ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 14.a INTERAÇÕES ECOLÓGICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 14.a INTERAÇÕES ECOLÓGICAS"

Transcrição

1 BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 14.a INTERAÇÕES ECOLÓGICAS ORIENTAÇÕES A lista 14.a é muito importante apresenta questões sobre as interações ecológicas existentes entre os vários seres vivos. Resolva os exercícios com muita atenção e muito foco. Não se esqueça de treinar a escrita das respostas discursivas. Bons estudos! =D RESUMO TEÓRICO RELAÇÕES INTRAESPECÍFICAS Mutualismo (+/+): duas espécies se beneficiam uma à outra, porém não podem viver independentemente, isto é, uma depende da outra (ex.: protozoários e cupins/fungos e algas nos líquens) Inquilinismo (+/0): uma espécie é beneficiada enquanto a outra não sofre prejuízo nem é favorecida. A espécie que se beneficia é chamada inquilina e geralmente obtém abrigo ou suporte da outra (ex.: orquídea apoiada numa árvore) Comensalismo (+/0): uma espécie se aproveita dos restos de alimentos de outra espécie sem prejudicar esta última (ex.: rêmora e tubarão/hienas e leões) Harmônicas: Colônia: indivíduos de mesma espécie unidos fisicamente (grudados) cooperam (ex.: caravelas). Sociedade: indivíduos de uma mesma espécie unidos comportamentalmente (ex.: abelhas e formigas). (jacaré e pássaro-palito) (líquen) (caravela) (formigas) Desarmônicas: Competição intraespecífica: indivíduos de mesma espécie competem entre si pelos recursos do meio. Canibalismo: indivíduos de mesma espécie alimentam-se de seres da sua própria espécie (ex.: louva-deus, a fêmea devora o macho após a cópula). (orquídea - epifitismo) Desarmônicas: (rêmoras e tubarão) Parasitismo (+/-): a espécie parasita vive dentro ou sobre a espécie hospedeira, da qual retira alimento, sem necessariamente matá-la (ex.: carrapato e boi/vermes e humanos). Predatismo (+/-): a espécie predadora mata e come sua presa (ex.: zebra e leão). Herbivorismo (+/-): um espécie herbívora se alimenta de uma planta (ex.: boi e capim). Amensalismo ou Antibiose (+/-): indivíduo de uma espécie liberam substância que não estimulam o crescimento de outras espécies na região (ex.: eucalipto) Eclavagismo (+/-): seres de uma espécie aproveitamse das atividades de uma outra espécie (ex.: formigas e pulgões). (fêmea de louva deus devorando o macho) RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS Harmônicas: Protocooperação (+/+): duas espécies se beneficiam uma à outra, porém podem viver independentemente (ex.: pássaro-palito e jacaré/pássaros e bois) (carrapato - parasitismo) (zebra e leão - predatismo) CASD Vestibulares BIO 3 1

2 EXERCÍCIO RESOLVIDO 1. (Unesp 2012) Nos troncos de várias árvores do quintal de Dona Márcia, crescem exemplares de Oncidium sp., a chuva-de-ouro, uma espécie de orquídea nativa da Mata Atlântica que produz numerosos cachos de flores pequenas e amarelas. Antes da floração, são comuns o ataque de pulgões, que costumam sugar a seiva das hastes novas, e, também, o aparecimento de joaninhas, que se alimentam desses animais e controlam naturalmente a população de pulgões. Quando da floração, as plantas são visitadas por diferentes espécies de abelhas, que disputam o pólen e o óleo secretado por glândulas da flor. Esse óleo é utilizado pelas abelhas na alimentação de suas larvas. Considere o tipo de relação ecológica entre essas duas espécies e indique a afirmação correta. a) A espécie P. aurelia é predadora de P. caudatum. b) P. aurelia exclui P. caudatum por competição intraespecífica. c) P. aurelia e P. caudatum utilizam recursos diferentes. d) P. aurelia exclui P. caudatum por parasitismo. e) P. aurelia exclui P. caudatum por competição interespecífica. 2. (Upe 2013) As cotias são roedores comuns na Floresta Amazônica e importantes dispersores de sementes, como a castanha-do-pará. Por sua vez, as castanheiras dependem principalmente das cotias para a abertura do fruto, com casca muito dura e espessa. A forma de dispersão das sementes praticada pelas cotias também é essencial para o recrutamento dessa espécie de árvore. Esse roedor enterra grande quantidade de sementes no solo, na intenção de guardá-las para uma próxima refeição. É CORRETO afirmar, nesse caso, que se trata da interação animal-planta do tipo O texto traz vários exemplos de diferentes relações interespecíficas. Cite quatro delas, relacionando-as ao exemplo do texto, e explique-as em termos de benefício ou de prejuízo para as espécies envolvidas. Resolução: pulgões x orquídeas Parasitismo. Os pulgões se alimentam da seiva elaborada produzida pelas orquídeas. joaninhas x pulgões Predatismo. As joaninhas matam comem os pulgões. abelhas x orquídeas Mutualismo. As abelhas polinizam as plantas e lhes garante variabilidade genética por meio da polinização cruzada. abelhas x larvas Sociedade. As abelhas cuidam e alimentam as larvas que originarão as diferentes castas das abelhas, ou seja, operárias, rainhas e zangões. EXERCÍCIOS PROPOSTOS 1. (PUC-RJ 2013) As figuras abaixo mostram o crescimento populacional, ao longo do tempo, de duas espécies de Paramecium cultivadas isoladamente e em conjunto. Os resultados desse experimento embasaram o que é conhecido como Princípio de Gause. a) Mutualismo, que é uma relação entre indivíduos de espécies diferentes; as duas espécies envolvidas são beneficiadas, e a associação é necessária para a sobrevivência de ambas. b) Protocooperação, que é uma relação na qual as duas espécies envolvidas são beneficiadas, embora vivam de modo independente, sem que isso as prejudique. c) Inquilinismo, que é uma relação entre indivíduos da mesma espécie ou de espécies diferentes, ligados fisicamente entre si, ocorrendo ou não divisão de trabalho. d) Simbiose, que é uma relação entre indivíduos de espécies diferentes, em que apenas uma delas se beneficia sem prejudicar ou beneficiar a outra. e) Comensalismo, que é uma relação mantida entre indivíduos de espécies diferentes, em que apenas uma se beneficia sem prejudicar a outra. Nesse caso, a espécie beneficiada obtém abrigo ou, ainda, suporte no corpo da outra espécie. 3. (ENEM 2012) Não é de hoje que o homem cria, artificialmente, variedades de peixes por meio da hibridação. Esta é uma técnica muito usada pelos cientistas e pelos piscicultores porque os híbridos resultantes, em geral, apresentam maior valor comercial do que a média de ambas as espécies parentais, além de reduzir a sobrepesca no ambiente natural. Terra da Gente, ano 4, n.º 47, mar, 2008 (adaptado). Sem controle, esses animais podem invadir rios e lagos naturais, se reproduzir e: a) originar uma nova espécie poliploide. b) substituir geneticamente a espécie natural. c) ocupar o primeiro nível trófico no hábitat aquático. d) impedir a interação biológica entre as espécies parentais. e) produzir descendentes com o código genético modificado. 2 Frente 3 CASD Vestibulares

3 4. (UFJF 2012) Ditados populares são frases e expressões que transmitem conhecimentos comuns sobre a vida. Suponha que os itens abaixo não sejam figurativos e assinale a opção que indica a relação ecológica nos seguintes exemplos. I. Tem hora na vida que nós temos que engolir sapos. II. Fui esperto! Em rio que tem piranha, jacaré nada de costa, do contrário... III. Coitado! Em benefício de todos, ele foi boi-depiranha. a) Interespecíficas de predatismo. b) Intraespecífica de canibalismo. c) Interespecífica de competição. d) Intraespecífica de competição. e) Interespecífica de parasitismo. 5. (UFSM 2012) A vida em sociedade não é uma característica só dos seres humanos. Os animais também vivem em grupo ou em associação, sob diversas formas, como as chamadas relações ecológicas. Essas relações podem ocorrer entre os indivíduos de uma mesma espécie ou entre indivíduos de espécies diferentes e podem ainda ter efeitos positivos ou negativos nos organismos envolvidos. Observe as imagens: Considerando as relações ecológicas intraespecíficas e interespecíficas, analise as afirmativas. I. A competição só ocorre entre indivíduos de espécies diferentes. II. Colônia se refere a um grupo de indivíduos de espécies diferentes que interagem mutuamente, com divisão de trabalho entre seus componentes. Os corais são exemplos desse tipo de interação. III. Sociedade se refere a um grupo de organismos da mesma espécie que manifestam certo grau de cooperação, comunicação e divisão de trabalho, conservando relativa independência entre eles. Há vários exemplos deles entre os Hymenoptera, como as vespas. Está(ão) correta(s): a) apenas I. b) apenas II. c) apenas III. d) apenas I e II. e) apenas I e III. 6. (UFG 2012) Leia o texto a seguir. Em um experimento hipotético, visando à obtenção de hortaliças resistentes a altas temperaturas, foram utilizados fungos produtores de proteínas de resistência a choque térmico, presentes em plantas nativas das proximidades de fontes termais. Os fungos foram retirados dessas plantas, identificados e inoculados nas hortaliças estudadas. Os resultados obtidos mostraram que, após serem inoculados com os fungos, as hortaliças conseguiram crescer sob calor de 60 C. O experimento descrito promoveu artificialmente a ocorrência de: a) relação de predação. b) relação de parasitismo. c) relação de protocooperação. d) mutação gênica nas hortaliças. e) modificação genética nos fungos. 7. (PUC-RS 2012) As plantas de maracujá possuem a capacidade de produzir néctar em estruturas localizadas ao longo do caule, pecíolos e folhas. A presença dessas estruturas promove a atração de algumas formigas que se alimentam do néctar. Essas formigas promovem a proteção do maracujazeiro contra herbívoros. A relação ecológica interespecífica existente entre o maracujazeiro e essas formigas pode ser definida como: a) Protocooperação. b) Comensalismo. c) Inquilinismo. d) Mutualismo. e) Predação. 8. (UFU 2012) Diversas campanhas publicitárias noticiam os efeitos benéficos à saúde de iogurtes e leites fermentados que possuem lactobacilos vivos (probióticos) em sua formulação. Um dos benefícios comprovados da ingestão de produtos com esses lactobacilos é a redução da probabilidade de diarreia infecciosa, uma vez que: a) as bactérias lácticas geneticamente selecionadas são resistentes ao ph ácido do estômago e chegam viáveis e em grande quantidade ao intestino, onde colonizam o epitélio de revestimento e impedem que microrganismos patogênicos se instalem no local. b) as leveduras presentes nesses produtos láticos utilizam o bolo fecal como fonte de nutrientes, fermentando-o e liberando álcool etílico na parede intestinal, o que impede que microrganismos patogênicos se instalem no local. c) os lactobacilos vivos liberam antibióticos naturais no epitélio de revestimento do intestino e, desse modo, impedem que microrganismos patogênicos se instalem no local. d) os probióticos são organismos geneticamente modificados que possuem a habilidade de atuar como anticorpos no intestino grosso, capturando e neutralizando os microrganismos patogênicos que tentarem se instalar no local. 9. (FGV 2012) O processo de seleção natural é diretamente responsável pela evolução das espécies e, em alguns casos, pela interdependência de suas relações. Em uma relação ecológica interespecífica harmônica e obrigatória, podemos perceber que, ao longo das gerações, esse processo atua: a) na velocidade das onças e na velocidade dos veados. b) no olfato de uma serpente e na taxa reprodutiva de um roedor. c) na eficiência fotossintética de uma folha e na acuidade visual de um pássaro. d) na penetração de raízes parasitas sugadoras e no espessamento do tronco de um ipê. e) na digestão da celulose por bactérias e na capacidade de ruminação por bovinos. CASD Vestibulares Frente 3 3

4 10. (UFF 2012) Em um experimento realizado por Gause (1934), foram colocadas duas populações de protozoários, Paramercium caudatum (em azul) e Paramercium aurélia (em vermelho), em um mesmo frasco de cultura com meio apropriado para o crescimento de ambos. O crescimento das duas populações foi quantificado ao longo de 15 dias, conforme gráfico abaixo: Analisando a curva de crescimento das duas populações, a alternativa que classifica o tipo de relação ecológica entre esses protozoários é: a) mutualismo. b) cooperação intraespecífica. c) competição interespecífica. d) simbiose. e) comensalismo. 11. (PUC-RJ 2012) De acordo com o Ministério do Meio Ambiente brasileiro, espécies exóticas invasoras são reconhecidas, atualmente, como uma das maiores ameaças biológicas ao meio ambiente, com enormes prejuízos à economia, à biodiversidade e aos ecossistemas naturais, além dos riscos à saúde humana. Essas espécies são consideradas a segunda maior causa de perda de biodiversidade, após as alterações de habitat. Assinale a alternativa que mostra os tipos de relações envolvidas na extinção de espécies nativas por espécies invasoras exóticas: a) Competição intraespecífica, predação e parasitismo. b) Canibalismo, amensalismo e predação. c) Competição interespecífica, predação e comensalismo. d) Canibalismo, mutualismo e predação. e) Competição interespecífica, predação e parasitismo. 12. (Unesp 2011) Tudo começa com os cupins alados, conhecidos como aleluias ou siriris. Você já deve ter visto uma revoada deles na primavera. São atraídos por luz e calor, e quando caem no solo perdem suas asas. Machos e fêmeas se encontram formando casais e partem em busca de um local onde vão construir os ninhos. São os reis e as rainhas. Dos ovos nascem as ninfas, que se diferenciam em soldados e operários. Estes últimos alimentam toda a população, passando a comida de boca em boca. Mas, como o alimento não é digerido, dependem de protozoários intestinais que transformam a celulose em glicose, para dela obterem a energia. Mas do que se alimentam? Do tronco da árvore de seu jardim, ou da madeira dos móveis e portas da sua casa. Segundo os especialistas, existem dois tipos de residência: as que têm cupim e as que ainda terão. (Texto extraído de um panfleto publicitário de uma empresa dedetizadora. Adaptado.) No texto, além da relação que os cupins estabelecem com os seres humanos, podem ser identificadas três outras relações ecológicas. A sequência em que aparecem no texto é: a) sociedade, mutualismo e parasitismo. b) sociedade, comensalismo e predatismo. c) sociedade, protocooperação e inquilinismo. d) colônia, mutualismo e inquilinismo. e) colônia, parasitismo e predatismo. 13. (UFJF 2011) Em um sistema de interações ecológicas formado por uma planta, uma espécie de pulgão se alimenta da seiva dessa planta e uma espécie de formiga se alimenta das fezes desse pulgão, as quais contêm uma substância açucarada de elevado valor nutricional. Leia as afirmativas a seguir: I. A planta é um produtor, pois por meio da fotossíntese consegue formar compostos orgânicos e obter a energia necessária para seus processos vitais. II. A planta é um organismo heterotrófico capaz de produzir seu próprio alimento. III. O pulgão é um consumidor, pois obtém os compostos orgânicos e a energia necessária para seus processos vitais a partir de um produtor. IV. O pulgão é um herbívoro. V. A formiga é um organismo autotrófico, pois não é capaz de produzir seu próprio alimento. Estão corretas: a) as afirmativas I, II e V. b) as afirmativas II, III e IV. c) as afirmativas I, IV e V. d) as afirmativas I, III e V. e) as afirmativas I, III e IV. 14. (UFTM 2011) A água de lastro funciona como um contrapeso visando à estabilidade de embarcações. Um navio, ao atracar num porto, pode despejar a água de lastro armazenada em seus tanques e disseminar espécies exóticas nesse novo ambiente, afetando espécies nativas por: a) competição e protocooperação. b) predatismo e competição. c) parasitismo e comensalismo. d) predatismo e inquilinismo. e) competição e mutualismo. 15. (Enem 2011) O controle biológico, técnica empregada no combate a espécies que causam danos e prejuízos aos seres humanos, é utilizado no combate à lagarta que se alimenta de folhas de algodoeiro. Algumas espécies de borboleta depositam seus ovos nessa cultura. A microvespa Trichogramma sp. introduz seus ovos nos ovos de outros insetos, incluindo os das borboletas em questão. Os embriões da vespa se alimentam do conteúdo desses ovos e impedem que as larvas de borboleta se desenvolvam. Assim, é possível reduzir a densidade populacional das borboletas até níveis que não prejudiquem a cultura. A técnica de 4 Frente 3 CASD Vestibulares

5 controle biológico realizado pela microvespa Trichogramma sp. consiste na: a) introdução de um parasita no ambiente da espécie que se deseja combater. b) introdução de um gene letal nas borboletas para diminuir o número de indivíduos. c) competição entre a borboleta e a microvespa para a obtenção de recursos. d) modificação do ambiente para selecionar indivíduos melhor adaptados. e) aplicação de inseticidas a fim de diminuir o número de indivíduos que se deseja combater. 16. (Enem 2011) Os vaga-lumes machos e fêmeas emitem sinais luminosos para se atraírem para o acasalamento. O macho reconhece a fêmea de sua espécie e, atraído por ela, vai ao seu encontro. Porém, existe um tipo de vaga-lume, o Photuris, cuja fêmea engana e atrai os machos de outro tipo, o Photinus fingindo ser desse gênero. Quando o macho Photinus se aproxima da fêmea Photuris, muito maior que ele, é atacado e devorado por ela. A relação descrita no texto, entre a fêmea do gênero Photuris e o macho do gênero Photinus, é um exemplo de: a) comensalismo. b) inquilinismo. c) cooperação. d) predatismo. e) mutualismo. 19. (UDESC 2014) Analise a alternativa correta quanto às relações entre os seres vivos. a) A protocooperação é um exemplo de relação intraespecífica desarmônica, em que dois seres de espécies diferentes mantêm relações obrigatórias e benéficas, e não conseguem viver independentes. b) O canibalismo é um exemplo de relação interespecífica harmônica, em que um ser se alimenta de outro ser de sua própria espécie ou de outra espécie. c) A competição é um exemplo de relação interespecífica harmônica, em que os indivíduos não são prejudicados quando competem por alimento e luz. d) A predação é um exemplo de relação interespecífica desarmônica, em que um ser mata outro ser de espécie diferente para se alimentar. e) O inquilinismo é um exemplo de relação intraespecífica desarmônica, em que dois seres de espécies diferentes mantêm relações benéficas, mútuas e obrigatórias, e conseguem viver de forma independente. 20. (Unicamp 2014) Os diagramas abaixo ilustram a frequência percentual de indivíduos com diferentes tamanhos de bico, para duas espécies de tentilhões (gênero Geospiza) encontradas em três ilhas do arquipelago de Galápagos, no oceano Pacífico. As frequências de indivíduos com bicos de diferentes profundidades (indicadas pelas setas) são mostradas para cada espécie, em cada ilha. Sabendo-se que ambas as espécies se alimentam de sementes, indique a interpretação correta para os resultados apresentados. 17. (Unicamp 2014) Os insetos, especialmente aqueles com modo de vida social, estão entre os animais mais abundantes na Terra. São insetos sociais, que vivem em colônias: a) formigas, borboletas, besouros. b) abelhas melíferas, formigas, cupins. c) besouros, abelhas melíferas, moscas. d) cupins, libélulas, cigarras. 18. (UFPR 2014) Pesquisadores da Universidade da Flórida estão realizando testes para introduzir nos Estados Unidos o inseto Calophya latiforceps (conhecido como gralha-da-folha-da-aroeira), nativo do Brasil, para combater a invasão de aroeira, que está diminuindo a biodiversidade de diversas regiões. Esse inseto alimenta-se de nutrientes da árvore, comprometendo seu crescimento. Esse processo é o controle biológico natural, que pode trazer risco para o ecossistema em que é implantado quando o organismo usado para fazer o controle: a) sofre mutação. b) não sobrevive no novo ambiente. c) passa a comer outros vegetais. d) adapta-se ao novo ambiente. e) altera o ciclo biogeoquímico de nutrientes. a) Trata-se de um exemplo de cooperação entre as duas espécies, que procuram por alimento juntas, quando estão em simpatria. b) Trata-se de um exemplo de deslocamento de caracteres resultante de competição entre as duas espécies na situação de simpatria. c) Trata-se de um exemplo de predação mútua entre as espécies, levando à exclusão de G. fuliginosa na ilha Daphne, e de G. fortis na ilha Los Hermanos. d) Trata-se de um caso de repulsa mútua entre as duas espécies, sendo mais perceptível nas ilhas Daphne e Los Hermanos. CASD Vestibulares Frente 3 5

6 21. (Fuvest 2014) Considere duas populações das espécies A e B, que podem viver separadamente e que, se reunidas, estabelecem interações interespecíficas. Os gráficos abaixo representam o crescimento dessas populações. Em outra situação do estudo, os insetos da espécie Caliothrips phaseoli (espécie A) foram mantidos na presença de insetos da espécie Orius insidiosus (espécie B). O gráfico 2 mostra o número médio de insetos da espécie A por planta. Considere que populações das espécies A e B foram reunidas. a) Admitindo que a espécie A é parasita da espécie B, represente, nas coordenadas do gráfico abaixo, o que é esperado para o crescimento da população da espécie B. b) Admitindo que a espécie A é comensal da espécie B, represente, nas coordenadas do gráfico abaixo, o que é esperado para o crescimento da população da espécie B. a) Cite um tipo de interação ecológica que possa ter ocorrido entre as espécies A e B. Que informação fornecida nos gráficos apoia sua resposta? b) Cite um tipo de interação ecológica entre as espécies A e B, que não seja compatível com os dados apresentados nos gráficos. Para serem compatíveis com a interação ecológica citada, os números médios de indivíduos por planta, no gráfico 2, deveriam ser maiores ou menores? Justifique sua resposta. 23. (UEL 2013) Leia o texto a seguir. 22. (Fuvest 2013) Num estudo, a população do inseto Caliothrips phaseoli (espécie A) permaneceu isolada de outros insetos; o gráfico 1 abaixo mostra o número médio de indivíduos por planta, registrado ao longo de seis semanas. A biodiversidade vem sofrendo quedas drásticas na riqueza e na abundância de espécies de anfíbios. No mundo, há mais de 7 mil espécies catalogadas, porém cerca da metade está ameaçada e centenas podem estar extintas. Uma das principais causas desse quadro é uma doença denominada quitridiomicose, transmissível pela água e causada pelo fungo Batrachochytrium dendrobatidis, que infecta a pele, principalmente, do abdômen, dos pés e dos dedos dos anfíbios. As lesões são visíveis apenas com o auxílio de instrumentos ópticos, e evidências da moléstia estão associadas a certas mudanças comportamentais do hospedeiro. (Adaptado de: PEREIRA, P. L.; BÉCARES, E. Um fungo ameaça os anfíbios. Ciência Hoje, v.47, n.279, p ) a) Identifique e explique o tipo de interação ecológica existente entre o fungo e o anfíbio. Desconsiderando os fungos, explique um exemplo desse mesmo tipo de interação ecológica entre o ser humano e outro organismo, com o respectivo nome da doença. 6 Frente 3 CASD Vestibulares

7 b) Apresente três exemplos de organismos representantes da classe dos anfíbios. 24. (UFJF 2012) Os líquenes podem ser usados como bioindicadores de poluição atmosférica por sua capacidade de incorporar muitos dos poluentes dispersos no ar. Sobre esses organismos, responda: a) Quais são os organismos que compõem os líquenes? b) Qual é a relação ecológica estabelecida entre os organismos que formam os líquenes e qual a vantagem ecológica obtida nesta associação? c) Explique qual a contribuição de cada um dos organismos nessa relação. 25. (Unicamp 2012) A distribuição de uma espécie em uma determinada área pode ser limitada por diferentes fatores bióticos e abióticos. Para testar a influência de interações bióticas na distribuição de uma espécie de alga, um pesquisador observou a área ocupada por ela na presença e na ausência de mexilhões e/ou ouriçosdo-mar. Os resultados do experimento estão representados no gráfico abaixo: 26. (UFRJ 2011) Todos os seres vivos podem ser classificados em espécies e cada espécie pertence a um único reino (Monera, Protista, Fungi, Plantae e Animalia). Os taxonomistas já descreveram mais de espécies de líquens, seguindo as normas de nomenclatura dos seres vivos, embora os líquens apresentem uma característica que os diferencia das demais espécies. Explique por que os líquens não podem ser considerados verdadeiras espécies. 27. (Unifesp 2011) Copaifera langsdorffii é uma árvore de grande porte, amplamente distribuída pelo Brasil e conhecida popularmente como copaíba. A dispersão das sementes da copaíba é feita por aves frugívoras. a) Indique e explique objetivamente a relação ecológica que se estabelece entre a copaíba e as aves frugívoras. b) Considerando que as sementes poderiam germinar ao redor da planta-mãe, por que a dispersão é importante para a espécie vegetal? a) Que tipo de interação biótica ocorreu no experimento? Que conclusão pode ser extraída do gráfico quando se analisam as curvas B e C? b) Cite outros dois fatores bióticos que podem ser considerados como limitadores para a distribuição de espécies. 28. (Unesp 2010) Considere o seguinte diálogo entre Charles Darwin e sua pequena filha, Annie: Quantas abelhas viu hoje? Acho que nenhuma. Vi uma ou duas. As madressilvas estão florindo e as abelhas gostam dessa flor. Por que não há mais abelhas em nosso jardim? Não sei. É por que os ratos que vivem debaixo das cercas saem à noite e destroem os seus ninhos. Sabe por que existem tantos ratos silvestres? Não. Mas você vai me dizer, não, papai? É porque a família Darwin tem um cachorro, e não um gato. Você está brincando! Não, não estou. Cães não caçam ratos como os gatos. Daí os ratos destroem os ninhos das abelhas. Por isso existem tão poucas. CASD Vestibulares Frente 3 7

8 Por que tudo é tão cruel? Sinto muito, mas não sei. (In: A viagem de Charles Darwin, produzida pela BBC, Londres, 1978.) No diálogo, podem ser identificadas algumas relações ecológicas interespecíficas, assim como uma determinada cadeia alimentar. Identifique uma dessas relações interespecíficas, indicando as espécies envolvidas e a relação que estabelecem entre si, e descreva a cadeia alimentar implícita no diálogo, indicando o nível trófico que ocupa cada uma das espécies dessa cadeia. 29. (UFSC 2010) Em 2009, comemoram-se 200 anos do nascimento de Charles Darwin e 150 anos da publicação de sua obra A Origem das Espécies. Para essa obra, o pensamento de Thomas Malthus, segundo o qual a população de um território é limitada pela quantidade de alimentos nele disponível, foi muito importante, pois Darwin percebeu que este argumento, embora relacionado aos humanos, aplicava-se também, perfeitamente, ao mundo das plantas e dos animais. No caso dos animais o tamanho populacional é influenciado, além de outros fatores, pela predação. Sobre esse assunto, responda: a) O que é predação? b) Considerando um espaço territorial limitado, de que forma a predação pode influenciar no tamanho populacional de presas? c) Considerando um espaço territorial limitado, de que forma a predação pode influenciar no tamanho populacional de predadores? 30. (UFRJ 2010) Um grande número de plantas produz certas substâncias, chamadas flavonoides, que são lançadas no solo pelas raízes. No solo, os flavonoides atraem bactérias do gênero Rhizobium que penetram no tecido das raízes. As raízes das plantas também se associam a fungos, formando as micorrizas. Esse tipo de interação entre indivíduos que pertencem a espécies diferentes é chamado mutualismo. Apresente o benefício obtido pelas plantas nessas associações com bactérias e o benefício obtido nas associações com fungos. RESOLUÇÕES E GABARITOS 1. [E] Os experimentos feitos pelo cientista russo G. F. Gause mostraram que, quando cultivados separadamente, os protozoários Paramecium aurelia e P. caudatum crescem até um nível que equivale ao limite da capacidade de sustentação do ambiente. Quando as duas espécies foram cultivadas juntas, no entanto, o P. aurelia, mais eficiente na obtenção dos recursos e de reprodução mais rápida, sobreviveu, enquanto o P. caudatum reduziu sua população até se extinguir. As duas espécies competiram, portanto, pelos mesmos recursos, e a espécie mais adaptada àquelas condições acabou por excluir a outra. As conclusões desse experimento ficaram conhecidas como princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva. 2. [A] A associação ecológica entre a cotia e as castanheiras revela uma interdependência do tipo mutualismo. Nessa relação, uma das espécies será severamente afetada se a outra diminuir ou desaparecer. 3. [B] Os peixes híbridos podem invadir rios e lagos, se reproduzir e substituir as populações naturais por competirem com estes pelos recursos do meio. 4. [A] Os ditos populares incluem relações entre espécies diferentes, nas quais uma se alimenta da outra, caracterizando uma relação ecológica interespecífica do tipo predatismo. 5. [C] I. Falso. A competição é uma relação ecológica que pode ser estabelecida entre organismos de espécies diferentes, ou não. II. Falso. A colônia é um grupo de indivíduos da mesma espécie que vivem anatomicamente unidos. A divisão de trabalho pode ocorrer (caravelas), ou não (esponjas). 6. [C] O experimento hipotético permitiria o crescimento de hortaliças a temperaturas que dificilmente suportariam em condições naturais. Tal fato sugere a ocorrência de uma possível protocooperação. 7. [A] A relação ecológica interespecífica que se estabelece entre o maracujazeiro e as formigas é de protocooperação. Nessa relação, as duas espécies envolvidas são beneficiadas, mas não se trata de relação obrigatória, já que os organismos citados sobrevivem independentemente um do outro. 8 Frente 3 CASD Vestibulares

9 8. [A] As bactérias láticas colonizam a mucosa intestinal, dificultando ou impedindo a proliferação de bactérias patogênicas que causam desagradáveis diarreias. 21. Observe os gráficos a seguir: 9. [E] O processo de seleção natural tornou possível a adaptação de bactérias e ruminantes. As bactérias digerem a celulose ingerida pelo animal e ficam protegidas e alimentadas em seu trato digestório. A relação ecológica em questão é intraespecífica, harmônica, obrigatória e conhecida por mutualismo. 10. [C] A relação ecológica observada entre as duas espécies de Paramecium, convivendo no mesmo habitat, revela uma competição interespecífica. 11. [E] Espécies exóticas invasoras podem competir com as espécies nativas por recursos (competição interespecífica) ou podem atuar como predadoras ou parasitas dessas espécies. Através dessas relações, uma espécie invasora pode levar a espécie nativa à extinção. 12. [A] Na sequência em que aparecem no texto, encontramos uma descrição da sociedade dos cupins, relação intraespecífica em que cada indivíduo desempenha uma função muito bem definida; o mutualismo que existe entre os cupins e os protozoários intestinais que digerem a celulose ingerida pelos cupins; e o parasitismo que ocorre entre os cupins e as árvores do jardim. 13. [E] Os vegetais são organismos autótrofos, porque produzem a matéria orgânica que consomem e acumulam por fotossíntese. A formiga é um organismo heterótrofo, pois é incapaz de produzir a matéria orgânica de que necessita para sobreviver. 14. [B] Espécies invasoras podem determinar a extinção de espécies nativas por competição pelos recursos do meio ou por predação. 15. [A] A técnica utilizada no combate às lagartas que se alimentam das folhas do algodoeiro consiste no controle biológico de pragas. Esse método emprega parasitas específicos das espécies que se quer combater. Os embriões da microvespa se desenvolvem alimentando-se dos ovos da borboleta, controlando a população das lagartas que comem folhas. 16. [D] As fêmeas do vaga-lume do gênero Photuris matam e devoram os vaga-lumes do gênero Photinus, configurando uma relação ecológica desarmônica interespecífica denominada predatismo. 17. [B] São insetos sociais que vivem em colônias, isto é, em sociedades de abelhas melíferas, as formigas e os cupins. 18. [C] A espécie introduzida no ecossistema pode se tornar uma praga ao se alimentar de outros vegetais, além daqueles que se quer controlar. 19. [D] A relação predador X presa é interespecífica e desarmônica. Uma vez que o predador mata indivíduos de outras espécies para se alimentar. 20. [B] A divergência de caracteres, como a profundidade dos bicos dos tentilhões, resulta da seleção natural diferencial, quando as espécies competem na situação de simpatria na ilha de Santa Maria. 22. a) Competição interespecífica ou predatismo. Na presença do inseto pertencente à espécie B, a população de insetos da espécie A sofreu considerável declínio. b) Cooperação ou mutualismo. Nesse caso a curva populacional indicada no gráfico B deveria ser maior por serem estas interações harmônicas que propiciam maior capacidade de sobrevivência e reprodução das populações em interação. 23. a) A interação entre o fungo e o anfíbio é o parasitismo. No parasitismo, a espécie parasita se aproveita da espécie hospedeira sem morte deste último. b) Como exemplos de anfíbios podemos citar: sapos, salamandras e cobras-cegas. 24. a) As algas verdes unicelulares e fungos ou cianobactérias e fungos, geralmente os fungos são ascomicetos. b) É uma relação mutualística. Ambos organismos (alga e fungo) podem viver em locais que isoladamente não seriam capazes de se estabelecer. c) A alga verde realiza a fotossíntese produzindo nutrientes os quais o fungo se alimenta. O fungo que é heterótrofo retêm umidade e absorve os sais minerais necessários à ambos. 25. a) Predação. O gráfico mostra que os ouriços-do-mar são os maiores predadores das algas. b) Entre os fatores bióticos que podem limitar o crescimento e distribuição das espécies estão: disponibilidade de alimento, parasitismo, competição e amensalismo. 26. Os líquens são associações mutualísticas entre espécies que pertencem a dois ou três reinos. São formados por algas (Reino Protista) associadas a fungos (Reino Fungi) e por vezes a cianobactérias (Reino Monera). Logo, os líquens não são espécies verdadeiras, são um conjunto de espécies que vivem em simbiose. 27. a) A relação que se estabelece entre a copaíba e as aves frugívoras recebe o nome de protocooperação, uma relação em que as duas espécies envolvidas se beneficiam sem que haja a obrigatoriedade dessa associação. Ao se alimentar de frutos da copaíba, as aves também engolem as sementes dessa planta e as eliminam junto com as fezes em local distante. b) A dispersão é importante para evitar a competição intraespecífica. No caso da copaíba, que é uma árvore de grande porte, uma semente que caísse ao redor da plantamãe, teria dificuldades em conseguir a luminosidade adequada e seria obrigada a disputar a umidade e os nutrientes do solo com a planta-mãe. Além disso, a dispersão promove a conquista de novos ambientes para a planta. CASD Vestibulares Frente 3 9

10 28. Uma das relações interespecíficas citadas no texto é o mutualismo que existe entre as abelhas e as madressilvas. As abelhas polinizam as flores de madressilvas, enquanto que essas fornecem pólen e néctar que servirão de alimento às abelhas. Podemos citar também o predatismo que ocorre entre gatos e ratos. A cadeia alimentar implícita no diálogo pode ser esquematizada da seguinte forma: madressilvas produtores (1º nível trófico), as abelhas são os consumidores primários (2º nível trófico), os ratos são os consumidores secundários (3º nível trófico) e os gatos são os consumidores terciários (4º nível trófico). 29 a) Predação é a relação ecológica em que uma espécie de animal (predador mata e come indivíduos de outra espécie animal (presa). b) Com o passar do tempo, a intensificação da predação tende a diminuir o tamanho populacional de presas. c) O tamanho da população de presas serve de referência para o controle da densidade populacional de predadores. Com o aumento da taxa de predação, a população de presas diminuirá e levará, consequentemente, a uma diminuição da população de predadores. 30. As bactérias do gênero Rhizobium fixam o nitrogênio atmosférico na forma de nitratos, permitindo sua utilização pelas plantas. Os fungos ampliam a capacidade de captação de água e sais minerais pelas raízes das plantas. 10 Frente 3 CASD Vestibulares

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas MOUZER COSTA O que é Ecologia? É a parte da Biologia que estuda as relações dos seres vivos entre si e com o ambiente. Conceitos Básicos Espécie População

Leia mais

Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio

Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio Relações Ecológicas Tema: Ecologia Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio 1) Introdução A interação dos diversos organismos que constituem uma comunidade biológica são genericamente denominadas relações

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota Biologia Ecologia Relações ecológicas Representam as interações entre os seres vivos em um determinado ecossistema. Podem ser divididas

Leia mais

Ecossistemas e Saúde Ambiental :: Prof.ª MSC. Dulce Amélia Santos

Ecossistemas e Saúde Ambiental :: Prof.ª MSC. Dulce Amélia Santos Engenharia Civil Disciplina Ecossistemas e Saúde Ambiental Relações Ecológicas Duas Aula- Relações Ecológicas Profª Msc. Dulce Amélia Santos PODEMOS CLASSIFICAR AS RELAÇÕES ECOLÓGICAS EM RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS

Leia mais

Conceitos Ecológicos. Prof. Dr. Mauro Parolin

Conceitos Ecológicos. Prof. Dr. Mauro Parolin Conceitos Ecológicos Prof. Dr. Mauro Parolin Hábitat [1] ou habitat (do latim, ele habita) é um conceito usado em ecologia que inclui o espaço físico e os fatores abióticos que condicionam um ecossistema

Leia mais

BIOLOGIA Prof. Fred correta

BIOLOGIA Prof. Fred correta BIOLOGIA Prof. Fred 1. (Ufpr) Pesquisadores da Universidade da Flórida estão realizando testes para introduzir nos Estados Unidos o inseto Calophya latiforceps (conhecido como gralha-da-folha-da-aroeira),

Leia mais

Ecologia: interações ecológicas

Ecologia: interações ecológicas FACULDADES OSWALDO CRUZ Curso: Engenharia Ambiental Disciplina: Microbiologia Aplicada Prof a MsC. Vanessa Garcia Aula 12 (2º semestre): Ecologia: interações ecológicas Objetivos: analisar os principais

Leia mais

ECOLOGIA SERES VIVOS AMBIENTE. estuda as relações entre

ECOLOGIA SERES VIVOS AMBIENTE. estuda as relações entre ECOLOGIA SERES VIVOS estuda as relações entre AMBIENTE Níveis de Organização Molécula Célula Tecido Órgão Sistema Espécie População Comunidade Ecossistema Biosfera Níveis de Organização Espécie Grupo de

Leia mais

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser Relações Ecológicas Os seres vivos mantém constantes relações entre si, exercendo influências recíprocas em suas populações. INTRA ou INTERESPECÍFICAS Estas relações podem ser HARMÔNICAS OU DESARMÔNICAS

Leia mais

Lista de relações ecológicas, sucessão e dinâmica de pop./ Prof. Karina/ 1º ano

Lista de relações ecológicas, sucessão e dinâmica de pop./ Prof. Karina/ 1º ano 1. (Upf 2015) Considerando as relações ecológicas entre os seres vivos de uma comunidade, as formigas de um formigueiro, os liquens, um coral cérebro e uma bromélia crescendo no galho de uma árvore são,

Leia mais

Relações Ecológicas. Essa interação entre os seres vivos é chamada de relação ecológica.

Relações Ecológicas. Essa interação entre os seres vivos é chamada de relação ecológica. Relações Ecológicas Relações Ecológicas Os seres vivos de diferentes espécies, além de interagirem com o meio abiótico em que vivem, também se interagem com os outros seres vivos presentes num mesmo local.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA. Professora: Alexsandra Ribeiro

EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA. Professora: Alexsandra Ribeiro CONTEÚDO: CAP. 1, 2 e 3 EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA Professora: Alexsandra Ribeiro 1. O esquema abaixo nos mostra como a vida está organizada no planeta. A complexidade da

Leia mais

Relações ecológicas. Relações intraespecíficas harmônicas

Relações ecológicas. Relações intraespecíficas harmônicas Relações ecológicas Nenhum ser vivo está sozinho neste planeta, todos os seres vivos se relacionam seja com seres da própria espécie ou com seres de outras espécies. Essas relações são muito importantes

Leia mais

Simulado Biologia UNICAMP 2014-2013

Simulado Biologia UNICAMP 2014-2013 1. (Unicamp 2014) Considere os seguintes componentes celulares: I. parede celular II. membrana nuclear III. membrana plasmática IV. DNA É correto afirmar que as células de a) fungos e protozoários possuem

Leia mais

Relações Harmônicas (Não há prejuízo)- Homotípicas (Seres da mesma espécie) -Colônia Indivíduos unidos fisicamente.

Relações Harmônicas (Não há prejuízo)- Homotípicas (Seres da mesma espécie) -Colônia Indivíduos unidos fisicamente. RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES ECOLÓGICAS - As relações ecológicas são aquelas que se manifestam em diferentes populações de um ecossistema que pode ocorrer em indivíduos de uma mesma espécie ou não. Relações

Leia mais

Relações ecológicas. Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio

Relações ecológicas. Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio Relações ecológicas Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio Classificação Intraespecífica: entre indivíduos da mesma espécie. Interespecífica: entre indivíduos de espécies

Leia mais

RELAÇÕES HARMÔNICAS (interações positivas) COLÔNIAS INTRA - ESPECÍFICAS SOCIEDADES

RELAÇÕES HARMÔNICAS (interações positivas) COLÔNIAS INTRA - ESPECÍFICAS SOCIEDADES RELAÇÕES HARMÔNICAS (interações positivas) COLÔNIAS INTRA - ESPECÍFICAS SOCIEDADES SOCIEDADES Diferem das colônias basicamente pela independência física exibida por seus integrantes. Também caracterizam-se

Leia mais

Interações entre os seres vivos

Interações entre os seres vivos Relações Ecológicas Interações entre os seres vivos I. CLASSIFICAÇÃO:. Quanto as espécies participantes: - Intra-espec específicas ou Homotípicas picas: : mesma espécie cie. - Interespecíficas ou Heterotípicas

Leia mais

ORIENTAÇÕES EXERCÍCIOS PROPOSTOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA DE REVISÃO PARA A UNICAMP

ORIENTAÇÕES EXERCÍCIOS PROPOSTOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA DE REVISÃO PARA A UNICAMP BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA DE REVISÃO PARA A UNICAMP ORIENTAÇÕES Após a mudança do formato da prova da Unicamp (que deixou de cobrar questões discursivas na 1ª fase) Botânica passou a

Leia mais

DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO RELAÇÕES ECOLÓGICAS Interações (relações ou associações) = SIMBIOSE INTRAESPECÍFICAS - entre indivíduos da mesma espécie. INTERESPECÍFICAS

Leia mais

Pirâmides de números

Pirâmides de números Fluxo de energia Pirâmides de números COBRA (1) RATO (15) MILHO (100) PROTOZOÁRIOS CUPIM (100) (1) ÁRVORE (1000) ARANHAS (100) MOSCAS (300) (1) BANANA NAO HA PADRAO UNICO!!! - Massa de matéria orgânica

Leia mais

RELAÇÕES ECOLÓGICAS & DINÂMICA DE POPULAÇÕES.

RELAÇÕES ECOLÓGICAS & DINÂMICA DE POPULAÇÕES. RELAÇÕES ECOLÓGICAS & DINÂMICA DE POPULAÇÕES. (FGV-SP - 2010) Questão 1 Em Umuarama, interior do Paraná, verdadeiros exércitos de formigas saúva vêm atormentando a população e os agricultores. Na cidade,

Leia mais

PROFESSOR: Leonardo Mariscal

PROFESSOR: Leonardo Mariscal PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== 01- O aumento da poluição

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS (ALELOBIOSES) 1- HARMÔNICAS NINGUÉM É PREJUDICADO 3- INTRA-ESPECÍFICAS OU HOMOTÍPICAS OS SERES SÃO DA MESMA ESPÉCIE

RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS (ALELOBIOSES) 1- HARMÔNICAS NINGUÉM É PREJUDICADO 3- INTRA-ESPECÍFICAS OU HOMOTÍPICAS OS SERES SÃO DA MESMA ESPÉCIE RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS (ALELOBIOSES) 1- HARMÔNICAS NINGUÉM É PREJUDICADO 2- DESARMÔNICAS ALGUÉM É PREJUDICADO 3- INTRA-ESPECÍFICAS OU HOMOTÍPICAS OS SERES SÃO DA MESMA ESPÉCIE 4- INTERESPECÍFICAS

Leia mais

INTERAÇÕES. Guilherme Alfenas Programa de Pós-Graduação em Ecologia PGECOL - UFJF

INTERAÇÕES. Guilherme Alfenas Programa de Pós-Graduação em Ecologia PGECOL - UFJF INTERAÇÕES Guilherme Alfenas Programa de Pós-Graduação em Ecologia PGECOL - UFJF BIBLIOGRAFIA RICKLEFS, R.E. 5ª edição. A Economia da Natureza. Editora Guanabara Koogan. CONCEITO BÁSICO São relações que

Leia mais

RELAÇÕES ECOLÓGICAS CLASSIFICAÇÃO

RELAÇÕES ECOLÓGICAS CLASSIFICAÇÃO CLASSIFICAÇÃO Tipo de interação A Intraespecíficas 9 relações que ocorrem entre indivíduos da mesma espécie. 9 relações que ocorrem entre indivíduos de espécies diferentes. Tipo de resultado da interação

Leia mais

Ecologia Relações entre os seres vivos

Ecologia Relações entre os seres vivos O funcionamento de uma comunidade depende das diversas relações ou interações entre os organismos que a compõem. Essas relações podem ser: A)Intra-específicas quando ocorrem entre seres da mesma espécie;

Leia mais

Biologia LIVRO 3 Unidade 3 Avaliação capítulos 12, 13, 14, 15 e 16 Ecologia

Biologia LIVRO 3 Unidade 3 Avaliação capítulos 12, 13, 14, 15 e 16 Ecologia 1. Durante uma aula de campo, a professora informou que naquela área existiam diversas espécies de formigas, seres que estabelecem uma relação intraespecífica harmônica conhecida como sociedade. Informou

Leia mais

COMUNIDADES INTERAÇÕES ECOLÓGICAS

COMUNIDADES INTERAÇÕES ECOLÓGICAS INTERAÇÕES ECOLÓGICAS Harmônicas Desarmônicas INTERAÇÕES ECOLÓGICAS HARMÔNICAS Intraespecíficas positivas Interespecíficas positivas INTERAÇÕES ECOLÓGICAS HARMÔNICAS Intraespecíficas positivas Colônia

Leia mais

Biologia Fascículo 10 André Eterovic

Biologia Fascículo 10 André Eterovic Biologia Fascículo 10 André Eterovic Índice Ecologia Conceitos Ecológicos...1 Cadeias Alimentares...2 Relações Simbióticas...4 Exercícios...6 Gabarito...8 Ecologia Conceitos Ecológicos Ecologia: definição

Leia mais

Data: /08/14 Bimestr e: Nome: 9 ANO Nº Disciplina Biologia Valor da Prova / Atividade:

Data: /08/14 Bimestr e: Nome: 9 ANO Nº Disciplina Biologia Valor da Prova / Atividade: Data: /08/14 Bimestr e: 2 Nome: 9 ANO Nº Disciplina Biologia : Valor da Prova / Atividade: Professo r: Ângela Nota: Objetivo / Instruções: Lista de Recuperação 1.Explique a principal diferença entre sociedade

Leia mais

3. Ler atentamente as 3 afirmativas relativas às relações entre os seres vivos,

3. Ler atentamente as 3 afirmativas relativas às relações entre os seres vivos, ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO BIOLOGIA 1º ANO / 3ª etapa Professor: Warley Ferreira 1. Uma população de parasitas e seus hospedeiros estão em interação. Eliminando-se os parasitas, espera-se que a população

Leia mais

Os seres vivos e o ambiente

Os seres vivos e o ambiente Nas teias alimentares, certos organismos podem ser, ao mesmo tempo, consumidores primários, secundários, etc., dependendo da cadeia alimentar que for selecionada. A eliminação de alguns organismos de uma

Leia mais

20/5/2014 RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES HARMÔNICAS INTRA-ESPECÍFICAS COLÔNIA CLASSIFICAÇÃO

20/5/2014 RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES HARMÔNICAS INTRA-ESPECÍFICAS COLÔNIA CLASSIFICAÇÃO RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES ECOLÓGICAS Os seres vivos, além de interagirem com o meio abiótico, também interagem com outros seres vivos presentes na mesma comunidade. Estas interações são as relações

Leia mais

Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan

Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Ecologia (oikos = casa; logos = ciência) Estuda as relações entre os seres vivos, e o ambiente em que vivem; Multidisciplinar A Ecologia é complexa, e envolve:

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

Harmôni cas Desarmô nicas. Harmôni cas Desarmô nicas

Harmôni cas Desarmô nicas. Harmôni cas Desarmô nicas biozell Intra - específicas Inter - específicas Harmôni cas Desarmô nicas Harmôni cas Desarmô nicas Colônia Sociedade Competição Canibalismo Protocooperação Mutualismo Comensalismo Foresia Inquilinismo

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Fluxo de energia e Interações ecológicas

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Fluxo de energia e Interações ecológicas UFRGS ECOLOGIA Fluxo de energia e Interações ecológicas 1. (Ufrgs 2015) Analise o quadro abaixo que apresenta os componentes de uma cadeia alimentar aquática e de uma terrestre. Ecossistema aquático aguapé

Leia mais

ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA GABARITO - 1º E.M. BIOLOGIA PROFª CLAUDIA LOBO - 1º TRIMESTRE/2015

ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA GABARITO - 1º E.M. BIOLOGIA PROFª CLAUDIA LOBO - 1º TRIMESTRE/2015 ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA GABARITO - 1º E.M. BIOLOGIA PROFª CLAUDIA LOBO - 1º TRIMESTRE/2015 Imprimir e responder no caderno. Apresentar no dia 31/03. 1. Observe as tirinhas abaixo,

Leia mais

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 Questão 1) Abaixo representa uma experiência com crisântemo, em que a planta foi iluminada, conforme mostra o esquema. Com base no esquema e seus conhecimentos,

Leia mais

5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS

5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS 5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS Auno(a) N 0 6º Ano Turma: Data: / / 2013 Disciplina: Ciências UNIDADE I Professora Martha Pitanga ATIVIDADE 01 CIÊNCIAS REVISÃO GERAL De

Leia mais

Ecologia. Aula Programada. Biologia. Tema: Ecologia

Ecologia. Aula Programada. Biologia. Tema: Ecologia Aula Programada Tema: Ecologia Biologia 1) Conceitos Básicos Indivíduo: Exemplar de uma espécie qualquer que constitui uma unidade distinta. Espécie: Conjunto de indivíduos muito semelhantes entre si e

Leia mais

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida Introdução A ciência que estuda como os seres vivos se relacionam entre si e com o ambiente em que vivem e quais as conseqüências dessas relações é a Ecologia (oikos = casa e, por extensão, ambiente; logos

Leia mais

Que tipo de relação há entre o peixe-palhaço e a anêmona? Justifique sua resposta. R.:

Que tipo de relação há entre o peixe-palhaço e a anêmona? Justifique sua resposta. R.: PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Nas figuras abaixo

Leia mais

BIOLOGIA ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS

BIOLOGIA ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS BIOLOGIA Prof. Fred ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS Ecologia: definição e importância Ecologia é o estudo das relações entre os seres vivos e entre estes e o ambiente em que vivem. Envolve aspectos do

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um:

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um: Quiz 6 a Série Professora: Alexsandra Ribeiro Instruções: Olá queridos alunos e alunas! O quiz é mais uma ferramenta que nos possibilita saber se realmente você está entendendo o conteúdo abordado em sala

Leia mais

FATORES ECOLÓGICOS. Professora: Dayse Luna Barbosa

FATORES ECOLÓGICOS. Professora: Dayse Luna Barbosa FATORES ECOLÓGICOS Professora: Dayse Luna Barbosa Fatores Ecológicos São o conjunto de fatores biológicos e físicos que atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade. Fatores Ecológicos Fatores Ecológicos

Leia mais

III BIMESTRE TRABALHO DE BIOLOGIA 2011

III BIMESTRE TRABALHO DE BIOLOGIA 2011 III BIMESTRE TRABALHO DE BIOLOGIA 2011 INSTRUÇÕES 1. Preencha o cabeçalho e com o nome completo de cada aluno da equipe MÉDIA = 2. Todas as respostas deverão ser apresentadas nos espaços apropriados, com

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7-ADN-1

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7-ADN-1 1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7-ADN-1 I. MEIO AMBIENTE CONCEITOS MEIO AMBIENTE Tudo o que cerca o ser vivo,

Leia mais

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem Link para acessar o conteúdo, calendário, notas, etc. www.e-conhecimento.com.br Ensino Médio Primeiros Anos Ecologia oikos casa ; logos - estudo A Ecologia e sua Importância Estudo das Relações dos Seres

Leia mais

Entre os seres vivos de um ecossistema, há um inter relacionamento dinâmico e equilibrado, que permite a troca de matéria e de energia.

Entre os seres vivos de um ecossistema, há um inter relacionamento dinâmico e equilibrado, que permite a troca de matéria e de energia. Cadeia alimentar A biosfera, parte do planeta onde vivem os seres vivos, é formado por ecossistemas. O ecossistema é constituído por comunidades (parte biótica) e os fatores físicos e químicos do meio

Leia mais

Exercício de Biologia - 3ª série

Exercício de Biologia - 3ª série Exercício de Biologia - 3ª série 1- A poluição atmosférica de Cubatão continua provocando efeitos negativos na vegetação da Serra do Mar, mesmo após a instalação de filtros nas indústrias na década de

Leia mais

Maxillaria silvana Campacci

Maxillaria silvana Campacci Ecologia Aula 1 Habitat É o lugar que reúne as melhores condições de vida para uma espécie. Temperatura, quantidade de água, intensidade da luz solar e tipo de solo determinam se o habitat é adequado ao

Leia mais

Cadeia alimentar 3º ano

Cadeia alimentar 3º ano Cadeia alimentar 3º ano O equilíbrio ecológico depende diretamente da interação, das trocas e das relações que os seres vivos estabelecem entre si e com o ambiente. Os seres respiram, vivem sobre o solo

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 25 SIMBIOSES DESARMÔNICAS

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 25 SIMBIOSES DESARMÔNICAS BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 25 SIMBIOSES DESARMÔNICAS Número (em milhares) 160 140 120 100 80 60 40 20 0 Lebre Lince 1845 1935 tempo anos Bactéria Penicillium Como pode cair no enem (UFF) Os itens enumerados

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Atividade de Aprendizagem 19 Broca da madeira Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Interações entre os seres vivos / características e diversidade dos seres vivos / manutenção da vida e integração

Leia mais

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 14.b INTERAÇÕES ECOLÓGICAS

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 14.b INTERAÇÕES ECOLÓGICAS BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 14.b INTERAÇÕES ECOLÓGICAS ORIENTAÇÕES A lista 14.b é a continuação da 14.a, com mais questões sobre relações ecológicas. Essa é uma matéria muito importante

Leia mais

2ª Série Biologia Prof o Sérgio Santos

2ª Série Biologia Prof o Sérgio Santos 2ª Série Biologia Prof o Sérgio Santos Aluno(a):...Turma:... 1º) Um indivíduo ao ser picado por uma cobra coral, foi levado ao hospital onde lhe aplicaram: a. Antígenos específico para a citada cobra.

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G Ensino Fundamental Ciências da Natureza Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Movimentos dos continentes H7 2 Origem dos seres vivos na Terra H17 3 Relações ecológicas

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES CIÊNCIAS

CADERNO DE ATIVIDADES CIÊNCIAS COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES CIÊNCIAS Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Conteúdo de Recuperação

Leia mais

ECOLOGIA I - CONCEITOS GERAIS

ECOLOGIA I - CONCEITOS GERAIS BIOLOGIA ECOLOGIA I - CONCEITOS GERAIS Ecologia é o estudo das relações entre os seres vivos e o ambiente onde vivem. É uma ciência que estuda os seres vivos acima do nível do organismo individual, estuda,

Leia mais

Delza - Ciências 6ª Série RECUPERAÇÂO. QUESTÃO 1 (Descritor: associar características básicas à classificação dos seres vivos.)

Delza - Ciências 6ª Série RECUPERAÇÂO. QUESTÃO 1 (Descritor: associar características básicas à classificação dos seres vivos.) Delza - Ciências 6ª Série RECUPERAÇÂO QUESTÃO 1 (Descritor: associar características básicas à classificação dos seres vivos.) Assunto: Classificação dos seres vivos Os cientistas estabeleceram um sistema

Leia mais

EXERCÍCIO RESOLVIDO ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS PROPOSTOS. BIOLOGIA II Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 3.b - TEORIAS EVOLUTIVAS

EXERCÍCIO RESOLVIDO ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS PROPOSTOS. BIOLOGIA II Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 3.b - TEORIAS EVOLUTIVAS BIOLOGIA II Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 3.b - TEORIAS EVOLUTIVAS ORIENTAÇÕES Essa lista é a continuação da lista 3.a, com mais exercícios sobre teorias evolutivas. Como sempre, resolva as questões

Leia mais

Tem um gambá no galinheiro!

Tem um gambá no galinheiro! Tem um gambá no galinheiro! A UU L AL A Madrugada na fazenda, de repente ouve-se o cacarejar das galinhas e começa um rebuliço no galinheiro. Quando o fazendeiro sai para ver o que está acontecendo, um

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA Como pode cair no enem (ENEM) Várias estratégias estão sendo consideradas para a recuperação da diversidade biológica de um ambiente degradado, dentre elas, a criação

Leia mais

5ª série / 6º ano 1º bimestre

5ª série / 6º ano 1º bimestre 5ª série / 6º ano 1º bimestre Água e o planeta Terra Hidrosfera Distribuição e importância Hidrosfera é o conjunto de toda a água da Terra. Ela cobre 2/3 da superfície terrestre e forma oceanos, mares,

Leia mais

1. O conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que vive numa mesma área geográfica constitui:

1. O conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que vive numa mesma área geográfica constitui: COLÉGIO JOÃO PAULO I ENSINO MÉDIO 2009 ECOLOGIA PROF. XANDI 1. O conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que vive numa mesma área geográfica constitui: a) população b) comunidade c) ecossistema d)

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS ECOLOGIA GERAL Aula 05 Aula de hoje: FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS Sabemos que todos os organismos necessitam de energia para se manterem vivos, crescerem, se reproduzirem e, no caso

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades LIVRO 5 BIOLOGIA 3 Resoluções das atividades Sumário Aula 18 Fluxo de energia no ecossistema...1 Aula 19 Ciclos biogeoquímicos...2 Aula 20 Dinâmica das populações...4 Aula 21 Interações ecológicas I...6

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2012-2 GABARITO DA PROVA DE BIOLOGIA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2012-2 GABARITO DA PROVA DE BIOLOGIA Questão 1 Sobre as mitocôndrias, responda: a) Através da análise de DNA, demonstrou-se que muitos genes da bactéria Rickettsia prowazekii, que causa um tipo de febre, são parecidos com os genes das mitocôndrias.

Leia mais

NETXPLICA http://forum.netxplica.com TESTE DE AVALIAÇÃO 8º Ano Ciências Naturais Ecossistemas fluxos de energia e ciclos de matéria

NETXPLICA http://forum.netxplica.com TESTE DE AVALIAÇÃO 8º Ano Ciências Naturais Ecossistemas fluxos de energia e ciclos de matéria Classificação Encarregado de Educação Nome nº Turma Data / / 08 GRUPO I (Cotação = 25 pontos: 1.1-10x2=20 + 1.2-5 pontos) 1. Considera a figura seguinte, que representa o fluxo de energia numa cadeia alimentar.

Leia mais

3) As afirmativas a seguir referem-se ao processo de especiação (formação de novas espécies). Com relação a esse processo é INCORRETO afirmar que

3) As afirmativas a seguir referem-se ao processo de especiação (formação de novas espécies). Com relação a esse processo é INCORRETO afirmar que Exercícios Evolução - parte 2 Professora: Ana Paula Souto Nome: n o : Turma: 1) Selecione no capítulo 7 duas características de defesa de plantas. a) DESCREVA cada característica. b) Para cada característica,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS UNIDADE 1 Conteúdos. UNIDADE 2 Conteúdos

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS UNIDADE 1 Conteúdos. UNIDADE 2 Conteúdos Ser humano: semelhanças e diferenças (características físicas e comportamentais, gostos pessoais) Partes do corpo humano Sentidos humanos: audição, visão, paladar, tato e olfato Cuidados com os órgãos

Leia mais

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Alguns, encobertos pela água. Outros, ativos à noite. A maioria, raramente vista. Os peixes e crustáceos presentes no PV-Sul representam dois grupos de animais presentes

Leia mais

EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (7 ANO)

EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (7 ANO) EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (7 ANO) 1- Uma das etapas do ciclo de vida é o processo da reprodução. O comportamento reprodutivo varia muito entre os seres vivos e é por meio dele que uma espécie de ser vivo

Leia mais

Níveis de Organização

Níveis de Organização Níveis de Organização Indivíduo Átomos Moléculas Células Tecidos Órgãos Sistemas capazes de se cruzarem entre si, originando indivíduos férteis. Ex: Cachorro População: grupo de indivíduos da mesma espécie

Leia mais

Padrão de respostas às questões discursivas

Padrão de respostas às questões discursivas Padrão de respostas às questões discursivas A seguir encontram-se as questões das provas discursivas da 2ª ETAPA do Vestibular UFF 2011, acompanhadas das respostas esperadas pelas bancas. GABARITO BIOLOGIA

Leia mais

BIOLOGIA. Prof. Fred. RELAÇÕES HARMÔNICAS INTRAESPECÍFICAS Como relações harmônicas intraespecíficas podemos citar a colônia e a sociedade.

BIOLOGIA. Prof. Fred. RELAÇÕES HARMÔNICAS INTRAESPECÍFICAS Como relações harmônicas intraespecíficas podemos citar a colônia e a sociedade. BIOLOGIA Prof. Fred RELAÇÕES ECOLÓGICAS Organismos das diferentes espécies, além de interagirem com o meio abiótico em que vivem, interagem com os outros seres vivos presentes no mesmo ambiente. Há diferentes

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

Aula 11 Cadeia alimentar

Aula 11 Cadeia alimentar Aula 11 Cadeia alimentar A biosfera, parte do planeta onde vivem os seres vivos, é formado por ecossistemas. O ecossistema é constituído por comunidade (parte biótica) e os fatores físicos e químicos do

Leia mais

SELEÇÃO MESTRADO 2014 15

SELEÇÃO MESTRADO 2014 15 INSTRUÇÕES: UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO SELEÇÃO MESTRADO 2014 15 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Escreva seu Nome Completo, Número do RG e Número de Inscrição nos espaços indicado abaixo. Não

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA A prova de Biologia da UFPR apresentou uma boa distribuição de conteúdos ao longo das nove questões. O grau de dificuldade variou entre questões médias e fáceis, o que está

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

Ecologia das comunidades

Ecologia das comunidades Ecologia das comunidades Relações ecológicas Intraespecífica ou interespecífica Harmônica ou desarmônica Intraespecíficas harmônicas Disponível em: .

Leia mais

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?...

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?... A U A UL LA Fazendo a digestão Atenção De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis? Nosso corpo é semelhante a um carro. Como você acha que conseguimos energia para viver? Um corpo

Leia mais

IC II - Lab.Geo.Fis. Aula 3. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com

IC II - Lab.Geo.Fis. Aula 3. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com IC II - Lab.Geo.Fis Aula 3 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Sistemas Teoria Geral dos Sistemas Relações entre os elementos dos Ecossistemas Biogeografia e Sistemas

Leia mais

Roteiro de Aula Prática 3º ano Prática 28 Predação e Resposta funcional

Roteiro de Aula Prática 3º ano Prática 28 Predação e Resposta funcional Roteiro de Aula Prática 3º ano Prática 28 Predação e Resposta funcional Pergunta: Qual a importância das relações ecológicas? São as formas de interação entre os diferentes organismos de um ecossistema.

Leia mais

Comer o milho ou a galinha que comeu o milho?

Comer o milho ou a galinha que comeu o milho? Comer o milho ou a galinha que comeu o milho? A UU L AL A Na Aula 29 usamos como exemplo o galinheiro de um fazendeiro. Para alimentar as galinhas, o fazendeiro planta ou compra milho. As galinhas, aproveitando

Leia mais

Dinâmica dos Ecossistemas

Dinâmica dos Ecossistemas UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ECOLOGIA Prof. Oriel Herrera Monitores: John David & Giuliane Sampaio Dinâmica dos Ecossistemas Fortaleza-CE Versão

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

CAPÍTULO 02 A TEIA ALIMENTAR

CAPÍTULO 02 A TEIA ALIMENTAR CAPÍTULO 02 A TEIA ALIMENTAR Cadeia alimentar: é uma seqüência de seres vivos relacionando-se dentro de um ecossistema, onde um ser serve de alimento para outro ser. Exemplo: Capim capivara onça bactéria

Leia mais

35 Como o berne aparece no boi?

35 Como o berne aparece no boi? A U A UL LA Como o berne aparece no boi? A criação de gado requer dos fazendeiros, entre outras coisas, o cuidado com a saúde dos animais, pois os bois são atingidos por muitas doenças. Nesta aula vamos

Leia mais

BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO O ENEM, Exame Nacional do Ensino Médio, em sua versão 2012, apresentará uma redação e 180 questões objetivas, divididas nas quatro áreas do conhecimento: - Ciências

Leia mais