A s s o c i a ç ã o F r a u n h o f e r P o r t u g a l R e s e a r c h RELATÓRIO DE GESTÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A s s o c i a ç ã o F r a u n h o f e r P o r t u g a l R e s e a r c h RELATÓRIO DE GESTÃO"

Transcrição

1 A s s o c i a ç ã o F r a u n h o f e r P o r t u g a l R e s e a r c h RELATÓRIO DE GESTÃO

2 2

3 RELATÓRIO DE GESTÃO

4 Prefácio FR AUNHOFER: UMA NOVA AMBIÇ ÃO PAR A A I&D EM PORTUGAL Portugal, através do seu Governo, e a Alemanha, através da Fraunhofer-Gesellschaft, decidiram explorar interesses comuns nas áreas da ciência e tecnologia, tendo para tal acordado numa colaboração de longo prazo. No âmbito desta colaboração, a Associação Fraunhofer Portugal Research foi fundada com o objectivo de adoptando o indiscutivelmente bem sucedido modelo aplicado pela Fraunhofer Gesellschaft na Alemanha deter e operar o Fraunhofer Portugal Research Center For Assistive Information and Communication Solutions (AICOS). Alavancando uma importante parceria com a Universidade do Porto, o Centro AICOS é uma organização focada na investigação e desenvolvimento de soluções baseadas em Tecnologias da Informação e Comunicação dirigidas a dois grandes segmentos: populações envelhecidas e populações de países em desenvolvimento. As lições e impressões recolhidas dos primeiros contactos com o mercado desenvolvidos ao longo do ano de 2009 foram alvo de uma reflexão conjunta pelos Cientistas, Direcção, e colegas da Alemanha, da qual resultou realinhamento do enfoque das actividades do Centro AICOS. O foco das actividades do Centro AICOS será descrito numa Agenda de Investigação Estratégica (Strategic Research Agenda - SRA), envolvendo tópicos específicos, agrupados em três áreas principais de investigação aplicadas a dois grandes segmentos de utilizadores: populações seniores ou envelhecidas e populações de países em vias de desenvolvimento : i. Interacção Homem - Computador (HCI - Human Computer Interaction): ii. iii. Experiência social e de utilizador Novos Dispositivos móveis Avaliação & Usabilidade Processamento de Informação: Sensibilidade ao contexto Recolha de informação Fusão de informação multimodal Computação autonómica: Gestão remota e autónoma Configuração Controlo 1

5 É importante compreender que o AICOS vai monitorizar de forma rigorosa o resultado das suas actividades sendo possível uma mudança nos tópicos atrás referidos, caso o mercado assim o determine. Além disso, e tendo em mente os nossos grupos de utilizadores alvo, devemos servir em primeiro lugar as necessidades dos nossos clientes, utilizando os resultados dos nossos projectos relacionados com esses grupos em vez de limitar as nossas actividades a clientes que se ajustem perfeitamente. De maneira a endereçar áreas e tópicos que ainda não figurem nas agendas de curto prazo dos nossos clientes, e a dotar a nossa equipa com as competências que no médio prazo serão úteis às suas estratégias, iremos apostar em programas nacionais e internacionais de I&D, bem como em projectos internos, que nos permitam adquirir a competência e o conhecimento necessários a sermos reconhecidos como especialistas na área. Assim sendo, sentimo-nos preparados para enfrentar o grande desafio que o ambiente macro económico nos coloca, partindo do princípio que teremos a oportunidade de implementar as nossas actividades nas instalações que deveriam ter sido providenciadas em 2008, uma vez que em nosso entender, o desempenho no ano de 2010 será um indicador fundamental sobre o nosso futuro desenvolvimento, nomeadamente nos dois próximos anos, e na avaliação posterior dos 5 anos iniciais da actividade. 2

6 Índice 3

7 1 PREFÁCIO 5 MODELO DE FINANCIAMENTO 7 IDENTIFICAÇÃO SUMÁRIA DA ASSOCIAÇÃO 17 MENSAGEM DO PRESIDENTE DA DIRECÇÃO EXECUTIVA 21 O MERCADO DA I&D 39 A NOSSA GESTÃO 47 O NOSSO MODELO DE GOVERNAÇÃO 54 LOCALIZAÇÃO 4

8 Modelo de Financiamento 5

9 A Fraunhofer-Gesellschaft e a FCT acordaram num modelo de financiamento segundo o qual, ao longo da fase de arranque, a FhP deverá evoluir para o modelo tripartido de financiamento que a Sociedade Fraunhofer utiliza na Alemanha. Deste modo, de forma a garantir o financiamento da actividade da Associação e do centro AI- COS durante a fase de arranque do projecto (5 anos), a Associação será alvo um Financiamento Institucional sob a forma de subvenções por parte da FCT e da Fraunhofer-Gesellschaft. O Financiamento Institucional é atribuído com o objectivo de reforçar a capacidade científica e tecnológica nacional num contexto europeu, bem como a atrair recursos humanos qualificados. A linha orientadora do Financiamento Institucional determina que este deve ser concedido em montantes progressivamente menores ao longo dos primeiros cinco anos de operação, criando assim a necessidade de que a Fraunhofer Portugal adopte um modelo de negócio eficiente, primordialmente financiado através de receitas oriundas de Projectos de Investigação realizados com entidades externas. As receitas externas deverão ser asseguradas através de receitas de projectos de investigação e projectos de desenvolvimento tecnológico e/ou contratos a celebrar com terceiros no seu campo de actuação; receitas de direitos de propriedade intelectual; receitas de licenças para exploração comercial de produtos resultantes de investigação própria. 6

10 Identificação Sumária da Associação 7

11 Os Nossos Valores Perfil Corporativo Estrutura da Fraunhofer em Portugal Fraunhofer Portugal AICOS Associados Fundadores 8

12 identific aç ão sumária da associaç ão A Fraunhofer Portugal é uma organização focada na investigação e desenvolvimento de soluções tecnologias, processos, protótipos e serviços para os grandes desafios que a sociedade irá enfrentar no futuro. Para tal, a Fraunhofer Portugal espera manter um enfoque nas empresas como parceiros, promovendo e desenvolvendo actividades de investigação aplicada num contexto internacional, com utilidade directa para organizações privadas e públicas e oferecendo um benefício alargado à sociedade como um todo. Através do desenvolvimento de inovações tecnológicas e de novas soluções para sistemas dos nossos clientes, a Fraunhofer Portugal espera reforçar a capacidade competitiva da economia da região onde se insere, do país e da Europa como um todos. Partilhamos uma ambição sermos capazes de adicionar capacidades de I&D Aplicada verdadeiramente baseadas nas necessidades do mercado ao panorama da I&D Portuguesa. Queremos contribuir para alterar o paradigma relativamente à inovação de base tecnológica efectuada em colaboração com as entidades do STCN, e procuramos afirmar-nos como agente de mudança na interface entre a empresa e a ciência. No quadro dos dois grandes tópicos aos quais dedicamos a nossa actividade Ambient Assisted Living (AAL) e Information and Communication Technologies for Developing Countries (ICT4D) - a variedade de temas a que dedicamos os nossos projectos saúde e bem-estar, segurança, energia, comunicações, ambiente e mobilidade é a demonstração cabal do enfoque que colocamos nas pessoas, nas suas reais necessidades, e do impacto que estas têm no nosso processo criativo, nas ideias que exploramos e nos projectos de I&D que desenvolvemos. 9

13 Aos utilizadores das nossas soluções oferecemos um incremento na sua qualidade de vida ao desenvolver soluções relevantes mas sobretudo práticas para as suas necessidades. Aos nossos clientes industriais oferecemos capacidades de incremento das suas dinâmicas de inovação através do enfoque que os nossos esforços de I&D colocam na disponibilização de novos produtos e serviços capazes de contribuir para uma maior diferenciação e internacionalização dos seus negócios. A todos aqueles que investem na promoção do Sistema Científico e Tecnológico Nacional, oferecemos uma colaboração empenhada em contribuir para a crescente qualificação dos nossos recursos humanos, permitindo a estudantes e cientistas portugueses o envolvimento em actividades de I&D orientadas para o mercado e à aplicação prática do conhecimento científico gerado. 10

14 identific aç ão sumária da associaç ão Os Nossos Valores O sucesso do Fraunhofer AICOS é construído na partilha de um conjunto de valores que agregam e mobilizam a acção da organização: Enfoque no mercado acima de tudo, o nosso enfoque está no mercado! Através das janelas do nosso laboratório, mantemos um olhar proactivo sobre a nossa envolvente, sempre atentos a novas descobertas científicas ou tendências emergentes que abram janelas de oportunidade aos negócios dos nossos clientes e, principalmente, aos utilizadores finais das soluções desenvolvidas em conjunto com aqueles. Temos a consciência do impacto que esta atitude pode ter nas direcções que tomamos nas actividades de I&D, e premiamos explicitamente os comportamentos que contribuam para o reforço desta dinâmica. Utilidade das soluções desenvolvidas O nosso trabalho alavanca em tecnologias numa fase do seu ciclo de vida que começa a dar sinais de atingir a massa critica necessária à sua incorporação, com racional económico, nos portfolios e estratégias de desenvolvimento de produto das empresas. Assumimos o compromisso de desenvolver soluções de I&D que satisfaçam as necessidades dos seus utilizadores, e permitam à FhP o afirmar a sua capacidade de criar valor através da inovação de base tecnológica. Ética valorizamos um comportamento baseado na honestidade e na sinceridade das relações profissionais quotidianas que deverá emergir do respeito pelas opiniões individuais, bem como pela forma como estas contribuem e, sobretudo, como convivem com o necessário compromisso colectivo. Responsabilidade social Procuramos ser fonte de inspiração e causar um impacto positivo na sociedade através do modo como a nossa I&D for capaz de contribuir para a melhoria da sustentabilidade e da qualidade de vida das pessoas. Os nossos colaboradores procuram o sentimento de orgulho em pertencer a uma instituição que se mostre útil à sociedade. Atitude construtiva e positiva Reconhecemos que a I&D é uma actividade sujeita a desafios diversos, cuja permanente evolução poderá implicar que algumas das opções de I&D se revelem menos acertadas. Nesse sentido, cultivamos uma mentalidade aberta, orientada ao trabalho em equipa, que procura maximizar os benefícios 11

15 Perfil Corporativo A Associação Fraunhofer Portugal Research é uma pessoa colectiva de direito privado sem fins lucrativos que detém e opera Instituições de Investigação Científica que, de acordo com o estabelecido no D.L. nº 125/99, constituam núcleos autónomos, não personificados, da Associação. É sob esta forma jurídica que a Associação detém e opera hoje o Fraunhofer AICOS, unidade de I&D aplicada na área das tecnologias da informação e da comunicação. Os estatutos da Associação contemplam ainda a possibilidade de criação de outras unidades de investigação sempre que a Associação detecte no mercado uma procura sustentada de serviços de I&D aplicada numa determinada área do conhecimento científico. 12

16 identific aç ão sumária da associaç ão Estrutura da Fraunhofer em Portugal Associados fundadores da fhp FhG Fraunhofer-Gesellschaft zur Förderung der Angewandten Forschung CCILA Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã FhP Associação Fraunhofer Portugal Research FhP-AICOS Fraunhofer Portugal Research Center for Assistive Information and Communication Solutions Fraunhofer Portugal AICOS O grande propósito das pessoas que constituem o Fraunhofer AICOS é contribuir para a democratização do acesso à Sociedade da Informação e do Conhecimento (SIC), através do desenvolvimento de soluções de I&D aplicada na área das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) fortemente orientadas aos mercados, às empresas e às necessidades dos seus clientes. O Fraunhofer AICOS, pelo seu enfoque nas áreas das Soluções Assistidas de Informação e Comunicação, constitui uma nova abordagem da Fraunhofer-Gesellschaft às TICs, e contribui para a criação de competências numa área de grande relevância para o futuro colectivo da Europa: o Ambient Assisted Living (AAL). Desenvolver I&D na área do AAL significa oferecer aos utilizadores das soluções especialmente pessoas idosas e desfavorecidas - um incremento na sua qualidade de vida, permitir uma maior democratização do acesso às TICs, reduzir barreiras a uma maior (e melhor) utilização da tecnologia, e aumentar a participação destes segmentos na Sociedade da Informação e do Conhecimento (SIC). 13

17 As lições e impressões recolhidas dos primeiros contactos com o mercado desenvolvidos ao longo do ano de 2009 foram alvo de uma reflexão conjunta pelos Cientistas, Direcção, e colegas da Alemanha, da qual resultou um realinhamento do enfoque das actividades do Centro AICOS. O foco das actividades do Centro AICOS será descrito numa Agenda de Investigação Estratégica (Strategic Research Agenda - SRA), envolvendo tópicos específicos, agrupados em três áreas principais de investigação aplicadas a dois grandes segmentos de utilizadores: populações seniores ou envelhecidas e populações de países em vias de desenvolvimento : i. Interacção Homem - Computador (HCI - Human Computer Interaction): Experiência social e de utilizador Novos Dispositivos móveis Avaliação & Usabilidade ii. Processamento de Informação: Sensibilidade ao contexto Recolha de informação Fusão de informação multimodal iii. Computação autonómica: Gestão remota e autónoma Configuração Controlo É importante compreender que o AICOS vai monitorizar de forma rigorosa o resultado das suas actividades, sendo possível uma mudança nos tópicos atrás referidos, caso o mercado assim o determine. Além disso, e tendo em mente os nossos grupos de utilizadores alvo, devemos servir em primeiro lugar as necessidades dos nossos clientes, utilizando os resultados dos nossos projectos relacionados com esses grupos em vez de limitar as nossas actividades a clientes que se ajustem perfeitamente. De maneira a endereçar áreas e tópicos que ainda não figurem nas agendas de curto prazo dos nossos clientes, e a dotar a nossa equipa com as competências que no médio prazo serão úteis às suas estratégias, iremos apostar em programas nacionais e internacionais de I&D, bem como em projectos internos, que nos permitam adquirir a competência e o conhecimento necessários a sermos reconhecidos como especialistas na área. 14

18 identific aç ão sumária da associaç ão Associados Fundadores Fraunhofer-Gesellschaft O lema Investigação com Utilidade Prática serve de referência central para todas as actividades desenvolvidas pela Fraunhofer-Gesellschaft (FhG). Fundada em 1949, a FhG realiza investigação aplicada promotora de desenvolvimento económico, gerando benefícios para a sociedade como um todo. Os seus serviços são solicitados por clientes e parceiros na indústria, no sector dos serviços e na administração pública. A FhG tem de momento mais de 80 centros de investigação na Alemanha, incluindo 59 Institutos Fraunhofer. A maioria dos seus colaboradores é composta por cientistas e engenheiros qualificados, trabalhando com um orçamento de investigação anual de 1,6 mil milhões. Deste valor, mais de 1,3 mil milhões são gerados através de investigação contratada. Dois terços das receitas de investigação contratada à sociedade Fraunhofer derivam de contratos com a indústria e do financiamento público de projectos de investigação. Apenas um terço desse valor resulta da contribuição do governo federal e governos regionais sob a forma de financiamento institucional, permitindo aos institutos trabalhar em soluções para problemas que só serão totalmente relevantes para a indústria e para a sociedade num prazo de cinco a dez anos. A investigação aplicada tem um efeito multiplicador que se estende para além dos benefícios directos percebidos pelo cliente: Através do seu trabalho de investigação e desenvolvimento, os institutos Fraunhofer ajudam a fortalecer a competitividade da economia da região onde estão localizados, bem como da Alemanha e da Europa como um todo. Esse fortalecimento é efectivado através da promoção da inovação, do reforço da base tecnológica, da melhoria da aceitação de novas tecnologias e o apoio na formação da tão necessária geração futura de cientistas e engenheiros. Como empregador, a FhG oferece aos seus colaboradores a oportunidade de desenvolverem as suas aptidões profissionais e pessoais que lhes permitirão ocupar posições de responsabilidade nos seus institutos, nas universidades, na indústria e na sociedade. Os estudantes que optem por trabalhar em projectos nos institutos Fraunhofer têm excelentes perspectivas de iniciar e desenvolver uma carreira na indústria devido à formação prática e experiência adquiridas. A FhG é uma reconhecida organização sem fins lucrativos cujo nome advém do ilustre investigador, inventor e empreendedor de Munique Joseph von Fraunhofer ( ). Os centros de investigação afiliados e os escritórios de representação na Europa, EUA e Ásia possibilitam o contacto com regiões de grande importância para o progresso científico e desenvolvimento económico actual e futuro. Com uma missão claramente definida em investigação orientada a aplicações e um enfoque em tecnologias-chave com relevância para o futuro, a FhG tem um papel predominante no processo de inovação Alemão e Europeu. 15

19 Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, fundada em 1954, faz parte da rede mundial com um total de mais de 117 câmaras de comércio no estrangeiro, delegações e representações da República Federal Alemã em 80 países. Com mais de 1000 sócios em Portugal e na Alemanha, o objectivo da Câmara consiste em fomentar as relações económicas entre a Alemanha e Portugal, apoiar os sócios e oferecer um amplo conjunto de serviços. A Câmara apoia sobretudo empresas médias alemãs a entrarem no mercado português. Da mesma forma, as empresas portuguesas são apoiadas no início ou na ampliação das suas actividades comerciais na Alemanha. 16

20 Mensagem do Presidente da Direcç ão Visão Global de 2009 No fim do nosso primeiro ano de operação autónoma, apresento a nossa actividade de 2009 com resultados positivos mas com natural apreensão relativamente ao futuro. Fomos capazes de atingir as primeiras receitas de projectos com entidades externas de acordo com o esperado. Do mesmo modo, os projectos que tínhamos em carteira no final de 2009, denotam potencial para atingirmos os objectivos para O panorama macroeconómico global continuou a apresentar sérias dificuldades durante o ano de Os indicadores macroeconómicos estruturais de Portugal, também afectados pela crise global, e os investimentos privados, frequentemente atrasados ou reduzidos, permitem antever sérias dificuldades a médio prazo. O relatório aqui apresentado encerra um ano muito intenso no desenvolvimento da actividade da Fraunhofer Portugal e do Fraunhofer AICOS: i. Com efeito a partir de 1 de Janeiro de 2009, os nossos colaboradores passaram a ser formalmente funcionários da FhP, ao serviço do nosso centro AICOS (tendo terminado os seus contractos temporários com a reitoria da UP). Desde então a equipa tem aumentado significativamente com cientistas, estudantes de mestrado e pessoal de apoio. ii. Como era esperado, os nossos esforços de desenvolvimento do negócio deram os primeiros resultados: juntámos forças com duas empresas portuguesas em projectos de aplicações de QREN SI&IDT, que foram aprovados; tivemos o nosso primeiro projecto Europeu aprovado e conduzimos com sucesso o nosso primeiro contrato de projecto de investigação com um parceiro industrial internacional. iii. A equipa esteve extremamente empenhada na aquisição de projectos internacionais através de projectos financiados pela UE, direccionados a aspectos TIC para países em vias de desenvolvimento e AAL. Foram também desenvolvidos esforços de alto nível com o propósito de preparar uma estrutura para a difusão de produtos e serviços AAL a nível nacional (actividade desenvolvida em Parceria com o Cluster da Saúde e a ser financiada pelo QREN); iv. Na frente administrativa iniciamos um grande esforço para preparar e alinhar a nossa operação com a exigente estrutura administrativo-legal a que as organizações de ciência e tecnologia financiadas com fundos públicos devem obedecer em Portugal, o que causou um aumento significativo de despesas em aconselhamento externo. Além de um abrandamento dos processos internos de aquisição, enfrentamos a necessidade de fortalecer a nossa equipa de apoio com recursos adicionais o que não beneficia a proporção desejada entre colaboradores da área científica e da área de apoio e contribuiu para um montante inesperado de gastos gerais. v. No desenvolvimento do governo da Associação, elegemos o nosso Conselho de Supervisão, nomeamos o Conselho Fiscal, criamos o nosso Conselho Científico, que é agora uma valiosa e activa estrutura no governo da Associação, e tivemos uma sessão do Comité de Acompanhamento 17

21 Fraunhofer Portugal AICOS Cerimónia Pública de Apresentação Alfred Gossner - Vice-Presidente, Fraunhofer-Gesellschaft Fraunhofer Portugal AICOS Cerimónia Pública de Apresentação José Mariano Gago - Ministro Português da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior da Fraunhofer Portugal. Além disso, estamos neste momento prestes a formar o Conselho Consultivo Científico. Finalmente, a Assembleia Geral aprovou uma nova versão dos estatutos da Associação Fraunhofer Portugal. vi. Realizamos a apresentação pública da actividade da Fraunhofer Portugal e do Centro AICOS. A 29 de Setembro, realizámos no Círculo Universitário do Porto um importante evento ao qual assistiram: o Ministro Português da Ciência e Tecnologia José Mariano Gago, os Secretários de Estado da Ciência e Tecnologia Português e Alemão, respectivamente Manuel Heitor e Frieder Meyer- Kramer, o Vice-Presidente da Fraunhofer-Gesellschaft Alfred Gossner; o Presidente da FCT João Sentieiro e o Reitor da UP Marques dos Santos. No âmbito da cerimónia, foram assinados alguns acordos: o acordo de cooperação entre a FhG e FCT; o acordo de cooperação entre a UP, FhP e FhG, bem como o acordo de financiamento entre a FhP e FCT. vii. As lições e impressões recolhidas dos primeiros contactos com o mercado desenvolvidos ao longo do ano de 2009 foram alvo de uma reflexão conjunta pelos Cientistas, Direcção, e colegas da Alemanha, da qual resultou um realinhamento do enfoque das actividades do Centro AICOS. O foco das actividades do Centro AICOS será descrito numa Agenda de Investigação Estratégica (Strategic Research Agenda - SRA), envolvendo tópicos específicos, agrupados em três áreas principais de investigação aplicadas a dois grandes segmentos de utilizadores: populações seniores ou envelhecidas e populações de países em vias de desenvolvimento : Interacção Homem - Computador (HCI - Human Computer Interaction), Processamento de Informação, e Computação autonómica. Apesar da inovação ser tida como elemento fundamental para recuperar dos abrandamentos da actividade económica, ao longo de 2009 pudemos observar que as empresas tendem a cortar e/ou atrasar significativamente os orçamentos de I&D, assim como nos pudemos aperceber de que a angariação de potenciais clientes nacionais e internacionais se revelou mais difícil do que o expectável, do mesmo modo que a conclusão de negociações ficou cada vez mais difícil. Com o objectivo de ultrapassar as dificuldades sentidas no lado da indústria, aumentamos o esforço para participar em projectos fundados pela UE direccionados a aspectos TIC para países em vias de desenvolvimento. A nível nacional, o AICOS iniciou esforços coordenados para lançar algumas actividades de longo termo de modo a preparar uma estrutura para a disseminação de produtos e serviços AAL em Portugal. Em todo o caso, a nossa operação começa a demonstrar um ritmo interessante. De facto conseguimos apresentar um desempenho agradável durante o ano, especialmente no último trimestre, onde o nosso centro AICOS conseguiu obter um projecto industrial de última hora que contribuiu fortemente para os resultados do ano. Os resultados da Fraunhofer Portugal em 2009 reflectem o carácter inicial da nossa operação. Sobretudo o perfil da nossa estrutura de custos, que denota o esforço da organização para implementar as suas actividades, contratando o pessoal necessário para incrementar o potencial de I&D da instituição e equipar os seus laboratórios com as infra-estruturas necessárias para desenvolver projectos-piloto internos e actividades de I&D contratada. Em paralelo, continuamos a preparar a nossa mudança para instalações definitivas, num edificio que se encontram na fase final de construção. 18

22 Mensagem do Presidente da Direcç ão Fraunhofer Portugal AICOS Cerimónia Pública de Apresentação Foto de grupo Perspectivas para 2010 O difícil panorama económico, os encargos administrativos, as condições de trabalho inadequadas que a equipa enfrenta e, em especial, a incapacidade de aumentar as nossas instalações actuais, cria inúmeros desafios à nossa capacidade de apresentar um conjunto de resultados operacionais em linha com o nosso ambicioso plano. Todavia encaramos 2010 com a confiança de que teremos a oportunidade de continuar a lutar pela concretização da nossa ambição de alcançar a liderança do mercado de I&D através de uma absoluta diferenciação na abordagem aos nossos clientes e na qualidade dos serviços que a Fraunhofer oferece. A nossa actividade em 2010 será sempre que possível orientada ao objectivo de recuperar o atraso na nossa operação: i. Construção dos novos escritórios: ii. Estabelecimento de um grupo de ICT4D em Lisboa; iii. Lançamento do AAL4AAL (iniciativa de referência nacional AAL); iv. Aumento do esforço de aquisição de projectos de terceiros nomeadamente projectos industriais (através do fortalecimento da equipa de desenvolvimento de negocio); v. Crescimento de 26 para quase 60 pessoas (incluindo estudantes) nos 12 meses até Dezembro de 2010; vi. Selecção e nomeação dos primeiros líderes de grupo; vii. Introdução do mecanismo contabilístico Custo real indirecto UE (análise sofisticada de centros de lucro e de custo). Os atrasos significativos introduzidos no nosso desenvolvimento fazem com que não seja ainda oportuno prever o nosso potencial para concretizar os planos propostos. Estamos cientes da importância que o próximo ano terá no desenvolvimento da operação e reconhecemos os esforços necessários para realizar os objectivos de 2010, especialmente porque ainda nos consideramos numa curva de aprendizagem no que diz respeito ao melhor modo de abordar e atrair clientes portugueses. 19

23 Fraunhofer Portugal AICOS Cerimónia Pública de Apresentação Da esquerda para a direita: Filipe Abrantes, Mariano Gago, Dirk Elias Fraunhofer Portugal AICOS Cerimónia Pública de Apresentação Assinatura do protocolo oficial, da esquerda para a direita: Dirk Elias, Georg Rosenfeld, Frieder Meyer-Krahmer, Alfred Gossner, João Sentieiro, José Mariano Gago, Miguel Barbosa. Estamos muito preocupados com a influência que o atraso no edifício poderá ter na nossa capacidade compor a equipa necessária à prossecução dos projectos que contribuirão para o resultado de No que respeita à gama de projectos, poderá verificar-se a necessidade de balancear o equilíbrio para projectos financiados por programas de I&D nacionais e internacionais caso se verifique que os efeitos da crise macroeconómica se irão manter por algum tempo, levando a uma redução de longo prazo das despesas industriais de I&D. Estamos no entanto confiantes que a experiencia do nosso associado fundador Fraunhofer- Gesellschaft (com uma carreira comprovada de conhecimento de mercado), e a energia, ambição e criatividade dos nossos colaboradores, irá contribuir decisivamente para a nossa capacidade de concretizar a nossa missão com sucesso. Dirk Elias Presidente da Direcção 20

24 A Nossa Actividade 21

25 A NOSSA ACTIVIDADE INDUSTRIAL, CIENTÍFICA E ACADÉMICA EM 2009 Projectos Externos Projectos Internos Actividade Académica O Mercado da I&D Evolução e Tendências Globais Evolução e Tendências em Portugal As Nossas Pessoas 22

26 A Nossa Ac tividade A nossa Actividade Industrial, Científica e Académica em 2009 Gostaríamos de partilhar algumas das actividades industriais, científicas e académicas que a equipa do Fraunhofer AICOS tem vindo a desenvolver. Projectos Externos Das actividades já desenvolvidas com parceiros industriais destacamos um projecto com a Deutsche Telekom, totalmente desenvolvido com tecnologia e conhecimento português e que mereceu o seguinte comentário do nosso cliente: A nossa primeira colaboração com o centro Fraunhofer AICOS foi um sucesso: A equipa não só entregou os seus resultados dentro dos prazos estimados como foi capaz de introduzir melhorias significativas ao conceito inicialmente acordado. Com base nesta experiência estamos confiantes em desenvolver novos projectos e actividades em conjunto com o centro Fraunhofer AICOS. novo segmento de mercado, providenciando uma variedade de aplicações e serviços de conteúdos que em grande medida usam as infra-estruturas e serviços já existentes. Os resultados deste projecto vão também mostrar como as barreiras de utilização que muitas vezes levam a barreiras de aquisição, podem ser reduzidas por decisões informadas baseadas na experiencia do utilizador. A nível nacional, o AICOS e dois clientes industriais tiveram duas candidaturas QREN aprovadas, o que confirmou os seus dois primeiros projectos industriais com parceiros portugueses. Esta expressão de interesse foi de facto transformada em realidade e o AICOS conseguiu um projecto adicional no último trimestre do ano, focado em conteúdos e sistemas finais que têm o objectivo de mostrar como a DTAG pode abordar um 23

27 WasteComm ecaalyx WasteComm Em conjunto com um parceiro nacional, e com o apoio do Programa SI I&DT do QREN, o FhP-AICOS está a desenvolver um sistema que permite recolher informação dos contentores enterrados utilizados na recolha de resíduos sólidos urbanos e enviar essa informação de forma segura para os serviços centrais de ambiente e limpeza urbana das cidades. O sistema permitirá também o cálculo optimizado das rotas de recolha dos resíduos, pelo que, na posse da informação recolhida, os serviços centrais poderão optimizar de modo significativo os custos da operação de recolha dos resíduos e de manutenção de toda a infra-estrutura. O contributo do FhP-AICOS para este projecto prende-se com o desenvolvimento de uma infraestrutura de comunicações de baixo custo. Mobile CCTV Em conjunto com um parceiro nacional, e com o apoio do Programa SI I&DT do QREN, o FhP-AICOS irá colaborar no desenvolvimento de um sistema que introduzirá melhorias significativas num sistema SCADA. Actualmente a infra-estrutura de monitorização consiste num conjunto de câmaras de vídeo dispersas ao longo da área sob controlo, e de uma estação central onde é feita a monitorização das imagens captadas pelas câmaras, bem como a gestão de eventos e ocorrências. Os operadores da estação central atribuem aos agentes de manutenção no terreno a resolução de diferentes problemas. Com a colaboração e os desenvolvimentos do FhP-AICOS, os agentes passarão a transportar consigo um dispositivo móvel que lhes permitirá aceder com facilidade a informação adicional sobre as tarefas que lhe estão atribuídas (exemplo: imagens do evento/ocorrência atribuídas aos agentes). Os principais objectivos do projecto são a redução dos tempos de reacção a eventos e a melhoria da gestão desses mesmos eventos. CAALYX-MV No que diz respeito a actividades de projecto internacionais de investigação e desenvolvimento financiadas por programas da UE, o AICOS viu aprovado um projecto (CAALYX-MV) que é de certa maneira uma sequela do projecto em andamento CAALYX. O objectivo principal do CAALYX-MV é aperfeiçoar e validar a solução tecnológica de controlo de saúde desenvolvida no âmbito do projecto CAALYX. Serão feitas três experiencias 24

Fraunhofer Portugal AICOS Sessão Pública de Apresentação

Fraunhofer Portugal AICOS Sessão Pública de Apresentação Fraunhofer Portugal AICOS Sessão Pública de Apresentação O primeiro centro de investigação gerido pela Associação Fraunhofer Portugal Research 1. Sessão Pública de Apresentação Realizou-se ontem, dia 29

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL 21º Congresso Quantificar o Futuro Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL Programa Data Hora Actividade 23/Nov. 11:30 Inauguração Oficial Innovation Lounge Visita efectuada ao Venture Lounge por Sua

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

Projeto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL

Projeto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL Projeto AAL4ALL Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL 2 Sumário Mudança demográfica em Portugal Ambient Assisted Living (AAL) Porque é necessário? Quais as áreas de aplicação? Quais são os desafios?

Leia mais

PHC dsuporte Externo. ππ Aumentar a satisfação dos seus clientes. ππ Aumentar a velocidade de resposta dos pedidos

PHC dsuporte Externo. ππ Aumentar a satisfação dos seus clientes. ππ Aumentar a velocidade de resposta dos pedidos PHC dsuporte Externo DESCRITIVO O módulo PHC dsuporte Externo permite prestar assistência técnica pós-venda, aumentar de forma significativa a eficiência e a qualidade do serviço, o que resulta na maior

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Tópicos da Intervenção do Senhor Ministro da Economia e da Inovação 24 de Novembro de 2005 Plano Tecnológico - Inovação e Crescimento

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique DESCRIÇÃO DO TRABALHO Título de posição: Responde a: Supervisiona: Localização: Gestor de Comunicação Directora Nacional, WWF Moçambique Todo pessoal de comunicações Maputo, Moçambique Data: 19 de Agosto

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML.

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Descritivo completo PHC dportal A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Benefícios Actualização e manutenção simples

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas

A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas A CRIAÇÃO E O LANÇAMENTO DAS ACTIVIDADES DA TA CR A fundação da Agência de Tecnologia da República Checa (adiante designada TA CR ) foi um

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA.

BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA. BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A BlueWorks Medical Expert Diagnosis, Lda. é uma start-up de Coimbra que se dedica ao desenvolvimento

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

IP Communications Platform

IP Communications Platform IP Communications Platform A Promessa de Convergência, Cumprida As comunicações são essenciais para os negócios mas, em última análise, estas são conduzidas a nível pessoal no ambiente de trabalho e por

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade PHC dcrm DESCRITIVO O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente

Leia mais

Portal do Golfe. Informação, Colaboração e Reservas Online

Portal do Golfe. Informação, Colaboração e Reservas Online Informação, Colaboração e Campo Real, 25 de Junho de 2010 Objectivos Reforçar a competitividade internacional da oferta de golfe em Portugal Reforçar a parceria com o Turismo de Portugal ao nível da estratégia

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DOS INCENTIVOS DIRECTOS CONCEDIDOS PELO ESTADO AOS ORGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL

ESTUDO DE IMPACTO DOS INCENTIVOS DIRECTOS CONCEDIDOS PELO ESTADO AOS ORGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL ESTUDO DE IMPACTO DOS INCENTIVOS DIRECTOS CONCEDIDOS PELO ESTADO AOS ORGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL Paulo Faustino, PhD Arons de Carvalho, PhD Estratégia Metodológica Global Forças políticas,

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA.

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. Conferência 6 de Outubro, FC Gulbenkian Lisboa INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO MANUEL CALDEIRA CABRAL DIAGNÓSTICO(S)

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de e um compromisso político Apresentação ao Conselho Consultivo do Plano Tecnológico 19 de Julho de 26 Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta

Leia mais

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital U. Lusófona, 11 Jul 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Os princípios de orientação do presente regulamento do CITI são os seguintes: 1º Participação

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

Solução de gestão de frota automóvel

Solução de gestão de frota automóvel Solução de gestão de frota automóvel Gisgeo Information Systems www.gisgeo.pt UPTEC Parque de Ciência e Tecnologia R. Actor Ferreira da Silva, 100 gisgeo@gisgeo.pt 4200-298 Porto +351 220301572 Portugal

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal 1 Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal As alterações verificadas no comportamento dos consumidores, consequência dos novos padrões

Leia mais

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

GUIA BIOTRAINING A SUA EMPRESA BIOTECNOLÓGICA MAIS PRÓXIMA

GUIA BIOTRAINING A SUA EMPRESA BIOTECNOLÓGICA MAIS PRÓXIMA GUIA BIOTRAINING A SUA EMPRESA BIOTECNOLÓGICA MAIS PRÓXIMA 1 BIOTECNOLOGIA... 3 2 BIOTRAINING... 4 O QUE É?... 4 OBJECTIVOS... 4 A QUEM SE DIRIGE?... 5 QUE POSSO OBTER PARTICIPANDO EM BIOTRAINING?... 5

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão.

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Projecto Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Tempo de escassa encomenda e recursos económicos e consequentemente de alteração de paradigmas sociais e profissionais.

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

PORQUÊ O PHC ENTERPRISE CS?

PORQUÊ O PHC ENTERPRISE CS? PORQUÊ O PHC ENTERPRISE CS? Um ERP, como qualquer software, pode vir em várias medidas. Quer se chamem soluções, serviços, formatos, ou gamas como no caso da PHC, existem diversas possibilidades para uma

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação)

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) Rua Castilho 90 2ºesq 1250-071 Lisboa, Portugal Rua José Gomes Ferreira nº219 - Aviz 4150-442 Porto, Portugal info@beill.pt / www.beill.pt Sobre A Beill

Leia mais

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Análise da Michael Page sobre Recursos Humanos 27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Manter a motivação das equipas é o principal desafio das empresas portuguesas, sendo apontado por 42%

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO 1º Ano 2º semestre CONTROLO DA QUALIDADE Elaborado por: João Gilberto Ramos Abreu 2089506 Nádia Andrade Abreu 2038907 Sónia Vieira da Silva - 2043407 Funchal Abril de 2008 "Criatividade

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projeto Engenharia 2020 Preocupações macroeconómicas Papel da engenharia na

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA 1. ENQUADRAMENTO Nos últimos 3 anos e meio a Câmara Municipal de Lisboa vem desenvolvendo uma estratégia para a valorização económica da cidade e captação de investimento (http://www.cm-lisboa.pt/investir)

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE COMPETÊNCIAS INTERNAS DE I&DT: NÚCLEOS DE I&DT AVISO N.º 08/SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador

Leia mais

Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar?

Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar? QUESTÕES COLOCADAS PELO JORNALISTA MARC BARROS SOBRE O PROTOCOLO ENTRE A FNABA E O TURISMO DE PORTUGAL Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar? Com propostas para fazer e

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais