A madeira como substrato para organismos xilófagos -Cupins-

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A madeira como substrato para organismos xilófagos -Cupins-"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS Faculdade de Ciências Agrárias Departamento de Ciências Florestais A madeira como substrato para organismos xilófagos -Cupins- Francisco Tarcísio Moraes Mady

2 Introdução Diversos são os organismos que atacam a madeira para alimentar-se dos carboidratos e demais compostos químicos nela armazenados: Insetos Moluscos Crustáceos Fungos Bactérias A dimensão dos danos depende de uma série de fatores, desde o tipo de xilófago, até o tempo decorrido até serem tomadas as primeiras medidas reparadoras. Xilófago é aquele que se alimenta de madeira; lignívoro(houaiss). do gr. ksúlon,ou (com u = y breve) 'madeira, tronco, árvore. Phagos: alimentar-se 2

3 A madeira como fonte de alimento e abrigo A madeira é um material orgânico cuja constituição é basicamente celulose, hemicelulosese lignina. Além destes, um percentual mínimo do volume é de extrativos (metabólitos secundários) e também, eventualmente, compostos inorgânicos (sílica e cristais). Constituinte Coníferas Folhosas Celulose 42 % ±2% 45 ±2% Hemiceluloses 27% ± 2% 30 ± 5% Lignina 28 ±2% 20 ±4% Extrativos 5 ±3% 3 ±2% 3

4 A madeira como fonte de alimento e abrigo A madeira proporciona diversas vantagens para estes organismos: É uma rica fonte de matéria orgânica É acessível, não requer gastos de energia dispendiosos 4

5 Categorias de xilófagos 1. Insetos Entre os insetos que atacam a madeira estão isópteros, himenópteros, coleópteros, lepidópteros. 5

6 Isópteros Cupins (térmitas). Cerca de espécies catalogadas no mundo. São insetos eussociais(apresentam as sociedades complexas, que compartilham três características: uma sobreposição de gerações em um mesmo ninho, o cuidado cooperativo com a prole, e uma divisão de tarefas (reprodutores e operárias). Ex.: formigas, abelhas, vespas, cupins). Apesar do dano econômico que causam, desempenham papel importante como super decompositores e auxiliares no balanço Carbono-Nitrogênio. 6

7 Isópteros Dividem-se em sete famílias: Mastotermitidae, Hodotermitidae, Termopsidae, Kalotermitidae, Rhinotermitidae, Serritermitidaee Termitidae. As seis primeiras são os chamados cupins "inferiores" (que apresentam protozoários simbiontes para produção da celulase, como a triconinfaou a Mixotrichaparadoxa) e a família Termitidae, que inclui mais de 70% dos cupins do mundo, são os chamados cupins "superiores" (que possuem bactérias para produzirem a sua própria celulase). No Brasil são encontradas apenas as famílias: Kalotermitidae, Rhinotermitidae, Serritermitidae e Termitidae. Trichonympha Mixotricha paradoxa 7

8 Isópteros Os Kalotermitidaesão capazes de viver em madeira seca sem contato com o solo e nunca constroem ninhos. Os Rhinotermitidae são na maioria subterrâneos e se alimentam de madeira. Serritermitidae, até recentemente continha uma única espécie, Serritermesserrifer, que ocorre apenas no Brasil. Novas evidências indicam que Glossotermesoculatus, espécie da Amazônia previamente incluída em Rhinotermitidae, também pertence a Serritermitidae. A família Termitidaeé bastante diversificada, e compreende cerca de 85% das espécies de cupins conhecidas do Brasil. Dentre os Termitidae, alguns são comedores de madeira, de folhas, de húmus, e também cultivadores de fungo (que não ocorrem no Brasil), e muitos constroem ninhos grandes e complexos. 8

9 Isópteros Uma colônia é constituída de um casal reprodutor, rei e rainha, que se ocupa apenas de produzir ovos; de inúmeros operários, que executam todo o trabalho e alimentam as outras castas; e de soldados, que são responsáveis pela defesa da colônia. A dispersão e fundação de novas colônias geralmente ocorre num determinado período do ano, coincidindo com o início da estação chuvosa. Nessa época ocorrem as revoadas de alados (chamados popularmente de siriris ou aleluias), dos quais alguns poucos conseguem se acasalar e fundar uma nova colônia. 9

10 Características principais para o reconhecimento de cada grupo de cupins Coptotermes Reticulitermes Heterotermes Cabeça arredondada e amarelada Mandíbulas longas, finas e retilíneas até seu terço apical Cabeça alongada e amarelada Mandíbulas longas, robustas e sinuosas Cabeça alongada e amarelada Mandíbulas longas, finas e retilíneas até quase o ápice Cyranotermes Cryptotermes Syntermes Cabeça arredondada Mandibulaspequenas e de difícil visualização Nariz bem desenvolvido Cabeça robusta (curta e alta), com a frente bem escura Mandíbulas robustas Cabeça trapezoidal a sub-retangular de cor avermelhada Mandíbulas longas e robustas Cupim grande (lembra uma formiga saúva)

11 Fim. Obrigado. 11

Ordem Isoptera. Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia.

Ordem Isoptera. Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia. Ordem Isoptera Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia. Classificação: Reino: Animal Filo: Artropoda Classe: Insecta Ordem: Isoptera Definição Ordem de

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

Capítulo 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA GERAL E DIVERSIDADE NA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DO PICO DA NEBLINA, SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM

Capítulo 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA GERAL E DIVERSIDADE NA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DO PICO DA NEBLINA, SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM Capítulo 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA GERAL E DIVERSIDADE NA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DO PICO DA NEBLINA, SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM 257 CAPÍTULO 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS 1 MANEJO INTEGRADO DE CUPINS Os cupins são insetos sociais que apresentam castas reprodutoras e não reprodutoras, vivendo em colônias permanentes chamadas de termiteiros ou cupinzeiros. São mastigadores

Leia mais

Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil.

Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil. Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil. Humberto Tufolo Netto Obs: Alguns slides foram produzidos pelo colega: Dr.Ennio Lepage e outros foram cedidos pelo FPInnovations-Forintek-Ca O que é a

Leia mais

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS - Folha 1 Cupins Subterrâneos ou Solo - Biologia Os cupins são também conhecidos por térmitas, formigas brancas (operários), siriris ou aleluias (alados reprodutores). São insetos da ordem Isoptera (iso

Leia mais

Pirâmides de números

Pirâmides de números Fluxo de energia Pirâmides de números COBRA (1) RATO (15) MILHO (100) PROTOZOÁRIOS CUPIM (100) (1) ÁRVORE (1000) ARANHAS (100) MOSCAS (300) (1) BANANA NAO HA PADRAO UNICO!!! - Massa de matéria orgânica

Leia mais

RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS

RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS Julyana Flavia dos Santos Lima¹; Hélida Ferreira da Cunha² ¹Graduanda do curso de Ciências Biológicas -Licenciatura,UnuCET-UEG

Leia mais

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS - Folha 1 Cupins de Madeira Seca - Biologia O Cryptotermes brevis, chamado popularmente de cupim de madeira seca, é um cupim que encontra-se normalmente restrito à peça atacada. Ele não tem capacidade

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS Notas de Aula de ENT 115 Manejo Integrado de Pragas Florestais 1 MANEJO INTEGRADO DE CUPINS Os cupins ou térmitas são insetos da ordem Isoptera, que contêm cerca de 2.750 espécies descritas no mundo. Mais

Leia mais

TUDO O QUE VOCÊ QUER SABER SOBRE CUPINS, MAS NÃO SABIA A QUEM PERGUNTAR

TUDO O QUE VOCÊ QUER SABER SOBRE CUPINS, MAS NÃO SABIA A QUEM PERGUNTAR TUDO O QUE VOCÊ QUER SABER SOBRE CUPINS, MAS NÃO SABIA A QUEM PERGUNTAR BIÓL. GONZALO A. C. LOPEZ IPT CENTRO DE TECNOLOGIA DE RECURSOS FLORESTAIS Laboratório de Árvores, Madeiras e Móveis PROGRAMA MADEIRA

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL AUTORES : CLÁUDIO ANTÔNIO SODÁRIO ALEX SILVEIRA JOSE FRANCISCO RESENDE DA SILVA JURACY

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO.

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. Gracielle Rodrigues da Costa 1 ; Edy Eime Pereira Baraúna 2 ; Renato da Silva Vieira 3 1 Aluno do Curso de

Leia mais

PRINCIPAIS PRAGAS EM GRAMADOS: BIOLOGIA E CONTROLE (CUPINS, FORMIGAS CORTADEIRAS E FORMIGAS LAVA-PÉS)

PRINCIPAIS PRAGAS EM GRAMADOS: BIOLOGIA E CONTROLE (CUPINS, FORMIGAS CORTADEIRAS E FORMIGAS LAVA-PÉS) PRINCIPAIS PRAGAS EM GRAMADOS: BIOLOGIA E CONTROLE (CUPINS, FORMIGAS CORTADEIRAS E FORMIGAS LAVA-PÉS) Francisco José Zorzenon Pesquisador Científico Ana Eugênia Carvalho Campos-Farinha Pesquisador Científico

Leia mais

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais Manuella Rezende Vital Orientado: Prof.

Leia mais

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Introdução Os cupins (Insecta: Isoptera) são organismos

Leia mais

LEVANTAMENTO DE CUPINS EM ESTRUTURAS DE MADEIRAS DE BLOCOS DO MINI-CAMPUS (SETOR-SUL) DA UFAM.

LEVANTAMENTO DE CUPINS EM ESTRUTURAS DE MADEIRAS DE BLOCOS DO MINI-CAMPUS (SETOR-SUL) DA UFAM. LEVANTAMENTO DE CUPINS EM ESTRUTURAS DE MADEIRAS DE BLOCOS DO MINI-CAMPUS (SETOR-SUL) DA UFAM. Manoel Braga de BRITO 1 ; Raimunda Liége Souza de Abreu ; Basílio Frasco VIANEZ 3 1 Bolsista PIBIC/INPA/Fapeam;

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS (ALELOBIOSES) 1- HARMÔNICAS NINGUÉM É PREJUDICADO 3- INTRA-ESPECÍFICAS OU HOMOTÍPICAS OS SERES SÃO DA MESMA ESPÉCIE

RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS (ALELOBIOSES) 1- HARMÔNICAS NINGUÉM É PREJUDICADO 3- INTRA-ESPECÍFICAS OU HOMOTÍPICAS OS SERES SÃO DA MESMA ESPÉCIE RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS (ALELOBIOSES) 1- HARMÔNICAS NINGUÉM É PREJUDICADO 2- DESARMÔNICAS ALGUÉM É PREJUDICADO 3- INTRA-ESPECÍFICAS OU HOMOTÍPICAS OS SERES SÃO DA MESMA ESPÉCIE 4- INTERESPECÍFICAS

Leia mais

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR 1. DESCRIÇÃO DA PRAGA Eles ocorrem em todas as regiões do Brasil e são divididos em rei, rainha, soldados e operários, cada um com um trabalho a fazer. São insetos sociais, operários

Leia mais

LEVANTAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM ÁREA URBANA DE PIRACICABA, SP

LEVANTAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM ÁREA URBANA DE PIRACICABA, SP LEVANTAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM ÁREA URBANA DE PIRACICABA, SP ELIANE SANTOS DA ROCHA ELEOTÉRIO Bióloga Orientador: Prof. Dr. EVÔNEO BERTI FILHO Dissertação apresentada à Escola

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Figura 01 Vista lateral do tronco,mostrando a presença de cupins, gameleira parasita crescendo no centro e ramos epicórmicos oriundos

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS 1 MANEJO INTEGRADO DE CUPINS 1. INTRODUÇÃO RONALD ZANETTI 1 GERALDO ANDRADE CARVALHO 1 ALAN SOUZA-SILVA 2 ALEXANDRE DOS SANTOS 3 MAURÍCIO SEKIGUCHI GODOY 2 Os cupins ou térmitas são insetos da ordem Isoptera,

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota Biologia Ecologia Relações ecológicas Representam as interações entre os seres vivos em um determinado ecossistema. Podem ser divididas

Leia mais

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Introdução As principais estratégias de controle de cupins serão apresentadas a seguir. É interessante frisar, neste momento, que os dados apresentados a seguir

Leia mais

SEMINÁRIO PRÁTICAS A EVITAR EM ENGENHARIA CIVIL E GEOLOGIA DE ENGENHARIA

SEMINÁRIO PRÁTICAS A EVITAR EM ENGENHARIA CIVIL E GEOLOGIA DE ENGENHARIA SEMINÁRIO PRÁTICAS A EVITAR EM ENGENHARIA CIVIL E GEOLOGIA DE ENGENHARIA Laboratório Regional de Engenharia Civil Ponta Delgada 06 de Dezembro de 2013 Catarina Amaral Catarina Amaral 1 INTRODUÇÃO Assuntos:

Leia mais

Dinâmica dos Ecossistemas

Dinâmica dos Ecossistemas UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ECOLOGIA Prof. Oriel Herrera Monitores: John David & Giuliane Sampaio Dinâmica dos Ecossistemas Fortaleza-CE Versão

Leia mais

CUPINS (Insecta: Isoptera) NA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ZONA 1 DE MARINGÁ-PR

CUPINS (Insecta: Isoptera) NA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ZONA 1 DE MARINGÁ-PR Rodríguez, Suárez, Horta e Jácome 87 CUPINS (Insecta: Isoptera) NA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ZONA 1 DE MARINGÁ-PR Felipe Galvão Duarte * Gessé Almeida Santos ** Fábio Rogério Rosado *** Rosilene Luciana Delariva

Leia mais

Bem-vindo!?!? República de cupins

Bem-vindo!?!? República de cupins Bem-vindo!?!? República de cupins Aelton Giroldo, Ana Carolina Ramalho, Claudinei Santos, Degho Ramon, Mariana Caixeta, Renan Janke Introdução Os cupins são insetos de tamanho pequeno a médio (0.4 a 4

Leia mais

Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio

Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio Relações Ecológicas Tema: Ecologia Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio 1) Introdução A interação dos diversos organismos que constituem uma comunidade biológica são genericamente denominadas relações

Leia mais

Anexo VI Lista de espécies registradas de cupins: Isoptera

Anexo VI Lista de espécies registradas de cupins: Isoptera Anexo VI Lista de espécies registradas de cupins: Isoptera Espécies de Cupins (Isoptera) registrados na região de Jirau, Porto Velho, RO. ISOPTERA KALOTERMITIDAE Táxon Nome popular Habitat Calcaritermes

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Ecologia de Ecossistemas. Aula 4: Produtividade e Decomposição

Universidade Federal de Goiás. Ecologia de Ecossistemas. Aula 4: Produtividade e Decomposição Universidade Federal de Goiás Instituto de Ciências Biológicas Dep. Ecologia Prof. Adriano S. Melo - asm.adrimelo@gmail.com Ecologia de Ecossistemas Aula 4: Produtividade e Decomposição Produção primária

Leia mais

REVOADA DE FORMIGAS MARCA PERÍODO DE ACASALAMENTO E REVELA SURTO EM LONDRINA

REVOADA DE FORMIGAS MARCA PERÍODO DE ACASALAMENTO E REVELA SURTO EM LONDRINA Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, 2014. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Edição 35 MMXIV Grupo a REVOADA DE FORMIGAS MARCA PERÍODO DE ACASALAMENTO E REVELA SURTO EM LONDRINA Fábio

Leia mais

Ecossistemas e Saúde Ambiental :: Prof.ª MSC. Dulce Amélia Santos

Ecossistemas e Saúde Ambiental :: Prof.ª MSC. Dulce Amélia Santos Engenharia Civil Disciplina Ecossistemas e Saúde Ambiental Relações Ecológicas Duas Aula- Relações Ecológicas Profª Msc. Dulce Amélia Santos PODEMOS CLASSIFICAR AS RELAÇÕES ECOLÓGICAS EM RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS

Leia mais

Ciclo de Vida do Cupim

Ciclo de Vida do Cupim Geralmente ao entardecer dos dias quentes em algumas épocas do ano, podemos observar as revoadas de cupins ao redor de um ponto luminoso, as formas aladas dos cupins se mostram nos ambientes formando grandes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS-FCA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS E AMBIENTAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS-FCA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS E AMBIENTAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS-FCA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS E AMBIENTAIS ESTUDO DO MECANISMO DA BARREIRA DE AREIA CONTRA Nasutitermes sp. (ISOPTERA:

Leia mais

Traça dos livros. Baratas: Introdução

Traça dos livros. Baratas: Introdução Traça dos livros As traças dos livros, também chamadas de traças prateadas, pertencem à Ordem Thysanura e são insetos que se alimentam de substâncias ricas em proteínas, açúcar ou amido, sendo muito comuns

Leia mais

RICARDO CÉZAR SIQUEIRA CHAVES

RICARDO CÉZAR SIQUEIRA CHAVES UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS - RIO CLARO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS RICARDO CÉZAR SIQUEIRA CHAVES LEVANTAMENTO DE DIFERENTES TÉCNICAS DE CONTROLE DE CUPINS SUBTERRÂNEOS

Leia mais

Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE

Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 3 - Número 2-2º Semestre 2003 Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE [1] Welber Eustáquio de Vasconcelos; [2] Érika

Leia mais

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Atividade de Aprendizagem 19 Broca da madeira Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Interações entre os seres vivos / características e diversidade dos seres vivos / manutenção da vida e integração

Leia mais

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas MOUZER COSTA O que é Ecologia? É a parte da Biologia que estuda as relações dos seres vivos entre si e com o ambiente. Conceitos Básicos Espécie População

Leia mais

Benefícios do uso da madeira plantada na construção. Humberto T u f o l o C o n s u l t o r i a

Benefícios do uso da madeira plantada na construção. Humberto T u f o l o C o n s u l t o r i a Benefícios do uso da madeira plantada na construção Humberto O que é a madeira? Humberto A madeira é um polímero natural resultante do processo de fotossíntese pelo qual as plantas convertem energia radiante

Leia mais

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas Mateco - UCP - Civil Madeiras na Construção Civil: Aplicações estruturais; Telhados; Sustentação (vigas, colunas e pisos) Aplicações em revestimentos; Aplicação em esquadrias; Aplicações no mobiliário;

Leia mais

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOSSANIDADE E BIOTECNOLOGIA APLICADA DISSERTAÇÃO

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOSSANIDADE E BIOTECNOLOGIA APLICADA DISSERTAÇÃO UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOSSANIDADE E BIOTECNOLOGIA APLICADA DISSERTAÇÃO Susceptibilidade de Cinco Essências Florestais (Quatro Nativas e Uma Exótica) à Ação do Cupim Subterrâneo

Leia mais

Metabolismo da Celulose em Isoptera

Metabolismo da Celulose em Isoptera Pesquisa Metabolismo da Celulose em Isoptera Como agem os flagelados que nidificam o intestino de cupins inferiores Marcos Barros de Medeiros Prof. Dr., Departamento de Agropecuária Centro de Formação

Leia mais

REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO

REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO FIGURA 1. Indivíduo arbóreo da espécie Munguba com o estado fitossanitário comprometido. FIGURA 2. Vista da parte aérea demonstrando a ausência de folhas.

Leia mais

Domingo é dia de macarronada

Domingo é dia de macarronada Domingo é dia de macarronada Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / ser humano e saúde Tema Interações entre os seres vivos / o caminho cíclico dos materiais no ambiente / interação entre os seres vivos

Leia mais

Por que os alimentos estragam? Introdução. Materiais Necessários

Por que os alimentos estragam? Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução Quando deixamos um alimento aberto ou fora da geladeira por alguns dias, ele estraga. Aparece mofo, bolor e, dependendo da quantidade de tempo, pode aparecer até larvas. O tipo de alimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Thiago Santos Variação Temporal da Atividade de Forrageio de Cupins (Insecta, Isoptera) sobre Iscas de Papel Higiênico

Leia mais

Ecologia: interações ecológicas

Ecologia: interações ecológicas FACULDADES OSWALDO CRUZ Curso: Engenharia Ambiental Disciplina: Microbiologia Aplicada Prof a MsC. Vanessa Garcia Aula 12 (2º semestre): Ecologia: interações ecológicas Objetivos: analisar os principais

Leia mais

MARCELO XISTO RIBEIRO. RESISTÊNCIA DE PAINÉIS AGLOMERADOS A CUPINS DE MADEIRA SECA (Cryptotermes brevis)

MARCELO XISTO RIBEIRO. RESISTÊNCIA DE PAINÉIS AGLOMERADOS A CUPINS DE MADEIRA SECA (Cryptotermes brevis) MARCELO XISTO RIBEIRO RESISTÊNCIA DE PAINÉIS AGLOMERADOS A CUPINS DE MADEIRA SECA (Cryptotermes brevis) LAVRAS MG 2011 MARCELO XISTO RIBEIRO RESISTÊNCIA DE PAINÉIS AGLOMERADOS A CUPINS DE MADEIRA SECA

Leia mais

O que é? Swarm Intelligence. Qual a origem? Cardume. Qualquer tentativa de projetar algoritmos ou técnicas de resolução distribuída de

O que é? Swarm Intelligence. Qual a origem? Cardume. Qualquer tentativa de projetar algoritmos ou técnicas de resolução distribuída de O que é? Swarm Intelligence (Inteligência oletiva) Prof. Luis Otavio lvares Qualquer tentativa de projetar algoritmos ou técnicas de resolução distribuída de problemas inspirada pelo comportamento coletivo

Leia mais

Ciências Naturais. Fluxo de Energia nos Ecossistemas teste de verificação da aprendizagem

Ciências Naturais. Fluxo de Energia nos Ecossistemas teste de verificação da aprendizagem Ciências Naturais 8º ano Fluxo de Energia nos Ecossistemas teste de verificação da aprendizagem 1 O que representa a imagem seguinte? A. Uma sucessão ecológica. B. Uma teia aliemntar. C. Uma pirâmide ecológica.

Leia mais

MADEIRAS MCC1001 AULA 12

MADEIRAS MCC1001 AULA 12 MADEIRAS MCC1001 AULA 12 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil MADEIRAS É um material

Leia mais

Relações Ecológicas. Essa interação entre os seres vivos é chamada de relação ecológica.

Relações Ecológicas. Essa interação entre os seres vivos é chamada de relação ecológica. Relações Ecológicas Relações Ecológicas Os seres vivos de diferentes espécies, além de interagirem com o meio abiótico em que vivem, também se interagem com os outros seres vivos presentes num mesmo local.

Leia mais

Hábitos Alimentares de Cupins Sul-Americanos da Família Termitidae (Insecta: Isoptera)

Hábitos Alimentares de Cupins Sul-Americanos da Família Termitidae (Insecta: Isoptera) UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL Hábitos Alimentares de Cupins Sul-Americanos da Família Termitidae (Insecta: Isoptera) Pollyane Barbosa

Leia mais

Paisagens da Avenida A. C. M. Em São Felipe-BA com a plantação das árvores.

Paisagens da Avenida A. C. M. Em São Felipe-BA com a plantação das árvores. .Infelizmente no entanto, devido a sua popularidade, o ficus vêm sendo implantado em locais impróprios, como em calçadas, ruas e próximo a muros e construções, Com o desenvolvimento da árvore, as raízes

Leia mais

Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim.

Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim. Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim. WINDER, A. R. S. da. 1, COUTO, L. P. P. 1, SILVA A. R. da. 2, BELLIZZI, N. C. 1 BARBOSA. E. S 1. 1 Docente e acadêmicos do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

FLÁVIO URBANO BARBOSA MÉTODOS DE CONTROLE DE CUPINS SUBTERRÂNEOS EM ÁREAS URBANAS

FLÁVIO URBANO BARBOSA MÉTODOS DE CONTROLE DE CUPINS SUBTERRÂNEOS EM ÁREAS URBANAS FLÁVIO URBANO BARBOSA MÉTODOS DE CONTROLE DE CUPINS SUBTERRÂNEOS EM ÁREAS URBANAS Monografia apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu

Leia mais

Pragas Urbanas Mosquitos:

Pragas Urbanas Mosquitos: Pragas Urbanas Eles são pequenos em tamanho, mas têm potencial para tirar qualquer marmanjo do sério. Atire a primeira pedra quem nunca se perguntou para que servem pernilongos, baratas, formigas e cupins,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PROGRAMA MULTI-INSTITUCIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PROGRAMA MULTI-INSTITUCIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PROGRAMA MULTI-INSTITUCIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CONTROLE BIOLÓGICO DE Nasutitermes corniger (Motschulsky) (Isoptera:Termitidade) POR FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS:

Leia mais

Anais do 1º Simpósio do Cone Sul sobre Manejo de Pragas e Doenças de Pinus

Anais do 1º Simpósio do Cone Sul sobre Manejo de Pragas e Doenças de Pinus SÉRIE TÉCNICA IPEF, v. 13, n. 33, março, 2000 ISSN 0100-8137 Anais do 1º Simpósio do Cone Sul sobre Manejo de Pragas e Doenças de Pinus Carlos Frederico Wilcken, coord. Alberto Jorge Laranjeiro, coord.

Leia mais

Aula 11 Cadeia alimentar

Aula 11 Cadeia alimentar Aula 11 Cadeia alimentar A biosfera, parte do planeta onde vivem os seres vivos, é formado por ecossistemas. O ecossistema é constituído por comunidade (parte biótica) e os fatores físicos e químicos do

Leia mais

Conceitos Ecológicos. Prof. Dr. Mauro Parolin

Conceitos Ecológicos. Prof. Dr. Mauro Parolin Conceitos Ecológicos Prof. Dr. Mauro Parolin Hábitat [1] ou habitat (do latim, ele habita) é um conceito usado em ecologia que inclui o espaço físico e os fatores abióticos que condicionam um ecossistema

Leia mais

Por tanto, a presente pesquisa objetiva avaliar o potencial térmiticida do extrato bruto obtido a apartir do carpóforo de Pycnoporus sanguineus

Por tanto, a presente pesquisa objetiva avaliar o potencial térmiticida do extrato bruto obtido a apartir do carpóforo de Pycnoporus sanguineus INTRODUÇÃO Os cupins ou térmita são insetos eusociais da ordem Isoptera, com cerca de 2.800 espécies catalogadas no mundo. No Brasil, as principais famílias encontradas são: Kalotermitidae, Termopsidae,

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Ação de cupins de madeira seca (Cryptotermes brevis) e de solo (Nasutitermes corniger) nas madeiras termorretificadas de Pinus taeda

Leia mais

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne.

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne. FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA:

Leia mais

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros Necessidades básicas O planeta oferece meios que satisfaçam as necessidades básicas dos seres vivos. Necessidades básicas dos

Leia mais

1. Filogenia, biogeografia e ecologia das térmitas

1. Filogenia, biogeografia e ecologia das térmitas 1. Filogenia, biogeografia e ecologia das térmitas dos Açores (Phylogeny, biogeography and ecology of Azorean termites) Timothy G. Myles 1, Paulo A. V. Borges 2, Maria Ferreira 2, Orlando Guerreiro 2,

Leia mais

SDO Informação SDO. Faculdade de Odontologia da USP Ano 5 - n. 4 - Outubro de 2004. Solange Alves Otto Franco solotto@usp.br

SDO Informação SDO. Faculdade de Odontologia da USP Ano 5 - n. 4 - Outubro de 2004. Solange Alves Otto Franco solotto@usp.br SDO Informação SDO Faculdade de Odontologia da USP Ano 5 - n. 4 - Outubro de 2004 http//www.fo.usp..usp.br/sdo Solange Alves Otto Franco solotto@usp.br Todos temem a presença de cupins em qualquer ambiente.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Madeiras Estrutura da Madeira Estrutura da Madeira cerne (2) Porção mais clara, na parte externa, que corresponde

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ 3º ANO- ENSINO MÉDIO BIOLOGIA PROFESSORA VANESCA 2015

COLÉGIO SÃO JOSÉ 3º ANO- ENSINO MÉDIO BIOLOGIA PROFESSORA VANESCA 2015 COLÉGIO SÃO JOSÉ 3º ANO- ENSINO MÉDIO BIOLOGIA PROFESSORA VANESCA 2015 ECOLOGIA Introdução, Cadeias alimentares, Matéria e Energia no Ecossistema. O termo ECOLOGIA foi empregado pela 1ª vez por E. Haeckel,

Leia mais

Produtos naturais e fungos entomopatogênicos para o manejo de Coptotermes gestroi (Isoptera: Rhinotermitidae) em árvores de área urbana

Produtos naturais e fungos entomopatogênicos para o manejo de Coptotermes gestroi (Isoptera: Rhinotermitidae) em árvores de área urbana Produtos naturais e fungos entomopatogênicos para o manejo de Coptotermes gestroi (Isoptera: Rhinotermitidae) em árvores de área urbana Talita Vieira Zampieri Mikola INSTITUTO BIOLÓGICO PÓS-GRADUAÇÃO PRODUTOS

Leia mais

Ciência Florestal, Santa Maria, v.10, n.1, p.125-139 125 ISSN 0103-9954

Ciência Florestal, Santa Maria, v.10, n.1, p.125-139 125 ISSN 0103-9954 Ciência Florestal, Santa Maria, v.10, n.1, p.125-139 125 ISSN 0103-9954 LEVANTAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM ÁREA URBANA DE PIRACICABA - SP SURVEY AND IDENTIFICATION OF TERMITES

Leia mais

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc.

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. Universidade Católica de Petrópolis Engenharia Civil Parte VI Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. UCP Mateco - Civil Programa: 1. Aglomerantes; Asfaltos, cal, gesso e cimentos;

Leia mais

Delza - Ciências 6ª Série RECUPERAÇÂO. QUESTÃO 1 (Descritor: associar características básicas à classificação dos seres vivos.)

Delza - Ciências 6ª Série RECUPERAÇÂO. QUESTÃO 1 (Descritor: associar características básicas à classificação dos seres vivos.) Delza - Ciências 6ª Série RECUPERAÇÂO QUESTÃO 1 (Descritor: associar características básicas à classificação dos seres vivos.) Assunto: Classificação dos seres vivos Os cientistas estabeleceram um sistema

Leia mais

Biologia, danos e controle de cupins em eucalipto

Biologia, danos e controle de cupins em eucalipto unesp Biologia, danos e controle de cupins em eucalipto Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu. 1. Introdução Os cupins são considerados pragas em plantações florestais em toda a região tropical, sendo

Leia mais

Matéria e Energia no Ecossistema

Matéria e Energia no Ecossistema Matéria e Energia no Ecossistema Qualquer unidade que inclua a totalidade dos organismos (comunidade) de uma área determinada, interagindo com o ambiente físico, formando uma corrente de energia que conduza

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

Agentes biológicos. Texto extraído e adaptado do "Manual de Preservação de Documentos", coordenação de Ingrid Beck, Arquivo Nacional, 1991.

Agentes biológicos. Texto extraído e adaptado do Manual de Preservação de Documentos, coordenação de Ingrid Beck, Arquivo Nacional, 1991. Agentes biológicos Texto extraído e adaptado do "Manual de Preservação de Documentos", coordenação de Ingrid Beck, Arquivo Nacional, 1991. Os ambientes úmidos, quentes, escuros e de pouca ventilação são

Leia mais

COMUNIDADES DE TÉRMITES EM PLANTAÇÕES DE EUCALIPTO

COMUNIDADES DE TÉRMITES EM PLANTAÇÕES DE EUCALIPTO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E ESTUDOS EM RECURSOS NATURAIS COMUNIDADES DE TÉRMITES EM PLANTAÇÕES DE EUCALIPTO

Leia mais

Tratamento atóxico para a desinfestação de acervos bibliográficos

Tratamento atóxico para a desinfestação de acervos bibliográficos Museu de Astronomia e Ciências Afins MAST / MCT Curso de Pós Graduação em Preservação de Acervos de C&T PPACT O MÉTODO DE ATMOSFERA ANÓXIA: Tratamento atóxico para a desinfestação de acervos bibliográficos

Leia mais

Relações Harmônicas (Não há prejuízo)- Homotípicas (Seres da mesma espécie) -Colônia Indivíduos unidos fisicamente.

Relações Harmônicas (Não há prejuízo)- Homotípicas (Seres da mesma espécie) -Colônia Indivíduos unidos fisicamente. RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES ECOLÓGICAS - As relações ecológicas são aquelas que se manifestam em diferentes populações de um ecossistema que pode ocorrer em indivíduos de uma mesma espécie ou não. Relações

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

PROFESSOR: Leonardo Mariscal

PROFESSOR: Leonardo Mariscal PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== 01- O aumento da poluição

Leia mais

FLUXO DE ENERGIA E CICLOS DE MATÉRIA

FLUXO DE ENERGIA E CICLOS DE MATÉRIA FLUXO DE ENERGIA E CICLOS DE MATÉRIA Todos os organismos necessitam de energia para realizar as suas funções vitais. A energia necessária para a vida na Terra provém praticamente toda do sol. Contudo,

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ÁRVORES LENHOSAS NA RESERVA DO CEAGRO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA

LEVANTAMENTO DAS ÁRVORES LENHOSAS NA RESERVA DO CEAGRO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA III Congresso Brasileiro Gestão Ambiental LEVANTAMENTO DAS ÁRVORES LENHOSAS NA RESERVA DO CEAGRO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA Kacieny Sousa Oliveira Intituto Feral do Pará Campos Conceição do

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOSSANIDADE E BIOTECNOLOGIA APLICADA

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOSSANIDADE E BIOTECNOLOGIA APLICADA UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOSSANIDADE E BIOTECNOLOGIA APLICADA DISSERTAÇÃO Ocorrência e Preferência Alimentar de Térmitas (Insecta: Isoptera) Associados a Espécies Florestais

Leia mais

Maxillaria silvana Campacci

Maxillaria silvana Campacci Ecologia Aula 1 Habitat É o lugar que reúne as melhores condições de vida para uma espécie. Temperatura, quantidade de água, intensidade da luz solar e tipo de solo determinam se o habitat é adequado ao

Leia mais

RESISTÊNCIA DA MADEIRA DE QUATRO ESSÊNCIAS UTILIZADAS NA ARBORIZAÇÃO URBANA A Coptotermes gestroi (WASMANN, 1896)

RESISTÊNCIA DA MADEIRA DE QUATRO ESSÊNCIAS UTILIZADAS NA ARBORIZAÇÃO URBANA A Coptotermes gestroi (WASMANN, 1896) RESISTÊNCIA DA MADEIRA DE QUATRO ESSÊNCIAS UTILIZADAS NA ARBORIZAÇÃO URBANA A Coptotermes gestroi (WASMANN, 1896) Felipe Marauê Marques Tieppo 1, Henrique Trevisan 2, Acacio Geraldo de Carvalho 3. RESUMO

Leia mais

Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil.

Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil. Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil. Humberto Tufolo Netto Obs: Alguns slides foram produzidos pelo colega: Dr.Ennio Lepage e outros foram cedidos pelo FPInnovations-Forintek-Ca O que é a

Leia mais

Cód. 30 Engenheiro II - Agrônomo

Cód. 30 Engenheiro II - Agrônomo PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRÉ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO E MODERNIZAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO - 08/2011 Cód. 30 Engenheiro II - Agrônomo 1. Das afirmações abaixo: I - São consideradas árvores

Leia mais

U F R R J INSTITUTO DE FLORESTAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E FLORESTAIS DISSERTAÇÃO

U F R R J INSTITUTO DE FLORESTAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E FLORESTAIS DISSERTAÇÃO U F R R J INSTITUTO DE FLORESTAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E FLORESTAIS DISSERTAÇÃO Eficiência de Inseticidas para Preservar Madeira Contra Danos de Cupim Subterrâneo Mario Cantizani

Leia mais

SEMINÁRIO SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA O CONTROLO DA TÉRMITA DE MADEIRA SECA

SEMINÁRIO SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA O CONTROLO DA TÉRMITA DE MADEIRA SECA SEMINÁRIO SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA O CONTROLO DA TÉRMITA DE MADEIRA SECA Laboratório Regional de Engenharia Civil Ponta Delgada 12 de junho de 2012 Catarina Amaral 12 Junho de 2012 Catarina Amaral 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Caatinga. Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas

Caatinga. Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas Caatinga Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas ceas ou xerófitas (plantas adaptadas a ambientes secos). Caatinga As espécies

Leia mais

Giovana Daniele Belucci

Giovana Daniele Belucci UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS - RIO CLARO Ciências Biológicas Giovana Daniele Belucci SELEÇÃO DE DIETAS ARTIFICIAIS PARA MANUTENÇÃO EM LABORATÓRIO DO CUPIM

Leia mais

Insetos e Microrganismos. BAN 160 Entomologia Geral Insetos e Microrganismos. Sam Elliot. Insetos e Microrganismos TIPOS DE MICRORGANISMOS

Insetos e Microrganismos. BAN 160 Entomologia Geral Insetos e Microrganismos. Sam Elliot. Insetos e Microrganismos TIPOS DE MICRORGANISMOS BAN 160 Entomologia Geral Fenótipo Extendido e Teias Alimentares Exemplos Sam Elliot Vírus TIPOS DE MICRORGANISMOS Bactérias Protozoários 1 Vírus Eucariota (ex. Protozoário, Levedura) Fungos (incl. Leveduras)

Leia mais

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 Questão 1) Abaixo representa uma experiência com crisântemo, em que a planta foi iluminada, conforme mostra o esquema. Com base no esquema e seus conhecimentos,

Leia mais