número de voluntários - excluindo zero voluntários do sexo masculino 4 39% 40% 10% 50% do sexo feminino 4 61% 60% 50% 90% Receita média da faixa - até R$ base Abaixo de R$ Até R$ Receita média da faixa - acima de R$ base 2005 Percentual de recursos aplicados na atividade fim % 80% 20% 100% Fonte: Pesquisa de campo realizada em Belo Horizonte entre fevereiro e abril de 2006 tabela 4 8

12 A Instituição Típica na Área de Esporte e Lazer Instituições do setor de Esportes começaram a aparecer na década de 50. Há registro da primeira dessas Instituições criada em Uma Instituição típica tem pouco mais de 10 anos de idade. A última Instituição criada ocorreu em Uma Instituição típica da área de Esportes tem 6 membros na Diretoria. Todavia há Instituições com um número bem maior de membros, chegando a ter 18 membros na Diretoria. Na média, existem 7 membros na diretoria. A diretoria típica tem um mandato de dois anos, número inferior ao que existe em todo o Terceiro Setor. Na média, o mandato é de quase três anos, observando-se Instituição com mandato de 5 anos. Na Instituição típica, seu Diretor está na Diretoria há 19 meses, tempo inferior à média do mandato. Instituições da área de Esportes são pequenas. Uma Instituição típica tem 11 empregados. A maior Instituição no Diagnóstico tinha 93 empregados em dezembro de 2005, enquanto a menor tinha apenas um empregado. Embora na média, 66% dos empregados eram dedicados à atividade fim, para 50% das Instituições, apenas 37% dos empregados eram dedicados à atividade fim. Houve registro de uma Instituição com o percentual zero de empregados dedicados à atividade fim e uma com todos os empregados alocados na atividade fim. A Instituição típica da área de Esportes trabalha com 11 voluntários (a mediana), o mesmo número de empregados. O número máximo de voluntários em uma Instituição é 120 e o mínimo é 2 em, 19 Instituições informantes. Como em todo o Terceiro Setor de Belo Horizonte, predomina voluntários do sexo feminino. Apenas 20% de homens foram observados em um total de 17 informantes. A receita de uma Instituição típica de Esportes é de 12 mil reais. As menores organizações deste segmento trabalham com 12 mil reais ou menos, enquanto a maior Instituição encontrada declarou contar com uma receita de 825 mil reais. Como em outros segmentos, ocorre desigualdade acentuada no tamanho das Instituições. Enquanto a mediana da distribuição de receita é 12 mil reais, a média é 87 mil reais, identificando a situação em que algumas Instituições muito grandes puxam a média para cima. Neste segmento de Esportes, ocorre um aumento na proporção de recursos alocados à atividade fim. Cerca de 90% da receita é dirigida para atividade fim. 9

13 Características Qualitativas Selecionadas das Instituições Pesquisadas Características N.ºde instituições Média Mediana Mínimo Máximo Fundação Número de membros da Diretoria Duração do mandato da Diretoria (anos) 35 2, Tempo no atual mandato da Diretoria (meses) Número de empregados - base 31/dez/ Número de empregados - excluindo zero empregados Percentual de empregados que atuam 16 66% 37% 0% 100% na atividade fim Número de voluntários - base Número de voluntários - excluindo zero voluntários do sexo masculino 17 42% 20% 0% 100% do sexo feminino 17 58% 80% 0% 100% Receita média da faixa - até R$ base Abaixo de R$ Até R$ Receita média da faixa - acima de R$ base 2005 Percentual de recursos aplicados na atividade fim % 90% 0% 100% Fonte: Pesquisa de campo realizada em Belo Horizonte entre fevereiro e abril de 2006 tabela 5 10

14 A Instituição Típica da Área de Educação e Pesquisa A Instituição típica da área de Educação nasceu há 19 anos. A primeira Instituição do segmento foi criada em 1913 e a última em A Instituição típica conta em média com 5 membros na Diretoria (5 também é a mediana). Há uma Instituição com apenas 1 diretor e uma com até 20 diretores. A duração do mandato da diretoria é de 3 anos mas pode chegar a 18 (fato estranho observado), com um mínimo de um ano. Embora o mandato estatutário seja de três anos ou 36 meses, o tempo que a Diretoria está no cargo é bem menor, atingindo, na média, 26 meses. A Instituição típica tem a Diretoria atual por um prazo de 21 meses (a mediana da distribuição de tempo de permanência no cargo atual). Uma Instituição típica da área da Educação funciona com 13 empregados, embora haja grandes Instituições chegando a atingir empregados. A distribuição de trabalhadores nas Instituições é bastante desigual, com uma média de 83 trabalhadores. Há um número grande de Instituições com apenas 1 trabalhador e outras com nenhum. Cerca de 60% dos trabalhadores estão alocados nas atividades fim das Instituições. No entanto, há instituição sem trabalhador na atividade fim e outra com todos eles alocados ao objetivo principal da Instituição. O segmento de Educação opera com 9 voluntários na Instituição típica. A Instituição maior chega a contar com voluntários. Aqui também se observa desigualdade na distribuição dos voluntários entre Instituições. Isto é fácil verificar pela diferença entre a média de voluntários que é 32 e a mediana que é igual a 9. Apenas 30% desses voluntários são do sexo masculino, o que identifica este segmento com predominância de mulheres voluntárias. A receita máxima no segmento Educação foi de acima de 150 milhões de reais e a mínima, de 12 mil reais. A Instituição típica trabalha com pouco mais de 100 mil reais de receita. Aqui se observa novamente a distribuição desigual de receitas entre Instituições da área da Educação. Além do grande intervalo entre o menor valor (12 mil) e o maior (acima de 150 milhões), observa-se uma grande diferença entre a mediana e a média, sendo esta 85 vezes maior que aquela. Seguindo um padrão já encontrado em outras áreas, cerca de 80% das receitas são alocadas à atividade fim. 11

15 Características Qualitativas Selecionadas das Instituições Pesquisadas Características N.ºde instituições Média Mediana Mínimo Máximo Fundação Número de membros da Diretoria Duração do mandato da Diretoria (anos) Tempo no atual mandato da Diretoria (meses) Número de empregados - base 31/dez/ Número de empregados - excluindo zero empregados Percentual de empregados que atuam % 60% 0% 100% na atividade fim Número de voluntários - base Número de voluntários - excluindo zero voluntários do sexo masculino 94 41% 30% 0% 100% do sexo feminino 94 59% 70% 0% 100% Receita média da faixa - até R$ base Abaixo de R$ Até R$ Receita média da faixa - acima de R$ base acima de Percentual de recursos aplicados na atividade fim % 80% 0% 100% Fonte: Pesquisa de campo realizada em Belo Horizonte entre fevereiro e abril de 2006 tabela 6 12

16 A Instituição Típica da Área de Saúde A primeira Instituição do Terceiro Setor de Belo Horizonte na área de Saúde surgiu em As Instituições desta área são mais antigas, com uma idade média superior a 20 anos e uma mediana igual a 14 anos. A Instituição típica trabalha com 6 diretores mas existe Instituição que funciona apenas com 1 diretor e também existe Instituição com 13 diretores. A duração do mandato na Instituição típica é de três anos, ocorrendo Instituição com mandato de 30 anos. Apesar do mandato ser de 3 anos, a Diretoria típica está há 24 meses exercendo este cargo. Aqui existe uma distribuição muito desigual, com o tempo de permanência atual variando de 3 a 217 meses (18 anos), com uma média de 37 meses. A organização típica da área de Saúde opera com uma média de 79 empregados, ocorrendo Instituição com empregados e Instituições com apenas 1 empregado. Embora a média seja próxima de 79 empregados, a mediana é de apenas 8, o que aponta para uma distribuição muito desigual de tamanhos neste segmento de Saúde. Cerca de 70% dos empregados estão alocados nas atividades fim da organização. Uma Instituição típica opera com 7.7 milhões de reais de receita. Esse é o valor médio, bem superior à mediana da distribuição que é de 54 mil reais. O valor mínimo encontrado foi menor que 12 mil reais de receita e o máximo de 99 milhões de reais, para o ano de Este segmento de Saúde está bem acima do setor como um todo, em termos de receita média. A receita média de todo o Terceiro Setor de Belo Horizonte, em 2005, foi próxima de 3 milhões de reais. A área de Saúde direciona cerca de 85% dos recursos para suas atividades fim. A Instituição típica opera com cerca de 16 voluntários, quase um terço deles do sexo masculino. Neste setor, novamente predominam mulheres como voluntárias. Com substancial variação na contratação de voluntários, o segmento Saúde chega a contar com Instituições com apenas um voluntário e Instituição com 4 mil voluntários. A distribuição de voluntários entre Instituições é bastante assimétrica com a média sendo cerca de 8 vezes maior que a mediana. É interessante observar que a distribuição de voluntários do sexo masculino e feminino são razoavelmente homogêneas. 13

17 Características Qualitativas Selecionadas das Instituições Pesquisadas Características N.ºde instituições Média Mediana Mínimo Máximo Fundação Número de membros da Diretoria Duração do mandato da Diretoria (anos) Tempo no atual mandato da Diretoria (meses) Número de empregados - base 31/dez/ Número de empregados - excluindo zero empregados Percentual de empregados que atuam 53 66% 70% 0% 100% na atividade fim Número de voluntários - base Número de voluntários - excluindo zero voluntários do sexo masculino 38 27% 28% 0% 100% do sexo feminino 38 73% 73% 0% 100% Receita média da faixa - até R$ base Abaixo de R$ Até R$ Receita média da faixa - acima de R$ base 2005 Percentual de recursos aplicados na atividade fim % 85% 0% 100% Fonte: Pesquisa de campo realizada em Belo Horizonte entre fevereiro e abril de 2006 tabela 7 14

18 A Instituição Típica da Área de Assistência Social Instituições da área de Assistência Social são as mais antigas. A primeira Instituição deste segmento em Belo Horizonte data de A idade média no segmento é de 22 anos com a mediana igual a 18 anos. A ultima Instituição criada foi em A Instituição típica trabalha com uma média de 31 empregados. Todavia a metade das Instituições tem 11 empregados ou menos. Existe Instituição com 1 empregado e Instituição com empregados. Estes valores observados apontam para uma distribuição muito desigual. Dos empregados na Instituição típica, cerca de 70% são dedicados à atividade fim da organização. A Instituição típica deste segmento incorpora uma quantidade de voluntários que, em número (não em horas), atinge mais do que o dobro dos empregados, na média. Metade das instituições conta com 12 ou menos voluntários. Aqui também a distribuição é bastante desigual com uma média de 64 voluntários, mais do que cinco vezes a mediana da distribuição. Novamente, predominam voluntárias com apenas 27% (a mediana da distribuição) para os voluntários do sexo masculino. A maior Instituição da área de Assistência Social trabalha com uma receita acima de 150 milhões de reais. Existem Instituições com receita de 12 mil reais ou menos. A distribuição das receitas neste intervalo produz uma média de 989 mil reais e uma mediana igual a 42 mil reais. A grande diferença entre a média e a mediana dá conta da enorme desigualdade na distribuição de receitas entre Instituições neste segmento. Umas poucas Instituições com grandes receitas puxam a média para cima, distanciando da mediana. A exemplo da de outros segmentos, cerca de 84% dos recursos da Instituição são alocados nas atividades fim. Em média, a diretoria conta com 5 membros. Todavia, foi identificada instituição operando com apenas 1 diretor e outra com 16 diretores. A duração do mandato na Instituição típica é de 3 anos com os diretores estando há menos de dois anos na Diretoria. Aqui também se observa grande dispersão, havendo Instituição onde a Diretoria está há apenas 1 mês e Instituição onde a Diretoria permanece há 37 anos. 15

19 Características Qualitativas Selecionadas das Instituições Pesquisadas Características N.ºde instituições Média Mediana Mínimo Máximo Fundação Número de membros da Diretoria Duração do mandato da Diretoria (anos) Tempo no atual mandato da Diretoria (meses) Número de empregados - base 31/dez/ , Número de empregados - excluindo zero empregados Percentual de empregados que atuam % 70% 0% 100% na atividade fim Número de voluntários - base Número de voluntários - excluindo zero voluntários do sexo masculino % 27% 0% 100% do sexo feminino % 73% 0% 100% Receita média da faixa - até R$ base Abaixo de R$ Até R$ Receita média da faixa - acima de R$ base acima de Percentual de recursos aplicados na atividade fim % 84% 0% 100% Fonte: Pesquisa de campo realizada em Belo Horizonte entre fevereiro e abril de 2006 tabela 8 16

20 A Instituição Típica na Área de Meio Ambiente e Animais A primeira instituição voltada ao Meio Ambiente em Belo Horizonte foi criada em 1925 e a última foi criada em Metade das Instituições tem 7 anos ou menos de idade, o que identifica este segmento como muito jovem. Em média, uma Instituição deste setor tem 17 anos. Neste segmento de Meio Ambiente, as Instituições são pequenas. Uma Instituição típica trabalha com 7 empregados, em média. Metade das Instituições tem 4 ou menos empregados, contando a maior Instituição com 40 empregados e a menor com 1 empregado. Destes, apenas 42% são alocados na atividade fim, a menor proporção no setor de Instituições não lucrativas de Belo Horizonte. Apesar da Instituição típica deste segmento contar com poucos empregados, ela conta com muitos voluntários. Em média, se detectou 32 voluntários por Instituição, sendo que metade das Instituições registrou um total de 18 ou menos voluntários, o que caracteriza a distribuição de voluntários com uma assimetria acentuada. A maior parcela de voluntários do sexo masculino ocorre neste segmento de Meio Ambiente. Apenas 40% dos voluntários são do sexo feminino. É possível que esta marcante presença de homens neste segmento, como voluntários, possa estar ligada à natureza das atividades que, menos urbanas, são, via de regra, executadas por homens. Neste segmento de Meio Ambiente, as Instituições são menores. Com uma média de receita de 330 mil reais, a Instituição típica atinge 36 mil reais de receita, refletindo, novamente, uma distribuição muito desigual de receitas entre as Instituições pesquisadas. As menores receitas observadas foram de 12 mil reais ou menos e a maior receita atinge quase 1.2 milhões de reais. A Instituição típica direciona cerca de 80% das receitas para a atividade fim. Uma Instituição deste segmento conta com 5 membros na diretoria, em média. Metade das Instituições do segmento, todavia, conta com menos que 5 membros na Diretoria. Há uma Instituição com um número de 14 diretores, o que se constituiu no número máximo observado. O mandato da Diretoria é dos menores, 2 anos em média. Em metade das Instituições a atual Diretoria está há dois anos ou menos exercendo este cargo. Foram observadas uma Instituição com um máximo de 4 anos de mandato e uma com 1 ano apenas. Este é o segmento onde a Diretoria permanece em seu mandato durante todo o período regulamentar. 17

21 Características Qualitativas Selecionadas das Instituições Pesquisadas Características N.ºde instituições Média Mediana Mínimo Máximo Fundação Número de membros da Diretoria Duração do mandato da Diretoria (anos) Tempo no atual mandato da Diretoria (meses) Número de empregados - base 31/dez/ Número de empregados - excluindo zero empregados Percentual de empregados que atuam 12 48% 42% 0% 90% na atividade fim Número de voluntários - base Número de voluntários - excluindo zero voluntários do sexo masculino 11 54% 60% 0% 70% do sexo feminino 11 46% 40% 30% 100% Receita média da faixa - até R$ base Abaixo de R$ Até R$ Receita média da faixa - acima de R$ base 2005 Percentual de recursos aplicados na atividade fim % 80% 0% 100% Fonte: Pesquisa de campo realizada em Belo Horizonte entre fevereiro e abril de 2006 tabela 9 18

22 A Instituição Típica da Área de Desenvolvimento e Habitação A Instituição mais antiga do segmento de Desenvolvimento e Habitação do Terceiro Setor de Belo Horizonte data de 1948 e está prestes a completar 60 anos. Em média, uma Instituição do segmento tem 16 anos de idade. A mais nova Instituição foi criada em O normal é ter 6 membros na Diretoria, chegando ao máximo de 10 membros. A duração do mandato é de 2 anos o que caracteriza este como um dos segmentos de menor número de anos no mandato. Identificou-se uma Diretoria com apenas 2 anos de mandato e outra com 8 anos de mandato. Embora o mandato seja de dois anos ou menos para a metade das Instituições, a Diretoria está há cerca de 18 meses ou menos no cargo, ou seja, dentro do seu período. Instituições da área de Desenvolvimento e Habitação estão entre as menores em todo o setor de Instituições sem fins lucrativos de Belo Horizonte. Metade das Instituições da área de Desenvolvimento e Habitação (8 informantes) conta com 6 ou menos empregados. Na média, a Instituição conta com 9 empregados. A maior Instituição conta com apenas 21 empregados. Cerca de 75% dos empregados são dirigidos para a atividade fim, havendo Instituição que aloca todos os empregados na atividade fim. Existem mais voluntários do que empregados na Instituição típica. Normal é contar com 14 voluntários, na maioria do sexo masculino. A exemplo da área de Meio Ambiente, este é um segmento onde predomina voluntários do sexo masculino (57% em média). Este segmento ligado a Desenvolvimento e Habitação é pequeno em termos de receita. Em média, uma Instituição trabalha com 168 mil reais de receita (base 2005), sendo que a metade das Instituições trabalha com receita de 30 mil reais ou menos. As menores Instituições têm uma receita de 12 mil reais ou menos. A maior Instituição trabalha com uma receita próxima de um milhão e duzentos mil reais. Mais de 80% destes recursos são dirigidos para a atividade fim. 19

23 Características Qualitativas Selecionadas das Instituições Pesquisadas Características N.ºde instituições Média Mediana Mínimo Máximo Fundação Número de membros da Diretoria Duração do mandato da Diretoria (anos) Tempo no atual mandato da Diretoria (meses) Número de empregados - base 31/dez/ Número de empregados - excluindo zero empregados Percentual de empregados que atuam 7 75% 75% 0% 100% na atividade fim Número de voluntários - base Número de voluntários - excluindo zero voluntários do sexo masculino 10 57% 54% 0% 100% do sexo feminino 10 43% 46% 0% 100% Receita média da faixa - até R$ base Abaixo de R$ Até R$ Receita média da faixa - acima de R$ base 2005 Percentual de recursos aplicados na atividade fim % 100% 0% 100% Fonte: Pesquisa de campo realizada em Belo Horizonte entre fevereiro e abril de 2006 tabela 10 20

24 A Instituição Típica da Área de Emprego e Capacitação Metade das Instituições ligadas a Emprego e Capacitação conta com cerca de 21 empregados ou menos. Todavia existem grandes Instituições, chegando a maior delas a empregados. Devido à distribuição desigual de empregados entre Instituições, a média de empregos neste segmento chega a 210 empregados, quantidade 10 vezes maior do que a mediana. Nesta área, é maior a parcela de empregados dedicados à atividade meio em relação a outros segmentos. Neste setor, 67% dos empregados são alocados na atividade fim quando é freqüente a parcela de 80% em outros segmentos do Terceiro Setor. A Instituição que mais conta com voluntários tem deles. Metade das Instituições conta, todavia, com 30 voluntários ou menos. Em média, a Instituição neste segmento, trabalha com 208 voluntários, sendo a maioria deles (mais de 60%) mulheres. Existem Instituições onde todos os voluntários são homens. Uma Instituição deste segmento de Emprego e Capacitação conta em média com 5.5 milhões de reais de receita. Todavia, metade das Instituições (26 Instituições informantes) trabalha com uma receita de 161 mil reais ou menos. A maior Instituição trabalha com uma receita de 82.5 milhões de reais e a menor com menos de 12 mil reais (base 2005). Cerca de 25% da receita é dirigida para atividades meio e 75% para atividade fim. A Instituição mais antiga nesta área de Emprego e Capacitação surgiu em 1963 e a mais nova, em Em média, a idade de uma Instituição desta área é de 13 anos, sendo que metade das Instituições foram criadas antes de A Diretoria de uma Instituição típica neste segmento tem 4 membros. Todavia, existe Instituição com 13 membros na Diretoria. O mandato padrão é de 3 anos e a Diretoria está no cargo, em média, há 2 anos e metade das organizações deste segmento está exercendo suas funções na diretoria há 19 meses. 21

25 Características Qualitativas Selecionadas das Instituições Pesquisadas Características N.ºde instituições Média Mediana Mínimo Máximo Fundação Número de membros da Diretoria Duração do mandato da Diretoria (anos) Tempo no atual mandato da Diretoria (meses) Número de empregados - base 31/dez/ Número de empregados - excluindo zero empregados Percentual de empregados que atuam 17 58% 67% 10% 100% na atividade fim Número de voluntários - base , Número de voluntários - excluindo zero voluntários do sexo masculino 10 35% 43% 10% 100% do sexo feminino 10 65% 58% 0% 90% Receita média da faixa - até R$ base Abaixo de R$ Até R$ Receita média da faixa - acima de R$ base 2005 Percentual de recursos aplicados na atividade fim % 75% 0% 100% Fonte: Pesquisa de campo realizada em Belo Horizonte entre fevereiro e abril de 2006 tabela 11 22

26 A Instituição Típica da Área de Defesa de Direitos e Atuação Política A primeira Instituição ligada à área de Defesa de Direitos e Atuação Política foi criada em Entre esta data e o ano de 2004 foram criadas 38 organizações deste segmento em Belo Horizonte. Uma instituição típica tem cerca de 8 anos. É um segmento muito jovem. Metade das Instituições do setor nasceu após A Diretoria de uma Instituição típica neste segmento tem, em média, 6 diretores. Metade das Instituições desta área tem 6 ou menos diretores. A duração do mandato é de dois anos na Instituição típica, estando os atuais diretores em seus cargos há 19 meses. As Instituições deste segmento são pequenas, trabalhando na média com 8 empregados. Metade das Instituições conta com 5 ou menos empregados. A maior instituição informante conta com 34 trabalhadores, 80% dos quais atuando na atividade fim da organização. Bem maior do que o número de empregados é o número de voluntários atuando neste segmento. A Instituição típica conta com 10 voluntários. O máximo encontrado foi de 33 voluntários e o mínimo de 4. Predomina nesta área voluntários do sexo masculino, sendo que apenas 30% dos voluntários são mulheres. As Instituições deste segmento são também pequenas, segundo o volume de receitas que movimentam. A maior Instituição auferiu 1.7 milhões de reais em 2005, bem menor que a média de todo o Terceiro Setor que foi próxima de 3 milhões de reais. Cerca de 90% da receita auferida no setor se dirige para atividades fim. 23

27 Características Qualitativas Selecionadas das Instituições Pesquisadas Características N.ºde instituições Média Mediana Mínimo Máximo Fundação Número de membros da Diretoria Duração do mandato da Diretoria (anos) Tempo no atual mandato da Diretoria (meses) Número de empregados - base 31/dez/ Número de empregados - excluindo zero empregados Percentual de empregados que atuam 15 71% 80% 0% 100% na atividade fim Número de voluntários - base Número de voluntários - excluindo zero voluntários do sexo masculino 15 64% 70% 20% 100% do sexo feminino 15 36% 30% 0% 80% Receita média da faixa - até R$ base Abaixo de R$ Até R$ Receita média da faixa - acima de R$ base 2005 Percentual de recursos aplicados na atividade fim % 90% 10% 100% Fonte: Pesquisa de campo realizada em Belo Horizonte entre fevereiro e abril de 2006 tabela 12 24

28 A Instituição Típica da Área de Intermediários Filantrópicos e Promoção de Voluntariado A Instituição típica trabalha com 26 empregados na média. Todavia, metade das Instituições deste segmento trabalha com um número de 10 empregados ou menos. Embora 90% dos empregados sejam alocados, em média, para a atividade fim, metade das Instituições dirige 65% ou menos dos trabalhadores para esta atividade. Estas Instituições são também pequenas quando o tamanho é medido pela receita. Aqui as Instituições são, também, de tamanhos diferentes. Metade das Instituições trabalha com uma receita igual ou menor do que 132 mil reais. A Instituição maior, no levantamento, declarou ter tido uma receita de 1.7 milhões de reais no ano de 2005 e a menor, com uma receita de 12 mil reais ou menos. Em média, uma Instituição com 367 mil reais. Uma Instituição típica distribui 70% dos recursos para a atividade fim. A menor parcela de recursos alocada à atividade fim foi de 50%. A Instituição mais antiga neste segmento de Intermediários Filantrópicos e Promoção de Voluntariado surgiu em Desde então, foram criadas 9 Instituições, sendo a última em Uma Instituição típica tem cerca de 33 anos de idade. Uma Instituição neste segmento conta com uma Diretoria de 7 membros com um mandato de 3 anos. O tempo que a Diretoria está no cargo é inferior à duração do mandato, atingindo, em média, 21 meses. Metade das Instituições conta com uma Diretoria eleita ou designada há 14 meses ou menos. 25

29 Características Qualitativas Selecionadas das Instituições Pesquisadas Características N.ºde instituições Média Mediana Mínimo Máximo Fundação Número de membros da Diretoria Duração do mandato da Diretoria (anos) Tempo no atual mandato da Diretoria (meses) Número de empregados - base 31/dez/ Número de empregados - excluindo zero empregados Percentual de empregados que atuam 6 90% 65% 0% 100% na atividade fim Número de voluntários - base Número de voluntários - excluindo zero voluntários do sexo masculino 5 91% 50% 40% 100% do sexo feminino 5 9% 50% 0% 60% Receita média da faixa - até R$ base Abaixo de R$ Até R$ Receita média da faixa - acima de R$ base 2005 Percentual de recursos aplicados na atividade fim % 70% 50% 100% Fonte: Pesquisa de campo realizada em Belo Horizonte entre fevereiro e abril de 2006 tabela 13 26

30 A Instituição Típica da Área de Religião Instituições ligadas à Religião são das mais antigas. Em 1921, foi criada a primeira Instituição e, desde então, nasceram 109 organizações neste segmento. A idade média no segmento é de 25 anos. Metade das organizações tem 17 anos ou mais. A Instituição típica trabalha com uma Diretoria de 6 membros e metade deste segmento conta com Diretorias de 6 membros ou menos. A maior Diretoria encontrada conta com 16 membros e a menor com 1 membro apenas. A duração do mandato em uma organização religiosa é cerca de 3 anos. Em metade das Instituições pesquisadas a Diretoria está no cargo há 24 meses ou menos e, na média, a Diretoria está completando seu mandato (34 meses). A Instituição neste segmento de Religião é pequena, quer se meça o tamanho por número de empregados quer se meça por receita. Na média, as Instituições trabalham com 15 empregados, cerca de 56% deles dedicados à atividade fim. Metade das instituições desta área de Religião trabalha com 5 empregados ou menos. Embora pequeno o número de empregados, é relativamente maior o número de voluntários neste segmento. Uma Instituição conta com 35 voluntários em média, embora metade das instituições trabalhe com 20 voluntários ou menos, a maioria mulheres (mais de 60%). 27

31 Características Qualitativas Selecionadas das Instituições Pesquisadas Características N.ºde instituições Média Mediana Mínimo Máximo Fundação Número de membros da Diretoria Duração do mandato da Diretoria (anos) Tempo no atual mandato da Diretoria (meses) Número de empregados - base 31/dez/ Número de empregados - excluindo zero empregados Percentual de empregados que atuam 30 56% 48% 0% 100% na atividade fim Número de voluntários - base Número de voluntários - excluindo zero voluntários do sexo masculino 40 40% 36% 0% 100% do sexo feminino 40 60% 64% 0% 100% Receita média da faixa - até R$ base Abaixo de R$ Até R$ Receita média da faixa - acima de R$ base 2005 Percentual de recursos aplicados na atividade fim % 68% 0% 100% Fonte: Pesquisa de campo realizada em Belo Horizonte entre fevereiro e abril de 2006 tabela 14 28

32 A Instituição Típica da Área de Sindicatos e Associações Profissionais de Empregadores, de Empregados e de Autônomos A mais antiga Instituição ligada a sindicatos e associações profissionais nasce em Foram 26 Instituições criadas a partir desse ano. A última organização neste segmento surgiu em Em média, existem 7 membros na Diretoria. Todavia, metade das organizações funciona com 6 membros ou menos. O maior número de membros detectado foi 17 e o menor 1. O mandato é de três anos, mas a Diretoria atual está exercendo este cargo há menos tempo do que isso. Em média, os diretores estão há 23 meses em seus cargos e na mediana 19 meses. As Instituições deste segmento são muito pequenas. Metade das Instituições trabalha com 2 empregados ou menos. A média de empregados no segmento e 4, ficando o valor máximo em 18 e o mínimo em 1. Em média, 55% dos trabalhos são direcionados para a atividade fim. O setor faz uso de voluntários em boa medida. Embora trabalhe com 2 empregados, a Instituição típica absorve 15, voluntários, em média. Metade das organizações trabalha com 7 voluntários ou mais, atingindo 50 no topo. Cerca de 60% dos voluntários são do sexo feminino. As Instituições são relativamente pequenas quando se mede tamanho pela receita. A maior Instituição deste segmento trabalha com uma receita de 2.5 milhões de reais e a menor trabalha com uma receita de 12 mil ou menos. Cerca de 70% dos recursos na Instituição típica deste segmento são alocados em atividade fim. 29

33 Características Qualitativas Selecionadas das Instituições Pesquisadas Características N.ºde instituições Média Mediana Mínimo Máximo Fundação Número de membros da Diretoria Duração do mandato da Diretoria (anos) Tempo no atual mandato da Diretoria (meses) Número de empregados - base 31/dez/ Número de empregados - excluindo zero empregados Percentual de empregados que atuam 17 55% 0% 0% 100% na atividade fim Número de voluntários - base Número de voluntários - excluindo zero voluntários do sexo masculino 7 42% 40% 0% 100% do sexo feminino 7 58% 60% 0% 100% Receita média da faixa - até R$ base Abaixo de R$ Até R$ Receita média da faixa - acima de R$ base 2005 Percentual de recursos aplicados na atividade fim % 70% 0% 100% Fonte: Pesquisa de campo realizada em Belo Horizonte entre fevereiro e abril de 2006 tabela 15 30

DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006

DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006 DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006 José Irineu Rangel Rigotti João Francisco de Abreu Rafael Liberal Ferreira Luciene Marques da Conceição Alisson Eustáquio Gonçalves

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Perfil do Emprego nas Fundações de Belo Horizonte/MG - 1999*

Perfil do Emprego nas Fundações de Belo Horizonte/MG - 1999* Perfil do Emprego nas Fundações de Belo Horizonte/MG - 1999* Eduardo Marcondes Filinto da Silva Secretário Executivo e Pesquisador FIPE Marianne Thamm de Aguiar Graduanda em Economia pela FEA/USP O objetivo

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

Realização: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, em convênio com a Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ

Realização: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, em convênio com a Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ Realização: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, em convênio com a Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ Apoio: Fórum Nacional de Professores de Jornalismo FNPJ Associação Brasileira

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Rio Grande do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio Grande do Sul (1991, 2000 e 2010)

Rio Grande do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio Grande do Sul (1991, 2000 e 2010) Rio Grande do Sul Em 21, no estado do Rio Grande do Sul (RS), moravam 1,7 milhões de pessoas, onde parcela importante (9,3%, 989,9 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 496 municípios,

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010)

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010) Santa Catarina Em 21, no estado de Santa Catarina (SC), moravam 6,3 milhões de pessoas, onde parcela relevante (6,9%, 43,7 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 293 municípios,

Leia mais

Introdução ao Terceiro Setor - Características e desafios das organizações. Rafael Vargas Lara Gestor de Projetos Sociais Empreendedor Social

Introdução ao Terceiro Setor - Características e desafios das organizações. Rafael Vargas Lara Gestor de Projetos Sociais Empreendedor Social Introdução ao Terceiro Setor - Características e desafios das organizações Rafael Vargas Lara Gestor de Projetos Sociais Empreendedor Social Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que dá significado

Leia mais

A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013

A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013 A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013 Qual a importância da discussão de gênero no mercado de trabalho? O campo de atuação profissional

Leia mais

FIPECAFI e IBRI divulgam resultado da 5ª Pesquisa sobre o Perfil e a Área de Relações com Investidores

FIPECAFI e IBRI divulgam resultado da 5ª Pesquisa sobre o Perfil e a Área de Relações com Investidores FIPECAFI e IBRI divulgam resultado da 5ª Pesquisa sobre o Perfil e a Área de Relações com Investidores Os resultados da 5ª Pesquisa sobre o perfil e a área de Relações com Investidores no Brasil divulgado

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

o Mercado de Trabalho Formal

o Mercado de Trabalho Formal 2 mercado dinâmico e em evolução O Sindicato de Engenheiros no Estado de Minas Gerais (Senge-MG) reapresenta sua Cartilha do Mercado de Trabalho, contemplando agora os anos de 2011 e 2012. A cartilha tem

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Gestão e Estrutura Organizacional

Gestão e Estrutura Organizacional Gestão e Estrutura Organizacional I. INTRODUÇÃO Eduardo Marcondes Filinto da Silva Secretário Executivo e Pesquisador FIPE Rafael Martín Delatorre Graduando em Administração pela FEA/USP Um dos fenômenos

Leia mais

São Paulo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de São Paulo (1991, 2000 e 2010)

São Paulo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de São Paulo (1991, 2000 e 2010) São Paulo Em 21, no estado de São Paulo (SP), moravam 41,3 milhões de pessoas, onde uma parcela considerável (7,8%, 3,2 milhões) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 645 municípios,

Leia mais

3Apesar dos direitos adquiridos pelas

3Apesar dos direitos adquiridos pelas objetivo. promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres mulheres ao longo do século 20, ainda há considerável desigualdade entre os gêneros no mundo. Em geral, as mulheres sofrem com a

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010)

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010) Rio de Janeiro Em, no estado do Rio de Janeiro (RJ), moravam 16 milhões de pessoas, onde 8,9% (1,4 milhões) tinham 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 92 municípios, dos quais sete (7,6%)

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios O Suplemento de Esporte da Pesquisa de Informações Básicas Municipais do IBGE (Munic) mostra que, apesar de 93,6% das cidades brasileiras

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Voluntariado: tendência de crescimento?

Voluntariado: tendência de crescimento? Voluntariado: tendência de crescimento? Walter de Tarso de Campos Pesquisador FIPE Antonio Bara Bresolin Graduando em Economia FEA/USP Desde o período colonial é possível observar no Brasil a presença

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Chile Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios A Lei nº 20.416 estabelece regras especiais para as Empresas de Menor Tamanho (EMT).

Leia mais

Formalização das relações de trabalho

Formalização das relações de trabalho PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Formalização das relações de trabalho SÚMARIO EXECUTIVO O aumento da proporção de ocupações com relações de trabalho formalizadas,

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS

ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS 1. BREVE HISTÓRICO O cooperativismo objetiva difundir os ideais em que se baseia, para atingir o pleno desenvolvimento financeiro, econômico e social de todas

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN PESQUISA INTEGRANTE DO PLANO DIRETOR 2004/2005 ROREHS/MS/OPAS DINÂMICA

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Perfil das Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos em 2002 Quantas são? Em 2002, o País contava com 276 mil FASFIL oficialmente cadastradas. Note-se que, para o mesmo

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

Paraná. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Paraná (1991, 2000 e 2010)

Paraná. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Paraná (1991, 2000 e 2010) Paraná Em, no estado do Paraná (PR), moravam 1,4 milhões de pessoas, onde uma parcela considerável (7,5%, 786,6 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 399 municípios, dos quais 23

Leia mais

Perfil Educacional SEADE 72

Perfil Educacional SEADE 72 Perfil Educacional A análise da situação educacional do Estado de Santa Catarina fundamentase nos indicadores de instrução da população (taxa de analfabetismo para 1991), de escolarização (taxa líquida

Leia mais

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008 Introdução à Economia da Saúde Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude Abril/2008 Tópicos Introdução à Economia da Saúde : Definição de Economia da Saúde; Gasto em Saúde;

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás.

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. O Dia Internacional da Mulher, celebrado dia 8 de março, traz avanços do gênero feminino no mercado de trabalho formal. Segundo informações disponibilizadas

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010 Autoria: Prof. Dr. Introdução Entre os dias 08 e 10 de dezembro de 2010 ocorreu na sede da Etec-Cepam a primeira edição do curso de

Leia mais

ANÁLISE DO EMPREGO E DESEMPREGO A PARTIR DO CADASTRO DA CAT Andréia Arpon* Adriana Fontes *

ANÁLISE DO EMPREGO E DESEMPREGO A PARTIR DO CADASTRO DA CAT Andréia Arpon* Adriana Fontes * ANÁLISE DO EMPREGO E DESEMPREGO A PARTIR DO CADASTRO DA CAT Andréia Arpon* Adriana Fontes * Pesquisas indicam que o desemprego é um dos maiores problemas, senão o maior, enfrentados pela população brasileira

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

Síntese de Indicadores Sociais 2003

Síntese de Indicadores Sociais 2003 Comunicação Social 13 de abril de 2004 Síntese de Indicadores Sociais 2003 Em 2030, cerca de 40% da população brasileira deverá ter entre 30 e 60 anos O estudo tem capítulos específicos sobre Educação,

Leia mais

Voluntariado: práticas solidárias en Uruguai

Voluntariado: práticas solidárias en Uruguai Voluntariado: práticas solidárias en Uruguai O Projeto de Apoio ao Voluntariado como um Recurso para o Desenvolvimento no Uruguai tem por objetivo o fortalecimento do voluntariado no setor público, nas

Leia mais

Medicina. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH

Medicina. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Medicina O início do ensino médico no país foi estabelecido na Bahia e no Rio de Janeiro, em 1808, devido à transferência da

Leia mais

Análise dos investimentos no Programa de Eficiência Energética das concessionárias de distribuição de eletricidade.

Análise dos investimentos no Programa de Eficiência Energética das concessionárias de distribuição de eletricidade. Análise dos investimentos no Programa de Eficiência Energética das concessionárias de distribuição de eletricidade. Gilberto De Martino Jannuzzi [1], Herivelto Tiago Marcondes dos Santos [2] [1] Universidade

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Como está a desigualdade de gênero entre os estados brasileiros?

Como está a desigualdade de gênero entre os estados brasileiros? Como está a desigualdade de gênero entre os estados brasileiros? Luísa Cardoso 1 Medir de forma multidimensional o quão desigual é a situação das mulheres em relação aos homens é uma iniciativa empreendida

Leia mais

Capítulo 7 Medidas de dispersão

Capítulo 7 Medidas de dispersão Capítulo 7 Medidas de dispersão Introdução Para a compreensão deste capítulo, é necessário que você tenha entendido os conceitos apresentados nos capítulos 4 (ponto médio, classes e frequência) e 6 (média).

Leia mais

ESTUDO TEMÁTICO SOBRE O PERFIL DOS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA CAPACITAÇÃO OCUPACIONAL NO MUNICÍPIO DE OSASCO

ESTUDO TEMÁTICO SOBRE O PERFIL DOS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA CAPACITAÇÃO OCUPACIONAL NO MUNICÍPIO DE OSASCO PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual. Resumo

O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual. Resumo O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual Amilton Moretto Palavras-chave:,, Ocupação, Mercado de trabalho. Resumo O artigo analisa o espaço que jovens e as pessoas idosas têm ocupado

Leia mais

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA 1.1. As Transformações Recentes O Brasil, do ponto de vista econômico e social, vem sofrendo uma constante mutação em seus principais indicadores básicos como: população;

Leia mais

O PROUNI realidade atual

O PROUNI realidade atual O PROUNI realidade atual O PROUNI Programa Universidade para Todos é o maior programa de bolsas de estudo da história da educação brasileira, permitindo o acesso à educação de milhares de jovens e estimulando

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil 2014 Objetivo Metodologia Perfil da Empresa de Consultoria Características das Empresas Áreas de Atuação Honorários Perspectivas e Percepção de Mercado

Leia mais

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios Informação à Comunicação Social 4 de Fevereiro de 2002 CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios A disponibilização destes resultados provisórios dos Censos 2001 sobre a população

Leia mais

IBRI e FIPECAFI divulgam resultado de Pesquisa do Profissional e Área de RI. Levantamento traça atual estágio das Relações com Investidores no Brasil

IBRI e FIPECAFI divulgam resultado de Pesquisa do Profissional e Área de RI. Levantamento traça atual estágio das Relações com Investidores no Brasil IBRI e FIPECAFI divulgam resultado de Pesquisa do Profissional e Área de RI Levantamento traça atual estágio das Relações com Investidores no Brasil A 6ª Pesquisa sobre a área e os profissionais de Relações

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Dia Mundial da População 11 julho de 214 1 de julho de 214 População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto

Leia mais

O Brasil e as Metas de Desenvolvimento do Milênio

O Brasil e as Metas de Desenvolvimento do Milênio www.pnud.org.br Embargado até 8 de julho de 2003 www.undp.org/hdr2003 Contatos do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento: Nova Iorque: William Orme Tel:(212) 906-5382 william.orme@undp.org Londres:

Leia mais

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Como consequência de políticas governamentais implementadas com o objetivo

Leia mais

Revisão de Estatística Básica:

Revisão de Estatística Básica: Revisão de Estatística Básica: Estatística: Um número é denominado uma estatística (singular). Ex.: As vendas de uma empresa no mês constituem uma estatística. Estatísticas: Uma coleção de números ou fatos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

ÍNDICE DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR DA INDÚSTRIA - SESI/SC

ÍNDICE DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR DA INDÚSTRIA - SESI/SC ÍNDICE DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR DA INDÚSTRIA - SESI/SC SUMÁRIO EXECUTIVO 2015 Apresentação Integrando a agenda mundial para a promoção da saúde e produtividade, o SESI Santa Catarina realizou

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Um dos ramos mais importantes do mercado segurador brasileiro é o de saúde. Surgido sobretudo com uma opção

Leia mais

Criminalidade. Luciano Nakabashi Juliano Condi

Criminalidade. Luciano Nakabashi Juliano Condi A Associação Comercial de (ACIRP) em parceria com a FUNDACE realiza uma pesquisa de qualidade de vida na cidade de desde 2009. Essa é uma pesquisa muito importante para se que se tenha uma base confiável

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral Emprego Doméstico: Evolução ou Precarização? (2004-2014) Resumo: O presente

Leia mais